Você está na página 1de 54

Segunda-feira, 18 de Abril de 2011 III SÉRIE — Número 15

BOLETIM DA REPÚBLICA
PUBLICAÇÃO OFICIAL DA REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE

3.º SUPLEMENTO
MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Normalização e Qualidade e n.º 2 do artigo 9 do Decreto n.º 59/2009,
que aprova o Regulamento de Normalização e Avaliação da
DESPACHO
Conformidade, torna-se pública a lista de Normas Moçambicanas
Um grupo de cidadãos requereu a Ministra da Justiça o aprovadas.
reconhecimento da Associação Cooperativa Social Tsembeka como
pessoa jurídica, juntando ao pedido os estatutos da constituição. Lista de Normas Moçambicanas (NM) aprovadas por
Apreciados os documentos entregues, verifica-se que se trata de uma Comissões Técnicas de Normalização Sectorial
associação que prossegue fins lícitos, determinados e legalmente possíveis
cujo acto de constituição e os estatutos da mesma compre o escopo e os CTNSaap - CTNS aap- Comissão Técnica de Normalização Sectorial
requisitos exigidos por lei, nada obstando o seu reconhecimento. (alimentos, saúde, agro - indústria, pescas, produtos químicos, engenharia
Nestes termos e no disposto no n.º 1 do artigo 5 da Lei n.º 8/91, de 18 química e meio ambiente)
de Julho, e artigo 1 de Decreto n.º 21/91, de 3 de Outubro, vai reconhecida
como pessoa jurídica a Associação Cooperativa Social Tsembeka. 1. NM 180 2010 - Camarão congelado.

Ministério da Justiça, Maputo, 30 de Maio de 2007. – A Ministra da 2. NM 181 2010 - Peixe não eviscerado e eviscerado.
Justiça, Esperança Machavela. 3. NM 182 2010 - Modelo de certificação do peixe.
4. NM 183 2010 – Cerveja.
DESPACHO 5. NM 184 2010 - Leites concentrados.
Um grupo de cidadãos requereu à Ministra da Justiça, o 6. NM 185 2010 – Leite.
reconhecimento jurídico da Associação Câmara de Comércio de 7. NM 186 2010-Sabões comuns – Barras e blocos.
Moçambique – CCM, como pessoa jurídica, juntando ao pedido os
8. NM 187 2010 -Sabões Comuns (líquidos e Pastosos) – Tipos e
estatutos da constituição.
Características.
Apreciados os documentos entregues, verifica-se que se trata de uma
9. NM 188 2010- Sabonete super gordo.
associação que prossegue fins lícitos, determinados e legalmente possíveis,
cujo acto de constituição e os estatutos da mesma cumprem o escopo e os 10. NM 223 2010 – Refrigerantes.
requisitos exigidos por lei, nada obstando o seu reconhecimento. 11. NM 224 2010 - Bebidas espirituosas.
Nestes termos e no disposto no n.º 1 do artigo 5 da Lei n.º 8/91, de 18 12. NM 225 2010 - Carne enlatada.
de Julho, e artigo 1 do Decreto n.º 21/91, de 3 de Outubro, vai reconhecida
13. NM 226 2010 - Carne do almoço.
como pessoa jurídica a Associação Câmara de Comércio de Moçambique
14. NM 190 2010 - Sumos de frutas.
– CCM.
Ministério da Justiça, em Maputo, 1 de Novembro de 2010. — A 15. NM 191 2010 – Alho.
Ministra da Justiça, Maria Benvinda Delfina Levy. 16. NM 192 2010 – Cebola.
17. NM 193 2010 – Cenoura.
18. NM 194 2010 - Couve repolho.
Instituto Nacional de Normalização e Qualidade
19. NM 195 2010 - Código Frutas enlatadas.
Aviso
20. NM 284 2010 – Soja.
Nos termos da alínea b) do n.° 1 do artigo 13 do Decreto n.º 2/93, de
24 de Março, que aprova o Estatuto Orgânico de Instituto Nacional de 21. NM 285 2010 - Sementes de gergelim.
348 — (152) III SÉRIE — NÚMERO 15

22. NM 286 2010 - Código frutas secas. 52. NM ISO GUIA 73: 2010 -Gestão de riscos – Vocabulário.
23. NM 288 2010 - Inspecção de alimentos enlatados. CTNSmct - Comissão Técnica de Normalização Sectorial
24. NM 289 2010 - Saladas de frutas – especificações. (engenharia mecânica, Combustíveis, Caldeiras e Recipientes
sob - pressão, Transporte e metrologia)
25. NM 250 2010 - Qualidade da água - Amostragem – Parte 5:
Orientações sobre a amostragem de água potável a partir de estação de 53. NM 147:2010- Caldeiras Estacionárias a Vapor – Inspecção
tratamento e de sistemas de distribuição. de Segurança. Parte 2: Caldeiras aquotubulares.
26. NM 251 2010-Salas limpas e ambientes controlados associados – 54. NM 196:2010-NM Produtos líquidos de petróleos.
controle da biocontaminação – princípios gerais e métodos. Determinação de água pelo reagente de Karl Fischer.
27. NM 249 2010 - Código de Boas Práticas Para Limpeza, Conservação 55. NM 197:2010- Produtos de petróleo. Determinação da cor –
e Desinfecção das Unidades de Saúde. Método do colorímetro ASTM.
56. NM 198:2010- Determinação de Manganês em Gasolina por
CTNSGaq - Comissão Técnica de Normalização Sectorial Espectroscopia de Absorção Atómica.
(gestão da qualidade, gestão ambiental, segurança e normas 57. NM 199:2010 - Produtos líquidos de petróleos Determinação
básicas) dos tipos de hidrocarbonetos pelo indicador de absorção por
28. NM 174: 2010 - Bases para a quantificação dos custos de qualidade. fluorescência.
29. NM 175:2010 - Linhas de orientação para a documentação do sistema 58. NM 200:2010-Coque – Determinação da granulometria por
de gestão da qualidade. peneiramento manual – Método de ensaio.
30. NM ISO 10001:2010 - Gestão da qualidade – Satisfação do cliente 59. NM 201:2010-Cálculo do teor de carbono fixo em coque-
– Linha de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações. procedimento.
31. NM ISO 10002:2010- Gestão da qualidade – Satisfação dos clientes 60. NM 202:2010-Coque – Determinação do teor de cinzas –
– Linhas de orientação para tratamento de reclamações nas organizações. Método de ensaio.
32. NM ISO 10015:2010 - Gestão da qualidade – Linhas de orientação 61. NM 203: 2010-Coque – Determinação do teor de matérias
para a formação. voláteis.
33. NM ISO/IEC 17021:2010- Avaliação da conformidade – Requisitos 62. NM 204:2010-Recipientes transportáveis para gás de petróleo
para organismos que procedem à auditoria e à certificação de sistemas de liquefeito (GPL) – Selecção visual das condições de uso.
gestão. 63. NM 205: 2010-Recipientes transportáveis de aço para gás de
34. NM 244: 2010 -Informação e documentação – Livros e folhetos – petróleo liquefeito (GPL) – Requalificação – procedimento.
Apresentação. 64. NM 206 :2010 -Recipientes em plástico, para o transporte e/
35. NM 245:2010 -Roupa hospitalar – Características. /ou armazenamento de gás liquefeito de petróleo (GLP)- projecto,
fabricação e inspecção.
36. NM 247:2010- Roupas hospitalares – Terminologia.
65. NM 207 :2010-Roscas de fixação das válvulas dos recipientes
37. NM 248:2010- Instrumentos de medição – Réguas graduadas de
transportáveis para GPL- Dimensões.
aço – Características construtivas e requisitos metrológicos.
66. NM 208 :2010-Rosca NPT para tubos – Dimensões.
38. NM 246:2010 -Uniforme escolar – Requisitos de desempenho e
segurança. 67. NM 209 :2010 -Embalagens de produtos perigosos – classes
1,3,4,5,6,8 e 9- Requisitos e métodos de ensaio.
39. NM 172:2010 -Ética nas organizações – parte 1: Linhas de orientação
para o processo de elaboração e implementação de código de ética nas 68. NM 210 :2010-Transporte terrestre de produtos perigosos –
organizações. Incompatibilidade Química.
40. NM 173:2010 -Sistemas de gestão de recursos humanos – Requisitos. 69. NM 211: 2010 -Embalagem e acondicionamento –
Terminologia.
41. NM ISO 186:2010 -Papel e cartão – Amostragem para determinar a
qualidade média. 70. NM 212: 2010 -Transporte de produtos alimentícios
refrigerados Procedimentos e critérios de temperaturas.
42. NM ISO 187:201 -Papel cartão e pastas celulósicas Atmosfera
normalizada para condicionamento, ensaio e procedimento de controlo da 71. NM 15: 2010 -Revisão - Requisitos gerais para a rotulagem de
citmosfera e condicionamento das amostras. produtos pré-embalados e para a venda de mercadorias sujeitos ao
controlo de metrologia legal.
43. NM 178: 2010 -Tecnologia gráfica – Blocos de desenho –
Requisitos. 72. NM 16: 2010 -Revisão - Exigências técnicas e metrológicas
para balanças mecânicas de funcionamento não automático, equilíbrio
44. NM 219:2010 -Turismo -Cozinheiro em função polivalente –
não automático ou semi-automático e sem graduação.
Competência de pessoal.
73. NM 17: 2010- Revisão - Exigências técnicas e metrológicas
45. NM 220:2010 -Turismo - Servente de mesa em função especializada
para instrumentos de pesagem não automáticos de braços iguais.
– competência de pessoal.
74. NM 161: 2010- Exigências técnicas e metrológicas para
46. NM 189: 2010 -Produtos de papel para fins sanitários oratórios de
dispositivos de medição de líquidos sujeitos ao controlo de Metrologia
análises Parte 4: Guardanapo de papel folha dupla –Classificação.
Legal.
47. NM ISO 216:2010- Papel de escrever e determinados tipos de
75. NM 257:2010 -Requisitos metrológicos e técnicos para
impressos – Formatos acabados Séries A e B.
manómetros de pressão em pneus de veículos motores sujeitos ao
48. NM ISO 536:2010 -Papel e cartão – Determinação da gramagem. controlo de Metrologia Legal.
49. NM 179: 2010 -Papel e cartão – Tolerâncias de formatos e gramagem. CTNScdm - Comissão técnica de Normalização Sectorial
50. NM ISO 10013:2010- Directrizes para a documentação de sistema (engenharia civil, desenho técnico, madeira e florestas)
de gestão da qualidade. 76. NM 157: 2010- Aço laminado a quente – Varão.
51. NM 221: 2010 -Recepcionista em função polivalente – Competência 77. NM 158: 2010 -Aço laminado a quente – Varão para Betão.
de pessoal. 78. NM 159:2010 -Materiais metálicos - Ensaio de dobragem.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (153)

79. NM 160-1:2010 -Telhas de micro betão - Parte 1: Projecto e ângulo de perdas de bobinas e barras de enrolamentos de máquinas
execução de telhados. eléctricas.
80. NM 160-2:2010 -Telhas de micro betão - Parte 2: Requisitos e 117. NM 252:2010- Ar condicionado – Especificações.
métodos de ensaio. 118. NM 255:2010- Candeeiro operatório móvel – Especificações.
81. NM 162: 2010 -Tijolos de Barro Vermelho para Alvenaria. 119. NM 256:2010- Candeeiro de observatório – Especificações.
82. NM 163: 2010 -Tubos de betão para canalizações de esgoto: 120. NM 168: 2010 -Identificação dos condutores isolados e de
Ensaio de compressão diametral. cordões flexíveis.
83. NM 164: 2010 -Tubos de betão para canalizações de esgoto: 121. NM 169: 2010 -Cabos isolados com policloreto de vinilo para
Ensaio de pressão interior. tensões estipuladas até 450/750 V.
84. NM 166: 2010 -Formatos de Papel. 122. NM 170:2010 -Canalizações eléctricas – cabos com isolamento
85. NM 165: 2010 -Tijolo cerâmico para alvenaria. Verificação da com bainha de policloreto de vinilo, do tipo 05VH2-U (VVD).
resistência à compressão. características gerais.
86. NM 167: 2010- Modo de dobrar folhas de desenho. 123. NM 171:2010- Canalizações eléctricas cabos blindados com
87. NM 230-1: 2010- Componentes cerâmicos. Parte 1 Tijolos isolamento e bainha de policloreto de Vinilo, do tipo VHV. Características
cerâmicos para alvenaria de vedação terminologia e requisitos. gerais e ensaio.
88. NM 230-2:2010 -Componentes cerâmicos. Parte 2: Tijolos 124. NM NP HD 361:2010- Sistema de designação de cabos.
cerâmicos para alvenaria estrutural - Terminologia e requisitos.
125. NM 176:2010- Classificação da madeira serrada.
89. NM 230- 3: 2010 - Componentes cerâmicos. Parte 3: Tijolos
126. NM 177: 2010- Condutores isolados e cabos; fio de cobre para
cerâmicos para alvenaria estrutural e de vedação – Métodos de ensaio.
condutores eléctricos - Características gerais e ensaios.
90. NM 231: 2010 -Manual de operação, uso e manutenção das
edificações - Conteúdo e recomendações para elaboração e apresentação. 127. NM 243:2010 -Arancador para lâmpadas fluorescentes tubulares
– especificação.
91. NM 232: 2010 -Manutenção de edificações – Procedimento.
128. NM IEC 60921:2010 -Balastro para lâmpadas tubulares
92. NM 233 2010- Figuração de materiais em corte.
fluorescentes – Requisitos de desempenho.
93. NM 234: 2010 –Legenda.
129. NM NP EN 60898-2:2010-Disjuntores para protecção contra
94. NM 235: 2010 -Linhas e sua utilização. sobreintensidades para instalações domésticas e análogas.
95. NM 236: 2010 -Lista de peças. 130. NM 258:2010 -Microscópio binocular – Especificações.
96. NM 237: 2010 –Cotagem. 131. NM 259:2010 -Hemoglobinómetro – Especificações.
97. NM 238:2010 -Representação de vistas.
132. NM 260:2010-Centrífuga de 12 tubos – Especificações.
98. NM 239: 2010- Cortes e secções.
133. NM261: 2010 -Incubadora – Especificações.
99. NM 240:2010 -Representação convencional: Convenções de
INNOQ – Instituto Nacional de Normalização e Qualidade. —
utilização geral.
O Director, Alfredo Filipe Sitoe.
100. NM 241:2010 -Madeira Serrada – Terminologia.
101. NM 242:2010- Mobiliário Escolar - Parte 1- Especificações.
102. NM 262:2010 -Camas hospitalares – Especificações.
103. NM 263:2010 -Berço hospitalar para bebé – Especificações. Governo da Província do Maputo
104. NM 264:2010 -Mesa de leito – Especificações.
DESPACHO
105. NM 265:2010 -Marquesa de observação – Especificações.
Um grupo de cidadãos em representação da Associação de Tchovas,
106. NM 266:2010 -Armários – Especificações. requereu o reconhecimento como pessoa jurídica, juntando ao seu pedido
os estatutos da sua constituição.
CTNSeec - Comissão Técnica de Normalização Sectorial
(engenharia electrónica, electrónica e comunicações) Apreciados os documentos entregues, verifica-se que se trata de uma
associação que quer prosseguir fins lícitos, determinados e legalmente
107. NM 213:2010- Motores eléctricos: Potências nominais. possíveis e que o acto da constituição e os estatutos da mesma cumprem
108. NM 218:2010- Efeito do desequilíbrio das tensões sobre as com escopo os requisitos exigidos por lei nada obstando, portanto, ao
características de funcionamento dos motores assíncronos trifásicos de seu reconhecimento.
gaiola.
Neste termos e no uso das competências que me são conferidas pelo
109. NM 214:2010- Instalações eléctricas de baixa tensão Parte 3: n.º 1 do artigo 5 da Lei n.º 8/91, de 18 de Julho, reconheço como pessoa
Princípios gerais e determinação das características. jurídica a Associação de Tchovas.
110. NM 215:2010 -Aparelhos de iluminação – Designação das
Matola, catorze de Fevereiro de dois mil e onze. — A Governadora
ampolas utilizadas em lâmpadas de incandescência.
Provincial, Maria Elias Jonas.
111. NM 216: 2010- Aparelhos eléctricos de baixa tensão – linhas de
fuga e distâncias no ar, Definições e regras de medição.
112. NM 217:2010 -Aparelhagem de Baixa Tensão, aparelhagem
para instalações eléctricas fixas, domésticas e análogas – folhas de
normalização para um sistema modular. Governo da Província de Inhambane
113. NM 229:2010- Aparelhos electrodomésticos e análogos, DESPACHO
Segurança, Parte 1: Regras gerais.
114. NM 253:2010- Luzes de travões – Especificações. No uso da competência que me é conferida pelo n.º 1 do artigo 5 da
Lei n.º 8/91, de 18 de Julho, reconheço A Associação Agostiniana
115. NM 227:2010 -Aparelhos eléctricos de baixa tensão – linhas de
Reflexo de Liz – AARDEL.
fuga e distâncias no ar, regras de cálculo.
Governo da Província de Inhambane, 21 de Fevereiro de 2011. —
116. NM 228:2010 -Método de ensaio para a medição da tangente do
O Governador da Província, Agostinho Abacar Trinta.
348 — (154) III SÉRIE — NÚMERO 15

Governo da Província de Sofala cujo acto da constituição e os estatutos da mesma cumprem o escopo, os
requisitos fixados na lei, nada obstando ao seu reconhecimento.
DESPACHO
Nestes termos e no disposto no n.º 1 do artigo 5 da Lei n.º 8/91, de 18
Um grupo de cidadãos moçambicanos apresentou o pedido de
de Julho, conjugado com o artigo 2 do Decreto n.º 21/91, de 3 de
reconhecimento como pessoa jurídica, juntando ao pedido os estatutos
da constituição. Outubro, vai reconhecida como pessoa jurídica a Associação Kujima.
Apreciados os documentos entregues, verifica-se que se trata de uma Governo da Província de Sofala, na Beira, 16 de Dezembro de 2009. —
associação que prossegue fins lícitos, determinados e legalmente passíveis O Governador da Província, Alberto Clementino António Vaquina.

Governo da Província da Zambézia


Contrato de Concessão Florestal n.º 35/ZAM/2010
Entre:
O Estado moçambicano, representado pelo governador provincial da Zambézia senhor Francisco Itai Meque, com poderes bastantes para o efeito,
nos termos do artigo 28, n° 1 do Decreto n.° 12/2002, de 6 de Junho, ora em diante designado por concedente, com domicilio em Quelimane
A Madeiras Jorge Bing e Filhos, Limitada com sede na Avenida Julius Nherere, cell 825910817, na cidade de Quelimane, representado pelo
senhor Jorge Bing, com poderes bastantes para o efeito, ora em diante designado por concessionário, com sede em Quelimane.
CLÁUSULA 1.ª
Objecto

O concedente atribui ao concessionário, em regime de concessão florestal, uma área de exploração florestal com 20.000 ha, conforme o mapa de
delimitação (Anexo I) que é parte integrante do presente contrato, situado na localidade de Derre, posto administrativo de Derre, distrito de
Morrumbala, província da Zambézia.

CLÁUSULA 2.ª

Duração

O presente contrato é elaborado por um período de 50 anos, prorrogáveis a período do concessionário e nos termos da lei.

CLÁUSULA 3.ª

Plano de Maneio

1. O concessionário obriga-se a apresentação de um plano de maneio.


2. O concessionário obriga-se, no exercício das suas actividades a cumprir integralmente o plano de maneio devidamente aprovado.
3. O incumprimento de plano de maneio preceituado no número anterior implicará de acordo com o calendário estabelecido:
a) Cancelamento do contrato e da concessão florestal se o cumprimento do plano estiver abaixo dos 25%;
b) Redimensionamento da área e revisão do plano de maneio correspondente se o cumprimento do plano estiver entre 25% a 50%;
c) Aviso recomendação técnica para o cumprimento integral do plano de maneio se o cumprimento estiver entre 50% a 75%.

CLÁUSULA 4.ª

Espécies e quotas

1. Ao abrigo do presente contrato e de acordo com o Plano de Maneio aprovado o concessionário está autorizado a proceder, nos primeiros três
anos da vigência do presente contrato, a exploração sustentável das espécies florestais constantes no Anexo II do Decreto n.º 12/2002, de 6 de Julho
(tabela abaixo). Após este período a exploração florestal ficará condicionada a revisão do plano de maneio.

Nome Condicional Nome Científico NomeVernacular Classe Diâmetro Mínimo


Pau-preto .................. Dalbergia Melanoxylon ............................................................. Npive .......................... Preciosa 20
Jambire ..................... Millettia Stuhlmannil ................................................................ Jambire ...................... 1 40
Umbila ...................... Pterocarpus angolensis ............................................................. Mbila .......................... 1 40
Mucarara ................... Burkea africana ........................................................................... Mucarati .................... 2 40
Muaga ........................ Periscopsis angolensis .............................................................. Changa ....................... 1 40
Messassa ................... Julbernadia globiflora ............................................................... Ntoma ......................... 3 40
Chanfuta ................... Afzlia quansensis ....................................................................... Mussossa ................... 1 50
Ntholo ....................... Pseudolachonostylis maprouuneifolia .................................... Mussolo .................... 3 40
Mulonde ................... Xeroderris stuhlmannii .............................................................. Merreonde ................. 3 40
Tanga-Tanga ............. Albizia versicolor Tingara ....................... 1 40
Murroto ..................... Brachystegia spiciformis .......................................................... Murroto ..................... 2 40
Tela ............................ Uapaca nítida .............................................................................. Tela ............................. 3 40
Umbaua Khaya nyasica ............................................................................. Mbaua ........................ 1 50
Mfula ......................... Sclerocarya birrea ....................................................................... Tsula .......................... 2 50
Nhacuada .................. Swartzia madagascarienses ........................................................ Nhacuada ................... 1 30
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (155)

2. O concedente pode interditar, total ou parcialmente, a exploração b) Permitir o acesso das comunidades locais, dentro da área de
de uma ou mais espécies desde que se reconheça que da sua extracção concessão, aos recursos naturais de que estes careçam para
possam resultar prejuízos para a floresta. o consumo próprio, nos termos da lei;
3. Ficarão interditos a exploração os exemplares que o concedente c) Permitir, a livre circulação de pessoas e bens, dentro da área de
mandar reservar e marcar como árvores “ porta sementes” bem como as concessão;
manchas localizadas de floresta em que a actividade de exploração se d) Dar preferência as comunidades locais, no recrutamento de
revele altamente prejudicial ao equilíbrio ecológico. mão-de-obra para a concessão;
e) Em consenso com as comunidades locais e na presença das
CLÁUSULA 5.ª
Autoridades Administrativas locais preencher anualmente
Taxas em formulário próprio os benefícios para as comunidades
locais e submeter a entidade licenciadora;
1. Pela área de exploração florestal objecto do presente contrato, o
f) Ao abrigo do contrato assinado com o concedente o
concessionário pagará ao concedente uma taxa anual a ser aprovada,
concessionário deverá cumprir com os acordos os
sem prejuízo das taxas devidas ao Estado pela exploração de outros consensualmente estabelecidos com as comunidades locais
recursos florestais existentes na área. nos termos da sua comparticipação na partilha de benefícios.
2. O valor referente a taxa de exploração florestal deverá ser paga
até 31 de Março do ano a que diz respeito. 2. O concessionário tem do direito de beneficiar das comunidades
3. O não pagamento da taxa no prazo referido no número anterior, locais:
implicará a interdição de exploração florestal, a qual se tornará definitiva a) Da comparticipação na vigência, sobre a exploração sustentável
se não houver regularizado até doze meses. dos recursos através de fiscais comunitários;
b) Do combate as queimadas descontroladas e quaisquer outras
CLÁUSULA 6.ª formas de perturbação e degradação da floresta.
Exclusividade 3. O concessionário terá as garantias das autoridades locais:
1. O concessionário tem direito exclusivo de exploração, investigação, a) Do benefício de integração nos planos estratégicos dos programas
estudo dos recursos florestais constantes no objecto deste contrato, e de desenvolvimento local;
com este objectivo desenvolver as operações e trabalhos que se mostrem b) Do encaminhamento dos 20% atribuídos as comunidades pela
necessários. exploração florestal dos recursos.
2. Opor-se a atribuição parcial ou total, a terceiros da área de concessão
CLÁUSULA 10.ª
para fins incomparáveis, com o objecto deste contrato.
Inicio da Exploração
CLÁUSULA 7.ª
A exploração florestal só terá início após a verificação pelo concedente,
Instalações das seguintes condições:
1. A área de concessão florestal será provisoriamente delimitada, por a) Que tenham vistorias as instalações sociais e industriais
meio de picada perimetral de 2 metros de largura. estabelecidas;
2. O concessionário deverá proceder a delimitação da área respectiva b) A delimitação de blocos de exploração anual, devidamente
concessão no prazo máximo de 2 anos, devendo suportar os custos das assinados com tabuletas, de acordo com o plano de maneio;
mesmas. c) A determinação do quantitativo e qualitativo das espécies objecto
3. O concessionário deve afixar tabuletas em locais definidos de de exploração;
acordo com o plano de maneio de concessão, com os seguintes dizeres: d) O pagamento da taxa de exploração, de acordo com o volume
Nome do Concessionário
de corte anual constante do plano de maneio aprovado pelo
Contrato de Concessão florestal n.°
sector;
Data da autorização
e) A emissão de licença anual de exploração;
Término
f) Contratação de fiscais ajuramentados pelo concessionário, nos
4. A delimitação da área de concessão deverá ser feita usando as termos da lei.
normas contidas no Anexo Técnico ao Regulamento da Lei de Terras,
aprovado pelo Diploma Ministerial n.° 29-A/2002, de 17 de Março, 4. A falta de cumprimento de qualquer dos requisitos mencionados
com as necessárias adaptações. no número anterior implicará a não emissão da licença anual, sem prejuízos
5. As normas de delimitação seguem o prescrito na circular 04/ da consequência prevista na alínea d) do artigo 29 do regulamento da Lei
DINATF/06. de Floresta e Fauna Bravia.

CLÁUSULA 8.ª CLÁUSULA 11.ª


Implantação de infra-estruturas Publicação
O concessionário tem direito de usufruir, na área de concessão, dos 1. O concessionário deverá, no prazo de trinta dias contados da data
terrenos necessários para a realização dos trabalhos de exploração da assinatura do presente contrato, proceder a sua publicação no Boletim
florestal, nomeadamente a implementação das respectivas instalações da República.
industriais, sociais e de gestão, sujeitos ao pedido de uso e aproveitamento 2. Após a publicação do contrato no Boletim da República, o
da terra nos termos da legislação respectiva. concessionário deve emitir uma comunicação a DPA-SPFFB, com uma
CLÁUSULA 9.ª cópia anexada no Boletim da República pela Imprensa Nacional.

Terceiros, comunidades e autoridades locais


CLÁUSULA 12.ª
Fiscalização
1. O concessionário deverá:
a) Respeitar os direitos de terceiros existentes na área, quer de 1. A área da concessão estão sujeitas a fiscalização relativamente a
pessoas singulares, agentes económicos privados desde que todos aspectos da competência do concedente, nomeadamente o
não colidam com o objecto deste contrato; cumprimento da Lei e do contrato.
348 — (156) III SÉRIE — NÚMERO 15

2. O concessionário deve prestar toda a informação e facultar todos 2. O concessionário poderá solicitar a rescisão do contrato se:
os documentos que lhes forem solicitados, bem como permitir o livre a) Por motivo de força maior, se tomar impossível a continuação
acesso dos funcionários e fiscais na área de concessão. das actividades;
b) Por motivo que outrem inviável económica e financeiramente a
CLÁUSULA 13.ª
continuação da actividade.
Informação
CLÁUSULA 19.ª
1. O concessionário enviará mensalmente nos prazos definidos pelos
Serviços Provinciais de Florestas e Fauna Bravia os mapas resumo das Alterações
operações, quais deverão conter obrigatoriamente informação estatística O presente contrato poderá ser objecto de alteração, total ou parcial,
completa sobre a produção, transformação e comercialização, exportação especificadas as cláusulas alteradas e a sua redacção, as quais contarão
e stoks. numa adenda, escrita e assinada por ambas as partes.
2. A falta da informação implica a não renovação da licença anual.
CLÁUSULA 20.ª
CLÁUSULA 14.ª
Segurança laboral
Responsabilidade
O concessionário obriga-se a respeitar a legislação laboral e a
O concessionário é responsável pelas transgressões e ligação florestal segurança social aplicável aos seus trabalhadores.
e pelos actos contrários as disposições deste contrato, provocados pelos
seus trabalhadores ou pessoal sob sua responsabilidade. CLÁUSULA 21.ª

CLÁUSULA 15.ª Resolução de conflitos

Repovoamento florestal As partes são obrigadas a notificar uma a outra por escrito, a existência
de qualquer diferendo resultante da aplicação desde contrato.
1. Se da actividade de exploração florestar resultar a degradação dos
recursos, o concessionário é obrigado a proceder ao repovoamento CLÁUSULA 22.ª
florestal quer das espécies nativas ou exóticas. Omissões
2. O concessionário deverá fazer a reposição das espécies conforme
o plano de maneio. As questões suscitadas sobre a interpretação e execução das cláusulas
deste contrato, bem como quaisquer casos omissos, serão resolvidas
CLÁUSULA 16.ª com base na interpretação da legislação aplicável.
Renovação CLÁUSULA 23.ª
1. O concessionário deverá requerer doze meses antes do fim do Legislação aplicável
presente contrato, que lhe seja renovado, indicando o período proposto
1. Além do que dispõe este contrato as partes cumprirão todas as
demonstrando que continua exercer a actividade objecto da concessão,
disposições que lhes forem aplicáveis pela Legislação Florestal e
preenchendo os demais requisitos postulados no artigo 30 do Decreto
Faunística, e demais legislação em vigor no País.
n.º 12/2002, de 6 de Junho. 2. Qualquer diferendo entre as partes surja no decurso da execução
2. O concedente poderá renovar o contrato de concessão por do presente contrato será sempre que possível resolvido por negociação
determinado período fixando os termos e condições que entender entre as partes.
apropriados ou recusar a sua renovação, num e outro caso deverá
comunicar o respectivo despacho ao requerente, até noventa dias antes CLÁUSULA 24.ª
do término da concessão. Disposição final

CLÁUSULA 17.ª As partes declaram conhecer o sentido das cláusulas do presente


contrato e comprometem-se a cumpri-los na íntegra.
Transmissão Assim como dizem e reciprocamente aceitam nas suas referidas
1. A transmissão do contrato florestal carece de autorização do qualidades, e vão assinar o presente contrato em quadruplicado, com o
governador Provincial, analisada a idoneidade do transmissionário, sem chefe dos serviços provinciais de Floresta e Fauna Bravia e outras
prejuízo das regras gerais de sucessão. testemunhas.
2. Autorização a transmissão, o transmissionário mantém os direitos O Governo da Província da Zambézia, Quelimane, 12 de Outubro de
e obrigações do transmitente. 2010. — Governador da Província, Francisco Itai Meque.

CLÁUSULA 18.ª
Alterações
Assembleia Municipal de Chimoio
1. O concedente poderá rescindir o contrato se si verificar:
a) Transmissão sem prévia autorização; X Sessão Ordinária
b) Falência ou insolvência do concessionário; Deliberação n.º 23/Amc/SO/2010, de 9 de Dezembro
c) O não pagamento da taxa anual dentro de 3 anos consecutivos;
d) Notória insuficiência para as operações silviculturais, exploração Sobre o Plano de Actividades e Orçamento do Conselho Municipal
e processamento industrial e de preservação previstas no para o ano 2011
plano de maneio; A Assembleia Municipal de Chimoio, reunida na sua X Sessão
e) Inicio da exploração sem o cumprimento do clausulado; Ordinária, com 36 dos 39 membros em plena efectividade de funções,
f) Paralisação da exploração ou das operações industriais por nos dias 6, 7, 8 e 9 de Dezembro de 2010, apreciou o Plano de Actividades
período superior a (um) ano. e do Orçamento do Conselho Municipal para o ano 2011.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (157)

Da apreciação feita, a Assembleia Municipal constatou que: Para o exercício de 2011, fundamenta-se na estratégia do Governo
1. Sobre o Plano de Actividades de combate à pobreza e de materialização dos Objectivos do
– No geral, a proposta do Plano de Actividades do Conselho Desenvolvimento Municipal, com destaque para os sectores de vias de
Municipal foi elaborada com base nas suas atribuições comunicação, saneamento do meio ambiente e água potável.
definidas pela alínea d) do n.º 1 do artigo 56, da Lei Para o alcance destes objectivos, o Conselho Municipal adopta a
n.º 2/97, de 18 de Fevereiro, conjugadas com a alínea d)
presente proposta do Orçamento do Conselho Municipal para 2011 como
do n.º 1 do artigo 66 do Regulamento Interno;
um instrumento para a operacionalização do Programa Quinquenal de
– O mesmo visa dar resposta as acções a serem desenvolvidas
ao longo do ano em referência, na base do Programa Governação Autárquica 2009-2013, baseando-se no Plano de Actividades
Quinquenal da Autarquia e responder as aspirações da Económico e Social 2011.
vida dos munícipes; O investimento Autárquico visa a transformação estrutural da melhoria
– Há actividades que foram retiradas por dificuldades que se de condições dos munícipes, na busca de condições necessárias.
prendem com exiguidade de recursos financeiros e As previsões de receitas e despesas baseiam-se no potencial de
humanos e que transitaram do plano anual de 2010 para cobranças previstas no quadro legal económico, na melhoria da eficiência
2011, segundo foi constatado na I Revisão do Plano de de arrecadação e na racionalização dos benefícios fiscais e da despesa
Actividades e do Orçamento de 2010; autárquica, bem como no processo de desembolso de fundos pelo Estado
–Algumas actividades em determinados pelouros não estavam no âmbito do Fundo de Compensação Autárquica (FCA), Fundo de
localizadas e quantificadas;
Investimento de Iniciativa Autárquica (FIIA) e Fundo de Estradas (FE).
– A Toponímia é uma tarefa a dar prioridade no ano 2011.
Por outro lado, têm em conta a actual conjuntura internacional caracterizada
2. Sobre o Orçamento pela subida dos preços de combustíveis e de produtos primários. A
– A proposta do Orçamento do Conselho Municipal para o racionalização da despesa traduzir-se-á na escolha selectiva das actividades
ano económico 2011, foi elaborada com base na Lei de maior impacto para a vida dos munícipes e para o desenvolvimento
Orçamental e em princípios estabelecidos no n.º 1 do Autárquico.
artigo 9 da Lei n.º 1/2008, de 16 de Janeiro,
Para obtenção dos objectivos propostos, são factores condicionantes:
nomeadamente anualidade, unidade, universalidade,
especificação, não compensação, não consignação e –A implementação do Código Tributário Autárquico;
equilíbrio; – A prospecção de mais fontes de receitas;
– O Orçamento, corresponde com as necessidades das – A operacionalização dos diversos sectores ligados a matéria
actividades planificadas. colectável;
A Assembleia Municipal, em função das constatações, produziu as – A revisão de tarifas e taxas pela prestação de serviços no âmbito
necessárias sugestões e correcções tendo sido acolhidas pelo proponente. da Lei n.º1/2008, do Código Tributário Autárquico, aprovado
Assim, ao abrigo das competências atribuídas pela alínea b) do n.º 3
pelo Decreto n.º 63/2008, de 30 de Dezembro e do Código
do artigo 45 da Lei n.º 2/97, de 18 de Fevereiro, conjugadas com alínea b)
de Postura Municipal.
do n.º 1 do artigo 27 do Regimento, a Assembleia Municipal, delibera:

