Você está na página 1de 25

AVALIAÇÃO DIRIGIDA AMOSTRAL - ADA

1ª ETAPA - CICLO I - 2016


3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

LÍNGUA PORTUGUESA
Leia o texto abaixo e, a seguir, responda aos itens 1, 2, 3 e 4.
O poeta come amendoim
Mário de Andrade

Noites pesadas de cheiros e calores amontoadas...


Foi o Sol que por todo o sítio imenso do Brasil
Andou marcando de moreno os brasileiros.
Estou pensando nos tempos de antes de eu nascer...
A noite era pra descansar. As gargalhadas brancas dos mulatos...
Silêncio! O Imperador medita os seus versinhos.
Os Caramurus conspiram na sombra das mangueiras ovais.
Só o murmurejo dos cre’m-deus-padre irmanava os homens de meu país...
Duma feita os canhamboras perceberam que não tinha mais escravos,
Por causa disso muita virgem-do-rosário se perdeu...
Porém o desastre verdadeiro foi embonecar esta República temporã.
A gente inda não sabia se governar...
Progredir, progredimos um tiquinho
Que o progresso também é uma fatalidade...
Será o que Nosso Senhor quiser!...
Estou com desejos de desastres...
Com desejos do Amazonas e dos ventos muriçocas
Se encostando na canjerana dos batentes...
Tenho desejos de violas e solidões sem sentido
Tenho desejos de gemer e de morrer.
Brasil...
Mastigado na gostosura quente de amendoim...
Falado numa língua curumim
De palavras incertas num remelexo melado melancólico...
Saem lentas frescas trituradas pelos meus dentes bons...
Molham meus beiços que dão beijos alastrados
E depois remurmuram sem malícia as rezas bem nascidas...
Brasil amado não porque seja minha pátria,
Pátria é acaso de migrações e do pão-nosso onde Deus der...
Brasil que eu amo porque é o ritmo do meu braço aventuroso,
O gosto dos meus descansos,
O balanço das minhas cantigas amores e danças.
Brasil que eu sou porque é a minha expressão muito engraçada,
Porque é o meu sentimento pachorrento,
Porque é o meu jeito de ganhar dinheiro, de comer e de dormir.
Disponível em:<http://www.n ilc.icmc.usp.br/nilc/literatura/opoetac omeamendoim.htm > Acesso em: 04
nov. 2015.
1
ITEM 1
De acordo com o poema foi um verdadeiro desastre embonecar a República
porque o povo brasileiro
(A) conspirava contra a República.
(B) desconhecia as riquezas do país.
(C) ainda vivia sob as ordens do Imperador.
(D) dependia dos índios e dos escravos (canhamboras).
(E) ainda não sabia se governar, entregava tudo à vontade de Deus.
Gabarito: E
Descritor 01 – Localizar uma informação explícita em um texto.
A habilidade que pode ser avaliada por este item relaciona-se à localização pelo
estudante de uma informação solicitada, que pode estar expressa literalmente no
texto ou pode vir manifestada por meio de uma paráfrase, isto é, dizer de outra
maneira o que se leu.
Expectativas de aprendizagem
 Ler poema (1ª geração) utilizando diferentes estratégias de leitura como
mecanismos de interpretação de textos: formular hipóteses (antecipação e
inferência); verificar hipóteses (seleção e checagem).
 Refletir sobre a poesia da 1ª geração do Modernismo brasileiro.
Comentário do item
Neste item, o estudante é solicitado a localizar informações explícitas no texto. A
resposta a esse questionamento é a alternativa E. Para chegar à resposta correta ,
o estudante deve reler o texto observando o que foi perguntado implicitamente: “Por
que foi um desastre embonecar a República?”. Assim, ele chega ao gabarito que
está explícito: “Foi um verdadeiro desastre embonecar a República porque o povo
brasileiro ainda não sabia se governar, entregava tudo à vontade de Deus”. Explícito
na terceira estrofe.

ITEM 2
As formas sincopadas, “pra”, “cre’m-deus-pai”; o uso do verbo ter no lugar de
haver “não tinha mais escravos”; a informalidade dos diminutivos “versinhos”,
“tiquinho” e o uso da expressão “a gente”, constituem exemplos da linguagem
(A) formal.
(B) técnica.
(C) coloquial.
(D) científica.
(E) jornalística.
Gabarito: C
Descritor 13 – Identificar as marcas linguísticas que evidenciam o locutor e o
interlocutor de um texto.
O leitor deve ser capaz de identificar quem fala no texto e a quem o texto se destina,
reconhecendo as marcas linguísticas nele expressas. Muitos elementos do texto
podem indicar o locutor e o interlocutor. Entre eles, podemos citar a variante
linguística e o registro usados, o vocabulário, o uso de gírias e expressões, o
suporte, os aspectos gráficos etc.
Expectativa de aprendizagem
 Refletir sobre a variação linguística no gênero poema.

2
Comentário do item
Neste item, o estudante é solicitado a identificar as marcas linguísticas que
evidenciam o locutor do texto dado. A resposta a esse questionamento é a
alternativa C. Para chegar à resposta, o estudante deve reconhecer que a língua
tem variações socioculturais, geográficas e históricas. Neste item, o estudante deve
identificar que as formas sincopadas, isto é, formas em que as palavras perdem
algumas letras como “pra” (para), “cre’m-deus-pai” (creio em Deus-Pai); o uso do
verbo ter com o sentido de haver, de existir; a informalidade dos diminutivos, o uso
das expressões “a gente” e as frases feitas são comuns na fala informal do dia a dia.

ITEM 3
Ao utilizar a palavra “embonecar” no trecho “Porém o desastre verdadeiro foi
embonecar esta República temporã”, o autor pretendeu ser
(A) conciso.
(B) prolixo.
(C) formal.
(D) cordial.
(E) irônico.
Gabarito: E
Descritor 18 – Reconhecer o efeito de sentido decorrente da escolha de uma
determinada palavra ou expressão.
Este descritor visa a verificar a capacidade de o leitor refletir sobre a forma do texto
e perceber sutilezas da linguagem que interferem na construção de sentidos. A
seleção lexical usada na construção do texto diz muito sobre as intenções
comunicativas de quem o produziu. A escolha de determinadas palavras ou
expressões, bem como o uso de figuras de linguagem devem ser percebidas pelo
leitor como mais uma forma de o autor manifestar suas intenções comunicativas.
Expectativa de aprendizagem
•Refletir sobre as figuras de linguagem presentes no texto.
Comentário do item
Neste item, o estudante é solicitado a reconhecer o efeito de sentido da palavra
“embonecar”. A resposta a esse questionamento é a alternativa E. Para chegar à
resposta, ele deve compreender que as palavras podem ser empregadas numa
linguagem figurada, isto é, fora de seu sentido literal ou com sentido literal, não
figurada. No caso deste item, o estudante deve reconhecer que a palavra
“embonecar” foi utilizada no sentido figurado como um recurso de linguagem para
expressar uma ironia.

