Você está na página 1de 2

CULTISMO X CONCEPTISMO (Gregório de Matos)

No Barroco, podemos definir dos estilos diferentes, marcados por


distintas formas de conceber o conhecimento, dois modos, não 2. CONCEPTISMO OU QUEVEDISMO
facilmente separáveis, de assimilar os objetos: o cultismo(saber
Para os conceptistas, o conhecimento pressupunha uma análise
o como das coisas) e o conceptismo (buscar a essência das
cuidadosa do objeto, a fim de conhecer sua essência, chegar aos
coisas).
conceitos que o definem. Seus argumentos se centram na Razão,
1. CULTISMO OU GONGORISMO na inteligência, e pretendem convencer pelo raciocínio, sem prejuízo
dos sentidos. Ao invés do exagero e exuberância do cultismo, o
Para esta linha de pensamento, conhecer seria descrever. O estilo conceptista buscava concisão e ordem, operando sob os
mundo é descrito por meio de sensações, envolvendo as pessoas mecanismos da Lógica, dentre os quais se destacam
em uma espécie de “delírio cromático”, o que explica a constante os silogismos e os sofismas.
utilização de figuras de linguagem como metáforas, antíteses,
sinestesias, além de figuras de sintaxe que tornam o estilo pesado,
tortuoso, tais como trocadilhos, dubiedades e hipérbatos.  Silogismo: é uma forma de raciocínio dedutivo que, partindo
de duas premissas básicas, delas concluem uma terceira,
Os artistas que exploraram este aspecto se voltavam para o jogo de logicamente implicada. Exemplo: Todo homem é mortal.
palavras, preciosismo vocabular, erudição, rebuscamento da forma, Maurício é homem. Maurício é mortal.
ou seja, o que estava em pauta era a habilidade verbal do escritor.
Nesse sentido, podemos dizer que a realidade é retratada pelos
cultistas de forma indireta, já que a preocupação está centrada mais  Sofisma: trata-se de um argumento que parte de premissas
no como representá-la, do que propriamente no representado. verdadeiras e chega a uma conclusão inadmissível, mas
irrefutável formalmente, ou seja, inquestionável de acordo
O estilo cultista também recebeu o nome de Gongorismo, por ter com as regras formais do raciocínio. O sofisma tem por
como principal representante o poeta espanhol Gôngora. objetivo dissimular a verdade por meio de esquemas que
aparentam seguir as regras da lógica. Exemplo: Racismo é só
Exemplo do estilo cultista: uma palavra. Não há por que discutir sobre palavras. Não há
*Reparem no jogo de palavras promovido pelo poeta. porque discutir racismo.

"O todo sem a parte não é o todo; O estilo conceptista também recebeu o nome de Quevedismo, por
A parte sem o todo não é parte; ter como principal representante o espanhol Quevedo. Por sua
Mas se a parte o faz todo, sendo parte, preocupação em convencer, o conceptismo encontra-se muito
Não se diga que é parte, sendo o todo. presente na oratória sacra (Padre Antonio Vieira, Padre Manuel
Bernardes) e na poesia religiosa (Gregório de Matos).
Em todo o Sacramento está Deus todo,
E todo assiste inteiro em qualquer parte, Exemplo do estilo conceptista:
E feito em partes todo em toda a parte, *Premissa maior: amor infinito de Crismo salva o pecador./ Premissa
Em qualquer parte sempre fica todo." menor: sou pecador./ Conclusão: espero me salvar.
"Mui grande é o vosso amor e o meu delito;
Porém pode ter fim todo o pecar,
E não o vosso amor, que é infinito.
Essa razão me obriga a confiar
Que, por mais que pequei, neste conflito
Espero em vosso amor de me salvar."

(Gregório de Matos)

ATENÇÃO: Convém ressaltar que o Cultismo e o Conceptismo não


são estilos estanques, já que ambos constituem tendências
interinfluentes, podendo ser exploradas por um mesmo escritor
(como vimos nos dois exemplos de Gregório de Matos) e também
em um mesmo texto. Nem sempre a fronteira entre ambos os estilos
é nítida, já que idéias e palavras estão intimamente ligadas: quando
se joga com idéias, joga-se necessariamente com palavras, e
quando se joga com as palavras, há sempre uma idéia intrínseca.