Você está na página 1de 31
CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC-17 Tubulação N-46 REV. D 01 / 2012 Vãos Máximos

CONTEC

Comissão de Normalização Técnica

SC-17

Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 01 / 2012

01 / 2012

Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação 1 a Emenda
Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação 1 a Emenda

Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

1 a Emenda

Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação 1 a Emenda
Máximos entre Suportes de Tubulação 1 a Emenda Esta é a 1 a Emenda da PETROBRAS

Esta é a 1 a Emenda da PETROBRAS N-46 REV. D, e se destina a modificar o seu texto na(s) parte(s) indicada(s) a seguir:

NOTA 1 A(s) nova(s) página(s) com a(s) alteração(ões) efetuada(s) está(ão) colocada(s) na(s) posição(ões) correspondente(s). NOTA 2 A(s) página(s) emendada(s), com a indicação da data da emenda, está(ão) colocada(s) no final da norma, em ordem cronológica, e não devem ser utilizada(s).

- Subseção 3.2: (1ª Emenda)

Alteração do texto.

- Tabela A.1: (1ª Emenda)

Alteração da Tabela.

- Tabela A.2: (1ª Emenda)

Alteração da Tabela.

- Tabela A.3: (1ª Emenda)

Alteração da Tabela.

- Tabela A.4: (1ª Emenda)

Alteração da Tabela.

N-46 REV. D 12 / 2010 CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC - 17 Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

N-46 REV. D 12 / 2010 CONTEC Comissão de Normalização Técnica SC - 17 Tubulação Vãos

CONTEC

Comissão de Normalização Técnica

SC - 17

Tubulação

Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

Padronização

Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior.

Cabe à CONTEC - Subcomissão Autora, a orientação quanto à interpretação do texto desta Norma. A Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma é a responsável pela adoção e aplicação das suas seções, subseções e enumerações.

Requisito Técnico: Prescrição estabelecida como a mais adequada e que deve ser utilizada estritamente em conformidade com esta Norma. Uma eventual resolução de não segui-la (“não-conformidade” com esta Norma) deve ter fundamentos técnico-gerenciais e deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter impositivo.

Prática Recomendada: Prescrição que pode ser utilizada nas condições previstas por esta Norma, mas que admite (e adverte sobre) a possibilidade de alternativa (não escrita nesta Norma) mais adequada à aplicação específica. A alternativa adotada deve ser aprovada e registrada pela Unidade da PETROBRAS usuária desta Norma. É caracterizada por verbos de caráter não-impositivo. É indicada pela expressão: [Prática Recomendada].

Cópias dos registros das “não-conformidades” com esta Norma, que possam contribuir para o seu aprimoramento, devem ser enviadas para a CONTEC - Subcomissão Autora.

As propostas para revisão desta Norma devem ser enviadas à CONTEC - Subcomissão Autora, indicando a sua identificação alfanumérica e revisão, a seção, subseção e enumeração a ser revisada, a proposta de redação e a justificativa técnico-econômica. As propostas são apreciadas durante os trabalhos para alteração desta Norma.

“A presente Norma é titularidade exclusiva da PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS, de uso interno na PETROBRAS, e qualquer reprodução para utilização ou divulgação externa, sem a prévia e expressa autorização da titular, importa em ato ilícito nos termos da legislação pertinente, através da qual serão imputadas as responsabilidades cabíveis. A circulação externa será regulada mediante cláusula própria de Sigilo e Confidencialidade, nos termos do direito intelectual e propriedade industrial.”

termos do direito intelectual e proprie dade industrial.” Apresentação As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas

Apresentação

As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas por Grupos de Trabalho - GT (formados por Técnicos Colaboradores especialistas da Companhia e de suas Subsidiárias), são comentadas pelas Unidades da Companhia e por suas Subsidiárias, são aprovadas pelas Subcomissões Autoras - SC (formadas por técnicos de uma mesma especialidade, representando as Unidades da Companhia e as Subsidiárias) e homologadas pelo Núcleo Executivo (formado pelos representantes das Unidades da Companhia e das Subsidiárias). Uma Norma Técnica PETROBRAS está sujeita a revisão em qualquer tempo pela sua Subcomissão Autora e deve ser reanalisada a cada 5 anos para ser revalidada, revisada ou cancelada. As Normas Técnicas PETROBRAS são elaboradas em conformidade com a Norma Técnica PETROBRAS N-1. Para informações completas sobre as Normas Técnicas PETROBRAS, ver Catálogo de Normas Técnicas PETROBRAS.

