Você está na página 1de 34

Ensino Celestial

Por J. C. Philpot (1802-1869)

Traduzido, Adaptado e
Editado por Silvio Dutra

Fev/2019
P571
Philpot, J. C. – 1802 -1869
Ensino celestial / J. C. Philpot (1802-1869)
Tradução , adaptação e edição por Silvio Dutra – Rio de
Janeiro, 2019.
34p.; 14,8 x 21cm

1. Teologia. 2. Vida Cristã 2. Graça 3. Fé. 4. Alves,


Silvio Dutra I. Título
CDD 230

2
"Todos os seus filhos serão ensinados do
Senhor". (Isaías 54:13)

A extensão total das "bênçãos espirituais"


com as quais Deus abençoou a igreja nos
"lugares celestiais em Cristo" nunca pode ser
completamente conhecida neste mundo atual.
Somente quando os resgatados do Senhor
alcançarem a Canaã celestial, eles conhecerão
plenamente o terrível abismo da miséria de que
foram libertos, ou o cume da bem-aventurança
e da glória a que serão exaltados em Cristo.

Mas o suficiente é revelado na palavra de Deus


para mostrar que eles são de fato abençoados
com privilégios e misericórdias especiais; e que,
em ser assim abençoados, sua distinção como
"um povo peculiar" consiste principalmente.
Moisés, portanto, em uma ocasião, assim, pediu
a Deus - "Pois como se há de saber que achamos
graça aos teus olhos, eu e o teu povo? Não é,
porventura, em andares conosco, de maneira
que somos separados, eu e o teu povo, de todos
os povos da terra?" (Êxodo 33:16).

Mas dessas bênçãos peculiares com as quais


Deus abençoou sua igreja em Cristo, quatro
parecem especialmente proeminentes acima
das demais - sua eleição eterna - sua redenção
3
particular e pessoal - sua regeneração - e seu
ensinamento celestial, que é a promessa
contida no texto. Todos os seus filhos serão
ensinados pelo Senhor.

Mas por que essa última deveria ocupar um


lugar de destaque no catálogo das bênçãos da
aliança? Porque sem isso as outras seriam em
certa medida inúteis; pois tal é a cegueira do
coração do homem por natureza, tão espesso
véu de ignorância está espalhado sobre o seu
entendimento, e tão completamente ele está
"alienado da vida de Deus", que ele nunca pode
ter nenhum conhecimento espiritual do "único
verdadeiro Deus, e de Jesus Cristo, a quem ele
enviou" (em qual conhecimento a vida eterna
consiste), até que ele seja feito participante
deste ensino divino.

Empenhar-nos-emos, então, com a bênção de


Deus, para traçar um pouco da NATUREZA e dos
EFEITOS deste ensinamento divino na alma. E
como consiste na maior parte de dois ramos
principais - primeiro, o ensino pelo qual
conhecemos DEUS; e em segundo lugar, o
ensinamento segundo o qual nos conhecemos,
vamos olhar para cada um deles em sua ordem.

I. Mas será desejável, primeiro, considerar o


que é a NATUREZA deste ensinamento
4
celestial. E como o Espírito Santo certamente
conhece e descreveu melhor sua natureza, não
podemos fazer melhor do que examinar uma ou
duas das figuras escriturísticas e explicações
dadas a ela.

1. Este ensinamento divino, então, é comparado


em um lugar a orvalho e chuva - "Meu ensino
deve cair como a chuva, meu discurso destilará
como o orvalho" Deuteronômio 32: 2. Mas qual é
a natureza e o efeito da chuva, e mais
particularmente do orvalho? Ela cai
suavemente; e, no entanto, embora caia tão
quieta e silenciosamente, tem um efeito
penetrante e suavizante. Assim é com o
ensinamento de Deus no orvalho da alma que
cai do céu, suave e gentilmente no coração, e
ainda assim penetra a alma com um poder
secreto e invencível, que se abre enquanto a
suaviza. Ele não a rasga, como granizo ou
relâmpago, mas afunda profundamente e, ainda
assim, silenciosamente, e com um peculiar
poder suavizante, permeia-a a ponto de tomar
posse total e completa dela.

2. Outra coisa com o qual é comparado nas


Escrituras é óleo, ou unção, como o apóstolo
João diz: "Você tem a unção do Santo"; e
novamente, "Mas a unção que você recebeu dele
permanece em você, e você não precisa que
5
qualquer homem lhe ensine; mas como a
mesma unção lhe ensina todas as coisas, e é
verdadeira, e não é mentira, e mesmo como ela
te ensinou, você deve permanecer nele" (1 João
2: 20,2: 27). Este número não difere muito do que
acabamos de mencionar, mas contém três
ideias principais - que penetra, suaviza e se
espalha. Assim, a unção do ensinamento de
Deus na alma não apenas penetra e amolece o
coração ao qual vem, mas também
gradualmente se espalha e afunda nele mais e
mais profundamente; ela concilia a consciência
e a torna tenra, e penetra nas raízes e fibras mais
profundas do coração de um homem.

