Você está na página 1de 45

1

2º Unidade
Capítulo V
Leitura V ______________________________________________________________________3
Pronome e Colocação Pronominal __________________________________________________5

Exercícios_____________________________________________________________________12

Capítulo VI
Leitura VI ______________________________________________________________________14
Verbos, Vozes do Verbo e Conjugação_______________________________________________16
Exercícios_____________________________________________________________________29

Capítulo VII
Leitura VII______________________________________________________________________32
Conjunção______________________________________________________________________34
Exercícios_____________________________________________________________________36

Capítulo VIII
Leitura VIII _____________________________________________________________________37
Advérbio_______________________________________________________________________40
Exercícios_____________________________________________________________________42

Questões do Enem E Vestibulares_________________________________________________43

Organização: Apoio:

2
Capítulo V

Leitura V
Papos
- Me disseram...
- Disseram-me.
- Hein?
- O correto é "disseram-me". Não "me
disseram".
- Eu falo como quero. E te digo mais... Ou é
"digo-te"? - O quê?
- Digo-te que você...
- O "te" e o "você" não combinam.
- Lhe digo?
- Também não. O que você ia me dizer?
- Que você está sendo grosseiro, pedante e
chato. E que eu vou te partir a cara. Lhe
partir a cara. Partir a sua cara. Como é que
se diz?
- Partir-te a cara.
- Pois é. Parti-la hei de, se você não parar de
me corrigir. Ou corrigir-me.
- É para o seu bem.
- Dispenso as suas correções. Vê se esquece-me. Falo como bem entender. Mais uma
correção e eu...
- O quê?
- O mato.
- Que mato?
- Mato-o. Mato-lhe. Mato você. Matar-lhe-ei-te. Ouviu bem?
- Pois esqueça-o e pára-te. Pronome no lugar certo e elitismo!
- Se você prefere falar errado...
- Falo como todo mundo fala. O importante é me entenderem. Ou entenderem-me?
- No caso... não sei.
- Ah, não sabe? Não o sabes? Sabes-lo não?
- Esquece.
- Não. Como "esquece"? Você prefere falar errado? E o certo é "esquece" ou "esqueça"?
Ilumine-me. Me diga. Ensines-lo-me, vamos.
- Depende.
- Depende. Perfeito. Não o sabes. Ensinar-me-lo-ias se o soubesses, mas não sabes-o.
- Está bem, está bem. Desculpe. Fale como quiser.
- Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso mais dizer-lo-
te o que dizer-te-ia.
- Por que?
- Porque, com todo este papo, esqueci-lo.
VERÍSSIMO, Luis Fernando. Papos. Disponível em
http://cazzoradiotube.blogspot.com/2009/05/papos-luis-fernando-verissimo.html.
Acessado em 10/12/2009.

3
Capítulo V

Interpretação em Prática

1. Marque um X apenas na alternativa incorreta:


a. ( ) Há quatro pessoas conversando.
b. ( ) Há uma conversa entre duas pessoas.
c. ( ) “ O importante é me entenderem.” Essa frase destaca a importância da
comunicação.
d. ( ) “Falo como todo mundo fala.” Esse período revela que, geralmente, a fala do
homem é a reprodução daquilo que ele ouve.

2. “Dispenso as suas correções. Vê se esquece-me. Falo como bem entender. Mais


uma correção e eu...
– O quê?
– O mato.
– Que mato?
– Mato-o. Mato-lhe. Mato você. Matar-lhe-ei-te.”
Nesse trecho, a palavra “mato” foi interpretada de duas maneiras, quais são elas?

________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

3. “- Agradeço-lhe a permissão para falar errado que mas dás. Mas não posso mais
dizer-lo-te o que dizer-te-ia.
– Por que?
– Porque, com todo este papo, esqueci-lo.”
Através da leitura do texto, percebemos que alguém iria transmitir uma mensagem,
entretanto foi esquecida. Qual é a razão para o esquecimento da mensagem?

________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

4
Capítulo V

Pronome
Palavra que substitui ou acompanha um substantivo, indicando a pessoa do discurso.
Exemplos:
Pedro não foi à festa. Ele não gosta de festas.
(Ele substitui o substantivo Pedro)
Existem três pessoas gramaticais ou pessoas do discurso:
1ª pessoa: a pessoa que fala - Eu viajei ontem
2ª pessoa: a pessoa com quem se fala - Tu és uma pessoa muito agradável.
3ª pessoa: a pessoa de quem se fala – Marcela leu diversos livros de Guimarães
Rosa.

Classificação dos Pronomes

Pronomes Pessoas
Os pronomes pessoais substituem os nomes e indicam as pessoas do discurso e são
divididos em “retos”, “oblíquos átonos” e “oblíquos tônicos”.

Classificamos os pronomes em retos ou oblíquos de acordo com a função


que exercem na oração. Os retos funcionam como sujeito da oração, os oblíquos
átonos funcionam como objeto direto e os oblíquos tônicos como objeto indireto.

5
Capítulo V

Precedido de Preposição
Pronome
Pronome
Número Pessoa Oblíquo
Pessoal Pronome
Átono Contrações
Oblíquo Tônico

mim, migo
1ª eu me mim
(comigo)

ti, tigo
Singular 2ª tu te ti
(contigo)

si, sigo
3ª ele, ela se,o,a, lhe si,ele, ela
(consigo), ele, ela

nós, nosco
1ª nós nos nós
(connosco)

vós, vosco
2ª vós vos vós
Plural (convosco)

si, sigo
se,os, as,
3ª eles, elas si, eles, elas (consigo),
lhes
eles, elas

Formas Pronominais
Os pronomes o, a, os, as quando associados a verbos terminados em R, S ou Z,
assumem as seguintes formas: LO, LAS, LOS, LAS.
Anotar + o – anotá-lo Anotamos + a – anotamo-las Fez + a – fê-las

Quando associados a verbos terminados em som nasal, adquirem as seguintes


formas: NO, NA, NOS, NAS.
Enviaram + o – enviaram-no Levaram + a – levaram-na Dão + os – dão-nos

Pronomes Pessoais de Tratamento


Os pronomes de tratamento são usados no trato cerimonioso ou informal.

6
Capítulo V

Pronome Abreviatura Usado Para


Você V. Tratamento familiar
No tratamento respeitoso
às pessoas que se
Senhor (a) Sr. Sra.
mantém um certo
distanciamento. Pronomes
Pessoas de cerimônia, de Tratamento
Vossa principalmente em
V.S.ª Esses pronomes são da
Senhoria correspondências
comerciais. 2ª pessoa, mas concordam
com o verbo na 3ª pessoa:
Altas autoridades: Vossa Alteza pode
Vossa presidentes da responder às questões.
V.Ex.ª
Excelência República, senadores, Referindo-se à 3ª pessoa o
deputados. pronome é precedido do
Vossa possessivo SUA:
V.Em.ª Cardeais Sua Alteza viaja hoje para
Eminência
Portugal.
Vossa
V.A. Príncipes e duques
Alteza
Vossa
V.S O Papa
Santidade
Vossa
V.M. Reis e rainhas
Majestade

Pronomes Possessivos
São aqueles que se referem às pessoas gramaticais e dão a idéia de posse.
Não use a minha caneta.

Pessoa do Discurso Pronome Possessivo

1ª pessoa singular Meu, minha, meus, minhas.

2ª pessoa singular Teu, tua, teus, tuas.

3ª pessoa singular Seu, sua, seus, suas.

1ª pessoa plural Nosso, nossa, nossos,


nossas.

2ª pessoa plural Vosso, vossa, vossos, vossas.

3ª pessoa plural Seu, sua, suas, suas.

