Você está na página 1de 5

NEEMIAS 2.1-10 – PORQUE ORAR ANTES DE AGIR?

COMO AGIR DEPOIS DE


ORAR?

INTRODUÇÃO
No que tange à necessidade de tomar decisões importantes é relativamente comum
incorrermos a dois erros: 1) Tomamos decisões impetuosas, sem qualquer tipo de
planejamento: quando, onde, como, quais serão os recursos que necessitaremos? Dessa forma
a ação será totalmente fadada ao fracasso, ocasionando desperdício de tempo e recursos; 2)
Postergar a ação, o medo de tomar decisões, colocando como desculpa, quase sempre, no
nosso caso como cristãos, na “busca pela vontade de Deus”, mas essa demora não é fruto da
busca da vontade de Deus, mas sim, a procrastinação e o medo de tomar decisões
importantes. Mas esse texto que acabamos de ler mostra exatamente o que precisamos para
tomar decisões importantes, é necessário ter em mente a necessidade de: Oração e Ação!
Uma não exclui a outra, na verdade, a ação precisa ser precedida da oração; entretanto oração
sem ações concretas é tentar a Deus, portanto, pecado contra a Deus. Como então conjugar
esses dois elementos na tomada de decisões importantes? É o que falaremos hoje.

NARRATIVA
Neemias é um homem de oração, líderes precisam ser homens e mulheres de oração.
Neemias quando soube que Jerusalém estava completamente desguarnecida, desprotegida,
com o povo vivendo na mais completa miséria e o nome de Deus sendo achincalhado e
zombado pelos seus inimigos ele se colocou para orar; e ele chora, lamenta diante de Deus e
clama pelo nome do Senhor. Neemias não ora por uma ou duas horas, Neemias ora por quatro
meses, de dezembro a março; mas a oração de Neemias visa uma ação concreta da
reconstrução de Jerusalém, os seus muros, sua prosperidade e a glória do nome de Deus.
Neemias não ora e espera de braços cruzados; Neemias ora e age. O que esse texto nos mostra
é: 1) Porque orar antes de agir? E 2) Como agir depois de orar?
1) PORQUE ORAR ANTES DE AGIR?

A) PARA QUE DEUS NOS MOSTRE O ALVO CORRETO DA AÇÃO (v.2-5)


Jerusalém estava destruída, arrasada, muros derribados, miséria operante e moral e
esperança derribados, e Neemias como homem influente que era poderia ter pensado em
várias estratégias de reconstrução; influenciar o rei para que recursos pudessem ser enviados
a Jerusalém, e os que estavam lá pudessem refazer os muros da cidade; ou usar toda
autoridade e influência do rei Artaxerxes para que o próprio Estado pudesse reconstruir a
cidade; entretanto este não era a ação que Deus esperava. O alvo seria a reconstrução dos
muros e da cidade de Jerusalém, por parte do próprio povo de Deus sob direção de Neemias,
conforme está escrito (Ne 2.20). Quando Neemias é perguntado pelo rei sobre quais são seus
planos, Neemias replica exatamente o alvo correto de sua ação (v.5), a reedificação de
Jerusalém; ele não titubeia, ele mostra um alvo claro e definido: reconstrução.
O princípio é este: nos quatro meses de oração; Neemias recebeu da parte de Deus, o
chamado e o alvo do seu chamado. Ele seria o instrumento de Deus para reconstrução de
Jerusalém.
Amados, a Palavra de Deus diz: “O coração do homem pode fazer planos, mas a resposta
certa dos lábios vem do Senhor (Pv. 16.1) e em Jeremias 29.11 diz: “Eu é que sei que
pensamentos tenho a vosso respeito”. Devemos buscar os alvos e propósitos do coração de
Deus em oração.

B) PARA QUE POSSAMOS AGIR NA OCASIÃO CORRETA (v.1-2;4)


Quando Neemias age ele começa suas ações no momento certo. É bem provável que
quando Neemias recebe as informações de Hanani, o rei não estivesse presente na cidadela
de Susã, portanto, o rei Artaxerxes não soubesse do diálogo entre Hanani e Neemias. E
porque Neemias não agiu antes? Várias suposições são feitas; 1) Não houve oportunidade de
servi-lo antes; 2) O rei se ausentou durante 4 meses; mas o fato é que Neemias agiu no tempo
certo. Até chegar a oportunidade correta algo nos salta os olhos: os afazeres e
responsabilidades cotidianas de Neemias não são deixadas de lado. Ele continua seu ofício
de copeiro; entretanto, o seu coração estava tomado pela tristeza por causa de Jerusalém, algo
que chama a atenção do rei, que o questiona. O questionamento do rei poderia significar a
morte ou deposição e fracasso dos planos de Neemias, pois na presença do rei não era
permitido demonstrar tristeza, por essa razão Neemias teme profundamente. Porém Neemias
percebeu que o momento em que foi questionado pelo rei a causa de sua tristeza, aquele era
o momento exato de agir em prol daquilo que Deus havia colocado em seu coração. Passar
aquele momento significaria o fracasso da causa.
Existem dois ditados interessantes em nossos dias: 1) Exdistem 3 coisas que nunca mais
voltam: a) a palavra proferida; b) a flecha lançada e c) a oportunidade perdida. O outro ditado
é: O apressado come cru. Ou seja, devemos orar para que tenhamos sabedoria de agir no
momento certo. Saber a ocasião certa de agir é ponto inicial para o sucesso de qualquer plano.

