Você está na página 1de 8

Secções Homogéneas – Exercício Completo

A empresa Pneumania, Lda. dedica-se à recauchutagem de pneus usados e à sua posterior comercialização.
O processo de fabricação resume-se no seguinte: O pneu usado passa inicialmente por uma fase de teste,
onde se verificam a existência de condições mínimas para a sua recauchutagem. Seguidamente passa por
uma fase de raspagem, onde é retirada a parte restante da banda de rodagem. Posteriormente é passada uma
cola e é colocada uma nova banda de rodagem (previamente moldada ou não). Finalmente, o pneu passa
pela fase de vulcanização onde lhe é atribuída a textura pretendida.

No processo de recauchutagem estão definidas as seguintes secções:

 Secções Principais:
o Raspagem:
o Enchimento
o Moldagem
o Vulcanização
 Secção Auxiliar:
o Manutenção – sendo a sua actividade repartida às secções principais em função dos custos
directos variáveis

A Moldagem e a Vulcanização ocorrem muitas vezes em simultâneo, pelo que há uma troca de prestações
entre estas duas secções.

A empresa procede à recauchutagem de dois tipos de pneus: AC (pneus de autocarros e camiões) e L


(pneus de automóveis ligeiros). Do mês anterior são conhecidos os seguintes elementos:
Custos gerais: Valores
Serviços administrativos 52.100
Serviços comerciais 26.800
Custos financeiros 10.280
Proveitos financeiros 5.360

Matéria-Prima: Bandas de Borracha


Quantidade Custo Unitário
Existência Inicial – –
Existência Final ? ?
Compras 45.700 2

Consumo unitário de matérias-primas:


Consumo Unitário
Pneus AC 5,5 kg
Pneus L 2,5 Kg

Pneus recauchutados:
Pneus AC Pneus L
Quantidade Custo Unitário Quantidade Custo Unitário
Existência Inicial 1.200 32 2.100 19,50
Existência Final 1.500 ? ? ?
Produção ? ? 7.150 ?
Vendas 3.520 58,20 8.000 31

Não havia existência final e inicial de produtos em vias de fabrico.


Consumos das secções:
Descrição Raspagem Enchimento Moldagem Vulcanização Manutenção
Salários 10.100 28.600 8.500 14.500 7.000
Ordenados 4.100 12.400 3.500 5.000 2.000
Água 140 380 300 120 300
Electricidade 1.200 2.100 1.800 2.900 800
Matérias Subsidiárias 900 1.400 1.600 1.500 600
Matérias Diversas 400 560 500 200 100
Depreciações 4.520 7.872 6.000 8.176 3.360

Nota: Sobre os salários e ordenados é imputada uma taxa de 56% de encargos sociais.

Actividades das secções e reembolsos:


Descrição Raspagem Enchimento Moldagem Vulcanização
Produtos
Pneu AC 400 Hh 2.200 Hm 800 Hm 500 Hm
Pneu L 400 Hh 2.600 Hm 500 Hm 1.200 Hm
Reembolsos
Moldagem 300 Hm
Vulcanização 200 Hm
Total Secção 800 Hh 4.800 Hm 1.500 Hm 2.000 Hm

Outra informação relevante:

 A empresa utiliza o FIFO na valorização das matérias-primas e dos pneus AC e o LIFO na


valorização dos pneus L;
 Considere-se custos directos variáveis: água, electricidade, matérias subsidiárias e diversas;
 A empresa utiliza o sistema de custeio total.
RESOLUÇÃO:

Nota: vou seguir o enunciado na integra, dado ter sido um pedido especial, mas alertar que em Portugal já
não se utiliza o critério de valorização LIFO.

MAPA DOS CUSTOS DE TRANSFORMAÇÃO:


C. Raspagem Enchime Moldagem Vulcanização Manutenção
Unit. nto
Quant. Valor Quant. Valor Quant. Valor Quant. Valor Quant Valor
Custos Directos 29.312,00 76.272,00 28.920,00 43.316,00 19.200,00
Salários 10.100,00 28.600,00 8.500,00 14.500,00 7.000,00
Ordenados 4.100,00 12.400,00 3.500,00 5.000,00 2.000,00
Encargos-Sociais 7.952,00 22.960,00 6.720,00 10.920,00 5.040,00
Água 140,00 380,00 300,00 120,00 300,00
Electricidade 1.200,00 2.100,00 1.800,00 2.900,00 800,00
Mat.- Subsidiária 900,00 1.400,00 1.600,00 1.500,00 600,00
Matérias-Divers 400,00 560,00 500,00 200,00 100,00
Depreciações 4.520,00 7.872,00 6.000,00 8.176,00 3.360,00
Reembolsos
Manutenção 16,50% 3.168,00 27,75% 5.328,00 26,25% 5.040,00 29,50% 5.664,00 -19.200,00
Moldagem 26,43 -7.929 300 7.929
Vulcanização 28,46 200 5.692 -5.692
Custo Total 800 32.480,00 4.800 81.600,00 1.500 31.720,00 2.000 51.217,00 0,00
Custo Unit. 40,60 17,00 21,15 25,61

Cálculos Auxiliares:

1. Os Custos Directos: resultam da informação disponibilizada no enunciado que apresenta para cada
secção a distribuição dos diferentes custos. Não esquecer de acrescentar os Encargos Sociais, que
representam 56% sobre os ordenados e salários. Exemplo para a secção Raspagem: (10.100 + 4.100)
x 56% = 7.952
2. Reembolsos: temos de dividir os reembolsos em 2 partes.

