Você está na página 1de 18

O Exército do Rei Demônio Invade

Parte 1

— Eu sou o grande Emil Byushelbeljel-sama, o mais poderoso [Super-


humano Guerreiro de Elite] da Cidade de Faltra, que alcançou o pináculo
da humanidade no nível 99!

Um homem fez sua apresentação arrogante e descarada. Ele vestia uma


pesada armadura dourada e apesar de ser Humano, possuía um corpo
largo, como o de um Panteriano, e carregava uma enormee espada
vermelha nas costas.

No meio da estrada que ligava as cidades do leste até a Cidade Fronteiriça


de Faltra, uma carruagem havia tombado. Um homem barbudo usando
trajes de mercador, saiu correndo de dentro dela. Tratava-se de um Anão
adulto no auge de sua vida.

— Um aventureiro!? Po-por favor, me ajude!

— Você parece estar em apuros.

Emil virou seu olhar para o inimigo. A queda da carruagem havia sido
causada pelo monstro a sua frente.

Um gigantesco pássaro negro, um [Corvo Gigante], pisoteava a carruagem.


Ela tinha a aparência externa de um corvo, mas era grande o suficiente
para engolir uma pessoa das Raças inteira e seu bico afiado era mais
longo que uma espada. Uma besta afiliada aos Seres Demoníacos — uma
Besta Demoníaca.

Rumores de que um Rei Demônio havia revivido ao oeste haviam se


espalhado. Diz-se que quando um Rei Demônio surge, o número de
Bestas Demoníacas aumenta. Elas eram criaturas perigosas, com forte
instinto de batalha e muito mais poderosas que os animais selvagens.
— Por favor, faça algo sobre isso, Guerreiro-dono! Minha filha ainda está
dentro da carruagem!

— VOCÊ DISSE FILHA!?

Emil arregalou os olhos e desembainhou a espada gigantesca que


carregava em suas costas. O poder mágico contido em sua lâmina se
transformou em chamas que queimaram os arredores. Segurando-a acima
da cabeça, ele preparou-se para a batalha.

— EU AMO MULHERES!

— …… !?

O Anão fez uma expressão de arrependimento que dizia, “Eu procurei


ajuda de um tarado”. Entretanto, Emil não se importou.

— Vou dizer mais uma vez! Eu amo mulheres! Este Emil Byushelbeljel-
sama é o guardião de todas as donzelas!

Não importava que as pessoas o olhassem de forma estranha, Emil não


ligava para elas. Diante da grande causa de proteger a todas as mulheres,
esse tipo de coisa era trivial.

— Aqui vou eu, seu pássaro maldito!

Seu oponente abriu as asas e as agitou, fazendo suas patas flutuavam para
longe da carruagem.

“Então está fugindo!”

Esse não era o caso. Voando para o alto, a Besta Demoníaca deu um
rasante do céu. Muitas das técnicas das Raças se baseavam em combate
no solo, portanto foi difícil se proteger de um ataque vindo do céu. Além
disso, com o Corvo Gigante acrescentando a força de sua descida, o poder
de ataque era equivalente ao martelo de um Gigante.
O monstro abriu o bico.

— GAAAAA!!!

— MUITO LENTO!

Emil saltou. Ele usava uma robusta armadura de corpo inteiro, pesando
quase o mesmo que seu próprio peso. Uma pessoa normal acharia difícil
ficar de pé nela e até mesmo Guerreiros treinados seriam capazes apenas
de correr enquanto as vestindo, no entanto, Emil saltou até ficar acima da
cabeça do Corvo Gigante se aproximando. Nem mesmo os Grasswalkers,
cujo a principal característica era movimentos precisos e ágeis, como os
de um coelho, teriam tanta elasticidade.

— Seiyaaaaaa!!

Ele atingiu sua espada flamejante na criatura. Talvez porque nunca


pensou que seria atacado de cima, o Corvo Gigante ficou atônito e parou
seus movimentos. O som dos ossos sendo quebrados foi feito e a cabeça
da Besta Demoníaca foi dividida ao meio.

