Você está na página 1de 15

PREFEITURA

DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO
SUBSECRETARIA DE ENSINO
COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

LÍNGUA PORTUGUESA
PROVA 2º BIMESTRE
4º ANO

2010
Texto I

Golfinhos

Conhecidos por sua inteligência e admirados pelos marinheiros desde a


Antiguidade, os golfinhos são mamíferos que vivem na água, em bandos que podem
chegar a abranger centenas de exemplares.
São conhecidas umas cinquenta espécies de golfinhos, espalhadas por todos
os oceanos e grandes rios do mundo. Dispondo de nadadeiras bastante
desenvolvidas, são nadadores velozes e ágeis e têm o corpo bem adaptado para a
vida na água.
Medem comumente 2 a 3 metros de comprimento, atingindo às vezes mais de
4 metros. Normalmente, têm o dorso escuro –que vai do cinza ao preto, conforme a
espécie– e peito branco (...).
Nos grandes rios do mundo, vivem algumas espécies de golfinhos. No
Amazonas e principais afluentes, há uma delas, o boto amazonense, que chega a
atingir cerca de 3 metros de comprimento.
Os golfinhos têm sido seriamente estudados pelos cientistas, interessados na
inteligência que demonstram e na capacidade que têm de se comunicar entre si por
meio da emissão de sons distintos (eles emitem também vibrações supersônicas).

Enciclopédia do Estudante.

QUESTÃO 1

Os cientistas têm especial interesse por estudar os golfinhos devido a sua

(A) inteligência e seu modo de comunicação.


(B) agilidade e sua velocidade no deslocamento.
(C) boa adaptação à vida na água.
(D) capacidade de viver em bando.
Texto II

Baleia-sardinheira: enorme, veloz e superelegante!


Um gigante dos mares, ainda misterioso para os cientistas,
veio parar nas páginas da Ciência Hoje das Crianças: é a
baleia-sardinheira. Nesta edição, venha conhecer essa
espécie e, de quebra, aprender muito mais. Saiba como as
cores e as formas são importantes para a sobrevivência de
diferentes animais, descubra como se forma o solo e
encontre muitas curiosidades sobre os cupins, os filhotes de
tartaruga e até sobre o funcionamento da garrafa térmica. A
Ciência Hoje das Crianças de março traz ainda jogos, poesia, dicas de leitura e
muito mais. Confira!

Adaptado de http://chc.cienciahoje.uol.com.br/revista/revista-chc-2010/210

QUESTÃO 2

No trecho “... venha conhecer essa espécie e, de quebra, aprender muito mais.”, a
palavra em destaque refere-se a

(A) “Nesta edição”. (linha 2)


(B) “baleia-sardinheira”. (linha 2)
(C) “das crianças”. (linha 2)
(D) “garrafa térmica”.(linha 6)
Texto III

Diferenças

Conta-se que vários bichos decidiram fundar uma escola. Reuniram-se e


começaram a escolher as disciplinas. O Pássaro insistiu para que houvesse aulas
de vôo. O Peixe, para que o nado fizesse parte do currículo também.
O Esquilo achou que a subida perpendicular em árvores era fundamental. E o
Coelho queria de qualquer jeito que a corrida fosse incluída.
E assim foi feito.
Incluíram tudo, mas cometeram um grande erro. Insistiram para que todos os
bichos praticassem todos os cursos oferecidos. O Coelho foi magnífico na corrida,
ninguém corria como ele.
Mas queriam ensiná-lo a voar. Colocaram-no numa árvore e disseram: "Voa,
Coelho". Ele saltou lá de cima e "pluft", coitadinho, quebrou as pernas.
O Coelho não aprendeu a voar e acabou sem poder correr também.
O Pássaro voava como nenhum outro, mas o obrigaram a cavar buracos como
uma toupeira. Quebrou o bico e as asas e, depois, não conseguia voar tão bem, e
nem mais cavar buracos...
http://fabriciaeclaudio.xpg.com.br

QUESTÃO 3

No quinto parágrafo, a palavra “pluft” foi usada para expressar o som feito quando o
coelho

(A) tentou voar.


(B) caiu da árvore.
(C) subiu na árvore.
(D) fez aulas de corrida.
Texto IV

QUESTÃO 4

O elemento visual que reforça o tema do cartaz “Com o trabalho infantil, a infância
desaparece” é

(A) a posição das mãos do menino abaixo da cana.


