Você está na página 1de 11

ASSQuestões DPE RJ

QUESTÕES BANCA FGV


LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL

EDITAL Nº 01/2018 – ABERTURA DE

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE

CARGOS EFETIVOS DO QUADRO DE PESSOAL

JANEIRO DE 2019
ALESSANDRA SANTIAGO
assquestoes@gmail.com

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

01
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: AL-ROProva: Consultor Legislativo
Joaquim é servidor público ocupante de cargo efetivo de Consultor na Assembleia Legislativa de
Rondônia. Por ter praticado ato tipificado em seu regime jurídico funcional como falta disciplinar,
Joaquim respondeu a processo administrativo disciplinar, que culminou com sua demissão.
Inconformado, Joaquim aforou ação judicial pleiteando a reforma do ato administrativo, de
maneira que a demissão seja substituída por pena disciplinar menos severa, tendo por único
argumento a ofensa ao princípio da proporcionalidade do ato sancionatório.

No caso em tela, de acordo com a reiterada jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, em tese,
a)é viável a revisão de penalidade imposta em PAD, uma vez que o ato punitivo disciplinar é
discricionário e o controle jurisdicional é restrito e se limita a aspectos formais.
b)é viável a revisão de penalidade imposta em PAD, uma vez que não há discricionariedade no ato
disciplinar e o controle jurisdicional é amplo e não se limita a aspectos formais.
c)não é viável a revisão de penalidade imposta em PAD pelo Poder Judiciário, em razão do princípio
da separação dos poderes, que são independentes e harmônicos entre si.
d)não é viável a revisão da legalidade de penalidade imposta em PAD pelo Poder Judiciário, pois se
trata de ato administrativo vinculado.
e)não é viável a revisão da legalidade e do mérito de penalidade imposta em PAD pelo Poder
Judiciário, pois se trata de ato administrativo discricionário.

02
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: AL-ROProva: Consultor Legislativo
João e Maria, ambos servidores ocupantes de cargo efetivo da Assembleia Legislativa, são casados.

Em razão da função pública exercida, João recebeu requerimento que inaugura processo
administrativo em que é interessada terceira pessoa, que arrolou desde logo como sua testemunha
Maria.

Ao receber tal documento, à luz da Lei nº 9.784/99, que trata do processo administrativo, João
deverá
a)dar regular prosseguimento ao processo administrativo, eis que não se aplicam as hipóteses de
impedimento e suspeição, que são exclusivas dos processos judiciais.
b)dar regular prosseguimento ao processo administrativo, eis que não se aplicam as hipóteses de
impedimento e suspeição, pois Maria também é servidora pública efetiva.

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

c)comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se de atuar no feito, em razão de seu


impedimento, sob pena de cometer falta grave disciplinar.
d)comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se de atuar no feito, em razão de sua
suspeição, sob pena de cometer falta grave disciplinar.
e)delegar imediatamente sua competência para conduzir o feito em favor de autoridade
hierarquicamente superior, sob pena de nulidade do feito e falta disciplinar leve.

03
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: TJ-SCProva: Analista Administrativo
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo e os ditames da Lei nº 9.784/99, que trata do
processo administrativo, a competência para prática dos atos administrativos deve ser definida em
lei ou em ato administrativo geral e tem as seguintes características gerais:
a) indelegabilidade, irrenunciabilidade e prorrogabilidade;
b) renunciabilidade, delegabilidade e prescritibilidade;
c) imprescritibilidade, irrenunciabilidade e improrrogabilidade;
d) avocabilidade, indelegabilidade e prescritibilidade;
e) irrenunciabilidade, avocabilidade e prescritibilidade.