2) COMO AGIR DEPOIS DE ORAR?


Como já vimos devemos orar buscando a ação efetiva; orar sem se colocar a disposição
de agir é tentar a Deus, o que Neemias nos mostra é: Como agir depois de orar?

A) BUSCANDO A FORMA CORRETA DE AGIR (v.4-6)


Neemias não busca de maneira alguma agira de maneira independente e aleatória,
simplesmente pelo fato de ter recebido uma incumbência do eterno Deus. O mundo que ele
vivia era regido por leis; especialmente o reino medo-persa em que a lei era superior ao Rei;
e em Esdras 4.24, o próprio rei Artaxerxes havia determinado a paralização da reconstrução
do templo e da cidade de Jerusalém, ou seja, qualquer ação independente e ilegal da parte de
Neemias seria considerada pelo rei como insubordinação, incitação à rebeldia; Neemias seria
morto e o restante do povo de Jerusalém seria destruído; por essa razão ele trilha a via
diplomática de resoluções com expressa autorização da autoridade máxima da Pérsia. E ele
expressa de maneira clara os seus planos: Ir a Judá e a reedificar. Mediante a autorização do
Rei, Neemias então sabe como começar e quando irá terminar (v.6b).
Um princípio ensinado por Neemias para nós é muito simples, enquanto as leis dos
homens não conflitarem com a lei de Deus, devemos seguir em obediência explícita à aquilo
que é necessário perante a lei dos homens. O nosso problema é achar que Deus nos abençoará
se nós aplicarmos o nosso famoso “jeitinho brasileiro”. O outro princípio de agir de forma
correta que Neemias nos ensina é que tudo o que começa precisa terminar. Para isso é
necessário sempre termos em mãos algo chamado: Planejamento. Planejar não é falta de fé,
planejar é agir com a prudência necessária em todas as coisas.

B) ANTECIPAR OS PROBLEMAS COM SABEDORIA (v.7;9)


Neemias é um exemplo de planejamento, e uma das características principais do
planejamento é antecipar os problemas com sabedoria e evita-los. Neemias sabe que inimigos
do povo judeu foram os responsáveis pela paralisação de todas as obras; e Neemias sabe
muito bem que qualquer um que se levantasse para reconstruir Jerusalém, seus muros, sua
dignidade, seria alvo de intensa oposição, inclusive armada; é por essa razão que de maneira
antecipada ele pede ao rei que não haja empecilhos no trânsito de ir e vir para Jerusalém. De
que todos os materiais; recursos humanos pudessem chegar tranquilamente na cidade de
Jerusalém.
Um princípio que Neemias nos ensina é que na execução dos nossos planos, imprevistos
acontecerão; e eles precisam ser antecipados com sabedoria da parte de Deus.

C) BUSCAR OS RECURSOS NECESSÁRIOS (v.8)


Uma reconstrução demanda uma enormidade de recursos. E Neemias sabe que será
necessário grande quantidade de recursos, especialmente madeiras para a reconstrução dos
muros; das portas do templo e da casa que ele iria morar; é por essa razão que ele aproveita
o diálogo com o rei e solicita dos recursos do próprio rei para que a reconstrução possa se
dar ao cabo. Antes de executar qualquer ação, é preciso ter os recursos necessários para a
execução da ação.
O próprio Senhor Jesus afirmar isso em Lucas 14.28: “Pois qual de vós, pretendendo
construir uma torre, não se assenta primeiro para calcular a despesa e verificar se tem os
meios para a concluir?”
CONCLUSÃO
E o rei mas deu, porque a boa mão do meu Deus era comigo (v.7b)
Amados irmãos toda nossa oração e ação deve ser realizada com base nesse princípio
maior que Neemias nos ensina com tanta clareza no v.7b – Tudo o que pensamos,
planejamos, fazemos, oramos, só terá sucesso por causa da boa mão do Senhor que é conosco.
Essa verdade deve ser animadora porque se temos uma garantia de sucesso é quando
a boa mão do Senhor está conosco. Se a visão que temos é buscada em Deus em oração; o
momento certo é proporcionado por Deus; o planejamento é conduzido por Deus. Os recusos
são dados por Deus.
Quando oramos para agir e agimos debaixo da oração, não há nenhuma possibilidade
da mão do Senhor não estar conosco; e se Deus é por nós, quem será contra nós?

Você também pode gostar