Você está na página 1de 20

Brasil O Jornal Brasil Presbiteriano é órgão oficial

da Igreja Presbiteriana do Brasil


Ano 58 nº 768 – Novembro de 2018

Presbiteriano
1ª Comissão Executiva da Confederação Nacional de Mocidades
Reunião da
1ª Comissão
Executiva da
Confederação
de Mocidades
aconteceu entre
os dia 21 e 23
de setembro,
em Salvador
(BA), e reuniu
51 sinodais,
66 delegados
e 32 visitantes
durante as mais
de 20 horas de
plenário.

Página 14

Sínodo de Dort Pastores em condição de risco Vocação

Em 2018 celebramos os 400 anos do Sínodo Nos últimos tempos, nos deparamos com Conhecido como Dr. Milagres, Denis
de Dort. Realizado na cidade de Dordrecht inúmeras notícias sobre os riscos, como Mukwege entendeu o significado de vocação,
(Holanda), de 13 de novembro de 1618 a 9 de a síndrome de burnout, esgotamento e e é o médico responsável pelo tratamento
maio de 1619, o sínodo reuniu 102 pensadores depressão. Identificar e entender esses riscos de vítimas de estupros na região do Congo.
e líderes e produziu um documento é uma maneira de cuidar melhor da vida de Mukwege é o único ginecologista em uma
importante intitulado Cânones de Dort. nossos pastores. província de 65.000 Km².
Página 9 Páginas 10 e 11 Página 15

Editorial – Povo que habita só, sim. Alienado, não. O diferencial? Obediência ao Deus de Amor. Página 2
Brasil
2 Presbiteriano Novembro de 2018

EDITORIAL
Brasil
Presbiteriano
Só, sim. Alienado, não. Ano 58, nº 768
“Balaque me fez vir de podendo transformar mal- e todos os povos (Dt 7.1- Abraham Kuyper (1837— Novembro de 2018
Arã (...); vem, amaldi- dição em bênção, e com 5). O motivo era o fato de 1920), e muitos em nossos
Rua Miguel Teles Júnior, 394
çoa-me a Jacó (...). Como o risco de perder uma for- Israel ser “povo santo ao dias. Não é o que praticam Cambuci, São Paulo – SP
posso amaldiçoar a quem tuna, Balaão desenvolveu Senhor” (v.6). O diferen- pais e mães crentes que CEP: 01540-040
Telefone:
Deus não amaldiçoou? uma startup chamada fes- cial seria a observância da zelosamente participam de (11) 3207-7099
(...) Pois do cimo das tas-pagãs-para-corrom- lei de Deus, que o Senhor reuniões de pais e mes- E-mail: bp@ipb.org.br
assinatura@cep.org.br
penhas vejo Israel e dos per-Israel, conseguiu o havia dado como prova de tres, ou das reuniões de
outeiros o contemplo: eis like de muitos israelitas, amor por seu povo e de seus condomínios, além
Órgão Oficial da
que é povo que habita só mas o tropeço de Baal- fidelidade à aliança (v.8). dos trabalhadores cris-
e não será reputado entre Peor saiu caro e o próprio Ou seja, Israel pode cru- tãos que comparecem às
as nações (...) Que eu Balaão foi executado na zar Moabe, mas não pode assembleias de sindicatos
morra a morte dos justos, represália (Nm 31.8). Seu cair na farra de Baal-Peor. da sua categoria. Tudo isso
e o meu fim seja como o desejo “Que (...) meu fim Lição a ser lembrada por é envolvimento em política
www.ipb.org.br
dele”. (Nm 23.7-10) seja como o dele” não foi Israel hoje, uma vez que e o povo que habita só não
atendido. vivemos em uma socieda- pode se omitir. Esteja quem
Uma publicação do Conselho

B alaão disse as pala-


vras acima na sua
primeira tentativa de amal-
Balaão definiu Israel
como “povo que habita só
e não será reputado entre
de não cristã.
Alguns crentes pensam
que o cristão não deve
estiver em Brasília, nosso
envolvimento político con-
tinua, mesmo enquanto
de Educação Cristã e
Publicações

diçoar Israel. Balaque se as nações”, mas o que se envolver em política. somos o povo que habita Conselho de Educação Cristã e
Publicações (CECEP)
enfureceu, claro. Balaão isso significa? Após a con- Querem isolamento total. só, enquanto estiver valen- Clodoaldo Waldemar Furlan (Presidente)
estava em cima do muro. quista, a Terra Prometida Isso não foi, porém, o que do que somos sal da terra e Domingos da Silva Dias (Vice-presidente)
José Romeu da Silva (Secretário)
De um lado a garantia divi- virou um condomínio, com praticaram nossos irmãos luz do mundo. Alexandre Henrique Moraes de Almeida
na da bênção aos hebreus. cidades e vilas israelitas ao na fé, José do Egito, Daniel Povo que habita só, sim. Anízio Alves Borges
Hermisten Maia Pereira da Costa
Do outro lado uma propina lado de povoados pagãos. da Babilônia, Ester de Susã, Alienado, não. O diferen- Misael Batista do Nascimento
Walcyr Gonçalves
capaz de abalar qualquer O Senhor, porém, foi claro Mordecai seu tio e, mais cial? Obediência ao Deus
teologia liberal. E a cobi- quanto à necessidade de recentemente, William de Amor, o fiel Senhor da Conselho Editorial do BP
Março 2018 a março 2020
ça falou mais alto. Não distinção entre seu povo Wilberforce (1759—1833), Aliança. Cláudio Marra (Presidente)
Anízio Alves Borges
Ciro Aimbiré Moraes Santos
Clodoaldo Waldemar Furlan
Hermisten Maia Pereira da Costa
JORNAL BRASIL PRESBITERIANO Assinatura Anual – Envio mensal Jailto Lima do Nascimento
Natsan Pinheiro Matias

Faça sua assinatura e/ou presenteie seus familiares e amigos. • Individual (até 9 assinaturas):
EDITORA CULTURA CRISTÃ
R$ 27,00 cada assinatura. Rua Miguel Teles Júnior, 394 – Cambuci
Somente com depósito antecipado 01540-040 – São Paulo – SP – Brasil
Nome ou cartão VISA. Fone (11) 3207-7099
CPF RG Fax (11) 3209-1255

Igreja de que é membro • Coletiva (10 ou mais assinaturas): www.editoraculturacrista.com.br


cep@cep.org.br
R$ 24,00 cada assinatura.
Endereço 0800-0141963
Bairro CEP Superintendente
Cidade UF
Bra Haveraldo Ferreira Vargas

Email Telefone Pressbilit Editor


O Jornal
Brasil Pres
biteriano
da Igreja é
Presbiter órgão oficial

e riano
Ano 58
nº 765 – iana do Brasil
Agosto

Cláudio Antônio Batista Marra


de 2018

Mês inicial da assinatura Quantidade de assinaturas 39ª Reuniã


o Ordinária Editores Assistentes
do Suprem
o Concílio Eduardo Assis Gonçalves
Formas de pagamento: A 39ª RO
aconte -SC
ceu ent Márcia Barbutti de Lima
Grátis!
os dias re
22 e 29

Depósito bancário (anexar ao cupom o comprovante de depósito)


de julh
o
em Ág de 2018
uas de

Produtora
Lindoi
a
veram (SP), esti-
pre
cerca de sentes

Banco do Brasil Banco Bradesco Banco Itaú Uma assinatura para pessoa 170 0

Mariana P. Anjos
s.
Mesa do A nova
mo Con Supre-
IP INDÍGE IPB (20 cílio da

C/C 2093-1 C/C 80850-4 C/C 51880-3 pacotes de 10 ou mais


NA NO 18 - 202
AMAZO foi ele 2)
NAS

Edição e textos
ita
te a reu duran-
CUIDAD nião.
Líderes OS PAL Páginas
igrejas
de IATIVOS 10 e 11

assinaturas.
indígenas

Ag. 5853-X Ag. 0119-8 Ag. 0174 Gabriela Cesário


participa
de curs m MÃOS E
o
plantado para CORAÇÃ
igrejas res de
O
ministrad
em Man o

E-mail: bp@ipb.org.br
aus
pelos Revs
Alcedir .
Sentalin
e Rona
ldo
Lidório,
autor do
livro Plan A Asso
Igrejas tando dirigida
ciação
de
Cultura
da Edit
ora pela Cap Capelania na

Diagramação
Vassão,

Cartão VISA Nº do cartão Validade


Cristã. elã Hosp Saúde
elab (ACS),
para prep ora e ofere italar da IPB,
ce Treiname
que sofre aração de igrej cursos espe Eleny
LIBERDADE Págin
a6 m. as para ciais trabalho nto voltado para
DE CONSCIÊN
CIA – Qual
o cuidado
dos em Cuia com crianças capacitaç
ão ao
bá acontece
o papel 300 parti - MT, e cont

Aristides Neto
fundament u em junh
ou
al dos funci Págin Matogroscipantes de igrej com mais o
onários a 12 sense. as do Síno de
seculares do
: julgar

Nome do titular Código de segurança


crenças
ou proteger
a liberdade Págin
religiosa a 17
e seu livre exerc

Impressão
ício?
Págin
a 18

Após efetuar o depósito, informá-lo pelo telefone (11) 3207-7099 ou email assinatura@cep.org.br
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 3
TEOLOGIA E VIDA

A Glória de Cristo na pregação expositiva


Hermisten Costa mente remontam à obra do seus relacionamentos. da Reforma, herdado dos A cosmovisão cristã não
púlpito, e, no decurso do Vale lembrar que o estu- pré-reformadores, foi a se aplica apenas a esta

