Você está na página 1de 163

Instituto Superior Politecnico de Songo

TÉCNICA DE ALTA
TENSÃO

Curso de Licenciatura em Engenharia Eléctrica

Preparado por, Eng. Luis Simone

Versão L02- 2013


Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Apresentação

Este manual tem como objectivo servir de referência para a disciplina técnica de alta tensão
do curso de licenciatura em engenharia eléctrica do Instituto Superior Universitário de Tete

Retrata de forma clara e simplificada os tópicos do plano temático, dando todas as condições
para que o aluno entenda e pratique os fundamentos básicos necessários para a análise de
sistemas de ALTA TENSÃO

Todavia, deixa-se claro ao leitor, que não é um trabalho inédito, mas uma colectânea de
assuntos fundamentais que, alguns, foram transcritos da bibliografia citada para não perder a
qualidade e não descaracterizar a escrita do autor e que, outros foram acrescentados e
aperfeiçoados para dar uma melhor apresentação didáctica. A bibliografia citada no final,
oferece condições ao leitor para aprofundar outros assuntos de interesse específico sobre a
matéria.

O Autor

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 2
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Índice

Capítulo 1
Aplicação da Alta Tensão

Geração e Transmissão de Energia Eléctrica


Sobretensões
Tensões de Testes ou Ensaios
Ensaios com Tensões à Frequência da Rede
Ensaios com Tensão de Impulso Atmosférico
Ensaios com Tensão de Impulso de Manobra
Comutação de correntes indutivas
Comutação de circuitos capacitivos
Ensaios com Tensão Contínua
Ensaios com Tensão em Baixa Frequência

Capítulo 2
Geração de Alta Tensão

Geração de Alta Tensão Contínua


Conversão AC Para DC
Circuito de Rectificação Simples (Meia Onda)
Rectificador de Onda Completa
Circuitos em Cascata ou Duplicadores de Tensão
Duplicador de Tensão com Transformadores em Cascata
Geração de Alta Tensão Alternada
Circuitos Ressonantes
Geração de Alta Tensão de Impulso
Circuito Simples para a Geração de Alta Tensão de Impulso

Capítulo 3
Medição de Alta Tensão

Medição da Alta Tensão de Pico com Recurso a Fendas de Centelhamento


Eléctrodos Esféricos
Eléctrodos de Campos Uniformes
Eléctrodos em Haste
Voltímetros Electrostáticos
Amperímetros em Série com Altas Resistências Óhmicas e Divisores de Tensão
Voltímetros Geradores
Medição de Alta Tensão de Impulso

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 3
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Capítulo 4
Campo Eléctrico

Noções Gerais
Lei de Coulomb
Campo Eléctrico
Campo Eléctrico de uma Distribuição Contínua
Linhas de Campo Eléctrico
Lei de Gauss
Fluxo Eléctrico
Aplicações da Lei de Gauss a Isolantes Carregados
Distribuição de Campo Eléctrico e Ruptura de Material Isolante
Campo Eléctrico em Material Isolante Homogéneo
Campos Eléctricos Uniformes
Campos Eléctricos em Eléctrodos Cilíndricos-Coaxiais e Esféricos
Campos Eléctricos em Arranjos Eléctrodos Esfera-Esfera ou Esféra-Plano
Campos Eléctricos em Dois Eléctrodos Cilíndricos Paralelos
Campos Eléctricos em Materiais com Mais de Um Dieléctrico

Capítulo 5
Ruptura em Dieléctricos Gasosos

Introdução
Factor de Dissipação, Factor de Potência e Permissividade Relativa
Ruptura em Dieléctricos Gasosos
Lei Fundamental dos Gases
Processos de Ionização
Primeiro Coeficiente de Ionização de Townsend (Α)
Segundo Coeficiente de Ionização de Townsend (Γ)
Transição Entre as Descargas não Sustentadas ao Rompimento
O Mecanismo de Townsend
Mecanismos de Ignição de Fluxo ou Canal Piloto de Electrões
A Lei de Paschen
Intensidade do Campo Eléctrico de Ruptura (Eb)
Descargas Parciais ou Efeito de Coroa
Descargas com Polaridade Positiva
Descargas com Polaridade Negativa
Gases Isolantes
O Ar Atmosférico
Nitrogénio
O Gás SF6

Capítulo 6
Ruptura em Dieléctricos Sólidos e Líquidos

Ruptura em Dieléctricos Sólidos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 4
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensão de Ruptura em Cavidades


Camada de Condensadores
Ruptura em Dieléctricos Líquidos

Capítulo 7
Ensaios não Destrutivos

Medição do Índice de Polarização


Transformadores de Potência
Medição da Resistência de Isolamento
Envelhecimento Térmico do Papel Isolante
Envelhecimento Térmico do Óleo Isolante
Métodos Não Invasivos – Globais
Furfural (2FAL)
Tensão de Retorno – RVM (Recovery Voltage Meter)
Tensão de Retorno VS Grau de Polimerização
RVM VS Outros Ensaios Dieléctricos
Gerador
Componentes do Sistema de Isolamento
Degradação Térmica
Efeito da Polaridade na Localização das DPS
Efeito Inverso (–) das DPS com a Temperatura
Efeito Proporcional (+) das DPS com a Temperatura
Tensão Aplicada CC – “Hy-Pot”
Ensaios em Capacitores
A) Capacitância – Potência Reactiva
B) Isolamento
Resistência de Isolamento entre Isoladores de Travessia
Levantamento das Características de um Gerador
Saturação em Transformadores de Corrente

Capítulo 8
Sobretensões, e Coordenação de Isolamento

Sobretensões
Sobretensões de Manobra
Tensão de Restabelecimemto Resultante da Eliminação de um Curto-Circuito
Tensão Transitória de Restabelecimento de Frequência Dupla
Sobretensões Atmosféricas
Resumo dos Mecanismos de Formação do Arco Eléctrico (Atmosférico)
Disrupção Atmosférica: Raio
Corrente de Descarga
Metodologias e Normas de Coordenação de Isolamento
Conceitos Fundamentais
Norma CEI 60071-1
Procedimento Geral
Determinação da Tensão Suportável de Coordenação de Isolamento – Ucw:
Determinação da tensão suportável requerida – Urw:
Selecção do nível nominal de isolamento:
Norma IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) Std 1313
Determinação das Solicitações Dieléctricas do Sistema

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 5
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Comparação das Sobretensões com a Suportabilidade Dieléctrica


Selecção de um Nível de Isolamento Padrão
Classes de Tensão Máxima do Sistema:
Selecção do Nível de Isolamento Padrão do Equipamento
Coordenação de Isolamento em Linhas Aéreas
Solicitações Dieléctricas Normalizadas
Regime Permanente
Sobretensões Temporárias
Sobretensões de Frente Lenta
Sobretensões de Frente Rápida
Suportabilidade Dieléctrica do Ar
Distribuições de Probabilidade da Tensão de Disrupção
Análise do Desvio Padrão
Tensão de Disrupção Segundo CEI
Aplicação do Método de Coordenação de Isolamento
Método Determinístico
Método Probabilístico
Risco de Falha de Isolamento
1º Estudo – Tipos de Distribuições:
2º Estudo – Valor Médio das Sobretensões
3º Estudo – Pares (mu;σu):
Distâncias no Ar Normalizadas
Procedimento Geral
Hastes de Descarga
Cadeias de Isoladores
Distância Entre Condutores
Análise das Distâncias Entre Hastes de Descarga
Análise de Sensibilidade de Tensões Suportáveis Requeridas
Distâncias de Isolamento em Linhas Aéreas
Caracterização de Intervalos de Ar
Sobretensões de Frente Lenta
Sobretensões de Frente Rápida
Distâncias Fase-Terra
Distância Entre Hastes de Descarga
Distância Entre Peças em Tensão e Apoio
Distâncias Fase-Fase
Trabalhos em Tensão
Selecção de Pára-Raios
Absorção de Energia
Mastros e Cabos Pára-Raios
Critério de Selecção

Capítulo 9
Concepção e Teste de Isoladores Para Uso Exterior

Tipos de Isoladores
Solicitações Mecânicas
Solicitações Eléctricas
Os Isoladores são Produzidos de
Porcelana Vitrificada
Vidro
Polímeros
Suportabilidade Dieléctrica
Formação de Arcos Em Isoladores Poluídos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 6
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Efeitos dos Arcos Sobre os Isoladores


Corrosão Atmosférica/Galvânica
Corrosão Eléctrica
Avaliação da Formação de Arcos em Ambiente Tropical
Período Húmido
Período Seco
Operação em Ambiente Poluído
Mitigação dos Fenómenos de Poluição
Melhorar a configuração
Limpeza periódica
Aplicação de Gel/Graxa
Aplicação de RTV
Esmalte Resistivo

Bibliografia

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 7
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Capítulo 1
Aplicação da Alta Tensão

Geração e Transmissão de Energia Eléctrica


Os potenciais benefícios da energia eléctrica fornecida a um número de consumidores a partir
de um sistema comum de geração foram reconhecidos logo após o desenvolvimento do
'Dínamo', comummente conhecido como o gerador.
A primeira central de geração pública foi posta em serviço em 1882 em Londres (Holborn).
Logo em seguida uma série de outros fornecimentos públicos de electricidade foram
desenvolvidos em muitos outros países.
Os primeiros sistemas produziam energia em corrente contínua e em baixa tensão, mas o seu
fornecimento limitava-se a áreas localizadas e fundamentalmente para iluminação eléctrica.
As limitações dos sistemas de transmissão DC a baixa tensão tornavam-se cada vez mais
evidentes.
Por volta de 1890 a pesquisa e desenvolvimento de sistemas de geração e transmissão de
energia em corrente alternada chegou a um ponto tal que superaram os sistema de geração e
transmissão em corrente contínua
A primeira grande central de geração em AC foi posta em serviço em 1890 em Depford
alimentando a cidade de Londres situada a 28km de distância e a uma tensão de 10kV
Desde a mais antiga central eléctrica até aos dias de hoje percebeu-se que para um
aproveitamento económico dos sistemas de produção de energia eléctrica os respectivos
sistemas de transmissão deverão funcionar em sistemas integrados e interligados formando
sistemas robustos de transporte e distribuição de energia eléctrica.
Além disso, as fortes possibilidades de desenvolvimento de centrais de energia hídrica e a
necessidade de transportar esta energia por longas distâncias até aos grandes centros de
consumo tornaram-se mais evidentes. O transporte de energia para a alimentação de grandes
centros de consumo, quer no contexto de interligação de sistemas ou transferências de
grandes massas de energia, levou os projectistas a invariavelmente a pensarem em termos de
tensões muito elevadas.
A figura abaixo lista alguns dos principais sistemas de transmissão em AC em ordem
cronológica de suas instalações
A potência eléctrica transmitida por uma linha aérea é proporcional ao quadrado da tensão da
linha dividida pela impedância natural da mesma P . Por exemplo para uma linha cuja
impedância natural é de 250Ω, teremos:

V (kV) 400 700 1000 1200 1500


P (MW) 640 2000 4000 5800 9000

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 8
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Lista dos principais sistemas de transmissão em AC e em ordem cronológica de suas


instalações

O rápido crescimento dos níveis de tensão nos sistemas de transmissão nas últimas décadas é
resultado da crescente demanda por energia eléctrica, aliada ao desenvolvimento de grandes
centrais hídricas em locais muito afastadas dos grandes centros de consumo o que leva a
necessidade de transporte de energia eléctrica por longas distâncias.
No entanto, limitações ambientais sobre a expansão das linhas de transporte de energia
resultaram na necessidade de se utilizarem melhor os sistemas de transmissão existentes
levando ao desenvolvimento de sistemas de transmissão flexíveis em AC, FACTS - Flaxible
AC Transmission Systems, que consistiram no desenvolvimento de dispositivos
semicondutores de potência tais como GTO e IGBT melhorando os sistemas de transferência
de potência numa rede eléctrica.
Todavia, a transmissão de energia eléctrica pelo mundo fora continua a ser feita
maioritariamente através de sistemas de alta tensão alternada (HVAC) e alta tensão contínua
(HVDC) por meio de linhas aéreas, cabos submarinos ou sistemas back-to-back
Os sistemas HVDC permitem a transferência de uma maior densidade de potência, em
comparação com os sistemas de transmissão HVAC, permitem também a mitigação das
barreiras ambientais impostas e, revelando-se mais económicos e úteis na interligação de
sistemas assíncronos.
A figura abaixo fornece uma ilustração gráfica de como os sistemas de transmissão HVDC se
desenvolveram e os respectivos níveis de tensão.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 9
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Ilustração gráfica da evolução dos sistemas de transmissão HVDC

Sobretensões
Regra geral a tensão do regime normal de funcionamento não constitui perigo para os
sistemas de isolamento dos equipamentos de potência mas sim apenas em circunstâncias
especiais, como por exemplo em condições de poluição, estas tensões podem causar
problemas para os sistemas de isolamento. No entanto, o nível de tensão de funcionamento
determina as dimensões do sistema de isolamento que constitui parte dos equipamentos de
geração, transmissão e distribuição de energia eléctrica. As sobretensões nos sistemas de
energia podem ter origem interna ou externa
Sobretensões de origem externa, provenientes das descargas atmosféricas e que não
dependem do nível de tensão de exploração, entretanto as sobretensões de origem
atmosféricas tornam-se menos severas quanto maior for o nível de tensão de exploração do
sistema
Sobretensões de origem interna, provenientes das alterações nas condições de exploração, tais
como manobra de disjuntores, avarias ou variações bruscas de carga ou nas fontes de
geradoras.
A magnitude das sobretensões depende do nível de tensão nominal de exploração (Vn), do
instante em que ocorre a manobra e a complexidade do sistema. Uma vez que a alteração das
condições do sistema é geralmente associada a operações de comutação, essas sobretensões
são geralmente referidas como sobretensões de comutação.
Na concepção dos sistemas de isolamento têm-se em atenção os seguintes aspectos:
 As sobretensões que o sistema de isolamento deve suportar
 A capacidade de resposta do isolamento quando submetido a estas sobretensões
 O balanço entre as sobretensões eléctricas sobre o isolamento e a capacidade do material
dieléctrico deste sistema de isolamento cai no âmbito da coordenação de isolamento e que
será matéria de análise no capítulo 8.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 10
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensões de Testes ou Ensaios


Os equipamentos nos sistemas de energia devem suportar não só tensão nominal (Vn), que
corresponde à tensão mais elevada de um determinado sistema, mas também as sobretensões
que surgem durante a exploração do sistema.
Consequentemente, é necessário testar os equipamentos durante a sua fase de
desenvolvimento e antes da colocação do mesmo em serviço. A magnitude e o tipo de tensão
de ensaio varia de acordo com a tensão nominal do aparelho. Os métodos padrão de medição
de altas tensões e as técnicas de aplicação dos respectivos equipamentos quer para tensão
alternada, tensão contínua e tensão de impulso de manobra e atmosférica encontram-se
descritas nas normas nacionais e internacionais, relevantes.
Segundo MORGAN (1988), ensaio em alta tensão é qualquer ensaio no qual o gradiente do
campo eléctrico é suficiente para avaliar as propriedades do sistema de isolamento e a sua
influência no desempenho do equipamento. A partir dessa definição os objectivos dos ensaios
podem ser vistos de forma simplificada como:
 Avaliar o sistema de isolamento do equipamento - por exemplo, medição do factor de
perdas dieléctricas;
 Avaliar o desempenho da função a que este equipamento se destina – por exemplo, um
transformador de tensão (TT) tem a função de prover a um instrumento (relé,
amperímetro, medidor de energia, entre outros) um sinal de tensão, de amplitude reduzida
por um factor conhecido. Num ensaio deve-se avaliar o erro que existe na relação de
transformação do TT e compará-lo com sua especificação.

Ensaios com Tensões à Frequência da Rede


Para se determinar capacidade de sustentação do sistema de isolamento de um determinado
equipamento sujeito à tensão e frequência da rede submete-se o mesmo ao teste 1 minuto sob
a frequência de 50Hz ou 60Hz consoante a frequência da mesma rede. A tensão de teste
deverá ser maior que a tensão de serviço esperada do equipamento de modo que se simulem
esforços acima dos esperados durante o tempo de serviço normal. Para equipamentos
somente de aplicação interior deverá ser assegurado um ambiente de teste sem influência da
humidade e para equipamentos de aplicação exterior deverá ser assegurado um ambiente de
teste com chuva (pior cenário).

Ensaios com Tensão de Impulso Atmosférico


As descargas atmosféricas quando incidem sobre as linhas de transmissão provocam nestas
uma sobretensão e ondas viajantes ao longo das mesmas susceptíveis de danificarem o
respectivo sistema de isolamento. A magnitude destas sobretensões atinge, regra geral,
centenas de quilovolts, dependendo da performance do sistema de isolamento. Estudos
mostraram que as sobretensões de origem atmosférica são de curta duração caracterizadas por
uma frente de onda com uma duração na subida até ao pico, de 1,2µs e uma duração, na
descida até a meia amplitude de 50µs, os valores podem atingir 4 a 5 vezes a tensão nominal.
Este tipo de ensaio é maioritariamente empregue em laboratórios quando se pretende
determinar mecanismos de disrupção eléctrica em função do tempo.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 11
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Basicamente a descarga atmosférica caracteriza-se pela propagação de uma frente de onda de


corrente, em micro segundos, que provoca uma elevação de potencial na zona de descarga
conforme exemplificado figura abaixo.

Normalmente as descargas atmosféricas atingem o cabo de guarda podendo em determinadas


situações, por falha da blindagem da linha, atingirem o cabo condutor. As descargas de maior
potencial directas ao cabo condutor são mais nefastas que as descargas no cabo de guarda,
dado que as possibilidades de escoamento da corrente de descarga são mais limitadas no cabo
condutor.
As descargas no cabo de guarda provocam a elevação do potencial no apoio mais próximo.
Caso essa elevação de potencial não seja suficiente para ultrapassar a capacidade de
isolamento imposta pela cadeia de isoladores, tudo regressa ao normal sem provocar qualquer
incidente na linha

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 12
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Caso a elevação de potencial no apoio seja de tal forma que provoque a quebra do isolamento
(ver I na figura seguinte), é criado um caminho alternativo para a corrente de descarga (ver II
na figura seguinte). Nesse momento dá-se o contornamento inverso dos isoladores
provocando a circulação da corrente do cabo condutor para o apoio (ver III na figura
seguinte), que só se extingue quando os disjuntores nos extremos na linha se abrem.
Normalmente estes incidentes estão relacionados com as fracas terras dos apoios e a elevada
potência da descarga atmosférica

Ensaios com Tensão de Impulso de Manobra


Transitórios de tensão provenientes de alterações repentinas nos sistemas de potência, por
ligação ou desligação de circuitos ou por avarias, são denominadas tensões de impulso de
manobra. Estudos mostraram que as tensões de impulso de manobra desempenham um papel
muito importante na concepção e selecção dos sistemas de isolamento no transporte e
distribuição de energia eléctrica para níveis de tensão de serviço acima de 300kV. Pelo que as
várias normas internacionais determinam que equipamentos com tensões de serviço iguais ou
maiores de 300kV sejam sujeitos aos testes de impulso de manobra. As sobretensões de
manobra são directamente proporcionais à tensão da rede e, por isso, ao invés das
sobretensões atmosféricas que não dependem da tensão da rede, tornam-se o factor de
limitação na coordenação de isolamento para redes de tensão, sobretudo mais altas, uma vez
que nessas o nível de isolamento entre condutores é melhorado. As sobretensões de manobra
são de mais longa duração do que as sobretensões de descargas atmosféricas (uma onda típica
tem a forma 250/2500μs, ou seja, frente de onda de choque, com duração até ao pico de
250μs e a duração de meia amplitude de 2500μs). A duração dessas oscilações é limitada ao
período de funcionamento do disjuntor e é, em geral, inferior a 20ms.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 13
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tem um efeito mais constrangedor para o material (transformadores, cabos, …) do que as


sobretensões devidas às descargas atmosféricas. Os valores podem atingir 2 a 3 vezes a
tensão nominal e, excepcionalmente, valores mais elevados.

Comutação de correntes indutivas


Quando se estabelecem ou interrompem circuitos indutivos podem produzir-se impulsos de
grande amplitude com tempos de subida muito curtos. Assim, fontes típicas destas
sobretensões são o comando de motores eléctricos e transformadores, a energização de linhas
de transmissão.

Comutação de circuitos capacitivos


Dado que as redes eléctricas são normalmente indutivas, a presença de capacidades
(condensadores ou simplesmente linhas em vazio), constitui um circuito ressonante LC. As
manobras produzem então sobretensões de tipo oscilatório que podem atingir cerca de 3 pu.
Fontes típicas destas sobretensões são a comutação de bancos de condensadores utilizados na
regulação da tensão nas redes e correcção do factor de potência.

Ensaios com Tensão Contínua


No passado os ensaios com tensão contínua eram usados apenas para pesquisas científicas. A
aplicação industrial limitava-se aos testes de cabos com elevada capacitância, que consumiam
elevadas correntes quando testados com tensões alternadas e nos testes de isolamentos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 14
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

quando fosse susceptível a ocorrência de descargas internas que levassem a degradação


material isolante. Nos últimos anos com o crescente interesse na transmissão de energia
eléctrica com recurso aos sistemas de alta tensão em corrente contínua HVDC, um elevado
número de laboratórios têm vindo a se apetrecharem com sistemas de geração de tensões
contínuas.

Ensaios com Tensão em Baixa Frequência


No período em que nos sistemas de distribuição de energia eléctrica eram empregues cabos
isolados a papel impregnado eram habituais ensaios com tensões contínuas (DC), com níveis
que variavam entre 4 a 4,5V0. Estes testes permitiam detectar cabos defeituosos sem o risco
de causar danos em cabos em bom estado. Com o aparecimento de cabos isolados com
materiais de alta capacidade dieléctrica os valores de teste passaram para 5 a 8V0.

Capítulo 2
Geração de Alta Tensão

Geração de Altas Tensões


Geralmente geradores de altas tensões comercialmente disponíveis são empregues em
laboratórios de alta tensão para testes de rotina de equipamentos tais como; transformadores,
isoladores de travessia, cabos, Capacitores, disjuntores, etc. Testes desta natureza deverão ser
capazes de confirmar a eficiência e a confiabilidade dos equipamentos testados e, por
conseguinte os testes de alta tensão deverão estudar o comportamento do sistema de
isolamento sob todas as condições que o equipamento é susceptível de encontrar. As
amplitudes e os tipos de tensão de ensaio, que é sempre mais elevada do que a tensão normal
ou nominal do equipamento em teste, em regra são determinados por normas nacionais ou
internacionais ou recomendações dos fabricantes e, portanto, não há muita liberdade na
selecção do equipamento de teste em alta tensão.
A maior parte dos circuitos de testes de alta tensão podem ser alterados para aumentarem os
níveis de tensão de saída. Por conseguinte, até mesmo a selecção do tipo de rotina de testes
de equipamentos deve sempre considerar uma futura extensão das suas capacidades.

Geração de Alta Tensão Contínua


A alta tensão contínua é utilizada principalmente para trabalhos de investigação científica
pura e para testes de equipamentos relacionados a sistemas de transmissão HVDC. Tem
aplicação de relevo nos testes de cabos para transmissão de energia em corrente alternada
devido a grande Capacitância que estes apresentam o que levaria ao consumo de grandes
quantidades de corrente. Embora tais ensaios de alta tensão contínua em cabos para circuitos
de corrente alternada sejam relativamente mais económicos, a validade dos mesmos sofre
influência da distribuição de tensões dentro material isolante o que pode ser

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 15
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

consideravelmente diferente das condições normais de funcionamento encontradas no terreno


quando transmitem potência a baixa frequência.
Exemplo para o teste de cabos de alta tensão (de polietileno), os ensaios de alta tensão DC
não são mais usados, pois tais testes não podem confirmar a qualidade do isolamento do
cabo. Nas normas IEC 60-1 e IEEE 4-1995 o valor da tensão DC de teste é dado pela sua
média aritmética

Onde T é o período, f=1/T a frequência de oscilação


As tensões de testes aplicadas aos objectos a testar sofrem um desvio relativamente ao valor
médio significando a presença de uma ondulação na mesma. A amplitude da ondulação δV é
definida como a metade da diferença entre os valores mínimos e máximos, ou seja

O factor de ondulação é a relação entre a amplitude de ondulação e a média aritmética, ou


δV/Vmed. Para tensões de teste este factor de ondulação não deve exceder 3%.
As tensões DC são geralmente obtidas por meio de circuitos de rectificação aplicada a tensão
alternada AC ou por meio de geradores electrostáticos.

