Você está na página 1de 13

Josué Octávio Plácido Mathedi

Práticas de Engenharia
de Condicionamento e
Comissionamento

2010

Engº Mecânico – Unisanta – Santos


Engº de Condicionamento e Comissionamento
USP – São Paulo
Eng.º Octávio Mathedi

Práticas de Engenharia
de Condicionamento e
Comissionamento

Editora
AgBook

MATHEDI, Josué Octávio Plácido.

Práticas de Engenharia de Condicionamento e Comissionamento de


Equipamentos / Josué Octávio Plácido Mathedi. – Santos: 2010.

Direitos autorais reservados e protegidos pela Lei 9.610, de


19 de fevereiro de 1998.

Práticas de Engenharia de Condicionamento e Comissionamento de


Equipamentos.

1. Condicionamento e Comissionamento. I. Título


ÍNDICE
Objetivo e Conteúdo 5

Módulo 1 - INTRODUÇÃO AO CONDICIONAMENTO E


COMISSIONAMENTO 5

Apresentação 5

Introdução 5

1.1. Condicionamento e Comissionamento – Definições Gerais


6

1.1.1. Condicionamento 6

O porquê do Condicionamento? 7

1.1.1.1. Recebimento 7

1.1.1.2. Preservação 8

1.1.1.3. Inspeção Mecânica 10

1.1.1.4. Inspeção Funcional 10

1.1.2. Comissionamento 12

1.2. Problemas na Escolha das Equipes de Condicionamento e


Comissionamento14

Módulo 2 – ATIVIDADES DE CONTROLE DURANTE O TEMPO DE


PROJETO E FABRICAÇÃO
16

2.1. Definições de Escopo 17

2.2. Lista e Divisão de Sistemas e Subsistemas


18

2.3. Rede de Precedência 22


2.4. Folhas de Verificação 26

2.4.1. Folhas de Verificação de Itens – FVI’s


26

2.4.2. Folhas de Verificação de Malhas – FVM’s


27

2.5. Sistema de Gerenciamento de Condicionamento – SGC


28

2.6. Cronograma de Testes 30

Módulo 3 – ATIVIDADES E DOCUMENTAÇÃO DO


COMISSIONAMENTO 31

3.1. Manuais de Aceitação 31

3.1.1. Manual de Aceitação Mecânica - MAM 31

3.1.2. Manual de Teste de Aceitação de Performance – TAP 31

3.1.3. Termo de Transferência e Aceitação de Sistema – TTAS 34

3.2. Atividades de Comissionamento 34

3.2.1. Aceitação Mecânica 35

3.2.2. Start-up 35

3.2.3. Teste de Performance ou Teste de Desempenho 36

3.2.4. Operação Assistida 37

3.2.5. Transferência e Aceitação do Comissionamento 37


*Módulo 4 – FERRAMENTAS DE APOIO AO SGC E ATIVIDADES PÓS-
COMISSIONAMENTO 38

4.1. Ferramentas de Apoio ao SGC


38

4.2. Atividades Pós-Comissionamento 40

4.2.1. Organização e Registro 40

4.2.2. Relatório Analítico 40

Nota do autor
Este livro didático foi criado para o Curso de
Condicionamento e Comissionamento de Instalações
Industriais da METHODUS CURSOS EAD, Instituição de
Ensino a Distância na qual sou professor. Por se tratar de um
livro didático, foi dividido em módulos.
Módulo 1 - INTRODUÇÃO AO CONDICIONAMENTO E
COMISSIONAMENTO

Apresentação

Muitas vezes, quando se faz necessária uma reforma de


grande porte em uma unidade industrial, ou até mesmo quando
se visa à implantação de uma nova planta industrial, deve-se
realizar uma série de atividades antes e durante os trabalhos
de montagem e de manutenção das instalações e
equipamentos, para o sucesso da empreitada. A essas
atividades dá-se o nome de Condicionamento e
Comissionamento, e serão analisadas com detalhes nesta
disciplina.

Introdução

A implantação de grandes projetos industriais é um


processo que demanda tempo, tecnologia, recursos humanos e
materiais. Nasce de uma reunião administrativa (Kick-Off
Meeting) e se encerra quando as instalações entram em
operação normal. Entre esses dois momentos, que pode ser de
alguns meses ou até mesmo de vários anos, sempre
demandando grandes quantidades de recursos humanos e
materiais, é que ocorre o Condicionamento e Comissionamento
da unidade industrial. Para que o sucesso do projeto seja
plenamente alcançado, deverá haver um planejamento eficaz
dos “Stakeholders”¹, para que um dos aspectos mais
importantes do trabalho seja cumprido, a data para o início das
operações da unidade. Uma boa equipe de O&M² envolvida
com as práticas do PM&Bok³ e em sintonia com o corpo técnico
da empresa e pessoal da contratada – muitos contratos de
equipes de operação são celebrados durante o projeto –
contribuem e muito para o sucesso do empreendimento.

