Você está na página 1de 52

E N T R E O S Í N D I O S /// C U R A D E T I A G O W H I T E /// C A R T A S P E R S O N A L I Z A D A S /// O P A S T O R D A A M É R I C A

ABRIL 2018
Exemplar avulso: R$ 2,84 | Assinatura: R$ 34,00

O EFEITO DA RESSURREIÇÃO
SINTONIA COM DEUS
EM MEIO A TANTOS RUÍDOS, ENCONTRE A FREQUÊNCIA CERTA
A VITÓRIA DE CRISTO SOBRE A MORTE ABRIU
AS PORTAS PARA A TRANSFORMAÇÃO DA HUMANIDADE
EDITORIAL

O SEPULCRO VAZIO
SAIBA POR QUE A RESSURREIÇÃO DE JESUS A ressurreição de Jesus não foi
É FUNDAMENTAL PARA SEU FUTURO apenas um fenômeno particular que
ocorreu numa encruzilhada do pla-
MARCOS DE BENEDICTO neta, numa curva do tempo, e ficou
por isso mesmo. Amostra e garantia da
ressurreição que vem pela frente, ela
Quando lemos um livro ou assistimos a um filme, torcemos para que o é um evento com reflexo no futuro da
herói seja o vencedor e a história tenha um final feliz. Os bons roteiros humanidade. A ressurreição é a vali-
sempre apostam nessa fórmula porque ela corresponde à lógica do ins- dação da identidade de Jesus, a com-
tinto, ao padrão de valores e ao senso de justiça da maioria. Seria um provação do poder de Cristo sobre a
anticlímax o herói morrer sem um propósito maior e sem esperança morte, o elemento diferenciador do
de retorno. O roteiro da vida perfeita de Jesus também não poderia ter- Fundador do cristianismo, a evidên-
minar no sepulcro, nem o sonho que Ele anunciou ficar preso numa cia de que nossa fé não é vazia, o fim
tumba. Porém, a ressurreição do Salvador foi incluída na história não do salário do pecado, a vitória do bem
apenas para atender aos cânones da ficção, pois as razões teológicas e sobre o mal, a reversão do axioma
os significados existenciais desse evento central da mensagem cristã que torna todos em pó, a promessa de
transcendem a imaginação do melhor roteirista. transformação num piscar de olhos, a
Por ser tão fundamental, a historicidade da ressurreição é frequente- certeza de glória após a humilhação,
mente atacada pelos céticos. Mas não há como contestar os documentos o motivo para voltar a sorrir depois
do Novo Testamento. O testemunho de todos é unânime: Jesus mor- de uma perda, um convite para olhar
reu e voltou a viver, como disse que aconteceria (Mc 8:31; 9:31; 10:34; além das lágrimas.
Jo 2:19). Se os primeiros cristãos não acreditassem na ressurreição, eles Embora a morte seja o “último ini-
não teriam sido transformados e não mudariam o mundo, como indica migo a ser destruído” (1Co 15:26), ela
a matéria de capa desta edição. Para eles, a ressurreição é um fato, não já foi vencida. Por isso, Paulo men-
um mito nem uma ilusão. Por isso, Paulo disse que, se tirarmos a res- ciona a “graça que nos foi dada em
surreição e a garantia de vida eterna do cristianismo, nossa fé se tor- Cristo Jesus, antes dos tempos eter-
nará inútil (1Co 15:13-17). Quem não crê na ressurreição não pode crer nos, e manifestada, agora, pelo apa-
em Jesus. Felizmente, a igreja cristã conhece bem sua história e o fun- recimento de nosso Salvador Cristo
damento de sua fé. Jesus, o qual não só destruiu a morte,
como trouxe à luz a vida e a imor-
talidade, mediante o evangelho”
(2Tm 1:9b-10). No pensamento do após-
tolo, permeado pelo conceito de duas
SE VOCÊ ESTÁ eras (já e ainda não, ou era presente e
era futura), nós já pertencemos ao reino
EM CRISTO, JÁ da vida e da imortalidade.
PERTENCE AO Jesus entrou no vale escuro da
morte, mas saiu vitorioso, deixou
REINO DA VIDA E para trás o túmulo vazio e tem trans-
formado a existência de milhões de
DA IMORTALIDADE pessoas com a promessa da ressur-
reição. Ele pode ressuscitar você tam-
bém – no sentido literal e metafórico.
Se você está morto em suas emoções,
sonhos e propósitos, saiba que o Jesus
que derrotou o reino da morte pode
devolver-lhe a vida! ]
Foto: Fotolia

MARCOS DE BENEDICTO é editor da Revista


Adventista

2 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
Abr.

2018
No 1332 Abril, 2018 Ano 113
SUMÁRIO
www.revistaadventista.com.br

Pu­bli­ca­ção Men­sal – ISSN 1981-1462

18
Órgão Ge­ral da Igre­ja Ad­ven­tis­ta do Sé­ti­mo Dia no Bra­sil

“Aqui está a pa­ciên­cia dos san­tos: Aqui es­tão os que


guar­dam os man­da­men­tos de Deus e a fé de Je­sus.”
Apocalipse 14:12
12 20
E­di­tor: Marcos De Benedicto
E­di­to­res As­so­cia­dos: Márcio Tonetti e Wendel Lima Metamorfose Cura em Remetente:
Conselho Consultivo: Ted Wilson, Erton Köhler,
Edward Heidinger Zevallos, Marlon Lopes, Alijofran Brandão, espiritual meio à neve Ellen G. White
Domingos José de Souza, Geovani Souto Queiroz, Gilmar Zahn,
Leonino Santiago, Marlinton Lopes, Maurício Lima e Moisés Tiago White se
Moacir da Silva O impacto da ressurreição Apesar de pessoais e
Projeto Gráfico: Eduardo Olszewski de Cristo na humanidade recuperou de um centenárias, as cartas
Foto da capa: Fotolia derrame caminhando da pioneira continuam
e pregando sendo atuais

Adventist World é uma publicação internacional produzida pela

24 48
sede mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia e impressa
mensalmente na África do Sul, Alemanha, Argentina, Austrália,
Áustria, Brasil, Coreia do Sul, Estados Unidos e México

Editor: Bill Knott


v. 14, no 4 22
Editores associados: Lael Caesar, Gerald Klingbeil, Greg Scott
Editores-assistentes: Sandra Blackmer, Stephen Chavez, Costin
Jordache, Wilona Karimabadi (Silver Spirng, EUA); Pyung Duk
Luz na escuridão Três sinais O evangelista
Chun, Jae Man Park, Hyo-Jun Kim (Seul, Coreia do Sul)
Tradutora: Sonete Costa
A muçulmana que sonhou gráficos das multidões
Arte e Design: Types & Symbols que precisava ir a uma igreja
Lições sobre o ponto final, de Ninguém falou para
Gerente Financeiro: Kimberly Brown segurando uma vela
exclamação e interrogação tantas pessoas sobre
Gerente Internacional de Publicação: Pyung Duk Chun
Gerente de Operações: Merle Poirier
Cristo como Billy Graham
Conselheiros: Mark A. Finley, John M. Fowler, E. Edward Zinke
Comissão Administrativa: Si Young Kim, Bill Knott, Pyung Duk
Chun, Karnik Doukmetzian, Suk Hee Han, Yutaka Inada, German
Lust, Ray Wahlen, Juan Prestol-Puesán, G. T. Ng, Ted N. C. Wilson

CA­SA PU­BLI­C A­DO­R A BRA­SI­LEI­R A


Edi­to­ra da Igreja Adventista do Sétimo Dia
2 EDITORIAL 30 NOVA GERAÇÃO 40 MISSÃO
O sepulcro vazio O poder da entrega Além do pão e da água
Ro­do­via Es­ta­dual SP 127 – km 106
Cai­xa Pos­tal 34; CEP 18270-970 – Ta­tuí, SP
Fone (15) 3205-8800 – Fax (15) 3205-8900 4 CANAL ABERTO 31 PRIMEIROS PASSOS 41 EVANGELISMO
A opinião de quem lê José descobre a verdade A Bíblia para todas as tribos
SERVIÇO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE
LIGUE GRÁTIS: 0800 9790606
Segunda a quinta, das 8h às 20h 5 BÚSSOLA 33 PERSPECTIVA 43 SAÚDE
Sexta, das 8h às 15h45 / Domingo, das 8h30 às 14h Legado
Criativos como o Criador Do outro lado da tela
Diretor-Ge­ral: José Carlos de Lima
6 ENTREVISTA
Diretor Financeiro: Uilson Garcia
Ministério nativo 35 BEM-ESTAR 45 MEMÓRIA
Re­da­tor-Che­fe: Marcos De Benedicto
Mais detalhes Dormiram no Senhor
Ge­ren­te de Produção: Reisner Martins
8 PAINEL
Ge­ren­te de Ven­das: João Vicente Pereyra
Chefe de Arte: Marcelo de Souza
Datas, números, fatos, 36 BOA PERGUNTA 46 EM FAMÍLIA
gente, internacional Submissão ao Pai O desafio da convivência
Não se devolvem originais, mesmo não publicados.
26 MINHA HISTÓRIA 37 RETRATOS 47 INSTITUCIONAL
As versões bíblicas usadas são a Nova Almeida Atualizada O caminhão de bombeiros O chamado ao sacerdócio
e a Nova Versão Internacional, salvo outra indicação. Reinauguração de igreja no Egito

E­xem­plar avul­so: R$ 2,84 | Assinatura: R$ 34,00 28 VISÃO GLOBAL 39 LIBERDADE RELIGIOSA 50 ESTANTE
Nú­me­ros atra­sa­dos: Pre­ço da úl­ti­ma edi­ção. Unidade e autoridade da igreja Decisão histórica Deus no comando

Todos os direitos reservados. Proibida a


reprodução total ou parcial, por qualquer
meio, sem prévia autorização escrita do
autor e da Editora.

Tiragem: 157.000 5840/37748


3
CANAL ABERTO

VOZ SINGULAR março. Do primeiro, destaco a habili-


Da edição de março da Revista dade da equipe do Hope Channel da
Adventista, destaco o perfil a Nova Zelândia em usar a arte para
respeito de Del Delker. Tive o evangelizar. Por sua vez, da coluna da
privilégio de graduar-me com doutora Talita Castelão, chamou-me a
a Del em 1958 no antigo La atenção o fato de que o cérebro de quem
Sierra C
­ ollege (EUA). Quando escuta os lamentos também é afetado
me aposentei em 2003, durante em suas conexões. Creio que, mais
uma confraternização na sede do que nunca, é preciso ter o espírito de
mundial da igreja, fui agra- Paulo para contextualizar (1Co 9:19-23)
ciado com a biografia de Del a mensagem e a esperança que ele
Delker contendo uma dedicató- nutria (2Co 4:17) para lidar com o
ria da cantora. Isto era parte de desânimo.
seu ministério: usar sua habilidade na língua inglesa para encorajar as pessoas Paulo Roberto dos Santos / Hortolândia (SP)
com pequenos bilhetes. Em 2005, depois de ter visitado o Brasil e sofrido uma
queda, ela nos escreveu: “Estou ansiosa de passar a eternidade com vocês.” Por
meio da voz, ela também comunicou esperança. Cantando em vários idiomas, MUDANÇA NA REVISTA
Del Delker marcou gerações. Prova disso é um dos meus netos, de 11 anos, que Acredito que a integração da Revista
sempre pede para escutar o CD dela no carro. Espero passar a eternidade com Adventista com a Adventist World não
essa inspiradora mensageira da música sacra. é benéfica para os leitores em geral. Por
Léo Ranzolin / Estero, Flórida (EUA)
exemplo, em março, apenas 40% dos
conteúdos da revista foram de notícias
e artigos de colaboradores do Brasil.
Precisa haver uma proporção mais ade-
quada. Creio que nossos colaboradores
POR TODA A VIDA sua autenticidade confirmada pela nacionais devem ter primazia. Esses
Parabenizo a visão missionária da crítica textual. Apesar de não contra- materiais podem falar mais ao cora-
Revista Adventista. Nas últimas edi- riar o ensino bíblico sobre a Trindade, ção dos leitores brasileiros. Por isso,
ções foi dedicado espaço para proje- esse trecho deve ter sido acrescentado sugiro que haja uma discussão mais
tos e ações de missão e voluntariado, posteriormente (Comentário Bíblico ampla sobre essa questão.
tanto de longo quanto de curto prazo. Adventista do Sétimo Dia, v. 7, p.
Destaco a reportagem “Por toda a vida”, 746). À semelhança de outros trechos Tércio Sarli / Campinas (SP)
em março. É a igreja em movimento, bíblicos que podem não ter feito parte
vivendo a essência dos ensinos dei- dos originais, esse também aparece Concordo plenamente com o desconten-
xados por Jesus. Ellen White escreveu entre colchetes em várias versões da tamento de Ezekiel Figueira a respeito
que essas mobilizações em favor do Bíblia. Sem minimizar o valor desse da integração das duas revistas, publi-
próximo fortalecem a igreja, e que “o artigo, entendo que devemos cuidar cado em fevereiro. Foi “cruel” perder
verdadeiro cristão trabalha para Deus, para não tentar defender a verdade colunistas como Silmar Cristo e Wil-
não por impulso, mas por princípio; com argumentos frágeis. son Paroschi. Discordo daqueles que
não um dia ou um mês, mas toda a acham que, com o tempo, a maioria dos
Dario Gonçalves / São José dos Pinhais (PR)
vida” (Obreiros Evangélicos, p. 84). leitores vai se acostumar com a nova
proposta. Creio que teremos decepções,
Elbert Kuhn / Brasília (DF) Mantivemos a referência ao texto de 1 assim como já ocorria com o atraso na
João 5:7 porque o autor a utilizou em entrega da Adventist World nas igrejas.
inglês e algumas versões bíblicas consi- Além disso, os exemplares vinham em
UM DEUS EM TRÊS PESSOAS deram esse verso como válido, apesar de número insuficiente. Será que agora
Felicito a revista pelo artigo “Um muito provavelmente não ter pertencido esses problemas irão persistir?
Deus em três Pessoas”, publicado em ao texto original. Porém, sua observação
março. Destaco que, apesar de ser um procede. Felizmente, a argumentação Elita Marlem Costa / Goiânia (GO)
artigo curto, a linguagem é clara, sim- do autor do artigo não teve como base
ples, e o conteúdo é teologicamente esse verso duvidoso, e sim inúmeras
profundo. As citações bíblicas e dos referências bíblicas confiáveis. Expresse sua opinião. Escreva para ra@cpb.com.br.
escritos de Ellen G. White apresenta- ou envie sua carta para Revista Adventista,

das no material confirmam, de fato, caixa postal 34, CEP 18270-970, Tatuí, SP.
Os comentários publicados não representam
a doutrina bíblica da Trindade. Faço GOLPE DE MESTRE necessariamente o pensamento da revista
apenas uma ressalva. Um dos textos Achei fantásticos os artigos “Golpe de e podem ser editados por questão de
usados pelo autor (1Jo 5:7) não tem mestre” e “Pensamento negativo”, em clareza ou espaço.

4 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
BÚSSOLA
Infelizmente, dedicou a vida e o
conhecimento científico que pos-
suía para defender que o Universo
não teve início por ato de criação,
além de ridicularizar a existência de
Deus. Ele dizia: “Antes de entender-
mos a ciência, o lógico era acredi-
tar que Deus criou o Universo. Mas
agora a ciência oferece uma expli-
cação mais convincente. [...] Não há
nenhum Deus. Sou ateu. A religião
crê em milagres, mas eles não são
compatíveis com a ciência.”
Apesar de todos os seus con-
flitos com Deus, ele reconhecia:
“Estamos ficando sem espaço e

LEGADO
os únicos lugares a ser encontra-
dos são outros mundos. É hora de
explorar outros sistemas solares.
Espalhar-se pode ser a única coisa
DOIS HOMENS CÉLEBRES, DOIS CAMINHOS OPOSTOS que vai nos salvar de nós mesmos.
Estou convencido de que os huma-
ERTON KÖHLER nos precisam sair da Terra.”
Hawking, sem querer, acabou
incentivando a confiança nas pro-
oucas semanas atrás, o mundo AS SEMENTES QUE VOCÊ messas divinas. Afinal, foi o Senhor

P PLANTAR NESTA VIDA


perdeu dois homens que deixa- quem profetizou o estado de cala-
ram um legado para o século 21. midade do planeta, antes do fim,
Ambos tinham capacidades
especiais e as usaram em cami-
DEFINIRÃO SEU DESTINO e apontou o caminho único para
deixá-lo. Esta não é a grande des-
nhos totalmente diferentes. Um NA ETERNIDADE coberta de Hawking, mas a grande
decidiu levar as pessoas ao Senhor e outro esperança dos cristãos. A promessa
escolheu afastá-las Dele. foi anterior a ele: “seremos arrebata-
Depois de uma longa luta contra o câncer, com uma breve reflexão sobre dos [...] entre nuvens, para o encon-
o grande evangelista Billy Graham descansou João 3:16 e um apelo. Mas todos tro do Senhor nos ares” (1Ts 4:17).
no dia 21 de fevereiro, aos 99 anos de idade. se emocionaram ao ouvi-lo dizer: Ellen White é ainda mais especí-
Foram mais de seis décadas de um ministério “O Billy Graham que o mundo viu fica: “Livres da mortalidade, alçarão
muito produtivo. Poderoso pregador, ele foi tam- na televisão, o Billy Graham que o voo incansável para os mundos dis-
bém grande escritor e respeitado conselheiro. mundo viu nos estádios, foi o mesmo tantes” (O Grande Conflito, p. 677).
Publicou 25 livros e exerceu grande influência Billy Graham que vimos em casa. O legado desses homens deve
sobre diversos presidentes norte-americanos. Não havia dois Billy Grahams.” provocar uma reflexão. O que você
Recebeu várias homenagens: uma estrela na Em suas cruzadas, organizadas está fazendo com os talentos que
Calçada da Fama de Hollywood, a Medalha desde 1948 em estádios, parques Deus lhe deu? Seu exemplo, suas
Presidencial da Liberdade (a maior condeco- e outros locais públicos, Billy palavras, seu ensino e influência
ração civil dos Estados Unidos), a Medalha Graham alcançou uma audiên- estão sendo usados para aproximar
de Ouro do Congresso e Cavaleiro Honorário cia direta de quase 210 milhões pessoas do Céu ou para tirá-las de
na Ordem do Império Britânico. De acordo com de pessoas em 185 países. lá? Você está usando sua capaci-
o instituto de pesquisas Gallup, Billy Graham Em 14 de março morreu Stephen dade para fortalecer a causa de
esteve na lista dos homens mais admirados do Hawking. Aos 21 anos, foi diagnos- Deus ou enfraquecê-la? Use seus
mundo mais de 60 vezes em sua vida. ticado com esclerose lateral amio- talentos para o Senhor, lembrando
A cerimônia fúnebre foi realizada debaixo de trófica, doença degenerativa que que as sementes que você plantar
uma tenda branca, que lembrava as tendas usa- paralisou progressivamente seus nesta vida definirão seu destino
das nas cruzadas feitas por ele em seus primeiros músculos. Segundo seu médico, na eternidade. ]
anos de ministério. Cerca de 2.300 convidados ele viveria apenas mais três anos,
Foto: Fotolia

ouviram as últimas mensagens e homenagens. mas viveu outros 55 anos e se tor- ERTON KÖHLER é presidente da Igreja
O sermão foi feito por Franklin, filho e sucessor, nou um renomado cientista. Adventista para a América do Sul

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 5
ENTREVISTA Miraldo Fág-Tanh MÁRCIO TONETTI

Os primeiros esforços da Igreja Adventista para alcançar populações nativas brasilei-


ras foram feitos na década de 1920. Um século depois, existem mais de 9 mil indígenas
adventistas, segundo o último censo do IBGE. Apesar disso, nosso contato com esses
grupos ainda é tímido: o Brasil tem quase 900 mil índios de 305 etnias e 274 idiomas.
Nesta entrevista, o pastor Miraldo Fág-Tanh,
nativo da etnia guarani que hoje trabalha

MINISTÉRIO NATIVO
entre indígenas na fronteira do Brasil com a
Venezuela, fala como tornar a missão adven-
tista mais relevante entre essas comunidades.