ITEM 4
No trecho “Será o que Nosso Senhor quiser!...”, o ponto de exclamação e as
reticências, utilizados pelo autor sugerem
(A) exaltação e súplica.
(B) surpresa e incerteza.
(C) certeza e expectativa.
(D) conformismo e incerteza.
(E) indignação e desapontamento.
Gabarito: D
Descritor 17- Reconhecer o efeito de sentido decorrente do uso da pontuação
e de outras notações.

3
Por meio da pontuação e de outros mecanismos de notação (como o itálico, o
negrito, caixa alta, tamanho da fonte etc.) efeitos de sentido podem ser criados no
texto. Essa habilidade requer que o leitor perceba efeitos particulares gerados pelo
uso da pontuação e de outras notações, e pode se tornar mais complexo à medida
que são usados recursos não convencionais e à proporção que os efeitos
provocados por esses mecanismos gerem informações contrárias às expressas
pelos recursos verbais.
Expectativas de aprendizagem
 Refletir sobre o uso da pontuação no gênero poema.
Comentário do item
Com este item, pretende-se avaliar a habilidade de o estudante identificar o efeito de
sentido provocado no texto pelo ponto de exclamação seguido das reticências, que
colabora para a construção do seu sentido global, não se restringindo ao seu
aspecto puramente gramatical.
Para chegar ao gabarito, o estudante deve compreender não apenas o
conhecimento dos usos convencionais dos sinais de pontuação como também das
funções textuais que eles podem exercer em um texto. O item focaliza o uso do
ponto de exclamação pelo qual se manifesta e se intensifica por meio das
reticências. A referida combinação acrescenta uma nota de expectativa e incerteza,
isto é, o sentimento do enunciador em relação a algo que ainda pode vir acontecer.
Assim, a resposta correta é a alternativa D.

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda ao item 5.

Disponível em:<http://essaseoutras.xpg.uol.com.br/melhores-charges-engraçadas-de-2011-c riticas-a-


politica-violencia/charge-critica-2011>. Acesso em: 24 nov. 2015.

ITEM 5
Nessa charge, o que é criticado?
(A) A preocupação com o aquecimento global.
(B) Os problemas ambientais causados pelo homem.
(C) O vandalismo praticado contra um bem comum.
(D) O descaso das autoridades contra a violência urbana.
(E) O desrespeito às leis de preservação do meio ambiente.
Gabarito:C
Descritor 05 – Interpretar texto com o auxílio de material gráfico diverso
(propagandas, quadrinhos, fotos etc).
Por meio deste descritor pode-se avaliar a habilidade de o aluno reconhecer a
utilização de elementos gráficos (não verbais) como apoio na construção do sentido
e de interpretar textos que utilizam linguagem verbal e não verbal (textos
4
multissemióticos). Essa habilidade pode ser avaliada por meio de textos compostos
por gráficos, desenhos, fotos, tirinhas, charges.
Expectativas de aprendizagem
•Ler charges utilizando diferentes estratégias de leitura como mecanismos de
interpretação de textos: formulação de hipóteses (antecipação e inferência);
verificação de hipóteses (seleção e checagem).
•Refletir sobre o emprego de elementos não verbais presentes na charge.
•Refletir sobre o uso da linguagem figurada, gírias, interjeições, onomatopeias e
ironia na charge.
Comentário do item
Neste item, o estudante é solicitado a interpretar um texto que utiliza a linguagem
verbal e não verbal. Para chegar à resposta, ele deve reconhecer a utilização dos
elementos gráficos (não verbais) como apoio na construção do sentido e interpretar
textos que utilizam as duas linguagens. Assim, para responder corretamente ao
item, ele deve ler e interpretar as falas dos interlocutores, valendo-se,
principalmente, da imagem e da fala do 2º interlocutor, para compreender o que é
criticado na charge, compreendendo o texto como um todo. Neste caso, a resposta
correta é a alternativa C.

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda ao item 6.

Nhengaçu Verde-Amarelo - Manifesto do Verde-Amarelismo


"O grupo 'verdamarelo', cuja regra é a liberdade plena de cada um ser brasileiro
como quiser e puder; cuja condição é cada um interpretar o seu país e o seu povo
através de si mesmo, da própria determinação instintiva; - o grupo ‘verdamarelo’, à
tirania das sistematizações ideológicas, responde com a sua alforria e a amplitude
sem obstáculo de sua ação brasileira (...)
Aceitamos todas as instituições conservadoras, pois é dentro delas mesmo que
faremos a inevitável renovação do Brasil, como o fez, através de quatro séculos, a
alma da nossa gente, através de todas as expressões históricas.
Nosso nacionalismo é ‘verdamarelo’ e tupi. (...)"
Disponível em:<http://modernismoepaminondas.blogspot.com.br/ p/moviment o-anta-e.html>. Acesso
em: 28 de nov. 2015.
ITEM 6
No trecho"O grupo 'verdamarelo', cuja regra é a liberdade plena de cada um
ser brasileiro como quiser e puder; cuja condição é cada um interpretar o seu
país e o seu povo através de si mesmo, da própria determinação instintiva;...”,
a expressão sublinhada substitui
(A) seu país.
(B) cada um.
(C) seu povo.
(D) cuja regra.
(E) cuja condição.
Gabarito: B
Descritor 02- Estabelecer relações entre partes de um texto, identificando
repetições ou substituições que contribuem para a continuidade de um texto .
Com este descritor pretendemos avaliar a habilidade de o aluno reconhecer as
relações coesivas do texto, mais especificamente as repetições ou substituições,
que servem para estabelecer a continuidade textual. No texto a seguir, por exemplo,
destacamos o entrelaçamento das ideias e a sua continuidade. A compreensão de
informações e ideias apresentadas pelo autor ultrapassa a simples decodificação e
5
depende da devida percepção dessas relações para o efetivo entendimento da
leitura.
Expectativa de aprendizagem
 Refletir sobre o emprego das classes gramaticais (substantivo, artigo, adjetivo,
numeral, pronome, advérbio, verbo, preposição, conjunção) no gênero em estudo.
Comentário do item
O pronome “si” refere-se a “cada um ” (gabarito B). O estudante precisa perceber que
o termo destacado substitui a expressão “cada um.” Essa substituição contribui para
estabelecer a continuidade do texto. Para responder este item o estudante precisa
reconhecer as relações coesivas do texto que evitam repetições. Essa substituição
contribui para a progressão textual.