7
Capítulo V

Pronomes Demonstrativos
São aqueles que indicam o lugar, a posição
que um ser ocupa em relação às pessoas do
discurso.
Posição no espaço:
Esta caneta é minha. Outras palavras podem aparecer
como pronomes demonstrativos:
Esta indica que a caneta está próxima Mesmo, mesma, mesmos,
da pessoa que fala. mesmas, tal, tais, próprio, próprias,
próprios, próprias, o, a, os, as,
Esse carro não é o teu? semelhante, semelhantes.
Esse indica que o carro está próximo da Ninguém esperava tal resultado.
pessoa que ouve. (tal » este)
Ele fez justamente o que o juiz
Aquele livro não pode ficar lá na pediu. (o » aquilo)
mesa. Aquele indica que o livro está distante
da pessoa que fala e da pessoa que ouve.
Posição no tempo:
Esta semana comprei meu carro.
Esta se refere à semana presente, atual.
Esse mês, Jonas alcançou suas metas.
Esse se refere a um passado próximo.
Aquele mês foi péssimo para o Onde ou Aonde?
comércio. • Onde é utilizado com verbos
que NÃO dão ideia de movimento,
Aquele se refere a um passado mais
podendo ser substituído por em que
distante. ou no qual.
Variáveis Invariáveis Nunca mais estive na cidade
onde nasci.
Este, esta, estes, estas. Isto

Esse, essa, esses, essas. Isso • Aonde é utilizado com verbos


que indicam movimento.
Aquele, aquela, aqueles, aquelas. Aquilo Aonde vai Miriam?

Pronomes Relativos
Substitui um termo da oração anterior e estabelece relação entre duas orações.
Não conhecemos a menina aluno. A menina saiu.
Não conhecemos o a menina que saiu.

Os pronomes relativos são:

8
Capítulo V

Variáveis Invariáveis

O qual, a qual Que (quando equivale a o qual e


Os quais, as quais flexões)
Cujo, cuja Quem (quando equivale a o qual
e flexões)
Cujos, cujas
Onde (quando equivale a no qual
Quanto, quanta
e flexões)
Quantos, quantas

Pronomes Indefinidos

Variáveis Invariáveis
(referem-se a coisas)
Algum, alguma, alguns, algumas algo
Nenhum, nenhuma Tudo
Nenhuns, nenhumas
Todo, toda, todos, todas Nada
Outro, outra, outros, outras
Muito, muita, muitos, muitas
(referem-se a pessoas)
Pouco, pouca, poucos, poucas Quem
Certo, certa, certos, certas Alguém
Vário, vária, vários, várias Ninguém
Quanto, quanta, quantos, quantas outrem
Tanto, tanta, tantos, tantas
Qualquer, quaisquer
(referem-se a coisas e pessoas)
Qual, quais Cada
Um, uma, uns, umas que

Os pronomes indefinidos também podem aparecer sob a forma de locução


pronominal:
Cada qual, quem quer que, qualquer um, todo aquele que, tudo o mais

9
Capítulo V

Pronomes Interrogativos
Introduzem frases interrogativas.

Variáveis Invariáveis
Qual, quanto Quem, que

Quantos irão ao cinema? Qual é o seu nome? Quem é você?

Colocação Pronominal
Colocação pronominal é a posição que os pronomes pessoais oblíquos átonos (me, te,
se, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes) ocupam na frase em relação ao verbo a que se referem.

Próclise – Pronome antes do verbo

Eu não te amo. Advérbio – expressa circunstâncias


(lugar,tempo,modo)
Pronome + verbo Ando rápido
Conjunção - Palavra que une
orações.(Convém que eu saia)
A próclise é usada quando há na frase Verbo no Infinitivo – Termina em –
palavras atrativas, que funcionam como um R
“imã” e puxam o pronome oblíquo para próximo Cantar
delas. As palavras atrativas são: Verbo no Gerúndio – Termina em –
ndo
Cantando
• Conjunções subordinativas - que, Verbo no Particípio – Termina em
o qual, se, pois, etc (ex: irei se me – do (Quando for regular)
Cantado
chamarem)
•Pronomes relativos - quem, cujo,
de quem, em que, qual, quando, etc (ex: há
pessoas que nos querem bem)
• Pronomes interrogativos - (exs: quando, quantos)
• Orações optativas - (ex: Deus o guarde)
• Orações exclamativas - (ex: Os céus te favoreçam!)
• Advérbios proverbiais - (exs: também, quase, por que, como, onde, conforme)
• Negação - (exs: nada, nunca, não, sem, ninguém)
• Particípio - (ex: ele nos falaria)
•Pronomes indefinidos - (ex: tudo, alguém, ninguém, poucos, muitos, a maioria, a
minoria)

10
Capítulo V

• “Em” + verbo no gerúndio - (ex: em se tratando de conversar, você é mestre)


• Advérbios - (agora, já, ali, aqui, amanhã, pouco, muito, sempre, mais, menos)
* Exceção - aqui se arruma / aqui, arruma-se

Ênclise – Pronome depois do verbo

Vende – se um apartamento.
Verbo + Pronome
• Início de oração (ex: Levantei-me cedo)
• Imperativas afirmativas (ex: João, sente-se)
• Gerúndio (ex: recusou, fazendo-se de desentendido)
• Infinitivo precedido de “a” (ex: corriam a ouvi-lo)
Orações coordenadas sindéticas (ex: eles chegaram e fizeram-se alheios.

Estudam ou divertem-se)

Mesóclise – Pronome no meio do verbo

Entregar - te - ei o presente amanhã.


Verbo + pronome + desinência do verbo

• Futuro do presente, futuro do pretérito (exs: entregarei, estudaria. convencê-lo-ia


a aceitar. dar-te-ei um abraço)

Locuções
• Verbo principal no infinitivo ou gerúndio
Com palavra atrativa - “nas extremidades” (exs: não lhe devo dizer o contrário /
não devo dizer-lhe o contrário)
Sem palavra atrativa - após o principal ou após o auxiliar (ex: eu devo dizer-lhe o
contrário / eu devo-lhe dizer o contrário)
• Verbo principal no particípio
Com palavra atrativa - antes do auxiliar (ex: não me tinham avisado)
Sem palavra atrativa - após auxiliar (eles tinha-me avisado)
• Verbo principal no futuro do presente ou futuro do pretérito – mesóclise (ex.:
ter-e-ia discutido o problema)

11
Capítulo V

1. Complete com cujo, quem, onde, aonde, quanto, que/qual, conforme o caso:
a. O rio ______ águas estão poluídas é horrível.
b. O sítio ______ estou é lindo.
c. O mercado ________ vou é distante.
d. As pessoas de _________ falas não vieram.
e. Esqueça-se de tudo __________ lhe disse.

2. Dadas as frases:
• Sua Santidade chegou.
• Essa caneta é nova.
• Existe luz no fim do túnel.
Os termos grifados podem ser classificados como:
a. ( ) pronome relativo, adjetivo e conjunção
b. ( ) pronome de tratamento, pronome demonstrativo e contração (em + o)
c. ( ) pronome interrogativo, pronome adjetivo e substantivo
d. ( ) conjunção, interjeição e verbo

3. Correlacione:
( ) Não vá sem mim. 1 – Pronome Pessoal
( ) Não vá sem eu saber 2 – Pronome Oblíquo tônico
( ) V.Sª deve estar feliz. 3 – Pronome Demonstrativo
( ) Este é meu livro 4 – Pronome de Tratamento

4. A colocação dos pronomes pessoais oblíquos átonos está de acordo com as


normas da gramática em todas as frases. Utilize o código abaixo para as justificativas
devidas:
1 - Próclise por atração da palavra negativa
2 - Próclise com oração exclamativa
3 - Próclise com oração interrogativa
4 - Próclise por atração do pronome relativo
( ) Não me esquecerei jamais dos seus conselhos
( ) Quem de vós me acusará?
( ) Esta casa que vos dôo fora há alguns anos do meu avô.

12
Capítulo V

( ) Que mal me causaste com a tua ausência!

5. Justifique o uso da colocação pronominal:


( ) Amei-o sempre. 1- Próclise por atração adverbial
( ) Louvar-te-ei Senhor. 2-Ênclise por início de frase
( ) Aqui me alegro 3-Mesóclise por verbo no futuro
( ) Tudo se aproxima do fim. 4-Próclise por pronome indefinido
( ) Não lhe devo amar tanto./Não 5- Locução verbal com verbo
devo amar-lhe principal no infinitivo e palavra atrativa
( ) Nunca me haviam dito isso. 6- Locução verbal com verbo
principal no particípio.