A pregação expositi-
va reconhece a glória
de Deus, exalta a Cristo
seu progresso, têm desen-
volvido e tornado possível
um alto nível de pregação”
do e o ensino da doutrina
não visam mostrar o quanto
conhecemos a Palavra e,
supremacia de Cristo sobre
a Igreja. A Igreja não per-
tence a homens. Ela deve
vida, antes, tem um sen-
tido escatológico, aponta
para o fim, quando Cristo
e a sua Palavra. Assim, a (Edwin C. Dargan). ao mesmo tempo, o quão ser governada por Cristo será plenamente glorifica-
pregação que não exalta a Por isso, como decla- distante estão os outros de que o faz por meio de sua do, consumando a sua obra
Cristo está distante de seu ra Stott, é que “o segredo conhecerem como conhe- Palavra. A igreja como na criação. A escatologia
alvo. Somente a pregação essencial não é dominar cemos. Esse tipo de farisa- Corpo de Cristo deve ser é a consumação natural
expositiva da Escritura faz certas técnicas, mas ser ísmo religioso, arrogante e seu agente na História, evi- do plano de Deus na sua
jus ao seu tema central que dominados por determina- satisfeito consigo mesmo, denciando a supremacia historificação temporal. A
é Cristo para quem tudo das convicções. A teologia dele em sua fé, ensinamen- escatologia é precedida de
converge. Enquanto não é mais importante do que tos e atitudes. O pré-refor- uma história realizada –
resgatarmos essa compre- a metodologia”. Na mesma mador João Huss (c. 1369- vivemos a agimos em cor-
linha escreveu MacArthur:
"Os momentos 1415) morreu por essa ver- respondência à nossa fé e
ensão e a sua prática ardo-
rosa e sistemática, a igreja “Não é a engenhosidade de maior forta- dade, sendo queimado vivo vocação. A História aponta
estará fadada a viver em de nossos métodos, nem as lecimento da em 1415. para uma escatologia deci-
uma profundidade epidér- técnicas de nosso ministé- A igreja como Corpo de siva. Desse modo, olhando
mica do que nos foi dado rio, nem a perspicácia de igreja sempre Cristo tem sido fortalecida pelo prisma da escatologia,
conhecer e vivenciar. nossos sermões que trazem estiveram asso- na força de seu poder e, é podemos dizer que a His-
Os momentos de maior poder ao nosso testemu- por isso que ela ultrapas- tória é escatológica, visto
nho. É a obediência a um
ciados à com- sa em muito a nossa capa- que para lá ela caminha de
fortalecimento da igreja
sempre estiveram associa- Deus santo e a fidelidade ao preensão da cidade de compreensão e forma progressiva e reali-
dos à compreensão da natu- seu justo padrão em nosso natureza glorio- explicação. Ela é o povo de zante. A escatologia confe-
reza gloriosa de Jesus. Por viver diário”. Deus, os ramos da videira, re sentido à História. A fé
outro lado, a igreja entra Estamos convencidos de sa de Jesus." o edifício fundamentado em cristã respalda-se em um
em decadência espiritual, que a pregação, juntamen- Cristo, as ovelhas, sob a fato histórico, e nutre-se
a sua pregação se desvia te com a adoração congre- direção e cuidado do Sumo da esperança que emana da
das Escrituras, quando ela gacional se constituem em identificador prazeroso dos Pastor. Somos o povo de promessa de Deus.
perde a dimensão da glória, termômetro espiritual da erros dos demais, colocan- Deus, propriedade exclusi- Jesus também anela pela
grandeza e singularidade de igreja. Insistimos: a igreja do-se num patamar acima, va dele (1Pe 2.9-10). Nin- conclusão de sua obra
Cristo. Fica claro que a pre- nunca estará acima de seu deve estar distante de nós. guém poderá nos destruir. quando ele estará comple-
gação expositiva é um dos púlpito, do que lhe é ensi- Esse tipo de pensamento e O Senhor reina sobre todas to como cabeça, tendo o
indicadores do lugar que nada continuamente. comportamento é o que há as coisas e a Igreja é o seu seu corpo completado e
Cristo ocupa na igreja. A Reforma espiritual da de mais estranho ao verda- corpo presente na História perfeito, totalmente enchi-
Um historiador da prega- igreja começa pelo púlpito, deiro conhecimento pessoal que está sendo formado e do por ele (Ef 1.23). Já
ção, afirma que: “O declí- por aquilo que é pregado e de Deus por meio de sua aperfeiçoado até a consu- nesse estado de existência,
nio da vida e da ativida- ensinado, acompanhado de Palavra e à nossa vivência mação vitoriosa de sua obra. a Igreja pode declarar com
de espiritual nas igrejas é oração, suplicando a mise- com ele. Em Efésios 1.16-23 o fé em alto e bom som:
geralmente acompanhado ricórdia de Deus que ilumi- O conhecimento de Deus apóstolo ora para que a igre- ninguém poderá nos sepa-
por um tipo de pregação ne as nossas mentes e aque- nunca é estéril, antes, é fru- ja, mesmo nos momentos rar do amor de Deus (Rm
formal, sem vida e infru- ça os nossos corações nos tífero em obediência e pie- de abatimento e fraqueza 8.31-39).
tífera, e isso parcialmente conduzindo ao arrependi- dade. Portanto, não espere- tenha os seus olhos ilumina-
como causa e parcialmente mento e à obediência. Essa mos agradar a Deus sendo- dos para saber essa verdade O Rev. Hermisten Maia Pereira da
Costa integra a equipe de pastores
como efeito. Por outro lado, transformação se estende à lhe desobediente, desonran- revelada, compreendendo-a da 1ª IP São Bernardo do Campo, São
os grandes reavivamentos vida e família dos fiéis, e do o seu Filho. pelo Espírito de sabedoria Paulo, SP, ensina teologia no JMC, é
membro do CECEP e do Conselho
da história cristã usual- faz diferença em todos os Um dos pontos cruciais que nos foi concedido. Editorial do Brasil Presbiteriano
Brasil
4 Presbiteriano Novembro de 2018

PROFESSOR QUE É PROFESSOR

Métodos didáticos (3)


Nesta edição, a décima terceira da série, apresentamos ao professor uma terceira e última lista de
métodos diversos coletados em diversas fontes.
Cláudio Marra estão sendo estudados. Entrevistas – Alunos História paralela – Alu- zam uma ação prática em
Cartazes com palavras fazem perguntas a alguém nos escrevem uma história preparo ou como resultado
Uma lista final (por – Alunos recortam pala- para obter informação contemporânea paralela a de um estudo bíblico (por
enquanto) de métodos. vras ou frases descritivas acerca da Bíblia ou de situ- uma narrativa bíblica. exemplo, enviar cartões
Ajuda mútua – Alunos de uma revista ou de um ações de vida. As entre- Linha do tempo – Alu- para enfermos ou idosos
ajudam uns aos outros a jornal e colam-nas em um vistas podem ser feitas em nos trabalham em grupo no Natal).
realizar diversas tarefas cartaz para representar sua aula ou em outro momento. para apresentar uma cro- Reportagem – Alunos
propostas. O objetivo é compreensão do tema que Estudo bíblico indutivo nologia de acontecimentos escrevem reportagens ima-
ensinar aos alunos o con- está sendo estudado. – Estudo bíblico por meio bíblicos. A linha do tempo ginárias para resumir o
teúdo bíblico e, ao mesmo Compartilhar – Alu- de perguntas como “O que pode ser desenhada em assunto da lição.
tempo, desenvolver o ser- nos interagem uns com os esta passagem diz?”, “O papel kraft fixado à parede Resolução de proble-
viço cristão. outros a respeito de algo que isso significa?”, “Que da sala de aula. mas – Alunos elaboram
Apresentação baseada que extraíram de um estu- diferença faz?”. Manchete – Alunos maneiras de resolver pro-
em perguntas – Vários do bíblico. Flanelógrafo – Profes- criam manchetes para resu- blemas apresentados pelo
pequenos grupos elabo- Discussão em grupo – sores usam figuras, pala- mir o tema que está sendo professor ou resultantes de
ram perguntas para que, Em pequenos grupos, alu- vras, etc., em um quadro estudado pela classe. seu estudo da Bíblia. Tanto
em seguida, um especialis- nos discutem suas impres- revestido de flanela para Oração – Alunos oram o meio como o conteúdo
ta faça uma apresentação sões de um filme, uma representar o que desejam em resposta a uma reflexão da solução proposta são
com base nessas questões. apresentação, uma aula comunicar. sobre o conteúdo bíblico. relevantes.
Apresentação musical – expositiva, etc. Fórum – Depois de um Pesquisa – Estudos indi- Existem outras suges-
Alunos ouvem uma grava- Discussão em painel – debate, uma entrevista, viduais ou em grupo que tões de métodos didáticos.
ção ou apresentação musi- Várias pessoas qualifica- uma palestra, um painel, usem comentários, con- Você poderá pesquisá-los
cal ao vivo e a discutem das discutem determinado um sermão ou outro modo cordâncias, dicionários, e, além deles, criar os seus
com o objetivo de entender assunto enquanto a classe formal de apresentação, enciclopédias, etc. Pode-se próprios.
melhor o tema que está observa e ouve. segue-se uma discussão fazer esse trabalho dentro Na próxima edição,
sendo estudado pela classe. Encontre o erro – Faça aberta, ou fórum. ou fora de sala de aula. “Professor que é professor
Avaliação – Profes- uma afirmação que revi- Grafite – Em forma de Ele permite que o aluno assiste aulas de outros pro-
sores usam vários meios se o conteúdo, mas que grafite, alunos escrevem desenvolva uma série de fessores e anota ideias”
para identificar o nível de traga um erro. O objetivo é resumidamente sua reação aptidões e também obtenha
compreensão dos alunos que os alunos identifiquem ao tema em questão sobre conhecimento do conteúdo O Rev. Cláudio Marra é autor do
do conteúdo apresentado e que parte da afirmação está um pedaço de papel kraft bíblico. livro A Igreja Discipuladora, professor
de Homilética e Pregação no JMC e o
para esclarecer temas que
anuncio_BP_MW_anuncio_MW_BP
incorreta.
10/18/18 11:18 PM Page 1
fixado à parede. Projetos – Alunos reali- Editor da Cultura Cristã

TERÇA Missão Mundo. Um panorama do que acontece na Igreja


Presbiteriana do Brasil e no mundo presbiteriano. Apresentação, rev.
Gilberto Barbosa. Um programa APECOM. Toda terça, 12h, ao vivo
na IPB3, a rádio com imagem no Youtube, Facebook, Portal IPB e
“on demand” também no Podomatic, iTunes, Spotify e no seu rádioipb
agregador de RSS preferido. Não deixe de ver, ouvir e compartilhar. A rádio com imagem

12h ipb.org.br/ipb3 • radioipb.com.br/ipb3 • youtube.com/ipbtv • facebook.com/ipb.org.br


Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 5
GOTAS DE ESPERANÇA

Eu sou o meu maior problema


“Desventurado homem que sou!” (Rm 7.24).
Hernandes Dias Lopes rência, mas escondo no
coração cogitações perver-
N ão é uma questão
de retórica não; de
fato, eu sou o meu maior
sas que fariam afastar de
mim os meus mais ache-
gados amigos. Ah, desven-
problema. Sou uma pessoa turado homem que sou!
mais complicada do que Em quinto lugar, por-
aquelas que estão ao meu que sou um ser contradi-
redor podem perceber. Sou tório que acabo fazendo
a fonte dos meus maiores o que detesto e deixan-
dissabores e poucas vezes do de fazer o que aprovo.
de minhas mais saborosas Meu coração é enganoso e
alegrias. Elencarei aqui desesperadamente corrup-
algumas razões por que to. É um laboratório que
eu sou o meu maior pro- produz, em larga escala,
blema. o que traz desonra para
Em primeiro lugar, por- Deus e ofensa para o pró-
que embora salvo da con- ver uma tábua encravada que faço promessas a mordomo e não o dono do ximo. Sou um ser a tal
denação do pecado, ainda nos meus próprios olhos. Deus e ao próximo acer- que está em minhas mãos, ponto paradoxal, que o
cometo terríveis transgres- Sou complacente com os ca daquilo que não tenho mas nem sequer entrego bem que eu quero fazer,
sões. Não obstante ter sido meus erros e implacável a disposição de cumprir. a ele, com fidelidade, os não faço e o mal que não
regenerado, ainda tenho com as falhas do meu pró- Como sou pródigo em dízimos e as ofertas. Ah, quero, esse pratico. Meus
um coração inclinado ao ximo. Vejo as mínimas minhas promessas a Deus! desventurado homem que lábios na mesma medida
mal. Meu coração cogita deficiências nos outros e Digo a ele que o amo, sou! que adoram a Deus com
o que não é santo, meus não consigo diagnosticar mas entristeço-o com Em quarto lugar, por- cânticos espirituais no
olhos veem o que não é pecados gritantes em mim meus pecados. Prometo- que minha vida nem sem- templo, ferem os irmãos
puro e minhas mãos fazem mesmo. Sou exigente com lhe sincera amizade, mas pre é avalista de minhas como palavras grosseiras
o que não é reto. Minha os outros e muito toleran- não faço o que ele manda. palavras. Minhas palavras no pátio da igreja. Alteio
língua, às vezes, murmura te comigo. Sou inflexível Alardeio minha inegoci- são mais bonitas do que minha voz para dizer
em vez de adorar a Deus. quando se trata de cobrar ável fidelidade, mas tro- minhas obras. Sou como que sou um pacificador,
Meus lábios se abrem para dos outros, mas extrema- co-o, com frequência, por a figueira cheia de folhas, mas muitas vezes, acabo
falar mal daqueles que mente complacente comi- um prato raso de prazeres mas desprovida de frutos. semeando contendas entre
foram criados à imagem go mesmo. Condeno nos efêmeros. Faço estudos Toco trombeta quando dou os irmãos, o pecado que
e semelhança de Deus, em outros o que não tenho profundos sobre oração, um esmola, mas faço-o Deus mais abomina. Ah,
vez de abençoá-los com coragem de confrontar mas meus joelhos não se para que as pessoas vejam desventurado homem que
palavras de sabedoria. no meu próprio coração. dobram em deleitosa ado- quão generoso eu sou. sou! Minha esperança não
Meus pés, são inclinados Muitas vezes, afivelo no ração. Ergo minha voz e Gosto de ser reconhecido está em quem sou nem no
a se desviarem em vez de rosto uma grossa máscara digo para todos que sou pelos homens e deles rece- que faço, mas na graça
andarem em retas veredas. de piedade, quando o que um embaixador, mas me ber aplausos mais do que daquele que tudo fez por
Ah, desventurado homem desfila garbosamente na calo covardemente tantas agradar a Deus, que tudo mim, morrendo na cruz
que sou! feira das vaidades é uma vezes, deixando de anun- vê em secreto. Escoam em meu lugar, para me dar
Em segundo lugar, por- deslavada hipocrisia. Ah, ciar as boas novas do dos meus lábios torrentes a vida eterna!
que tenho a tendência de desventurado homem que evangelho aos que pere- de palavras bonitas, para O Rev. Hernandes Dias Lopes é
enxergar um cisco nos sou! cem em seus pecados. impressionar as pessoas o Diretor Executivo de Luz para o
Caminho e colunista regular do Brasil
olhos do meu irmão e não Em terceiro lugar, por- Reconheço que sou apenas que só veem minha apa- Presbiteriano.
Brasil
6 Presbiteriano Novembro de 2018