.

1 Escopo N-46 REV. D 12 / 2010 1.1 Esta Norma padroniza os vãos máximos

1 Escopo

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

1.1 Esta Norma padroniza os vãos máximos entre suportes de tubos de aço sem revestimento

interno, em trechos retos, dentro e fora dos limites de unidades de processo.

1.2 Esta Norma se aplica a padronizações iniciadas a partir da data de sua edição.

1.3 Esta Norma contém somente Requisitos Técnicos.

2 Referências Normativas

Os documentos relacionados a seguir são indispensáveis à aplicação deste documento. Para referências datadas, aplicam-se somente as edições citadas. Para referências não datadas, aplicam-se as edições mais recentes dos referidos documentos (incluindo emendas).

PETROBRAS N-76 - Materiais de Tubulação Para Instalações de Refino e Transporte;

PETROBRAS N-550 - Projeto de Isolamento Térmico a Alta Temperatura;

PETROBRAS N-1673 - Critérios de Cálculo Mecânico de Tubulação;

API SPEC 5L - Specification for Line Pipe.

3 Condições Gerais

3.1 Os vãos máximos são os apresentados nas Tabelas do Anexo A.

3.2 No cálculo dos vãos máximos, conforme a PETROBRAS N-1673, foi considerado o tubo cheio

d'água, à tensão admissível T/2, sendo a tensão admissível T e o módulo de elasticidade E, do

aço-carbono API 5L Gr. B, nos limites superiores das faixas de temperatura apresentadas nas Tabelas do Anexo A.

3.3 O valor da flecha foi limitado em 6 mm para dentro das unidades de processo (“on site”) e em

25 mm para fora (“off site”).

3.4 A sobre-espessura de corrosão adotada foi de 1,6 mm ou 3,2 mm, conforme o caso, e a

tolerância de fabricação fixada em 12,5 % da espessura do tubo.

3.5 Foram considerados os pesos específicos de 2 160 N/m 3 para o isolamento térmico (silicato de

cálcio), de 76 790 N/m 3 para o aço-carbono e de 9 807 N/m 3 para a água.

3.6 Não foi considerada a sobrecarga adicional de 100 kgf no centro do vão nem quaisquer outras

sobrecargas. No caso de tubulações não enquadradas nas Tabelas do Anexo A ou submetidas a outros carregamentos, os vãos máximos devem ser calculados conforme a PETROBRAS N-1673.

3.7 Foram adotadas, para o isolamento térmico, as "espessuras econômicas" da PETROBRAS

N-550.

N-46 REV. D 12 / 2010 3.8 No caso de tubos contendo produtos mais pesados

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

3.8 No caso de tubos contendo produtos mais pesados que a água, estas Tabelas não devem ser usadas, devendo o vão máximo ser calculado conforme a PETROBRAS N-1673.

3.9 As espessuras ou "schedules" PETROBRAS N-76.

dos tubos correspondem aos valores mais utilizados na

N-46 REV. D 12 / 2010 Anexo A - Tabelas Tabela A.1 - Vãos Máximos

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

Anexo A - Tabelas

Tabela A.1 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação (“On Site”) - Flecha : 6 mm, Sobre-Espessura de Corrosão: 1,6 mm

   

Vãos máximos

 

Tubo + água

 

Tubo + água + isolamento

 

Diâmetro

nominal

 

Temperatura

35 °C a 200 °C

201 °C a 330 °C

331 °C a 400 °C

Espessura

ambiente

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

DN

NPS

SCH

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

   

80

4,7

38

3,4

51

3,2

63

2,2

15

1/2

160

5,0

38

3,7

51

3,5

63

2,4

XXS

5,0

38

3,9

51

3,6

63

2,6

   

80

5,3

38

4,1

51

3,8

63

2,7

20

3/4

160

5,7

38

4,6

51

4,2

63

3,0

XXS

5,7

38

4,7

51

4,4

63

3,2

   

80

6,1

38

5,0

63

4,6

63

3,4

25

1

160

6,4

38

5,4

63

5,0

63

3,7

XXS

6,4

38

5,6

63

5,2

63

3,9

   

80

7,4

51

6,0

63

5,5

63

4,5

40

1 1/2

160

7,9

51

6,6

63

6,1

63

5,0

XXS

7,9

51

6,9

63

6,3

63

5,3

   

