Você está na página 1de 7

Análise fundamental de uma empresa – empresa Sumol + compal

I- Indicadores Bolsistas

1. Dados e Rácios Não Dependentes do Balanço

Evolução da cotação

Date Open High Low Close Variação Volume Análise


31-12-2003 1.46 1.46 1.45 1.45 390
31-12-2004 1.62 1.65 1.53 1.53 ↑ 129.069
30-12-2005 1.50 1.50 1.46 1.46 ↓ 24.305
29-12-2006 1.85 1.85 1.82 1.82 ↑ 17.250
31-12-2007 1.70 1.70 1.70 1.70 ↓ 78.976
31-12-2008 1.65 1.65 1.65 1.65 ↓ 87.705
31-12-2009 1.44 1.47 1.44 1.47 ↓ 133.990
31-12-2010 1.46 1.48 1.45 1.45 ↓ 22.365
30-12-2011 1.26 1.26 1.19 1.19 ↓ 49.034
15-05-2012*(não é um ano 1.15 1.24 1.15 1.24 ↑ 2.314
completo é apenas até à data)
Fonte: http://www.sumolcompal.pt/investidores/cotacoes (ficheiro de excel)

O Turnover Médio por Sessão no Ano Análise:


indica mais ou menos a liquidez do título no
ano corrente.

A Frequência de Transacção no Ano é


outro bom indicador de liquidez, indica a
percentagem de sessões de Bolsa em que a
acção transaccionou.
São preferíveis empresas com valores pelo
menos acima de 98%.

Fonte: http://www.finbolsa.com/raciosb.asp?form=1
2. Rácios Económico-Bolsistas ou Dependentes do Balanço

Fonte: http://www.sumolcompal.pt/app/uploads/relatorios/4801421444facfa0504a71.pdf

(usem os dados da consolidação de contas, ou seja, referentes ao grupo compal+sumol)

Podem consultar também finbolsa para alguns indicadores que não estejam disponíveis no relatório único, em

Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise


1 PER- Preço /  Relação entre a cotação da acção e os resultados por acção. P= 1.19 P= 1.45 P=1.47
Price Resultado  Indica o número de anos que o investidor necessitaria para (quadro anterior)
Earnings Líquido recuperar o investimento com os resultados por acção.
Ratio  Historicamente, quanto mais baixo o PER, mais atractiva RL=6,2 milhões € RL=9,4 milhões RL = -5,9 milhões €
será a empresa. Tendencialmente, para indicar ser um (pag 10 do €
investimento atractivo, o PER dos anos subsequentes relatório único de
deveria apresentar valores decrescentes, indicando que os 2011)
resultados por acção continuam a subir ao longo do tempo
e que o investidor vai conseguindo "recuperar" o Nº acções: Nº acções:
investimento feito nessa acção cada vez mais rapidamente. 100.092.500 Nº acções: 100.092.500
 No entanto, à partida, se todas as empresas tivessem iguais (pág. 115 do 100.092.500 (supondo que se
perspectivas de crescimento, seria preferível comprar relatório único) manteve)
acções com PER baixo. No entanto os mercados incorporam
nas cotações muita informação sobre os crescimentos
futuros das empresas, pelo que atribuem PER mais altos às PER= PER=
empresas para as quais se prevê maior crescimento. 1,19/(6,2/100,092 PER= 1,47/(-
 Um PER negativo indica que a empresa tem prejuízos e é de 500)=19,2113 1,45/(9,4/100,0 5,9/100,092500)=
evitar. 92500)=15,4398 -24,9383 (não tem
 Para empresas em fase de grande crescimento são sentido) apenas
normais PER de 30, 40, 50 e mais. conclui que o RL é
 Nesta análise é importante verificar os Dados Económico- negativo
Financeiros das empresas e comparar os dos últimos 2 ou 3
anos.
 O ideal é comprar acções com as melhores expectativas de
crescimento possíveis aos menores PER possíveis. Mas isso
é difícil, pela mesma razão de que é difícil comprar bons
carros a baixos preços.
 O PER indica o "nível de preços" de uma acção. PER altos,
geralmente, estarão a comprar alto crescimento futuro,
PER baixos a prever um baixo crescimento ou estagnação.
2 PER c – Preço /  Similar ao anterior mas o PERc (PER que tem em conta os    
Price [Resultado lucros corrigidos) considera os resultados líquidos
Earnings Líquido – Res. excluindo os extraordinários.
Ratio Extraordinário
Corrigido s]
Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise
3 POER - Preço / lucros  Apenas indicativo, uma vez que uma empresa pode    
Price to operacionais aumentar instantaneamente os seus lucros operacionais se
Operational adquirir outra a crédito; o POER ficaria logo muito baixo
Earnings sem a empresa valer mais (já que tinha pago um preço
Ratio presumivelmente justo pela aquisição).
4 PCF – Preço/Cash-  Por exemplo, um PCF de 4 indica que o Cash-Flow da    
Price to flow empresa paga o valor da acção em 4 anos.
Cash-Flow  Cash-Flow não é lucro, pois tem que se lhe descontar as
Ratio Amortizações e Provisões mas, de qualquer maneira,
indica a capacidade de gerar lucro;
 Devemos comparar o PCF da empresa com outras do
mesmo sector e preferir empresas para as quais o PCF seja
consideravelmente mais baixo do que o PER (ou, por outras
palavras, em que o Cash-Flow seja bastante superior ao
lucro).
5 PCER – Preço/Cash  Rácio entre a cotação e os Cash Earnings por acção que, ao    
Price to Earnings por contrário do Cash-Flow, não incluem Resultados
Cash acção Extraordinários.
Earnings
Ratio
6 PBV – Preço/  Indica o quanto a cotação está acima do valor patrimonial    
Price to Valor da empresa.
Book Value Contabilístico  empresas com forte RCP - Rentabilidade dos Capitais
Ratio ou Book Value Próprios têm PBV muito altos (mesmo mais de 10).
ou Situação  PBV fornece indicações sobre o risco da empresa.
Líquida por  PBV entre 0.3 e 1 poderá indicar que o mercado espera
acção. prejuízos para a empresa em questão nos próximos anos.
 PBV muito altos (mais de 5), trata-se geralmente de
empresas muito rentáveis e com forte crescimento. Mas
atenção: se os crescimentos ficarem abaixo do esperado,
poderá assistir-se a uma descida dramática destas acções,
mesmo que continuem a crescer e a ser rentáveis, logo são
empresas mais arriscadas;
 PBV entre 0.8 e 3 significam menos risco.
7 Dividend Dividendo por  Indica a percentagem de quanto o dividendo por acção    
Yield acção / preço representa face à sua cotação.
8 GDY - Rendimentos  NDY tem em conta o dividendo líquido de impostos.    
Gross proporcionado  Se desejar acrescentar estabilidade à sua carteira, compre
Dividend s pelos acções com yields altos, acima de 5%;
Yield Dividendos  No entanto, empresas com yields baixos também são boas,
E pagos à acção, pois geralmente têm mais potencial de crescimento;
NDY - Net ou  É importante comparar com o Dividend Yield médio do
Dividend Dividendo por mercado.
Yield acção a dividir
Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise
pela cotação
9 Payout Dividendos  Percentagem dos resultados líquidos da empresa    
Ratio totais / distribuídos aos seus accionistas sob a forma de
resultado dividendos.
líquido
10 Rotativida percentagem  Valores altos indicam um free-float (percentagem do    
de do do capital da capital disperso por pequenos accionistas) também alto.
Capital empresa que Útil para se ter uma ideia de quais acções têm maior free-
muda de mãos float. No entanto a exposição da acção ao day-trading
na Bolsa num também aumenta este valor.
ano
(extrapolado a
partir do
Turnover
Médio por
Sessão do ano
corrente).
11 Capitalizaç Capitalização  Representa o valor de uma empresa do ponto de vista dos    
ão Bolsista bolsista = mercados, ou seja, a cotação bolsista da empresa.
Numero de  Numa perspectiva de análise financeira, a capitalização
acções * bolsista constitui uma aproximação do valor de mercado da
Cotação da empresa.
acção  Numa perspectiva de análise económica, a capitalização
bolsista é um dos indicadores que permite avaliar o
tamanho da empresa.
 Embora seja um indicador prático e fácil de calcular, a sua
pertinência é relativa, pois as variações da bolsa têm um
impacto directo no valor de capitalização bolsista,
independentemente do valor intrínseco da empresa.
12 EV - Valor da  o "Valor do Empreendimento" associado à empresa ou    
Enterprise Empresa = Capitalização Bolsista somada ao Passivo Remunerado
Value – Capitalização e ao valor de mercado dos Interesses Minoritários. O EV
Valor da Bolsista abarca, não apenas o valor da empresa, mas também o
empresa (Cotação´Nº de valor das participações minoritárias nas empresas
Acções)+ Dívida incluídas na consolidação e a dívida remunerada.
+ Interesses
Minoritários