RESENHA

A missão discipuladora da Igreja


“(…) ide, fazei discípulos de todas as buscando restaurar o ensino na Palavra para alcançar-
na prática e em todas as mos um aprendizado mais
nações (...)” (Mt 28.19). camadas da igreja, come- completo e harmonioso.
çando por eles mesmos: O Presbítero Francisco
Gabriela Cesário cia do discipulado. trabalhando as convicções Solano Portela Neto, na
Para isso, Cláudio Marra pessoais e a dedicação do apresentação do livro, defi-

J esus nos confiou uma


única missão, fazer
discípulos. Nossa essên-
discorre sobre o ensino da
Palavra desde os tempos
dos Profetas até os dias
ministério. ne A Igreja Discipuladora
como “um trabalho desti-
nado a provocar a reflexão
cia deve ser discipuladora, atuais; sobre os princípios almejando o arrependimen-
devemos cumprir a missão bíblicos do discipulado; to e a correção de rumos de
enquanto pessoas, líde- nos apresenta o ministério líderes que tenham relegado
res e Igreja. Muitas vezes, discipulador de Richard a um segundo plano a tarefa
porém, desviamos o foco e Baxter (1615–1691), pas- da Igreja na área do ensino.
deixamos de lado a tarefa tor piedoso que viveu na É, também, um livro práti- A segunda edição do
de que Cristo nos incumbiu. Inglaterra e revitalizou o co que não somente critica, livro foi lançada durante o
O livro A Igreja Discipula- trabalho cristão na paróquia mas traz soluções respal- 5º Congresso Nacional de
dora traz reflexões e suges- de Kidderminster; elenca as dadas e extraídas da Escri- Educação Cristã, que acon-
tões de como desempenhar barreiras para o discipula- turas, que podem e devem teceu em setembro no cam-
nossa missão de modo do e apresenta orientações ser aplicadas em nossas pus da Universidade Pres-
excelente para a glória de para sermos uma igreja que igrejas”. biteriana Mackenzie.
Deus. vive a missão de Cristo. Em tempos de fluidez em A Igreja Discipulado-
Escrito por Cláudio Com dados e fatos histó- que tudo é líquido, incluin- ra de Cláudio Marra está
Marra, editor desde 1992 da ricos (vários poucos conhe- Diferente de muitos do a espiritualidade de mui- disponível para compras
Cultura Cristã, pastor, pro- cidos), passagens bíblicas números sobre vida cristã tos, A Igreja Discipuladora no site da Editora Cultu-
fessor e jornalista, A Igreja e fundamento teológico, a e discipulado, A Igreja Dis- vem como uma ferramen- ra Cristã através do link
Discipuladora é dividido obra publicada pela Edi- cipuladora é um livro de ta eficaz para que a Igreja w w w. e d i t o r a c u l t u r a -
em 5 capítulos que bus- tora Cultura Cristã é reco- leitura profunda, que nos retome sua essência de uma crista.com.br/loja/livro/
cam ajudar na revitalização mendada para pastores e incentiva a estudar o que fé sólida, firmada em Cris- igreja-discipuladora-a-807.
da igreja e conscientizar os líderes, tanto membros do nos está sendo apresentado, to, baseado no ensino da
A jornalista Gabriela Cesário é
líderes, começando pelo Conselho quanto professo- consultar as notas e rodapés Verdade e focada na missão responsável pela edição do Brasil
ministro, sobre a importân- res da EBD, que estejam e buscar maiores reflexões deixada por Jesus. Presbiteriano.

MEMÓRIA

BP ano II
Órgão oficial da IPB, o sApp, sobre perseguição cristã da Portas Abertas. Segundo disso é a matéria publicada
jornal Brasil Presbiteriano nos tempos atuais são muito a organização, cerca de 200 pelo BP em 1959 sobre a Per-
sempre buscou trazer mate- comuns. Infelizmente, muitos milhões de cristãos são perse- seguição à minoria cristã na
rial pertinente à sociedade e a cristãos não podem professar guidos nos mundo atualmen- Colômbia. Algo que vem dos
igreja Reformada, seja sobre e nem praticar de maneira te. tempos dos apóstolos.
eventos, história ou alguma pública sua fé, pois correm Acontece que muitas vezes Igreja Perseguida é uma
devocional. risco de vida. nós esquecemos que a perse- realidade. Esteja em oração
Matérias, vídeos e posta- Na edição de outubro/18 guição à fé é algo que vem nos por todos os irmãos de fé que
gens em redes sociais, como do BP publicamos uma maté- acompanhando desde antes da vivem em países que não acei-
Facebook, Instagram e What- ria com dados de pesquisas época contemporânea. Prova tam sua fé e o cristianismo.
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 7
MISSÕES TRANSCULTURAIS

Família Fogaça realiza tradução da Bíblia em Timor-Leste


J essé, Helem e Rebeca
Fogaça são missioná-
rios da Agência Presbiteria-
Tétum Dili (língua nacional
e co-oficial de Timor-Leste)
será terminar a revisão do
cia a construção da sala de
gravação, para os missioná-
rios produzirem em áudio
na de Missões Transcultu- Novo Testamento para a sua tudo o que traduzirem.
rais (APMT) e da Austra- impressão completa. A presença de Glenda foi
lian Society for Indigenous Recentemente, a famí- um refrigério para toda a
Languages (AuSIL). lia de missionários está re- equipe. Ela foi responsá-
Atualmente, a família Fo- cebendo auxílio de Ray e vel por ministrar cursos de
gaça trabalha com a tradu- Glenda Leach, missioná- costura e gastronomia. Os
ção da Bíblia no Timor-Les- rios australianos aposenta- Leachs planejam voltar em
te, uma pequena ilha locali- dos, residentes na cidade de 2019, para ajudar os Fogaça
zada no Sudeste da Ásia. Na Melbourne. Eles, com seus a pintar a casa e no que for
ilha há mais de 20 grupos quatro filhos foram missio- possível.
etnolinguístico distintos, e nários por quase 40 anos na Além do auxílio do casal
apenas uma dessas línguas Papua Nova Guiné. Aos 70 australiano, a Igreja de Ti-
possui significativa porção anos de idade, Ray e Glenda mor-Leste recebeu auxílio
do Novo Testamento. se voluntariaram a dedicar de uma igreja que se com-
A família Fogaça já fina- quatro semanas de trabalho prometeu a abençoar o povo Brasil para uma tempora- Senhor em Timor-Leste.
lizou a tradução do Evange- em Timor-Leste. Ray, muito timorense por meio do cus- da de visitas à família, che- Caso tenha interesse de
lho de João, e está em an- habilidoso, construiu uma teio da impressão do Breve ck-up médico, fechamento receber notícias sobre o tra-
damento com a tradução do cozinha e uma pequena sala Catecismo. Foram impres- de novas parcerias, revisão balho missionário da famí-
Antigo Testamento – já foi de gravação, na casa que os sas três mil cópias do ma- do Novo Testamento para a lia e/ou apoiar com o cus-
finalizada a do livro de Da- Fogaças estão usando para terial para o curso e em ju- língua Tetum Dili e, é cla- teio de impressão e tradu-
niel, e alguns salmos foram trabalhar na tradução. Ti- lho foi realizada uma sema- ro, descanso. Durante o pe- ção da Bíblia no Timor-Les-
preparados para o processo mor-Leste é um país de tra- na de treinamento para a li- ríodo revesam hospedagem te, entre em contato atra-
final de aprovação da tradu- dição oral, com um baixo derança nacional das igrejas entre São Paulo e Brasília e vés do e-mail jessefogaca@
ção. No entanto, o foco da índice de alfabetização, por timorenses. visitam igrejas e parceiros apmt.org.br ou helem_foga-
equipe de tradução para o isso, é de grande importân- A família Fogaça está no para contar sobre a obra do ca@sil.org.

NO BRASIL E NO MUNDO

Profissionais de MSF avaliam a situação na Indonésia após terremoto e tsunami


A equipe é composta por mé- no dia 28 de setembro. pessoas foram deslocadas e se pacientes sendo atendidos fora do
dicos, logísticos e especialistas O último relatório da Agência abrigam agora em mais de 100 lo- prédio.
em água e saneamento Nacional de Gestão de Desastres cais. Muitos deslocados não têm O governo da Indonésia, res-
(NDMA) afirma que 1.234 pesso- abrigos e outros estão abrigados ponsável pela NDMA, indicou
Uma equipe da organização hu- as morreram, mais de 799 ficaram em tendas. Edifícios, incluindo que os recursos nacionais de bus-
manitária internacional Médicos gravemente feridas e 99 ainda es- casas, lojas, mesquitas e hotéis, ca e resgate são suficientes para a
Sem Fronteiras (MSF) chegou tão desaparecidas. Esse número desmoronaram, foram destruí- atual resposta ao terremoto/tsu-
no dia 02 de outubro, à cidade de deve aumentar à medida que mais dos ou sofreram grandes danos. nami. Portanto, todas as equipes
Palu, na Indonésia. O objetivo era áreas se tornarem acessíveis e o Isso inclui o hospital Undata, na internacionais de busca e resgate
avaliar a situação no local após o governo realizar mais avaliações. cidade de Palu, que foi visitado que estão em estado de prontidão
terremoto e o tsunami que atingi- Estima-se que 66 mil casas fo- pela equipe de MSF. No entanto, foram solicitadas a se retirar.
ram a região central de Sulawesi, ram danificadas e quase 62 mil ele continua operacional, com os Fonte: Médicos sem Fronteiras
Brasil
8 Presbiteriano Novembro de 2018

EDUCAÇÃO MISSIONAL

Nasce na Espanha o Instituto


Presbiteriano de Teologia
Carlos del Pino a formação do caráter de busca “preparar/aperfeiço- nos, pregadores, professo- ção e desejo de contribuir,
Cristo na vida dos novos ar os santos para a obra res de Escola Dominical, com espiritualidade e soli-

S abemos por Mateus


28.19-20 que o “ensi-
nando-os a obedecer a tudo
e dos antigos crentes. Essa
é uma prática permanente
que deve ocorrer por meio
do ministério e para que o
corpo de Cristo seja edi-
ficado” (Ef 4.12). Esse é
evangelistas, etc.) com
dois anos de duração.
Futuramente, com a graça
dez bíblica, com boa teo-
logia e acentuada prática
pastoral e missionária.
o que eu lhes ordenei”, de todas as suas possí- um trabalho lento e sólido, de Deus, pretendemos ofe- Por fim, é muito impor-
devidamente associado ao veis dimensões: pelo dis- que deve ser tratado com recer também formação tante contar com as ora-
“batizando-os em nome do cipulado básico e práti- dedicação e com serieda- teológico-pastoral e teo- ções e o apoio da nossa
Pai, do Filho e do Espírito co, pelo aconselhamento, de; é parte da nossa missão lógico-missionária, bem querida IPB, ajudando-nos
Santo”, compõe a ação pelo catecumenato, pelo como igreja no mundo. como publicações de obras na formação e no estabele-
missionária fundamental exercício dos dons, talen- Após 30 anos de trabalho que sejam relevantes para cimento de mais esse tra-
da igreja que é o “fazer tos e ministérios na vida missionário na Espanha, a a formação cristã, teológi- balho missionário pionei-
discípulos de todas as da igreja, bem como por nossa Iglesia Evangélica ca, pastoral e missionária ro que o Senhor tem posto
nações”. Não há, portanto, meio de uma formação Presbiteriana de España das nossas igrejas. em nossas mãos aqui na
trabalho missionário des- bíblico-teológica-missio- começa a dar passos con- Nosso objetivo e desejo Espanha.
tituído do ensino integral nária mais ampla e formal. cretos para o estabeleci- é a formação de líderes Juntos pela evangeliza-
da palavra de Deus que Entre outras definições mento de um centro de que exerçam seus dons, ção e pela formação da
tem como objetivo levar- podemos dizer que uma reflexão e formação cristã: ofícios e ministérios com liderança presbiteriana
nos, como cristãos, à obe- igreja missionária é tam- o Instituto Presbiteriano dedicação e consagração espanhola!
diência a Cristo em todos bém uma igreja ensinado- de Teologia. Inicialmente ao Senhor, com humildade
os níveis da nossa vida. ra e formadora de Cristo começaremos oferecen- e sincero desejo de servir, O Rev. Carlos del Pino é pastor e
missionário da Agência Presbiteriana
Nesse sentido, uma face- na vida das pessoas; tra- do um curso de formação com integridade e credi- de Missões Transculturais (APMT),
ta essencial do trabalho ta-se de uma igreja que, para a liderança das nossas bilidade, com respeito e atualmente coordena o projeto Base
Europa e trabalha com a Iglesia
missionário é, sem dúvida, ao esmerar-se no ensino, igrejas (presbíteros, diáco- integração, com coopera- Evangélica Presbiteriana de España.

