Você está na página 1de 188

1

ALC IDU

ALC GAI 0111 (1+1) 16E1 + 3 ETH


10/100 MBit/s

RÁDIO ALC PDH

09-2015
Apostila Curso de Treinamento Radio SIAE - ALC PDH Ver 2
2
3

ALC PDH Arquitetura do Sistema

O rádio ALC PDH é um


equipamento de montagem split,
constituído de uma unidade
interna (IDU) e outra externa
(ODU).

A IDU está disponível na versão


1+0 ou 1+1 para tráfego
E1/Ethernet e foi projetada para
ser instalada em bastidor de 19”.
Essa unidade faz a interface
com os tributários e supervisiona
todo o equipamento.

A ODU foi projetada para


montagem em mastro (poste) ou
em parede e contém todo o
circuito de RF.

3
4

Conexão entre IDU/ODU

As unidades IDU e ODU são


conectadas através de cabo coaxial tipo
RGC213 (até 250m) ou cabo de 1/2”
(LDF4) para distâncias maiores
(500m).
Sinais presentes no cabo:
FI de transmissão : 330MHz
Cabo de FI
FI de Recepção : 140MHz coaxial 50 Ω
Sinais de telemetria da IDU para ODU
: 17,5 MHz (FSK 388Kbps)
Sinais de telemetria da ODU para IDU
: 5,5 MHz (FSK 388Kbps)
Alimentação: -48Vcc (-40,8 a -57,6)
Temperatura de operação:
IDU : -5 a +45°C (-10 a +55°C).
ODU: -33 a +55°C (-40 a +60°C)
( ) = Survival temperature

4
5

ALC PDH IDU

ALC IDU (1+1) GAI 0111-2:

Interfaces/conectores:

- 3 x Portas Ethernet 10/100


Mbit/s, RJ45 Elétrica

-16 x E1 em 4 conectores DB25

- User I/O (DB9 - 4 In / 1 Out)

- LCT (Serial - USB)

- Q3 (Gerência, Ethernet RJ45)

‐ 2 x FI (conector SMA, FI e 48V)
‐ Fusível 3,15A /250V (M) 5x20 
mm 
5
6
7

ALC PDH

7
8

ALC PDH LOOPS

Loops disponíveis na IDU que


podem ser utilizados para testes
durante a manutenção:

-Tributário Local (2Mbps)

-Tributário Remoto (2 Mbps)

-Banda Base

-IDU (FI)

8
9

ATPC

A função do ATPC (Automatic


Transmit Power Control) é
minimizar interferências em uma
rede densa de rádios.

O princípio de funcionamento do
ATPC é transmitir uma potência
mais baixa em condições normais
de propagação e aumentar a
potência automaticamente
durante a ocorrência de fading.

ODU ASN : 20dB de range

9
ASN ODU 1+0 (1+1) Hot Standby com uma antena

Dimensões  físicas

Consumo de 
≤ 27W ≤ 54W
Potência

Peso ~ 4,5 kg ~ 13,5 kg (híbrida/splitter incluído)

Banda de frequência disponível (GHz) : 5, 6, 7, 7.5, 8, 8.5, 11, 15, 18, 23, 38

10
11

(1+1) HOT STANDBY

Perda de inserção na híbrida:

Balanceada < 4 dB

Desbalanceada < 1,7 / 7 dB

Hibrida

11
12

Descrição da ODU
Existem 3 versões : AL, AS e ASN.
Conexões na ODU:
-Conector tipo N para o cabo coaxial
de FI entre a ODU e IDU.
-Conector BNC que permite medir
uma tensão CC proporcional ao nível
de RF recebido.
-Parafuso para o aterramento da ODU.
Notas:
Modelo AL: não é compatível com
IDU ALCplus2, ALCplus2e e ALS-C
(SDH).
Loop de RF: disponível na versão
AL, AS e ASN versão com part
number GE8xxx.