04
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: TJ-SCProva: Oficial de Justiça
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, o processo administrativo é regido por
postulados gerais inerentes à atuação do Estado, como o princípio:
a)da inércia, segundo o qual a Administração Pública deve ser provocada pelo particular interessado
ou pelo Ministério Público para poder instaurar o processo administrativo;
b)do devido processo legal, segundo o qual o processo administrativo é inquisitorial, e o
contraditório e a ampla defesa somente são assegurados no processo judicial;
c)da verdade formal, segundo o qual o processo administrativo admite apenas as provas produzidas
unilateralmente pela Administração Pública;
d)da onerosidade, segundo o qual o particular sucumbente deverá arcar com as custas,
emolumentos e ônus sucumbenciais no processo administrativo;
e)da instrumentalidade das formas, segundo o qual o vício de forma é sanável quando não gerar
prejuízo, desde que mantido o interesse público.

05

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99


Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: MPE-ALProva: Técnico do Ministério Público
Com o objetivo de aumentar a segurança jurídica dos administrados, determinada entidade
administrativa elaborou um formulário padronizado para determinados assuntos, que importem
em pretensão equivalente.
À luz da sistemática estabelecida pela Lei nº 9.784/99, que regula o processo administrativo no
âmbito da Administração Pública Federal, é correto afirmar que o referido formulário foi elaborado
por unidade

a) da administração fundacional, com personalidade jurídica de direito privado.


b) integrante do terceiro setor, mas que se relaciona com o poder público.
c) da administração direta, destituída de personalidade jurídica.
d) da administração indireta, destituída de personalidade jurídica.
e) da administração direta ou indireta, dotada de personalidade jurídica.

06
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: TJ-ALProva: Analista Judiciário - Área Judiciária
Em matéria de responsabilidade administrativa por falta funcional de servidor público, de acordo
com a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de Justiça:
a)o termo inicial do prazo prescricional em processo administrativo disciplinar começa a correr
necessariamente da data do fato;
b)a falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a
Constituição da República de 1988;
c)a utilização de prova emprestada produzida no processo criminal para o processo administrativo
disciplinar é vedada, em qualquer hipótese;
d)as instâncias administrativa e penal são independentes entre si, inclusive quando reconhecida a
inexistência do fato ou a negativa de autoria na esfera criminal;
e)o excesso de prazo para conclusão do processo administrativo disciplinar gera sua nulidade
automática, independentemente da demonstração do prejuízo para a defesa.

07
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: TJ-ALProva: Técnico Judiciário - Área Judiciária

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

Os atos administrativos devem ser precedidos de um processo formal que justifica sua prática e
serve de base para sua legitimidade, documentando todas as etapas até a formação válida da
atuação da Administração Pública.
Nesse contexto, a Lei nº 9.784/99 estabelece que, nos processos administrativos, será observado,
entre outros, o critério de:

a)obrigatoriedade de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar, sob pena
de nulidade absoluta por violação à Constituição da República de 1988;
b)interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o atendimento do fim
público a que se dirige, permitida aplicação retroativa de nova interpretação;
c)impulsão procedimental pelos interessados, vedada a atuação de ofício pela própria
Administração Pública;
d)divulgação oficial dos atos administrativos, vedada qualquer hipótese de sigilo;
e)proibição de cobrança de despesas processuais, ressalvadas as previstas em lei.

08
Direito Constitucional Disciplina - Assunto Funções Essenciais à Justiça
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: Câmara de Salvador - BAProva: Analista Legislativo
João, pessoa idosa e que passava por sérias dificuldades financeiras, foi surpreendido por uma ação
de despejo ajuizada pelo proprietário do imóvel em que residia, precisando de um profissional
habilitado que pudesse representar os seus interesses em juízo.
À luz da narrativa acima e da sistemática constitucional, João deve ser atendido:

a) pelo Ministério Público;


b) pela Defensoria Pública;
c) pela Câmara Municipal;
d) pela Procuradoria do Município;
e) pela Advocacia Pública.

09
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2018Banca: FGVÓrgão: Câmara de Salvador - BAProva: Assistente Legislativo
José, servidor público da Câmara Municipal, no exercício da função pública, ao impulsionar um
processo administrativo, mediante a prática de um ato administrativo, lançou nos autos uma
certidão, quando deveria ter feito um simples termo de informação.