INCLUSÃO SOCIAL

SBB promove o 12o Encontro de Pessoas com Deficiência Visual


N o dia 6 de outubro, a So-
ciedade Bíblica do Brasil
(SBB) promoveu a 12ª edição do
celebrado em 2018.
O destaque da programação
desse encontro – voltado para
Institucional da SBB. O evento
também contou com apresenta-
ção do Coral Projeto Emancipar
lista na ‎área e parceira da SBB
nesses eventos.
A iniciativa da SBB integra o
Encontro de Pessoas com Defi- pessoas com deficiência visual, e recreação infantil, entre outras programa Acolher Pessoas com
ciência Visual no município de seus familiares e organizações atrações. Deficiência Visual, que busca
Barueri (SP). Realizado tradi- que trabalham com inclusão so- A SBB ofereceu transporte tornar a Bíblia Sagrada aces-
cionalmente no Centro de Even- cial e fortalecimento de vínculos gratuito para quem se interes- sível a todas as pessoas e, por
tos – Museu da Bíblia (MuBi), familiares – foi a palestra “Bí- sou em participar do encontro. meio dela, promover a inclusão
o encontro teve como tema “Bí- blia Sagrada: o livro da esperan- Os participantes contaram ainda social, o desenvolvimento cultu-
blia Sagrada: o livro da esperan- ça”, proferida por Mário Rost, com serviço de audiodescrição, ral e o amparo espiritual a esse
ça", alusivo ao Ano da Bíblia, gerente de Desenvolvimento a cargo de Lívia Motta, especia- público.
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 9
400 ANOS DE DORT E A REPÚBLICA

O Sínodo de Dort
Misael Nascimento

O sínodo realizado na
cidade de Dordrecht
(Holanda), de 13 de
novembro de 1618 a 9
de maio de 1619, reuniu
102 pensadores e líderes
e produziu um documen-
to importante intitula-
do Cânones de Dort.* Se
em 2017 os protestantes
celebraram os 500 anos
da Reforma, agora agrade- dato” abriga desonestida- ver com uma pluralidade moralizar o que está aí”. contra Deus e o próxi-
cem ao Senhor pelos 400 de ou, na melhor das hipó- de pecadores, com estru- Creio que todos concorda- mo. O coração humano —
anos do Sínodo de Dort. teses, fragilidade. turas e instrumentos ade- mos com isso. “Temos de mesmo de um cristão rege-
Ao organizar a doutri- A própria reunião de quados para que um deles renovar, de modo absolu- nerado — ainda é fonte de
na bíblica da salvação, Dort nos ensina sobre polí- seja eleito e monitorado to, as instâncias de poder.” engano. Eu sou lapidado
os Cânones fornecem tica. Uma questão bíbli- pelos demais (governo de O problema aqui está no pelo Senhor funcionando
ensino digno de atenção ca foi estudada por quase estado de direito e diálo- adjetivo “absoluto”. Daí em diálogo às vezes difí-
para o momento presente seis meses, por mais de go), ou (2) ser conduzidos a fala piora: “Nós somos cil com os outros; lidando
da política em nosso país. uma centena de cristãos. por um único pecador com a única esperança; tome- com diferenças e discor-
O primeiro artigo explica Não foi o “maioral dos superpoderes, sob risco de mos o poder sem hesi- dâncias, tendo de esperar
o ensino sobre deprava- sabichões” que bateu o tirania (governo de impo- tação”. O poder vigente, anos para ver uma ideia
ção total e afirma, com martelo, afirmando conhe- sição). Para os irmãos de corrompido, é substituído implementada. O convívio
base em Romanos 3.19, cer infalivelmente a ver- Dort, o primeiro ponto da por outro, que se promove plural é melhor do que a
23; 6.23, que “toda a dade absoluta. Os pontos doutrina da salvação escla- como incorruptível, mas solidão despótica.Se isso
humanidade é condenável foram discutidos e vota- recia as coisas para o dis- depois se revela tão ou é assim, em uma eleição,
perante Deus”. Um desdo- dos. A ideia por detrás de cipulado e outras áreas da mais corrupto do que o qual o melhor candida-
bramento disso é que, por um sistema conciliar é que vida, inclusive a política. anterior. E o que conduz a to? Tem de ser alguém
causa da queda, mesmo nenhum ser humano se Puritanos alentaram ideais isso? A depravação total, comprometido em gover-
as pessoas mais louvá- basta. Porque somos incli- democráticos, defenderam meu caro, diriam os teólo- nar sobre todos os grupos,
veis são pecadoras que nados ao engano, precisa- sistemas representativos, gos de Dort. dialogando e respeitando
podem ser corrompidas. mos aprender tanto a falar, liberdade de consciência Sou presbiteriano porque a Constituição e o Estado
Notemos que esta doutri- quanto a ouvir o outro. e o princípio da Lex Rex, sei que não passo de pó e Democrático de Direito.
na veda qualquer ilusão Na “multidão de conse- “a Lei é o Rei”, ou seja, maldade. Se eu não cami- Menos do que isso não faz
de justiça própria ou per- lheiros” há maior probabi- todo governo (monárqui- nhar regulado por meus jus ao legado abençoador
feição política. O único lidade de encontrar “sabe- co ou republicano) deve irmãos; se eu for livre para do Sínodo de Dort.
homem incorruptível que doria” (Pv 11.14). funcionar sob uma Lei implementar tudo o que
*Pode-se encontrar o texto integral
pisou nesta terra foi Jesus Consideremos que a Geral, Carta Magna ou consta em meu coração, dos Cânones nas Bíblias de Estudo
Cristo. Os que abraçam segunda geração de refor- Constituição. mesmo aquelas coisas Genebra e Herança Reformada,
bem como no livro Crise nas Igrejas
esse artigo de fé assumem mados optou por um sis- Desde o século 18, atos aparentemente bíblicas e Reformadas, da Cultura Cristã.
que não é a política que tema de governo da igreja de tomada de poder foram boas, sem prestar contas a
corrompe as pessoas e sim representativo. Se todo ser articulados por radicais ninguém, correrei risco de O Rev. Misael Batista do
o pecado em cada pessoa humano é pecador, politi- de esquerda e de direi- me orgulhar, de me consi- Nascimento, pastor da IP de São
que corrompe a política. camente, estamos diante ta. E o discurso é sem- derar centro do universo José do Rio Preto, SP, é membro
do Conselho Editorial da CEP e do
Mesmo o “melhor candi- de duas opções: (1) convi- pre o mesmo: “É preciso e de pecar horrivelmente CECEP.
Brasil
10 Presbiteriano Novembro de 2018

VIDA DE PASTOR

Pastores em co
Valdeci Santos respeito ao isolamen- O superpastor ter adoecido e se abatido.
to, enquanto a segunda é Esse é aquele pastor que

O pastorado não é uma


profissão convencio-
nal, mas uma atividade
uma disciplina espiritual
mediante a qual a pessoa
cultiva privacidade para
possui um enorme zelo
pela causa do Senhor e
se sente responsável por
O pastor celebridade
Nenhum pastor gostaria
de ser impopular. Todavia,
vocacional que contém um relacionamento mais fazer todas as tarefas pos- alguns parecem não medir
seus próprios riscos. Nos profundo com o Senhor síveis no ministério pas- esforços para se tornar
últimos dias nos tornamos Deus (cf. Lc 5.16). O pro- toral. Geralmente, ele não celebridades no mundo
mais conscientes desses blema é que há pastores expressa nenhuma fraque- evangélico. Acontece que
perigos ao ler sobre pasto- que preferem a solidão e za, não admite nenhuma a celebridade nem sempre
res que sofreram burnout, se isolam no ministério. limitação, não respeita se faz acessível e acaba
esgotamentos e até come- O pastor solitário se folgas nem férias e se se recolhendo na esfe-
teram suicídio. Outros coloca em condição de mostra incansável no tra- ra do isolamento. Além
ainda foram afastados risco ao se posicionar em balho do Senhor. Em seu do mais, mesmo quando
do ministério e despoja- uma esfera na qual poucos íntimo, o superpastor se a celebridade faz algo
dos por conduta contrária têm acesso a ele. Com isso, sente indispensável! errado, há uma “tolerân- ser social, criado à ima-
ao padrão do evangelho. quase ninguém consegue O problema com essa cia maior” com ela, pois gem do Deus relacional.
Há ainda casos de pas- ajudá-lo ou admoestá-lo atitude é que, além de geralmente essa pessoa é O convívio social implica
tores que, mesmo ativos e, em momentos de crise, impedir que outras pes- tão querida e faz tantas organização e governo e
no ministério, perderam a ele não consegue identifi- soas ao redor exerçam outras coisas úteis. tudo isso demanda o exer-
alegria e a vitalidade, dei- car outros para ajudá-lo. seus dons espirituais na Essa é exatamente a cício político. Há, porém,
xando claro que, se tives- Para piorar, é preciso lem- causa de Cristo, esse razão por que o pastor diferenças práticas entre
sem alternativa, deixariam brar que o pecado floresce irmão ignora o ritmo de celebridade se coloca ser político e ser politi-
o pastorado. O problema mais rapidamente no iso- seu corpo, suas limitações em condição perigosa. O queiro. Além de preocu-
é que essas notícias, mui- lamento (cf. 2Sm 11–12). físicas e emocionais. Esse problema é que “peca- par-se demasiadamente
tas vezes, vêm a público dos escandalosos” geral- com as manobras políti-
quando já é tarde demais! mente começam como cas, o politiqueiro pode,
Certamente os riscos do “pequenos erros”. Além em várias ocasiões, usar
pastorado são muitos, mas do mais, um ministério meios não louváveis em
alguns pastores se encon- influente e popularida- sua maneira de agir poli-
tram em condições mais de crescente podem não ticamente. Infelizmente,
perigosas que outros. Ao ser indicadores da bên- essa não é uma carac-
identificar alguns desses ção de Deus, pois muitos terística apenas da polí-
riscos, poderemos cuidar pastores caíram no pas- tica secular, mas acaba
melhor, avaliar e, talvez, sado em momentos que se revelando também na
evitar maiores desastres experimentavam a “gló- política denominacional e
a esses irmãos. Portanto, ria” da aprovação popular. na prática local de alguns
relaciono abaixo alguns Finalmente, popularidade pastores.
pastores e condições inse- foi uma das últimas ten- O pastor politiqueiro
guras em que exercem o tações apresentadas ao acaba depositando sua
ministério pastoral. Ao final, a solidão acaba ministro pode ter um bre- Redentor (cf. Mt 27.42). confiança e segurança nas
sendo preenchida pela viti- akdown de um momento manobras, acordos e con-
O pastor solitário mização ou pela amargura. para o outro e, quando O pastor politiqueiro chavos feitos com outros
Solidão é diferente de Logo, solidão ministerial é isso acontece, ainda terá O ser humano é uma líderes eclesiásticos. Essa
solitude. A primeira diz muito arriscada! de enfrentar a culpa por criatura política, pois é um atitude indica que o maior
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 11