Conversão AC Para DC
A rectificação de correntes alternadas é o meio mais eficaz de obtenção de correntes DC.
A rectificação monofásica pode ser feita através de simples rectificadores semicondutores,
sempre construídos em Silício, que normalmente não suportam tensões reversas maiores que
2500V, porém, sem apresentar problemas em relação a conexão destes dispositivos em série
até atender a condição desejada

Circuito de Rectificação Simples (Meia Onda)


Para uma melhor compreensão dos circuitos monofásicos de conversão AC/DC serão vistos a
seguir os sistemas de rectificação de meia onda com suavização de tensão. Será desprezada a
reactância do transformador e a impedância dos díodos durante a condução. O Capacitor C
será carregado até a tensão máxima Vmáx, ou seja sempre que V < Vt (Vt tensão no
transformador). Se I = 0, isto é; Rl = ∞ (infinito) a tensão DC no Capacitor C permanecerá
constante Vmáx, e a Vt oscilará entre o ±Vmáx.
Se uma carga for ligada nos terminais a tensão no Capacitor não permanecerá constante.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 16
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Rectificador de meia onda

Representação gráfica tensão e corrente

Durante um período T=1/f uma carga Q é transferida para a carga Rl representada por

Onde I é o valor médio da corrente de carga iL(t) e V(t) a tensão DC que inclui o factor de
ondulação.
Se da equação δV = 0,5(Vmáx - Vmin) introduzirmos o factor de ondulação, teremos que a
tensão V(t) terá a seguinte variação

A carga Q também é fornecida pelo transformador num tempo de condução tc=άT durante
cada ciclo, assim também teremos Q.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 17
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Sendo άT<T, as correntes no transformador e no díodo terão a forma representada na figura


acima cujas amplitudes serão maiores que a da corrente contínua iL≈I
O factor de ondulação poderá ser calculado exactamente para este circuito baseando-se na
rampa exponencial de V(t) durante o período de descarga T(1 - ά). No entanto, para circuitos
práticos as quedas de tensão dentro do transformador e rectificadores devem ser tomadas em
conta. Assumiremos que ά = 0. Assim δV será facilmente calculado a partir da carga Q
transferida para a carga, ou seja

Esta relação mostra a interacção entre o factor de ondulação, a corrente de carga, a frequência
e a Capacitância do sistema.
O valor médio da tensão na carga será influenciada por δV mesmo tendo uma fonte constante
AC, V(t), e um rectificador sem perdas

Rectificador de Onda Completa

Rectificador de onda completa

No circuito rectificador de onda completa mostrado na figura. No meio ciclo positivo, o


rectificador A conduz e carrega o capacitor com Vmáx, no meio ciclo negativo rectificador B
conduz e carrega o capacitor com 2Vmáx.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 18
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Circuitos em Cascata ou Duplicadores de Tensão

Duplicador de tensão

Duplicador de tensão em cascata

Tanto o rectificador de onda completa como o de meia onda produzem a saída uma tensão
DC menor que a máxima tensão AC de entrada (alimentação). Caso seja necessário produzir
tensões mais elevadas recorre-se aos duplicadores de tensão ou associação de rectificadores
em cascata. O diagrama esquemático de duplicadores de tensão é dado nas figuras acima.
No circuito duplicador de tensão mostrado na figura (a), o condensador C1 é carregado
através de rectificador R a uma tensão de polaridade conforme mostrado na figura durante a
fase negativa de meio ciclo.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 19
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A tensão no transformador ao atingir o valor máximo, no semi-ciclo positivo subsequente, o


potencial no terminal do condensador C1 passa a 2Vmáx. Tanto os rectificadores como os
condensadores são dimensionados de tal forma que suportem a Tensão de 2Vmáx

De acordo com a figura acima percebe-se que a ideia é utilizar Capacitores como dobradores
de tensão a fim de se obter uma tensão de saída DC maior que a amplitude da fonte sinodal
de entrada. O procedimento é o seguinte: se os terminais do circuito estão inicialmente
abertos, no primeiro semi-ciclo positivo C’n carrega a Vmax, e no semi-ciclo seguinte negativo
atinge 2Vmax, se, inicialmente o ponto n está aterrado, o capacitor Cn é também carregado
com 2Vmax, no próximo semi-ciclo positivo o ponto n’ atinge novamente Vmax e então o
Capacitor C’n-s é carregado com Vmax e assim sucessivamente até o estágio desejado
As formas de onda podem ser observadas de forma lógica, de acordo com a figura seguinte

Formas de onda de um dobrador de “n” estágios.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 20
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Deve-se observar que os potenciais dos nós à esquerda oscilam de forma senoidal,
respondendo a tensão da fonte de alimentação, os potenciais dos capacitores da direita se
mantêm constantes em relação ao terra, e com magnitude de “2Vmax” cada – observe que
somente se soma “2Vmax” por estágio - com excepção de “C’n” que é submetido a no máximo
“Vmax”, os diodos devem ser projectados para suportar no mínimo “2Vmax” - tensão a qual
estão submetidos - e, a tensão obtida na saída, na condição de idealidade, é “2.n.Vmax”.
Quando uma carga é colocada nos terminais do gerador, no entanto, essa tensão sempre
menor que “2nVmax”, pela queda de tensão causada pela corrente que percorre a carga –
“DV0” - e pelo ripple existente – “2.d.V”. Para o cálculo do ripple, supõe-se que uma
quantidade de electrões “q” é transmitida à carga pelos capacitores, igual a “q = I/f = IT”,
assim, o ripple deve ser igual à somatória da energia transferida por todos os Capacitores a
carga, porém, como Capacitores menores seriam submetidos a tensões muito elevadas se a
carga fosse rompida, os Capacitores são projectados para serem todos iguais. A queda de
tensão “DV0” pode ser analisada considerando a queda do primeiro estágio, “n”. Supondo
que os elementos de circuito são idéias, “Cn’ carregará com “Vmax”, mas devido a descarga
desse Capacitor Cn será carregado com

Onde “n.q” é a descarga do capacitor. Da mesma forma, “Cn” carrega “Cn-1”, que está sujeito
ao mesmo efeito de descarregamento. E assim sucessivamente, de forma que, se os
Capacitores tiverem a mesma Capacitância as quedas de tensão através de cada estágio será
aproximadamente sabendo que “q = I/f”, encontramos:

Apesar de os menores Capacitores serem responsáveis por todo o “DV0” como no caso do
ripple, Capacitores no valor de “Cn’” são usados por conveniência, diminuindo “DVn” numa
quantidade de “0.5.nq/c” por estágio resultando finalmente em

De onde para casos onde “n” for maior ou igual a “4”, o termo “n/6” pode ser desprezado.

Duplicador de Tensão com Transformadores em Cascata


Os circuitos multiplicadores de tensão em cascata do tipo Cockcroft–Walton demonstraram
limitações na tensão de saída DC. Esta desvantagem pode ser suprida com a colocação de
sistemas de rectificação de onda simples ou completa, cada um tendo a sua própria fonte de
alimentação AC.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 21
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Todos os transformadores por estágio são constituídos de um enrolamento primário de baixa


tensão, um enrolamento secundário de alta tensão e um enrolamento terciário de baixa tensão
onde o último dos quais excita o enrolamento primário do próximo estágio superior

Como nenhum dos enrolamentos secundários de alta tensão tem o potencial referenciado á
terra, é necessário que se estabeleça um isolamento da tensão DC dentro de cada
transformador (T1, T2, etc.). Cada enrolamento de alta tensão alimenta dois rectificadores de
meia onda.

Embora existam limitações quanto ao número de estágios e como os transformadores dos


níveis inferiores tem de fornecer energia para os transformadores dos níveis superiores, este
tipo de sistema, fornece uma fonte de geração de tensões de ensaios DC económica
apresentado factores de ondulação com valores moderados.

Geração de Alta Tensão Alternada


Com, nos dias que correm, a transmissão e distribuição de energia eléctrica é
predominantemente em corrente alternada, a forma mais prática de testas equipamentos
envolvidos nestes sistemas é por meio de alta tensão alternada. Tornando-se óbvio que a
pesquisa de materiais isolantes para redes AC deverá ser feita sob este tipo de tensão.

Para tensões de teste inferiores a 300kV, um único transformador é suficiente para este
propósito. Entretanto para tensões superiores a 300kV este modelo mostra-se inadequado pois
apresenta custos elevados de instalação e de isolamento. A solução passa por ligar vários
transformadores idênticos em série ou em cascata

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 22
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Representação esquemática de um transformador de teste

Corte transversal de um transformador de teste

O enrolamento primário é regra geral de baixa tensão (1kV) com possibilidade de ser
subdividido em dois ou mais posteriormente ligados em série ou em paralelo de forma a
melhorar a regulação do sistema. O núcleo e um dos enrolamentos do transformador são
aterrados

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 23
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Representação esquemática de transformadores em cascata

V1 – Tensão de alimentação; V2 – Tensão de saída; aa´ - L.V. enrolamento primário;


bb´- H.V. enrolamento secundário; cc´- enrolamento de excitação; bd – enrolamento de medição (200
to 500); g – suporte isolador;V - Voltímetro

Na figura acima o primeiro transformador encontra-se aterrado, o Segundo transformador


encontra-se suspenso em isoladores e ao potencial V2 (saída do primeiro estágio), o
enrolamento de alta tensão do primeiro estágio está ligado ao tanque do segundo
transformador

Circuitos Ressonantes
Estes circuitos surgiram para colmatar o efeito negativo da ressonância susceptível de
aparecer nos circuitos de teste. Se considerarmos um circuito de teste a um estágio e com um
capacitor como objecto de teste, o respectivo circuito equivalente será:

Onde (r1 + jωL1) as impedâncias do regulador de tensão do primário do transformador, ωL


representa a impedância shunt do transformador, geralmente maior que L1 e L2, podendo ser

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 24
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

desprezado (r2 + jωL2) representa a impedância do secundário do transformador e, 1/ωC


representa a impedância da carga.
Se por hipótese ω(L1 + L2) = l/ωC é alcançada a condição de ressonância que poderá ser
extremamente perigosa para a fonte de alimentação pois valores instantâneos de tensão na
ordem de 20 vezes poderão ser alcançados

Admitindo que poderá ocorrer uma ressonância no circuito de tal modo que
,  L1  L2   1/ C. Nestas condições a corrente no objecto de teste será elevada e somente
limitada pela resistência do circuito. A magnitude da tensão no objecto de teste será dada por

Onde R é a resistência série total do sistema

Com regulação de frequência (Para minimizar fenómenos da ressonância)

O sistema comporta um conversor de frequência que alimenta o enrolamento de baixa tensão


de um transformador, uma indutância equivalente Ln que representa o somatório de todas
indutâncias do sistema, uma Capacitância Ct, que representa o somatório de todas as
Capacitâncias do sistema incluindo o objecto de teste e as Capacitâncias para o ajuste da
frequência, cuja mesma será;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 25
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A indutância nominal Ln será seleccionada de acordo com a Capacitância nominal Cn = Ct


que representa a maior Capacitância possível de testar submetida a tensão máxima V = Vn do
circuito e sob a frequência nominal fn, que será a menor frequência do sistema. Da equação
acima obtêm-se:

Outro critério para a selecção da indutância nominal Ln é com base na corrente nominal I = In
que sobreaquece a bobine ou satura o núcleo do transformador. Uma vez que as perdas
óhmicas são pequenas tal que R << ωLn estas poderão ser desprezadas assim a corrente In
será resultado da queda de tensão na indutância Ln que será aproximadamente o valor nominal
Vn, ou do facto de que em todos os ciclos a energia magnética armazenada na indutância ser
igual a energia eléctrica na Capacitância de teste Ct assim

Para objectos de teste cuja Capacitância Ct é diferente de Cn a respectiva frequência será


também diferente de fn, tal que

Para situações em que Ct ≤ Cn, a indutância Ln poderá ser submetida à tensão máxima do
sistema Vn, a relação das correntes será

Para situações em que Ct > Cn, o circuito merecerá alguma atenção na sua aplicação, onde se
a tensão V = Vn deverá se reduzida de tal forma que a corrente permaneça no seu valor
nominal In. Sendo a corrente I proporcional a tensão de teste vem que

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 26
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Limitando I = In podemos obter a seguinte relação

Das relações V/Vn, I/In, f/fn, vem

Característica de operação segundo a figura

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 27
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Geração de Alta Tensão de Impulso

Circuito Simples para a Geração de Alta Tensão de Impulso


Dois circuitos básicos de geração de alta tensão de impulso são mostrados na figura (abaixo)
onde o capacitor C1 é lentamente carregado até ao rompimento da fenda de centelhamento G.
Esta fenda de centelhamento age como um limitador de tensão em que o tempo da frente de
onda é muito baixo e determinado pelo valor da resistência R1, o valor de R2 determinará a
meia amplitude ou o tempo de cauda. O capacitor C2 representa a carga ou objecto de teste.

Antes de se proceder a análise faz-se referência ao parâmetro mais significativo no que


respeita a geração de alta tensão de impulso, ou seja, a energia máxima armazenada na
Capacitância C1. Dado que o capacitor C1 é maior que C2 este determina de certa forma o
custo do gerador.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 28
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Para o circuito da figura acima (a) a tensão no objecto de teste será dada por

Onde

Substituindo as grandezas vem que

Onde

Para o circuito da figura (b) teremos, a partir da equação geral V(s) com as seguintes
constantes

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 29
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Para ambos os circuitos obtêm-se no domínio do tempo

Onde α1 e α2 são as soluções da equação

Ou

Assim, a tensão de saída será o resultado da sobreposição de duas funções exponenciais de


sinais contrários. De acordo com a equação (α1 e α2), a raiz negativa resulta na maior
constante de tempo 1/α1, comparativamente a raiz positiva 1/α2. O gráfico resultante é
mostrado na figura

Fica evidente a possibilidade de geração de ambos tipos de alta tensão de impulso com base
nestes circuitos. Todavia pode-se assumir que estes circuitos são similares, podendo diferir no
rendimento, ou seja

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 30
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde Vp valor de pico da tensão de saída, como indicado na figura acima. O mesmo pode ser
calculado começando por definir o tempo máximo para que V(t) atinja o seu valor de pico
tmáx a partir de dV(t)/dt=0. V0 tensão na fonte.

Substituindo em (η) teremos

Para ambos circuitos as diferenças dos respectivos rendimentos provem do valor de k=R1C2

Para a figura (b) teremos

Para C2≤C1 e α2≥α1 vem que

Substituindo em (η) vem que

Esta equação evidencia o facto de C1 ter que ser maior que C2


Para a figura (a) teremos, substituindo α1 e α2 partindo e da relação R1/R2 = f(C2/C1)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 31
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Geralmente os valores de C1 e C2 são conhecidos de fábrica, sendo necessário o cálculo das


resistências R1 e R2, para circuito da figura (a)

Para o circuito da figura (b)

Note que em todas as equações está presente a constante de tempo 1/α1 e 1/α2, dependem da
forma de onda. Para determinadas formas de onda é válida a tabela

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 32
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Devido a dificuldades construtivas os circuitos são simplificados de tal forma que têm-se em
consideração uma combinação de uma indutância total com as Capacitâncias C1-C2 (figura
abaixo) ignorando a posição da resistência de cauda, pois esta tem pouca influência. Assim

Onde

Circuitos em Cascata
A obtenção de alta tensão de impulso com recurso a um único estágio mostra-se
economicamente inviável, daí o recurso aos circuitos multiestágios sugeridos por MARX que
consiste num arranjo de condensadores em paralelo submetidos a uma carga através de
resistências óhmicas e posteriormente descarregados em série através de fendas de
centelhamento

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 33
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Na figura os condensadores C’1 são carregados através de resistências de carga R’ e de


descarga R’2 (onde R’>>R’2). Após findo o período de carga os pontos A, B, … F estarão ao
potencial da fonte de alimentação ou seja (-V) e os pontos G, H, …N estarão ao potencial da
terra (a queda de tensão em R´2 durante o processo de carga é desprezado).
O processo de centelhamento do gerador tem início em G1 ao que se seguem todas as
restantes fendas de centelhamento. Ou seja, quando a primeira fenda conduz o potencial no
ponto A passa de -V para 0 e por conseguinte o potencial em H passa para +V. Uma vez que
o potencial em B permanece -V, uma tensão 2V aparecerá no ponto G2 causando a condução
desta fenda elevando o potencial do ponto I para +2V criando uma diferença de potencial de
3V na fenda G3 se mais uma vez assumir-se que o potencial em C permanecerá em -V o que
na prática é pouco provável. O processo de centelhamento continua até que o ponto N atinja a
tensão 6V ou nV, onde n é o número de estágios.
Este facto ultrapassa-se assumindo a existência de Capacitâncias C´, C´´, C´´´ onde C´
(capacitância entre o 1º e 2º estágio), C´´ (capacitância da fenda de centelhamento), C´´´
(capacitância entre 1º e o 3º estágio). Depois de algumas simplificações teremos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 34
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Assim a tensão na fenda G2 será

Capítulo 3
Medição de Altas Tensões
A medição de altas tensões alternadas, contínuas e de impulso, envolve problemas ou
aspectos não usuais na indústria eléctrica, que vão crescendo à medida que o nível de tensão
aumenta. A escolha do método para medição de altas tensões dependerá de entre outros
aspectos do nível de tensão, das condições construtivas, do meio envolvente, do valor a medir
(valor de pico, valor médio, valor médio quadrático), etc.

Medição da Alta Tensão de Pico com Recurso a Fendas de Centelhamento

Eléctrodos Esféricos
Dois metais esféricos adjacentes de igual diâmetro cuja separação é limitada formam fendas
de centelhamento para medir altas tensões DC ou AC. O processo baseia-se na teoria de
ruptura de gases dieléctricos (a abordar no capítulo 5)

Fenda de centelhamento vertical 1 suporte e isolador, 2 suporte da esfera, 3 mecanismo de


elevação, 4 mecanismo de ligação a resistências em série, P esfera de centelhamento, A
distância ao plano aterrado, B Espaço de segurança.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 35
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Distâncias mínimas de A e B em função do diâmetro das esferas

Eléctrodos de Campos Uniformes


As dificuldades surgidas na medição de alta tensão por meio de eléctrodos esféricos poderão
ser ultrapassadas com recurso eléctrodos de placas paralelas que produzirão campos
eléctricos uniformes. A tensão entre as placas é dada por

Onde

T e P temperatura e pressão de teste, T0 e P0 temperatura e pressão a 20ºC. K/C constante =


45kV/cm2. δ - Densidade relativa do ar, S - cumprimento da fenda em (cm)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 36
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Eléctrodos em Haste

Onde S - distância entre os eléctrodos em (cm), δ - densidade relativa do ar, h - humidade


absoluta g/m3. Esta equação empírica é limitada a 4<h≤20g/m3. Sendo

A=20kV, B=5,1kV/cm (polaridade positiva)


A=15kV, B=5,45kV/cm (polaridade negativa)

De um modo geral investigações concluiram que a tensão desruptiva pode ser obtida pela
equação

Onde U0 em (kV) e d a distância entre os eléctrodos em (mm),

Voltímetros Electrostáticos
A lei de Coulomb define o campo eléctrico como um campo de forças e como campos
eléctricos são produzidos por tensões então a medição destas tensões pode ser relacionada a
medição das respectivas forças. Assim teremos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 37
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde ε - permissividade do meio, S - distância entre os eléctrodos, A – área entre os


eléctrodos

Amperímetros em Série com Altas Resistências Óhmicas e Divisores de Tensão


A lei de Ohm permite reduzir altas tensões para valores passíveis de serem medidos. O
método consiste em colocar um micrómetro em serei com uma resistência R de valor
suficientemente alta.

Medição de alta tensão DC e AC por meio de um amperímetro em série com uma resistência,
R1, R2 divisores de tensão

Voltímetros Geradores
Consiste de um eléctrodo de alta tensão que excita um campo electrostático num meio
isolante (gás). Um conjunto de eléctrodos aterrados A, G e M estão dispostos de modo que as
linhas de campo que neles terminam transportem cargas cuja densidade dependem do
gradiente do campo eléctrico (E). Para efeitos de medição é de interesse a densidade de carga
em (A) sendo os outros eléctrodos usados para efeitos de regulação.
De tal forma que; σ(a) = εE(a)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 38
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Medição de Alta Tensão de Impulso

Condutor cilíndrico

Após a carga do capacitor Cs1 este transfere a sua carga para um segundo capacitor Cs2.
Sendo Cs2≥Cs1 a tensão de saída Vm torna-se relativamente baixa de tal forma que um
voltímetro normal possa ser aplicado para a sua medição

Capítulo 4
Campo Eléctrico
Como consequência da grande demanda em energia eléctrica, o recurso a sistemas de alta
tensão para o transporte e distribuição da mesma tornou-se inevitável, todavia os altos custos
envolvidos levaram os fabricantes de equipamentos eléctricos a pesquisarem produtos
económicos e tecnicamente viáveis.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 39
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Estas pesquisas só se tornaram possíveis com um vasto domínio das propriedades dos
materiais isolantes, da geração de campos eléctricos e do comportamento dos mesmos
quando sujeitos a campos electrostáticos. Este capítulo dedica-se a análise do comportamento
de campos eléctricos como pré-requisito para perceber o comportamento dos materiais
isolantes.

Noções Gerais

Lei de Coulomb
A lei de Coulomb foi uma lei estabelecida com base nos seguintes dados experimentais:
 A força eléctrica entre duas cargas tem a direcção da linha que as une,
 É inversamente proporcional ao quadrado da distância entre elas,
 É proporcional ao produto das cargas,
 É atractiva quando as cargas têm sinais contrários e repulsivos, quando têm sinais iguais.

Matematicamente, a lei é expressa através da relação

E ε0 é a permissividade do vácuo = 8,85x10-12 C2/Nm2

Campo Eléctrico
O campo eléctrico é definido pela razão entre a força eléctrica que actua sobre uma carga de
prova positiva colocada num determinado ponto do espaço e o valor dessa carga.

Tendo em conta esta definição, facilmente se conclui que:


 O campo tem sempre a direcção e sentido da força.
 O campo é independente da partícula de prova, dependendo apenas das cargas que lhe
dão origem.
 O campo existe mesmo na ausência da carga de prova.
 A carga de prova deve ser tão pequena quanto possível, para que não interfira no campo
que está estabelecido.

Campo Eléctrico de uma Distribuição Contínua


Considera-se uma distribuição contínua quando a distância entre as cargas é muito menor do
que a distância ao ponto de medida.
Para o cálculo do campo eléctrico produzido por uma distribuição contínua de cargas, utiliza-
se o estratagema de dividir o volume total em volumes infinitesimais correspondentes a
cargas ∆q

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 40
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Nesse caso o campo será dado por:

Na abordagem contínua, surgem conceitos importantes como as densidades de carga


volúmica, superficial e linear:

Válidas para distribuições uniformes de carga, de um modo mais geral, ter-se-á

Como exemplo ilustrativo, pode considerar-se o campo eléctrico criado por uma barra
carregada:

Linhas de Campo Eléctrico


As linhas de campo eléctrico relacionam-se com este da seguinte forma:
 O vector campo eléctrico é tangente às linhas de campo.
 O nº de linhas de campo por unidade de área que atravessam uma superfície
perpendicular ao campo é proporcional à amplitude do campo nessa região.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 41
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Propriedades das linhas de campo:


 As linhas começam nas cargas positivas e terminam nas negativas (ou então começam ou
acabam no infinito se a carga total não for nula).
 O nº de linhas que chegam ou partem de uma carga é proporcional à sua amplitude.
 As linhas não se cruzam.

Lei de Gauss
A lei de Gauss é uma forma alternativa de calcular o campo eléctrico criado por uma
distribuição de cargas

Fluxo Eléctrico
O fluxo eléctrico numa determinada superfície é definido como o nº de linhas de campo que a
atravessam. Então, o fluxo eléctrico através de uma superfície fechada vai ser proporcional à
carga no seu interior e não irá depender da forma dessa superfície.
Comece-se por calcular o fluxo eléctrico numa situação simples – considere-se um campo
eléctrico uniforme E, e uma superfície A que lhe é perpendicular. O fluxo vem dado por

Se a superfície não for perpendicular ao campo, temos:

No caso mais geral em que o campo eléctrico varia em redor da superfície tem-se:

E no caso de uma superfície fechada, obtém-se:

Sendo En a componente do campo normal à superfície.

A Lei de Gauss fornece uma relação entre o fluxo calculado através de uma superfície
fechada e a carga existente no seu interior.

O cálculo do fluxo através de uma esfera que envolve uma carga Q positiva vem dado por:

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 42
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Na verdade, mesmo que a superfície considerada não seja esférica, o fluxo será igual, uma
vez que é proporcional ao número de linhas de campo.
Quanto ao fluxo de um campo criado por cargas no exterior da superfície considerada,
facilmente se verifica que é nulo.
Combinando os dois resultados e admitindo, uma vez mais, a sobreposição dos campos:

“O fluxo através de qualquer superfície fechada é igual à carga no seu interior dividida pela
Constante ε”

Nos problemas em que a Lei de Gauss é utilizada, deve ter-se em atenção o seguinte:
 A superfície considerada não tem, necessariamente, realidade física.
 Esta é uma abordagem muito útil para casos em que seja evidente um elevado nível de
simetria.
 A escolha da superfície é crucial.

Aplicações da Lei de Gauss a Isolantes Carregados


Calcule-se o campo criado por uma esfera isolante com densidade de carga r e carga total
positiva Q. (considere-se pontos no interior e no exterior da esfera).

Calcule-se o campo criado por um fio infinito com densidade de carga linear, λ, constante:

Calcule-se o campo criado por um plano infinito com densidade de carga superficial, s,
constante:

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 43
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Distribuição de Campo Eléctrico e Ruptura de Material Isolante


Por definição a tensão entre dois eléctrodos poderá ser regulada por colocação entre os
mesmos de um material de propriedade isolante conhecida Eb, cuja distância de separação
será dada por d=V/Eb

Na figura acima a distância entre os eléctrodos (d) e a densidade do ar permanecem


invariáveis. O diâmetro (D) do eléctrodo cilíndrico é variável conforme mostra a figura. Por
conseguinte duas intensidades de campo eléctrico serão definidas que será a intensidade
máxima do campo (Emáx) na extremidade do eléctrodo e intensidade média do campo dada
por (Emedio=V/d), donde resulta a eficiência da intensidade do campo eléctrico

Se a ruptura do dieléctrico é causada apenas por (Emáx) então a tensão será dada por:

Esta equação ilustra o conceito de factor de eficiência da intensidade do campo eléctrico.


Dado que 1 ≥ η ≥ 0 para qualquer distribuição da intensidade de campo eléctrico, fica
evidente que para campos não uniformes a tensão de ruptura será inferior.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 44
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Campo Eléctrico em Material Isolante Homogéneo


A maior parte do material isolante aplicado na indústria é de carácter homogéneo e de
propriedades isotrópicas, isto é, o vector campo eléctrico (E) é paralelo á distância (d) e a
permissividade (ε) do meio será uma grandeza escalar que relaciona (d) e (E) onde d=εE.

Campos Eléctricos Uniformes


O uso de placas paralelas para criação de campos eléctricos uniformes traz consigo
problemas tais como o surgimento de campos eléctricos infinitamente grandes nas respectivas
bordas ou quinas. Na análise destes problemas torna-se imperioso o recurso a sistemas
tridimensionais quando se está na presença de placas circulares. ROGOWISK propôs a
análise destes campos com recurso as equações de MAXWELL, tal que,

Onde Z e W são as coordenadas dum plano tridimensional, substituindo (z = x + iy) e (w = u


+ iv) e separando a parte real da imaginária teremos

Estudos mostraram que para duas placas paralelas infinitas dispostas ao longo do plano W as
respectivas linhas de campo estarão distribuídas ao longo do plano Z de tal forma que

O módulo de (Ez) será dado por

Ou

Onde

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 45
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Depois do cálculo da intensidade de campo temos de coordenar esta intensidade com as


dimensões reais e a tensão aplicada utilizando um factor de escala Ew .

EW = U/(υ2-υ1) ou EW = U/(ν2-υ1)

Onde υ1, υ2 , ν1 e υ2 são as linhas equipotenciais dos eléctrodos. A intensidade do campo


eléctrico será

Ez = |Ez|.Ew [kV/cm]

Campos Eléctricos em Eléctrodos Cilíndricos-Coaxiais e Esféricos


Secções transversais de eléctrodos cilindros coaxiais e esféricos são apresentadas nas figuras
abaixo. Tendo como referencia os eixos centrais do cilindro e da esfera a distribuição do
campo eléctrico será sempre simétrica. Nos dois casos a intensidade do campo eléctrico (E)
será radial aos eixos e depende unicamente da distância (x).
Se uma tensão (V) é aplicada aos eléctrodos, o cilindro é uniformemente carregado por
unidade de comprimento (Q/l) e a esfera por uma carga Q. Pela lei de GAUSS a intensidade
do campo eléctrico será dada para um cilindro coaxial

Cilindro coaxial

Para uma esfera coaxial

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 46
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Esfera coaxial

Como a intensidade de campo eléctrico é máxima para x=r1 e x=R1 respectivamente para o
cilindro e esfera teremos

Para um cilindro coaxial

Para uma esfera coaxial

Para um arranjo laboratorial como mostra a figura abaixo onde tem-se um cilindro com
terminação esférica teremos a relação (na prática temos como exemplo um bushing e sua
terminação)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 47
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Campos Eléctricos em Arranjos Eléctrodos Esfera-Esfera ou Esféra-Plano


Na prática o arranjo esfera-esfera é empregue na medição de alta tensão (esferas de
centelhamento) sendo que o arranjo esfera-plano é mais empregue no estudo de tensões
disruptivas.