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

Com base na doutrina de Direito Administrativo, no caso em tela, aplica-se o princípio do processo
administrativo:
a)do contraditório, segundo o qual o interessado no processo administrativo tem o direito público
subjetivo de ver obedecida a forma previamente prevista para o ato, de maneira que o vício é
inarredavelmente insanável;
b)do informalismo, segundo o qual o processo administrativo é impulsionado pelos agentes
públicos que gozam de legitimidade e liberdade para escolher a forma dos atos administrativos, de
maneira que não houve qualquer vício;
c)da verdade formal, segundo o qual a lei estabelece previamente a forma de todo e qualquer ato
administrativo, e o seu desatendimento fere a verdade formal que é buscada em qualquer processo
administrativo, causando invalidade;
d)da instrumentalidade das formas, segundo o qual a forma é o instrumento para que o ato alcance
seus objetivos, de maneira que caso o ato não tenha causado prejuízos e tenha observado o
interesse público, o vício da forma é sanável;
e)da motivação, segundo o qual todo ato administrativo praticado deve ser motivado com
elementos previstos na lei, por meio da forma legal previamente estabelecida, sob pena de
nulidade absoluta.

10
Direito Constitucional Disciplina - Assunto Funções Essenciais à Justiça
Ano: 2017Banca: FGVÓrgão: TRT - 12ª Região (SC)Prova: Técnico Judiciário - Área Administrativa
O único vizinho de Antônio tinha o hábito de escutar música todos os dias, em volume elevado, até
o início da madrugada.
De acordo com a Constituição Federal de 1988, para solucionar o problema, Antônio:

a)deve procurar a Advocacia-Geral da União, de modo que o problema seja resolvido em caráter
nacional;
b)caso seja hipossuficiente, deve procurar a Defensoria Pública, pois a questão envolve um
interesse individual;
c)deve procurar uma associação constituída há pelo menos 1 (um) ano, que poderá defender a sua
cidadania;
d) deve procurar o Ministério Público, pois a poluição sonora afronta o meio ambiente;
e)deve procurar a Procuradoria Geral do Município, responsável pela resolução dos problemas
locais.

11
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2017Banca: FGVÓrgão: TRT - 12ª Região (SC)Prova: Técnico Judiciário - Área Administrativa

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

José, Técnico Judiciário do Tribunal Regional do Trabalho de Santa Catarina, ocupante do cargo em
comissão de supervisor do departamento de recursos humanos do Tribunal, praticou ato
administrativo que era de competência do diretor daquele departamento.
De acordo com a doutrina de Direito Administrativo e a Lei nº 9.784/99, o ato praticado por José:

a)deve ser anulado pela autoridade competente, eis que vícios de competência são insanáveis, com
efeitos ex tunc, pelo princípio da segurança jurídica e para evitar prejuízos a terceiros;
b)deve ser anulado pela autoridade competente, pois se trata de ato vinculado em razão do vício
de competência, que não admite retificação, devendo atender ao princípio da legalidade e observar
o interesse público;
c)deve ser anulado pela autoridade competente, pois se trata de matéria de ordem pública, regida
por normas cogentes que não admitem a retificação do ato por parte do agente que deveria
originalmente tê-lo praticado;
d) pode ser convalidado pela autoridade competente, por meio da ratificação do ato, caso entenda
conveniente e oportuno, desde que sanável o vício e não haja prejuízos a terceiros, bem como seja
atendido o interesse público;
e)pode ser convalidado pela autoridade competente, por meio da prática de novo ato que substitua
o anterior, com efeitos ex nunc, sendo tal aproveitamento um ato vinculado, cuja prática é
obrigatória pelo agente superior.