ARTIGO 1 1. Realização das Receitas

Aprovar a proposta do Plano de Actividades e do Orçamento do Para o exercício económico de 2010, foi programada uma arrecadação
Conselho Municipal para o ano económico 2011, fixando-o em de receitas no valor de 75 000 000,00 MT.
80 000 000,00MT (Oitenta milhões de meticais), o qual é parte integrante O nível de arrecadação para o terceiro trimestre situou-se em 45 580 831,04MT,
da presente Deliberação. representando 61% em relação a execução do mesmo.
ARTIGO 2 Equilíbrio Orçamental
No quadro a seguir estão ilustrados o volume de recursos e as despesas
Recomendar ao Conselho Municipal para:
totais que consubstanciam o Orçamento do Conselho Municipal para o
1. Elaborar a adenda orçamental contendo as necessidades de
ano 2011.
funcionamento da Assembleia Municipal, até 31 de
O envelope de recursos totais programado para o exercício económico
Dezembro de 2010; e
2. Dar prioridade às actividades retiradas na primeira Revisão de de 2011 cifra-se em 80 000 000,00MT, correspondendo a uma subida de
2010, como as construções de pontecas de ligação entre os 7% em relação ao orçamento de 2010. Deste montante, 31 825 090,00MT
bairros Vila-Nova e 16 de Junho; Nhamaonha e Josina Machel representam os recursos que resultarão da tributação das receitas próprias,
e outras previstas para o ano 2011, que sejam de impacto 26 787 290,00MT referem-se a transferências Correntes de Entidades
para a vida dos munícipes e da autarquia.
do Estado-Fundo de Compensação Autárquica (FCA), 11 687 620,00MT,
Aprovada pela X Sessão Ordinária da Assembleia Municipal de a transferências de capital do Estado- como: Fundo de Investimento de
Chimoio, a 9 de Dezembro de 2010. — O Presidente, Hobana Uilissone Iniciativa Autárquica(FIIA), 7 100 000,00MT, transferências
Matessa.
extraordinárias do Estado- Fundo de Estradas(FE), e 2 600 000,00MT
referem-se a donativos.
Orçamento para o exercício económico de 2011 As receitas próprias correspondem a 40% do orçamento municipal,
I. Introdução as transferências do Estado, a 57% e donativos a 3%. Portanto, nota-se
O Orçamento Autárquico é um acto de previsão das despesas e receitas que o Município ainda não consegue atingir localmente níveis de receitas
necessárias para o funcionamento dos serviços públicos da autarquia a que, no mínimo, financiariam a totalidade das despesas correntes, devido
realizar num determinado exercício económico. È um acto de estimação a vários constrangimentos que começam pela falta de matriz predial,
da actividade financeira, económica, social e cultural da autarquia para o cadastro de todos os potenciais contribuintes abrangidos pelo Código
ano seguinte. Tributário Autárquico.
348 — (158) III SÉRIE — NÚMERO 15

O Gráfico a baixo ilustra a planificação de receitas para 2011

Mapa Demonstrativo do Equilíbrio Orçamental meticais), correspondentes a 71% do orçamento, serão absorvidos para
financiar as despesas correntes do Município, para o seu normal
2010 2011
funcionamento. O montante de 23 092 510,00MT (vinte e três milhões
Total de recursos .................... 75 000 000,00 80 000 000,00 noventa e dois mil quinhentos e dez meticais), correspondentes a 29%,
Receitas próprias .................... 26825090,00 31825090,00 absorvirão as despesas de investimento. Assim, o princípio de equlíbrio
Fundo de de comp. autárquico 26787290,00 26787290,00 orçamental segundo o qual as receitas totais previstas para determinado
exercício económico devem ser iguais às despesas totais programadas
Fundo de investimento autárquico 11687620,00 11687620,00
para o mesmo exercício, fica totalmente assegurado.
Fundo de estradas ................... 7100000,00 7100000,00
Em anexo, as tabelas 1 e 2 de Receitas e Despesas.
Donativos ............................... 2600000,00 2600000,00
Assim, ao abrigo do disposto pela alínea d) do n.º1 do artigo 56 da
Total de despesasa .................. 75000000,00 80000000,00 Lei n.º2/97, de 18 de Fevereiro, conjugado com alínea d) do n.º 1, do
Despesas correntes ................. 53814500,00 56907490,00 artigo 36 do Regulamento Interno, o Conselho Municipal submete a esta
Despesas de capital 21185500,00 23092510,00 Magna Assembleia Municipal a proposta do Orçamento para o ano
económico de 2011, para apreciação e aprovação o qual é fixado em
80 000 000,00MT (oitenta milhões de meticais).
As despesas totais para o ano de 2011 situam-se em 80 000 000,00MT
(oitenta milhões de meticais). Deste montante, 56 907 490,00MT Chimoio, 1 de Novembro de 2010. — O Presidente, Raúl Conde
(Cinquenta e seis milhões novecentos e sete mil quatrocentos e noventa Marques Adriano.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (159)

Tabela 1 - Receitas
Modelo para a elaboração do orçamento Autárquico 2011

Código Descrição UN: Mil meticais

2010 2011
1 Receitas correntes 55.162,38 57.022,38
1,1 Receitas fiscais 6.430,00 6.430,00
1.1.1 Imposto sobre o rendimento 20,00 20,00
1.1.1.1 Imposto autárquico de comércio e indústria
1.1.1.3 Imposto autárquico de SISA 20,00 20,00
1.1.2 Imposto sobre bens e serviços 2.900,00 2.900,00
1.1.2.1 Imposto predial autárquico 2.000,00 2.000,00
1.1.2.3 Imposto autárquico de veículos 900,00 900,00
1.1.3 Outros impostos 3.510,00 3.510,00
1.1.3.1 Imposto pessoal autárquico 500,00 500,00
1.1.3.2 Taxa por actividade económica 3.000,00 3.000,00
1.1.3.3 Derramas
1.1.3.4 Adicionais sobre os impostos do Estado
1.1.3.99 Outros impostos 10,00 10,00
1,2 Receitas não fiscais 19.345,09 21.205,09
1.2.1 Taxas por licenças concedidas 14.908,81 16.768,81
1.2.1.1 Realização de infras-estruturas e equipamento simples 70,00 70,00
1.2.1.2 Loteamento 70,00 70,00
1.2.1.3 Execução de obras particulares e ocupação de via pública 300,00 300,00
1.2.1.5 Utilização de edifícios 60,00 100,00
1.2.1.6 Uso e aproveitamento do solo autárquico 5.000,00 5.000,00
1.2.1.7 Ocupação e aproveitamento do domínio público 2,00 2,00
1.2.1.9 Prestação de serviços 5,00 5,00
1.2.1.10 Ocupação e utilização de locais reservados nos mercados e feiras 4.736,21 5.736,21
1.2.1.11 Autorização de venda ambulante nas vias e recintos públicos 700,00 700,00
1.2.1.12 Aferição e confeção de pesos, medidas e aparelhos de medição 80,00 80,00
1.2.1.13 Estacionamento de veículos 1.200,00 1.500,00
1.2.1.14 Autorização para emprego de meios de Publicidade dest. a p.comercial 2.500,00 3.000,00
1.2.1.15 Cemitério e realização de enterros 60,00 60,00
1.2.1.16 Instalações dest.ao conf.c.e recreio público 2,00 2,00
1.2.1.17 Licenças sanitárias de instalações 10,00 10,00
1.2.1.18 Registos determinados por lei 80,60 100,60
1.2.1.99 Outras 33,00 33,00
1.2.2 Tarifas e taxas pela prestação de seviços 3.644,00 3.644,00
1.2.2.1 Recolha, depósito e tratamento de lixo 3.000,00 3.000,00
1.2.2.2 Ligação, conservação e tratamento de esgotos 5,00
1.2.2.3 Abastecimento de água
1.2.2.4 Abastecimento de energia eléctrica 12,00 12,00
1.2.2.5 Utilização de matadouros 77,00 77,00
1.2.2.6 Transportes urbanos colectivos de pessoas e mercadorias
1.2.2.7 Manutenção de jardins e mercados 50,00 45,00
1.2.2.8 Manutençao de vias 500,00 500,00
1.2.2.99 Outras 5,00 5,00
1.2.3 Outras Receitas não fiscais 792,28 792,28
1.2.3.1 Reembolso, reposição e indemnizações 77,28 77,28
1.2.3.2 Receitas de operações financeiras 5,00 5,00
1.2.3.3 Coimas e multas 700,00 700,00
1.2.3.4 Comparticipação de APIE
1.2.3.99 Outras 10,00 10,00
1,3 Receitas consignadas - -
1.3.0.1 Taxas consignadas as instituições da artarquia
1.3.0.2 Taxas consignadas aos serviços autónomos
1,4 Produto de transferências correntes de entidades públicas 26.787,29 26.787,29
1.4.1 Transferências correntes do Estado 26.787,29 26.787,29
1.4.1.1 Fundo de compensação autárquicas 26.787,29 26.787,29
1.4.1.2 Transferências de competências e atribuições
1.4.1.3 Transferências extraordinárias
1.4.2 Transferências correntes de outras entidades públicas
1.4.2.99 Outras
1,5 Donativos 2.600,00 2.600,00
1.5.0.1 Herança, legado, doações e outras liberalidades
1.5.0.2 Donativos em espécie a projectos
1.5.0.3 Donativos consignados a projectos
1.5.0.99 Outros 2.600,00 2.600,00
348 — (160) III SÉRIE — NÚMERO 15

2 Receitas de Capital 19.837,62 22.977,62


2,1 Alienação do património da autarquia 150,00 150,00
2.1.0.1 Alienação de bens imóveis
2.1.0.2 Alienação de outros bens de património 150,00 150,00
2,2 Outras receitas de capital 1.000,00 4.140,00
2.2.1 Rendimento de servicos pertecentes a autarquia - -
2.2.1.1 Serviços directamente administrado pela autarquia
2.2.1.2 serviços dados em concessão
2.2.2 Rendimento de bens móveis e imóveis 1.000,00 4.140,00
2.2.2.1 Bens de móveis, incluindo equipamentos
2.2.2.2 Bens de imóveis, incluindo rendas e foro sobre terras 1.000,00 4.140,00
2.2.3 Rendimentos de participações financeiras - -
2.2.3.1 Participações financeiras em empresas públicas autárquicas
2.2.3.99 Outras participações financeiras
2,3 Produto de transferências de capital de entidades públicas 18.687,62 18.687,62
2.3.1 Transferências de capital do estado 18.687,62 18.687,62
2.3.1.1 Investimento de iniciativa local 11.587,62 11.587,62
2.3.1.2 Transferências extraordinárias
2.3.1.3 Outras transferências de capital do Estado 7.100,00 7.100,00
2.3.2 Transferências de capital de outras entidades públicas
2.3.2.1 Outras entidades públicas
2,4 Donativos - -
2.4.0.1 Herança, legados, doações e outras liberalidades
2.4.0.2 Donativos consignados a projectos
2.4.0.3 Donativos em espécie a projectos
2.4.0.99 Outros
- -
2,5 Produtos de empréstimos
2.5.0.1 Banco central
2.5.0.2 Outros bancos e instituições finaqnceiras
2.5.0.3 Emissão de obrigações
Receitas totais (1+2) 75.000,00 80.000,00

Modelo para elaboração do Orçamento Autárquico para 2011 Tabela 2 - Despesas


Município de Chimoio
Código Descrição UM: Mil meticais

2010 2011
1 Despesas correntes 53.814,50 56.907,49
1.1 Despesas com o pessoal 37.279,80 39.837,49
1.1.1 Salários e remunerações 35.755,80 38.313,49
1.1.1.0.01 Vencimento base do pessoal do quadro 21.238,60 22.725,30
1.1.1.0.02 Vencimento base do pessoal fora do quadro 5.502,10 5.887,24
1.1.1.0.04 Pessoal aguardando aposentação 160,00 176,00
1.1.1.0.06 Gratificação de chefia 50,00
1.1.1.0.07 Outras remunerações certas
1.1.1.0.08 Remunerações extraordinárias 8.855,10 9.474,95
1.1.1.0.99 Outras remunerações
1.1.2 Outras despesas com o pessoal 1.524,00 1.524,00
1.1.2.0.01 Ajudas de custo dentro do país 900,00 900,00
1.1.2.0.02 Ajudas de custo fora do país 200,00 200,00
1.1.2.0.05 Representação 200,00 200,00
1.1.2.0.06 Subsídio de combustível e manutenção de viaturas 24,00 24,00
1.1.2.0.07 Suplemento de vencimentos
1.1.0.08 Subsídio de funeral 150,00 150,00
1.1.2.0.99 Outras despesas 50,00 50,00
1,2 Despesas com bens e serviços 14.510,00 15.370,00
1.2.1 Bens 8.900,00 9.650,00
1.2.1.0.01 Combustíveis e lubrificantes 4.000,00 4.000,00
1.2.1.0.02 Manutenção e reparação de imóveis 700,00 800,00
1.2.1.0.03 Manutenção e reparação de equipamentos 800,00 900,00
1.2.1.0.04 Construções e equipamentos militares
1.2.1.0.05 Material não duradouro de escritório 1.000,00 1.050,00
1.2.1.0.06 Material duradouro de escritório 600,00 750,00
1.2.1.0.07 Fardamento e calçado 600,00 750,00
1.2.1.0.08 Outros bens não duradouros 700,00 800,00
1.2.1.0.99 Outros bens duradouros 500,00 600,00
1.2.2 Serviços 5.610,00 5.720,00
1.2.2.0.01 Comunicações 850,00 850,00
1.2.2.0.02 Passagens dentro do país 300,00 320,00
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (161)

1.2.2.0.03 Passagens fora do país 50,00 100,00


1.2.2.0.04 Renda de instalações 500,00 550,00
1.2.2.0.05 Manutenção e reparação de imóveis 280,00 400,00
1.2.2.0.06 Manutenção e reparação de equipamentos 350,00 400,00
1.2.2.0.07 Transporte e carga 80,00 100,00
1.2.2.0.08 Seguros 100,00 100,00
1.2.2.0.09 Representação 1.000,00 1.000,00
1.2.2.0.10 Consultorias e assistência técnica residente 550,00 200,00
1.2.2.0.11 Consultorias e assistência técnica não residente 500,00 500,00
1.2.2.0.12 Água e electricidade 300,00 450,00
1.2.2.0.99 Outros 750,00 750,00
1.4 Transferências correntes
1.4.1.0.03 Direitos aduaneiros
1.4.1.0.04 Outros impostos indirectos
1.4.1.0.99 Outras transferencias
1.4.3 Famílias 450,00
1.4.3.3.99 Outras despesas sociais 450,00
1.4.3.4 Outras transferências às Famílias 285,70 350,00
1.4.3.4.01 Bolsas de estudo 285,70 350,00
1.4.3.4.99 Outras transferencias
1.4.4 Exterior
1.4.4.0.02 Organismos internacionais sectoriais
1,5 Subsídios
1.5.1 Sociedades
1.51.0.01 Empresas
1.51.0.02 Juros bonificados
1.51.0.03 Restituição de cobranças indevidas
1.51.0.99 Outras
1,6 Outras despesas correntes
1.6.0.0.01 Dotação provisional
1.6.0.0.02 Restituições de cobranças indevidas
1.6.0.0.99 Outras despesas correntes
1,7 Exercícios findos 1.739,00 900,00
1.7.0.0.01 Salários e remunerações 439,00
1.7.0.0.02 Outras despesas com opessoal
1.7.0.0.03 Bens 800,00 500,00
1.7.0.0.04 Serviços 500,00 400,00
2 Despesas de Capital 21.185,50 23.092,51
2,1 Bens de capital 21.185,50 23.092,51
2.1.1 Construções 13.766,20 17.324,51
2.1.1.0.01 Habitações 2.300,00 3.429,00
2.1.1.0.02 Edifícios 1.500,00
2.1.1.0.99 Outras 11.466,20 12.395,51
2.1.2 Maquinaria e equipamento 7.419,30 5.768,00
2.1.2.0.01 Meios de transportes 4.240,00 3.608,00
2.1.2.0.99 Outra maquinaria e equipamento 3.179,30 2.160,00
2.1.3 Outros bens de capital
2.1.3.0.01 Melhoramentos fundiários
2.1.3.0.99 Outros Bens de capital
2,2 Transferências de capital
2.2.1 Administrações públicas
2.2.1.0.03 Direitos aduaneiros
2.2.1.0.04 Outros impostos indirectos
2.2.1.0.99 Outras transferências
2.2.2 Outras transferências de capital
2.2.2.0.02 Famílias
2.2.2.0.03 Sociedades
2.2.2.0.04 Exterior
2,3 Outras despesas de capital
2.3.0.0.01 Dotação provisional
2.3.0.0.99 Outras despesas de capital
3 Operações Financeiras
3,1 Operações activas
3.1.0.0.01 Capital social das empresas
3.1.0.0.02 Outros
3,2 Operações passivas
3.2.0.0.01 Amortizações de emprestimos externos
3.2.0.0.02 Amortizações de emprestimos internos bancários
3.2.0.0.03 Obrigações internas
Receitas totais (1+2) 75.000,00 80.000,00
348 — (162) III SÉRIE — NÚMERO 15

Cálculo do Impacto Orçamental dos Membros da Assembleia Municipal Anexo: 1

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe S/Transporte Represent. G.Chefia B.Especial Total

1 Presidente 1 17.157,00 17.157,00 223.041,00 29.412,00 44.112,00 296.565,00


2 Vice presidente 1 15.931,00 15.931,00 207.103,00 207.103,00
3 Secretário 1 11.029,00 11.029,00 143.377,00 143.377,00
4 Chefe da bancada 2 9.804,00 19.608,00 254.904,00 23.520,00 278.424,00
5 Presidente da comissão 6 9.804,00 58.824,00 764.712,00 41.160,00 805.872,00
6 Relator 5 9.804,00 49.020,00 637.260,00 29.400,00 666.660,00
7 Membro 23 9.804,00 225.492,00 2.931.396,00 2.931.396,00
Total 39 83.333,00 397.061,00 5.161.793,00 29.412,00 44.112,00 94.080,00 5.329.397,00

Cálculo do Impacto Orçamental dos Membros do Conselho Municipal Anexo: 2

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe S/Transporte Represent. G.Chefia B.Especial Total

1 Presidente 1 24.510,00 24.510,00 318.630,00 24.000,00 200.000,00 176.472,00 719.102,00


2 Vereador a tempo inteiro 4 18.854,00 75.416,00 980.408,00 980.408,00
3 Vereador a tempo 6 9.427,00 56.562,00 735.306,00 735.306,00
parcial 11 52.791,00 156.488,00 2.034.344,00 24.000,00 200.000,00 176.472,00 2.434.816,00
Total

Anexo: 3
Cálculo do Impacto Orçamental do Pessoal do Quadro de 2011
Designação Impácto orçamental anual
Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento Suplentos
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe G.chefia S.Risco T:C:Excp B.Especiais Total

1 Director de departamento municipal 2 12.569,00 25.138,00 326.794,00 120.672,00 447.468,00


2 Chefe do gabinete 1 7.541,00 7.541,00 98.033,00 98.034,00
3 Chefe de serviço municipal 3 9.427,00 28.281,00 367.653,00 169.680,00 537.336,00
4 Chefe de unidade de trabalho 3 3.771,00 11.313,00 147.069,00 147.072,00
Subtotal 9 33.308,00 72.273,00 939.549,00 290.352,00 1.229.910,00
Carreiras:
Regime Geral
1 Técnico profissional 1 5.050,00 5.050,00 65.650,00 18.180,00 83.831,00
2 Técnico profissional / administração pública 5 5.050,00 25.250,00 328.250,00 90.900,00 419.155,00
3 Técnico 14 4.509,00 63.126,00 820.638,00 12.372,00 833.024,00
4 Assistente técnico 17 3.273,30 55.646,10 723.399,30 9.624,00 733.040,30
5 Auxiliar administrativo 51 2.655,93 135.452,43 1.760.881,59 3.600,00 3.864,00 3.864,00 1.772.260,59
6 Operário 18 2.524,39 45.439,02 590.707,26 2.964,00 2.964,00 596.653,26
7 Agente de serviço 26 2.544,89 66.167,14 860.172,82 860.198,82
8 Auxiliar 130 2.446,72 318.073,60 4.134.956,80 7.764,00 41.328,00 41.328,00 4.225.506,80
Sub-total 262 28.054,23 7.350.208,26 9.284.655,77 33.360,00 48.156,00 48.156,00 109.080,00 9.523.669,77

Total 271 61.362,23 7.422.481,26 10.224.204,77 33.360,00 48.156,00 399.432,00 399.432,00 10.753.579,77
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (163)

Anexo: 4
Cálculo do Impacto Orçamental do Pessoal fora do Quadro de 2011
Designação Impácto orçamental anual
Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento Suplentos
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe G.chefia S.Risco T:C:Excp B.Especiais Total

1 Director de departamento municipal 2 12.569,00 25.138,00 326.794,00 60.331,20 387.127,20


2 Assessor 1 12.569,00 12.569,00 163.397,00 163.398,00
3 Inspector municipal 1 10.055,00 10.055,00 130.715,00 130.716,00
4 Chefe de unidade de trabalho 1 3.771,00 3.771,00 49.023,00 49.024,00
Sub-total 5 38.964,00 51.533,00 669.929,00 60.331,20 730.265,20
Carreiras:
Regime geral
1 Técnico profissional 1 5.050,00 5.050,00 65.650,00 18.180,00 83.831,00
2 Técnico 5 5.857,20 29.286,00 380.718,00 53.774,40 434.497,40
3 Assistente técnico 1 3.524,00 3.524,00 45.812,00 45.813,00
4 Operário 9 2.700,78 24.307,02 315.991,26 316.000,26
5 Agente de serviço 4 2.388,25 9.553,00 124.189,00 124.193,00
6 Auxiliar 81 2.240,99 181.520,19 2.359.762,47 8.172,00 2.368.015,47
Sub-total 101 21.761,22 253.240,21 3.292.122,73 8.172,00 71.954,40 3.372.350,13

Total 106 60.725,22 304.773,21 3.962.051,73 8.172,00 132.285,60 4.102.615,33

Cálculo do Impacto Orçamental para promoção automática de 2011 Anexo: 5

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento Suplentos
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe G.chefia S.Risco T:C:Excp B.Especiais Total

1 Técnico profissional em Administração Pública 1 5.050,00 5.050,00 60.600,00 18.180,00 78.780,00


2 Técnico 4 4.322,00 17.288,00 207.456,00 207.456,00
3 Assistente Técnico 3 3.058,00 9.174,00 110.088,00 110.088,00
Total 12.430,00 31.512,00 378.144,00 396.324,00

Anexo: 6
Cálculo do Impacto Orçamental para promoção na carreira de 2011
Designação Impácto orçamental anual
Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento Suplentos
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe G.chefia S.Risco T:C:Excp B.Especiais Total

1 Técnico 4 5.419,50 21.678,00 260.136,00 260.136,00


2 Assistente Técnico 13 4.478,50 58.220,50 698.646,00 698.646,00
3 Auxiliar Administrativo 23 3.320,79 76.378,17 916.538,04 916.538,04
4 Operário 6 2.040,00 12.240,00 146.880,00 146.880,00
5 Agente de Serviço 17 2.694,00 45.798,00 549.576,00 549.576,00
6 Auxiliar 86 2.927,00 251.722,00 3.020.664,00 3.020.664,00
149 20.879,79 466.036,67 5.592.440,04 5.592.440,04
348 — (164) III SÉRIE — NÚMERO 15

Cálculo do Impacto Orçamental para ingresso na carreira de 2011 Anexo: 7

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento Suplentos
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe G.chefia S.Risco T:C:Excp B.Especiais Total

1 Director de departamento municipal 1 12.569,00 12.569,00 150.828,00 150.828,00


2 Assessor 1 12.569,00 12.569,00 150.828,00 150.828,00
3 Inspector municipal 1 10.055,00 10.055,00 120.660,00 120.660,00
4 Chefe de unidade 12 3.771,00 45.252,00 543.024,00 543.024,00
Subtotal: 15 38.964,00 80.445,00 965.340,00 965.340,00
Carreira:
5 Técnico superior N1 7 10.512,00 73.584,00 883.008,00 883.008,00
6 Técnico superior de administração pública N1 2 10.512,00 21.024,00 252.288,00 252.288,00
7 Técnico superior N1 2 8.017,00 16.034,00 192.408,00 192.408,00
8 Técnico superior de administração pública N2 2 8.017,00 16.034,00 192.408,00 192.408,00
9 Técnico profissional 6 4.867,00 29.202,00 350.424,00 350.424,00
10 Técnico profissional em administração pública 2 4.867,00 9.734,00 116.808,00 116.808,00
11 Técnico 5 4.116,00 20.580,00 246.960,00 246.960,00
12 Assistente técnico 10 2.940,00 29.400,00 352.800,00 352.800,00
13 Auxiiar administrativo 10 2.585,00 25.850,00 310.200,00 310.200,00
14 Operário 6 2.372,00 14.232,00 170.784,00 170.784,00
15 Agente de serviço 10 2.360,00 23.600,00 283.200,00 283.200,00
16 Auxiliar 24 2.269,00 54.456,00 653.472,00 653.472,00
Subtotal: 86 63.434,00 333.730,00 4.004.760,00 4.004.760,00

Anexo: 7

Carreira de regime específica:


1 Técnico superior de obras públicas N1 2 10.512,00 21.024,00 252.288,00 252.288,00
2 Técnico superior de obras públicas N2 2 8.017,00 16.034,00 192.408,00 192.408,00
3 Técnico profissional de obras públicas 6 4.867,00 29.202,00 350.424,00 350.424,00
Subtotal: 10 23.396,00 66.260,00 795.120,00 795.120,00
Polícia municipal:
1 Técnico superior N1 de polícia municipal 2 8.704,00 17.408,00 208.896,00 208.896,00
2 Técnico superior N2 de polícia municipal 2 6.963,00 13.926,00 167.112,00 167.112,00
3 Técnico da polícia municipal 6 5.222,00 31.332,00 375.984,00 375.984,00
4 Assistente de policia municipal 10 3.899,00 38.990,00 467.880,00 467.880,00
5 Auxiliar de polícia municipal 14 2.176,00 30.464,00 365.568,00 365.568,00
Subtotal: 34 26.964,00 132.120,00 1.585.440,00 1.585.440,00
Total 145 152.758,00 612.555,00 7.350.660,00 7.350.660,00

Cálculo do Impacto Orçamental para mudança de carreira de 2011 Anexo: 8

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe S/Transporte Represent. G.Chefia B.Especial Total

1 Técnico P.Adm/ção pública 1 10.512,00 10.512,00 126.144,00 75.686,40 201.831,40


2 Técnico 2 4.867,00 9.734,00 116.808,00 35.042,40 151.852,40
3 Auxiliar administrativo 9 2.586,00 23.274,00 279.288,00 279.297,00
4 Operário 6 2.372,00 14.232,00 170.784,00 170.790,00
5 Agente de serviço 1 4.116,00 4.116,00 49.392,00 49.393,00
6 Auxiliar 21 2.940,00 61.740,00 740.880,00 740.901,00
7 Auxiliar 9 4.116,00 37.044,00 444.528,00 444.537,00
Total 49 31.509,00 160.652,00 1.927.824,00 110.728,80 2.038.601,80

Cálculo do Impacto Orçamental do pessoal que aguarda aposentação de 2011 Anexo: 9

Designação Impácto orçamental anual


Funções de direcção, chefia Lugar Vencimento
N.ª confiança e carreira. Mensal Anual a)
Funções: Individual P/classe S/Transporte Represent. G.Chefia B.Especial Total

1 Ex-Chefe de posto 1 8.798,00 8.798,00 114.374,00 114.374,00


2 Assistente técnico 1 3.205,00 3.205,00 41.665,00 41.665,00
3 Auxiliar administrativo 2 3.202,00 6.404,00 83.252,00 83.252,00
4 Operário 3 2.040,00 6.120,00 79.560,00 79.560,00
5 Agente de serviço 1 3.472,00 3.472,00 45.136,00 45.136,00
6 Auxiliar 13 3.767,00 48.971,00 636.623,00 636.623,00
Total 21 24.484,00 76.970,00 1.000.610,00 1.000.610,00
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (165)

ANÚNCIOS JUDICIAIS E OUTROS

Associção KUJIMA Dois) KUJIMA desenvolve as suas h) Contribuir, em conjunto com outras
actividades em todos os distritos da província organizações, para a definição de
Certifico, para efeitos de publicação, da
de Sofala, podendo por deliberação da uma estratégia de desenvolvimento
Associação Kujima, matriculada sob número
Assembleia Geral inscrever-se em associações os distritos da província de Sofala;
cento e trinta e cinco, a folhas sessenta e nove
ou organizações nacionais e internacionais que i) Promover colóquios, formações,
do livro Q traço um, entre Miguelhete Joaquim
prossigam actividades similares. seminários e debates no âmbito das
Lisboa, solteiro, maior, natural de Ocua, distrito
Três) A Associação constitui-se por tempo epidemias e endemias identificadas;
de Chiúre, província de Cabo Delgado de
indeterminado e rege-se pelo presente estatuto e j) Reflexão, debate e intervenção
nacionalidade moçambicana Armando Chaua
organizada que envolvem técnicos
Castigo, natural de Maropanhe, distrito de pelas disposições legais vigentes na República
e líderes locais, com o objectivo de
Machanga, província de Sofala, de nacionalidade de Moçambique.
gerar dinâmicas favoráveis ao
moçambicana; Rogério José, solteiro, maior, desenvolvimento da região nos
natural de Dondo, distrito de Dondo, província ARTIGO TERCEIRO
âmbitos da saúde e desenvolvimento
de Sofala, de nacionalidade moçambicana; Nircia (Princípios) sócio-económico.
José Mateus Zunguze, solteira, maior, natural
de Massinga, distrito de Massinga, província A associação rege-se pelos seguintes ARTIGO QUINTO
de Inhambane, de nacionalidade moçambicana; princípios fundamentais:
(Símbolo)
Odivalda Celestino Abrão, solteira, maior, a) Compromisso e responsabilidade;
natural de Maxixe, distrito de Maxixe, província b) Integridade; A KUJIMA tem um logotipo detalhado
de Inhambane, de nacionalidade moçambicana; c) Representatividade; concebido numa secção em deliberação da
Gizela Maria Georgina da Silva, solteira, maior, d) Independência; Assembleia Geral.
natural da Beira, província de Sofala, de e) Maior abrangência possível. CAPÍTULO II
nacionalidade moçambicana; Hélder Jaime
Rassolo, solteiro, maior, natural da Beira, ARTIGO QUARTO Dos membros
província de Sofala, de nacionalidade
(Objectivos) SECÇÃO I
moçambicana; Laurindo José Tauanja, solteiro,
maior, natural de Murrupula, província de Dos membros em geral
Um) KUJIMA tem como objectivo geral
Nampula, de nacionalidade moçambicana; contribuir para a melhoria do estado de saúde ARTIGO SEXTO
Amida Mariana Jamal, solteira, maior, natural da população assim como o desenvolvimento
da Beira, província de Sofala, de nacionalidade (Noção)
sócio-económico dos distritos da província de
moçambicana; Inácio Ronda Pedro Luís
Sofala. São membros da KUJIMA pessoas
Massinga, solteiro, maior, natural de Guma,
Dois) Constituem objectivos específicos da singulares ou colectivas (residentes ou não
distrito de Massinga, província de Inhambane,
associação: residentes) na província de Sofala e inscritos na
de nacionalidade moçambicana; todos residentes KUJIMA.
na cidade da Beira, conforme os estatutos a) Identificar as comunidades mais
elaborados nos termos do artigo um do Decreto- vulneráveis às diarreias, malnu- ARTIGO SÉTIMO
Lei número três barra dois mil e seis de vinte e trição, HIV/SIDA e outras doenças
(Categorias)
três de Agosto, as cláusulas seguintes: relacionadas;
b) Redução da morbi-mortalidade por Constituem categorias de membros da
CAPÍTULO I doenças diarreícas e outras doenças KUJIMA:
Dos princípios gerais relacionadas nas comunidades onde a) Membros fundadores;
a KUJIMA opera; b) Membros ordinários;
ARTIGO PRIMEIRO
c) Apoiar as comunidades dos distritos c) Membros honorários.
(Denominação e natureza) no combate às tais doenças e prestar
apoio moral, psicológico e material; SECÇÃO II
Um) Associação para uma Comunidade
Saudável e Desenvolvimento Sustentável de d) Capacitar as comunidades na área da Dos membros fundadores
acordo com as necessidades e potencialidades saúde relacionada às doenças
referidas na alínea a) do presente ARTIGO OITAVO
de cada zona, localizada na província de Sofala,
adiante designada por KUJIMA, é uma artigo; (Noção, direitos, deveres e sansões)
associação sem fins lucrativos, dotada de e) Dar resposta aos problemas
Um) São membros fundadores da KUJIMA
personalidade jurídica, constituída por identificados por meio da elaboração
moçambicanos de diversos cantos do país. as pessoas singulares naturais ou não naturais
e implementação de projectos dentro
(residentes e não residentes) na província de
das possibilidades da associação;
ARTIGO SEGUNDO Sofala que tenham participado na constituição
f) Estabelecer parcerias com instituições da associação, submetido os documentos para a
(Sede, âmbito e duração) que exerçam actividades similares sua subscrição e ter pago as taxas necessárias.
Um) KUJIMA tem a sua sede na cidade da às da KUJIMA; Dois) Os membros fundadores são
Beira, e é de âmbito provincial, podendo criar g) Promover nas comunidades automaticamente considerados membros
delegações nos distritos da província de Sofala mecanismos com vista a adoptar ordinários efectivos salvo os casos de renúncia
por deliberação da Assembleia Geral. hábitos saudáveis; expressa pelo próprio membro à associação.
348 — (166) III SÉRIE — NÚMERO 15

Três) E em relação aos direitos e deveres, c) Zelar pelo bom nome da KUJIMA; SECÇÃO II
membros fundadores assistem direitos e deveres d) Pagar as contribuições sociais a que
Da assembleia geral
iguais que os membros ordinários. esteja adstrito por virtude da
categoria em que esteja inserido. SUBSECÇÃO I
SECÇÃO III
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO Da noção, composição, competências,
Dos membros honorários sessões, convocação e quórum
(Sanções)
ARTIGO NONO
ARTIGO DÉCIMO SEXTO
Um) Aos membros que não cumprem os
(Noção)
seus deveres serão aplicadas, de acordo com a (Noção e composição)
Um) São membros honorários as pessoas gravidade da infracção, as seguintes sanções:
Um) A Assembleia Geral é o órgão
singulares ou colectivas que se distinguirem a) Advertência verbal e/ou escrita. A deliberativo da KUJIMA e é composta por todos
pelos seus méritos e serviços prestados à chamada de atenção pode ser entre
associação e sejam como tal declarados em os membros desta associação.
os associados e casos mais Dois) A Assembleia Geral é presidida por
Assembleia Geral por maioria de dois terços
específicos será feita por escrito e uma Mesa eleita na última sessão ordinária da
dos membros presentes mediante proposta do
Conselho de Direcção. assinada pela Direcção; Assembleia Geral de cada mandato.
Dois) São sujeitos a todos direitos e deveres b) A repreensão escrita publicada pelo Três) Para o funcionamento da Assembleia
aos membros com excepção o não pagamento órgão competente da KUJIMA; Geral, deverá se obedecer um regulamento por
de quotas, não serem eleitos para cargos de c) Suspensão por um período não ela aprovado.
Direcção e em assembleias não têm direito a superior a doze meses e não inferior
voto. a quarenta e cinco dias, resultando ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO
na perda de alguns ou todos os (Competências)
ARTIGO DÉCIMO
direitos de membro, de acordo com
(Admissão) a decisão dos membros do Conselho Compete à Assembleia Geral definir as linhas
de Direcção; fundamentais de actuação da KUJIMA, em
Um) Podem ser admitidos como membros
d) Expulsão. especial:
da KUJIMA as pessoas singulares ou colectivas
com integridade psíquica e moral comprovada Dois) Para a aplicação das sanções acima a) Eleger e destituir os membros dos
que se identifiquem com os presentes estatutos referidas nomeadamente nas alíneas a) e b) do órgãos sociais electivos;
e preencham os requisitos exigidos. número um do presente artigo, compete a todos b) Deliberar sobre a alteração do estatuto
Dois) Os demais requisitos exigíveis para a ou a extinção da associação, por
os membros do Conselho de Direcção.
admissão de membros serão fixados em maioria favorável de três quartos de
Três) Será competente para a aplicação da
despacho do Conselho de Direcção. votos dos membros;
sanção referida na c) do número um o Conselho
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO de Direcção reunida em plenária, cabendo na c) Aprovar o regulamento interno;
última instância ao director aprovar ou reprovar d) Conferir a distinção de membros
(Direitos)
ou ainda sugerir que seja feita uma nova reflexão honorários, sempre que as
São direitos de modo geral para todos em torno da decisão tomada pelos membros do circunstâncias o justifiquem;
membros da KUJIMA: e) Aprovar o relatório anual de
Conselho.
a) Participar nas assembleias gerais e Quatro) A expulsão de um membro da actividades e o respectivo
outras reuniões eventuais; KUJIMA está na responsabilidade do Conselho orçamento;
b) Eleger e/ou ser eleito para os cargos de de Direcção, após uma profunda análise da f) Deliberar sobre todos os assuntos não
Direcção da KUJIMA; gravidade da inflação cometida. inclusos no âmbito de competências
c) Requerer para convocação da dos restantes órgãos da KUJIMA;
Assembleia Geral; ARTIGO DÉCIMO QUARTO g) Aprovar o valor da jóia;
d) Participar e contribuir activamente nas h) Aprovar o regulamento eleitoral;
(Perda de qualidade do membro)
actividades da KUJIMA com vista i) Definir a composição da comissão
ao alcance dos objectivos preconi- Perde a qualidade de membro aquele que: eleitoral e eleger os seus membros.
zados no número um do artigo a) For expulso da KUJIMA;
quarto do presente estatuto; b) Renunciar por carta dirigida ao ARTIGO DÉCIMO OITAVO
e) Interpor recursos nos termos legais,
Conselho de Direcção. (Sessões)
relativamente a deliberação ou
sanção individual. CAPÍTULO III Um) As sessões da Assembleia Geral são
ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO ordinárias e extraordinárias.
Dos órgãos directivos
Dois) A Assembleia Geral reúne ordinaria-
(Deveres) SECÇÃO I mente duas vezes por ano, uma vez por semestre.
Deveres que os membros da KUJIMA Da generalidades Três) Extraordinariamente sempre que se
devem cumprir são: mostre necessário por iniciativa do Conselho de
a) Participar activamente nas diversas ARTIGO DÉCIMO QUINTO Direcção.
actividades da KUJIMA; (Classificação) Quatro) A assembleia geral extraordinária
b) Cumprir e fazer cumprir o estabelecido pode ainda ter lugar quando requerida por pelo
São órgãos da KUJIMA: menos três quartos dos membros, com um fim
neste estatuto, nos regulamentos,
deliberações, resoluções e a) A Assembleia Geral; legítimo, dos quais, dois terços terão
orientações dos órgãos da b) O Conselho de Direcção; obrigatoriamente que estar presente na mesma
KUJIMA; c) O Conselho Fiscal. reunião sob pena de esta não se realizar.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (167)