Se fosse uma criatura normal, então sangue fresco estaria se espalhando,


mas o Corvo Gigante era uma Besta Demoníaca e quando eles morrem, se
transformam em partículas de luz. O ataque de Emil derrotou a
gigantesca Besta Demoníaca.

Pousando no chão, sua boca curvou-se em um sorriso galante.

— Hmph… A minha força, mais uma vez, cativou uma mulher?

Emil se virou e no lugar onde a carruagem estava caída, o Anão e sua


faziam um olhar de gratidão eterno ao — só que não.

Ninguém estava lá. Por via das dúvidas, ele verificou o interior da
carruagem, mas, embora a carga permanecesse, nenhuma alma viva
poderia ser encontrada. Eles provavelmente haviam fugdo enquanto Emil
distraia a Besta Demoníaca.
— ..............

Fazendo um, “Hmph!”, Emil desfez seu sorriso e penteou a franja do seu
cabelo.

— Meu Deus, que garota tímida. Quem imaginaria que ela seria incapaz
de até mesmo olhar para o homem pelo qual se apaixonara?

Emil era incrivelmente positivo.

◇◇◇

Aproximadamente quando o sino do meio-dia tocou—

Finalmente, Emil passou pelos portões da cidade de Faltra, que estava em


um estado solene. Normalmente, os feirantes estariam alinhados na rua
principal e estaria cheio de compradores, mas agora quase não havia
pessoas passando. A maioria das lojas estava fechada, apenas uma
pequena quantidade de pousadas e lojas de armas estava aberta para
negócios.

Apenas soldados eram grandes em números. Fortemente armados e


usando armaduras pesadas, eles poderiam ser encontrados aqui e ali pela
cidade. Alguns olharam para Emil, que respondeu acenando
amigavelmente e foi cumprimentá-los.

— Oi, que tipo de festival está acontecendo hoje?

— Emil! Então você estava vivo, seu desgraçado! Já faz um tempão!

Vários dos soldados se reuniram ao redor dele. Em Faltra City, Emil era
uma celebridade. Embora fosse um aventureiro, sendo um Guerreiro
capaz, ele tinha a confiança dos soldados. Muitos deles também eram seus
amigos.

— “Então você estava vivo”? É claro que estou! Eu sou o grande Emil
Byushelbeljel-sama! Enquanto houver uma mulher a ser protegida nesse
mundo, jamais cairei!

— Você é o mesmo de sempre… Mas foi graças a isso que você voltou em
um momento como esse, não é?

Os soldados estavam satisfeitos em reencontrar seu velho amigo, mas


expressões sombrias estavam em seus rostos.

— Como estão as coisas no oeste?

— Foi decidido que o Forte Ulg fosse abadonado. Parece que o Exército do
Rei Demônio já apareceu na [Floresta Comedora de Homens]. Tem
rumores de que há um número considerável deles e histórias sobre Bestas
Demoníacas Colossais.

— Hou… Isso me deixa com ainda mais vontade de usar minhas


habilidades!

Os soldados trocaram olhares devido às palavras de Emil.

— Eu tenho realmente inveja dessa sua positividade sem fim. Apesar de


que Faltra possa chegar ao seu fim dessa vez.

Um outro soldado assentiu.

— Mesmo que haja uma barreira impedindo a passagem de Seres


Demoníacos… Não podemos viver dentro das muralhas para sempre.

Emil colocou as mãos nos ombros dele.

— Vai ficar tudo bem!


— Eh? Você tem algum tipo de plano secreto ou algo assim? Ou será que
estão vindo reforços da capital real?

— Não tenho qualquer plano secreto e algo como reforços provavelmente


não virão. Com o Rei Demônio tendo sido revivido, o Rei de Lifelia não
reduziria a proteção da capital.

— Então nada está bem...

— Mas, tudo ficará bem! Acredite em mim!

— Por quê?

— Para manter as mulheres a salvo, eu irei proteger a vocês também com


todas as minhas forças! É por isso que vocês, por favor, protejam todas as
mulheres que estiverem ao alcance de suas espadas!

Enquanto respondiam, “Francamente, esse Emil…”, os soldados sorriram


sem graça um para o outro.