40

7,4

51

6,0

63

5,5

63

4,5

50

2

80

8,3

51

7,0

63

6,5

63

5,3

160

8,9

51

7,8

63

7,2

63

6,0

   

XXS

9,0

51

8,0

63

7,4

63

6,2

   

40

9,6

63

8,1

63

7,5

63

6,5

80

3

80

10,5

63

9,0

63

8,4

63

7,3

160

11,0

63

9,8

63

9,0

63

7,8

   

XXS

11,1

63

10,0

63

9,3

63

8,1

   

40

10,8

63

9,4

63

8,7

89

7,1

80

11,9

63

10,6

63

9,8

89

8,0

100

4

120

12,4

63

11,2

63

10,4

89

8,5

160

12,6

63

11,5

63

10,6

89

8,8

XXS

12,7

63

11,7

63

10,9

89

9,0

   

40

12,9

63

11,7

89

10,8

102

8,7

80

14,4

63

13,4

89

12,4

102

10,1

150

6

120

15,1

63

14,1

89

13,0

102

10,7

160

15,4

63

14,5

89

13,5

102

11,1

XXS

15,5

63

14,7

89

13,6

102

11,3

   

20

13,3

63

12,2

102

11,3

102

9,2

40

14,6

63

13,5

102

12,5

102

10,3

60

15,6

63

14,6

102

13,5

102

11,1

80

16,4

63

15,4

102

14,3

102

11,8

200

8

100

16,9

63

16,0

102

14,8

102

12,3

120

17,3

63

16,5

102

15,3

102

12,7

140

17,6

63

16,8

102

15,5

102

13,0

XXS

17,7

63

16,9

102

15,6

102

13,1

160

17,7

63

16,9

102

15,7

102

13,2

N-46 REV. D 12 / 2010 Tabela A.1 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

Tabela A.1 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação (“On Site”) - Flecha : 6 mm, Sobre-Espessura de Corrosão: 1,6 mm (Continuação)

   

Vãos máximos

 

Tubo + água

 

Tubo + água + isolamento

 

Diâmetro

nominal

 

Temperatura

35 °C a 200 °C

201 °C a 330 °C

331 °C a 400 °C

Espessura

ambiente

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

DN

NPS

SCH

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

   

20

14,0

63

13,0

102

12,0

102

9,9

40

16,2

63

15,2

102

14,1

102

11,7

60

17,7

63

16,7

102

15,5

102

12,9

250

10

80

18,3

63

17,5

102

16,2

102

13,5

100

19,0

63

18,1

102

16,8

102

14,1

   

120

19,4

63

18,6

102

17,2

102

14,5

140

19,7

63

19,0

102

17,6

102

14,8

160

19,8

63

19,2

102

17,8

102

15,0

   

20

14,5

63

13,6

102

12,6

126

10,1

S

17,0

63

16,1

102

14,9

126

12,2

40

17,5

63

16,6

102

15,4

126

12,5

XS

18,6

63

17,7

102

16,4

126

13,5

300

12

60

19,2

63

18,3

102

17,0

126

13,9

80

20,0

63

19,2

102

17,8

126

14,7

   

100

20,7

63

20,0

102

18,5

126

15,4

120

21,2

63

20,5

102

19,0

126

15,8

140

21,4

63

20,8

102

19,2

126

16,1

160

21,7

63

21,1

102

19,5

126

16,3

   

10

14,7

63

13,9

114

12,9

140

10,3

20

16,2

63

15,4

114

14,2

140

11,4

S

17,4

63

16,6

114

15,3

140

12,4

40

18,4

63

17,5

114

16,2

140

13,1

XS

19,1

63

18,3

114

16,9

140

13,7

350

14

60

20,0

63

19,2

114

17,8

140

14,5

80

21,0

63

20,3

114

18,8

140

15,4

100

21,8

63

21,1

114

19,6

140

16,2

120

22,3

63

21,6

114

20,0

140

16,6

140

22,5

63

21,9

114

20,3

140

16,9

160

22,7

63

22,1

114

20,5

140

17,1

   

10

15,1

63

14,3

114

13,2

140

10,7

20

16,7

63

15,9

114

14,7

140

11,9

30

18,0

63

17,2

114

15,9

140

12,9

40

19,8

63

19,0

114

17,6

140

14,4

400

16

60

21,3

63

20,6

114

19,1

140

15,7

80

22,5

63

21,8

114

20,2

140

16,7

   