12
Alinhamento da antena PRX(dBm) = - 100(dBm) + 26,333 x VBNC(Volts)

A marca deve ficar sempre no


lado esquerdo da etiqueta SIAE

Uma tensão CC proporcional ao nível


Rx recebido é disponível no conector
BNC da ODU, conforme o gráfico
acima.

13
Polarização da ODU com antena integrada

14
Polarização da ODU com antena integrada

15
16

ALC PDH ODU

Diagrama em blocos da ODU

16
17

Aterramento das
instalações

1- IDU (terminal tipo Faston) ≥


4 mm2

2 - ODU ≥ 16 mm2

4 - Aterrar o cabo coaxial perto


da ODU e na entrada do prédio.
Utilizar o kit de aterramento
apropriado ao cabo coax.
utilizado.

6. Aterramento conector da
bateria: 2,5mm2 (comprimento <
10m.)

7 - Cabo de aterramento interno 3 – Cabo de FI conector N macho/N macho


da estação ≥ 16 mm2 5 – Cabo coaxial conector N femea/SMA macho (rabicho)

17
18
19

ALC PDH

SOFTWARE SCT/LCT

CONFIGURAÇÕES DO RÁDIO

19
20
21

 Procedimento para instalação do software SCT e o driver


Instalação do SCT do modem Erio para acesso direto via cabo USB
ver.1.6.9.3 (distr.4.7.2)
1. Após a instalação do software SCT (Licence Key : 8LHROM –
O SCT (Subnetwork Craft Terminal) é 9MKBN – QLF01 – CRDYZ), com um cabo USB, conectar o
o software de conexão com o
equipamento ALC PDH .
Notebook ao rádio na porta LCT. O Windows irá detectar
automaticamente o equipamento e será solicitada a instalação do
Opções utilizadas para conexão: driver.
2. Na janela Assistente para adicionar novo hardware, selecionar
1. Conexão serial USB: detecta
Não, não agora e em seguida Avançar. Na próxima janela
automaticamente o endereço IP
selecionar a opção Instalar de uma lista ou local específico e depois
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

do elemento conectado (desativar


WIFI e placa de rede do clicar em Avançar
notebook). 3. Procurar o driver no diretório em que foi instalado o SCT:
C:\Arquivos de programa\sct\DRV\USB\Win32_Xp _win2k
2. Conexão LAN Ethernet : é preciso
_vista_7 (exemplo para instalação no Xp). Clicar OK
conhecer o endereço IP do rádio
e configurar a placa de rede do
4. Se surgir uma janela indicando que o software não passou no teste
PC com um endereço na mesma de compatibilidade com o Windows XP, clicar em Continuar assim
rede do rádio (cuidado para não mesmo
duplicar endereços na rede). 5. Na nova janela, indicando que o software foi instalado, clicar em
Configurar também o Gateway Concluir. Se a instalação ocorreu com sucesso, surgirá uma
Padrão que deve ser o mesmo mensagem no canto direito inferior da tela: Novo hardware
endereço do elemento conectado.
encontrado, Seu novo hardware esta instalado e pronto para usar
21
Opção 1: Conexão local com cabo serial USB via SCT (LCT): Detecta automaticamente o IP do rádio

Apenas o Modem Erio deve estar selecionado

22
Opção 2: Conexão local com cabo Ethernet via SCT (Q3) : ): precisa saber o IP do rádio e configurar o PC
com endereço IP na mesma sub-rede do rádio . Para visualizar o rádio remoto deve-se configurar tambem o
Gateway Default na placa de rede para o mesmo endereço da IDU conectada.

23
24

Login

User:

SYSTEM (read /write)

RLOM (read)

Password: SIAEMICR

Nota:

Não digitar Password em Network


Password senão a conexão do rádio
remoto ocorre no modo “Monitor” e
ai não é possível alterar as
configurações.