¹Stakeholders: grupo de pessoas envolvidas diretamente com a


organização de uma empresa e seus projetos, possuindo deste
modo interesses econômicos na organização.
² O&M é a sigla de Organização e Métodos: função
administrativa que cuida da eficiência e eficácia da estrutura
administrativa por meio de técnicas científicas de redução de
tempo, de esforços e custos.
³ PM&Bok é a sigla de Project Management Body of
Knowledge: um guia contendo nove práticas sobre gestão de
projetos, publicado pelo Project Management Institute (PMI).
Os primeiros planos de Comissionamento surgiram após a 2ª
grande guerra, com o crescente aumento do volume de
produção das indústrias e da necessidade de se criar
mecanismos que garantissem os prazos de produção das
novas plantas, em razão dos altos investimentos. Esses planos
de comissionamento foram e são estruturados de maneira a
permitir a transição do período de testes de performance (ver
item 3.2.3.) para o período operacional de forma suave e com
qualidade, sem descontinuidades, cumprindo-se os prazos
estabelecidos e com garantia de produção.
Concluiu-se então que o sucesso do Comissionamento
dependia de ações e fatores anteriores a “posta em marcha” da
unidade industrial. A partir disso, planos de controle dos
trabalhos de construção e montagem foram estabelecidos a fim
de minimizar, ou eliminar os eventuais problemas que poderiam
surgir na fase final de implantação do projeto. A esses planos
de controle antecipados deu-se o nome de Pré-
Comissionamento – do inglês – Pre-Commissioning ou
Condicionamento, cujo principal objetivo é o cumprimento de
todas as etapas do comissionamento dentro do prazo previsto
para o início da operação comercial da nova unidade industrial.

1.1. Condicionamento e Comissionamento – Definições


Gerais

Antes de mais nada, Condicionamento e Comissionamento


de plantas industriais são processos muito dependentes, mas
que ocorrem em tempos distintos, sempre orientados à
qualidade, cujo objetivo, e porque não desafio, é garantir a
entrada em operação da planta nos prazos e condições pré-
estabelecidos.

Mas o que é Condicionamento?

1.1.1. Condicionamento: são todas as atividades necessárias


para deixar em “condições” de funcionamento os equipamentos
de um sistema ou subsistema, deixando-os prontos para a
partida e entrada em operação. O condicionamento termina
nos testes a frio dos equipamentos dos sistemas ou
subsistemas. O Condicionamento é um termo criado pela
Petrobras que, através de procedimentos e ferramentas,
permite a entrada em operação dos equipamentos no prazo
previsto. Fora do ambiente Petrobras, ou seja, no exterior,
muitas companhias chamam o Condicionamento de Pre-
Commissioning.
O porquê do Condicionamento?

Uma companhia de petróleo, por exemplo, que produza em


média 300 mil barris/dia a US$ 50,00 o barril, terá um prejuízo
de 15 milhões de dólares para cada dia de atraso. Portanto,
qualquer atraso na entrada em operação de uma unidade de
processo custa muito dinheiro. Por isso que todos os
equipamentos e itens de processos têm de estar em perfeitas
condições de funcionamento, isto é, bem condicionados. O
condicionamento é dividido em quatro atividades: Recebimento
(de caráter qualitativo), Preservação, Inspeção Mecânica e
Inspeção Funcional; conforme mostra o diagrama abaixo:

Fig. 1 - Diagrama das atividades do


condicionamento

1.1.1.1. Recebimento

O recebimento dos equipamentos marca o início do


processo de condicionamento, onde uma inspeção de
recebimento verifica se o equipamento recebido está em
conformidade com as especificações contratadas na compra,
além de verificar o seu estado. Nada mais é do que um “check-
list”, em que se compara o que foi comprado com o que foi
recebido. Caso haja eventuais desvios nas especificações de
compra, as equipes de projeto e montagem devem tomar
providências em tempo hábil para evitar atrasos no cronograma
principal.

Até aqui, algumas páginas para apresentação do livro.

Havendo interesse, acesse o link:

http://www.agbook.com.br/book/28335--
Praticas_de_Engenharia_de

Saudações

Octávio Mathedi