Secção Manutenção: o seu custo tem de ser distribuído na totalidade pelas diferentes secções principais de
acordo com a informação disponibilizada, que indica que o custo desta secção é repartido em função dos
custos directos variáveis das secções principais. Assim temos:

Custos Directos Variaveis Raspagem Enchimento Moldagem Vulcanização


Água 140,00 380,00 300,00 120,00
Electricidade 1.200,00 2.100,00 1.800,00 2.900,00
Matérias Subsidiárias 900,00 1.400,00 1.600,00 1.500,00
Matérias Diversas 400,00 560,00 500,00 200,00
Total 2.640,00 4.440,00 4.200,00 4.720,00 16.000,00
Repartição Custos Manutenção 16,50% 27,75% 26,25% 29,50%

Exemplo Secção Raspagem: 16,50% dos custos totais da Manutenção serão atribuídos a esta secção: 16,5%
x 19.200 = 3.168

Secções Moldagem e Vulcanização: trabalharam uma para a outra, logo à lugar a prestações recíprocas, o
que nos obriga a resolver um sistema de equações para conhecer o custo unitário de cada uma das secções:

Moldagem = 33.960 + 200 Hm = 1.500 Hm


Vulcanização = 48.980 + 300 Hm = 2.000 Hm
Resolvendo o sistema concluímos que:
Moldagem = 26,43
Vulcanização = 28,46
Assim, temos que atribuir 200 Hm x 28,46 à secção Moldagem e 300 Hm x 26,43 à secção Vulcanização.
Sendo que não nos podemos esquecer de retirar o valor que vamos atribuir à outra secção do Custo Total
da secção em análise. Isto é, exemplo Moldagem: Custos Directos + Custo Manutenção + Custo
Vulcanização – Custo atribuído à Vulcanização = C. Total = 28.920 + 5.040 + 200 x 28,46 – 300 x 26,43
= 41.889

MAPA DO CUSTO DE PRODUÇÃO:

Pneu AC Pneu L Total


C.unit. Quant. Valor Quant. Valor Quant. Valor
Matéria-Prima
Bandas de borracha 2 21.010 42.020,00 17.875 35.750,00 38.885 77.770,00
Cust. Transformação
Raspagem 40,60 400 16.240,00 400 16.240,00 800 32.480,00
Enchimento 17,00 2.200 37.400,00 2.600 44.200,00 4.800 81.600,00
Moldagem 21,15 800 16.918,93 500 10.574,33 1.300 27.493,27
Vulcanização 25,61 500 12.804,25 1.200 30.730,20 1.700 43.534,45
CIPA 3.820 125.383,18 7.150 137.494,53 262.877,72
CIPA unitário 32,82 19,23

Cálculos Auxiliares:

Matéria-Prima Consumida: resultada do consumo unitário por produto x quantidade produzida por
pneu

 Pneu AC = 5,5 Kg x 3.820 = 21.010 Kg de MP consumida


 Pneu L = 2,5 Kg x 7.150 = 17.875 Kg de MP consumida

Quantidade Produzida:

 Pneu AC = Vendas + Ef – Ei = 3.520 + 1.500 -1.200 = 3.820


 Pneu L = 7.150 (indicado no enunciado)

Custos de Transformação: No enunciado é indicado a actividade das secções principais pelos produtos,
logo a quantidade do mapa será preenchido com as horas de actividade distribuídas pelos produtos de
cada secção. Para encontrar o valor, basta multiplicar pelo custo unitário de cada secção encontrado no
mapa dos custos de transformação. Exemplo seção Raspagem: Actividade total= 800 Hh, repartidas ao
meio para cada tipo de pneu. Custo unitário apurado 40,60

 Pneu AC = 400Hh x 40,60 = 16.240


 Pneu L = 400Hh x 40,60 = 16.240

CIPA (Custo Industrial do Produto Acabado) = Soma dos custos da MP + CT

CIPA unitário = CIPA / Quantidade produzida

DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS POR FUNÇÕES E PRODUTO

FIFO LIFO
Pneu AC Pneu L Total
Vendas 204.864,00 248.000,00 452.864,00
CIPV 114.548,95 154.069,53 268.125,95
Margem Bruta 90.315,05 93.930,47 184.245,52
Custos Comerciais 26.800,00
Custos Administrativos 52.100,00
Resultado Operacional 105.345,52
Custos Financeiros 10.280,00
Proveitos Financeiros 5.360,00
Resultado Antes de 100.425,52
Imposto

Cálculos Auxiliares:

CIPV:

 Pneu AC (FIFO) = Ei + (Vendas – Ei) x CIPA Unitário = 1.200 x 32 + (3.520 – 1.200) x 32,82 =
114.548,95
 Pneu L (LIFO) = CIPA + (Vendas – QPA) x Custo das Ei = 137.494,53 + (8.000 – 7.150) x 19,50
= 154.069,53

Nota: Não há informação como distribuir os custos não industriais pelos produtos, logo só há maneira de
os apresentar pelo total de custos.