24
25

Configuração do
Endereço IP
O endereço IP do rádio deve ser
configurado através do SCT em
dois lugares:

1. Properties

2. Communication Setup > Port


Configuration

25
26

Configuração Endereço IP
(Properties)

Equipment > Properties,

Após configurar o novo endereço


IP no campo Agent IP Address e
o nome do Rádio em Equipment
ID, clicar em Apply, Confirm
changes? e depois Close.

Continuar a configuração do
endereço em Port Configuration
(vide próximo slide)

26
27

Configuração Endereço IP
(Port Configuration)

Equipment > Communication


Setup > Port Configuration.

Configurar o endereço IP e a
máscara em IP Address e IP
Netmask. O endereço IP será o
mesmo utilizado anteriormente
em Properties.

Clicar em Set Values, Confirm


changes?, Store e Confirm
changes?.

Clicar na aba LCT PPP para


continuar a configuração.

27
28

Configuração Endereço IP
(Port Configuration)

Zerar o IP PPP Address através


do botão IP Unnumbered.
Escolher uma das três opções em
PC IP Address que será o IP
atribuído ao computador quando
se conectar nessa IDU.
Finalizar a configuração clicando
em Set Values, Confirm
changes?, Store e Confirm
changes?.
Clicar na aba PPP Radio para
continuar a configuração.

28
29

Configuração Endereço IP
(Port Configuration)

Zerar o endereço IP através do


botão IP Unnumbered.
PPP Mode = Client.
Finalizar a configuração clicando
em Set Values, Confirm
changes?, Store e Confirm
changes?.
Para que o rádio assuma a nova
configuração é necessário
reiniciar a unidade através do
botão Restart. Uma segunda
opção de reinicializão seria
utilizar o Restart da janela
Properties.

29
30

Routing Table

Em uma rede com todos os


elementos na mesma sub-rede
(modo bridge) não há
necessidade de se editar a tabela.
Somente será necessário editar a
tabela de roteamento (ou Default
Gateway) quando a rede for
composta por elementos em sub-
redes diferentes (modo client).

Para acessar e editar a tabela


através do SCT:
> Equipment > Communication
Setup > Routing Table

30
31

Stored Routing Table

Exemplo de tabela de roteamento


armazenado.

Deve-se “restartar” a unidade


para ativar as configurações
feitas nesta janela.

31
32

Lista dos Elementos


Remotos
Para abrir a janela de
configuração da sub-rede, clicar
em Tools > Subnetwork
Configuration Wizard...
Na tabela dos elementos remotos
de cada equipamento é possível:
Verificar a lista dos elementos
remotos.
Adicionar, renomear ou
remover estações (nomes com
máx. 11 caracteres). Não utilizar
número ou espaço como primeiro
caractere.
Adicionar ou remover
equipamentos na lista.

32
33

Lista dos Elementos


Remotos
Para editar a tabela da sub-rede,
deve-se escolher o rádio e clicar
em Retrieve.
A lista dos elementos gravados
no rádio escolhido será mostrada
na janela inferior.

Esta tabela deverá ser editada e


gravada em todos os elementos
da rede.

33
34

Lista dos Elementos


Remotos

Na parte inferior da janela (New


Configuration) é possível
acrescentar ou modificar os
elementos da rede e também
adicionar novas estações.
Para poder adicionar novos
elementos, selecionar a linha da
estação (∆PDH AL ) para
habilitar o botão Add Element.
No campo Element Type, o
elemento que está sendo
configurado deverá ser escolhido
como Managed by SCT e o
restante como Remote Link.

34
35

Lista dos Elementos


Remotos

Para edição de rede com várias


estações pode-se utilizar o botão
Add Station para adicionar
novas estações e Move to
Station para mover os elementos
entre as estações.

Uma vez terminada a edição dos


elementos deve-se escolher o
rádio que esta sendo editado na
janela superior (Actual
Configuration) e clicar em Send
para gravar a nova configuração
no rádio.

