Você está na página 1de 7

LAUDO TÉCNICO

REF:LAUDO TÉCNICO DE VISTORIA DE OBRA EXISTENTE.

Assunto: Vistoria de obra existente na ESCOLA COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS EM EDUCAÇ Ã O COOPED Jaru/RO.

1. INTRODUÇ ÃO:

O presente Laudo Técnico de Inspeção Predial foi solicitado pela COOPED Cooperativa de profissionais em Educação, e tem o seu conteúdo embasado na Norma de Inspeção Predial 2009 do IBAPE (Instituto Brasileiro de Avaliação e Perícias de Engenharia Entidade Nacional) e da Norma de Manutenção de Edificações NBR 5674, da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), que dispõe sobre as regras gerais e específicas a serem obedecidas na manutenção e na conservação das edificações. O Laudo de inspeção predial tem por finalidade como foco central a condições técnicas e funcionais geral da edificação contendo: área total construída, área livre e área coberta; numero de dependência, especificação da metragem; instalações elétrica e hidráulica, aeração, iluminação, estado de conservação e solidez do prédio; e condições de acessibilidade para pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.

2.

APRESENTAÇ ÃO

2.1.

Dados do Imóvel

Nome/Razão Social: COOPED-COOPERATIVA DE PROFISSIONAIS EM EDUCAÇ Ã O CPF/CNPJ: 06.079.709/0001-00 Endereço: Rua Rio de Janeiro, nº 2436 Setor 03, CEP: 76890-000

Jaru/RO.

Área Construída: 1.424,88 m² em quatro pavimentos, Pav. Térreo de 971,83m²; Pav. 02 de 327,45m²; Pav. 03 de 87,20 m² e Pav. 04 de 38,40 m², áreas construída em alvenarias.

Foto 1: Vista de satélite da COOPED. 2.2. Realização do Laudo: Responsável Técnico: Engenheiro Civil

Foto 1: Vista de satélite da COOPED.

2.2. Realização do Laudo:

Responsável

Técnico:

Engenheiro

Civil

ITALO

GUSTAVO

MACEDO

CAMPOS, CREA/AM nº 25813-D/ | 10902-V/RO.

2.3. Data da Vistoria:

A vistoria foi realizada na edificação que abriga a COOPERATIVA DE

PROFISSIONAIS EM EDUCAÇ Ã O COOPED Jaru/RO, no dia 05.08.2017 no

período da manhã.

2.4. Classificação/Uso do Imóvel:

O edifício foi classificado como edificação para fins de Escola. A

classificação foi baseada na Tabela 1 da NBR 9077/1993 (Saída de Emergência em

Edifício), e Lista de Ocupação de Tarifa de Seguros de Incêndio do Brasil I.R.B.

2.5. Objetivo do Laudo:

O referido laudo tem como propósito de apontar as características físicas da

edificação e análise patológicas quando houver. Este laudo não impede que a edificação

seja ocupada ou habitada, apenas indica as condições visíveis, além de apontar

irregularidades e anomalias caso exista.

3.

CONSTITUIÇ ÃO DA EDIFICAÇ ÃO

Trata-se de um imóvel urbano, com uma área total construída de 1.424,88 m² (Mil quatrocentos e vinte e quatro vírgula oitenta e oito metros quadrados), com uma área livre de 613,70 m²(Seiscentos e treze vírgula setenta metros quadrados) e área coberta de 1.126,3 m² (Mil cento e vinte seis vírgula três metros quadrado), distribuído em térreo mais 3 pavimentos: Pav. Térreo de 971,83 m², 1º pavimento de 327,45 m², 2º pavimento de 87,20 m² e 3º pavimento de 38,40 m², área construída em alvenaria, subdivido da seguinte maneira.

