Você está na página 1de 29

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO


PROFISSIONAL

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE


ESTUDO DO MCTESTP
(MESTRADO, DOUTORAMENTO E PÓS-DOUTORAMENTO)

Maputo, Maio de 2015


(Versão Revista)
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, ENSINO SUPERIOR E TÉCNICO
PROFISSIONAL

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO


DO
MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós Doutoramento)

1. ÂMBITO E OBJECTIVOS DO MANUAL

O Governo da República de Moçambique aprovou, a 29 de Março de 2006, o Plano


Estratégico de Formação e Desenvolvimento de Recursos Humanos para a área de Ciência
e Tecnologia (PDRHCT). O PDRHCT, cuja implementacao esta a ser coordenada pelo
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional (MCTESTP), tem
como objectivo principal massificar a formação de recursos humanos ao nível da pós-
graduação, de modo a formar 6.595 quadros até 2025, dando assim resposta ao problema
da escassez de recursos humanos em número e qualidade suficientes para melhor
enfrentar os desafios do desenvolvimento do país.

O PDRHCT, basicamente dirigido à formação, aos níveis de mestrado, doutoramento e


pós-doutoramento, de pesquisadores científicos e de candidatos a trabalharem na área de
investigação científica em Moçambique, identifica prioridades de formação nas seguintes
áreas do desenvolvimento do país:

 Ciências Naturais;
 Engenharia e Tecnologias;
 Ciências Médicas;
 Ciências Agrárias;
 Ciências Sociais; e
 Humanidades.

Um dos mecanismos encontrados para a realização da meta estabelecida é a promoção de


Bolsas de Estudo dentro e fora do país, no nível de mestrado, doutoramento e pós-
doutoramento. Serão priorizadas as áreas de formação definidas no PDRHCT, na ordem e
proporções nele indicadas. O MCTESTP publicitará em anúncios específicos, as áreas de
formação abertas para cada ano académico.

Este Manual destina-se a esclarecer os objectivos e o processo de atribuição de Bolsas de


Estudo pelo MCTESTP, no âmbito da implementação do PDRHCT. Portanto, o Manual
esclarece sobre o tipo de bolsas de estudo disponibilizadas pelo MCTESTP, os processos
de candidatura e selecção, e os mecanismos institucionais para o acompanhamento e
monitoria dos bolseiros, assim como para a reintegração dos quadros após a sua formação,

1
incluindo a integração daqueles formados no contexto de um compromisso de emprego com
uma determinada instituição de investigação científica.

Sendo assim, este Manual é de interesse para os gestores do programa de bolsas do


MCTESTP, gestores dos recursos humanos em instituições de ensino superior e
investigação científica, docentes e investigadores científicos, potenciais candidatos a
Docentes universitários e Investigadores Científicos, parceiros de cooperação e o público
em geral.

2. ATRIBUIÇÕES DOS AGENTES INTERVENIENTES

Os agentes intervenientes no processo do PDRHCT são: a Unidade de Implementação do


MCTESTP, as Instituições de Investigação Científica nacionais ou estrangeiras, as
Instituições de Ensino Superior nacionais ou estrangeiras, Instituições Financeiras, os
bolseiros ou potenciais bolseiros, os Conselheiros e Pontos Focais das instituições.

2.1. Unidade de Implementação no MCTESTP

A Unidade de Implementação no MCTESTP é a entidade responsável pela ligação entre


as necessidades e as acções de formação, através de bolsas de estudo e está sob tutela do
órgão do Governo Moçambicano que tem atribuições e competências sobre o sector da
Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional.

Neste contexto, a Unidade de Implementação tem as seguintes funções:

a) Fazer, em colaboração com o Órgão do Governo que tutela a planificação e


desenvolvimento do país, a sistematização e a actualização da informação sobre os
graduados e as necessidades de formação no contexto do PDRHCT;
b) Identificar e sistematizar as oportunidades de formação nas Instituições de Ensino
Superior dentro e fora de Moçambique;
c) Estabelecer métodos e critérios de avaliação e selecção das candidaturas, incluindo
Comités de Selecção, constituídos por personalidades reconhecidas nas áreas do
conhecimento respectivas, para a indicação dos candidatos aptos a serem
seleccionados;
d) Estabelecer o número de bolsas de estudo e as áreas de formação a atribuir em
cada ano, e segundo as proporções do PDRHCT;
e) Estabelecer mecanismos de monitoria do processo de formação dos bolseiros
através dos, mas não limitados aos, relatórios semestrais de progresso e de
desempenho académico; e
f) Estabelecer, em coordenação com as entidades competentes, mecanismos para
garantir o retorno dos bolseiros ao país e a sua integração nas instituições com as
quais tenham vínculo ou compromisso laboral.

2
2.2. Instituições de Investigação Científica

As Instituições de Investigação Científica que intervêm no presente plano de formação


são aquelas que, estando estabelecidas em Moçambique, apresentam o seu plano de
formação interno e se engajam no uso das oportunidades de formação no âmbito do
PDRHCT. O plano de formação deverá estar em consonância com o quadro de pessoal
e as projecções de recursos humanos de cada instituição de investigação.

Neste contexto, as instituições de formação e investigação científica que participam da


operacionalização do PDRHCT realizam as seguintes acções:

a) Elaboração de planos para formação e desenvolvimento dos seus recursos


humanos ao nível de mestrado, doutoramento e pós-doutoramento no contexto do
PDRHCT;
b) Aprovar, tendo em conta as áreas do PDRHCT, a Estratégia da Ciência,
Tecnologia e Inovação de Moçambique (ECTIM) e a respectiva estratégia de
desenvolvimento da instituição, o tema do mestrado ou doutoramento;
c) Acompanhar o processo de formação dos seus funcionários ou agentes e avaliar
seus resultados parciais e finais;
d) Garantir um reenquadramento pós-formação dos seus funcionários ou agentes que
se beneficiam de bolsas de estudo; e
e) Garantir a integração pós-formação dos bolseiros que com elas assinem um
compromisso.