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda ao item 7.


Família: como fazer
Lya Luft

Talvez sendo rigorosa, creio que nas escolhas importantes revelamos o que
pensamos merecer. Casamento, trabalho, prazer, estilo de vida, nos cuidados ou
nos descuidos - não importa. Mas a família, esse chão sobre o qual caminhamos por
toda a vida, seja ele esburacado ou plano, ensolarado ou sombrio, não é uma
escolha nossa. Porque lhe atribuo uma importância tão grande, para o bem e para o
mal, ela tem sido tema recorrente de meu trabalho, em livros, artigos e palestras.
Pela família, com a qual eventualmente nem gostaríamos de conviver, somos
parcialmente moldados, condenados ou salvos. Ela nos lega as memórias ternas, o
necessário otimismo, a segurança - ou a baixa autoestima e os processos
destrutivos. Esse pequeno território é nosso campo de treinamento como seres
humanos. Misto de amor e conflito, ela é que nos dá os verdadeiros amigos e os
melhores amores.
Para saber o que seria uma família positiva (não gosto do termo "normal"),
deixemos de lado os estereótipos da mãe vitimizada, geradora de culpas e raiva; do
pai provedor, destinado a trabalhar pelo sustento da família, sem espaço para ter,
ele próprio, carinho e escuta; e dos filhos sempre talentosos e amorosos com seus
pais. A boa família, na verdade, é aquela que, até quando não nos compreende,
quando desaprova alguma escolha nossa, mesmo assim nos faz sentir aceitos e
respeitados. É onde sempre somos queridos e onde sempre temos lugar.
Disponível em: <http://www.escolafazendoarte.com.br/ideias_det.asp?id_auto=13/>. Acesso
em: 04 dez. 2015.

ITEM 7
O tema do texto é:
(A) o rigor nas escolhas importantes.
(B) os filhos nem sempre são talentosos.
(C) a família é uma instituição importante.
(D) a relação familiar é sempre harmônica.
(E) o pai tem o dever de sustentar a família.
Gabarito: C
Descritor 06- Identificar o tema de um texto.
Esta é uma habilidade mais complexa, pois requer do estudante uma série de
tarefas cognitivas para chegar ao tema em torno do qual foi desenvolvido o texto. Os
itens relativos a este descritor buscam aferir se o estudante é capaz de identificar o
núcleo temático que confere unidade semântica ao texto.
6
Expectativas de aprendizagem
 Ler artigo de opinião utilizando estratégias de leitura como mecanismos de
interpretação de textos: Formulação de hipóteses (antecipação e inferência).
Verificação de hipóteses (seleção e checagem).
 Ler comparativa e associativamente os gêneros em estudo, observando forma,
conteúdo, estilo e função social.
Comentário do Item
A habilidade que pode ser avaliada por meio deste descritor refere-se ao
reconhecimento pelo estudante do assunto principal do texto. Para que o estudante
identifique o tema, é necessário que ele relacione as diferentes informações para
construir o sentido global do texto. Para tanto, o estudante precisa ter a competência
básica para identificar informações que se encontram explicitamente no texto bem
como inferir outras.

Leia os textos abaixo e, a seguir, responda ao item 8.

Texto I
VIDAS SECAS

Quando perguntado o que seria a obra Vidas secas, Graciliano Ramos


respondeu que se tratava de “um livrinho sem paisagens, sem alegria, sem diálogo e
sem amor”. Na verdade, estamos diante de um romance triste, cheio de tensões
críticas entre o homem e o se u meio. Um meio social, um meio de violência, de
latifúndio, enfim, um meio natural, hostil e seco.
Duas temáticas podem ser percebidas neste romance: as adversidades em
relação ao meio e as adversidades em relação ao outro. Graciliano Ramos trabalha
nas esferas do social e do universal, do particular e do coletivo. Falar em
regionalismo em Vidas Secas é diminuir, então, esta obra. O nordeste será
meramente o palco destas discussões, uma vez que os nordestinos estarão em
voga, sobretudo na geração de 30.
[...]
Vidas secas – que é comparado às vezes a uma metáfora contra o Estado
Novo – é composto de treze capítulos autônomos. Estes treze capítulos autônomos
formam uma estrutura narrativa um tanto quanto “seca”. O primeiro capítulo, que é
intitulado “Mudança”, mostra uma família de retirantes composta – a princípio – por
seis membros: Fabiano, Sinhá Vitória, o menino mais novo e o menino mais velho, a
cachorra Baleia e um papagaio. Nada é dito ao leitor com relação à origem desta
família, assim como nada é dito sobre os lugares por onde eles passam. Da mesma
forma, nenhuma informação é dada ao leitor desta obra no que diz respeito ao
destino final desta família. Não se sabe para onde a família está migrando. Outro
fato curioso é que o autor não dá nenhuma localização temporal. Isto comprova que
Vidas secas é uma obra atemporal, clássica, jamais envelhecerá.
O romance apresenta uma estrutura narrativa que pode ser considerada
aberta. Graciliano Ramos não é um narrador que conta apenas os fatos que
acontecem. Ele dá voz aos personagens para que cada um – inclusive os animais –
se coloque enquanto indivíduos naquele meio adverso. Daí se dizer que os animais
são humanizados, já que colocam a sua visão com relação a sua condição
“humana”. Em contrapartida, os personagens são animalizados. Incapazes de
articular seus pensamentos, os personagens podem ser facilmente comparados a

7
um papagaio, que só reproduz. Quando Sinhá Vitória mata o papagaio para que a
família o comesse, eles estariam comendo, sim, semelhante, um ig ual.
Fabiano – que é branco, ruivo e de olhos azuis – é extremamente “seco”,
assim como todas os demais personagens. A sina de Sinhá Vitória é almejar a
vitória, a estabilidade. Os meninos são igualmente “secos”, uma vez que não lhes é
atribuído pelo autor nomes – são somente tidos como o menino mais novo e o
menino mais velho. Isto denota uma grande falta de identidade, falta de raízes – que
eles estão indo buscar nem sabem onde. Graciliano Ramos, que é dono de um traço
pessimista em outras obras, dá em Vidas secas uma tênue esperança. Fica
subentendido no final da obra que eles partem para outro lugar, para onde o que
importa é que ainda há movimento em busca de vida, mesmo que seja seca.
Disponível em:<http://periodocompostoporsubordinacao.blogspot.com.br/2009/07/quando-
perguntado-o-que-seria-obra.html>. Acesso em: 30 nov. 2015.