Na figura acima duas esferas de diâmetros iguais (2R) separadas por uma distância (b) são
submetidas a uma diferença de potencial (+V) e (–V) respectivamente, de forma que a
distribuição da intensidade do campo eléctrico será simétrica relativamente a um plano
imaginário (P) colocado entre os dois eléctrodos e com uma diferença de potencial igual a
(0V).

Do arranjo acima onde para uma carga Q0 aplicada ao centro das esferas

Teremos as seguintes cargas de compensação Q1 e Q2

Sendo

Sendo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 48
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Campos Eléctricos em Dois Eléctrodos Cilíndricos Paralelos


A escolha desta configuração de eléctrodos permitirá estabelecer uma comparação com a
distribuição de campo obtida entre duas esferas opostamente carregadas como acima tratado.
Se dois ou mais condutores cilíndricos estiverem ao mesmo potencial com referência a terra e
afastados de outros condutores paralelos, é formada a chamada configuração de “feixes de
condutores”, um sistema extensivamente aplicado em linhas de transmissão de energia
eléctrica em alta tensão. Devido à interacção entre os dois condutores a intensidade de campo
eléctrico máxima será inferior comparativamente a um sistema com um único condutor de
forma que o feito corona seja relativamente baixo.
Para efeitos comparativos os dois condutores cilíndricos serão carregados com o mesmo valor
de tensão e de sinais opostos. Assim a distribuição do campo eléctrico poderá ser calculado
assumindo uma carga ±Q/l = ±ρl ao longo dos condutores (figura abaixo) onde em qualquer
ponto do plano (P) o potencial φp poderá ser calculado pelo princípio da sobreposição. Dado
que a intensidade do campo eléctrico é dada por E(r) = ρ/(2Πεr) onde (r) é a distância até ao
ponto da carga, o potencial será obtido pela integração de E(r)

(k – Constante para as condições de fronteira)

Dada a figura

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 49
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Para r1=r2= r teremos

Para condutores mais estreitos pode-se determinar a distribuição da intensidade do campo


eléctrico para a região de maior densidade de fluxo ou seja entre os pontos B e C. O potencial
ao longo desta região com início em B(y=0) é dada pela equação

Onde (A) é uma constante dada pelas condições de fronteira e (S) a distância entre os
condutores.

Assim a intensidade de campo eléctrico será dada por

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 50
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A distribuição do campo eléctrico é simétrica para Y=S/2. Por conveniência a distância


[b=f(a,r)] pode ser expressa em termos de (S), então

A distribuição do campo entre dois condutores pode ser vista relacionando E(y) e a
intensidade máxima do campo eléctrico para Y=0

Sendo que o valor mínimo da intensidade do campo eléctrico é alcançado no ponto Y=S/2 a
relação Emin/Emáx será

Campos Eléctricos em Materiais com Mais de Um Dieléctrico


Grande parte do sistema de isolamento dos equipamentos de alta tensão, exemplo em
transformadores de potência, é composta de diferentes materiais isolantes, cuja
permissividade (ε) difere de um para outro. A disposição de duas placas paralelas, contendo
dois materiais isolantes de permissividade (ε1) e (ε2) representa a configuração mais comum

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 51
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

deste sistema. Na figura abaixo os vectores de deslocamento D1 e D2 são iguais e sabendo


que D=εE a relação das intensidades dos campos eléctricos será

Dado que a intensidade do campo eléctrico permanece uniforme nas duas camadas, a tensão
V ou diferença de potencial entre as duas placas será dada por

Onde d1 e d2 representam as espessuras dos dois dieléctricos. Aplicando a equação (acima)


teremos para as duas intensidades de campo eléctrico

Para E1

Para E2

Para um cabo coaxial ou um capacitor coaxial com vários materiais dieléctricos impregnados
como ilustra a figura abaixo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 52
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Cabo coaxial com diferentes materiais dieléctricos (diferentes valores de permissividade)

Distribuição do campo eléctrico (para ε1r1 = ε2r2 = …εnrn = Constante)

A respectiva intensidade de campo eléctrico será dada pela equação abaixo

Para X ≤ rn e X ≥ rn teremos consequentemente dois valores de intensidade de campo


eléctrico. Sabe-se também que valores máximos de E(X) existirão sempre para X ≥ rn sendo
possível manter este valor constante ao longo de todas as camadas de dieléctricos sempre que
se verificar a condição εxrx = constante

Ainda para o cabo coaxial acima, a capacitância da camada X (desprezando o efeito de


bordo) será

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 53
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

((

Na distribuição da tensão total pelas Capacitâncias singulares temos de considerar que cada
capacitância tem a mesma carga Q

A tensão para a camada X

(

Capítulo 5
Ruptura Em Dieléctricos

Introdução
Dieléctrico: É o meio no qual é possível produzir e manter um campo eléctrico com pequeno
ou nenhum fornecimento de energia de fontes externas. A energia requerida para produzir o
campo eléctrico pode ser recuperada, no total ou em parte, quando o campo eléctrico é
removido.

Capacitância: É a propriedade de um capacitor ou de um sistema de condutores e dieléctricos


que permite armazenar cargas separadas electricamente, quando existem diferenças de
potencial entre os condutores.

Capacitor: É um dispositivo constituído por dois condutores, cada um tendo uma determinada
superfície exposta ao outro, separados por um meio isolante. Uma diferença de potencial

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 54
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

entre os dois condutores acarreta em armazenamento de cargas iguais em intensidade e de


polaridades opostas. Os dois condutores são chamados de eléctrodos.

Dieléctrico perfeito: É um dieléctrico no qual toda a energia requerida para estabelecer um


campo eléctrico no mesmo é recuperada quando o campo ou a tensão aplicada é removida.
Desta forma, possui condutibilidade nula.

Dieléctrico imperfeito: É aquele no qual uma parte da energia requerida para estabelecer um
campo eléctrico no dieléctrico não retorna ao sistema eléctrico quando o campo é removido.
A energia é dissipada no dieléctrico, em forma de calor.

Absorção dieléctrica: É o fenómeno que ocorre em dieléctricos imperfeitos pelo qual cargas
positivas e negativas são separadas e acumuladas em certas regiões dentro do volume do
dieléctrico. Este fenómeno se manifesta, por si próprio, como uma corrente que decresce
gradualmente com o tempo, após a aplicação de uma corrente contínua e constante.

Corrente de condução: A corrente de condução através de uma superfície num dieléctrico


imperfeito é aquela proporcional ao gradiente de potencial. Ela não depende do tempo
durante o qual o campo eléctrico é aplicado ao dieléctrico.

Constante dieléctrica: A constante dieléctrica (relativa) de qualquer meio é a razão entre a


capacitância de uma dada configuração de eléctrodos, tendo tal meio como dieléctrico, para a
capacitância da mesma configuração, considerando-se o vácuo como dieléctrico.

Comportamento dos materiais isolantes: Como mencionado, um material dieléctrico é


electricamente isolante e apresenta, ou pode ser feito para apresentar, uma estrutura de dípolo
eléctrico, ou seja, há uma separação de entidades electricamente carregadas positiva e
negativamente, num nível atómico ou molecular. Como resultado destas interacções entre o
dípolo e campo eléctrico, os materiais dieléctricos são utilizados em capacitores. Um
capacitor é um dispositivo largamente utilizado em circuitos electrónicos capazes de
armazenar cargas eléctricas
Capacitância: Quando uma voltagem é aplicada através de um capacitor (tipo placa),
constituído de duas placas condutoras paralelas de área A separadas por uma distância onde
existe o vácuo, uma das placas torna-se positivamente carregada, e a outra negativamente,
com o correspondente campo eléctrico aplicado dirigido do terminal positivo para o negativo.
Uma carga Q0 é acumulada em cada placa do capacitor e é directamente proporcional à
tensão aplicada e a área das placas e inversamente proporcional á distância entre elas

Aqui o parâmetro ε0 é chamado de permissividade do vácuo (ou constante dieléctrica do


vácuo) é uma constante universal tendo o valor 8,85x10-12F/m. C0 é a capacitância do sistema
cujas unidades são Coulomb por Volt, ou Farads (F). Um material contendo cargas altamente
polarizáveis quando colocado entre as placas de um capacitor na presença de um campo
eléctrico, influenciará acentuadamente as cargas que estão entre as placas. Com este material
dieléctrico inserido na região entre as placas (como óleo mineral ou plástico) mantendo-se a

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 55
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

mesma tensão aplicada V, o que acontece então com a capacitância? Alguma polarização
pode ocorrer no material permitindo um adicional de cargas armazenadas no mesmo. A
variação na capacitância C é o reflexo directo da constante dieléctrica do material.

Onde Q é a carga armazenada (em Coulomb) e V é a tensão através dos condutores (ou
placas). Assim com o material dieléctrico uma carga maior Q, é acumulada entre as placas,
neste caso

εd é a permissividade do meio dieléctrico e será maior em magnitude que ε0. A relação entre
as Capacitâncias do sistema com o vácuo e com o dieléctrico será

A relação εd/ε0 é a permissividade relativa εr, que frequentemente é chamada constante


dieléctrica k, é maior que a unidade, para qualquer dieléctrico εr >1, e representa o incremento
na capacidade de armazenamento de carga pela inserção de um meio dieléctrico entre as
placas. A constante dieléctrica, k, é uma propriedade do material e, deve ser uma das
primeiras características a serem consideradas no projecto de um capacitor.

Factor de Dissipação, Factor de Potência e Permissividade Relativa


Existe uma relação entre o factor de dissipação, o factor de potência e a permissividade ou
constante dieléctrica. Todos eles dizem respeito às perdas dieléctricas num meio isolante
quando sujeito a um campo eléctrico alternado. A permissividade é representada como uma
quantidade complexa da seguinte forma: (ε* = ε´ - jε´´) onde ε* é a permissividade complexa,
ε´ a permissividade real ou medida e ε´´ é a permissividade imaginária.

Na presença de um campo eléctrico alternado surge uma corrente capacitiva e uma corrente
resistiva desfasadas a 90º, uma em relação a outra. A soma vectorial destas duas correntes
representa a corrente total do sistema e o ângulo entre o vector da corrente capacitiva e a
resultante é definido como o ângulo de perdas. Sendo a relação entre a parte imaginária e a
parte real da permissividade considerada de tangente de δ (tgδ = ε´´/ ε´), definido como factor
de dissipação e representa a perda dieléctrica no meio isolante. O factor de potência será
obtido pela determinação do seno do ângulo de perdas (sen δ)

O factor de perda dieléctrica prende-se com a incapacidade das moléculas do material


isolante de se reorientar quando sujeitos a um campo eléctrico alternado. Esta capacidade é

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 56
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

dependente da temperatura, do tamanho das moléculas envolvidas, da respectiva polaridade e


da frequência do campo eléctrico.
O factor de dissipação e a permissividade são afectados de algum modo pelo tamanho
molecular, composição e orientação relativa de grupos funcionais dentro das moléculas. Em
geral dentro de uma série de moléculas semelhantes, a permissividade aumentará á medida
que o peso molecular aumenta.
Os factores descritos acima, são características eléctricas de materiais isolantes e podem ser
usados para a monitorização da qualidade dos mesmos relativamente à deterioração por uso e
quanto à presença de contaminantes.

As propriedades dieléctricas dos materiais isolantes também podem ser medidas e


quantificadas no domínio da frequência, ou seja, com tensões alternadas como uma função da
frequência. A transição do domínio do tempo para o domínio da frequência pode ser obtida
por meio da transformada de Laplace ou transformada de Fourier. De onde resulta após
várias transformações

Ou seja do ponto de vista da susceptibilidade

A parte real representa a capacitância do objecto de teste sendo a parte imaginária


representativa das respectivas perdas.

Assim o factor de dissipação será dado por;

Ou, para uma condutividade σ0 = 0

tg δ = εr´´(ω)/ εr´(ω)

Na equação abaixo;

εr(ω) = 1 + χ’(ω) – j[χ’’(ω) + σ0/ε0 ω]

Assumindo nula a componente imaginária, teremos para a susceptibilidade

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 57
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

χ’(ω) = εr(ω) – 1

Ruptura Em Dieléctricos Gasosos

Lei Fundamental dos Gases


A lei fundamental dos gases estabelecida por BOYLE E MARIOTE diz que para uma
determinada quantidade de gás a uma temperatura constante o produto entre a pressão (p) e o
volume (V) é constante

Se a pressão for constante então os volumes (V) e (V0) estarão relacionadas as respectivas
temperaturas absolutas em KELVIN (T) e (T0) pela lei de GAY-LUSSAC

Para temperatura expressa em graus célsius

De acordo com a equação (V/V0) a constante C na equação (pV) estará relacionada a uma
temperatura T0 para um dado volume V0

Substituindo V0 na equação (V/V0) teremos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 58
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A razão C0/T0 é denominada constante universal dos gases e é designada de R, assim a


equação (acima) ficará

Numericamente R=8,314Joules/kmol. Se considerar-se n como o número de moles, teremos

Esta equação descreve o estado de um gás ideal, assumido que R é uma constante e
independente do tipo de gás. A equação acima pode ser escrita em termos da densidade de
gás (N), num volume (V) contendo (N1) moléculas. Fazendo N1=NA onde
NA=6,02x1023moléculas/mole (número de AVOGADRO), então teremos

A constante k=R/NA é a constante universal de BOLTZMAN [=1,380410-23] Joules/k e (N) é


o número de moléculas no gás.

Se dois gases com volumes iniciais (V1) e (V2) são misturados á mesma temperatura e
pressão, então o novo volume será dado por V=V1+V2 ou no geral

Combinando as equações acima teremos

Ou

Ou ainda (equação das pressões parciais)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 59
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde p1, p2, …, pn são as pressões parciais dos gases 1, 2, …, n


As equações acima podem ser deduzidas directamente da teoria cinética dos gases
desenvolvida por MAXWELL.
A equação fundamental que resulta da teoria cinética dos gases é deduzida assumindo-se que
 O gás consiste de moléculas esféricas de mesma massa
 As moléculas estão em movimento aleatório
 As colisões são elásticas
 A distância média entre moléculas é maior que os respectivos diâmetros
 As forças entre as moléculas e as paredes do recipiente são desprezíveis
 Considere um recipiente cúbico (figura abaixo) de lado (l) com (N1) moléculas de
massa (m) e uma velocidade (u). No plano tridimensional as componentes da
velocidade serão ux, uy, uz onde u2= ux2 + uy2 + uz2. Supondo uma molécula de massa
(m) movimentando-se no eixo (x) com a velocidade (ux) no instante em que esta
colide com o plano YZ é repelida com a velocidade (-ux) de modo que, a variação do
momento de inércia será

Para o cubo acima de lado (ℓ) o número de colisões por segundo e por molécula será dada por
(Ux/2ℓ), assim

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 60
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Entretanto a mesma molécula experimentará na parede oposta uma variação no momento de


inércia igual de tal forma que;

Δm/sec/molecule=2mUx2/ℓ

Para um sistema tridimensional obter-se-á a força por partícula dada por:

Sendo a energia cinética de uma partícula dada por

W=1/2mU2, F=4W/ℓ

Para N1 partículas a energia resultante de diferentes velocidades (u) será a energia média do
sistema de tal forma que

Sabendo-se que a força (F) resultará numa pressão (P) e tendo em consideração a área total
do cubo (A=6l2)

Para ℓ3=V (volume), das equações (5.8 e 5.12) tem-se

Comparando as equações (5.12 e 5.1) nota-se que as mesmas são idênticas para temperatura
constante e de (5.8) vem

Que resulta na equação da energia média por molécula

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 61
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Processos de Ionização
Durante colisões inelásticas uma grande fracção de energia cinética é transformada em
energia potencial, causando, por exemplo, a ionização das respectivas moléculas. A ionização
por colisão de electrões em campos eléctricos de maior intensidade representa o maior e o
mais importante processo que conduz à ruptura dos gases dieléctricos. A eficácia do processo
de ionização por colisão de electrões depende da quantidade de energia que um electrão pode
adquirir ao longo do caminho médio livre que este percorre na direcção das linhas do campo.

Se λ é o valor médio do caminho médio livre que este percorre na direcção das linhas do
campo de intensidade (E) então a energia ganha ao longo deste percurso será ΔW = eEλ. Para
que ocorra a ionização durante a colisão a energia ΔW deverá ser no mínimo igual a energia
de ionização da molécula (eVi)

Primeiro Coeficiente de Ionização de Townsend (Α)


Na ausência da intensidade do campo eléctrico o processo de formação de iões positivos e
negativos num determinado gás entra em equilíbrio. TOWNSEND demonstrou que a
variação da corrente num gás entre dois eléctrodos formados por duas placas paralelas é
função da tensão aplicada entre estes eléctrodos, onde no início a corrente cresce
proporcionalmente á tensão aplicada, permanecendo de seguida relativamente constante na
magnitude (i0) que corresponde á corrente de saturação e para tensões mais elevadas a
corrente (i0) cresce de forma exponencial, como mostra a figura abaixo.

TOWNSEND atribuiu o crescimento da corrente para além de V2 como resultado do processo


de ionização por colisão entre electrões. Os electrões tornam-se cada vez mais velozes á
medida que a intensidade do campo eléctrico cresce, até ao ponto de adquirirem energia
suficiente para causarem ionização por colisão com as moléculas ou átomos do gás
De forma a explicar o crescimento da corrente TOWNSEND introduziu o factor (α)
denominado coeficiente de ionização de Townsend definido como a quantidade de electrões
produzidos por unidade de comprimento por um electrão ao percorrer o caminho médio livre,
na direcção do campo eléctrico.

Se assumir-se que (n) é a quantidade de electrões à distância (x) do cátodo na direcção do


campo eléctrico (figura abaixo) a taxa de crescimento de electrões na distância (dx) será dada
por;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 62
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

dn = αndx

Integrando em função da distância (d), vem

Onde (n0) é o número inicial de electrões gerados no cátodo. Se (I0) for a corrente inicial do
cátodo então teremos

O termo [eαd)] é designado de avalanche de electrões e representa a quantidade de electrões


produzidos por um electrão que se desloca do cátodo ao ânodo. O processo de multiplicação
de electrões no processo de avalanche é representado na figura abaixo (b)

[Avalanche: Processo cumulativo, pelo qual, partículas carregadas e aceleradas por um


campo eléctrico, produzem partículas carregadas adicionais, através da colisão com
moléculas de gás natural ou átomos]

É sabido que para um determinado gás e à temperatura constante a distribuição de energia


ΔW depende unicamente de (E/p). E também para uma certa distribuição de energia a
probabilidade de ocorrer a ionização dependerá da densidade ou pressão do gás, assim;

Segundo Coeficiente de Ionização de Townsend (Γ)


No gráfico da corrente em função da distância entre os eléctrodos deverá resultar uma linha
recta de inclinação (α) se para uma dada pressão (p) a intensidade do campo eléctrico (E)
permanecer constante, como mostra a figura abaixo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 63
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

TOWNSEND para explicar esta linearidade do gráfico considerou que um segundo


mecanismo de ionização estaria a afectar o comportamento da corrente ou seja, primeiro
estaria a ocorrer a libertação de electrões por colisão de iões positivos e posteriormente a
libertação de electrões a partir do cátodo por bombardeamento de iões positivos.
Se considerar-se (n – quantidade de electrões que alcançam o ânodo por segundo), (n0 –
quantidade de electrões emitidos pelo cátodo), (n+ – quantidade electrões emitidos pelo
cátodo por bombardeamento de iões), (γ – quantidade de electrões emitidos pelo cátodo por
iões incidentes), então;

Eliminando n+

Ou para correntes no regime estacionário

A fórmula originária deduzida por TOWNSEND é

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 64
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde (β) representa a quantidade de pares de iões produzidos por um ião positivo ao
percorrer (1 centímetro, na direcção das linhas do campo eléctrico), (α, d, I e I0, primeiro
coeficiente de TOWNSEND, distância entre os eléctrodos, corrente instantânea de ionização
e corrente inicial de ionização, respectivamente).

Transição Entre as Descargas não Sustentadas ao Rompimento

O Mecanismo de Townsend
Á medida que a tensão aplicada entre dois eléctrodos aumenta, a respectiva corrente no ânodo
crescerá de acordo com a equação

Ou pela equação (α/p) e fazendo (E=V/d)

Até que num determinado ponto ocorra uma transição repentina da corrente de ionização para
uma descarga auto-sustentável, ponto no qual a corrente (I) torna-se indeterminada e o
denominador torna-se igual a zero, isto é;

Quando esta igualdade se verifica, a quantidade de pares de iões produzidos no intervalo (d)
pela passagem de uma avalanche de electrões é suficientemente enorme de modo que os iões
resultantes, por bombardeamento do cátodo, criem condições para que se liberte um electrão
secundário capaz de causar a repetição do processo de avalancha. Assim a descarga torna-se
autosustentada e pode prosseguir na ausência da corrente inicial de ionização (I0), de tal
forma que a igualdade acima citada pode ser considerada de ponto de ignição do processo de
avalanche.

Para a condição

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 65
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Significa que a ionização produzida por sucessivos processos de avalanche é cumulativa e


que os processos de rompimento são mais acelerados.

Para a condição

Significa que a corrente (I) não é autosustentada, ou seja, na ausência da fonte primária da
corrente inicial de ionização (I0) esta cessa de fluir.

Mecanismos de Ignição de Fluxo ou Canal Piloto de Electrões


Com base em experiências laboratoriais RAETHER desenvolveu uma expressão analítica que
traduz o critério do mecanismo de ignição fluxo de electrões

Onde (Er) é a intensidade de campo eléctrico da avalanche de electrões (no interior dos
eléctrodos), (E) é a intensidade de campo eléctrico externo aplicado ao sistema figura abaixo

A resultante da intensidade do campo eléctrico na frente da avalanche será obtida por (E + Er)
ao passo que na região de iões positivos a resultante será (E – Er).
Assume-se que é condição para que ocorra a transição da avalanche para o mecanismo de
ignição do fluxo de electrões que as intensidades de campo eléctrico tenham valores
aproximados (E≈Er), assim a equação acima (αxc) torna-se;

O valor mínimo de ruptura pelo mecanismo de ignição de fluxo de electrões é obtido


assumindo que a transição de avalanche para ignição do fluxo de electrões ocorre logo que a
avalanche tiver completado o percurso (d), assim a equação terá a seguinte forma;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 66
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Por conseguinte a ruptura pelo mecanismo de ignição do fluxo de electrões ocorre apenas
quando o percurso crítico é maior ou igual a (d), (Xc ≥ d). Da condição, Xc = d, obtêm-se o
menor valor de (α) que desencadeia o mecanismo de ignição do fluxo de electrões

A Lei de Paschen
A dedução de uma equação analítica para o cálculo da tensão de ruptura para campos
uniformes em função da distância entre os eléctrodos e a pressão pode ser obtida,
expressando o coeficiente de ionização como função da intensidade do campo eléctrico e da
pressão do gás, ou seja;

Obtêm-se

Ou

Para campos uniformes (Vb=Ed), onde (Vb) é a tensão de ruptura

5.23

Ou

Donde depreende-se que a tensão de ruptura para um campo uniforme é unicamente função
do produto da pressão pela distância de separação dos eléctrodos. As equações acima
representam a Lei de Paschen. A relação entre a tensão de ruptura (Vb) e o produto (pd) está
representada na figura abaixo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 67
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Das relações (α(med)/p) e (α(med)d) e sabendo que (V=Ed) resulta no gráfico abaixo

Na figura acima (Vb/pd) não existe intersecção entre a curva (1) e a recta 4 significando que
para valores baixos de tensão não ocorre a ruptura no dieléctrico

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 68
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Intensidade do Campo Eléctrico de Ruptura (Eb)


Para arranjos uniformes a intensidade de campo eléctrico de ruptura num gás pode ser obtida
a partir da equação (αxc) dividindo a mesma pelo produto (pd) teremos

Da qual depreende-se que para uma pressão constante (p) a intensidade de ruptura (Eb)
decresce de forma uniforme com a distância (d). E que a intensidade de campo (Eb) para uma
distância (d) constante cresce com a pressão (p).

Relação entre o coeficiente de ionização (α) e a intensidade de campo eléctrico de ruptura


para diferentes valores de (pd)

Relação entre a intensidade de campo de ruptura (Eb) e o produto entre a pressão e a distância
entre os eléctrodos (pd).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 69
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Descargas Parciais ou Efeito de Coroa


Nas cavidades com intensidades de campos não uniformes é usual o aparecimento de vários
fenómenos tais como descargas luminosas e audíveis antes que a ruptura dieléctrica ocorra
por completo. Estas descargas são conhecidas como descargas de coroa, responsáveis por
consideráveis perdas de potência nos sistemas de transmissão de energia eléctrica em alta
tensão, deterioração do sistema de isolamento e interferências nos sistemas de comunicações.
O gradiente de tensão na superfície de um condutor no ar necessário para produzir um efeito
de coroa luminoso é obtido aproximadamente pela equação (Ec/δ), onde (Ec) é expresso em
[kV/cm], (r) em [cm] e (δ) é a densidade relativa do ar.

O aspecto visual das descargas por efeito de coroa é distinto em função da polaridade da
tensão aplicada. Na polaridade positiva aparece na forma de uma bainha branco-azulada ao
longo de toda superfície do condutor. Na polaridade negativa aparece na forma de manchas
avermelhadas e brilhantes distribuídas ao longo do condutor, que aumentam com a corrente.

Descargas com Polaridade Positiva


Observações mostraram que quando um pulso positivo de tensão é aplicado a uma ponta de
eléctrodo, a primeira ionização detectada tem a forma de um filamento, como mostrado na
figura (a)

À medida que a tensão cresce o canal de ignição de fluxo de electrões também cresce quer no
número de ramificações como no seu cumprimento figura (b) e (c). Entretanto a respectiva
velocidade decrescerá á medida que for penetrando regiões de baixo valor de intensidade do
campo eléctrico.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 70
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A figura acima mostra a velocidade do fluxo de ignição de electrões para diferentes níveis de
tensão

A figura acima representa os vários modos de descarga á medida que a distância entre os
eléctrodos aumenta.