35
36

Backup da Configuração
do Rádio (Upload)
É possível fazer o backup
completo da configuração do
rádio que poderá ser utilizado
mais tarde para restaurar a
configuração original em uma
unidade sobressalente em caso de
falhas.
Para fazer o backup da
configuração do equipamento, na
janela principal do SCT, clicar
em Tools > Equipment
Configuration Wizard >
Upload > Full Equipment
Configuration

36
37

Backup da Configuração
do Rádio (Upload)

Na nova janela, selecionar o


“template “ correto do
equipamento que no caso da
IDU ALC PDH é :

Radio PDH AL > Compact

Clicar OK

37
38

Backup da Configuração
do Rádio (Upload)
Na nova janela Upload
Configuration file, selecionar o
equipamento que se quer fazer o
backup e clicar em OK.
Na janela Save Backup As...,
editar o nome desejado para o
arquivo backup e clicar em
Salvar.
A janela “Equipment
Configuration Wizard :
Complete Backup” mostrará
dinamicamente a operação de
backup. No final do processo a
palavra “done” deverá aparecer
indicando que o backup foi
realizado com sucesso.

38
39

Restabelecimento da
Configuração do
Equipamento (Download)
Para fazer o download de uma
configuração na IDU através do
SCT, clicar em Tools e selecionar
Equipment configuration
Wizard.
Selecionar Download > Restore
Full Equipment Configuration

39
40

Restabelecimento da
Configuração do
Equipamento (Download)
Na janela Select Backup File,
selecionar o arquivo de backup
desejado (*.bku) e depois clicar em
Abrir.
Na nova janela Download
Configuration File,
selecionar o equipamento em que se
quer fazer o download e clicar em
OK.
A janela “Equipment Configuration
Wizard: Complete restore” mostrará
dinamicamente a operação de
download. A palavra “done“ deverá
aparecer indicando que o download
foi realizado com sucesso.

Recomenda-se fazer o download


localmente uma vez que o enlace pode
ser interrompido durante esse
processo.

40
41

 Procedimento para Download de Software (firmware)


Download de Software
(Firmware) 1. No menu principal do SCT, clicar com o botão direito do mouse sobre
a linha corresponde ao rádio que se quer fazer o download. Selecionar
Através do SCT, na janela
Version...
Equipment software version, é
possível verificar as versões dos
2. Na nova janela, clicar em Download SW Setup. A janela Download
softwares instalados e também
Setup será mostrada.
fazer o download de novas
versões.
3. Selecionar o local onde está o novo software (firmware) e utilizar o
Existem dois tipos de software: tipo de download Forced somente quando o “Bench 2” estiver vazio.
um para a IDU e outro para a Caso já exista algum software no “Bench 2”, utilizar opção Only
ODU. O software da IDU é difference or not present/peripheral.
único para todas as versões. Para
a ODU existem várias versões 4. Após fazer o download, ativar o novo software através de Bench
em função da frequência. Switch e Proceed to switch bench?. (apenas para download da IDU)

Para o download de software na 5. Clicar Close para terminar.


ODU na versão (1+1), deve-se
alterar para (1+0) e fazer o
download individualmente

41
42

Download de Software
(Firmware)

Janela Equipment Software


Version acessado através do
SCT:

> Equipment > Version...

42
43

LCT Interface
Através do SCT pode-se abrir o
aplicativo LCT Interface onde é
realizado todas as configurações do
rádio. Para abrir o LCT,clicar duas
vezes sobre a linha do rádio desejado
no SCT ou clicar com o botão direito
sobre a linha do rádio e selecionar
LCT Interface.