ondição de risco
Senhor não viva a con- é a piedade com o conten- não conseguirá ver beleza Nos casos dos pastores que
tender” (2Tm 2.24). Mas tamento” (1Tm 6.6). nem bênçãos no que Deus lutam com problemas no
alguns pastores preferem Todavia, o descontenta- tem realizado em sua vida. casamento, o mais sábio
o caminho da belicosida- mento acaba roubando não seria buscar ajuda, tratar
de! apenas a alegria, mas a O pastor com o “casa- a ferida e procurar reco-
O problema do belicoso energia da alma e o cren- mento por um fio” brar o amor que um dia
é que nem sempre ele dis- te passa a fazer o traba- O casamento tanto pode uniu o casal. Nesse sen-
tingue pelo que, de fato, lho do Senhor gemendo. ser fonte de alegria, como tido, é sempre bom notar
deve lutar. Alguns confun- Além do mais, a insatisfa- de sofrimento. Quando o que geralmente quando
dem preferências pessoais ção alimenta a murmura- relacionamento no qual falamos que falta amor no
com convicções doutriná- ção e a amargura, que por deveríamos gozar a mais relacionamento, a maior
rias e desperdiçam tempo sua vez, contamina os que profunda intimidade aqui ausência na verdade é a do
e esforços em questões se encontram ao redor. O na terra se torna nossa próprio Deus, pois Deus é
que não trazem edifica- apóstolo Paulo exortou o fonte de angústia, há sem- amor (1Jo 4.8). De qual-
ção. Pior ainda, o belicoso crente a “fazer tudo sem pre o perigo de buscarmos quer maneira, não apenas
temor desse indivíduo é geralmente procura justifi- murmurações nem conten- alívio e realização fora o casamento, mas é sempre
em relação ao poder dos car sua ira e seu zelo teolo- tas” (Fp 2.14). desse contexto. No caso arriscado manter a própria
homens, das instituições gicamente e, consequente- No caso do pastor insa- do ministro, isso é recei- vida “pendurada por um
e das ordens humanas e mente, se torna cego para tisfeito, sua alma cansada ta certa para o desastre e fio”.
não de Deus. Por isso, com os seus exageros e afetará seu relacionamento ruína. Certamente, esses tipos
sua segurança se encontra caprichos. Isso aconteceu de ministros menciona-
nos seus acordos e pla- com o profeta Jonas que dos acima são apenas uma
nos e não em Deus. O não teve como justificar pequena amostragem de
sábio de Provérbios afir- sua atitude diante de Deus como o universo pasto-
ma que “quem teme ao (cf. Jn 4.9). O perigo dessa ral pode ser arriscado. Há
homem arma ciladas” (Pv condição tem a ver com a muitas outras dificuldades
29.25) e talvez isso expli- autojustiça do pastor beli- que não foram contempla-
que algumas manobras do coso e com o estrago que das aqui, mas cada pastor
politiqueiro. Nem precisa o seu procedimento pode pode refletir melhor sobre
afirmar quão arriscada é causar na vida das ovelhas sua condição e humilde-
essa condição! de Cristo. mente buscar graça diante
do Senhor e ajuda com
O pastor belicoso O pastor insatisfeito outros membros do Corpo
É verdade que a “fé que Contentamento é uma de Cristo. Em tese, per-
uma vez por todas foi virtude a ser cultivada, manece a norma de que a
entregue aos santos” pre- pois a tentação em prol com Deus, com a famí- Infelizmente, há pastores melhor maneira de se pro-
cisa ser defendida e essa do descontentamento está lia e com suas ovelhas. O cujo relacionamento con- teger dos desastres é saber
defesa pode exigir uma em todo lugar. O puri- risco de tudo isso é esse jugal só é mantido por um que somos vulneráveis a
“batalha” (Jd 3). Todavia, tano Jeremias Burroughs pastor entrar em um “jogo fio. Esse “fio” pode ser o eles!
nem tudo no ministério (1599-1646) escreveu de comparações” e ressen- medo do despojamento, o
precisa ser motivo para sobre “a joia rara do con- timentos que não beneficia receio de perder os filhos, a [1] BURROUGHS, Jeremiah. Aprendendo
a estar contente. São Paulo: PES, 1990-
uma “boa briga”. Além tentamento cristão”[1] um ninguém. Dificilmente esse angústia de cair em descré- 2003.

do mais, as Escrituras tesouro inestimável e pre- pastor será um “portador dito, etc... Porém, é sem- O Rev. Dr. Valdeci da Silva Santos
também afirmam que “é servado por todo cristão, de boas novas”, pois che- pre muito perigoso viver é pastor da IP Campo Belo, São
Paulo, e Secretário Nacional de Apoio
necessário que o servo do pois “grande fonte de lucro gará um ponto em que ele dependente de um “fio”. Pastoral.
Brasil
12 Presbiteriano Novembro de 2018

IGREJA PERSEGUIDA

O cristianismo no Norte da África


Igrejas em países fechados ao evangelho no Norte da África rompem barreiras para treinar líderes de
comunidades ainda engatinhando, com cristãos recém-convertidos do islamismo.

A rgélia, Líbia e Tunísia


são exemplos de paí-
ses no norte da África em
dessa jovem igreja é agora
estabelecer um firme fun-
damento e deixar um lega-
sas. “Alguns vão a três ou
quatro igrejas, pois não en-
tendem que a igreja são as
berdade de culto, o cristão
tunisiano enfrenta a perse-
guição severa. A Tunísia
do curso de discipulado no
Norte da África nos últimos
nove anos. Em 2017, 400
que seguir a Cristo pode do para a próxima geração. pessoas, os membros, e que está ocupa a 30ª colocação cristãos foram treinados.
custar a vida. Países muçul- Essa é a preocupação de tem a ver com dar, não ape- na Lista Mundial da Perse- Ajude a formar um líder
manos viram o renascimen- Mustafá, um dos líderes da nas receber”, compartilha guição, que classifica os 50 A jovem igreja do Norte
to da igreja cristã a partir da igreja na Tunísia. Formado Mustafá. O passado islâ- países que mais perseguem da África, composta em sua
segunda metade do século em engenharia civil, Mus- mico também influencia o cristãos no mundo maioria por jovens ex-mu-
20. Renascimento, pois até tafá tem 29 anos, é casado modo como veem a Bíblia, Treinamento de pasto- çulmanos, precisa continu-
a invasão árabe, no ano 700 e pai de dois filhos. Hoje, que para eles é um livro re- res e líderes ar investindo na capacita-
d.C., o cristianismo cres- ele se dedica ao reino em ligioso ao qual devem ou- Uma equipe da Portas ção de novos líderes, que
cia na região, apesar da tempo integral e atua na vir, mas não um livro com Abertas é deslocada uma ajudarão a discipular os no-
perseguição. área de logística. É respon- o qual devam se relacionar, vez por ano para a Tunísia vos convertidos.
Hoje, a Argélia é um dos sável por organizar todos conhecer e assim descobrir para ensinar os pastores. Para mais informações,
países com a igreja mais os ministérios da igreja e como Deus quer que vivam Centenas de novos con- acesse: www.portasabertas.
forte e ativa, há cerca de 37 também prega e ensina. no dia a dia. Em uma cultu- vertidos já participaram org.br/doe/lideres
mil cristãos em 40 igrejas. Ele participou de um trei- ra oral, os árabes não estão
É a maior e mais organi- namento de líderes realiza- acostumados a ler. Baseado
zada comunidade cristã do do pela Portas Abertas no em sua própria experiên-
Norte da África. ano passado. Mustafá con- cia, Mustafá explica que
Na Líbia, a invisível igre- ta que sua igreja começou um novo convertido tem
ja cristã é formada por es- do zero, como uma igreja de aprender a ler a Bíblia.
trangeiros, que entram no doméstica, mas em 2006 “Foi um desafio para mim
país para trabalhar. Cerca obteve permissão para usar aprender e ter prazer em ler
de 150 cristãos líbios na- o prédio de uma igreja de a Bíblia”, confessa.
tivos raramente se encon- estrangeiros. “Para nós era Além dos desafios inter-
tram e são perseguidos. algo novo. Éramos de seis nos, a jovem igreja enfren-
A igreja cristã na Tunísia a oito pessoas no começo, ta o desafio de ser relevante
teve melhor situação a par- mas o Senhor trabalhou em seu contexto, marcado
tir do século 21, com a con- muito em nossa igreja. por perseguição e rejeição
versão de muitos muçulma- Agora temos 90 membros, da sociedade. Para isso,
nos ao cristianismo, devido com várias famílias com não querem seguir modelos
ao trabalho em rádios e filhos de todas as idades; prontos. Mustafá diz que é
TVs via satélite, transmiti- temos todas as gerações na importante para a igreja da
dos a partir de países vizi- igreja”, alegra-se. Tunísia construir sua pró-
nhos. A igreja começou em O próprio conceito de pria identidade. “Estamos
reuniões nos lares e hoje já igreja é novo para ex-mu- lançando os fundamentos,
se reúne em prédios com çulmanos. Acostumados criando nosso sistema, a
um número maior de parti- a ir à mesquita para orar administração, teologia,
cipantes em cultos. Há cer- e ouvir os sermões, eles treinamento, cursos, disci-
ca de 1.500 cristãos nativos veem a igreja apenas como pulado, pregação. Temos
no país. um lugar onde cumprem que definir tudo isso”, diz.
O desafio da liderança suas obrigações religio- Mesmo com a suposta li-
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 13
FÉ E CONTEMPORANEIDADE

Tolerância religiosa não é sincretismo religioso


Ildemar Berbert laico. Desde 1888 que o
Estado brasileiro é laico,

É sabido que a forma-


ção religiosa do povo
brasileiro é inclinada ao
ou seja, que Igreja e Es-
tado se separaram oficial-
mente, mesmo mantendo
misticismo e o sincretis- privilégios extraoficiais. O
mo. Também é sabido que conceito de “Estado laico”
é norma de lei, da Consti- significa que o estado não
tuição Federal, que o nosso pode interferir nos negó-
povo goza de liberdade re- cios internos da igreja e
ligiosa. É fato também que, nem a igreja interferir nos
desde 1888, a Igreja e o negócios do estado, a me-
Estado estão oficialmente nos que seja por este cha-
separados. Também é fato mado para opinar. Como
que o Estado brasileiro é instituição, um tem deve-
laico. Sendo assim, é fácil res com o outro. A igreja de
falar de liberdade religiosa honrar o Estado e o Estado
em nosso país e é necessá- lerância religiosa”. Mui- religioso. Isso não é tole- país nos parece que vem de proteger a igreja e ga-
rio falar de tolerância reli- tas vezes sem envolver as rância religiosa, é mistura travestida de imposições e rantir a sua liberdade. Pa-
giosa em nosso tempo. igrejas no diálogo. Creio religiosa. Tolerância signi- conceitos que visam mas- rece, porém, que estamos
Não há espaço em nossa ser necessária a discussão a fica que cada um pode pre- sificar a crença e suprimir criando um conceito de que
democracia para interfe- partir do momento em que servar a sua identidade reli- a identidade de grupos reli- estado laico é estado ateu,
rência do Estado nos ne- a sociedade esteja se incli- giosa sem perder o diálogo giosos e a obrigatoriedade ou antirreligioso. Como se
gócios da igreja e nem da nando para a intolerância. e o respeito, que revela ma- de rezar numa mesma car- os cidadãos desse estado
igreja nos negócios do Es- Quero considerar alguns turidade de uma sociedade tilha. Mas não, a liberdade não fosse pessoas religio-
tado. E ainda, no que diz pontos que devem ser re- em desenvolvimento. religiosa é também a liber- sas com costumes, crenças
respeito ao convívio das fletidos nesse diálogo: Em segundo lugar, deve- dade de pregação do evan- e moral. Ignorar isso é des-
religiões entre si, a legisla- Primeiramente devemos mos levar em consideração gelho e divulgação de suas respeito ao cidadão e não
ção brasileira proíbe qual- entender que as raízes his- a liberdade religiosa pre- doutrinas. Foi em nome da apenas uma intolerância
quer tipo de intolerância tóricas da religião em nos- vista na Constituição Fede- liberdade religiosa que a religiosa do Estado com o
e discriminação religiosa, so país são compostas de ral. Liberdade religiosa dá Suprema Corte Norte-A- seu povo, como se o povo
sendo livre a sua prática misticismo e sincretismo. o direito de o cidadão brasi- mericana deu sentença fa- não fosse o Estado.
em solo brasileiro. Sem Isso significa uma mis- leiro ter a sua religião sem vorável ao confeiteiro que Assim sendo, tolerância
perseguição do Estado com tura, sem uma identidade nenhum constrangimento. se negou a fazer um bolo religiosa não é sincretis-
a igreja e sem violência en- própria. O sincretismo diz Claro que toda religião está temático para a união de mo religioso e nem ecu-
tre os diversos seguimen- respeito a junção de vários sujeita às normas da lei e duas pessoas do mesmo menismo religioso, mas
tos religiosos, tendo como conceitos e várias práticas. daquilo que é lícito. Espe- sexo, por ser uma prática um convívio socialmente
norma o convívio respeito- No campo religioso quer ra-se que a religião ajude o contrária as suas convic- respeitoso, em que cada
so e a tolerância. dizer estar tudo misturado homem a ser respeitoso e ções bíblicas. Liberdade seguimento religioso tenha
Tem sido discutido em e confuso. “Um pouquinho pacífico. A liberdade reli- nos dá o direito de concor- liberdade de ação e expres-
diversas instâncias de nos- de cada”. Isso deixa qual- giosa dá também o direito dar ou discordar de certas são, e o direito de cumprir
sa pátria, tanto nos meios quer grupo religioso sem de cada grupo religioso ter práticas e comportamentos a sua missão e preservar a
universitários, como na uma identidade própria. E a sua identidade própria, sociais e morais sem ser- sua identidade.
imprensa livre, nas redes o misticismo torna o senti- inclusive discordar respei- mos “pichados” de intole-
sociais, nas câmaras muni- do religioso algo fora da ra- tosamente uns dos outros. rantes ou preconceituosos. O Rev. Ildemar de Oliveira Berbert
cipais (inclusive na nossa zão. Essa é uma tendência Quando se fala em tole- Uma terceira considera- é pastor da IP Central de Dourados
e Presidente do Presbitério de
cidade), o assunto da “to- inclusive do ecumenismo rância religiosa em nosso ção é sobre o Estado ser Dourados.
Brasil
14 Presbiteriano Novembro de 2018

