Você está na página 1de 36

Revista do Recursos

Para Líderes
de Igreja

jan-mar, 2011
abr-jun, 2007
EXEMPLAR AVULSO: R$ 5,85. ASSINATURA: R$ 19,00

Distribuindo tarefas
O método de Jesus
para formar líderes

Como plantar igrejas


DE CORAÇÃO A CORAÇÃO

Um ancião de
Marcos Faiock
Bomfim
Secretário associado da
DSA
muito valor
Associação Ministerial da
Divisão Sul-Americana

R
ecentemente tive o privilégio de encontrar um celente culinária vegetariana daquela serva de Deus! Seu
amigo da adolescência, cujo pai era um ancião bolo de gengibre era inigualável! (Ginger Bread). A receita
muito querido da igreja do Unasp, Campus I, tinha sido aprendida quando a família morou nos Estados
onde cresci. Depois de mais de vinte anos, tínhamos Unidos. Aquela família foi uma importante influência em
muitas memórias agradáveis para compartilhar! En- minha vida também, como incentivo à reforma da saúde.
quanto falávamos sobre seu pai, meu amigo contou E foi naquela casa que, ainda adolescente, pude co-
que certa vez ele e os dois irmãos quiseram ir a uma nhecer convidados ilustres, como o pastor Feyerabend,
festa ‘duvidosa’ no sábado à noite. líderes da Associação Geral e até o pastor Kulakov, por
Já quase sem argumentos para impedir o passeio, os exemplo, que na época era líder da igreja na União So-
pais pediram um tempo e se retiraram ao quarto para viética, antes da queda da cortina de ferro. Mesmo sem
orar. Impacientes, os meninos abriam a querer ser pastor, eu ficava tocado ou-
porta com frequência, mas a fechavam vindo aquelas lindas experiências sobre
novamente ao ver que os pais continua- “Hoje seu ministério Pequenos Grupos na Rússia.
vam orando. Eles pediam auxílio especial E foi após um almoço que fui convi-
da parte de Deus para proteger os filhos se estende ainda dado para a “Oração de Daniel”. Assim
contra as más influências. Tanto tempo como fazia o profeta, eles também se
passaram em oração que meus amigos, a milhares de reuniam para orar três vezes ao dia, uma
frustrados, perderam a carona e desistiram delas, após o almoço. Era um momento
da festa! Era um casal movido a oração! pessoas.” muito curto, talvez de uns quatro minu-
Uma das coisas que mais me chama- tos ao todo, mas muito marcante! Cada
vam a atenção naquela casa era o culto fa- um expressava rapidamente um agrade-
miliar, que acontecia regularmente, todos os dias, de manhã cimento e um pedido e depois todos oravam em silêncio,
e à noite, exatamente como Deus ordena. Esse ancião, tam- cada um pronunciando “amém” assim que terminava,
bém um homem público muito ocupado, considerava que mas permanecia ajoelhado. Quando o último encerrava,
buscar a Deus em família era algo tão importante que nem orávamos juntos o Pai Nosso, em voz alta. O costume da
o telefone era atendido durante o culto. Às vezes, alguém “Oração de Daniel”, o Senhor o trouxe também para mi-
o atendia apenas para avisar que retornaria a ligação em nha própria casa, como herança desse pai em Israel.
seguida. Qualquer pessoa que chegasse ou que estivesse em Quantos pastores valem esse ancião e sua esposa, só
casa era convidada a participar. O culto era, sem dúvida, a a eternidade poderá revelar! Sua influência na vida de
atividade mais importante daquela casa! futuros obreiros que, como eu, passaram por sua casa,
Outra coisa interessante era a grande rotatividade de só Deus sabe! Hoje seu ministério se estende ainda a mi-
convidados visíveis à mesa! (Claro que havia os invisíveis). lhares de pessoas alcançadas por esses servos de Deus!
Jovens, interessados, líderes da igreja e pastores eram sem- É para isso que você e eu somos chamados! Levante-se
pre bem-vindos, mesmo chegando de modo inesperado. hoje, consagre-se, você e sua casa, e assuma seu posto na
Eu fazia de tudo para, de algum modo, desfrutar da ex- batalha em nome do Senhor.
2 Revista do Ancião abr-jun 2011
EDITORIAL

Definição de
Foto: William de Moraes

Paulo Pinheiro
Editor
liderança

E
xistem muitas definições de liderança. Algumas tentam especificar traços e características dos bons líderes.
Outras põem o foco nos papéis do líder ou nos diferentes tipos de liderança. Ainda outras consideram a
liderança em termos da dinâmica situacional, com base na crença de que a ocasião é que faz o líder. Mas,
tratando-se da liderança de uma igreja antiga, é interessante pensar em alguém mexendo uma panela com uma
colher de pau.
Para que uma igreja antiga cresça e se multiplique, ela precisa contar com a iniciativa
de líderes espirituais que saibam mexer na “panela que está ao fogo” (metáfora para “Saireis com alegria
congregação), ou seja, muita habilidade para fazer mexidas que resultem em crescimento
qualitativo e quantitativo. Um alerta: como nas congregações antigas há muitos membros e em paz
que perderam a visão missionária, movimentos lentos da colher poderão reforçar blocos
resistentes, enquanto movimentos bruscos poderão derramar o caldo. sereis guiados.”
Há três tarefas-chaves que líderes locais, juntamente com o distrital, precisam executar
nessas igrejas: (1) ajudá-las a obter uma compreensão realista de sua particular situação; (2) Isaías 55:12
ajudar os membros a captar a visão do propósito de Deus para eles; (3) ajudá-los também a
inserir essa visão na vida cotidiana da congregação.
Na realidade, essas tarefas deveriam valer para todas as congregações. “Ao se estabelecer igrejas, é preciso lhes
apresentar o fato de que a partir delas sairão as pessoas que devem levar a verdade a outros, e assim levantar
novas igrejas” (Ellen G. White, Serviço Cristão, p. 61). Deus espera que membros antigos e novos partilhem dessa
maravilhosa visão.

Colaborador especial: Visite o nosso site: CASA PUBLICADORA BRASILEIRA


Bruno Raso; Marcos Bomfim www.cpb.com.br Editora dos Adventistas do Sétimo Dia
Serviço de Atendimento ao Cliente: Rodovia Estadual SP 127, km 106
Uma publicação Colaboradores: Jonas Arrais; Edilson sac@cpb.com.br Caixa Postal 34; 18270-970, Tatuí, SP
da Igreja Adventista do Sétimo Dia Valiante; Ivanaudo Barbosa de Oliveira; Revista do Ancião na Internet:
Antônio Moreira; Horacio Cayrus; Samuel www.dsa.org.br/anciao Tiragem: ?.??? exemplares
Ano 11 – No 42 – Abr-Jun 2011 Jara; Jair Garcia Gois; Bolivar Alaña;
Revista Trimestral Augusto Martínez Cárdenas; Leonino San- Todo artigo, ou correspondência, para a Exemplar Avulso: R$ 5,85
tiago; Nelson Suci; Luís Martínez; Walter Revista do Ancião deve ser enviado para Assinatura: R$ 19,00
Editor: Paulo Pinheiro Sánchez; Daniel Romero, Heriberto Peters, o seguinte endereço: Caixa Postal 2600;
Assistente de Editoria: Lenice Faye Santos Geovane de Souza. 70279-970, Brasília, DF ou e-mail: Todos os direitos reservados.
ministerial@dsa.org.br Proibida a reprodução total
Projeto Gráfico: André Rodrigues Diretor Geral: José Carlos de Lima ou parcial, por qualquer meio,
Programação Visual: Fábio Fernandes Diretor Financeiro: Edson Erthal de Medeiros As páginas 30 e 36 foram criadas pela sem prévia autorização escrita do autor
Capa: Montagem sobre fotos de Shutterstock Redator-Chefe: Rubens S. Lessa Divisão Sul-Americana, sendo publicadas e da Editora.
sob sua exclusiva responsabilidade. 7179/23954

Revista do Ancião abr-jun 2011 3


SUMÁRIO

ARTIGOS

Montagem sobre fotos de Shutterstock


8 Distribuindo tarefas Aquisição da Revista do Ancião
O método de Jesus para formar líderes O ancião que desejar adquirir
esta revista deve falar com o
pastor de sua igreja ou com o
10 A aplicação do sermão ministerial do Campo.
Fazendo a ponte entre o mundo bíblico e o atual

26 Liderar a igreja num mundo torto


O compromisso de ser a luz para os perdidos
SEÇÕES
32 Preguemos a Palavra
Uma mensagem de alerta aos pregadores 2 De Coração a Coração
A influência do ancião na vida dos jovens
33 Jesus, modelo de líder servo
Como Jesus convivia com as pessoas 5 Entrevista
O ancião e o desafio de plantar igrejas

23 12 Informática & Pregação


Sites sobre plantio e crescimento de igreja

13 Esboços de Sermões
Material para pregadores

23 Igreja em Ação
Uma experiência com pequenos grupos

29 Perguntas & Respostas


A diferença entre perfeição e perfeccionismo

31 Consultoria
Alterações no Manual da Igreja
Foto: Shutterstock

34 De Mulher para Mulher


De portas e corações abertos

CALENDÁRIO
Data Evento Departamento Responsável
Data Sábado 2 Evento Missionário / Evangelismo Integrado
Sábado Departamento
Ministério Responsável
Pessoal
Sábado
Sábado 93 Programa da Semana
Evangelismo Igreja Local
Santa Ministério Pessoal / Ministérios da Criança
Abril
Abril Sábado
Sábado 16
24 Dia
Dia dos Amigos
Mundial dosdaDesbravadores
Esperança Todos
Ministério Jovem
17 - 24
Sábado 1 Semana Santa
Sábado Missionário / Evangelismo Integrado Ministério
Ministério Pessoal
Pessoal
Sábado
Sábado 30
8 Dia Mundial dos Desbravadores
Jejum Especial em favor do Impacto Esperança Ministério
Todos Jovem
Sábado
Sábado 7 Sábado
ImpactoMissionário
Esperança / Ênfase Missão Global Missão
Todos Global
Maio
Maio 14
16 -–21
22 Semana
Semana dada Família
Família Ministério
Ministério da
da Família
Família
Sábado
Sábado 2822 Programa da Igreja Local
Lares de Esperança Todos
Sábado 429
Sábado Dia da Educação
Sábado Cristã
Missionário da Mulher Adventista Educação da Mulher
Ministério
Junho 11 – 18 5
Sábado Semana de Mordomia
Sábado Missionário da Mulher Adventista Ministério
Ministério da
da Mordomia
Mulher Cristã
Junho
Sábado
12 – 19 25 Programa
Semana dadaMordomia
Igreja Local Ministério da Mordomia

4 Revista do Ancião abr-jun 2011


ENTREVISTA
EMÍLIO ABDALA

Como plantar
igrejas
Imagem cedida pelo entrevistado

O
pastor Emílio Dutra Abdala quando aceitou o convite para falar nidade foi o plantio de uma igreja
é doutor em evangelismo e aos anciãos da América do Sul sobre na respectiva região. Isso foi reali-
crescimento de igrejas pela “plantio de igrejas”. zado pelos discípulos, que saíram
Universidade Andrews, EUA. Traba- por toda parte estabelecendo igrejas
lhou como pastor distrital durante Ancião: O que é plantio de igrejas? (At 9:31; 16:5), e por Paulo, em suas
sete anos, e, depois, como evangelis- Pastor Abdala: Plantio de igrejas três viagens missionárias (At 13–19).
ta, em Minas Gerais. A seguir, serviu é uma ênfase do evangelismo que
durante 12 anos como professor de estabelece como alvo primário a Qual é o papel do pastor e do an-
teologia no Instituto Adventista de implantação de novas igrejas como cião no processo de plantio de uma
Ensino do Nordeste, na Bahia. Ali, método de alcançar uma comunida- nova igreja?
coordenou os seminaristas no Proje- de específica ou um grupo especial Liderança é essencial para o su-
to Antioquia, que tinha como meta o de pessoas. cesso de qualquer empreendimen-
estabelecimento de 70 novas igrejas to, especialmente para o plantio de
por ano. É casado com Gina Abdala, De onde vem essa prática de plantar igrejas. Na medida em que as con-
concluinte de doutorado em enfer- igrejas? gregações se tornam estabelecidas e
magem. O casal tem dois filhos. Atu- Vem da Grande Comissão de Ma- maduras, as pessoas que investiram
almente, o pastor Emílio coordena o teus 28:19-20, ordenada por Jesus nessas igrejas se tornam protetoras e
setor de Evangelismo na Associação para evangelizar pessoas perdidas. inimigas de qualquer ideia que pos-
Paulista Leste, onde ajudou, no ano Em Atos 1:8, Ele definiu o território sa ameaçar seu status quo. A ideia de
passado, a abrir 27 novas congrega- em que os discípulos deveriam tra- plantar uma nova igreja parece uma
ções. Abdala estava lecionando teo- balhar. O método primário de Deus ameaça para alguns líderes que de-
logia em um curso de verão no Chile, para evangelizar uma nova comu- senvolvem certas objeções.
Revista do Ancião abr-jun 2011 5
A primeira delas é a mentali- ja, saber mobilizar a totalidade de ção está crescendo; como a popu-
dade de que igrejas grandes são seus membros para a tarefa mis- lação está distribuída e como será
melhores do que múltiplas igrejas, sionária, de acordo com seus dons dentro de vinte anos; se existem
embora as estatísticas não deem específicos. terrenos disponíveis com boa loca-
apoio a essa suposição. A grande Terceiro, a congregação precisa lização e preços razoáveis; e se exis-
dependência pastoral é outra men- realizar ministérios relevantes para te um núcleo de crentes morando
talidade que leva alguns líderes a a comunidade que deseja alcançar. na área e desejoso de iniciar uma
boicotarem o plantio de novas igre- Isso significa descobrir necessidades nova igreja.
jas. Por que dividir a atenção do básicas e atendê-las com projetos Além disso, ao investigar a região,
meu pastor com outra igreja se seu comunitários e atividades que refli- é importante verificar se há uma
distrito já é grande? tam o método de Cristo. igreja mãe em uma distância máxi-
Existe igualmente a suposição Quarto, realizar um evangelismo ma de 3 a 5 quilômetros, disposta
idealística de que a denominação culturalmente relevante. Se quiser- a apoiar o projeto com orações e
deveria primeiro revitalizar as igre- mos alcançar um crescimento pela recursos. Nem sempre uma comuni-
jas que estão morrendo, em vez de conversão e não pela transferência dade é apropriada para iniciar uma
tentar abrir outra. Uma vez que os de membros, então temos que trei- igreja. Em minha experiência, tem
líderes estejam conscientizados da sido mais difícil trabalhar em bair-
verdadeira missão da igreja, sua ros habitados por uma população
função passa a envolver o desen- longamente estabelecida que esteja
volvimento da visão, planos e es- “O nascimento de uma afiliada a igrejas tradicionais. Por
tratégias para realizar a vontade de outro lado, bairros de renda muito
Deus quanto ao crescimento de Sua igreja se assemelha ao baixa raramente terão o potencial
igreja. O método que eles usam pa- financeiro para tornar a igreja au-
ra realizar isso é o estabelecimento nascimento de uma tossustentável. Deve-se também
de orçamentos, organização, treina- evitar áreas industriais, junto de
mento de pioneiros e a supervisão criança.” estádios e cemitérios. Geralmente,
da tarefa. nesses lugares existe pouco tráfego
e poucas casas a ser alcançadas.
Para plantar uma nova igreja, que nar os membros da igreja para al-
ferramentas uma congregação pre- cançar sua comunidade relacional Que passos devem ser dados antes,
cisa ter? (amigos, vizinhos, parentes) bem co- durante e após o plantio de uma
Penso que um projeto saudável mo a comunidade local. igreja?
de plantio de igrejas deve refletir pe- Finalmente, destacamos uma Há variedades de modelos para se
lo menos cinco poderosos princípios rede robusta de pequenos grupos abrir igrejas. Determinadas estraté-
de plantio de igreja: especializados em alcançar pessoas, gias não devem ser vistas como supe-
Primeiro, a igreja mãe deve ter treinar liderança e assimilar os no- riores ou inferiores, mas como opções
alto grau de comprometimento pa- vos membros. mais eficazes para determinadas situ-
ra com a Grande Comissão de Jesus. ações. Em 1 Coríntios 12, Paulo com-
Essa cultura missionária precisa ser Como escolher o lugar ideal para para a igreja a um corpo humano. De
forte, porque, se perder o foco da plantar uma nova igreja? maneira geral, o nascimento de uma
evangelização, a igreja ficará dividi- Para selecionar um bom lugar igreja se assemelha ao nascimento de
da com uma agenda sobrecarregada a fim de iniciar uma nova igreja é uma criança. Esse processo envolve
de programas periféricos. importante saber se a população os estágios de concepção, desenvol-
Segundo, é necessário resolver é grande o suficiente para iniciar vimento, nascimento, crescimento,
o problema do desemprego, ou se- uma igreja, se a área em considera- maturidade e reprodução.
6 Revista do Ancião abr-jun 2011
Uma estratégia deve incluir maturidade espiritual. Currículo e De onde obter recursos financeiros
pelo menos seis ingredientes que programa devem abranger a prática para manter uma igreja recém-
respondem a seis questões bási- dos pequenos grupos para ajudá-los formada?
cas. Primeiro, que área você está na formação de hábitos espirituais: Muitos evitam o ministério do
tentando alcançar? A resposta con- Conectá-los a um mentor espiritual plantio de novas igrejas por motivos
siste em selecionar o melhor local ou guardião da fé; colocar em suas financeiros. Embora o Senhor dese-
disponível para plantar uma nova mãos nossos melhores livros; desco- je que confiemos nEle para prover
igreja. Segundo, que pessoas você brir e usar seus talentos, oferecen- nossas necessidades básicas, Ele
deseja alcançar? A resposta envolve do-lhes cursos de treinamento na também recomenda que planeje-
a descoberta do perfil do público al- mos nossas finanças (Lc 14:28-30).
vo. Terceiro, quem tomará parte no Ao planejar seu orçamento, os plan-
projeto? A resposta deve considerar “Uma igreja saudável [...] tadores de igrejas devem considerer
seleção e treinamento de uma equi- pelo menos três fontes disponíveis:
pe de evangelistas pioneiros. Quar- é missionária e procura a igreja mãe, o núcleo de pionei-
to, como você vai preparar a comu- ros e a denominação. Uma palavra
nidade para receber a Palavra? A iniciar outras igrejas.” de precaução deve ser mencionada
melhor resposta é prover uma abor- aqui. Não é sábio cobrir todas as
dagem holística de cultivo com base despesas da nova igreja porque é
no método de Cristo. Quinto, qual obra missionária e designando-lhes importante que ela assuma alguma
será o método de colheita a ser usa- responsabilidades e campos especí- responsibilidade para experimentar
do e o processo de discipulado para ficos de trabalho; ajudá-los a cons- crescimento e maturidade. Não obs-
os novos membros? E, finalmente, truir sua nova igreja; e instrução tante isso, elas devem receber ajuda
onde a nova igreja se reunirá? bíblica continuada. por limitado período de tempo.