(B) a quantidade de folhagem ao redor do menino.
(C) a presença de uma criança junto a uma quantidade de madeira (cana).
(D) a quantidade de madeira (cana) na frente do rosto do menino.
Texto V

LISTA DE COMPRAS
óleo
Café da manhã vinagre
achocolatado sal
açúcar azeite
Outros
adoçante
frutas
café (pó)
catchup
leite longa vida
mostarda
manteiga e/ou
margarina maionese
pão
Bebidas
geléia
refrigerantes
Almoço e jantar sucos de frutas
arroz
Limpeza
feijão
papel toalha
ovos
detergente
carnes
sabão em pó
macarrão
sabão em pedra
macarrão instantâneo
fósforo
legumes
esponjas para
verduras limpeza
alho sacos de lixo

QUESTÃO 5

A finalidade desta lista é indicar

(A) os produtos necessários para serem comprados no supermercado.


(B) os produtos que constam na dispensa de uma casa.
(C) os gastos excessivos com compras de supermercado.
(D) os artigos que são mais usados na alimentação de uma família.
Texto IV

Tempo de Infância

Na aldeia, o tempo não é o mesmo da cidade grande. Eu só descobri isso


mais tarde, é claro. Mas é um exercício que eu gosto de fazer quando penso nas
noites estreladas do verão. Naquele tempo, quando a noite já estava engolindo o
dia, depois de horas de atividades que misturavam o brincar e o aprender, eu
sentava próximo ao fogo para ouvir cantigas sonolentas, cantigas que me
ensinavam a olhar para as estrelas e desejar morar nelas (...)
(...) À nossa frente, o fogo estalava a lenha verdoenga enquanto assava
macaxeira, aipim, batata-doce, milho. Esse era o cenário que minha memória me
informa ainda hoje.
Daniel Munduruku

Vocabulário
Verdoenga – Tirante a verde, um pouco verde, esverdeada.

QUESTÃO 6

O trecho em que se percebe o envolvimento do narrador com a história que conta é

(A) “Na aldeia, o tempo não é o mesmo da cidade grande.”


(B) “Eu só descobri isso mais tarde, é claro.”
(C) “Naquele tempo, quando a noite já estava engolindo o dia ...”
(D) “À nossa frente, o fogo estalava a lenha verdoenga...”
Texto VII

Caipira indo pra igreja

Era uma igreja daquelas bem tradicionais, que atraem romeiros de muitas
cidades vizinhas. Ela ficava no alto de um morro muito alto e muito íngreme e uma
escadaria imensa levava até o topo.
Pois bem, dia de festa, o caipira ia subindo a ladeira, degrau por degrau,
de joelhos. Nisso ele olha pra cima e vê uma velhinha rolando escada abaixo,
quicando e girando feito uma bola. Atrás, vários homens vêm correndo
desesperados, tentando alcançá-la e interromper a queda.
A velhinha vai rolando bem na direção do caipira e, quando ela está pertinho,
ao alcance de seus braços, o capiau dá um pulo de lado, desvia e a velha continua
caindo.
Quando o primeiro dos homens que tentavam salvar a idosa passa perto do
caipira, ele não se contém. Agarra-o pelo colarinho e pergunta gritando:
 Por que, infeliz??? Por que você não segurou a velhinha??
E o caipira, com a cara mais lerda do mundo:
 Uai... Sei lá se é promessa!...
Maurício Ricardo Quirino
QUESTÃO 7

No trecho “ Por que, infeliz??? Por que você não segurou a velhinha??”, o uso dos
pontos de interrogação a cada pergunta reforça a seguinte característica do homem
que salva a velhinha:

(A) pressa.
(B) indignação.
(C) dúvida.
(D) cansaço.
Texto VIII
A Biografia do Técnico do Brasil
Carlos Caetano Bledorn Verri, mais conhecido como Dunga, é um treinador e ex-
futebolista brasileiro que atuava como volante.
Como jogador, sua maior conquista foi a Copa do Mundo de 1994, disputada nos
Estados Unidos, sendo o capitão da equipe. Como treinador, teve sua nomeação para ser o
técnico do Brasil em 24 de julho de 2006, conquistando até então a Copa América de 2007 e a
Copa das Confederações de 2009.
O apelido Dunga foi dado pelo tio Cláudio, em referência a um dos Sete Anões,
acreditando que Carlos não teria uma estatura maior.
Sempre chamou a atenção pela liderança em campo. Volante duro na marcação, não
hesitava em tentar lançamentos para os companheiros da frente.
Atualmente, como treinador da Seleção Brasileira, ele tem a missão de mexer com o brio
do jogadores e montar novamente um time competitivo e vencedor.