Texto II
Os Retirantes
Cândido Portinari

Disponível em: <https://www.google.com.br/search?q=Pintura+Os+retirantes&rlz>. Acesso em: 30


nov. 2015.

ITEM 8
Os dois textos quanto ao tema são
(A) divergentes.
(B) excludentes.
(C) discordantes.
(D) questionadores.
(E) complementares.
Gabarito: E
Descritor 20 - Reconhecer diferentes formas de tratar uma informação na
comparação de textos que tratam do mesmo tema, em função das condições em
que ele foi produzido e daquelas em que será recebido.
Por meio deste descritor é possível avaliar a habilidade de o estudante reconhecer as
diferenças entre textos que tratam do mesmo assunto, em função do leitor, da ideologia,
da época em que foi produzido e das suas intenções comunicativas. Essa habilidade é
avaliada por meio da leitura de dois ou mais textos, de mesm o gênero ou de gêneros
diferentes, tendo em comum o mesmo tema, para as quais é solicitado o reconhecimento
das formas distintas de se tratar uma informação.
Expectativa de aprendizagem
 Ler comparativa e associativamente os gêneros em estudo, observando forma,
conteúdo, estilo e função social.
8
Comentário do item
Neste item, o estudante precisa comparar os dois textos para encontrar a resposta correta
(gabarito E). Assim ele pode perceber que, embora, sejam textos que atendam a
diferentes objetivos, são complementares quanto à temática. A resenha (texto1) retrata a
vida miserável de uma família de retirantes sertanejos obrigada a se deslocar de tempos
em tempos para áreas menos castigadas pela seca. E a tela de Portinari “Os Retirantes”
produzido em 1944 (texto 2) - mostra o sofrimento dos nordestinos, os migrantes, representados
por pessoas macérrimas e com expressões que transmitem sentimentos de fome e miséria.

Leia o texto abaixo e, a seguir, responda aos itens 9 e 10.

Maioridade seletiva
Túlio Viana

Sempre que um crime grave é praticado por um adolescente a redução da


maioridade penal volta às pautas do Congresso e dos jornais. A racionalidade e a
temperatura que deveriam guiar a elaboração de qualquer projeto de lei cedem
espaço à passionalidade do clamor público no furor dos acontecimentos. E assim
vão se criando leis casuísticas para dar respostas a casos concretos que nem
sempre são representativos da maioria dos crimes ocorridos no dia a dia.
Homicídios praticados por adolescentes não são tão frequentes quanto
acredita a opinião pública. Para se ter uma ideia, dos atos infracionais praticados por
adolescentes em Belo Horizonte no ano de 2010, apenas 0,3% foram homicídios. A
maioria das ocorrências é por tráfico de drogas (27%), uso de drogas (18,5%), furto
(10,7%) e roubo (7,7%) dados da Vara Infraciona l da Infância e da Juventude de
Belo Horizonte).
O público-alvo dos projetos de redução de maioridade penal é o adolescente
pobre que pratica crimes patrimoniais ou de tráfico e uso de drogas. Desses
adolescentes, 62% vivem em lares com renda familiar inferior a dois salários
mínimos.É esse adolescente marginalizado que a sociedade brasileira quer colocar
no cárcere, já que nosso poder público, em sua incompetência, não cumpriu seu
dever constitucional de colocá-los nas escolas.
Resta saber se essa mesma sociedade que clama hoje pela redução da
maioridade penal vai aceitar amanhã que seus filhos também sejam presos pelas
brigas nas quais se envolverem na saída dos colégios, ou pelos insultos aos
professores e colegas nas redes sociais; ou pelas violações de direitos autorais na
internet; ou pelo uso de drogas; ou por dirigirem sem habilitação. Ou será que a
proposta seria punir apenas os adolescentes pobres?
Duas das propostas de emenda à constituição que tramitam no Senado (PEC
74/2011) e PEC 33/2012 efetivamente pretendem criar uma maioridade penal
seletiva.
[...]
A PEC 83/2011 é mais coerente e propõe a redução da maioridade penal
para 16 anos para todo e qualquer crime.
[...]
É bem verdade que alguns juristas não concordam com essa interpretação,
alegando que a maioridade penal não seria uma cláusula pétrea por não estar
prevista no art. 5º da Constituição, que trata especificamente dos direitos individuais.
Trata-se de uma interpretação bastante simplista, pois o que caracteriza um direito
individual é sua essência e não sua localização constitucional. [...]

9
É ilusão acreditar que o simples aumento do tempo de internação vá reduzir
os atos infracionais praticados por adolescentes. As estatísticas não deixam dúvidas
de que esse tipo de criminalidade é reflexo das péssimas condições
socioeconômicas desses adolescentes. A solução simplista de construir cárceres
para enjaular a juventude pobre pode até ter um custo menor para o poder público,
mas não será panaceia para um problema comple xo que precisa ser enfrentado com
um investimento sério no ensino fundamental e médio e com políticas públicas que
visem a engajar os adolescentes pobres em atividades culturais e esportivas que os
afastem da criminalidade. Muito mais efetivo do que ameaçar os adolescentes com
penas graves é oferecer-lhes uma perspectiva real de um primeiro emprego digno
que lhe possa permitir sonhar com um futuro melhor.
Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/geral,maioridade-seletiva,1023450>. Acesso em:
30 nov. 2015.