6. Empregue no espaço em branco, EU ou MIM conforme o caso:


a. Estas coisas são difíceis para ______ dizer.
b. Para ____ estas coisas não devem ser ditas.
c. Essas notícias chegaram até _______.
d. José emprestou-me o livro para ________ ler.
e. Depois de _____ chegar,você pode retirar-se.
f. Esta mesa serve para _______ estudar.

13
Capítulo VI

Leitura VI

Por que é difícil dizer não às drogas


Quem usa drogas pela primeira vez não vê os amigos se
acabando nas sarjetas e não acredita que vai ser um viciado

As campanhas contra o uso de drogas e a exibição na televisão do efeito devastador


que elas têm sobre a vida dos viciados deveriam ser suficientes para riscar esse mal da
superfície do planeta. Não é o que acontece. Num desafio ao bom senso, um número enorme
de adolescentes continua dizendo sim às drogas. Pesquisa recente mostrou que um em cada
quatro estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública brasileira já experimentou
algum tipo de droga, além do cigarro e das bebidas alcoólicas. A idade do primeiro contato
com esse tipo de substância caiu dos 14 para os 11 anos em uma década. Tais dados
sinalizam um futuro bem ruim. Quanto mais cedo se experimenta uma droga, maiores são os
riscos de se tornar viciado. As pesquisas também revelam que a maioria dos jovens sabe que
as drogas podem se transformar num problema sério. Mas isso não basta para mantê-los
longe de um baseado ou de um papelote de cocaína.
Por que é assim? É claro que quem experimenta
pela primeira vez não deseja virar viciado. Um estudo do
Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas da
Universidade de São Paulo (Grea) diz que a curiosidade
é a motivação que leva nove em cada dez jovens a
consumir drogas pela primeira vez. Em seguida vem o
desejo de se integrar a algum grupo de amigos. No
momento da iniciação das drogas, o adolescente não vê
os amigos morrendo, sendo pressionados por traficantes
nem se acabando nas sarjetas. Também é difícil
perceber a importância que a droga pode assumir em
sua vida no futuro. A maioria das drogas só provoca
dependência depois de algum tempo de uso. Ou seja,
quem entra nessa só percebe tarde demais que está
num caminho sem volta. Apenas uma parcela dos usuários se torna dependente grave, do tipo
que aparece nas novelas de TV. Apostar nesse argumento para usar drogas é uma loteria
perigosíssima, porque ninguém sabe ao certo se vai virar viciado ou não.
Há alguns fatores que contribuem para que um jovem tenha maiores probabilidades de
se viciar. O primeiro é genético. Já se provou que pessoas com histórico familiar de alcoolismo
ou algum outro vício correm maiores riscos de também ser dependentes. Os demais estão
relacionados com a personalidade. Adolescentes tímidos, ansiosos por algum tipo de
reconhecimento entre os amigos, apresentam maior comportamento de risco para a
dependência. Jovens inseguros, que sofrem de depressão ou ansiedade, costumam procurar
as drogas como alívio para seus problemas. É ainda uma forma de mostrar aos pais que algo
não vai bem com eles ou com a vida familiar. No extremo oposto, aqueles que parecem não
ter medo de nada e que buscam todo tipo de emoções também correm grande risco de se
envolver com drogas.

14
Capítulo VI

O melhor jeito de dizer não às drogas é entender que ninguém precisa ser igual ao
amigo ou repetir padrões de comportamento para ser aceito no grupo. É por isso que a
prevenção em casa funciona melhor que os anúncios do governo. "Dá para fazer uma boa
campanha doméstica sem falar necessariamente em droga", diz o psiquiatra Sérgio Dario
Seibel, de São Paulo. Em outras palavras: é natural o adolescente repelir reprimendas e
conversas formais sobre esse assunto. Imediatamente fecha a cara e os ouvidos a quem lhe
diz em tom grave: "Precisamos conversar sobre drogas", seja o pai, a mãe, seja o governo ou
qualquer instituição. A situação ainda é pior quando o pai bebe todo dia sob o pretexto de
relaxar ou quando está nervoso e deprimido. Ele pode passar para o filho a idéia de que a
bebida é um poderoso aliado para enfrentar obstáculos. A mãe que toma comprimidos para
dormir também está dando ao filho a falsa idéia de que as substâncias químicas garantem a
felicidade. Daí a ele achar natural usar drogas é apenas um passo.
POR QUE É DIFÍCIL DIZER NÃO ÀS DROGAS. Disponível em
http://veja.abril.com.br/especiais/jovens_2003/p_034.html. Acessado em 25/11/2009.

Interpretação em prática
1. Marque F para falso e V para verdadeiro:
a. ( ) Diversos estudantes do ensino fundamental e médio da rede pública
brasileira já experimentaram droga.
b. ( ) O fator genético não pode influenciar alguém a usar drogas.
c. ( ) O texto sugere que o diálogo em casa funciona como um ótimo meio de
prevenção das drogas.
d. ( ) O desejo do adolescente de ser integrado a algum grupo não influencia ao
uso de drogas.

2. “As campanhas contra o uso de drogas e a exibição na televisão do efeito


devastador que elas têm sobre a vida dos viciados deveriam ser suficientes para riscar esse
mal da superfície do planeta.” O termo grifado refere-se à:
a. ( ) as campanhas
b. ( ) a exibição na televisão
c. ( ) a vida dos viciados
d. ( ) o uso de drogas

3. Em qual frase todos os termos destacados são pronomes?


a. ( ) “Pesquisa recente mostrou que um em cada quatro estudantes do ensino
fundamental e médio da rede pública brasileira já experimentou algum tipo de droga.”
b. ( ) “Aqueles que parecem não ter medo de nada e que buscam todo tipo de
emoções também correm grande risco de se envolver com drogas.
c. ( ) “O melhor jeito de dizer não às drogas é entender que ninguém precisa ser
igual ao amigo.”
d. ( ) “ A maioria das drogas só provoca dependência depois de algum tempo de
uso.”

15
Capítulo VI

Verbo
Entende-se por verbo a unidade que significa ação ou processo e organizada para
expressar o modo, o tempo, a pessoa e o número.
Verbo regular – Durante a flexão o
radical não varia.
Cantar, vender, partir
Verbo irregular – É o verbo que, em
algumas formas, apresenta modificação no
radical ou na flexão, afastando-se do modelo
da conjugação a que pertence: Quando estiver na dúvida sobre como
conjugar um verbo, consulte o site
ouvir – ouço / dizer – digo http://www.conjuga-me.net/,
principalmente para as conjugações
Verbo anômalo – É o verbo irregular que
dos verbos irregulares.
apresenta, na sua conjugação, radicais
primários diferentes: ser (reúne o concurso de
três radicais:
sou, és,fui) e ir reúne o concurso de três radicais: vou,irmos,fui.
Outros autores consideram também anômalo o verbo cujo radical sofre alterações que
não podem enquadra em modelo algum:
dar,estar,ter,haver,ser,poder,ir,vir,ver,caber...
Verbo defectivo - É o verbo que, na sua conjugação, não apresenta todas as formas.
(É preciso não confundi-lo com os verbos chamados impessoais):
Banir Colorir Explodir Feder Abolir
Verbo abundante - É o verbo que apresenta duas ou três formas de igual valor e
função:
Infinitivo Particípio regular Particípio irregular
Aceitar Aceitado Aceito

16
Capítulo VI

Eleger Elegido Eleito


Entregar Entregado Entregue
Ganhar Ganhado Ganho
Imprimir Imprimido Impresso
Limpar Limpado Limpo
Matar Matado Morto
Pagar Pagado Pago
Salvar Salvado Salvo

Formas Rizotônica - É a forma verbal cuja sílaba tônica se acha no radical:


canto , vendem , quero
Formas Arriizotônica – É a forma verbal cuja sílaba tônica se acha fora do radical:
queremos , cantais, vendido.