Glossário:
brio - sentimento da própria dignidade.
Adaptadodhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Dunga

QUESTÃO 8
No fragmento, “conquistando até então a Copa América de 2007 (...)”, a expressão
em destaque reforça a ideia de

(A) consequência em relação às suas atitudes de jogador.


(B) contrariedade nas atitudes de treinador.
(C) explicação sobre a sua maior conquista.
(D) tempo em relação à sua função de treinador.

QUESTÃO 9
A biografia de Dunga tem como objetivo principal

(A) contar como lhe foi dado o apelido.


(B) apresentar a trajetória profissional do Dunga.
(C) falar sobre sua missão de treinador na Copa de 2010.
(D) chamar atenção para a sua liderança como jogador.
Texto IX

Uma noite de medo

Cecília acordou de madrugada com uma vontade enorme de fazer xixi. Abriu os olhos
sonolenta. Que situação! Não gostava de acordar à noite. Ainda mais com uma vontade
dessas, obrigando-a a sair do quentinho e a andar na casa fria! Cecília ficou imóvel,
tentando dormir. Pensava com força: não estou com vontade, não estou com vontade, não
estou com vontade...
Não deu certo. A vontade continuava lá, teimosa, insistente. Vontade de xixi é assim,
não escolhe hora ou lugar – apenas acontece; a gente que trate de encontrar um banheiro.
(...)
A menina começou a imaginar que saía de baixo das cobertas, calçava os chinelos e
seguia pelo corredor até a última porta – a do banheiro. Sempre fazia isso, imaginava antes
as coisas que ia fazer, e assim reunia coragem. Mas, antes que sua imaginação chegasse
lá, seus ouvidos perceberam os ruídos da casa. (...)
Com tantos medos no ar, parecia que nada faria Cecília sair da cama. Nada, a não
ser uma enorme vontade de fazer xixi. (...)

Rosana Rios

QUESTÃO 10

O trecho que expressa uma opinião está indicado em

(A) “Cecília acordou de madrugada com uma vontade enorme de fazer xixi.”
(B) “Não estou com vontade, não estou com vontade, não estou com vontade...”
(C) ”Cecília ficou imóvel, tentando dormir.”
(D) “A vontade continuava lá, teimosa, insistente.”
Texto X

Habitante da areia

Ele vive na beira da praia, enterrado na areia, ali onde quebram as ondas.
Com o vai e vem das águas, por vezes aparece na superfície. Mas, se isso
acontece, não perde tempo: rapidamente cava um buraco e se esconde areia
adentro. Seu nome: tatuí ou tatuíra. Conhece esse bichinho? Ele foi batizado assim
pelos índios, que o achavam parecido com um pequeno tatu.
“Os tatuís são encontrados nessa parte da praia porque são animais
filtradores: isto é, que retiram o seu alimento da água. Eles contam com uma antena
longa, repleta de cerdas, que retira algas e animais microscópicos da água, levando-
os até a boca”, conta a bióloga Tereza Calado, do Laboratório de Ciências do Mar,
da Universidade Federal de Alagoas.
Uma especialista em tatuís, a pesquisadora conta que, no Brasil, esses
animais se dividem em duas espécies: a Emerita brasiliensis, presente no sudeste e
no sul do país, e a Emerita portoricensis, encontrada na região nordeste. As duas
têm diferenças, mas só os especialistas conseguem notá-las. Para quem não é
biólogo, ambas parecem idênticas.

Por: Mara Figueira, Instituto Ciência Hoje/RJ.


Publicado em 12/01/2010 | Atualizado em 12/01/2010

QUESTÃO 11

Os tatuís são encontrados na praia, porque são animais filtradores que

(A) aparecem, às vezes, na superfície.


(B) cavam buracos para se esconder.
(C) se dividem em duas espécies.
(D) retiram seu alimento da água.
Texto XI

comosempre.files.wordpress.com

QUESTÃO 12

No último quadrinho, o tigre – Haroldo – dá um enorme grito com seu dono –Calvin–,
porque o tigre

(A) desejou dormir sozinho na cama.


