Você está na página 1de 3

ABADIA CLUNY (ESTUDAR)

As escolhas dos materiias e a filiação dos edifícios seculo e meio da época mdedival, seculo XI
eXII e em muitos casos, no seculo XIII, as arquiteturas do românico. Materiias e etecnologias
comnuns mas uma enorme variedade de soluções quer do ponto de vista da utilização de
modelos e dorgnaizaçao de plantas e modelos de venustas, dos elementos figurativos,
vegetalistas e geométricos que compõe os elementos decorativos que agoram nestes edificos
fundamentalmente natureza rligios mas muitlitfuncios igrejas de grandes abadioas, ou
mosteiros, os claustros e os edificos há olta do mesmo, as partes mais nobres, daquilo que são
as catedrais, na reforma que a igreja vai sofrender on agunizada, pelo cismo do Ocidente, a
visão da cristandade que reponde a roma e uma que ao Metropolita ao patriarca de bizancio,
esta divisão leva uma reforma progunda adminsitriatviva e jurídica da igreja e este reforma
cruzada com o fenómeno o leno e progresso crismiceneto demorgrafico e atrividade
económica com o aparecimento de quatro sculos de estafanaço o ocidente da cristandade e da
emissão e circulação de moeda. O retomar de uma economia com base na moeda que é parte
importante o desenvolvimento econimica dos onze, doze e treze. Esta grande regorm A
ADMINSTRITATIBA RESPEITA A IHREJA SECULAR E REDESENHA A MERCE POLITCA DOS
GRANDES SECONHRORES, fundalismo, com forte autonomia militar e obviamente econimica e
jurídica, estes senhores e apressao que exercem sobre a igreja que por outro lado os legistima
e as suas açoes politicas obrigam esta reforma administrativa da igreja respeita duas coisas mt
en: o redesenhar das fronteiras, alargamento entre as dioceses , um bispo que por outro lado
que se rodeia de conegos e esta instirulao , que teem assento na catedral que por outro lado
tem conegos, vai buscar elementos da arquitetura monistaica, embora o bispo e conegos , não
vivem em clausura, no femonkmo de imitação, profecssos e formas que vai acabar para as
categrais, implantadas no corçao das cidades, e um motor do proporio desenvolvimento
urbando, elementos das arquiteturas e orgnaçaizao dos espaços que eram so de estruturas
monásticas que eram rurais. Este aumento e a signiaça a expansão da cristiandade do
mordente e leste da europa,vai disputar com o mundo da igreja respeitante da autoridade do
metropolita de bizancio, a igreja bizantina ou ortodoxa. A igreja romana , hetetrodoza. O
aumento demográfico lento e paulatino mas progressivo , que leva a uma multipçaoca de
aldeias muitas vezes associedas de pulverização mas tb não só de numero de cidades , há o
fenómeno comum a toda a cristandade coiental, da multiplicaço de cidades com o estatuto
juritidico , diferencia os seus vizinhos os seus habitantes relativamente a população do mundo
rural, esta dividaida entre os terriotrios . Multiplicar da inistutiçao urbanda, das cidades com os
seus respetivos periveligios, feitos muitas vezes fundadas por senhores quer do clero e da alta
aristocracia leva ou obriga a esta multiplicaço e redivisao das dioceses mas tb das
frequguiesasi das paroquias destas mesmas dioceses. (LUISA AMARAL, afinal da alta media e )
arquidiocese de braga e o desmembramento.) Resulta de uma reograçizaça social, poitca
jurídica dos terriotrias, toda ela , teem uma hegide protetor orientador e de algom modo
legistmidador que e o da proria igreja, a única instituição, comum a todos os terriotriso, uma
grande prestgio e uma grande autoridade, sendo que essa, quer jurídica até mesmo politco-
militar e por isso. O AUMENTO DO NR DE CIDADES DA POUPULAAO DAS CIDADES, CADA VEZ
MAIS DFUNDAÇOES , os senhores dao cartas de priveligos a essas mesmas fundações, no
sentido de fixar os seus terirotira,s desenhar o seu assentamento e fixar ppulaçaos mais
despovadoas, de forma assentar fronteiras , uma fronteira ainda a redesenhos , da cristindade
e do islão. (o reino de Portugal) A criaao de cidades, entedemenos, não uma relagidade fisaca
mas sim jurídica, atrari e fixiar territórios escassos de popuaçao, de rasias dos dois lados do
conflito, politco, ideológica mas reliogios e tb a fundação mosteriores d, de grandes casas
monásticas que embora estejam isentas da direção dos monarcas, do grandes senhores, tem
privilégios de isenção, fixam-se populações, são grandes fixação de fronteiras portuga vançao
da agronteira, do mongegfo, para o tejo, e para alem do mesmo, e por outro lado,
acompanhando estas criações de cidades mas tb mosteiros que exatamento se instalam de
terra de ninguém , são garante do poder da cristandiade. Do redesenhar politcio das
comunidades, contudo, as fronteiras do xadrez politco , mosaicos politocs que se vao
desenhando e fincionam, estrturas de solideraiende entre si , horizontal e vertical teem um
determinado signifa v.neste mundo senhorial um grande senhor simultaneamento sezurano e
vassalo de grandes senhores, direito de supremacia a outros mas tb a obrigação enquanto
vassalos apio militar, politoc mas tb económico aos seus propriso senhores, complexa ,
(peninsular ibério) essas estruturas de poder (jose mattoso) . A propriedade é o priorio estauto
de poder, posto em causa pelos pares, e epla tranformçao sociedo idelogica da proria
sociedade. Circunstancias forçadas, o embate militar islao e mundo cristão a sul, nos terriotrios
meridionais da europa, do lado norte do mediterraneo, a margem sul do mediterraneo,
perdida pelo mundo da cristandade desde o seculo oito, por outro lado, no norte, na viragem
do milénio há inscursoses de poupulaçoes vindo do mar balico, escandinavia , o que se chama
os vikingis devasta, processos de devastação, por vezes severa, as margens norte da europa,
inclusive devastações pelas margens da pensinsula, adriatico e a frenta altantica, e pronfunda
intervenaçao da redifniaçao litoral dos terriotrios do mar do norte, o que são hoje, franco
flamengo, a holanda, uma parte da Alemanha do mar do norte, da Dinamarca. Este seculo
eferevencia a todos os tipos, há uma pulsão, transformação , aterraradora, o mundo não tem
estbaiidade alguma , politca a única e mesmo essa tem as brechas a estbailidad eformanecida
pela igreja, a única súpera da unidade politca, aceite por todas as instancias desse mesmo ,
destas coeidades em viragem do milénio e durante os dois primeiros seculos desse mesmo
seculo. Podem ser contra mas Guelfos vs