2.3. Instituições de Ensino Superior

Neste Manual as instituições de ensino e formação superior são consideradas em duas


dimensões:

1. As que ministram cursos de formação ao nível de pós-graduação (mestrado,


doutoramento e pós-doutoramento) e que, ao abrigo de protocolos ou acordos de
cooperação com o Órgão do Governo que tutela a ciência e tecnologia, podem
disponibilizar bolsas de estudo ou vagas para bolseiros candidatos a investigadores
científicos no âmbito das áreas estabelecidas no PDRHCT. Estas instituições podem
ser nacionais ou estrangeiras. Os acordos com estas instituições de formação
indicam, na medida do possível, o número de bolsas anualmente oferecidas por
estas, distribuídas rigorosamente pelas áreas de enfoque do PDRHCT.
2. As instituições que fazem trabalho científico e devem garantir a formação de seus
professores e investigadores e nessa dimensão se ajustam ao estabelecido acima
para as instituições de investigação.

2.4. As Instituições Financiadoras de Bolsas de Estudo

As Instituições Financiadoras de Bolsas de Estudo são todos os parceiros que contribuem


para a implementação do PDRHCT através de alocação regular de recursos financeiros a
serem aplicados no processo de concessão de bolsas de estudo. Esses parceiros podem
ser, embora não limitadas a: entidades públicas e privadas nacionais ou estrangeiras;
agências de cooperação e desenvolvimento; organizações não governamentais nacionais

3
ou estrangeiras; e as várias instituições filantrópicas. Estas serão, se interessadas,
envolvidas na monitoria do uso de fundos atribuídos às bolsas.

2.5. Bolseiros ou Potenciais Bolseiros

Os bolseiros ou potenciais bolseiros são todos os cidadãos nacionais considerados


elegíveis no contexto do PDRHCT. Estes incluem todos funcionários ou agentes públicos,
incluindo os candidatos a estas posições, que trabalhem ou pretendam trabalhar na área de
investigação científica em Moçambique.

Para serem seleccionados, os candidatos terão de seguir os requisitos descritos nos


processos de candidatura, incluindo o preenchimento completo e correcto do pacote que
constitui o formulário de inscrição.

Uma vez os candidatos tenham sido seleccionados e atribuída a bolsa:

a) Os bolseiros viajarão em classe económica para o lugar de estudos;


b) Cada bolseiro terá direito a um fundo para a aquisição de material bibliográfico e
didáctico;
c) Cada bolseiro terá direito a fundos para cobrir despesas correntes relacionadas
com a sua alimentação, hospedagem e emergências, desembolsados em 24
mensalidades para as bolsas do Mestrado ou 48 para as do doutoramento e de 12 a
24 mensalidades para pós-doutoramento Estes períodos não serão prorrogáveis;
d) Cada bolseiro terá direito a uma viagem de férias se o seu programa for superior a
24 meses, e dependendo do entendimento com a instituição patrocinadora;
e) O bolseiro cujo programa for inferior a 24 meses, tendo necessidade de viajar a
Moçambique para recolha de amostras, terá direito a uma viagem se esta for
planificada no seu orçamento da bolsa e pedida com a antecedência de três meses
em relação ao início da mesma pelo respectivo supervisor académico, que terá de
justificar as razões da necessidade da mesma;
f) O bolseiro não deverá mudar de programa de estudos sob o qual terá sido
seleccionado. A mudança do programa será considerado abandono;
g) Caso o programa de estudos seja considerado como abandono, o bolseiro
perderá direito à bolsa e estará sujeito ao retorno imediato ao país;
h) Em nenhuma circunstância deverá o bolseiro adquirir uma passagem aérea sem
a devida autorização da Unidade de Implementação do MCTESTP. O bolseiro não
terá direito a reembolso caso adquira a passagem aérea sem a permissão da
Unidade de Implementação;
i) Antes da partida, o bolseiro terá o direito de prorrogar a matrícula por apenas uma
vez;
j) Cada bolseiro terá direito a um valor pré-definido, a ser planificado no orçamento da
bolsa, para o envio de bagagens, incluindo livros; e
k) Cada bolseiro deverá se registar junto das autoridades consulares da República de
Moçambique no país de acolhimento.

4
2.6. Conselheiros e Pontos Focais

No processo da operacionalização do PDRHCT, a Unidade de Implementação é apoiada


por uma rede dinâmica de colaboradores institucionais estabelecidos local, nacional e
internacionalmente que, estando dentro de determinadas instituições ou tendo a
possibilidade de influenciar a identificação de oportunidades de formação, são nomeados
agentes dinamizadores do PDRHCT no local onde estiverem.

Assim, em função da sua acção junto de uma instituição com vista à identificação e
comunicação de oportunidades de formação, a Unidade de Implementação recomenda a
autoridade do Governo que tutela a área da ciência e tecnologia para os nomear
Conselheiros e/ou Pontos Focais. As instituições onde estes se encontram poderão ser
instituições de investigação científica; instituições de formação e ensino superior;
instituições financiadoras de Bolsas de Estudo e Agências de Governos estrangeiros
envolvidas na formação em pós-graduação.

3. LOCAL DE FORMAÇÃO

3.1. Bolsas de Estudo Dentro do País

As bolsas de estudo dentro do país são as que são concedidas aos candidatos elegíveis e
cuja formação decorre em instituições de ensino superior dentro do território moçambicano.
Estas instituições, que ministram cursos de pós-graduação, podem ser públicas ou
privadas.