Ou

[multiplicam-
se os
Interesses
Minoritários
pelo PBV da
Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise
empresa]

13 EBITDA Resultado  EBITDA: Ebitda significa Earnings Before Interest, Taxes,  46,1 Milhões €  50,1 Milhões  36,4 Milhões € 
(Cash Flow operacional + Depreciation and Amortization. Em português significa: €
Operacion Amortizações + Lucros antes de juros, impostos, depreciação e
al) Provisões = amortização”.
Vendas – Custo  Avalia o lucro referente apenas ao negócio, descontando
matérias qualquer ganho financeiro.
vendidas e
consumidas –
custo c/
pessoal – FSE
14 EV/EBITD rácio entre o  É a relação entre o valor de todos os capitais que financiam    
A (Cash EV e o EBITDA a empresa e cash flow operacional.
Flow  indicação de como os lucros gerados pela empresa (antes
Operacion de custos da dívida, custos não monetários - como as
al) amortizações e provisões – e impostos) remuneram todos
os capitais investidos na empresa, i.e., dão a indicação de
em quantos anos o cash flow operacional "paga" esses
capitais investidos.
 São normais valores entre 7 e 12 para as empresas com
forte crescimento e entre 4 e 7 para as de menor
crescimento.
 Prefira EV/EBITDA baixo.
 É um indicador do tempo de retorno (anual) para reaver
investimento feito na acção.
15 EV/EBIT rácio entre EV  Similar ao anterior (EV/EBITDA) execpto no tratamento    
e Resultados das amortizações;
Operacionais.  rácio entre EV e Resultados Operacionais.
 Comparativamente com o PER este indicador inclui a
estrutura financeira da empresa na sua análise e ignora as
políticas fiscais ao utilizar o EBIT;
 São preferíveis EV/EBIT baixos;
 é utilizado com muita frequência na comparação dos níveis
de valorização dentro de uma mesma indústria, sendo
também comum o cálculo do EV/EBIT da totalidade da
indústria.
3. Rácios Económico-Financeiros

Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise


Volume de  331,6 Milhões  342,7  327 Milhões € 
negócios € Milhões €
Resultado  6,2 Milhões €  9,4 Milhões  -5,9 Milhões € 
Líquido €
Resultado    
extraordinário
Resultado  27,8 Milhões €  32 Milhões €  17,5 Milhões € 
Operacional
Solvabilidade Situação  mede a solvabilidade da empresa através da    0,27 (finbolsa) 
Líquida / determinação da proporção dos activos que são
Passivo financiados com capital próprio. Sendo tudo o resto igual;
Endividamento Passivo /  quanto mais elevado este rácio, maior a estabilidade    0,78 (finbolsa) 
Activo financeira da empresa. Quanto mais baixo, maior a
Autonomia Situação vulnerabilidade.    0,21 (finbolsa) 
Financeira Líquida /  varia bastante de sector para sector; por exemplo na
Activo banca a AF é tradicionalmente baixa, uma vez que grande
parte dos activos são depósitos dos clientes;
 empresas com baixa AF têm cotações baixas em bolsa;
 AF<0,20 envolve riscos acrescidos; AF acima dos 0,5
indica solidez de uma empresas e risco mais baixo.
Estrutura de Passivo de  Uma Estrutura do Endividamento alta indica mais riscos    0,33 (finbolsa) 
endividamento Curto Prazo / de dificuldades de tesouraria para a empresa, já que uma
Passivo parte maior do passivo tem um prazo mais curto para ser
Peso do Passivo de pago. Tome cuidado com empresas que estejam a meio    0,52 (finbolsa) 
Endividamento Médio e Longo de uma crise e tenham um valor elevado deste indicador.
de Longo Prazo Prazo / Activo
Liquidez Geral Activo  mede a capacidade da empresa de fazer face às suas    0,73 (finbolsa) 
Circulante / responsabilidades de curto prazo, constituindo por isso
Passivo de um teste de solvabilidade de curto prazo.
Curto Prazo  Sendo tudo o resto igual, quanto mais elevado este rácio,
maior a solvabilidade de curto prazo da empresa, sendo
desejável que o rácio ultrapasse pelo menos o valor de 1,
significando que a empresa tem pelo menos activos
líquidos para fazer face às responsabilidades de curto
prazo.
 Quanto mais baixo, maior a vulnerabilidade.
 Uma Liquidez Geral alta (de preferência maior que 1)
indica que os fundos facilmente utilizáveis pela empresa
(cash, contas bancárias, títulos, e outros activos
circulantes) cobrem as dívidas de curto prazo, pelo que
há poucos riscos de problemas de tesouraria sérios.
Fundo de Maneio Activo  Relação entre liquidez e exigibilidade;    
Indicador Cálculo Interpretação 2011 2010 2009 Análise
circulante –  Representa a capacidade momentânea de a empresa
passivo pagar as suas dívidas de curto prazo. Já houve falências
circulante na nossa Bolsa devidas a dificuldades de tesouraria
Rentabilidade Lucro /  ROE: O ROE, cuja designação deriva das iniciais da  4,5% 7% -4,3%
dos Capitais Situação expressão anglo-saxónica "return on equity", é também
Próprios (RCP) ou Líquida do ano designado por Rendibilidade dos Capitais Próprios, e
ROE - Return on anterior corresponde ao rácio entre o valor dos resultados
Equity líquidos (diferença entre proveitos e custos) obtidos por
uma empresa num determinado período, cujo valor é
retirado do mapa de demonstração de resultados
correspondente, e o valor dos seus capitais próprios
existente no final desse mesmo período, retirado do
mapa de balanço correspondente.
 Quanto maior for diferencial da RCP face à taxa de juro
sem risco, maior a rendibilidade média da empresa;
Rentabilidade Lucro / Vendas  -1,77%
das Vendas (RV)
Rentabilidade Resultados  Valores ideias do ROV são entre 5% e 20%, pois menos
Operacional das Operacionais / indica perigo de a margem se tornar negativa e mais
Vendas (ROV) Vendas poderá não ser sustentável
Rentabilidade do Lucro / Activo  ROA: Alavancagem operacional ocorre quando um -0,92%
Activo (ROA) crescimento de x% nas vendas provoca um crescimento
de n vezes x% no lucro bruto. O efeito de alavancagem
ocorre pelo facto de que os custos fixos são distribuídos
por um volume maior de produção, fazendo com que o
custo unitário da mercadoria seja reduzido.
EPS Resultado  0,06€ 0,10€ -0,06€
líquido por
acção

Você também pode gostar