Formas Nominais
- r para o infinitivo: canta –r, vende-r , parti-r
-do para o particípio: canta-do,vendi-do,parti-do
-ndo para o gerúndio: canta-ndo,vende-ndo,parti-ndo
Locução Verbal – É a combinação de um verbo auxiliar com o Infinitivo,
Gerúndio ou Particípio.
• Entre o auxiliar e o verbo principal no infinitivo pode aparecer ou não uma
preposição (de,em, por,a,para).
•Na locução verbal é somente o auxiliar que recebe as flexões de
pessoa,número,tempo e modo: Haveremos de fazer,estavam por sair...

O verbo é classificado em conjugação de acordo com a vogal temática.

Vogal temática Conjugação Verbo


A 1ª Cantar
E/O 2ª Vender/ Pôr
I 3ª Partir

Modo e Tempos dos Verbos


Indicativo
Exprime um fato certo, uma certeza. A ação verbal pode aparecer nos seguintes tempos:
presente, pretérito (perfeito, imperfeito, mais que perfeito) e futuro (presente e pretérito)

17
Capítulo VI

1ª 2ª 3ª
Tempos Verbo: Pôr
conjugação conjugação conjugação
Eu cant-o Vend-o Part-o Ponho
Tu cant-as Vend-es Part-es Pões
Ele cant-a Vend-e Part-e Põe
Presente Nós cant- Vend-emos Part-imos Pomos
Fato atual amos Vend-eis Part-is Pondes
Vós cant-ais Vend-em Part-em Põem
Eles cant-am

Eu cant-ei Vend-i Part-i Pus


Tu cant-aste Vend-este Part-iste Puseste
Ele cant-ou Vend-eu Part-iu Pôs
Pretérito
perfeito Nós cant- Vend-emos Part-imos Pusemos
amos Vend-estes Part-istes Pusestes
Fato
passado Vós cant- Vend-eram Part-iram Puseram
astes
concluído
Eles cant-
aram

Eu cant-ava Vend-ia Part-ia Punha


Tu cant-avas Vend-ias Part-ias Punhas
Pretérito Ele cant-ava Vend-ia Part-ia Punha
imperfeito Nós cant- Vend-iámos Part-íamos Púnhamos
Um fato ávamos Vend-íes Part-íeis Púnheis
passado Vós cant- Vend-iam Part-iam Punham
não áveis
concluído Eles cant-
avam

Eu cant-ara Vend-era Part-ira Pusera


Pretérito Tu cant-aras Vend-eras Part-iras Puseras
mais-que - Ele cant-ara Vend-era Part-ira Pusera
perfeito Nós cant- Vend-êramos Part-íramos Puséramos
Um fato áramos Vend-êreis Part-íreis Puséreis
passado Vós cant- Vend-eram Part-iram Puseram
anterior a áreis
outro fato Eles cant-
passado aram

Eu cant-arei Vend-erei Part-irei Porei


Futuro do Tu cant-arás Vend-erás Part-irás Porás
presente Ele cant-ará Vend-erá Part-irá Porá

18
Capítulo VI

Nós cant- Vend-eremos Part-iremos Poremos


Um fato aremos Vend-ereis Part-ireis Poreis
futuro em
Vós cant- Vend-erão Part-irão Porão
relação a um
areis
momento
presente Eles cant-
arão

Eu cant-aria Vend-eria Part-iria Poria


Tu cant-arias Vend-erias Part-irias Porias
Futuro do
Ele cant-aria Vend-eria Part-iria Poria
pretérito
Nós cant- Vend- Part-iríamos Poríamos
Um fato aríamos eríamos
futuro em Part-iríeis Poríeis
relação a um Vós cant- Vend-eríeis Part-iriam Poriam
aríeis Vend-eriam
momento
passado Eles cant-
ariam

Subjuntivo
Exprime fatos incertos e a ação verbal aparece nos seguintes tempos: presente,
pretérito imperfeito, futuro.

2ª 3ª
1ª Verbo Pôr
Tempos conjugação conjugação
conjugação

Presente
Um fato atual
exprimindo Eu Cante Venda Parta Ponha
possibilidade Tu Cantes Vendas Partas Ponhas
Ele Cante Venda Parta Ponha
Obs.: Para Nós Cantemos Vendamos Partamos Ponhamos
auxiliar a Vós Canteis Vendais Partais Ponhais
conjugação,
Eles Cantem vendam Partam Ponham
coloque um
QUE antes
do pronome.

Pretérito
Imperfeito Eu Cantasse Vendesse Partisse Pusesse
Um fato Tu Cantasses Vendesses Partisses Pusesses

19
Capítulo VI

passado
dependente
de
outro fato Ele Cantasse
passado Vendesse Partisse Pusesse
Nós
Vendêssemos Partíssemos Puséssemos
Cantássemos
Obs.: Para Vendêsseis Partísseis Pusésseis
Vós Cantásseis
auxiliar a vendessem Partissem Pusessem
Eles cantassem
conjugação,
coloque um
SE antes do
pronome.

Futuro
expressa um
fato futuro
relacionado
a
Eu Cantar Vender Partir Puser
outro fato
futuro Tu Cantares Venderes Partires Puseres
Ele Cantar Vender Partir Puser
Obs.: Para Nós Cantarmos Vendermos Partirmos Pusermos
auxiliar a Vós Cantardes Venderdes Partirdes Puserdes
conjugação, Eles cantarem venderem Partirem Puserem
coloque um
QUANDO
antes do
pronome.

Imperativo
Indicar ordem, conselho, pedido, o fato verbal pode expressar negação ou afirmação.
Há duas formas do imperativo:
Imperativo negativo - Não falem alto.
Imperativo afirmativo - Falem mais alto.
Imperativo Negativo – é formado do presente do subjuntivo.
1ª. conjugação 2ª. conjugação 3ª. conjugação Verbo: Pôr
Cantar Vender Partir

----------------- EU ----------------- EU ----------------- EU ----------------- EU

20
Capítulo VI

Não cantes TU Não vendas TU Não partas TU Não ponhas TU


Não cante ELE Não venda ELE Não parta ELE Não ponha ELE
Não cantemos NÓS Não vendamos NÓS Não partamos NÓS Não ponhamos NÓS
Não canteis VÓS Não vendais VÓS Não partais VÓS Não ponhais VÓS
Não cantem ELES Não vendam ELES Não partam ELES Não ponham ELES

Imperativo Afirmativo – Também é formado do presente do subjuntivo, com exceção


da 2ª. pessoa do singular e da 2ª. pessoa do plural, que são retiradas do presente do
indicativo sem o “s”.

1ª. conjugação 2ª. conjugação 3ª. conjugação Verbo: Pôr


Cantar Vender Partir

----------------- EU ----------------- EU ----------------- EU ----------------- EU


Canta TU Vende TU Parte TU Põe TU
Cante ELE Venda ELE Parta ELE Ponha ELE
Cantemos NÓS Vendamos NÓS Partamos NÓS Ponhamos NÓS
Cantai VÓS Vendei VÓS Parti VÓS Ponde VÓS
Cantem ELES Vendam ELES Partam ELES Ponham ELES

Tempos Compostos
É a combinação do verbo (ter, haver,ser) mais o verbo principal nos modos e tempos
do verbo. Entre os tempos compostos da voz ativa merecem realce particular aqueles que
são constituídos de formas do verbo ter (ou, mais raramente, haver) com o particípio do verbo
que se quer conjugar, porque é costume incluí-los nos próprios modelos de conjugação:

MODO INDICATIVO
1. Pretérito Perfeito Composto - Formado do Presente do Indicativo do verbo ter com
o Particípio do verbo principal:
tenho cantado tenho vendido tenho partido
tens cantado tens vendido tens partido
tem cantado tem vendido tem partido
temos cantado temos vendido temos partido
tendes cantado tendes vendido tendes partido
têm cantado têm vendido têm partido
2. Pretérito Mais-que-perfeito composto - Formado do Imperfeito do Indicativo do
verbo ter. (ou haver) com o PARTICÍPIO do verbo principal:
tinha cantado tinha vendido tinha partido
tinhas cantado tinhas vendido tinhas partido
tinha cantado tinha vendido tinha partido