O que é necessário para que a igreja


plantada se torne madura e desen-
volva sua própria liderança?
É comumente aceito que uma
igreja madura deve ser auto gover-
nada, auto sustentada e auto pro-
pagativa. Logo, uma igreja saudável
administra seus próprios assuntos
sob o senhorio de Cristo. Segundo,
ela providencia seu próprio susten-
to com o apoio financeiro de seus
membros. Terceiro, ela é missioná-
ria e procura iniciar outras igrejas.
Esses três princípios básicos não
podem ser alterados. A realização
dessa tríplice meta pode ser feita
por meio de programas de treina-
mento modular.
Imagem: Shutterstock

Esse treinamento é uma abor-


dagem sistemática para ajudar
os novos discípulos a crescer em
Revista do Ancião abr-jun 2011 7
ADMINISTRAÇÃO DE IGREJA

Como distribuir
Jonas Arrais
Editor da revista
tarefas
Elder´s Digest
Experimente partilhar responsabilidades e bênçãos

-E
stou cansado de ser ancião! lidades de um ancião de igreja. Esperava EXEMPLO BÍBLICO DE DELEGAÇÃO
– disse um irmão, abordan- indicar alguns pontos que ajudassem Êxodo 18:13-26 contém um exem-
do-me numa igreja em que meu novo amigo a aprender formas de plo da necessidade de delegar. Moisés
participava de um seminário. – Existe delegar, para partilhar responsabilidades estava conduzindo os israelitas para
muito trabalho para fazer em minha e, como resultado, ajudar outros mem- Canaã. Ele aceitou a tarefa que o Senhor
igreja e sinto como se estivesse fazendo bros a desenvolver seus talentos. lhe havia delegado, mas ela era um pe-
tudo sozinho. Estou cansado! Infelizmente, em algumas igrejas há sado desafio, muito para um homem
– Quantos membros sua igreja tem? membros que assumem muitas respon- sozinho. Seu sogro Jetro viu que Moisés
– perguntei. sabilidades e ficam exaustos porque não estava exausto e lhe disse: “Não é bom
– Aproximadamente 300 membros. sabem partilhar as cargas. Alguns podem o que fazes. Sem dúvida, desfalecerás,
– Deve ser realmente difícil conduzir até achar que, delegando responsabili- tanto tu como este povo que está con-
uma igreja grande sozinho. – acrescen- dades, correm o risco de perder sua au- tigo; pois isto é pesado demais para
tei. – Você já tentou delegar responsabi- toridade e controle. ti; tu só não o podes fazer” (v. 17,18).
lidades a outras pessoas? Tornar-se um líder efetivo significa Jetro reconheceu que, quando um líder
Naquela tarde, eu estava escalado pa- aprender a confiar nas pessoas, convidan- consagrado falha em delegar responsa-
ra apresentar um semi- do-as a ajudar em variados serviços que bilidades e autoridade para outros, ele
nário sobre deveres e resultarão no crescimento de uma igreja termina exausto e frustrado.
responsabi- vibrante. Significa nutri-las, à medida que Jetro aconselhou Moisés a com-
desenvolvem suas habilidades. partilhar as responsabilidades e as
Significa lhes oferecer chance tomadas de decisões, delegando essas
para executar tarefas. tarefas a pessoas confiáveis. Ele disse:
Quando você enco- “Procura dentre o povo homens capa-
raja a participação zes, tementes a Deus, homens de ver-
e envolvimento do dade, que aborreçam a avareza; põe-
membro nas ati- nos sobre eles por chefes de mil, chefes
vidades da igreja, de cem, chefes de cinquenta e chefes
ele se sente mais de dez; para que julguem este povo
feliz e valorizado. E em todo tempo. Toda causa grave tra-
o ancião não será rão a ti, mas toda causa pequena eles
uma pessoa com mesmos julgarão; será assim mais fácil
Imagens: Shutterstock

cara de cansado, para ti, e eles levarão a carga contigo”


mas um líder. (versos 21, 22).
8 Revista do Ancião abr-jun 2011
Algumas vezes um ancião ou outro Delegar facilita o trabalho do pastor Delegar valoriza as pessoas. Quando
líder de igreja pode sentir que não existe ou do ancião. Assim como ocorreu com delegamos responsabilidades a alguém,
ninguém na congregação com experiên- Moisés, líderes cristãos hoje podem ficar estamos dizendo: “Confio em você, sei
cia suficiente para dividir as responsabi- esgotados se tentarem carregar sozinhos que é capaz.” Membros que aceitam res-
lidades, e ele ou ela usa isso como des- toda a carga de responsabilidades da ponsabilidades se sentem valorizados e
culpa para não delegar. Mas devemos igreja. Delegar libera os líderes, dando- mais felizes.
lembrar que aqueles a quem Moisés lhes tempo e energia para cumprir sua Delegar aumenta a motivação dos
delegou autoridade não possuíam ne- principal obrigação que é nutrir espiri- membros e o compromisso com a igreja.
nhuma experiência. Nunca tinham tido tualmente a igreja. Membros recebem benefícios espirituais
essas posições; eles tinham sido escravos Delegar aumenta a produtividade. quando realizam as atividades delegadas
e tudo que faziam eram tijolos. No en- Quando pessoas são envolvidas nas a eles. Ficam mais envolvidos e compro-
tanto, nesse texto, a palavra “capaz” não atividades da igreja, os resultados são metidos com o programa da igreja.
indica que as pessoas escolhidas por maiores e os esforços mais eficientes. Todos os líderes da igreja podem se
Moisés tivessem vasta experiência de li- As necessidades da igreja serão mais beneficiar fazendo uma lista de suas
derança. Significa que ele escolheu pes- bem supridas. responsabilidades e circulando em ver-
soas honestas, com reputação e capazes. Delegar prepara outros para a lide- melho, ao menos, a metade delas para
Delegar responsabilidades aos mem- rança. A melhor maneira de preparar delegá-las. Comece agora a partilhar
bros também significa provê-los com futuros líderes é recrutando membros e as cargas e as bênçãos. Delegar é uma
orientação e treinamento. Jetro disse confiando-lhes responsabilidades apro- situação de ganhar-ganhar-ganhar que
a Moisés: “Ensina-lhes os estatutos e as priadas aos seus dons e habilidades. beneficia o líder, a pessoa que recebe
leis e faze-lhes saber o caminho em que Isso lhes oferece oportunidade de de- nova responsabilidade e a congregação
devem andar e a obra que devem fazer” senvolver habilidades de liderança. inteira. Liderar sem delegar não é lide-
(verso 20). Quando delegamos autori- Delegar reduz o estresse e acrescenta rança genuína.
dade e responsabilidades, assumimos o o tempo. Um líder sobrecarregado com Durante Seu ministério na Terra,
compromisso de treinar. Isso é importan- atividades da igreja ficará exausto e não Cristo escolheu 12 homens inexperientes
te no desenvolvimento de novos líderes. será eficiente no cumprimento de suas e sem formação acadêmica aos quais de-
responsabilidades. Carregar um fardo legaria a tarefa de partilhar as boas novas
VANTAGENS DE DELEGAR muito pesado também o impedirá de do Evangelho. Ele os ensinou e lhes con-
Há muitas vantagens em delegar fazer coisas essenciais, como a devoção fiou responsabilidades. Esse é um exem-
responsabilidades. pessoal e sua dedicação à família. plo a ser seguido por líderes cristãos.

Revista do Ancião abr-jun 2011 9


ARTE DE PREGAR

A aplicação
Emilson dos Reis
Diretor da Faculdade de
do sermão
Teologia do Unasp,
São Paulo
Como fazer a ponte entre o mundo bíblico e o mundo atual

Q
uando um pregador escolhe O valor da interpretação jamais de- um pregador, mas apenas orador, pa-
preparar um sermão sobre de- ve ser desprezado, pois, se não houver lestrante ou algo equivalente.
terminado texto bíblico, é ne- uma interpretação ou se ela for incor- A aplicação tem sido comparada a
cessário que ele primeiro conheça sua reta, corre-se o risco de se fazer uma uma ponte entre o mundo bíblico e o
interpretação e, depois, saiba como aplicação que não condiz com a verda- mundo atual. Para construí-la o prega-
aplicá-lo. Interpretar um texto signifi- de, de modo que resulte em indivíduos dor deve conhecer bem as duas mar-
ca descobrir o que ele significava para e congregações formando caracteres e gens que ela irá ligar: o texto bíblico e
aquele que o escreveu – o que ele ti- adotando procedimentos que destoam seus ouvintes. Se ele conhecer bem e
nha em mente, qual era sua intenção. daquilo que foi planejado por Deus. souber interpretar corretamente as Es-
Depois que o texto for interpretado, Enquanto a interpretação do texto crituras, mas não conhecer a natureza
entendido, depois que se compreende atinge nosso intelecto, a aplicação deve humana, as lutas, provas e tentações e
o que ele significava no passado, ele contribuir para moldar nosso caráter e a cultura e as condições em que o po-
precisa ser aplicado. Aplicar significa conduta. A primeira está relacionada vo se encontra, então será semelhante
extrair dele a lição espiritual para a ao saber e a segunda, ao ser e ao fazer. àquelas pontes inacabadas, que come-
vida presente. O pregador deve per- A tarefa da pregação é basicamente çaram a ser construídas a partir de uma
guntar: “Como este texto pode ajudar a de aplicar o texto à vida dos ouvin- das margens e que por alguma razão
a mim e aos meus ouvintes em meio às tes. Sem aplicação não há sermão. Se são abandonadas, esquecidas a meio
nossas lutas, necessidades e desafios?” o orador não fizer uma aplicação do caminho e que para nada servem.
Deve-se notar que a intenção da Bíblia texto, então podemos chamar sua fa- O mesmo ocorrerá se ele estiver
falar do passado e do futu- la de aula, de palestra, de discurso, de bem familiarizado com seus ouvintes e
ro é aplicá-lo ao presente. comentário bíblico falado, ou de outro conhecer bem a natureza humana, mas

Imagens: Shutterstock
nome qualquer, mas nunca de sermão. desconhecer o correto ensino bíblico.
E ele mesmo, o que fala, de fato, não é Como pregadores, precisamos conhecer