Descargas com Polaridade Negativa


Para a polaridade negativa aplicada a um arranjo de eléctrodos ponta e plano, sob condições
estacionárias, pulsos de corrente fluirão sob forma regular como ilustra a figura abaixo. Esta
natureza de pulsos são designados por “pulsos de Trichel”, a frequência dos pulsos cresce
com o aumento da tensão aplicada e dependem do raio do cátodo, da distância (d) e da
pressão (p) no gás. A relação entre a frequência e a tensão aplicada para diferentes distâncias
entre os eléctrodos e para um eléctrodo de ponta de 0,75mm de raio é mostrada na figura
abaixo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 71
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A figura abaixo mostra a tensão de início de descarga de corona como função da distância de
separação dos eléctrodos, para um caso particular de um eléctrodo de ponta de 0,75mm de
raio. A curva inferior mostra a tensão de início de descarga com pouca influência da distância
entre os eléctrodos. Eventualmente para níveis de tensão mais altos descargas constantes e
com brilho poderão ser observadas, mas a zona de transição de pulsos de Trichel para
descargas com brilho não está claramente definida, caracterizando-se apenas como uma vasta
região de transição.

Para níveis de tensão ainda maior as descargas com características brilhantes persistirão até
que a ruptura ocorra. Refira-se que a ruptura do dieléctrico sob polaridade negativa ocorre
para níveis de tensão mais elevados quando comparado com dieléctricos submetidos a
tensões de polaridade positiva, excepto para regiões com baixos níveis de pressão, portanto
quando o dieléctrico é submetido a uma tensão alternada a ruptura dieléctrica para campos
não uniformes ocorre invariavelmente no meio ciclo positivo da onda de tensão.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 72
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Gases Isolantes

O Ar Atmosférico
As características isolantes do ar atmosférico variam com a humidade relativa. Quando seco
suas, propriedades se aproximam muito com as do vácuo. Nas proximidades de um condutor
sujeito a uma diferença de potencial o ar se ioniza, resultando em gás condutor. Se a
renovação do ar não se efectuar ou se a diferença de potencial crescer, rapidamente o poder
dieléctrico do ar poderá ser rompido, causando assim uma perfuração do isolamento. É o ar o
isolante natural, entre os condutores de uma linha aérea, fora dos apoios.

Nitrogénio
É um gás de elevada estabilidade química, bom poder dieléctrico. É utilizado para manter a
pressão interna dos tanques de transformadores, reactores e outros equipamentos, acima da
pressão atmosférica e dessa forma evitar a penetração de humidade. Dada sua elevada
estabilidade química é pouco reagente, não afectando, pois, os demais meios isolantes.

O Gás SF6
Sintetizado pela primeira vez no ano de 1900, em Paris, teve suas pesquisas para aplicação
industrial iniciadas em 1937. Em 1939, o uso em cabos e capacitores foi patenteado.
Pesquisas para sua utilização como meio interruptor são de 1950 e equipamentos blindados e
isolados à SF6 surgiram a partir de 1970. O SF6 gás é um dos gases de maior densidade (6,16
kg/m³), quase 5 vezes maior que a do ar. É um gás incolor, inodoro, não tóxico,
quimicamente inerte e estável e não inflamável.

O gás apresenta propriedades térmicas e eléctricas notáveis:


 Elevada rigidez dieléctrica: a 1 atmosfera, é mais que 2 vezes a do ar ou do nitrogénio, e a
3 atmosferas é igual ao do óleo isolante.
 Alta eficácia como supressor de arco: comparativamente ao ar é 10 vezes mais eficiente,
num tempo 100 vezes menor.
 Produz enorme redução do número de electrões livres (grande afinidade electrónica do
flúor), restabelecendo a rigidez dieléctrica.

Quanto à decomposição do SF6, tem-se que:


Após arco o gás SF6 tem grande capacidade de recombinação:
SF6 _ S + 6F

No entanto ocorre decomposição acima de 500ºC e principalmente sob arco eléctrico.


 Os principais subprodutos são gasosos e sólidos.
 A presença de humidade e os compostos ácidos (HF).

A humidade no gás SF6 pode ser proveniente de:


 Permeabilidade da água através de o’rings;
 Difusão através de vazamentos;
 Difusão através da micro-porosidade do alumínio;
 Absorção de água pelos materiais orgânicos (graxas, haste de accionamento, isoladores
poliméricos).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 73
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Capítulo 6
Ruptura em Dieléctricos Sólidos e Líquidos
O rompimento dos dieléctricos é uma grande preocupação no caso de equipamentos de alta
tensão. Eles são responsáveis pelo desgaste dos sistemas de isolamento, e indicadores de
possíveis defeitos futuros, não deixando de se levar em conta um defeito mais grave.

Ruptura em Dieléctricos Sólidos


Os materiais sólidos para além de providenciarem um isolamento das partes condutoras
(activas) dos circuitos eléctricos permitem também um suporte mecânico das mesmas. Daí, a
grande importância de se estudarem os mecanismos de falha dos dieléctricos sólidos.
Porém, mesmo com o facto de que foram formuladas várias teorias no século passado
tentando explicar o rompimento dos isoladores sólidos, essa teoria ainda se encontra bastante
crua e não conclusiva. Isso porque, isoladores sólidos sofrem a acção de correntes que, ao
contrário dos gases, vêm de várias fontes de polarização, iónica, electrónica e por movimento
de dípolos, que é muito lenta, e, essas correntes não apresentam diferenças do ponto de vista
de medição, dificultando o estudo de cada tipo separadamente. A condutividade nos sólidos
em função da temperatura é dada pela equação, onde (A) e (u) são constantes empíricas.

A temperatura é um factor relevante, quando se refere ao isolamento nas cerâmicas,


principalmente nos vidros, que provavelmente são de origem electrónica ou iónica. Acredita-
se que a condução dá-se pelo facto de ocorrer injecção de electrões na banda proibida dos
átomos do material isolante, através dos portadores nos eléctrodos ou do próprio acúmulo de
electrões provenientes da polarização, sendo ejectados pelo “efeito de emissão Schottky”,
permitindo assim, a condução através do isolador sólido.

Se o material for homogéneo e as condições de temperatura forem rigorosamente controladas,


são observadas tensões eléctricas muito elevadas, que surgem com tensões abaixo do limite
de isolamento do material isolante, dependentes da tensão aplicada e da temperatura e são
conhecidas como forças eléctricas intrínsecas. Isso é explicado, supondo que o stress numa
região determinada do dieléctrico é maior que nas outras

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 74
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

As descargas por avalanche seguem um processo similar às descargas por avalanche nos
gases, isto é, um electrão ou ião livre ganha energia através da acção do campo eléctrico e
perde energia na colisão com electrões dos demais átomos, se a energia absorvida for maior
que a perdida nas colisões, e a energia das colisões for suficiente para retirar electrões das
bandas adjacentes de seus átomos, este processo pode desencadear uma avalanche. O
rompimento mecânico é característico daqueles sólidos que podem se deformar
significantemente, de forma a alterar a sua configuração mecânica, sem que haja uma
fractura. Isso acontece devido a que a pressão mecânica exercida sobre o isolante pode ser
muito alta, devido a atracção dos eléctrodos.

Segundo “Stark e Garton”, a espessura inicial, chamada módulo de Young “Y”, decresce para
um valor igual a “d” [m] quando uma tensão de módulo igual a “V” é aplicada de acordo com
a equação;

Onde o primeiro quociente representa as permissividades do ar e relativa respectivamente,


“d0” é a espessura inicial de um espécime de material Young, que decresce a uma espessura
“d” depois da descarga. Quando um isolante é percorrido por correntes de fuga, devido a
polarização, a condutividade (s) normalmente aumenta com o aumento de temperatura,
podendo ocasionar descargas térmicas. Estas descargas são representadas por uma certa
instabilidade, ou seja, há uma tendência de desencadear cada vez mais electrões, pois a
condução de um electrão aumenta um pouco mais a temperatura formando uma reacção em
cadeia. A teoria das descargas eléctricas é explicada sob a teoria de condutividade calorífica
dos materiais, a capacidade de dissipação e o sistema de refrigeração de tais sistemas

Quando um dieléctrico sólido tem uma falha, como, por exemplo, uma bolha de ar na sua
construção, há uma tendência de que sobre essa bolha a intensidade de campo seja ainda
maior que no dieléctrico em si, sendo uma fonte bastante grande de descargas, conhecidas por
descargas por erosão.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 75
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensão de Ruptura em Cavidades

Cavidade num meio isolante sólido e o respectivo circuito equivalente

As respectivas Capacitâncias serão dadas por

A tensão de ruptura na cavidade será dada por

A tensão no dieléctrico que envolve a cavidade e que iniciará a ruptura na cavidade será dada
por;

Na prática assume-se que a cavidade tem uma forma esférica, cuja intensidade dos campo
eléctrico será, para εr >> εrc;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 76
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Camada de Condensadores
Em vários arranjos de sistemas de isolamento existem conexões série de Capacitâncias que
originam distribuições não lineares de tensões. Um exemplo típico é a cadeia de isoladores
numa linha aérea de transporte de energia eléctrica.

X
U C1

Cadeia de suspensão com 5 isoladores singulares

A distribuição não linear da tensão tem origem nas Capacitâncias parasitas entre a linha e a
terra

Capacitâncias de terra C1E e de linha C2L do isolador numa linha de alta tensão

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 77
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Circuito equivalente da cadeia de isoladores

Supondo elementos infinitamente pequenos teremos as equações diferenciais

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 78
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Com as abreviações

E o princípio de solução

Teremos

Ruptura Em Dieléctricos Líquidos


O mecanismo de ruptura nos líquidos é ainda mais obscuro e desconhecido do que o
mecanismo nos gases ou mesmo nos sólidos. Das várias teorias surgidas através dos anos,
muitas são contraditórias, de forma que não se pode ainda formar uma teoria conclusiva aos
líquidos.

Dois ramos de teorias diferentes, no entanto, podem ser citados: um explica a ruptura dos
dieléctricos líquidos como uma extensão da teoria dos gases, baseado na avalanche de
electrões ocasionada através da ionização dos átomos causada pela colisão de electrões com
muita energia nestes.

Esta teoria se mostra razoável para líquidos de extrema pureza, onde a polarização electrónica
e iónica. Quando há, no entanto, uma quantidade muito grande de impurezas, o líquido tende
a ter uma corrente crescente com o campo, que depois é estabilizada, e por final, quando o
campo aplicado é muito elevado, tende a uma instabilidade, ocorrendo daí a “avalanche”.

O outro ramo de pensamento tenta explicar fisicamente o comportamento dos líquidos,


partindo daí para a explicação das razões e das características da condução nos líquidos.
Muitos cientistas da actualidade têm publicado vários trabalhos a respeito, mas essa teoria
ainda se apresenta bastante incerta. Sabe-se, entretanto, que nos líquidos, existe a ruptura
electrónica, e que é preferencial a ruptura térmica. Ela depende, do campo eléctrico aplicado
“E”, do “caminho livre” do electrão “λ”, e do quanta de energia “hν” perdido na ionização da
molécula eEλ=chν

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 79
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Impurezas sólidas, suspensas nos líquidos também causam rupturas dieléctricas. Isso porque
estas podem ter cargas líquidas, e originar avalanches. Uma explicação plausível e aceite, é a
de que essa partícula carregada é levada ao lugar onde o campo eléctrico é maior e “grad E”
igual a zero. Outras partículas sólidas carregadas são levadas a essa região, que por possuir o
campo mais elevado, têm um campo praticamente uniforme. Nesse campo, as partículas vão
se alinhando, formando certas “pontes” no dieléctrico, podendo seguir daí a ruptura do
dieléctrico.

Um outro tipo de ruptura conhecido como ruptura de cavidade é causado por inclusões de
gases dentro dos dieléctricos líquidos, na forma de bolhas. Essas bolhas causam mudanças na
temperatura e na pressão do dieléctrico, dissociação de líquidos em sólidos devido à colisão
dos electrões e vaporização do líquido devido as descargas do tipo coroa, nos pontos de
irregularidade dos eléctrodos. A equação abaixo representa como esse processo se torna uma
descarga

Onde “E0” é a “força de ruptura”, e o quociente é igual à permissividade do líquido somada e


dois. Da equação acima quando “Eb” se torna igual ao campo de ionização do gás, descargas
vão ocorrer, podendo causar a decomposição do líquido e levando assim, ao rompimento do
isolante.

Capítulo 7
Ensaios Não Destrutivos
Muitos testes, são actualmente utilizados pelas empresas detentoras de sistemas de geração,
transporte e distribuição de energia eléctrica para a determinação das condições dos sistemas
de isolamento dos respectivos equipamentos. Maioritariamente estes testes são em off-line,
isto é; com os equipamentos fora de serviço.

Refira-se que a resistência de isolamento é uma função do tipo dos materiais empregues, bem
como da técnica de aplicação dos mesmos. Em geral, a resistência de isolamento é
directamente proporcional a espessura do material isolante e inversamente proporcional a
área da superfície do condutor.

Segundo Rocha e Ayupe (2010), o isolamento eléctrico pode ser modelado como um circuito
com quatro ramos paralelos, por onde podem circular quatro correntes diferentes quando uma
tensão é aplicada, conforme figura abaixo. Estas correntes são as correntes de fuga pela
superfície (leakage – IL), de capacitância geométrica (Ic), de condutância (Ig) e de absorção ou
polarização (Ia). Estas correntes somadas representam a corrente total que atravessa o
isolamento (It), conforme gráfico abaixo. A relação entre a tensão aplicada e a corrente total
medida fornece a resistência do isolamento.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 80
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Circuito equivalente com quatro ramos paralelos

Representação gráfica das correntes do circuito equivalente

Medição do Índice de Polarização (IP)


A medição do índice de polarização tem por finalidade verificar as condições da resistência
de isolamento, medindo o isolamento do equipamento em relação á massa metálica do
equipamento. O valor de IP será tanto maior quanto mais limpo estiver o equipamento

Para efectuar a medição recorre-se ao uso de um Megger, aplicando-se uma tensão contínua
de 2,5kV ou de acordo com a capacidade do aparelho e após 1 minuto R1 anota-se o valor da
resistência. Repete-se a medição e anota-se o valor da resistência após 10 minutos R10.

O índice de polarização é dado pela fórmula

IP = R10/R1

Índice de Polarização (IP) Avaliação do Isolamento


1 >IP Mau
IP <1,5 Alarmante
1,5 <IP <2 Regular
2 <IP <3 Bom
3 <IP <4 Muito bom
IP> 4 Óptimo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 81
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Transformadores de Potência

Falha prematura de transformadores de potência

Taxa de envelhecimento em função da humidade

Movimento da humidade do óleo para o papel

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 82
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Movimento da humidade do papel para o óleo

Movimento da humidade do óleo para o papel

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 83
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Medição da Resistência de Isolamento


Testes de resistência de isolamento podem ser usados para determinar a integridade de
circuitos e cabos em motores, transformadores, chaves de distribuição e instalações eléctricas.
O método de teste é determinado pelo tipo de equipamento a ser testado e a razão para o
teste. Por exemplo, ao testar-se a cablagem eléctrica ou chave de distribuição (equipamentos
de baixa capacitância), as correntes de fuga capacitiva dependentes do tempo e de fuga de
absorção tornam-se insignificantes e decrescem a zero quase instantaneamente

A resistência de isolamento é variável no tempo. Num processo de medição ela estabiliza


antes dos 10 minutos em sistemas mais comuns, como papel e óleo.

A resistência RI, depende da temperatura do isolamento. No caso de transformadores,


considera-se que o seu valor cai para a metade a cada 10°C de aumento na temperatura. Os
valores geralmente são referidos a 75°C.

Relação de Absorção, RA = R1min / R15seg


Índice de Polarização, IP = R10min / R1min

A análise de resultados é comparativa, ao longo da vida do equipamento, e dos equipamentos


da mesma família. Para transformadores pequenos, o IP é próximo de 1 (IEEE std 62-1995),
estudos comparativos entre RI, IP, FP e outros têm sido objecto de análise ultimamente
incluindo a humidade.
.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 84
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Características dieléctricas em corrente alternada

Factor de dissipação = Ir/Ic


Factor de potência cosφ = Ir/I

Exemplo para δ = 10º → φ = 90-10 = 80º (tang10º = 0,1763, cos80º = 0,1763) para ângulos
pequenos entre Ic e I, o factor de potência é aproximadamente igual ao factor de dissipação.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 85
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

De um modo geral o factor de potência varia com a:


 Temperatura (os valores são referidos, normalmente a 20°C)
 Humidade (nem sempre de forma sensível ou conhecida)
 Frequência (método tangδ vs frequência)

Envelhecimento Térmico do Papel Isolante


Material: Celulose, um composto orgânico polimérico, cujas moléculas consistem em longas
cadeias de anéis de glicose (monómeros). A respectiva resistência mecânica é proporcional
ao comprimento das cadeias.

O grau de polimerização (GP) mede o número médio de anéis de glicose na molécula.


Tipicamente varia entre 1000 e 1400 para um papel novo. Devido aos processos de secagem
em fábrica, o GP do isolamento de um transformador é menor comparativamente a um papel
novo e geralmente determina-se 800 como sendo o valor mínimo admissível. Para valores
entre 100 e 250 considera-se o equipamento no fim da respectiva vida útil. Constituem
mecanismos de envelhecimento a hidrólise, a oxidação e a pirólise.

Envelhecimento Térmico do Óleo Isolante


Durante a fase inicial de oxidação dos óleos isolantes são formados compostos polares não
ácidos, tais como álcoois, aldeídos, cetonas, etc. Á medidas que o processo avança formam-se
ácidos e sedimentos. Com a sedimentação, o transformador sofre aquecimento adicional,
devido a dois factores:
a) Obstrução dos canais de circulação de óleo nos enrolamentos e nos radiadores;
b) Isolamento térmico.

Para garantir a qualidade do óleo isolante, é comum a adição de inibidores que retardam a
velocidade do processo de oxidação, além da realização de tratamentos periódicos

Métodos Não Invasivos – Globais

Furfural (2FAL)
O 2Fal é o mais representativo de uma família de furfuraldeídos que resultam
especificamente da degradação do papel. Representa o comportamento global, a partir da
amostra de uma pequena quantidade de óleo do transformador. Há estudos que correlacionam
o GP com o 2Fal. A análise inicialmente era feita em função da sua concentração no óleo,
com a relação miligramas de (2Fal) / litros de óleo [ppm]. Mais recentemente, a relação

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 86
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

considerada mais significativa é a concentração de 2Fal com relação à massa de papel do


transformador, ou seja, miligramas de (2Fal) / kg papel [ppm]. Actualmente, o 2Fal é incluído
nos diagnósticos de fim-de-vida de transformadores de potência das principais
concessionárias. Não se aplica directamente aos casos em que o óleo do transformador tenha
sido filtrado ou substituído.

Tensão de Retorno – RVM (Recovery Voltage Meter)


Experimentalmente, o processo de polarização de materiais dieléctricos ocorre num dado
intervalo de tempo após a aplicação do campo de polarização. Da mesma forma, após a
retirada do campo de polarização seguido de um breve curto-circuito, também se observa um
intervalo de tempo para ocorrer uma completa despolarização do material.
Após o curto-circuito da amostra, inicia-se a despolarização de diferentes mecanismos
envolvidos no processo de polarização. Como resultado da soma das despolarizações destes
diferentes mecanismos, é verificado o “retorno” de uma tensão, em função do tempo.
Originalmente denominada “tensão de regeneração”, o surgimento desta tensão fez parte de
um conjunto de fenómenos descritos como anomalias. Também, denominada de “after-efect”,
ou efeito posterior, este fenómeno é actualmente conhecido como tensão de retorno, “return
voltage”. O processo para realização de uma medida de tensão de retorno compreende três
etapas, representadas esquematicamente pelas posições da chave S no circuito da figura

1. Aplicação de uma tensão de carga (U0) sobre a amostra durante um determinado período
(tc - tempo de carga).
2. Curto-circuito da amostra durante um determinado período (td tempo de descarga).
3. Medição da tensão de retorno.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 87
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Formas das tensões resultantes durante estas etapas.

A tensão aplicada (etapa 1) leva ao carregamento da capacitância geométrica, com


consequente polarização do dieléctrico. Do ponto de vista macroscópico, as cargas nos
eléctrodos podem ser consideradas compostas de cargas livres e cargas ligadas pelo processo
de polarização.

Na etapa 2, a retirada da tensão remove o campo aplicado sobre o dieléctrico, e a aplicação


do curto-circuito tem por objectivo remover as cargas livres presentes nos eléctrodos do cabo.
É iniciado o processo de despolarização do material dieléctrico, resultando numa corrente de
deslocamento. A despolarização continua durante o processo de medida (etapa 3) sendo que
as cargas previamente ligadas tornam-se cargas livres nos eléctrodos. Devido ao acumular
destas cargas livres nos eléctrodos é que torna possível a medição da tensão de retorno

O aumento da tensão de retorno com o tempo é o resultado de um decréscimo gradual da


polarização, isto é, da relaxação dos dípolos excitados. Sem outras influências adicionais,
ocorre um aumento contínuo da tensão de retorno. Com o aumento da tensão, processos de
descarga externos devido à condução em componentes resistivos internos ou externos se
tornam importantes e levam a posterior redução da tensão de retorno. Então, após alcançar
um valor máximo, a tensão de retorno começa a diminuir.

As informações directamente obtidas de uma curva de tensão de retorno são: o valor máximo
da tensão de retorno (Um) e o tempo para se atingir este máximo (tm). Os valores destes
parâmetros possuem uma dependência directa com as características do material analisado,
bem como dos valores adoptados para a tensão de carga, tempo de carga e tempo de descarga.
A primeira aplicação de medidas de tensão de retorno, RVM “Return Voltage Measurement”,
como método de diagnóstico foi na avaliação da presença de humidade no isolamento de
papel impregnado com óleo utilizado nos transformadores. Na década de 90 esta técnica
começou a ser utilizada como método de diagnóstico preditivo para avaliar a presença de
arborescências em água no interior do isolamento de cabos de potência extrudados

O isolamento de cabos com arborescências em água apresenta uma resposta dieléctrica não
linear, explicada pelas seguintes teorias:
 As arborescências são formadas por micro-lacunas, contendo água, interligadas por canais
delgados de natureza isolante. Quando sob o efeito de campos eléctricos intensos, os

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 88
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

diâmetros destes canais são alargados devido à presença de água e tornam-se condutores,
resultando em maiores perdas.
 Tem sido explicado, também, que a tensão de retorno nos cabos isolados em polietileno
com arborescência é influenciada pelo aumento da injecção de cargas devido à presença
de humidade ou pelo número de transportadores iónicos pré-existentes e deslocamento de
carga espacial.

O método de medida de tensão de retorno distingue-se dos outros métodos de diagnóstico que
são focados no fenómeno de descargas parciais e na existência de arborescências eléctricas.
Como qualquer método novo a medida de tensão de retorno tem evoluído muito em termos
de conhecimento e experiência. Comparada com outras técnicas de diagnóstico no domínio
do tempo como, por exemplo, medidas de corrente de relaxação, a medida de tensão de
retorno apresenta a vantagem de ser menos sensível a ruídos, o que é um importante factor
para medidas em campo

Exemplo
Para se comprovar a eficiência do processo, foi utilizado um transformador de 345kV,
133MVA de fabrico IEBB, com valores de humidade de papel inicialmente de 2,09%,
medidos através do RVM. A intenção era efectuar um processo de secagem suficientemente
lento de forma a permitir que a humidade contida no isolamento sólido fosse transferida para
o óleo isolante, auxiliada pela temperatura de operação do transformador, que permaneceria
em operação. A entrada de óleo para o sistema de filtragem foi feita a partir da válvula
inferior e o retorno pela válvula superior. O vácuo foi aplicado em todo o sistema (filtros,
mangueiras e bomba de óleo).
.

Ensaio de RVM inicial, antes do início do processo de secagem

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 89
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Ensaio de RVM final, depois do processo de secagem

tc Urmáx (V) H2O (%) Tcrit (ºC)


Antes 98,35 217,48 2,09 84,7
Depois 260,56 121,5 1,6 95

O resultado final de RVM mostra que o valor de humidade da parte activa decresceu de 2,09
para 1,6% e apresenta-se uniformemente distribuído pelo isolamento, comprovando a
eficiência do processo de secagem

Repetindo este procedimento para vários tempos de carga e mantendo-se uma relação tc/td=2,
obtêm-se uma família de curvas de tensão de retorno. A envoltória dos picos é chamada de
espectro de polarização. O pico desta envoltória representa uma resposta global dominante
para o isolamento e também um determinado teor de humidade.

Espectros de polarização e tensões de retorno

Quando a superfície isolante é exposta à humidade ambiente aparece um segundo pico. O


método permite avaliar a qualidade dos processos de manutenção e recuperação de
transformadores, onde o isolamento fica exposto ao ambiente por tempo prolongado. Um
pico extra na região mais rápida é indicativo de óleo isolante em mau estado.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 90
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Espectro de polarização típico de um transformador

Tensão de Retorno VS Grau de Polimerização

Envelhecimento acelerado de papel kraft a 120ºC (Tensão de retorno a 60ºC)

RVM VS Outros Ensaios Dieléctricos


Os ensaios de RI, IP, tg δ (50 Hz) e tg δ (0,1 mHz a 1 kHz) são pouco sensíveis para teores de
humidade inferiores a 1%, cuja resposta dominante é da ordem de centenas de segundos
(sistema papel-óleo).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 91
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

IP vs Teor de humidade do Papel, para várias temperaturas

Gerador

Componentes do Sistema de Isolamento


Isolamento entre condutores
• Isolamento entre espiras
• Isolamento para a terra
• Camada semicondutora (grafite)
• Camada de silício

Degradação Térmica
A degradação térmica no sistema de isolamento de um gerador ocorre regra geral devido a
 Perda da rigidez mecânica por aquecimento prolongado
 Afrouxamento do isolamento entre camadas, vibração de condutores, falhas por descargas
parciais que conduzem facilmente a defeitos á massa do isolamento
 Sobreaquecimento de devido a sobrecarga, falha na refrigeração, correntes de inrush,
desbalanceamento de tensões.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 92
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Circuito equivalente do sistema de isolamento

Quando Ear = Var /dar > 3 kV/mm ocorrem descargas parciais

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 93
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Efeito da Polaridade na Localização das DPS

Efeito Inverso (–) das DPS com a Temperatura


(Quando as DP Diminuem Com o Aumento da Temperatura)
 O tamanho do espaço varia inversamente com a temperatura. O cobre e o material
isolamento aumentam de tamanho, diminuindo os espaços entre o isolamento e o núcleo,
e, portanto, as DP
 Este efeito é mais significativo para isolamentos de poliéster e asfálticos, mas também
pode ser observado em enrolamentos isolados em epoxi
 De notar que a temperatura do cobre ou das camadas internas do isolamento não são
reflectidas com rapidez pelos RTDs.