ARTIGO DÉCIMO NONO Divisão II membros presentes para a composição da mesa


ou seja, haverá a composição de uma mesa ad
(Convocação) Das competências
doc.
A Assembleia Geral é convocada pelo ARTIGO VIGÉSIMO TERCEIRO SECCÃO III
presidente da Mesa da Assembleia Geral por
(Competências do presidente da Mesa Do Conselho de Direcção
mecanismos capazes de abranger todos os
membros ou por meio de anúncios publicados da Assembleia Geral)
ARTIGO VIGÉSIMO SÉTIMO
num jornal ou por via de qualquer outro meio de Compete ao presidente da Mesa da
comunicação social, com antecedência mínima (Noção)
Assembleia Geral:
de trinta dias, sendo indicado o dia, a hora, o O Conselho de Direcção é o órgão executivo
local e a ordem de trabalho da reunião. a) Convocar e presidir as sessões da
Assembleia Geral de harmonia com da KUJIMA e está investido de poderes de
ARTIGO VIGÉSIMO administração e representação da Associação
o disposto neste estatuto orientando
de forma a assegurar a consecução dos seus
os trabalhos segundo a ordem do
(Quórum) objectivos, observando e fazendo observar o
dia;
presente estatuto, os regulamentos e as
Um) A Assembleia Geral pode deliberar, b) Declarar abertas e encerradas as
deliberações da Assembleia Geral.
em primeira convocação, estando presente pelo sessões e assinar as respectivas
menos metade dos seus membros. actas; ARTIGO VIGÉSIMO OITAVO
Dois) Em segunda convocação, a c) Chamar a ordem o dia o orador que
(Composição)
Assembleia Geral pode deliberar indepen- delas se afastar, retirando-lhe a
dentemente do disposto no número anterior. palavra quando estiver em Um) O Conselho de Direcção é composto
Três) As deliberações da Assembleia Geral contravenção com as disposições por:
são tomadas por maioria absoluta dos votos dos estatutárias e convidá-lo a sair da a) Um presidente;
membros presentes, salvo o disposto dos sala quando o excesso justificar tal b) Um coordenador;
númeross seguintes. procedimento; c) Os chefes dos departamentos.
Quatro) As deliberações sobre a alteração d) Assinar todos documentos expedidos
dos estatutos, destituição dos membros do Dois) O Conselho de Direcção é presidido
em nome da Assembleia Geral; pelo presidente da KUJIMA e que dispõe de
Conselho de Direcção e da Mesa da Assembleia
e) Mandar proceder as votações voto de qualidade.
Geral, exige voto favorável de três quartos dos
necessárias e proclamar os seus Três) O Conselho de Direcção é composto
membros presentes.
resultados. por um mínimo de três departamentos e um
Cinco) As deliberações sobre a destituição
do presidente da associação exigem voto máximo de cinco, dos quais constarão
ARTIGO VIGÉSIMO QUARTO necessariamente, o departamento das finanças,
favorável de três quartos da totalidade dos
membros. (Competências do coordenador) de informação, formação e de projectos.
Seis) As deliberações sobre a dissolução da Quatro) As funções e competências de cada
São competências do coordenador da Mesa
KUJIMA exigem voto favorável de três quartos membro do conselho serão fixadas pelo
da Assembleia Geral:
de todos os membros. regulamento do Conselho de Direcção, a ser
a) Coadjuvar o presidente da Mesa no aprovado por este órgão.
SECÇÃO II exercício das suas funções; Cinco) O director da KUJIMA é eleito por
b) Substituir o presidente nas suas faltas maioria relativa dos membros presentes em
Da Mesa da Assembleia Geral
e impedimentos por sua delegação Assembleia Geral especialmente convocada para
Divisão I ou ainda em casos de renúncia do o efeito.
cargo;
Da composição, eleição, posse ARTIGO VIGÉSIMO NONO
c) Assinar as actas das reuniões;
e duração do mandato
d) Substituir o secretário nas suas faltas (Sessões)
ARTIGO VIGÉSIMO PRIMEIRO ou impedimentos.
Um) O Conselho de Direcção reúne-se em
(Composição, eleição e posse) ARTIGO VIGÉSIMO QUINTO sessões ordinárias e extraordinárias.
Dois) O Conselho de Direcção reúne-se
Um) A Mesa da Assembleia Geral compõe- (Competências do secretário da Mesa
ordinariamente duas vezes por mês.
-se por um presidente, uma coordenador/a e uma da Assembleia Geral)
Três) Sempre que necessário, por iniciativa
secretário/a. Compete ao secretário da Mesa da do presidente da KUJIMA, ou por requerimento
Dois) O presidente, o coordenador e o Assembleia Geral: da maioria dos membros do Conselho, haverá
secretário são eleitos pela ordem decrescente lugar a sessões extraordinárias do Conselho de
a) Assegurar o expediente da Mesa;
dos votos escrutinados (primeiro, segundo e Direcção.
b) Guardar os documentos da Assembleia
terceiro lugares, respectivamente. Quatro) Nas sessões do Conselho de
Geral, correspondências e demais
Três) A Mesa da Assembleia Geral toma Direcção, podem participar alguns convidados
papéis que digam respeito à Mesa
posse na mesma sessão em que é eleita. caso as circunstâncias o justifiquem.
da Assembleia Geral, entregando
ARTIGO VIGÉSIMO SEGUNDO tudo no fim da sua gerência a fim de
ARTIGO TRIGÉSIMO
darem entrada no arquivo.
(Duração do mandato) (Funcionamento)
ARTIGO VIGÉSIMO SEXTO
Um) O mandato da Mesa da Assembleia Um) O Conselho de Direcção só poderá
Geral é de três anos, podendo renovar somente (Falta dos membros da Mesa)
deliberar estando presente pelo menos metade
uma vez. Na falta de dois ou todos membros da Mesa dos seus membros.
Dois) Cada membro da Mesa da Assembleia da Assembleia Geral haverá lugar para a Dois) De cada reunião será lavrada uma acta
Geral só pode ser eleito duas vezes consecutivas. circunstância em concreto, a escolha de a ser assinada por todos presentes.
348 — (168) III SÉRIE — NÚMERO 15

ARTIGO TRIGÉSIMO PRIMEIRO secretário, eleitos na primeira sessão da CAPÍTULO IV


assembleia geral ordinária de cada mandato, pela
(Duração do mandato) Do património
ordem decrescente da frequência dos votos
O mandato dos membros do Conselho de escrutinados. ARTIGO TRIGÉSIMO OITAVO
Direcção cessa ao mesmo tempo que o do Dois) O Conselho Fiscal reger-se-á por um
(Definição)
presidente que o nomeou. regulamento interno.
O património da KUJIMA é o conjunto de
ARTIGO TRIGÉSIMO SEGUNDO ARTIGO TRIGÉSIMO QUARTO bens e direitos que lhe estão ou sejam afectos
(Competências) (Sessões) por entidades públicas ou privadas sejam elas
nacionais ou estrangeiras, para a prossecução
Compete ao Conselho de Direcção da Um) O Conselho Fiscal reúne em sessões dos objectivos estabelecidos nos presentes
KUJIMA: ordinárias e extraordinárias. estatutos, ou que por outro meio sejam por ela
a) Zelar pelo cumprimento dos estatutos e Dois) O Conselho Fiscal reúne, adquiridos, incluindo a jóia e a cotização, cujos
garantir a prossecução dos objectivos ordinariamente, uma vez por mês, e, extraor- valores serão definidos pela Assembleia Geral.
da KUJIMA; dinariamente, sempre que necessário, por
b) Cumprir e fazer cumprir as deliberações iniciativa do presidente ou pelo requerimento do ARTIGO TRIGÉSIMO NONO
dos órgãos da KUJIMA tomadas vice-presidente ou do secretário. (Composição)
dentro do objectivo e fim desta;
ARTIGO TRIGÉSIMO QUINTO O património da KUJIMA é formado:
c) Definir a prioridade das actividades da
KUJIMA, traçar orientações gerais (Funcionamento) a) Pelas contribuições regulares dos
e monitorar os trabalhos dos seus membros ordinários, a serem
Um) O Conselho Fiscal só pode funcionar
membros de modo a garantir uma afixadas pela Assembleia Geral e
com pelo menos dois dos seus membros.
gestão efectiva da associação; encaminhadas ao Conselho de
Dois) As deliberações são tomadas por
d) Propor à Assembleia Geral a aprovação Direcção da KUJIMA;
maioria tendo o presidente voto de qualidade.
dos estatutos da KUJIMA bem b) Pelas contribuições voluntárias e
como as suas alterações; ARTIGO TRIGÉSIMO SEXTO doações recebidas.
e) Elaborar o regulamento interno da
(Duração do mandato) ARTIGO QUADRAGÉSIMO
KUJIMA e de mais regulamentos
que se mostre necessário à O Conselho Fiscal terá um mandato de dois (Jóia e cotas)
prossecução dos seus objectivos, e anos.
Um) Os membros pagam a jóia no acto da
submeter à aprovação pela
ARTIGO TRIGÉSIMO SÉTIMO inscrição na KUJIMA.
Assembleia Geral;
Dois) Os membros inscritos na KUJIMA,
f) Inventariar, gerir e administrar o (Competências) pagam mensalmente, um valor monetário
património da KUJIMA;
correspondente à cota para o funcionamento base
g) Propor o montante das cotas e da jóia; Um) Compete ao Conselho Fiscal:
da associação.
h) Elaborar anualmente o relatório de a) Examinar mensalmente as contas da Três) Valor da jóia é fixado em Assembleia
actividades e contas com o respectivo KUJIMA e verificar se estão Geral.
parecer dos órgãos eleitos, pelo exactas;
menos, oito dias da realização da b) Dar parecer sobre o balanço, inventário CAPÍTULO V
Assembleia Geral; e relatório apresentados pela Das disposições finais
i) Elaborar anualmente o plano de Direcção;
orçamento e actividades; ARTIGO QUADRAGÉSIMO PRIMEIRO
c) Verificar o cumprimento dos estatutos,
j) Pronunciar-se sobre assuntos propostos
advertindo à Direcção de qualquer (Comissão de Gestão da KUJIMA)
pelo presidente do órgão ou por
irregularidade que detectar;
qualquer um dos membros; Um) A Comissão de Gestão é constituída
d) Requerer a convocação da assembleia
k) Propor à Assembleia Geral a admissão pelos membros fundadores, considerando-se
geral extraordinária, quando o julgar como tais os declarados no número um do artigo
de membros honorários;
l) Fazer-se representar em todas sessões necessário, sobre matérias da sua décimo sétimo.
da Assembleia Geral; competência; Dois) A Comissão de Gestão garante o
m) Propor a aplicação da sanção prevista e) Zelar pelo cumprimento dos estatutos funcionamento da associação enquanto não são
na alínea d) do número um do artigo da KUJIMA; eleitos os órgãos desta.
décimo; f) Assistir as sessões da Direcção em Três) Após a eleição da Mesa da Assembleia
n) Entregar a direcção-geral que lhe matérias da sua competência, sempre Geral da KUJIMA, e enquanto não eleito o órgão
suceder todos os documentos e que o entenda conveniente. executivo, a Comissão de Gestão exerce as
haveres da KUJIMA. funções e desempenha as competências deste
Dois) Compete, especialmente, ao presidente
do Conselho Fiscal assegurar o seu bom órgão.
SECÇÃO IV
funcionamento, convocar e presidir as sessões Quatro) A Comissão de Gestão extingue-se
Do Conselho Fiscal com a eleição da totalidade dos titulares dos
do Conselho Fiscal e assinar as respectivas actas.
ARTIGO TRIGÉSIMO TERCEIRO Três) Compete ao vice-presidente substituir órgãos previstos no presente estatuto.
o presidente nas suas faltas ou impedimento bem
(Noção e composição) ARTIGO QUARAGÉSIMO SEGUNDO
como o secretário.
Um) O Conselho Fiscal é o órgão fiscalizador Quatro) Compete, particularmente, ao (Dissolução e liquidação)
da KUJIMA em matéria financeira e compõe-se secretário lavrar, assinar e fazer assinar as actas Em caso de dissolução da KUJIMA, a
de um presidente, um vice-presidente e um das reuniões. Assembleia Geral reunirá extraordinariamente
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (169)

para decidir sobre o destino a dar ao seu Três) Por deliberação da assembleia geral, a ARTIGO SEXTO
património nos termos da lei, sendo sua sociedade pode abrir delegações, filiais, (Cessão e divisão de quotas)
liquidatária uma comissão designada pela sucursais, agências ou outras formas de
Assembleia Geral. representação. Um) A cessão e divisão de quotas carece de
consentimento prévio da assembleia geral.
ARTIGO QUADRAGÉSIMO TERCEIRO ARTIGO SEGUNDO Dois) A sociedade goza de direito de
(Interpretação, integração de lacunas e preferência na aquisição de quotas.
(Duração)
emendas em vigor) Três) Caso a sociedade não exerça o seu
A sociedade é constituída por tempo direito de preferência, este transfere-se
Um) Os presentes estatutos entram em vigar
indeterminado, contando-se o seu início da data automaticamente para os outros sócios.
após a sua aprovação pela Assembleia Geral.
de celebração da respectiva escritura pública de Quatro) No caso de a sociedade ou os sócios
Dois) Quaisquer dúvidas de interpretação não chegarem a acordo sobre o preço da quota a
constituição.
suscitadas em torno dos presentes estatutos e ceder ou a dividir, o mesmo será determinado
demais regulamentos internos, serão resolvidos ARTIGO TERCEIRO por consultores independentes, e o valor que
por deliberação da Assembleia Geral, ouvido o vier a ser determinado será vinculativo para as
Conselho de Direcção da KUJIMA. (Objecto social) partes.
Três) As questões não expressamente
Um) A sociedade tem por objecto principal o
reguladas neste estatuto da Associação ARTIGO SÉTIMO
exercício das seguintes actividades:
KUJIMA, obedecerão a legislação relativa às
(Amortização de quotas)
associações vigente em Moçambique. a) Prestação de serviços de Limpeza ao
Está conforme. Domicílio; Um) Mediante prévia deliberação da
b) Participações em outras sociedades. assembleia geral, as quotas dos sócios poderão
Conservatória dos Registos da Beira, vinte e
ser amortizadas no prazo de noventa dias a contar
quatro de Fevereiro de dois mil e onze. — Dois) A sociedade poderá, por deliberação
do conhecimento ou verificação dos seguintes
O Ajudante, Ilegível. da assembleia geral, exercer outras actividades factos:
comerciais relacionadas com o seu objecto
a) Se qualquer quota for penhorada,
principal, ou, ainda, associar-se ou participar no
empenhada, confiscada, apreendida
capital social de outras sociedades, desde que
Clear Logic, Limitada legalmente permitido pela legislação em vigor.
ou sujeita a qualquer acto judicial
ou administrativo que possa obrigar
Certifico, para efeitos de publicação, que no a sua transferência para terceiros;
dia vinte e três de Março de dois mil e onze, foi ARTIGO QUARTO
b) Se qualquer quota ou parte for cedida a
matriculada na Conservatória do Registo de (Capital social) terceiros sem observância do
Entidades Legais sob NUEL 100210738 uma disposto no artigo sexto dos
sociedade denominada Clear Logic, Limitada. Um) O capital social, integralmente subscrito
presentes estatutos.
Entre: em dinheiro, é de vinte mil meticais, e
corresponde à soma de dois quotas, assim Dois) O preço da amortização será pago em
Primeiro: Narciso Justino Monjane, de
não menos de quatro ou seis prestações mensais,
nacionalidade Moçambicana, Portador do Bilhete distribuídas:
iguais e sucessivas, representadas por igual
de Identidade n.º 110249817F, emitido pela a) Uma quota, no valor nominal de dezoito número de títulos de crédito que vencerão juros
Direcção de Identificação Civil de Maputo, em mil meticais, correspondente a à taxa aplicável aos depósitos a prazo.
vinte e seis de Junho de dois mil e sete, solteiro, noventa por cento do capital social,
residente na Avenida Amílcar Cabral, número pertencente ao sócio Narciso Justino ARTIGO OITAVO
quinhentos vinte e sete, rés-do-chão, Bairro Monjane; (Assembleia geral)
Central, Cidade de Maputo, e; b) Uma quota, no valor nominal de dois
Segunda: Mafalda Ernesto Checo, de Um) A assembleia geral reunirá
mil meticais, correspondente a dez
ordinariamente uma vez por ano, nos primeiros
nacionalidade Moçambicana, Portadora do por cento do capital social,
três meses depois de findo o exercício anterior,
Bilhete de Identidade n.º 1104227382, emitido pertencente á sócia Mafalda Ernesto
para:
pelo Direcção de Identificação Civil de Maputo, Checo.
a) Apreciação, aprovação, correcção ou
em vinte e três de Dezembro de dois mil e dois,
Dois) O capital social poderá ser aumentado rejeição do balanço e contas do
casada, residente na Avenida Amílcar Cabral,
mediante deliberação da assembleia geral e desde exercício;
número quinhentos vinte e sete, rés-do-chão, b) Decisão sobre a distribuição de lucros;
que respeitados os requisitos prescritos pela
Bairro Central, Cidade de Maputo, celebram o c) Nomeação dos gerentes e determinação
legislação comercial em vigor.
presente contrato de sociedade que se regerá pelas da sua remuneração.
Três) Os sócios têm direito de preferência no
cláusulas constantes dos artigos seguintes:
aumento do capital social, na proporção da Dois) A assembleia geral poderá reunir-se
ARTIGO PRIMEIRO percentagem do capital social, não podendo, em extraordinariamente sempre que for necessário,
situação alguma, o sócio ver a sua participação. competindo-lhe deliberar sobre quaisquer
(Denominação e sede) assuntos relativos à actividade da sociedade que
Um) A sociedade adopta a denominação de ARTIGO QUINTO ultrapassem a competência do conselho de
Clear Logic, Limitada e tem a sua sede na (Prestações suplementares)
gerência.
Avenida Amílcar Cabral, número quinhentos Três) É da exclusiva competência da
vinte e sete, rés-do-chão esquerdo, cidade da Não serão exigidas prestações suplementares assembleia geral deliberar sobre a alienação dos
Maputo. de capital, mas os sócios poderão fazer principais activos da sociedade.
Dois) A sociedade pode, por deliberação da suprimentos à sociedade de acordo com as Quatro) A assembleia geral será convocada
assembleia geral, transferir a sua sede para condições que forem fixadas em assembleia pelo presidente do conselho de gerência, ou por
qualquer outro local do território nacional. geral. qualquer gerente da sociedade, por meio de telex,
348 — (170) III SÉRIE — NÚMERO 15

fax, telegrama ou carta registada com aviso de percentagem do volume de negócios da CAPÍTULO II
recepção, com uma antecedência mínima de sociedade, referente ao exercício financeiro Dos objectivos
quinze dias, salvo nos casos em que a lei exija anterior, a ser definido pela assembleia geral.
outras formalidades. Dois) A distribuição do referido montante ARTIGO QUINTO
Cinco) Os sócios poderão fazer-se
deverá ser efectuada no ano seguinte, cujos (Objectivos)
representar nas assembleias gerais, mediante
simples carta para esse fim dirigida ao presidente moldes de pagamento serão posteriormente
A AARDEL tem por objectivos:
da mesa da assembleia geral definido pela assembleia geral.
a) Promover a educação e a promoção
Três) As remunerações serão atribuídas a
ARTIGO NONO humana, especialmente da infância
todos os sócios, estando sujeitas ao imposto
e juventude de ambos os sexos, das
(Gerência e representação da sociedade) aplicável.
camadas sociais mais necessitadas,
Um) A sociedade é gerida e representada por ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO após um estudo comunitário da
um conselho de gerência eleito em assembleia realidade local;
geral. (Disposições finais)
b) Promover a educação de crianças,
Dois) Compete aos gerentes exercer os mais Um) A sociedade dissolve-se nos casos jovens e adultos, nos âmbitos social,
amplos poderes, representando a sociedade em educacional, profissional, espiritual,
previstos na lei.
juízo e fora dela, activa ou passivamente, e criando e mantendo centros de
Dois) A liquidação da sociedade depende de
praticando todos os actos tendentes à realização integração social;
aprovação da assembleia geral.
do objecto social, que a lei ou os presentes
Três) Os casos omissos serão regulados pela c) Promover acções culturais e desportivas
estatutos não reservem exclusivamente à
legislação comercial em vigor e, sempre que que visem a sua integração na
assembleia geral.
possível, por acordo escrito dos sócios desde sociedade;
Três) A gerência pode constituir represen-
tantes, e delegar os seus poderes no todo ou em que de acordo com a lei. d) Criar estratégias de envolvimento das
parte. Maputo, vinte e quatro de Março de dois mil famílias no processo educativo-
Quatro) A sociedade fica vinculada pela e onze. — O Técnico, Ilegível. formativo de seus filhos e filhas;
assinatura de um ou mais membros do conselho e) Dedicar-se à formação da mulher
de gerência, ou pela assinatura de um terceiro a moçambicana;
quem tenham sido delegados poderes nos termos f) Filiar-se como membros de organismos
definidos pela assembleia geral. congéneres de forma a contribuir
Cinco) Em circunstância alguma a sociedade
Associação Agostiniana
melhor para a realização de seus
ficará vinculada por actos ou documentos que Reflexo de Luz – AARDEL
objetivos.
não digam respeito às actividades relacionadas CAPÍTULO I
com o objecto social, incluindo títulos de crédito, ARTIGO SEXTO
garantias e pagamentos adiantados. Da denominação, fins, sede e duração
(Recursos)
ARTIGO DÉCIMO ARTIGO PRIMEIRO
Os recursos da AARDEL e seu património
(Balanço e distribuição de resultados) (Denominação) constituem-se de:

Um) O exercício social coincide com o ano A Associação Agostiniana Reflexo de Luz, a) Receitas extraordinárias, subsídios,
civil. auxílios, donativos e outras receitas
ora adiante designada por AARDEL, é uma
Dois) O balanço e as contas de resultados legalmente premeditas;
pessoa colectiva, de carácter civil, de direito
fechar-se-ão com referência a trinta e um de b) Receitas provenientes de suas
privado, sem fins lucrativos, constituída nos
Dezembro de cada ano, e serão submetidos à actividades;
termos da lei em vigor, regendo-se pelos c) Dos bens adquiridos pela AARDEL,
apreciação da assembleia geral.
Três) Deduzidos os encargos gerais, presentes estatutos e demais legislação aplicável. móveis e imóveis;
repagamentos e outros encargos dos resultados d) Para manter as obras e
líquidos apurados em cada exercício, serão ARTIGO SEGUNDO
empreendimentos e gerar recursos
retirados os montantes necessários para a criação (Sede) financeiros necessários para a
dos seguintes fundos: consecução de suas finalidades,
a) Cinco por cento para uma reserva legal, A AARDEL tem sua sede em Mapinhane, poderá criar projectos que possam
até vinte por cento do valor do distrito de Vilankulo, província de Inhambane. alimentar, financiar socialmente a
capital social, ou sempre que seja AARDEL e seus destinatários.
necessário reintegrá-lo; e ARTIGO TERCEIRO
b) Outras reservas que a sociedade possa CAPÍTULO III
(Duração)
necessitar, de tempos em tempos. Dos membros
A AARDEL constitui-se por tempo
Quatro) O remanescente será, discricio-
indeterminado. ARTIGO SÉTIMO
nariamente, distribuído ou reinvestido pela
assembleia geral. (Requisitos)
ARTIGO QUARTO
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO Toda pessoa maior e capaz pode ser admitida
(Delegações)
como membro da AARDEL, desde que aceite
(Remuneração dos sócios) os seus estatutos, mediante pedido por escrito à
Por deliberação do Conselho Administrativo
Um) Sem prejuízo do disposto no artigo poderá criar delegações em qualquer ponto do administração, que poderá aceitar ou não a sua
anterior, todos os sócios terão direito a uma certa país. admissão.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (171)

ARTIGO OITAVO ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO b) Apreciar e votar o orçamento e o


programa de acção para o exercício
(Exclusão) (Assembleia Geral)
seguinte, bem como apreciar e
Um) Todo membro poderá ser excluído Um) A Assembleia Geral é o órgão máximo aprovar o relatório geral das
mediante pedido escrito, ou ser excluído por falta e soberano da AARDEL, composta por todos actividades do exercício findo e a
grave ou atitude incompatível com a condição de os associados da associação e presidida pelo seu prestação de contas do Conselho
membro, em deliberação fundamentada, pela presidente ou, em sua ausência ou impedimento, Administrativo;
maioria absoluta dos associados presentes à pelo vice-presidente. c) Deliberar sobre a aquisição onerosa e a
Assembleia Geral é de dois terços, especialmente Dois) A Assembleia Geral reunir-se-á, alienação a qualquer título de bens
convocada para este fim. ordinariamente, uma vez ao ano, e, imóveis e de outros bens
Dois) O membro que se demitir ou for extraordinariamente, quando convocada pelo patrimoniais de rendimentos ou de
demitido não terá direito a reclamar para si e/ou presidente, ou por dois terços do Conselho valor histórico ou artístico;
seus herdeiros e sucessores a participação do administrativo ou, ainda, por convocação d) Deliberar sobre a alteração dos estatutos
património, indemnização ou qualquer forma de subscrita por cinquenta por cento dos e sobre a extinção, cisão ou fusão da
remuneração e perderá toda e qualquer função associados. associação;
ou encargo que mantiver com a Associação e) Fixar as diretrizes e políticas de
Agostiniana Reflexo de Luz. ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO
administração ao Conselho
(Convocação e reuniões) Administrativo;
CAPÍTULO IV
Um) A Assembleia Geral deve ser convocada f) Demitir, por maioria dos votos, os
Dos direitos e deveres associados faltosos;
com, pelo menos, um mês de antecedência pelo
ARTIGO NONO presidente ou vice-presidente da associação, g) Aprovar a adesão a uniões ou
salvo em caso de urgência, este prazo poderá ser confederações.
(Direitos)
reduzido. ARTIGO DÉCIMO SEXTO
São direitos dos associados: Dois) A convocatória é feita por meio de ofício
enviado a cada membro, constando (Constituição do Conselho
a) Participar das atividades da AARDEL,
obrigatoriamente o dia, a hora, o local, a Administrativo)
desenvolvendo as finalidades
indicação das matérias a serem tratadas.
correspondentes ao Capítulo III, O Conselho Administrativo é o órgão
Três) A Assembleia Geral se instalará,
artigos III e IV. funcionará e deliberará em primeira convocação deliberativo, normativo e decisório da AARDEL
b) Participar nas assembleias gerais com com a presença da maioria absoluta dos seus e é composto por:
direito a voto; associados e, em segunda convocação, meia hora a) Presidente;
c) Eleger e ser eleito para cargo de depois, com qualquer número de associados, b) Vice-presidente;
administração, nos termos do excepto para os casos de destituição da c) Secretário;
presente estatuto; Directoria-Geral e de alteração do estatuto, sendo d) Tesoureiro.
d) Participar na implementação das necessária, nesses casos, em segunda
actividades da associação; convocação, a presença não inferior a um terço ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO
e) Receber assistência e aprimoramento. do número total de associados.
(Duração e organização)
ARTIGO DÉCIMO ARTIGO DÉCIMO QUARTO Um) O mandato do Conselho é de três anos,
(Resoluções) podendo ser renovado por mais duas vezes, por
(Deveres)
igual período.
São deveres dos associados: Um) As resoluções da Assembleia Geral Dois) O Conselho Administrativo reúne-se,
serão válidas quando aprovadas pela metade mais ordinariamente, a cada dois meses e, extraor-
a) Colaborar na realização dos objectivos um do número de associados presentes da dinariamente, quando convocado pelo presidente
da AARDEL; reunião, excepto em caso de alteração do estatuto de própria iniciativa, ou por solicitação da maioria
b) Manter actuação compatível com os e destituição do Conselho Administrativo, que de seus membros. Funciona legalmente com a
objectivos da mesma; devem ser aprovadas por dois terços do número metade mais um e delibera por maioria simples
c) Respeitar, cumprir as decisões das de associados presentes e, em caso de dissolução de votos.
assembleias gerais e do Conselho ou extinção da AARDEL, aprovada com voto
Administrativo; favorável de dois terços do número total de ARTIGO DÉCIMO OITAVO
d) Comparecer às sessões ordinárias e associados, presentes ou não na Assembleia (Competências do Conselho
extraordinárias das assembleias Geral. Administrativo)
gerais; Dois) Das assembleias gerais serão lavradas
actas em livro próprio ou em outro meio Compete ao Conselho Administrativo:
e) Zelar para que os bens da AARDEL
estejam ao serviço dos objetivos da mecânico ou informatizado, assinadas pelo a) Cumprir e fazer cumprir o presente
mesma. presidente, pelo secretário da sessão e por todos estatuto e as decisões da Assembleia
os presentes. Geral;
CAPÍTULO V b) Admitir associados;
ARTIGO DÉCIMO QUINTO c) Assegurar a organização e o
Da organização e direcção
(Competências da Assembleia Geral) funcionamento dos serviços, bem
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO como a escrituração dos livros;
Compete à Assembleia Geral deliberar sobre
(Órgãos) d) Fazer o relatório geral das actividades e
todas as matérias compreendidas nas atribuições
a prestação de contas;
São órgãos da AARDEL: legais ou estatutárias e necessariamente:
e) Aceitar heranças, doações, salvo se
a) Assembleia Geral; a) Eleger, empossar e destituir os importarem encargos para a asso-
b) Conselho Administrativo; membros do Conselho Adminis- ciação, e tal decisão for desacon-
c) Conselho Fiscal. trativo e os do Conselho Fiscal; selhável;
348 — (172) III SÉRIE — NÚMERO 15

f) Interpretar os dispositivos estatutários com outro sócio devidamente notária Batça Banu Amade Mussa, foi
e resolver os casos omissos, de credenciado, cheques em nome da constituída um associação, que se regerá pelas
conformidade com as leis específicas AARDEL. disposições constantes dos artigos seguintes:
que regem o assunto.
ARTIGO VIGÉSIMO TERCEIRO CAPÍTULO I
ARTIGO DÉCIMO NONO
(Vacância) Da denominação, natureza, sede
(Presidente) e duração
Na hipótese de vacância de qualquer um dos
Compete ao presidente: ARTIGO UM
cargos de secretário e/ou tesoureiro, o Conselho
a) Convocar e presidir as assembleias Administrativo promoverá o preenchimento de Denominação
gerais, bem como as reuniões do
conformidade com as leis específicas que regem
Conselho Administrativo; Um) Com a denominação de Associação de
o caso.
b) Representar a AARDEL em juízo ou Tchovas da Liberdade, é criada a presente
fora dele; CAPÍTULO VI associação que no seu funcionamento reger-se-
c) Administrar, por si ou por procu- á pelos presentes estatutos e demais legislação
radores, os bens, celebrar, rescindir Do Conselho Fiscal
aplicável.
e assinar contratos; ARTIGO VIGÉSIMO QUARTO Dois) A associação adopta a sigla de ATL.
d) Abrir, movimentar e encerra contas
bancárias, emitir e endossar cheques (Composição e competências)
ARTIGO DOIS
e ordens bancárias, bem como
Um) O Conselho Fiscal é composto por dois
receber pagamentos, subsídios, Natureza
membros titulares, eleitos pela Assembleia Geral,
subvenções, proventos, assinando,
conjuntamente com o tesoureiro ou com o mandato coincidente do Conselho A ATL, é uma pessoa colectiva de direito
outro sócio, devidamente Administrativo, permitidas duas reeleições, e é privado, dotada de personalidade jurídica,
credenciado, em nome da órgão de fiscalização económico-financeira. autonomia administrativa, financeira e
AARDEL. Dois) Reunir-se-á, ordinariamente, uma vez patrimonial, sem fins lucrativos.
por ano, e, extraordinariamente, sempre que
ARTIGO VIGÉSIMO necessário. ARTIGO TRÊS
(Vice-presidente) Três) Compete ao Conselho Fiscal emitir Sede
parecer sobre o balanço anual e as contas do
Compete ao vice-presidente: A ATL tem a sua sede na Matola, no Bairro
Conselho Administrativo.
a) Substituir o presidente em casos de da Liberdade, Avenida das Indústrias no terminal
ausência ou eventuais impedi- CAPÍTULO VII (Expresso).
mentos;
Das disposições gerais ARTIGO QUATRO
b) Auxiliar o presidente no exercício de
suas funções; ARTIGO VIGÉSIMO QUINTO Duração
c) Desempenhar cargos que lhe forem Um) As actividades dos membros do A ATL, é constituída por tempo
confiados pelo presidente ou pela Conselho Administrativo e do Conselho Fiscal, indeterminado, contando-se o seu início a partir
Assembleia Geral. bem como as dos associados, são inteiramente da data da sua publicação dos presentes estatutos.
ARTIGO VIGÉSIMO PRIMEIRO gratuitas, sendo-lhes vedado o recebimento de
qualquer lucro, gratificações, bonificações ou CAPÍTULO II
(Secretário) vantagem.
Dos objectivos
Compete ao secretário: Dois) Nenhum membro poderá conceder
empréstimos, avales ou endossos de favor, seja ARTIGO CINCO
a) Exercer as funções inerentes ao cargo;
em nome da AARDEL ou em seu nome pessoal.
b) Substituir o vice-presidente em suas Objectivos fundamentais
ausências e eventuais impedimentos, ARTIGO VIGÉSIMO SEXTO
cumulativamente com suas funções. Um) A ATL tem por objectivo enquadra-
Os casos omissos neste estatuto serão mento legal de profissionais na área de recolha
ARTIGO VIGÉSIMO SEGUNDO resolvidos pela Assembleia Geral especialmente de resíduos sólidos urbanos.
convocada para este fim de acordo com os Dois) Estabelecer parcerias com outras
(Tesoureiro)
princípios gerais do Direito. associações, governo, organismos nacionais e
Compete ao tesoureiro:
internacionais e demais instituições para
a) Zelar pelo equilíbrio financeiro da promover boa imagem com recolha de RSU’s
AARDEL e pelo registo da parte em Moçambique.
contábil, de acordo com a legislação
vigente; ARTIGO SEIS
b) Gerir a administração financeira e Associação de Tchovas
patrimonial e levar ao Conselho da Liberdade Objectivos específicos