10 Revista do Ancião abr-jun 2011


bem as Escrituras e bem os homens e os A aplicação deve ser feita desde o da Bíblia sejam tão óbvias, que se tor-
dias em que vivemos. Precisamos saber início da exposição, em qualquer mo- ne desnecessário que o pregador faça
como melhor abordá-los e como levar mento sempre que possível, e na con- aplicação. Algumas vezes, aquilo que
a eles a Palavra que salva. Para tanto, é clusão ela deve atingir seu clímax. as pessoas percebem no texto, sem que
relevante ter contato direto com o povo, A aplicação mostra como a verdade o pregador lhes diga claramente, possa
inclusive por meio da visitação. bíblica se relaciona à experiência dos produzir maior efeito.
Em realidade, o principal respon- ouvintes, aos seus problemas pessoais. A aplicação geralmente é específica
sável pela aplicação da Palavra ao co- A aplicação faz o ouvinte ver o que e definida, mas há ocasiões em que po-
ração humano é o Espírito de Deus. deve ser feito, apresenta sugestões de ser apresentada mediante sugestão,
Todavia, frequentemente, Ele Se vale práticas de como fazer e o persuade como é o caso de uma ilustração que,
dos pregadores e os usa como Seus a fazer. por si mesma, aplique uma determina-
agentes para fazer a aplicação. Foi o A aplicação desafia os ouvintes e os da verdade.
que ocorreu com os profetas, os após- convoca à ação. Se houver na igreja um problema
tolos, com João Batista e com o pró- A aplicação não deve ser apenas muito delicado, talvez o melhor seja
prio Cristo. Há ouvintes que simples- negativa, indicando o que não fazer. não ser tão específico na aplicação, con-
mente não sabem como aplicar à sua A aplicação deve ser feita de ma- fiando na aplicação feita pelo Espírito.
vida o ensino bíblico se não houver a neira que o ouvinte perceba aqueles Ao aplicar, é necessário deixar
orientação do pregador. aspectos em que precisa mudar e não claro que nossa obediência à Palavra
apenas a parte que lhe é favorável, resultará em bênçãos e crescimento
SUGESTÕES PARA O PREGADOR aquela que ele obedece. Ela deve atin- espiritual.
APLICAR COM CORREÇÃO: gir seus pontos fracos. Como vimos, a aplicação é um as-
A aplicação deve brotar natural- Há assuntos que podem ser aplica- pecto essencial do sermão. Sem ela,
mente do texto que está sendo estuda- dos aos ouvintes em geral, enquanto a exposição da Palavra nem sequer
do. Os ouvintes precisam perceber que que outros só podem ser aplicados a pode ser chamada de sermão. Ela se
ela está contida no princípio exposto classes especiais (líderes, mulheres, constitui na ponte entre o mundo bí-
pelo texto. Eles precisam ver nela a lo- jovens, etc.). blico e o mundo contemporâneo e,
gomarca “Assim diz o Senhor”. Algumas vezes é melhor utilizar a para que expresse a vontade de Deus
A aplicação pode ser vista des- expressão “você” e não “nós”, pois as- para nossa vida, deve ser precedida de
de o próprio título, que é cativante sim o ouvinte é atingido mais direta e cuidadosa interpretação. Embora o Es-
para o ouvinte. Assim, se você for pregar pessoalmente. Outras vezes é melhor o pírito de Deus seja o grande aplicador
sobre Gênesis 12, em lugar de colocar o pregador se incluir, empregando a pri- da verdade, com demasiada frequên-
“O chamado de Abraão” como título de meira pessoa do plural. cia Ele se vale do pregador como Seu
seu sermão, escolha “Saindo da zona de Pode acontecer que, em alguns agente para moldar a vida e o caráter
conforto” ou algo parecido, atual. pontos do sermão, as lições que advêm dos ouvintes.

Revista do Ancião abr-jun 2011 11


INFORMÁTICA & PREGAÇÃO

Enciclopédia
Missão Urbana
da Memória
e Crescimento
Adventista
da no
Igreja
Brasil
Já estão
Missão disponíveis
Urbana na internet
– o evangelho os primeiros
invadindo cidades – Como complementa o subtítulo, é um espaço para
éconteúdos
o site que de natureza
serve históricaos que
para promover fazem
projetos parte
de evan- apresentar ou repercutir “conceitos, notícias e ideias
gelização desenvolvidos pelo Pr. Emílio Abdala,Me-
do grande projeto que é o Centro Nacional da na sobre o crescimento da Igreja”.
mória Adventista.
Associação Paulista O objetivo é resgatar, sistemati-
Leste. O endereço eletrônico é: www.mecdias.blogspot.com
zar e publicar fatos, biografias,
Alémfotos e resenhas
das notícias, quee
fotos Textos em geral curtos e leves, comentários rá-
ajudem a lembrar e a entender
vídeos, deoscaráter
eventos relacio-
informati- pidos sobre eventos e tendências na área de cresci-
nados com os adventistas vo, eque
as instituições
têm mais a de vernossa
com mento da Igreja, indicação de bons livros e artigos,
igreja no Brasil. as igrejas e distritos da APL, downloads de conteúdos e ferramentas interessantes
o site vale a pena ser visitado fazem desse site uma referência importante para
pelos demais líderes de igre- quem deseja acompanhar o que está acontecendo e
jas, em função da boa quan- obter subsídios para inovar.
tidade de textos e reflexões Como é usual nos blogs, basta rolar a tela para ter
sobre o plano conhecido co- acesso a todo o conteúdo, mas por outra característica
mo “plantio de igrejas”. dos blogs, esse conteúdo não está organizado. Então, a
O endereço eletrônico é: missaourbana.net dica é utilizar a linha de links, que fica logo abaixo do tí-
Uma forma de acesso a esses conteúdos é clicando tulo, a qual dá acesso a alguns blocos temáticos, como:
no link Blog do Plantio, que fica na página inicial, Ideias Criativas – é motivador ver o que outros
logo abaixo do título. No blog, os arquivos estão sepa- estão fazendo com sucesso; algumas delas podem ser
rados por mês ou por assunto. utilizadas imediatamente e outras carecem de algu-
Outra área com conteúdo interessante é Down- ma adaptação.
loads, que oferece alguns arquivos de PowerPoint e Planejamento Estratégico – vale a pena ver aí
outros no formato .PDF. como fazer corretamente algo que se fala muito e se
Numa coluna, à direita da tela, estão outros links pratica pouco; é claro que os resultados serão ainda
que levam a bons conteúdos. Na área Categorias, ex- melhores quando isso for implementado.
plore as seguintes opções: Crescimento Adventista – essa é outra parte
bem forte nesse blog; naturalmente a Igreja Adventis-
Artigos ta tem muito a oferecer em termos de material para
Reflexão estudo e observação, nessa área.
Plantio de Igrejas Ellen White e o Crescimento
Escola de Evangelistas da Igreja – frases e pensamentos
mais atuais do que nunca.
No fim dessa coluna, há uma Bibliografia – alguns dos mais
seção com o título Links, os quais importantes livros publicados no
levam a sites de outras organiza- Brasil sobre crescimento de igreja
ções adventistas, algumas inter- são comentados nessa área.
nacionais, por isso os conteúdos Livros e Artigos – rápidos co-
são em inglês, como: Adventist Volunteers (Centro de mentários sobre alguns livros traduzidos por Marcelo
Recrutamento de Voluntários Adventistas), Center for Dias para a CPB e acesso aos artigos publicados por
Youth Evangelism (para a promoção do evangelismo ele na revista Destaque Empresarial.
aos jovens através dos próprios jovens) e Global Mis- Downloads – recursos disponibilizados para faci-
sion (Missão Global Adventista). litar a implementação em sua igreja de algumas das
O outro blog focalizado
“Copiar o bomneste
é trimestre tem propostas sugeridas nesse blog.
“É um grande privilégio
como título “Crescimento da Igreja”, e é mantido Links – na coluna que fica à direita da tela estão
melhor que inventar o ruim.”
pelo Pr. Marcelo Dias, que atualmente faz doutora-
ter vivido uma vida difícil.”
os links diretos para outros sites relacionados e servi-
do nessa área,Armando Nogueira
na Universidade Andrews, nos Esta- ços, geralmente com Indira Gandhi
conteúdo muito rico. – Márcio
dos Unidos. Dias Guarda

12 Revista do Ancião abr-jun 2011


ESBOÇO DE SERMÃO

Dez grandes sinais da volta de Jesus


João 24:3

INTRODUÇÃO 4. O sinal da “pestilência” (Mt 24:7). O século pestilências sempre ocorreram. Não há
Quando pensamos nos sinais da vinda passado testemunhou também uma das nada de anormal nisso; portanto, como
de Cristo, geralmente começamos com maiores pestilências de toda a sua histó- tratá-las como sinais? Além do mais, pes-
a pergunta que os discípulos fizeram a ria (“Gripe Espanhola” de 1918. Estima-se soas sinceras no passado esperaram a
Jesus a respeito desse tema. 21 milhões de vítimas). volta do Senhor em seus dias e foram de-
Mateus 24:3: “que sinal haverá da Tua 5. O sinal dos “terremotos” (Mt 24:7). O úl- sapontadas. Elas interpretaram mal os si-
vinda”? Quando abrimos a Bíblia para timo século ainda testemunhou dois dos nais. Não poderíamos estar cometendo o
buscar respostas a essa pergunta, desco- maiores terremotos da história (China, mesmo equívoco?” Aqueles que levantam
brimos dois fatos significativos a respeito 1920, 180 mil mortos; Japão, 1923. To- essa objeção deixam de considerar uma
dos sinais da vinda de nosso Senhor: tal de feridos 1,5 milhão, dos quais 200 diferença muitíssimo significativa entre
mil morreram). O terremoto no Japão foi a nossa geração e as gerações passadas:
I. DOIS FATOS SIGNIFICATIVOS descrito na ocasião como a “maior catás- hoje, pela primeira vez, desde que Jesus
1. Jesus deseja que estejamos atentos aos trofe desde o dilúvio”. ascendeu ao Céu, todos os principais si-
sinais da Sua vinda (ver Mt 24 e 25). 6. O sinal dos “tempos difíceis” (2Tm 3:1- nais preditos para o tempo do fim estão
2. Jesus espera que tenhamos discernimen- 3). A despeito dos equipamentos mais sincronizados! Um ou mais desses sinais
to quanto aos sinais da Sua vinda (ver Mt engenhosos e caros para combater o podem ter ocorrido nas gerações passa-
16:1-3, discernir significa ver, perceber, crime, a violência, assassinato, roubo das, mas nunca todos eles ocorreram si-
reconhecer, interpretar, compreender). e estupro, estes estão aumentando em multaneamente, como vemos hoje!
Considere estes dez grandes sinais da proporções alarmantes. Os governos
volta de Jesus, que estão se cumprindo podem restringir, mas não eliminar es- CONCLUSÃO
em nossos dias: ses problemas. 1. Jesus nunca nos pediu que crêssemos
7. O sinal do “temor” (Lc 21:25-26). Desde na proximidade de Sua vinda com base
II. DEZ GRANDES SINAIS o advento da bomba nuclear, nosso so- apenas em um sinal. Um floco de neve
1. O sinal dos “escarnecedores” (2Pe 3:3, nho de paz e segurança se transformou não provoca uma avalanche. Mas quan-
4). Pedro anunciou que as condições em terrível pesadelo, quando o grande do todos os sinais rapidamente se mul-
prevalecentes nos “últimos dias” se- conhecimento que os seres humanos ad- tiplicam, dando assim seu testemunho
riam de descrença a respeito dos sinais quiriram deveria lhes garantir segurança. acumulado, se transformam em uma
da vinda de Cristo. Sem dúvida, isso é 8. Sinal dos “Dias de Noé” (Mt 24:37-39). Nos avalanche de irresistível poder. Portanto,
verdade hoje. Cada escarnecedor mo- dias de Noé, o avanço e grande conheci- inequivocamente esses sinais da vinda
derno é um sinal que fala e se move. mento da civilização foram ofuscados pe- de Cristo não deixam margem para que
O cristão pode dizer ao escarnecedor: la violência desenfreada e pela escanda- pessoas inteligentes deixem de reconhe-
“Amigo, Pedro fez uma predição a seu losa imoralidade. O mesmo ocorre hoje. cê-los. São tão claros como se Deus esti-
respeito. Você é um dos últimos sinais 9. O sinal do “evangelho” (Mt 24:14). Duran- vesse falando por intermédio dos trovões
que estou vendo!” te os últimos anos, por meio da página ou se estivesse escrevendo em letras gi-
2. O sinal da “guerra” (Mt 24:6, 7). O século impressa, da internet, rádio e televisão, a gantescas no céu!
20 testemunhou as duas maiores guer- pregação do evangelho em escala mun- 2. Por que você imagina que Deus nos deu a
ras da história (1914-1918; 1939-1945). dial se tornou uma possibilidade real. oportunidade de ouvir essas maravilhosas
No total, mais de 70 milhões de pessoas Um único homem pode atingir uma au- boas-novas? Para que pudéssemos “discer-
morreram, ficaram feridas ou desapare- diência de dezenas e mesmo centenas de nir os sinais dos tempos” e estar prontos
ceram. O século 20 foi o mais sangrento milhões de pessoas! A Bíblia está tradu- para receber Jesus com avidez e alegria.
já registrado. zida em mais de 1.300 línguas e é distri- 3. Lucas 21:28: “Ora, quando estas coisas
3. O sinal da “fome” (Mt 24:7). Os últimos buída a uma média de 100 milhões de começarem a acontecer, olhai para cima
cem anos testemunharam quatro das cópias por ano. e levantai a vossa cabeça; porque a vossa
maiores fomes de toda a história (Rússia 10.O sinal “estas coisas” (Lc 21:28-32). Quan- redenção está próxima”.
1921, 1933; China 1928-1930; Bangla- do confrontadas com a impressiva rela-
desh 1943-1944. Estima-se que cerca de ção de sinais, algumas pessoas argumen- Frank Breaden escreve de
20 milhões de pessoas morreram). tam: “Mas crimes, guerras, terremotos e Molody Park, Austrália.