Efeito Proporcional (+) das DPS com a Temperatura


(Quando as DP Aumentam Com o Aumento da Temperatura)
 Indicativo da deterioração da tinta semicondutora com o aumento da temperatura, a
existência deste material cresce aumentando o nível de DP positivas
 Este é um mecanismo de falhas muito lento, porém pode levar ao aparecimento de zonas
de elevada produção de ozono

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 94
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensão Aplicada CC – “Hy-Pot”


A medição da tensão aplicada tem por finalidade verificar se existem falhas de isolamento
com fuga de corrente á massa. É um ensaio que visa garantir que o isolamento de um
determinado equipamento ofereça segurança aos operadores e á aplicação a que está
destinada. Conforme normas internacionais deve-se aplicar a um equipamento novo.

A aplicação da tensão de teste denominada HY-POT obedece a determinados critérios de


entre os quais se destacam
 Tensão de prova: Up (máxima) = (2.Unom) + 1
 Acima de 26kV o efeito corona influi fortemente: faixa inadequada
 Primeiros 10 minutos: degrau inicial 0,3.Up (máximo de 10kV). Nos degraus seguintes
acréscimos de 20%
 Ajuste para 90 ~ 95% do valor (a tensão sobe, por efeito capacitivo)
 Tempo de duração de cada degrau: Método de Schleif. Consiste em ajustar os tempos de
aplicação dos degraus para conseguir uma recta
 Leitura da corrente de fuga para 1, 3 e 10 minutos

Cálculos:

C = [(I1 x I10) – I32] / (I1 + I10 – 2I3)

Relação de Absorção (N) = (I1 – C) / (I10- C)

Esquema simplificado para ensaio Hi-pot

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 95
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Ensaios em Capacitores

A) Capacitância – Potência Reactiva

C = (I.106) / (E.ω)

Onde:
C = Capacitância [μF]
I = Corrente [A]
ω = Frequência, 2πf
E = Tensão aplicada [V]

Potência reactiva, Q

Q = V2.ω.C.10-3

Onde:
Q = Potência reactiva [kVar]
V = Tensão nominal do capacitor [kV]
C = Capacitância [μF]

Critérios:
A diferença entre as capacitâncias de duas unidades de mesma especificação pode ser até 15
%
A potência obtida através da capacitância medida não deve diferir da potência nominal em:

-5% a +10% para unidades capacitores


0% a +10% para bancos de capacitores

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 96
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

B) Isolamento

RESISTÊNCIA DE ISOLAMENTO TOTAL: COM 2,5kV CC, (>1 GΩ)

Circuito de medição (proceder à leitura após 1 minuto)

Resistência de Isolamento entre Isoladores de Travessia

Circuito de medição (proceder à leitura após 1 minuto)

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 97
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Levantamento das Características de um Gerador

Saturação em vazio – Circuito de medição

Recta de curto-circuito - circuito de medição

Relação de curto-circuito = I (Un) / I (In)


Reactância síncrona de eixo directo, não saturada = AC/BC, saturada = ED/FD

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 98
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Saturação em Transformadores de Corrente


Os dispositivos críticos nos sistemas de protecção são os transformadores de corrente (TC) e
como todo material ferro magnético, o mesmo trabalha com uma curva de histerese. Para o
seu correcto funcionamento, os TCs são dimensionados para que trabalhem na faixa linear
desta curva, entretanto, existem situações de difícil estimativa que causam sua saturação,
como o nível DC da corrente de curto-circuito e o fluxo residual do TC. O dispositivo de
protecção deve detectar este fenómeno para evitar actuação indevida da protecção diferencial.

Na figura é ilustrado o circuito simplificado de um TC, onde i1/n é a corrente secundária total
(corrente primária dividida pela relação de transformação), ie é a corrente de excitação do
núcleo e i2 é a corrente disponível no terminal secundário, que alimenta a carga R. O valor de
i2 é dado pela equação i2 = (i1/n) – ie. Xm, Rm e Zm representam, respectivamente, a
indutância, a resistência e a impedância do ramo de magnetização

A corrente de excitação está sempre presente, porém seu valor é muito pequeno em condições
normais, pois a impedância do ramo de magnetização é grande. Sendo assim, o erro causado
devido à ie é muito pequeno. Contudo, quando ocorre a saturação, o valor de Zm cai
drasticamente, e a maior parte da corrente passa pelo ramo de magnetização, causando
distorção na forma de onda do sinal recebido pela carga do TC.

Durante a saturação do TC, a impedância vista por relés de distância (Z=V/I) pode ser maior
do que o valor esperado, promovendo assim um problema de desbalanceamento neste tipo de
protecção

As principais causas da saturação dos TCs são as componentes unidireccionais das correntes
de curto-circuito, o fluxo magnético remanescente no núcleo e a carga do TC. Além disso,
um TC mal dimensionado pode saturar por não acomodar o fluxo magnético gerado durante
eventos como curto-circuitos. Uma solução para esse caso seria o dimensionamento do TC
com um núcleo maior, entretanto, isso aumentaria o custo do transformador de corrente.
Por esses motivos, vêm sendo estudados métodos que visem detectar os intervalos de
saturação dos TCs, para então providenciar a correcção dos sinais de corrente distorcidos em
virtude desse fenómeno. Assim, garante-se o funcionamento adequado dos esquemas de
protecção

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 99
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Conceito de Saturação em Materiais Magnéticos

Quando o TC satura, a forma de onda do terminal secundário é distorcida, conforme mostra a


figura. Devido à grande variação de corrente entre o primeiro ponto da região saturada e o
último ponto da região não saturada, os inícios dos intervalos de saturação encontram-se
dentro dos picos maiores presentes na curva das diferenças de i2. Da mesma forma, os fins de
saturação são caracterizados por valores dentro dos picos de menor intensidade.

Forma de onda da corrente no terminal secundário de um TC não saturado

Forma de onda da corrente no terminal secundário de um TC saturado

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 100
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde:
Vs = Tensão de saturação (Ver tabela de cargas nominais)
F = Factor de sobrecorrente (ASA, ANSI, NBR 6856 = 20 IN)
IN = Corrente secundária nominal (5A, com raras excepções)
RI = Resistência do enrolamento secundário a 75°C
RC = Resistência da carga nominal
XI = Reactância do enrolamento secundário
XC = Reactância da carga nominal

Cargas nominais para TC de protecção

Capítulo 8
Sobretensões, e Coordenação de Isolamento

Sobretensões
Um dos factores preponderantes que condiciona o funcionamento de todos os equipamentos e
sistemas eléctricos é o isolamento das suas partes condutoras com o meio exterior. Para além
dos riscos que as falhas de isolamento podem constituir para a integridade física de pessoas e
animais, o isolamento de um equipamento eléctrico é fundamental para o seu correcto
funcionamento. Este é feito através de materiais isolantes ou dieléctricos, cuja baixa
condutividade permite conter a corrente eléctrica dos meios exteriores.

Contudo, o isolamento de um sistema eléctrico é uma tarefa complexa, que implica a


interoperabilidade de vários tipos de meios isolantes, sejam estes sólidos, líquidos ou
gasosos. A esta necessidade de utilizar diversas formas de isolamento com o objectivo
principal de conter a corrente eléctrica denomina-se de coordenação de isolamento,
revestindo-se esta prática de especial importância quando o sistema em causa utiliza tensões
elevadas, com a consequente presença de campos eléctricos intensos. Este facto deriva da
não-idealidade que todos os materiais dieléctricos apresentam, cujas propriedades isolantes

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 101
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

podem sofrer alterações quando sujeitos a campos eléctricos extremos, ou tensões elevadas
derivado da sua geometria.

O sistema eléctrico, com especial atenção para as suas componentes de transporte e


distribuição, é obrigado pela sua função à utilização de tensões de funcionamento elevadas.
Nas linhas aéreas, sendo o mais vasto componente deste sistema, o seu principal meio
isolante é o ar, sendo complementado nos apoios por elementos isolantes sólidos. Porém o
seu dimensionamento é crucial, na medida em que devido ao seu comportamento dieléctrico,
este se torna condutor quando exposto a campos eléctricos críticos, originando falhas de
isolamento que originam interrupções no fornecimento de energia eléctrica, e que contribuem
para a diminuição da qualidade de serviço da rede

Sobretensões de Manobra
Quando ocorre uma manobra numa rede os seus componentes ficam sujeitos a tensões e
correntes com uma grande amplitude de frequências, podendo variar entre 5 kHz e mais de
100 kHz. Ao longo de uma tão grande gama de frequências os componentes da rede não têm
características constantes, o que obriga a sua modelização em função da frequência. Por outro
lado, os modelos utilizados deverão ser capazes de representar tanto componentes de
características concentradas (geradores, transformadores) como de características distribuídas
(cabos, linhas aéreas). Igualmente deverão ser capazes de modelizar as não linearidades
resultantes dos pára-raios, saturação dos circuitos magnéticos, arcos eléctricos, etc. Os
componentes não são de fácil modelização pelo que há sempre necessidade de recorrer a
formas aproximadas de representação. Terá assim sempre que haver um compromisso entre a
precisão do método, a velocidade de cálculo e os meios disponíveis.

Tensão de Restabelecimemto Resultante da Eliminação de um Curto-Circuito


Para analisarmos a tensão transitória de restabelecimento resultante da eliminação de um
curto-circuito, consideremos o circuito representado na figura abaixo
Entende-se por tensão transitória de restabelecimento (T.T.R.) a tensão que surge nos
terminais do disjuntor após a extinção de arco. Este regime transitório de tensão resulta das
oscilações de tensão que ocorrem em cada terminal do disjuntor após a manobra deste

Circuito equivalente para a análise da tensão de restabelecimento, quando o disjuntor elimina


o defeito

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 102
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

No circuito representado na figura acima a corrente é suposta simétrica e será puramente


reactiva uma vez que é apenas limitada pelo coeficiente de auto-indução do circuito. Isto
significa que no instante de corrente zero, a tensão do circuito estará no seu valor máximo,
mas a tensão entre os contactos do disjuntor, e portanto através do condensador C, será a
tensão do arco. A importância da tensão do arco varia com o nível da tensão do circuito e
com o tipo de disjuntor. Assim, num circuito de alta tensão, a tensão de arco, será uma
pequena percentagem da tensão do circuito, especialmente com os modernos disjuntores de
SF6. Num circuito de baixa tensão já porém essa percentagem poderá ser significativa. Numa
primeira aproximação suponhamos que a tensão do arco é desprezável. Inicializando a
contagem do tempo quando a corrente se anula, como estamos em presença de um circuito
puramente indutivo, a tensão estará no máximo no momento em que a corrente se anula, pelo
que pode ser expressa como V =Vm cosωt. A equação do circuito será então

Como há duas incógnitas, I e Vc, necessitamos de duas equações. A segunda equação será
então

Uma vez que, depois de a corrente ter sido eliminada através do disjuntor, o único circuito
possível para a corrente é através do condensador

A tensão de restabelecimento nos contactos do disjuntor depois de a corrente ter sido


eliminada será

Para ω02/( ω02 - ω2) = 1

Tensão Transitória de Restabelecimento de Frequência Dupla


Muitas das vezes, quando da interrupção de um circuito, estabelecem-se nas redes duas ou
mais frequências próprias cuja acção simultânea deforma a curva da tensão. Consideremos o
circuito representado na figura abaixo. Suponhamos que um curto-circuito no ponto P é
eliminado por acção do disjuntor D. No caso muito frequente do curto-circuito se dar num
ponto bastante afastado do disjuntor, a jusante deste, haverá suficiente auto-indução e

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 103
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

capacidade transversal da linha respectivamente L2 e C2, para que se estabeleça um circuito


ressonante. Por outro lado, a montante do disjuntor, isto é, do lado da fonte de tensão,
também haverá normalmente auto-indução e capacidade, L1 e C1, que darão origem a um
novo sistema oscilante de frequência própria

Circuito para a análise da tensão transitória de restabelecimento de frequência dupla

A jusante do disjuntor a frequência própria será

A tensão de restabelecimento nos contactos do disjuntor será

Sobretensões Atmosféricas

Resumo dos Mecanismos de Formação do Arco Eléctrico (Atmosférico)


Para que ocorra uma descarga atmosférica são necessárias condições específicas, como a
presença de pelo menos uma nuvem cumulonimbus, um processo de electrificação, separação
de cargas, ionização e disrupção da atmosfera. As nuvens cumulonimbus possuem
características próprias, são formadas em condições especiais de alta humidade e alta taxa de
convecção, ventos fortes ou algum factor externo que faça esta alta humidade alcançar
grandes altitudes. Possuem diâmetro entre 3 e 50 km, tem a sua base a 2 km de altitude e o
seu topo de 15 a 20 km de altitude, podem até alcançar a base da estratosfera, mas não
passam deste ponto, pois nesse nível ocorre a absorção da ultravioleta pela camada de ozono,
elevando a temperatura e impedindo que a nuvem suba mais.

Resumindo a teoria mais aceite, tem-se que o processo é composto de duas partes: primeiro a
electrificação das partículas e em seguida a separação espacial destas. A geração de iões
baseia-se nos movimentos cíclicos ascendentes e descendentes que ocorrem dentro das

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 104
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

nuvens, os quais forçam a água condensada e os cristais de gelo a se movimentarem nas


nuvens, provocando colisões, o que faz com que os cristais e a água condensada se dividam,
gerando iões, que também são gerados pela acção dos raios cósmicos no topo da nuvem.

Com os contínuos processos de ascensão dentro da nuvem, as gotas ascendentes entregam


iões negativos à base da nuvem e sobem com carga eléctrica positiva. Como os iões negativos
possuem menor energia cinética que os iões positivos, estes acabam descendo e acumulando-
se na parte inferior da nuvem, o que faz com que os iões positivos se acumulem na parte
superior.

Aproximadamente 95% das nuvens ficam carregadas como descreve o processo acima.
Porém, os mecanismos de electrificação das nuvens são mais complexos que este simples
resumo, envolvendo vários fenómenos não descritos aqui.

Disrupção Atmosférica: Raio


A descarga atmosférica, comummente conhecida como raio, é um fenómeno totalmente
aleatório e perigoso, caracterizada por um transiente de descarga eléctrica de alta corrente
com percurso de alguns quilómetros. Este perigo advém do facto de possuir grande
quantidade de energia a qual é dissipada num tempo muito curto, de alguns milissegundos
(ms). Como o solo possui carga eléctrica oposta à base da nuvem cumulonimbus, e a
atmosfera entre ambos pode ser considerada como quase isolante, forma-se uma estrutura
como um capacitor, capaz de armazenar grandes cargas. Contudo, esse meio dieléctrico tem
uma limitação no gradiente de campo eléctrico, com uma rigidez dieléctrica de,
aproximadamente, 3 kV/mm, vindo a iniciar um arco eléctrico de descarga quando este valor
é ultrapassado.
Este dieléctrico pode inclusive ser deteriorado pela presença de estruturas elevadas, pontas,
partículas em suspensão, poluição, humidade, pressão atmosférica, entre outros factores,
fazendo com que ocorra a descarga atmosférica com valores menores de campo eléctrico. A
maioria dos raios ocorre entre nuvens e dentro de uma mesma nuvem, somente uma pequena
parcela, em torno de 20%, parte para o solo.

O processo da descarga ao solo começa com a elevação do campo eléctrico acima do valor de
rigidez da atmosfera presente, quando então ocorre o surgimento e expansão de caminhos
ionizados de pontos da nuvem. Estes líderes descendentes caminham em passos de
aproximadamente 10 metros em poucos micro segundos (μs), carregando o canal com cargas
negativas retiradas da nuvem, quando estes começam a se aproximar do solo provocam o
aparecimento de caminhos ionizados que partem deste carregando um canal com carga
eléctrica positiva. Quando estes dois líderes encontram-se ocorre a primeira descarga
atmosférica, denominada descarga de retorno, como pode ser visto no diagrama

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 105
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Diagrama do processo de descarga

Uma descarga atmosférica pode terminar após a descarga de retorno, a qual descarrega o
canal e a nuvem. Porém pode ser sucedida por outras descargas subsequentes, de uma até
mais de 15 descargas, dependendo da quantidade de cargas de que a nuvem ainda dispõe,
com intervalos de poucos ms entre cada uma. O processo da descarga subsequente é muito
similar ao da primeira descarga, porém inicia-se com o chamado “dart leader”, o qual tem a
mesma função da descarga líder, contudo não caminha em passos, sendo um processo
contínuo. Esta aproveita-se do canal quente e ionizado formado pela primeira descarga para
descarregar eventuais cargas que venham a se deslocar na nuvem, após a nova junção dos
líderes ocorre novamente uma descarga de retorno.

No processo de ionização a descarga líder caminha em passos com velocidade de 2.105 m/s,
de 100 a 1000 Amperes (A) e carga negativa de 10 Coulomb (C) ou mais. A descarga de
retorno é um dos mais importantes componentes da descarga atmosférica, pois possui alta
energia e tempo de trânsito baixo. Possui tempo de frente de poucos μs e tempo até meio
valor de pico (cauda) em torno de 50μs. A descarga líder subsequente, “dart leader”, possui
velocidade média de 3.106 m/s, 1 C de carga e aproximadamente 1 kA de corrente.

Esse montante de energia dissipado em pouco tempo aquece o ar elevando a temperatura em


torno de 30.000 kelvin (K), o que gera uma alta pressão, da ordem de 10 atmosferas (atm),
causando uma onda de choque, a qual produz o ruído caracterizado pelo trovão, e luz na
forma do relâmpago. Além de interferências em rádio frequência causadas pelo alto fluxo de
corrente e campo electromagnético. Porém esta explanação corresponde a somente uma das
possíveis configurações de descargas atmosféricas, pois na verdade existem quatro tipos de
descarga nuvem solo:
1. Descarga com líder negativo sendo iniciado pela nuvem;
2. Descarga com líder positivo sendo iniciado pela nuvem;
3. Descarga com líder positivo sendo iniciado pelo solo;
4. E descarga com líder negativo sendo iniciado pelo solo.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 106
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Ilustração dos quatro tipos de descargas atmosféricas

O primeiro tipo responde por 90% das descargas ao solo, o tipo 2 responde por quase 10%, e
os tipos 3 e 4 são específicos de descargas que somente ocorrem com a presença de estruturas
elevadas aterradas, acima de 100 m, ou de objectos localizados no alto de montanhas.

Corrente de Descarga
Normalmente, uma descarga atmosférica é modelizada por uma fonte de corrente com forma
de onda, polaridade e amplitude adequadas considerando, eventualmente, a colocação de uma
resistência de algumas centenas de Ohms em paralelo com a fonte de corrente para simular a
influência da impedância do canal de descarga. De entre inúmeras expressões matemáticas
representando funções com características de concavidade adequadas, a CIGRE propõe que a
corrente de descarga seja obtida pela adição de duas funções: uma relacionada com a frente
da onda, atingindo o máximo gradiente para 90% da amplitude, e outra relativa à cauda da
onda, com gradiente máximo no início, permitindo uma transição estável de uma curva para a
outra e uma representação correcta da cauda da onda. Na frente de onda a curva é descrita
pela função I(t), sendo as constantes A e B calculadas a partir da amplitude da corrente (IP),
do tempo equivalente de frente (Tf) e do gradiente máximo da onda (Gm), recorrendo à
sequência de cálculo apresentada nas expressões:

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 107
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Na zona de cauda a onda é descrita pela expressão I(t)

Onde I1 e I2

Metodologias e Normas de Coordenação de Isolamento

Conceitos Fundamentais
São vários os factores que contribuem para o dimensionamento do isolamento de um sistema
eléctrico. Como ponto de partida, é necessário conhecer as solicitações dieléctricas do

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 108
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

sistema, ou seja, quantificar as sobretensões ou conhecer os eventos que proporcionam aos


meios isolantes ou conjunto de materiais isolantes, os campos eléctricos que mais facilmente
contribuem para a alteração das suas propriedades. Seguidamente, é necessário determinar
como o conjunto de meios isolantes vai reagir às solicitações atrás mencionadas. Para este
efeito, é fundamental compreender que a disrupção de um dieléctrico é um fenómeno que
depende de factores dinâmicos e probabilísticos. Dinâmicos porque os mecanismos que
contribuem para a disrupção de um dieléctrico dependem da diferente evolução temporal das
solicitações dieléctricas, e probabilísticos devido à natureza dos fenómenos envolvidos, em
que duas solicitações semelhantes aplicadas a um dieléctrico podem gerar comportamentos
diferentes.

Desta forma, a tensão de disrupção de um intervalo não pode ser fornecida sem o
conhecimento da probabilidade de disrupção que o caracteriza, sendo que a forma mais
comum de o caracterizar é através da tensão que quando aplicada ao dieléctrico, apresenta
uma probabilidade de 50% de o disromper, denominando-se U50. Porém, para efeitos de
coordenação de isolamento, é comum utilizar-se a tensão U10, correspondente à tensão para a
qual existe uma probabilidade de 10% de ocorrer disrupção do intervalo, associando-se à
designação de tensão suportável. É ainda utilizada a tensão U0 para definir o nível de tensão
para o qual deixa de existir disrupção do intervalo, sendo este valor convencionado em
relação à tensão U50 devido à maior facilidade de cálculo deste valor.

De forma análoga ao comportamento probabilístico da tensão do intervalo, as sobretensões


originadas no sistema são também definidas tendo em conta a sua probabilidade de
ocorrência. Neste caso, a forma mais comum de caracterizar uma sobretensão é através da
tensão Ue2, que corresponde à tensão a que corresponde uma probabilidade de 2% de ser
excedida numa sobretensão. Contudo, é também utilizado o valor de Ue50, relativo à tensão a
que corresponde uma probabilidade de 50% de ser excedida numa sobretensão, bem como o
seu valor de corte Uet, correspondente ao valor máximo estatístico admitido para o valor das
sobretensões naquele sistema.

Os mecanismos que relacionam as solicitações dieléctricas com a suportabilidade que estes


meios apresentam a estas, denominam-se de métodos de coordenação de isolamento, sendo
fundamental para a definição destes, o carácter regenerativo do mesmo. Quando o principal
meio dieléctrico envolvido é danificado ou destruído devido à disrupção do mesmo, é
aplicado o método de coordenação de isolamento determinístico, onde a máxima solicitação
do sistema é relacionada com a tensão mínima de disrupção através de uma margem de
segurança cuja finalidade é impedir que estes dois níveis se interceptem. Neste contexto, as
tensões envolvidas são a tensão U0 e o valor de truncatura das sobretensões, Uet.
Porém, derivado das dimensões que caracterizam o sistema eléctrico e do carácter
probabilístico dos processos envolvidos, é economicamente impraticável dimensionar meios
isolantes sem possibilidade de falhas. Desta forma, quando estes forem constituídos por
dieléctricos regeneráveis, como é o caso do ar, são aplicados métodos de coordenação de
isolamento probabilísticos. Nestes, são relacionadas as distribuições probabilísticas das
solicitações que afectam o sistema, com as distribuições probabilísticas acumuladas que
caracterizam o dieléctrico em estudo. Desta relação resulta o conceito de risco de falha de
isolamento, cuja finalidade assenta na definição de meios isolantes que apresentem uma taxa
de falha estatisticamente controlada. Por exemplo, um risco de falha de isolamento de 0,001

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 109
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

corresponde a uma falha de isolamento devido a uma sobretensão de manobra, por cada 1000
sobretensões de manobra.

Contudo, é frequentemente utilizada uma simplificação deste método, denominada de método


probabilístico simplificado. Neste são definidos dois pontos específicos das duas
distribuições de probabilidades, a tensão suportável e a sobretensão estatística, onde são
relacionados com um factor de coordenação de isolamento probabilístico. Neste caso, as
variáveis envolvidas são a tensão U10 que representa o meio isolante admitindo possibilidade
de falhas, juntamente com a sobretensão estatística Ue2.

Norma CEI 60071-1


A visão da Comissão Electrotécnica Internacional sobre a coordenação de isolamento de
instalações ou equipamentos eléctricos é expressa na norma 60071, sendo a parte 1 desse
mesmo documento referente aos princípios gerais, definições e regras.

Procedimento Geral
O procedimento para coordenação de isolamento consiste na determinação da tensão máxima
do equipamento (Um), bem como um conjunto de valores normalizados de tensão suportável
nominal (Uw), que caracterizam o isolamento necessário para uma aplicação.
Um conjunto de valores normalizados de tensão suportável nominal (Uw) constitui um nível
nominal de isolamento. Se um nível nominal de isolamento estiver associado a uma tensão
máxima de equipamento (Um), este conjunto constitui um nível de isolamento padrão.

Determinação da Tensão Suportável de Coordenação de Isolamento – Ucw:


A determinação da tensão suportável de coordenação de isolamento (Ucw), consiste na
determinação do valor mais baixo de tensão suportável pelo meio isolante, quando este
cumpre os critérios de desempenho sujeito às sobretensões representativas – Urp.
Deriva das sobretensões representativas através da aplicação de um factor Kc, correspondente
ao método de coordenação de isolamento escolhido.

Determinação da tensão suportável requerida – Urw:


A determinação da tensão suportável requerida consiste na conversão da tensão suportável de
coordenação de isolamento (Ucw) para as condições de teste normalizadas.
Deriva da tensão suportável de coordenação de isolamento através da aplicação dos factores
Ks e Ka, correspondentes a um factor de segurança e à variação de altitude, respectivamente.

Selecção do nível nominal de isolamento:


A selecção do nível nominal de isolamento consiste na selecção do conjunto mais económico
de valores normalizados de tensão suportável nominal8 (Uw) suficiente para comprovar todas
as tensões suportáveis.
É escolhida a tensão máxima do equipamento (Um) maior ou igual à tensão eficaz máxima
do sistema em regime nominal (Us).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 110
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

O valor da tensão suportável nominal de isolamento é então seleccionado a partir da lista de


valores normalizados de tensão suportável nominal (Uw), a partir das tabelas 2 e 3 da norma.
Para caracterizar totalmente um nível de isolamento, só são necessários os seguintes valores
normalizados de tensão suportável nominal (Uw).

Para equipamento na classe I - 1kV < Um < 245 kV – Distribuição e transmissão:


- Sobretensão de frente rápida;
- Sobretensão temporária.
Para equipamento na classe II - Um > 245 kV – Transmissão:
- Sobretensão de frente rápida;
- Sobretensão de frente lenta.

Norma IEEE (Institute of Electrical and Electronics Engineers) Std 1313


A norma do IEEE que apresenta os princípios, definições e regras para a coordenação de
isolamento de equipamentos eléctricos é dada por IEEE, cujo resumo é feito de seguida.
O procedimento, expresso no diagrama abaixo, consiste na determinação das solicitações
dieléctricas e na selecção do isolamento que garanta uma determinada probabilidade de
contornamento.