FORÇAS DE INTEGRAÇÃO

1ª Comissão Executiva da Confederação Nacional de Mocidades


Matheus Souza

A cidade de Salva-
dor teve a oportunida-
de de sediar a primeira reu-
nião da Comissão Executi-
va da Confederação Nacio-
nal de Mocidades no qua-
driênio de 2018 a 2022, e
nós, Mocidade Presbiteria-
na do Brasil, tivemos o pri-
vilégio de receber os ca-
lorosos abraços e especial
hospitalidade de nossos ir-
mãos baianos. A reunião da
Comissão Executiva acon-
teceu entre os dias 21 e 23
de setembro na Centenária
IP da Bahia. Contamos com
51 sinodais representadas,
na presença de 66 delega-
dos e 32 visitantes conta-
bilizando mais de 20 horas Jovens presentes na 1ª Comissão Executiva da Confederação Nacional de Mocidades
de plenário. Esses jovens
se mantiveram empenha- UMPs participem e façam tem sido um grande cha- Cristã, apresentou o pro- siste em visitar os seminá-
dos, mostraram o que é ser diferença não só em suas mado em que os jovens de jeto “Nossa História”, que rios presbiterianos entre os
“Unidos no Trabalho” e, igrejas locais, mas tam- nossas igrejas tem se em- através de imagens gráfi- anos de 2018 e 2019, pre-
dedicados no amor, em dar bém em suas comunidades, penhado e no qual estamos cas e vídeos curtos abor- senteando os seminaristas
continuidade e apoio ao tra- e que compreendam a ra- trabalhando. darão às áreas Símbolos como kit acadêmicos per-
balho já existente nos cinco zão pela qual fazemos tudo Nessa CE foi apresenta- de Fé, História da IPB e da sonalizados, confecciona-
cantos do nosso Brasil. isso – tão somente por ele e da à Mocidade Presbite- UMP, Identidade Presbite- dos pela CNM e patrocina-
Com o tema do quadri- para glória dele. Aplicando riana uma nova Secretaria, riana, Cultura Cristã e Sa- dos por todas as Mocidades
ênio “Porque nele vive- o nosso tema e devido aos com o objetivo de compar- bedoria Bíblica. do Brasil.
mos”, baseado no discur- bons frutos o PMF (Proje- tilhar material de qualidade Nos momentos de dis- Foram maravilhosos mo-
so de Paulo em Atenas, no to Missionário de Férias) relacionado à nossa identi- cussão, foi possível com- mentos de edificação, cres-
qual responde aos filóso- terá continuidade através dade e fé cristã, e focando partilhar entre os delega- cimento espiritual, descon-
fos de sua época, a razão da nossa Secretaria de Mis- no crescimento e aprimo- dos e visitantes os docu- tração, interação, dedica-
de nossa existência: “Pois sões, assim como foi cria- ramento espiritual de nos- mentos de Planejamen- ção, empenho e sem dúvi-
nele vivemos, nos move- do o projeto DJE (Dia do sos jovens. Ciente das di- to Estratégicos, os proje- da, muitas risadas e novas
mos, e existimos, como Jovem Evangelista), man- versas oportunidades de tos da secretaria de Educa- amizades... e na certeza de
alguns dos vossos poe- tido os projetos “Salvos absorção de conteúdo nos ção Cristã, Missões e Res- que porque nele vivemos,
tas têm dito: Porque dele pelo Sangue”, “Até o úl- dias de hoje, essa secretaria ponsabilidade Social; fo- seguiremos, alegres na es-
também somos geração” timo fio” entre outros. O trabalha em parceria com a ram apresentadas as pro- perança, fortes na fé, dedi-
(At 17.28). O objetivo da despertar para Missões, se- casa Editora Cultura Cris- postas da Secretaria de Co- cados no amor, unidos no
CNM tem sido apoiar e in- jam elas urbanas, na roti- tã e aos diversos pastores e municação e Secretaria de trabalho.
centivar que os mais de na diária ou através de via- educadores que temos em Produtos e o novo proje-
70 mil jovens, espalhados gens e doação de seus tem- nossa igreja. Diante disso, to de apoio aos seminaris- Matheus Souza é presidente da
diretoria da Confederação Nacional
pelo Brasil, membros de pos de férias e habilidades, a Secretaria de Educação tas presbiterianos, que con- de Mocidades.
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 15
REFLEXÃO

Vocação
“Ande cada um segundo o Senhor lhe tem distribuído, cada um conforme Deus o tem chamado (...)” (1Co 7.17).

Antônio Cabrera meras vilas, pratica o estu- de estupro e é um homem


pro em massa e depois foge que passa o dia enfrentan-

U ma das
des heranças da
Reforma Protestante é
gran- para as selvas do Congo.
É uma imensa contradi-
ção em paisagens encanta-
do o pior do que os huma-
nos fazem. Sua mensagem
é simples: “Se os cristãos
a doutrina da vocação. doras que você fotografa. não viverem as implica-
A vocação não é uma ques- Foi neste ambiente que ções práticas de sua fé
tão do que nós fazemos, mas Denis Mukwege, o terceiro entre suas comunidades e
sim do que Deus faz em dos nove filhos de um gen- vizinhos, eles não poderão
nós e por nosso intermédio. til pastor pentecostal, via- cumprir a missão que nos
É como se você tivesse java com seu pai em uma foi confiada por Cristo”.
várias portas, mas Deus visita aos doentes da região. É através da fé e da
mostra apenas uma aberta. Um dia ele perguntou: sua vocação que você
Lembrei-me disso quan- “Pai, você ora pelos doen- poderá impactar o mundo.
do visitei a região do tes, mas por que não O Dr. Mukwege des-
Congo e de Ruanda, lhes dar remédio? cobriu a sua vocação e
principalmente Kigali. Seu pai respondeu: Dr. Denis Mukwege está fazendo diferença.
Ali você ainda descobre “Eu não sou médico.” Ele acaba de ser agracia-
os resultados da barbárie Sua vocação nasceu naque- costais na África Central. ginecologista em uma do com o Premio Nobel
humana, principalmen- le dia e hoje ele trabalha Conhecido por Dr. Milagre, província de 65.000 Km2. da Paz.
te praticada pelos Inte- no Hospital Panzi, uma dedicou o seu chamado a Ele é um curador decidi-
O Dr. Antônio Cabrera Mano Filho
rahamwe, um grupo rebel- organização administra- cuidar de vítimas de estu- damente otimista, já tratou é presbítero da IP de São José do Rio
de que ataca e saqueia inú- da pelas Igrejas Pente- pro no Congo e é o único de mais de 30 mil vítimas Preto (SP).

DEVOCIONAL

Deus, meu baluarte


Sérgio Bispo baluarte porque Deus ouve a voz abençoar seus caminhos. “Aquele que formou os olhos. Sim, claro
do seu povo. Pergunta o salmis- que ao homem dá conhecimento, que tem sabedoria aquele que ao

B aluarte é uma fortaleza, um


lugar seguro, utilizado para
apoio, como auxílio que não pode
ta em tom de ironia, no versículo
9: “O que fez o ouvido acaso não
ouvirá?”
não tem sabedoria?” pergunta no-
vamente, no versículo 10.
• O salmista faz de Deus o seu
homem dá conhecimento. Sim,
claro que há de julgar, e punir com
justiça, aquele que repreende, que
ser tomado pela força. O salmista • O salmista faz de Deus o seu baluarte porque confia na justi- traz juízo às nações.
diz: “(...) o Senhor é o meu baluar- baluarte porque sabe que Deus o ça de Deus. “Porventura, quem Quem é o seu baluarte?
te e o meu Deus, o rochedo em que vê, sabe que os olhos de Deus es- repreende as nações, não há de Se ele não ouve, se ele não vê, se
me abrigo” (Sl 94.22). Por que o tão sobre ele. “O que formou os punir?”, ou seja, não há de tra- ele não é sábio, se ele não é capaz
salmista faz de Deus o seu balu- olhos será que não enxerga?”, per- zer julgamento e de fazer justiça? de julgar e fazer justiça, fuja dele,
arte, e proclama essa verdade para gunta ele no versículo 9. Pergunta o salmista (v.10). Nossa você corre perigo!
que todos ouçam, inclusive seus • O salmista faz de Deus o seu resposta seria um solene sim...
adversários? baluarte porque sabe que Deus é Sim, claro que ouve o que fez o O Rev. Sérgio Bispo dos Santos é pastor da IP
• O salmista faz de Deus o seu sábio para conduzir sua vida e ouvido. Sim, claro que enxerga o de Ourinhos, SP.
Brasil
16 Presbiteriano Novembro de 2018

PROJETO SARA

Casados para a glória de Deus


"Vendo Raquel que não dava filhos, disse estava satisfeita. Era uma o mesmo Deus que lhes amor, com o mesmo sen-
a Jacó: Dá-me filhos, senão morrerei. Ela esposa querida, que tinha concedera filhos, em situ- timento, com humildade,
experimentando a prova ações especiais. Poderia considerando cada um o
concebeu, deu à luz um filho. E lhe chamou desse amor de ser recebida ter orado em submissão à outro superior a si mesmo,
José, dizendo: Dá-me o Senhor ainda outro como esposa após anos de vontade de Deus e aguar- não tendo cada um em
filho. Partindo de Betel, deu à luz Raquel um trabalho. O ciúmes de sua dar a boa, agradável e per- vista o que é propriamen-
filho, cujo nascimento lhe foi a ela penoso. irmã a fez mudar o foco do feita vontade divina. te seu, senão cada qual
seu casamento de ser grata Mesmo quando Deus o que é do outro, tendo
Seu pai lhe chamou Benjamim. Assim,
a Deus por tudo, mas pre- lhe concede um filho, não o mesmo sentimento que
morreu Raquel”. feriu olhar para si mesma, consegue ser grata. Logo houve também em Jesus
(Gn 30.1, 23; 35.16-19) desejar o que era de sua que concebeu, sua ora- (Fp 2.1-5).
irmã e não dar valor ao ção foi: Dá-me o Senhor Que possamos edificar
Raquel de Paula Lia. Elas competiam pela que lhe fora dado. Dá-me ainda outro filho. E Deus nosso lar em Cristo, andan-
preferência dos sentimen- filhos, senão morrerei é a atendeu. Sua vontade foi do em seus caminhos, con-

R aquel, a filha mais


nova de Labão, era
muito bonita. Foi con-
tos do seu marido dando-
lhe filhos. Os nomes que
escolhiam para seus filhos
uma expressão exagerada
para sua tristeza, que evi-
dencia um coração longe
feita: ela concebeu outro
filho, mas morreu durante
o parto.
firmando nossa fé, crescen-
do em ações de graças por
tudo que Deus fez por nós
quistada por Jacó, que era reflexo dessa luta e do de Deus e sem o propósi- Nosso casamento é uma e ainda há de fazer. Que o
trabalhou muitos anos reconhecimento do auxílio to de viver para sua gló- aliança que Deus instituiu nosso casamento seja para
para tê-la como sua espo- de Deus quando despreza- ria, em gratidão por tudo para sua glória, para que a glória de Deus.
sa. Mas esse casamento das e inférteis. o que ele já havia feito. possamos viver unidos de
incitou conflito e rivali- O fato é que Raquel tinha Raquel conhecia a história alma, com mesmo pen- Raquel de Paula é membro da IP
Praia Grande, SP, e colaboradora do
dade entre ela e sua irmã o amor de Jacó mas não de Abraão e de Isaque. Era samento, com o mesmo Brasil Presbiteriano.