3.2. Bolsas de Estudo no Estrangeiro

As bolsas de estudo no estrangeiro são as concedidas aos candidatos elegíveis e cuja


formação decorre em instituições de formação e ensino superior fora do território
moçambicano. Estas instituições, a ministrar cursos de pós-graduação, podem ser públicas
ou privadas.

4. TIPOS DE BOLSAS DE ESTUDO

As bolsas de estudo do MCTESTP no âmbito do PDRHCT podem ser concedidas pelo


Governo de Moçambique ou por Governos de outros países com os quais Moçambique
coopere no
âmbito da formação e desenvolvimento de recursos humanos.

Em geral, e em função do parceiro, o tipo de bolsa varia em termos de formato. Assim,


para este programa são identificados três tipos de bolsas: completas, reduzidas e de
formação à distância.

4.1. Bolsas de Estudo Completas

As bolsas completas incluem o pagamento de passagens aéreas de Moçambique para o


local de formação e vice-versa, seguro de saúde, propinas e um valor mensal para cobrir
despesas de alojamento, alimentação e outras despesas correntes (fixado pela própria

5
instituição doadora da bolsa). Este tipo de bolsa pode ainda cobrir despesas de transporte
durante o curso para deslocações em trabalho de campo (para recolher amostras).

4.2. Bolsas de Estudo Parciais

As bolsas parciais restringem-se à disponibilização de vagas e ao pagamento de propinas.


Nesta modalidade, as restantes componentes são cobertas pelo bolseiro ou pela sua
instituição ou na negociação com as instituições doadoras de bolsas de estudo.

4.3. Bolsas de Estudo de Formação à Distância

Este tipo de bolsa consiste na formação dos bolseiros à distância, observando, no entanto,
deslocações periódicas à instituição de formação com vista a apresentar e discutir o
relatório académico com o respectivo orientador.

4.4. Limitações dos Beneficiários da Bolsa

Na abordagem do Regulamento de Bolsas de estudo do MCTESTP, estes três tipos de


bolsa beneficiam exclusivamente o bolseiro. Se este desejar viajar e morar com a sua
família durante o período de formação, deverá assumir individualmente os custos daí
decorrentes.

5. BENEFICIÁRIOS DE BOLSAS DE ESTUDO

Tendo em referência o objectivo do PDRHCT em termos de enfoque, os beneficiários


das bolsas de estudo, neste contexto, provêm de três grupos, a saber:

 Funcionários ou agentes públicos que trabalham nas áreas da docência e
investigação científica em Moçambique;
 Potenciais funcionários ou agentes públicos interessados em trabalhar na área
da docência e investigação científica em Moçambique; e
 Outros indivíduos interessados em trabalhar em investigação científica.

5.1. Funcionários ou Agentes Públicos (Docência e Investigação Científica)

Podem candidatar-se à formação no contexto do PDRHCT os funcionários ou agentes


públicos que estejam vinculados a uma instituição de investigação científica e ensino
superior, ou que trabalhem na área de investigação científica. Estes deverão apresentar
uma carta da instituição empregadora que os autoriza a se formarem. Esta deve indicar
como o candidato será profissionalmente reintegrado, tendo em conta as competências
obtidas com o respectivo curso. Este é um compromisso absoluto de período igual ou
superior ao período da formação.

5.2. Potenciais Funcionários ou Agentes Públicos (Docência e Investigação


Científica)

Todos aqueles interessados em se tornarem funcionários ou agentes públicos na área de


docência ou investigação científica podem candidatar-se a bolsas de estudo no contexto do

6
PDRHCT, desde que tenham firmado um termo de compromisso com uma instituição de
ensino ou investigação científica em como, após a conclusão do curso, trabalharão para a
mesma. Para este caso, a Unidade de Implementação apoia os candidatos na identificação
de futuras instituições empregadoras.

O documento referente à integração na instituição de investigação onde pretende estar


vinculado deve explicar como o candidato será profissionalmente incorporado, tendo em
conta as competências obtidas após a conclusão do respectivo curso. Este documento
deverá provir da instituição de Investigação do país interessada em contratá-lo. Este é um
compromisso absoluto de período igual ou superior ao período da formação.
A identificação dos candidatos a funcionários ou agentes públicos interessados na formação
nos níveis de mestrado e doutorado é feita através das próprias instituições e através de
anúncios públicos emitidos pelo MCTESTP na sua página de internet e nos diversos meios
de comunicação social de maior abrangência a nível nacional.

5.3. Outros Indivíduos Interessados em Trabalhar para o Estado

Podem candidatar-se a bolsas de estudo todos os indivíduos que não cabem


directamente nos grupos anteriores e cujos processos serão analisados caso a caso. A
assinatura de um termo de compromisso entre o candidato e uma potencial instituição
acolhedora visa assegurar a integração do primeiro após a conclusão do curso e,
igualmente, assegurar que a instituição planifique o seu quadro de pessoal em função dos
recursos humanos aos níveis de mestrado ou doutoramento a acolher.

5.4. O Âmbito de Aplicação do Conceito de Estado

A obrigatoriedade de trabalhar para o Estado significa que o cidadão nacional que tenha
beneficiado da bolsa no âmbito do PDRHCT deverá primariamente trabalhar para uma
instituição pública, necessariamente governamental. Se a possibilidade de trabalhar
directamente para o Estado não for possível, e se devidamente autorizado, o graduado
poderá trabalhar em outra instituição que faça parte do sistema da ciência e tecnologia,
ensino superior e técnico profissional em Moçambique.