100

23,3

63

22,6

114

21,0

140

17,4

120

23,8

63

23,2

114

21,5

140

17,9

140

24,2

63

23,6

114

21,8

140

18,3

160

24,3

63

23,8

114

22,0

140

18,5

N-46 REV. D 12 / 2010 Tabela A.1 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

Tabela A.1 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação (“On Site”) - Flecha : 6 mm, Sobre-Espessura de Corrosão: 1,6 mm (Continuação)

   

Vãos máximos

 

Tubo + água

 

Tubo + água + isolamento

 

Diâmetro

nominal

 

Temperatura

35 °C a 200 °C

201 °C a 330 °C

331 °C a 400 °C

Espessura

ambiente

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

DN

NPS

SCH

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

   

10

15,3

63

14,6

114

13,5

140

11,0

20

17,0

63

16,3

114

15,1

140

12,3

STD

18,4

63

17,7

114

16,3

140

13,4

30

19,5

63

18,8

114

17,4

140

14,2

XS

20,4

63

19,7

114

18,2

140

15,0

450

18

40

21,2

63

20,4

114

18,9

140

15,6

60

22,8

63

22,1

114

20,5

140

17,0

   

80

23,9

63

23,3

114

21,5

140

17,9

100

24,8

63

24,1

114

22,4

140

18,7

120

25,3

63

24,7

114

22,9

140

19,2

140

25,6

63

25,1

114

23,2

140

19,5

160

25,8

63

25,3

114

23,4

140

19,8

   

10

15,6

63

14,9

114

13,8

140

11,3

20

18,8

63

18,1

114

16,7

140

13,8

30

20,9

63

20,2

114

18,7

140

15,4

40

22,1

63

21,4

114

19,8

140

16,4

500

20

60

24,1

63

23,4

114

21,6

140

18,0

80

25,3

63

24,6

114

22,8

140

19,1

   

100

26,2

63

25,6

114

23,7

140

19,9

120

26,7

63

26,1

114

24,2

140

20,4

140

27,0

63

26,5

114

24,6

140

20,7

160

27,2

63

26,8

114

24,8

140

21,0

   

10

16,0

63

15,4

114

14,2

140

11,7

20

19,4

63

18,8

114

17,4

140

14,4

XS

21,8

63

21,1

114

19,5

140

16,2

30

22,7

63

22,0

114

20,4

140

17,0

40

24,2

63

23,5

114

21,8

140

18,2

600

24

60

26,5

63

25,8

114

23,9

140

20,1

80

27,7

63

27,2

114

25,1

140

21,2

100

28,8

63

28,2

114

26,1

140

22,1

120

29,3

63

28,8

114

26,7

140

22,6

140

29,7

63

29,2

114

27,0

140

22,9

160

29,9

63

29,5

114

27,3

140

23,2

N-46 REV. D 12 / 2010 Tabela A.2 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

Tabela A.2 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação (“On Site”) - Flecha : 6 mm, Sobre-Espessura de Corrosão: 3,2 mm

   

Vãos máximos

 

Tubo + água

 

Tubo + água + Isolamento

 

Diâmetro

nominal

 

Temperatura

35 °C a 200 °C

201 °C a 330 °C

331 °C a 400 °C

Espessura

ambiente

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

DN

NPS

SCH

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

   

80

2,6

38

1,9

51

1,8

63

1,2

15

1/2

160

3,9

38

3,0

51

2,7

63

1,9

XXS

4,7

38

3,7

51

3,5

63

2,4

   

80

3,2

38

2,5

51

2,3

63

1,6

20

3/4

160

4,8

38

3,9

51

3,6

63

2,6

XXS

5,4

38

4,4

51

4,1

63

3,0

   

80

4,5

38

3,6

63

3,4

63

2,5

25

1

160

5,6

38

4,8

63

4,4

63

3,3

XXS

6,1

38

5,3

63

4,9

63

3,7

   

80

5,7

51

4,6

63

4,3

63

3,5

40

1 1/2

160

7,0

51

5,8

63

5,4

63

4,4

XXS

7,5

51

6,5

63

6,0

63

5,0

   

40

4,3

51

3,5

63

3,2

63

2,6

50

2

80

6,7

51

5,6

63

5,2

63

4,3

160

8,2

51

7,1

63

6,6

63

5,5

   

XXS

8,5

51

7,6

63

7,0

63

5,9

   

40

7,6

63

6,4

63

5,9

63

5,1

80

3

80

9,2

63

8,0

63

7,4

63

6,4

160

10,3

63

9,2

63

8,5

63

7,4

   