Na parte superior da interface é


fornecida várias informações de
operação do equipamento:

- Resumo dos alarmes


- Operação manual ativada
- Download de software (firmware)
- Frequência e qual Tx e Rx que está
operando
- Modulação e capacidade tráfego
- Configuração do sistema (1+0, 1+1
Hot - Standby, etc)
-Potencia Tx, Nível Rx
43
44

Current Alarm (SCT)

Para visualizar mais detalhes


sobre os alarmes:

Clicar sobre o linha do rádio no


SCT com o botão direito do
mouse e selecionar View
Current Alarms

44
45

General

Em General configura-se o
modo de operação do sistema
(1+0, 1+1 Hot Standby,
Diversidade de Frequência),
capacidade, modulação e Link
ID.
Se o Link ID for diferente entre
o Radio Local e Remoto, o
tráfego e a gerência serão
interrompidos.
Modulação e Capacidade
disponível no modelo ALC
PDH:
4QAM : 8, 16 e 32 Mbps
16 QAM : 16, 32 e 64 Mbps

45
46

General Preset
(Thresholds)

Power Threshold quando o


nível Rx for menor que o valor
configurado em Rx Signal
Level Alarm Thresh. será
gerado o alarme RX Low Level.

Configuração dos limiares dos


alarmes:
a) Hber Alarm (Major)
b) Lber Alarm (Minor)
c) EWL Alarm (Warning)

(EWL – Early Warning)

46
47

Current Alarm (SCT)


(Exemplo de alarmes)

Exemplo de indicação dos


alarmes configurados na janela
anterior observados na janela
Current Alarm do SCT.

47
48

General Preset
(Rx Sw - Ais)

Permite escolher os limiares


configurados na janela anterior
para comutar o RX e inserir SIA

48
49

General Preset
(Tx Sw on Remote Alarms)

Comutação Tx local em caso dos


dois receptores remotos com
alarmes (HBER). Na
configuração ao lado em Enable,
se os receptores remotos
estiverem alarmados mais que 1
segundo em períodos de 1
minuto, o Tx local será comutado
e o alarme TX ativado (
Transmitter Switch on Remote
Terminal BER), Esse alarme
permanecerá ativo até ser
“resetado” manualmente através
do botão Alarm Reset.

49
50

General Preset
(Miscellaneous)

50
51

Radio Switch
(Maintenance)

51
52

Tributary

Para habilitar o tráfego E1, deve-


se fechar as chaves dos
tributários que podem ser de 1 até
16 e que estão ligados nos 4
conectores DB25 do painel
frontal da IDU.
Para fazer teste de loop local do P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

tributário, clicar sobre a caixa à


esquerda da chave e para o loop
remoto clicar sobre a caixa à
direita da chave.
A capacidade de tráfego Ethernet
é igual a Capacidade Total menos
a capacidade habilitada para o
tráfego E1. A capacidade total e
Ethernet é mostrada na parte
superior da janela ao lado)
Cap. Eth = 64 – 4 x 2 = 56 Mbps
52
53

Tributary

LOS: ocorre em duas situações:


a) Chave fechada sem sinal de 2
MB.
b) Chave aberta com sinal de 2
Mb. Quando a chave estiver
aberta e houver sinal de 2Mb
presente na entrada é gerado o P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

alarme LOS (LOS inversion).

Se a chave estiver fechada em um


lado e aberta no outro ocorre o
larme LIM Tributary
Configuration Mismatch Alarm.

LOS Inversion: as portas


desabilitadas com sinal de 2 MBit/s na
entrada provoca alarme LOSS

53
54

Radio Branch
(Frequencies)

Para configurar a frequência ,


escolher o canal e clicar em Lock
Channel e depois em Apply e
Confirm changes?

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

54
55

Radio Branch
(Powers)

Tx Power Control : Manual


Exemplo de configuração de
potência Tx para operação sem o
ATPC.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

55
56

Radio Branch
(Powers)
Tx Power Control : Automatic

Exemplo de configuração de
potência Tx para operação com o
ATPC (Automatic Transmit
Power Control).

Nesse caso a potência Tx poderá


L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

diminuir até 20 dB (ATPC range)


em condições normais de
propagação sem fading.