6. PROCESSO DE CANDIDATURA

Os candidatos a bolsas de estudo no contexto do Regulamento de Bolsas de Estudo do


MCTESTP deverão tomar em conta os pré-requisitos para a candidatura e os requisitos
após a selecção para a bolsa de estudo para o nível de mestrado, doutoramento ou pós-
doutoramento. Este processo é realizado de forma anual, em períodos especificamente
determinados para o efeito, de modo a actualizar a base de dados e com referência nas
seis (6) áreas de formação indicadas no PDRHCT.

6.1. Requisitos Básicos

a) Nacionalidade moçambicana documentalmente confirmada (fotocópias do


bilhete de identidade, certidão de nascimento e passaporte autenticadas);
b) Certificado de Habilitações Literárias do nível anterior ao que se pretende concorrer
(fotocópias autenticadas);

7
c) Historial de cadeiras feitas do nível anterior para candidatos a bolsas de estudo para
o mestrado (academic transcript);
d) Curriculum Vitae com enfoque nas actividades profissionais, cientificas e
académicas desenvolvidas pelo candidato após a conclusão da Licenciatura,
Mestrado ou Doutoramento incluindo publicações científicas e artigos em revistas
científicas;
e) Três cartas de recomendação, pelo menos duas delas de antigos professores ou
outros indivíduos de renomado crédito na docência e investigação científica para
candidatos a mestrado e doutoramento. No caso de o candidato ser investigador,
docente ou funcionário duma instituição de investigação ou formação, a
recomendação mais importante será aquela do Conselho Cientifico, ou entidade
relevante, da mesma;
f) Autorização do empregador ou carta-promessa do futuro empregador;
g) Atestado Médico, onde se ateste o seu bem-estar físico e mental;
h) Não estar a beneficiar de uma bolsa de estudo de outra agência ou instituição
nacional ou estrangeira;
i) Projecto de Pesquisa que deve ser apresentado de forma clara e resumida, cujo
tema seja relevante para a realidade moçambicana;
j) Nos casos em que o projecto envolva experiências com humanos ou animais e
ambiente deverá ser apresentado o parecer da Comissão de Ética:
i. Experimentação com seres humanos – aqui deve conter uma secção
onde se explicite como estão sendo contemplados seus aspectos
éticos, devendo ser anexados o parecer da Comissão de Ética das
instituições envolvidas;
ii. Experimentação com animais – aqui deverá ser documentado que os
Procedimentos adoptados estão em conformidade com o pressuposto
e com o respectivo parecer da Comissão de Ética da instituição em
que será realizada a pesquisa; e
iii. Experimentação sobre o meio ambiente – havendo produção de
resíduos químicos, deverá ser descrito o procedimento adoptado de
forma a não
produzir riscos ambientais e apresentar parecer de Comissão de Ética
da instituição em que serão realizadas as experiências.
k) Finalmente, o pacote de candidatura deve apresentar o certificado de qualidade em
segurança caso o projecto envolva experiências com organismos geneticamente
modificados. Este deve informar o número de registo e a data da publicação do
certificado de qualidade em biossegurança.

6.2. Requisitos Adicionais

Os requisitos adicionais para as bolsas de estudo referem-se aos que são definidos por
cada instituição financiadora, e tendem a variar de instituição para instituição.

Nota: A não ser que seja especificado, todos os documentos deverão estar na língua
portuguesa. Caso a tradução dos documentos seja necessária, esta deverá ser feita por um
tradutor oficial.

8
7. CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E PRIORIZAÇÃO

Antes da avaliação da qualidade técnico-científica das candidaturas pelo Comité de


Selecção, a Unidade de Implementação procederá à averiguação do cumprimento dos
requisitos que constam no edital incluindo a elegibilidade de cada uma das candidaturas,
eliminando as incompletas ou as que não estejam de acordo com os requisitos exigidos, as
que foram submetidas fora dos parâmetros que perfazem os critérios de elegibilidade e fora
dos prazos indicados no anúncio à Bolsa.

Os principais requisitos considerados no processo de avaliação do mérito do pedido de


bolsa são:

a) O projecto de pesquisa, avaliado pelos seus objectivos, fundamentação,


metodologia, viabilidade e relevância para o país;
b) O potencial do candidato como pesquisador, avaliado pelo seu desempenho
académico até à data, bem como pelo seu C.V.;
c) Comprovativo de vínculo laboral ou promessa de emprego pós-formação
devidamente autorizada;
d) Comprovativo de disponibilidade do bolseiro (ou sua instituição empregadora) em
arcar com parte dos custos, tais como as passagens aéreas extra das garantidas
pela instituição financiador da bolsa.

7.1 Processo de Selecção de Candidatos

O processo de selecção de candidatos é realizado por um Comité de Selecção será


constituído por pelo menos 4 e um máximo de 6 elementos independentes, com o grau de
Doutor de acordo com o número de candidaturas recebidas pelo MCTESTP como resultado
da publicação dum edital e por dois membros da Unidade de Implementação no MCTESTP
e/ou também por um membro ou representante da instituição financiadora da bolsa de
estudo quando aplicável. Os membros independentes deverão estar integrados na Carreira
de Investigação Cientifica ou Académica ou estarem associados a uma instituição de
Ensino Superior no país ou no estrangeiro.
O processo de selecção de candidatos decorre em cinco fases: triagem pela Unidade de
Implementação do MCTESTP, avaliação das candidaturas pelo Comité de Selecção,
entrevista com os candidatos pré-seleccionados, apuramento dos candidatos e atribuição
da bolsa de estudo, conforme se descreve a seguir.

7.1.1. Triagem pela Unidade de Implementação no MCTESTP

O processo de triagem envolve duas actividades principais:



 Verificação dos requisitos exigidos para a candidatura, incluindo o preenchimento
adequado dos formulários específicos de pedido da bolsa; e
 Elaboração e submissão da lista dos candidatos elegíveis e não elegíveis a bolsa de
estudo ao Comité de Avaliação.