O PASTOR INDÍGENA QUE TEM SE DEDICADO


A TRADUZIR O EVANGELHO PARA DIFERENTES TRIBOS
Além de você, outros nativos cur-
saram Teologia nos últimos anos.
Qual é o potencial disso para o
As igrejas também são vistas futuro?
como uma ameaça à cultura indí- Os pastores Alex Alfredo Alves
gena. O que fazer para mudar da Silva, da etnia taurepang, e Gus-
essa visão? tavo Soares, da etnia tucano, inte-
Nenhuma religião tem o direito gram esse grupo. No entanto, preci-
de obrigar alguém a abandonar samos de mais nativos que estudem
suas práticas culturais. Quando e voltem às suas aldeias para pre-
se respeita esse princípio, não há gar o evangelho. Não temos ainda
perda de identidade cultural nem um ministério específico para os
etnocídio. O evangelho precisa ser nativos no Brasil, como ocorre na
apresentado com a “roupa” daquela Austrália, por exemplo. No futuro,
cultura, sem cair no sincretismo, esses pastores poderão liderar uma
respeitando a decisão de cada um. iniciativa nessa direção.

Como a igreja tem trabalhado Mais de um terço da população


entre os índios? indígena brasileira vive nas cida-
Historicamente priorizamos a des. Nossa mensagem também tem
assistência social. Esse método con- chegado a essas “tribos urbanas”?
tinua importante porque ainda hoje Em alguns lugares, sim. Em Goiâ-
essas etnias carecem de acesso a nia, os adventistas visitam casas
serviços de saúde e educação. No que abrigam nativos que estão ali
Quando a mensagem adventista entanto, temos avançado no sentido em busca de tratamento de saúde.
chegou a essa região? de realizar ações de longo prazo e Além disso, vários indígenas que
No lado venezuelano, missioná- que valorizem a cultura nativa, se deslocam para estudar em uni-
rios norte-americanos chegaram ali contextualizando assim a mensa- versidades federais também têm
em 1911. Porém, do lado brasileiro, gem sem comprometer o evangelho. sido auxiliados pelas igrejas locais.
a igreja estabeleceu contato por
volta de 1950 e os primeiros batis- Qual é sua abordagem missio- Quais são os maiores desafios
mos ocorreram 20 anos depois. nária? para tornar a missão mais efe-
Neste mês, a comunidade Bana- Por ser nativo, isso em si já cria tiva entre os índios?
nal comemora 50 anos de adven- alguns vínculos e facilita a apro- Ter voluntários dispostos a viver
tismo. Hoje há aproximadamente ximação. Mas também procuro nas aldeias. Ser missionário em
350 pessoas morando nessa comu- conhecer a origem de cada povo, países sem presença adventista
nidade e quase todas são adventis- identificar suas necessidades e é importante, mas temos muitos
tas. Eles mantiveram costumes que amá-los. Além disso, busco reco- indígenas no Brasil perecendo sem
Foto: Arquivo pessoal

não ferem os princípios adventis- nhecer como Deus tem se mani- conhecer a verdade. ]
tas e realizam os cultos no idioma festado nessas culturas. Não leva-
local. Esses irmãos têm evangeli- mos Deus a lugar nenhum porque MÁRCIO TONETTI é editor associado da
zado outras comunidades e etnias. Ele já está lá. Revista Adventista

6 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
PAINEL

F AT O S
Os milagres não são uma violação
CENTRO DE INFLUÊNCIA NA ÍNDIA das leis da natureza. O que Deus faz
é intervir no mundo que Ele criou.

Lee Strobel, escritor norte-americano


ex-ateu, em entrevista ao site
Religion News Service

O primeiro projeto dessa natureza implantado no país de 1,3 bi-


lhão de habitantes irá funcionar na cidade de Bangalore, tam-
bém conhecida como “Vale do Silício da Índia”. O objetivo é abrir
portas para o evangelho na capital e maior cidade do estado de
Karnataka. O espaço de quatro andares conta com salas para
atendimento médico, farmácia, academia, auditório para seminá-
rios, área gourmet e livraria.

TESTEMUNHO PARA O MUNDO


Voluntários adventistas aproveitaram os Jogos Olímpicos de
Inverno, realizados nos dias 9 a 25 de fevereiro, em Pyeong-
chang, na Coreia do Sul, para testemunhar a atletas e turistas.
Além de distribuir 5 mil exemplares da versão em inglês do li-
vro Caminho a Cristo, eles ofereceram serviço de massagem
aos competidores.

FATALIDADE
Fotos: Narendra Rao / Divisão Centro Leste Africana / Divisão Pacífico Norte-Asiático
Quinze adventistas morreram quando um raio atingiu a Igreja
de Gihemvu, em Ruanda. Outras 130 pessoas que assistiam ao
D ATA
culto ficaram feridas e foram atendidas em hospitais da região.
Líderes do governo compareceram ao funeral coletivo realizado
12 A 26 DE ABRIL
em 11 de março, um dia depois da tragédia.
Nesse período será realizado o “Mutirão do IR do Unasp”.
Pessoas que receberam até 60 mil reais em 2017 e precisam
declarar o Imposto de Renda receberão assistência gratuita
nos três campi do Unasp. Professores e alunos de Ciências

3.431.661 downloads
Contábeis irão atender a comunidade nos dias 12, 19 e 26 no
campus São Paulo, no dia 15 no campus Engenheiro Coelho,
e nos dias 15, 16 e 22 no campus Hortolândia. Essa iniciativa
de exemplares da Bíblia foram registrados no Brasil colocou o Unasp no “radar” da revista Exame, que anualmente
no ano passado, o que representou um crescimento divulga locais em que os contribuintes podem receber assis-
de 128% em relação a 2016 tência gratuita para acertar as contas com o leão.

8 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
EVENTOS

CERIMÔNIA DE INAUGURAÇÃO
No dia 12 de março, foi inaugurado o novo auditório da Casa Publi-

TEMPLO DE CONTÊINER
cadora Brasileira. O evento, que reuniu líderes de vários níveis ad-
ministrativos da igreja, foi marcado pelo batismo de duas pessoas,
Fotos: Allana Ferreira / Daniel Oliveira / Novo Tempo

sendo uma delas um servidor da instituição. Além do espaço com 574


Inaugurada no fim de fevereiro em Florianópolis (SC),
poltronas, o complexo de 1.551 m² inclui estúdio, salas de edição e
a igreja é a primeira construída pelos adventistas em
controle de áudio, camarim, depósito e dois apartamentos. A nova es-
Santa Catarina usando esse tipo de estrutura. Além do
trutura será usada não apenas para os cultos diários com os mais de
custo-benefício, outro ponto positivo desse modelo é
500 servidores da matriz, em Tatuí (SP), mas também para reuniões
o tempo de construção. A igreja do Morro do Horácio,
administrativas e eventos relacionados aos ministérios de publicações,
que tem capacidade para 90 pessoas, foi levantada em
educação e Escola Sabatina.
apenas três meses.

1O MIDIATEC

O treinamento promovido nos dias 16 a 18 de março pela sede sul-


americana da igreja, em parceria com a Rede Novo Tempo de Comu-
nicação, reuniu mais de 330 pessoas de todo o Brasil em Jacareí (SP).
O objetivo foi oferecer capacitação técnica para a transmissão de cul-

IGREJA NO IRAQUE tos e mostrar como as igrejas locais podem ampliar o alcance de seus
conteúdos na internet. O evento colocou os participantes em contato
Depois de vários anos de conflitos, que forçaram as com pessoas experientes na área e ministérios que prestam consul-
igrejas adventistas no Iraque a fechar suas portas, toria às igrejas que pretendem investir em transmissões mais profis-
um novo templo foi inaugurado no fim de fevereiro em sionais. As palestras do 1o MídiaTec podem ser assistidas no seguinte
Erbil, capital da região do Curdistão iraquiano. endereço: adv7.in/NH.

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 9
Conrad Vine, diretor da AFM (Adventist
Se não for você, quem será? Frontier Missions), em sermão no Unasp,
campus Engenheiro Coelho (SP), buscando
Se não for agora, quando será? motivar jovens a encarar o desafio de pregar
em territórios inalcançados pelo evangelho

GENTE O L H A R D I G I TA L

CENTENÁRIOS EM UM MINUTO
Fundador de grupos e cons-
trutor de igrejas, escolas e
centros comunitários em
Goiás, Clodoaldo Brito de
Oliveira foi homenageado
pela Igreja do Setor Sul, em
Goiânia (GO), ao completar
100 anos no dia 2 de feverei-
ro. Casado com Isabel Álvares
Oliveira, de 97 anos, eles têm
três filhas, sete netos e sete Explicar as crenças fundamentais adventistas em
bisnetos. vídeos de até 60 segundos é a proposta do norte-
americano Phil Vecchiarelli. Desde setembro do
ano passado, quando lançou seu canal no Youtu-
Um dos homens mais idosos do be, ele compartilha dois vídeos por semana. Com
Brasil é adventista. Morador de Rio o apoio dos membros da igreja na divulgação, as
das Ostras (RJ), Moacir Gonçalves mensagens do pastor da Califórnia têm alcançado
de Jesus completou 117 anos no até mesmo o público não cristão.
dia 8 de março. Membro da Igreja
Adventista do bairro Nova Cidade,
ele conheceu a mensagem adven-
tista por meio da neta e foi batiza-
do em outubro de 2015.

CONTRIBUIÇÃO TEOLÓGICA
Adam Grześkowiak, pastor adventista
polonês, foi reconhecido recentemente
no país por sua contribuição à literatura
51% dos adultos
norte-americanos acreditam que os milagres
bíblica. Seu livro “At the Feet of Gama- da Bíblia aconteceram conforme descritos e 38%
Fotos: Arquivo pessoal / Marta Palla /

liel…” (Acts 22:3): Application of Jewish já experimentaram pessoalmente um milagre,


Exegesis in 1 Corinthians (“Aos Pés de de acordo com uma pesquisa feita pelo jornalista
Gamaliel ...” (Atos 22:3): A Aplicação Lee Strobel, em parceria com o Instituto Barna,
da Exegese Judaica em 1 Coríntios) foi e publicada em seu novo livro, intitulado The Case
considerado o estudo mais importante for Miracles: A Journalist Investigates Evidence
entre as 91 publicações acadêmicas for the Supernatural (O Caso dos Milagres: Um
analisadas por um grupo de teólogos. Jornalista Investiga Evidências do Sobrenatural).

10 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
INTERNACIONAL

50 mil
Bíblias
763
é o número de instituições
devem ser distribuídas
para estudantes de escolas
adventistas do Sul do
adventistas de saúde ao redor
Pacífico. A iniciativa faz
do mundo, incluindo:
parte do projeto World
441 clínicas e ambulatórios
Changers Bible (Bíblia
180 hospitais
dos Transformadores do
CONVIDADA DE HONRA
121 asilos e outros centros
Mundo), lançado em 2013
para aposentados
e que já distribuiu mais
21 orfanatos e lares
de 225 mil exemplares A rainha do arquipélago de Tonga participou de um
para crianças
do livro sagrado. café da manhã de oração que reuniu 400 mulheres
no Queen Salote Memorial Hall, em Nuku’alofa. Mais
da metade das participantes do evento organizado

ATENDIMENTO NA SAÚDE
pelo Ministério da Mulher da sede da igreja na região
não era composta por adventistas.

Diante do crescimento epidêmico de doenças crônicas ligadas ao estilo de


vida nas ilhas do Pacífico, a ADRA da Austrália e a organização Adventist
Health lançaram neste ano uma campanha que pretende atender 10 mil
pacientes com diabetes tipo 2 e outras pessoas com risco de desenvolver Cerca de 900 mil pessoas sofrem de epilepsia
a doença. A intenção é equipar as igrejas locais para realizar avaliações de no Malawi, o que levou três neurocirurgiões
saúde na comunidade e atuar especialmente na prevenção desse tipo adventistas a estabelecer um programa de tra-
de enfermidade. tamento da doença no país africano

6.770 pessoas
foram beneficiadas em Phoenix, no Arizona (EUA),
por 3,3 mil voluntários que doaram mais de
40 milhões de dólares para atendimento médico,
dentário, oftalmológico e outros serviços

David Trim, diretor do


departamento de Arquivos,
A história adventista é potencialmente rica, estruturada, Estatísticas e Pesquisas
Fotos: Adventist Record / Brent Hardinge

da sede mundial da igreja,


profunda e ampla. Não é a história de uma dúzia de pessoas apenas. durante reunião de teólogos e
historiadores adventistas em
Silver Spring, Maryland (EUA)

Colaboradores: ADRA Internacional, Adventist World, Allana Ferreira, Andrew McChesney, Daniel Gonçalves, Daniel Kluska, Francis
Matos, Jefferson Paradello, Kimi-Roux James, Márcio Tonetti, Prince Bahati, Tatiane Virmes e Tracey Bridcutt

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 11
CAPA

ME TA MOR F O S E
ESPIRITUAL
Foto: ThinkStock

12 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
A VITÓRIA DE CRISTO SOBRE A Ao longo da história, muitas tentativas ocor-
reram para mudar a sociedade. Gênesis 11, por
MORTE INICIOU UM MOVIMENTO DE exemplo, relata o plano dos construtores anônimos
de uma torre que queriam tomar o próprio futuro
TRANSFORMAÇÃO QUE LEVARÁ A em suas mãos. “Vamos construir uma cidade, com
uma torre que alcance os céus. Assim nosso nome
HUMANIDADE A SE TORNAR NO QUE FOI será famoso e não seremos espalhados pela face
da Terra” (Gn 11:4).
PLANEJADA PARA SER Uma cidade, uma grande construção cujo topo
alcançasse o céu e um reconhecimento que fosse
GERALD A. KLINGBEIL construído por eles mesmos: foi nesses elementos
que apostaram os edificadores da Torre de Babel
a fim de gerar mudança em seus dias. Mais tarde,
líderes poderosos mudaram sua época conquis-
tando nações vizinhas e construindo impérios.

E
Controle e poder se tornaram a moeda necessária
para que a transformação acontecesse.
Foi assim com Alexandre o Grande, Aníbal,
Genghis Khan, Napoleão Bonaparte, Stalin e
Hitler. Todos tentaram construir algo completa-
mente novo, conquistando e destruindo o antigo,
na esperança de que seus empreendimentos duras-
sem “mil anos”. Mas nenhum deles conseguiu.

OUTRO CAMINHO
O comunismo caiu, o fascismo alemão também, e
nosso mundo ainda está cambaleando com todos
m 2016, 23 milhões de pes- os “ismos” propostos para mudar nossa história.
soas em todo o mundo concluíram que precisa- No entanto, para transformar o mundo, o Carpin-
vam de uma mudança drástica. Segundo a Socie- teiro de Nazaré tomou um caminho diferente.
dade Internacional de Cirurgia Plástica e Estética, Jesus nunca Se envolveu com os jogos do poder.
elas decidiram fazer algum tipo de procedimento Ele não ansiava por controle. De fato, volunta-
ou cirurgia, que foi desde intervenções na face à riamente Ele Se fez nada ao Se tornar humano e
correção da flacidez abdominal. Esse número sig- experimentar nossa sorte (Fp 2:6-8).
nificativo equivale à população de países como Seu caminho para a transformação O levou con-
Taiwan e Camarões. sistentemente em direção à rude cruz plantada em
Para se ter ideia, somente nos Estados Uni- uma colina, fora de Jerusalém. Nesse caminho Ele
dos, em 2016, o mercado de produtos e serviços tocou leprosos e abraçou pecadores, curou doen-
de beleza e estética ultrapassou os 62 bilhões de tes com feridas físicas e emocionais. Encontrou-
dólares de faturamento. Isso representa um Se com as pessoas onde elas estavam – em um
gasto médio de 191 dólares ao ano por norte- poço na hora mais quente do dia, em uma piscina
americano; algo assombroso se considerarmos cheia de pessoas que esperavam um milagre, nas
o que essa quantia pode comprar em várias estradas e caminhos que atravessavam a Palestina
regiões do globo. Ao redor do mundo, até 2020, e na casa de um fariseu.
esse segmento deve representar um mercado de O ministério relativamente curto de Jesus
675 bilhões de dólares. mudou o mundo para sempre. Quando Ele falava
A busca por mudança não é um fenômeno novo. sobre o reino de Deus, quem O ouvia era levado a
Desde a queda moral de Adão e Eva, a humani- enxergar o Criador. E enquanto Ele revelava o Pai
dade almeja transformação. Talvez seja esse um celestial, Seus ouvintes sentiam o coração pulsar
anseio pelo Éden perdido ou o reconhecimento forte por um futuro que não conseguiam nem ima-
de que fomos feitos para mais do que apenas tra- ginar. Jesus os ouvia e eles se sentiam acolhidos
balhar, comer e dormir. e compreendidos.