Com o ATPC ativado deve-se


também configurar os limiares
High e Low do nível Rx local
onde o ATPC irá atuar de modo a
manter o nível Rx dentro desses
limites ( A diferença High e Low
deve ser maior ou igual a 3 dB).
56
57

Radio Branch
(Settings)
Carrier only: On
Desliga a modulação e transmite
apenas a portadora (CW). Utilizado
por exemplo, para medir a frequência
Tx na saída da ODU.

Tx Transmitter: OFF
Desliga o transmissor. Pode-ser P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

utilizado, por exemplo, para verificar


se existe interferência no receptor
remoto.

RT PSU : OFF
Desliga o -48VDC que alimenta a
ODU. Pode ser utilizado, por
exemplo, para desconectar/conectar o
cabo de FI.

Measurements Resolution:
Resolução de medida da potência Tx e
Rx . Ajustavel de 1 a 5 dB.
57
58

Link Branch
(Link)

Qualquer alteração de
configuração realizado através
das janelas da seção LINK altera
simultaneamente o lado remoto
e o lado local.

Em Link Branch é possível P


U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

alterar a frequência do enlace


atuando apenas em um lado.

58
59

Link ID/Capacity/Mod
(Link)

Aqui, da mesma forma citada no


slide anterior, é possível alterar
o Link ID, Modulação e
Capacidade atuando em apenas
um lado do enlace.

Qualquer alteração realizada P


U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

através desta janela se aplica ao


lado remoto e local.

59
60

Radio Loop
(Maintenance)

Base Band Loop: loop antes do


modem ( só E1s).

IDU Loop: loop FI (só E1s).


IDU Loop (ETH not squelched):
loop FI incluindo também o loop P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

no tráfego Ethernet

60
61

Recorder
(Maintenance)

É possível gravar as medidas de


BER e Potência Rx.

Os arquivos em formato txt são


armazenados em:c:\Arquivos de
Programa\sct\Recordings.
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

Através do botão Browse


Recorded files... se tem acesso
aos arquivos de gravação.

A medida de BER é baseada nos


limiares ajustados em General
Preset para Lber, Hber e EWL.

61
62

PRBS
(Maintenance)
Para verificar ou monitorar a taxa
de erro no enlace pode-se utilizar
o PRBS (Pseudo Random Binary
Sequence). Existem duas opções
de medida:
a) Ativação do PRBS em
apenas um lado do enlace. P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Nesse caso deve-se fazer o


loop lógico ou físico no outro
lado. A medida inclui ida e
volta.
b) Ativação do PRBS nos dois
lados do enlace. Nesse caso
as configurações deverão ser
iguais e as medidas ida e
volta são independentes.
Para desativar a medida,clicar em Not
Connected em Checked Signal.

62
63

BER Measure
(Maintenance)

Mede a taxa de erro


continuamente.

Restart : Reinicia a medida.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

63
64

Local User Input

Para habilitar e configurar as Entradas


de Alarmes deve-se selecionar a
entrada e clicar em Properties ou
clicar duas vezes sobre a entrada que
se quer habilitar.

Na janela abaixo (> Properties) são


apresentadas as opções para a P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

configuração do User Input:

64
65

Remote User Input

As Entradas de Alarmes do rádio


remoto também podem ser
utilizados para gerar alarmes no
rádio local.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

65
66

User Output

Saída de Alarme: Contato seco

Pode ser utilizado vários alarmes


para fechar o contato seco
indicativo de alarme.

Clicando-se em Properties é P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

apresentada uma nova janela,


User Output Mapping, onde é
possivel mapear os alarmes que
irão ativar o contato seco.

Assim como em User Input


Label, o User Output Label pode
ser editado para facilitar a
interpretação do alarme.