21
Capítulo VI

tínhamos cantado tínhamos vendido tínhamos partido


tínheis cantado tínheis vendido tínheis partido
tinham cantado tinham vendido tinham partido
3. Futuro do Presente Composto - Formado do Futuro do Presente Simples do verbo
ter (ou haver) com o Particípio do verbo principal:
terei cantado terei vendido terei partido
terás cantado terás vendido terás partido
terá cantado terá vendido terá partido
teremos cantado teremos vendido teremos partido
tereis cantado tereis vendido tereis partido
terão cantado terão vendido terão partido
4. Futuro do Pretérito Composto - Formado do Futuro do Pretérito Simples do verbo
ter (ou haver) com o Particípio do verbo principal:
teria cantado teria vendido teria partido
terias cantado terias vendido terias partido
teria cantado teria vendido teria partido
teríamos cantado teríamos vendido teríamos partido
teríeis cantado teríeis vendido teríeis partido
teriam cantado teriam vendido teriam partido
MODO SUBJUNTIVO
1. Pretérito Perfeito - Formado do Presente do Subjuntivo do verbo ter (ou haver) com
o Particípio do verbo principal:
tenha cantado tenha vendido tenha
tenhas cantado tenhas vendido tenhas partido
tenha cantado tenha vendido tenha partido
tenhamos cantado tenhamos vendido tenhamos partido
tenhais cantado tenhais vendido tenhais partido
tenham cantado vendido tenham partido
2. Pretérito Mais-que-perfeito - Formado do Imperfeito do Subjuntivo do verbo ter (ou
haver) com o Particípio do verbo principal:
tivesse cantado tivesse vendido tivesse partido
tivesses cantado tivesses vendido tivesses partido
tivesse cantado tivesse vendido tivesse partido
tivéssemos cantado tivéssemos vendido tivéssemos partido
tivésseis cantado tivésseis vendido tivésseis partido
tivessem cantado tivessem vendido tivessem partido
3. Futuro Composto - Formado do Futuro Simples do Subjuntivo do verbo ter (ou
haver) com o Particípio do verbo principal:
tiver cantado tiver vendido tiver partido
tiveres cantado tiveres vendido tiveres partido
tiver cantado tiver vendido tiver partido
tivermos cantado tivermos vendido tivermos partido
tiverdes cantado tiverdes vendido tiverdes partido
tiverem cantado tiverem vendido tiverem partido

22
Capítulo VI

FORMAS NOMINAIS
1. Infinitivo Impessoal Composto (Pretérito Impessoal) - Formado do Infinitivo
Impessoal do verbo ter (ou haver) com o Particípio do verbo principal:
ter cantado ter vendido ter partido
2. Infinitivo Pessoal Composto (ou Pretérito Pessoal) - Formado do Infinitivo Pessoal
do verbo ter (ou haver) com o Particípio do verbo principal:
ter cantado ter vendido ter partido
teres cantado teres vendido teres partido
ter cantado ter vendido ter partido
termos cantado termos vendido termos partido
terdes cantado terdes vendido terdes partido
terem cantado terem vendido terem partido
3. Gerúndio Composto (Pretérito) - Formado do Gerúndio verbo ter (ou haver) com o
Particípio do verbo principal:
tendo cantado tendo vendido tendo partido

Vozes do Verbo
Vozes do verbo são formas de como se apresenta a ação expressa pelo verbo em
relação ao sujeito da oração. São classificadas em ativa e passiva:
Voz ativa - Ocorre quando a ação expressa pelo verbo é praticada pelo sujeito:
A menina comprou um bolo
Sujeito agente (A menina pratica a ação de comprar).
Voz passiva - Ocorre quando a ação expressa pelo verbo é recebida pelo sujeito:
O bolo foi comprado pela menina.
Sujeito paciente (o bolo sofre a ação )
O termo que indica quem exerce a ação verbal, nesse caso, quem praticou a ação de
comprar é o agente da passiva – pela menina.

Agente da passiva é o termo da oração que, na voz


passiva, designa o ser que pratica a ação recebida pelo sujeito.
Esse termo é sempre introduzido pelas preposições por (ou per) e
de.
Aquela casa azul foi construída pelo pedreiro.
Sujeito paciente voz passiva agente da passiva

A voz passiva pode ser :

23
Capítulo VI

●Analítica - formada pelos verbos ser ou estar + particípio do verbo principal


+ agente da passiva:
Os livros foram escritos pelos escritores modernos.
Sujeito paciente v. auxiliar + particípio agente da passiva

● Sintética: formada por verbo transitivo direto na 3ª pessoa + se (pronome


apassivador ou partícula apassivadora) + sujeito paciente:
Compram –se carros usados.
Verbo + partícula sujeito paciente
Apassivadora
Transformações na mudança da voz ativa para a voz passiva
A empresa vende casas novas.
Voz ativa
Sujeito agente OD
Voz passiva Casas novas são vendidas pela empresa.
analítica Sujeito paciente agente da passiva
Voz passiva Vendem–se casas novas.
sintética Pronome sujeito paciente apassivador

Conjugação de Alguns Verbos


Aguar - Os verbos enxaguar e desaguar são conjugados da mesma forma que aguar.

Presente do Indicativo águo, águas, água, aguamos, aguais, águam.


Presente do Subjuntivo ágüe, ágües, ágüe, agüemos, agüeis, ágüem.
Imperativo Afirmativo água, ágüe, agüemos, aguai, ágüem.
não ágües, não ágüe, não agüemos, não agüeis, não
Imperativo Negativo
ágüem.
Pretérito Perfeito do Ind. agüei, aguaste, aguou, aguamos, aguastes, aguaram.
Pretérito Mais-que-perfeito aguara, aguaras, aguara, aguáramos, aguáreis,
do Ind. aguaram.
Futuro do Subj. aguar, aguares, aguar, aguarmos, aguardes, aguarem.
Pretérito Imperfeito do aguasse, aguasses, aguasse, aguássemos, aguásseis,
Subj. aguassem.
aguarei, aguarás, aguará, aguaremos, aguareis,
Futuro do Presente
aguarão.
aguaria, aguarias, aguaria, aguaríamos, aguaríeis,
Futuro do Pretérito
aguariam.

24
Capítulo VI

Infinitivo Pessoal aguar, aguares, aguar, aguarmos, aguardes, aguarem.


aguava, aguavas, aguava, aguávamos, aguáveis,
Pretérito Imperfeito do Ind.
aguavam.
Formas Nominais aguar, aguando, aguado.

Arrear - Significa pôr arreio. Como ele, conjugam-se todos os verbos terminados
em – ear.
Presente do Indicativo arreio, arreias, arreia, arreamos, arreais, arreiam.

Presente do Subjuntivo arreie, arreies, arreie, arreemos, arreeis, arreiem.

Imperativo Afirmativo arreia, arreie, arreemos, arreai, arreiem.

não arreies, não arreie, não arreemos, não arreeis, não


Imperativo Negativo
arreiem.

Pretérito Perfeito do
arreei, arreaste, arreou, arreamos, arreastes, arrearam.
Ind.

Pretérito Mais-que- arreara, arrearas, arreara, arreáramos, arreáreis,


perfeito do Ind. arrearam.

Futuro do Subj. arrear, arreares, arrear, arrearmos, arreardes, arrearem.

Pretérito Imperfeito do arreasse, arreasses, arreasse, arreássemos,


Subj. arreásseis, arreassem.

arrearei, arrearás, arreará, arrearemos, arreareis,


Futuro do Presente
arrearão.

arrearia, arrearias, arrearia, arrearíamos, arrearíeis,


Futuro do Pretérito
arreariam.

Infinitivo Pessoal arrear, arreares, arrear, arrearmos, arreardes, arrearem.

Pretérito Imperfeito do arreava, arreavas, arreava, arreávamos, arreáveis,


Ind. arreavam.

Formas Nominais arrear, arreando, arreado.

Arriar - Significa fazer descer. Como ele, conjugam-se todos os verbos terminados
em -iar, menos os verbos mediar, ansiar, remediar, incendiar e odiar.

Presente do Indicativo arrio, arrias, arria, arriamos, arriais, arriam.