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 13
É verdade também que muitos não
entendiam todas as implicações de Suas
palavras e ações. Foi por isso que gritaram
“Hosana nas alturas” e “bendito é o que
vem em nome do Senhor”, citando um
salmo messiânico muito conhecido
(Sl 118:26; Mt 21:1-10). Por saberem que
somente um rei poderia tornar realidade
a visão radical de Jesus foi que O rece-
beram em Jerusalém, antes da Páscoa,
com as honras de um monarca. Não
perceberam que as maiores batalhas do
reino que Ele proclamava ainda seriam
travadas numa cruz e outras repetidas
vezes no coração humano.
A Bíblia nos conta que rapidamente
a alegria deles se tornou em decepção.
Traído por Judas e ilegalmente conde-
nado por um Sinédrio impostor que não
cumpria suas próprias regras, o Jesus
desfigurado apresentado por Pilatos foi
rejeitado pela multidão. Muitos dos que
haviam gritado “Hosana nas maiores
A E SC URIDÃO DA C RUC IFIX ÃO
alturas” no início da semana, no fim
dela vociferavam: “Crucifica-O!” Não
era aquele tipo de rei que desejavam.
SE T OR NOU O E SPL ENDOR
Por isso, a aclamação vibrante se trans-
formou em frenesi assassino.
O comportamento dos discípulos de
DA R E S SUR R EIÇ ÃO
Jesus também não foi muito melhor que
o da multidão. Após terem passado mais
de três anos numa convivência próxima
e pessoal com o Mestre, um de Seus
seguidores O vendeu aos Seus inimigos. Outro, embora O conhecesse, “Muito antes que Ele estabelecesse os fun-
O negou três vezes; e os demais simplesmente fugiram, muito assusta- damentos da Terra, já pensava em nós e nos
dos para se lembrarem do que Ele havia dito sobre o que iria acontecer. escolheu como alvo do Seu amor”, escreveu
Eugene Peterson na paráfrase do texto bíblico
NA CRUZ de Efésios 1:4 e 5 (A Mensagem). “Há muito
No caminho para o Calvário, Jesus não foi ajudado pelas pessoas de perto, tempo Ele decidiu nos adotar em Sua família,
e sim por um estranho: Simão de Cirene (Mt 27:32). Soldados pregaram por meio de Jesus Cristo”, completa o teólogo.
Cristo no rude madeiro e Ele agonizou, ligando o Céu à Terra. Isso não As Escrituras nos dizem que naquele
foi um show elaborado. O Deus-Homem, carregando nossos pecados e momento, aparentemente o mais sombrio da
afligido pela natureza destrutiva do pecado, ouviu os sussurros funes- história da Terra, dois homens decidiram per-
tos de Satanás dizendo que aquele era o fim de tudo. “Satanás tortu- manecer ao lado de Jesus, apesar de isso ter
rava com cruéis tentações o coração de Jesus”, escreveu Ellen White. significado tornar pública a posição deles. José
“O Salvador não podia enxergar para além dos portais do sepulcro. A de Arimateia, membro abastado da sociedade
esperança não Lhe apresentava Sua saída da sepultura como vencedor, judaica e discípulo secreto de Jesus, ofereceu
nem Lhe falava da aceitação do sacrifício por parte do Pai. Jesus temia seu próprio túmulo. Ele estava acompanhado de
que o pecado fosse tão ofensivo a Deus que Sua separação houvesse de Nicodemos, aquele que havia se encontrado
ser eterna” (O Desejado de Todas as Nações, p. 753). com Jesus encoberto pela noite (Jo 19:38-42).
Foto: Eberhard Grossgasteiger

A escuridão cobriu o sol e aqueles que se reuniam ao pé da cruz Ambos não temeram o ritual de purificação ao
ouviram o clamor angustiado de Jesus, expressando Sua sensação manipularem o corpo sem vida de Jesus no dia
de desamparo (Mt 27:46). Silêncio envolveu o ar. Onde estava Deus? de preparação, antes do sábado. Ambos ofere-
Onde estava a justiça? Onde estava a graça? ceram o seu melhor: uma tumba nova e 34 qui-
Deus estava pendurado numa cruz. O último “está consumado” de los de uma mistura dispendiosa formada por
Jesus (Jo 19:30) nos lembra o plano idealizado muito antes da criação. mirra e aloés. Um sepultamento digno de rei.

14 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
O INÍCIO DE ALGO NOVO (Jo 21:5, 6). Instantaneamente, João reconheceu o
Aquele sábado pós-crucifixão deve ter oferecido pouco descanso Mestre e Pedro imediatamente se jogou na água
e alívio para os seguidores de Jesus. Todas as esperanças deles se para nadar até a praia.
transformaram em desapontamento. Todas as suas expectativas Os discípulos tiveram trabalho para tirar a rede
foram arrancadas, todos os seus sonhos desapareceram. Jesus estava do mar. Eles pegaram 153 grandes peixes (v. 11).
morto em uma tumba fria, cercada por soldados romanos. Jesus os convidou para um agradável desjejum.
As horas do sábado passaram vagarosamente. Os discípulos, Depois de dividir os pães e peixes e comer com
enlutados e aflitos, desconheciam o fato de que o mundo mudaria os discípulos, Ele olhou para Pedro e fez a per-
para sempre. Um terremoto violento acompanhou o anjo que des- gunta que importava: “Simão, filho de João, você
ceu para rolar a pedra que fechava a entrada da tumba. Tomados Me ama mais do que estes”? (v. 15). Pedro pode ter
pelo medo, os soldados rastejaram no pó enquanto Jesus ressusci- se perguntado como o amor dele por Jesus poderia
tava bem cedo naquele domingo. competir com o sentimento dos demais em relação
Quando o Deus-Homem ressuscitou, a natureza se curvou e rea- ao Mestre. Jesus fez a mesma pergunta três vezes.
giu. Os que encontraram a tumba vazia e ouviram a afirmação do
anjo “Não temas” (Mt 28:5) contaram aos que permaneciam abatidos
que o Senhor estava vivo. Assim, vagarosa e quase imperceptivel-
mente, a esperança cresceu e superou o desapontamento e o medo.
Fico maravilhado com a transformação que a cruz de Jesus pro-
vocou neste mundo. A escuridão da crucifixão se tornou o esplen-
dor da ressurreição. Fez com que discípulos deprimidos, temendo
pela própria vida, se tornassem ousados proclamadores da salva-
ção garantida pela ressurreição do Senhor. É por isso que o livro
bíblico de Atos se tornou uma crônica desses homens e mulheres
cujo coração, antes vazio, passou a arder por Jesus (Lc 24:32).

A GRANDE PESCARIA
Então, após a ressurreição, houve uma grande pescaria (Jo 21). Pedro,
Tomé, Natanael, Tiago, João e dois outros discípulos tinham vol-
tado para a Galileia e saíram para pescar. Isso é o que muitas vezes
fazemos quando somos confrontados com grandes problemas. Vol-
tamos para o que conhecemos; voltamos aos lugares familiares.
Porém, após uma longa noite no lago, não tinham fisgado nada.
Foi quando viram Alguém que acenava da praia: “Filhos, vocês
Foto: LightStock

têm algo para comer?” Quem usaria um termo carinhoso como


esse para falar com estranhos? Eles balançaram negativamente a
cabeça. “Lancem a rede do lado direito do barco e vocês encontrarão”

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 15
Três vezes a resposta
que recebeu foi afirma- RENOVAÇÃO
tiva. Gosto mais da ter-
ceira resposta de Pedro:
DA ESPERANÇA
“Senhor, Tu sabes todas
as coisas e sabes que BILL KNOTT
Te amo” (v. 17). Em outras
palavras, o discípulo Como pastor e editor, muitos
disse que não conseguia me perguntam qual é minha
representar na frente de história bíblica preferida.
Cristo. Jesus conhecia Para falar a verdade, já dei
seu coração, seu passado respostas diferentes para
e todas as coisas. essa questão em várias fases
da minha vida. Pelo fato de meu pai, um irmão e um tio se chama-
UM MOVIMENTO TRANSFORMADOR rem Davi, o confronto entre o pequeno pastor israelita e o gigante
Logo após esse encontro com Jesus, Pedro Golias foi minha primeira história favorita.
assumiu a liderança do movimento cristão. E Depois, aos dez anos de idade, quando passei meu irmão mais
os primeiros discípulos avançaram. Capaci- velho Davi em altura e peso, meu personagem bíblico preferido pas-
tados pelo derramamento do Espírito Santo, sou a ser Zaqueu: o baixinho que não queria ser percebido. Naquele
o pequeno grupo de líderes, na maioria igno- encontro com Jesus em Jericó, o Mestre foi capaz de ver o publicano
rantes, passou a pregar ousadamente a respeito lá em cima, solitário na árvore. Isso mexeu comigo numa época em
de Jesus. Eles cresceram em número, em graça que eu não tinha certeza se alguém estava me percebendo.
e em comunhão (At 2:42-47; 4:32, 33). Na juventude, já trabalhando como pastor, minha história pre-
Esse crescimento transformador também dileta era a série de três parábolas de Lucas 15: a moeda perdida,
incluiu a compreensão de uma nova teologia. a ovelha perdida e os filhos perdidos. Como outros estudantes da
Pedro e os primeiros judeus crentes ainda pre- Bíblia, encontrei nessas três histórias sobre graça “o evangelho den-
cisavam cruzar um enorme abismo teológico. tro dos evangelhos”.
Eles teriam que entender que Deus estava con- No entanto, nos últimos 20 anos, outro relato da biografia de Cristo
vidando não apenas Israel, Seu povo escolhido, tem cativado minha imaginação. Meu encanto por esse texto tem
mas todos os gentios para andar no Caminho duas razões: o relato é incrível em si e serve de metáfora poderosa
(At 9:2; 19:9, 23; 22:4). de como a igreja pode recuperar sua alegria e esperança enquanto
A experiência de Pedro na casa de Cornélio espera o retorno de Cristo. Refiro-me aos dois discípulos no cami-
foi o início da transformação dessa mentalidade nho para Emaús (Lc 24).
(At 10). A graça de Deus é inclusiva. O Salvador Essa história, minha favorita no contexto da ressurreição de Jesus,
veio para salvar pecadores, a despeito de sua ocorreu em meio às sombras do fim da tarde, período do dia que mais
etnia ou filiação religiosa. A obra do Espírito aprecio. Em resumo, ela trata de dois discípulos de Cristo que, por
Santo não está limitada pelas fronteiras que estarem tristes e desanimados com a morte do Mestre, decidiram
estabelecemos em nossa mente e equivocada- caminhar juntos e conversar. Eles queriam encontrar consolo ao
mente julgamos terem sido ordenadas por Deus. compartilhar lágrimas e desabafos, enquanto buscavam entender
A manhã da ressurreição marcou somente juntos o que havia ocorrido.
o início de um movimento que valorizou a Nesse contexto, Jesus apareceu e caminhou alguns quilômetros
transformação em lugar da estagnação. E com eles, o suficiente para ministrar um estudo bíblico completo
a transformação continua. Dois mil anos depois, sobre a missão do Messias. Enquanto andava com aqueles discípu-
Deus ainda está nos convidando para partici- los, mais uma vez o Mestre cumpriu Sua promessa de estar onde
par desse movimento que não somente afirma dois ou três estivessem reunidos em Seu nome (Mt 18:20). E, como
que Ele ressuscitou, mas que em breve voltará. era de se esperar, a presença de Cristo mudou para sempre a história
Por isso, enquanto esperamos, precisamos ser daqueles homens, bem como a de milhões de pessoas.
transformados, de dentro para fora (2Co 5:17). Para mim, essa é a história fundacional da igreja. Ela me diz mais
Ora vagarosamente, ora dramaticamente. É pelo do que a conversão de 3 mil pessoas no Pentecostes (At 2), porque
poder transformador de Deus que podemos nos fala de dois crentes que, acompanhados por Jesus, se compromete-
tornar naquilo que fomos criados para ser: uma ram a caminhar juntos enquanto avançavam para o poder revela-
bênção para quem ainda está em dúvida ou à dor da Sua ressurreição. Hoje também, a vitória de Cristo sobre a
procura do Caminho. ] morte ainda é um convite para uma jornada de apoio mútuo e de
Foto: LightStock

esperança que se renova. ]


GERALD A. KLINGBEIL é editor associado da revista
Adventist World BILL KNOTT é editor da revista Adventist World

16 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
MKT CPB | Depto. Ilustração
NOVO
1 2 3 4 5

Patriarcas e Profetas e O Desejado de Atos dos O Grande


Profetas Reis Todas as Nações Apóstolos Conflito

Agora a coleção está completa!


WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora
HISTÓRIA DA IGREJA

Cura em
meio à neve
A VISITA DO CASAL WHITE A UMA CIDADEZINHA NO
INTERIOR DE MICHIGAN RESULTOU EM RESTAURAÇÃO
PARA TIAGO E A IGREJA LOCAL
BERNARD ANDERSEN E BETH THOMAS

A
penas uma semana antes do Natal de 1866, Tiago White ainda
se recuperava de um derrame sofrido havia 16 meses. Dessa
vez, ele estava se tratando da maneira que sua esposa, Ellen,
havia aconselhado. Tiago havia feito tratamentos com hidro-
terapia e outros remédios naturais na instituição de saúde
Nosso Lar na Montanha, uma clínica dirigida pelo doutor James Jackson,
em Dansville, Nova York (EUA). Porém, Ellen não estava contente com
os resultados. Tiago não estava se exercitando. Temendo que ele nunca
se recuperasse caso continuasse inativo, Ellen escolheu marcar uma série
de palestras, levando o esposo com ela.
A pioneira escreveu: “Para conseguir recursos para nossa viagem, tirei
meus tapetes de tiras de pano e os vendi. [...] Com o dinheiro apurado da
venda dos tapetes, comprei uma carroça coberta e preparei-me para a via-
gem, colocando na carroça um colchão para papai [Tiago] se deitar” (Men-
sagens Escolhidas, v. 2, p. 306).
Acompanhados por seu filho Willie, então com 11 anos, os White dei-
xaram sua casa em Battle Creek, no meio de um rigoroso inverno para
viajar por 145 quilômetros (Testemunhos Para a Igreja, v. 1, p. 103, 104).
Foto: Center for Adventist Research

O destino deles era Wright, uma pequena comunidade agrícola no oeste


de Michigan. Não parecia uma decisão muito sábia viajar para longe com
Tiago em uma situação tão delicada. No entanto, Ellen se surpreendeu que
o marido tivesse suportado bem o trajeto e chegou lá com uma aparência
melhor de que quando tinha saído de Battle Creek (p. 104).

18 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
TERAPIA DO EXERCÍCIO para um espaço maior, um celeiro cedido por
E. H. Root havia convidado a família para se um dos supervisores do distrito municipal. No
hospedar na sua fazenda. Quando viajavam fim dos seminários, foram batizadas pessoas
pelo estado de Michigan, Wright era como suficientes para começar uma nova igreja.
um segundo lar para os White, e o amor que No entanto, quando os White chegaram, no
tinham pelos membros dali e a hospitali- inverno de 1866, Ellen escreveu que a igreja
dade com que eram recebidos faziam daquele estava desunida e tomada por um “espírito
vilarejo o lugar perfeito para a nova fase da mundano”. No entanto, os membros estavam
­recuperação de Tiago. famintos de alimento espiritual e ouviram
Ellen acompanhava o marido de perto. Todos com grande atenção o casal White. Tiago pre-
os dias ela o incentivava a caminhar, ainda gava aos sábados e domingos de manhã por
que no inverno. Certo dia, quando havia caído cerca de 40 minutos, enquanto Ellen falava às
muita neve, a pioneira pediu ao irmão Root um tardes por uma hora e meia (Testemunhos Para
par de botas emprestado. Ela calçou as botas a Igreja, v. 1, p. 570 e 571).
e percorreu meio quilômetro afundando na Os White passaram seis semanas com a
neve. Ao voltar, Ellen pediu que o marido desse Igreja de Wright, incentivando seus membros
um passeio, mas ele respondeu que não teria por meio de ensinamentos bíblicos, instru-
como fazer isso naquelas condições climáticas. ções sobre a reforma dos princípios de saúde
“Oh, sim, você pode!”, respondeu a esposa. “Por e vestimenta, e criando um plano para a bene-
certo você pode seguir meus rastros.” Tiago O EXERCÍCIO FÍSICO volência sistemática (devolução de dízimos e
concluiu que, se uma mulher podia andar na ofertas). Os membros confessaram seus erros
neve, ele também conseguiria e foi (Mensagens NA NEVE E A entre si, a unidade foi restaurada e a congre-
Escolhidas, v. 2, p. 307).
A saúde de Tiago começou a melhorar vaga-
PREGAÇÃO PÚBLICA gação floresceu.
Talvez não tenha sido sem razão que a pri-
rosamente e, após 18 meses de intenso cui- AJUDARAM TIAGO meira reunião campal dos adventistas do sétimo
dado, além de uma dose saudável de pressão dia tenha sido realizada em Wright, apenas
para voltar ao púlpito e pregar, ele se recupe- WHITE A SE dois anos após a passagem do casal White pela
rou. A doença do pioneiro havia abalado sua
família e a igreja como um todo. Por mais de
RECUPERAR DE região, conforme registrou A. W. Spalding no
livro Origin and History of Seventh-day Adven-
um ano, Ellen e Tiago se afastaram do minis- UM DERRAME tists, v. 2, p. 9. A princípio, Tiago sugeriu uma
tério público. E Ellen sentia que Satanás não campal grande, que reunisse fiéis que moravam
tinha interesse no retorno deles. Por isso, em em todos os estados banhados pelos Grandes
uma das reuniões em Wright, ao perceber que Lagos do norte do país, mas já era muito tarde
o marido havia conseguido pregar com clareza para planejar um evento desse porte.
durante uma hora, ela se levantou e em lágri- A alternativa foi organizar três reuniões
mas testemunhou de sua alegria (Testemunhos regionais menores: uma para adventistas do
Para a Igreja, v. 1, p. 571). oeste de Michigan, Wisconsin e Illinois; outra
para os que viviam no leste de Michigan, Nova
O DESAFIO DA MISSÃO York e Canadá; e outra para quem morava no sul
Por que os White escolheram a comunidade de de Michigan, Indiana e Ohio. Aquela primeira
Wright? Teria sido a hospitalidade dos irmãos campal regional foi tão bem-sucedida que even-
ou o ar puro e fresco? Talvez, mas, acima de tos desse porte acabaram se tornando o padrão
tudo, havia um importante trabalho a ser reali- para as Associações da Igreja Adventista.
zado pela congregação local. E era exatamente Hoje, se você visitar a Igreja de Wright, em
esse impulso missionário que Tiago necessi- Michigan (EUA), encontrará membros fiéis e
tava para retomar seu ministério. ativos, envolvidos na missão, 160 anos após
A Igreja de Wright foi estabelecida três anos a congregação ter sido estabelecida. Aquele
antes da formação da Associação de Michigan e lugar ainda é um local de cura e restauração. ]
cinco anos antes da organização da Associação
Geral. Tudo começou ali em 1858 pelo trabalho de BERNARD ANDERSEN é membro emérito do Ministério da
Joseph B. Frisbie. Apesar da resistência do clero Herança Adventista e primeiro-ancião da Igreja de Wright,
local, as séries evangelísticas dele foram bem- em Michigan (EUA); BETH THOMAS é editora freelance e
sucedidas. De uma escola, as reuniões migraram mora em Laurel, Maryland (EUA)

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 19
DOM DE PROFECIA

Remetente:
Ellen G. White
AS CARTAS PESSOAIS DA PROFETISA ADVENTISTA FORAM ESCRITAS HÁ
MAIS DE UM SÉCULO, MAS CONTINUAM ATUAIS E ÚTEIS PARA TODOS