12
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2017Banca: FGVÓrgão: ALERJProva: Procurador
A realização de audiências e consultas públicas nos processos administrativos se revela como um
importante mecanismo de participação dialógica dos administrados, conferindo maior
transparência e legitimidade às ações e condutas da Administração Pública.
Sobre essa temática e à luz das disposições da Lei nº 9.784/99 - que trata do processo administrativo
em sede federal - e do ordenamento jurídico em vigor, é correto afirmar que:

a)o comparecimento à consulta pública confere à pessoa física, automaticamente, a condição de


interessada no processo, assegurando-lhe o direito de obter da Administração resposta
fundamentada;
b)as hipóteses de realização de audiência pública estão taxativamente previstas na legislação, não
podendo ser realizadas a partir de um juízo discricionário da autoridade competente;
c)nas matérias relevantes os órgãos e entidades administrativas devem, preferencialmente,
estabelecer a audiência e a consulta pública como meio de participação dos administrados;
d)a realização de consulta pública será obrigatória toda vez que requerida por qualquer
administrado, o que se impõe em razão da transparência e legitimidade das decisões nos processos
administrativos;

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

e)quando a matéria for de interesse geral, pode o órgão competente, motivadamente, abrir
período de consulta pública para manifestação de terceiros, antes da decisão do pedido e desde
que não ocorra prejuízo para a parte interessada.

13
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2016Banca: FGVÓrgão: IBGEProva: Analista
Consoante dispõe a Lei nº 9.784/99, que regula o processo administrativo no âmbito da
Administração Pública Federal, o recurso administrativo:
a) será cabível somente em face de razões de legalidade e não por motivo de mérito da decisão,
em respeito à imutabilidade da coisa julgada administrativa;
b) será dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no prazo de cinco
dias, o encaminhará à autoridade superior;
c) dependerá de caução, como regra, para sua interposição, e o valor será equivalente à vantagem
econômica que poderá ser auferida pelo administrado ao final do processo;
d) terá prazo de quinze dias para sua interposição, como regra, a partir da ciência ou divulgação
oficial da decisão recorrida;
e) deverá ser decidido, como regra, no prazo máximo de dez dias, a partir do recebimento dos autos
pelo órgão competente.

14
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2016Banca: FGVÓrgão: IBGEProva: Analista
De acordo com a Lei nº 9.784/99, em matéria de comunicação de atos de processos administrativos
no âmbito da Administração Pública Federal, a intimação:
a) será efetuada de forma pessoal, vedada a intimação por via postal com aviso de recebimento,
telegrama ou e-mail;
b) observará a antecedência mínima de três dias úteis quanto à data de comparecimento;
c) importará, quando desatendida, o reconhecimento da verdade dos fatos e a renúncia a direito
pelo administrado;
d) será nula quando feita sem observância das prescrições legais, e o comparecimento do
administrado não supre sua falta ou irregularidade;
e) conterá a identificação do intimado e nome do órgão ou entidade administrativa, mas é
desnecessário especificar sua finalidade.

15
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

Ano: 2016Banca: FGVÓrgão: MREProva: Oficial de Chancelaria


Em matéria de competência administrativa, consoante ensina a doutrina de Direito Administrativo,
o fenômeno da avocação ocorre quando a autoridade hierarquicamente:
a) superior delega a agente administrativo de plano hierárquico inferior atribuição para praticar
determinado ato;
b) superior convalida ato administrativo praticado por agente administrativo de plano hierárquico
inferior;
c) superior atrai para sua esfera decisória a prática de ato da competência natural de agente com
menor hierarquia;
d) inferior pratica determinado ato administrativo que foge à sua esfera de atribuição, em caso de
grave risco iminente;
e) inferior solicita a seu superior hierárquico autorização para praticar ato originariamente fora de
sua atribuição.

16
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Atos administrativos
Ano: 2015Banca: FGVÓrgão: TJ-PIProva: Analista Judiciário
Dentre os elementos do ato administrativo, destaca-se a competência, que é o círculo definido por
lei dentro do qual podem os agentes públicos exercer legitimamente sua atividade. Como
característica da competência, destaca-se a:
a)derrogabilidade, segundo a qual a competência de um órgão pode, em regra, se transferir a outro
por acordo entre as partes, ou por assentimento do agente da Administração, ou seja, apesar de
fixada em norma expressa, a competência pode ser alterada;
b)indelegabilidade, segundo a qual a competência de um agente ou órgão não pode, em qualquer
hipótese, ser delegada a outro, ainda que haja norma posterior autorizativa, em respeito ao poder
hierárquico e ao princípio da estabilidade das relações jurídicas;
c)improrrogabilidade, segundo a qual a incompetência, em regra, não se transmuda em
competência, ou seja, se um órgão não tem competência para certa função, não poderá vir a tê-la
supervenientemente, a menos que a antiga norma definidora seja alterada;
d)vedação de avocação, segundo a qual a competência de um agente ou órgão não pode ser
transferida à autoridade hierarquicamente superior para atrair para sua esfera decisória a prática
de ato da competência natural de agente com menor hierarquia;
e)discricionariedade, segundo a qual a competência para a prática de determinado ato
administrativo pode ser definida e alterada, caso a caso, de acordo com critérios de oportunidade
e conveniência do chefe administrativo da repartição, mediante decisão fundamentada.