ITEM 9
A tese defendida pelo autor é
(A) a razão e a temperatura que deveriam guiar a formulação de projeto de lei para
ceder espaço à passionalidade do clamor e furor dos fatos.
(B) os homicídios que os adolescentes praticam não são tão frequentes quanto as
pessoas acreditam.
(C) a sociedade brasileira que marginaliza os adolescentes e quer colocá-los no
cárcere.
(D) o público-alvo dos projetos de redução de maioridade penal é o adolescente
pobre que pratica crimes contra o patrimônio público ou de tráfico e uso de
drogas.
(E) a solução adequada para a criminalidade juvenil não está na redução da
maioridade penal, mas em medidas sociais, capazes de permitir aos
adolescentes “sonhar com uma vida melhor.”
Gabarito: E
Descritor 07 – Identificar a tese de um texto.
Por meio deste descritor, pode-se avaliar a habilidade de o aluno reconhecer o ponto
de vista ou a ideia central defendida pelo autor. A tese é uma proposição teórica de
intenção persuasiva, apoiada em argumentos contundentes sobre o assunto
abordado.
Expectativas de aprendizagem:
 Compreender diferentes opiniões e declarações de leitores, referentes a
determinada matéria, publicadas na seção de cartas em jornais e revistas.
 Ler trechos de cartas do leitor, cartas argumentativas e cartas abertas
posicionando-se criticamente sobre as declarações e opiniões publicadas.
 Analisar criticamente a posição defendida pelo articulista, em artigos de opinião,
diante do assunto controverso.
Comentário do Item
Para responder este item corretamente (Gabarito E), é necessário que o estudante
leia o texto para identificar dentre as frases apresentadas, qual sintetiza a ideia
global do texto. É importante ressaltar que todas as alternativas que estão no texto,
de certa forma, retomam algo relacionado à temática, mas é a alternativa “E” que
traz a “tese” defendida pelo autor. Essa tese é clara, precisa, objetiva e traz a ideia
global do texto.

10
ITEM 10
O argumento que melhor reforça a tese do autor do texto é:
(A) “E assim vão se criando leis casuísticas para dar respostas a casos concretos
que nem sempre são representativos da maioria dos crimes ocorridos no dia a
dia.”
(B) “Desses adolescentes, 62% vivem em lares com renda familiar inferior a dois
salários mínimos.”
(C) “Trata-se de uma interpretação bastante simplista, pois o que caracteriza um
direito individual é sua essência e não sua localização constitucional.”
(D) “É ilusão acreditar que o simples aumento do tempo de internação vá reduzir os
atos infracionais praticados por adolescentes.”
(E) “As estatísticas não deixam dúvidas de que esse tipo de criminalidade é refle xo
das péssimas condições socioeconômicas desses adolescentes.”
Gabarito: E
Descritor 08 – Estabelecer relação entre a tese e os argumentos oferecidos
para sustentá-la.
Por meio deste descritor, pode-se avaliar a habilidade do aluno em estabelecer a
relação entre o ponto de vista do autor sobre um determinado assunto e os
argumentos que sustentam esse posicionamento. Pode-se, também, solicitar o
contrário, que o aluno identifique a tese com base em um argumento oferecido pelo
texto.
Expectativa de aprendizagem
 Manifestar opiniões, ou dar declarações sobre determinada matéria publicada em
jornais ou revistas, utilizando argumentos convincentes, esclarecedores.
Comentário do Item
Para responder este item, é necessário considerar os argumentos que o autor utiliza
para defender o seu ponto de vista. É importante que o estudante perceba que todos
os argumentos ajudam no sustento da tese, mas o argumento que melhor reforça a
tese defendida pelo autor é a letra “E”. Esse argumento é o mais completo, pois ele
comprova a defesa de forma persuasiva/convincente, afirmando sobre as
estatísticas existentes que não deixam dúvidas de que a criminalidade (palavra –
chave da tese), é o reflexo das péssimas condições socioeconômicas desses
adolescentes. Fica evidente que esse é o principal argumento em relação aos
outros, uma vez que a tese defendida pelo autor é a de que: “a solução adequada
para a criminalidade juvenil não está na redução da maioridade penal, mas em
medidas sociais.” O argumento comprova as razões da criminalidade e ainda
enfatiza os problemas socieconômicos. Portanto, é necessário que esses problemas
evidenciados sejam resolvidos, mas a solução não está na redução da maioridade
penal.

11
AVALIAÇÃO DIRIGIDA AMOSTRAL - ADA
1ª ETAPA - CICLO I - 2016
3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

CIÊNCIAS DA NATUREZA

ITEM 1
O Baru é uma planta típica do Cerrado que tem sua reprodução auxiliada por
abelhas. Um aluno realizou uma investigação sobre o fruto do Baru no Estado
de Goiás. Seu estudo indicou que as diferentes formas dos frutos são
consequência da variabilidade genética existente nestas plantas.
A diversidade genética destas plantas acontece porque elas
(A) são clonadas.
(B) são transgênicas.
(C) apresentam células-tronco.
(D) se reproduzem de forma sexuada.
(E) se reproduzem de forma assexuada.
Gabarito: D
Descritor 45 – Relacionar a reprodução com a proliferação dos seres vivos e a
variabilidade genética.
Expectativa de Aprendizagem:
Identificar as teorias e os conceitos básicos da Genética, relacionando com a
“revolução” do conhecimento.
Comentário: A reprodução sexuada é a grande responsável pelo aumento da
variabilidade genética nos seres vivos.

ITEM 2
Leandro é uma criança albina com genótipo aa. Seu pai também é albino e sua
mãe tem pigmentação normal da pele.
De acordo com os conhecimentos de genética, pode-se afirmar que Leandro
(A) recebeu um gene da mãe e outro do pai.
(B) recebeu os dois genes do pai, já que seu pai é albino.
(C) terá pigmentação normal da pele quando chegar à fase adulta.
(D) tem genes mutantes, já que sua mãe tem pigmentação normal.
(E) recebeu os dois genes da mãe, mesmo que ela tenha pigmentação normal.
Gabarito: A
Descritor 46 – Resolver problemas que envolvam a primeira e a segunda lei de
Mendel, grupos sanguíneos, herança ligada, influenciada e restrita ao sexo.
Expectativa de aprendizagem:
Reconhecer a hereditariedade das características físicas e fisiológicas e suas
prováveis formas de ocorrências, relacionando-as com a diversidade das espécies.
Comentário: A primeira Lei de Mendel é descrita, atualmente, da seguinte forma:
“cada caráter é condicionado por um par de genes, que se separam na formação
dos gametas”. Assim, pode-se afirmar que metade dos genes de Leandro veio do
pai e a outra metade da mãe.