JUBILAÇÃO

IP de Cabo Frio realiza culto de gratidão


Luiz Carlos Correa rigido pela Comissão Exe- Congregacional, que falou prestado à obra pelo Rev.
cutiva, teve a participação sobre a fidelidade e a inte- Filadelfo Filho.

O Presbitério de Cabo
Frio realizou Culto de
Ações de Graça pela jubi-
do Coral Ecos de Louvor
e Ministério de Louvor da
IP de Cabo Frio, do gru-
gridade pastoral, com base
em Josué 13.1.
O Presidente do Sínodo
A IP de Cabo Frio home-
nageou também sua esposa
Marli Menezes.
lação do Rev. Filadelfo do po musical Filadélfia, da Costa do Sol e Vice-presi- O Rev. Filadelfo Filho,
Nascimento de Jesus Filho. Igreja Congregacional do dente do Presbitério, Rev. nos 35 anos de ministério
A celebração aconteceu na Guriri, do cantor e pastor Arivelton Peisini, expli- pastoral, exerceu o minis-
IP de Cabo Frio, no dia 24 Gerson Santos, e do trio cou a jubilação na IPB, e o tério na Igreja Evangélica
de agosto, com a presença musical Ruth, Leiliane e Pb. José Alfredo Marques Congregacional e na IPB.
das igrejas do Presbitério Érika. de Almeida, Secretário Ele é casado com Marli
com seus pastores e presbí- O pregador foi o Rev. Executivo do Presbitério Menezes de Jesus, tendo
teros, assim como de igre- Josué Barbosa Cordeiro, e Tesoureiro do Supremo dois filhos, Eduardo e Eri-
Entrega de placa comemo-
jas e pastores da região dos Corregedor do Departa- Concílio da IPB, entregou ka, e uma neta, Valentina.
rativa ao Rev. Filadelfo pelo
Lagos e do Rio de Janeiro. mento de Atividade Minis- Secretário Executivo do PRCF uma placa comemorati- O Rev. Luiz Carlos Correa é
O programa litúrgico, di- terial da Igreja Evangélica José Alfredo va dos 35 anos de serviço Presidente do Presbitério de Cabo Frio.
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 17
MEDITAÇÕES

Confissão apostólica
Frans Leonard Schalkwijk semelhante a nós, mas sem pecado. Espírito Santo
4. padeceu sob o poder de Pôncio Pilatos, para morar em nossos corações para nos
“Sei em quem tenho crido...” (2Tm 1.12) foi crucificado, morto e sepultado, desceu ao guiar, advertir e consolar!
lugar dos mortos; 9. numa santa igreja universal, na comunhão
Com toda a sua igreja, Senhor, confesso que, Pela graça de Deus, eu também coloquei as dos santos;
pela Tua graça, minhas mãos Enche o meu coração com Teu amor para
sobre esse Cordeiro de Deus, morto em meu com meus irmãos,
1. Creio em Deus Pai, Todo-poderoso, lugar. também os que andam longe de Ti, para
Criador do céu e da terra. 5. ressurgiu dos mortos ao terceiro dia; poder ajudá-los em amor!
Ele, por amor ao Seu Filho, quer ser também Por isso sei que meu Redentor vive; 10. na remissão dos pecados;
o meu Pai, já me faz andar numa vida nova e um dia me Louvado seja Deus, também pelo perdão dos
que me sustenta e faz cooperar todas as ressuscitará! pecados despercebidos!
coisas para meu bem. 6. subiu ao céu; está assentado à mão direita 11. na ressurreição do corpo;
de Deus Pai Todo-poderoso, Sim, Senhor, ainda que percebo que a minha
2. Creio em Jesus Cristo, Lá Ele intercede por nós e pela sua igreja tenda terrestre esteja decaindo,
Seu único Filho, nosso Senhor; perseguida sei que Tu me guias com Teu conselho, e,
Ele é o nosso Salvador, prometido através dos para que nossa fé nunca desfaleça. depois, glória, Tu me recebes!
séculos, 7. de onde há de vir para julgar os vivos e 12. e na vida eterna. Amém.
nosso supremo Profeta, nosso único Sumo- os mortos. Percebendo um princípio desta vida no meu
Sacerdote e nosso eterno Rei. Oh, Senhor, venha logo para estabelecer Teu coração, Te agradeço que estarei contigo na
3. o qual foi concebido por obra do Espírito Reino de justiça e paz eternidade para louvar e servir-Te conforme a
Santo, nasceu da virgem Maria; neste mundo atribulado! Maranata! Amém! Tua vontade. Amém.
Ele, verdadeiro Deus, se tornou verdadeiro
homem também, 8. Creio no Espírito Santo; De Meditações de um Peregrino, de Frans Leonard Schalkwijk,
e por isso Ele nos chama de irmãos, Muito obrigado, Senhor, que mandaste Teu Cultura Cristã, 2014.

PREGAÇÃO

A importância da aplicação do sermão


Jubal Gonçalves uma passagem da Escritu- ção. Podemos afirmar que a da na habilidade do pre- mensagem original do au-
ra. Sem explicação e com- pregação não é meramente gador em aplicar as lições tor da aplicação pertinente

A aplicação de ser-
mão é um dos aspec-
tos mais urgentes da prega-
provação do conceito da
passagem, a pregação não
será expositiva; sem aplica-
a proclamação da verdade,
e sim a verdade aplicada.
Com o mesmo esmero com
bíblicas às necessidades da
sua congregação. O pre-
gador necessita do Espíri-
ao mundo contemporâneo.
Portanto é importante que
o pregador conheça o texto
ção bíblica. A oração “Que ção não é pregação. A men- que o pregador o conceito to tanto para interpretar o sagrado, assim como a sua
Deus aplique sua Palavra sagem estará incompleta se genuíno do texto bíblico, texto quanto para aplicá-lo. congregação, e se esmere
em nosso coração” não o pregador não tiver o cui- deve, também, mostrar de Muitas pessoas desasso- espiritual e academicamen-
pode eliminar o cuidado dado de elaborar cuidado- que modo a mensagem é ciam a pregação bíblica da te para ser instrumento de
do pregador em elaborar a samente uma aplicação es- aplicável a sua congrega- praticidade. No entanto, é Deus na alimentação do re-
aplicação do sermão. pecífica para os seus ouvin- ção, sem, contudo, adul- incoerente falarmos de pre- banho, sendo preciso e cla-
A pregação expositiva tes, a partir do texto bíblico. terar o sentido original do gação bíblica sem fidelida- ro na aplicação do sermão.
consiste na explanação, A relevância da mensa- texto. de e praticidade. A prega-
comprovação e aplicação gem bíblica é evidenciada A iluminação do Espírito ção fiel das Escrituras con- O Rev. Jubal Gonçalves é mestre
em Pregação pelo Andrew Jumper e
do conceito encontrado em através de uma boa aplica- Santo pode ser demonstra- siste em não desassociar a pastor da 4ª IP de Carapicuíba.
Brasil
18 Presbiteriano Novembro de 2018

CELEBRAÇÃO

Aconteceu em Novembro
Organização da IP Águas Vivas 1483 – Nasce Martinho Lutero, uma das figuras centrais
da Reforma Protestante.
“Louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo. E 1748 – Nasce Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes,
todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se um dos defensores da independência do Brasil.
haviam de salvar.” (At 2. 47) 1807 – A corte portuguesa decide transferir-se para o Bra-
sil fugindo da invasão francesa.

N ão existem palavras
que possam expres-
sar nossa gratidão e alegria.
e de evangelizar nossos
amigos, vizinhos e parentes
ardia em nossos corações.
Deus enviava mais servos, a
palavra era pregada e assim
alcançavam os que iam e cer-
1825 – É lançado em Recife o Diário de Pernambuco, o
primeiro jornal da América Latina.
O sentimento é imensurável Em pouco tempo, apenas tamente serão salvos. Agora
1864 – Circula pela primeira vez, no dia 05 de novembro,
ao ver a IP Águas Vivas sete meses, Deus enviou os o desejo do coração é que
o Imprensa Evangélica, primeiro jornal religioso do país.
sendo organizada para trabalhadores para a seara a igreja cresça mais e mais,
louvor, honra e glória do e os que “iam sendo sal- em número sim, porém, mais 1884 – O Dia Nacional da SAF é celebrado no dia 11 de
Altíssimo. vos”. Findo esse tempo já ainda na graça e no conhe- novembro, pois a primeira Sociedade Feminina (SAF) de
Tudo começou com o eram vinte e nove pessoas cimento do nosso Deus, que se tem notícia e documentos comprobatórios foi cria-
desejo de um Grupo Familiar (29), que se reuniam nos por meio das Escrituras. O da na mesma data em Recife, com o nome de “Associação
(GF). Em uma conversa com lares, que naturalmente iam propósito é pregar a pala- Evangélica de Senhoras”.
sua esposa, Márcia Regina, se abrindo para receber os vra com fidelidade, viver na
Deus colocou no coração do GF. Tal crescimento os levou comunhão do Senhor e entre 1889 – Em 15 de novembro, o Brasil mudou sua história
Rev. Arlei o desejo de iniciar a desejar uma congregação. os irmãos de forma verda- com a proclamação da República pelo marechal Deodoro
um Grupo Familiar em feve- Um local mais amplo onde deira. Isso para que a cidade da Fonseca no Rio de Janeiro. A data marcou o fim da
reiro de 2012. O grupo iria prestariam culto público a de Águas Claras conheça a monarquia brasileira.
se reunir em sua casa todas Deus. E assim foi... mensagem da Cruz de Cristo 1895 – Em 08 de novembro desse ano Wilhelm Conrad
as semanas com o objetivo Isso aconteceu como fruto e veja, entre nós, uma igreja Röntgen, físico alemão, produziu o que hoje chamamos
de alcançar desigrejados e do esforço dos irmãos que comprometida com Deus e de Raios X.
enfermos de alma e corpo. se dedicaram a esse traba- com a comunidade ao seu
Tínhamos um desejo forte, lho, e ainda de todos que redor. 1919 – Pela primeira vez na França, as mulheres votam
uma esperança indizível e direta e indiretamente con- A nova comunidade, a IP em eleições legislativas.
uma vontade enorme de ver tribuem para a expansão Águas Vivas, foi organiza-
1979 – O presidente João Figueiredo regulamenta a Lei
o amor de Deus manifesta- do reino. Certamente isso da no dia 30 de setembro,
de Anistia.
do através do evangelho de já estava nos planos e no e está localizada na cidade
Cristo. No início eram ape- coração de Deus e os frutos satélite de Águas Claras, em 1982 – Em 14 de novembro, ocorre a primeira eleição le-
nas cinco pessoas. Irmãos vieram pelo trabalho desses Brasília-DF; e faz parte do gislativa brasileira após 20 anos de regime militar.
que já vinham de uma cami- irmãos e irmãs. Alguns que PRBN – Presbitério Brasília
nhada cristã em Grupos já passaram por aqui e dei- Norte. Seu primeiro e atual 1985 – O cometa Halley cruza os céus da Terra pela se-
Familiares: Rev. Arlei e sua xaram sua marca, todos con- pastor é o Rev. Arlei Cha- gunda vez no século 20.
esposa Márcia Regina; os tribuíram e oraram para que ves Gonçalves, cujo lema 1986 – Na América do Sul, o primeiro transplante cardíaco
irmãos: Cristina de Saboia, isso acontecesse; outros que de vida que foi adotado pela feito em uma criança é realizado no Brasil: Karina Dal Ro-
Joana Leal e Ademilson são pioneiros deste trabalho IPAV é “Tudo começa com vere é operada aos sete anos.
Stutz. Começaram o grupo ainda estão aqui conosco na oração”.
com uma alegria imensa, a caminhada da fé. Edilson Martins é seminarista 1986 – No Brasil, um terremoto de 5.1 graus na Escala Ri-
vontade de pastoreio mútuo A cada dia que passava na IP Águas Claras. chter atinge o município de João Câmara, no Rio Grande
do Norte.
1994 – Acontece o último eclipse total do Sol no hemisfé-
rio sul do século 20. O Sol fica encoberto pela Lua por 4
minutos e 25 segundos.
Brasil
Novembro de 2018 Presbiteriano 19
PRESBITERIANISMO EM FOCO