(B) resolveu assustar seu dono.
(C) ficou muito irritado com o dono.
(D) desejou acordar as outras pessoas da casa.
Texto XII

Por que criança não pode trabalhar?

Criança não pode trabalhar por um motivo simples: porque ela está muito
ocupada sendo criança. Ser criança é ter a liberdade de fazer uma porção de coisas:
ir à escola, brincar, ler, praticar esportes, conviver com outras crianças. Ser criança
é ser livre para inventar brincadeiras, fazer descobertas e, aos pouquinhos, aprender
a ler o mundo.
Quando uma criança trabalha, não sobra tempo para brincar e estudar. As
crianças que trabalham, em vez de papel e lápis, usam enxadas e pás. Em vez de
conviver com outras crianças na sala de aula, elas passam o dia cercadas de
adultos, suando a camisa em lavouras, em carvoarias, em lares de estranhos, em
lixões e nas ruas.
O ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente) diz com todas as letras:
abaixo dos 16 anos é proibido trabalhar. Mas estar escrito na lei não é suficiente. É
preciso que os governos, as famílias e as empresas estejam atentos e prontos a
ajudar as crianças que trabalham, tirando-as dessas atividades, garantindo que elas
possam estudar e ajudando suas famílias a acolhê-las com dignidade e carinho.

Helio Mattar. Folhinha. In: Folha de S. Paulo, 02/03/2002.


Texto XIII

QUESTÃO 13

O trecho do texto XII que reforça a ideia expressa


no texto XIII é:

(A) “O ECA...diz com todas as letras...”


(B) “...abaixo dos 16 anos é proibido trabalhar.”
(C) “mas estar escrito na lei não é suficiente...”
(D) “É preciso que os governos, as famílias e as
empresas estejam atentas e prontas para ajudar.”
Texto XIV E a galinha botava um ovo de ouro.
O Homem e a galinha V

Era uma vez um homem que tinha uma galinha.


Era uma galinha como as outras.
Um dia a galinha botou um ovo de ouro. Vai que o marido disse:
O homem ficou contente. Chamou a mulher:  Farelo está muito caro, mulher, um dinheirão!
 Olha o ovo que a galinha botou. A galinha pode muito bem comer milho.
A mulher ficou contente:  Vamos ficar ricos!  E se ela não botar mais ovos de ouro?
E a mulher começou a tratar bem da galinha.  Bota sim. – respondeu o marido.
Todos os dias a mulher dava mingau para a galinha. Aí a mulher começou a dar milho pra galinha.
Dava pão-de-ló, dava até sorvete. E todos os dias a galinha botava um ovo de ouro.
E a galinha todos os dias botava um ovo de ouro. Vai que o marido disse:
Vai que o marido disse:  Pra que este luxo de dar milho pra galinha?
 Pra que este luxo todo com a galinha? Ela que cate o de-comer no quintal!
Nunca vi galinha comer pão-de-ló…  E se ela não botar mais ovos de ouro?
Muito menos sorvete!  Bota sim – o marido falou.
Vai que a mulher falou: E a mulher soltou a galinha no quintal.
 É, mas esta é diferente. Ela bota ovos de ouro! Ela catava sozinha a comida dela.
O marido não quis conversa: Todos os dias a galinha botava um ovo de ouro.
 Acaba com isso, mulher. Galinha come é farelo. Um dia a galinha encontrou o portão aberto.
Aí a mulher disse: Foi embora e não voltou mais.
 E se ela não botar mais ovos de ouro? Dizem, eu não sei, que ela agora está numa
Bota sim! – o marido respondeu. boa casa onde tratam dela a pão-de-ló.
A mulher todos os dias dava farelo à galinha.
Ruth Rocha, Enquanto o mundo pega fogo,2. ed.
Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984.p.14-19.

QUESTÃO 14

No trecho “Dizem, eu não sei, que ela agora está numa boa casa onde tratam dela
a pão-de-ló”, a expressão sublinhada significa que a galinha está

(A) sendo bem tratada.


(B) catando comida no quintal.
(C) voltando a comer farelo.
(D) se sentindo abandonada.
Texto XV

QUESTÃO 15

A leitura da sequência dos quadrinhos indica ao leitor que a personagem Magali

(A) viu a pizza cair no chão.


(B) quer saber onde está a pizza.
(C) viu a Mônica comer a pizza.
(D) comeu o pedaço de pizza da Mônica.