(Nota do tradutor: Bem disse o apóstolo Paulo


que na nossa carne não habita bem algum, e
nosso Senhor Jesus Cristo afirma que a carne
para nada aproveita, e que o que é gerado da
carne é carne. Tudo isto significa que em nossa
própria natureza não acharemos um só grão das
virtudes de Cristo, pois todas são aplicadas em
nós somente pela operação do Espírito Santo, e
daí a necessidade que temos de viver e andar no
Espírito, porque a carne luta contra Ele para
manter o domínio pecaminoso em nós, e o
Espírito luta contra a carne para nos livrar deste
domínio que é para a morte espiritual.)
6
Este ensinamento é a obra especial de Deus, o
Espírito Santo, na alma, e é tão diferente de
nossa própria sabedoria, ou de qualquer
conhecimento que possamos obter pelo
exercício do entendimento natural, como
eternidade do tempo, céu do inferno e Cristo de
Belial.

II. Mas passamos a considerar o que são OS


EFEITOS E FRUTOS ESPECIAIS desta unção
divina.

A natureza desse ensinamento é menos


claramente revelada nas Escrituras do que seus
efeitos. E, portanto, embora as figuras acima
citadas mostrem suficientemente que existe em
sua natureza algo suave e gentil, caindo como
chuva sobre a nova grama cortada, ou como o
óleo penetrando no coração a que ela vem, ainda
assim, na maioria das vezes não podemos,
exceto por seus frutos e efeitos, ter certeza de
que somos participantes desse ensinamento
divino. Mas quando olhamos para ele (pois
sempre produzirá frutos e efeitos), às vezes,
quando o Senhor se alegra em brilhar na alma,
chegamos a uma conclusão abençoada, que
somos ungidos com essa unção do Santo.

1. Eu creio, então, que o primeiro efeito desse


ensino especial de Deus na alma é para nos
7
convencer da verdade e autoridade da palavra
de Deus. Podemos ter professado acreditar na
palavra de Deus desde a nossa infância;
podemos ter sido instruídos por nossos pais ou
na Escola Dominical quanto à verdade das
Escrituras; podemos ter estudado em livros a
evidência de sua autenticidade e inspiração;
mas o tempo todo nosso coração não foi tocado
com nenhum poder divino. A cabeça poderia ter
sido iluminada, mas nenhuma elevação do
coração jamais foi sensivelmente sentida sob o
poder da verdade, nem qualquer convicção
poderosa forjada na alma pela aplicação dela, de
modo a nos convencer positivamente de que o
próprio Deus fala na Escritura.

Mas quando a "unção" do "Santo" cai na alma


com poder, fala com tal autoridade através das
Escrituras, que são imediatamente conhecidas
e sentidas como sendo a palavra do Deus vivo. Se
antes alguém tivesse sido tentado com
infidelidade, se a mente tivesse ficado intrigada
por aparentes contradições, de modo a estar
quase no ponto de desistir das Escrituras como
uma revelação divina, ainda assim, quando este
ensinamento especial e unção divina vierem ao
coração, a palavra de Deus carrega consigo um
poder e autoridade que põe todo argumento
infiel em desordem, e dispersa toda objeção
quando o sol dissipa as brumas matinais - e a
8
alma está plenamente satisfeita de que a
Escritura é a revelação da mente e da vontade do
bendito Deus. E qualquer objeção infiel que
possa surgir depois, quaisquer dúvidas que
assumam a mente, quaisquer que sejam as
contradições que possam parecer desestabilizar
o fundamento de sua esperança, ele nunca
perde completamente a solene convicção que o
próprio Deus lhe deu - que a Escritura é a
verdade do Deus vivo.

2. A próxima coisa, creio eu, que esta "unção do


Santo" ensina é, o ser de um Deus. Agora, do ser
de um Deus, podemos ter sido persuadidos pela
religião tradicional, ou podemos ter sido
convencidos disso pela consciência natural -
mas estes nunca poderiam nos dar uma
sensação de convicção do ser de tal Deus como
a Escritura define. O apóstolo Paulo declara que
todos os homens, por natureza, estão "sem
Cristo ... não tendo esperança e sem Deus no
mundo", Efésios 2:12, literalmente "ateus". E não
apenas eles não têm conhecimento do ser de
Deus, mas como ele diz novamente, citando os
Salmos: "Não há temor de Deus diante de seus
olhos" Romanos 3:18. Eles não têm convicção
interior de que existe um Deus. Jeová existente,
cujos "olhos estão em todo lugar"; que ele é um
Deus onipresente, onisciente, todo-poderoso,
eterno e justo; que seus olhos veem nos recessos
9
secretos e mais íntimos da alma, e que um dia os
levará a julgamento. Mas, assim que "uma unção
do Santo" nos convence do poder e da
autoridade das Escrituras inspiradas,
aprendemos através dela o ser e a existência de
um grande e glorioso Jeová, que está ao redor de
nossa cama e de nossos caminhos. e espia todos
os nossos caminhos.

3. Mas com esta convicção espiritual interior do


ser de Deus, manifesta-se por esta unção divina
a CARÁTER de Jeová . Não apenas que ele existe,
mas que ele é o que ele declara estar na
revelação de seu caráter e atributos sagrados.
Sua palavra é trazida para casa com autoridade
divina para a alma e com um poder vivo para a
consciência; e assim é ensinado a vê-lo como
um SANTO e um JUSTO Deus que "de modo
algum inocentará o culpado"; que ele odeia o
pecado com um ódio absoluto, e infalivelmente
punirá todos aqueles que são encontrados sob a
maldição e condenação da lei, quando eles estão
diante de seu tribunal terrível. De modo que
aqui o caráter sagrado de Deus é aberto com
poder à alma pela obra da lei na consciência de
um homem.