A
tualmente, o Patrimônio Literá-
rio Ellen G. White preserva mais Carta 9
de 5 mil cartas escritas pela pio- 21 de dezembro de 1851
neira adventista. A igreja tem se Saratoga Springs, Nova York (EUA)
preoucupado em tornar conhe-
cidos esses documentos. Por isso, publicou, Caros irmão e irmã Dodge:
em 2014, a obra The Ellen G. White Letters Tenho uns poucos momentos livres e vou empregá-los
and Manuscripts With Annotations (Cartas e escrevendo a vocês. Por um curto período não estive bem
Manuscritos de Ellen White com Anotações), de saúde, mas estou muito melhor agora. Às vezes, Tiago
que contém todas as cartas e manuscritos que e eu nos sentimos quase esgotados. Poucas vezes nos dei-
conhecemos de Ellen White escritos no tamos antes das onze horas ou meia-noite; 1 não temos um
período de 1845 a 1859, incluindo seus pri- momento ocioso. Não fosse pela força que recebemos diaria-
meiros diários. No ano passado, o livro de mente de Deus, não suportaríamos. Louvado seja o Senhor,
quase mil páginas ganhou uma versão em pois temos um Sumo Sacerdote compassivo e gentil, que
espanhol. Outro volume, que está sendo pode ser tocado com a sensibilidade de nossas enfermidades.
preparado em inglês, trará as cartas que ela Não esperamos ter descanso aqui. Não, não! O caminho
escreveu entre 1860 e 1863, período em que para o Céu é de cruz. A estrada é estreita, mas avançare-
a Igreja Adventista foi oficialmente orga- mos com alegria sabendo que, antes de nós, o Rei da glória
nizada. A carta que você lerá a seguir foi trilhou esse mesmo caminho. Não reclamaremos das difi-
endereçada a Caroline Dodge e publicada culdades da estrada, mas seremos humildes seguidores de
pela primeira vez na íntegra por ocasião do Jesus, seguindo Suas pegadas. [...] Portanto, quando passar-
lançamento do primeiro volume (p. 319-321). mos por provas, não vamos murmurar.
Conheça seu conteúdo. Os queridos filhos de Deus sempre passaram por elas, e
cada provação que suportamos aqui nos tornará mais ricos
em glória. Anseio pelo sofrimento. Se eu pudesse, não iria
para o Céu sem sofrimento, e ali ver Jesus que tanto sofreu
para nos comprar uma herança tão preciosa; e ver os már-
tires que entregaram a vida pela verdade e por Jesus. Não,
não! Deixe que eu seja aperfeiçoada pelo sofrimento. Desejo
participar com Cristo dos Seus sofrimentos, porque, se o
fizer, sei que participarei com Ele em Sua glória.
Jesus é nosso Modelo. Estudemos para que nossa vida
seja o mais semelhante possível à vida de Cristo. Minha
NOTAS alma clama pelo Deus vivo. Meu ser anseia por Ele. Sim,
por refletir perfeitamente Sua amorável imagem. Anseio
ser totalmente consagrada a Ele. Ah, como é difícil deixar
Foto: Keith Misner

1 Uma semana antes, em outra carta, ela escreveu


que eles haviam ficado até depois da uma da manhã que o querido eu morra!
preparando a The Adventist Review and Sabbath Herald
(Carta 5, 1851).

20 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
Podemos nos alegrar em um Salvador completo, Aquele no mar, terei coragem. Pois a música celestial me
que nos salva de todo pecado. Podemos permanecer ao lado encantou de tal maneira que me unirei ao coral.
de Deus e dizer diariamente: “Já não vivo eu, mas Cristo Eu irei, deixa-me ir”. 3 Minha alma está voando
vive em mim, para desejar e cumprir somente a Sua boa para a glória.
vontade.” A Deus seja a glória. Sei que minha vida está Queridos irmão e irmã, não me esqueci do
escondida com Cristo, em Deus. tempo que passamos juntos na Conferência em
Ergueram-se as cortinas e eu vi a preciosa recompensa Milton (Nova York). 4 Que o Senhor os fortaleça
entregue aos santos. Provei das alegrias do mundo vindouro, e os ajude a atravessar cada prova, para que saiam
e para mim este mundo perdeu seu valor. Minhas afeições, vitoriosos. Devemos ser vencedores pelo sangue
interesses, esperanças, meu tudo está no Céu. do Cordeiro e pela palavra do
Almejo ver o Rei em Sua beleza, o Amado da nosso testemunho. [...]
minha alma. Céu, doce Céu! “Anseio estar lá; e ELLEN G. WHITE SABIA QUE O Na próxima terça ou quarta-
ao pensar que já está perto, deixa-me impaciente feira estaremos saindo para a
CAMINHO PARA O CÉU É DE CRUZ.
pelo aparecimento de Cristo”. 2 [...] Conferência em Camden (Nova
POR ISSO, ELA NÃO ESPERAVA
Tenhamos fé, fé viva em Deus, e amemos uns York). Se Jesus comparecer à
HERDAR A ETERNIDADE SEM
aos outros como Deus nos amou. Somos muito festa (e eu creio que Ele irá),
PASSAR POR SOFRIMENTO
hábeis em ver os erros dos outros, e não tão rápi- vamos ter uma reunião mara-
dos em descobrir os nossos. Se, diariamente, cada vilhosa. Sei que, se formos
um de nós estudasse a si mesmo para se apre- humildes como devemos ser,
sentar aprovado diante de Deus, buscássemos como glori- se percebermos de onde vem nossa força, e se
ficar a Deus com sinceridade, não fazendo nossa vontade, tivermos fé viva, Deus fará maravilhas por nós
não satisfazendo a nós mesmos, estou certa de que sería- e Seus passos grandiosos serão vistos entre nós.
mos mais fortes e floresceríamos na videira. [...] Esta noite Tiago [...] está muito ocupado revisando a prova
a voz do anjo pareceu soar em meus ouvidos muito forte e da revista, ajudado pela irmã Annie Smith. 5 Por
clara: Prepare-se, prepare-se, prepare-se, para que não seja isso, tenho um pouco de tempo para escrever. Esta
pesada na balança e achada em falta. noite, após o sábado, escrevi à luz de vela, com meus
Cristo terá uma igreja sem mancha ou ruga ou nada seme- olhos ardendo. Por essa razão, perdoem minha letra.
lhante para apresentar a Seu Pai, e ao nos conduzir através Tenham coragem! Não deixem que nada os desen-
dos portões perolados da cidade dourada, Ele olhará o que coraje nem desanime. Lembrem-se de que estamos
foi adquirido pelo Seu sangue, Seus filhos redimidos, verá quase no lar. Envio meu carinho a todos os irmãos e
o fruto do penoso trabalho de Sua alma e ficará satisfeito. irmãs em Michigan, especialmente aqueles a quem
Almejo ver meu querido Jesus cuja face ilumina a gloriosa já conheço. Diga-lhes que tenham ânimo [...].
cidade; Aquele a quem os anjos adoram, e ao se curvar colo- Querido irmão e irmã, escrevam-nos. Ficare-
cam suas coroas brilhantes diante Dele, tocam suas harpas mos felizes em receber notícias de vocês e dos
douradas e enchem o Céu com a preciosa música dos cân- irmãos e irmãs em Jackson (Michigan). Tiago e
ticos do Cordeiro. eu enviamos nosso amor a vocês e a todos os que
A linguagem da minha alma é: “Embora as águas sejam amam a Jesus.
escuras e as ondas encapeladas, se Jesus permite a tempestade Apressada e com amor.

2 Frases extraídas do hino “I Long to Be There” Deus), de 1849. Veja Early Advent Singing, de setembro de 1851. Assim, quando Ellen White
(Desejo Estar Lá), publicado pela primeira vez James R. Nix, para mais informação sobre a escreveu sobre seu encontro com os Dodges
entre os adventistas guardadores do sábado história da publicação desse hino. na “Conferência em Milton”, não ficou claro a
por Tiago White em Hymns for Second Advent qual evento ela se refere.
Believers (Hinos Para os Que Creem no Segundo 4 Abram Dodge e sua esposa, ainda recém-
Advento), em 1852. Para saber mais sobre a casados, na companhia de outros crentes, 5 Annie Rebekah Smith, de 23 anos de idade,
história da publicação desse hino, veja o livro fizeram a longa viagem de Jackson, Michigan, havia sido integrada havia pouco tempo à
Early Advent Singing, de James R. Nix. a Camden, Nova York, para assistir à Conferên- equipe da Review, como assistente editorial. Em
cia nos dias 20 a 22 de junho de 1851. Não é carta escrita um mês antes, Ellen White falou
3 Frases extraídas do hino “What Heavenly certo se eles também assistiram à Conferência sobre Annie Smith: “Ela é exatamente a ajuda
Music” (Oh! Que Música Celeste), incluída no em West Milton, no fim de semana seguinte. de que precisávamos. É um apoio para Tiago e
primeiro hinário de Tiago White, Hymns for God’s Foi anunciada uma próxima conferência para o ajuda muito. Podemos deixá-la na produção
Peculiar People (Hinos para o Povo Peculiar de West Milton, três meses depois, de 19 a 21 de da revista para estar mais com o rebanho.”

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 21
VIDA ADVENTISTA

Luz na
escuridão
COMO UMA MUÇULMANA ENCONTROU APOIO NUMA entrar em contato com o esposo
PEQUENA COMUNIDADE ADVENTISTA PLANTADA NUMA nem o que fazer diante da situa-

REGIÃO DE 5 MILHÕES DE PESSOAS NÃO EVANGELIZADAS ção. Na noite anterior, sexta-feira,


Amina teve um sonho muito real.
Nele, alguém disse que na manhã
INDIA HAYES

C
seguinte ela devia comprar uma
vela e ir a uma igreja pedir ajuda.
om a cabeça coberta e uma vela na Amina (pseudônimo) e seu Assim, na manhã seguinte,
mão, ela entrou no pequeno espaço em esposo haviam chegado recente- Amina comprou a vela, mas
Foto: Pran Thiramethanon

que realizávamos nosso culto. Aquela mente à cidade, como refugiados. não tinha a menor ideia de onde
jovem senhora muçulmana estava Seu esposo continuou a viagem encontraria uma igreja. Portanto,
preocupada, sozinha e segurava as lágrimas até a Inglaterra em busca de tra- ela tomou um táxi e pediu que a
enquanto contava sua história para a recep- balho, e havia vários dias ela não levasse a uma igreja. Foi assim
cionista, lá no fundo. tinha notícias dele. Não sabia como que ela chegou à nossa porta.

22 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
de costume, exceto por um celu-
lar que tocou durante o sermão.
Só no sábado seguinte soubemos
quem havia ligado.

RESPOSTA ÀS ORAÇÕES
NÃO FOSSE PELA No sábado seguinte, durante o
momento dos anúncios, um dos
CORAGEM E membros de nossa igreja comparti-
lhou o testemunho de Amina. Então
DETERMINAÇÃO tomamos conhecimento de que
MISSIONÁRIA a chamada telefônica da semana
anterior havia sido do seu esposo.
DOS JOVENS, Ele estava bem. Nossas orações de
intercessão haviam sido respondi-
MUITOS LUGARES das. Pode ser que nunca mais veja-

DA JANELA 10/40 mos Amina, mas provavelmente


ela não se esqueça da oração que
AINDA NÃO encheu seu coração com a paz de
Deus. A semente foi plantada.
TERIAM PRESENÇA
JOVENS NA LINHA DE FRENTE
ADVENTISTA Somos um grupo singular em uma
cidade com mais de 5 milhões de
pessoas não evangelizadas. Há
poucos anos não havia nenhuma
igreja adventista na região. Tam-
bém somos uma minoria estatís-
tica na Igreja Adventista. Com 35
anos de idade, sou um dos mem-
bros mais velhos de minha con-
gregação. Nossos anciãos, líderes
de música, tesoureiros, oradores
e todos os que participam são, na
maioria, estudantes universitários
na faixa dos 20 anos.
Nossos membros podem ter
pouca idade, mas naquele dia
concluí que, se não fosse por
Estávamos realizando o culto no templo de aqueles jovens, hoje não haveria
uma igreja evangélica, que alguns meses antes igreja adventista nessa parte da
havia permitido que realizássemos nossas reu- janela 10/40. Consequentemente,
niões aos sábados, já que suas reuniões acon- Amina não teria encontrado em
teciam aos domingos. nossa comunidade a ajuda que
Amina acendeu sua vela antes do início do buscava.
culto, e foi convidada a ir à frente durante o A seara é verdadeiramente
momento de oração. Mesmo sem conhecer sua grande, mas os trabalhadores são
história, nosso pequeno grupo se ajoelhou ao poucos. Oremos para que o Senhor
redor dela, orando fervorosamente pelo que envie mais pessoas para os cam-
parecia ser uma grande necessidade. Enquanto pos não evangelizados. ]
pedíamos ao Senhor que a ajudasse e que desse
a ela Sua paz, lágrimas de gratidão rolavam INDIA HAYES, pseudônimo, é missionária
pela face de Amina. O culto continuou como no Oriente Médio e Norte da África

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 23
DEVOCIONAL

Três sinais
gráficos E
u gosto de cereal com leite de soja
sem açúcar e ponto final. Meu nome é
Werner Dullinger, sou pastor adven-
tista e tenho uma esposa e dois filhos.
Ponto final. Às quintas-feiras, meu
COMO AS EXPERIÊNCIAS DA VIDA SE supermercado abre às 9 horas e ponto final.
Todas essas afirmações são verdadeiras, mas
ASSEMELHAM AO PONTO FINAL, DE não estou tão ligado a elas, com exceção de
INTERROGAÇÃO E EXCLAMAÇÃO? minha esposa e filhos, a ponto de não mudar
de ideia nem hábito.
WERNER DULLINGER

24 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
Contudo, à medida que envelheço, em um acidente aéreo na Zâmbia,
percebo que os pontos de interroga- onde iria iniciar as negociações
ção se tornam mais frequentes. Bem para pôr fim a uma guerra civil
diferente de quando era mais jovem, Para viver nossa sangrenta. Em seu livro Markings,
e tinha respostas na ponta da língua e publicado postumamente em 1964,
certezas para quase tudo. Minha pers- ele expressou a seguinte ideia: “Não
pectiva era nitidamente dividida entre religiosidade com sei quem nem por que fez a per-
preto e branco. Porém, o aprendizado gunta; não sei quando ela foi feita.
da vida me mostrou que existem mui- Nem me lembro de ter respondido.
tas questões abertas. Isso fez com que satisfação é preciso Mas, em algum momento, respondi
algumas das explicações antigas já ‘sim’ a Alguém e, desse momento
não se encaixassem mais num jeito em diante, tive a certeza de que a
de pensar mais complexo, inclusive resgatar o que existência tinha significado e, por-
alguns aspectos da minha fé. tanto, minha vida de autorrenúncia
Não vejo isso como ruim nem amea- tinha um objetivo.”
çador. Posso viver com pontos de inter- inicialmente nos A vida é feita dessa descoberta:
rogação, mas não somente com eles. de identificar a questão para a qual,
Descobri também que a vida oferece do fundo do coração, podemos
algo mais. É aqui que entra em cena motivou dizer ‘sim’. É quase como estar
o ponto de exclamação, cuja função apaixonado e sentir aquele “frio-
valorizo cada vez mais à medida que zinho na barriga”. Você se lem-
o tempo passa. O ponto de exclama- bra das coisas loucas que fez por
ção no fim de uma sentença comunica amor? Como dirigir uma motoci-
mais emoção e conectividade do que cleta por quatro horas, debaixo de
o ponto final. Imagine dizer que a seleção do Se olharmos da perspectiva uma tempestade, só para ficar 60
seu país ganhou a Copa do Mundo de futebol de Deus, vamos perceber que nós minutos com ela?
ou que acabou de comprar um Porsche 911 sem somos o ponto de exclamação Penso que nenhum relaciona-
usar um sinal de exclamação! Você não gos- Dele. Nossa salvação e bem-estar mento pode sobreviver se perder
taria de transmitir somente informação, mas é o maior investimento do Pai que esse tipo de sentimento. Porém,
emoção. Por isso, digo que os pontos de excla- nos ama. Jesus demonstrou isso ao só é possível manter e aprofundar
mação dão mais sentido à minha vida, fazendo encarnar e pagar o imenso preço esse sentimento se você estiver
com que ela compense ser vivida. da nossa redenção (Fp 2:6-8). Nele sonhando seus próprios sonhos e
o Eterno enfrentou a morte para não os de outra pessoa. Por isso, se
O PONTO DE EXCLAMAÇÃO BÍBLICO que pudéssemos ter a vida eterna. você quer viver sua vida, religião
Na Bíblia há um ponto de exclamação. Ele não Cristo não apenas enfrentou e vocação com plena satisfação é
é um sinal gráfico e sim uma palavra. “Amém” é a morte, mas aceitou a cruz, um preciso resgatar o que o motivou
um termo hebraico que significa “ter certeza”. dos mais cruéis tipos de morte no início da caminhada.
Ele é usado em diferentes situações. As pes- da Sua época. Mesmo tendo esse Não importa se somos membros
soas costumam dizer “amém” quando aceitam sofrimento como destino, Jesus de igreja, professores, pastores ou
a validade de um juramento (Nm 5:22; Dt 27:15; manteve Seu plano de salvar este administradores com uma vida
Jr 11:5) ou quando respondem a uma bênção mundo rebelde e perseverou até cheia de compromissos. A ques-
(1Cr 16:36; Ne 8:6). No Novo Testamento, essa que Seu sonho se tornasse reali- tão é que essa reforma é neces-
palavra é frequentemente usada como a con- dade. É exatamente por causa da sária. Foi pela luz abrangente do
clusão de uma doxologia ou oração (1Co 14:16). segurança e da liberdade que o ato “sim” de Deus que Ele nos falou
A vida ganha sentido quando dizemos “amém” da cruz concede a todo aquele que por meio de Jesus, para que nós
a alguém ou para alguma causa. Precisamos de o aceita que cada filho redimido também pudéssemos responder
pelo menos um ponto de exclamação para dar tem as melhores condições para “sim” para Ele, sem medo nem
sentido à existência. Nas Escrituras, por exem- buscar o ponto de exclamação da reservas. O “sim” de Deus motiva
plo, vemos muitas pessoas que encontraram seu sua vida, a causa para a qual ele o nosso “sim” de autoentrega, em
ponto de exclamação e decidiram se comprome- possa dizer “amém”. busca de significado e propósito.
Foto: Luke Stackepoole

ter com algo maior do que elas mesmas (2Co 1:19 O diplomata sueco Dag Hammar- Portanto, diga “sim”! ]
e 20). Para elas, dizer “amém” para um chamado skjöld, a segunda pessoa a o
­ cupar
de Deus foi o equivalente a dizer “sim” ou pon- o cargo de secretário-geral das WERNER DULLINGER é presidente da Igreja
tuar sua resposta com um sinal de exclamação. Nações Unidas (1953-1961), morreu Adventista para a região sul da Alemanha