Determinação das Solicitações Dieléctricas do Sistema


A determinação das solicitações dieléctricas do sistema comporta a determinação da
amplitude, forma e duração das mesmas. Esta análise deve fornecer as solicitações para cada
uma das seguintes classes de sobretensões:
- Sobretensões temporárias;
- Sobretensões de manobra;
- Sobretensões atmosféricas;
- Sobretensões longitudinais.

Comparação das Sobretensões com a Suportabilidade Dieléctrica


Para comparar as sobretensões com a suportabilidade dieléctrica, esta tem de ser modificada
devido à forma não normalizada das sobretensões e das condições atmosféricas.
As regras para a correcção atmosférica encontram-se em IEEE Std4-1995. Deve também ser
adicionado um factor de segurança baseado em:
- Natureza estatística dos testes;
- Desvios na fabricação do equipamento;
- Envelhecimento do equipamento;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 111
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

- Precisão da análise;
- Outros factores desconhecidos

Selecção de um Nível de Isolamento Padrão


A selecção de um nível de isolamento nominal, consiste na selecção de valores normalizados
de tensão suportável de isolamento que proporcione uma margem suficiente acima do limite
da solicitação das sobretensões do sistema.
O nível de isolamento básico face a impulsos atmosféricos (BIL) e o nível de isolamento
básico face a impulsos de manobra (BSL) podem ser encontrados na norma IEEE Std4-1995.

Classes de Tensão Máxima do Sistema:


Classe I:
- Média: 1 kV < Vm < 72.5 kV
- Alta: 72.5 kV < Vm < 242 kV

Classe II:
- Alta e muito alta: Vm > 242 kV

Selecção do Nível de Isolamento Padrão do Equipamento


O nível de isolamento padrão do equipamento é geralmente dado por um conjunto de valores
normalizados de tensão suportável.
Para equipamentos na classe I:
- Sobretensão temporária;
- BIL

Para equipamentos na classe II:


- BSL
- BIL

Coordenação de Isolamento em Linhas Aéreas


No seguimento da revisão sobre os conceitos gerais da metodologia de coordenação de
isolamento, a presente etapa tem como objectivo aprofundar estes princípios para a aplicação
específica destes a linhas aéreas de muito alta tensão.

Solicitações Dieléctricas Normalizadas


Ambos os documentos salientam 4 classes principais de sobretensões que podem influenciar
o dimensionamento dos meios isolantes:
- Regime permanente (50Hz);
- Sobretensões temporárias;
- Sobretensões de frente lenta;
- Sobretensões de frente rápida.

As divergências nas designações das classes de sobretensões devem-se fundamentalmente ao


hiato temporal que separa a concepção dos dois guias. A recente e crescente utilização de
subestações isoladas com SF6 originou o aparecimento de uma nova classe de sobretensões

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 112
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

denominada de sobretensões de frente muito rápida, que gerou uma reorganização das
designações aceites pela CEI.

Regime Permanente
Solicitação que constitui o limite mínimo a garantir durante toda a vida útil do equipamento,
quando sujeito à tensão nominal do sistema. Apresenta análises idênticas nos dois
documentos.

Sobretensões Temporárias
Para esta classe de sobretensões, ambos os documentos salientam a dificuldade existente na
limitação de sobretensões e consequente protecção do sistema. A utilização de
descarregadores de sobretensões é limitada a casos especiais (apenas efeitos ressonantes, após
estudo térmico prévio) e a prevenção destas é feita unicamente através de critérios de
planeamento e exploração da rede.
Ambos destacam as seguintes fontes de sobretensões temporárias:
- Defeito à terra;
- Rejeição de carga;
- Ferro-ressonância

Sendo que a CEI apresenta ainda sobretensões longitudinais durante sincronização

Sobretensões de Frente Lenta


Para esta classe de sobretensões, ambos os documentos salientam as seguintes fontes:
- Ligação e Religação de linhas em vazio;
- Aparecimento e eliminação de defeitos;
- Rejeição de carga;
- Manobras com correntes indutivas e capacitivas;

Porém, as sobretensões atmosféricas, de frente lenta, são um caso especial de sobretensões de


frente lenta que apenas são analisadas pela CEI.
A limitação das sobretensões é sugerida em ambos os documentos através da utilização de
resistências de pré-inserção nos disjuntores. Estes dispositivos são disjuntores equipados com
resistências em paralelo com a câmara de corte de corrente, e que reduzem significativamente
as sobretensões de manobra que advêm do corte incompleto da corrente por parte destes.

Contudo, as ligações e religações de linhas são as fontes desta classe de sobretensões com
maior expressão na operação de uma rede de muito alta tensão, sendo desta forma as que
apresentam a análise mais detalhada nos dois guias. Desta forma, ambas apresentam
intervalos de valores das sobretensões de 2% (valor da tensão de determinada classe de
sobretensões cuja probabilidade de ser excedido é de 2%) para as sobretensões de manobra
desta fonte. Estes intervalos são dados para várias configurações de rede, para ligações e
religações de linhas, sem utilização de descarregadores de sobretensões a limitar as
amplitudes das sobretensões.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 113
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Sobretensões de Frente Rápida


Para sobretensões de frente rápida, são definidas e analisadas conjuntamente as seguintes
fontes desta classe:
- Contornamento directo – devido a uma descarga incidente num dos condutores de fase;
- Contornamento inverso – devido a uma descarga incidente na torre ou nos cabos de guarda;

Ambos os guias referem a reduzida expressão das sobretensões induzidas para as tensões
normalmente utilizadas na transmissão, já que estas provocam sobretensões cuja amplitude
não ultrapassa os 400kV, sendo os seus efeitos desprezados para linhas com tensão de
funcionamento superior a 72,5kV.

Na limitação destas sobretensões, ambos referenciam cabos de guarda para descargas


directas, aumento de isolamento ou redução da impedância dos eléctrodos de terra para
contornamento inverso, e descarregadores como medida de protecção dos equipamentos do
sistema. Na Tabela 2, apresentam-se as várias características dos descarregadores que são
tidas como base para o seu dimensionamento, segundo cada documento.

Características e ensaios padronizados de sobretensões transitórias

Suportabilidade Dieléctrica do Ar
A suportabilidade dieléctrica refere-se à capacidade que um determinado meio dieléctrico
apresenta para resistir à disrupção do mesmo. Sendo este capítulo dedicado à coordenação de
isolamento de linhas aéreas, esta alínea irá centrar-se no dieléctrico que maior expressão tem
neste meio, o ar.

Distribuições de Probabilidade da Tensão de Disrupção


Para representar a distribuição de probabilidade acumulada da disrupção de um meio isolante
regenerável como é o caso de um intervalo de ar, os dois documentos divergem quanto à
função a utilizar. A CEI propõe a utilização de uma função de Weibull modificada

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 114
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde x = (U-U50)/Z

Sendo Z o desvio padrão da distribuição estatística; N o número do desvio convencional


correspondente ao valor de corte U0. No caso geral, N=4 , o que origina γ≈5, pelo que esta
fica:

Por outro lado, o guia de coordenação de isolamento propõe a utilização de uma distribuição
Gaussiana

Onde x = (U-U50)/Z

Esta divergência é consequência da incapacidade que a distribuição Gaussiana apresenta na


consideração dos extremos da tensão de disrupção. A partir de um certo valor abaixo da
tensão U, deixa de existir possibilidade de disrupção, que representa o seu valor de corte U0 e
que é convencionado na distribuição Gaussiana com diferentes valores como U0 = U50 – 3Z
ou U0 = U50 – 4Z. Tendo em conta este facto, a CEI propõe uma função de Weibull
modificada, já que para além de apresentar maior simplicidade, esta já incluí os valores de
corte na sua definição matemática. Em termos numéricos, as duas distribuições são
semelhantes, sendo que a diferença entre os seus valores nunca ultrapassa os 5%.

Análise do Desvio Padrão


Nesta alínea pretende-se analisar os valores do desvio padrão das expressões probabilísticas
que representam a disrupção dieléctrica de longos intervalos de ar, bem como das
sobretensões originadas num sistema. Esta análise centrar-se-á primeiramente nos valores
sugeridos em artigos publicados pelo IEEE, pela imparcialidade e especificidade subjacentes
aos valores apresentados. Por outro lado, serão também analisados dois livros, que fornecerão
uma visão generalista, baseadas na experiência dos autores.

Onde
σ Representa o desvio padrão (percentagem);
δ Representa a densidade relativa do ar;
h Representa a humidade absoluta (g/m3).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 115
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensão de Disrupção Segundo CEI


Para o cálculo das distâncias no ar refere-se que todas as expressões empíricas se baseiam na
configuração ponta positiva - plano como referência, sendo as conversões para outras
configurações feitas através de um factor de intervalo. Por outro lado, é importante salientar
que as equações abaixo se referem ao conceito de tensão crítica.

Onde K+ representa o factor de intervalo. Para efeitos de comparação, todos os intervalos


serão considerados com configuração ponta positiva - plano, a que corresponde um facto de
intervalo unitário. A CEI apresenta uma única expressão para uma maior gama de valores:

Porém, apresenta também uma possível simplificação desta:

Para as sobretensões atmosféricas, o guia da REN apresenta as seguintes expressões:

Por sua vez, a CEI apresenta a seguinte expressão:

Aplicação do Método de Coordenação de Isolamento


Nesta secção é feita uma análise comparativa da forma como as duas normas implementam
os métodos de coordenação de isolamento, etapa principal no dimensionamento de um meio
isolante

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 116
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Método Determinístico
Para linhas sem descarregadores de sobretensões, os dois guias apresentam factores de
coordenação de isolamento determinísticos divergentes, para aplicar à sobretensão máxima
convencionada. Porém, o método utilizado é idêntico, definido por:

Onde a “tensão suportável convencional” corresponde à tensão para o qual o intervalo tem
uma probabilidade de disrupção convencionada de 0% (U0 ≈ U50 (1-2,5σ) e a “sobretensão
máxima convencional” corresponde à tensão de corte superior da função de densidade de
probabilidade das sobretensões (Uet). No guia da REN, Kcd é ainda referido como γc.

Método Probabilístico
O método probabilístico é definido de forma idêntica para os dois casos, variando apenas a
função de distribuição acumulada das sobretensões utilizada

Onde
R é o risco de falha de isolamento;
f0 é a função de densidade de probabilidade das sobretensões;
P(U) é a probabilidade acumulada de disrupção do intervalo de ar.
Como foi já referido anteriormente, a CEI utiliza uma função de Weibull modificada,
enquanto a REN apresenta uma distribuição Gaussiana.
Porém, o método mais aplicado actualmente é uma variação deste método, denominada
Método Probabilístico Simplificado. Para ambos os guias, este método é definido da seguinte
forma:
 Sobretensão estatística, correspondente a 2% de probabilidade de ser excedida (Ue2 ou
Us);
 Sobretensão suportável estatística, correspondente a 10% de probabilidade de existir
disrupção do dieléctrico (U10 (CEI) ou Uw (REN)).
O risco de falha de isolamento pode ser correlacionado com um factor estatístico de
coordenação de isolamento

Onde
Kcs corresponde ao factor estatístico de coordenação de isolamento;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 117
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

U10 corresponde à tensão que tem 10% de probabilidade de disromper o intervalo de ar (Uw
no guia da REN);
Ue2 corresponde à tensão que tem uma probabilidade de 2% de ser excedida numa
sobretensão (Us no guia da REN).

Risco de Falha de Isolamento


Este ponto tem como objectivo fornecer uma visão geral sobre a forma com que o risco de
falha de isolamento é calculado, em ambos os dispositivos, ao mesmo tempo que são
avaliados os impactos que estas diferenças têm no resultado final. Para tal serão feitos 3
ensaios comparativos:
 O primeiro terá como objectivo verificar a influência que as diferentes distribuições de
probabilidade apresentam nos valores do risco de falha de isolamento;
 O segundo irá centrar-se nas consequências que a variação do valor médio da função de
densidade de probabilidade das sobretensões apresenta;
 O terceiro incidirá sobre os resultados que a variação conjunta do valor médio e do desvio
das sobretensões apresentam no valor do risco de falha de isolamento.

1º Estudo – Tipos de Distribuições:


Este primeiro estudo visa analisar as diferenças existentes nos vários tipos de metodologias
de cálculo do risco, mais concretamente na distinta utilização de distribuições de
probabilidade. A REN utiliza ambas as distribuições Gaussianas, sem qualquer truncagem de
valores. A CEI utiliza também uma distribuição Gaussiana nas sobretensões, mas sugere a
utilização de uma distribuição de Weibull modificada para função de probabilidade
acumulada da tensão de disrupção do intervalo. Por conseguinte, a truncagem de valores é
inevitável para que os valores da CEI tenham significado físico. Desta forma, para além deste
primeiro estudo se centrar na análise destes dois casos, será também comparado o método de
cálculo da REN com uma truncagem similar à efectuada na CEI.

A comparação das diferenças suscitadas pelos casos referidos anteriormente será estudada
através de três diferentes gráficos. O primeiro representará a relação existente entre o risco de
falha de isolamento e o valor médio (U50) da função de probabilidade acumulada da tensão de
disrupção do intervalo. O segundo representará a relação entre o factor estatístico de
coordenação de isolamento, novamente com o U50. O terceiro resultará da fusão dos dois
primeiros gráficos, obtendo a relação entre o risco e o factor estatístico.

Nas figuras abaixo apresenta-se uma representação gráfica do cálculo do primeiro gráfico,
onde os pontos assinalados equivalem à tensão correspondente. Recorda-se que γ corresponde
ao factor estatístico de coordenação de isolamento, Uw e Us correspondem a U10 e Ue2
respectivamente, sendo o valor médio e o desvio padrão da função de densidade de
probabilidade das sobretensões dada por mu e σu, e o valor médio e o desvio da função de
probabilidade acumulada que caracteriza a disrupção do intervalo é dada por U50 e σ

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 118
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Representação gráfica do cálculo do risco para o caso em que U50=1

Representação gráfica do cálculo do risco para o caso em que U50=2

Representação gráfica do cálculo do risco para o caso em que U50=3

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 119
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Representação gráfica do cálculo do risco para o caso em que U50=4

Risco de falha de isolamento em função da tensão U50

Relação entre o factor estatístico e o valor U50

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 120
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A relação existente entre o factor estatístico de coordenação de isolamento e novamente o


valor de U50 é dado por

Através da figura (risco de falha de isolamento em função da tensão U50) podemos verificar
que os valores do risco são idênticos para valores reduzidos de U50. Porém, para valores cada
vez maiores de U50, começa a verificar-se uma diferença significativa entre os valores do
risco utilizando a distribuição Gaussiana e os que utilizam a distribuição de Weibull ou a
Gaussiana truncada. Daqui se conclui que a truncagem de valores efectuada nestes dois
últimos casos é responsável por esta diferença, sendo apenas expressiva para valores elevados
de U50, nos quais a área retirada pela truncagem é mais significativa.

Para a gama de valores mais elevados de U50 pode ainda verificar-se uma diferença entre a
Weibull e a Gaussiana com truncagem. Dado que a truncagem destas duas é feita de forma
análoga, esta diferença entre valores espelha a diferença que existe entre as duas distribuições
de probabilidade, devido ao facto da distribuição de Weibull modificada ter valor nulo no seu
valor de corte, contrariamente à Gaussiana.
Dado que a distribuição de probabilidade das sobretensões e o desvio da distribuição de
probabilidade acumulada da tensão de disrupção é mantido constante, o valor do factor
estatístico é idêntico para os três casos, como se pode ver na Figura (relação entre o factor
estatístico e o valor U50).

2º Estudo – Valor Médio das Sobretensões


Neste segundo estudo, assumindo apenas distribuições de probabilidade Gaussianas, será
estudado o efeito da variação do valor médio da distribuição das sobretensões.
De forma similar ao 1º estudo, na figura abaixo encontra-se a relação do risco de falha de
isolamento em função da tensão U50, para três valores médios de sobretensões diferentes.

Risco de falha de isolamento em função da tensão U50

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 121
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Relação entre o factor estatístico e U50

Risco de falha de isolamento em função do factor estatístico

Após observação das figuras acima, verificamos que embora os valores do risco e do factor
estatístico variem em função dos valores médios das sobretensões, estes desvios não se
traduzem na relação final entre risco e factor estatístico
Este facto é explicado através da própria definição do método probabilístico simplificado,
cuja expressão se representa de seguida

Como podemos retirar da acima, para um valor constante do factor estatístico, a relação entre
U50 e mu é constante. Como consequência, para um dado factor estatístico temos imposta a
posição relativa entre as duas distribuições, bem como o respectivo valor do risco. Desta
forma, a uma variação de mu vai corresponder uma variação solidária das duas distribuições,
mantendo sempre constante o valor do risco correspondente ao factor estatístico considerado.
Na figura abaixo é apresentado um exemplo gráfico desta situação, para três valores distintos
de mu (mu =1, 2, 3) e mantendo o factor estatístico constante (γ=0,8).

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 122
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

As distribuições de sobretensões são apresentadas a verde, as distribuições acumuladas de


disrupção do intervalo são apresentadas a azul, e a área correspondente ao risco é apresentada
a vermelho. Desta forma podemos confirmar que esta última se mantém constante, derivado
da posição relativa entre as duas distribuições se manter também constante.
Deste segundo estudo pode concluir-se que fixando os desvios e o tipo de distribuições de
probabilidade, a curva do risco de falha de isolamento em função do factor estatístico é única.

3º Estudo – Pares (mu;σu):


Neste terceiro estudo, assumindo uma vez mais apenas distribuições Gaussianas sem
truncagem de valores, será feita a análise da variação do conjunto valor médio e desvio da
distribuição de sobretensões. Este caso tem especial relevância por ser o método assumido
pela CEI, cujo desvio das sobretensões é definido em função do valor médio desta. A figura a
seguir mostra novamente a relação entre o risco e U50.

De forma similar aos casos anteriores, a figura mostra novamente a relação entre o factor
estatístico e a tensão U50, para os três conjuntos de valores médios e desvios considerados.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 123
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A fusão das figuras acima, produz

Contrariamente ao caso representado no segundo estudo, a variação do valor médio das


distribuições é acompanhada por uma variação do seu desvio. Consequentemente a razão
expressa na expressão 19 já não é constante e os fundamentos apresentados no estudo anterior
deixam de ser válidos, pelo que os valores do risco em função do factor estatístico têm de ser
diferentes.

Verifica-se também que quanto menor for o par (mu;σu), o decrescimento do valor do risco
com a tensão U50 é maior, devido à menor esparsidade da distribuição das sobretensões. Da
mesma forma, quanto menor este par, maiores serão os valores do factor estatístico e maior
será a sua inclinação e gama de valores, para os mesmos valores de U50. Conjugando estes
dois factores, quanto menor for o conjunto (mu;σu), mais decrescente será a curva
correspondente ao risco de falha de isolamento

Distâncias no Ar Normalizadas
Neste capítulo serão analisadas as distâncias no ar propostas pelas duas normas como forma
de isolamento dos condutores de linhas aéreas.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 124
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Procedimento Geral
Como foi visto anteriormente, o procedimento geral de coordenação de isolamento sugerido
pelos dois documentos é similar. Ambos sugerem como ponto de partida as sobretensões
representativas de um sistema, que após a aplicação de vários factores, referentes aos
métodos de coordenação de isolamento e a diferentes condições de teste, resultam em valores
de tensões suportáveis do isolamento. Porém, destes valores até à obtenção das distâncias no
ar, os dois guias seguem metodologias divergentes.

No guia da CEI, após a obtenção das tensões suportáveis do isolamento, estas são
normalizadas juntamente com a tensão máxima do sistema. Através destes valores de
isolamento normalizados, são obtidos directamente todos os tipos de distâncias no ar (a partir
das tabelas pertencentes ao Anexo A do documento CEI 60071-2).
No guia da REN, cada tipologia de distâncias no ar tem uma metodologia de cálculo
específica que será pormenorizada nos capítulos seguintes, na comparação dos vários tipos de
distâncias.

Hastes de Descarga
Nesta alínea, pretende-se analisar a distância no ar que é efectivamente dimensionada através
das sobretensões originárias no sistema, ou seja, distâncias entre hastes de descarga ou
protecção. Esta distância não é equivalente ao comprimento das cadeias de isoladores, já que
estas são dimensionadas a partir da linha de fuga de cada isolador e da poluição a que a linha
está sujeita, sendo estas distâncias superiores às das hastes de descarga.
No guia da REN, na altura da sua execução, não tinham ainda sido publicados valores
normalizados de tensões para linhas aéreas, por parte de CEI. Desta forma, o guia da REN
utiliza os valores de tensão suportável normalizados pela CEI para o choque atmosférico do
painel de linha, respeitantes a toda a aparelhagem de corte e manobra das subestações,
transformadores de medição, travessias, distâncias no ar, colunas de isoladores, etc. Da gama
de valores normalizados, a REN utiliza valores fixos definidos pela EdF para os 72,5kV e
170kV. Para os 245kV, utiliza um valor menor que os 1050kV utilizados da EdF, e para os
420kV utiliza os valores mínimos recomendados pela CEGB17 e os valores máximos
sugeridos também pela EdF.
Através destes valores, utilizando as expressões que relacionam a tensão U50 com a distância
de disrupção (Equação 11 e 12), bem como os valores da Tabela 6 que apresentam os valores
de tensão correspondentes a 0,6% e 99,6% de probabilidade de disrupção de um intervalo de
ar (valores de 0% e 100% normalizados), é apresentado na tabela

Distâncias de contornamento

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 125
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Diagrama de cálculo dos valores da tabela acima

Como se pode verificar, este quadro apresenta, para cada nível de tensão e tipo de cadeia de
isoladores, uma gama de distâncias entre dispositivos de guarda em que os extremos
correspondem a um contornamento com 99,6% de probabilidade de ocorrência e a outro com
0,6%. Destes dois extremos, consoante o desempenho necessário para a linha, é escolhido
assim o valor ou gama de valores aceitável para a distância mínima entre peças em tensão e
apoios, ou dispositivos de guarda, apresentados na tabela.

Gama de distâncias entre hastes de descarga

Contrariamente à CEI, a REN apenas considera as sobretensões atmosféricas para o


dimensionamento destas distâncias, mesmo para os níveis de tensão superiores a 245kV.
Porém, o quadro 17 do guia da REN mostra que as distâncias mínimas escolhidas na tabela
acima cobrem os valores típicos de sobretensões de manobra, não sendo portanto relevante a
sua consideração para o cálculo das distâncias entre hastes.

Na figura abaixo são comparadas as distâncias mínimas entre peças em tensão e apoios
(hastes de descarga), tendo sido os valores da CEI retirados das tabelas do Anexo A, e as
distâncias da REN retiradas do anexo IV, dos valores efectivamente utilizados nas hastes de
protecção das cadeias para cada nível de tensão.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 126
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Como se pode verificar, os valores máximos das distâncias sugeridas são semelhantes para os
dois guias. Porém, para os valores mínimos, verifica-se que a partir dos 170kV, a CEI sugere
distâncias consideravelmente mais reduzidas para os valores mínimos

Comparação de distâncias mínimas entre peças em tensão e apoios

No guia da CEI é referido que as distâncias sugeridas nesse guia dizem respeito unicamente à
coordenação de isolamento, não incluindo qualquer especificação relativa a segurança.
Porém, tendo em conta alterações de geometria devido ao vento e esforços electrodinâmicos,
no quadro 19 do guia da REN são especificadas as distâncias mínimas de segurança entre
condutor e apoio, sugeridas pelo projecto de revisão do Regulamento de Segurança de Linhas
Eléctricas de Alta Tensão. Embora estas distâncias sejam menores que as apresentadas na
tabela (Gama de distâncias entre hastes de descarga), este facto pode explicar a diferença
existente nas distâncias mínimas apresentadas. Verifica-se também que os valores
normalizados do painel de linha correspondem aos valores mais elevados das tensões
normalizadas utilizadas pela CEI, o que resulta num sobredimensionamento destas distâncias
ao não considerar valores de tensões suportáveis mais reduzidas.

Cadeias de Isoladores
Tanto na REN como na CEI, o comprimento da cadeia de isoladores é definido através da
capacidade de isolamento em condições nominais de funcionamento. Nestas condições, a
poluição a que as cadeias estão sujeitas é preponderante para a definição da cadeia, definindo
assim a linha de fuga específica, cujos valores são apresentados na tabela abaixo, sendo
definidos de igual forma nos dois guias.

Valores mínimos de valores de fuga, específico

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 127
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Definindo a linha de fuga total associada a cada nível de tensão e poluição, e a linha de fuga
de cada isolador, dividindo a linha de fuga total por esta última obtém-se o número de
isoladores constituintes da cadeia, e com esta o comprimento da cadeia de isoladores. Existe
porém o caso especial das cadeias com menos de 10 elementos, em que tem de se garantir
que a perda de um elemento não afecta o funcionamento total da cadeia.
Porém, como se pode ver através do anexo IV presente no guia da REN, apenas são utilizados
pela REN os valores de poluição média, forte e muito forte, não existindo cadeias
implementadas com níveis de poluição ligeira. Salienta-se ainda que os valores de linha de
fuga específica para as cadeias de 400 kV são menores do que os 3,1 cm/kV normalizados

Distância Entre Condutores


Para a determinação das distâncias entre condutores, a CEI utiliza as mesmas tabelas que
foram utilizadas para a distância entre condutor e apoio. O guia da REN utiliza por sua vez a
seguinte expressão, presente na página 124 do guia.

Onde
K=0,6;
f - representa a flecha média (m);
l - representa o comprimento da cadeia (m);
U - a tensão nominal (kV).

Análise das Distâncias Entre Hastes de Descarga


A tabela seguinte mostra os valores de U50, U10 e da probabilidade de disrupção do intervalo
quando submetido à tensão suportável ao choque atmosférico do painel de linha, para cada
valor da distância entre hastes apresentada anteriormente.

Da tabela a seguir verificamos que para qualquer tipo de cadeia, a probabilidade de disrupção
do intervalo quando aplicada a sua tensão suportável ao choque atmosférico do painel de
linha são praticamente constantes para os níveis de tensão entre 420kV e 245kV. Por
conseguinte, verifica-se que estes dois níveis de tensão são projectados para ter o mesmo
nível de desempenho. O mesmo já não acontece nos restantes níveis de tensão, onde se
verifica uma subida acentuada destas probabilidades com a diminuição do nível de tensão,
sinal que a partir dos 245kV se reduz a exigência relativa ao desempenho.
Em relação às cadeias laterais, verifica-se que as duas distâncias geram uma probabilidade de
disrupção abaixo dos 10% entre os 420kV e 245kV, mas que esta gama de probabilidades
aumenta consideravelmente (8% a 87%, nos 170kV) para os níveis de tensão mais baixos.
Esta característica, também presente nas cadeias centrais, permite utilizar a distâncias entre
hastes de descarga como equipamento de protecção a instalar na vizinhança de subestações.
Conclui-se ainda que a sensibilidade da probabilidade de disrupção dos dois tipos de hastes
de descarga em relação à gama de distâncias não é constante. Para os dois valores mais

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 128
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

elevados de tensão, a gama de distâncias proposta tem um impacto reduzido na probabilidade


de disrupção das hastes de cadeias laterais, contrariamente à variação significativa
apresentada para cadeias centrais. Porém, para o valor máximo do sistema igual a 170kV,
ambas as cadeias apresentam gamas de probabilidades consideráveis em função da distância
entre hastes.