Revista do Ancião abr-jun 2011 13


ESBOÇO DE SERMÃO

Renova minha igreja


João 13:34

INTRODUÇÃO nossa maneira de agir em comparação a morte para nossa vontade, para nossos
1. “Extraordinário poder de Deus precisa com o que falamos. Os cristãos precisam alvos, para nossa forma de vida, para
apoderar-se das igrejas adventistas do sé- ser mais coerentes. nossos planos, para nosso eu. Então, Ele
timo dia. Deve haver reconversão entre os c) O problema da irrelevância. O mundo ex- dará a vida!
membros, a fim de que, como testemu- terior diz que a igreja está preocupada
nhas de Deus, possam atestar o autoriza- com programas, não com pessoas, e que III. A CONSCIENTIZAÇÃO DE QUE O
do poder da verdade que santifica a alma” mesmo os programas são irrelevantes. Se TEMPO É BREVE
(Este Dia com Deus, [MD 1980], p. 116). a igreja, que tem a salvação e a esperan- O tempo é breve para esta geração. O
2. “Essa obra de purificar a igreja é doloro- ça, não testemunha pela vida e palavra, tempo é breve porque a igreja está per-
sa, mas não deve ser negligenciada, ca- então sua existência se torna irrelevante. dendo a sensibilidade espiritual; o tem-
so a igreja deseje a aprovação de Deus. d) O problema da incapacidade. Somos o sal po é breve porque Jesus está voltando;
Porém, arrependei-vos porque deixastes da Terra e a luz do mundo, no entanto, o tempo é breve porque as pessoas mor-
vosso primeiro amor. Eis aqui, claramen- não temos o poder de preservar a socie- rem sem ouvir o evangelho; e o tempo é
te apresentado diante de nós, nossa obra dade e de dissipar as trevas morais. E es- breve porque “a noite vem quando nin-
como membros da Igreja de Cristo” (Ad- sa condição está piorando. guém pode trabalhar”.
ventist Review and Sabbath Herald, p. 17). e) O problema do isolamento. A igreja está
3. A igreja precisa lutar pela renovação. É isolada geograficamente, em um deter- CONCLUSÃO
a luta de Romanos 12: a conformidade minado lugar, um edifício. Ela está isola- A igreja tem esperança porque Sua espe-
com o mundo ou a transformação pela da temporalmente, em um tempo especí- rança está no Senhor Jesus Cristo. Como
vontade de Deus. É a luta da igreja de fico, sábado, às 9h. O problema é quando Ele é, assim somos nós no mundo. Este é
Corinto, entre o homem carnal e o espi- ela se isola no que diz respeito ao evan- o tempo em que devemos nos apresen-
ritual. É a luta de Laodiceia, entre o frio, gelismo, limitando essa responsabilidade tar a Ele para que nos use. Se construir-
o morno e o quente. A pergunta funda- aos obreiros assalariados. Ela não pode mos o altar, Ele enviará o fogo!
mental hoje é: o que faremos com a igre- perder o contato com as pessoas. O que trazer para a igreja?
ja? Qual é sua resposta? Nossa oração de- f) O problema da irreverência. A igreja está
veria ser a de Francisco de Assis: “Renova perdendo sua reverência pelo Senhor da Traga a si mesmo e o seu espírito de culto.
minha igreja!” Para que essa oração seja igreja, e pelos planos que Ele tem para ela. Traga reverência por Deus em Sua casa.
respondida, deve-se enveredar por três Há negligência em relação à Bíblia e às Traga sua oferta (além do dízimo).
verdades para a sobrevivência da igreja. suas verdades fundamentais para a vida. Traga um espírito de amor e de compa-
À luz desses problemas, nossa oração é: nheirismo.
I. ADMITIR QUE A IGREJA ESTÁ COM “Renova minha igreja!” Traga um aperto de mão caloroso e um
PROBLEMAS sorriso.
Jesus prometeu apenas três coisas aos II. HÁ ESPERANÇA PARA A IGREJA Traga palavras bondosas e pensamen-
que O seguiam: seriam extremamente a) Mateus 16:18: “... E as portas do inferno tos proveitosos.
felizes, totalmente destemidos e enfren- não prevalecerão contra ela.” Essa é a Traga sua disposição de ajudar a can-
tariam aflições. Essas aflições ou proble- promessa para a vida e vitória da igreja. tar, e cantar com o coração.
mas estão relacionados com a eficácia b) Mateus 18:20: “Porque, onde estiverem Traga um amigo ou parente.
da igreja: dois ou três reunidos em Meu nome, ali Enfim, traga o seu melhor a cada
a) O problema das divisões. Apenas Jesus estou no meio deles.” sábado.
Cristo poderia trazer unidade à igreja de c) Apocalipse 2 e 3 contém estas palavras:
judeus e gentios. As divisões da igreja ho- “Quem tem ouvidos, ouça o que o Espí- Josué de Castro, pastor em São Paulo
je são entre os liberais e os conservado- rito diz às igrejas”. Enquanto existirem
res, o evangelho social versus o evange- essas palavras haverá salvação e sobrevi-
lho pessoal, o secularismo versus a vida vência para a igreja. Anotações:
espiritual mais profunda. Necessitamos d) Apocalipse 3:20: “Eis que estou à porta
ter equilíbrio e estabelecer prioridades. e bato; se alguém ouvir a Minha voz e
b) O problema da incoerência. Há uma la- abrir a porta, entrarei em sua casa e cea-
cuna entre o que professamos e o que rei com ele, e ele, comigo”.
fazemos. A vida cristã é o “caminho da e) João 12:24: “[...] Se o grão de trigo, caindo
vida”; no entanto, há incoerência entre na terra, não morrer [...]”. Precisa ocorrer

14 Revista do Ancião abr-jun 2011


ESBOÇO DE SERMÃO

Podemos conversar com Deus

INTRODUÇÃO se tornariam cristãos, mas não seriam sa necessidade, como ocorreu com o pu-
1. Napoleão, certa vez, perguntou: “Quer nada mais que hipócritas. Se os cristãos blicano.
descobrir algo sublime?” E ele mesmo nunca adoecessem, as igrejas estariam b) Reconheçamos que Deus é nosso ajuda-
respondeu: “Repita a oração do Senhor.” superlotadas – todo o mundo professaria dor (Tg 1:17).
Aparentemente, repetir foi a única coisa o cristianismo. c) Oremos com fé (Tg 1:5, 6). Leia também
que ele fez. Mas, aqueles que vivem essa os versos 7 e 8 e Hb 11:6.
oração têm poder espiritual. Seria muito II – POR QUE ORAMOS? d) Confessemos e abandonemos os pecados
bom que soubéssemos de cor a oração do 1. Quatro perguntas nos ajudam a encon- (Pv 28:13). É preciso confessar e abando-
Senhor (Mt 6:9-13) e a proferíssemos de trar a resposta: nar. A obediência deve ser a norma de
coração, todos os dias; porém, nem todas a) A finalidade da oração seria dar informa- nossa vida. Ela é o fruto da verdadeira fé.
as nossas orações precisam ser decoradas. ção a Deus? O Senhor precisa de informa- e) Oremos conforme a vontade de Deus (Mt
2. A oração é, na verdade, a comunhão com ções? Não! “Vosso Pai sabe o de que ten- 26:39). Se Jesus orou: “Seja feita a Tua
Deus, uma experiência íntima e pessoal des necessidade, antes que lho peçais” vontade”, quanto mais nós devemos ser
com o Senhor. Vamos buscar o segredo (Mt 6:8). Ele nunca nos despreza, quando submissos ao Senhor!
desse grande poder. vamos a Ele. Abra o coração. Demore o f ) Sejamos perseverantes com Deus. Em
tempo que desejar. Não tenha pressa. Lucas 18:1-8, lemos a história da viúva
I – O QUE É ORAÇÃO? Pense enquanto ora. Se estivesse falando persistente, que pediu até conseguir o
1. Alguém definiu muito bem a oração: “A com o (a) presidente da República, você que necessitava.
chave nas mãos da fé para abrir os ce- não ficaria bem alerta? Fique atento e re- g ) Oremos em nome de Jesus (Jo 14:13).
leiros celestes”. Isso é verdade. Considere verente, quando falar com Deus, e suas Orar em nome de Jesus é orar na mente
também estes dois aspectos: orações serão ouvidas. e espírito de Jesus; crer em Suas pro-
a) É o clamor de um coração em necessidade b) O propósito da oração seria fazer com que messas, confiar em Sua graça e praticar
(Sl 31:9). Deus Se torne generoso? A oração não tor- Suas obras.
Perguntaram a um salva-vidas, numa na Deus generoso. Ele sempre está dis- h) Ouçamos, além de falar. “Por-me-ei na
praia, como ele podia distinguir os gri- posto a ajudar. minha torre de vigia, colocar-me-ei sobre
tos de alguém que realmente estava em c) O objetivo da oração seria a de mudar a fortaleza, e vigiarei para ver o que Deus
perigo, no meio de tantos outros ruídos e Deus? Não oramos para alterar a von- me dirá e que resposta eu terei à minha
confusão. Ele respondeu: “Eu sempre ou- tade de Deus. NEle não há “variação ou queixa” (Hc 2:1).
ço quando alguém grita por ajuda.” As- sombra de mudança” (Tg 1:17). Todas Esperemos que Deus nos fale ao coração.
sim é Deus. Ele sempre nos ouve quando as promessas de Deus são condicionais, Muitas vezes, será desta maneira que
estamos em perigo. Mas, quando passa o portanto, as respostas variam. Mas Deus você e eu teremos a resposta de nossas
perigo, esquecemos de orar. nunca muda (Hb 13:8). Seu convite é: petições.
b) É o abrir do coração a Deus, como a um “Vinde, pois, e arrazoemos” (Is 1:18).
amigo. Não é apenas pedir coisas. Não d) A finalidade da oração seria nos mudar? CONCLUSÃO
é apenas o homem falar, ou Deus falar, A oração é a maior força do Universo pa- 1. Por que somos aconselhados a orar ago-
mas um pouco de cada um. Às vezes, a ra mudar aquilo que mais necessita ser ra de maneira especial?
oração pode ser uma comunhão com mudado: o homem. A oração não traz a) Estamos vivendo nos últimos dias, e Jesus
Deus, em silêncio. Deus até nós, mas nos eleva até Ele. É por voltará em breve. Disse Pedro: “O fim de
2. Deus nos pede que O chamemos de meio da oração que podemos nos tornar todas as coisas está próximo. Portanto,
Pai. Assim, podemos ir livremente a Ele dignos perante Deus. sejam criteriosos e estejam alertas; dedi-
com nossos problemas e nossas alegrias quem-se à oração” (1Pe 4:7, NVI).
(Mt 6:9). III – O QUE FAZER PARA TER AS b) Se quisermos ser vitoriosos, devemos
3. O que a oração não é: ORAÇÕES ATENDIDAS? cultivar o hábito de orar todos os dias,
a) A oração não é um ato para merecer o 1. Seria bom lermos a história do fariseu e e orar sempre. De manhã, ao meio-dia
favor de Deus, Jesus ensinou: “Ele faz do publicano (Lc 18:10-14). Ela nos ajuda e à noite, devemos elevar nossa mente a
nascer o Seu sol sobre maus e bons, e vir a compreender que a sinceridade de pro- Deus (Lc 21:34, 36).
chuvas sobre justos e injustos” (Mt 5:45). pósito significa muito para Deus. Obser-
Se os fazendeiros cristãos tivessem sem- vemos estes oito pontos:
pre boas colheitas e seus vizinhos ateus a) Reconheçamos nossa necessidade de Colaboração da Associação Ministerial da
Deus (Mt 5:6). Devemos reconhecer nos- Associação Paulista Oeste
colheitas pobres, os ateus provavelmente

Revista do Ancião abr-jun 2011 15


ESBOÇO DE SERMÃO

Lei e graça
INTRODUÇÃO c) No Novo Testamento, o batismo e a santa vai ao Salvador suplicando perdão. Assim
1. Lei e graça estão intimamente associadas ceia, ou comunhão, são as cerimônias ou fez o publicano. A mulher surpreendida
no plano da redenção. Para compreender- ordenanças da igreja que ocupam o lu- em adultério se sentiu condenada e en-
mos a operação da graça, devemos saber gar das cerimônias do Antigo Testamen- vergonhada. Ela necessitava de simpatia
algo sobre como a lei atua, e vice-versa. to. Mas a lei moral não foi substituída, e perdão, e Cristo estava pronto para lhe
2. Vamos pensar agora nas grandes leis da porque ela não foi abolida. E jamais será conceder isso. Então, Ele lhe disse: “Não
Bíblia e, ao mesmo tempo, rever alguns mudada ou anulada. peques mais.”
importantes fatos. 4. Leis de saúde. 2. Se confessarmos e abandonarmos o peca-
a) No princípio, o ser humano era perfeito. do, Ele nos perdoará. Isso é graça ou favor
Mas o inimigo o enganou e conseguiu levá- II – COMO A BÍBLIA DESCREVE A LEI imerecido. Esse gracioso amor de Cristo
lo a transgredir a lei. O resultado desse ato DOS DEZ MANDAMENTOS? desperta o amor no coração do pecador, e
é: discórdia, infelicidade e ruína eterna. 1. a) Ela é perfeita (Sl 19:7); b) Ela é santa, ele então deseja servir e obedecer a Deus.
b) Antes de estudar esse assunto, vamos justa, boa e espiritual (Rm 7:12, 14); c) a) A graça de Cristo traz perdão e justifica –
compreender claramente o lugar da eter- Ela é justiça (Sl 119:172); d) Ela é verdade (At 13:38, 39).
na lei de Deus. (Sl 119:142); e) Ela é eterna (Sl 119:152). 1) Ela salva do pecado e santifica – (Mt 1:21;
f) E podemos acrescentar uma outra 1Co 1:30).
I – HÁ QUATRO TIPOS DE LEIS NA característica da lei: ela é amor. “Deus 2) Ela inspira a fé – (Ef 2:8-10).
BÍBLIA é amor”, e como Sua lei expressa o Seu 3) Ela concede o poder de Deus – (Rm 1:16).
1. As leis civis da nação judaica – Elas regu- caráter, a lei também é amor (1Jo 5:3).
laram uma variedade de coisas relacio- IV – A RELAÇÃO DE UM PECADOR
nadas com o funcionamento de Israel III – O QUE A LEI FAZ PELO PECADOR? SALVO PELA GRAÇA PARA COM A LEI
como nação. Deus deu essas leis dentro 1. Deus usa a lei para fazer pelo pecador 1. A lei se torna o padrão de sua vida (1Jo 5:3).
das limitações e circunstâncias da épo- exatamente o que precisa ser feito. O 2. Ele permite que Cristo complete nele a
ca. Elas abrangiam problemas de higie- pecador deve reconhecer que ele é um justiça da lei (Rm 8:3, 4).
ne, crimes, procedimentos judiciais, etc. pecador. O que faz a lei então? 3. Cristo escreve a lei em seu coração (Hb
Em seus detalhes, elas não são aplicá- a) Revela o pecado (Rm 3:20). 8:10). Aquele que se entrega a Deus, es-
veis hoje, muito embora estejam reple- b) Traz culpa e condenação (Rm 3:19). tá livre de sua condenação por meio de
tas de princípios sábios e fundamentais. c) Atua como um espelho espiritual (Tg Cristo. Neste sentido, ele não mais está
2. As leis cerimoniais, ou do santuário – 1:23-25). debaixo da lei, mas da graça.
Elas regiam os serviços religiosos de Sem a lei, o pecador é como alguém que
Israel e foram símbolos do Messias que está sofrendo de uma doença mortal, CONCLUSÃO
viria. Foram dadas para os judeus e to- sem saber disso. Paulo disse: “Eu não te- 1. Qual é a relação entre graça, fé, amor e lei?
dos os conversos da fé israelita. Assim ria conhecido o pecado, senão por inter- a) A graça é um favor imerecido. Mas a graça
como as leis civis, foram escritas em um médio da lei” (Rm 7:7). não sanciona a transgressão.
livro por Moisés e colocadas ao lado da 2. A lei não pode perdoar aqueles que trans- b) A fé não anula, mas estabelece a lei.
arca. Também eram de caráter tempo- gridem seus preceitos. Apenas o Legisla- c) A fé comunica poder para vencer.
ral e não se estenderiam além da vida e dor pode fazer isso. Jesus morreu para d) O amor é o cumprimento da lei. O ver-
morte de Cristo, para quem as cerimô- nos resgatar da maldição da lei. dadeiro amor guarda os mandamentos.
nias apontavam (Cl 2:14, 17; Ef 2:15). 3. O pecador tem que ser transformado, e a 2. Caro amigo(a), não existe na Terra posi-
3. A Lei Moral, a lei dos Dez Mandamentos lei não pode transformá-lo. ção mais segura que estar entre os que
– Ela está em Êxodo 20:1-17. Foi procla- a) Ela não pode perdoar ou justificar (Rm amam a Deus e guardam os Seus man-
mada no Monte Sinai, escrita em tábuas 3:20). damentos. É a graça de Deus que torna
de pedra e preservada como a lei univer- b) Ela não pode livrar de pecar ou santificar. tudo isso possível.
sal da humanidade (Dt 10:4). c) Ela não pode purificar, ou manter o co-
a) Os Dez Mandamentos foram, então, colo- ração puro.
cados na arca (Dt 10:5). Anotações:
b) As leis cerimoniais podem ser compara- IV – O QUE A GRAÇA DE CRISTO FAZ
das aos andaimes de uma construção – PELO PECADOR?
são removidos após desempenhar sua 1. Quando a lei e o Espírito de Deus tornam
função. A lei moral é como o alicerce da o pecador consciente de seu pecado, ele
construção irremovível. então sente sua necessidade de Cristo e

16 Revista do Ancião abr-jun 2011


Presentes são a melhor forma
de eternizar bons momentos

Na Semana Santa
vamos receber nossos amigos
com lembranças da CASA
Adquira nas lojas da CASA ou pelo

0800-9790606
Segunda a quinta, das 8h às 20h / Sexta, das
8h às 15h45 / Domingo, das 8h30 às 14h.

www.cpb.com.br
siga-nos @casapublicadora
www.cpb.com.br/facebook
Materiais para a Semana Santa
25% de desconto

De R$ De R$ De R$
De R$
14,90 16,10 25,300 7,80 De R$
14,90
Poor R$
11, 20 Poor R$
12, 100 Poor R$
19, 00 Poor R$
5, 90 Poor R$
11,20

As fotos dos produtos são apenas ilustrativas, não foram respeitadas as reais dimensões.
100 5
pacote com pacote com
De R$ 00
De R$
12,20 De R$
7,50 De R$
3,50 40, De R$
8,000
Poor R$
9,20 Poor R$
5,60 Poor R$
2,60 Poor R$
30,00 Poor R$
6,00 Sara Campos/ Foto Shutterstock

Anuncie em sua igreja e faça seu pedido.