Tabela 1: dependências

TÉRREO

Quantidade

Metragem (M²)

Total (M²)

SALAS DE AULA

7

33,21

232,47

RECEPÇÃO

1

23,9

23,9

DIRETORIA/PRESIDÊNCIA

1

23,92

23,92

COORDENAÇÃO

     

PEDAGÓGICA/ORIENTAÇÃO

1

45,01

45,01

SECRETÁRIA

1

40

40

SALA DE INFORMÁTICA

1

24

24

BIBLIOTECA

1

16

16

WC MASCULINO/FEMININO

2

26,25

52,5

DESPENSA

1

14

14

CANTINA

1

15

15

VARANDA

1

15

15

ÁREA DE RECREAÇÃO/PARQUINHO

1

80

80

QUADRA POLIESPORTIVA

1

390

390

PISICINA

1

32

32

PAVIMENTO 1

Quantidade

Metragem (M²)

Total

SALAS DE AULA

6

45,47

272,82

PAVIMENTO 2

Quantidade

Metragem (M²)

Total

AUDITÓRIO

1

83,2

83,2

PAVIMENTO 3

Quantidade

Metragem (M²)

Total

LABORATÓRIO

1

38,4

38,4

Fonte: Elaborado pelo autor

4. DADOS TÉCNICOS DA EDIFICAÇÃO

4.1. Estrutura A inspeção visual foi superficial restrita aos elementos aparentes lajes, pilares, vigas, cobertura e fundações em concreto armado, a fim de constatar a existência de anomalias e falhas. A avaliação da superestrutura foi superficial, pois a mesma

encontrasse coberta por revestimentos cerâmicos e argamassas de cimento e areia

(reboco) e infraestrutura (fundação), submersa no solo compactado abaixo da edificação. No entanto foi possível observar existência de alguns indícios patológicos (fissuras e/ou trincas) no piso, mas ainda não podem ser classificadas como de risco para a estrutura da edificação e o correto funcionamento do sistema estrutural. Portanto deverá ser acompanhadas e monitoradas, e caso aumenta excessivamente deverá ser consultado um profissional que irá propor soluções necessárias para continuar garantindo a segurança dos usuários. Assim estando à estrutura hoje em condições boas e liberadas para utilização e habitações.

4.2. SISTEMA DE VEDAÇ ÃO E REVESTIMENTO

Restrito a verificação visual de alvenarias, a edificação investigada é constituída de alvenaria de tijolos cerâmicos com revestimento de reboco e pintura que

se comportam como portantes. Não foram constatadas anomalias e falhas que possa interferir n bom uso da edificação.

4.3. COBERTURA

Toda estrutura da cobertura existente é de madeira, sendo composta por banzo, terças, cumeeira, ripa, o telhado apresenta a inclinação mínima recomendada pelo fabricante, às telhas que compõem a cobertura são: Fibrocimento e telha de cerâmica. A estrutura e a cobertura da quadra poliesportiva são toda composta por estrutura metálica, não encontrada anomalias e falhas na estrutura da cobertura da quadra poliesportiva.

4.4. REVESTIMENTO DE PISOS O Revestimento de piso aplicado na edificação varia conforme os ambientes;

Banheiros, salas administrativas, revestimento cerâmico;

Salas de aulas piso cimentado com pintura em bom estado de conservação;

Piso pátio cimentado com pintura com algumas trincas fissuras;

Circulações e/ou corretor piso em granilite.

4.5. REVESTIMENTO DE PAREDES

O revestimento de paredes aplicado na edificação varia de acordo os ambientes.

Nos ambientes de área molhada as paredes receberam impermeabilização e revestimento cerâmico;

Os demais ambientes são revestidos com argamassa de cimento e areia (reboco) com pintura látex.

4.6. FORRO

Nos ambientes internos a edificação é forrada com placas de forro em PVC e nos ambientes como salas de aulas a edificação é forrada com Lambril (forro de madeira). Encontra se em bom estado de conservação.

4.7. ILUMINAÇ ÃO E VENTILAÇ ÃO

De um modo geral o sistema de iluminação está satisfatório com dimensionamento luminotécnico adequado, além de ter uma área que recebe iluminação natural com que auxilia na luminosidade do edifício.

No edifício foi possível observar lâmpadas de emergência a fim de viabilizar uma possível evacuação segura do local. Quanto à ventilação foram observadas as aberturas (janelas) do tipo basculantes e de correr de alumínio e vidro, e na ventilação mecânica predominantemente designada por ventiladores e ar condicionadores.