Muitos, creio eu, do povo de Deus, que teve uma


obra da lei em sua consciência, são às vezes
muito exercitados e tentados em suas mentes,
10
se eles realmente o conheceram, por esta razão,
porque nenhuma sentença do Decálogo, ou
parte particular do Antigo Testamento veio com
poder em seu coração. Mas, onde quer que o
caráter de Jeová, como um Deus justo e santo,
tenha sido espiritualmente dado à alma, ali a lei
fez sua obra na consciência. Deus, como o
Legislador, é conhecido , embora a letra exata da
lei não possa ser sentida. O espírito da lei, nas
mãos de um Deus justo e santo, é dado a
conhecer ao coração e à consciência,
produzindo convicção, condenação, culpa e um
sentimento de ruína; onde a letra exata da lei
não é usada pelo Legislador para fazer o
trabalho. Mas o espírito da lei, nas mãos do
Legislador, produziu condenação, medo, culpa
e um sentimento de miséria e ruína, de modo a
cortar todas as esperanças legais, derrubar a
autojustiça e colocar a alma em ruínas diante do
escabelo de Deus. E onde quer que isso seja
experimentado, há um trabalho da lei sobre a
consciência.

4. Mas este ensinamento do Espírito, quando a


alma aprendeu a santidade de Deus, e se sentiu
condenado por sua lei justa, e separado de toda
a esperança ou ajuda em si mesmo - essa mesma
"unção do Santo", que " é verdade e não é
mentira", desdobra-se ao coração e traz à
consciência, experimentalmente, um
11
conhecimento do SENHOR JESUS CRISTO.
Essas são palavras impressionantes, e elas
frequentemente descansaram com peso e
poder em minha mente, talvez nenhuma parte
das Escrituras mais, "Esta é a vida eterna, que
eles conheçam a Ti, o único Deus verdadeiro, e
a Jesus Cristo, a quem enviaste." (João 17: 3).
Como brevemente o Senhor da vida e da glória
resumiu aqui em que consiste a vida eterna!
(Nota do tradutor: O Senhor é a própria vida, de
modo que não temos a vida espiritual e eterna
sem que estejamos ligados a Ele em espírito. Ele
não nos salva pelos meios de graça, mas
diretamente pela Sua própria presença e poder.
Os meios são necessários para que sejamos
despertados em nossa atenção para nos
voltarmos a Ele, mas é Ele próprio que tudo
opera em nós.)

Quantos estão ansiosos para saber qual é o


caminho da salvação, como a vida eterna deve
ser obtida e como "fugir da ira vindoura!" mas o
Senhor Jesus mostrou em uma frase curta em
que consiste a vida eterna, que está no
conhecimento do "único Deus verdadeiro e de
Jesus Cristo a quem ele enviou". Aquele,
portanto, que conhece o Pai e o Filho tem a vida
eterna em sua alma. O Senhor Jesus, no capítulo
que li esta manhã, citou isto entre outras
passagens do Antigo Testamento e diz: "Está
12
escrito nos Profetas, e serão todos ensinados por
Deus. Todo homem, portanto, que ouviu e
aprendeu do Pai, vem a mim." (João 6:45). Ele
estabelece isto, então, como um fruto especial
do ensino divino, que produz uma vinda a Ele.

O Espírito, que ensina a ter lucro (Isaías 48.17),


se levanta diante dos olhos da alma, da Pessoa,
obra, sangue, amor, graça e justiça do Senhor
Jesus Cristo. Ele mostra à alma que ele é
exatamente o Salvador que precisa. Ele abre a
dignidade de sua Pessoa e mostra que ele é um
homem-Deus. Ele faz saber na consciência que
ele ofereceu a si mesmo um sacrifício pelo
pecado - que ele derramou seu sangue
expiatório para que o pecado da igreja seja para
sempre afastado da vista de um Deus justo. Ele
abre diante dos olhos da mente a sua gloriosa
justiça, como aquela em que o Pai está bem
satisfeito, e no qual, se a alma tem apenas um
interesse salvador, está segura da ira vindoura.
Ele desdobra ao coração a disposição de Cristo
para receber todo pecador vindouro; ele mostra
os tesouros de misericórdia e graça que estão
encerrados nele - e traz no coração as palavras
consoladoras que ele proferiu nos dias de sua
carne, tais como: "Vinde a mim, todos os que
estais cansados e sobrecarregados e eu vos darei
descanso." (Mateus 11:28). E ainda, "Aquele que
13
vem a mim eu nunca vou expulsar.", "Se alguém
tem sede, venha a mim e beba" (João 7:37).

E às vezes ele se desdobra para o entendimento,


e traz ao coração uma doce sensação de
quebrantamento ao ver como, quando Cristo
estava na terra, ele curou os doentes, deu olhos
aos cegos e ouvidos aos surdos; ressuscitou os
mortos, andou fazendo o bem; e como em tudo
o que ele disse ou fez, falou da bondade e
compaixão de seu coração amoroso. Assim, ele
suavemente atrai a alma, através do qual ela
vem para Cristo, se lança em seu santificado
escabelo e olha para ele com o olho da fé. E
sempre que ele traz a alma assim para vir a
Cristo, com um verdadeiro sentimento de ruína
e miséria, com um verdadeiro sentimento de
culpa e condenação, com uma sincera
submissão à justiça de Deus (como diz o
apóstolo), nossa própria justiça submete-se à
justiça de Deus ", Romanos 10: 3 e uma entrega
de nós mesmos em Suas mãos, há uma prova de
ensino celestial.