Presente do Subjuntivo arrie, arries, arrie, arriemos, arrieis, arriem.

25
Capítulo VI

Imperativo Afirmativo arria, arrie, arriemos, arriai, arriem.


não arries, não arrie, não arriemos, não arrieis, não
Imperativo Negativo
arriem.
Pretérito Perfeito do
arriei, arriaste, arriou, arriamos, arriastes, arriaram.
Ind.
Pretérito Mais-que-
arriara, arriaras, arriara, arriáramos, arriáreis, arriaram.
perfeito do Ind.
Futuro do Subj. arriar, arriares, arriar, arriarmos, arriardes, arriarem.
Pretérito Imperfeito do arriasse, arriasses, arriasse, arriássemos, arriásseis,
Subj. arriassem.
Futuro do Presente arriarei, arriarás, arriará, arriaremos, arriareis, arriarão.
arriaria, arriarias, arriaria, arriaríamos, arriaríeis,
Futuro do Pretérito
arriariam.
Infinitivo Pessoal arriar, arriares, arriar, arriarmos, arriardes, arriarem.
Pretérito Imperfeito do arriava, arriavas, arriava, arriávamos, arriáveis,
Ind. arriavam.
Formas Nominais arriar, arriando, arriado.

Ansiar - Assim como a conjugação de ansiar, conjugam-se mediar, remediar,


incendiar e odiar.

Presente do Indicativo anseio, anseias, anseia, ansiamos, ansiais, anseiam.


Presente do Subjuntivo anseie, anseies, anseie, ansiemos, ansieis, anseiem.
Imperativo Afirmativo anseia, anseie, ansiemos, ansiai, anseiem.
não anseies, não anseie, não ansiemos, não ansieis,
Imperativo Negativo
não anseiem.
Pretérito Perfeito do
ansiei, ansiaste, ansiou, ansiamos, ansiastes, ansiaram.
Ind.
Pretérito Mais-que- ansiara, ansiaras, ansiara, ansiáramos, ansiáreis,
perfeito do Ind. ansiaram.
ansiar, ansiares, ansiar, ansiarmos, ansiardes,
Futuro do Subj.
ansiarem.
Pretérito Imperfeito do ansiasse, ansiasses, ansiasse, ansiássemos,
Subj. ansiásseis, ansiassem.
ansiarei, ansiarás, ansiará, ansiaremos, ansiareis,
Futuro do Presente
ansiarão.
ansiaria, ansiarias, ansiaria, ansiaríamos, ansiaríeis,
Futuro do Pretérito
ansiariam.

26
Capítulo VI

ansiar, ansiares, ansiar, ansiarmos, ansiardes,


Infinitivo Pessoal
ansiarem.
Pretérito Imperfeito do ansiava, ansiavas, ansiava, ansiávamos, ansiáveis,
Ind. ansiavam.
Formas Nominais ansiar, ansiando, ansiado.

Haver

Presente do Indicativo hei, hás, há, havemos, haveis, hão.


Presente do Subjuntivo haja, hajas, haja, hajamos, hajais, hajam.
Imperativo Afirmativo há, haja, hajamos, havei, hajam.
não hajas, não haja, não hajamos, não hajais, não
Imperativo Negativo
hajam.
Pretérito Perfeito do houve, houveste, houve, houvemos, houvestes,
Ind. houveram.
Pretérito Mais-que- houvera, houveras, houvera, houvéramos, houvéreis,
perfeito do Ind. houveram.
houver, houveres, houver, houvermos, houverdes,
Futuro do Subj.
houverem.
Pretérito Imperfeito do houvesse, houvesses, houvesse, houvéssemos,
Subj. houvésseis, houvessem.
haverei, haverás, haverá, haveremos, havereis,
Futuro do Presente
haverão.
haveria, haverias, haveria, haveríamos, haveríeis,
Futuro do Pretérito
haveriam.
Infinitivo Pessoal haver, haveres, haver, havermos, haverdes, haverem.
Pretérito Imperfeito do
havia, havias, havia, havíamos, havíeis, haviam.
Ind.
Formas Nominais haver, havendo, havido.

27
Capítulo VI

VER e VIR
Há muita dificuldade no uso dos verbos “ver” e “vir”, pois há modos em que
as conjugações ficam muito parecidas e,.conseqüentemente, causam confusão.
Vejamos: o pretérito imperfeito do subjuntivo inicia-se com o uso da conjunção “se”
(indicativa de hipótese) e é caracterizado pela terminação “sse”: se ele visse (ver),
se ele viesse (vir).
O futuro do subjuntivo inicia-se com o uso das conjunções “quando” ou
“se”, indicativas de possibilidade, e é caracterizado pelas terminações “ar”, “er”,
“ir”: quando eu o vir (ver), quando eu vier (vir).
A dúvida maior surge quando o verbo “vir” está no infinitivo (vir) e o verbo
“ver” está no futuro do subjuntivo (vir). Como saber qual está sendo empregado?
Só através do contexto é possível. Veja:
1. Se você o vir passando aqui hoje, dê-lhe o recado. (ver)
2. 2. Diga-lhe para vir até mim, por favor. (vir)
Outra ocasião é do verbo “vir” na primeira pessoa do plural do presente do
indicativo e do verbo “ver” também na primeira pessoa do plural, mas do
pretérito perfeito do indicativo. Observe:
1. Nós vimos de um lugar muito calmo. (vir)
2. Nós vimos você no shopping esta semana. (ver)
O importante é estar atento à conjugação dos verbos “ver” e “vir” que, no
geral, são diferentes, com exceção dos casos apontados acima.

28
Capítulo VI

1. Escreva,dentro dos parênteses, (I) infinitivo, (G) gerúndio ou (P) particípio.


a. ( ) vendido
b. ( ) ido
c. ( ) vendendo
d. ( ) ser
e. ( ) rir
f. ( ) começando

2. Escreva, dentro dos parênteses, (VA) voz ativa, (VP) voz passiva, (VRR) voz
reflexiva recíproca ou (VR) voz reflexiva:
a. ( ) O filho do vizinho nadou muito.
b. ( ) Ele se cortou.
c. ( ) O ladrão foi preso.
d. ( ) Eles se abraçaram.
e. ( ) O sol nasce no horizonte.

3. Transforme as frases da voz ativa para a voz passiva ou vice e versa.


a. O pedreiro construiu a casa.
________________________________________________________________________
b. O juiz foi preso pela polícia.
________________________________________________________________________
c. O ladrão foi preso.
________________________________________________________________________
d. Os contos foram escritos por Machado de Assis.
________________________________________________________________________

4. Assine com “C” as alternativas corretas e com ”I“ as incorretas, considerando a


flexão e o tempo verbal.
( ) Sempre digo a verdade (presente indicativo)
( ) Espero que você também diga (presente do subjuntivo)
( ) Vá embora daqui (imp. afirm. – 2ª pessoa singular)

29
Capítulo VI

( ) Não fique onde não és querido (imp. negativo)


( ) Quando cheguei ao cinema (pret. imperfeito indicativo)
( ) O filme já começara (pret. Mais que perfeito-indicativo)
( ) Quando você vier a Brasília e ver suas avenidas ( futuro do subjuntivo)
( ) verá aonde foi o dinheiro do contribuinte ( fut. Pres.)
( ) Se viéssemos de ônibus para a escola (Pretérito Imperfeito do subjuntivo)
( ) Chegaríamos sempre atrasados (futuro do presente)
( ) Enquanto você se arrumava para sair (infinitivo)
( ) Eu estudava e aprendia verbos (pretérito perfeito do indicativo)
( ) Continuarei nessa luta (futuro do presente)
( ) e se pudesse, aprenderia todos os verbos (futuro do pretérito)
( ) Tenho estudado muito (presente indicativo composto)
( ) Embora tenham suspenso as aulas (pretérito imperfeito Composto)
( ) Os recursos foram imprimidos a tempo (voz passiva analítica)
( ) Todos têm pagado seus impostos (particípio correto)
( ) O ladrão foi pegado na própria cilada (particípio correto)
( ) O fogo destruía o prédio (voz ativa)
( ) O prédio foi destruído pelo fogo (voz passiva do anterior)
( ) Nesta casa, põe-se cartas e joga-se búzios (voz passiva sintética)

Consulte o material extra Unidade II


Capítulo VI - Parte I
sobre conjugação de alguns verbos

5. Complete a frase abaixo com a melhor


opção:
____________, agora, avisá-lo de que se
ela _______________o conteúdo da mensagem,
todos verão quais são nossos planos.
a. ( ) Vimos – ver Pratique os conhecimentos
adquiridos neste capítulo
b. ( ) Viemos – ver no material extra
c. ( ) Vimos – vir Exercícios 2 - Unidade II
Capítulo VIII
d. ( ) Viemos – vir Nossa Língua Parte II.