— Haha… Enquanto você for assim, então lhe seguiremos. Bem, quando
olho para você Emil, me sinto estúpido por ficar deprimido.

— ficar deprimido por si só já é estupidez, mas não há nada que possamos


fazer quanto a isso... De qualquer formo, agora somos companheiros
guardiões de todas as mulheres!

— Claro, você está certo.

O soldado acenou para Emil com determinação.

Enquanto isso, outro soldado levantou o ânimo dos seus companheiros.

— ISSO AÍ! NÓS VAMOS VENCER E SOBREVIVER!!!

Essa energia se espalhou para aqueles ao redor.


◇◇◇

Nesse mesmo dia, onze horas da noite—

— …Ei, Boris? Nós vamos ficar bem em um lugar como este? — Seu amigo
Masa sussurrou para ele.

— Provavelmente. Mais importante, não levante a cabeça muito para o


alto. Além disso, estou te implorando, não importa o que aconteça, não
grite, entendido?

— Eu sei... Foram escolhidos até mesmo dois cavalos especialmente


silenciosos.

Os cavalos foram amarrados em um local um pouco mais afastado, a


sombra de um antigo celeiro, e não podia ser visto do outro lado do rio.
O grupo de Boris estava deitado no chão, escondendo seus corpos.

Ponte do forte Ulg—

Boris, que pertencia à guarnição de lá, se ofereceu para permanecer e


fazer o reconhecimento. Dizendo "nesse caso, eu também vou", seu amigo
de infância Massa também permaneceu. O resto da guarnição foi
evacuada.

O papel do grupo de Boris era obter uma compreensão da formação e dos


movimentos de batalha do exército do Rei Demônio. A única escolha do
exército de Faltra era aguardar até que a cidade fosse atacada, mas se
soubessem o número de inimigos e qual sua força principal, algum tipo de
preparação poderia ser feita...

Entretanto, mesmo que fosse impossível fazer esse reconhecimento, ao


menos os soldados poderiam estar mentalmente preparados. Caso Boris e
Maso pudessem ao menos dizer o passo do Rei Demônio, os soldados em
Faltra não teriam que esperar enquanto se perguntado, “eles virão agora,
eles virão agora”, desgastando os seus nervos. A informação era preciosa,
por isso eles precisariam se aproximar o suficiente do exército do Rei
Demônio para que pudessem vê-lo com os olhos. Foi uma missão
extremamente perigosa.

— Está aqui!

Boris cobriu a boca de Massa com a mão. Com a pancada que recebeu no
nariz, Masa ficou com os olhos cheios de lágrimas, mas não era hora para
discutir.

Ele abriu os olhos arregalados.

“O exército do rei demônio!”

O que apareceu do outro lado do rio era, sem dúvida, as forças militares
do Rei Demônio. Eles primeiro viram a figura de uma gigantesca Besta
Demoníaca. Com a forma de uma tartaruga, era uma [Grande Tartaruga],
assemelhando-se a um castelo em movimento. Enormes Seres
Demoníacos estavam montados em suas costas, enquanto outros bem
menores caminhavam ao redor deles. Embora fossem menores, eles
teriam pelo menos o dobro do tamanho de um membro normal das Raças.
Em adição, havia também Bestas Demoníacas de pelo menos porte médio.

Eles não estavam organizados o suficiente para serem considerados


batalhões e pareciam estar apenas caminhando à vontade.

Boris murmurou internamente.

“O que seria aquela coisa quadrada? Uma caixa?”

Na concha da Grande Tartaruga que estava à frente, uma caixa que


parecia um quadrado de seis lados foi fechada. Correntes que poderiam
puxar navios foram usadas como lacres. A cor da caixa era preta e havia
padrões que geravam desconforto só de olhar para eles gravados na
superfície.
Embora ele abrigasse sentimentos instintivos e desagradáveis pelas
formas heteromórficas dos Seres Demoníacos, o sentimento de aversão
vindo daquela caixa parecia muito mais forte...

Ao lado de Boris, Massa tremia.

— Uuugh… Eu vou vomitar...

— Seria melhor não olhar muito para aquilo.