4.8. ESTADO DE CONSERVAÇ ÃO E SOLIDEZ DO EDIFÍCIO.

O edifício onde hoje se encontra a ESCOLA COOPED, aparenta ter mais ou menos 30 anos da sua construção, no entanto se encontra com um ótimo estado de conservação, todas as reformas e sempre bem executada e a utilização de matérias básicas que atende as condições, por se tratar de uma edificação antiga apresenta excelente solidez estrutural.

4.9. ACESSIBILIDADE

Se tratando de um edifício antigo onde na época de sua construção na havia a particularidade em promover a acessibilidade, no entanto com o passar dos anos este edifício se adequou a legislação brasileira Decreto Federal nº 5296/2004 e a normas de acessibilidade. NBR 9050/2004. Este edifício quanto à acessibilidade foi possível constatar: rampas de acessos com inclinação adequada, banheiros adaptados para PNE e pisos guiam para deficientes visuais.

Sendo assim, O PRÉDIO ENCONTRA-SE ACESSÍVEL aos portadores de necessidades especiais (PNE) ou mobilidade reduzida, conforme disciplina a NBR 9050/2004 e Decreto Federal nº 5296/2004.

4.10. INSTALAÇ ÕES HIDRÁULICAS

As tubulações de água fria em PVC rígido soldáveis são embutidas entra a alvenaria e os revestimentos. Os pontos de utilização estão em condições de funcionamentos mínimas para habitação, estando liberada para sua inteira regularização e utilização de seus usuários.

4.11. INSTALAÇ ÕES ELÉTRICAS

Em conformidade com as normas regulamentadora NR 10 INSTALAÇ ÕES E SERVIÇ OS EM ELETRICIDADE e NBR 5410 INSTALAÇ ÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃ O, as instalações elétricas da escola está em conformidade com a legislação vigente, satisfazendo os padrões de instalações elétricas constantes nas normas técnicas oficiais, garantindo seu funcionamento adequado, a segurança de pessoas.

A escola COOPED, é alimentada pela subestação, pelo rebaixamento da tensão, 127/220 Volts, que alimenta o QDG. Possuindo caixa de inspeção de aterramento, caixa elétrica com proteção contra contato direto, quadro de distribuição de fácil acesso com circuito elétrico com tensão 127-220 V. Foram feitas inspeções visuais e conferencia das luminárias nas dependências que se encontra adequadas e protegidas contra quedas e em áreas externas protegidas contra intempéries, dentro dos padrões mínimos exigidos. Tomadas e interruptores estão de acordo com o mínimo exigido, interruptores em condições medias de conservação, tomadas de uso geral, tomadas de uso geral 2 pólos +terra, caixas em condições médias de conservação. Constatei em visita “In Situ” que a escola, nas suas instalações elétricas, está em boas condições, por falta de aparelhos não constatei nada a respeito das correntes e tensão, mas aparecia estar em boas condições, foi feito a analise do quadro de carga da escola, sobre a carga de iluminação, tomadas. As instalações elétricas, esta em boas condições, como recomendação primordial, sugere a implantação de um programa de manutenção anual que estabeleça uma rotina específica para cada componente do sistema elétrico, de maneira que se

8

mantenha a integridade da instalação e a adequação da mesma às normas técnicas, em especial as NBR- 5410 NBR-5419 e NR-10.

5. CONCLUSÕES FINAIS

O presente laudo apresentou o estado geral e o padrão construtivo do prédio é bom, foi constatado em visita “In loco” que o edifício onde se encontra a ESCOLA COOPED, foi executado com matérias de construções básico, não foram observados recalques estruturais no prédio, bem como não foram observados problemas estruturais, as instalações hidráulicas e elétricas estão em boas condições estando assim liberada para sua inteira regularização e utilização de seus usuários.

Jaru-RO 08 de Agosto de 2017.

Ítalo Gustavo Macedo campos

Engenheiro Civil - CREA: 25813 D/AM | 10902 V/RO

9