A reedfinaçapod terreitores merce da demorgai, pressões politicas, aumento da ecomonima,


do aumento de nurmero e da importância das unidades priveligiadas, os burgos, que dão, a um
grup social, burgues, estas cidades, que se circuntintos do seu muro, da sua cintura que muitas
vezes, cintura jurídica, administraitov mas por outro lado compete porque com os grandes
senhorios laicos e eclesiásticos, porque é , a cidade dos motores da evolçao da própria historia
da economia medieva. Há parodoxo constante, este burgo , logo que cresça de importância,
tem uma autoridade há sua fente, que é o bispo, uma autoridade eclesiatica, e porque esta de
algum modo, a gorça da dicoesa eé t ao vasto terriotiro e ao próprio catedral teem o assento e
a sua econizia, a própria igreja entrar nesta disputa, entre urbano e rural, que vai marcar uam
aparente importante da própria idade media. (Dubay, os tempos de catedrais)

Do ponto de vista da arquitetura, este crescimento e refeificaçao de todo o terrioteiro merce


demográfica, aaba por ter consequências, redesenho de dioceses, fundações de novas
dicoceses e paroquias dentro das dicoceses quer das urbanas, proque a população aumenta e
como tal aumentar e dividir paroquias das cidades, e tb rurais , simultaneamente, há uma
multipiliaoa de fundação de mosteiros, uma realidade, a sua comunidade monástica, embora
seja do ponto de vista, das suas códigos e formas de funcionamento idelogica que a instrutiçao
monstatica organiza os seus modos de vida e as suas formas de convivências dentro da própria
das comunidades, e tb destas comunidades monásticas regulares, vivem
comunitariamentecom o seu so e respeito de uma regra essa regra que os comuanda toda a
sua existência, ainda da baixa antiguidade clássica, é contudo, a grande realidade da alta idade
media. Mosteiro que se organiza por famílias ao longo da alta idade media , estes mosteioros
começaram por serem estra urbanaos vao ser tb parte da organização deste mesmo do
terriotrioa, as suas fundações eram primeira na baixa da antiguidade uma forma de um grupo
de inidividuos ideologicamente retirar uma vida mais ao menos isolada, de clausura, um
deserto humano, para viver em autonomia, e para de algum mdodo puderem o seu propósito,
criar ainda na vida na terra, uma antevisão do reino de Deus, esta antevisão do reino d d ,
presente na contuçao presenta, acaba por ganhar outras valências, vao ser fundados estes
msmos mosteiros, por grandes senhores, da guerra e da própria igreja como uma reserva
patrimonial para si e para as suas famílias, do próprio tempo e posterior da sua linhagem, e
cmo tal, multiplica-se , faz com que coecistam comunidades monásticas minúsculas,
reduzidade de monges, palperrimas, de recursos, modos de vida, com edificos que a maioria
não sobreviveu e por vezes até muito precarios e por outro paralelamente, comunidade,s o
inverso, com dezenas, centenas de monges, a pipulaao há volta do mosteiro, no minino , quase
que se pode duplicar, haja um grande numero de conversos, nobiços dependes lacios que
trabalham e ivem para o mosteiro e as necessidades do priprio mosteiro, com a realidade
mosteiro, é muito diferente entre si. Cluny, é tao rica, tao grande vasta que rivaliza com Roma,
até do ponto de vistade importância é maior que os burgos do tempo, o numero de abitantes,
que há sua volta gravitam, para que dela vivem e trabalham, espitiraul mas tb economicao,
funcional, admistrativo e jurídico.