— Já… já é... bastante... Vamos voltar, Boris.

— Não, ainda não. Apenas cubra o rosto e pense em sua namorada em ou


algo assim.

— ...........Eu não tenho namorada.

— Desculpa. Então, basta pensar em sua mãe ou algo assim.

Boris olhou pelo precioso telescópio que o comandante havia lhe


emprestado. Na frente da caixa que estava na liderança, havia alguém lá.
Foi o comandante deles? Se fosse o caso aquele seria o [Grande Rei
Demônio, Modinalaam]?

“Aquilo não parece com uma coruja?”

Uma caixa foi colocada na parte de trás da Grande Tartaruga. Tratando


seu enorme casco como ao convés de um navio, grossas estacas foram
fincadas nela. Correntes se estendiam das extremidades dessas estacas e
seguravam a caixa.

Embora fosse lento, a caixa rangeu devido à caminhada da Grande


Tartaruga. Seu tamanho era grande o bastante para caber a propriedade
inteira de um nobre dentro. Se a Grande Tartaruga fosse comparada a um
castelo em movimento, a caixa poderia ser descrita como a cidadela
interior.
Na frente dela estava um Ser Demoníaco que possuía a cabeça de uma
coruja. Seu corpo tinha braços e pernas como as pessoas das raças e
possuía uma grande massa muscular.

— Está à vista, dearu! Finalmente, o território das malditas Raças!

Havia outro Ser Demoníaco, que estava ajoelhado. Ele usava roupas
folgadas e um chapéu vertical longo com bordado de ouro. No entanto,
seu rosto era semelhante ao de um sapo. Sendo raro entre os Seres
Demoníacos onde muitos tinham físicos musculares, seu estômago se
projetava para fora e realmente parecia obeso.

— Comandante-Chefe, Ourou, o Forte da Ponte Ulg está logo a frente. Não


haveria forças armadas das Raças estacionadas por lá?

Sendo perguntado isso, o Ser Demoníaco com cabeça de coruja estendeu a


mão e deu um comando.

— Vamos apenas passe por cima! Esmague-os, dearu! O extermínio de


todas as raças é o desejo do Grande Rei Demônio Modinalaam, dearu!

— Ao seu comando…

O Ser Demoníaco com cabeça de sapo enrolou seu corpo redondo de um


jeito desconfortável e fez uma reverência profunda. Ele era o Sacerdote
Demoníaco conhecido como Lazpuulas. No passado, ele era conselheiro
da Ser Demoníaco de olhos de dragão, Edelgart, mas devido a ela perder
sua posição, ele agora era oficial da facção de Ourou.

Lazpuulas voltou os olhos para a jovem que estava ao lado dele, Manuela.
Esta jovem, quando comparada com Ourou e os outros Seres Demoníacos,
só tinha metade da altura, quase do mesmo que uma pessoa das Raças.
Seus membros e tronco eram finos e delicados, dando a impressão de que
ela se quebraria ao toque. No entanto, o que lhe faltava em força física,
sobrava em aptidão como [Usuária de Bestas Demoníacas].
Ela também era um Ser Demoníaco que havia mudado de
filiação. Originalmente, Manuela era serva e esposa do Ser Demoníaco
tipo Vampiro chamado Vanaknes, que tinha a posição de Comandante-
Chefe, mas... Se na linguagem dos Seres Demoníacos, ele foi
"pateticamente" morto por um Feiticeiro das Raças. Agora, ela também se
tornou subordinada de Ourou e apoia o exército junto com Lazpuulas.

Graças à magia de Manuela, as Bestas Demoníacas que originalmente não


obedeciam até mesmo ao Rei Demônio, podiam ser manipulados
livremente.

Ourou murmurou como se estivesse amaldiçoando.

— Que irritante, dearu... Apenas passar por aquela pequena ponte, tinha
sido o nosso mais querido desejo.

Lazpuulas voltou seu olhar para a ponte de pedra.

— Ouvi dizer que ela tinha sido parcialmente destruída.

— Umu… Twas disse que quando Edelgart lutou contra aquele Feiticeiro
das Raças, aquele sujeito lançou um feitiço chamado [Super Nova].