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 25
MINHA HISTÓRIA

O caminhão
de bombeiros
OS MÉDICOS MISSIONÁRIOS QUE CONSEGUIRAM
REALIZAR O SONHO DE SERVIR LONGE DE CASA

O
DICK DUERKSEN

̋
que você quer ser quando crescer?” – “Quero outra: um sonoro “sim”. Aquela
ser médico missionário adventista”, respondeu seria a primeira de muitas via-
Donald Miller. Esse sempre foi seu desejo e ele gens consecutivas para países da
dedicou a vida para alcançar esse objetivo. Mil- América Latina.
ler foi bem nos estudos; tão bem que foi aceito Miller era um piloto muito cui-
na Universidade de Loma Linda (EUA). Após dadoso, que tinha habilidade para
a graduação, recém-casados, ele e a esposa, pousar em qualquer lugar: estra-
Wilma, começaram a se planejar para a vida das de terra, pistas curtas e até
no campo missionário. “Realmente não importa para onde em aeroportos convencionais. Seu
vamos”, disse o doutor Miller. “Onde quer que Deus neces- avião estava sempre lotado com
site de nós, é lá que queremos estar.” médicos voluntários e caixas de
O casal iniciou sua carreira médica e começou a pagar o materiais e medicamentos. Sempre
financiamento que havia contratado para custear os estu- havia espaço para mais um vidro
dos. “Esse período foi muito difícil para papai e mamãe”, de remédio, um par de muletas ou
disse Gordon, filho deles. “Tudo que realmente queriam uma enfermeira ansiosa por servir.
era ser missionários além-mar, mas estavam presos ao tra-
balho missionário no seu próprio país.” VIAGEM PARA LONGE
Certo dia chegou o convite de um amigo de Miller, que O doutor Miller voou por 40 anos,
também era médico e piloto de avião, e que havia comprado liderando regularmente viagens
Foto: Thinkstock

uma pequena aeronave. O amigo dele precisava de ajuda missionárias e o atendimento


para uma viagem missionária de curta duração para o médico para moradores do alto
México. A resposta do doutor Miller não poderia ter sido das montanhas do México. “Porém,

26 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
nosso desejo ainda era servir como médicos missionários
num lugar longe dos Estados Unidos”, lembra-se Wilma.
Ela conta que eles se aposentaram mais cedo para fazer
isso como voluntários onde Deus indicasse. DEPOIS DE APOSENTADOS,
Logo após a aposentadoria eles iniciaram o tão sonhado
trabalho humanitário além-mar, atuando principalmente DONALD E WILMA MILLER
SERVIRAM EM CAMPOS DE
no sudeste da Ásia. “Viajamos muitas vezes ao Camboja e
servimos em campos de refugiados. Essas eram as melhores
viagens”, disse Wilma. “Tratamos fraturas e distribuímos
remédios, alimentos e abraços para as crianças. Muitas delas
REFUGIADOS NO CAMBOJA
eram órfãs... Como não podíamos dar um lar amoroso para ATENDENDO CRIANÇAS
elas, nos esforçamos para que tivessem a melhor assistên-
cia médica do mundo”. “Papai sempre carregava balas de
hortelã nos bolsos e as crianças logo passaram a chamá-lo
de, ‘doutor Bala’, revela o filho dele, Gordon.
Certo dia, os guardas do campo de refugiados chama-
ram o doutror Miller, pedindo que ele atendesse uma emer-
gência com duas crianças cambojanas: uma menina e seu motorista. “Você morava em algum
irmão mais novo. “Apesar de estar com a perna fraturada, dos campos de refugiados?”, conti-
a menina caminhou por vários dias até ter a certeza de nuou ela. “Sim, minha irmã mais
que seu irmãozinho estaria em segurança”, conta Wilma, velha foi adotada por uma família
esposa de Miller. francesa, mas minha outra irmã e
Aquela garotinha magrinha e seu irmãozinho ainda eu ficamos perdidos nos campos
menor conquistaram o casal de médicos. A garota havia por vários anos até que finalmente
sido espancada e sua perna estava destroçada. Seu irmão- ela nos encontrou.”
zinho estava aterrorizado, com medo de tudo e de todos. A Wilma procurou no fundo de
fim de restaurar a perna da garotinha, o doutor Miller usou sua bolsa e encontrou uma foto
peças quebradas de um carro para tensionar a região afetada amassada. Ela mostrou a ima-
e colar corretamente seus ossos. Durante esse período de gem ansiosamente ao motorista.
recuperação, o irmãozinho dormiu embaixo do berço dela. “Você conheceu esse homem?
Dias depois, o “doutor Bala” deu ao garotinho um cami- Ele é meu esposo, e trabalhamos
nhãozinho vermelho de bombeiros. O presente era simples, juntos com os refugiados. Ele era
mas carregado de amor. O menino o apertou contra o peito médico. Um bom médico”, deta-
e, em seguida, voltou para debaixo da cama da irmã. Algu- lhou a passageira.
mas semanas mais tarde, o casal Miller retornou para os O motorista observou a foto,
Estados Unidos. dirigiu o carro para o acostamento,
parou e tirou um pacotinho de
MUITO TEMPO DEPOIS debaixo do seu assento. “Sim,
Pensando em dar ao pai um “presente perfeito”, Gordon conheci o doutor Miller”, disse o
Miller, agora um médico também, disse aos pais que os taxista cambojano, desenrolando
levaria para assistir ao Show do Ar, em Paris, na França. o pacote e mostrando para que
Extravagante? Talvez. Mas ver as centenas de aviões nessa Wilma pudesse vê-lo. “O doutor
apresentação sempre fora um grande sonho do velho piloto- Miller era meu amigo. Ele me deu
doutor. Miller aceitou a oferta do filho e começou a fazer esperança.” Na mão do motorista
os planos. No entanto, pouco antes da viagem, ele teve um estava um caminhãozinho ver-
ataque cardíaco e morreu. melho de bombeiro, bem usado.
Wilma não mais quis ir ao show em Paris, não sem o “Muitas vezes me questionei
esposo! “Nós precisamos ir, mãen”, insistia Gordon. “Papai se nossa vida havia sido útil para
estava ansioso por essa viagem, e mesmo não estando alguém”, diz Wilma Miller. “Então,
conosco, teria gostado que você fosse”, argumentou o filho. Deus me levou a Paris e me mos-
Ao saírem do aeroporto, em Paris, a memória que Wilma trou um caminhãozinho de bom-
guardava do Camboja determinou sua escolha do táxi. beiro. Acho que fizemos o que Deus
“Papai teria escolhido um motorista de táxi asiático”, gostaria que fizéssemos.” ]
disse Wilma a Gordon, apontando para um jovem em pé ao
lado de um carro. “Onde você foi criado?”, Wilma perguntou DICK DUERKSEN é pastor e mora em Portland,
quando já estavam dentro do carro. “Camboja”, respondeu o Oregon (EUA)

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 27
VISÃO GLOBAL

V
ocê confere a seguir o
resumo da primeira parte
da palestra apresentada

Unidade e
pelo pastor Ted Wilson
na conferência de líderes
da sede mundial da igreja,
em Lisboa, Portugal, em
6 de fevereiro de 2018. Foram mantidos ele-

autoridade
mentos do estilo oral.
Que privilégio poder colocar nossa atenção
nesta conferência de liderança naquele que é o
único desejo de Jesus, segundo João 17: a uni-
dade de Sua igreja em torno do propósito da

da igreja
missão. O tema “A necessidade espiritual de
unidade da igreja e a autoridade bíblica para
cumprir a missão de Deus” é uma forte lem-
brança de que a vontade de Cristo é que Sua
igreja seja unida, assim como Ele e o Pai são um.
Esse senso de unidade emanando da Trin-
dade é impressionante. O Pai, o Filho e o Espí-

SUBMISSÃO À PALAVRA DE DEUS


rito Santo sempre estão unidos e realizando
seu trabalho juntos, sem nenhuma diferença

E HUMILDADE NO TRATO COM O


de opinião: Eles são Um. Estavam unidos na
criação (Gn 1:26); no batismo de Cristo (Mt 3:16-

SEMELHANTE SÃO O CAMINHO PARA


17); no Monte da Transfiguração (Mt 17:5); na
cruz (Mt 27:50-54); e assim por diante. As três

OS ADVENTISTAS SE UNIREM
Pessoas da Trindade sempre estão unidas nas
Foto: GV Olsen

decisões que tomam.


É por isso que a vontade de Deus para Sua
TED WILSON igreja é que ela esteja em harmonia com a

28 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
vontade e direção Dele. Salmo 133 comparti- identificar as instruções de Deus. No fim, a humil-
lha essa esperança com o povo de Deus: “Como dade é a grande chave para a unidade.
é bom e agradável viverem unidos os irmãos! A Santa Palavra de Deus nos lembra: “Sem
[...] É como o orvalho do Hermom, que desce mais, irmãos, despeço-me de vocês! Procurem
sobre os montes de Sião. Ali ordena o Senhor aperfeiçoar-se, exortem-se mutuamente, tenham
a Sua bênção e a vida para sempre” (v. 1 e 3). um só pensamento, vivam em paz. E o Deus de
amor e paz estará com vocês” (2Co 13:11, NVI).
O DESEJO DE DEUS Como é importante “ter um só pensamento”!
Deus, falando por meio de Davi, expressou Seu Essa mensagem também é reforçada em Fili-
enorme desejo de que o povo Dele seja unido. penses 2:2-4. Paulo escreveu: “completem a
Essa unidade não é mera manifestação sim- minha alegria, tendo o mesmo modo de pen-
bólica de “companheirismo”, mas uma verda- sar, o mesmo amor, um só espírito e uma só
deira fusão de propósito, missão e dever que atitude. Nada façam por ambição egoísta ou
vem somente se estivermos concentrados na por vaidade, mas humildemente considerem
vontade de Deus. E sempre que nos afastarmos os outros superiores a si mesmos. Cada um
desta fórmula, nossa “unidade” estará incom- cuide, não somente dos seus interesses, mas
pleta e se tornará desunião. também dos interesses dos outros.”
Só podemos alcançar verdadeira unidade Ter o “mesmo modo de pensar” ou “estar em
se, humildemente, nos submetermos às instru- acordo” é uma qualidade daqueles que manifes-
ções de Deus dadas por meio da Bíblia e dos tam “humildade de mente”, a submis-
escritos inspirados de Ellen G. White. Quando são tão necessária às decisões tomadas
lançamos mão da oração e do estudo das Escri- pelo corpo da igreja. É claro que só
turas, Deus abre as portas para que as discus-
sões tenham a direção do Céu, ajudando assim
HUMILDADE É A podemos ter essa humildade quando
aceitamos o espírito de Cristo (Fp 2:5).
Sua igreja a descobrir como avançar no maior
desafio confiado aos seres humanos que vivem
GRANDE CHAVE Essa foi a prática da igreja cristã
primitiva. Agindo com seriedade e
no tempo do fim: proclamar Cristo e Suas três
mensagens angélicas. PARA A UNIDADE humildade de espírito, os primeiros
cristãos permitiram que o Espírito
Ellen G. White declarou: “Em sentido espe- Santo tomasse controle total deles.
cial os adventistas do sétimo dia foram postos O resultado dessa postura pode ser
no mundo como vigias e portadores de luz. verificada em Atos 2:46: “Diariamente
A eles foi confiada a derradeira mensagem perseveravam unânimes no templo, partiam
de advertência a um mundo a perecer. Sobre pão de casa em casa e tomavam suas refeições
eles incidiu a maravilhosa luz da Palavra de com alegria e singeleza de coração.”
Deus. Foram incumbidos de uma obra da mais Devido à sua dedicação a Deus, humildade
solene importância: a proclamação da pri- e simplicidade de coração, eles viviam em
meira, segunda e terceira mensagens angélicas. comum acordo. Esse é o resultado da verdadeira
Nenhuma obra há de tão grande importância. submissão a Deus e assim será Sua igreja ao
Eles não devem permitir que nenhuma outra terminar a grande proclamação das três men-
coisa lhes absorva a atenção” (Testemunhos sagens angélicas.
Para a Igreja, v. 9, p. 19). O Manual da Igreja tem alguns conselhos
preciosos a respeito da unidade. Na página 61,
NOSSA MAIOR NECESSIDADE por exemplo, os adventistas são aconselhados a
Nossa maior necessidade é nos aquietar e conhe- “fazer todo o esforço para evitar tendências que
cer nosso Deus e Sua vontade. Muitas vezes, em os dividam e tragam desonra à sua causa. [...] A
nossas tentativas de realizar o que, em nosso igreja deve desencorajar as ações que prejudi-
conceito, é o que Deus deseja de nós, falhamos quem a harmonia entre seus membros e deve
em atentar para o conselho Dele: “Aquietai-vos estimular consistentemente a unidade”. Isso
e sabei que Eu sou Deus” (Sl 46:10). é possível quando a Palavra de Deus é priori-
Ao tentar encontrar nosso próprio caminho zada e a humildade da igreja cristã primitiva
para a unidade, sem nos aquietarmos e ouvirmos a é experimentada em nossos dias. ]
direção de Deus, acabamos provocando desordem
e disfunção. No processo de descobrir a vontade TED WILSON é presidente mundial da Igreja Adventista.
de Deus, devemos ter submissão a Ele e Sua Pala- Você pode acompanhar o líder por meio das redes sociais:
vra, respeito pela organização da igreja que Ele Twitter (@pastortedwilson) e Facebook (fb.com.br/
estabeleceu e humildade para nos aquietarmos e pastortedwilson)

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 29
NOVA GERAÇÃO

O PODER
DA ENTREGA
O
céu escureceu quase que
instantaneamente. Os
últimos raios alaranjados A CONFIANÇA EM DEUS NOS AJUDA A ENXERGAR BELEZA NA
do sol desapareceram TEMPESTADE E SIGNIFICADO EM MEIO AO CAOS
atrás de nuvens cinzas
gigantes. Os ventos gelados e a chuva BEERSHEBA MAYWALD
forçaram os 20 jovens viajantes a se
juntarem em busca de calor. Nossos
pequenos barcos balançavam perdi-
dos na percussão rítmica das ondas.
Fazendo seu melhor para navegar no
escuro, os barqueiros se dirigiram do tufão num culto com voluntários do
diretamente para o porto. ministério GROW. Em uma colina,
Poucas semanas antes daquela tem- com vista para o lago Taal, falamos
pestade, o entusiasmo enchia o ar sobre entrega a Deus. Aquele grupo
enquanto planejávamos a viagem para de jovens profissionais, que costu-
Palawan. Essa ilha é uma das maiores mava planejar e ter tudo sob controle,
das Filipinas e conhecida por ser um estava refletindo a respeito do poder
paraíso de areias brancas, água azul- da renúncia. Enquanto ouvia os tes-
turquesa e por oferecer ótimas condi- temunhos, compreendi a razão pela
ções para o mergulho. Era uma mara- qual render-se a Deus é tão impor-
vilhosa maneira de escapar do estresse tante e me uni a eles naquela jornada
da vida acadêmica. de renúncia.
Com tudo pago, partimos em ora- Por algum motivo me lembrei de
ção e com muitas expectativas. Porém, nossa viagem a Palawan. Sentimos a
naquele momento, em vez de apreciar direção e proteção de Deus desde o
os penhascos de pedra calcária e mer- início do percurso, apesar do pneu
gulhar nas lagoas cor de jade, estáva- furado, da espera de três horas na
mos indo contra um tufão que havia estrada, do dia chuvoso e das águas
surgido sem o menor alarme. revoltas. Ainda assim conseguimos ver beleza no céu que escurecia, sen-
Poucos sábados mais tarde, pude timos paz no mar agitado e esperança em apenas um raio dourado do sol.
compartilhar essa experiência diante O tufão poderia ter varrido nossos sonhos e esperanças, mas não
conseguiria abalar nossa fé em Deus. Além disso, ter vivido aquela
­experiência com outros amigos fortaleceu nossos vínculos e criou um
novo sistema de apoio. Quando olho para trás, percebo que só quando
AQUELE TUFÃO QUE nos entregamos é que vemos a beleza da tempestade. Na entrega, encon-
tramos significado e propósito em meio ao caos. É fato que ninguém
ENFRENTAMOS NAS FILIPINAS gosta de se submeter; porém, é preciso.

PODERIA TER VARRIDO NOSSOS


A vida do rei Davi nos ensina sobre entrega. Por ter sido ungido para
ocupar o trono de Israel, ele facilmente poderia ter tomado o lugar de Saul.
SONHOS, MAS NÃO CONSEGUIRIA Contudo, ele esperou o tempo de Deus. Davi acreditava que o Senhor
estava trabalhando por ele e por meio dele. No silêncio e na entrega, ele
ABALAR NOSSA FÉ experimentou paz ao confiar no Deus vivo (Sl 16:11). Quero isso para
Foto: Arquivo pessoal

mim também! ]

BEERSHEBA MAYWALD, natural de Tamil Nadu, na Índia, ela cursa mestrado em religião e
Novo Testamento no Instituto Internacional Adventista de Estudos Avançados, nas Filipinas

30 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
PRIMEIROS PASSOS

que moravam naquele lugar, na


verdade, eram falsificadores de
dinheiro...
Um dos criminosos foi revis-
tar o lugar em que José estava
dormindo e encontrou ali a mala
do vendedor. Abriu-a, tirou uma
Bíblia e murmurou: “O que é isso?”
Desapontado, remexeu outra vez
e encontrou outra Bíblia. Con-
fuso, tentou outras três vezes, e
não encontrou nada mais além
de Bíblias. “Esse homem deve ser

JOSÉ DESCOBRE
santo para carregar tantas Bíblias”,
pensou o falsificador. Cuidadosa-
mente, ele recolocou aqueles exem-

A VERDADE
plares na mala e voltou para sua
oficina clandestina.
Com as mãos atadas, José ouviu
os três homens cochichando entre
HAVIA MAIS DO QUE ASSOMBRAÇÃO EM UMA CASA si. “Estivemos conversando”, disse
ABANDONADA NUMA FLORESTA DA RÚSSIA o criminoso mais alto, “e achamos
que você deve ser um homem excep-
WILONA KARIMABADI cionalmente bom”. Ele pausou e
continuou: “Decidimos que você
não vai ser morto se prometer não

J
contar a ninguém o que viu aqui.”
osé ouviu o som de passos subindo a escada. Na verdade, José não tinha visto
Cansado por ter trabalhado o dia inteiro ven- muita coisa; por isso, deu sua pala-
dendo Bíblias, ele havia encontrado abrigo vra que manteria silêncio. Somente
para passar a noite naquela casa abandonada, muitos anos mais tarde e a milha-
no meio de uma floresta na Rússia. Porém, alguns barulhos res de quilômetros daquela velha
estranhos e coisas esquisitas o estavam mantendo acordado. cabana foi que José se sentiu livre
Quando olhou de um canto da sala no andar de cima em para contar a história. Naquela
direção à escada, apareceu-lhe uma figura branca, seme- noite, de um modo muito surpreen-
lhante a um fantasma. “Vem comigo”, chamou a figura. dente, a Bíblia, a poderosa espada
Como não acreditava em fantasmas, José resolveu des- da verdade (Ef 6:17; Hb 4:12), aju-
cobrir a verdade. Quando ele pulou da cama para verifi- dou a libertar José (Jo 8:32). ]
car o que era aquilo, a figura desceu a escada rapidamente.
No fim da escada, ele estendeu a mão para agarrar aquele Fonte: “The Haunted House”, em Junior
vulto, mas, de repente, o chão se abriu e José sentiu-se no Guide, de 13 de agosto de 1958, p. 12.
ar, em queda livre. Era um alçapão!
No porão havia mais dois homens. Eles pegaram José WILONA KARIMBADI é editora-assistente
e amarraram suas mãos. Enquanto o vendedor de Bíblias da Adventist World
ficou ali sentado, sem saber o
que fazer, a figura estranha se
levantou e tirou uma corrente
pendurada no ombro. Quando
o lençol branco foi removido, Num mundo com tantas vozes e fontes de informação é difícil
José descobriu que debaixo
encontrar a verdade. Porém, você pode sempre contar com a
Ilustração: AW Joseph

dele havia um homem grande.