Para participar dessa promoção
seu pedido deve estar acima de R$ 50,00.
Sara Campos/ Foto Shutterstock
ESBOÇO DE SERMÃO

O perigo de porfiar contra Deus


INTRODUÇÃO então a cruz seria um erro. Cristo veio a) Você conhece alguém que porfiou contra
1. Jó 9:4-6. ao mundo porque o homem não pode Deus e teve paz? A palavra “paz” é dota-
2. Qual é o significado da palavra “porfiar”? salvar a si mesmo. Ele disse: “Eu sou o da de certo mistério. Para alcançar a paz,
Significa: contender, disputar obstinada- caminho, e a verdade” (Jo 14:6; ver tam- os homens pesquisam, gastam dinheiro,
mente, teimar. bém Atos 4:12). vão ao psicanalista.
a) Essa é uma questão intrigante do livro de 3. Apontando as faltas dos professos cristãos b) Pode existir paz verdadeira e duradoura
Jó, no capítulo 9. Vocês podem esquecer e não vivendo segundo a fé que profes- se resistirmos a Deus e à salvação que
tudo o que vou falar, mas não esqueçam sam. Há pessoas que vivem constan- Ele oferece?
a primeira frase desse texto. Leiam, su- temente tentando descobrir as faltas 2. Caim teve paz, depois que matou seu ir-
blinhem: “Quem porfiou contra Deus e alheias e assim endurecem o próprio mão? Não. Andou como um pária rumo
teve paz?” coração ao apelo divino. a um bosque, em desespero. O rei Saul
b) A sugestão do texto é surpreendente, a) Pense comigo: Existe em nossas igrejas teve paz? Teve sucesso Balaão? Ananias
alarmante, assombrosa: indica que, se o gente que não pratica o que professa? e Safira tiveram paz? Teve paz Judas, que
homem porfiar contra Deus é para sua Possivelmente sim. Há cristãos maus e durante três anos sentiu o apelo de Cris-
própria ruína. hipócritas? É provável que sim. Mas o to, mas acabou vendendo seu Mestre por
que tem isso que ver? Pensemos sen- 30 moedas de prata?
I. COMO PODEM AS PESSOAS PORFIAR satamente: Você jogaria fora todo seu 3. Você conhece algum indivíduo que por-
CONTRA DEUS? dinheiro porque existem pessoas fa- fiou contra Deus e teve paz?
1. Acariciando algum pecado. O pecado zendo dinheiro falso? Ou jogaria fora a) Um dos homens mais ricos do Oeste dos
é algo monstruoso que se apodera da dinheiro verdadeiro porque anda cir- Estados Unidos, estando à beira da mor-
vida. Quanto mais permitimos que o culando dinheiro falso? Você jogaria a te, chamou o filho, e segurando sua mão
pecado se apodere de nós, mais imobili- fruta boa por achar uma fruta podre na disse:
zados ficamos. caixa que comprou? – Filho, você tem na mão a mão do maior
Ex.: Bebida alcoólica. O dia em que al- b) Pense: Você jogará fora sua salvação, fracassado do Oeste.
guém toma o primeiro gole: a mão tre- porque alguém perto de você não vive – Não pai – disse o filho – seu nome é capaz
me, olha para os lados e bebe. É o primei- a vida cristã como deveria vivê-la? de fazer tremer o mundo dos negócios
ro passo; depois torna-se um alcoólico. c) Deus está chamando nossa atenção com em todo o Oeste.
a) O pecado faz isso. Se você não cuidar, ele estas palavras solenes: “Não podemos – É verdade, filho, mas tenho vivido como
o corromperá e destruirá. nos desculpar nas faltas dos outros para se este mundo fosse tudo e agora estou
b) Ele o cativa de tal forma que você não deixar de responder ao apelo divino.” morrendo sem estar pronto e tudo é es-
mais consegue ouvir a voz de Deus. En- d) Não demore para responder ao convite curo. Sou o maior fracassado porque te-
volvidos num pecado, podemos muitas divino. Dizem que a demora é o ladrão nho vivido só para este mundo.
vezes estar porfiando contra Deus. do tempo. Mas é pior que isso. Acho
2. Pensando que podem se salvar sozinhos. que ela é o ladrão da salvação eterna. CONCLUSÃO
A confiança de que alguém pode se sal- A demora rouba a esperança da vida e 1. Não pode haver paz para o homem que
var por si mesmo endurece o coração de a paz. porfia contra Deus. Não importa seu
muitas pessoas. e) Existem homens e mulheres que reco- poder, sua cultura, sua fama ou seu
a) Muitos confiam no poder próprio, no nhecem que estão mal com Deus. Re- dinheiro.
dinheiro, na posição. Muitos sentem o conhecem que algo está errado em sua 2. Lembrem-se disto: Quando se perde a lu-
apelo dramático de Deus chamando, to- vida. Sentem necessidade de se acerta- ta pela salvação espiritual, perde-se tudo.
cando seu coração, mas confiam demais rem. Expressam o desejo de serem sal- Existem lutas que podem ser recupe-
nas coisas desta vida. vos, mas acrescentam: “Espero que al- radas, mas não a luta da vida que se
b) Pode alguém ser salvo sem a ajuda de gum dia, um dia não muito distante, eu perdeu. Portanto a pergunta é: “Pois
Deus? Se alguém pudesse se salvar sozi- venha tomar minha decisão.” que aproveitará o homem se ganhar o
nho, o Filho de Deus não teria descido mundo inteiro e perder a sua alma?”
do Céu para sofrer a morte humilhante II. QUEM PORFIOU COM DEUS (Mt 16:26).
da cruz. E TEVE PAZ? 3. Portanto, não endureça o seu coração.
c) Se um pecador pudesse se salvar gra- 1. Vou ler novamente o texto inicial: “Quem Deus o está chamando, batendo à porta
ças à sua cultura, educação ou fortuna, porfiou contra Deus e teve paz?” do seu coração.

Revista do Ancião abr-jun 2011 21


ESBOÇO DE SERMÃO

Caminho à saúde e felicidade

INTRODUÇÃO humano traz sofrimento a si mesmo e b) Fique ao ar livre pelo menos uma hora
1. Deus criou o homem com boa saúde. aos seus descendentes, pecando contra por dia, para uma boa caminhada.
Nunca foi Sua intenção que alguém ti- as leis da saúde. “Aquilo que o homem c) Respire profundamente, enchendo os
vesse doença. Duvidar do amor de Deus semear, isso também ceifará” (Gl 6:7). pulmões de ar puro e fresco.
e descrer em Sua palavra foi o que levou a) Deus tem o poder de curar nossas doen- d) Exponha-se moderadamente ao sol.
Eva a rejeitar a autoridade divina. E o re- ças. Lemos em Salmo 103:3: “Ele é quem e) Coma regularmente, não entre as refei-
sultado foi a morte. perdoa todas as tuas iniquidades; quem ções; prefira verduras, frutas, cereais e
2. Ninguém deve pensar que pecado, doen- sara todas as tuas enfermidades.” nozes. Evite sobremesas complicadas.
ça, tristeza, sofrimento e morte são me- 4. Doença, sofrimento e morte – eis o que f) Banhe-se diariamente e tome dois copos
ros resultados da imaginação humana. todos recebemos. Quando violamos a lei de água pela manhã, e um ou dois entre
Eles são muito reais, e devem ser encara- moral e as leis físicas, aumentamos nos- as refeições.
dos realisticamente. sas dificuldades e apressamos a morte. g) Durma de 7 a 9 horas, todas as noites.
3. Só o remédio providenciado por Deus Deus, em Sua misericórdia, traz alívio ao h) Seja moderado. Controle o apetite.
pode curar permanentemente! Vamos nosso sofrimento. 3. Quanto ao que comer e beber, temos
estudar a cura de Deus para o pecado, a) Às vezes, Deus cura de maneira sobrena- orientações claras na Bíblia.
enfermidade e morte. tural. Quando Jesus esteve na Terra, fre- a) No princípio, Deus deu a Adão frutas,
quentemente deixava toda uma aldeia nozes, cereais e verduras para comer (Gn
I. O REMÉDIO PARA O PECADO E A sem uma única pessoa enferma, ou cega, 1:29; 3:18). Essa dieta (a vegetariana) foi
MORTE ou surda, ou muda ou triste. E Ele dispõe a original do homem. O organismo hu-
1. Cristo nos resgatou da maldição (Gl 3:13), do mesmo poder para curar hoje. mano foi construído para esse tipo de ali-
dando-nos graça para andar em novida- b) Os processos de cura da natureza tam- mentação. Antes do dilúvio não foi dada
de de vida (Rm 6:4). Quando Jesus tomou bém são de Deus. Quanto mais aprende- nenhuma permissão para comer carne.
o lugar do pecador, Seu sangue expiou o mos sobre o surpreendente mecanismo O homem vivia até 969 anos (Gn 5:27).
pecado do homem, mas o homem “deve de nosso corpo, mais compreendemos Após o dilúvio, foi permitido a Noé que
nascer de novo” e crescer “à medida da que fomos feitos de maneira maravilho- comesse carne (Gn 9:3-5). Mas ele sabia
estatura da plenitude de Cristo” (Ef 4:13). sa, e que dentro de nós estão as forças de a diferença entre animais limpos e imun-
Essa é a função do Espírito Santo. Deus combinadas para resistir às doen- dos (Gn 7:2; 8:20). No tempo de Moisés
2. Deus também providenciou um meio de ças (Sl 139:13-18). foi dada orientação por escrito (Lv 11).
escape da morte. Tendo Cristo morrido c) Devemos, no entanto, submeter nossa Nunca foi permitido que se comesse a
por nós, não precisamos perecer. Embo- vontade à vontade de Deus (Mt 26:42). Os carne de animais impuros.
ra o evangelho não nos salve da primeira resultados deixamos com Ele, dizendo: b) As bebidas fortes também não devem
morte, Cristo nos salva da segunda morte “Todas as coisas cooperam para o bem ser usadas (Pv 20:1; 23:29-32). O vinho
(Ap 20:6; Ez 33:11). daqueles que amam a Deus” (Rm 8:28). É fermentado e a bebida forte são conde-
3. É seu privilégio escapar da segunda mor- muito lógico e correto também consultar nados na Palavra de Deus. O álcool en-
te. Agora é o momento oportuno para um bom médico, depois de orar a Deus. gana. Ele é um veneno. O café também
você se ajoelhar e orar: “Cria em mim, ó possui um veneno, a cafeína. O fumo,
Deus, um coração puro e renova dentro III. O QUE É ESSENCIAL PARA A BOA além de ser veneno, prejudica o corpo
de mim um espírito inabalável” (Sl 51:10). SAÚDE? e a mente, consome dinheiro e escravi-
1. Primeiramente, devemos considerar que za. Todos esses hábitos nocivos devem
II. O REMÉDIO PARA A ENFERMIDADE nosso corpo é o templo do Espírito Santo ser abandonados pelos seguidores de
1. Deus deseja que gozemos boa saúde. Ele (1Co 6:19, 20). Cristo (2Co 7:1).
não causa a doença nem a morte, e não a) Portanto, devemos nos abster de toda
deve ser culpado por nenhuma delas (ve- intemperança. Se temos falhado no pas- CONCLUSÃO
ja 3Jo 2; Lm 3:33). sado, Deus nos perdoará e nos ajudará a 1. Deus nos dará a força necessária para
2. Ele transforma em bem as nossas afli- obter a vitória. adquirir hábitos saudáveis, para que
ções, se o permitimos (ver Hb 12:11). 2. Para ter saúde, siga estas simples regras: em toda a vida possamos honrá-Lo.
3. Devemos sempre lembrar: Satanás fre- a) Confie em Deus e mantenha o coração “Tudo posso nAquele que me fortalece”
quentemente aflige as pessoas. O ser alegre. (Fl 4:13).

