Você está na página 1de 21

CRIANÇAS VÍTIMAS DE ABUSO SEXUAL

CRIANÇAS VÍTIMAS DE ABUSO SEXUAL

I

f S

Infância é um conceito moderno na história da civilização ocidental - Philippe Ariès

Até o século XIV, [

],

as crianças andavam

misturadas com os adultos e com eles participavam de festas bailes, trabalhos e reuniões, sempre correndo e dando saltos no ambiente supostamente reservado aos negócios do adulto. As crianças participavam das festas comunitárias, junto aos adultos, até ao amanhecer.”

NUNES, C; SILVA, E. A educação sexual da criança: subsídios teóricos e propostas práticas para uma abordagem da sexualidade para além da transversalidade. Campinas: Autores Associados, 2000. (Coleção polêmicas do nosso tempo)

da sexualidade para além da transversalidade. Campinas: Autores Associados, 2000. (Coleção polêmicas do nosso tempo)

I

f S

paidophilia - “amor por crianças”

Representação mitológica - Paixão de Zeus por Ganimedes

Imperador Tibério e seu “gosto” sexual por crianças

mitológica - Paixão de Zeus por Ganimedes ★ Imperador Tibério e seu “gosto” sexual por crianças

I

f S

Ambroise Tardieu (1818 – 1879) - descrição dos sofrimentos de crianças abusadas. (incluindo o abuso sexual). 1818 – 1879

Segundo Ariès (1981), as crianças somente passaram a ter um papel social de relevância a partir do final do século XVII. Suas alusões ao abuso sexual freqüentemente eram consideradas “fantasiosas” ou mesmo mentirosas pelas cortes judiciais, pressupondo o desejo de prejudicar os acusados a fim de conseguir alguma vantagem (Masson, 1984).

pelas cortes judiciais, pressupondo o desejo de prejudicar os acusados a fim de conseguir alguma vantagem

V

f

A criança deve ser protegida

Há uma sexualidade na criança que não é igual a do adulto (descoberta do próprio corpo etc.)

A criança é incapaz de consentir e de entender o ato sexual como um adulto

Relações sexuais entre crianças e adultos causam sofrimento e problemas no desenvolvimento da criança.

sofrimento e problemas no desenvolvimento da criança. ★ Esforços no sentido de combater o abuso sexual

Esforços no sentido de combater o abuso sexual infantil

P f : f

A pedofilia é um distúrbio sexual (uma parafilia)

Características segundo o Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5):

quando uma pessoa (na maior parte dos casos, um homem), de no mínimo 16 anos apresenta comportamentos, fantasias e/ou pensamentos sexuais recorrentes e excitantes relacionados a pessoas impúberes (até 13 anos), sem possibilidade de consentimento, com no mínimo 5 anos de diferença entre as idades do pedófilo e a criança. Essa situação tem que durar seis meses ou mais e causar sofrimento e angústia no pedófilo (sem que esse sofrimento seja por uma reprovação social e sim um desconforto do proprio pedofilo).

P

f -

O distúrbio sexual da pedofilia não tem suas

 
 

causas totalmente esclarecidas, mas pesquisas observaram alterações neurológicas que podem refletir alterações ocorridas durante o desenvolvimento psicosexual (na infancia).

Também foram observados aumentos de testosterona, hormônio luteinizante e prolactina nos pedófilos em relação aos não pedófilos.

Os pedófilos normalmente apresentam histórico de abuso sexual ou emocional na infância. Os

histórico de abuso sexual ou emocional na infância. Os pesquisadores acreditam que o modo como as

pesquisadores acreditam que o modo como as primeiras experiências sexuais podem influenciar no desenvolvimento desta parafilia ou outros distúrbios.

P f -

Psicoterapia individual ou grupal

Antidepressivos e outros medicamentos

individual ou grupal ● Antidepressivos e outros medicamentos ● Inibidores de libido (castração química)

Inibidores de libido (castração química)

Sinais de Abuso nas Crianças X Sinais de alterações na vítima de abuso sexual

Exploração sexual X abuso sexual.

Comportamentais

Fisiológicas

Emocionais

Consequências do abuso sexual no desenvolvimento

Questões:

legais

médicas

psicossociais

Redes de apoio psicossocial à vítima

É importante fazer com o que a criança entenda que ela não é culpada por ter sofrido abuso sexual.

• conversar com a criança procurando saber como aconteceu sem pedir detalhes de constrangimento do ato.

•Fazer com que a criança se sinta confortável para falar do seu problema.

•Qual o procedimento para prestar ajuda a vítima de abuso sexual?

Sentar-se perto da criança para quebrar possíveis barreiras

Elementos para investigação do fato abusivo

Elementos para investigação do fato abusivo

Educação sexual nas escolas

O presidente Jair Bolsonaro declara ser contra a abordagem da sexualidade nas instituições de ensino.

Se pronunciando em novembro de 2018." Quem ensina sexo é Química.“

o papai e a mamãe. Escola é lugar de aprender Física, Matemática e

Entre os ministros, Ricardo Velez, da pasta da educação, também se opõe a discussão de gênero no currículo. Em novembro de 2018, afirmou que "Quem define gênero é a natureza."

Pesquisa feita pelo ministério da educação em 2018 das 2.000 pessoas que foram ouvidas, em

Pesquisa feita pelo ministério da educação em 2018 das 2.000 pessoas que foram ouvidas, em 11 estados e o Distrito Federal, 55,8% responderam "sim" para a abordagem sobre questão de gênero e sexualidade nas escolas. Além disso 62,6% dos entrevistados não souberam definir o que "ideologia de gênero" significa.

Crianças e jovens são também vítimas de violência sexual, muitas vezes no próprio ambiente familiar

Crianças e jovens são também vítimas de violência sexual, muitas vezes no próprio ambiente familiar

Maiores dúvidas das crianças

Menino e menina são diferentes?

Nomes de órgãos genitais

De onde vem os bebês

Por que cobrimos as partes íntimas.

E por que não tocar nas partes íntimas dos colegas.

Abuso sexual em Sergipe

Abuso sexual em Sergipe • ANO 2009 A 24 DE ABRIL DE 2017. • DADOS COLETADOS
• ANO 2009 A 24 DE ABRIL DE 2017. • DADOS COLETADOS A PARTIR DO
• ANO 2009 A 24 DE ABRIL DE 2017. • DADOS COLETADOS A PARTIR DO

ANO 2009 A 24 DE ABRIL DE 2017.

DADOS COLETADOS A PARTIR DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIA E ACIDENTES (VIVA) E DA SECRETARIA DE SAÚDE (SES).

• DADOS COLETADOS A PARTIR DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIA E ACIDENTES (VIVA) E DA
• DADOS COLETADOS A PARTIR DO SISTEMA DE VIGILÂNCIA DE VIOLÊNCIA E ACIDENTES (VIVA) E DA

Perfil das Vítimas

Ter algum tipo de transtorno ou deficiência faz desta criança ou adolescente um ente com um grau maior de vulnerabilidade

Sobre o Agressor

Dados sugerem também que, em 762 casos, o agressor possivelmente abusou da vítima anteriormente.

OBS: A maioria das vítimas não se tornam agressores na idade adulta.

Abuso físico. Duração do abuso sofrido. Relação com agressor.

Abuso físico.

Duração do abuso sofrido.

Relação com agressor.