Livros que atravessam gerações


Marcone Carvalho da Presbyterian Church ma foi lançada em nosso mo através dos séculos,
of the USA (PCUSA), país pela Aste em 1967, e sua obra mais conhecida,

A queles que, nas últi-


mas décadas, pas-
saram pelos bancos dos
em 1901. Pastoreou em
Unadilla, NY (1901-1902)
e em South Orange, NJ
reeditada em 1983 e 2006.
O terceiro manual é o
do pastor presbiteria-
apareceu em 1954 e foi
traduzida para mais de dez
idiomas. No Brasil, tem
seminários e institutos (1902-1910). Ensinou his- no Earle Edwin Cairns sido publicada desde 1984
bíblicos em nosso país tória da igreja no Auburn (1910-2008): O cristianis- por Edições Vida Nova e já
tiveram de consultar livros Seminary (1901-1944) e mo através dos séculos. foi impressa várias vezes.
que, por sua vendagem ou no Union Seminary (1939- Canadense, ele mudou-se Desde 2008, uma nova
popularidade, podem ser 1944). Foi membro de em 1936 para os EUA. Na edição, revista e ampliada
considerados “clássicos várias associações e comi- cidade de Omaha (NE), – baseada na última edição
evangélicos”. No que con- tês e teve ativa participa- em 1938, bacharelou-se em inglês – está à disposi-
cerne à área história da ção no Sínodo de Nova tanto pela universidade ção dos leitores.
igreja, existem autores que York. Um dos líderes da Robert Hastings Nichols local como pelo seminá-
têm seu lugar reservado “ala liberal”, Nichols foi o rio presbiteriano. Entre
na biblioteca de pastores principal responsável pela te é o História da Igreja 1939 e 1942, obteve os
e seminaristas. Três deles “Auburn Affirmation”, Cristã, do pastor congre- títulos de mestre e doutor "Walker foi um
tiveram a primeira edição documento que culminou, gacional estadunidense em história, pela Nebraska
de suas obras publicada no em 1924, na controvérsia Williston Walker (1860- University. Durante esses
dos grandes no-
Brasil entre 1954 e 1984. fundamentalista/moder- 1922). Walker graduou-se anos, Cairns pastoreou nos mes do congre-
A História da Igreja nista no seio da PCUSA. em filosofia e letras no fins de semana e também
Cristã, de Robert Hastings
gacionalismo
Escreveu algumas obras, Amherst College (1883), lecionou no Omaha Pres-
Nichols (1873-1955), apa- sendo uma delas O cres- em teologia no Theologi- byterian Seminary. Em norte-america-
receu em 1954 pela Casa cimento da Igreja Cristã cal Seminary de Hartford no."
Editora Presbiteriana. (1914), traduzida e adap- (1886) e obteve seu dou-
Nichols era estadunidense tada ao português por torado em filosofia pela
e realizou seus estudos na José Maurício Vanderlei. Universidade de Leipzig, "Cairns publi-
Universidade de Yale (PhD A 14a edição foi lançada Alemanha (1888). Ensi- cou vários livros Os livros de Nichols,
1896) e no Seminário Teo- em 2013 e reimpressa em nou história eclesiástica Walker e Cairns têm for-
lógico de Auburn (1901), 2017 pela Cultura Cristã. no Bryn Mawr College
e editou obras mado gerações na disci-
sendo ordenado ministro Outro manual importan- (1888-89), no Hartford de referência." plina história eclesiásti-
Seminary (1889-1901) e ca, assim como a coleção
na Yale University (1901- Uma história ilustrada
1922). Foi um dos grandes do cristianismo, do meto-
nomes do congregacio- 1943, mudou-se para Chi- dista Justo Luis Gonzá-
nalismo norte-america- cago (IL) e ensinou histó- lez. São obras que ainda
no, havendo escrito obras ria da igreja no Wheaton podem ser úteis no século
que marcaram época, tais College durante três déca- 21. Contudo, paradoxal-
como Os credos e pla- das (1943-1973). Como mente, o sucesso editorial
taformas do congrega- professor, impressionava dessas obras pode escon-
cionalismo (1893), Uma por sua organização, clare- der a necessidade de novos
história das Igrejas Con- za e capacidade de integrar títulos, mais recentes e
gregacionais nos Estados teologia e história. Minis- atualizados. Que isso não
Unidos (1894), A Refor- tro da Igreja Presbiteriana aconteça.
Historia da Igreja Cristã, de Historia da Igreja Cristã, ma (1900), João Calvino Unida dos EUA, publicou
Nichols. Primeira edição em de Nichols. 14ª edição em (1906) e Uma história da vários livros e editou obras O Rev. Marcone Bezerra Carvalho
é pastor da 1ª IP de Santiago, Chile, e
português, 1954. português. igreja cristã (1918). A últi- de referência. O cristianis- colunista do Brasil Presbiteriano.
Brasil
20 Presbiteriano Novembro de 2018

Boa Leitura
Como Jesus Governa a Igreja – Guy mos diariamente nossos propósitos e
Entretenimento e reflexão
Prentiss Waters significados de vida. Por isso, a leitura
de Um Mundo com Significado é tão
necessária, afinal, a obra de Jonathan O Brasil Presbiteriano não necessariamente endossa as mensagens dos filmes
Witt e Benjamin Wiker nos leva a com- aqui apresentados, mas os sugere para discussão e avaliação à luz da Escritura.
preensão de como a arte e as ciências
revelam o gênio da natureza.
Um Mundo com Significado é ilustra-
do por fascinantes exemplos que nos
mostram como a literatura e a ciência,
juntas, nos ensinam que vivemos em
um mundo repleto de significado, e
não no mundo espiritualmente morto
no qual os materialistas querem nos
confinar.
Além disso, Benjamin Wiker e
Jonathan Witt retratam, com uma prosa
brilhante, a profundidade, elegância,
clareza e a absoluta inteligência de um
universo designado para nutrir a vida
Como Jesus Governa a Igreja nos inteligente que um dia irá descobrir o
apresenta as bases da eclesiologia de design com propósito. E recupera o
modo abrangente, mas breve; erudito, propósito perdido não somente para a
mas acessível, com linguagem clara ciência, mas para todas as disciplinas
e simples. Escrito por Guy P. Waters, acadêmicas.
esse livro fornece aos pastores, pres-
bíteros e outros líderes uma maior Ensinando através do Caráter –
compreensão de como dirigir a igreja Eurípedes da Conceição Um Golpe do Destino Felicidade por um Fio The True Cost
segundo a Bíblia.
Segundo John Muether, Professor de (1991) (2018) (2015)
Church History no Reformed Theological
Seminary em Orlando, Como Jesus Um Golpe do Destino nos Produção original do Netflix, A indústria da moda pode até
Governa a Igreja é um lembrete con- conta a história do Dr. Jack, Felicidade por um Fio conta a ser considerada fútil por muitos,
vincente de que a saúde da igreja está um excelente cirurgião, que história de Violet Jones, uma mas é fato que ela é uma das
inescapavelmente ligada à sua política, passa de médico a paciente ao publicitária bem sucedida que que mais emprega pessoas ao
e que a submissão ao governo da igreja descobrir em seu próprio corpo desde pequena precisou lidar redor do globo e movimenta a
bíblica é essencial para a vida cristã com problemas de autoestima economia mundial.
um câncer nas cordas vocais.
corretamente ordenada. e aceitação por conta da cor Mas você já parou para pen-
A obra recomendada por inúmeros A descoberta traz inúmeras
de sua pele e de seu cabelo sar em como o processo dessa
teólogos e pesquisadores, é um guia mudanças na personalidade,
afro. indústria e o nosso consumo
acessível que vem para fortalecer a vida pessoal e na profissão de
Com doses de comédia, o dos produtos afetam a vida de
compreensão e a prática do governo Jack. longa trata de forma delicada milhares de pessoas?
bíblico da igreja contemporânea refor- Apesar de ser um excelente sobre relações familiares, falta O filme-documentário The
mada. médico, Jack é uma pessoa fria, de comunicação, diferenças True Cost (sem tradução ofi-
distante emocionalmente de sociais e a busca pela perfei- cial) nos apresenta a realidade
Um Mundo com Significado –
seus pacientes e com atitudes ção. Temas comuns e perti- obscura da indústria têxtil. Com
Jonathan Witt e Benjamin Wiker Escrito por Eurípedes da Conceição,
pastor formado em Teologia e semelhantes com às de profis- nentes na contemporaneidade. relatos de funcionários, mem-
Administração de Empresas e Mestre sionais do sistema de saúde Vale ressaltar que a mensa- bros de ONGs como o Fashion
em Educação Cristã, Ensinando através de nosso país. Ao tornar-se um gem do filme é positiva, afinal, Revolution e pesquisadores, o
do Caráter busca conduzir os líderes ao paciente, ele percebe como vale sobre como a felicidade filme nos leva a refletir sobre
entendimento de que foram chamados tratar de um doente vai além não está em bens materiais ou a importância de questionar a
para servir e não para serem servidos, de entender termos técnicos e na aparência. Como cristãos, origem de nossas roupas, sobre
para amar sem exigirem ser amados e a tratamentos. É preciso atenção sabemos que em Cristo temos trabalho análogo à escravidão
liderarem por amor sem deixar que fale felicidade plena, mas enten- e consumo desenfreado – uma
plena.
mais alto o amor por liderar. der como a sociedade vem realidade do mundo atual.
A obra é o livro-resposta ao ceticismo Trabalhar com pessoas hos-
desconstruindo o conceito de O documentário apresenta
de inúmeros líderes eclesiais, mas tam- pitalizadas exige prepara físico,
sucesso é sempre importante, também informações sobre o
bém é o livro-pergunta que os desafia emocional e espiritual. Na IPB
e esse filme pode ser um pon- desabamento do Edifício Rana
cada vez mais à realização de uma nós temos cursos de Capela- tapé para tal reflexão. Plaza em Bangladesh. O aci-
liderança que busca conformidade de nia Hospitalar ministrados pela Recomendado para jovens dente resultou na morte e feri-
um caráter à imagem e semelhança de Eleny Vassão, capelã hospi- e adolescente, o filme poderá mentos de milhares de costurei-
Jesus Cristo. talar e missionária. O debate servir como base para preparo ros da indústria de fast fashion.
O livro está disponível para compras
sobre esse filme poderá incluir de aulas sobre questões atuais O documentário está dispo-
no site de Editora Cultura Cristã (www.
Vivemos tempos em que questiona- editoraculturacrista.com.br). informações obtidas com nossa e como devemos lidar com nível em serviços de streaming
Capelania Hospitalar. elas em nosso dia a dia. como o Netflix.

Sobre esses e outros títulos acesse


www.editoraculturacrista.com.br
Curta nossa página no facebook e receba notícias do que está sendo realizado pela IPB.
ou www.facebook.com/editoraculturacrista
ou ligue 0800-0141963 www.facebook.com/jornal.brasilpresbiteriano