E sempre que aquela união abençoada de


humildade e amor é sentida, por meio da qual a
alma jaz aos pés do Senhor, como Rute jazia aos
pés de Boaz, suplicando-lhe que a cobrisse com
a borda de sua vestimenta, o Espírito Santo
trabalhou com poder naquela alma - é ensinado
14
por Deus - e tem um interesse salvador nesse
ensino especial, o resultado do qual o Senhor
declarou ser: "Todo homem, pois, que ouviu e
aprendeu do Pai vem a mim." (João 6:45).

5. Este ensino abençoado também leva a alma a


um conhecimento do ESPÍRITO SANTO. Todo
o povo de Deus é levado a um conhecimento da
Trindade - não de fato pelo raciocínio metafísico
ou argumentos sutis dirigidos ao entendimento.
O Espírito os ensina, não por raciocínio dirigido
à cabeça, mas pelo poder e orvalho da verdade
divina que repousa sobre o coração. Todo o povo
de Deus aprende a doutrina da Trindade nas
suas almas. Eles aprendem, sob o ensinamento
divino, a autoridade, a justiça, a majestade, a
santidade e, no devido tempo, sentem o amor de
Deus Pai. Eles aprendem a divindade de Cristo
em suas almas, vendo e sentindo o poder de seu
sangue, como o sangue de Deus, Atos 20:28 e sua
justiça como a "justiça de Deus". E eles
aprendem a Deidade e a Personalidade do
Espírito Santo sentindo o poder divino de suas
operações em seus corações. Eles aprendem
também que ele é Deus, percebendo como ele
examina todas as suas ações, traz à luz todo
pensamento secreto, e aplica passagens das
Escrituras às suas almas, que ninguém, exceto
Deus, poderia produzir, ou então aplicar
apropriadamente. E quando eles são assim
15
conduzidos pelo ensinamento divino, nas Três
Pessoas da Divindade, eles são levados a
conhecer e sentir nas profundezas da
consciência, que existem três Pessoas, iguais
em poder, vontade, essência e glória, e um só
Jeová. (Nota do tradutor: Este ensino não poderia
ser meramente nocional aplicado à mente,
porque aí poderia ser distorcido ou abandonado.
Poderia também ser mal compreendido ou
então recebido por uma alma endurecida. Mas,
sendo um ensino altamente espiritual, aplicado
ao coração que é transformado de coração de
pedra em coração de carne, e gerando
inclinações e disposições santas na alma,
levando-a a amar ao Deus triúno, em plena
convicção e intuição espirituais, nada é perdido
destas impressões transformadoras que nos
levam ao caminho da realização da própria
imagem de Jesus Cristo em nós.)

Agora, essas verdades que nenhum homem


pode aprender de maneira salvadora, exceto por
esse ensino especial. Ele pode saber tudo isso e
muito mais do que isso, em sua compreensão e
julgamento - mas uma compreensão sensata do
poder destas coisas na consciência, um
quebrantamento divino do coração sob elas,
com uma ampliação da alma, e um desfrute
experimental delas, é o único fruto do
16
ensinamento de Deus que repousa sobre ele, de
modo a torná-lo "uma nova criatura". " em Cristo.

III. Mas, como eu sugeri antes, um ramo


considerável deste ensino celestial consiste
também em produzir em nós um
CONHECIMENTO DE NÓS MESMOS, pois o
conhecimento espiritual de nós mesmos corre
lado a lado com um conhecimento espiritual de
Deus.

1. Nós não sabemos, por exemplo, o mal do


pecado até que Deus o torne efetivamente
conhecido na consciência. Podemos, de fato,
pelo funcionamento da convicção natural, saber
disso e que o crime exterior é pecado. Às vezes,
também podemos ter algumas dores agudas de
consciência por cometer pecados abertos
contra a luz e o conhecimento. Mas o mal do
pecado - sua natureza horrível e terrível, não
podemos saber, exceto por este ensinamento
especial.

Agora existem duas maneiras pelas quais Deus


nos faz conhecer e sentir o mal do pecado -
primeiro, pela lei; e em segundo lugar, pelo
evangelho.

Na LEI, à luz da justiça de Deus, vemos o poder


condenador do pecado. Encontramos a justiça
17
de Deus disposta contra ele, que é totalmente
contrário à sua santidade; e que Deus não
poderia ser justo, a menos que ele o visitasse
com sua eterna ira e desprazer. Mas, embora a
lei nos mostre o mal do pecado, cometido contra
a justiça e a santidade, não nos convence do mal
cometido contra o amor e a misericórdia; não
nos ensina, portanto, a odiá-lo e detestá-lo; nem
produz qualquer sensação de tristeza piedosa
por causa disso; mas estimula a rebeldia e os
gêneros para a escravidão; Em vez disso, opera
inimizade contra Deus, porque condenou o
pecado e não nos permitirá cometê-lo. Portanto,
a fim de ensinar à alma o mal do pecado como
extremamente pecaminoso, devemos vê-lo à luz
de um Jesus sofredor.