Análise da probabilidade de disrupção

Nos casos em que se verifica que as hastes de descarga das cadeias centrais estão mais
fragilizadas do que as cadeias laterais, é necessário projectar as cadeias centrais com uma
distância entre hastes superior à relativa às cadeias laterais de forma a manter constante o
desempenho da linha.

Análise de Sensibilidade de Tensões Suportáveis Requeridas


Este ponto pretende analisar os factores que influenciam o valor da tensão suportável
requerida (“required withstand voltage” – Urw), e que por sua vez condicionam a escolha dos
valores normalizados de tensões suportáveis.
A metodologia da CEI começa por definir as sobretensões representativas do sistema, cuja
gama de valores pode ser muito variada, conforme a classe de sobretensões a analisar e a
topologia da rede.
Considerando sobretensões de frente lenta, estas podem ser causadas por diversas origens,
sendo as mais facilmente quantificáveis as ligações e religações de linhas, falhas e eliminação
de defeitos.

Nas sobretensões de frente lenta, devido a ligações e religações, a sua amplitude é


estatisticamente descrita pela figura abaixo, presente no guia da CEI

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 129
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Como se pode verificar, existem factores topológicos que condicionam estas amplitudes.
Genericamente, podemos concluir que a religação de linhas, numa rede com carácter indutivo
e com reduzida compensação paralela, vai gerar sobretensões representativas com amplitudes
superiores, gerando consequentemente valores superiores de tensões suportáveis necessárias.
Em relação às sobretensões devidas a defeitos e eliminação de defeitos, a sua amplitude é
determinada pelo factor de defeito à terra. Se este for superior a 1,5, as sobretensões devido
ao início do defeito serão superiores às devidas à sua eliminação (estas últimas fixas e iguais
a 2 pu).
Já nas sobretensões de frente rápida, a sua amplitude depende das características da linha.
Quanto maior for a impedância de onda da linha e a resistência do eléctrodo de terra, maior
será a amplitude das sobretensões. Por outro lado dependerá também da corrente injectada
pela descarga atmosférica, cujo valor dependerá da quantidade de cabos de guarda instalados.
Após as sobretensões estarem caracterizadas, são aplicados três factores até serem obtidas as
tensões suportáveis necessárias: o factor de coordenação de isolamento, o factor de altitude e
o factor de segurança.

No factor de coordenação de isolamento, podem ser seguidas duas metodologias diferentes.


Se for utilizado o método determinístico, o factor a aplicar é o Kcd e depende da existência de
descarregadores de sobretensões na rede em questão. Se estes não existirem, o factor a aplicar
é unitário. Porém, considerando descarregadores de sobretensões, o factor a aplicar é dado
através da figura abaixo, utilizando o valor de 2% da sobretensão respectiva (Ue2) e o nível de
protecção do descarregador (Ups).
Como se pode verificar, considerando um determinado valor de 2% da sobretensão, o factor
pode ser superior a 1 se a razão entre as duas tensões consideradas for inferior a 1,2, e
consequentemente a tensão suportável necessária será superior.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 130
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Factor de coordenação determinístico, com descarregador de sobretensão

Se for utilizado o método probabilístico, o factor de coordenação de isolamento estatístico Kcs


é determinado pelo risco de falha de isolamento, e portanto pelo desempenho projectado para
a linha. Este factor é retirado da figura abaixo

Factor de coordenação de isolamento estatístico

Como se pode verificar, o factor de coordenação de isolamento estatístico será


aproximadamente unitário quando o risco especificado for próximo de 10-2. Se o desempenho
da linha for necessariamente superior, o factor será superior a 1 e a tensão suportável
necessária será maior. Se o risco projectado para a linha for menor que este valor, a tensão
suportável necessária virá também menor.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 131
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

O factor de correcção de altitude Ka é baseado na dependência da pressão atmosférica da


altitude a que a linha é instalada e é expresso por,

Onde H é a altura acima do nível do mar (m); m uma constante que varia consoante a classe
de sobretensões.
Considerando sobretensões atmosféricas e um valor de m = 1, obtemos o gráfico abaixo.
Verifica-se que quanto maior for a altitude a que a linha for instalada, maior será o factor a
aplicar, e maior será a tensão suportável necessária a aplicar

Factor de correcção da altitude em função da altitude

Para sobretensões de manobra, o factor m varia de acordo com o gráfico abaixo

Variação do factor m

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 132
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

a) Isolamento fase-terra
b) Isolamento longitudinal
c) Isolamento fase-fase
d) Isolamento haste-plano

Considerando tensões fase-terra, verificamos que o factor m varia entre 1 e aproximadamente


0,4 com o aumento da tensão suportável de coordenação de isolamento obtida com o factor
anterior.
Seguidamente, é apresentada na figura a seguir uma representação tridimensional da relação
que o factor m e a altitude apresentam com o factor de altitude.

Relação entre altura e factor de altitude, variando o factor m

Como se pode verificar pela figura acima, tal como no caso anterior o factor de correcção de
altitude aumenta com o aumento da altitude. Porém, como se pode ver na figura este aumento
é tanto maior quanto maior for o factor m, e consequentemente quanto menor for a tensão
suportável de coordenação de isolamento obtida com Kc.
O factor de segurança é fixo para isolamentos externos e igual a Ks = 1,05.

Distâncias de Isolamento em Linhas Aéreas


Este capítulo tem como objectivo fornecer uma visão detalhada da forma como as distâncias
no ar são dimensionadas em linhas aéreas como forma de isolamento.
O isolamento de uma linha aérea consiste na definição dos seguintes elementos:

Distâncias fase-terra – Comprimento do intervalo de ar que separa os condutores e


respectivos acessórios em tensão, dos apoios e estruturas próximas a estes, incluindo
respectivos acessórios a estes pertencentes;

Distâncias fase-fase – Distância dos condutores a outros condutores ou estruturas


circundantes, ao longo do vão e nos apoios;

Cadeias de isoladores – Comprimento da cadeia de isoladores, caracterizada pelo seu


comportamento global e as características das suas unidades constituintes.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 133
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Caracterização de Intervalos de Ar
Como ponto de partida para a definição de um isolamento constituído por um intervalo de ar,
é necessário definir as solicitações que limitam a sua função. Sendo a disrupção de um
intervalo de ar um processo que apenas pode ser descrito de forma probabilística, estas
limitações são definidas a partir da tensão que aplicada aos extremos do intervalo, provoca a
disrupção deste com uma probabilidade de 50% - U50.
Esta tensão depende tanto das características do intervalo (forma dos eléctrodos e distâncias
entre eléctrodos) como das características da tensão (forma, tempos característicos e
polaridade). Dado que as características do intervalo são o principal elemento a dimensionar,
esta análise terá de ser feita para cada classe de sobretensões emergente no sistema.

Sobretensões de Frente Lenta


Como foi já sobejamente estudado na literatura e pode ser verificado na figura seguinte, ao
variar o tempo de subida da onda impulsiva que afecta o intervalo de ar, a tensão de
disrupção U50 apresenta um valor mínimo. Este mínimo corresponde à menor tensão de
disrupção que um dado intervalo de ar suporta, sendo portanto o ponto no qual se deve
centrar o seu dimensionamento.

Esta característica reflecte o carácter dinâmico e probabilístico do processo de disrupção,


cujo aparecimento de electrões-germen e respectiva formação do arco eléctrico necessitam de
um determinado intervalo de tempo. Se o tempo de subida da onda impulsiva for muito maior
que o tempo de atraso, o processo de disrupção tem tempo para se desenvolver sem o
aumento da tensão. Porém, com um tempo de subida da mesma ordem de grandeza do tempo
de atraso do processo, existirá uma diferença entre a tensão a que o processo se inicia e que
se completa, originando tensões de disrupção mais elevadas. Com o aumento do tempo de
subida, a regeneração do dieléctrico aumenta, aumentando também a tensão de disrupção.
Embora as sobretensões de frente lenta sejam definidas por uma dupla exponencial com
tempos característicos bem definidos (250/2500μs), o tempo de subida crítico a que
corresponde esta tensão de disrupção mínima não é fixo e depende do comprimento do
intervalo de ar. Porém, para os valores mais comuns de intervalos de ar, estes situam-se na
mesma ordem de grandeza que a onda normalizada de manobra devido ao facto de terem
estado na origem da definição desta classe.

Tendo já definido os tempos característicos como sendo o tempo crítico para cada intervalo,
resta-nos definir a polaridade e a configuração dos eléctrodos para definir completamente a
tensão e o intervalo, fazendo variar apenas o comprimento deste. Verifica-se que definindo a
tensão de disrupção de um intervalo para a configuração ponta-plano, as tensões para as
restantes configurações podem ser dadas através de um factor de intervalo k, quantificado
empiricamente. Verifica-se também através destes trabalhos, que na maioria dos casos os
impulsos de polaridade positiva são os que resultam em menores tensões de disrupção, sendo
por isso a polaridade escolhida para realizar o dimensionamento destes intervalos.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 134
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Tensão U50 em função do tempo de subida do impulso

Várias expressões podem ser encontradas na literatura relacionando a tensão de disrupção


crítica com a distância entre eléctrodos. Inicialmente construídas de forma empírica, como se
representa na figura acima, a evolução e o conhecimento da física inerente ao processo de
disrupção de um intervalo de ar permitiu o aparecimento de expressões estabelecidas através
dos modelos de progressão do traçador.

No artigo publicado por V. S. Syssoev em 2003, encontra-se uma lista muito completa da
evolução das expressões que relacionam a tensão de disrupção crítica com a distância entre
eléctrodos. Essas expressões foram acrescentadas à lista apresentada de seguida, organizada
por ordem cronológica.
Uma das primeiras expressões conhecidas a relacionar a tensão de disrupção crítica com a
distância entre eléctrodos foi proposta por G. N. Alexsandrov em 1969.

Outra expressão foi publicada por E. Lemke em 1973

Outra fórmula, proposta por B. N. Gorin e A. V. Schkilev

Sendo hf o valor médio do comprimento do traçador na zona de salto final. Uma das
primeiras e mais relevantes expressões conhecidas a relacionar a tensão de disrupção crítica

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 135
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

com a distância entre eléctrodos foi proposta por G. Gallet, G. Leroy, R. Lacey e I. Kromer
em 1975.

Em 1977, foi proposto por E. M. Baseljan

Com σ igual ao desvio padrão das sobretensões de frente lenta (o autor admite 5%).
Publicado também por I. Kishizima, K. Matsumoto e Y. Watanabe em 1984 foi a equação
abaixo, cuja dispersão resultou na inclusão na norma CEI 60071-2.

Presente também no guia da REN está a equação, publicada em 1985 por R. Cortina, E.
Garbagnati, A. Pigini, G. Sartorio e L. Thione.

Em 1986, Farouk A. M. Rizk deduziu a equação a partir do modelo de progressão do


traçador.

Apresenta-se ainda a equação publicada por G. Harbec e C. Menemenlis.

Por último, apresenta-se a equação baseada no modelo de progressão do traçador e nos


valores experimentais. Foi publicada em 2003 no artigo já atrás mencionado de V. S.
Syssoev.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 136
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Sendo (σ) o desvio padrão admitido para sobretensões de frente lenta, a equação de b(d)
(sendo e a base do logaritmo natural), será:

Porém, dado que muitas destas expressões foram estabelecidas através de dados
experimentais, cada uma delas tem uma gama de valores de comprimento no intervalo para o
qual tem validade.

Sobretensões de Frente Rápida


Para as sobretensões de frente rápida não existe o conceito de tempo crítico de subida, e a
tensão de disrupção é estabelecida para a onda de impulso, com os tempos característicos
1,2/50μs.
Nesta gama de sobretensões, Andrew R. Hileman reuniu num conjunto de expressões que
relacionam a disrupção de um intervalo de ar sujeito a uma sobretensão atmosférica com o
comprimento do intervalo. Dado que esta característica é linear, e de forma a ser possível a
utilização do factor de intervalo definido para as sobretensões de manobra, foram
desenvolvidas várias fórmulas empíricas que relacionam o gradiente da tensão de disrupção
com o factor de intervalo. Desta forma, as seguintes expressões apresentadas dizem respeito a
uma configuração de eléctrodos do tipo ponta-plano, com polaridade positiva.

A primeira expressão foi desenvolvida por Paris e Cortina e é traduzida pela equação

Também referido estão os trabalhos realizados pela CIGRÉ, nomeadamente as duas


expressões oferecidas pelo CIGRE Technical Bulletin.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 137
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A CEI por sua vez refere a equação

O guia da REN por sua vez, apresenta equação

A equação, que refere directamente a tensão de disrupção em função da distância entre


eléctrodos, para cadeias em suspensão, entre 3 e 20 isoladores, utilizável portanto nas gamas
de tensão tratadas neste trabalho. Porém, refere-se que esta expressão não foi estabelecida
para a onda normalizada de frente rápida, mas para uma onda similar com tempos
característicos 1,5/40μs.

Dado que todas estas expressões foram determinadas de forma empírica, cada uma delas é
válida para uma determinada gama de valores.

Distâncias Fase-Terra
As distâncias nos apoios são caracterizadas pelas distâncias entre hastes de descarga e pelas
distâncias entre peças em tensão e apoio. As distâncias entre hastes de descarga são definidas
através de métodos de coordenação de isolamento face a sobretensões fase-terra e baseiam-se
nas distâncias mínimas dadas pelas normas da CEI. Por sua vez, as distâncias entre peças em
tensão e apoio são distâncias de segurança cujo cálculo não está directamente relacionado
com as sobretensões fase-terra originárias no sistema, mas com a possibilidade de falha de
isolamento à frequência nominal devido à movimentação dos condutores por acção térmica e
de forças mecânicas.

Distância Entre Hastes de Descarga


Estas distâncias são definidas pela CEI tendo em conta os seguintes factores:
 Sobretensões originadas no sistema – temporárias, frente lente e rápida;
 Método de coordenação de isolamento – determinístico ou probabilístico;
 Diferenças de altitude e margens de segurança;
 Experiência recolhida de operações anteriores.
Através das tabelas A.1, A.2 e A.3 da norma CEI 60071-2, retiramos a variação das
distâncias mínimas normalizadas para cada nível de tensão.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 138
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Devido à diversidade de características que as linhas e os intervalos de ar apresentam dentro


de sistemas com o mesmo nível de tensão, a CEI apresenta uma gama de distâncias mínimas
possíveis para um intervalo dado de ar. Sobretensões com amplitudes elevadas (relativamente
ao nível de tensão, conjugadas com riscos de falha de isolamento reduzidos, altitudes
elevadas e factores de intervalo reduzidos, resultam em tensões suportáveis que geram
distâncias próximas dos maiores valores da gama. Em contrapartida, sobretensões de valores
normalizados baixos juntamente com riscos de falha de isolamento menos conservadores,
altitudes baixas e factores de intervalo maiores, geram tensões suportáveis que correspondem
aos menores valores de distâncias mínimas

Distância Entre Peças em Tensão e Apoio


As distâncias entre peças em tensão e apoio são distâncias de segurança cujo cálculo não é
feito através de coordenação de isolamento, mas atendendo à possibilidade de falha de
isolamento à frequência nominal, devido à movimentação dos condutores por acção térmica e
de forças mecânicas. Esta movimentação é consequência da exposição dos condutores ao
vento, de alterações da sua geometria devido à temperatura, entre outras não especificadas no
guia da REN.

O cálculo destas distâncias é baseado em duas situações:


 Sem vento: Distância que suporte uma sobretensão atmosférica 10% superior à das
cadeias de isoladores;
 Com vento: Distância necessária que garanta, com a cadeia desviada pelo vento, uma
tensão suportável à frequência nominal 10% acima da tensão suportável pela cadeia sob
chuva.
Estas distâncias são calculadas e definidas no guia de coordenação de isolamento da REN,
que por sua vez se baseou nas expressões oferecidas pelo Regulamento de Segurança de
Linhas Aéreas de Alta Tensão.

Distâncias Fase-Fase
Ao longo do vão, é necessário garantir que não existem falhas de isolamento entre fases. Para
tal, dois tipos de distâncias têm de ser garantidos para assegurar o normal funcionamento da
linha. O primeiro refere-se à coordenação de isolamento fase-fase e visa garantir que
sobretensões de frente rápida e lenta não causem disrupções dieléctricas entre duas fases.
Porém, como foi já anteriormente enunciado, esta distância é calculada com os condutores
estáticos, sem consideração de vento ou alterações na geometria, seja dos próprios cabos, ou
das estruturas envolventes como por exemplo cabos de guarda. Adicionalmente, é necessário
garantir uma distância suficiente entre fases que permita que as oscilações dos condutores
devido ao vento não causem disrupções à frequência nominal.
Aplicando métodos de coordenação de isolamento à distância entre condutores, chegamos aos
resultados propostos pela CEI para distâncias mínimas fase-fase, para cada nível de tensão.

De forma similar às solicitações fase-terra, as distâncias mínimas fase-fase através de


coordenação de isolamento são também definidas pela CENELEC e pela CIGRÉ. Na Figura
46 apresenta-se uma comparação entre os resultados das três entidades, onde se verifica que
as distâncias entre fases propostas quer pela CENELEC, quer pela CIGRÉ são praticamente

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 139
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

coincidentes. Verifica-se também alguma disparidade com a CEI, que não é uniforme ao
longo dos vários níveis de tensão. Para os 245kV, ambas as distâncias mínimas e máximas da
CEI se apresentam inferiores às das restantes. Porém, para os 420kV, as distâncias mínimas
estão praticamente coincidentes, enquanto as distâncias máximas propostas pela CEI se
apresentam 20% superiores.

Estas diferenças devem-se a duas razões fundamentais. A primeira explica a discrepância


entre os vários níveis de tensão, que se deve ao método de cálculo diferenciado utilizado pela
CEI. Para sistemas com tensões iguais ou inferiores a 245kV, as distâncias fase-terra não são
diferenciadas das fase-fase, razão pela qual aparentam estar subdimensionadas. A segunda
diz respeito à discrepância nos valores máximos para os 420kV e deve-se à diferente
definição de factores de intervalo. Tanto a CENELEC como a CIGRÉ sugerem a utilização
de factores de intervalo do tipo condutor-condutor-paralelo, correspondente a
aproximadamente k=1,6. A CEI, devido à sua herança de dimensionamento de subestações,
propõe também distâncias calculadas através de um factor de intervalo de k=1,15,
correspondente a configurações do tipo ponta-condutor de onde resultam distâncias finais
substancialmente maiores.
Porém, como foi anteriormente dito, estas distâncias apenas são válidas para condutores
estáticos, sem vento e em regime transitório consequente de sobretensões. Em regime
permanente (à frequência nominal), para considerar as movimentações dos condutores e
outros factores externos, o guia de coordenação de isolamento da REN definiu as distâncias
de segurança, mais uma vez baseadas no Regulamento de Segurança de Linhas Eléctricas de
Alta Tensão.
Para a distância entre condutores, o guia da REN utiliza a expressão dada pelo Relatório de
Segurança de Linhas Eléctricas de Alta Tensão, que relaciona a flecha da catenária descrita
por um condutor num vão, o comprimento da cadeia de isoladores e a tensão nominal para
obter a distância entre condutores

A flecha f é calculada através da equação:

Começando pelos comprimentos das cadeias, verifica-se através do anexo IV do guia da


REN, que os valores utilizados são manifestamente superiores aos valores máximos previstos
para as cadeias de isoladores com o maior nível de poluição, para cada nível de tensão.

Embora os valores do vão utilizados sejam possíveis e realizáveis na prática, estes


correspondem a valores extremos, estando longe dos valores médios observados.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 140
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Factores de Geometria do Intervalo

Condutor -
mísula/mastro

Comparação de factores de intervalo

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 141
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Influência de Condições Atmosféricas


As condições atmosféricas influem directamente no comportamento de disrupção dos
intervalos de ar. A menor pressão do ar em maiores altitudes diminui a suportabilidade; a
maior humidade, por outro lado, eleva-a. A relação entre as tensões críticas de descarga em
condições padrão e condições reais é dada por

Onde n é um expoente dependente do comprimento do intervalo de ar determinado pela


figura abaixo (n = 0,4 para d> 6 metros) e FCA é o factor de correcção atmosférica, composto
do factor de correcção devido à humidade relativa do ar (FH) e da densidade relativa do ar
(D)

Expoente de ajuste dos factores de correcção atmosférica em função do comprimento do


intervalo de ar

Trabalhos em Tensão
Como consequência da continuidade de serviço necessária e esperada para uma linha com
este nível de tensão e capacidade de transporte, pode ser necessário efectuar trabalhos de
manutenção com a linha em funcionamento. Esta prática, denominada de “trabalhos em
tensão”, implica geralmente a deslocação de pessoas e ferramentas para a proximidade dos
condutores, sendo imperativo criar distâncias de segurança que comportem a existência de
todo este género de irregularidades sem comprometer a segurança dos serviços de
manutenção.

Existem duas técnicas principais para efectuar este tipo de trabalhos:


- “Hot-stick technique”: Onde o trabalhador permanece fora da distância mínima de
aproximação, e executa os trabalhos de manutenção com o auxílio de uma vara feita de
material isolante;

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 142
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

- “Bare hand technique”: Nesta técnica, utilizando um fato condutor, o trabalhador


posiciona-se numa das partes em tensão, nunca se podendo aproximar das estruturas a
potencial neutro mais do que a distância mínima de aproximação.
Esta distância mínima de aproximação é sugerida num artigo da CIGRÉ através da equação

Onde
U50 é a tensão que tem 50% de probabilidade de romper o intervalo de ar (kV);
Cd é o factor que compensa a existência de elementos isoladores danificados nas cadeias;
Cw é o factor que compensa o enfraquecimento da suportabilidade dieléctrica do ar quando
inseridas ferramentas ou outros objectos metálicos flutuantes no intervalo de ar;
Ca é o factor que compensa as variações atmosféricas, especialmente da altitude;
U50rp representa a tensão que tem 50% de probabilidade de disrupção, com uma configuração
de eléctrodos do tipo ponta positiva – plano.

Contrariamente a todas as distâncias especificadas anteriormente neste documento, as


consequências devido a uma falha de isolamento durante um trabalho em tensão são
compreensivelmente muito mais gravosas, já que interferem directamente com a integridade
física do trabalhador e não apenas com a continuidade de serviço ou perdas materiais. Desta
forma, para efeitos de dimensionamento, serão sempre escolhidas as opções que
correspondem às piores situações do ponto de vista de segurança, de forma a
sobredimensionar as distâncias mínimas de aproximação.

Desta forma, a tensão U50 que caracteriza o intervalo será escolhida através da maior tensão
normalizada (Uw) presente na tabela 3 da norma 60071-1 da CEI, para sobretensões de frente
lenta e para este nível de tensão, ao invés de aplicar o algoritmo de coordenação de
isolamento para a calcular. Esta tensão, correspondente a U10= 1050kV, pode ser facilmente
traduzida para a tensão U50 através da equação.

Onde
σ é o desvio padrão da distribuição acumulada de disrupção do intervalo, considerada neste
artigo como 5%.

Desta forma, a distância mínima de aproximação é dada pela seguinte equação

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 143
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde o factor Cd é dado através da seguinte expressão

Onde
B Corresponde ao material constituinte do isolador do tipo “cap&pin”, sendo B=0,75 para
isoladores de porcelana e B=1 para isoladores de vidro temperado. Sendo o pior caso, foram
considerados sempre isoladores de vidro temperado;
nb é o número de isoladores danificados, tendo sido considerado para os cálculos o valor de
10% do total dos isoladores;
n0 é o número total de isoladores da cadeia danificada.
O factor Cw é retirado do pior caso, correspondendo a 0,875 para configurações Condutor –
Janela (k=1,2) e a 0,77 para configurações Condutor – Apoio (k=1,45).

O factor de altitude é calculado através da relação que a densidade do ar tem com esta

Onde
A representa a altitude em m;
t a temperatura em ºC;
t0 = 20 ºC;
α=121x10-6.

Sendo o factor Ca finalmente dado por

Onde

Em que U500 é a tensão U50 nas condições atmosféricas padrão

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 144
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Porém, dado que não faz sentido dimensionar uma linha para o pior caso em termos de
altitude, serão propostas duas configurações, válidas para gamas de altitude diferentes. Uma
válida para instalações até 400m, e outra válida até 1500m.

Tendo estes valores em conta, para uma linha instalada numa altitude até 400 m, a distância
mínima de aproximação dos condutores numa configuração Condutor – Apoio será de 3,83
m, sendo que na configuração Condutor – Janela será de 4,2 m.
Desta forma, a estrutura proposta para isoladores normais e em ambientes poluídos, a instalar
até 400m de altitude apresentam-se nas figuras abaixo.

Configuração proposta para 400kV, com cadeia de isoladores normais e trabalhos em tensão
até 400 metros

Configuração proposta para 400kV, com cadeia de isoladores em poluição e trabalhos em


tensão até 400 metros

Verifica-se que comparativamente à estrutura original, foi possível reduzir a largura da


estrutura de 24m para 18,32m correspondendo a uma redução de 24%, e a distância entre
fases de 12,3m para aproximadamente 9,2m, correspondendo a uma redução de 25%.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 145
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Para uma linha a instalar até 1500m de altitude, a distância mínima de aproximação resulta
em 4,04m para a configuração Condutor – Apoio e em 4,43m para a configuração Condutor –
Janela, cujas configurações são apresentadas nas figuras abaixo.

Configuração proposta para 400kV, com cadeia de isoladores normais e trabalhos em tensão
até 1500 metros

Configuração proposta para 400kV, com cadeia de isoladores de poluição e trabalhos em


tensão até 1500 metros

Mesmo utilizando uma estrutura válida para altitudes extremas, é possível sugerir uma
configuração mais compacta que as actuais e que cumpra todos os requisitos de segurança.
Desta forma, é possível reduzir a largura de 24m para 19,52m, constituindo uma redução de
18,6% na largura da torre. A distância entre condutores é também reduzida de 12,3m para
9,79m, resultando numa redução de 20,4%.