Olhando ao redor, ele perce- Bíblia para o afastar das mentiras e o aproximar da verdade.
beu que havia uma pequena
impressora. Os “fantasmas” É ela que desmascara Satanás, o pai do engano (Jo 8:44)

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 31
para tudo Existe
MKT CPB | Fotolia

uma saida

WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora
PERSPECTIVA

CRIATIVOS
e semelhança de Deus, e Ele nos “plena capacidade artística”
doou geneticamente Sua capaci- (Êx 31:3), podemos realizar grandes
dade criativa. coisas com tinta sobre uma tela, por

COMO O
A frase “para ver como este os meio da lente de uma câmara, ou
chamaria” nos diz muito sobre a ainda com sons, palavras e ideias.
natureza de Deus e do ser humano Ele nos concede oportunidades

CRIADOR
criado à Sua imagem. Deus deu para ver quão intencionalmente
liberdade para que a escolha de usamos esse espírito criativo a fim
Adão quanto ao nome dos animais de servir aos outros e honrá-Lo.
fosse definitiva. Isso nos mostra Como resultado, quanto mais
A CRIATIVIDADE É UM DOM que Ele está mais disposto a fazer exercitamos nosso espírito cria-
DE DEUS E DEVE SER USADA PARA uma parceria conosco e ver Sua tivo de maneira positiva e res-
HONRÁ-LO E ABENÇOAR O MUNDO criatividade fluir por meio de nós ponsável, melhor manifestamos o
do que controlar todo o processo a propósito do Criador para a huma-
TERRY BENEDICT fim de que o resultado seja perfeito. nidade. A inspiração por meio da
O Criador dotou cada um com arte é fundamental no plantio de
facetas diferentes do Seu espírito sementes que transformam, enri-

R
ecentemente apresentei criativo, a fim de que realizemos quecem e salvam vidas. Ela nos
uma série de seminá- propósitos específicos. Como em ajuda a compreender, por exem-
rios sobre como descobrir um prisma, Sua luz branca passa plo, a importância de colaborar
seus dons e propósito. através de nós, resultando em para que crianças descubram e
Sempre me impressiona uma cor singular. Dotados com desenvolvam seus dons a fim de
o fato de que, após essas palestras, dois ocuparem o lugar certo na missão
grupos distintos de pessoas me procu- de Deus e promoverem o cresci-
ram para conversar: os que agradecem mento de Seu reino.
por alguém finalmente reconhecer que Nossa tarefa é liderar pelo exem-
a criatividade é um dom de Deus, e os DEUS PREFERE FAZER plo, causando um impacto positivo
que estão em conflito, pois desejam
saber como descobrir seus dons, pai-
UMA PARCERIA CONOSCO na vida dos artistas, ao incentivar,
inspirar e levá-los a usar os talen-
xão e propósito. E VER SUA CRIATIVIDADE tos que receberam do Criador no
A realidade é que essa “receita” é serviço de sua comunidade local
simples. Quando voltamos para Gêne- FLUIR POR MEIO DE NÓS e da humanidade em nível global.
sis, vemos que a primeira tarefa con-
fiada por Deus a Adão exigiu criativi-
A CONTROLAR TODO O No próximo Dia Mundial da Arte,
15 de abril, lembre-se disso! ]
dade: dar nome aos animais (Gn 2:19). PROCESSO A FIM DE QUE O
É curioso notar que a criatividade de
Foto: Ahmad Dirini

TERRY BENEDICT foi o produtor do filme


Deus não acabou quando Ele terminou RESULTADO SEJA PERFEITO Até o Último Homem, longa-metragem
a criação do mundo, mas ela fluiu por que conta a história do não combatente
meio de Adão. Fomos criados à imagem adventista Desmond Doss

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 33
MKT CPB | Fotolia
Conheça histórias de pessoas que foram protegidas por Deus em meio à guerra

WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora
BEM-ESTAR

AQUELE QUE VIVE SEM CONHECER O


FUNCIONAMENTO DO PRÓPRIO CORPO
E DAS LEIS QUE GOVERNAM SUA
SAÚDE É COMO UM BARCO À DERIVA
NO MAR

Todos precisamos ser vigilantes e


cuidadosos com relação à confiabili-
dade das informações sobre saúde que

MAIS DETALHES
consumimos e compartilhamos. Isso
inclui, por exemplo, evitar passar para
frente dados que não foram confirma-
dos ou ignorar conselhos inspirados
ou evidências científicas que não nos
NEM SEMPRE É POSSÍVEL ESMIUÇAR OS ASSUNTOS AQUI ABORDADOS são convenientes. Como igreja, deve-
SOBRE SAÚDE, MAS PROCURAMOS PREZAR POR INFORMAÇÕES mos “manejar bem a Palavra da ver-
CONFIÁVEIS QUE ORIENTEM NOSSOS LEITORES dade”, seja ela bíblica ou científica,
conscientes de que o conhecimento
PETER N. LANDLESS E ZENO L. CHARLES-MARCEL humano é progressivo.
Alguns nos perguntam também
por que enfatizamos a relação entre

D
esde que foi criada, se não poderíamos ter dado mais o mecanismo das doenças e o estilo
em 2006, esta coluna detalhes numa matéria ou outra. de vida. Ellen White orientou que é
sobre saúde da Nem sempre é fácil priorizar os pon- necessário haver um “conhecimento
Adventist World tem tos mais importantes de cada tema, prático da ciência da vida humana”.
o propósito de ofe- mas é o que temos tentado fazer. Por isso, ela aconselhou que o ensino
recer conteúdo informativo, res- Quanto à escolha dos temas, bem da fisiologia para as crianças deveria
ponsável, atual e claro. Ao longo como sua abordagem, nossa coluna ser uma prioridade. Para a pioneira
do tempo, ela recebeu nomes dife- segue as diretrizes de trabalho adventista, viver sem ter noção do fun-
rentes; porém, devido à integração, da sede mundial da Igreja Adven- cionamento do corpo, bem como das
neste ano, com a Revista Adven- tista, as quais nos orientam a liderar leis naturais que regem o organismo,
tista, a coluna passou a ser cha- o Ministério de Saúde da denomi- é tão desastroso como um barco que
mada de “Bem-estar”. Por meio nação com base na Bíblia, nos escri- fica à deriva no mar (Conselhos Sobre
deste espaço, procuramos trans- tos de Ellen White e nas evidências Saúde, p. 38).
mitir informações úteis e preci- científicas no campo da saúde, apli- O ponto é que temos uma âncora,
sas, respondendo a perguntas de cadas de acordo com a cosmovisão um leme e uma bússola confiáveis.
­leitores ou abordando assuntos bíblica-cristã (Working Policy of the Aquilo que Deus nos revelou ­continua
relevantes e mais abrangentes. General Conference of Seventh-day a ser confirmado pelos estudos na área
Nesse processo, muitas vezes é Adventists, 2016, p. 355-369). de saúde. Isso apenas nos lembra que
necessário usar alguns termos téc- É importante ressaltar que Ele é fiel, e nós devemos segui-Lo com
nicos. Contudo, procuramos sem- partimos de fontes seguras, pois confiança. ]
pre tornar a linguagem acessível a internet hoje torna disponí-
ao público em geral e dentro do vel muita informação, mas tam- PETER LANDLESS é cardiologista e diretor
Foto: Garrett Sears

limite de 500 palavras. É exata- bém desinformação sobre saúde. do Ministério da Saúde da sede mundial
mente por causa dessas limitações ­Lembre-se de que, se alguma coisa adventista em Silver Spring, Maryland (EUA);
que vários leitores e especialistas soa muito boa para ser verdade, ZENO CHARLES-MARCEL é clínico geral e diretor
na área de saúde nos questionam provavelmente não seja verdade! associado desse mesmo ministério

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 35
BOA PERGUNTA

isso, a vontade Dele deve ser respeitada.


Mesmo a agonia da cruz e a própria
morte não poderiam quebrar o relacio-
namento filial de Cristo com Seu Pai.
Em resumo, quando Jesus usou o
termo aramaico Abba, Ele destacou
que Seu relacionamento com o Pai era
de tamanha dependência que estava
disposto a se submeter a Deus. Como
Filho de Deus, Cristo era a melhor pes-
soa para revelar que Seu Pai realmente
Se importava com os pecadores, a ponto
de acompanhá-Lo na cruz.

2. REDENÇÃO E CAPACITAÇÃO
As duas outras passagens em que o termo

SUBMISSÃO AO PAI
ocorre (Gl 4:6 e Rm 8:15) indicam que
chamar Deus de “Abba, Pai” se tornou
significativo para os primeiros cristãos.
Paulo usou essa expressão quando escre-
É VERDADE QUE A PALAVRA ABBA NO NOVO veu para as igrejas que falavam grego. O
TESTAMENTO SIGNIFICA “PAPAI”? termo era importante, pois enfatizava a
figura de um Deus amoroso, que busca
ÁNGEL MANUEL RODRÍGUEZ adotar pecadores em Sua família.
O apóstolo explica que, por meio
do Espírito, recebido no batismo, os
sado três vezes no Novo Testamento (Mc 14:36; Rm 8:15; crentes são capacitados a se submeter

U
Gl 4:6), o termo abba não tem o sentido de “papai”. Abba a Deus e a chamá-Lo de “Abba, Pai”.
é a transliteração da expressão aramaica que significa Essa nova condição possibilita que os
“o pai”. Era usado por crianças e adultos para se refe- cristãos formem uma família cujo Pai
rir ao chefe da família, demonstrando assim uma liga- é alguém que ama profundamente a
ção profunda com ele. O termo aramaico é utilizado geralmente como humanidade.
um vocativo (“o pai”), mas também assume a forma enfática (“pai”). Em Gálatas, Paulo enfatizou a filia-
No livro de Marcos, o termo é traduzido para o grego como ho pater, ção dos crentes com base na obra
“o Pai”, sugerindo que a expressão aramaica abba era tão importante a redentora de Jesus, enquanto que em
ponto de ser empregada mesmo nas orações faladas em grego. Para que Romanos o destaque é para o fato de
o sentido teológico dessa expressão fique mais claro, é preciso analisar que a adoção nos capacita a ser guia-
brevemente suas três ocorrências. dos pelo Espírito Santo. Sendo assim,
o termo Abba nos lembra de que Deus
1. INTIMIDADE E OBEDIÊNCIA Se importa conosco, nos sustenta e é
No Antigo Testamento, o termo “Pai” era usado para se referir a Deus, digno de confiança. E, se somos Seus
enquanto o povo de Israel era identificado como filho Dele. Porém, a expres- filhos, temos uma herança eterna. ]
são em si normalmente não era aplicada para Deus, nem mesmo o termo
abba parece ter sido comumente usado pelos judeus para se referir a Ele. ÁNGEL MANUEL RODRÍGUEZ, pastor, professor
No caso de Jesus, encontramos um ser humano Se apropriando do título e teólogo aposentado, foi diretor do Instituto de
“Filho”, chamando Deus de “Abba, Pai” e ensinando os discípulos a fazer Pesquisa Bíblica da sede mundial da igreja
o mesmo (Mt 6:9). O termo aramaico também aparece
na oração agonizante de Jesus no Getsêmani (Mc 14:36).
Portanto, essa expressão enfatiza intimidade e mostra
que Jesus via Deus como Seu Pai, e vice-versa (Mc 1:11). JESUS MOSTROU QUE SEU RELACIONAMENTO
O texto transmite pelo menos duas ideias princi-
pais. Primeiro, Deus é um Pai cuidadoso e poderoso COM O PAI ERA DE TAMANHA DEPENDÊNCIA QUE
o suficiente para livrar Seu Filho de qualquer situa- ELE ESTAVA DISPOSTO A SE SUBMETER A DEUS
Foto: Fotolia

ção. Segundo, esse Pai é sábio o bastante para fazer o


melhor por Seu Filho e pelos que Ele representa. Por

36 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
RETRATOS

Adventistas, governantes e líderes


comunitários se reuniram em Tatalea,
no Egito, para reinaugurar o segundo
templo adventista mais antigo do país,
que foi recentemente reformado

Fotografia: Samuel Britton

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 37
Peçam e receberão

MKT CPB | Fotolia


Viva essa experiência você também

Mensagens específicas O que tornou certas Conheça a história


para as profissionais mulheres tão singulares? Não emocionante de
de diversas áreas, as importavam as circunstâncias, uma jovem cristã
líderes que atuam na Deus tinha um plano para que se apegou à sua
igreja, as jovens e as elas. Cada uma era preciosa fé em Jesus Cristo
mães. O livro também aos Seus olhos. Experimente em resposta ao
apresenta dicas de você também o poder e a abuso físico e mental
beleza e de como se graça de Deus. causado por um
relacionar com os marido muçulmano.
vizinhos ou colegas
de trabalho.

WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora
LIBERDADE RELIGIOSA

Denmark Valmores (à esq.): sua fidelidade


à guarda do sábado se tornou um exemplo
de fé na sociedade filipina e um caso
emblemático para os tribunais

Valmores vinha enfrentando problemas


para ter acesso à prestação de ativida-
des em horários alternativos.
O problema começou em 2014,
quando algumas de suas aulas e exa-
mes foram transferidos para o sábado.
Por perder uma das provas, o estudante
adventista chegou a ser reprovado numa
das matérias. Buscando uma solução
pacífica, ele dialogou com professores
e o diretor da Faculdade de Medicina,
DECISÃO e fez vários pedidos formais à universidade solicitando a
realização de um exame especial. Além disso, encaminhou

HISTÓRICA seu certificado de membro da Igreja Adventista, assinado


pelo diretor do departamento de Relações Públicas e Liber-
O estudante adventista de Medicina das dade Religiosa da sede administrativa adventista local.
Filipinas que obteve na mais alta corte Apesar de todas essas tentativas, o estudante não obteve
do país o direito de realizar prestação resposta positiva.
alternativa O passo seguinte foi buscar a assistência da Comissão de
Educação Superior. Depois de analisar o caso, o órgão fede-
EQUIPE DA DIVISÃO DO PACÍFICO SUL- ral emitiu um parecer que foi encaminhado ao presidente da
ASIÁTICO E ADVENTIST REVIEW universidade. Por sua vez, ele repassou o documento para
o diretor da Faculdade de Medicina e a um representante
do corpo docente. Mesmo assim, não foi tomada nenhuma
providência para solucionar o caso. Esse silêncio levou
ão é apenas no Brasil que os estu- Denmark a buscar ajuda nos tribunais.

N
dantes que guardam o sábado Quatro anos depois de entrar com a ação judicial,
enfrentam dificuldades para o Supremo Tribunal Federal das Filipinas tomou decisão
realizar provas e outras ativida- favorável ao estudante adventista, declarando que “as ins-
des acadêmicas em horário alter- tituições educacionais estão obrigadas a salvaguardar a
nativo. À semelhança do que acontece aqui, liberdade religiosa de seus alunos” e que, para isso, devem
muitos países também não têm leis federais adequar suas atividades caso elas entrem em conflito com
específicas nessa área, o que dá margem para o direito de crença garantido pela Carta Magna.
que as instituições de ensino interpretem de A decisão histórica, que repercutiu nacionalmente, gerou
Foto: Southern Asia-Pacific Division News

diferentes maneiras esse tipo de caso. uma importante jurisprudência no arquipélago do Pacífico
Recentemente, o dilema de um estudante da Sul. “O caso de Denmark Valmores provavelmente venha
Escola de Medicina da Universidade Estadual a ser discutido nas escolas de Direito. Como resultado, a
Mindanao foi parar na mais alta corte das Fili- próxima geração de advogados estará informada sobre o
pinas. Embora a Constituição do país garanta a que é a guarda do sábado”, afirma Neil Abayon, advogado
liberdade religiosa e o arquipélago esteja entre do estudante adventista. Ele também acredita que a deci-
os países com os menores índices de restrições são solidifica a identidade dos adventistas como um povo
governamentais ao direito de crença, Denmark que observa o sábado como dia sagrado. ]

R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018 39
MISSÃO

Em Vitória (ES), voluntários distribuíram


frutas gratuitamente numa feira de produtos
orgânicos e oraram com quem foi presenteado

do livro missionário. Na capital do


Espírito Santo, a criatividade dos
jovens adventistas chamou a atenção
de quem passou pela feira de produtos
orgânicos do bairro Jardim da Penha.
Na “Barraca das Gentilezas”, eles dis-
tribuíram frutas gratuitamente para
pessoas que se dispusessem a praticar
ações de solidariedade e compaixão.
Outras iniciativas também marca-
ram a data. Em Recife (PE), mais de
3 mil jovens distribuíram água de coco,
ALÉM DO PÃO E DA ÁGUA garrafas de água mineral e rosas para
mulheres no Parque Dona Lindu, no
Voluntários de todo o mundo dedicaram 24 horas para saciar bairro de Boa Viagem. Já em Salvador
a fome e a sede de milhares de pessoas. Mas a intenção é que o (BA), o destaque foi a distribuição de
espírito do Global Youth Day não se limite a uma data sopa, mingau e pão em comunidades
carentes. Moradores de Catu, na região
MARCOS PASEGGI metropolitana, igualmente foram sur-
preendidos com um desjejum prepa-
rado pelos voluntários. Houve ainda
uas das necessidades humanas mais básicas se tornaram a a distribuição de protetor solar e água

