Você está na página 1de 8

DAS TRANSFERÊNCIAS

VOLUNTÁRIAS

Professor
Flavio Assis
Art. 25. Para efeito desta Lei Complementar, entende-se por transferência
voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da
Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, que não
decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema
Único de Saúde.
§ 1o São exigências para a realização de transferência voluntária, além
das estabelecidas na lei de diretrizes orçamentárias:
I - existência de dotação específica;
II - (VETADO)
III - observância do disposto no inciso X do art. 167 da Constituição;
IV - comprovação, por parte do beneficiário, de:
a) que se acha em dia quanto ao pagamento de tributos, empréstimos e
financiamentos devidos ao ente transferidor, bem como quanto à prestação
de contas de recursos anteriormente dele recebidos;
b) cumprimento dos limites constitucionais relativos à educação e à
saúde;
c) observância dos limites das dívidas consolidada e mobiliária, de
operações de crédito, inclusive por antecipação de receita, de inscrição em
Restos a Pagar e de despesa total com pessoal;
d) previsão orçamentária de contrapartida.
§ 2o É vedada a utilização de recursos transferidos em finalidade diversa
da pactuada.
§ 3o Para fins da aplicação das sanções de suspensão de transferências
voluntárias constantes desta Lei Complementar, excetuam-se aquelas
relativas a ações de educação, saúde e assistência social.
60) (CESPE – Técnico – FNDE – 2012) A transferência, entre entes da
Federação, de recursos destinados ao Sistema Único de Saúde (SUS) é
exemplo de transferência voluntaria.

61) (CESPE - Auditor de Controle Externo – TCDF – 2012) Com base no que
dispõe a LRF, julgue o item seguinte, relativo a transferências voluntárias. Não
se aplicam sanções de suspensão de transferências voluntárias em ações de
educação, saúde e assistência social.
62) (CESPE - Auditor de Controle Externo – TCDF – 2012) Com base no que
dispõe a LRF, julgue o item seguinte, relativo a transferências voluntárias.
Para que seja realizada a transferência voluntária, o beneficiário deve
comprovar previsão orçamentária de contrapartida

63) (CESPE - Analista de Economia - MPU - 2010) É permitida a utilização de


recursos transferidos em finalidade diversa da pactuada desde que tal
medida seja tomada pelo chefe do Poder Executivo local no estrito
cumprimento do dever legal.
64) (CESPE - Analista de Economia - MPU - 2010) Transferência voluntária
consiste na entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da
Federação, a título de cooperação, auxílio ou assistência financeira, que não
decorra de determinação constitucional, legal ou os destinados ao Sistema
Único de Saúde (SUS).

65) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRE/MT – 2010) o ente da


Federação que não instituir e arrecadar todos os impostos da sua
competência estará proibido de receber transferências voluntárias de
qualquer espécie.

(CESPE – Consultor do Executivo – SEFAZ/ES – 2010) Com relação ao disposto


na LRF acerca das transferências voluntárias, julgue os itens seguintes.
66) Desde que devidamente justificada, é permitida a utilização de recursos
recebidos a título de transferências voluntárias em finalidade diversa da
pactuada.

67) Para fins de aplicação das sanções de suspensão de transferências


voluntárias constantes na LRF, excetuam-se aquelas relativas a ações de
educação, saúde e assistência social.
68) (CESPE – Analista Judiciário – Administrativa – TRE/MA) Uma das
exigências para a realização da transferência voluntária é o cumprimento dos
limites constitucionais relativos à previdência social.

69) (CESPE – Analista – Administração - FINEP ) Entende-se por transferência


voluntária a entrega de recursos correntes ou de capital a outro ente da
Federação, a título de repasse determinado na CF ou em lei.