Administrativo, para a devida Certifico, para efeitos de publicação, que por A ATL tem por finalidade:
apreciação e oportuna aprovação, escritura de catorze de Março de dois mil e
a) Cumprir o regulamento de profissionais
assuntos de natureza económica e onze, exarada de folhas quinze a folhas vinte e
nove do livro de notas para escrituras diversas na recolha de RUS’s;
financeira da AARDEL;
número cento e quinze A da Conservatória dos b) Promover a formação técnica
c) Movimentar contas bancárias e assinar,
conjuntamente com o presidente, ou Registos e Notariado da Matola, a cargo da profissional dos seus associados;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (173)

c) Criar incentivos de bolsas de formação ARTIGO NOVE CAPÍTULO IV


na área de aproveitamento de RSU’s
Direitos dos membros Dos órgãos sociais
para reciclagem;
d) Apoiar os recolectores de RSU’s e a Constituem direitos dos membros: ARTIGO DOZE
equipa técnica na área de a) Participar nas iniciativas promovidas Enumeração
investigação e pesquisa do pela associação;
aproveitamento dos mesmos; b) Participar nas assembleias gerais nos São órgãos da ATL:
e) Treinar e desenvolver os seus termos presentes nos estatutos; a) A Assembleia Geral;
associados no máximo do seu c) Apresentar os órgãos directivos, b) O Conselho de Direcção;
potencial; sugestões com vista a melhorar o c) O Conselho Fiscal;
f) Participar em feiras nacionais do trabalho; d) Tesoureiro.
ambiente, seminários, conferências, d) Solicitar esclarecimentos sobre
eventuais dúvidas relacionadas com SECÇÃO I
workshops e outros eventos ligados
ao ambiente; o funcionamento da associação; Da Assembleia Geral
e) Eleger e ser eleito para os cargos
g) Divulgar as actividades da ATL;
directivos da associação; ARTIGO TREZE
h) Estabelecer um banco de dados;
f) Ser notificado da decisão da sua Definição
i) Colaborar com associações nacionais e
demissão;
internacionais ligadas a área de A Assembleia Geral é o órgão máximo e
g) Requerer a convocação extraordinária
recolha de RUS’s; deliberativo da ATL, e é constituída pelos
da Assembleia Geral nos termos dos
j) Filiar-se em organizações nacionais e presentes estatutos; membros que tenham esse direito e se encontram
estrangeiras a contribuir para melhor h) Votar nas deliberações da Assembleia no seu gozo efectivo.
realização dos seus objectivos. Geral;
ARTIGO CATORZE
i) Gozar regalias e demais prerrogativas
CAPÍTULO III
concedidas pela associação. Competências da Assembleia Geral
Dos membros Compete à Assembleia Geral:
ARTIGO DEZ
ARTIGO SETE a) Aprovar os estatutos, o programa e o
Deveres dos membros regulamento interno da associação;
Condições de admissão
São deveres dos membros: b) Eleger e demitir os corpos directivos;
Um) Podem ser membros da ATL, c) Decidir sobre os recursos interpostos;
a) Cumprir com o preceituado nos
profissionais de informação no uso e d) Aprovar o relatório e contas anuais do
estatutos da ATL, as deliberações
Conselho da Direcção bem como os
aproveitamento de RSU’s desde que aceitem da Assembleia Geral e da Direcção
planos de trabalho e orçamento;
expressamente e voluntariamente os seus bem como do regulamento interno;
e) Deliberar sobre a matéria que for
estatutos e regulamento interno. b) Contribuir de várias formas para o
submetida a sua consideração pelo
prestígio e progresso da ATL;
Dois) A admissão dos membros é feita Conselho de Direcção bem como
c) Pagar a jóia e quotas pontualmente e
mediante proposta subscrita pelo candidato sendo respectivo parecer do Conselho
cumprir outros encargos definidos
aprovado pelo Conselho de Direcção e ratificada Fiscal;
pela associação;
pela Assembleia Geral na sessão imediata. f) Ratificar acordo celebrados pela
d) Desempenhar com zelo e assiduidade
associação;
as tarefas assumidas;
ARTIGO OITO g) Aprovar os símbolos e a bandeira da
e) Participar nas reuniões para que forem
associação;
eleitos ou designados;
Classificação dos membros h) Fixar o valor da jóia e o valor de quotas
f) Exercer com competência os cargos para
mensais;
Os membros da ATL, podem ser: que forem eleitos ou designados;
i) Deliberar sobre atribuição da qualidade
g) Denunciar quaisquer acções que visem
a) Fundadores – os que escreverem o de membros beneméritos;
pôr em causa o bom nome da
pedido da constituição da mesma e j) Atribuir distinções, louvores e outros
associação.
os que participaram na assembleia estímulos;
geral constitutiva; ARTIGO ONZE k) Decidir sobre a dissolução da ATL.
b) Efectivos – os membros admitidos Perda de qualidade de membros ARTIGO QUINZE
mediante o preenchimento dos
requisitos e formalidades fixados A qualidade de membros perde-se por: Deliberações da Assembleia Geral

pelos presentes estatutos; a) Prática de actos contrários aos estatutos Um) As deliberações da Assembleia Geral
c) Honorários – as pessoas embora e regulamento da associação; são tomadas por maioria absoluta de votos dos
estranhas a massa associativa pelo b) Falta de pagamento de quotas por um associados presentes ou representados.
período de tempo superior a três Dois) As deliberações sobre alterações dos
seu trabalho e prestígio tenham
meses; estatutos exigem o voto favorável de três quartos
serviços relevantes em prol da
c) Comportamento doloso ou greve que do número de membros presentes.
associação; provoque dano moral ou material à Três) As deliberações sobre dissolução da
d) Beneméritos – os membros que de associação; ATL, requerem voto favorável de três quartos
forma substancial tenham contri- d) Declaração expressa de vontade em de todos os associados.
buído economicamente para a exonerar-se de qualidade de Quatro) Todos os órgãos da associação serão
prossecução dos objectivos da membro; eleitos por um voto universal, em Assembleia
associação. e) Exclusão. Geral.
348 — (174) III SÉRIE — NÚMERO 15

ARTIGO DEZASSEIS i) Elaborar os regulamentos internos e b) Cuidar de todos os bens de tesouraria;


submetê-los à aprovação da c) Organizar os relatórios da tesouraria
Periodicidade
Assembleia Geral; para apresentá-los nas reuniões
A Assembleia Geral reunir-se-á ordina- j) Criar e coordenar as actividades das mensais do Conselho de Direcção;
riamente até dois de Abril de cada ano e comissões; d) Emitir cheques, controlar as contas
extraordinariamente, sempre que for convocada k) Deliberar sobre a aquisição de todos os bancárias e o fundo de maneio;
pelo Conselho de Direcção, ou ainda pelo menos bens necessários ao funcionamento e) Efectuar os pagamentos autorizados;
por metade dos membros. da associação; f) Elaborar anualmente e apresentar as
l) Celebrar acordos e assegurar o seu contas bem como o relatório da
ARTIGO DEZASSETE
cumprimento;
tesouraria para aprovação da
Constituição da Mesa m) Propor à Assembleia Geral o aluguer e
Assembleia Geral.
alienação dos bens que estejam
A Mesa da Assembleia Geral é constituída
disponíveis; SECÇÃO III
por:
n) Controlar todos os bens da associação;
a) Um presidente; Do Conselho Fiscal
o) Administrar o fundo social e contrair
b) Um secretário; empréstimos.
c) Um vogal. ARTIGO VINTE E TRÊS
ARTIGO VINTE E UM Natureza
ARTIGO DEZOITO
Composição O Conselho Fiscal é o órgão de auditoria e
Competências do presidente da Mesa
Compõe o Conselho de Direcção os controlo da ATL.
Um) Compete ao presidente da Mesa da seguintes membros:
Assembleia Geral: ARTIGO VINTE E QUATRO
a) Um presidente;
a) Convocar e presidir as sessões da b) Um Vice-presidente; Competências do Conselho Fiscal
Assembleia Geral; c) Um secretário-geral;
b) Conferir posse aos membros directivos; São competências do Conselho Fiscal:
d) Um tesoureiro;
c) Exercer outras tarefas que sejam e) Um Vogal. a) Examinar as contas e a situação
atribuídas pela Assembleia Geral. financeira da associação;
Dois) Compete ao secretário, redigir as actas ARTIGO VINTE E DOIS b) Verificar a proveniência para que os
e organizar o expediente relativo aos trabalhos Competências do presidente
fundos sejam utilizados de acordo
da Mesa da Assembleia Geral. do Conselho de Direcção com os estatutos;
c) Apresentar pareceres sobre o relatório,
SECÇÃO II Um) Compete ao presidente do Conselho de balanço e contas de exercícios e
Direcção: plano das actividades e orçamento
Do Conselho de Direcção
a) Coordenar e dirigir a actividade de anuais, apresentadas pelo Conselho
ARTIGO DEZANOVE Direcção, convocar e presidir as de Direcção á Assembleia Geral;
respectivas reuniões; d) Requerer a convocação da Assembleia
Natureza
b) Representar a ATL, em juízo e fora
Geral, em sessão extraordinária,
O Conselho de Direcção é o órgão executivo dele;
quando julgar necessário;
da associação. c) Elaborar propostas do programa de
actividades; e) Velar pelo cumprimento das normas
ARTIGO VINTE d) Nomear, demitir e exonerar o pessoal estatutárias.
de vários sectores da associação.
Competências do Conselho de Direcção ARTIGO VINTE E CINCO
Dois) Compete ao Vice-Presidente do
Compete ao Conselho de Direcção: Conselho de Direcção: Composição do Conselho Fiscal
a) Planificar e dirigir as actividades da a) Prestar apoio directo e substituir o O Conselho Fiscal terá a seguinte composição:
ATL; presidente na sua ausência ou
a) Um presidente;
b) Executar e dirigir as deliberações da impedimentos;
b) Preparar as reuniões do Conselho de b) Um secretário;
Assembleia Geral;
Direcção; c) Um relator.
c) Cumprir e zelar pela observância dos
estatutos, programas e regulamento c) Preparar e apresentar o projecto do
ARTIGO VINTE E SEIS
interno; orçamento anual da associação.
d) Apresentar à Assembleia Geral o Três) Compete ao secretário-geral do Competências do presidente do
relatório de contas do exercício anual Conselho de Direcção: Conselho Fiscal
e apresentar a proposta do a) Organizar os serviços de secretaria; Um) Compete ao presidente do Conselho
orçamento; b) Lavrar as actas das reuniões do Fiscal:
e) Prestar contas da sua administração; Conselho de Direcção; a) Representar o Conselho Fiscal e
f) Admitir membros ordinários; c) Tratar de assuntos de expediente da fiscalizar as actividades do Conselho
g) Propor à Assembleia Geral a admissão associação; de Direcção;
de membros honorários, atribuição d) Redigir avisos. b) Presidir as reuniões do Conselho
de distinções, louvores ou outros Quatro) Compete ao tesoureiro do Conselho Fiscal;
estímulos; de Direcção: c) Pode assistir as reuniões do Conselho
h) Resolver dúvidas suscitadas no a) Organizar os serviços gerais de de Direcção sempre que julgar
cumprimento dos estatutos; tesouraria; necessário ou quando for solicitado.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (175)

Dois) Compete ao secretário do Conselho CAPÍTULO VII Dois) A Cooperativa Social Tsembeka é uma
Fiscal: pessoa colectiva, de direito privado, dotado de
Das disposições transitórias personalidade jurídica, autonomia adminis-
Tratar do expediente e de assuntos do
Conselho Fiscal; elaborar actas das ARTIGO TRINTA E DOIS trativa, financeira e patrimonial e sem fins
reuniões do mesmo; lucrativos.
Funções
Três) Compete ao relator do Conselho Fiscal: ARTIGO SEGUNDO
Até que sejam eleitos, os órgãos da
Emitir pareceres do Conselho Fiscal e associação, as respectivas funções serão Sede
exercer outras funções que lhe forem exercidas por uma comissão instaladora, que
confiadas pelo presidente. diligenciará por tudo quanto interessa á ATL A associação tem a sua sede na cidade de
nomeadamente: Maputo, Bairro de Hulene, podendo criar
ARTIGO VINTE E SETE delegações ou outras formas de representação,
a) A promoção de acções utentes e em qualquer outro lugar do território nacional,
Reuniões divulgação dos objectivos da mediante deliberação da assembleia geral.
Os órgãos referidos nas secções II a III, associação;
reunir-se-ão, pelo menos, uma vez por mês e só, b) A inscrição da associação e a fixação ARTIGO TERCEIRO
poderão deliberar por maioria de votos dos provisória da quota e da jóia;
Duração e âmbito
titulares presentes. c) A instalação dos serviços da ATL, na
sede provisória. A associação constitui-se por tempo
ARTIGO VINTE E OITO indeterminado e é de âmbito nacional.
ARTIGO TRINTA E TRÊS
Mandatos
ARTIGO QUARTO
Reuniões
Um) Os titulares dos órgãos da ATL terão
Objectivos
um mandato de cinco anos podendo ser reeleitos Um) A primeira sessão da Assembleia Geral,
por mais dois mandatos consecutivos. realizar-se-á no prazo de sete meses contando- Constituem objectivos da associação:
Dois) Nenhum membro dos órgãos sociais se a partir da data de celebração da escritura a) Promover e participar em actividades
pode exercer as suas funções em acumulação pública da constituição. que contribuam na reinserção social
com qualquer cargo dos outros órgãos sociais. Dois) Na primeira assembleia geral, serão e económica de pessoas
ratificados os presentes estatutos, bem como os desfavorecidas e vulneráveis;
CAPÍTULO V actos e contratos praticados e celebrados pela b) Desenvolver o associativismo como
Dos recursos financeiros comissão instaladora.
forma de eliminar o desemprego e
CAPÍTULO VIII delinquência juvenil, promovendo
ARTIGO VINTE E NOVE
acções de treinamento vocacional;
Recursos financeiros Das disposições finais c) Promover e defender dos direitos
ARTIGO TRINTA E QUATRO Humanos;
Constituem recursos financeiros da ATL:
d) Estabelecer laços de cooperação com
a) Jóias; Dissolução instituições existentes dentro e fora
b) Quotas mensais; do país com vista à troca de
Em caso de dissolução da ATL, a Assembleia
c) Os rendimentos resultantes das Geral reunir-se-á extraordinariamente para experiência nos ramos sociais e
actividades da associação na deliberar que o património seja revertido às culturais;
prossecução dos seus objectivos; associações ou instalações que prosseguem fins e) Identificar oportunidades de emprego e
d) Quaisquer outras subvenções de anónimos. auto emprego para os associados e a
entidades públicas ou privadas, comunidade em geral;
nacionais e estrangeiras; ARTIGO TRINTA E CINCO f) Promover campanhas de educação cívica
e) Quaisquer doações, heranças ou Omissões
sobre saúde pública, sexual e
legados de que venham a beneficiar reprodutiva, protecção do meio
Os casos omissos são regulados pela lei ambiente, democracia e Direitos
o que seja por eles aceite.
geral. Humanos, HIV/SIDA contribuindo
ARTIGO TRINTA Está conforme. no alívio à pobreza em Moçambique;
Conservatória dos Registos e Notariado da g) Promover a união entre diversas
Promoção de eventos
Matola, dezassete de Março de dois mil e onze. — associações existentes no bairro.
A Associação de Tchovas da Liberdade O Técnico, Ilegível.
(ATL), pode remover actividades de carácter CAPÍTULO II
informativo, publicitário, cultural e recreativo. Dos membros
CAPÍTULO VI
Cooperativa Social Tsembeka ARTIGO QUINTO
Das disposições gerais CAPÍTULO I
Definição e admissão
Da denominação, natureza, sede,
ARTIGO TRINTA E UM Um) Podem ser membros da associação,
âmbito e objectivos
todas as pessoas singulares ou colectivas,
Membros ausentes
ARTIGO PRIMEIRO nacionais ou estrangeiras, sem nenhuma forma
Os membros constituintes ausentes no acto de discriminação, que aceitem os presentes
Denominação e natureza
das assinaturas do presentes estatutos, ou de estatutos e programas.
quaisquer outros documentos inerentes à Um) A associação adopta a denominação de Dois) A admissão é deliberada em assembleia
constituição ou formalização da ATL, poderão Cooperativa Social Tsembeka, adiante designada geral, sob proposta apresentada pelo conselho
fazer posteriormente. por associação. de direcção.
348 — (176) III SÉRIE — NÚMERO 15

ARTIGO SEXTO ARTIGO NONO Três) As deliberações contrárias à lei ou aos


presentes estatutos são anuláveis.
Categorias Sanções
Quatro) A Assembleia Geral ordinária tem
Um) A associação tem as seguintes Um) Aos membros que cometerem acções lugar uma vez por ano e a extraordinária sempre
categorias de membros: que contrariem os presentes estatutos, objectivos que para tal for solicitada, pelo Conselho de
a) Membros fundadores, os que e orientações da Associação, serão aplicadas as Direcção ou quer pelo menos um terço dos
participaram na Assembleia Geral seguintes sanções: membros.
constituinte; a) Repreensão por escrito; Cinco) Em caso de não correspondência do
b) Membros efectivos, todas as pessoas b) Suspensão; disposto no número anterior na primeira
singulares ou colectivas que c) Expulsão. convocatória, depois de quinze dias, a
preencham os requisitos e formali- Dois) A aplicação a sanções é da competência Assembleia Geral delibera com qualquer número
dades fixadas pelos estatutos e do Conselho de Direcção. de presentes.
trabalhem directamente e de forma Três) Compete à Assembleia Geral sob Seis) São anuláveis as deliberações tomadas
efectiva nas actividades da proposta do Conselho de Direcção, decidir sobre fora da matéria agendada, salvo se forem de
associação; a demissão de qualquer membro, fixando o acordo com todos os associados e todos
c) Membros contribuintes, aqueles que não regulamento interno o processo, a seguir para a concordarem com o adiamento.
têm obrigações estatutárias e tomada da tal decisão, bem como as condições
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO
contribuem para a materialização dos de readmissão.
objectivos da Cooperativa Social Competências
Tsembeka e as organizações que CAPÍTULO III
simpatizam ou congéneres Compete à Assembleia Geral:
Dos órgãos sociais
independentemente do seu carácter. a) Eleger e destituir os órgãos sociais da
ARTIGO DÉCIMO associação;
ARTIGO SÉTIMO b) Apreciar e aprovar os planos de acção
Órgãos sociais
Deveres
e os respectivos orçamentos;
Um) São órgãos da associação: c) Deliberar sobre a alteração dos estatutos
São deveres dos membros: a) Assembleia Geral; e programas;
a) Conhecer e cumprir as disposições b) Conselho de Direcção; e d) Apreciar anualmente o relatório de
estatutárias e programas; c) Conselho Fiscal. actividades e financeiro e o parecer
b) Tomar parte nos trabalhos para os quais Dois) Todos os órgãos sociais são eleitos em do Conselho Fiscal sobre a matéria,
for convocado; Assembleia Geral e cada mandato tem duração bem como aprovar o orçamento
c) Promover, divulgar e defender os de três anos renováveis, uma única vez. seguinte, analisar e avaliar as
objectivos, estatutos e programas da propostas de candidaturas para
associação; SECÇÃO I
membros;
d) Pagar pontualmente as quotas; Da Assembleia Geral e) Decidir sobre a criação de parcerias e
e) Promover uma boa imagem da de formas de representação da
associação; ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO
associação no território nacional;
f) Cumprir rigorosamente as funções que
Assembleia Geral f) Aprovar o valor a pagar pela jóia e quota.
forem incumbidas;
g) Não contrair dívidas, cometer actos ou Um) A Assembleia Geral é o órgão supremo ARTIGO DÉCIMO QUARTO
assumir responsabilidades e deliberativo da associação e suas deliberações
particulares ou singulares em nome são obrigatórias para restantes órgãos. Competência do presidente da mesa
da associação. Dois) A Mesa da Assembleia Geral é
Compete ao presidente:
composta por:
ARTIGO OITAVO a) Convocar a Assembleia Geral e ratificar
a) Um presidente;
as respectivas actas;
Direitos b) Um vice-presidente;
b) Dirigir e orientar os trabalhos da
c) Um secretário.
Constituem direitos dos membros: Assembleia Geral.
Três) Participam na Assembleia Geral todos
a) Eleger e ser eleito para órgãos sociais, os membros em pleno gozo dos seus direitos. ARTIGO DÉCIMO QUINTO
direito exclusivo dos membros Quatro) As decisões da Assembleia Geral
fundadores e efectivos; Competência do vice-presidente
são tomadas por maioria absoluta de votos dos
b) Propor a admissão de novos membros; membros presentes. Compete ao vice-presidente:
c) Participar em actividades, usufruir dos
ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO a) Coadjuvar o presidente no exercício das
serviços e de bens que a associação
suas funções e exercer as
disponibilizar, bem como aceder às Convocação e funcionamento competências que este lhe delegar;
instalações e utilizar o equipamento
Um) A Assembleia Geral é convocada pelo b) Substituir o presidente em caso de
e o material disponível de acordo
respectivo presidente da mesa, por uma carta ausência ou impedimento legal.
com os regulamentos internos;
dirigida aos membros, devendo nela constar a
d) Ter acesso a toda informação agenda de trabalho, o dia, a hora e o local de ARTIGO DÉCIMO SEXTO
administrativa e financeira da realização das sessões com antecedência mínima Competências do secretário
associação; de trinta dias.
e) Tomar parte dos trabalhos da Dois) A Assembleia Geral não pode deliberar, Ao secretário compete:
Assembleia Geral e participar nas em primeira convocação, sem a presença de a) Elaborar as actas das sessões da
suas deliberações. metade, pelo menos, dos seus associados. Assembleia Geral;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (177)

b) Auxiliar para o bom funcionamento da c) Criar departamentos ou áreas c) Herança ou legados recebidos para
mesa da própria Assembleia Geral; específicas de trabalho e nomear benefício da associação.
c) Preparar as condições logísticas a seus respectivos de signatário.
administrativas para o pleno e ARTIGO VIGÉSIMO QUARTO
Três) Compete ao vice-presidente:
eficiente funcionamento da sessão. Jóia e quotas
a) Coadjuvar o coordenador e exercer as
SECÇÃO II competências por sí delegadas; Um) A jóia e a quota a pagar pelos membros
b) Inteirar-se da situação financeira da é fixada anualmente em Assembleia Geral.
Do conselho de direcção
associação. Dois) A jóia é paga de uma única vez no acto
ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO Quatro) Compete ao secretário: de admissão como membro.
a) Direccionar e executar as actividades Três) A jóia e as quotas pagas não são
Direitos
da associação em obediência às reembolsáveis em nenhuma circunstância.
Um) A composição deve ser nos termos do deliberações do Conselho de Quatro) A direcção fixará as modalidades e
Código Civil. Direcção; formas de pagamento das quotas.
Dois) O Conselho de Direcção é o órgão b) Coordenar directamente o
executivo da associação para efeitos de gestão e CAPÍTULO V
funcionamento dos vários sectores
administração e é composto por: da actividades; Da extinção e liquidação
a) Um coordenador; c) Processar e conservar toda informação
ARTIGO VIGÉSIMO QUINTO
b) Um oficial de programas; e documentos da associação.
c) Um tesoureiro; Extinção
d) Um secretário geral; e SECÇÃO III
A Cooperativa Social Tsembeka, extingue-
e) Porta voz. Do Conselho Fiscal se por deliberação da Assembleia Geral, devendo
ARTIGO DÉCIMO OITAVO nela estar presente três quartos do número de
ARTIGO VIGÉSIMO
todos os associados ou pelas disposições do
Funcionamento Composição preceituado na lei das pessoas colectivas sem
fins lucrativos.
O Conselho de Direcção reúne-se ordinaria- O Conselho Fiscal é o órgão de auditoria,
mente uma vez por mês e extraordinariamente que fiscaliza a legalidade dos actos de todos os ARTIGO VIGÉSIMO SEXTO
sempre que se mostrar necessário, mediante órgãos e é composto por:
Liquidação
solicitação por qualquer um dos membros. a) Um presidente; e
b) Dois vogais. Deliberada a extinção proceder-se-á à
ARTIGO DÉCIMO NONO liquidação nos termos da lei, devendo os órgãos
ARTIGO VIGÉSIMO PRIMEIRO da Cooperativa Social Tsembeka manter-se em
Competência do Conselho de direcção
Funcionamento
funcionamento até a realização da Assembleia
Um) Compete ao Conselho de Direcção: Geral a ser convocada para apreciação das contas
a) Executar as deliberações da Assembleia O Conselho Fiscal reúne-se ordinariamente e relatório final do Conselho de Direcção.
uma vez por semestre e extraordinariamente
Geral;
sempre que se achar conveniente. ARTIGO VIGÉSIMO SÉTIMO
b) Cumprir e zelar pelo cumprimento das
disposições estatutárias; ARTIGO VIGÉSIMO SEGUNDO Disposições transitórias
c) Fazer a gestão e administração da Os presentes estatutos entram em vigor
Competências
organização dos seus recursos; imediatamente após a sua publicação.
d) Aprovar a admissão provisória dos Compete ao Conselho Fiscal: As lacunas ou omissões que se verificarem
membros; a) Examinar a escrituração e os nos presentes estatutos, serão preenchidas pelas
e) Preparar o plano anual das actividades, documentos e fazer a verificação dos disposições aplicáveis e pelo regulamento
bem como o respectivo orçamento e valores patrimoniais; interno.
submetê-lo à provação da b) Submeter anualmente ao Conselho de
Assembleia Geral; Direcção o relatório sobre as suas
f) Apreciar as propostas de tesouraria actividades;
relativas as contas, saldo e balanço, c) Garantir a auditoria financeira e emitir
anualmente um parecer sobre o Niassalândia, Limitada
sua distribuição pelos fundos
relatório de contas da associação.
próprios e disponíveis para Certifico, para efeitos de publicação, que por
aplicação; CAPÍTULO IV escritura de catorze de Fevereiro de dois mil e
g) Elaborar e avaliar os relatórios anuais onze, lavrada a folhas vinte e quatro a quarenta e
Dos fundos da associação
de trabalho; seis do livro de notas para escrituras diversas
h) Disciplinar os membros; ARTIGO VIGÉSIMO TERCEIRO
número L cento e catorze traço A da
i) Propor a abertura ou encerramento de Fundos Conservatória dos Registos e Notariado da
delegações ou outras formas de Matola, a cargo de Batça Banu Amade Mussa,
representações no país. Constituem fundos da Associação:
licenciada em Direito, técnica superior dos
a) O produto da jóia e quotas cobradas
Dois) Compete ao Coordenador: registos e notariado N1 e notária do referido
aos associados;
a) Representar a associação em juízo ou b) As contribuições, subsídios, doações cartório, os senhores Carlos Manuel Brito
fora dele; ou qualquer forma de financiamento Leal Queiroz, Jorge Manuel Oliveira da Silva e
b) Coordenar as actividades de proveniente de entidades públicas ou Alberto Joaquim Chipande Júnior e a sociedade
organização; privadas ou singulares; RIL –Rex Investimentos, Limitada, constituíram
348 — (178) III SÉRIE — NÚMERO 15

entre sí uma sociedade por quotas de outras formas de associação, sob quaisquer Cinco) A assembleia geral poderá decidir
responsabilidade limitada denominada formas permitidas por lei, bem como exercer sobre o aumento do capital social, definindo as
Niassalândia, Limitada, que será regida pelas cargos sociais que decorram dessas mesmas modalidades, termos e condições da sua
disposições constantes dos artigos seguintes: associações ou participações. realização.

CAPÍTULO I CAPÍTULO II ARTIGO SEIS


Da denominação, duração, sede e Do capital social (Onús ou encargos dos activos)
objecto
ARTIGO QUATRO Um) Os sócios não poderão constituir onús
ARTIGO UM ou encargos sobre as quotas de que sejam titulares
(Capital social)
(Denominação e sede) sem o prévio consentimento da Sociedade.
O capital social, em dinheiro, é de cinquenta Dois) Para tal consentimento, a administração
Um) A sociedade adopta a denominação mil meticais, encontrando-se dividido em quatro deverá ser notificado pelo sócio, através de carta
Niassalândia, Limitada, e constitui-se sob a forma quotas iguais, distribuídas da seguinte forma: registada com aviso de recepção, indicando-se
de sociedade por quotas de responsabilidade as condições do onús ou encargo.
a) Uma quota com o valor nominal de
limitada. Três) A administração, no prazo de cinco dias
doze mil e quinhentos meticais,
Dois) A sociedade tem a sua sede no distrito após a recepção da carta referida no número
representativa de vinte e cinco por
de Marangira, na província do Niassa, podendo anterior, transmitirá ao presidente da mesa da
cento do capital social, pertencente assembleia geral o conteúdo da referida carta
abrir sucursais, delegações, agências ou qualquer
ao sócio Carlos Manuel Brito Leal para que este proceda à convocação de uma
outra forma de representação social, no território
Queiroz; reunião da assembelia geral para deliberar sobre
nacional ou no estrangeiro.
b) Uma quota com o valor nominal de o referido consentimento.
Três) Mediante simples deliberação, pode a
doze mil e quinhentos meticais, Quatro) O presidente da assembleia geral
administração transferir a sede para qualquer
representativa de vinte e cinco por deverá convocar a assembleia geral por forma a
outro local no território nacional.
cento do capital social, pertencente que esta tenha lugar no prazo de trinta dias
ARTIGO DOIS ao sócio Jorge Manuel Oliveira da contados da data da recepção da comunicação da
Silva Alves; administração.
(Duração)
c) Uma quota com o valor nominal de doze
A sociedade é constituída por tempo mil e quinhentos meticais, ARTIGO SETE
indeterminado. representativa de vinte e cinco por
(Prestações suplementares
cento do capital social, pertencente
e suprimentos)
ARTIGO TRÊS à sócia RIL – Rex Investimentos,
Limitada; Um) Não serão exigíveis prestações
(Objecto)
d) Uma quota com o valor nominal de suplementares de capital, podendo os sócios,
Um) A sociedade tem por objecto principal o doze mil e quinhentos meticais, porém, conceder à sociedade os suprimentos de
exercício das actividades madereira; exploração representativa de vinte e cinco por que necessite, nos termos e condições fixados
industrial de madeiras; concessões florestais e cento do capital social, pertencente por deliberação da assembleia geral.
de madeira; corte, transformação, processamento ao sócio Alberto Joaquim Chipande Dois) Entendem-se por suprimentos o
e sua comercialização; silvicultura; serração; Júnior. dinheiro ou outra coisa fungível, que os sócios
importação e exportação; exploração de possam emprestar à sociedade.
actividades mineiras, prospecção e pesquisa ARTIGO CINCO
geólogica, exploração e concessão mineira, ARTIGO OITO
(Aumento do capital social)
comercialização de produtos minerais; compra e (Divisão, transmissão, oneração
venda de recursos minerais preciosos e Um) O capital social poderá ser aumentado, e alienação de quotas)
semipreciosos, gemas, esmeralda, rubi, uma ou mais vezes, mediante novas entradas,
turmalina, ouro e todos outros tipos de pedras e por incorporação de reservas ou por qualquer Um) A transmissão de quotas entre os sócios
minerais; abertura duma fábrica para outra modalidade ou forma legalmente permitida não está sujeito ao direito de preferência, desde
processamento dos produtos acima indicados, por deliberação da administração, até ao limite que se encontrem preenchidos todos os termos e
bem como quaisquer outras actividades para a fixado pela assembleia geral, observadas as condições estabelecidos no artigo oito dos
qual obtenha as necessárias licenças. formalidades legais e estatutárias. presentes estatutos.
Dois) A sociedade poderá exercer outras Dois) O aumento do capital social pode ser Dois) A cessão, total ou parcial, de quotas a
actividades distintas, subsidiárias ou deliberado mediante proposta da administração terceiros, bem como a constituição de ónus ou
complementares do seu objecto principal, desde e, em qualquer caso, a assembleia deverá ouvir a encargos sobre as mesmas, é feita mediante
administração o conselho fiscal ou deliberação dos sócios tomada em assembleia
que devidamente autorizadas.
fiscal único, antes de tomar qualquer geral e fica condicionada ao exercício do direito
Três) Mediante deliberação da administração,
a sociedade poderá participar, directa ou deliberação relativa ao aumento do capital social. de preferência da sociedade, em primeiro lugar,
indirectamente, em projectos de desenvolvimento Três) O aumento do capital social será e dos demais sócios, em segundo lugar.
que de alguma forma concorram para o efectuado nos termos e condições deliberados Três) Sem prejuízo do acima exposto, os
preenchimento do seu objecto social, bem como em assembleia geral ou pela administração e, sócios terão direito de transferir a totalidade ou
aceitar concessões, adquirir e gerir participações supletivamente, nos termos gerais. parte da quota que detém a qualquer empresa
sociais no capital de quaisquer sociedades, Quatro) Em qualquer aumento do capital sua associada sem aprovação prévia quer da
independentemente do respectivo objecto social, social, os sócios gozam do direito de preferência, sociedade quer dos outros sócios e sem que
ou ainda participar em empresas, associações na proporção das participações sociais de que assista quer à sociedade quer aos restantes sócios
empresariais, agrupamentos de empresas ou sejam titulares, a exercer nos termos gerais. o direito de preferência.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (179)