66
67

Ethernet Switch
(General)
Max Num of MAC Addr. : 512,
1024, 2048
Max Packet size: 1522, 1536
byte
Egress Priority Policy : 8421
WFQ (Wait Fair Queue), Strict P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Priority
Virtual Lan Configuration:
Abre a tabela de configuração de
Lan Virtual apresentada no
próximo slide.
PTOS/DSCP Conf.: permite
configurar em qual fila deverá
ser encaminhado os pacotes
tageados com prioridades
PTOS/DSCP
67
68

Ethernet Switch
(Virtual Lan Configuration)

Tabela para configuração de


LAN Virtual (VLAN)

VLAN pode ser utilizada para


rotear os pacotes através da
Switch local e remota. Os pacotes P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

com VLAN ID presentes na


tabela sairão conforme a
configuração da tabela
Se não for utilizada VLAN, a
configuração “Lan per port”
será utilizada no roteamento
entre as portas.

68
69

Ethernet Switch
(PTOS/DSCP)
Exemplo de configuração de
prioridade PTOS/DSCP

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

69
70

Ethernet Switch
(LLF)

Ajusta a histerese do alarme LLF


(Link Loss Forwarding).

O LLF pode ser habilitado ou


desabilitado em cada uma das
portas LAN.
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

Com o alarme LLF habilitado o


equipamento conectado na porta
LAN (roteador, switch) pode ser
notificado quando o rádio estiver
indisponível e alterar
temporariamente o tráfego para
uma possível rota alternativa.

70
71

Lan 1
(Interface)

Port: Enable/Disable
(habilita/desabilta a porta)

Cable Crossover: MID/MDIX

Speed/Duplex: Auto/10/100
Mbps P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Controle de fluxo: Enable /


Disable

LLF (Link Loss Forwarding) :


Desabilita a porta Ethernet
(LAN) quando o enlace estiver
indisponível e gera o alarme
LIM LAN-1 Signal Loss
Alarm

71
72

Lan 1
(Virtual Lan (802.1Q)
Disable 802.1q: Não é verificado a
tag VLAN, segue a configuração
“LAN per port”
Fallback: se o pacotes tageados
tiverem seu VLAN ID na tabela de
configuração VLAN, eles seguirão a
configuração descritos na tabela,
senão eles seguirão a configuração
LAN per Port assim como os pacotes
não tageados. P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Secure: pacotes não tageados não


transitarão; sómente pacotes tageados
com VLAN ID listados na tabela
podem transitar.
Com o Egress Mode como Unmodified
os pacotes de saída na porta LAN-1
sairão tageados ou não tageados ,
exatamente como eles eram tageados ou
não tageados na entrada da porta.
Nota: Se em Lan per Port a LAN-1
estiver habilitada na própria
configuração da LAN-1, será ativado o
loop ethernet local na LAN-1 (direção do
conector), independente do time-out.
72
73

Lan 1
(Priority (802.1P)

Pacotes de entrada não tageados


na LAN-1 são enviados para a
porta de saída seguindo a
seleção Default Priority
Queue.

Neste exemplo os pacotes são P


U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

encaminhados para o Queue 0.

73
74

Internal Port
(Interface)

Port: Enable, habilita o tráfego


Ethernet através do enlace.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

74
75

Internal Port
(Virtual Lan (802.1Q)

Se em Lan per Port o Internal


Port estiver habilitado será
ativado o loop ethernet interno
independente de time-out (o
loop é em direção da ODU)
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

75
76

Internal Port
(Priority (802.1P)

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

76
77

Lan Statistics
(Maintenance)

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

77
78

Lan Statistics – LAN-1


(Maintenance)
O resultado pode ser exportado
por um arquivo *.txt

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

78
79

Lan Statistics
Internal Port 1
(Maintenance)
O resultado podem ser
exportados por um arquivo *.txt

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

79
80

Equipment Feature
Management (SCT)

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

80
81

Units (SCT)

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

81
82
83

ALC PDH

ALARMES E MEDIDAS DE
PERFORMANCE

83
84
85

Indicação dos LEDs


DPLX : Cor verde, aceso = full
duplex, apagado = half duplex

LINK ACT : cor verde, aceso = link


funcionando sem atividade,, piscando
= link com atividade Tx e Rx,
apagado = sem link

TEST : cor amarelo, aceso = operação


manual ativado

AL: cor vermelho, aceso = Alarme


presente.