9
7.1.2. Avaliação das Candidaturas pelo Comité de Selecção

 Avaliação objectiva das candidaturas elegíveis pelos membros do comité de


selecção usando os critérios definidos para o efeito.

7.1.3. Entrevistas com os Candidatos Pré-seleccionados

O processo de entrevistas aos candidatos pré-seleccionados ocorre em três fases:


 Contacto com os candidatos pré-seleccionados;
 Entrevistas com os candidatos; e
 Testes/avaliações (se for o caso).

7.1.4. Apuramento dos Candidatos

O apuramento dos candidatos envolve os passos seguintes:


 Elaboração e publicação da lista dos candidatos aprovados e excluídos da bolsa
de estudo;
 Publicação da lista dos candidatos seleccionados de acordo com classificação dos
candidatos em cada uma das áreas e de acordo com os recursos financeiros
disponíveis para as bolsas no MCTESTP; e
 Solicitação da documentação necessária como requisito pós-selecção.

7.1.5. Atribuição da Bolsa de Estudo

Os requisitos, após o resultado positivo no processo de selecção, são:

 Assinatura do termo de compromisso e do contrato de financiamento para


outorgação da bolsa de estudo, que inclui a aceitação da obrigatoriedade da não
alteração do programa do curso a que concorreu e regresso ao país após a
conclusão do curso para trabalhar para a instituição pré-acordada ou para o Estado,
pelo menos, por um período igual ao da duração da formação;
 Pagamento de despesas com passagens aéreas extra e outras inerentes à
deslocação (para
o caso de bolsas de estudo fora do país fora dos planificados no orçamento da bolsa
atribuída ou bolseiros que tenham de se deslocar dentro do país);
 Pagamento de subsídio de instalação (dependendo dos casos); e
 Pagamento de outras despesas inerentes ao curso (alimentação, alojamento,
propinas, material de pesquisa e entre outras, devidamente aprovadas no contrato
de financiamento da bolsa).

8. CANAIS DE COMUNICAÇÃO EXISTENTES

Para o caso dos candidatos que são funcionários ou agentes públicos integrados numa
Instituição de Investigação Científica ou do Ensino Superior, a informação sobre as
candidaturas será enviada de forma institucional pelo MCTESTP. As instituições enviarão
as listas de potenciais candidatos com base nos seus respectivos planos de formação.

Para o caso de candidatos que são potenciais funcionários ou agentes públicos, as


candidaturas são feitas mediante anúncios públicos periódicos na imprensa de maior

10
abrangência nacional, e na página de internet do MCTESTP. Os formulários podem ser
obtidos no MCTESTP ou na página web.

9. ACOMPANHAMENTO DOS BOLSEIROS

9.1. Durante o Curso

Durante o curso, os bolseiros no âmbito do PDRHCT terão um acompanhamento sobre o


desenvolvimento da sua formação através da Unidade de Implementação no MCTESTP em
estreita colaboração com a instituição de formação do bolseiro e a instituição com a qual o
bolseiro tenha compromisso.

A recepção de relatórios de progresso académico pela Unidade de Implementação no


MCTESTP e a troca de pareceres deste documento entre a Unidade e a (futura) Instituição
empregadora é uma prática a ser observada regularmente.

Quando necessário, o acompanhamento pode incluir o envio de uma missão itinerante de


trabalho nas diferentes instituições de formação e ensino onde estão estabelecidos os
mestrandos e/ou doutorandos moçambicanos enviados ao abrigo do programa de bolsas de
estudo do MCTESTP.

9.2. Após a Conclusão do Curso

Após a conclusão do curso e para que se possa atingir os objectivos do Programa de bolsas
de estudo do MCTESTP, haverá o acompanhamento pelo MCTESTP com vista à
reintegração dos formados nas instituições de relevantes.

Esse acompanhamento decorrerá durante um período de, pelo menos, três anos após a
conclusão do curso. Neste caso, as instituições de investigação científica e ex-bolseiros
deverão assumir compromissos com a Unidade Implementação do Programa de Bolsas do
MCTESTP, que os encaminhará às entidades relevantes, de forma a viabilizar esse
processo.

10. DIREITOS DOS BOLSEIROS


No contexto do Regulamento de Bolsas de Bolsas de Estudo do MCTESTP, os bolseiros
têm os seguintes direitos:

a) Beneficiar da Bolsa de Estudo concedida;


b) Beneficiar do pagamento das despesas do seu seguro de saúde durante a sua
permanência no país de estudo;
c) Renovar anualmente a Bolsa de Estudo sempre que tiver bom progresso académico;
d) Obter informações e conselhos sobre a administração da sua Bolsa de Estudo;
e) Expor as suas opiniões e preocupações perante os gestores do programa de bolsas
do MCTESTP e receber resposta;
f) Receber passagem de ida e volta após a conclusão da formação;

11
g) Beneficiar de isenção de direitos alfandegários sobre material didáctico nos termos
da lei;
h) Ser subsidiado para custear a bagagem até 30 kg ou 90 kg por via aérea ou
marítima respectivamente no final do curso;
i) Serem transladados os restos mortais para o país.