D força motriz por trás de um dia sem precedentes de envol-


vimento da juventude adventista com a comunidade. Da
Austrália à Argentina e da Índia à Islândia, um exército de
em praias do litoral.
Em outros lugares, os voluntários
foram além. Por exemplo, no Zimbábue
voluntários distribuiu refeições e água potável, além de livros, abraços, (África) eles ajudaram a melhorar as
orações e músicas nas ruas, orfanatos e asilos durante o Global Youth condições de saneamento básico de uma
Day (Dia Mundial do Jovem), celebrado no sábado 17 de março. comunidade. Já no Sri Lanka, foram
distribuídos purificadores de água.
A data instituída em 2013 tem Adventista Paranaense (IAP), loca- A proposta é que no próximo ano
ganhado força a cada ano. Os núme- lizado em Ivatuba (PR), que visita- os esforços sejam direcionados para
ros deste ano ainda não estavam ram uma casa de recuperação de o ministério das prisões. A ideia é
disponíveis até o fechamento da dependentes químicos e a Casa que eles “adotem” um detento. No
edição. Mas na comparação entre da Gestante de Maringá no dia 17 de entanto, diferentemente dos anos
2013 e 2017 é possível perceber março, mas pretendem continuar anteriores, eles serão desafiados a
que houve um salto considerável realizando diversas ações para começar o trabalho no início do ano.
no engajamento. Se no primeiro impactar as comunidades ao redor Os líderes também esperam colocar
ano foram registrados 52 projetos da instituição. uma ênfase mais forte na Semana de
em 78 cidades de 21 países, no ano Neste ano, a maioria das ações Oração Jovem, que nos últimos anos
passado foram 16,6 mil projetos em não teve que ver com doação de foi lançada no sábado do GYD. “Que-
412 cidades de 124 países. sangue, embora também tenha remos encorajar pelo menos 100 mil
No entanto, a intenção da lide- incluído esse gesto de solidarie- igrejas locais a realizar a programação.
rança da igreja é fazer com que o dade. A principal ênfase foi a dis- Será um impulso evangelístico para
espírito do Global Youth Day não se tribuição de alimento e água. Já que nossos esforços se tornem mais
limite a uma data. “Queremos que a na sexta-feira, centenas de jovens intencionais”, Mokgwane ressalta. ]
GYD seja um estilo de vida, não um goianos se reuniram para fazer
Foto: Tathiane Mendes

evento”, sublinha Pako Mokgwane, pães caseiros que foram entregues MARCOS PASEGGI é correspondente da
líder associado do Ministério Jovem para pessoas carentes de Apare- Adventist Review (com informações de Ariston
na sede mundial adventista. Esse é cida de Goiânia (GO). Em Gravataí Júnior, Ayanne Karoline, Carolina Félix, Elaine
o objetivo dos alunos do Instituto (RS), o lanche foi acompanhado Oliveira, Monique dos Anjos e Willian Vieira)

40 R e v i s t a A d ve n t i s t a // A d ve n t i s t Wo r l d // Abril 2018
EVANGELISMO

A BÍBLIA corredores utilizam para registrar suas atividades físicas. Na

PARA TODAS
postagem, ela sugeriu que aqueles que desejassem estudar a
Bíblia de maneira diferente entrassem em contato com ela.
Não muito confiante, Grazielle adquiriu apenas cinco
AS TRIBOS unidades do estudo para enviar, caso alguém demonstrasse
interesse. Para sua surpresa, em menos de 24 horas havia
Sede da igreja no sul do Brasil cem solicitações. Esse método já resultou em 460 estudos
produz estudos bíblicos segmentados enviados para todo o Brasil e até para outros países. Como
a fim de contextualizar o evangelho ela também compartilha o link da versão on-line do estudo,
para diferentes públicos o número de pessoas que já foram alcançadas é bem maior.
A empresária, que desenvolve com seus familiares um
JÉSSICA GUIDOLIN projeto de distribuição de literatura sobre duas rodas em
­regiões de difícil acesso, é uma das pessoas que estão fazendo
uso do novo material produzido pela Igreja Adventista no
razielle Arias é empresária, mas Sul do Brasil com o objetivo de alcançar diferentes “tribos”.

G
sua paixão nas horas vagas é o Com uma diagramação diferenciada, o conteúdo envolve
ciclismo. Moradora da cidade o universo do interessado com a parte técnica e histórica,
catarinense de Palhoça, há três ao mesmo tempo que fala da Bíblia.
anos ela se reúne com amigos Os estudos personalizados também foram usados pelos
duas a três vezes na semana para pedalar. Mas integrantes do AMM (Adventist Motorcycle Ministry) de
o que era hobby se tornou ministério. Maringá (PR), que durante 12 semanas reuniram integran-
Depois de ter contato com um estudo bíblico tes de outros motoclubes para estudar a Bíblia. “Os recur-
específico para ciclistas, Grazielle passou a sos visuais e a abordagem do estudo são sensacionais. Isso
compartilhar o material por meio da internet. trouxe segurança na hora de apresentar nossa mensagem
Sua primeira iniciativa foi postar uma foto para eles”, avalia Rodrigo Beraldo, diretor do AMM na
do conteúdo em um aplicativo que ciclistas e cidade paranaense.
“Precisamos buscar a Deus, mas de uma forma que gos-
tamos e não de maneira imposta. O
estudo é excelente”, elogia Aramis Tei-
xeira, neurocirugião que integra o AMM
em Foz do Iguaçu (PR) e está estudando
Além da versão a Bíblia com adventistas por meio do
impressa, estão novo material.
disponíveis na O pastor Mitchel Urbano, líder de
internet os slides evangelismo da igreja no Sul do Brasil,
dos temas de cada afirma que o objetivo principal da inicia-
estudo bíblico tiva é alcançar as pessoas onde elas estão,
falando a linguagem delas. “Chamamos
isso de contextualização. Pegamos a men-
sagem do evangelho, sem esvaziar sua
essência, e contextualizamos para o universo delas. Já temos
estudos bíblicos para motociclistas, corredores, advogados,
ciclistas, surfistas, médicos e profissionais de saúde”, explica.
Para a produção dos materiais, Mitchel contou com par-
ceiros preparados que estão inseridos em cada contexto. É o
caso do pastor Clemente Ramos Júnior, autor da série para
surfistas. Aproveitando suas horas vagas, ele surfa há 17 anos.
O material tem chegado a diferentes locais do Sul do
Brasil. Entretanto, não se limita a essa região. Para quem
se interessar pelo conteúdo, é possível acessá-lo na inter-
net por meio dos seguintes endereços: usb.adventistas.org
ou evangelistasdeelite.com.br. ]
Foto: Divulgação

JÉSSICA GUIDOLIN é jornalista e assessora de comunicação da sede da Igreja


Adventista para o Sul do Brasil

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 41
MKT CPB | Fotolia

A LIÇÃO DA ESCOLA SABATINA deste trimestre vem com o tema “Preparação para
o tempo do fim”. Aprofunde-se nesse assunto com o livro CONTAGEM REGRESSIVA e
prepare-se para o maior de todos os eventos: a volta de Jesus.
WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora
SAÚDE

Nesse tipo de evento, costumam dis-


tribuir frutas para os participantes,
mostrando que, além da atividade
física, a alimentação saudável é fun-
damental para se viver mais e melhor.
DO OUTRO LADO DA TELA “Quando vimos na TV que iria aconte-
cer a primeira corrida da Novo Tempo,
Apresentadores da TV Novo Tempo usam influência para incentivar pensamos na mesma hora: ‘temos que
estilo de vida saudável por meio de corrida de rua ir’”, conta Ellen.
Para Célia Grace, organizadora do
SUZAENY LIMA evento e gerente de marketing da Novo
Tempo, o evento alcançou bons resul-
tados. “Não imaginava colocar tanta
na Terra foi uma adolescente que procurou fazer gente na rua. O clima de alegria era

A
escolhas certas. Não foi fácil. Como qualquer outra contagiante”, avalia.
pessoa que passa por essa fase da vida, ela também Os primeiros colocados receberam
sofreu com a pressão de grupo. Foram as boas refe- troféus e todos os que completaram o
rências que a ajudaram a permanecer firme em seus percurso de três ou seis quilômetros
propósitos. Uma das pessoas que a influenciaram positivamente ganharam medalhas. Além disso, a
foi Glauce Cunha, apresentadora da TV Novo Tempo. “A maneira “NT Run” também ofereceu aos atle-
de se expressar e as ideias que ela compartilhava me inspiraram tas um cuidado especial, com massa-
muito, a ponto de eu trocar os desenhos animados pelo Caixa de gem para relaxamento muscular ao
Música”, relata a jovem que hoje tem 21 anos e cursa Medicina. fim do percurso.
Antônio Tostes, diretor da Rede
Há 13 anos à frente do programa, que divulga. No dia 12 de março, Novo Tempo, acredita que a corrida foi
Glauce se emociona ao pensar no a emissora adventista realizou a uma forma de se aproximar do público
fato de que faz parte da vida dos primeira edição da “NT Run”, cor- e da comunidade. “Nós pregamos sobre
telespectadores de maneira tão rida de rua que reuniu mais de ter boa saúde e precisamos colocar em
especial. “Quando eu era adoles- 2 mil pessoas de várias regiões do prática esses princípios. Os cantores
cente, também tive pessoas que Brasil em Jacareí (SP), cidade-sede e apresentadores da Novo Tempo são
foram referência para mim e sei o da emissora adventista. as pessoas mais próximas da comu-
quanto isso é importante”, afirma. Anderson Oliveira, Ellen Fon- nidade. Então eles participam, tiram
Encurtar a distância entre quem seca, Eilson Pereira e Águida Car- fotos, dão abraços e isso é um grande
está em frente às câmeras e aque- valho, de Divinópolis (MG), viaja- incentivo não só para os participan-
les que estão do outro lado da tela ram cerca de 500 quilômetros para tes da corrida em geral, mas especial-
foi a maneira que a Rede Novo participar da prova. Eles treinam mente para nós”, conclui. ]
Foto: Laís Rios

Tempo de Comunicação encon- juntos e participam de competi-


trou de ampliar sua influência e ções com o objetivo de divulgar SUZAENY LIMA é jornalista e apresentadora do
demonstrar na prática os valores a mensagem de saúde adventista. programa televisivo Revista Novo Tempo

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 43
Conheça as livrarias da CPB
espalhadas por todo o Brasil

CACHOEIRA / BA PORTO ALEGRE / RS


FADBA CENTRO
(75) 3425-8300 (51) 3026-3538 | 3026-3539
Rod. BR 101, km 197 R. Coronel Vicente, 561
44300-000 90030-041
fadba@cpb.com.br porto.alegre@cpb.com.br

SALVADOR / BA ENGENHEIRO COELHO / SP


NAZARÉ UNASP
(71) 3322-0543 (19) 3858-1398
Av. Joana Angélica, 1039 Rod. SP 332, km 160 | – Faz. Lagoa Bonita
40050-001 13165-000
salvador@cpb.com.br unasp@cpb.com.br

FORTALEZA / CE HORTOLÂNDIA / SP
CENTRO PARQUE ORTOLÂNDIA
(85) 3252-5779 (19) 3503-1070
R. Barão do Rio Branco, 1564 R. Pastor Hugo Gegembauer, 656
60025-060 13184-010
fortaleza@cpb.com.br hortolandia@cpb.com.br

BRASÍLIA / DF SANTO ANDRÉ / SP


ASA NORTE CENTRO
MKT CPB

(61) 3321-2021 (11) 4438-1818 | 4438-1819


SCN | Bl. A | Qd. 1 - Lj. 17/23 - Ed. Number One Tv. Lourenço Rondinelli, 111
70711-900 09020-120
brasilia@cpb.com.br santo.andre@cpb.com.br

GOIÂNIA / GO SÃO PAULO / SP


SETOR CENTRAL MOEMA
(62) 3229-3830 (11) 5051-1544
Av. Goiás, 766 | Quadra 12 | Lote 82 Av. Juriti, 563
74020-200 CEP 04520-001
goiania@cpb.com.br moema@cpb.com.br

CAMPO GRANDE / MS PRAÇA DA SÉ / SP


CENTRO (11) 3106-2659
(67) 3321-9463 Praça da Sé, 28 | 5o Andar
R. Quinze de Novembro, 589 01001-000
79002-140 se@cpb.com.br
campo.grande@cpb.com.br

BELO HORIZONTE / MG VILA MATILDE / SP


CENTRO (11) 2289-2021
(31) 3309-0044 R. Gil de Oliveira, 153
Rua dos Guajajaras, 860 03509-020
30180-100 vila.matilde@cpb.com.br
belo.horizonte@cpb.com.br

CURITIBA / PR TATUÍ / SP
CENTRO LOJA DA FÁBRICA
(41) 3323-9023 (15) 3205-8905
R. Visc. do Rio Branco, 1335 | Loja 1 Rod. SP 127, km 106
80420-210 18279-900
curitiba@cpb.com.br loja.fabrica@cpb.com.br

RECIFE / PE
SANTO AMARO BELÉM / PA
(81) 3031-9941 MARCO
R. Gervásio Pires, 631 Tv. Barão do Triunfo, 3588
50050-070 66095-055 EM BREVE
recife@cpb.com.br

RIO DE JANEIRO / RJ
TIJUCA MANAUS / AM
(21) 3872-7375 SÃO GERALDO
R. Conde de Bonfim, 80 | Loja A Av. Constantino Nery, 1212
20520-053 t69050-000
EM BREVE
rio@cpb.com.br
MEMÓRIA

Daniel Gassul, Faustino Nunes pelo compromisso deixa duas filhas, cinco netos e
aos 91 anos, em da Silva, aos 84 com sua família, seis bisnetos.
Olímpia (SP). anos, vítima de especialmente no
A vida dele se AVC. Batizado cuidado com a Maria Rodrigues,
confunde com havia 37 anos, sogra, que esteve aos 87 anos,
a história do trabalhou por 15 acamada por vítima de falência
adventismo em anos no Unasp, 17 anos. de múltiplos
Peruíbe (SP), onde serviu como campus Engenheiro Coelho (SP). órgãos. Era
ancião por mais de 40 anos, vindo Na década de 1980, ajudou na Joel Joaquim membro da Igreja
assim a influenciar gerações de fundação da Igreja do Jardim de Souza, aos de Jardim Iguaçu, em Maringá (PR).
adventistas. Nos últimos anos São Marcos, em Campinas 52 anos, em Pioneira adventista em sua
vivia em Olímpia, onde procurou (SP). Depois de aposentado, Engenheiro família e membro fiel por mais
evangelizar pessoas num dos frequentou a Igreja do Parque Coelho (SP), de 70 anos, sofreu perseguições
parques aquáticos mais visitados dos Trabalhadores, em Artur vítima de e provas junto de seu esposo,
do Brasil: Thermas dos Laranjais. Nogueira (SP), comunidade à traumatismo crânio-encefálico Severino. O casal ajudou a
Viúvo, deixa filha, netos e qual serviu como professor da por causa de uma queda. Era construir igrejas e a evangelizar
bisnetos. Escola Sabatina. Deixa a esposa, natural do Rio de Janeiro e pessoas em vários estados do
filhos, netos e bisnetos. abraçou a fé adventista na país. Matriarca amada, deixa nove
David Schimidt infância. Destacou-se desde filhos, 35 netos e 26 bisnetos.
Batista, aos 83 Francisco Pereira a juventude como dedicado
anos, em Curitiba de Almeida, aos líder de igreja. Trabalhava Silvanira Teixeira
(PR), vítima 88 anos, vítima ultimamente como diácono na da Silva Passos,
de leucemia de pneumonia. Igreja do Unasp, campus São aos 85 anos,
mieloide aguda. Nascido na Paulo. Deixa a esposa e um filho. vítima de câncer
Sempre muito ativo nas igrejas Bahia, foi de mama.
em que passou, serviu como carinhosamente apelidado de José Luiz dos Batizada havia
ancião, diretor de congregações Jabuti. Batizado havia mais Santos, aos 79 40 anos, foi a primeira
e tesoureiro. Foi membro das de 60 anos, trabalhou como anos. Batizado adventista de sua família. Era
Igrejas Central de Curitiba e de colportor e fundou igrejas em seu havia 26 anos, membro da Igreja de Vicente
Vista Alegre, e ajudou a fundar estado natal. Nos últimos anos, era membro da de Carvalho, no Guarujá
as Igrejas do Portão e de Vila ajudou a evangelizar a cidade de Igreja Central (SP). Destacou-se por servir
Aurora, ambas também na Alta Floresta (MT), onde morava. de Januária (MG). Serviu como no diaconato feminino e na
capital paranaense; e a Igreja da Deixa a esposa, seis filhos, 15 diácono até seu penúltimo assistência social da igreja.
BR 277, em Morretes (PR). Viveu netos e quatro bisnetos. sábado de vida. Deixa a esposa Viúva, não deixa filhos
para Deus e sua família. Viúvo, e um filho. biológicos, mas vários afilhados
deixa três filhos, seis netos e Israel Victor do coração.
uma bisneta. Kauffman, aos Luiz Carlos
19 anos, vítima Franco Matiazi, Vinícius
Edson Nogueira de mal súbito. vítima de câncer Mendonça
da Paixão, aos Nascido num de próstata. Era Modro, aos 17
51 anos, em lar pastoral ancião da Igreja anos, em Conchal
Campo Grande adventista, serviu como de Manoel Ribas (SP). Deixa pai,
(MS), vítima de desbravador e voluntário no (PR) e o único adventista da mãe e dois irmãos.
choque séptico. projeto Missão Calebe. Deixa os família. Deixa dois filhos.
Batizado em 2000, trabalhou pais e duas irmãs. Young Bae Ji, aos
com dedicação no Clube de Maria Emília 45 anos, em São
Aventureiros e Desbravadores Ivo Aguiar, aos 74 anos, em São Lopes Pimenta, Paulo (SP), vítima
como diretor e instrutor de Caetano do Sul (SP), vítima de aos 74 anos, em de febre amarela.
várias agremiações na capital câncer no intestino. Nascido num Manaus (AM), Era pastor da
mato-grossense. Deixa a lar adventista, ele se dedicou à vítima de falência Comunidade
esposa, Elaine, com quem foi liderança do ministério da Escola de múltiplos Coreana Bom Retiro-Newstart.
casado por 16 anos. Sabatina. Destacou-se também órgãos. Batizada havia 65 anos, Deixa a esposa e duas filhas.