22 Revista do Ancião abr-jun 2011


IGREJA EM AÇÃO

Minha experiência
Hugo Valda
Secretário da
Divulgação

com pequenos grupos


União Boliviana
Um programa para a formação de discípulos

S
empre tenho pensado que, e administrador. Como líder do ensinado, e a pergunta que eu sem-
como militante do movimento Ministério Pessoal trabalhei em dois pre me fazia era que se estivesse no
adventista, devo dar graças a campos e na União. Tenho lido mui- distrito eu poderia fazer tudo o que
Deus pela missão de nossa igreja. É tos livros sobre pequenos grupos, ensinava e orientava. Porque acredito
singular a mensagem que pregamos; crescimento de igreja, preparei semi- que há uma grande diferença entre o
ela dignifica nossa vocação de cris- nários para pastores e leigos sobre pe- PowerPoint e a prática.
tãos, juntamente com nossa família. quenos grupos, como formá-los e co- O ministério é grandioso por-
Estive quase dez anos fora do mo conseguir que trabalhem. Muitas que nos permite trabalhar em di-
distrito pastoral desempenhando vezes, quando eu chegava ao hotel ou ferentes lugares, conhecer muitas
funções de líder de departamento em casa, pensava no que havia dito e pessoas e adquirir experiência no
Ilustração: JoCard
Imagem: Shutterstock

Revista do Ancião abr-jun 2011 23


trabalho ministerial. No ano de vez li ou escutei: “O homem que não a liderança? Que dirão meus com-
2006, o Senhor me permitiu voltar fala com Deus não será ouvido por panheiros se eu não alcançar isso
ao distrito. A pergunta então era: De nenhuma pessoa.” “A vereda dos ou aquilo? (O típico de uma pessoa
que modo posso mobilizar a igreja? homens que estão colocados como que depende da opinião dos outros.)
Com tanta experiência, sabedoria, li- líderes não é fácil. Mas eles precisam Nós, seres humanos, vivemos preo-
vros e seminários, a única coisa que ver em cada dificuldade um chama- cupados com a opinião dos outros,
eu sabia e podia fazer era dirigir a do à oração. Jamais devem deixar de trabalhamos duro para agradar os
comissão. Em algum momento, pen- consultar a grande Fonte de toda a homens. Para muitos, a opinião do
sei em buscar apoio de um colega, sabedoria. Fortalecidos e iluminados homem é mais importante do que
mas como pedir conselho e apoio pelo Obreiro-Mestre, serão capacita- a opinião de Deus. Desde muito
se havia pouco tempo eu ensinava dos a permanecer firmes contra pe- jovem, aprendi que minha maior
e motivava pastores e leigos? Esse caminosas influências, e a discernir preocupação deve ser o que Deus
era o momento de deixar de lado entre o certo e o errado, o bem e o pensa de mim.
os livros e toda a experiência e vol- mal. Aprovarão o que Deus aprova, “Necessitam-se de homens que
tar para a Bíblia. “Assim como Tu e se empenharão com todo o fervor sintam falta de sabedoria do alto,
Me enviaste ao mundo, também Eu contra a introdução de princípios er- homens convertidos de coração, que
os enviei ao mundo. E a favor deles rôneos em Sua causa” (Ellen G. White, entendam que não são simples mor-
Eu Me santifico a Mim mesmo, para Profetas e Reis, p. 31). tais, que aprendam suas lições na
que eles também sejam santificados O Senhor passou a me mostrar as escola de Cristo antes de estar pre-
na verdade. Não rogo somente por pessoas-chaves na igreja, o trabalho parados para moldar outras mentes.
estes, mas também por aqueles que continuou com mais força e os pe- Quando os homens aprenderem a
vierem a crer em Mim, por intermé- quenos grupos foram se organizando depender de Deus, quando tiverem
dio da sua palavra” ( Jo 17:18-20). e sendo capacitados. No princípio, a fé que opera pelo amor e purifica-
Minha oração foi: “Pai, agora havia certo nervosismo porque os re- rem seu interior, então não deixarão
venho a Ti tal como sou: necessita- sultados não eram imediatos como no ombro de outros homens cargas
do e dependente. Permite que Tua eu estava acostumado na função de pesadas de suportar” (Ellen G. White,
luz brilhe em minha mente e põe líder. Nessas horas surgiam muitas Carta 83, 1896).
Teu Espírito em cada líder. Toca-me interrogações: Alcançarei os alvos Pouco a pouco os grupos fo-
e mostra-me o caminho.” Alguma de batismo? Que pensará de mim ram se organizando, trabalhando e

Imagem: Shutterstock
Ilustração: Alexandre Rocha

24 Revista do Ancião abr-jun 2011


trazendo frutos. Planejamos os batis- os frutos de um ministério feliz. Isso é sobre Ele, buscavam-nO de coração e
mos mensais, e cada batismo que se o que estamos aplicando no território eram transformados por Seu poder.
realizava era motivo para confraterni- de nossa União. A igreja era uma empresa, mas uma
zação e festa. A União Boliviana é riquíssima empresa de salvação.
Houve dificuldades? Sim. A pri- em elemento humano capaz, em 2. Trabalhavam com intensidade,
meira e maior foi com os líderes. talentos que se desenvolvem. Em total dedicação, e, mesmo sendo amea-
Como conseguir que assistissem à cada igreja e congregação de nosso çados, avançavam com coragem.
reunião semanal? O homem não po- território, o Senhor tem pessoas dis- 3. Estavam convencidos do poder
de mudar o homem. Tentei muitos postas a trabalhar em sua própria de Cristo e de Seu evangelho. Apesar de
métodos e não funcionaram. Um comunidade, há pastores que creem Ananias, Safira, Alexandre ou Demas,
dia decidi entregar esses homens na direção de Deus e em um minis- a comunidade cristã vibrava com a
e mulheres nas mãos do Senhor. tério frutífero que coloca como base mensagem que pregava. Como resul-
Cada manhã, eu os colocava no altar os pequenos grupos. tado de tudo isso, “o Senhor acrescen-
do Senhor, intercedia por eles, no- Os discípulos, homens sem gran- tava cada dia à igreja os que haviam
me por nome. Preocupava-me com des talentos, pessoas limitadas e de ser salvos”.
eles, com assuntos pessoais, datas humildes, enfrentaram um territó- O que tenho vivido e experimen-
de aniversário, dia das mães, e os rio dominado pelo judaísmo e pelo tado como pastor, poderia resumir da
fazia saber que estava orando por poder romano, que eram poderosos seguinte maneira:
eles; a resposta foi surpreendente. a. Colocar-me nas mãos do Senhor
A partir daí, tudo mudou para me- e diariamente entregar a Ele Seus
lhor. “Faz parte do plano de Deus líderes.
conceder-nos, em resposta à oração
“O resultado do trabalho b. Interessar-me por eles, em su-
da fé, aquilo que Ele não outorgaria as alegrias e aflições, e fazê-los saber
se o não pedíssemos assim” (Ellen G.
com pequenos grupos é o que eu oro por eles.
White, O Grande Conflito, p. 525) c. O êxito requer trabalho duro.
Resultados: Uma igreja que
crescimento da igreja.” Para chegar à meta proposta, é ne-
cresce em seu relacionamento com cessário trabalho e esforço. Isso deve
Deus e entre irmãos; uma igreja ser constante. Que seus líderes encon-
preocupada em cumprir a missão inimigos da mensagem da cruz. O trem apoio em você, tenham reuni-
indicada pelo Senhor,com batis- mundo grego, com sua cultura orgu- ões semanais, e seja você o primeiro
mos mensais, líderes contentes e lhosa, sofisticada e autossuficiente, a visitá-los. O poder divino e o esforço
realizados e, consequentemente, também foi um empecilho. humano caminham juntos.
um pastor livre de estresse. O re- Sem dúvida, no começo do segun- Suplico ao Senhor que nos trans-
sultado do trabalho com pequenos do século, os humildes pescadores e forme para a vida eterna e que nos
grupos é o crescimento da igreja, é seus conversos transformados em use para concluir nEle a maravilhosa
o Pentecostes moderno: uma igreja missionários já haviam feito estre- missão salvadora oferecida às criatu-
que persevera no estudo da Bíblia, mecer o judaísmo, o poder romano ras de todo o mundo.
no companheirismo, preocupada e a cultura helênica, conseguindo, Preguntas para reflexão:
com as necessidades do próximo e apesar das perseguições, transfor- 1. Como líder, você já teve a experi-
perseverante na oração. mar a congregação de 120 discípulos ência de viver em pequenos grupos?
Agradeço a Deus o fato de que atemorizados em milhões em todo o 2. Quais são os resultados de viver
agora posso falar com meus colegas império. Há alguns segredos que ex- em pequenos grupos?
com segurança e ainda dizer-lhes que plicam esse milagre: 3. Qual é o segredo para alguém ser
os pequenos grupos dão bons resulta- 1. A igreja crescia no poder do transformado em um missionário com-
dos, pois, vivi na própria carne e colhi Espírito Santo, falavam dEle, pregavam prometido com Deus e Sua igreja?
Revista do Ancião abr-jun 2011 25
MINISTÉRIO JOVEM

Liderar a igreja
Areli Barbosa
Diretor do Ministério
neste mundo torto
Jovem da Divisão
Sul-Americana Temos o compromisso de ser a luz
para os perdidos

A
Torre de Pisa, na Itália, é famo-
sa por sua inclinação, devido
a um afundamento do terre-
no em que foi construída. Do alto de
seus 56 m, a torre “torta” chega a uma
inclinação de cinco graus, que cresce
cerca de 20 mm por ano. Seria possí-
vel morar na Torre de Pisa? Como você
vai montar um quarto ou uma sala?
Não dá. O problema está na base. Se
você aluga ou compra uma casa, pode
reformá-la de acordo com seu gosto:
trocar o piso, mudar a cor e até mesmo
a disposição dos cômodos. Mas não é
possível modificar os fundamentos da
casa, a menos que você a derrube.
Infelizmente, existe muita gente
como a Torre de Pisa – gente torta,
que não está em cima de uma base
sólida. Um pensamento comum para
essas pessoas é de que nada é imutá-
vel e que não existe verdade absoluta.
Mas não podemos esquecer que os
fundamentos são feitos para dar sus-
tentação à obra e mantê-la em pé.
Esse é o princípio da Lei de Deus,
também conhecida como os Dez Man-
damentos. Ela reflete parte do caráter
Imagem: Shutterstock

de Deus, é o retrato de Sua maneira


de pensar. Como um molde que fixa
26 Revista do Ancião abr-jun 2011
um padrão, a Lei precisa sempre ser tal que despertam oposição. As fiéis da, Elias, o tesbita, não obstante se en-
colocada diante das pessoas como al- testemunhas de Cristo e da verdade tregou à sua missão, confiante no pro-
go que não muda e uma base sobre a reprovarão o pecado. Suas palavras pósito divino de preparar diante dele o
qual a vida deve ser construída. serão como um martelo a quebrar o caminho e dar-lhe abundante sucesso.
Neste mundo desalinhado pelo pe- coração empedernido, como um fogo A palavra de fé e poder estava em seus
cado, a ação de Satanás sempre trouxe a consumir matéria inútil. Há necessi- lábios, e toda a sua vida foi devotada à
transformações aos conceitos e princí- dade constante de fervorosas e decidi- obra da reforma. Sua voz era a de quem
pios deixados por Deus. Mesmo depois das mensagens de advertência. Deus clama no deserto para repreender o pe-
do pecado, esses princípios eternos vi- deseja ter homens fiéis ao dever. Na cado e fazer refluir a maré do mal” (O
sam trazer equilíbrio, ordem e propó- ocasião apropriada Ele envia Seus fiéis Cuidado de Deus [MD 1995], p. 212). Em
sito a pessoas, instituições e governos. mensageiros para fazerem uma obra 1 Reis 19:10 e 14, a Bíblia diz que ele
Quando um deles, até mesmo o me- semelhante à de Elias” (Testemunhos era “zeloso pelo Senhor.”
nor, é alterado, acontece um desequi- Para a Igreja, v. 5, p. 253, 254). O segundo Elias é João Batista.
líbrio da ordem natural das coisas, de- O próprio Jesus esclarece essa situa-
sencadeando um processo destrutivo. ELIAS, MARCA DE PROFUNDA ção ao dizer: “ele mesmo é Elias” (Mt
A Bíblia diz que pessoas que edifi- REFORMA 11:14). Esse personagem não é um
cam sobre a rocha são bem-sucedidas. Nestes dias desafiadores, não exis- retorno da mesma pessoa que esteve
Todo aquele que coloca na vida a prá- te um caminho melhor para liderar no monte Carmelo, mas teria o mes-
tica dos Mandamentos de Deus como jovens do que os traçados por Deus mo “poder de Elias” (Lc 1:17). “João
princípio imutável, é como o homem para Elias. Ele se tornou um restaura- veio no espírito e poder de Elias, pa-
que edificou sobre a rocha. Assim como dor e reformador. Em Malaquias 4:1-6 ra fazer uma obra idêntica à daquele
uma construção precisa ter fundamen- está a mensagem de que Deus envia- profeta. Houvessem-no recebido os
to sólido, os jovens precisam conhecer ria “Elias”. O aparecimento de Elias judeus, e ela teria sido realizada em
os princípios que não podem ser altera- simbolizava restauração e reconsa- favor deles. Mas não lhe receberam
dos. Sempre que alguém faz isso, esta- gração. Esse personagem marca uma a mensagem. Para eles João não foi
belece um compromisso com a verda- profunda reforma em Israel. Com suas Elias. Não podia realizar em seu be-
de, e isso o ajuda a crer cada vez mais. atitudes, Elias se transformou em uma nefício a missão que viera cumprir”
Há uma grande necessidade de ter referência no sentido de restauração e (Ellen G. White, O Desejado de Todas
fundamentos sólidos no mundo de reconsagração. as Nações, p.135).
hoje. Ellen G. White disse: “A maior Antes que viesse o dia final, Deus E o último que viria no poder de
necessidade do mundo é a de homens enviaria “Elias” para transformar a Elias seria a Igreja Adventista do Séti-
[...] que permaneçam firmes pelo que situação, convertendo os pais e os fi- mo Dia. O profeta Malaquias declara:
é reto, ainda que caiam os céus” (Edu- lhos. Quando falamos de Elias, vemos “Eis que Eu vos enviarei o profeta Elias,
cação, p. 56, 57). que em mais dois momentos ele apa- antes que venha o grande e terrível
No passado, todas as vezes que receria na História. dia do Senhor; ele converterá o cora-
Israel andava de maneira torta, Deus O primeiro, é claro, é o Elias do Car- ção dos pais aos filhos, e o coração dos
levantava alguém que levava o po- melo. Ellen G. White diz deste homem filhos a seus pais” (Ml 4:5, 6). Aqui o
vo ao arrependimento e retorno aos o seguinte: “Entre as montanhas de Gi- profeta descreve o caráter da obra. “Os
bons caminhos. A história de Israel foi leade, ao oriente do Jordão, nos dias de que devem preparar o caminho para a
marcada por altos e baixos, mas Deus Acabe habitava um homem de fé e ora- segunda vinda de Cristo são represen-
sempre conduziu Seu povo através da ção cujo destemeroso ministério estava tados pelo fiel Elias, assim como João
palavra profética. destinado a deter a rápida dissemina- veio no espírito de Elias para preparar
“É o mundanismo e o egoísmo ção da apostasia em Israel. Distanciado o caminho para o primeiro advento de
que nos separam de Deus. As mensa- de qualquer cidade de renome, e não Cristo” (Ellen G. White, Conselhos sobre
gens vindas do Céu são de natureza ocupando nenhuma alta posição na vi- Regime Alimentar, p. 71).
Revista do Ancião abr-jun 2011 27
SER COMO ELIAS: A MARCA DA Elias é perseguido por Jezabel. Por cumprir o propósito divino na puni-
IGREJA causa dos profetas de Baal (1Rs 18: ção do reino idólatra. Havia uma rígi-
A obra de Elias, o primeiro refor- 12, 13). da obra a ser feita, para que a todos
mador, foi um marco a uma crescente João Batista é perseguido por He- fosse dada a oportunidade de tomar
apostasia em Israel. A maneira pela rodias, por causa de seu adultério (Mt posição ao lado da verdade de Deus.
qual Elias enfrentou a crise se transfor- 14:3-12). Elias mesmo devia retornar a Israel, e
mou num procedimento a ser adotado A Igreja é perseguida pela grande partilhar com outros o fardo de levar
em meio a qualquer apostasia. Ao es- meretriz, a mãe de todas as abomina- a efeito uma reforma” (Ellen G. White,
tudar a Palavra de Deus, notamos que ções, porque guarda os mandamentos Profetas e Reis, p. 169).
as demais aparições de “Elias” seriam (Ap 17:4-6). Quando João Batista começou seu
marcadas com mudanças, reformas, Quando Elias orou por chuva, na ministério, ele se preocupou em colo-
reconsagração e arrependimento. sétima vez surgiu uma nuvem “como car em prática esse princípio, ao pre-
Quando olhamos para essas três a palma da mão de um homem” (1Rs parar seus discípulos. Posteriormente,
reformas descobrimos várias coinci- 18:44). Naquela época a nuvem trou- eles se tornaram discípulos de Jesus
dências. Todos esses “Elias” são perse- xe água para a terra que sofria com e precursores do cristianismo. Esses
guidos por mulheres que simbolizam três anos e meio de seca. No futuro, apóstolos serviram de colunas em que
a apostasia. esse mesmo tipo de nuvem, trará o a jovem igreja pôde ter apoio, orienta-
Rei dos reis para salvar a Terra da se- ção e liderança.
quidão do pecado. Ao olhar para a igreja de hoje, não
“Surge logo no Oriente uma pe- podemos nos esquecer de preparar
quena nuvem negra, aproximada- jovens que saibam quais são os cami-
mente da metade do tamanho da nhos em que devem andar. As pres-
mão de um homem. É a nuvem que sões que a igreja recebe do mundo são
rodeia o Salvador, e que, a distância, grandes, mas a igreja deve se demons-
parece estar envolta em trevas. O po- trar inflexível e seguir os princípios.
vo de Deus sabe ser esse o sinal do O mundo está em trevas e os sinais
Filho do homem” (Ellen G. White, O demonstram que as coisas vão de mal a
Grande Conflito, p. 640). pior, mas há uma esperança para essa
Na reforma, Elias disse: “Chegai-vos situação: a igreja cumprindo sua missão
a mim” (1Rs 18:30). João Batista disse: de fazer discípulos e iluminar o mundo
“Eis o Cordeiro de Deus” (Jo 1:36, 37). com a mensagem de esperança.
A igreja deve pregar de Jesus porque Nosso mundo está esfacelado pelo
Ele disse: “Vinde a Mim os cansados e mal. Temos o compromisso de ser a
sobrecarregados” (Mt 11:28). luz para os perdidos. Não podemos va-
A reforma de Elias aconteceu sob cilar nem fraquejar em nossas crenças
muita pressão da parte dos líderes distintas, porque o mundo precisa de
que estavam no governo. Antes des- nosso testemunho dado com palavras
sa reforma Deus proporcionou o am- e atos, pois a verdade deve ser revela-
biente adequado para que houvesse da em toda sua força e poder. Então se
Imagem: Shutterstock