Devemos ver pela fé que o Filho de Deus, igual


ao Pai em essência, glória e poder, desce à terra;
devemos vê-lo pelos olhos da fé como "um
homem de dores e familiarizado com a dor";
devemos traçar toda a sua vida de humilhação
desde o berço até a cruz; devemos ir com ele ao
jardim do Getsêmani; e do Getsêmani ao
Calvário, e lá contemplar o Filho unigênito de
Deus, pendurado entre o céu e a terra, como
"um espetáculo para o mundo, para anjos e para
homens", gemendo em sua alma sob o peso do
pecado posto sobre ele, e os recantos do
semblante do seu Pai. E somente na medida em
18
que o Espírito leva a alma aos sofrimentos e
agonias de um Jesus sangrento, ela realmente
vê e sente, e verdadeiramente odeia e abomina
o pecado e a si mesmo como extremamente
pecaminoso.

2. Mas o ensinamento celestial também é


necessário para nos mostrar o que são nossos
corações. Podemos ver, observando o
funcionamento da mente natural, chegando a
alguma conclusão de que nós e todos os homens
somos naturalmente muito egoístas, muito
orgulhosos e muito mundanos - mas tudo isso
não produz nenhum sentido de tristeza
piedosa, ou qualquer autoaversão por causa do
pecado interior. Mas quando o abençoado
Espírito nos leva na mão, retira o véu da ilusão
de nossos corações e abre as profundezas de
nossa natureza caída, descobre os recessos
secretos onde tudo o que é sujo e repugnante se
esconde - então começamos a ver e sentir que
somos pecadores de fato; tanto interna como
externamente, no pensamento e na imaginação,
assim como no hábito e na prática.

Foi esse ensinamento especial na consciência


que fez Isaías, quando viu a visão no templo,
clamar: "Ai de mim! Porque estou perdido;
porque sou um homem de lábios impuros e
habito no meio de um povo de impuros lábios -
19
pois meus olhos viram o Rei, o Senhor dos
Exércitos" (Isaías 6: 5). Foi essa visão da pureza
de Deus, que fez Daniel dizer, que "sua
amabilidade se transformou em corrupção, e
ele não reteve qualquer força" (Daniel 10: 8). Foi
isso que fez Jó exclamar: " tenho ouvido falar de
ti pelo ouvir do ouvido, mas agora os meus olhos
te veem, por isso me abomino e me arrependo
no pó e na cinza." (Jó 42: 5,6). E se algum de nós
alguma vez aprendeu a nos detestar diante de
Deus, é por ter alguma descoberta especial da
pureza e santidade de Deus, em contraste com a
nossa própria vileza e imundícia.

3. Outro fruto e efeito deste ensinamento divino


é, cortar em pedaços pela raiz toda a nossa
sabedoria, força e justiça. Deus nunca quer
remendar uma peça nova com uma roupa velha;
ele nunca pretende deixar a nossa sabedoria, a
nossa força, a nossa justiça ter qualquer união
com a sua - tudo deve ser rasgado em pedaços -
tudo deve ser arrancado pelas raízes, para que
uma nova sabedoria, uma nova força e uma nova
justiça possam surgir sobre suas ruínas. Mas até
que o Senhor tenha prazer em nos ensinar,
nunca poderemos nos separar de nossa própria
justiça, nunca abandonaremos nossa própria
sabedoria, nunca abandonaremos nossa própria
força. Essas coisas são parte integrante de nós
mesmos, tão arraigadas dentro de nós, tão
20
inatas em nós, crescendo com nosso
crescimento, que não podemos nos separar
voluntariamente de um átomo delas até que o
próprio Senhor as separe e as tire.

Então, quando ele traz para nossas almas algum


conhecimento espiritual de nossas próprias
corrupções terríveis e perversidades horríveis,
nossa JUSTIÇA desmorona no toque divino -
quando ele nos leva a ver e sentir nossa
ignorância e insensatez em mil instâncias, e
como somos incapazes de compreender
qualquer coisa corretamente, senão pelo ensino
divino, nossa SABEDORIA desaparece - e como
ele nos mostra nossa incapacidade de resistir à
tentação e vencer o pecado, por qualquer
esforço nosso, nossa FORÇA gradualmente se
afasta, e nos tornamos como Sansão, quando
seus cabelos foram cortados.

Sobre as ruínas, então, da nossa própria


sabedoria, justiça e força, Deus edifica a
sabedoria de Cristo, a justiça de Cristo e a força
de Cristo - como Jesus disse ao seu servo Paulo:
"A minha força se aperfeiçoa na fraqueza"; e isso
o levou a essa maravilhosa conclusão: "Portanto,
com alegria, prefiro me gloriar em minhas
fraquezas, para que o poder de Cristo possa
repousar sobre mim." (2 Coríntios 12: 9). Mas
somente na medida em que somos favorecidos
21
com este ensinamento especial somos trazidos
para passar uma sentença solene de
condenação sobre nossa própria sabedoria,
força e justiça, e com muito cuidado, buscar as
do Senhor.