17
Direito Constitucional Disciplina - Assunto Funções Essenciais à Justiça
Ano: 2015Banca: FGVÓrgão: PGE-ROProva: Técnico

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

A respeito da autonomia da Defensoria Pública Estadual, no modo em que consagrada pela


Constituição da República Federativa do Brasil, é correto afirmar que:
a) a Defensoria Pública pode elaborar sua proposta orçamentária, observados os balizamentos
constitucionais;
b) a Defensoria Pública é instituição autônoma do Poder Judiciário;
c) a autonomia administrativa permite que a própria instituição defina suas atribuições e crie seus
órgãos;
d) a autonomia funcional indica que as funções administrativas devem ser exercidas livremente;
e) a Defensoria Pública é instituição autônoma, funcionalmente subordinada ao Poder Executivo.

18
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2015Banca: FGVÓrgão: TCE-RJProva: Auditor
De acordo com a Lei do Processo Administrativo Federal (Lei nº 9.784/1999):
a) as competências administrativas podem ser delegadas somente a órgãos hierarquicamente
subordinados ao órgão delegante;
b) as competências administrativas suscetíveis de delegação incluem a edição de atos normativos
e a decisão de recursos administrativos;
c) o ato de delegação pode ser veiculado por qualquer forma idônea, dispensada, nos termos da
lei, a sua publicação no meio oficial;
d) as competências administrativas são indelegáveis, tendo em vista o princípio da indisponibilidade
do interesse público;
e) as competências administrativas de um órgão hierarquicamente inferior podem ser avocadas,
em caráter excepcional e temporário, por motivo justificado.

19
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2015Banca: FGVÓrgão: Câmara Municipal de Caruaru - PEProva: Analista Legislativo
Com relação ao processo administrativo, a Lei nº 9.784/1999, detalha, em seu Art. 4º, que são
deveres do administrado perante a Administração, sem prejuízo de outros previstos em ato
normativo:
I. expor os fatos conforme a verdade;
II. proceder com lealdade, urbanidade e boa-fé;
III. agir de modo temerário.

Assinale:

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com


ASSQuestões DPE RJ

a) se somente a afirmativa I estiver correta.


b) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.
c) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.
d) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.
e) se todas as afirmativas estiverem corretas.

20
Direito Administrativo Disciplina - Assunto Processo Administrativo - Lei 9.784/99
Ano: 2015Banca: FGVÓrgão: Câmara Municipal de Caruaru - PEProva: Analista Legislativo
Com relação ao processo administrativo, regulado pela Lei nº 9.784/1999, assinale V para a
afirmativa verdadeira e F para a falsa.
( ) O processo administrativo pode iniciar-se de ofício ou a pedido de interessado.
( ) O requerimento inicial do interessado pode ser por escrito ou por solicitação oral.
( ) Só são legitimados como interessados aqueles que deram início ao processo.

As afirmativas são, respectivamente,


a) F, V e F.
b) F, V e V.
c) V, F e F.
d) V, V e F.
e) F, F e V.
Respostas

01: 02: 03: 04: 05: 06: 07: 08: 09: 10: 11: 12: 13: 14: 15:
16: 17: 18: 19: 20:

Questões LEGISLAÇÃO INSTITUCIONAL – FGV Contato: assquestoes@gmail.com

Você também pode gostar