Selecção de Pára-Raios
Os pára-raios constituem equipamentos indispensáveis nos estudos de coordenação de
isolamento, conforme pode ser visto na figura abaixo. O eixo das abcissas mostra a

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 146
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

classificação da sobretensão em função do seu tempo de duração, enquanto o eixo das


ordenadas identifica o nível de tensão associado. Assim, para sobretensões de manobra ou
atmosféricas, a actuação dos pára-raios limita a tensão sobre o equipamento, de forma que
não haja danos no mesmo.

A maioria dos varistores instalados actualmente é de Óxido de Zinco, os quais vêm


substituindo os antigos de Carboneto de Silício. Possuem uma relação altamente não-linear
entre a corrente e a tensão, que possibilita não serem desconectados da linha através de gaps.
Consistem de 90% de Óxido de Zinco e 10% de outros aditivos diferentes na forma de óxidos
(Bi, Sb, Co, Mn). Os componentes são transformados em pó e misturados. O pó é,
posteriormente, prensado na forma de cilindros e levado a uma temperatura de 1.200ºC

A característica tensão-corrente nos varistores é tal que, para regime normal, a corrente que o
atravessa é de amplitude tão pequena, que quase pode ser considerado um isolante. Durante
sobretensões elevadas, onde correntes da ordem de kA são injectadas, a tensão resultante
sobre o equipamento protegido ficará em níveis aceitáveis.

A figura acima mostra o comportamento de um varistor ligado entre a fase e a terra num
sistema de 420kV. A análise da figura anterior mostra que, para a tensão contínua de
operação, uma corrente residual circula através do varistor. Esta deve-se a uma grande
componente capacitiva e pequena componente resistiva para a terra. Para a relação tensão-

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 147
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

corrente somente a parte resistiva é de importância. Neste caso em particular, a corrente


residual é de 100 µA.

Outro ponto a ser ressaltado é o valor de pico de tensão de operação contínua, conforme
definido pela IEC 60099-4 e também chamado de máxima tensão de operação contínua
(MCOV, do inglês Maximum Contínuos Operating Voltage) pela norma IEEE Std C62.11-
1999. Esta é a tensão na qual o varistor pode ser operado sem restrições.

Ainda na figura, o valor de tensão nominal (Ur) não se refere ao valor de que poderia ser
aplicado por um período ilimitado, como definido para o MCOV. Na verdade, ele caracteriza
a capacidade do varistor em lidar com sobretensões temporárias no sistema. Essas podem
durar por um período de aproximadamente 10 s, mas alguns fabricantes permitem que este
tempo chegue a 100 s. A curva característica mostra que, nestas condições, há uma corrente
da ordem de 1 mA. Esta corrente acarreta um aumento significativo da temperatura do
varistor, se exceder o tempo definido pelo fabricante. Uma extensiva exposição do varistor a
esta corrente pode torná-lo incapaz de se resfriar, perante solicitações sucessivas, podendo
apresentar instabilidade térmica. Este facto pode conduzir à sua auto destruição.

A tensão nominal e a de operação contínua de um pára-raios são directamente relacionadas.


O valor desta razão é normalmente de 1,25 valor este determinado empiricamente, não
havendo explicação física para o valor. No caso citado a tensão nominal é Ur=1,25.Uc =
336kV. A última característica importante é a área da curva na qual um pequeno aumento da
tensão acarreta em grande elevação da corrente. Esta parte é reservada para os fenómenos
transitórios da ordem de microssegundos, ou seja, para sobretensões de manobra e
atmosféricas.

Usualmente, os equipamentos num sistema de 420kV possuem uma suportabilidade de tensão


a impulso atmosférico de 1425kV. Esse valor, no entanto, não deve ser alcançado na prática.
A norma IEC 60071-2 indica que a máxima tensão para um isolamento não auto-recuperante
deve ser inferior ao valor máximo por um factor de 1,15. Isso quer dizer que, para o caso
citado, a máxima tensão deve ser de 1239 kV. A norma IEEE 1313.1-1996 se refere a este
valor máximo como nível básico de isolamento a impulso atmosférico (BIL Basic Lightning
Impulse Insulation Level).

O nível de protecção a impulso atmosférico pode, em princípio, parecer um valor muito


conservativo (823kV) em relação ao valor do BIL, porém, deve-se notar que este valor
representa a tensão através dos terminais do varistor, devido ao fluxo de uma corrente de teste
padronizada, no mesmo nível da corrente de descarga do varistor. Alguns factores podem
fazer com que a tensão sobre os terminais do varistor atinja valores consideravelmente mais
altos.

a) Ondas trafegantes: as sobretensões sobre os sistemas de potência fluem através das linhas
de transmissão na forma de ondas trafegantes. Nos pontos nos quais a impedância
característica da linha muda, ocorrem os fenómenos de refracção e reflexão. O nível de
tensão em cada instante e ponto da linha depende de diferentes valores instantâneos para cada
forma de onda individual. Variando-se da distância do pára-raios ao varistor, e sua taxa de
crescimento da tensão, a tensão limite do equipamento pode ser excedida. Também se
observa que existe uma zona de protecção do varistor da ordem de metros, onde se define a

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 148
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

máxima separação para a qual os requisitos de coordenação de isolamento são alcançados


para um dado nível de protecção;

b) Queda de tensão indutiva: considerando-se um pára-raio ligado a uma linha de


transmissão, cujo comprimento total seja de 10m e um valor específico de 1µH por metro,
totaliza-se uma indutância de 10µH. Em casos extremos, pode-se esperar um impulso de
corrente de taxa de crescimento de 10kA/µs. Nessas condições, a queda de tensão no
equipamento pode ser dada por,

Arranjo de um pára-raios numa subestação de 420kV

Este valor não necessariamente coincide com o pico de tensão no varistor, mas demonstra a
ordem de magnitude de possíveis quedas de tensão indutivas, que podem sobrepor-se à tensão
residual do pára-raios; e

c) Descargas de correntes maiores que a corrente de descarga nominal do pára-raios: o nível


de protecção de um pára-raios é definido como a sua tensão residual para descarga de
corrente nominal. Correntes maiores podem, no entanto, ocorrer e resultar em maiores
tensões nos seus terminais, dependendo da sua característica tensão-corrente. A escolha do
nível de protecção deve atender a certos detalhes como a distância entre os pára-raios e o
dispositivo a ser protegido, a configuração da subestação e a sobretensão típica no sistema.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 149
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Outro factor a ser considerado na escolha do nível de protecção é a absorção de energia pelo
pára-raios.

Absorção de Energia
A energia que é instantaneamente injectada durante uma simples descarga não pode exceder
um valor no qual os pára-raios estariam sujeitos aos esforços termomecânico. Nesse contexto
pode-se falar de dois aspectos. Primeiramente, a capacidade de absorção de energia a um
impulso único. A energia injectada em alguns poucos micro segundos resulta num aumento
de temperatura, associada com esforços de tensão sobre a estrutura cerâmica do material. Isto
pode levar a pequenas fissuras ou quebra do pára-raios. Como não se pode dissipar
rapidamente o calor, através do material que o reveste, um esforço adicional pode ocorrer.

A capacidade de absorção de um impulso de energia é uma característica própria do resistor


de Óxido de Zinco inserido no pára-raios, independentemente do projecto, e é especificada
pelo fabricante com uma margem de segurança em relação ao seu limite máximo.

Outro aspecto é a capacidade de absorção de energia térmica. Esta é definida como o nível
máximo de energia injectada no varistor, durante um pequeno intervalo de tempo, no qual o
varistor é submetido a várias descargas e ainda pode ser resfriado para sua temperatura de
operação normal

Gráfico da estabilidade térmica do pára-raios

Mastros e Cabos Pára-Raios


Os mastros e cabos pára-raios são inseridos num sistema eléctrico, tal que possam
proporcionar uma blindagem para os cabos de fase. Desta forma, as descargas que
eventualmente causariam estragos aos equipamentos são direccionadas para a terra, e
somente aquelas que não prejudicam a continuidade do serviço podem vir a atingir os
equipamentos. Assim, a incidência de descargas atmosféricas deve ser analisada sob os
aspectos de queda directa no condutor, queda nas torres, mastros ou cabos pára-raios e queda
nas proximidades da linha. A queda directa no condutor significa a falha da blindagem e
normalmente provoca falha do isolamento da linha de transmissão. Quando a descarga atinge
o condutor, a corrente total divide-se em duas partes, que se deslocam no condutor em
direcções opostas.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 150
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

A impedância característica de uma linha de transmissão varia de 300 a 500Ω. As tensões


resultantes são directamente proporcionais à essa impedância e à magnitude da corrente
associada. Assim, devem ser limitadas com o uso de resistências de pré-inserção e pára-raios.
O modelo electrogeométrico, criado em 1968 por Armstrong e Whitehead, estabelece uma
relação entre a intensidade de corrente e a região de alcance da ponta da descarga piloto.
Estudos realizados por Whitehead permitiram a determinação de curvas que relacionam a
distância de atracção em função da corrente do raio. As equações a seguir as descrevem:

Onde:
Vs - Tensão da descarga piloto em MV para I0 em kA;
Rs - Distância de atracção média em metros para I0 em kA;
I0 - Corrente do raio;
b - Raio da descarga piloto; e
a - Raio da corrente de retorno

Para a maioria das aplicações é inteiramente satisfatória uma relação mais simples dada por

A máxima distância de incidência relativa à máxima corrente que atinge os condutores pode
ser calculada pela seguinte expressão

Onde
Rmax - Máxima distância em metros para I0 em kA;
Imax - Corrente máxima que incide no condutor fase;
h - Altura do cabo pára-raios;
y - Altura do cabo fase; e
θs - Ângulo de protecção.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 151
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Modelo electrogeométrico

Na figura apresentada, as regiões AB, BC e CD estabelecem relação com a incidência sobre


os cabos pára-raios, o condutor e o solo respectivamente. Assim uma descarga piloto ao
incidir sobre o trecho BC atingirá o condutor fase. Cada valor de intensidade de raio define
uma área ABCD. Para intensidades maiores, e por conseguinte raios maiores, a região BC
tende a diminuir, tal que seja oferecida protecção ao sistema.

As descargas indirectas nos cabos pára-raios ou torres causam um aumento do potencial das
estruturas metálicas. O topo da torre atinge um potencial que depende da sua indutância L e a
resistência de aterramento R ao impulso. A tensão desenvolvida é relacionada por

Critério de Selecção
A selecção dos descarregadores de sobretensões para a protecção de sistemas eléctricos é
feita com base, essencialmente, da tensão eficaz que o dispositivo mencionado consegue
suportar continuamente (MCOV – Maximum Continuos Operation Voltage)

U – Nível de protecção do pára-raios [kV]


pl
BIL – “basic insulation level” [kV]

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 152
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

U – valor máximo de tensão permanente da aparelhagem da subestação [kV]


m
U – valor máximo de tensão que mantém continuidade de serviço [kV]
c

U – valor de tensão ao qual é iniciada a descarga [kV]


r

U – valor de tensão residual, diferente em magnitude e forma de onda [kV]


a

Corte transversal de um pára-raios

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 153
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Capítulo 9
Concepção e Teste de Isoladores Para Uso Exterior
Para o isolamento de linhas de transmissão são necessários dispositivos especialmente
desenhados (isoladores). O isolador deve apresentar, além de apreciáveis características
dieléctricas, óptimas características mecânicas, tendo em vista a natureza severa do trabalho
que irá realizar. O isolador deve suportar altas tensões de compressão, deve ser duro e
apresentar a superfície altamente polida.

O seu desenho deverá ser tal que minimize a acumulação de linhas de fluxo electrostáticas, o
que não permitirá o rompimento de arcos eléctricos na sua superfície. O seu desempenho
electromecânico deve-se manter estável em quaisquer condições de humidade, temperatura,
chuva, neve, poeira, gases, etc.

Tipos de Isoladores
Com relação aos condutores, os isoladores têm a função de
 Suspensão
 Ancoragem
 Separação

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 154
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Os isoladores são sujeitos a solicitações mecânicas e eléctricas.

Solicitações Mecânicas
 Forças verticais pelo peso dos condutores
 Forças horizontais axiais para suspensão
 Forças horizontais transversais pela acção dos ventos

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 155
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Solicitações Eléctricas
 Tensão nominal e sobretensão em frequência industrial
 Oscilações de tensão de manobra
 Transitórios de origem atmosférica

Os isoladores devem oferecer uma alta resistência para correntes de fuga de superfície e ser
suficientemente espesso para prevenir ruptura sob as condições de tensão que devem
suportar. Para aumentar o caminho de fuga e, portanto a resistência de fuga, os isoladores são
construídos com curvas e saias.

Os Isoladores são Produzidos de


 Porcelana vitrificada
 Vidro temperado
 Polímeros em borracha de
o EPDM (Etileno Propileno Dieno Monomérico)
o Silicone Porcelana vitrificada
o Vidro temperado

Porcelana Vitrificada
Os materiais cerâmicos caracterizam-se, em geral, pelo baixo preço, por um processo de
fabrico relativamente simples, e por características eléctricas ou dieléctricas, térmicas e
mecânicas vantajosas que podem apresentar quando o processo de fabrico é bem cuidado

Composição da cerâmica
 Argila
 Quartzo – componente que influi termicamente; quanto maior sua percentagem, maior é a
temperatura suportada pela porcelana.
 Feldspato – componente que define o comportamento isolante como rigidez dieléctrica,
factor de perdas, etc.

O revestimento com verniz, cuja base é a mesma da porcelana, destina-se a vitrificar a


superfície externa da porcelana que, embora não porosa, apresenta certa rugosidade que pode
ser prejudicial durante o uso da porcelana em corpos isolantes, sujeitos à deposição de
humidade, poeira, etc. O verniz ao recobrir o corpo da porcelana o torna liso e brilhante,
elevando a resistência superficial do isolador.

Vidro
O vidro é basicamente composto de óxido de silício e óxido de boro, nas formas SiO2 e B2O3;
acrescenta-se a esses dois uma grande série de aditivos, tais como os óxidos alcalinos K2O e
Na2O, que influem, sobretudo no valor da temperatura de fusão do material. Os diversos
componentes do vidro variam as características do vidro em função da composição. Também
tratamentos térmicos posteriores (têmpera) influem acentuadamente em particular no que se
refere a suas características mecânicas. A têmpera do vidro adquire importância particular na
área dos isoladores, tipo disco e pedestal, devido à presença de esforços mecânicos
acentuados. Pela têmpera, a camada externa do vidro sofre uma contracção acentuada, o que
faz predominarem na “casca” externa, os esforços de compressão

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 156
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Polímeros
Características dos Polímeros:
 Excelente hidrofobicidade.
 Excelente resistência ao trilhamento eléctrico (tracking).
 Excelente desempenho sob poluição – o perfil e a maior distância de escoamento do
isolador permitem reduzir a corrente de fuga e, portanto as perdas de energia Resistente
ao efeito de erosão mesmo quando o isolador estiver submetido a uma forte poluição.
 Impenetrabilidade - podem ser lavados sob alta pressão.
 Resistência ao envelhecimento devido aos raios ultravioleta, temperatura, poluição,
ozono, com alta durabilidade.
 Resistente ao arco eléctrico.
 A maleabilidade das aletas de borracha, associada à elevada resistência do núcleo central
e a silhueta delgada garante incomparável desempenho destes isoladores em regiões de
vandalismo.
 Instalação rápida, simples e de menor custo.
 Pesa até 13 vezes menos que uma cadeia de isoladores convencionais.

Comparação entre isoladores de vidro, porcelana e polimérico

Suportabilidade Dieléctrica
A suportabilidade dieléctrica de uma superfície isolante reduz substancialmente quando
submetida a determinadas condições climáticas como chuva ou alta humidade. Tal redução
pode se tornar mais acentuada quando a superfície isolante é exposta a uma “ atmosfera
poluída “. Entende-se como “ atmosfera poluída”, do ponto de vista eléctrico, uma atmosfera
que, num certo período de tempo, propicia a formação, sobre a superfície isolante, de uma
camada constituída por substâncias que dissolvidas em água, produzem soluções condutoras.
Não ocorre variação no comportamento dieléctrico da superfície se a camada se mantém seca,
quando comparada com a superfície limpa. Entretanto, se ocorre um processo de
humidificação que dissolva mas não remova os sais contidos na camada, parcial ou
totalmente, ocorre a formação de arcos sobre a superfície iniciando um processo que poderá
culminar com uma descarga disruptiva. Além disso, os arcos formados geram ozono (agente
oxidante) e um dos responsáveis pela corrosão eléctrica nos isoladores

Basicamente, o dimensionamento do isolamento para localidades poluídas é realizado em


duas etapas:
 Levantamento do grau de contaminação da localidade,
 Determinação das características do isolamento através de ensaios em laboratório.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 157
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Inicialmente, será mostrado o resultado de uma pesquisa bibliográfica mostrando o processo


de formação de arcos em superfícies isolantes e seus efeitos e, em seguida, a metodologia
para levantamento do grau de contaminação e os ensaios de laboratório a serem realizados.

Formação de Arcos Em Isoladores Poluídos


A sequência de eventos a seguir mostra a influência da poluição na formação de arcos na
superfície de isoladores:
1. O isolador está coberto com uma camada de poluição seca, contendo sais solúveis ou
ácidos diluídos ou álcalis.
2. A superfície do isolador poluído é humidificada, completamente ou parcialmente, por
névoa, chuva fina ou nevoeiro, fazendo com que a camada de poluição se torne
condutora.
3. Assim que a camada poluente que cobre o isolador energizado se torna condutora, as
correntes de fuga superficiais aparecem e o aquecimento por elas provocado começa a
secar parte da camada poluente.
4. A secagem da camada poluente é sempre não uniforme, fazendo com que a camada
poluente húmida seja cortada por bandas secas que interrompem o fluxo da corrente
de fuga.
5. A tensão aplicada nas bandas secas, as quais podem ter somente poucos centímetros
de largura, causa uma descarga no ar e a banda seca é atravessada por arcos que estão,
electricamente, em série com a resistência da parte não seca da camada de poluição.

Se a resistência da parte seca da camada de poluição for muito baixa, os arcos que
ultrapassam as bandas secas não se extinguem e, pelo contrário, aumentam sua extensão ao
longo da superfície do isolador. Este facto, por sua vez, diminui a resistência eléctrica em
série com os arcos, aumentando a corrente e permitindo aumentar, ainda mais sua extensão
até que toda a superfície do isolador esteja coberta ocasionando, assim, uma descarga
disruptiva.

Efeitos dos Arcos Sobre Os Isoladores


Mesmo não causando uma descarga, uma das consequências mais importantes da formação
dos arcos é geração de ozono, que pode acelerar a corrosão atmosférica/galvânica e a
ocorrência de corrosão eléctrica em isoladores.

Corrosão Atmosférica/Galvânica
A corrosão atmosférica corresponde a oxidação directa entre o metal e suas vizinhanças, e a
galvânica ocorre quando se coloca dois metais de electronegatividades diferentes em contacto
(por exemplo: Fe + Zn), ocorrendo então a doação de electrões do mais electronegativo para o
menos electronegativo. O ozono oxida o Zn acelerando a corrosão branca, que gradualmente
se desprende da superfície, expondo o ferro. O ozono combina-se com o nitrogénio,
formando dióxido de nitrogénio, que hidratado, produz ácido nítrico. O ácido nítrico ataca o
ferro, gerando hematita e magnetita, ou seja, a corrosão vermelha (ferrugem).

Corrosão Eléctrica
Esse é o principal factor de corrosão que corresponde à corrosão electrolítica devido não só à
corrente de fuga sobre a superfície húmida dos isoladores poluídos, como também à
subsequente actividade eléctrica de arcos (corrosão por arcos) que aparece através da

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 158
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

superfície mais resistiva do isolador poluído e/ou nas interfaces dos materiais componentes
do isolador. Esse tipo de corrosão é o mais severo em áreas poluídas de clima tropical.
Corrosão electrolítica: quando o isolador está poluído e húmido, uma corrente de fuga
aparece sobre a superfície isolante, entre as partes metálicas de cada isolador. Os efeitos da
corrente de fuga aumentam com o grau de poluição (quantidade de sais), e com a tensão
eléctrica aplicada sobre os isoladores;

Corrosão por arcos: estes arcos e descargas sobre as partes mais resistivas da superfície
húmida aparecem durante a condensação. Os arcos são mais frequentes nas regiões da cadeia
de isoladores onde a densidade de corrente e o campo eléctrico são mais intensos. Desta
forma, muitos arcos têm mais frequentemente suas raízes sobre a campânula e sobre o pino
dos isoladores do lado fase da cadeia. Estes arcos também induzem a formação de ozono, que
como já observado podem acelerar a corrosão. A prática tem mostrado efectivamente a
ocorrência de corrosão precoce em isoladores instalados em sistemas com tensão maior ou
igual a 345kV.

Avaliação da Formação de Arcos Em Ambiente Tropical


Em condições húmidas, a amplitude das descargas e arcos dependem essencialmente dos
depósitos poluentes sobre a superfície do isolador (severidade e distribuição). Os distúrbios
causados pelas descargas e arcos variam proporcionalmente com a tensão aplicada sobre as
unidades de isoladores da cadeia e são mais importantes quando as cadeias de isoladores não
são equipadas com ferragens de protecção. Durante os longos períodos sem chuva num
ambiente tropical, as condições ambientais de um dia podem ser esquematizadas por dois
principais períodos sucessivos, o seco e o húmido. Durante o período húmido, desde o pôr até
ao nascer do sol, depósitos de condensação aparecem sobre a superfície do isolador, a
humidade relativa do ar atinge valores de acima de 80%.

Para avaliar o desempenho de cadeias de isoladores em ambiente tropical, foram realizados


ensaios sobre cadeias de isoladores levemente poluídos. Todos os isoladores das cadeias
foram poluídos da mesma maneira, para reproduzir uma poluição leve. Entretanto, de
maneira a reproduzir mais fielmente o depósito de poluição natural observado no campo, a
poluição não foi aplicada uniformemente. A névoa, gerada por um gerador de vapor, não foi
aplicada directamente sobre a cadeia de isoladores. A névoa foi continuamente mantida
durante duas horas - período húmido - e foi interrompida repentinamente. O ensaio então
continuou durante o “período seco. A análise dos resultados é feita conforme os dois períodos
distintos.

Período Húmido
As unidades isolantes da cadeia apresentam o fenómeno de actividade eléctrica de arcos. Este
período corresponde à corrente de fuga mais alta e à mais alta humidade relativa. Os
fenómenos são praticamente definidos pelo depósito de poluentes sobre a superfície do
isolador e não pelo projecto da cadeia de isoladores.
Durante o período húmido, a corrosão electrolítica, devido a passagem permanente de uma
corrente de fuga mais alta, é mais importante e mais uniforme.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 159
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Período Seco
Durante o período seco, os arcos e as descargas estão concentrados somente nos isoladores
electricamente mais solicitados e o fenómeno mais importante corresponde à corrosão por
arcos.
Durante este período, a duração de actividade eléctrica é reduzido quando a cadeia de
isolador é equipada com um anel de protecção. Em comparação, as descargas e arcos
continuam actuando depois de 3 horas sobre cadeias sem anéis de protecção e param depois
de 30 minutos sobre cadeias com anéis de protecção

Operação em Ambiente Poluído


No caso de isoladores poluídos o campo eléctrico em torno do mesmo apresenta-se distorcido
pela presença de partículas condutoras na superfície do isolador. Figura abaixo representa o
esquema equivalente de uma cadeia de isoladores, Cglass representa a capacidade do disco, Cair
a capacidade do ar e Rpol a camada condutora resultante da poluição

Para um isolador cilíndrico a tensão de disrupção devido a poluição é dada por

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 160
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Onde N, A e n são as constantes do arco eléctrico e rp o quociente entre a resistência total


resultante da poluição e a distância de segurança. No geral as constantes tomam os seguintes
valores N=80, A=10 e n=0,5. Para um isolador com superfície irregular rp será obtido por

Onde F factor de forma L a distância de segurança e σs a condutividade da superfície

Onde r(s) é o raio na posição s.

Ou para o cone da figura abaixo

Considerando o cone superior

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 161
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Considerando o cone superior e inferior

Considerando um formato cilíndrico, com comprimento L e raio R

A tensão de disrupção do isolador será

Onde Vc em kV, L em mm e σs em µS

Mitigação dos Fenómenos de Poluição


Existem vários métodos empregues para mitigar ou eliminar por completo o efeito da
poluição em isoladores cerâmicos, onde se destacam

Melhorar a Configuração
A distância de fuga de um isolador pode ser ajustada de forma a mitigar os fenómenos
ambientais. Geralmente as configurações são optimizadas aerodinamicamente para facilitar a
auto-limpeza através da acção do vento e da chuva.

Limpeza Periódica
Em muitas instalações são utilizados sistemas de jacto de água a alta pressão para a limpeza
da superfície de isoladores, sendo de longe o mais barato.

Aplicação de Gel/Graxa
O processo de revestimento das superfícies do isolador com gel ou graxas é utilizado em
áreas de contaminação severa. Na maior parte dos casos, a remoção e aplicação da graxa é
uma operação manual. Sendo um processo lento e que requer paralisações de circuito.

Aplicação de RTV
Revestimentos de silicone (RTV) são cada vez mais aplicados com maior frequência em
subestações e cadeias de isoladores. Estudos mostraram que este tipo de revestimento é de
grande eficácia no combate aos fenómenos de poluição.

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 162
Instituto Superior Politecnico de Songo

Apontamentos de Técnica de Alta Tensão

Esmalte Resistivo
Isoladores de esmalte resistivo são frequentemente utilizados para aliviar os fenómenos de
poluição em regiões com altos índices de poluição. A sua utilização resulta num campo
eléctrico de distribuição uniforme que leva ao aquecimento da respectiva superfície, inibindo
a formação de humidade.

Bibliografia
[01] M. S. Naidu & V. Kamaraju, High Voltage Engineering, Tata McGraw Hill, 1996
[02] E. Kuffel & W. S. Zaengl, High Voltage Engineering: Fundamentals, Pergamon Press,
1992.
[03] Miguel Carlos Valentim do Rosário, Coordenação de Isolamento em Linhas Aéreas
Metodologias e Aplicação à Compactação de Linhas REN, Maio 2011.
[04] Jonas Roberto Pesente, Fundamentos de Técnicas de Alta Tensão, Foz do Iguaçu, 2004
[05] Dr. Eng. D. Gorgius, Técnica de Alta Tensão, U. E. Mondlane 1984
[06] Dr. Ing. Klaus Nowaski, Técnica de Alta Tensão, U. E. Mondlane 1984
[07] Eng. João Mamede Filho, Manual de Equipamentos Eléctricos, Rio de Janeiro, LTC
2005

Eng. Luís Simone (Material sujeito a alterações sem aviso prévio) Técnica de Alta Tensão 163