um despertamento, e o povo pudesse cumprirá a pregação do evangelho a


decidir e aproximar-se do caminho todo o mundo e Jesus voltará.
verdadeiro. “O Senhor disse a Elias Hoje, Deus nos dá o trabalho de “re-
que os praticantes do mal em Israel parar as brechas” abertas neste mundo
não ficariam impunes. Homens se- sem princípios e “restaurar os cami-
riam especialmente escolhidos para nhos” para o Salvador (Is 58:12).
28 Revista do Ancião abr-jun 2011
PERGUNTAS & RESPOSTAS

Qual a diferença entre


perfeição e perfeccionismo?

Há muitas discussões em torno dos conceitos de “perfeição” minosa que os demais pecadores, como poderia Ele ser o Salvador
e “perfeccionismo”. A própria tese doutoral de Hans K. LaRon- da humanidade, sem necessitar de um salvador para Si mesmo?
delle, intitulada Perfection and Perfectionism: A Dogmatic-Ethi- Uma terceira diferença é quanto à vitória sobre o pecado.
cal Study of Biblical Perfection and Phenomenal Perfectionism, Os que advogam o conceito bíblico de perfeição reconhecem
defendida na Universidade Livre de Amsterdam, Holanda, con- que o pecado é ofensivo a Deus, e afasta de Deus o ser huma-
sidera em profundidade o assunto. Mesmo em poucas pala- no. Eles buscam plena vitória sobre o pecado, reconhecendo
vras, podemos destacar algumas semelhanças e diferenças en- que continuarão com a natureza humana pecaminosa até o
tre perfeição e perfeccionismo. Em termos de semelhanças, os dia em que “este corpo corruptível se revestir da incorrupti-
defensores de ambos os conceitos assumem que a vida cristã bilidade, e o que é mortal se revestir da imortalidade” (1Co
é plena de vitória em Cristo, envolvendo um constante afasta- 15:54). Nas palavras de Ellen G. White, “enquanto reinar Sa-
mento do pecado e uma contínua aproximação de Cristo. tanás, teremos de subjugar o próprio eu e vencer os pecados
Já uma das diferenças básicas diz respeito à doutrina do que nos assaltam; enquanto durar a vida não haverá ocasião
pecado. Os que aceitam o conceito bíblico de perfeição re- de repouso, nenhum ponto a que possamos atingir e dizer:
conhecem que biblicamente os atos pecaminosos são ma- ‘Alcancei tudo completamente.’ A santificação é o resultado
nifestações da natureza pecaminosa em que se encontra o de uma obediência que dura a vida toda” (Atos dos Apósto-
pecador. Em Marcos 7:21-23, lemos: “Porque de dentro, do los, p. 560, 561). Por sua vez, os perfeccionistas advogam, já
coração dos homens, é que procedem os maus desígnios, a nesta vida, um nível de perfeição plena no qual, como disse
prostituição, os furtos, os homicídios, os adultérios, a avareza, alguém, não precisamos mais orar “perdoa-nos as nossas dí-
as malícias, o dolo, a lascívia, a inveja, a blasfêmia, a soberba, vidas” (Mt 6:12), pois supostamente não teremos mais peca-
a loucura. Ora, todos estes males vêm de dentro e contami- dos a ser perdoados.
nam o homem.” Portanto, no dizer de Lutero, “as más obras Um dos relatos mais elucidativos da diferença entre a
nunca tornam o homem mau, mas o homem mau executa perfeição e o perfeccionismo é a parábola do fariseu e do
más obras” (Da Liberdade Cristã, p. 23). Em contraste, o per- publicano (ver Lc 18:9-14). Enquanto o fariseu seguia orgu-
feccionismo tende a definir pecado mais pela perspectiva de lhosamente pelo caminho do perfeccionismo, o publicano
atos pecaminosos que devem ser vencidos para que a pessoa avançava na senda da perfeição, considerando-se pecador e
possa ser considerada justa. indigno. Em realidade, aqueles que estão no caminho da per-
Outra importante diferença a ser mencionada é a compreen- feição em Cristo, ainda não sendo perfeitos, já são considera-
são da natureza humana de Cristo durante a encarnação. Os que dos perfeitos em Cristo, que é perfeito (ver Fp 2:12-15); mas
seguem o conceito bíblico de perfeição creem normalmente que jamais se considerarão como tal (cf. 1Tm 1:15). Além disso,
Cristo assumiu a natureza humana enfraquecida, física e morfolo- enquanto os perfeccionistas são mais críticos dos outros do
gicamente, por milhares de anos de pecado, mas que nos aspectos que de si mesmos, os que estão sendo santificados são mais
espiritual e moral Ele não tinha tendência ao pecado. De acordo rigorosos consigo mesmos do que com os demais.
com Ellen G. White, “nem por um momento houve nEle qualquer
Caro ancião:
propensão ao mal” (SDA Bible Commentary, v. 5, p. 1128). Por sua
O Dr. Alberto Timm, reitor do Salt e coordenador do Espírito
vez, os perfeccionistas acreditam que Cristo veio ao mundo com a de Profecia na Divisão Sul-americana, é quem responde. Escreva
mesma natureza e as mesmas tendências ao pecado dos demais para Perguntas e Respostas – Caixa Postal 2600; CEP 70270-970,
Brasília, DF ou revistadoanciao@dsa.org.br. A proposta deste es-
seres humanos, e que nós podemos vencer o pecado assim como paço é esclarecer dúvidas sobre assuntos ligados à doutrinas da
Ele venceu. No entanto, se Cristo veio na mesma condição peca- igreja. Dentro do possível a resposta será publicada nesta seção.
Revista do Ancião abr-jun 2011 29
CONSULTORIA

Alterações no Manual da Igreja


Eu gostaria de saber por que o Manual da Igreja sofre al- 3. Pessoas com histórico de abusos praticados contra crianças
terações a cada cinco anos. Isso significa que há erros que A nova edição do Manual apresenta enfáticas recomenda-
precisam ser corrigidos? ções de cuidados que a igreja deve ter em relação a esse as-
Bem, é verdade que em cada sessão da Assembleia Geral da sunto tão delicado. Uma orientação importante é que, quando
Igreja, que ocorre a cada cinco anos, há uma revisão do Manual um membro da igreja com histórico de abusos contra crianças
da Igreja. A revisão, no entanto, não trata de correções teológicas solicita transferência para outra igreja, essa informação sobre
ou doutrinárias. Considerando que amparamos nosso corpo dou- ele deve ser passada confidencialmente ao pastor ou primeiro
trinário nas Escrituras Sagradas, não pode haver mudanças nesses ancião da igreja para onde está sendo transferido.
aspectos, uma vez que a Bíblia é imutável. Na lista de razões para disciplina dos membros, o item qua-
As mudanças quase sempre dizem respeito à aplicação de tro foi subdividido em duas partes para dar ênfase ao abuso
algumas orientações do Manual ou à melhor compreensão da contra menores.
igreja em relação a algum assunto antes não muito claro. Isso 4. Ordenação de diaconisas
revela a seriedade com que a Igreja lida com os princípios, as Este é, sem dúvida, um dos pontos mais inovadores da nova
normas e as orientações que ajudam a manter a unidade de edição do Manual da Igreja. Por voto da Assembleia Geral em
pensamento e ação em todo o mundo. 2010, a ordenação de mulheres ao diaconato passa a ser uma
Na edição de 2005, por exemplo, a lista das crenças funda- prática aceita e recomendada para todas as nossas igrejas locais.
mentais da Igreja aumentou de 27 para 28 itens. Isso não signi- 5. Disposição do texto
fica que a Igreja descobriu ou desenvolveu uma nova doutrina, A fim de ter um texto mais conciso, houve uma reorganiza-
e sim que as condições da igreja em algumas partes do mundo ção de capítulos, parágrafos, frases, citações e a eliminação de
exigiram uma sistematização mais clara de algo que a igreja textos repetidos. Houve ainda o acréscimo de textos bíblicos e
já tinha como um ponto bíblico claro, que é a autoridade de citações, e inclusão de referências aos recursos departamentais
Cristo sobre os poderes das trevas. Esse texto entrou no corpo de disponíveis na internet.
crenças adventistas como a crença fundamental número onze, Alguns exemplos de mudanças na sequência dos capítulos:
intitulada “Crescimento em Cristo”. Crenças Fundamentais – Deixa de ser o capítulo 3 e passa a
Apresento a seguir algumas das mudanças e ênfases da edi- ser o capítulo 14.
ção de 2010: União e Dissolução de Igrejas – Deixa de ser o capítulo 16 e
passa a ser o capítulo 5.
MUDANÇAS NO MANUAL DA IGREJA – EDIÇÃO 2010 Disciplina Eclesiástica – Deixa de ser o capítulo 14 e passa a
1. Número de capítulos ser o capítulo 7.
Diminuiu de dezesseis para catorze. Foram agrupados al- Eleição da Igreja – Deixa de ser o capítulo 11 e passa a ser o
guns tópicos interrelacionados que eram tratados em diferentes capítulo 9.
capítulos nas edições anteriores. Isso possibilitou a diminuição Minha recomendação final é que os anciãos da igreja, assim
de dois capítulos do número total. como os pastores, devem possuir e conhecer bem o Manual da
2. Notificação para o término do período da disciplina Igreja. Isso é uma garantia de unidade e equilíbrio nas decisões
eclesiástica e na condução do rebanho.
Nas edições anteriores do Manual, a disciplina eclesiástica
Caro ancião:
aplicada sobre um membro da igreja expirava com o término
O pastor Ranieri Sales, professor de Teologia Aplicada do
do período votado pela igreja, e não havia nenhuma recomen- SALT-UNASP, é quem responde. Escreva para Consultoria – Caixa
dação no sentido de comunicar formalmente ao membro o fim Postal 2600: CEP 70270-970, Brasília, DF ou revistadoanciao@
dsa.org.br. A proposta deste espaço é esclarecer dúvidas sobre
do período de censura. Agora, segundo a nova edição do Manu- assuntos ligados à administração de igreja. Dentro do possível,
al, a notificação se faz necessária. a resposta será publicada nesta seção.

Revista do Ancião abr-jun 2011 31


REAVIVAMENTO

Preguemos
Felippe Amorim
Professor de História e
a Palavra
estudante de Teologia no
Instituto Adventista de
Ensino do Nordeste, Bahia

E
m 2 Timóteo 3:1-5, o apóstolo des- motivos são esclareci-
creve como estará o mundo pouco dos: “obedecem ensi-
antes da vinda de Cristo. Ele in- nos de demônios”, ou
forma que seriam “tempos difíceis”, nos seja, seguem preceitos

Imagem: Daniel de Oliveira


quais os homens seriam “egoístas, ava- religiosos contrários à
rentos, desobedientes aos pais, cruéis, Bíblia. Outro motivo
[...] mais amigos dos prazeres do que de apresentado no texto
Deus”. Apenas palavras inspiradas pode- é a “hipocrisia” – pes-
riam ser tão exatas na descrição do mun- soas que levam vida dupla: são uma coi- ele apresenta a saída. A frase chave é:
do em que vivemos. sa na igreja e outra lá fora. Os apóstatas “Prega a Palavra.” Enquanto não colocar-
Após nos dar uma visão mais abran- do fim dos tempos também têm a “cons- mos em nossos púlpitos e em nossa vida
gente, Paulo concentra seu olhar na ciência cauterizada” (para eles nada mais a mensagem da Bíblia como ela é, não
igreja e destaca dois grupos que existi- é pecado). O Espírito Santo tem dificulda- conseguiremos escapar do triste fim que
riam nos últimos dias. de para Se comunicar com essas pessoas. está reservado para o mundo.
O primeiro grupo está descrito em Jon Paulien, em seu livro Deus no Precisamos estudar mais a Bíblia,
2 Timóteo 4:3 e 4. Ele estaria dentro da Mundo Real, publicado pela Casa Publica- os pregadores precisam pregar mais a
igreja, mas sem compromisso nenhum dora Brasileira, apresenta alguns passos Bíblia e menos fábulas e histórias que
com a Palavra de Deus. Uma das carac- que são dados no processo da apostasia: comovem, mas não alimentam. Somen-
terísticas desse grupo é que “não supor- (1) Deixar a oração particular, orar apenas te a Palavra de Deus pode nos livrar da
tariam a sã doutrina”. A pregação doutri- em público (na igreja, por exemplo). (2) falta de fé e da apostasia. Paulo orienta
nária confronta o pecado sem rodeios e Deixar de estudar a Bíblia e o Espírito de como deve ser a pregação: Com longani-
isso agride os que amam o pecado. Para Profecia. (3) Desprezar as normas do esti- midade (paciência), devemos apresentar
fugir desses sermões, os integrantes des- lo de vida cristã. (4) Frequentar irregular- a doutrina. A doutrina deve ser pregada
se grupo procurariam mestres que lhes mente os cultos. (5) Duvidar da Bíblia e da com amor, paciência, mas sem omitir
apresentassem mensagens que fizessem vida futura, isto é, começar a se ater aos nenhuma parte dela.
“coceiras nos ouvidos”. Essa expressão do “textos difíceis” e, aos poucos, desacredi- “Recebidas, as verdades bíblicas ele-
apóstolo nos leva a pensar em pessoas tar na Palavra de Deus. (6) Desconfiar das varão a mente e coração. Se a Palavra de
que querem ouvir mensagens “agradá- instituições religiosas, o que poderá re- Deus fosse apreciada como deveria ser,
veis”, bonitas, engraçadas; mas, em ge- dundar em rebelião contra a igreja. Num tanto os jovens como os idosos possui-
ral, vazias. processo lento e, às vezes, imperceptível, riam uma retidão interior, uma firmeza
O segundo grupo está descrito em a pessoa se afasta da igreja. de princípios que os habilitariam a resis-
1 Timóteo 4:1 e 2. Enquanto o primeiro O quadro descrito acima é lamentá- tir à tentação” (Ellen G. White, A Ciência
permanece dentro da igreja, esse outro vel; mas, graças a Deus, Paulo não nos do Bom Viver, p. 459). Irmãos, pregue-
está sofrendo o processo da apostasia. Os deixa sem solução. Em 1 Timóteo 4:1 e 2, mos a Palavra!
32 Revista do Ancião abr-jun 2011
LIDERANÇA