4. Outro fruto e efeito do ensino divino é, fé , em


que Jesus é acreditado para a salvação da alma.
Não há um grão de fé viva no coração por
natureza. Podemos, de fato, ter um certo tipo de
crença, podemos ter o funcionamento de uma
fé "natural" - mas com relação a qualquer fé
espiritual real, como o apóstolo descreve, como
"a substância das coisas esperadas e a evidência
das coisas não vistas", tal fé como foi possuída
pelos dignitários do Antigo Testamento
registrados no décimo primeiro capítulo de
Hebreus; tal fé como salva a alma da "ira
vindoura", nós não sabemos absolutamente
nada, até que Deus tenha o prazer de acendê-la
por seu ensino especial em nossos corações.

5. Nem ainda temos esperança que valha a pena,


exceto a que brota do ensino divino. Podemos,
de fato, ter a "esperança do hipócrita" que
perece, mas "uma boa esperança pela graça",
como "uma âncora da alma"; a esperança pela
qual "somos salvos", Romanos 8:24 que "não se
envergonha", Romanos 5: 5, uma "boa
esperança" como esta deve brotar somente
22
através do ensino de Deus, uma manifestação
conhecida do Senhor da vida e glória, e elevando
esse poder em nossas almas pela âncora que é
lançada em seu sangue e justiça.

6. E amor - isso também é fruto e efeito deste


ensino celestial. Não há amor a Deus, a não ser
quando ele se agrada de derramá-lo no coração
- ensinando a alma a conhecê-lo como o Deus do
amor. Podemos tentar amá-lo e colocá-lo diante
dos olhos de nossa mente - mas o amor não pode
ser obrigado a fluir para ele - nossos corações
permanecem mortos, frios e estúpidos. E é
apenas quando ele se compraz em deixar cair
uma gota de amor na alma, que flui de volta para
a fonte eterna de onde veio.

E assim, com relação a amor aos irmãos. O


apóstolo diz: "Você é ensinado por Deus a amar
uns aos outros". Isso, portanto, só pode fluir do
ensino divino, pelo Espírito de Deus
comunicando sua unção abençoada à alma, por
meio da qual quando vemos graça neles,
sentimos um doce derretimento de coração, um
fluir junto do espírito e uma malha de afeição a
eles. Podemos ter tido um amor egoísta na
carne; mas não pode haver amor verdadeiro
para com o povo de Deus, exceto quando o
Senhor se agrada de nos ensinar pelo seu
Espírito a amar uns aos outros.
23
7. Nem existe humildade, exceto quando o
Senhor se agrada de ensinar a alma a ser
humilde. E como ele produz humildade de alma
genuína? Ao nos mostrar o que somos, abrindo
os segredos do coração, descobrindo a maldade
desesperada de nossa natureza decaída e nos
convencendo de que o pecado está misturado
com todo pensamento, palavra, aparência e
ação.

8. Nem existe paciência espiritual, exceto a que


brota desse especial ensinamento interno. As
provações não trazem paciência; elas só agitam
a rebelião. Podemos passar pelas aflições mais
pesadas e, longe de sentir paciência, sermos
quase desesperados. Mas a paciência e a
resignação à vontade de Deus fluem
imediatamente do próprio Senhor; só ele pode
ensinar a alma a ser paciente sob seus golpes, e
mostrar-nos que a "aflição não vem do pó, nem o
problema brota da terra" (Jó 5: 6). Somente ele
pode fazer a alma sentir que o castigo vem da
mão de um Pai, e abrir para o coração que é para
o nosso bem espiritual; e assim nos permite
perceber os resultados abençoados e felizes que
fluem dela, quando "produz o fruto pacífico da
justiça para aqueles que são exercitados por
meio dela." (Hebreus 12:11).
24
(Nota do tradutor: Sem este ensinamento
interno do Espírito Santo no coração do crente,
ele jamais poderia entender e aceitar que fosse
justo da parte de Deus afligir os seus filhos,
enquanto os ímpios praticam o pecado à larga e
prosperam. Seria uma justiça às avessas
recompensar os justos com o mal, e deixar os
ímpios à vontade na prática de seus pecados.
Mas, quando o crente, entende pelo Espírito,
que é exatamente por ser Filho de Deus e não
bastardo, e por ser amado por Ele, que é
submetido às correções dolorosas que visam
torná-lo participante da santidade divina, então
ele pode dizer junto com Davi que foi bom passar
pela aflição para que pudesse aprender os
decretos divinos.)

9. Nem existe espírito de oração , exceto quando


o Senhor nos ensina a orar. Os apóstolos
sentiram isso quando disseram: "Senhor,
ensina-nos a orar, como João também ensinou
aos seus discípulos" (Lucas 11: 1). Não podemos
orar espiritual e aceitavelmente, a não ser que
Deus nos ensine. Os pais às vezes tentam
ensinar seus filhos a orar; e os professores da
Escola Dominical tentam a mesma coisa com
seus alunos. Mas quão irritantes estas coisas
estão no ouvido de uma alma ensinada por
Deus! Escassamente, houve qualquer coisa
usada para irritar mais os meus ouvidos, quando
25
eu tive que frequentar os cultos da Igreja da
Inglaterra, do que ouvir as crianças da Escola
Dominical gritarem: "Não tire o seu Espírito
Santo de nós", e outras petições similares com as
quais não tinham conhecimento espiritual. E
poucas coisas creio que magoam mais os
ouvidos dos pais piedosos do que ouvir seus
filhos carnais repetindo preguiçosamente ao
Senhor palavras de que não sabem nem sentem
o significado; e, em geral, posso observar que
nada é mais ofensivo a um ouvido espiritual do
que ouvir pessoas carnais fazer uso de petições
do poder e da doçura que nunca sentiram.