“ B E M - AV E N T U R A D O S O S M O R T O S Q U E , D E S D E A G O R A , M O R R E M N O S E N H O R ” (APOCALIPSE 14:13)

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 45
EM FAMÍLIA

O DESAFIO DA
CONVIVÊNCIA
VIVER EM COMUNIDADE NÃO É FÁCIL.
PORÉM, CADA UM CONTRIBUI PARA A SAÚDE
OU ADOECIMENTO DO GRUPO

TALITA CASTELÃO

T
oda família faz parte de uma
família maior. E essa comuni-
dade mais ampla também precisa
ser cuidada, apoiada e nutrida.
Caso contrário, seus integrantes
adoecem ou até morrem. Não a morte mor- Sendo totalmente verdadeiro, você
rida, mas a morte matada, não esquecida e que cuida das pessoas ou seus objetivos
dilacera a alma. são mais importantes? Suas palavras
Nem sempre é fácil conviver com gente, ajudam a construir ou destruir? Você
mas é com gente que temos que conviver. Já gostaria de ser tratado com a mesma
vi um adesivo de carro que dizia algo mais ou medida de misericórdia com que lida
menos assim: “Quanto mais conheço as pes- com os demais? Numa reunião em que
soas, mais gosto do meu cachorro.” Também você não está presente, o que acha
gosto de cachorro, mas ainda prefiro gente. que as pessoas falam a seu respeito?
Apesar disso, entendo a frase do adesivo. Tem Se você fosse outra pessoa, gostaria
gente com pedigree humano da mais alta qua-
lidade, que acolhe, perdoa, compreende e não
NEM SEMPRE É de conviver com alguém como você?
O que sua família nuclear sente por
faz “cachorrada”, no sentido figurativo da pala- FÁCIL CONVIVER você? E a família maior, a igreja?
vra. Outros, por sua vez, vivem mordendo e Nem sempre somos o que devería-
rosnando, às vezes até atacando como um cão COM GENTE, MAS mos ser. Por vezes fazemos coisas das
bravo. Tem gente que é pior: não ladra, mas
morde bem dolorido.
É COM GENTE quais não nos orgulhamos. Porém,
não devemos nos conformar com isso,
Na vida em comunidade, não podemos QUE TEMOS QUE achando que os relacionamentos são
ignorar que as pessoas são prioridade. Então, sempre inseguros e que na vida impera
por que será que descuidamos disso às vezes? CONVIVER a lógica do “salve-se quem puder”. Esse
Pode algum objetivo, ainda que nobre, justi- não é o certo e nunca será.
ficar alguma atitude fria e sem consideração Talvez seja o momento de acreditar
por alguém? Claro que não! que é possível construir uma nova rea-
Viver em comunidade é um desafio diário. lidade. Importar-se com as pessoas traz
E cada um de nós contribui para a saúde ou um sentimento grandioso de paz inte-
adoecimento dela. Pensando sobre essa res- rior. Percebemos que estamos dando
ponsabilidade, você pode dizer com tranqui- certo na vida e isso gera bem-estar. Por
lidade que faz seu melhor? Que não trata as isso, vamos, aos poucos, nos huma-
pessoas como coisas, sendo cruel, maledicente nizando e cuidando uns dos outros,
e vingativo? É muito triste perceber que também ferimos e machuca- como tem que ser em toda família. ]
mos, mas a reflexão honesta pode mudar todo esse cenário, até porque
Foto: Fotolia

posso romper com um ciclo nocivo. Se semeio ventos, colho tempes- TALITA CASTELÃO é psicóloga clínica, sexóloga e
tade, nunca bonança. doutora em Ciências

46 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
INSTITUCIONAL

O CHAMADO
AO SACERDÓCIO
DESDE OS TEMPOS BÍBLICOS, DEUS DESEJA QUE SEU
POVO VIVA À ALTURA DE SUA NOBRE VOCAÇÃO

EVERON DONATO

D
eus sempre viu Seu povo
como u ma nação de
sacerdotes (Êx 19:6). De
acordo com o Comentá- (1) por meio do batismo e da fé,
rio Bíblico Adventista do todos os cristãos têm a mesma
Sétimo Dia, esse chamado divino era posição e acesso diante de Deus;
um convite para viver a alta vocação (2) não há outro mediador entre
de servir ao Senhor por meio da ora- A VOCAÇÃO SACERDOTAL nós e Deus senão Cristo; (3) cada
ção, louvor e sacrifícios. No contexto de cristão assume o ofício de sacri-
rebelião contra Deus, isso significaria IMPLICA LOUVAR E fício, ou seja, dedica-se a louvar e
ser uma ponte entre Deus e o mundo
caído, atuando como instrutores, pre-
OBEDECER A DEUS, BEM obedecer a Deus, bem como a tes-
temunhar de sua fé ao próximo.
gadores e profetas: expoentes da ver- COMO TESTEMUNHAR AO Não sem razão, no século 19
dadeira religião (v. 1, p. 638). Ellen G. White passou a ecoar esse
Contudo, por causa da dureza de cora- PRÓXIMO princípio bíblico e protestante. Ela
ção do povo de Deus, o ministério sacer- ressaltou ser um erro fatal pensar
dotal ficou limitado temporariamente que a participação na missão seja
aos levitas (Êx 28:1; 32:26). A validade uma atribuição somente do pastor
desse sistema sacerdotal judaico per- ordenado (O Desejado de Todas as
durou até a primeira vinda de Jesus à a igreja se faz a continuidade do Nações, p. 822). Acrescentou que
Terra, quando foi sacrificado o cordeiro Israel de Deus (Bíblia de Estudo o engajamento pessoal de cada
de Deus que tira o pecado do mundo Andrews, p. 1619). discípulo é fundamental para seu
(Jo 1:29). A partir desse sacrifício, todos O problema é que, até o século 16, próprio crescimento espiritual
os que aceitam Cristo como Senhor e em grande medida essa visão do (p. 141). Por isso, a maior contribui-
Salvador recebem o privilégio de atuar sarcerdócio universal de todos os ção que o ministério remunerado
como sacerdotes diante Dele (1Pe 2:5 crentes foi ofuscada e distorcida. pode dar para a igreja é capacitar
e 9; Ap 1:5, 6; 5:9 e 10). A maior parte Foi a ênfase de Martinho Lutero de os membros para o trabalho (Ser-
da igreja no período apostólico enten- que todo cristão era sacerdote viço Cristão, p. 58).
deu isso e viveu de acordo com sua de alguém e que todos eram sacer- Desse despertamento espiritual
vocação (At 2:42-47). dotes uns dos outros que ajudou a depende a conclusão da pregação
Assim como os sacerdotes do Antigo romper a divisão tradicional entre global do evangelho. É por isso
Testamento foram designados, entre clero e leigos. Essa nova postura, que a letargia missionária justi-
outros motivos, para ensinar os esta- apesar de posteriormente ter ali- ficada por todo tipo de desculpas
tutos de Deus (Lv 10:11), abençoar as mentado também o individua- tem atrasado a volta de Jesus. É
pessoas (Nm 6:23-27) e oferecer sacri- lismo e o senso de independência hora de aceitar que todo discípulo
fícios (Lv 17-18), os cristãos agora são da cultura protestante, visava ao é sacerdote e todo sacerdote está
chamados a oferecer “sacrifícios espi- companherismo mútuo. envolvido na missão. ]
rituais”, como ações de graças e lou- Num seminário ministrado em
Foto: LightStock

vores (1Pe 2:5; Rm 12:1), fazer o bem 2005, o teólogo adventista R ­ ussell EVERON DONATO é o líder do
e compartilhar bênçãos com a huma- Burrill procurou sintetizar a posi- departamento de Ministério Pessoal da
nidade (Hb 13:15 e 16). Dessa maneira ção de Lutero quanto a esse tema: sede sul-americana da Igreja Adventista

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 47
PERFIL

O EVANGELISTA
DAS MULTIDÕES
BILLY GRAHAM FALOU DE CRISTO PARA MAIS
PESSOAS E EM MAIS LUGARES DO QUE QUALQUER
OUTRO PREGADOR NA HISTÓRIA

FERNANDO DIAS

que o jovem não teria futuro como


orador. Mas, em pouco tempo, ele
estava pregando nas ruas para um
público considerável. Em 1941,

˝A
queles fanáticos convenceram após ­graduar-se, trocou a calorenta
papai a fazer cultos aqui na Flórida pelo gelado Illinois a fim de
fazenda”, o jovem Billy resmun- todas as noites, até que, durante obter um bacharelado reconhecido
gou ao perceber o despertar reli- um sermão sobre Romanos 5:8, no ­Wheaton College. Lá ele conhe-
gioso do pai. Aos 15 anos, o filho mais velho o pastor Ham fez o apelo para que ceu Ruth Bell, filha de médicos-
de Morrow e William Franklin Graham estava os ouvintes se entregassem a Cristo missionários que haviam traba-
mais interessado em namorar, e às vezes indo à frente. Enquanto o coral lhado na China. Ruth e Billy foram
com mais de uma moça ao mesmo tempo. Na cantava “Tal Qual Estou”, Billy casados entre 1943 e 2007, quando
escola ele estudava pouco e brigava muito. Não se levantou e se juntou às mais de ela faleceu.
havia espaço para religião na vida de William 300 pessoas que se dirigiam para Depois da graduação e do casa-
Franklin Graham Jr., nascido em Charlotte, o meio da tenda. Sem saber muito mento, Graham assumiu o pasto-
Carolina do Norte, em 7 de novembro de 1918. sobre como ter uma vida cristã, rado de uma igreja na região de
Parecia pouco provável que o rapaz tivesse ele se converteu em novembro de Chicago. Mas ele não se conten-
algum futuro na vida além de continuar cui- 1934, aos 16 anos. tava em pregar apenas para a con-
dando de gado. Um inusitado interesse pelo gregação local. Logo arrecadou
Quando o evangelista Mordechai Ham armou estudo o levou para o Instituto dinheiro, comprou um programa
uma tenda de circo em Charlotte e iniciou Bíblico da Flórida, em Tampa. O de rádio e formou uma parceria
uma série de pregações evangelísticas, o fato sotaque de interiorano sulista e a com o cantor George Bervely Shea,
só atraiu a atenção de Billy porque ele soube formação escolar fraca não ajuda- que o acompanhou por 69 anos.
que um grupo de arruaceiros planejava agredir vam a tornar o jovem seminarista Graham pregava tanto fora que
o pregador. Albert McMakin, funcionário da um bom pregador. Ele tinha pre- teve que renunciar ao pastorado
fazenda, desafiou o amigo: “Por que você não parado e memorizado seus pri- de sua igreja para se dedicar ao
vai lá para ouvir o pregador boxeador?” “Ele meiros quatro sermões quando evangelismo público.
é boxeador?”, interessou-se Billy, que não que- um de seus professores o esco-
ria perder a oportunidade de ver uma briga. lheu para pregar em uma igreja PESSOAL EM LARGA ESCALA
Foto: Greg Schneider

O evangelista não era boxeador, mas falava próxima. Em sua primeira vez ao Entre 1947 e 2010, Billy Graham
com convicção contra o pecado e apelava púlpito, Billy Graham gastou todo realizou 417 cruzadas evangelís-
para uma entrega a Cristo. Algo na men- o conteúdo dos quatro sermões ticas em tendas, estádios, parques
sagem compeliu o jovem Billy a ir à tenda em apenas oito minutos. Parecia ou na rua. O público somado de

48 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
todos esses encontros foi de aproximadamente
210 milhões de pessoas. Tendo pregado em 185
países, Graham foi um dos poucos evangelis-
tas a falar em lugares hostis ao cristianismo,
como a Coreia do Norte, China, Israel e nas
antigas Alemanha Oriental e União Soviética.
Antes de ir a uma cidade, sua equipe traba-
lhava para que os membros das igrejas locais
convidassem amigos não cristãos para o evento.
Após a pregação, que sempre focalizava Cristo
como a solução para os problemas da vida, adventistas durante a vida, sendo
um coral ou solista cantava uma música de que alguns ajudaram seu ministé-
entrega. Enquanto Graham convidava as pes- rio. O evangelista E. E. ­Cleveland
soas a irem à frente e se decidirem por Cristo, colaborou com Graham na luta
conselheiros cristãos se aproximavam dos contra a discriminação racial e
BILLY novos convertidos e os orientavam a fazer
uma oração de entrega a Deus. Enquanto tudo
foi conhecido como “o Billy Graham
negro”. Na Biblioteca da Universi-
GRAHAM NÃO isso acontecia, pessoas intercediam para que dade de Loma Linda há parte da

CONSIDERAVA
o Espírito Santo atuasse. Ele não considerava correspondência trocada entre
seu modelo um “evangelismo em massa”, mas Graham e H. M. S. Richards, orador
SEU MODELO UM evangelismo pessoal em larga escala. do ministério A Voz da Profecia.
O teólogo adventista Loren
“EVANGELISMO CONSELHEIRO ESPIRITUAL Dickson sistematizou numa dis-
Além das cruzadas evangelísticas, Graham sertação o método evangelístico de
EM MASSA”, MAS escreveu 33 livros, entre eles A Segunda Vinda Graham, que evangelistas adventis-
EVANGELISMO de Cristo, e foi orador de programas de rádio
e televisão. Em 1951 iniciou a World Wide
tas como Mark Finley e Alejandro
Bullón reproduziram com sucesso.
PESSOAL EM ­Pictures, produtora pioneira de filmes cristãos. Rajmond Drabowski, comunicador
Mesmo sendo uma referência em evange- adventista, serviu como motorista
LARGA ESCALA lismo público, Graham nunca deixou de ser de Graham durante uma campanha
uma testemunha pessoal eficaz de Cristo, apro- na Polônia, e os pastores adven-
veitando inclusive oportunidades para falar tistas Walter Arties e Wintley
sobre espiritualidade com grandes autoridades. ­Phipps cantaram durante os ape-
Uma vez, em Londres, Graham se encontrou los de Graham. Mark A. Kellner,
com o primeiro-ministro Winston Churchill. jornalista adventista e colunista de
“Sou um homem sem esperança”, confessou grandes jornais norte-americanos,
Churchill. Imediatamente Graham começou atribui sua conversão do judaísmo
a falar sobre a segunda vinda de Cristo e orou para o cristianismo a uma prega-
para que Churchill tivesse esperança em Jesus. ção de Graham na televisão.
Em outra ocasião, ao pressentir que o gene- Segundo Alejandro Bullón, foi
ral Dwight Eisenhower poderia se tornar o pró- Billy Graham quem o fez ver que
ximo presidente dos Estados Unidos, Graham os adventistas, que faziam cam-
o procurou para conversar com ele sobre panhas evangelísticas em tendas,
Deus. As conversas resultaram na conversão podiam fazê-las em estádios. O
de ­Eisenhower, que na presidência instituiu o empreendedorismo e exemplo de
Desjejum Nacional de Oração, oportunidade Graham mostram que uma prega-
anual de um culto público com o alto escalão ção cristocêntrica, o evangelismo
do governo. Graham foi o orador que mais vezes pessoal aliado a grandes eventos,
pregou nesses encontros e tornou-se conse- histórias de conversão, programas
lheiro espiritual de todos os presidentes norte- de rádio e TV, livros e filmes cris-
americanos desde então. tãos são ferramentas eficazes para
Foto: billygraham.org

alcançar pessoas para Deus. ]


CONTATO COM OS ADVENTISTAS
Billy Graham, que era batista, faleceu em 21 de FERNANDO DIAS é pastor e editor dos livros
fevereiro de 2018, aos 99 anos. Fez vários amigos de Ellen G. White na CPB

R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018 49
ESTANTE

DEUS NO COMANDO
CLÁSSICO SOBRE A HISTÓRIA DO MOVIMENTO ADVENTISTA
GANHA NOVA EDIÇÃO ATUALIZADA

JESSICA MANFRIM

M
arc Bloch, historia- de mestrado do seu autor na Uni-
dor francês de ori- versidade Andrews (EUA). Fale-
gem judaica, dizia cido em abril de 1992, o pastor
s e r p o s s ível t e r Enoch foi um apreciado pregador e
“uma experiência religiosa que destacado líder da denominação,
nada deva à história”. Bastaria uma chegando a ser presidente da sede
iluminação interior para crer em sul-americana da igreja e um dos
Deus. Mas isso não seria possível vice-presidentes da sede mundial.
para crer no Deus dos cristãos: A obra, agora em sua versão revi-
“O cristianismo é, por essência, sada, apresenta biografias e estatís-
uma religião histórica” (Apologia ticas atualizadas. O livro se propõe
da História, p. 57 e 58). a fazer uma análise contextual do
Bloch acertou. Contudo, além ambiente em que surgiu o adven-
de histórico, o cristianismo é uma tismo no século 19, bem como TRECHO
religião de “historiadores”, de gente apresentar algumas explicações
que olha para os acontecimentos históricas e proféticas para a ori- “Em seu início, a igreja se
a fim de identificar a atuação de gem e consolidação do movimento. resumia a um pequeno grupo
Deus ao longo do tempo. Foi o que Na primeira parte da obra, o
fizeram, por exemplo, Estêvão autor mostra como a herança teo- de piedosos estudantes das
(At 7:2-53), Paulo (At 22) e Lucas lógica da Reforma Protestante e a profecias, sobreviventes
(Lc 1:1-4). Ellen G. White, pioneira cultura de respeito à liberdade reli-
e profetisa adventista, escreveu que giosa nos Estados Unidos criaram do naufrágio milerita. (...)
identificar a liderança de Deus na um contexto favorável para o sur- Entretanto, sob o poderoso
trajetória de Sua igreja inspira con- gimento do movimento milerita.
fiança Nele e o progresso da mis- O pastor Enoch também discorreu
impulso do Espírito Santo,
são (Eventos Finais, p. 72). sobre a experiência do desaponta- aqueles homens e mulheres
Por reconhecer a importância mento em 1844, bem como sobre as
de fé transformaram
da recapitulação histórica para a crises e os períodos de crescimento
consolidação da fé de um movi- da igreja ao longo de sua história. um começo tímido e
mento, a CPB está relançando um A segunda parte da obra é dedi- vacilante em um caudaloso
clássico da história do adventismo cada à biografia de cinco pionei-
em língua portuguesa: A Mão de ros do adventismo, enquanto a movimento profético” (p. 11)
Deus ao Leme (CPB, 2018, 365 p.). terceira seção destaca líderes do
Escrito pelo pastor Enoch de Oli- movimento que, apesar de terem
veira e publicado originalmente em dado grande contribuição, acaba- O relançamento de A Mão de Deus ao
1985, o livro é fruto dos estudos ram abandonando a fé adventista. Leme viabiliza o acesso das novas gera-
Na quarta parte, por sua vez, o ções da igreja a esse clássico do adven-
livro discorre a respeito da lide- tismo, cujo principal objetivo é mostrar
O LIVRO FAZ UMA ANÁLISE rança dos presidentes mundiais que, por trás de datas, números, fatos
CONTEXTUAL DO SURGIMENTO da igreja, desde John Byington e biografias, existe um Deus que está
DO ADVENTISMO NO SÉCULO 19 E e Tiago White até Jan Paulsen e no comando da história e da igreja. ]
APONTA RAZÕES HISTÓRICAS E Ted W­ ilson. Os dados desta seção
PROFÉTICAS PARA A CONSOLIDAÇÃO foram atualizados pelo pastor e JESSICA MANFRIM é revisora-assistente
DO MOVIMENTO historiador Eugenio Di Dionisio. de livros na CPB

50 R e v i s t a A d ve n t i s t a // Abril 2018
*Promoção válida dos dias 2/4/18 a 20/5/2018 MKT CPB | Foto: William de Moraes
MKT CPB | Fotolia

“Seja seu primeiro objetivo


tornar o lar aprazível.”
Ellen G. White
(O Lar Adventista, p. 24)

WhatsApp

cpb.com.br | 0800-9790606 | CPB livraria | 15 98100-5073


Pessoa jurídica/distribuidor 15 3205-8910 | atendimentolivrarias@cpb.com.br /casapublicadora