30
Capítulo VI

6. Complete:
Nós ________agora de São Paulo.
Ontem nós _________de Minas Gerais.
Nós ________o filme há um ano.
Neste instante ___________você.

a. viemos, vemos, vimos, vemos


b. vimos, viemos, vimos, vemos
c. viemos, vimos, viemos, vimos
d. viemos, vimos, vimos, vemos

Pratique os conhecimentos adquiridos


nesta unidade no material extra
Exercícios 1 - Unidade II Capítulo VIII
Nossa Língua Parte II.

31
Capítulo VII

Leitura VII

Como nasce uma vocação


Gênios como o compositor Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) ou o físico Albert
Einstein (1879-1955), que parecem ter sido modelados no útero materno para seguir o seu
caminho profissional, não somam nem 5% da população. Para a maioria das pessoas, a
escolha da área em que se formar e trabalhar é um processo marcado por dúvidas e,
consequentemente, angústia. Dá para evitá-las? Sejamos claros: não. Mas é possível atenuá-
las e sair do impasse mais rapidamente, ao ter em mente que, para escolher sua carreira,
você deve levar em conta não só suas habilidades, mas o interesse despertado pelas
atividades a elas relacionadas e o sentimento de realização que a sua prática pode
proporcionar. Um contraexemplo: por motivos neurológicos, quem tem inclinação para a
música costuma apresentar facilidade com números. Daí a afirmar que músicos, portanto,
gostam de resolver problemas de cálculo vai uma
longa distância. Ou seja, vocação é expressão de
uma aptidão, sim, mas desde que concretizada com
prazer e criatividade. Como ela nasce? "Da
combinação entre a genética, pois os genes
determinam a propensão para atividades específicas,
e o ambiente em que se cresceu", diz o médico
Abram Topczewski, neuropediatra do Hospital Albert
Einstein, em São Paulo.
É na infância, principalmente, que as bases
biológicas das habilidades são estimuladas e
esculpidas, afirma o neuropediatra Mauro Muszkat,
pesquisador da Universidade Federal de São Paulo. A
família e a condição socioeconômica têm um peso
enorme nesse processo. Quanto mais espaço a
criança e o jovem tiverem para experimentar e
expressar seus gostos, tanto melhor. A atriz
Alessandra Negrini, de 39 anos, teve essa liberdade. Em sua família não há nenhum ator,
mas, quando pequena, ela gostava de brincar de teatrinho com os amigos. Na juventude,
Alessandra cursou jornalismo, logo abandonado, e fez dois anos de ciências sociais na
Universidade de São Paulo. Lá, ao estudar as teorias do sociólogo alemão Max Weber (1864-
1920), decidiu, como ela mesma diz, ouvir seu coração: "Quando li o texto de Weber sobre o
desencantamento do mundo, imediatamente pensei: ‘O que eu quero é encantar!’". Ressurgiu,
assim, a menina teatral. Alessandra largou a USP e passou a se dedicar integralmente à arte
dramática. O período na universidade, contudo, não passou em branco. "Ainda uso muito do
que aprendi na hora de compor os personagens que interpreto", afirma a atriz.
Sem ambiente favorável, não há como as aptidões genéticas florescerem – e, para
ficar no lugar-comum, também nesse caso as exceções só confirmam a regra. Conforme a
área, existem períodos na infância mais propícios para dar início ao desenvolvimento de
determinadas habilidades. Mas se há mais de uma aptidão, e com graus de interesse
semelhantes, como reconhecer aquela a ser levada em conta no momento de cravar uma
profissão? "Aí pode entrar em cena o orientador, que tenta aclarar o panorama para o jovem.

32
Capítulo VII

Os resultados, em geral, são bons", diz Yvette Lehman, coordenadora do Laboratório de


Orientação Profissional da Universidade de São Paulo. Por último, mas não menos importante,
a análise do potencial retorno financeiro da carreira a ser seguida. Trata-se de um item que
deve figurar entre as preocupações do candidato a profissional de sucesso.
MORAES, Rafael.Como nasce uma vocação.
Disponível em http://veja.abril.com.br/111109/como-nasce-uma-
vocacao. Acessado em 2/12/2009.

Interpretação em Prática

1. Qual frase expressa melhor a importância do meio em que o ser humano está
inserido para o descobrimento da vocação?
a. ( ) “A vocação é expressão de uma aptidão, sim, mas desde que concretizada
com prazer e criatividade.”
b. ( ) “A escolha da área em que se formar e trabalhar é um processo marcado
por dúvidas.”
c. ( ) “Sem ambiente favorável, não há como as aptidões genéticas florescerem.”
d. ( ) “É na infância, principalmente, que as bases biológicas das habilidades são
estimuladas e esculpidas.”

2. “A atriz Alessandra Negrini, de 39 anos, teve essa liberdade. Em sua família não há
nenhum ator, mas, quando pequena, ela gostava de brincar de teatrinho com os amigos.” O
termo em destaque refere-se a:
a. ( ) Liberdade
b. ( ) Família
c. ( ) Brincar
d. ( ) Alessandra Negrini

33
Capítulo VII

Conjunção
Palavra que liga orações basicamente, estabelecendo entre elas alguma relação
(subordinação ou coordenação). As conjunções classificam-se em:
Coordenativas - ligam duas orações independentes (coordenadas), ou dois termos
que exercem a mesma função sintática dentro da oração. Apresentam cinco tipos:
● aditivas (adição) - e, nem, mas também, como também, bem como, mas ainda
etc.
● adversativas (adversidade, oposição) - mas, porém, todavia, contudo, antes
(=pelo contrário), não obstante, apesar disso etc.
- alternativas (alternância, exclusão, escolha) - ou, ou ... ou, ora ... ora, quer ...
quer etc.
- conclusivas (conclusão) - logo, portanto, pois (depois do verbo), por
conseguinte, por isso etc.
● explicativas (justificação) - pois (antes do verbo), porque, que, porquanto etc.

Subordinativas - ligam duas orações dependentes, subordinando uma à outra.


Apresentam 10 tipos:
− causais - porque, visto que, já que, uma vez que, como, desde que etc.
− comparativas - como, (tal) qual, assim como, (tanto) quanto, (mais ou
menos +) que etc.
− condicionais - se, caso, contanto que, desde que, salvo se, sem que (=se
não), a menos que etc.
− consecutivas (conseqüência, resultado, efeito) - que (precedido de tal,
tanto, tão etc. - indicadores de intensidade), de modo que, de maneira que, de sorte
que, de maneira que, sem que etc.

34
Capítulo VII

− conformativas (conformidade, adequação) - conforme, segundo,


consoante, como etc.
− concessiva - embora, conquanto, posto que, por muito que, se bem que,
ainda que, mesmo que etc.
− temporais - quando, enquanto, logo que, desde que, assim que, mal
(=logo que), até que etc.
− finais - a fim de que, para que, que etc.
− proporcionais - à medida que, à proporção que, ao passo que, quanto
mais (+tanto menos) etc.
− integrantes - que, se
As conjunções integrantes introduzem as orações subordinadas substantivas,
enquanto as demais iniciam orações subordinadas adverbiais. Muitas vezes a função de
interligar orações é desempenhada por locuções conjuntivas, advérbios ou pronomes.