Deus deve ensinar a alma a orar. Podemos


ensinar às crianças orações e dizer uma bênção
antes das refeições; mas essas petições feitas
pelo homem não agradam a Deus, nem
alcançam seu ouvido de aprovação. Mas quando
ele mesmo transmite um espírito de oração, ele
ensina a alma com sinceridade e simplicidade
divina a buscar seu rosto e a invocar seu nome.
Ele nos ensina nossa ruína e sua misericórdia,
nossa doença e seu remédio, nosso estado
perdido e sua salvação. Nenhum ensinamento
humano pode nos fazer conhecer essas coisas;
senão quando ele ensina, ele extrai os desejos
secretos e respirações da alma por Si mesmo.
26
10. A morte para o mundo e a separação interior
e exterior de sua companhia e seu espírito
miserável são um efeito também do ensino
divino. Até que Deus tenha prazer em nos
ensinar, não vemos o mal do mundo; mas
quando o Espírito torna a consciência tenra em
seu medo, descobrimos que entrar no mundo é
como tocar o passo; nossas mãos se
contaminam e imediatamente sentimos que
"má companhia corrompe o bom caráter".
Quando o Senhor nos ensina o que somos,
descobrimos que carregamos conosco
materiais tão combustíveis, quanto pólvora,
que, se uma centelha chegar perto de nós, pode
ocorrer uma explosão. E como aqueles que são
cuidadosos com suas vidas não entrariam em
um depósito de explosivos com qualquer coisa
que pudesse causar uma explosão - então,
quando o filho de Deus está sob o poder do
ensinamento divino, e sente sensatamente a
natureza vil que ele tem, ele tem medo de levar
seu coração ao mundo, para que não surja uma
faísca de algum ponto inesperado, e em um
instante ative todas as suas corrupções.

11. Pelo ensinamento de Deus, também


aprendemos que mal miserável é a cobiça. É
realmente um pecado, que é de temer que
muitos do povo de Deus estejam
profundamente contaminados - mas sua
27
tendência é comer o próprio coração da piedade
vital, e sua própria essência e espírito é idolatria;
porque o homem que se curva diante do ouro e
da prata é tão idólatra como se inclinasse o
joelho diante de gravetos e pedras. Mas quando
Deus ensina seu povo o que é útil, ele fixa seu
coração em coisas melhores; ele mostra-lhes as
riquezas insondáveis de Cristo, e assim destrava
sua mente desse amor miserável ao dinheiro
que é "a raiz de todo mal".

12. É somente pelo ensinamento de Deus que


somos capazes de sentir pelas necessidades de
seus filhos, que nossos corações sejam movidos
com uma sensação de seus muitos sofrimentos
temporais, e tenham uma disposição dada para
administrar suas necessidades. Mas quando
você olha para alguns que passam pelo povo de
Deus, que têm tanto "bens deste mundo", e ainda
assim parecem tão insensíveis às necessidades
de seus irmãos mais pobres, você se pergunta o
que eles acham daquela Escritura, "todos vocês
são irmãos". Mas Deus deve nos ensinar a sentir
por suas necessidades, e nos tornar liberais para
eles de acordo com nossos meios, colocando-os
em nosso coração e extraindo nossas afeições
para com eles.

13. Toda boa palavra que falamos para a honra e


glória de Deus deve surgir de seu ensino
28
especial. Por mais que um ministro, de forma
clara e habilidosa, por exemplo, possa pregar a
verdade, toda palavra será totalmente perdida
em seus ouvintes, a menos que Deus tenha
prazer em inspirar pensamentos e ditar
palavras, e falar por ele à consciência. Cada
ação , também, da nossa vida certamente irá dar
errado, a menos que esteja sob a orientação
especial de Deus; e todo degrau na providência
que tomamos, não estará certo, a menos que
seja especialmente dirigido pelo próprio Deus.

IV. O ensinamento de Deus não se limita a


mostrar ao homem algumas grandes verdades,
e depois deixa que isto tenha um certo efeito
sobre a consciência. Mas o povo de Deus precisa
de seu ensino perpetuamente; e, na providência
como na graça, precisamos de instruções
incessantes. Acredito que muitos pobres filhos
de Deus frequentemente não sabem como fazer
a coisa mais simples na providência, nem
mesmo como continuar seus negócios diários,
ou executar seu trabalho manual, exceto como
o Senhor tem o prazer de ensiná-lo - Deus deve
guiar seu olho e dirigir sua mão, tanto nas coisas
menores quanto nas maiores. Ele precisa de
ensino divino em toda ação, se é para ser feito
para a glória de Deus, e para toda palavra, se é
para ser falada em Seu temor.
29
Mas este ensinamento especial de Deus só pode
ser conhecido e realizado por aqueles que viram
o fim de toda a perfeição da criatura, e que são
completa e experimentalmente destituídos de
toda a sabedoria na carne. Até que um homem
seja levado a ver que ele não tem sabedoria
própria, ele nunca buscará a sabedoria de Deus.
Mas quando ele é levado a andar na escuridão
que pode ser sentida, quando o espesso véu se
acumula em sua mente, e Deus se esconde de
sua visão; quando as coisas eternas são
embrulhadas na obscuridade, e ele não pode ver
as coisas de Deus, nem sente interesse nelas;
quando "ele apalpa a parede como um cego e
apalpa como se não tivesse olhos"; quando ele é
"levado às trevas e não à luz", ele é levado a ver
que somente o Senhor pode ensinar sua alma
quanto ao que é proveitoso e útil.