Este é um excelente exercício de Secções Homogéneas, dado que apresenta todas as vertentes deste
método!
Imputação GGF’s segundo o Método das Secções Homogéneas – Caso Prático

19 Dezembro 2013 TANIA SARAIVA

Considero este exercício bastante útil, apesar de não ter Prestações Recíprocas, é um caso de estudo
interessante para visualizarmos a imputação dos GGFs no Método das Secções Homogéneas.

1º Não esquecer que o objectivo final é as Secções Principais (as que têm relação directa com o
produto/serviço) ficarem com o custo das secções Auxiliares que trabalham para as primeiras.

Dados do enunciado:

A empresa SH, Lda. está dividida em cinco secções, sendo três delas de produção (A, B e C) e duas
auxiliares (S1 e S2). A Contabilidade apresenta, num determinado período, os seguintes custos de GGFs:

 Ordenados de engenheiros e outros 1.712.500€


 Depreciações de móveis e utensílios 54.000€
 Depreciações de máquinas 253.000€
 Renda da fábrica 28.300€
 Quebras de stocks 5.000€
 Energia eléctrica 12.635€

Os custos directos são imputados às secções de acordo com:

 Ordenados de engenheiros e outros: N° de empregados


 Depreciações de móveis e utensílios: Valor dos móveis e utensílios
 Depreciações de máquinas: Valor das máquinas
 Renda da fábrica: Área ocupada
 Quebras de stocks: Custo identificado na secção C
 Energia eléctrica: Potência instalada

Base de imputação:

Repartição da actividade das Secções Auxiliares:

S1 – divide a sua actividade de acordo com a seguinte proporção:

 Secção A 30%
 Secção B 60%
 Secção S2 10%

S2 – toda a sua actividade é imputada à Secção C.

RESOLUÇÃO
1º PASSO

Efectuar a repartição dos custos identificados pela Contabilidade. Isto é para cada tipo de GGF
identificado repartir pelas várias secções de acordo com o critério de repartição indicado:

Cálculos Auxiliares:

Ordenados dos engºs e outros: Custo da Rubrica/Total de empregados x nº empregados Secção

 Exemplo Secção A =1.712.500€/(50+25+35+15+12)*50 = 625.000€

Depreciações de móveis e utensílios: Custo da Rubrica/Valor total dos móveis e utensílios x Valor dos
móveis e utensílios da Secção

 Exemplo Secção A =54.000€/(25.000+75.000+50.000+100.000+200.000)*25.000 = 3.000€

Depreciações de máquinas: Custo da Rubrica/Valor total das máquinas x Valor das máquinas da Secção

 Exemplo Secção A =253.000€/(100.000+225.000+300.000+7.500)*100.000 = 40.000€

Renda da fábrica: Custo da Rubrica/Área total ocupada x Área ocupada da Secção

 Exemplo Secção A =28.300€/(400+240+720+40+15)*400 = 8.000€

Quebras de stocks – imputado na sua totalidade à secção C – 5.000€

Energia eléctrica: Custo da Rubrica/Potência total instalada x Potência instalada da Secção

 Exemplo Secção A =12.635€/(1.250+1.150+750+100+75)*1.250 = 4.750€

2º PASSO

Neste passo devemos imputar os custos das secções auxiliares às secções principais, para posterior
repartição pelos produtos/serviços.

Assim, de acordo com a informação indicada:


Nesta fase devem em primeiro lugar colocar os valores apurados no passo 1 que serão os custos directos
das 5 secções (1ª linha do Mapa).

Em segundo lugar, temos de proceder aos Reembolsos, que resulta da repartição secundária.

O que é a repartição secundária? É a repartição que garante que os custos das Secções Auxiliares são
imputados às Secções Principais, de acordo com o critério definido para cada Secção. Se verificarem a S1
reparte o seu custo pelas outras secções em função de % e a S2 trabalho apenas para a secção C, logo todo
o seu custo é imputado à secção C.

Atenção: O custo total da S2 só pode ser imputado à secção C após repartição da S1 que também
trabalhou para a S2, logo vai imputar parte do seu custo para esta secção.

Cálculos Auxiliares:

S1 – Custo Directo: 203.680€ que serão repartidos da seguinte forma:

 S2 – 10% x 203.680€ = 20.368€


 A – 30% x 203.680€ = 61.104€
 B – 60% x 203.680€ = 122.208€

S2 – Custo Total de GGFs a imputar: CD – 174.585€ + Reembolso S1 – 20.368€ = 194.953€ imputados à


Secção C.