ITEM 3
O eteno ou etileno é um gás responsável pela maturação de frutas, ele
funciona como um hormônio. É produzido a partir das células e se faz presente
em toda a estrutura do fruto, desde a casca até seu interior. Em nível
12
doméstico, é possível utilizar essa propriedade do eteno para amadurecer mais
rapidamente determinadas frutas. Um exemplo simples é embrulhar bananas
em jornal, abafando-as, isso acelera o amadurecimento da fruta.
Considerando a cadeia carbônica do eteno, podemos classificá-la em
(A) aberta, homogênea, insaturada, não ramificada.
(B) aberta, heterogênea, saturada, não ramificada.
(C) fechada, homogênea, saturada, ramificada.
(D) fechada, heterogênea, insaturada, ramificada.
(E) aberta, homogênea, saturada, ramificada.
Gabarito: A
Descritor 25 - Identificar o tipo predominante de ligações nas substâncias a
partir das propriedades dos materiais e por meio de modelos de ligações.
Expectativa de aprendizagem:
Reconhecer as principais características das cadeias carbônicas (isto é:
aberta/fechada, ramificada/não ramificada, saturada/insaturada, aromáticos/não
aromáticos), estabelecendo relações, por exemplo, com as principais frações do
petróleo, a utilização de etino no amadurecimento de frutas etc.
Comentário:
Para facilitar a comunicação, foi estabelecida uma linguagem apropriada para
descrever a maneira como os átomos estão unidos, formando a cadeia
carbônica. Analisando a molécula do eteno, H2C=CH 2 , temos uma cadeia com
extremos livres (aberta), não apresenta heteroátomo (homogênea), apresenta
uma dupla ligação (insaturada), possui apenas duas extremidades livres (não-
ramificada).

ITEM 4
O gás metano (CH 4) é produzido pela decomposição da matéria orgânica. É
abundante em aterros sanitários, lixões e reservatórios de hidrelétricas. A
prática utilizada em lixões e aterros, da simples queima do metano já assegura
um benefício ambiental por transformar metano em dióxido de carbono, que é
mais fácil de ser sequestrado e menos nocivo. Outra opção, mais produtiva, é
o aproveitamento energético do lixo, isto é, a transformação, em usinas
instaladas em aterros sanitários, do metano em energia elétrica.
Disponível em: < http://www.oeco.org.br/dicionario-ambiental/28261-gases-do-efeito-estufa-dioxido-
de-carbono-co2-e-metano-ch4/ >. Acesso em: 03 dez. 2015. (A daptado)

A função orgânica que caracteriza o metano é


(A) éter.
(B) éster.
(C) álcool.
(D) cetona.
(E) hidrocarboneto.
Gabarito: E
Descritor 56- Analisar medidas que permitem controlar e/ou minimizar
problemas ambientais, tais como: intensificação do efeito estufa, destruição da
camada de ozônio, extinção e introdução de novas espécies, mudanças
climáticas, poluição ambiental.
Expectativa de Aprendizagem:
Reconhecer o nome e as fórmulas estruturais dos hidrocarbonetos.

13
Comentário: O gás metano, cuja fórmula molecular, é CH 4 é um composto formado
exclusivamente por átomos de carbono e hidrogênio, chamado na química orgânica
de hidrocarbonetos.

ITEM 5
O conceito de campo elétrico torna-se abstrato, pois não podemos vê -lo
diretamente. As linhas de força de campo elétrico constituem um auxílio para
visualizar o campo elétrico. As figuras a seguir mostram as linhas de campo elétrico
na região em torno de duas cargas de mesmo módulo, em duas situações
diferentes.

Sobre as cargas elétricas, é correto afirmar que


(A) na situação 01 as duas cargas são positivas.
(B) na situação 01 as duas cargas tem sinais opostos.
(C) na situação 02 as duas cargas são negativas.
(D) na situação 02 as duas cargas tem sinais opostos.
(E) tanto na situação 01 quanto na situação, as cargas tem sinais iguais.
Gabarito: B
Descritor 8 - Aplicar o conceito de campo elétrico para uma distribuição de cargas.
Expectativa de aprendizagem:
Compreender conceitos da eletrostática, procedimentos e estratégias matemáticas,
e aplicá-las em situações diversas no contexto das ciências, da tecnologia e das
atividades cotidianas.
Comentário:
As linhas de indução do campo elétrico “partem” das cargas positivas e “chegam” às
cargas negativas. No esquema, a situação 1 corresponde às cargas opostas e a
situação 2 às cargas de mesmo sinal.

ITEM 6
O óleo diesel derivado do petróleo é muito utilizado em ônibus e caminhões. O
Diesel S-10 e o Diesel S-50 são utilizados em motores de ônibus e caminhões
que atendem à atual legislação de restrição de emissão de poluentes. Além de
poluir menos, eles podem ampliar a durabilidade do motor. Os ônibus e
caminhões brasileiros que seguem os novos parâmetros ambientais podem
reduzir em até 63% a emissão de Óxidos de Nitrogênio (NOx) e em até 80% a
emissão de materiais particulados, na comparação com a tecnologia que era
adotada até 2011. Um subproduto resultante da queima dos combustíveis
fósseis é a fuligem, que é uma fumaça preta que pode danificar estruturas,
escurecê-las e pode provocar doenças respiratórias.
Disponível em:<http://www.companytec.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=403:s -10&Itemid=125.>.
Acesso em: 01 dez. 2015 (Adaptado).