O ensinamento de Deus não deixa um homem


onde o encontrou - morto, estupidificado,
mundano, insensível e carnal. Se ele está em
perigo, isso não o deixa em perigo; se ele se
sente culpado, isso não o deixa culpado; se ele
está na escuridão, não o deixa na escuridão; mas
isso o tira desses males. Assim, o povo de Deus é
continuamente levado a vir a ele por sua
instrução, porque eles sentem que sem o seu
ensino especial eles não podem saber nada
como deveriam saber. Não, quanto mais eles
30
têm, mais eles querem ter; pois, tão logo a luz é
retirada, a escuridão é mais sensivelmente
sentida.

Se qualquer texto da Escritura foi aberto a eles,


isso os faz querer que outros sejam conhecidos
de maneira semelhante; se eles tiveram algum
consolo, e isso foi tirado, isso os faz querer de
novo. Para que o povo mais sábio e espiritual de
Deus se torne; os mais tolos e carnais aparecem
aos seus próprios olhos; quanto mais fortes
estiverem no Senhor e na força de seu poder;
quanto mais sensatamente eles sentem a
fraqueza de sua carne - e quanto mais eles são
capacitados a caminhar de perto com o Senhor,
mais eles descobrem os desvios miseráveis de
seus corações inferiores e pecaminosos.

Aqui, então, vemos como o povo de Deus se


distingue de todos os professantes obstinados e
de mente elevada. Eles crescem para cima - mas
o povo de Deus cresce para baixo, levando-os à
humildade. Ensinamentos especiais e divinos
não levam a alma ao orgulho, arrogância e
presunção - mas levam à humildade,
simplicidade, sinceridade, contrição,
quebrantamento de coração, baixa visão de si
mesmo e visões admiradoras do Senhor.
31
A "sabedoria natural" apenas endurece o
coração do homem, inflama sua consciência e o
torna mais mundano - os ensinamentos
espirituais tornam o coração sensível, a glória
de Deus é seu grande objetivo e a comunhão
espiritual com o Senhor é ardentemente
desejada.

Como, então, saberemos se somos do povo de


Deus? Porque acreditamos na eleição, na
redenção particular, no chamado eficaz e na
perseverança final dos santos? Porque vamos
ouvir um certo ministro ou pertencer a uma
certa igreja? Um homem pode ter todas estas
coisas, e dez mil vezes mais, e afundar-se no
inferno como um hipócrita enganado! Mas
podemos traçar em nossas almas qualquer coisa
deste ensinamento divino?

O Senhor nos deu duas marcas ou testes pelos


quais isso pode ser provado; vamos então limitar
nossa atenção a eles por um momento ou dois, e
ver se podemos encontrá-los manifestos em
nós.

O primeiro é: "Todo homem, pois, que ouve e


aprende do Pai vem a mim". De vez em quando
você vem a Cristo, e respira seus desejos e ofega
por ele, para que ele se revelasse em sua alma?
Você está mais ou menos diariamente
32
procurando "conhecê-lo e o poder de sua
ressurreição" e desfrutar das doces
manifestações de seu amor? Então você tem
uma prova bíblica de que você é ensinado por
Deus.

Mas vamos fazer o outro teste - "Vocês mesmos


são ensinados de Deus a amar uns aos outros" (1
Tessalonicenses 4: 9). Você conhece alguma
coisa experimentalmente de amor ao povo de
Deus? Eu quero dizer um verdadeiro amor
espiritual para os pobres, exercitados, tentados,
oprimidos pelo pecado e assediados por Satanás
na família de Deus? Então, direi que você é
ensinado por Deus!

Que o Senhor nos permita ver que somos


ensinados por ele. Que o Senhor nos capacite a
acreditar que recebemos "uma unção do Santo",
essa "unção que é a verdade e não é mentira" - a
promessa segura e antecipadora da vida eterna.

Mas lembre-se de que a promessa diz: "TODOS


os vossos filhos serão ensinados pelo Senhor".
Não há exceção aqui. "Todos me conhecerão, do
menor ao maior." É muito claro, então, que
aqueles que nada sabem deste ensinamento
divino não são manifestamente filhos de Deus -
o que eles podem ser no propósito de Deus nós
não conhecemos - mas em seu estado presente
33
e em pé eles não são manifestamente seus
filhos.

Que o Senhor permita que alguns de vocês


ponham isso no coração. E se for dele o prazer,
possa ele tocar as consciências de alguns que
ainda não procuraram seu rosto, e trazê-los para
se lançarem como pecadores arruinados no
escabelo de sua graça e misericórdia! Pois ele,
disse: "Todo o que o Pai me der virá a mim", e
acrescentou: "E o que vem a mim, eu nunca vou
expulsar".

34

Interesses relacionados