Quatro) O direito de preferência acima sempre que for necessário, para deliberar sobre balanço e a demonstração de
referido é exercido pelo valor da quota resultante quaisquer outros assuntos para a qual tenha sido resultados, bem como o parecer do
do último balanço ou pelo valor do projecto para convocada. conselho fiscal ou fiscal único sobre
a transmissão, qualquer que for o mais baixo, Dois) As reuniões da assembleia geral deverão as mesmas e deliberar sobre a
ou em caso de desacordo dos sócios em relação ser convocadas por meio de carta registada com aplicação dos resultados do
ao valor da quota, os sócios aceitarão o valor da aviso de recepção, expedida aos sócios com um exercício;
quota que resultar de avaliação realizada por um antecedência mínima de quinze dias em relação à b) Eleger e destituir os membros da mesa
auditor de contas sem relação com a sociedade. data da reunião, salvo nos casos em que sejam da assembleia geral, os adminis-
Cinco) O sócio que pretenda alienar a sua legalmente exigidas quaisquer outras tradores e os membros do conselho
quota informará à sociedade, com o mínimo de formalidades ou estabeleçam prazo maior. fiscal;
trinta dias de antecedência, através de carta Três) Todas as convocatórias deverão c) Deliberar sobre quaisquer alterações
registada ou outro meio de comunicação que especificar a firma, a sede e número de registo aos presentes estatutos;
deixe prova escrita, dando a conhecer o projecto da sociedade, o local, data e hora da reunião, a d) Deliberar sobre o aumento, redução ou
de venda e as respectivas condições contratuais, espécie de reunião, assim como, um sumário reintegração do capital social;
nomeadamente, o preço e a forma de pagamento. das matérias propostas para a discussão que será e) Deliberar sobre a chamada e a
Seis) A sociedade deverá exercer o respectivo a ordem dos trabalhos. restituição das prestações
direito de preferência no prazo máximo de Quatro) Serão válidas as deliberações dos suplementares;
quarenta e cinco dias, e os demais sócios deverão sócios tomadas sem observância de quaisquer f) Deliberar sobre a fusão, cisão ou
exercer o direito de preferência no prazo de quinze formalidades convocatórias, desde que todos os transformação da sociedade;
dias, a contar da data da recepção da comunicação. sócios estejam presentes ou representados na g) Deliberar sobre a dissolução e
Sete) Na eventualidade de existirem dois ou reunião e todos manifestem vontade de que a liquidação da sociedade;
mais sócios interessados em exercer o direito de assembleia se constitua e delibere sobre h) Deliberar sobre outros assuntos que
preferência, a quota será transferida numa base determinado assunto. não estejam, por disposição
pro rata das respectivas quotas. Cinco) Os sócios podem deliberar sem estatutária ou legal, compreendidos
Oito) No caso de nem a sociedade nem os recurso à assembleia geral, desde que todos na competência de outros órgãos da
restantes sócios pretenderem exercer o declarem por escrito o sentido dos seus votos, sociedade;
mencionado direito de preferência, então o sócio em documento que inclua a proposta de i) Aprovação de suprimentos bem como
que desejar vender a sua quota poderá fazê-lo deliberação, devidamente datado, assinado e os seus termos e condições;
livremente. endereçado à sociedade. j) Nomeação e a aprovação de remuneração
Nove) É nula qualquer divisão, transmissão, dos membros da administração, do
ARTIGO DOZE
oneração ou alienação de quotas que não observe conselho fiscal, fiscal único e do
o preceituado no presente artigo. (Quórum constitutivo) auditor externo;
k) Aprovacão do plano estratégico e plano
ARTIGO NOVE Um) A assembleia geral constituir-se-á
de negócios.
validamente se quando estiverem presentes ou
(Amortização de quotas) l) Aprovação das contas finais dos
representados os sócios que representem, pelo
liquidatários;
A sociedade apenas poderá amortizar quotas, menos, cinquenta e um por cento do capital
m) Outros assuntos que estejam referidos
nos casos de exclusão ou exoneração de sócio. social, sem prejuízo do disposto na lei.
na lei e nos presentes estatutos.
Dois) Se numa reunião da assembleia geral
CAPÍTULO III não estiver reunido o quórum necessário Dois) Os sócios terão o direito de consultar
decorridos trinta minutos após a hora marcada todos os documentos da sociedade, antes das
Dos órgãos sociais, administração
para o seu início, essa reunião deverá ser adiada reuniões das assembleias gerais, nos termos e
e representação da sociedade
para uma data entre quinze a trinta dias da data para os efeitos do que a esse respeito, se encontra
ARTIGO DEZ inicialmente prevista, sujeito ao envio de uma estabelecido no Código Comercial. No caso,
notificação escrita com aviso de recepção com porém, de ser requerida pelos sócios, informação
(Órgãos sociais)
escrita sobre a gestão da sociedade e/ou sobre
antecedência de dez dias aos sócios ausentes na
Os órgãos sociais são a assembleia geral e a qualquer operação social em particular, poderá a
reunião adiada, a mesma hora e no mesmo local
administração. sociedade, no caso de a administração entender
a menos que o presidente da mesa estipule uma
que a revelação de tal informação poderá
ARTIGO ONZE hora e local diferente incluída na notificação aos
influenciar o sucesso da operação, recusar a
sócios. consulta e/ou a revelação da informação, até ao
(Assembleia geral) Três) Se dentro de trinta minutos após a hora momento em que a operação em questão se
Um) A assembleia geral reúne-se marcada para a referida segunda reunião o mostre concluída.
ordinariamente na sede social da sociedade ou quórum não estiver reunido, a reunião da
assembleia geral realizar-se-á independentemente ARTIGO CATORZE
em qualquer outro local a ser definido pela
do número de sócios presentes ou representados,
mesma na sua primeira reunião, uma vez por (Representação em assembleia geral)
podendo estes decidir quanto as matérias da
ano, nos três meses imediatos ao termo de cada
ordem de trabalhos.
exercício, para apreciação do balanço e aprovação Um) Os sócios poderão fazer-se representar
das contas referentes ao exercício anterior, bem ARTIGO TREZE nas assembleias gerais por qualquer outra pessoa
como para deliberar sobre quaisquer outros física, nos termos legalmente permitidos,
(Competências) mediante simples carta dirigida à administração
assuntos de interesse para a sociedade e para a
qual haja sido convocada e, extraordinariamente Um) Sem prejuízo das competências e por este recebida até às dezassete horas do
sempre que devidamente convocada, por previstas na lei e nos presentes estatutos, último dia útil anterior à data da sessão.
iniciativa do presidente da mesa ou a requerimento compete, á assembleia geral: Dois) As decisões da assembleia geral deverão
da administração ou dos sócios que representem a) Aprovar o relatório da administração e ser reduzidas a escrito e lavradas em livro de
pelo menos, dez por cento do capital social, as contas do exercício, incluindo o actas e assinadas por todos os sócios ou seus
348 — (180) III SÉRIE — NÚMERO 15

representantes que nela tenham participado ou todos os actos necessários a boa prossecução do n) A administração poderá, por acta da
as deliberações poderão constar de acta lavrada seu objecto social de acordo com o previsto reunião do órgão, sem prejuízo da
em documento avulso, devendo neste caso as nestes estatutos e na lei compreendendo esses lei ou dos presentes estatutos,
assinaturas dos sócios ou seus representantes poderes nomeadamente os de: delegar num ou demais dos seus
ser reconhecidas notarialmente. a) Submeter à assembleia geral quaisquer membros a totalidade ou parte dos
recomendações sobre matérias que seus poderes.
ARTIGO QUINZE
devam ser deliberadas pela mesma; ARTIGO DEZANOVE
(Votação) b) Celebrar quaisquer contratos de gestão
corrente da sociedade, incluindo os (Competências do presidente
Um) As deliberações da assembleia geral
necessários para contrair emprés- do conselho de administração)
serão tomadas por maioria simples dos votos
presentes ou representados, salvo disposição timos dos bancos que normalmente O presidente do conselho de administração
estatutária em contrário. lidam com a sociedade, bem como tem as seguintes competências:
Dois) Os sócios podem votar por intermédio oferecer garantias por quaisquer
a) Convocar e presidir as reuniões da
de representante constituído por procuração garantias mutuadas nos limites
administração;
escrita, e não será válida, quanto às deliberações estabelecidos pela assembleia geral;
b) Assegurar o cumprimento e execução
que importem modificação do pacto social ou c) Submeter à aprovação da assembleia
das deliberações da administração
dissolução da sociedade, a procuração que não geral quaisquer propostas de planos
bem como de quaisquer outras
contenha poderes especiais quanto ao objecto da estratégicos, planos de aumento de responsabilidades que lhe sejam
mesma deliberação. capital social, de transferência, atribuídas nos presentes estatutos.
Três) A cada duzentos e cinquenta meticais cessão, venda ou outra forma de
do valor nominal da quota corresponde a um alienação de bens e/ou negócio da ARTIGO VINTE
voto. sociedade;
(Convocação de reuniões
d) Submeter à aprovação da assembleia
da administração)
ARTIGO DEZASSEIS geral os relatórios anuais e as
demonstrações financeiras da Um) A administração reunir-se-á sempre que
(Quórum deliberativo)
sociedade bem como os planos seja necessário para os interesses da sociedade e
Sem prejuízo do especificamente acordado anuais de operações e de pelo menos uma vez por trimestre, sendo
nos presentes estatutos, as deliberações sociais orçamentos; convocado pelo presidente do conselho de
quer em assembleia geral ordinária, quer em e) Deliberar sobre a compra de quotas e administração ou a pedido de dois adminis-
assembleia geral extraordinária serão tomadas obrigações em quaisquer outras tradores.
mediante deliberação simples ou seja por maioria sociedades; Dois) As convocações deverão ser feitas, por
dos votos dos sócios presentes ou representados f) Designar o director-geral e conferir-lhe escrito, por forma a serem recebidas por todos
equivalente a mais de cinquenta e um por cento os poderes para actuar em nome da os administradores, com um mínimo de quinze
de todo o capital subscrito. sociedade; dias de antecedência relativamente à data das
ARTIGO DEZASSETE g) Deliberar sobre a constituição de reuniões, a não ser que prazo mais curto seja
empresas participadas pela decidido entre administradores.
(Administração e representação) sociedade e/ou na aquisição de Três) A convocatória deverá incluir a data,
Um) A administração e representação da participações noutras empresas; local e ordem dos trabalhos, bem como ser
sociedade são exercidas por uma administração h) Submeter para aprovação da assembleia acompanhada de todos os elementos necessários
composta por um ou mais administradores a geral a forma de distribuição de para a tomada de deliberações quando seja esse
serem eleitos pela assembleia geral. dividendos, nomeadamente no que o caso. As reuniões podem realizar-se mediante
Dois) Os administradores são eleitos por um diz respeito, à criação, investimento, conferência telefónica ou videoconferência.
período de três anos renováveis, livremente contratação e capitalização de Quatro) Exceptuam-se dos números
revogável pelos sócios, salvo deliberação em reservas que não a reserva legal, bem anteriores as reuniões em que se encontrem
contrário da assembleia geral, podendo ser eleitas como o montante dos dividendos a presentes ou devidamente representados todos
pessoas estranhas à sociedade, sendo dispensada distribuir aos sócios; os administradores, caso em que serão
a prestação de qualquer caução para o exercício i) Celebrar contratos de empréstimo bem dispensadas quaisquer formalidades de
do cargo. como onerar a sociedade em valores convocação.
Três) Os administradores podem fazer-se a serem previamente aprovados pela
representar no exercício das suas funções. assembleia geral; ARTIGO VINTE E UM
Quatro) O administrador da sociedade que j) Definir os planos de desenvolvimento (Quórum constitutivo)
tenha um qualquer interesse directo ou indirecto da sociedade;
no contrato ou acordo a celebrar pelo ou em k) Dar início ou acordar na deliberação de Um) As reuniões da administração serão
nome da sociedade deverá informar numa reunião qualquer disputa, litígio, arbitragem, consideradas validamente constituídas se nelas
da administração a natureza e tal potencial ou outro procedimento judicial com tiverem presentes ou representados mais de
conflito de interesses. qualquer terceira parte, relativamente metade dos seus membros.
Cinco) Os administradores não terão direito a matérias com relevância para o Dois) Qualquer administrador, estando
à remuneração, a não ser que a administração desempenho das actividades da temporariamente impedido de participar nas
decida de outra forma. sociedade; reuniões da administração poderá fazer-se
l) Gerir quaisquer outros negócios nos representar por qualquer pessoa física, mediante
ARTIGO DEZOITO
termos determinados nestes simples carta, e-mail ou telefax dirigida ao
(Competências da administração) estatutos e na lei aplicável; presidente do conselho de administração ou à
m) Representar a sociedade em juízo e fora sociedade, podendo o mandatário representar
Compete à administração exercer os mais
dele, activa e passivamente; mais do que um administrador na mesma reunião.
amplos poderes de gestão da sociedade e realizar
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (181)

Três) No caso do quórum não estar ARTIGO VINTE E SEIS contas de ganhos e perdas, acompanhados de
constituído a reunião deverá ser adiada por um um relatório da situação comercial, financeira e
(Funcionamento)
prazo não superior a três dias úteis. A notificação económica da sociedade, bem como a proposta
do adiamento será entregue e qualquer número Um) O conselho fiscal reúne-se trimes- quanto à repartição de lucros e perdas.
de administradores presentes ou representados tralmente e sempre que convocado pelo seu
nessa mesma reunião será suficiente para se ARTIGO TRINTA
presidente, pela maioria dos seus membros ou
considerar o quórum reunido, desde que tal pela administração mediante convocação verbal (Resultados)
reunião ocorra na sede social ou por meio de ou por escrito e sem quaisquer formalidades no
conferência telefónica ou videoconferência. Os lucros líquidos apurados em cada exercício
que respeita a pré-aviso.
terão a seguinte aplicação:
ARTIGO VINTE E DOIS a) Vinte por cento serão afectos à
Dois) Para que o conselho fiscal possa reunir
(Quórum deliberativo) e deliberar validamente é necessária a constituição ou reintegração do
presença da maioria dos seus membros efectivos. fundo de reserva legal, enquanto este
Um) As deliberações da administração serão
Três) As deliberações são tomadas por não se encontrar realizado nos
tomadas por maioria dos votos dos
maioria dos votos presentes, cabendo ao termos da lei ou sempre que seja
administradores presentes ou devidamente
presidente, em caso de empate, voto de qualidade. necessário reintegrá-lo;
representados, cabendo ao presidente do
Quatro) As reuniões do conselho fiscal b) O remanescente terá a aplicação que
conselho de administração, em caso de empate,
poderão realizar-se na sede social ou em qualquer resultar de deliberação tomada em
o voto de qualidade.
outro local indicado no respectivo aviso assembleia geral, podendo uma
Dois) Cada membro da administração tem
percentagem não superior a setenta
direito a um voto. convocatório.
e cinco por cento dos lucros líquidos
Três) As deliberações da administração Cinco) O conselho fiscal e a administração
serem distribuídos pelos sócios na
constarão de acta lavrada em livro próprio, sempre que o interesse social assim o exija
proporção das respectivas
devendo identificar os administradores presentes poderão ter reuniões conjuntas para discussão
participações sociais, se assim for
e representados, as deliberações que forem das actividades da sociedade mantendo cada deliberado.
tomadas, assim como serem assinadas por todos órgão a sua autonomia.
os administradores presentes ou representados, Seis) O exercício das funções de membro CAPÍTULO V
ou em folha solta ou em documento avulso não será caucionado.
devendo, neste último caso, a assinatura dos Da dissolução e liquidação
administradores presentes ou representados ser ARTIGO VINTE E SETE da sociedade
reconhecida notarialmente.
(Actas do conselho fiscal) ARTIGO TRINTA E UM
ARTIGO VINTE E TRÊS As actas das reuniões do conselho fiscal serão (Dissolução e liquidação da sociedade)
(Director-geral) registadas no respectivo livro de actas, devendo
Um) A sociedade dissolve-se nos casos
mencionar os membros presentes, as
Um) A gestão corrente da sociedade poderá expressamente previstos na lei ou por deliberação
deliberações tomadas, os votos de vencido e as
ser confiada a um director-geral. dos sócios que representem mais de cinquenta e
respectivas razões, bem como os factos mais
Dois) O director-geral deverá actuar nos um por cento do capital social da sociedade.
relevantes verificados pelo conselho fiscal no
termos dos poderes e limites das competências exercício das suas funções e ser assinadas pelos Dois) Declarada a dissolução da sociedade,
que lhe hajam sido conferidos pela adminis- membros presentes. proceder-se-á à sua liquidação gozando os
tração. liquidatários, nomeados pela assembleia geral,
ARTIGO VINTE E OITO dos mais amplos poderes para o efeito.
ARTIGO VINTE E QUATRO Três) Em caso de dissolução por acordo dos
(Auditoria externa)
(Vinculação da sociedade) sócios, todos eles serão os seus liquidatários e a
A assembleia geral designará uma empresa partilha dos bens sociais e valores apurados
A sociedade obriga-se pela: profissional de auditoria registada em proceder-se-á conforme deliberação da
a) Assinatura de dois administradores; Moçambique para efectuar auditoria externa das assembleia geral.
b) Assinatura do director-geral nos termos demonstrações financeiras da sociedade,
e limites das competências que lhe devendo apresentar o seu relatório e opiniões à CAPÍTULO VI
tenham sido atribuídas pela administração, ao conselho fiscal, ao fiscal único Das disposições finais
administração; e à assembleia geral.
c) Assinatura de um mandatário dentro ARTIGO TRINTA E DOIS
dos limites e termos dos poderes que CAPÍTULO IV
(Disposições finais)
lhe hajam sido conferidos. Do exercício e aplicação de resultados
Um) As omissões aos presentes estatutos
ARTIGO VINTE E CINCO ARTIGO VINTE E NOVE serão reguladas e resolvidas de acordo com o
Conselho fiscal Código Comercial, aprovado pelo Decreto-Lei
(Balanço e prestação de contas)
número dois barra dois mil e cinco, de vinte e
(Composição) Um) O exercício social coincide com o ano sete de Dezembro, e demais legislação aplicável.
Um) O conselho fiscal, será composto, por civil. Dois) Até à convocação da primeira
três membros efectivos e um suplente, eleitos Dois) O balanço e a conta de resultados assembleia geral, as funções de administração
pela assembleia geral, que também designará de fecham a trinta e um de Dezembro de cada ano, serão exercidas pelo senhores Carlos Manuel
entre eles o respectivo presidente. e carecem de aprovação da assembleia geral, a Brito Leal Queiroz e Jorge Manuel Oliveira Da
Dois) Um dos membros efectivos e o membro realizar-se até ao dia trinta e um de Março do Silva Alves.
suplente do conselho fiscal deverão ser auditores ano seguinte. Esta conforme.
de contas ou sociedades de auditoria Três) A administração apresentará à Maputo, vinte e cinco de Fevereiro de dois
devidamente habilitada. aprovação da assembleia geral o balanço de mil e onze. — A Ajudante, Ilegível.
348 — (182) III SÉRIE — NÚMERO 15

Incompal Farinhas, Limitada Nacional de Identificação Civil, que outorga em participar directamente ou fazer-se representar
representação da Conjane, Limitada, sociedade nos respectivos órgãos sociais e praticar todos
Certifico, para efeitos de publicação. que por os actos necessários para tais fins.
comercial por quotas, com sede em Maputo;
escritura de oito de Abril de dois mil e onze,
Terceiro: Maria da Graça Taborda
exarada de folhas cento e trinta a cento e trinta e ARTIGO QUINTO
Mendonça De Amorim Ferreira, solteira, maior,
dois do Livro de notas para escrituras diversas
natural de Moçambique, de nacionalidade Sul (Capital social)
número cento e quinze traço A, da Conservatória
africana, residente acidentalmente na cidade de
dos Registos e Notariado da Matola, a cargo da O capital social, integralmente realizado e
Maputo, portadora do Passaporte n.º
Notária Batça Banu Amade Mussa, foi operada subscrito em dinheiro, é de cem mil meticais, e
M00027272 emitido aos treze de Agosto de
uma cessão de quotas e alteração parcial dos
dois mil e dez pelo Departement of Home Affairs. corresponde á soma de três quotas assim
estatutos da Incompal Farinhas, Limitada em que
É celebrado o presente contrato de distribuidas:
os sócios de comum acordo alteram o artigo
quarto do pacto social anterior, o qual passa a ter constituição de uma sociedade que se regerá a) Uma quota no valor de sessenta mil
a seguinte nova redacção: pelas cláusulas constantes dos artigos seguintes: meticais, o equivalente a sessenta
ARTIGO PRIMEIRO por cento do capital e pertencente ao
ARTIGO QUINTO
sócio Jacobus Strydom Van Wyk;
(Capital social) (Denominação social) b) Uma quota no valor de trinta mil
O capital social, subscrito e p realizado A sociedade adopta a denominação de DWC meticais, o equivalente a trinta por
em dinheiro, é de vinte e cinco mil meticais, Investimentos, Limitada, e será regida pelos cento do capital e pertencente á sócia
dividido em duas quotas a saber: presentes estatutos e demais legislação aplicável Conjane, Limitada;
na República de Moçambique. c) Uma quota no valor de dez mil meticais,
a) Mehboob Valimamade com uma
quota no valor nominal de doze ARTIGO SEGUNDO o equivalente a dez por cento do
mil e quinhentos meticais, capital e pertencente á sócia Maria
correspondente a cinquenta por (Sede social)
da Graça Taborda Mendonça de
cento do capital social; Um) A sociedade terá a sua sede social na Amorim Ferreira.
b) Mahomed Hanif Valimamade com cidade de Maputo, na Avenida Zedequias
uma quota no valor nominal de Manganhela número quinhentos e noventa e um. ARTIGO SEXTO
doze mil e quinhentos meticais,
Dois) Por simples deliberação da adminis- (Alteração ao contrato de sociedade)
correspondente a cinquenta por
tração, poderá a sede social ser transferida para
cento do capital social. Qualquer alteração ao contrato de sociedade
outro local dentro da mesma cidade ou para outra,
Que em tudo o mais não alterado por esta tem de ser aprovada por unanimidade pelos
bem como, criar e encerrar agências, delegações,
escritura continuam a vigorar as disposições do sócios Jacobus Strydom Van Wyk, Conjane,
filiais, sucursais, ou outras formas de
pacto social anterior. Limitada e Maria da Graça Taborda Mendonça
representação em território nacional ou no
Está conforme. de Amorim Ferreira.
estrangeiro.
Conservatória dos Registos e Notariado da
ARTIGO TERCEIRO ARTIGO SÉTIMO
Matola treze de Abril de dois mil e onze. —
O Ajudante, Ilegível. (Duração) (Suprimentos e prestações
suplementares)
A duração da sociedade é por tempo
indeterminado, contando-se o seu inicio, para Um) Depende da deliberação dos sócios a
todos os efeitos legais, a partir da data da sua celebração de contratos de suprimentos.
DWC Investimentos, Limitada constituição. Dois) Aos sócios poderão ser exigidas
Certifico, para efeitos de publicação, que no prestações suplementares de capital até ao
ARTIGO QUARTO
dia quinze de Abril de dois mil e onze, foi montante global das suas quotas.
matriculada na Conservatória de Registo de (Objecto)
ARTIGO OITAVO
Entidades Legais, sob NUEL 100213958, uma Um) O objecto social da sociedade consiste
sociedade denominada DWC Investimentos, no seguinte: (Cessão de quotas)
Limitada.
a) A realização de investimentos e gestão Um) É livremente permitida a cessão, total
Primeiro: Jacobus Strydom Van Wyk,
de participações sociais em ou parcial, de quotas entre os sócios, ficando,
casado sob o regime de separação de bens com
empreendimentos ligados a indústria desde já, autorizadas as divisões para o efeito;
Sónia Van Wyk, natural da África do Sul, de
nacionalidade Sul africana, residente na Cidade de de hidrocarbonetos, minas, turismo porém, a cessão a terceiros depende sempre do
Maputo, portador do DIRE n.º 11ZA00011084I, e imobiliária; desde que permitidos consentimento da sociedade, sendo, neste caso,
emitido aos vinte e cinco Fevereiro de dois mil e por lei e mediante deliberação da reservado à sociedade, em primeiro lugar, e ao
onze, pela Direcção Nacional de Migração em assembleia geral; sócio não cedente em segundo lugar, o direito
Maputo; b) O exercício da actividade de comércio de preferência, devendo pronunciar-se no prazo
Segundo: Felício Pedro Zacarias, divorciado, geral; de trinta dias a contar da data do conhecimento,
natural de Manica, de nacionalidade c) A representação comercial de marcas se pretendem ou não usar de tal direito.
moçambicana, residente na Avenida Tomás e patentes internacionais. Dois) No caso de a sociedade ou do sócio
Nduda número mil quinhentos e quarenta e Dois) A sociedade poderá participar no capital pretender exercer o direito de preferência
quatro Bairro da Sommerchield, cidade de de outras, adquirir e alienar participações, conferido nos termos do número um do presente
Maputo, portador do Bilhete de Identidade designadamente noutras sociedades, ou outras artigo deverão, comunicá-lo ao cedente no prazo
n.º 110100000053C, emitido aos vinte e nove formas de representação, já existentes ou a de trinta dias contados da data da recepção da
de Outubro de dois mil e nove, pela Direcção constituir, seja qual for o seu objecto, bem como carta.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (183)

ARTIGO NONO ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO sócios, Mahomed Fayaz Momede Bachir e
Mustakima Mahomed Salim, que se rege na base
(Amortização de quotas) (Disposições gerais)
das cáusulas que se seguem:
Um) Para além do caso de amortização de Um) O exercício social coincide com o ano
quotas por acordo com os respectivos titulares, civil.
ARTIGO PRIMEIRO
a sociedade terá ainda o direito de amortizar Dois) O balanço e contas de resultados fechar-
qualquer quota quando esta seja objecto de -se-ão com referência a trinta e um de Dezembro Denominação e sede
penhor, arresto, arrolamento, apreensão em de cada ano e serão submetidas à apreciação da
A sociedade tem a denominação de Zunaysah
processo judicial ou administrativo, ou seja dada assembleia geral.
Motores & Acessórios, por quotas de
em caução de obrigações assumidas pelos seus responsabilidade limitada e tem a sua sede na
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO
titulares sem que a prestação de tal garantia tenha Estrada Nacional Número Oito, Bairro de
sido autorizada pela sociedade, quando o sócio (Lucros) Mutava Rex, nesta cidade de Nampula, podendo,
respectivo fizer ou praticar acções lesivas do bom por deliberação os seus sócios, transferi-la, abrir,
Um) Dos lucros apurados em cada exercício
nome e imagem da sociedade e do restante sócio. manter ou encerrar sucursais, filiais, escritórios
deduzir-se-ão em primeiro lugar a percentagem ou qualquer outra forma de representação, onde
Dois) Fora do caso de amortização de quota
legalmente indicada para constituir a reserva e quando os sócios acharem necessário.
por acordo com o respectivo titular, a
contrapartida da amortização da quota é igual ao especial, enquanto esta não estiver realizada nos
termos da lei ou sempre que seja necessário ARTIGO SEGUNDO
valor que resulta da avaliação realizada por auditor
de contas sem relação com a sociedade. reintegrá-la. Início e duração
Dois) Cumprido o disposto no número
ARTIGO DÉCIMO anterior a parte restante dos lucros será aplicada A sociedade tem o seu início a partir da data
nos termos que forem aprovados em assembleia do registo e a sua duração é por tempo
(Conselho de administração)
geral. indeterminado.
Um) O Conselho de Administração será ARTIGO TERCEIRO
ARTIGO DÉCIMO QUARTO
composto por cinco administradores, sendo as
Objecto
decisões tomadas por maioria simples. (Formas de sucessão)
Dois) Os sócios, desde já, acordam que o A sociedade tem como objecto o exercício
Por inabilitação ou falecimento de sócio ou
sócio Jacobus Strydom Van Wyk terá direito de das seguintes actividades:
seus representantes, a sociedade continuará com
nomear quatro administradores e a Conjane terá a) Importação e venda de veículos
os capazes, sobrevivos, e o representante do
direito de nomear apenas um administrador, interdito ou herdeiros do falecido que indicarão automóveis, novos e usados;
contanto que notifiquem a nomeação, por escrito de entre si um que a todos represente na b) Venda de acessórios e sobressalentes
à sociedade. sociedade, enquanto a respectiva quota se para todo o tipo de automóveis;
Três) As Partes acordam, desde já, que o mantiver indivisa. c) Prestação de serviços.
sócio Jacobus Strydom Van Wyk (ou seus A sociedade poderá praticar qualquer outro
sucessores em título) devem seleccionar um dos ARTIGO DÉCIMO QUINTO acto de natureza lucrativa não proibida por lei,
administradores por si nomeados como a pessoa desde que devidamente autorizada.
(Dissolução)
a presidir o Conselho de Administração e outra
pessoa para secretariar qualquer reunião de A sociedade dissolve-se e liquida-se nos ARTIGO QUARTO
sócios ou administradores para um mandato de casos e nos termos previstos no Código
Participações noutras sociedades,
quatro anos consecutivos. Comercial.
consórcios, empresas e outros
Quatro) As partes acordam que a Sociedade
ARTIGO DÉCIMO SEXTO
será vinculada pela assinatura de, pelo menos, Mediante deliberação de assembleia geral,
dois signatários, sendo imperativa a assinatura (Legislação aplicável) poderá a sociedade participar, directa ou
do presidente do conselho de administração e do indirectamente, em projectos de desenvolvimento
Todas as questões não especialmente
director executivo, ou pela assinatura de um que de alguma forma concorram para o
contempladas pelo presente contrato social serão
administrador actuando em conformidade com preenchimento do seu objecto social, bem como
reguladas pelo Código Comercial e pelas demais
com o mesmo objectivo, aceitar concessões,
uma deliberação da assembleia geral ou do legislação comercial em vigor na República de
adquirir e gerir participações no capital de
conselho de Administração que poderá ter Moçambique.
quaisquer sociedades, independentemente do
carácter geral, ou ainda, pela assinatura de um Maputo, quinze de Abril de dois mil e onze. — respectivo objecto social, ou ainda participar em
mandatário com poderes para certa ou certas O Técnico, Ilegível. empresas, associações empresariais e outras
espécies de actos expressamente determinados. formas de associação.
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO ARTIGO QUINTO
(Assembleias gerais) Zunaysah Motores Capital social
Um) As assembleias gerais serão convocadas & Acessórios, Limitada
Um)) O capital social é de cinquenta mil
por comunicação escrita enviada aos sócios ou Certifico para para efeitos de publicação, que meticais, integralmente realizado em dinheiro,
seus representantes com pelo menos quinze dias no dia onze de Agosto de dois mil e onze, foi correspondente à soma de duas quotas assim
de antecedência, salvo nos casos em que a lei matriculada na Conservatória dos Registos de constituídas:
exija outras formalidades, e sem prejuízo das Nampula, sob o número 100171535, uma a) Mahomed Fayaz Momade Bachir, vinte
outras formas de deliberação dos sócios sociedade por quotas de responsabilidade e cinco mil meticais, correspondentes
legalmente previstas. limitada denominada Zunaysah Motores & a cinquenta por centos do capital;
Dois) Os sócios poderão fazer-se representar Acessórios, Limitada, a cargo do conservador b) Mustakima Mahomed Salim, vinte e
por mandatário nas assembleias gerais, bastando Cálquer Nuno de Albuquerque, técnico superior cinco mil meticais, correspondentes
para tal uma simples carta. dos registos e notariado N1, constituída entre os a cinquenta por cento do capital.
348 — (184) III SÉRIE — NÚMERO 15

Dois) O capital social poderá ser aumentado sociedade, para apreciação, aprovação ou Segundo: Zuneid Mahomed Rafik Sidat,
uma ou mais vezes com ou sem entrada de novos modificação do balanço e contas do exercício e solteiro, maior, de nacionalidade moçambicana,
sócios, mediante a deliberação expressa de para deliberar ainda sobre quaisquer outros natural da cidade de Maputo, titular do Bilhete
assembleia geral. assuntos constantes da ordem de trabalhos e
Três) Não haverá prestação suplementar de de Identidade n.º 110100154182Q, emitido em
extraordinariamente sempre que for necessário,
capital , mas os sócios poderão fazer supri- devendo ser convocadas com antecedência catorze de Abril de dois mil e dez, pela Direcção
mentos de que a sociedade carecer, mediante mínima de trinta dias para as Assembleias Nacional de Identificação Civil em Maputo, e do
condições a estabelecer pela a assembleia geral. ordinárias e quinze dias para as assembleias NUIT 102925688 residente na Rua José
ARTIGO SEXTO extraordinárias Craveirinha, número cento e dezasseis, Bairro
da Sommerschield, na cidade de Maputo, em
Cessão de quotas ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO
Moçambique;
Um) É livre a cessão de quotas entre os Lucros líquidos terceira: Imraan Gulam Hussenin, solteiro,
sócios, dependendo do consentimento expresso maior, de nacionalidade moçambicana, natural
da sociedade quando se destina a uma entidade Os lucros líquidos, depois de deduzida a
estranha à mesma. percentagem para formação ou reintegração do da cidade de Maputo, titular do Bilhete de
Dois) No caso da sociedade não desejar fazer Fundo de Reserva Legal, serão divididos pelos Identidade n.º 110100034486P, emitido em, vinte
o uso de direito de preferência no parágrafo sócios, na proporção das suas quotas e na mesma e nove de Dezembro de dois mil e nove, pela
anterior, então o referido direito pertencerá a proporção serão suportados os prejuízos se os Direcção Nacional de Identificação Civil em
qualquer dos sócios e querendo-o mais de um houver.
Maputo, e do NUIT 101756661, residente na
dos sócios, a quota será dividida pelos
interessados, na proporção das suas quotas. ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO Avenida Emília Daússe, número cento e trinta e
um, Rés-do-chão, Bairro da Polana Cimento, na
ARTIGO SÉTIMO Dissolução da sociedade
cidade de Maputo, em Moçambique;
Um) Falência, ou insolvência do sócio ou da A dissolução da sociedade será nos casos Quarto: Cornélio Mateus Vitorino Aly,
sociedade, penhora, arresto, venda ou previstos na lei, e aí a liquidação, seguirá os solteiro, maior, de nacionalidade moçambicana,
adjudicação judicial duma quota. termos deliberados pelos sócios. natural da cidade de Nampula, em Moçambique,
Dois) Em caso de falência ou insolvência do titular do Bilhete de Identidade n.º 110100616597I,
sócio ou da sociedade, penhora, arresto, venda ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO
emitido em onze de Novembro de dois mil e dez,
ou adjudicação judicial duma quota, poderá a
sociedade amortizar qualquer das restantes, com Disposições gerais pela Direcção Nacional de Identificação Civil
a anuência do seu titular. Um) O ano social coincide com o ano civil. em Maputo, e do NUIT 100462656, residente
Dois) O Balanço e contas de resultados, na Rua Doutor Egas Moniz, número sessenta e
ARTIGO OITAVO três, Bairro da Sommerschield, na cidade de
fechar-se-ão com referência a trinta e um de
Administração e representação Dezembro de cada ano. Maputo, em Moçambique.
da sociedade Três) Em tudo que estiver omisso, será Que pelo presente contrato de sociedade que
Um) A administração e representação da resolvido por deliberação dos sócios ou pela lei outorgam e constituem entre si uma sociedade
sociedade e a sua gerência, em juízo ou fora das sociedades por quotas e legislação vigente anónima de responsabilidade limitada,
dela, activa e passivamente, fica a cargo dos dois aplicável. denominada Cash Empreendimentos, S.A..
sócios Mahomed Fayaz Momade Bachir e Está conforme.
Mustakima Mahomed Salim que são desde já CAPÍTULO I
nomeados Administradores, com dispensa de Conservatória dos Registos e Notariado de
Da denominação, sede, duração
caução, sendo suficiente a assinatura de qualquer Nampula. — O Conservador, Cálquer Nuno de
um deles, para obrigar a sociedade em todos e objecto
Albuquerque.
actos, contratos e documentos CLÁUSULA PRIMEIRA
Dois) A Administração poderá constituir
mandatários, com poderes que julgar (Denominação)
convenientes, bem como delegar todos ou parte
dos seus poderes de administração a outro/s Cash empreendimentos, S.A. A sociedade é constituída sob a forma de
sócio/s ou a um terceiro alheio, por meio de acta sociedade anónima, adopta a firma Cash
ou procuração Certifico, para efeitos de publicação, que no Empreendimentos, S.A. e rege-se pelo
Três) Os Administradores eleitos não podem dia treze de Abril de dois mil e onze, foi preconizado nos presentes estatutos e pela
obrigar a sociedade em actos ou documentos matriculada na Conservatória de Registo de legislação em vigor que lhe seja aplicável.
estranhos objecto social e em letras de favor Entidades Legais, sob NUEL 100213672, uma
fianças ou abonações, sem que haja prévia CLÁUSULA SEGUNDA
sociedade denominada Cash Empreendimentos,
deliberação da assembleia geral.
S.A. (Duração)
ARTIGO NONO É constituído o presente contrato de A sociedade é constituída por tempo
More ou incapacidade dos sócios sociedade, nos termos do Artigo noventa do indeterminado, considerando-se o seu início a
Código Comercial, entre: partir da data da sua constituição.
Em caso de morte ou interdição de qualquer
um dos sócios, os herdeiros legalmente Primeiro: Alberto Joaquim Chipande Júnior,
constituídos do falecido ou representantes do CLÁUSULA TERCEIRA
solteiro, maior, de nacionalidade moçambicana,
interdito, exercerão os referidos direitos e deveres natural da cidade de Maputo, em Moçambique, (Sede)
sociais, devendo mandatar um entre eles que a
titular do Bilhete de Identidade n.º 110100014611P,
todos represente na sociedade, desde que se Um) A sociedade tem a sua sede na cidade de
elabore uma acta da assembleia geral. emitido em vinte e cinco de Novembro de dois maputo, podendo, por deliberação da assembleia
mil e nove, pela Direcção Nacional de geral, ser deslocada para qualquer ponto dentro
ARTIGO DÉCIMO Identificação Civil em Maputo, e do NUIT 103127165, ou fora do país.
Assembleia geral residente na Rua Doutor Egas Moniz, número Dois) A sociedade poderá ainda criar
A assembleia geral reúne-se ordinariamente, sessenta e três, Bairro da Sommerschield, na sucursais, delegações, filiais, agências e/ou outras
uma vez por ano, de preferência na sede da cidade de Maputo, em Moçambique; formas de representação social, dentro ou fora
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (185)