— Eu também tinha ouvido falar disso mas... achei difícil de acreditar que
uma mera pessoa das Raças poderia lançar esse feitiço de ultra classe.

Ourou fez uma expressão dura.

— É um grande incômodo… No entanto, se o nome de tal sujeito for


[Diablo]... é provável que seja verdade.

Manuela, que estava silenciosamente manipulando as Bestas Demoníacas


ao lado deles, levantou abruptamente e deu um grito agudo.

— DIABLO …… !? AAAAAAA! DIABLOO!!

Pensando bem, aquele que assassinou Vanakness também foi Diablo.


Lazpuulas chamou-a.

— Acalme-se. Concentre-se na sua magia… Está tudo bem. O Grande Rei


Demônio Modinalaam irá destruir a todos eles.

— Fuu… Fuu… Fuu…

Enquanto rangia os dentes, Manuela se acalmou. Desta vez seria tudo


diferente e a vitória era certa. Eles possuíam oito Grandes Tartarugas,
comandavam 1000 Seres e Bestas Demoníacas, e todos eles tinham
recebido o poder do Grande Rei Demônio-sama.

Eles atravessaram o rio. Um rio desse nível nem sequer servia como
obstáculo para impedir o avanço da Grande Tartaruga. Não
demonstrando preocupação nem pela ponte de pedra nem pela estrutura,
ela se movia como se estivesse nas vastas planícies. Fort Bridge Ulg foi
esmagado. Fazendo sons estrondosos, o forte foi transformado em
entulho.

Ourou expressou um sorriso de satisfação.

— Kukukuku... É esmagador, dearu! O meu exército!

O som do ar sendo cortado foi feito. Batendo as asas que se assemelhavam


a de um dragão, um outro Ser Demoníaco desceu dos céus. Foi uma jovem
esbelta, vestindo roupas chinesas, que era aberta do peito até o umbigo,
seus longos cabelos foram amarrados para trás. Um grande Seiryuutou
(Lâmina Crescente do Dragão Verde) pendia de sua cintura.

— O que acabou de ser esmagado foi um dos fortes das Raças,


certo? Onde está o exército deles? Onde estão os combates?

Atrás dela, uma cauda coberta de escamas estendidas estava sacudindo


para a esquerda e para a direita, parecendo deleitada.

Ourou torceu o pescoço até que ele foi girado completamente horizontal.
— Não há sinal das raças. É um castelo vazio, dearu.

— Hãa? Como assim!?

— Estando conscientes da invasão do nosso exército, os membros das


Raças o abandonaram.

— Então, isso significa que é apenas um monte de pedras? Isso me irrita!

Lazpuulas reprimiu a jovem que não escondia a sua raiva.

— Ryoka-dono, acalme-se …… Você está na presença do Grande Rei


Demônio Modinalaam-sama, compreende?

— Mumu …… Eu, eu sei disso! Mas quando vamos lutar? Essa tartaruga
lenta não consegue ir mais rápido? Estou ficando muito cansada de
esperar!

— …Tartaruga lenta?

Manuela fez uma cara insatisfeita. Como [Usuária de Bestas Demoníacas],


ela tinha afeição por elas. Ryoka, assim como um Ser Demoníaco que
usava armas, derramou seu afeto apenas em sua arma. E então, Seres
Demoníacos eram guerreiros por natureza, não se aglomeravam juntos.

Enquanto Lazpuulas pensava em como deveria mediá-los, Ryoka olhou


para a área à frente. Um único cavalo escapava pela estrada,
carregando um único soldado nas costas.

— Uma pessoa das raças !?

No momento em que foi dito, sem esperar até mesmo pelas palavras de
Ourou, que era o Comandante-Chefe e muito menos o conselheiro
Lazpuulas, ela partiu como uma flecha. Lazpuulas a perseguiu com os
olhos.

— …Suponho que ele esteja se usando como isca.


Ryoka alcançou o cavalo que galopava pela estrada e balançou sua
Seiryuutou. A lâmina cortou o cavalo junto com o soldado, espalhando
sangue e órgãos internos pelo chão.