Uma conjunção pode expressar mais de uma ideia

João trabalha e estuda todos os dias. (adição)


João estudou muito e foi aprovado. (conclusão - poderia ser substituído por “logo”)
João estudou muito e não foi aprovado. (adversativa - poderia ser substituído por
“mas”.

Faço o trabalho como o regulamento prescreve. (conformidade – poderia ser substituído por
“conforme”).
Ele age como o pai. (comparação, pois poderia ser substituído por "igual a").

Se você estudar, conseguirá seu intento. (condição, pois poderia ser substituída por "caso").

Se você sabia que era proibido entrar lá, por que não me avisou? (indica causa, pois
poderia ser substituída por "já que").

35
Capítulo VII

1. Correlacione:
A. Causa
B. Finalidade
C. Conseqüência
D. Proporcional
E. Conformidade
F. Comparação
G. Tempo
H. Concessão
I. Integrante
J. Condição

a. ( ) Tudo passou como as nuvens do céu.


b. ( ) Acompanhou a multidão, embora o tenha feito contra sua vontade.
c. ( ) Se você não vier, a reunião não se realizará .
d. ( ) Seu espírito se elevava à medida que compunha o poema.
e. ( ) Quando chegar de viagem, avise – me.
f. ( ) João disse que faria a lição.
g. ( ) Os balões sobem porque são mais leves que o ar.
h. ( ) Os balões são mais leves que o ar, de modo que sobem.
i. ( ) O debate se desenrolou conforme foi planejado.
j. ( ) A criança morre para que o homem possa viver.

36
Capítulo VIII

Leitura VIII

37
Capítulo VIII

38
Capítulo VIII

Interpretação em Prática
1. O mito da caverna foi escrito pelo filósofo Platão. Trata-se da exemplificação de
como podemos nos libertar da condição de escuridão que nos aprisiona através da luz da
verdade. Assinale o trecho que exemplifica melhor essa condição humana:
a. ( ) “Vamos dar um jeito em você!”
b. ( ) “Você não pode fazer isso!”
c. ( ) “ Pena que tenha passado tão depressa!”
d. ( ) “Se não fosse você passaríamos a vida olhando para as sombras da vida”

2. Maque um X na resposta correta.


a. ( ) O último quadrinho mostra que o homem voltou a ideia de assistir apenas
projeções da vida.
b. ( ) O último quadrino revela que o homem não gosta de ver as projeções da
vida.
c. ( ) Os três homens que estavam na caverna ficaram nervosos aos saírem da
gruta e não gostaram do mundo real.
d. ( ) O primeiro quadrinho não representa a vida.

3. A palavra “Ei” é repitida várias vezes durante a história. Classificamos esse


vocábulo em:
a. ( ) substantivo
b. ( ) advérbio
c. ( ) interjeição
d. ( ) adjetivo

Leia “O mito da caverna” de Platão em


http://ateus.net/ebooks/geral/platao_o_mito_da_caverna
.pdf

39
Capítulo VIII

Advérbio
Palavra invariável que modifica o sentido do verbo, acrescentando a ele determinadas
circunstâncias de tempo, de modo, de intensidade, de lugar...
Um lindo balão azul atravessava lentamente o céu.

verbo + advérbio
Nesse caso, lentamente modifica o verbo atravessar, pois acrescenta uma ideia de
modo. Os advérbios de intensidade têm uma característica particular, pois além de intensificar
o verbo, podem intensificar o sentido dos adjetivos e de outros advérbios.
Pedro é inteligente demais. As encomendas chegaram muito tarde.

adjetivo + advérbio advérbio + advérbio

Classificação do Advérbio
Os advérbios são classificados tradicionalmente em:
Lugar - lá, aqui, acima, por fora, etc.
Modo - bem, mal, assim, devagar, às pressas, pacientemente, etc.
Dúvida - talvez, possivelmente, acaso, porventura, etc.
Negação - não, de modo algum, de forma nenhuma, etc.
Afirmação - sim, realmente, com certeza, etc.
Intensidade - muito, demais, pouco, tão, menos, em excesso, etc.
Tempo - agora, hoje, sempre, logo, de manhã, às vezes, etc.

40
Capítulo VIII

Palavras Denotativas

Existem palavras e locuções semelhantes aos advérbios que são


conhecidas como “palavras denotativas” e indicam idéia de:
Inclusão - até, mesmo, inclusive...
Exclusão - só, apenas, menos...
Retificação - isto é, aliás, ou melhor...
Explicação - por exemplo, ou seja...

Locução Adverbial
Locução adverbial é toda expressão formada por mais de uma palavra e que funciona
como advérbio.
As notícias chegaram de manhã.

41
Capítulo VIII

1. Classifique a locução adverbial que aparece em “Machucou-se com a gilete.”


a. ( ) modo
b. ( ) instrumento
c. ( ) negação
d. ( ) fim

2. Só não há advérbio em:


a. ( ) Não o quero.
b. ( ) Ali está o material.
c. ( ) Tudo está correto.
d. ( ) Talvez ele fale

3. A opção em que há um advérbio exprimindo circunstância de tempo é:


a. ( ) Ali há um novo restaurante.
b. ( ) Ele correu muito para alcançar o carro.
c. ( ) Nádia morreu rápido.
d. ( ) Pedro será demitido agora.

42
Questões

Tendo como base a propaganda, responda as questões 1 e 2:

(ENEM 2009) O texto ao lado tem o objetivo de solucionar um problema social,

A) ( ) descrevendo a situação do país em relação à gripe suína.


B) ( ) alertando a população para o risco de morte pela Influenza A.
C) ( ) informando a população sobre a iminência de uma pandemia de Influenza A.
D) ( ) orientando a população sobre os sintomas da gripe suína e procedimentos para evitar a
contaminação.
E) ( ) convocando toda a população para se submeter a exames de detecção da gripe suína.

(ENEM 2009) Os principais recursos utilizados para envolvimento e adesão do leitor à


campanha institucional incluem
A) ( ) o emprego de enumeração de itens e apresentação de títulos expressivos.

43
Questões

B) ( ) o uso de orações subordinadas condicionais e temporais.


C) ( ) o emprego de pronomes como “você” e “sua” e o uso do imperativo.
D) ( ) a construção de figuras metafóricas e o uso de repetição.
E) ( ) o fornecimento de número de telefone gratuito para contato.

(ENEM 2009) Saúde, no modelo atual de qualidade de vida, é o resultado das condições de
alimentação, habitação, educação, renda, trabalho, transporte, lazer, serviços médicos e
acesso à atividade física regular. Quanto ao acesso à atividade física, um dos elementos
essenciais é a aptidão física, entendida como a capacidade de a pessoa utilizar seu corpo — incluindo
músculos, esqueleto, coração, enfim, todas as partes —, de forma eficiente em suas atividades
cotidianas; logo, quando se avalia a saúde de uma pessoa, a aptidão física deve ser levada em conta.
A partir desse contexto, considera-se que uma pessoa tem boa aptidão física quando
A) ( ) apresenta uma postura regular.
B) ( ) pode se exercitar por períodos curtos de tempo.
C) ( ) pode desenvolver as atividades físicas do dia-a-dia, independentemente de sua idade.
D) ( ) pode executar suas atividades do dia a dia com vigor, atenção e uma fadiga de moderada a
intensa.
E) ( ) pode exercer atividades físicas no final do dia, mas suas reservas de energia

(ENEM 2009) Observe a tirinha da personagem Mafalda, de Quino:

QUINO, J. L Mafalda. Tradução de Monica S. M. da Silva, São


Paulo: Matins Fontes, 1988.

44
Questões

O efeito de humor foi um recurso utilizado pelo autor da tirinha para mostrar que o pai de Mafalda.
A) ( ) revelou desinteresse na leitura do dicionário.
B) ( ) tentava ler um dicionário, que é uma obra muito extensa.
C) ( ) causou surpresa em sua filha, ao se dedicar à leitura de um livro tão grande.
D) ( ) queria consultar o dicionário para tirar uma dúvida, e não ler o livro, como sua filha pensava.
E) ( ) demonstrou que a leitura do dicionário o desagradou bastante, fato que decepcionou muito sua
filha.

45