do território nacional, desde que os sócios Três) O aumento do capital social pode ser Cinco) A sociedade poderá emitir, nos termos
acordem em assembleia geral e obtidas as deliberado mediante proposta do conselho de e condições estabelecidos em assembleia geral,
necessárias autorizações. administração e, em qualquer caso, a assembleia todas as espécies de acções, incluindo acções
geral deverá ouvir o conselho de administração preferenciais sem voto.
CLÁUSULA QUARTA
e o conselho fiscal, antes de tomar qualquer
CLÁUSULA SÉTIMA
(Objecto) deliberação relativa ao aumento do capital social.
Quatro) O capital social poderá ser (Direito de preferência na transmissão
Um) Constituem objecto da sociedade:
aumentado, uma ou mais vezes, por deliberação de acções)
a) Consultoria, assessoria e prestação de do conselho de administração, até ao limite
serviços multidisciplinares; Um) Os sócios gozam de direito de
fixado pela assembleia geral, observadas as
b) Investimento nas áreas de transporte, preferência sobre a transmissão, total ou parcial,
formalidades legais e estatutárias.
agro-negócios, saúde, turismo e de acções, na proporção das suas respectivas
Cinco) A deliberação do aumento do capital
construção; participações.
social deve mencionar, pelo menos, as seguintes
c) Importação e exportação de artigos Dois) Para efeitos do disposto no número
condições: anterior, o sócio que pretenda transmitir as suas
diversos;
d) Despacho aduaneiro; a) A modalidade do aumento do capital; acções, ou partes destas, deverá enviar, por carta
e) Aquisição, gestão e administração de b) O montante do aumento do capital; dirigida ao presidente do conselho de
participações sociais de sociedades c) O valor nominal das novas administração, o respectivo projecto de venda, o
nacionais e internacionais; participações; qual deverá conter a identidade do adquirente, o
f) Exercício de actividade na área d) As reservas a incorporar, se o aumento preço e as condições ajustadas para a projectada
financeira e procurement; do capital for por incorporação de transmissão, nomeadamente as condições de
g) Administração e/ou compra, venda e reservas; pagamento, as garantias oferecidas e recebidas e
arrendamento de bens imobiliários e) Os termos e condições em que os sócios a data da realização da transacção.
e/ou material de construção; ou terceiros participam no aumento; Três) Nos quinze dias seguintes à data em
h) Comissões, consignações e f) O tipo de acções a emitir; que houver recebido o projecto de venda, o
representações comerciais; g) A natureza das novas entradas, se as conselho de administração deverá notificar, por
i) Quaisquer outras actividades houver; escrito, os demais sócios para exercerem o seu
subsidiárias ou conexas às direito de preferência.
h) Os prazos dentro dos quais as entradas
actividades principais acima Quatro) O direito de preferência é exercido
devem ser realizadas;
descritas. pelo valor, prazo e restantes condições acordadas
i) O prazo e demais condições do
para a projectada transmissão, devendo o sócio
Dois) Por deliberação do conselho de exercício do direito de subscrição e
administração, a sociedade pode: ou sócios que o pretendam fazer notificar, por
preferência;
escrito, o sócio transmitente, no prazo máximo
a) Constituir sociedades bem assim j) O regime que será aplicado em caso de de trinta dias, a contar da data da notificação
adquirir participações sociais em subscrição incompleta. prevista no número anterior, sob pena de
quaisquer outras sociedades de
Seis) O aumento do capital social será caducidade.
responsabilidade limitada ou
efectuado nos termos e condições deliberados Cinco) O regime previsto no presente artigo
entidades, sujeitas ou não à leis
em assembleia geral ou pelo conselho de não será aplicável às acções admitidas à cotação
especiais, com objecto igual ou
administração e, supletivamente, nos termos na Bolsa de Valores de Moçambique, em relação
diferente do seu;
gerais. às quais os sócios não gozarão de direito de
b) Associar-se à outras pessoas jurídicas
Sete) Em qualquer aumento do capital social, preferência sobre a respectiva transmissão.
para formar, nomeadamente, novas
os accionistas gozam de direito de preferência, Seis) Serão inoponíveis à sociedade, aos
sociedades, agrupamentos comple-
demais sócios e a terceiros as transmissões
mentares de empresas, agrupa- na proporção das acções que possuírem, a
efectuadas sem observância do disposto na
mentos de interesse económico, exercer nos termos gerais.
presente cláusula, devendo a sociedade recusar
consórcios e associações em Oito) No aumento do capital social a que se o respectivo averbamento no livro do registo
participação. refere este número, poderão ser utilizados das acções ou nas competentes contas de registo
dividendos acumulados e reservas. de emissão e de titularidade representativas do
CAPÍTULO II
capital social da sociedade.
Do capital social e acções CLÁUSULA SEXTA
CLÁUSULA OITAVA
CLÁUSULA QUINTA (Acções)
(Acções próprias)
(Capital) Um) As acções são nominativas ou ao
portador e reciprocamente convertíveis, à vontade Um) Por deliberação da assembleia geral, a
Um) O capital social, integralmente subscrito e expensas dos accionistas, contanto que sociedade poderá adquirir acções próprias, bem
e realizado em dinheiro, é de cinquenta mil observados os parâmetros estipulados por lei. como poderá onerá-las, aliená-las ou praticar com
meticais, representado por cem acções de valor Dois) As acções podem ainda ser tituladas as mesmas quaisquer outras operações em direito
nominal de quinhentos meticais, cada uma. ou escriturais. permitidas, respeitando sempre as disposições
Dois) O capital social poderá ser aumentado Três) As acções tituladas são representadas legais aplicáveis e que estejam sucessivamente
uma ou mais vezes, mediante novas entradas, por títulos de uma, cinco, dez, vinte, cinquenta, em vigor.
por incorporação de reservas, através da emissão cem, quinhentas, mil, dez mil, cem mil ou um Dois) A deliberação da assembleia geral deve
de novas acções, aumento do respectivo valor milhão de acções, a todo o tempo substituíveis identificar o número de acções a adquirir, a alienar
nominal ou conversão de obrigações em acções, por agrupamento ou subdivisão. ou que por outra forma pretende dispor, a
bem como por qualquer outra modalidade ou Quatro) O desdobramento dos títulos far-se- finalidade da operação, a identificação das partes
forma legalmente permitida, mediante á a pedido dos accionistas, correndo por sua e as respectivas contrapartidas e demais termos
deliberação da assembleia geral. conta as respectivas despesas.
348 — (186) III SÉRIE — NÚMERO 15

e condições da operação projectada. c) Conselho fiscal ou fiscal único. Três) Os membros do conselho de
Três) Enquanto pertençam à sociedade, as administração e do conselho fiscal, ainda que
acções não conferem direito a voto, dividendo CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA não sejam accionistas, deverão estar presentes
ou preferência, nem têm qualquer outro direito (Eleição e mandato) nas reuniões da assembleia geral e deverão
social, excepto o de participar em aumentos de participar nos seus trabalhos, quando
capital por incorporação de reservas, se a Um) Os membros dos órgãos sociais são convocados, mas não têm, nessa qualidade,
assembleia geral não deliberar o contrário. eleitos pela assembleia geral da sociedade, direito a voto.
Quatro) Na alienação de acções próprias, os podendo ser reeleitos uma ou mais vezes. Quatro) No caso de existirem acções em
sócios gozam de direito de preferência, na Dois) Ressalvado o que se refere ao mandato compropriedade, os comproprietários serão
proporção das suas respectivas participações, a do conselho fiscal ou fiscal único, o mandato representados por um só deles e só esse poderá
exercer nos termos da cláusula sétima do presente dos membros dos órgãos sociais será deliberado assistir e intervir nas assembleias gerais da
contrato, com as necessárias adaptações. em assembleia geral. sociedade.
Cinco) No relatório anual do conselho de Três) Os membros dos órgãos sociais Cinco) As acções dadas em caução, penhor,
administração, deve ser indicado o número de permanecem em funções até à eleição de quem arrestadas, penhoradas, ou por qualquer outra
acções próprias adquiridas e alienadas ou os deva substituir, salvo se renunciarem forma sujeitas a depósito ou administração
oneradas, durante o exercício, bem como os expressamente ao exercício do seu cargo ou judicial não conferem ao respectivo credor,
respectivos motivos e condições, e o número de forem destituídos. depositário ou administrador o direito de assistir
acções próprias detidas no final do exercício. Quatro) Salvo disposição legal expressa em ou tomar parte nas assembleias gerais.
sentido contrário, os membros dos órgãos
CLÁUSULA NONA sociais podem ser sócios ou não, bem como CLÁUSULA DÉCIMA SÉTIMA
(Obrigações) podem ser eleitas pessoas colectivas para (Direito de voto)
qualquer um dos órgãos sociais da sociedade.
Um) A sociedade poderá, nos termos da lei e Cinco) No caso previsto na parte final do Um) A cada acção corresponderá um voto.
mediante deliberação do conselho de número anterior, a pessoa colectiva que for eleita Dois) Têm o direito de votar na assembleia
administração, emitir quaisquer modalidades ou deve designar uma pessoa singular para exercer geral ou de por outro modo deliberar, os
tipos de obrigações. o cargo em sua representação e comunicar o accionistas que detiverem acções averbadas a
Dois) Por simples deliberação do conselho respectivo nome ao presidente da mesa da seu favor na competente conta de registo de
assembleia geral. emissão de acções à data de sete dias antes da
de administração, ouvido o conselho fiscal, a
data aprazada para a assembleia, devendo
sociedade poderá adquirir obrigações próprias, CLÁUSULA DÉCIMA QUARTA permanecer registadas a favor dos accionistas
ficando suspensos os respectivos direitos até ao encerramento da sessão.
enquanto as obrigações pertencerem à sociedade. (Remuneração e caução)
Três) A sociedade poderá praticar com as Um) As remunerações dos membros dos CLÁUSULA DÉCIMA OITAVA
obrigações próprias todas e quaisquer operações órgãos sociais serão fixadas por deliberação da (Representação)
em direito permitidas, que se mostrem assembleia geral, tomada nos mesmos termos
convenientes ao interesse social, e, da deliberação das respectivas nomeações. Um) Os accionistas, pessoas singulares ou
nomeadamente, proceder à sua conversão, nos Dois) A assembleia geral que eleger os colectivas, podem somente fazer-se representar
casos legalmente previstos, ou amortização, membros do conselho de administração deve nas sessões da assembleia geral por outro
mediante simples deliberação do conselho de fixar ou dispensar a caução a prestar, conforme accionistas, pelo cônjuge, por descendente ou
a lei em vigor. ascendente, ou, ainda, por advogado ou
administração.
administrador, que para o efeito designarem,
CLÁUSULA DÉCIMA SECÇÃO I indicando os poderes conferidos e prazo
Da assembleia geral determinado de, no máximo, um ano, mediante
(Prestações suplementares) procuração outorgada por escrito ou por simples
Podem ser exigidas aos sócios prestações CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA carta dirigida ao presidente da mesa da assembleia
suplementares de capital até ao valor do capital geral, e entregue na sede social da sociedade até
(Âmbito)
social, à data da deliberação, ficando os sócios às dezassete horas do penúltimo dia útil que
A assembleia geral da sociedade, antecede ao da assembleia.
obrigados na proporção, condições, prazos e
regularmente constituída, representa o conjunto Dois) Quanto às deliberações que importem
montantes estabelecidos em assembleia geral. dos accionistas e as suas deliberações são modificação do contrato social, fusão, cisão ou
vinculativas para todos os sócios, ainda que dissolução da sociedade, a procuração só será
CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA
ausentes ou dissidentes, e para os restantes órgãos válida quando contenha poderes especiais para
(Suprimentos) sociais, quando tomadas nos termos da lei e do o efeito.
presente contrato.
Os sócios podem prestar suprimentos à
CLÁUSULA DÉCIMA NONA
sociedade, nos termos e condições estabelecidas CLÁUSULA DÉCIMA SEXTA
pelo conselho de administração. (Competências)
(Constituição)
CAPÍTULO III Sem prejuízo do disposto na lei e no presente
Um) A assembleia geral da sociedade é contrato, compete, em especial, à assembleia
Dos órgãos sociais constituída pelos accionistas e pelos membros geral:
da mesa da assembleia geral. a) Aprovar o relatório de gestão e as
CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA
Dois) Os obrigacionistas não poderão assistir contas do exercício, incluindo o
(Composição dos órgãos sociais) às reuniões da assembleia geral da sociedade, balanço e a demonstração de
São órgãos sociais os seguintes: ficando-lhes vedado o seu agrupamento e/ou resultados, bem como o parecer do
representação por um dos agrupados para efeitos Conselho Fiscal ou do Fiscal Único
a) Assembleia geral;
de assistir às reuniões da assembleia geral. sobre as mesmas e deliberar sobre a
b) Conselho de administração;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (187)

aplicação dos resultados do vontade de que a assembleia se constitua e accionistas que representem, pelo menos,
exercício; delibere sobre determinados assuntos. cinquenta por cento do capital social.
b) Eleger e destituir os membros da mesa Três) As assembleias gerais serão convocadas
da Assembleia Geral, os CLÁUSULA VIGÉSIMA TERCEIRA
pelo presidente da mesa da assembleia geral, ou
administradores e os membros do por quem o substitua, oficiosamente ou a (Quórum deliberativo)
Conselho Fiscal ou o Fiscal Único; requerimento do conselho de administração, do
c) Deliberar sobre quaisquer alterações Um) Salvo o disposto no número seguinte,
Conselho fiscal ou do fiscal único ou, ainda, de as deliberações da assembleia geral serão
aos presentes estatutos; accionistas, que representem mais de quinze
d) Deliberar sobre a emissão de tomadas por maioria absoluta dos votos
por cento do capital social por meio de carta expressos, salvo quando a lei ou o presente
obrigações;
registada, com aviso de recepção, com uma contrato exijam maioria qualificada.
e) Deliberar sobre o aumento, redução ou
antecedência mínima de quinze dias úteis. Dois) Só serão válidas, desde que aprovadas,
reintegração do capital social;
Quatro) O requerimento referido será dirigido pelo menos, por votos correspondentes a dois
f) Deliberar sobre a criação de acções
ao presidente da mesa da assembleia geral e terços do capital social, quando a lei não exija
preferenciais;
deverá justificar a necessidade da convocação maioria superior, as deliberações que tenham por
g) Deliberar sobre a chamada e a
da assembleia e indicar, com precisão, os objecto:
restituição das prestações suple-
mentares; assuntos a incluir na ordem de trabalhos da a) A alteração dos estatutos da sociedade;
h) Deliberar sobre a fusão, cisão ou assembleia geral a convocar. b) Dissolução da sociedade.
transformação da sociedade; Cinco) Se o presidente da mesa não convocar
CLÁUSULA VIGÉSIMA QUARTA
i) Deliberar sobre a dissolução, liquidação uma reunião da assembleia geral, quando
ou prorrogação da sociedade; legalmente se mostre obrigado a fazê-lo, poderá (Local e acta)
j) Deliberar sobre a propositura e a o conselho de administração, o Conselho Fiscal
Um) As assembleias gerais da sociedade
desistência de quaisquer acções ou Fiscal Único e/ou os accionistas que a tenham
reunir-se-ão na sede social ou noutro local da
contra os administradores ou contra requerido convocá-la directamente.
localidade da sede, indicado nos respectivos
os membros dos outros órgãos Seis) A assembleia geral é dirigida por um
anúncios convocatórios.
sociais; presidente nela eleito.
Dois) Por motivos especiais, devidamente
k) Deliberar sobre a admissão à cotação Sete) A assembleia geral reunirá, em sessão
justificados, o Presidente da mesa da assembleia
de bolsa de valores das acções ordinária uma vez ao ano e extraordinariamente,
representativas do capital social da geral poderá fixar um local diverso dos previstos
sempre que se justifique e for convocada, com
sociedade; no número anterior, que será indicado nos
observância dos requisitos estatutários.
l) Deliberar sobre outros assuntos que não anúncios convocatórios da assembleia geral.
Oito) As assembleias extraordinárias dos
estejam, por disposição estatutária Três) De cada reunião da assembleia geral
sócios serão convocadas a pedido de qualquer
ou legal sucessivamente em vigor, deverá ser lavrada uma acta no respectivo livro,
um dos sócios e comunicadas por carta, fax ou
na competência de outros órgãos da a qual será assinada pelo presidente e pelo
sociedade. e-mail, com antecedência mínima de dez dias
secretário da mesa da assembleia geral ou por
úteis.
quem os tiver substituído nessas funções, salvo
CLÁUSULA VIGÉSIMA Nove) A assembleia geral reunirá, em
se outras exigências forem estabelecidas por lei.
princípio, na sede da sociedade mas sempre que
(Mesa da assembleia geral)
as circunstâncias justificarem, a assembleia geral CLÁUSULA VIGÉSIMA QUINTA
Um) A mesa da assembleia geral é constituída ordinária ou extraordinária, poderá reunir-se em
por um presidente e um secretário. (Suspensão)
local fora da sede social, desde que tal facto não
Dois) Na falta ou impedimento do presidente fira os direitos e os legítimos interesses de Um) Quando a assembleia geral estiver em
da mesa, será o mesmo substituído por qualquer qualquer dos sócios. condições de funcionar, mas não seja possível,
administrador da sociedade. por motivo justificável, dar-se início aos trabalhos
CLÁUSULA VIGÉSIMA SEGUNDA
ou, tendo sido dado início, os mesmos não
CLÁUSULA VIGÉSIMA PRIMEIRA
(Quórum constitutivo) possam, por qualquer circunstância, concluir-
(Convocação) se, será a sessão suspensa para prosseguir em
Um) A assembleia geral só poderá constituir
dia, hora e local que forem no momento indicados
Um) As assembleias gerais serão convocadas e deliberar validamente em primeira convocação
e anunciados pelo Presidente da mesa, sem que
por meio de anúncios, publicados no Boletim da quando estejam presentes ou representados
haja de ser observada qualquer outra forma de
República e num dos jornais mais lidos da accionistas que representem, pelo menos, 50%
publicidade ou convocação.
localidade onde se situe a sede da sociedade, (cinquenta por cento) do capital social subscrito,
Dois) A assembleia geral só poderá deliberar
com quinze dias de antecedência, salvo se for salvo os casos em que a lei ou o presente contrato
suspender a mesma reunião duas vezes, não
legalmente exigida antecedência maior, devendo exijam um quórum superior.
podendo distar mais de trinta dias entre as
mencionar o local, o dia e hora em que se realizará Dois) Em segunda convocação a assembleia
sessões.
a reunião, bem como a ordem de trabalhos, com geral pode constituir-se e deliberar validamente,
clareza e precisão. seja qual for o número de accionistas presente e SECÇÃO II
Dois) Não obstante o disposto no número a percentagem do capital social por eles
Da administração
anterior, poder-se-á dar por validamente representada, excepto naqueles casos em que a
constituída a assembleia geral, sem observância lei exija um quórum constitutivo para as CLÁUSULA VIGÉSIMA SEXTA
de quaisquer formalidades prévias ali assembleias reunidas em segunda convocação.
(Composição)
estabelecidas, desde que estejam presentes ou Três) A assembleia geral só poderá proceder
representados todos os accionistas com direito à eleição dos membros dos órgãos sociais, Um) A administração e representação da
de voto e todos manifestem, por escrito, a quando estejam presentes ou representados sociedade serão exercidas pelo conselho de
administração‚ conforme o deliberado pela
348 — (188) III SÉRIE — NÚMERO 15

assembleia geral que os eleger, um dos quais seu presidente ou por, no mínimo, dois dos seus Dois) Nos actos de mero expediente é
assumirá as funções de presidente. membros. suficiente a assinatura de qualquer membro do
Dois) Faltando definitivamente algum Dois) As convocatórias devem ser feitas por Conselho de Administração ou de um mandatário
administrador, será o mesmo substituído por escrito, com, pelo menos, quarenta e oito horas com poderes bastantes, podendo a assinatura ser
cooptação, até à primeira reunião da assembleia de antecedência, relativamente à data da reunião, aposta por chancela ou meios tipográficos de
geral que procederá à eleição do novo. devendo incluir ordem de trabalhos e as demais impressão.
Três) Os mandatos dos membros do conselho indicações e elementos necessários à tomada das
SECÇÃO III
de administração será aferido em assembleia deliberações.
geral. Três) As formalidades relativas à convocação Da fiscalização
do conselho de administração podem ser
CLÁUSULA VIGÉSIMA SÉTIMA CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEGUNDA
dispensadas pelo consentimento unânime de
(Poderes) todos os administradores. (Órgão de fiscalização)
Quatro) O conselho de administração reunirá
Um) Ao conselho de administração Um) A fiscalização dos negócios sociais será
na sede social ou noutro local da localidade da
competem os mais amplos poderes de gestão e exercida por um Conselho Fiscal ou por um
sede, que deverá ser indicado na respectiva
representação social e nomeadamente: Fiscal Único, que será uma sociedade de
convocatória.
a) Orientar e gerir todos os negócios auditores de contas, conforme o que for
Cinco) Por motivos especiais, devidamente
sociais, praticando todos os actos deliberado pela assembleia geral.
justificados, o presidente do conselho de
relativos ao objecto social; Dois) Caso a Assembleia Geral delibere
Administração poderá fixar um local diverso dos
b) Adquirir, vender, permutar ou, por confiar a uma sociedade de auditores de contas
previstos no número anterior, que será indicado
qualquer forma, onerar quaisquer na respectiva convocatória. o exercício das funções de fiscalização, não
bens ou direitos, móveis e imóveis, procederá à eleição do conselho fiscal.
sempre que o repute conveniente CLÁUSULA VIGÉSIMA NONA
CLÁUSULA TRIGÉSIMA TERCEIRA
para os interesses da sociedade; (Deliberações)
c) Executar e fazer cumprir as deliberações (Composição)
da assembleia geral; Um) Para que o conselho de administração
Um) O conselho fiscal, quando exista, será
d) Representar a sociedade, em juízo e fora possa constituir-se e deliberar validamente, será
composto por três membros efectivos e um
dele, activa e passivamente, perante necessário que a maioria dos seus membros esteja
membro suplente.
quaisquer entidades públicas ou presente ou devidamente representada.
Dois) A assembleia geral que proceder à
privadas, nacionais ou Dois) Os membros do conselho de
eleição do conselho fiscal indicará o respectivo
internacionais; administração poderão fazer-se representar nas
presidente.
e) Constituir e definir os poderes dos reuniões por outro membro, mediante
Três) Um dos membros efectivos e o membro
mandatários da sociedade, incluindo comunicação escrita dirigida ao presidente, bem
como votar por correspondência. suplente do conselho fiscal terão de ser auditores
mandatários judiciais;
Três) As deliberações são tomadas por de contas ou sociedades de auditoria
f) Subscrever ou adquirir participações no
maioria dos votos presentes ou representados, devidamente habilitadas.
capital social de outras sociedades;
cabendo ao presidente, em caso de empate, voto Quatro) Os membros do conselho fiscal e o
g) Adquirir, onerar e alienar obrigações,
de qualidade. Fiscal Único são eleitos na assembleia geral
observando as disposições
estatutárias e legais sucessivamente Quatro) As deliberações do conselho de ordinária, mantendo-se em funções até à
em vigor, bem como realizar administração constarão de actas, lavradas em assembleia geral ordinária seguinte.
quaisquer operações sobre as livro próprio, assinadas por todos os
administradores que hajam participado na CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUARTA
mesmas;
reunião.
h) Contrair empréstimos e outro tipo de (Funcionamento)
financiamentos; CLÁUSULA TRIGÉSIMA Um) O conselho fiscal, quando exista, reúne-
i) Delegar as suas competências em um
ou mais dos seus membros ou em (Mandatários) se trimestralmente e sempre que for convocado
determinados empregados da pelo presidente, pela maioria dos seus membros
O conselho de administração poderá nomear
sociedade, fixando as condições e ou pelo conselho de cdministração.
procuradores da sociedade para a prática de certos
limites dos poderes delegados. Dois) Para que o conselho fiscal possa reunir
actos ou categoria de actos, nos limites dos
Dois) É vedado aos administradores realizar poderes conferidos pelo respectivo mandato. validamente é necessária a presença da maioria
em nome da sociedade quaisquer operações dos seus membros efectivos.
alheias ao objecto social. CLÁUSULA TRIGÉSIMA PRIMEIRA Três) As deliberações são tomadas por
maioria dos votos presentes, cabendo ao
Três) Os actos praticados contra o (Vinculação da sociedade)
presidente, em caso de empate, voto de qualidade.
estabelecido no número anterior importam para
Um) A sociedade obriga-se: Quatro) As reuniões do conselho fiscal
o administrador em causa, a sua destituição,
a) Pela assinatura do presidente do poderão realizar-se na sede social ou em qualquer
perdendo a favor da sociedade a caução que tenha
conselho de administração ou; outro local previamente indicado no respectivo
prestado e constituindo-se na obrigação de a aviso convocatório.
indemnizar pelos prejuízos que esta venha a b) Pela assinatura conjunta de, no mínimo,
sofrer em virtude de tais actos. dois membros do conselho de CLÁUSULA TRIGÉSIMA QUINTA
administração ou ainda;
CLÁUSULA VIGÉSIMA OITAVA c) Pela assinatura de um membro do (Actas do conselho fiscal)
Conselho de Administração com a As actas das reuniões do conselho fiscal serão
(Convocação)
de um ou mais mandatários, nos registadas no respectivo livro de actas, devendo
Um) O conselho de administração reúne termos e limites dos poderes a estes mencionar os membros presentes, as
trimestralmente e sempre que for convocado pelo conferidos. deliberações tomadas, os votos de vencido e
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (189)

respectivas razões, bem como os factos mais e onze, em cinco exemplares de igual valor J.S Construções,Limitada
relevantes verificados pelo conselho fiscal no e conteúdo, e em língua portuguesa, cabendo
exercício das suas funções e ser assinadas pelos um exemplar a cada contratante e o quinto Certifico, para efeitos de publicação, oito
membros presentes. reserva-se para efeitos de registo do presente horas do dia um de Fevereiro de dois mil e onze
acto junto da conservatória competente. realizou-se na sede da Empresa J.S
CLÁUSULA TRIGÉSIMA SEXTA Maputo, treze de Abril de dois mil e onze. Construções,Lda cita em Maputo, Avenida
— O Técnico, Ilegível. Amílcar Cabral número quatrocentos e vinte
(Auditorias externas) nove, rés-do-chão os sócios da sociedade
O conselho de administração poderá contratar matriculada na Conservatória do Registo das
uma sociedade externa de auditoria para efeitos Gravita Mozambique, Limitada Entidades Legais, sob o n.º 100174448, Os
de auditoria e verificação das contas da sociedade. sócios da sociedade em epigrafe, deliberam
Certifico, para efeitos de publicação, que por Aumentar o capital social da empresa de um
CAPÍTULO IV escritura de dezassete de Março de dois mil e milhão e quinhentos meticais para cinco milhões
onze, lavrada a folhas oitenta e duas seguintes de meticais, e em consequência das alterações
Das disposições finais verificadas fica alterada a composição do artigo
do livro de notas para escrituras diversas número
CLÁUSULA TRIGÉSIMA SÉTIMA setecentos e oitenta e dois traço B do Primeiro quinto, que passará a reger-se pelas disposições
Cartório Notarial de Maputo, perante mim, constantes dos artigo seguinte:
(Ano social)
Arnaldo Jamal de Magalhães, técnico superior ARTIGO QUINTO
Um) O ano social corresponde ao ano civil dos registos e notariado e notário do referido
económico. cartório, os sócios deliberaram o aumento do a) Uma quota pertence ao sócio João
Dois) O balanço, a demonstração de Parreira Vicente da Silva
capital social de cinco milhões, setecentos vinte
resultados e demais contas do exercício fecham- Sarmento no valor de três
e quatro mil meticais, para sete milhões,
-se com referência a trinta e um de Dezembro de milhões e setecentos e cinquenta
cada ano e são submetidos à apreciação da novecentos e cinco mil meticais, sendo que o
mil meticais, o equivalente a
Assembleia Geral nos três primeiros meses de aumento é feito pela sócia Gravita Índia, Limitada
setenta e cinco por cento do
cada ano. no valor nominal de dois milhões, cento oitenta
capital social da sociedade;
e um mil meticais.
CLÁUSULA TRIGÉSIMA OITAVA b) A outra quota pertence ao sócio
Mais ainda, pela presente escritura, os sócios Pedro Jorge Pereira António no
(Aplicação dos resultados) deliberaram a cessão total de quotas da sócia valor de um milhão e duzentos
Pagrik Gulf – FZC, à nova sócia Gravita Exim, cinquenta mil meticais, o
Os lucros que resultarem do balanço anual
Limited, que entra para a sociedade. equivalente a vinte e cinco por
terão a seguinte aplicação:
cento do capital social da
a) Pelo menos cinco por cento serão Que em consequência deste aumento de
sociedade.
destinados à constituição ou capital social, cessão total de quotas, saída e
reintegração da reserva legal, até que entrada de novo sócio, altera-se a redacção do Em tudo não alterado continuam as
esta represente, pelo menos, a quinta artigo quinto, que passa a ter a seguinte nova disposições dos artigos anteriores.
composição: Maputo, vinte e cinco de Março de dois mil e
parte do montante do capital social;
b) O restante terá a aplicação que for dez. — O Técnico, Ilegível.
deliberada em assembleia geral. ARTIGO QUINTO

CLÁUSULA TRIGÉSIMA NONA O capital social, integralmente subscrito


e realizado em dinheiro, é no valor nominal Transformadores de
(Morte ou Interdição) Moçambique, S.A
de sete milhões, novecentos e cinco mil
Por morte ou interdição de qualquer sócio, meticais, dividido em duas quotas Certifico, para efeitos de publicação, que por
os herdeiros ou representantes do falecido desiguais, distribuídas da seguinte maneira: escritura de vinte e quatro de Março de dois mil
exercerão em comum os respectivos direitos
a) Uma quota no valor nominal de e onze, lavrada de folhas sessenta e três a folhas
enquanto a quota permanecer indivisa, devendo
sete milhões, seiscentos e dezoito sessenta e seis, do livro de notas para escrituras
entre eles nomear um que a todos represente na
mil e oitocentos meticais, o diversas número setecentos e oitenta e três traço
sociedade.
correspondente a noventa e seis D do Terceiro Cartório Notarial de Maputo,
CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA perante Lucrécia Novidade de Sousa Bonfim,
por cento do capital social,
técnica superior dos registos e notariado N1 e
(Dissolução e liquidação) pertencente à sócia Gravita India,
notária em exercício no referido cartório,
Limited.
A dissolução e liquidação da sociedade rege- procedeu-se na sociedade em epígrafe a divisão,
b) Outra no valor nominal de duzentos cedência de acções, entrada de novos sócios,
-se pelas disposições da lei aplicável que estejam
oitenta e seis mil e duzentos onde o accionista Armindo Daniel Tiago, cede a
sucessivamente em vigor e, no que estas forem
meticais, o correspondente a totalidade de suas acções, a favor da Mozambique
omissas, pelo que for deliberado em assembleia
geral. quatro por cento do capital Power Industries, S.A, a accinoista Cecília
social, pertencente à sócia Viriato Guambe, cede também a totalidade das
CLÁUSULA QUADRAGÉSIMA PRIMEIRA Gravita Exim, Limited. suas acções, a favor da Chancellor House
Holdings( Proprietary), Limited e o accionista
(Omissões) Que em tudo o não mais alterado por esta
Zeca Lucas Chiambiro, divide as suas acções
Todos os casos omissos serão regulados pelas escritura, continua a vigorar as disposições do em duas novas, sendo uma de dez mil acções,
disposições legais aplicáveis e em vigor na pacto social. que cede a favor da Kasulo, Sociedade
República de Moçambique. Está conforme. Unipessoal, Limitada, e outra de dez mil acções,
O presente contrato é celebrado na cidade de Maputo, vinte e cinco de Março de dois mil e que cede a favor da Mozambique Power
Maputo, em vinte e cincode Março de dois mil onze. — A Ajudante, Ilegível. Industries, S.A, correspondentes direitos e
348 — (190) III SÉRIE — NÚMERO 15

obrigações inerentes as acções ora cedidas e por residente em Maputo na Rua da Confiança, Dois) Por deliberação da assembleia geral, a
igual preço do seu valor nominal que os cedentes número setenta e seis, no Bairro da sociedade pode desenvolver outras actividades
já receberam dos cessionários, pelo que lhes Malhangalene, relativas ao seu objecto principal, associar-se ou
foram dada plena quitação, se apartando os Maria Isabel Mulhui, casada, de nacionalidade participar no capital social de outras sociedades,
mesmos da sociedade e nada mais tem a ver moçambicana, portadora do Bilhete de Identidade desde que legalmente permitido.
dela. n.º 110100277972, emitido em Maputo aos vinte
ARTIGO QUARTO
Pelos quarto, quinto e sexto outorgantes foi e nove de Junho de dois mil e dez e vitalício,
dito que em nome dos seus representados aceitam residente em Maputo, na Germano de (Capital social)
as presentes cedências de acções e a quitação Magalhães, número setenta e seis, no Bairro da Um) O capital social, integralmente subscrito
dada nos termos precisos, entrando assim os Malhangalene. e realizado em dinheiro, é de cento e cinquenta
mesmos na sociedade como novos accionistas. Pelo presente contrato de sociedade outorgam mil meticais e corresponde à soma de duas
Que em consequência da operada divisão, e constituem entre si uma sociedade por quotas quotas, assim distribuídas:
cedência de acções, entrada de novos accionistas de responsabilidade limitada, que se regerá pelas
a) Uma, no valor nominal de quatrocentos
é assim alterada a redacção do artigo quarto do cláusulas constantes dos artigos seguintes:
e noventa e nove mil meticais,
pacto social, passando a reger-se do seguinte
ARTIGO PRIMEIRO correspondente a noventa e nove por
modo:
cento do capital social, pertencente
(Denominação e sede) às sócio Elias Maria Mucavele;
ARTIGO QUARTO
Um) A sociedade adopta a denominação de b) Outra no valor nominal de mil meticais,
(Capital social) correspondente a um por cento do
Montana Construções, Limitada, e tem a sua sede
O capital social, integralmente subscrito na Rua da Confiança, número setenta e seis, na capital social, pertencente à sócia
e realizado em dinheiro, é de cem mil Maria Isabel Mulhui.
cidade de Maputo.
meticais, representado por mil acções, no Dois) A sociedade pode, por deliberação da Dois) O capital social poderá ser aumentado,
valor nominal de mil meticais, cada uma, administração, transferir a sua sede para qualquer mediante deliberação da assembleia geral.
assim distribuídas: outro local do território nacional. Três) Os sócios têm direito de preferência no
a) Mozambique Power Industries, Três) Por deliberação da assembleia geral, a aumento do capital social, em proporção da
S.A, com cinquenta mil acções, sociedade pode abrir delegações, filiais, medida/percentagem de cada quota.
correspondente a cinquenta por sucursais, agências ou outras formas de
ARTIGO QUINTO
cento do capital social; representação.
b) Chancellor House Holdings (Prestações suplementares)
ARTIGO SEGUNDO
(Proprietary), Limited, com
Não serão exigidas prestações suplementares
quarenta mil acções, (Duração) de capital, mas os sócios poderão fazer
correspondente a quarenta por suprimentos à sociedade de acordo com os
A sociedade é constituída por tempo
cento do capital social; termos e condições que forem fixados em
indeterminado, contando-se o seu início da data
c) Kasulo, Sociedade Unipessoal, assembleia geral.
de celebração do respectivo contrato de
Limitada, com dez mil acções,
sociedade. ARTIGO SEXTO
correspondente a dez por cento
do capital social. ARTIGO TERCEIRO (Cessão e divisão de quotas)
Que em tudo não alterado por esta mesma (Objecto social) Um) A cessão e divisão de quotas, assim
escritura pública continuam a vigorar as
como qualquer outra forma de disposição de
disposições do pacto social anterior. Um) A sociedade tem por objecto principal
quotas, carece de consentimento prévio da
Está conforme. actividades relacionadas com a construção civil
assembleia geral.
e obras públicas, nomeadamente as seguintes:
Maputo, vinte e oito de Março de dois mil Dois)A sociedade goza de direito de
e onze. — A Ajudante, Luísa Louvada Nuvunga a) Construção de edifícios, estradas e preferência na aquisição de quotas.
Chicombe. outras infra-estruturas; Três) Caso a sociedade não exerça o seu
b) Reabilitação e restauração de edifícios; direito de preferência, este transfere-se
c) Fabrico e montagem de estruturas de automaticamente para os sócios.
aço, madeira, betão pré-fabricadas; Quatro) No caso de a sociedade ou os sócios
d) Fabrico e colocação de betão armado e não chegarem a acordo sobre o preço da quota a
Montana Construções, Limitada
pré-reforçado; ceder ou a dividir, o mesmo será determinado
Certifico, para efeitos de publicação, que no e) Perfuração de poços; por consultores independentes e o valor que vier
dia vinte e nove de Março de dois mil e onze, foi f) Aluguer de equipamento e materiais de a ser determinado será vinculativo para as partes.
matriculada na Conservatória do Registo de construção civil; ARTIGO SÉTIMO
Entidades Legais sob NUEL 100211645 uma g) Fabrico de produtos de betão;
sociedade denominada Montana Construções, h) Importação e exportação de (Amortização de quotas)
Limitada. equipamento e material para a Um) Mediante prévia deliberação da
Entre: construção civil; assembleia geral, as quotas dos sócios poderão
É celebrado o presente contrato de sociedade, i) Formação na área de construção civil; ser amortizadas no prazo de noventa dias a contar
nos temos do artigo noventa do Código j) Fiscalização de obras de construção civil; do conhecimento ou verificação dos seguintes
Comercial, entre: k) Engenharia e consultoria de obras de factos:
Elias Maria Mucavele, solteiro, maior, de construção civil; a) Se qualquer quota for penhorada,
nacionalidade moçambicana, portador do Bilhete l) Movimento e remoção de terras; empenhada, confiscada, apreendida
de Identidade n.º 110100257530C, emitido em m) Instalações eléctricas e mecânicas e ou sujeita a qualquer acto judicial
Maputo aos quinze de Junho dois mil e dez e instrumentação; e ou administrativo que possa obrigar
válido até quinze de Junho de dois mil e quinze, n) Gestão de projectos. a sua transferência para terceiros;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (191)

b) Se qualquer quota ou parte for cedida Cinco) Em circunstância alguma a sociedade Matola, a cargo da notária Batça Banu Amade
a terceiros sem observância do ficará vinculada por actos ou documentos que Mussa, foi constituída uma sociedade comercial
disposto no artigo sexto dos não digam respeito às actividades relacionadas unipessoal por quotas de responsabilidade
presentes estatutos. limitada, que se regerá pelas disposições
com o objecto social, especialmente em letras de
Dois) O preço da amortização será pago em constantes dos artigos seguintes:
favor, fianças e abonações.
não menos de seis prestações mensais, iguais e Seis) Até à realização da assembleia geral, a ARTIGO PRIMEIRO
sucessivas, representadas por igual número de
sociedade será administrada e representada pelo
títulos de crédito que vencerão juros à taxa Denominação
aplicável aos depósitos a prazo. senhor Elias Maria Mucavele.
Ferragem Khanimambo – Sociedade
ARTIGO OITAVO ARTIGO DÉCIMO Unipessoal, Limitada, sociedade por quotas de
responsabilidade limitada, que se regerá pelos
(Assembleia geral) (Balanço e distribuição de resultados)
presentes estatutos e pelas disposições legais
Um) A assembleia geral reunir-se-á Um) O período de tributação deverá coincidir em vigor.
ordinariamente, uma vez por ano, nos primeiros com o ano civil (calendário). posteriormente, e,
três meses depois de findo o exercício anterior ARTIGO SEGUNDO
mediante aprovação das autoridades fiscais, o
para: Sede
período de tributação passará a coincidir com o
a) Apreciação, aprovação, correcção ou da sua empresa-mãe, nomeadamente trinta de A sociedade tem a sua sede no Mercado do
rejeição do balanço e contas do Junho. Fomento, cidade da Matola, província de
exercício; Maputo, podendo abrir e encerrar delegações
Dois) O balanço e as contas de resultados
b) Decisão sobre a distribuição de lucros; ou outras formas de representação social no
fechar-se-ão e serão apresentados ao final do
c) Nomeação da administração e país, mediante a autorização das autoridades
determinação da sua remuneração. ano civil ou a trinta de Junho de cada ano,
competentes.
dependendo do final de ano da sociedade e serão
Dois) A assembleia geral poderá reunir-se
submetidos à apreciação da assembleia geral. ARTIGO TERCEIRO
extraordinariamente sempre que for necessário,
Três) Depois de deduzidos os encargos gerais,
competindo-lhe deliberar sobre quaisquer Duração
assuntos relativos à actividade da sociedade que repagamentos e outros encargos dos resultados
ultrapassem a competência da administração. líquidos apurados em cada exercício, serão A sociedade é constituída por tempo
Três) É da exclusiva competência da deduzidos os montantes necessários para a indeterminado, contando-se o seu início para
criação dos seguintes fundos de reserva: todos os efeitos legais, a partir da data da
assembleia geral deliberar sobre a alienação dos
assinatura da escritura.
principais activos da sociedade. a) Vinte por cento para uma reserva legal,
Quatro) A assembleia geral poderá ser até vinte por cento do valor do ARTIGO QUARTO
convocada pelo administrador da sociedade, por
capital social, ou sempre que seja
meio de telex, fax, telegrama ou carta registada, Objecto social
necessário reintegrá-lo;e
com aviso de recepção, com uma antecedência Um) A sociedade tem por objecto social a
mínima de quinze dias, salvo nos casos em que b) Outras reservas que a sociedade possa
necessitar, de tempos em tempos. venda de materiais de construção.
a lei exija outras formalidades. Dois) A sociedade poderá exercer outras
Cinco) Os sócios poderão fazer-se Dois) O remanescente será discricio- actividades relacionadas ou não com o objecto
representar nas assembleias gerais, mediante nariamente distribuído ou reinvestido nos termos social.
simples carta para esse fim dirigida ao presidente
a deliberar pela assembleia geral.
da mesa da assembleia geral. ARTIGO QUINTO
ARTIGO NONO ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO Do capital social