14
A fuligem é resultante da:
(A) Combustão de etanol.
(B) Combustão de gás hidrogênio.
(C) Combustão completa dos combustíveis fósseis.
(D) Combustão incompleta dos combustíveis fósseis.
(E) Combustão completa de gases provenientes da biomassa.
Gabarito: D
Descritor 56 - Analisar medidas que permitem controlar e/ou minimizar
problemas ambientais, tais como: intensificação do efeito estufa, destruição da
camada de ozônio, extinção e introdução de novas espécies, mudanças
climáticas, poluição ambiental.
Expectativa de aprendizagem:
Diferenciar combustão completa e incompleta.
Comentário: As reações de combustão incompleta ocorrem quando não há oxigênio
suficiente, ou quando há um grande número de carbono no combustível consumindo
grande quantidade de oxigênio com muita rapidez. É o que ocorre com o óleo diesel,
que possui moléculas grandes de hidrocarbonetos e, consequentemente, um grande
número de carbono. A combustão incompleta dos derivados de petróleo pode ter
como produtos carbono sólido particulado junto como o gás monóxido de carbono
(CO). Forma-se então um coloide na espécie de aerossol sólido tendo como fase
dispersa o carbono sólido e como meio de dispersão o gás monóxido de carbono.
ITEM 7
Uma carga elétrica pontual Q, no vácuo, produz um campo elétrico de módulo
E = 2 × 106 N/C num ponto P, localizado a 30 cm da carga, conforme mostra a
figura a seguir.

N .m2
Considerando que a constante eletrostática do vácuo é k0  9 109 , é
C2
correto afirmar que o módulo da carga elétrica Q é igual a
(A) 60 µC.
(B) 90 µC.
(C) 30 µC.
(D) 20 µC.
(E) 10 µC.
Gabarito: D
Descritor 8 – Aplicar conceito de campo elétrico para uma distribuição de cargas.
Expectativa de aprendizagem:
Compreender conceitos da eletrostática, procedimentos e estratégias matemáticas,
e aplicá-las a situações diversas no contexto das ciências, da tecnologia e das
atividades cotidianas.

15
Comentário:

Q
E  k0  isolando a carga elétrica:
d2
Ed2 2 106  (30 102 ) 2
Q   Q   Q  2 105 C  Q  20 C
k0 9 109

ITEM 8
A figura, a seguir, representa as “linhas de força” do campo elétrico de duas cargas
elétricas A e B.

Com base na análise da figura, pode-se afirmar que os sinais das cargas
elétricas A e B são, respectivamente:
(A) positivo e positivo.
(B) positivo e negativo.
(C) negativo e positivo.
(D) negativo e negativo.
(E) neutro e positivo.
Gabarito: C.
Descritor 8 – Aplicar conceito de campo elétrico para uma distribuição de
cargas.
Expectativas de aprendizagem:
Compreender conceitos da eletrostática, procedimentos e estratégias matemáticas e
aplicá-las a situações diversas no contexto das ciências, da tecnologia e das
atividades cotidianas.
Comentário: Uma forma de representar um campo vetorial, em particular o campo
elétrico, é desenhando as linhas de campo ou linhas de força. Estas são linhas cuja
tangente, em qualquer ponto, fornece a direção do campo neste ponto. Estas linhas
não dão diretamente o valor do campo, mas de uma maneira geral, elas convergem
quando nos aproximamos de uma região onde o campo é intenso e se separam ao
aproximarmos de uma região de campo fraco, originando-se nas cargas positivas e
terminando nas negativas.

ITEM 9
Uma carga elétrica positiva gera um campo elétrico. Num ponto P, imerso
nesse campo, coloca-se uma carga de prova q, a uma distância r de Q,
conforme a figura a seguir, fica sujeita a uma força elétrica.

16
Com base na análise da figura, pode-se inferir que:
(A) Se q > 0, os vetores campo elétrico e força elétrica possuem o mesmo sentido.
(B) Se q > 0, os vetores campo elétrico e força elétrica possuem sentidos contrários.
(C) Se q < 0, o campo elétrico em P será independente de Q.
(D) Se q < 0, os vetores campo elétrico e força elétrica no ponto P se anulam.
(E) Se q < 0, a intensidade da força elétrica em P é independente de r.
Gabarito: A
Descritor 8 – Aplicar conceito de campo elétrico para uma distribuição de cargas.
Expectativas de aprendizagem:
Compreender conceitos da eletrostática, procedimentos e estratégias matemáticas e aplicá-
las a situações diversas no contexto das ciências, da tecnologia e das atividades cotidianas.
Comentário:
Ao mover uma carga elétrica de prova em um campo elétrico, ela ficará sujeita a diferentes
intensidades de força elétrica. Em cada ponto do campo elétrico definimos um vetor campo
elétrico ( ). A intensidade desse campo elétrico é dada pela seguinte expressão:

Na expressão é o vetor campo elétrico e é o vetor força elétrica sobre a carga de


prova (q), no ponto considerado. Os vetores e têm as seguintes características:
- em módulo, F=|q|.E
- mesma direção.
- se a carga elétrica é positiva (q > 0), e têm o mesmo sentido.
- se a carga elétrica é negativa (q < 0), e têm sentidos opostos.
ITEM 10
A hemofilia é uma doença hereditária ligada ao cromossomo sexual x, tendo
como consequência a demora no tempo de coagulação do sangue, podendo
levar a pessoa a morte. Sendo assim, suponha que um homem normal case-
se com uma mulher portadora desse gene recessivo. A probabilidade de esse
casal gerar uma menina hemofílica é
(A) 50% de chance.
(B) 75% de chance.
(C) 25% de chance.
(D) 0% de chance.
(E) 35% de chance.
Gabarito D.
Descritor 46- Resolver problemas que envolvam a primeira e a segunda lei de Mendel,
grupos sanguíneos, herança ligada, influenciada e restrita ao sexo.
Expectativa de aprendizagem:
Reconhecer a hereditariedade das características físicas e fisiológicas e suas prováveis
formas de ocorrência, relacionando-as com a diversidade das espécies.
Comentário:
Não há chance de nascer uma menina hemofílica, pois o pai não possui o gene
responsável pela doença e esta só se manifesta em homozigose em mulheres, ou seja, Xh
Xh.

17
AVALIAÇÃO DIRIGIDA AMOSTRAL - ADA
1ª ETAPA - CICLO I - 2016
3ª SÉRIE DO ENSINO MÉDIO

MATEMÁTICA

ITEM 1
Uma pista automobilística foi desenhada por um engenheiro no sistema de
coordenadas segundo a equação a seguir:

Desse modo, os construtores da obra perceberam que se tratava de uma


circunferência de raio 254 m e de centro
(A) .
(B) .
(C) .
(D) .
(E) .
Gabarito: E
Solução:
Professor(a), foi colocado todo o desenvolvimento, mas lembre ao estudante que já no
quinto passo é suficiente para encontrar a solução.