11. DEVERES DOS BOLSEIROS

No contexto do Regulamento de Bolsas de Bolsas de Estudo do MCTESTP, os bolseiros


têm os seguintes deveres:

a) Assinar um contrato de financiamento com o MCTESTP referente à Bolsa de Estudo


concedida;
b) Frequentar e concluir com bom aproveitamento a formação académica que se refere a
Bolsa de Estudo;
c) Frequentar o curso e obedecer às regras da instituição onde este for realizado;
d) Cumprir plenamente o programa de estudos, não interrompendo-o, em caso de motivos
de força maior, sem a devida autorização do MCTESTP, que deverá ser antecedida da
justificação devidamente endossada pelo supervisor académico e pelo responsável pelo
programa de estudos na universidade;
e) Desenvolver as actividades académicas dentro do país para onde o estudante foi
seleccionado. Portanto, deslocações para outros países que não sejam este, não serão
cobertas pela Bolsa de Estudos;
f) Observar um período de 30 (trinta) dias úteis de antecedência para pedir autorização para
qualquer viagem relacionada ao Plano de Estudos;
g) Dedicar-se integral e exclusivamente ao curso, não exercendo qualquer actividade não
relacionada com o programa estabelecido;
h) Abster-se do envolvimento em actividades de cariz político no país hospedeiro;
i) Abster-se de acumular com a bolsa, qualquer outro suplemento de carácter financeiro de
outra agência nacional ou estrangeira.
j) Proceder ao seu registo no Consulado ou Embaixada de Moçambique logo que chegar ao
país de acolhimento;
k) Solicitar o desembolso de fundos por carta e dirigida à Unidade de Implementação no
MCTESTP, com pelo menos 1 mês de antecedência;
l) Fazer a prestação de contas e apresentar relatórios financeiros de despesas
trimestralmente de acordo com o orçamento aprovado no acto da submissão do pedido de
desembolso de fundos para o trimestre seguinte;
m) Submeter dentro dos prazos previstos os relatórios de progresso académico sobre as
actividades desenvolvidas até ao final de cada trimestre académico, acompanhado do
relatório do supervisor académico;
n) Garantir uma gestão adequada dos fundos da Bolsa de forma a gerir o valor
desembolsado de modo racional, objectivo, transparente e de acordo com as regras de
gestão financeira para a prossecução dos fins do contrato de financiamento da Bolsa;
o) Não deve fazer o desvio de aplicação de fundos tais como aplicar o valor desembolsado
em despesas não previstas no orçamento aprovado e em categorias de despesas
inadequadas;

12
p) Não deve fazer extensão do programa de Mestrado, Doutoramento ou Pós-Doutoramento
para além da duração da Bolsas de Estudos atribuída.
q) Restituir ao Estado Moçambicano o valor total da formação se após a formação decidir
não trabalhar para a instituição de filiação aquando da atribuição da bolsa de estudos,
durante um período igual ou superior ao da sua formação;
r) Oferecer toda a assistência e colaboração a qualquer funcionário designado pelo
MCTESTP, para levar a cabo a inspecção e permitir o acesso aos documentos relevantes
para fins do objecto deste contrato;
s) Retornar ao país assim que terminar o curso, solicitando passagem de retorno com
antecedência mínima de 30 (trinta) dias da data da viagem;
t) Terminado o programa o Bolseiro deve apresentar ao MCTESTP o seu Certificado de
Conclusão do Curso, o Diploma, Dissertação/Tese assim como a Cópia da acta de Defesa.

12. DIREITOS DO FINANCIADOR DA BOLSA DE ESTUDO


No contexto do Regulamento de Bolsas de Bolsas de Estudo do MCTESTP, o financiador
tem os seguintes direitos:

a) Fazer uso de dados e dos resultados do curso para efeitos de publicação, sem
prejuízo dos direitos da propriedade intelectual do bolseiro;
b) Monitorar e inspeccionar a implementação de actividades no âmbito da Bolsa de
Estudos e o trabalho realizado pelo bolseiro sob os termos deste contrato, incluindo
a documentação sobre a prestação de contas, relatórios financeiros e relatórios de
progresso trimestrais, semestrais e anuais de actividades;
c) Fazer cessar o presente contrato caso o bolseiro viole as suas cláusulas.

13. DEVERES DO FINANCIADOR DA BOLSA DE ESTUDO

1. No contexto do Regulamento de Bolsas de Bolsas de Estudo do MCTESTP, o


financiador tem os seguintes deveres:

a) Alocar o valor da Bolsa de estudo concedida aos estudantes beneficiários;

b) Conceder uma passagem aérea de ida e volta (para os estudantes fora de


Moçambique). O pagamento de passagens para a realização de trabalho de
pesquisa ou de campo (no total de uma para o doutoramento) só será efectuado
após solicitação pelo Supervisor da deslocação do bolseiro.
c) Pagar as despesas do seguro de saúde do bolseiro durante a sua permanência
no País de estudo, em função da disponibilidade financeira;
d) Designar um Director responsável pela coordenação das actividades do presente
contrato, aceitação e aprovação de relatórios e outras submissões, e aceitação e
aprovação de pedidos de pagamentos;

2. Não constitui obrigação do Financiador da Bolsa nos termos do presente


contrato:

a) Pagar salários ao bolseiro para beneficiar da Bolsa de Estudos;

13
b) Compensar o bolseiro, no âmbito da Bolsa de Estudos, contra qualquer
reclamação por danos infligidos a terceiros;

NOTA: A Adenda e os Anexos MCTESTP-A, MCTESTP-B, MCTESTP-C, MCTESTP-D,


Regulamento de Bolsas de Estudo do MCTESTP e o Contrato de Financiamento fazem
parte integrante deste Manual do Programa de Formação e Bolsas de Estudo do
MCTESTP.

14
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO DO


MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento)

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO A BOLSA DE ESTUDOS


(MCTESTP – A)

N.B.: O presente Formulário não substitui o Formulário de Candidatura


específico para cada anúncio de oportunidade de formação.