(Administração e representação (Disposições finais) Um) O capital social é de vinte e cinco mil
da sociedade) Um) A sociedade dissolve-se nos casos meticais e corresponde a uma única quota,
Um) A sociedade será dirigida e representada previstos na lei. pertencente a Abílio Fernando Langa.
por um administrador, eleito em assembleia Dois) A liquidação da sociedade depende de Dois) O capital social poderá ser aumentado
geral. aprovação da assembleia geral. uma ou mais vezes mediante a deliberação em
Dois) Compete ao administrador exercer os assembleia geral.
Três) Os casos omissos serão regulados pela
mais amplos poderes, representando a sociedade Três) Os sócios gozam do direito de
legislação moçambicana.
em juízo e fora dele, activa ou passivamente, e preferência na subscrição das quotas em caso do
Maputo, vinte e nove de Março de dois mil
praticando todos os actos tendentes à realização aumento do capital social.
e onze. — O Técnico, Ilegível.
do objecto social que a lei ou os presentes
estatutos não reservem exclusivamente à ARTIGO SEXTO
assembleia geral. Cessão de quotas
Três) A administração pode constituir
representantes e delegar a estes os seus poderes,
Ferragem Khanimambo – Um) A cessão de quotas a estranhos depende
no todo ou em parte. Sociedade Unipessoal, Limitada de prévio e expresso consentimento da
Quatro) A sociedade fica vinculada pela Certifico, para efeitos de publicação, que por assembleia geral.
assinatura do administrador único ou pela escritura de sete de Março de dois mil e onze, Dois) O sócio que pretender ceder a sua quota,
assinatura de um terceiro especificamente exarada de folhas cento e vinte e cinco a folhas avisará por escrito, aos demais sócios e à
designado e a quem tenham sido delegados cento e vinte e nove do livro de notas para sociedade desse seu propósito, indicando as
poderes, nos termos definidos pela assembleia escrituras diversas número cento e catorze traço condições de cedência, cessão e a respectiva
geral. A da Conservatória dos Registos e Notariado da forma de pagamento.
348 — (192) III SÉRIE — NÚMERO 15

Três) No caso de a sociedade e nem os demais Cinco) Em caso de interdição, incapacidade ARTIGO SEGUNDO
sócios pretenderem usar o direito de preferência, ou falecimento de qualquer um dos sócios, a sua
nos sessenta dias subsequentes a colocação da quota permanecerá indivisa e será titulada pelos (Duração)
quota à disposição, poderá o sócio cedente cedê- legítimos representantes respectivamente. A sociedade é constituida por tempo
la a quem entender e nas condições em que a
indeterminado, contando-se o seu início, para
oferecer à sociedade. ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO
todos os efeitos de direito, a partir da data da
Dissolução e liquidação escritura notarial da sua constituição.
ARTIGO SÉTIMO
Um) A sociedade dissolve-se nos termos da
Gerência ARTIGO TERCEIRO
lei.
Um) A administração, gerência e sua Dois) No acto de dissolução todos os sócios (Objecto)
representação, serão exercidas pelo sócio Abílio serão liquidatários.
Fernando Langa, que desde já é nomeado sócio O seu principal objecto social é a prestação
gerente, com dispensa de caução. ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO de serviços nas seguintes áreas:
Dois) Compete ao sócio gerente, exercer os Das disposições gerais a) Educação e ensino;
mais amplos poderes, representando a sociedade b) Serviços afins e de apoio àquelas.
em juízo e fora dele, activa e passivamente e Um) O exercício social coincide com o ano
praticar todos e demais actos tendentes à civil. CAPÍTULO II
realização do objecto social, que a lei e os Dois) O balanço e contas de resultados fechar-
presentes estatutos não reservem à assembleia -se-ão com referência a trinta e um de Dezembro Do capital social
geral. de cada ano e serão submetidas à apreciação da
ARTIGO QUARTO
Três) O gerente em caso de necessidade, assembleia geral.
poderá delegar poderes bem como constituir Três) Os casos omissos serão regulados pela (Capital social)
mandatários, nos termos estabelecidos pela Lei lei vigente na República de Moçambique.
das Sociedades Comerciais por Quotas. Está conforme. Um) O capital social, integralmente realizado
Conservatória dos Registos e Notariado da em bens e em numerário, é de cinquenta milhões
ARTIGO OITAVO Matola, onze de Março de dois mil e onze. — de meticais, correspondente à soma de duas
O Técnico, Ilegível. quotas de vinte e cinco milhões de meticais cada,
Obrigações da sociedade
pertencentes a Tomás Salvador Chaúque e
A sociedade fica obrigada: Ângelo Armando Mondlane.
a) Pela assinatura do gerente; Dois) O capital social poderá ser alterado
b) Pela assinatura do procurador, dentro
Escola Secundária Galileu mediante a autorização nos termos de legislação
dos limites fixados pela assembleia
geral.
Galilei, Limitada em vigor respeitando-se, no entanto, a actual
proporção das quotas dos sócios.
Certifico, para efeitos de publicação, que por
ARTIGO NONO
escritura de treze de Julho do ano dois mil e CAPÍTULO III
Constituição da assembleia geral cinco, exarada a folhas trinta e duas seguintes
Da gerência e representação
A assembleia geral é constituída por todos os do livro de notas para escrituras diversas número
sócios ou seus representantes. cento e oitenta e nove traço D do Segundo ARTIGO QUINTO
Cartório Notarial de Maputo, perante a notária (Conselho de gerência)
ARTIGO DÉCIMO Batça Banú Amade Mussá, licenciada em Direito,
técnica superior dos registos e notariado do Um) A gerência desta sociedade de ensino é
Reunião da assembleia geral
referido cartório, foi constituída uma sociedade exerrcida pelos dois sócios, os quais poderão,
Um) A assembleia geral reúne-se entre si por quotas de responsabilidade limitada, no entanto, contratar um pessoa para gerir e
ordinariamente uma vez por ano e extraor- administrar a sociedade.
a qual reger-se-á pelas clausulas constantes dos
dinariamente sempre que os sócios, represen- Dois) Compete à gerência a representação da
artigos seguintes.
tando pelo menos um terço do capital social a sociedade em todos os actos, activa e
convoquem. CAPÍTULO I passivamente, em juízo e fora dele, dispondo
Dois) A assembleia geral é convocada pelos
Da denominação, sede, duração dos mais amplos poderes para a prossecução
sócios ou seus representantes, com um mês de
e objecto dos fins da sociedade, gestão do ensino e
antecedência, através de carta registada e com
contratos sociais.
aviso de recepção. ARTIGO PRIMEIRO
Três) Na convocatória da assembleia geral ARTIGO SEXTO
deverá constar necessariamente: (Denominação e sede)
(Forma de obrigação da sociedade)
a) O local da reunião; A sociedade adopta a denominação de Escola
b) O dia da reunião; Secundária Galileu Galilei, Limitada, sociedade Um) A sociedade fica obrigada pela
c) A agenda de trabalho. de ensino, e tem a sua sede em Maputo, no Bairro assinatura dos dois sócios-gerentes, excepto em
Quatro) É exigida a presença de uma maioria do Zimpeto, Quarteirão número cinco, parcela documentos de mero expediente, em que basta a
simples para que se delibere validamente sobre: número seiscentos e cinquenta e quatro traço A, assinatura de qualquer um deles.
a) Alteração dos estatutos; podendo, por simples deliberação do conselho Dois) Em caso algum a sociedade poderá ser
b) Alteração do pacto social; de gerência, transferí-la bem como abrir ou obrigada em actos ou documentos estranhos ás
c) Dissolução da sociedade; encerrar sucursais onde e quando julgar operações sociais, sobretudo em letras de favor,
d) Aprovação de contas de exercício. conveniente. abonação e fianças.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (193)

CAPÍTULO IV CAPÍTULO VI SECÇÃO III

Das disposições gerais Do sistema orgânico Do conselho pedagógico

ARTIGO SÉTIMO SECÇÃO I ARTIGO DÉCIMO SEXTO


(Balanço e distribuição dos resultados) Da organização (Composição do conselho pedagógico)
Anualmente será dado um balanço com data ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO
Um) O conselho pedagógico é orgão de apoio
de trinta e um de Dezembro, e os lucros líquidos (Órgãos executivos) técnico, científico e metodológico da direcção
apurados, deduzidos cinco por cento para o da Escola.
fundo de reserva legal e feitas quaisquer outras A estrutura da Escola Secundária Galileu
Dois) Compõe o conselho pedagógico:
deduções em que os sócios acordem, serão Galilei, Limitada, compreende os seguintes
órgãos: a) O director-adjunto pedagógico;
divididos por eles na proporção das suas quotas
e na mesma proporção serão suportadas as a) Colectivo de direcção; b) Os delegados de disciplinas;
perdas. b) Conselho pedagógico; c) Os directores de classe.
c) Grupo de disciplina;
ARTIGO OITAVO d) Secretaria da Escola. ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO
(Convocação do conselho pedagógico)
(Dissolução) SECÇÃO II

Um) A sociedade não se dissolve por morte Um) O conselho pedagógico é convocado e
Do colectivo de direcção
ou, interdição de qualquer dos sócios, antes presidido pelo director adjunto que poderá
porém, continuará com os herdeiros ou ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO convidar outras entidades para além das referidas
representantes do sócio falecido ou interdito, os no número anterior.
(Composição do colectivo de direcção)
quais nomearão entre si um que, a todos Dois) O director-geral poderá orientar ou
represente na sociedade enquanto a respectiva O Colectivo de direcção é um orgão composto participar neste orgão sempre que achar
quota se mantiver indivisa. pelo: conveniente.
Dois) A sociedade dissolve-se nos casos e a) Director-geral Três) O conselho pedagógico reúne-se
pela forma que a lei estabelecer e, sendo por b) Director-geral adjunto ordinariamente duas vezes por mês e,
acordo entre os sócios, todos serão liquidatários, c) Dois directores adjuntos pedagógicos extraordinariamente, sempre que assuntos de
procedendo-se a partilha dos seus bens sociais (sendo um para cada nível); ordem pedagógica o exijam.
conforme fôr deliberado pelos sócios. d) Chefe de administração e finanças.
ARTIGO DÉCIMO OITAVO
CAPÍTULO V ARTIGO DÉCIMO QUARTO
(Competências do conselho pedagógico)
Dos princípios, fins e objectivos (Convocação do colectivo de direcção)
Um) Compete ao conselho pedagógico:
ARTIGO NONO O colectivo de direcção é convocado pelo a) Pronunciar-se sobre as questões para
director-geral e reúne-se ordinariamente de
(Princípios) que fôr convocado;
quinze em quinze dias e, extraordinariamente,
b) Organizar o processo docente,
No exercício das suas actividades, a Escola sempre que o director-geral julgar conveniente.
metodológico e educativo;
Secundária Galileu Galilei, Limitada, rege-se
ARTIGO DÉCIMO QUINTO c) Garantir e controlar a aplicação dos
pelos princípios gerais e pedagógicos definidos
pela Lei número seis barra noventa e dois de programas, das metodologias de
(Competências do colectivo de direcção)
seis de Maio, e demais instrumentos que regulam ensino e da avaliação da
a educação e ensino na República de Compete ao colectivo de direcção: aprendizagem superiormente
Moçambique. a) Assegurar o desenvolvimento das definidas;
actividades da instituição, criar d) Assegurar o cumprimento das normas
ARTIGO DÉCIMO condições para o cumprimento das de organização, avaliação e direcção
funções e objectivos atribuidos a escolar no estabelecimeto;
(Fins)
cada membro do colectivo;
e) Promover estudos de natureza
Um) A Escola Secundária Galileu Galilei, b) Elaborar o plano e o programa geral de
Limitada tem como missão promover o pedagógica que lhe sejam propostos;
actividades e propôr o orçamento
desenvolvimento económico e social das anual; f) Coordenar, planificar e avaliar as
comunidades locais e da região. c) Elaborar o relatório de contas do ano actividades dos grupos de disciplina;
Dois) Capacitar cientificamente as famílias e anterior; g) Efectuar os cortes avaliativos no meio
reduzir os seus encargos em meios circulantes d) Assegurar o cumprimento e controlo de cada período escolar;
das tarefas definidas para cada orgão h) Apreciar e propor alterações ao
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO e estrutura que compõe a instituição; regulamento de avaliação, aos
e) Promover acções que visem a melhoria calendários e horários das diferentes
(Objectivos)
das condições de estudo dos alunos disciplinas a ministrar;
São objectivos gerais da Escola Secundária e o trabalho dos professores e outros i) Elaborar a acta de cada reunião,
Galileu Galilei, Limitada: trabalhadores da instituição;
nomeando, para além dos assuntos
a) Promover a formação académica nos f) Ceder as instalações da escola a outras
discutidos, as propostas, os
níveis do ESG1 e ESG2 de acordo instituições, á comunidade ou
individualidades idóneas para actos pareceres e as conclusões dos
com os parâmetros definidos pelo
culturais, cívicos ou de reconhecida participantes, arquivando uma cópia
Sistema Nacional de Educação;
b) Preparar moral e cientificamente a necessidade social, podendo ser a numa pasta própria e enviar no prazo
juventude para garantir uma título oneroso, sob aprovação do de oito dias a original á direcção da
cidadania responsável. director-geral. escola.
348 — (194) III SÉRIE — NÚMERO 15

SECÇÃO IV c) Inventariar os bens móveis e imóveis; ARTIGO VIGÉSIMO SÉTIMO


d) Enumerar e arquivar todos os
Do grupo de disciplina (Relações com o Ministério da Educação
documentos da escola com o ano a
e outras entidades)
ARTIGO DÉCIMO NONO que se referem e exarar um índice
que facilite a respectiva procura; Um) A Escola Secundária Galileu Galilei,
(Composição do grupo de disciplina) e) Garantir a gestão orçamental e das Limitada, deverá estabelecer ligações saudáveis
Um) O grupo d disciplina é o órgão de apoio receitas; com o Ministério da Educação e com instituições
técnico, científico e metodológico da direcção f) Preparar, analisar e classificar subordinadas a este, para melhor desempenho
pedagógica. documentos a submeter ao despacho das suas funções.
Dois) Compõe o grupo de disciplina todos do director geral da escola; Dois) Pela natureza da sua inserção espacial
professores da respectiva disciplina g) Controlar a efectividade dos previlegiará também as relações com a
professores e funcionários através comunidade.
ARTIGO VIGÉSIMO dos respectivos livros de turmas e
de ponto, marcando e registando as CAPÍTULO IX
(Convocação do grupo de disciplina)
faltas nos devidos mapas; Das disposições finais
É convocado pelo delegado. Reúne-se h) Processar os salários dos professores
ordinariamente de quinze em quinze dias e, e funcionários da escola e efectuar o ARTIGO VIGÉSIMO OITAVO
extraordinariamente sempre que assuntos de pagamento dos mesmos até ao dia (Casos omissos)
ordem pedagógica o exijam. trinta de cada mês.
Os casos omissos neste estatuto deverão ser
ARTIGO VIGÉSIMO PRIMEIRO CAPÍTULO VII introduzidos por proposta do colectivo de
direcção e por permissão do colégio de directores.
(Competências do grupo de disciplina) Dos fundos
Compete ao grupo de disciplina: ARTIGO VIGÉSIMO QUARTO ARTIGO VIGÉSIMO NONO
a) Dosificar, no início de cada período (Alterações)
(Angariação de fundos)
(trimestre ou semestre) escolar, os
conteúdos programáticos referentes Um) A Escola Secundária Galileu Galilei, Todas as propostas de alteração deste estatuto
Limitada, obterá os seus fundos através do deverão ser apresentadas á direcção da escola
a essa fase do ano escolar;
pagamento de uma taxa de propinas/ que, por sua vez, as encaminhará ao colégio de
b) Planificar as aulas, as avaliações, as
mensalidades pelos discentes, fixada directores (director-geral e director-geral adjunto)
assistências ás aulas e outras
para apreciação e aprovação.
actividades que envolvam a anualmente.
disciplina; Dois) Constituirão fontes secundárias as Está conforme
c) Elaborar textos de apoio; seguintes: Maputo, catorze de Julho de dois mil e cinco. —
d) Elaborar as avaliações periódicas, a) Doações; A Ajudante, Ernestina da Glória Samuel.
parcelares, sistemáticas e propostas b) Vendas de serviços de apoio;
de exame c) Legados e outros.
e) Analisar os resultados das avaliações; Três) A Escola não efectuará nenhum
f) Apoiar os professores menos reembolso aos discentes que anularem as suas Soril, Limitada
experientes; matrículas por motivos pessoais.
g) Conceber círculos de interesse que Certifico, para efeitos de publicação, que no
levem á motivação dos alunos para ARTIGO VIGÉSIMO QUINTO dia vinte e oito de Março de dois mil e onze, foi
o estudo das matérias do programa matriculada na Conservatória do Registo de
da disciplina. (Verificação de contas)
Entidades Legais sob NUEL 100211572 uma
As contas de receitas e despesas serão sociedade denominada Soril, Limitada.
SECÇÃO V
verificadas e aprovadas pelos seguintes orgãos Primeiro: Lucas Chomera Jeremias, casado,
Da secretaria da escola competentes: com Imaculada da Conceição dos Santos em
a) Colégio de directores (director-geral e regime de comunhão de bens, natural de Guara-
ARTIGO VIGÉSIMO SEGUNDO Guara, Búzi, titular do Bilhete de Identidade
director -geral adjunto), depois de
(Composição da secretaria) ouvido o chefe da administração e n.º 110100000014P, residente na Avenida Vinte
finanças; e Quatro de Julho número mil duzentos e oitenta
A secretaria será composta por elementos: b) Uma entidade encartada para proceder e quatro, nono andar, flet dezassete, Polana,
a) Chefe de administração e finanças; a auditoria, se a situação o exigir. Maputo.
b) Tesoureiro; Segundo: Joaquim Veríssimo, solteiro,
c) Recepcionista; CAPÍTULO VIII maior, natural de Caia, titular do Bilhete de
d) Contínuo-estafeta. Da relação intra e inter-institucional Identidade n.º 110100122410B, residente na
Avenida Fernão de Magalhães, casa número vinte
ARTIGO VIGÉSIMO TERCEIRO ARTIGO VIGÉSIMO SEXTO e dois, Ponta Gêa, cidade da Beira.
Terceiro: Neli José Daniel Nhassengo,
(Competências da secretaria) (Regulamento interno)
solteira, maior, natural da Beira, titular do Bilhete
Compete à secretaria da escola: As responsabilidades, articulação e de Identidade n.º 070100006967B, residente na
comportamento do colectivo de direcção, bem Rua Francisco Matange número setecentos
a) Organizar os processos individuais dos
como a gestão de fundos será feita e regida de e sessenta e seis, cidade da Beira.
alunos, professores e trabalhadores;
acordo com princípios estabelecidos através de Quarto: Lourenço Domingos Chipenenbe,
b) Registar a correspondência recebida e
um regulamento específico contido no casado com Amina Moiane Chipenembe em
expedida; regime de separação de bens, titular do Bilhete
regulamento interno.
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (195)

de Identidade n.º 110100000756S, residente na CAPÍTULO II insolvência do sócio, sendo pessoa


Rua das Trepadeiras, número trinta e dois, rés- singular, e dissolução ou falência,
-do-chão, Bairro do Jardim, Maputo. Do capital social
sendo pessoa colectiva;
ARTIGO QUINTO c) Quando em virtude de partilha judicial
CAPÍTULO I ou extrajudicial a quota não seja
O capital social, integralmente subscrito e
Da denominação, duração e objecto adjudicada ao respectivo sócio;
realizado em dinheiro, é de quarenta mil meticais,
d) Se a quota for arrestada, penhorada ou
ARTIGO PRIMEIRO correspondente à soma de quatro quotas
por qualquer outra forma deixe de
distribuídas da seguinte forma:
Denominação e duração estar na livre disponibilidade do seu
a) Uma quota de dez mil meticais, titular.
Sociedade Rovúe Investimento, Limitada, subscrita por Lucas Chomera
Dois) O preço da amortização será apurado
adiante designada por Soril, Limitada é uma Jeremias, correspondente a vinte e
com base no último balanço aprovado, acrescido
sociedade comercial por quotas de cinco por cento;
da parte proporcional nas reservas que não se
responsabilidade limitada, criada por tempo b) Uma quota de dez mil meticais,
destinem a cobrir prejuízos, reduzido, ou
indeterminado e que se rege pelos presentes subscrita por Joaquim Veríssimo acrescido, da parte proporcional de diminuição
estatutos e pelos preceitos legais aplicáveis. correspondente a vinte e cinco por ou aumento do valor contabilístico, posterior ao
cento; referido balanço. O preço assim aprovado
ARTIGO SEGUNDO
c) Uma quota de dez mil meticais, será pago nos termos e condições aprovadas em
Sede subscrita por Lourenço Domingos assembleia geral.
Chipenembe correspondente a vinte
Um) A Soril tem a sua sede em Maputo, CAPÍTULO III
e cinco por cento;
podendo abrir sucursais, delegações, agências
d) Uma quota de dez mil meticais,
ou qualquer outra forma de representação social Dos órgãos sociais, gerência
subscrita por Neli José Daniel
onde e quando a assembleia geral o julgar e representação da sociedade
Nhassengo, correspondente a vinte
conveniente. e cinco por cento. ARTIGO DÉCIMO
Dois) Mediante simples deliberação, pode a
assembleia geral transferir a sede para qualquer ARTIGO SEXTO Assembleia geral
outro local do território nacional.
Prestações suplementares e suprimentos Um) A assembleia geral reúne-se
ARTIGO TERCEIRO ordinariamente uma vez por ano, para a
Não serão exigíveis prestações suplementares apreciação do balanço anual das contas e do
Objecto de capital, podendo porém os sócios conceder à exercício e, extraordinariamente, quando
sociedade os suprimentos do que necessite, nos
Um) A Soril tem por objecto principal o convocada pela gerência, sempre que for
termos e condições fixados por deliberação da
necessário, para deliberar sobre quaisquer outros
exercício das seguintes actividades: assembleia geral.
assuntos para que tenha sido convocada;
a) Exploração mineira e florestal; Dois) Serão dispensadas as formalidades de
ARTIGO SÉTIMO
b) Agricultura e pecuária; convocação da reunião da assembleia geral
c) Transportes e comunicações; Divisão, oneração e alienação de quotas quando todos os sócios concordem, por escrito,
d) Pesca e aquacultura; em dar como validamente constituída a reunião,
Um) A divisão e cessão de quotas, bem como
e) Hotelaria e turismo; bem como também concordem, por esta forma,
a constituição de quaisquer ónus ou encargos
f) Indústria e comércio; sobre as mesmas, carecem de autorização prévia em que se delibere, ainda que fora da sede social
g) Construção civil e imobiliária; da sociedade, dada por deliberação da respectiva em qualquer ocasião e qualquer que seja o seu
h) Prestação de serviços de assistência assembleia geral. desejo;
técnica e consultoria; Dois) O sócio que pretende alienar a sua quota Três) As reuniões cuja agenda abranja
i) Serviços de agenciamento, represen- informará a sociedade, com um mínimo de trinta matérias de deliberação por maioria qualificada,
tação e intermediação. dias de antecedência, por carta registada e com nos termos da lei e destes estatutos, não se aplicará
aviso de recepção, dado a conhecer o projecto o previsto no número anterior;
Dois) A sociedade poderá desenvolver outras
de venda e as respectivas condições contratuais. Quarto) A assembleia geral será convocada
actividades subsidiárias ou complementares do
Três) Gozam de direito de preferência, na pelo respectivo presidente de mesa, por
seu objecto principal, desde que devidamente
aquisição da quota a ser cedida a sociedade e os comunicação escrita dirigida e remetida a todos
autorizadas.
restantes sócios, por esta ordem. os sócios da sociedade com a antecedência
ARTIGO QUARTO mínima de quinze dias, salvo se tratar de reunião
ARTIGO OITAVO para deliberar sobre matérias que requeiram
Participação e empreendimentos maioria qualificada as quais deverão ser
Nulidade
Mediante deliberação da assembleia geral, comunicadas com antecedência mínima de trinta
Nulidade da divisão, alienação ou oneração
poderá a sociedade participar, directa ou dias, dando-se a conhecer a ordem de trabalho e
de quotas que não observe o preceituado no
indirectamente, em projectos de desenvolvimento a informação necessária à tomada de deliberação
artigo sétimo.
que de alguma concorram para o preenchimento quando seja esse o caso.
do seu objecto social, bem como com o mesmo ARTIGO NONO
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO
objecto, aceitar concessões, adquirir e gerir
Amortização de quotas
participações no capital de quaisquer sociedades, Representação em assembleia geral
independentemente do respectivo objecto social, Um) A sociedade pode amortizar quotas nos
seguintes casos: Os sócios podem fazer-se representar na
ou ainda participar em empresas, associações assembleia geral por outros sócios, mediante
empresariais, agrupamento de empresas ou outras a) Acordo com o respectivo titular; poderes para esse efeito conferidos por
formas de associação. b) Morte, interdição, inabilitação ou procuração, carta, telecópia ou telex.
348 — (196) III SÉRIE — NÚMERO 15

ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO b) Importação, exportação, e comércio a


retalho dos artigos abrangidos pelas
Votação Disposições finais
classes: XVIII (produtos
Um) A assembleia geral considera-se As omissões serão reguladas e resolvidas de alimentares, incluindo vinhos e
regularmente constituída para deliberação acordo com os presentes estatutos e pela lei e outras bebidas, incluindo géneros
demais legislação aplicável. frescos. Produtos lácteos, pão, leite
quando, em primeira convocação, estejam
Maputo, vinte e nove de Março de dois mil e seus derivados);
presentes ou devidamente representados, pelo
e onze. — O Técnico, Ilegível. c) Produtos da classe XIX (géneros
menos, o correspondente a maioria simples dos frescos, incluindo frutas e legumes,
votos do capital social e, em segunda hortaliças, batatas e cebolas, peixe e
convocação, independentemente do número de mariscos, carne e seus derivados),
sócios presentes e do capital que representam. GDS, Limitada do Regulamento de Licenciamento
Dois) As deliberações da assembleia geral da Actividade Comercial, aprovado
Certifico, para efeitos de publicação, que por
são tomadas por maioria simples dos votos pelo Decreto número quarenta e nove
escritura de vinte e um de Março de dois mil e
barra dois mil e quatro, de dezassete
presentes ou representados excepto nos casos onze, lavrada a folhas cem a cento e uma do
de Novembro.
em que a lei exija maioria qualificada de três livro de notas para escrituras diversas número
quartos dos votos correspondentes ao capital setecentos oitenta e dois traço B do Primeiro Dois) A sociedade poderá exercer quaisquer
social, designadamente: Cartório Notarial de Maputo, perante Arnaldo outras actividades comerciais e industriais desde
Jamal de Magalhães, licenciado em Direito, que os sócios concordem, o exercício seja legal
a) Aumento ou redução do capital social; técnico superior dos registos e notariado N1 e e sejam obtidas as devidas autorizações das
b) Outras alterações aos estatutos; notário do referido cartório, compareceram entidades competentes.
c) Fusão ou dissolução da sociedade. Graziela Sebastiana Varela de Sousa, Alfredo
Finocchi e Joshua de Sousa, na qual constituíram ARTIGO QUINTO
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO entre si uma sociedade por quotas de
responsabilidade limitada, que passará a reger- (Capital social)
Administração
se pelas disposições constantes dos artigos O capital social, integralmente realizado em
A administração da Soril é exercida por um seguintes:
dinheiro, é de vinte mil meticais, correspondente
director- geral e um gerente, obrigando-se a à soma de três quotas assim distribuídas:
ARTIGO PRIMEIRO
sociedade pelas assinaturas destes ou de
(Denominação) a) Uma quota no valor nominal de doze
procurador designado pela assembleia geral nos mil meticais, correspondente a
termos do respectivo mandato. Um) É constituída, nos termos da lei e destes sessenta por cento, pertencente à
estatutos, uma sociedade comercial por quotas
sócia Graziela Sebastiana Varela de
CAPÍTULO IV de responsabilidade limitada denominada GDS,
Sousa;
Limitada.
Das disposições gerais b) Uma quota de quatro mil meticais,
Dois) A sociedade rege-se pelos presentes
estatutos e demais legislação aplicável à matéria correspondente a vinte por cento,
ARTIGO DÉCIMO QUARTO
que é seu objecto. pertencente ao sócio Alfredo
Balanço e prestação de contas Finocchi;
ARTIGO SEGUNDO c) Uma quota de quatro mil meticais,
Um) O ano social coincide com o ano civil;
(Duração)
correspondente a vinte por cento,
Dois) O balanço e a conta de resultados
pertencente ao sócio Joshua de
fecham a trinta e um de Dezembro de cada ano, A duração da sociedade é por tempo Sousa.
e carecem da aprovação da assembleia geral a indeterminado, contando-se o seu início a partir
realizar-se até ao dia trinta e um de Março do da data da sua escritura. ARTIGO SEXTO
ano seguinte.
ARTIGO TERCEIRO (Aumento)
Três) A gerência apresentará a aprovação da
assembleia geral o balanço das contas de ganhos (Sede) Um) A sociedade poderá proceder ao
Um) A sociedade terá a sua sede na cidade de aumento do capital social uma ou mais vezes por
e perdas, acompanhados de um relatório da
Tete, Avenida da Independência, número deliberação da assembleia geral, quando obtida
situação comercial, financeira e económica da
quarenta e dois, exercendo a sua actividade em a autorização necessária.
sociedade, bem como a proposta quanto a
todo o país; por simples deliberação dos sócios, Dois) Não haverá lugar a prestações
repartição de lucros e perdas.
a sede poderá ser transferida para qualquer outro suplementares do capital subscrito pelos sócios,
ponto do país. podendo estes, no entanto, fazer suprimentos à
ARTIGO DÉCIMO SEXTO
Dois) A sociedade poderá abrir, transferir, sociedade nas condições a fixar pelo conselho
Dissolução e liquidação da sociedade transformar ou encerrar filiais, delegações, de direcção.
sucursais e outras formas de representação
Um) A sociedade dissolve-se nos termos comercial no país ou no estrangeiro, desde que ARTIGO SÉTIMO
fixados na lei e nos estatutos. assim seja deliberado em conselho de direcção.
(Cessão ou divisão de quotas)
Dois) Declarada a dissolução da sociedade
ARTIGO QUARTO
proceder-se-á a sua liquidação gozando os A cessão ou divisão de quotas, a título gratuito
liquidatários, nomeados pela assembleia geral, (Objecto) ou oneroso, será livre entre os sócios, mas a
dos mais amplos poderes para o efeito. terceiros dependerá do consentimento expresso
Um) A sociedade tem por objecto:
Três) Dissolvendo-se por acordo dos sócios, dos outros sócios, que gozam do direito de
a) Comercialização de produtos de
todos serão seus liquidatários. preferência.
mercearia;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (197)