Descritor 10 – Reconhecer entre as equações de 2º grau com duas incógnitas, as que


representam circunferências.

ITEM 2
Uma piscina retangular é dividida em duas partes: uma infantil e outra adulta,
conforme a figura a seguir.

18
Assinale a altenativa que apresenta a largura das piscinas.
(A) 15,03 m
(B) 9,04 m
(C) 7,54 m
(D) 6,72 m
(E) 5 m
Gabarito: D
Solução:
Determinando a (comprimento)

Comprimento =

A largura é representada pela letra h, assim usaremos a fórmula:


Determinando m

Determinando n

Determinando a largura

A largura das piscinas é igual a


Descritor 2 – Reconhecer aplicações das relações métricas do triângulo retângulo em
um problema que envolva figuras planas ou espaciais.

19
ITEM 3
Observe o triângulo MNP representado no plano cartesiano a seguir.

Assinale a alternativa que apresenta as coordenadas dos vértices deste


triângulo:
(A) M(3; -6), N(0; 5) e P(-4; -4).
(B) M(-6; 3), N(5; 0) e P(-4; -4).
(C) M(3; -6), N(5; 0) e P(-4; -4).
(D) M(-6; 3), N(0; 5) e P(-4; -4).
(E) M(-5; 3), N(5; 0) e P(-4; -4).
Gabarito: B
Solução:
É importante que no par ordenado o valor da abscissa sempre deve aparecer antes
do valor da ordenada (x; y ).

Descritor 6 – Identificar a localização de pontos no plano cartesiano.

ITEM 4
Observe o gráfico a seguir:

20
A equação dessa reta é igual a:
(A) y = – 2x – 4
(B) y = – 4x + 2
(C) y = 0,5x – 4
(D) y = 2x – 0,5
(E) y = 0,5x + 2
Gabarito: E
Solução:

ordenada do ponto de interseção da reta com o eixo das ordenadas.

Descritor 7 – Interpretar geometricamente os coeficientes da equação de uma


reta.

ITEM 5
Observe o quadrilátero representado na malha quadriculada a seguir:

A área deste quadrilátero é igual a


(A) 16 cm2 .
(B) 32 cm2 .
(C) 55 cm2 .
(D) 64 cm2 .
(E) 70 cm2 .
Gabarito: B
Solução:
A
 B  b   h = 11  5  4  16   4 = 64  32
2 2 2 2
Descritor 12 – Resolver problema envolvendo o cálculo de área de figuras
planas.

ITEM 6
Observe a reta numérica a seguir:

Os números reais , e podem ser representados, respectivamente, pelos


pontos

21
(A) N, M e O
(B) O, M e N
(C) M, O e N
(D) M, N e O
(E) O, N e M
Gabarito: C
Sugestão:

Descritor 14 – Identificar a localização de números reais na reta numérica.

ITEM 7
Observe o sistema de equações a seguir:
2x – y + z = 3
x+y +z =6
x – y + 2z = 3.
Os valores de x, y e z que satisfazem este sistema são

(A)

(B)

(C)

(D)

(E)
Gabarito: E
Solução:
a1x + b1y + c 1z = d1
Temos o sistema: a2x + b2y + c 2 z = d2
a3x + b3y + c 3z = d3
A matriz A dos coeficientes das incógnitas e seu determinante D são dados por:
a1 b1 c 1 a 1 b1 c 1
A = a2 b2 c 2 D = a2 b2 c 2
a3 b3 c 3 a3 b3 c 3

Agora escrevemos a matriz Ax e seu determinante Dx , que se obtém da matriz A substituindo


a coluna dos coeficientes de x pela coluna dos termos independentes:
d1 b 1 c 1 d1 b1 c 1
Ax = d2 b2 c 2 Dx = d2 b2 c 2
d3 b3 c 3 d3 b3 c 3
De maneira análoga escrevemos Ay e Dy , Az e Dz:
a1 d 1 c 1 a 1 d1 c 1
Ay = a2 d2 c 2 Dy = a2 d2 c 2
a3 d3 c 3 a3 d3 c 3

a1 b 1 d1 a1 b1 d 1
Az = a2 b2 d2 Dz = a2 b2 d2

22
a3 b3 d3 a3 b3 d3

Como D 0 a solução do sistema, quando existir, é dada por:


x= ,y= ,z=

Utilizando os valores existentes no exercício temos:


2x – y + z = 3 2–1 1
x +y + z= 6 →D= 1 1 1→D= 5
x – y + 2z = 3 1–1 2

3 –1 1
Dx = 6 1 1 → Dx = 9
3 –1 2

2 3 1
Dy = 1 6 1 → Dy = 12
1 3 2

2 –1 3
Dz = 1 1 6 → Dz = 9
1 –1 3
Substituindo os valores nas razões temos:
x= ,y= ,z=

Descritor 31 – Determinar a solução de um sistema linear associando-o a uma matriz.

ITEM 8
Considere os pontos M (-1, 3) e N (3, 2). Assinale a alternativa que corresponde
a equação da reta que passa por estes pontos.
(A)
(B)
(C)
(D)
(E)
Gabarito: A
Solução:
O estudante deverá perceber que pela condição de alinhamento de três pontos, temos:

Descritor 8 – Identificar a equação de uma reta apresentada a partir de dois pontos


dados ou de um ponto e sua inclinação.

ITEM 9
Observe as equações apresentadas a seguir:
I) y  x 2  7 x  10
II) x2  y 2  16
III) y  x  36
IV) x 2  y  16
V) 2 x  4 y  14

23
Assinale a alternativa que apresenta uma equação correspondente a uma
circunferência.
(A) I
(B) II
(C) III
(D) IV
(E) V
Gabarito: B
Solução:
I) y  x 2  7 x  10  parábola
II) x2  y 2  16  circunferência
III) y  x  36  reta
IV) x 2  y  16  parábola
V) 2 x  4 y  14  reta
Descritor 10 – Reconhecer entre as equações de 2º grau com duas incógnitas,
as que representam circunferências.

ITEM 10
Considere a equação y = 2x – 4.
A representação gráfica desta equação é
(A)

(B)

24
(C)

(D)

(E)

Gabarito: C
Solução: Como , então a reta é crescente, e como , então a reta intercepta o
eixo das ordenadas no ponto de oredenada .

Descritor 7 – Interpretar geometricamente os coeficientes da equação de uma reta.

25