1. Informações Pessoais

IMPORTANTE: Por favor, não altere a dimensão das Tabelas ou Células

1.1. Nome completo

1.2. Sexo

1.3. Endereço permanente


[Rua, N.º e Local]

1.4. Contactos Telefone Fax

E-mail 1 E-mail 2

1.5. Nacionalidade
[Se dupla, indique ambas]

1.6. Data de Nascimento


[dia, mês, ano]

1.7. Local de Nascimento


[localidade, país]

15
2. Habilitações Académicas

2.1. Habilitações académicas/graus universitários obtidos, começando pelos mais recentes.


Omitir ou fornecer informação incompleta pode prejudicar a avaliação da candidatura [todas as
informações terão de ser comprovadas através de documentos oficiais certificados a serem
solicitados à posterior].
Data de início Área de estudo País Grau

(a)
Data de graduação Instituição Cidade Média/Nota máxima

Data de início Área de estudo País Grau

(b)
Data de graduação Instituição Cidade Média/Nota máxima

Data de início Área de estudo País Grau

(c)
Data de graduação Instituição Cidade Média/Nota máxima

3. Experiência Profissional

3.1 Experiência profissional obtida até à data, começando pela mais recente. Indique o nome da
entidade empregadora, país, ramo/sector, cargo na empresa e por quanto tempo, actividade /
responsabilidades. Por favor, evite incluir trabalhos temporários, a tempo parcial ou trabalhos
ocasionais, que não contribuíram para a sua carreira profissional. Se precisar, pode anexar mais
folhas.

16
4. Qualificações e Competências Adicionais

Competências Linguísticas

4.1 Língua materna

4.2 Outras línguas Língua Compreensão Leitura Escrita Expressão oral


[Nível: Fluente, Bom,
Básico]
[L 1]
[L 2]
[L 3]

Qualificações e competências pessoais [não necessariamente comprovadas por certificados e


diplomas formais: francês, inglês, português]

4.3 Competências
técnicas e aptidões
que poderão ser
relevantes para o
projecto de educação
/ formação.

[descreva o nível
destas competências
e indique onde foram
adquiridas]

5. Projecto de Formação Proposto

Plano de Estudos

17
5.1. Título do curso
de Mestrado /
Doutoramento /
Pós-Doutoramento
pretendido

5.2. Sumário breve


dos objectivos do
curso de Mestrado /
Doutoramento /
Pós-Doutoramento
pretendido

[Máximo de 1500
caracteres,
aproximadamente
20 linhas]

5.3. Área de Estudo Área Sub-área

5.4. Motivações

[Explique
sucintamente as
motivações para
desejar efectuar
estudos de pós-
graduação]

18
6. Pessoas de Referência
6.1. Pessoas de Referência
Por favor, indique duas pessoas de referência sobre si; pelo menos uma das pessoas de
referência deverá ser um perito da área de estudos do projecto de educação/formação proposto
pelo/a candidato/a.

Pessoa de Referência 1 Pessoa de Referência 2

Nome Nome

Instituição/ Instituição/
organização organização

Cargo Cargo

Endereço Endereço

Telefone Telefone

Fax Fax

E-mail E-mail

7. Declaração Final

Declaração

Assinatura

Local e Data

19
Indique, por favor, abaixo como tomou conhecimento da existência do Programa de
Bolsas de estudo do MCTESTP

ESPECIFICAÇÃO
1. Colega ou amigo

2. Professor da minha Universidade

3. Poster/folheto numa Universidade local

4. Ponto Focal da minha instituição

5. Ponto Nodal

6. Internet

7. Comunicação social (Jornal/Rádio/TV)

8. Outro

20
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO DO


MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento)

PLANO DE ESTUDOS DO CANDIDATO A BOLSA DE ESTUDOS


(MCTESTP – B)

N.B.: Descreva clara e sucintamente o Plano de Estudos que pretende desenvolver, seguindo os items
abaixo.

1. Nome Completo do Candidato

2. Apresente as principais questões que deseja abordar.

3. Problema/questão que deseja investigar para a tese ou dissertação.

4. Relevância do problema/questão para a área académica em que se insere

21
5. Relevância prática do problema/questão para o desenvolvimento de Moçambique

Assinatura do Candidato:

Local e data:

22
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO DO


MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento)

CARTA DE RECOMENDAÇÃO PARA CANDIDATO A BOLSA DE ESTUDOS


(MCTESTP – C)
N.B.: Os Pontos 1 e 2 devem ser preenchidos pelo Candidato antes da Recomendação
ser feita pelo recomendador. Os pontos restantes devem ser preenchidos por
quem recomenda.
1. Nome completo do
Candidato

2.Instituição Pretendida pelo


Candidato (nome e local)

3. Sobre a Qualidade Académica do Candidato:


3.1. Comente sobre a Aptidão do Candidato para Concluir com Sucesso o Programa de
Mestrado, Doutoramento ou Pós-Doutoramento que pretende. (Anexe uma folha extra se
precisar)

3.2. Na sua Avaliação, em que posição colocaria as aptidões do Candidato concluir com
sucesso um programa de estudos avançado e as actividades de pesquisa inerentes.
Entre os primeiros 5% ( ); 10% ( ); 25% ( ); 50% ( )

23
3.3. Se tiver sido docente do Candidato, em que lugar o classifica

Entre os primeiros 5% ( ); 10% ( ); 25% ( ); 50% ( )

4.1. Nome completo


de quem recomenda

4.2. Organização

4.3. Título e Posição

1.4. Contactos Telefone Fax

E-mail 1 E-mail 2

Assinatura de quem
recomenda:

Local e data

24
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO DO


MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento)

TERMO DE COMPROMISSO DO BOLSEIRO


(MCTESTP – D)

N.B.: Coloque o nome completo e endereço completo

Eu, …………………………………………. Cidadã(o) nacional, portador(a) do Bilhete de


Identidade nº ………………………… emitido em ………………….., pelo arquivo de
Identificação Civil de …………………………., residente em ………………………., na cidade
de, DECLARO POR MINHA HONRA, e sob pena de consequências legais, que:

1. Seguirei o curso e obedecer às regras da instituição onde este for realizado;


2. Dedicar-me-ei integral e exclusivamente ao curso, não exercendo qualquer actividade
não relacionada com o programa estabelecido;
3. Abster-me-ei do envolvimento em actividades de cariz político no país hospedeiro;
4. Abster-me-ei de acumular com a bolsa, qualquer outro suplemento de carácter
financeiro de outra agência nacional ou estrangeira sem a prévia e expressa autorização da
Unidade de Implementação;
5. Abster-me-ei de procurar emprego ou actividade remunerada sem a prévia e expressa
autorização da Unidade de Implementação;
6. Cumprirei plenamente o programa de estudos, não interrompendo-o sem a devida
autorização da Unidade de Implementação, que deverá ser antecedida da justificação
devidamente endossada pelo supervisor académico e pelo responsável pelo programa de
estudos na universidade;
7. Observarei um período de 30 (trinta) dias úteis de antecedência para pedir autorização
para qualquer viagem relacionada ou não ao Plano de Estudos;
8. Submeterei dentro dos prazos previstos os relatórios de progresso académico sobre as
actividades desenvolvidas até ao final de cada trimestre/semestre académico,
acompanhado do relatório do supervisor académico;
9. Retornarei ao país assim que terminar o curso, solicitando passagem de retorno com
antecedência de 30 (trinta) dias da data da viagem;
10. Restituirei ao Estado Moçambicano do valor total da minha formação se após a
formação decidir não trabalhar para o mesmo, durante um período igual ou superior ao da
minha formação;
11. Estou consciente de que a bolsa é só aplicável para mim e que em circunstância alguma
é extensiva à minha família ou dependentes.

25
Tendo assim declarado, assino este Termo de Compromisso, consciente de que a Bolsa
poderá ser suspensa ou terminada se alguma das disposições aqui estipuladas for violada,
isoladamente ou cumulativamente. Qualquer infracção de natureza financeira resultará na
devolução por minha parte do valor equivalente recebido, acrescido de uma multa de 15%
sobre o valor do mesmo.

Assinatura do Bolseiro Reconhecida em Notário:

______________________________________ _______________________________

Local e Data:

____________________________________________________________

26
REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE
Ministério da Ciência e Tecnologia, Ensino Superior e Técnico Profissional

MANUAL DO PROGRAMA DE FORMAÇÃO E BOLSAS DE ESTUDO DO


MCTESTP
(Mestrado, Doutoramento e Pós-Doutoramento)

ADENDA

1. CONTEXTO

No contexto da implementação do Plano de Formação e Desenvolvimento de Recursos


Humanos para a área de Ciência e Tecnologia (PDRHCT) de acordo com o Regulamento
de Bolsas de Estudo de Pós-graduação do MCTESTP, o Ministério da Ciência e Tecnologia,
Ensino Superior e Técnico Profissional estabeleceu uma plataforma de financiamento das
actividades de formação com o Banco Mundial.

Esta Adenda constitui um instrumento da gestão do processo de atribuição e monitoria de


bolsas de estudo e deve ser lida como complemento do Manual que rege o processo de
atribuição das bolsas de estudo pelo MCTESTP.

Esta linha de financiamento da formação em pós-graduação terá, numa primeira fase, um


enfoque na formação nas áreas de maior déficit em recursos humanos no país identificadas
no PDRHCT, que são as ciências naturais e exactas.

Contudo, a formação nas áreas das ciências sociais e humanidades não será ignorada.
As áreas que não correspondam à linha de financiamento desta fase inicial, continuarão a
ser geridas através de outros mecanismos que o MCTESTP tem identificados com outros
parceiros.

2. ÁREAS PRIORITÁRIAS PARA FINANCIAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO PELO


MCTESTP ATRAVÉS DOS FUNDOS DO BANCO MUNDIAL, HEST

As candidaturas estarão abertas para às seguintes áreas de formação:

 Engenharia e Tecnologia: tecnologias de informação e comunicação, Ciências


de Informação e as seguintes áreas de engenharia - civil, oceanográfica, de
produção, eléctrica, electrónica, química, biomédica, mineira, saneamento
(incluindo conservação e gestão de águas);
 Ciências Naturais: matemática, física, química, geologia, oceanografia,
estatística, ciências biológicas, biotecnologia e etnobotânica;
 Ciências Agrárias: agronomia, ciências veterinárias, gestão de recursos
naturais;
 Ciências Médicas: medicina, saúde pública, ciências de nutrição;

27
3. LUGAR DE FORMAÇÃO

As Bolsas serão atribuídas para formação de moçambicanos em instituição acreditadas e


de renome a nível nacional e internacional. Portanto, na tentativa de se assegurar a boa
qualidade da formação, o MCTESTP priorizará os candidatos que consigam admissão
nessas instituições de formação.

4. MONITORIA E REINSERÇÃO DOS ESTUDANTES

Para assegurar o bom desempenho dos bolseiros, o MCTESTP vai manter uma monitoria
constante sobre o desempenho dos bolseiros.

A monitoria estará ligada ao processo de formação dos bolseiros e de acompanhamento


dos graduados para garantir que estes trabalhem para o bem do país num período de
tempo não inferior ao período que durou a sua formação.

Os bolseiros que quiserem se furtar das suas obrigações de retorno e serviço após a
formação, ou violarem este dispositivo, deverão repor na totalidade o valor em si investidos
para a sua formação, agravados de uma taxa de 15%.

Os estudantes bolseiros estarão sujeitos às demais regras explanadas no Manual do


Programa de Bolsas do MCTESTP no Âmbito do PDRHCT e outras disposições legais.

28