Você está na página 1de 2

DICA TÉCNICA

Controles Eletrônicos Parte III


Motor Zetec RoCam 1.0L Supercharger

Neste mês, o nosso artigo vai abordar os atuadores do Motor Zetec RoCam 1.0L
Supercharger.
Os atuadores são componentes controlados pelos sinais enviados via PCM,
mantendo o correto funcionamento do motor, garantindo rendimento,
menor consumo de combustível e controle das emissões de poluentes.

ATUADORES
RELÉ DO MÓDULO DE CONTROLE (PCM) / BOMBA DE COMBUSTÍVEL
A alimentação positiva do seu circuito de comando é fornecida pela linha 15
(ignição ligada), e a negativa é comandada pelo PCM.
Quando a ignição é acionada, o PCM energiza o relé e aguarda que ocorra a partida
do motor. Se isso não ocorrer em até 4 segundos, o PCM interrompe a alimentação
do relé.

RELÉS DA VENTOINHA
Relé da
DE ARREFECIMENTO DO MOTOR
ventoinha
2ª Velocidade
O PCM comanda o funcionamento da ventoinha de arrefecimento por meio
de dois relés universais instalados na caixa de relés do compartimento do motor.
O circuito de comando desses relés recebe alimentação positiva através
Relé da
ventoinha de fusível (linha 15), e a negativa é comandada pelo PCM.
1ª Velocidade
O relé da primeira velocidade alimenta o motor da ventoinha por meio
de um resistor, ao passo que o segundo está ligado diretamente ao motor.
INJETORES
Estão montados no tubo distribuidor de combustível, que é parte integrante do coletor
de admissão. Sua alimentação positiva é constante e fornecida pelo relé da bomba,
via fusível. A alimentação negativa é pulsante e enviada pelo PCM.
Durante a partida, todos os injetores são alimentados ao mesmo tempo, porém,
tão logo o motor passe a funcionar, o PCM adota a lógica sequencial fasada, ou seja,
cada injetor é alimentado individualmente, conforme a sequência de ignição do motor.
Como a pressão do combustível que alimenta os injetores é constante, a quantia
de combustível a ser debitada pelo injetor é controlada pela duração do pulso
de alimentação, conhecido como “tempo de injeção” (Ti).

BOBINA DE IGNIÇÃO (DIS)


A bobina DIS é composta por dois transformadores de ignição e um estágio
de potência, montados em um único componente.
Um transformador fornece a centelha para os cilindros 1 e 4, enquanto o outro,
para os cilindros 2 e 3.
A alimentação positiva (linha 15), proveniente do relé da bomba, chega ao pino
2 do DIS e alimenta cada um dos transformadores e o estágio de potência.
O PCM fornece a alimentação negativa para cada um dos transformadores através
dos pinos 1 e 3, de forma independente.

VÁLVULA SOLENÓIDE DE PURGA DO FILTRO


A alimentação positiva da válvula é constante e fornecida pelo relé da bomba,
via fusível.
O PCM envia um sinal negativo de onda quadrada e período (duração do pulso) variável.
Variando a duração dos pulsos, o PCM tem controle do tempo que a válvula permanece
aberta e, por consequência, da quantia de vapores aspirados do filtro de carvão.
Em repouso, essa válvula deve ser perfeitamente estancada, não permitindo a fuga
dos vapores de combustível. Somente após o motor atingir a temperatura de 65 0 C,
é que o PCM inicia sua abertura.

VÁLVULA DE CONTROLE DA MARCHA LENTA (IAC)


A válvula IAC é uma válvula solenóide que regula a abertura e fechamento de uma passagem
de ar secundária, a qual permite a entrada do ar para o coletor de admissão mesmo quando
a borboleta do acelerador estiver fechada.
A alimentação positiva da válvula provém do PCM (a mesma alimentação positiva dos bicos
injetores). Assim como nos injetores, a alimentação negativa é pulsante. Controlando a
duração desses pulsos, o PCM controla a intensidade da força magnética gerada pela válvula
e, consequentemente, controla a abertura da válvula e a quantia de ar admitida.
O ajuste da rotação de marcha lenta é uma combinação da regulagem da quantidade de ar
via válvula IAC e da variação do avanço de ignição.

E não se esqueça de utilizar sempre peças originais Motorcraft,


elas são homologadas pela Ford, sua garantia de qualidade e segurança.