ARTIGO OITAVO Três)) A administradora terá a remuneração Câmara de Comércio de


que lhe for fixada pela sociedade. Moçambique – CCM
(Amortização)
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO A conjuntura do desenvolvimento económico
Um) A sociedade poderá amortizar as quotas
e o progresso da globalização que o país
nos seguintes casos: (Limitação do poder dos sócios
atravessa pressupõem a necessidade de adequar
a) Quando a quota tenha sido arrolada, e administração)
os estatutos da Câmara de Comércio de
penhorada, arrestada ou sujeita a Moçambique à presente fase de desenvolvimento
De forma alguma está autorizada a
providência judicial ou legal; económico da República de Moçambique.
administração a obrigar a sociedade em actos ou
b) Nos casos de falência, insolvência, contratos estranhos ao objecto social nem a Cientes dessa necessidade, em trinta e um de
interdição ou inabilitação do sócio; aceitar fianças, letras a favor, livranças, avales e Maio de dois mil e seis, os membros da Câmara
c) Por morte ou interdição de um dos outros actos afins, nem dispor do património da reunidos em assembleia geral, decidiram
sócios. sociedade sem mandato especial com poderes actualizar os seus estatutos.
Dois) A amortização será feita pelo valor específicos, após deliberação em assembleia Assim, a Câmara de Comércio de
nominal da respectiva quota. geral a favor de um dos sócios ou adminis- Moçambique reger-se-á pelos estatutos
tradores da sociedade. constantes nos artigos seguintes:
ARTIGO NONO
ARTIGO DÉCIMO QUARTO CAPÍTULO I
(Assembleia geral)
(Morte ou incapacidade dos sócios) Da denominação, personalidade
A assembleia geral reunir-se-á ordinaria-
e capacidade
mente, uma vez por ano, para aprovação ou Em caso de morte ou interdição de qualquer
modificação do balanço e contas do exercício, um dos sócios, os herdeiros legalmente ARTIGO PRIMEIRO
para deliberar sobre quaisquer outros assuntos constituídos ou representante do interdito,
para que tenha sido convocada e, extraor- exercerão os referidos direitos e deveres sociais, (Disposições gerais)
dináriamente, sempre que se revelar necessário, devendo mandatar um de entre eles que a todos Um) A Câmara de Comércio de Moçambique
podendo os sócios fazer-se representar por represente na sociedade desde que se elabore abreviadamente designada por CCM, é uma
mandatários à sua escolha, mediante carta uma acta da assembleia geral. associação de empresas, dotada de autonomia
registada ou simples carta dirigida à sociedade. administrativa, financeira e patrimonial com fins
ARTIGO DÉCIMO QUINTO
não lucrativos.
ARTIGO DÉCIMO
(Ano civil) Dois) A capacidade jurídica da CCM abrange
(Convocatória) todos os direitos e obrigações necessários e
O exercício social coincide com o ano civil.
convenientes à prossecução do seu objecto
A assembleia geral será convocada pelo sócio
ARTIGO DÉCIMO SEXTO social, definido nestes estatutos.
maioritário por meio de carta registada, com aviso
Três) A CCM tem a sua sede em Maputo,
de recepção ou outra via informática, dirigida (Balanço e contas) podendo estabelecer delegações ou qualquer
aos restantes sócios, com antecedência mínima outra forma de representação no país ou no
O balanço e as contas do exercício fecham
de quinze dias para as reuniões extraordinárias. estrangeiro sempre que as circunstâncias o
com a data de trinta e um de Dezembro, e são
submetidos à apreciação da assembleia geral. justifiquem.
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO
Quatro) A sua duração é por tempo
(Local da assembleia geral) ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO indeterminado, regendo-se pelos presentes
estatutos, contando-se o início das suas
A assembleia geral reunir-se-á na sede da (Resultados do exercício)
actividades, a partir de dezasseis de Julho de mil
sociedade, podendo ter lugar noutro local, e até Um) os resultados apurados em cada novecentos e oitenta.
noutra região, quando as circunstâncias o ditarem exercício social terão a seguinte aplicação:
e isso não prejudique os legítimos interesses dos CAPÍTULO II
Os lucros líquidos, depois de deduzida a
sócios. percentagem para formação ou reintegração do Do objecto social
fundo de reserva legal, serão distribuídos pelos
ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO ARTIGO SEGUNDO
sócios a título de dividendos, na proporção das
(Representação) suas quotas e na mesma proporção serão (Objecto social)
suportados os prejuízos, havendo-os.
Um) A administração e representação da A CCM tem os seguintes objectivos e
Dois) Não haverá distribuição de lucros, se
sociedade em juízo ou fora dele, activa e funções:
os houver, ao fim do primeiro ano de actividade.
passivamente, fica a cargo dos sócios, sendo no a) Promover o desenvolvimento
entanto, nomeada administradora Graziela ARTIGO DÉCIMO OITAVO harmonioso das actividades dos seus
Sebastiana Varela de Sousa, com dispensa de membros no país e no estrangeiro;
(Dissolução de sociedade e normas
caução. b) Estabelecer e desenvolver relações de
supletivas)
Dois) A sociedade obriga-se nas seguintes cooperação com organismos e
condições: A dissolução de sociedade será nos casos instituições do comércio
previstos na lei comercial, na parte que rege as internacional, Câmaras de Comércio
a) Pelas assinaturas conjuntas de dois
sociedades por quotas e demais legislação vigente e quaisquer outras entidades
membros da administração, um dos relevantes para o seu objectivo, no
aplicável e aí, a liquidação seguirá os termos
quais deverá ser sócio da sociedade; país e no estrangeiro;
deliberados pelos sócios.
b) Pela assinatura individualizada de um c) Subscrever acordos, convénios e
procurador especialmente nomeado Está conforme
contratos de cooperação com outros
e nos precisos termos e limites Maputo, vinte e oito de Março de dois mil organismos similares, bem como
específicos do seu mandato. e onze. — A Ajudante do Notário, Ilegível. inscrever-se em associações,
348 — (198) III SÉRIE — NÚMERO 15

federações e organismos nacionais instituições e personalidades, nacionais ou ARTIGO NONO


e estrangeiros, em função das estrangeiras genuinamente interessadas na (Deveres dos membros)
necessidades de realização dos fins prossecução e realização do respectivo objecto
associativos e prossecução dos Um) São deveres dos membros:
da CCM.
objectivos comuns dos seus a) Cumprir e fazer cumprir os estatutos,
ARTIGO QUINTO
membros; regulamentos, resoluções da
d) Apoiar técnica e juridicamente no país (Membros correspondentes) Assembleia Geral e as deliberações
ou no estrangeiro os interesses gerais de outros órgãos da CCM;
dos seus membros, bem como, as Podem ser nomeados membros corres-
b) Cooperar activamente na execução das
operações do comércio externo que pondentes da CCM as empresas, organizações,
tarefas da CCM;
estes realizem; instituições e personalidades tanto nacionais
c) Participar nas reuniões da Assembleia
e) Organizar e coordenar delegações como estrangeiras, que se encontrem dispostos Geral;
comerciais de visita ao estrangeiro, a colaborar na CCM no âmbito da sua actividade. d) Fornecer toda a informação requerida
convidar e receber delegações de pela Presidência que seja necessária
outros países em visita à República ARTIGO SEXTO
à prossecução das funções e
de Moçambique; objectivos da CCM quando estas não
(Membros honorários)
f) Apresentar e defender junto dos órgãos colidam com os seus próprios
do Estado e das autoridades Um) Poderão ser membros honorários da deveres legais ou regulamentares;
administrativas competentes os CCM as empresas, as instituições e as e) Pagar a jóia de ingresso e as quotas;
pontos de vista e os interesses gerais personalidades nacionais ou estrangeiras, que f) Aceitar os cargos para que forem eleitos,
dos seus membros; excepto nos casos em que circuns-
tenham prestado serviço de relevante utilidade
g) Participar, sempre que possível, no tâncias devidamente justificadas o
para o cumprimento das funções da CCM, sejam
estudo e discussão de acordos não permitam.
comerciais com outros países, propostos e admitidos como tal.
podendo representar os interesses Dois) A iniciativa de propostas para a Dois) Os membros correspondentes têm os
dos seus membros nas respectivas atribuição do estatuto de membro honorário cabe mesmos deveres dos membros efectivos, salvo
negociações; à Presidência da CCM. no que se refere às alíneas c) e f).
h) sobre a economia nacional; Três) Os membros honorários estão
i) Promover e divulgar no estrangeiro os ARTIGO SÉTIMO dispensados das obrigações previstas nas
produtos de origem nacional; alíneas c), e) e f).
(Candidaturas)
j) Estudar e divulgar pelos seus membros ARTIGO DÉCIMO
as formas de organização e As candidaturas de adesão como membros
funcionamento do comércio de efectivos serão apresentadas pelos interessados (Sanções)
outros países; em carta dirigida à Presidência acompanhada dos Um) As violações aos estatutos e
k) Editar periodicamente um boletim seus estatutos, certidão de registo e relação dos regulamentos da CCM e dos deveres do membro,
informativo e publicitário sobre poderão ser punidas pela Presidência com as
seus dirigentes, a qual comunicará por escrito a
questões da sua competência; seguintes sanções:
sua decisão.
l) Promover, através de adequados
a) Censura registada;
programas de formação, o
ARTIGO OITAVO b) Multa até ao montante de seis meses de
desenvolvimento profissional dos
quotização;
membros e pessoal da CCM; (Direitos dos membros efectivos)
c) Expulsão.
m) Emitir Certificados de Origem,
Um) Os membros efectivos da CCM têm Dois) Incorre na sanção prevista na alínea a)
certificado de Força Maior e outras
declarações a pedido dos direito a: o membro que faltar injustificadamente às
interessados; a) Eleger e ser eleitos em votação para sessões da Assembleia Geral.
n) Proteger no país e no estrangeiro a preenchimento de qualquer dos Três) Incorre na sanção prevista na alínea b)
propriedade industrial das empresas o membro que, tendo sido eleito para os órgãos
cargos sociais;
e organismos nacionais de carácter da CCM, falte sem motivo justificado a três ou
b) Elaborar propostas sobre assuntos de
comercial, agrícola, técnico- mais sessões desse órgão.
competência da CCM;
científico e económico e servir de Quatro) Incorre na sanção prevista na alínea c):
c) Receber da CCM todo o apoio na
agente para o registo e renovação solução de questões compreendidas a) O membro que se encontre envolvido
das marcas e patentes estrangeiras no âmbito da sua competência; na prática de actos, dentro ou fora
na República de Moçambique. da CCM, que ofendam gravemente
d) Usufruir prioritariamente dos serviços
o brio e a honrosa reputação da
da CCM em relação a outros
CAPÍTULO III CCM e que a Presidência considere
utilizadores;
desprestigiantes para os interesses
Da categoria de membros e) Solicitar as informações que julgarem
da CCM;
convenientes sobre as actividades da b) O membro que esteja em dívida para
ARTIGO TERCEIRO
CCM; com a CCM sem motivo justificado;
A CCM é composta por membros efectivos, f) Examinar os livros e registos da CCM c) O membro que, tendo sofrido por três
correspondentes e honorários. dentro dos prazos para isso vezes a sanção de censura registada,
determinados. seja reincidente ou cometa qualquer
ARTIGO QUARTO
Dois) Com a excepção do disposto nas outra falta;
(Membros efectivos) d) O membro que for declarado em estado
alíneas a) e f) os membros correspondentes e os
Podem ser membros efectivos da CCM, as membros honorários gozam dos mesmos direitos de falência ou insolvência por
empresas, associações, organizações, que os membros efectivos. sentença com trânsito em julgado;
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (199)

e) O membro que viole intencionalmente g) Decidir sobre propostas de alterações Dois) Se à hora marcada para o início da
os estatutos e regulamentos da CCM dos estatutos, apresentadas por Assembleia Geral não estiver presente ou
e não cumpra com as obrigações membros da CCM ou pela representado legalmente o número de membros
sociais que eles impõem. Presidência; necessários para constituir o quórum
Cinco) O processo para aplicação das sanções h) Tomar decisões sobre outras questões
estabelecido no número um deste artigo, a
previstas no presente artigo é independente e que lhe sejam submetidas pela
Assembleia Geral dará início aos seus trabalhos
não prejudica a instauração do necessário presidência ou qualquer membro;
i) Atribuir o título de presidente honorário meia hora mais tarde, podendo deliberar
procedimento judicial, civil ou criminal, sempre
ou de membro honorário da CCM, validamente seja qual for o número de membros
que a natureza do acto ou violação praticados
assim o recomende, nomeadamente para a a empresas, instituições e então presentes ou representados.
reparação dos eventuais prejuízos que para a personalidades propostas pela
ARTIGO DÉCIMO NONO
CCM hajam resultado. Presidência da Câmara;
j) Decidir em última instância sobre os (Tomada de deliberação)
ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO recursos de membros sancionados
pela presidência por violações dos Um) As decisões da Assembleia Geral serão
(Audição e recurso) adoptadas por maioria simples de votos de
estatutos e regulamentos da CCM,
Um) As sanções previstas no número um do bem como sobre eventuais recusas membros presentes ou legalmente representados,
artigo anterior não poderão ser aplicadas sem a pedidos de admissão de salvo tratando-se das matérias a que se refere a
prévia audição do membro em causa. candidaturas de membros efectivos. alínea g) do artigo catorze para as quais será
Dois) Da decisão de expulsão caberá recurso exigido o voto favorável de um mínimo de três
para a assembleia geral, a interpor no prazo de ARTIGO DÉCIMO QUINTO quartos de votos dos membros presentes.
quarenta e cinco dias, a contar da data da (Reuniões da Assembleia Geral) Dois) As votações efectuar-se-ão em princípio
respectiva notificação. por escrutínio secreto, salvo quando a própria
Um) A Assembleia Geral reunirá em sessão assembleia decidir adoptar outra forma de
CAPÍTULO IV ordinária no primeiro trimestre de cada ano para votação.
apreciação do relatório anual das actividades da
Dos órgãos da Câmara CCM e aprovação das contas do respectivo SECÇÃO II
ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO exercício, bem como para deliberar sobre Da Presidência
quaisquer outros assuntos constantes da
(Órgãos de Câmara) respectiva convocatória e extraordinariamente ARTIGO VIGÉSIMO
Um) São órgãos da CCM: sempre que seja convocada nos termos do artigo
seguinte. (Composição)
a) Assembleia Geral;
Dois) As reuniões extraordinárias serão Um) A Presidência é composta por um
b) Presidência; convocadas pelo presidente da Mesa da
c) Conselho Consultivo presidente e um vice-presidente.
Assembleia Geral, por sua iniciativa ou a pedido Dois) A Presidência será eleita pela
d) Conselho Fiscal. da Presidência, ou ainda quando o requeira, por Assembleia Geral por um período de três anos,
Dois) Só poderão ser eleitos para os órgãos escrito, o mínimo de um quinto dos membros da podendo ser reeleita para mais dois mandatos.
directivos da CCM os membros em pleno gozo CCM.
dos seus direitos. ARTIGO VIGÉSIMO PRIMEIRO
ARTIGO DÉCIMO SEXTO
SECÇÃO I (Funções da Presidência)
(Convocação das reuniões)
Da Assembleia Geral A Presidência tem as seguintes funções:
As reuniões são convocadas através de
anúncio num jornal de grande circulação no país, a) Cumprir e fazer cumprir a lei, os
ARTIGO DÉCIMO TERCEIRO
publicado com a antecedência mínima de trinta estatutos e as decisões da
(Composição) dias, que poderão ser reduzidos para quinze dias Assembleia Geral;
no caso das reuniões extraordinárias. b) Representar legalmente a CCM, em
A Assembleia Geral é o órgão supremo da
juízo e fora dele;
CCM e é composta pelos seus membros ARTIGO DÉCIMO SÉTIMO c) Subscrever acordos, convénios e
efectivos ou pelos seus representantes legais e contratos;
(Composição da Mesa da Assembleia
pelos membros correspondentes e honorários. d) Presidir às sessões do Conselho
Geral)
Consultivo;
ARTIGO DÉCIMO QUARTO Um) A Mesa da Assembleia Geral será e) Responder pela elaboração das
(Atribuições) composta por um presidente, um vice-presidente actividades, plano de actividades,
e um secretário-geral, eleitos entre os membros bem como o orçamento de receitas e
A Assembleia Geral tem as seguintes efectivos da Câmara de Comércio, por um despesas e submetê-lo à aprovação
atribuições: período de três anos, podendo ser reeleitos.
da Assembleia Geral;
a) Eleger a Presidência da CCM; Dois) A presidência e o Conselho Consultivo
f) Conhecer e decidir sobre os pedidos de
não poderão fazer parte da Mesa da Assembleia
b) Eleger o Conselho Consultivo; admissão de novos membros
Geral.
c) Eleger o Conselho Fiscal; efectivos;
d) Apreciar o relatório anual das ARTIGO DÉCIMO OITAVO g) Exercer a supervisão dos distintos
actividades e aprovar as contas do serviços que integram a CCM;
(Quórum) h) Celebrar e rescindir contrato com o
mesmo período;
e) Deliberar sobre o plano anual de Um) O quórum necessário para que as secretário-geral e atribuir-lhe
actividades e o correspondente reuniões da Assembleia Geral possam funções;
orçamento de receitas e despesas; validamente realizar-se é de metade mais um do i) Estabelecer e dissolver serviços
f) Fixar as quotas dos membros da CCM; total dos membros efectivos da CCM. especiais anexos à CCM;
348 — (200) III SÉRIE — NÚMERO 15

j) Estabelecer as representações ou ARTIGO VIGÉSIMO SÉTIMO especiais, depois de cumpridas todas as


delegações da CCM no país e no obrigações existentes ser-lhe-á dado o destino
(Funções do Conselho Fiscal)
estrangeiro. que mais se achar conveniente.
Um) O Conselho Fiscal é um órgão da CCM
ARTIGO VIGÉSIMO SEGUNDO independente da Presidência e do Conselho CAPÍTULO VI
(Substituição da presidência) Consultivo.
Dois) O Conselho Fiscal tem como função o Da disposição final
Nos casos de ausência ou impedimento do
controlo e inspecção das contas e demais assuntos ARTIGO TRIGÉSIMO TERCEIRO
presidente e do vice-presidente a Presidência da
financeiros, bem como o cumprimento dos
CCM será assumida por um membro do (Regulamento interno)
estatutos.
Conselho Consultivo, que será designado para
o efeito pela Presidência. CAPÍTULO V A Presidência fica encarregada de proceder
às alterações do regulamento interno que se
SECÇÃO III ARTIGO VIGÉSIMO OITAVO tornem necessárias, no prazo de noventa dias
Do Conselho Consultivo (Receitas da Câmara) após a aprovação em Assembleia Geral dos
presentes estatutos.
ARTIGO VIGÉSIMO TERCEIRO As receitas próprias da CCM têm carácter
ordinário ou extraordinário e provêm de:
(Composição) ARTIGO TRIGÉSIMO QUARTO
a) Jóias e quotas dos membros;
O Conselho Consultivo é formado pela b) Juros dos depósitos bancários e do (Entrada em vigor)
Presidência e mais oito membros representando fundo social capitalizado; Os presentes estatutos entram em vigor a
os diversos sectores da vida económica nacional, c) Remuneração pela prestação de serviços
eleitos pela Assembleia Geral por um período partir da sua aprovação pelas entidades
técnicos, cedência de instalações,
de três anos, podendo ser reeleitos. competentes.
equipamento, etc.;
d) Rendimentos ou valores que
ARTIGO VIGÉSIMO QUARTO
provenham da sua actividade ou que
(Funções do Conselho Consultivo) por lei ou contrato lhe sejam
atribuídos;
Ekelek Import & Export,
O Conselho Consultivo tem as seguintes
e) Receitas extraordinárias por donativos,
Limitada
funções:
legados ou quaisquer outros que a Certifico, para efeitos de publicação, por
a) Conhecer e dar parecer sobre a execução CCM venha a receber. escritura lavrada no dia vinte e um de Março de
do plano de trabalho da Presidência dois mil e onze, a folhas sessenta e sete e
na tomada de medidas adequadas ao ARTIGO VIGÉSIMO NONO
seguintes do livro de notas número duzentos e
melhor cumprimento do mesmo;
(Exercício) oito e nove de Conservatória dos Registos e
b) Apresentar e estudar questões da vida
O período do exercício económico-financeiro Notariado de Chimoio a meu cargo, conservador,
sócio-económica nacional em vista
decorre de um de Janeiro a trinta e um de Armando Marcolino Chihale, Licenciado em
ao seu melhoramento;
Dezembro de cada ano. Direito, técnico superior dos registos e notariado
c) Dar parecer sobre a admissão e expulsão
dos membros efectivos; N1, e em pleno exercído de funções notariais,
d) Dar parecer sobre questões a serem ARTIGO TRIGÉSIMO que:
presentes aos órgãos do Estado. Primeiro: Emeka Okorie, natural da Nigéria
(Alteração dos estatutos)
e residente acidentalmente em Chimoio, portador
ARTIGO VIGÉSIMO QUINTO Um) Os presentes estatutos só poderão ser de Passaporte n.º A1352981, emitido pelos
alterados ou substituídos quando a Assembleia serviços de migração daquele país, aos vinte e
(Reuniões do Conselho Consultivo)
Geral, expressamente convocada para o efeito, nove de Setembro de dois mil e cinco, que outorga
Um) O Conselho Consultivo realiza reuniões em seu próprio nome; e
assim o resolver.
ordinárias de dois em dois meses e, Segundo: Eme Udeagha Uche, natural da
Dois) A Assembleia Geral para a alteração
extraordinariamente, quando o presidente da Nigéria e residente acidentalmente em Maputo,
CCM assim o achar necessário. dos estatutos deverá ser convocada com portador do Passaporte n.º A2080627, emitido
Dois) Propor à Assembleia Geral, uma lista antecedência mínima de quarenta e cinco dias pelos serviços de migração daquele pais aos
de membros para a Presidência da Câmara. sobre a data marcada. dezasseis de Novembro de dois mil e cinco, que
outorga em seu próprio nome.
SECÇÃO IV ARTIGO TRIGÉSIMO PRIMEIRO Sendo eles os únicos sócios da sociedade
Do Conselho Fiscal (Extenção) Ekeleke Import & Export, Limitada, constituída
no dia quatro de Março de mil novecentos e
ARTIGO VIGÉSIMO SEXTO A CCM extinguir-se-á quando a Assembleia noventa e nove, por escritura lavrada a folhas
(Composição) Geral, expressamente convocada para esse efeito, oitenta e quatro e seguintes, do livro de notas
assim o deliberar. As deliberações sobre a para escrituras diversas número duzentos e doze
Um) O Conselho Fiscal é composto por três
extenção da CCM requerem voto favorável de traço B do Segundo Cartório Notarial da Cidade
membros efectivos da CCM, eleitos pela
três quartos de todos os membros da CCM. de Maputo.
Assembleia Geral por um período de três anos.
Pela respectiva escritura de transmissão da
Dois) Os membros dos Conselho Fiscal
ARTIGO TRIGÉSIMO SEGUNDO quota o primeiro outorgante Emeka Okorie cede
escolherão entre si o Presidente, o qual convocará
e presidirá às suas sessões. para ao segundo outorgante Eme Udeagha Uche,
(Destino do património)
Três) A qualidade de membro do Conselho como segue:
Fiscal é incompatível com o exercício na CCM O património existente no momento da Que pelo valor monetário que já recebeu, o
de qualquer outro cargo ou função. extinção que não esteja subordinado a finalidades sócio Emeka Okorie, cede a totalidade da sua
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (201)

quota, de valor nominal de cinco mil meticais, Passaporte n.º 3261503, emitido em onze de ARTIGO PRIMEIRO
correspondente a dezesseis virgula sete por cento Fevereiro de dois mil e dois, pelos Serviços de
Denominação e sede
do capital social, ao segundo outorgante, Identificação Civil de Kazaquistãnica.
deixando aquele de fazer parte da sociedade e Verifiquei a identidade dos outorgantes por Um) A sociedade adopta a denominação
assumindo este a qualidade de sócio único. exibição dos seus documentos acima Micmoc, Limitada, é uma sociedade por quotas
Que esta cessão é feita com todos os direitos mencionados respectivamente. de responsabilidade limitada, e tem a sua sede
e obrigações inerentes á quota cedida, tal como E disseram: Que constituem uma sociedade na cidade de Mocuba.
faz fé a acta de assembleia geral da sociedade em por quotas de responsabilidade limitada, Dois) A sociedade sempre que julgar
anexo. denominada MICMOC, Limitada, com sede na conveniente poderá criar delegações, agências,
E pelo segundo outorgante foi dito: cidade de Mocuba, subscritos em partes filiais ou qualquer outra forma de representação
desiguais e está totalmente realizado em dinheiro. social no país ou no estrangeiro.
Que aceite a cessão nos exactos termos acima
A sociedade tem como objectivo:
descritos e que lhe diz respeito, passando a ser
a) Prospecção e pesquisa mineira, ARTIGO SEGUNDO
sócio único e titular daquela quota de valor
nominal de cinco mil meticais, correspondente a extracção de minerais e pedras Duração
dezasseis vírgula sete por cento do capital social. preciosas e sua comercialização,
testes e análises das minerais; A duração da sociedade é por tempo
Por ambos os outorgantes foi dito: indeterminado, contando-se o seu começo a partir
Que por consequência dessa operação, b) Importação e expotação; (de diversos
da data da assinatura da presente escritura em
acrescentam na denominação social a expressão materiais, aprovisionamento,
cartório notarial.
sociedade unipessoal e alteram o artigo quinto distribuição e comercialização de
do pacto social que rege esta sociedade, o qual bens e serviços); ARTIGO TERCEIRO
passará a ter a seguinte nova redacção. c) Comércio geral a grosso e a retalho,
com importação e exportação dos Objecto
ARTIGO QUINTO produtos alimentar e não alimentares, A sociedade tem por objecto o exercício das
construção civil, indústria,
(Capital social) seguintes actividades:
manuntenção geral de móveis e
O capital social subscrito e imóveis, prestação de serviços nas a) Prospecção e pesquisa Mineira,
integralmente realizado em dinheiro, é de áreas de beleza, publicidade, extracção de minerais e pedras
trinta mil meticais, relativo a uma quota indústria gráfica, informática; preciosas e sua comercialização,
única de valor nominal de trinta mil d) Qualquer outra actividade requerida por testes e análises das minerais;
meticais, equivalentes a cem por cento do determinação da assembleia geral é b) Importação e exportação; (de diversas
capital pertencente ao sócio único Eme competentemente autorizada. matérias, aprovisionamento, distri-
Udeagha Uche. buição e comercialização de bens e
Que a sociedade se regerá pelos demais
Ambos outorgantes ainda disseram que, em serviços);
termos e condições dos documentos
tudo os mais não alterados pela presente escritura c) Comércio geral a grosso e a retalho,
complementares elaborados nos termos do
continuam em vigor as disposições do pacto com importação e exportação dos
número dois do artigo setenta e oito do Código
social anterior. Notariado, que fica a fazer parte integrante desta produtos alimentares e não
Está conforme. escritura e que os outorgantes declararam ter lido, alimentares, construção civil,
tendo perfeito conhecimento do seu conteúdo, indústria, manutenção geral de
Conservatória dos Registos e Notariado,
pelo que é dispensado leitura. móveis e imóveis, prestação de
Chimoio, trinta e um de Março de dois mil
serviços nas áreas de instituto de
e onze. — O Conservador, Ilegível. Assim o disseram e outorgaram.
beleza, publicidade, indústria gráfica,
Instruem o presente acto os seguintes informática;
documentos: d) Qualquer outra actividade requerida por
a) Certidão Negativa, passada pela determinação da assembleia geral e
MICMOC, Limitada Conservatória dos Registos de competentemente autorizada.
Mocuba de vinte e seis de Maio do
No dia onze de Junho do ano dois mil e dez,
ano dois mil e dez; ARTIGO QUARTO
na cidade de Mocuba, e no Cartório Notarial da
b) Alvará de autorização para o exercício
Cidade de Mocuba, que funciona junto a Capital social
comercial, passada pela Direcção
Conservatória dos Registos e Notariado, sita na
Provincial dos Serviços de Recursos O capital social, integralmente subscrito e
Rua Paulo Samuel Kankhomba, esquerdo,
Minerais da Zambézia; realizado em dinheiro, é de quarenta mil meticais,
perante mim Teófilo Duarte Sagras, notário do
c) Documento de autorização para correspondente à soma de duas quotas iguais,
mesmo cartório, compareceram como
residências para estrangeiro, e sendo trinta mil para o sócio Ivanov Alexey e
outorgantes:
passaporte respectivamente; dez mil para o sócio Ivanov Maxim.
Primeiro: Ivanov Alexey, solteiro maior,
d) Em voz alta e na presença simultânea
natural de Kazakistão, de nacionalidade
de todos os outorgantes lí a presente ARTIGO QUINTO
Kazaquistânica, e residente na cidade de Mocuba,
Bairro Vinte e Cinco de Setembro, pessoa cuja escritura pública e espliquei o seu
Aumento do capital
identidade certifico por exibição do seu DIRE conteúdo e efeitos legais com
n.º 009242, emitido em vinte e cinco de Fevereiro advertência especial da obrigato- Um) O capital social poderá ser aumentado
de dois mil e cinco, pelos serviços de migração riedade de ser requerido o registo ou diminuído quantas vezes for necessário
da Zambézia em Quelimane; deste acto na conservatória desde que a assembleia geral delibere sobre o
Segundo: Ivanov Maxim, solteiro, de competente no prazo de noventa dias assunto.
nacionalidade Kazaquistânica, natural de a contar a partir de hoje, após que Dois) A assembleia geral poderá determinar
Kazakstão e residente nesta cidade de Mocuba, vão assinar seguidamente comigo aumento de capital, para sua realização em
Bairro Vinte e Cinco de Setembro, portador do notário. dinheiro ou em espécie de igual modo, podem
348 — (202) III SÉRIE — NÚMERO 15

os sócios alterar a estrutura das quotas, tanto ARTIGO DÉCIMO PRIMEIRO dendo importação, exportação,
por cedência entre si como por entrada de novos comissões, consignações e agencia-
Dissolução mento;
subscritores, sempre por consenso.
b) Qualquer ramo de indústria e comércio;
A sociedade dissolve-se por determinação
ARTIGO SEXTO c) Representação de marcas e patentes.
legal ou por deliberação consensual da
Cessão de quotas assembleia geral. ARTIGO QUARTO
Um) A cessão de quotas a estranhos só pode ARTIGO DÉCIMO SEGUNDO (Capital)
ocorrer consentindo os sócios não cedentes, os
quais gozam de preferência na cessão. Casos omissos O capital da sociedade, integralmente
Dois) Havendo entrada de novos sócios, os subscrito e realizado em dinheiro é de vinte mil
Em tudo quanto não se achar regulado nos
seus efeitos contam a partir da confirmação da meticais, correspondente a uma única quota,
presentes estatutos, observar-se-á o disposto na equivalente a cem por cento do capital social,
realização do capital que lhe couber. lei geral aplicável. subscrito pelo sócio Ebrahim Osman Bhamjee.
ARTIGO SÉTIMO Está conforme.
ARTIGO QUINTO
Órgãos Cartório Notarial da Cidade de Mocuba, onze
de Junho de dois mil e dez. — O Notário, (Administração)
A sociedade tem os seguintes órgãos sociais: Ilegível. A administração da sociedade e a sua
a) A assembleia geral dos sócios;
representação em juízo e fora dele, activa e
b) A administração e gerência.
passivamente compete individualmente a sócio
ARTIGO OITAVO Ebrahim Osman Bhamjee que pode inclusive
Trend Tap & Tile Moçambique, por mandato delegar poderes que achar
Assembleia geral
Sociedade Unipessoal, Limitada convenientes.
Um) A assembleia geral e a reunião de todos
ARTIGO SEXTO
os sócios. Reúne-se ordinariamente uma vez em Certifico, para efeitos de publicação, que no
cada ano, para aprovação do balanço e contas do (Dissolução)
dia vinte de Abril de dois mil e onze, foi
exercício e deliberar sobre quaisquer outros matriculada na Conservatória do Registo de A sociedade poderá ser dissolvida nos termos
assuntos para que tenha sido convocada e, Entidades Legais sob NUEL 100214733 uma do artigo oitenta e três do Código Comercial.
extraordinariamente sempre que se mostra
sociedade denominada Trend Tap & Tile Maputo, vinte de Abril de dois mil e onze. —
necessário.
Moçambique, Su, Limitada. O Técnico, Ilegível.
Dois) A assembleia geral será convocada pela
gerência com antecedência mínima de quinze Ebrahim Osman Bhamjee, solteiro, maior, de
dias, por carta registada com aviso de recepção. nacionalidade sul-africana, portador do
Passaporte n.º 472860966 emitido na Balvista, Limitada
ARTIGO NONO República da África do Sul aos treze de Certifico, para efeitos de publicação, que por
Administração e gerência Dezembro de dois mil e sete, residente na escritura de um de Abril de dois mil e onze,
cidade de Nelspruit, República da África do exarada de folhas quarenta e sete verso a quarenta
Um) A gerência fica acometida ao sócio
Sul. e nove do livro de notas para escrituras diversas
Alexey Ivanov, que, nessa qualidade, terá um
Constitui sociedade unipessoal por quotas de número trinta e três da Conservatória dos
vencimento estabelecido pela assembleia gera.
responsabilidade limitada, que se regerá pelas Registos de Vilankulo, a cargo de Orlando
Dois) A administração e gerência da
sociedade bem como a sua representação em juízo cláusulas seguintes: Fernando Messias, conservador em pleno
ou fora dele, active e passivamente, ficam a cargo exercício de funções notariais, procedeu-se na
ARTIGO PRIMEIRO sociedade em epígrafe a alteração parcial do pacto
de ambos.
Três) A sociedade fica obrigada em todos os (Denominação social e sede) social por cessão de quotas, onde o sócio Dieter
seus actos e contratos pela assinatura de qualquer Hans Witthooft, cede parte do seu capital de doze
A sociedade adopta a denominação social de vírgula cinco por cento ao sócio Raymond
um dos sócios.
Quatro) Os gerentes poderão delegar todo Trend Tap & Tile Moçambique, Su, Limitada, e Johannes Erasmus, passando a ter vinte e cinco
ou parte dos seus poderes de gerências a pessoas tem a sua sede na cidade de Maputo. por cento do capital social, mesmo valor que o
estranhas a sociedade, desde que outorguem a sócio Wernes Paul Seele possui na sociedade,
ARTIGO SEGUNDO
respectiva procuração a esse respeito com todos passando a sociedade a ter nova distribuição
os possíveis limites de competências. (Duração) social.

ARTIGO DÉCIMO A sua duração é por tempo indeterminado e o Esta cessão é feita a título oneroso com todos
seu começo contar-se-á a partir da data do os direitos e obrigações e que em consequência
Balanço e contas
presente contrato. desta operação os mesmo decidir alterar a redação
Um) O exercício social coincide com o ano do artigo quinto que passa a ter seguinte redação:
ARTIGO TERCEIRO
civil.
(Objecto) ARTIGO QUINTO
Dois) O balanço e contas de resultados serão
fechados em trinta e um de Dezembro do ano a A sociedade tem por objecto: Capital social
que respeitam, sendo apresentadas à assembleia a) O exercício de comércio geral e de O capital social, integralmente subscrito e
geral até um de Março do ano seguinte. prestação de serviços, compreen- realizado em dinheiro, é de vinte mil meticais,
18 DE ABRIL DE 2011 348 — (203)

correspondente à soma de três quotas desiguais cinquenta e uma do livro de notas para escrituras em dar continuidadde com os objectivos da
sendo cinquenta por cento do capital social diversas número trinta e três da Conservatória sociedade e que em conseqência desta operação
equivalente a dez mil meticais, para o sócio Dieter dos Registos de Vilankulo, a cargo de Orlando os mesmos decidiram alterer a redação do artigo
Hans Witthoft e vinte e cinco por cento do capital Fernando Messias, conservador em pleno quinto que passa a ter nova e seguinte:
social equivalente a cinco mil meticais, para cada exercício de funções notariais, procedeu-se na ARTIGO QUINTO
um dos sócios Raymond Johannes Erasmus e sociedade em epígrafe a alteração parcial do pacto
social por cessão de quota e saída de sócio de Capital social
Wernes Paul Seele.
Que em tudo o mais não alterado contenurá quota, onde o sócio Hendry Vivian Van Tonder O capital social, integralmente subscrito e
a vigorar o pacto social antreior. cede na totalidade a sua quota ao senhor Robert realizado em dinheiro é de vinte mil meticais,
Wayne Milne e aoparta-se dela e nada tem a ver, correspondente à soma de duas quotas desiguais
Está conforme.
cessão que inclui todos os direito e obrigações, sendo cinquenta e um por cento do capital social,
Conservatória dos Registos de Vilankulo, um
bna mesma sociedade o sócio Johannes Hendrik equivalente a dez mil e duzentos meticais para o
de Abril de dois mil e onze. — O Conservador,
Weber cede um por cento do seu capital social sócio Robert Wayne Milne e quarenta e nove
Ilegível.
ao mesmo sócio que recebeu do primeiro e que por cento do capital social equivalente a nove
este passa a ter cinquenta e um por cento do mil e oitocentos meticais, para o sócio Johannes
capital social equivalente a dez mil e duzentos Hendrik Webwr.
meticais, ficando o sócio Johannes Hendrik Que em tudo o mais não alterado contenua a
Inhassoro Talho Delicatessen, Webwr com quarenta e nove por cento do capital vigorar o pacto social antreior.
Limitada social, equivalente a nove mil e oitocentos Está conforme.
Certifico, para efeitos de publicação, que por meticais.
Conservatória dos Registos de Vilankulo, um
escritura de um de Abril de dois mil e onze, Os cessionários em unanimidade declararam de Abril de dois mil e onze. — O Conservador,
exarada de folhas quarenta e nove verso a que aceitavam esta cessão e se comprometem Ilegível.
348 — (204) III SÉRIE — NÚMERO 15

Preço — 63,45 MT

IMPRENSA NACIONAL DE MOÇAMBIQUE, E.P.