XXS

10,7

63

9,7

63

9,0

63

7,8

   

40

8,8

63

7,7

63

7,1

89

5,8

80

10,6

63

9,5

63

8,8

89

7,2

100

4

120

11,5

63

10,4

63

9,6

89

7,9

160

12,0

63

10,9

63

10,1

89

8,4

XXS

12,3

63

11,4

63

10,5

89

8,7

   

40

11,0

63

10,0

89

9,3

102

7,5

80

13,3

63

12,3

89

11,4

102

9,3

150

6

120

14,3

63

13,3

89

12,4

102

10,2

160

14,9

63

14,0

89

13,0

102

10,8

XXS

15,1

63

14,4

89

13,3

102

11,1

   

20

10,9

63

10,1

102

9,3

102

7,6

40

12,8

63

11,9

102

11,0

102

9,0

60

14,3

63

13,3

102

12,3

102

10,2

80

15,3

63

14,4

102

13,3

102

11,1

200

8

100

16,0

63

15,2

102

14,0

102

11,7

120

16,7

63

15,9

102

14,7

102

12,3

140

17,0

63

16,2

102

15,0

102

12,6

XXS

17,1

63

16,4

102

15,2

102

12,7

160

17,2

63

16,5

102

15,2

102

12,8

N-46 REV. D 12 / 2010 Tabela A.2 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

N-46

REV. D

N-46 REV. D 12 / 2010

12 / 2010

Tabela A.2 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação (“On Site”) - Flecha : 6 mm, Sobre-Espessura de Corrosão: 3,2 mm (Continuação)

   

Vãos máximos

 

Tubo + água

 

Tubo + água + Isolamento

 

Diâmetro

nominal

 

Temperatura

35 °C a 200 °C

201 °C a 330 °C

331 °C a 400 °C

Espessura

ambiente

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

Isol.

Vão

DN

NPS

SCH

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

(mm)

(m)

   

20

11,5

63

10,7

102

9,9

102

8,2

40

14,5

63

13,6

102

12,6

102

10,5

60

16,5

63

15,6

102

14,5

102

12,1

250

10

80

17,4

63

16,5

102

15,3

102

12,8

100

18,2

63

17,4

102

16,1

102

13,5

   

120

18,7

63

18,0

102

16,7

102

14,0

140

19,2

63

18,5

102

17,1

102

14,5

160

19,4

63

18,8

102

17,4

102

14,7

   

20

11,9

63

11,1

102

10,3

126

8,3

S

15,3

63

14,5

102

13,5

126

11,0

40

15,9

63

15,1

102

14,0

126

11,4

XS

17,3

63

16,5

102

15,3

126

12,5

300

12

60

18,1

63

17,3

102

16,0

126

13,1

80

19,1

63

18,4

102

17,0

126

14,0

   

100

20,0

63

19,3

102

17,9

126

14,8

120

20,6

63

20,0

102

18,5

126

15,4

140

21,0

63

20,3

102

18,8

126

15,7

160

21,3

63

20,7

102

19,1

126

16,0

   

10

12,1

63

11,4

114

10,5

140

8,4

20

14,1

63

13,4

114

12,4

140

9,9

S

15,7

63

14,9

114

13,8

140

11,1

40

16,9

63

16,1

114

14,9

140

12,1

XS

17,8

63

17,0

114

15,8

140

12,8

350

14

60

18,9

63

18,1

114

16,8

140

13,7

80

20,2

63

19,5

114

18,0

140

14,8

100

21,2

63

20,5

114

19,0

140

15,7

120

21,7

63

21,1

114

19,5

140

16,2

140

22,1

63

21,5

114

19,9

140

16,5

160

22,3

63

21,8

114

20,1

140

16,8

   

10

12,3

63

11,7

114

10,8

140

8,7

20

14,5

63

13,8

114

12,8

140

10,3

30

16,2

63

15,4

114

14,3

140

11,6

40

18,4

63

17,7

114

16,4

140

13,4

400

16

60

20,3

63

19,6

114

18,1

140

14,9

80

21,7

63

21,1

114

19,5

140

16,1

   

100

22,7

63

22,0

114

20,4

140

17,0

120

23,3

63

22,7

114

21,0

140

17,5

140

23,7

63

23,2

114

21,5

140

18,0

160

24,0

63

23,4

114

21,7

140

18,2

N-46 REV. D 12 / 2010 Tabela A.2 - Vãos Máximos entre Suportes de Tubulação

N-46