Jesus, modelo
Ilustração: Thiago Lobo

Ellen G. White
de líder servo

J
esus veio ao mundo em humilda- ções. Aquele que lia os corações es- terreno como eles, mas a fim de que,
de. Foi de nascimento modesto. A colheu humildes pecadores dispostos por preceito e exemplo, lhes apresen-
Majestade do Céu, o Rei da glória, o a aprender. Comeu com publicanos e tasse retos princípios, e os elevasse de
líder das hostes angélicas, Se humilhou pescadores, e misturou-Se com o povo seu mundanismo e aviltamento.
para aceitar a humanidade, preferindo comum, não para Se tornar vulgar e Jesus tentou corrigir a falsa nor-
assim uma vida de pobreza e humilha- ma do mundo no julgar o valor dos
ção. Não teve oportunidades que não homens. Colocou-Se ao lado dos po-
sejam dadas aos pobres. Labuta, aspe- “A vida é demasiadamente bres, para tirar da pobreza o estigma
rezas e privações constituíam parte da que o mundo lhe imprimira. Dela ar-
Sua experiência diária. “As raposas têm valiosa, demasiadamente rancou para sempre a ignomínia do
covis”, disse Ele, “e as aves do céu, ni- desprezo, abençoando os pobres, os
nhos; mas o Filho do Homem não tem cheia de solenes e sagradas herdeiros do reino de Deus. Ele nos
onde reclinar a cabeça” (Lc 9:58). indica a vereda que trilhou, dizendo:
Jesus não buscava a admiração responsabilidades para ser “Se alguém quer vir após Mim, ne-
nem o aplauso das pessoas. Não co- gue-se a si mesmo, e tome cada dia a
mandava um exército. Não governava desperdiçada em agradar- sua cruz, e siga-Me” (Lc 9:23).
algum reino terrestre. Não cortejava Os obreiros cristãos devem apro-
o favor dos ricos e honrados deste se a si mesmo.” ximar-se do povo na posição em que
mundo. Não pretendia uma posição este se encontra, e educá-lo, não no
entre os dirigentes da nação. Habitou orgulho, mas na edificação do cará-
entre os humildes. Reduziu a nada as ter. Ensinem-lhes como Cristo traba-
artificiais distinções da sociedade. A lhava e Se negava a Si mesmo. Aju-
aristocracia do nascimento, da fortu- dem-nos a aprender dEle as lições de
na, do talento, do saber e da classe abnegação e sacrifício. Sejam eles en-
não existiam para Ele. sinados a estar alerta quanto à con-
Ele era o Príncipe do Céu, todavia descendência com o próprio eu em
não escolheu Seus discípulos dentre se conformar com a moda. A vida é
os instruídos doutores da lei, dos prín- demasiadamente valiosa, demasiado
cipes, dos escribas ou dos fariseus. cheia de solenes e sagradas respon-
Passou-os por alto, porque se orgu- sabilidades para ser desperdiçada em
Ilustração: Carlos Seribelli

lhavam de seu saber ou posição. agradar-se a si mesmo.


Eram aferrados às tradições (Extraído do livro A Ciência
que tinham e às supersti- do Bom Viver, p. 197, 198)
Revista do Ancião abr-jun 2011 33
DE MULHER PARA MULHER

De portas e
Marli Stela
Santana Maciel
coração abertos
Diretora do Ministério
da Mulher da Associação
Central Amazonas

O
s primeiros cristãos não se reuniam em igrejas, Quantas “mulhe-
mas em casas, muitas vezes ao redor da mesa de res sem nome”
refeição. O termo “igreja” é raramente encontrado movimentam-
no Novo Testamento, pois o grupo de pessoas reunidas se se nas som-
bastava, era o lugar em que Deus estava presente. Eram bras, servin-
lares abertos, às vezes dirigidos por mulheres como Lídia, do de apoio
uma comerciante que vendia púrpura. ao marido,
A Bíblia relata que Paulo, Silas, Timóteo e Lucas conhe- aos filhos,
ceram Lídia em Filipos, na Macedônia, enquanto dirigiam aos projetos
uma reunião sabática, com um grupo de mulheres, perto missionários
de um rio. “Certa mulher, chamada Lídia, da cidade de Tia- da igreja, sem
tira, vendedora de púrpura, temente a Deus, nos escutava; terem seus nomes
o Senhor lhe abriu o coração para atender às coisas que lembrados. Uma
Paulo dizia. Depois de ser batizada, ela e toda a sua casa coisa é certa: se você
nos rogou, dizendo: Se julgais que eu sou fiel ao Senhor, sente que seus esforços
entrai em minha casa e aí ficai. E nos constrangeu a isso” têm passado despercebidos
(At 16:14, 15). aos olhos humanos, saiba que não
Sabemos pouco a respeito de Lídia, mas o suficiente ficarão assim diante dos olhos de
para tirar algumas lições da vida de uma mulher extraor- Deus. Ele tudo vê. Ele conhece seu nome,
dinária. A primeira lição: “Seu nome era Lídia”. Quando sua história e, ao tempo certo, lhe dará a
penso nas inúmeras mulheres anônimas citadas ao longo verdadeira recompensa. Precisamos, no
das histórias bíblicas, é surpreendente que Lucas, o autor entanto, como igreja, pedir a Deus sen-
do livro de Atos, tenha se esforçado em lembrar seu nome sibilidade para enxergar nosso próximo,
e escrever sua história, conferindo-lhe o valor merecido. demonstrando-lhe que o valorizamos.
Identificar uma pessoa pelo nome pode significar que Lídia seria casada? Solteira? Ti-
confiamos nela, que a queremos bem e a respeitamos. É nha filhos? Talvez tivesse perdido
reconhecer sua identidade e apoiá-la para que seja ela o marido para a morte; o cora-
mesma. Trata-se de um princípio básico, para viver em ção de mulher poderia estar
k

paz e tolerância. susceptível ao evangelho


c
sto
er
utt
Sh
em:
ag
Im

34 Revista do Ancião abr-jun 2011


após grande sofrimento. A alegria do coração lhe te- O que aconteceu naquele dia às margens do rio não
ria sido roubada, e com anseio ela se voltaria a Deus. foi apenas um mero encontro entre Lídia e o apóstolo
Talvez tivesse sido abandonada pelo marido. Ou quem Paulo, mas a convergência entre a vontade humana com
sabe um filho havia morrido. Talvez os negócios estives- o poder divino. A providência divina guiou Lídia até Pau-
sem oscilando; o preço da púrpura tivesse caído e hou- lo, de modo que ela se tornou a primeira mulher da Euro-
vesse grande temor de falência financeira. Não estou pa convertida ao evangelho, cujo coração foi aberto pela
certa de que esses fatos tenham ocorrido. Uma coisa é graciosa presença de Deus: “o Senhor lhe abriu o coração
certa, Deus tem um modo maravilhoso de refazer cora- para atender às coisas que Paulo dizia”. Ela acreditou nas
ções despedaçados. palavras de Paulo, de que Jesus era o Filho de Deus e po-
Amparada por alguém ou não, a segunda lição nos deria salvá-la dos pecados.
mostra que Lídia era uma mulher de negócios, uma ven- Aqui reside a terceira e grande lição: Deus abriu o cora-
dedora de púrpura. Temos razões suficientes para acre- ção dela e, imediatamente, Lídia abriu sua casa. Após ser
ditar que era uma profissional pro- batizada, veja o que Lídia disse: “Se julgais que eu sou fiel
missora no ramo da moda, ao Senhor, entrai em minha casa e aí ficai” (v. 15).
visto que roupas de púr- A primeira igreja na Europa surgiu no dia em que Lídia
pura eram adquiridas abriu sua casa em resposta ao fato de Deus ter aberto seu
por pessoas ricas da coração. Não sabemos se ela teve filhos, mas Lídia se tor-
sociedade patriar- nou a mãe da igreja de Filipos. Por seu espírito de hospi-
cal romana. Sim, talidade ela trouxe nova possibilidade à missão da igreja.
Lídia tinha um Que privilégio! Você também gostaria de ser pioneira no
trabalho, como ministério que Deus a chamou para desenvolver?
muitas mulheres Deus tem usado mulheres como instrumentos Seus,
hoje, que preci- colocando-as num lugar de honra em Seu Reino. Mulhe-
sam conciliar o res consagradas ministraram ao Senhor, enquanto esteve
emprego, necessá- na Terra, e, desde então, o trabalho tem sido feito por
rio para ajudar no mãos delicadas. Após a ressurreição, foi uma mulher
sustento da família, e quem primeiro recebeu a comissão evangélica de levar
os cuidados da casa, fi- as boas-novas do Cristo ressuscitado. Na Europa, tempos
lhos e marido. mais tarde, uma mulher teve o privilégio de ser a primei-
Deus, então, permitiu que ra conversa ao cristianismo.
conhecêssemos essa história para Precisamos de muitas Lídias entre nós: jovens, idosas,
entender que a mulher criada por Ele solteiras, casadas, profissionais, donas de casa. Com seus
abre sua existência para se inserir no mundo corações abertos, com seus lares abertos, com humildade
como um ser de possibilidades, nos papéis de para ouvir e confiar na Palavra de Deus, elas colocarão
mãe, esposa, dona de casa e também como sua fé em ação, em amor no servir a Deus e ao próximo,
profissional. Caso você seja uma mulher empregando talentos, tempo e outros recursos na Obra
que tenta administrar sua vida diante de do Senhor.
tantas funções, não se esqueça nunca de Precisamos continuar seguindo as pegadas de Lídia, o
buscar “em primeiro lugar o reino de Deus seu o exemplo em caminhar “às margens do rio” em busca
e Sua justiça”, colocando seu papel de fi- de corações abertos ao evangelho de salvação. Sejamos
lha de Deus acima de todos os outros. Lídias contemporâneas, abrindo as portas de nossas casas,
Isso de fato pode torná-la uma tornando-as lares de esperança, centros de pregação do
mulher abençoada. evangelho, lugares em que Deus habita.

Revista do Ancião abr-jun 2011 35



2( ) )' (%/2 
 
!1-*.(%#*.+-0(-!"!%76*!(.!!)/-!#-*'%1-*(%..%*)4-%*+- 0(!-6*(%. ! (%'-!. !
.+!-)7

 2 $%%*2 


 
!0)%;!.!(%#-!&.+!,0!)*.#-0+*... !"(9'%.';!./!) .!/(*.*)1% -)*..*.(%#*.!-6*
(%'
!)/-*. !!.+!-)7

2"'&(")2 
./!8*(*(!)/*!(,0!*.&*1!). 1!)/%./.!0)%1!-.%/4-%*.+* !((*./--.*'% -%!  ! *76* !.)#0!8
%(+*-/)/!+*-,0!(*./-,0!/!(*.-!.+!%/*+!'1% !!)/!) !(*.,0!!..!#!./*'!(-*,0!!.0."!3+*-):.!+*-
%..* !1!(*."3!-*(!.(*+!'*.*0/-*.

2"+%"#&) )(,&( )2 


./! %8(0%/*!.+!%'+*-%..* !1!(*. -+*%*+-*'0!-!'%3-0(*)%/*+-*#-()%#-!&!1!(*.+*%4'*.
+*-,0!/!(.% *0( !+-/(!)/*(0%/*(%..%*)4-%*! !1!(*."*-/'!!-'..!9'%./!!28-%/*&4+.. ! (%'
!(/* (8-% *0'

 
2 $%$0#"2

'!(
 +-!/!) !'!1-0((!).#!( !!.+!-)75*(0)%  !-%..*...*.+!,0!)*.
#-0+*.!.%#-!&.16*-%-.0.+*-/.+--!!!-*.*)1%  *.!.+!%%../(*.+-!+-) *0(.!-%! !
(!).#!).!.+!%%.,0!')7-4+-%)%+'(!)/!"(9'%(* !-)


2-&"))"&%-("&+#! ( , %*")*2
 
>.*!)$*- %..!))%. @4./!$*(!(8!0%)./-0(!)/*!.*'$% *+-'!1-*!0)*(!+!-)/!*.#!)/%*.
!.!0.-!%.!+!-)/!*+*1* !.-!'A?/*.  !0.)6*1%0+!).0($*(!(-0(*5 !./-0%76*'!)6*1%00(
-%/0-.!(1'*-'$*0+-0'*!1%00(>%)./-0(!)/*!.*'$% *?..*8(-1%'$*.*!0.1%0*+*/!)%'!0.1%0
+*..%%'%  !!&/(8(0((%..%*)4-%*(*0'*


2 $% &(&$" (")*.2


./(*.1%1!) **.<'/%(*.!.*'!)!.(*(!)/*.,0!)/!! !(.!#0) 1%)  !-%./*./-+-!+- *+-*!)*)/-*
*('!8*(%*-!(%.0-#!)/! !."%* %4-%* ! (*- *(*-%./6**).% !-) ***)/!2/*!(,0!1%1!(*.*.
/!(.4.%*.!./6*1*'/ *.+-*-!1%1(!)/*!-!"*-(-!(*.(*./--*/-'$* *.+9-%/*)/*)!..!+-*!..*
*(* !."-0/- !0(1% -%./6$!% !'!#-%!.%#)%"% **(*-!1%1!-!.+%-%/0'(!)/!*(.!!(3!,0%!' *
+!- 6**(*1%-/0 !-!./0- *-!*0/-*.-/%%+!