Tx, RX (1,2): cor verde, indicação do


canal em operação , Tx e Rx

Botão R: Restart da IDU (não


interrompe o trafego ethernet, Soft.
Ver 01.04.03).

PS: cor verde, -48Vdc presente


85
86

Alarmes
Os alarmes gerados no
equipamento podem ser
monitorados através do SCT.

No SCT existe um painel de


alarmes que registra os alarmes
on-line de todos os elementos da
rede. Também é possível
visualizar apenas os alarmes
atuais de um determinado
elemento através da opção View
current alarms...(clicar o botão
direito do mouse sobre a linha do
elemento que se quer monitorar)

86
87

Exemplo de Alarmes

Alarmes gerados no rádio local


quando se abre o cabo de FI (
com LAN1 ativa).

Cable Open Alarm

Se o cabo de FI estiver em curto P


U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

é gerado o alarme Cable Short


Alarm.

87
88

Exemplo de Alarmes

Alarmes gerados no radio


remoto quando se abre o cabo de
FI (com LAN1 ativa)

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

88
89

Exemplo de Alarmes

Alarmes gerados no rádio local


quando se interrompe o link
(cabo de RF aberto) com
interface LAN1 ativa e LLF
habilitado.
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

89
90

Exemplo de Alarmes

Caso anterior (cabo de RF


aberto) com Base Band loop no
radio local.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

90
91

Exemplo de Alarmes

Caso anterior (cabo de RF


aberto) com IDU loop no rádio
local.

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

91
92

Configuração da
severidade dos alarmes

Em Alarm Severity
Configuration pode-se
programar a severidade dos
alarmes bem como desativá-
los.

Para programação, selecionar o


alarme e clicar em Properties.

Os alarmes são classificados


em grupos lógicos aos quais
pertencem (RIM, RT,
COMMON, etc) e por cores:
Critical - Vermelho
Major - Laranja
Minor - Amarelo
Warning - Azul claro
Status - Verde
92
93

Medidas de
Performance
Através do SCT ( Equipment >
Performances...) pode-se
realizar as seguintes medidas de
performance:

G828 > ES, SES, UAS, SEP,


BBE P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Potência Tx e Rx > registra


variação de nível de potência
transmitida e recebida.

Nota: O início e término da


medida de performance deve
ser ativado manualmente
(Start/Stop)

93
94

Medidas de
Performance
As colunas indicam os
seguintes registros:

a) Curr. Day – registro das


últimas 24 horas do dia

Last Day – registro das


L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

b)
últimas 24 h do dia
anterior

c) Curr. 15m – registro do


atual intervalo de 15
minutos (R3)

d) 15m...4h – registro dos


últimos 16 intervalos de 15
minutos ( R4...R19)

94
95

Inventory and Fault


Reports
Através do SCT é possível gerar
relatórios de alarmes e
inventário:

Equipment Fault report


(alarmes) - Contém os
registros dos alarmes atuais
ativos e alarmes ocorridos. P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

Equipment Inventory
report – Relatório das
configurações do rádio, serial
number, lista dos equip.
remotos, User I/O, versão de
software...

Os arquivos dos relatórios são


salvos nos diretorios :
c:/Arquivos de
programa/sct/InventoryReports
e FaultReports
95
96

Operação Manual

Como ferramenta para


manutenção, o equipamento
possibilita várias operações
manuais, tais como: loops,
PRBS, forçar comutação Tx,
forçar comutação Rx, desligar
Tx, desligar alimentação da P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

ODU, etc.

O tempo do Timeout da
operação manual pode ser
configurado através do SCT
(Equipment > View Active
Manual Operation...> Set
Timeout). Para desativar o
Timeout, configurar tempo
Timeout = 0
igual a zero. (desativado)

96
97

Exemplo (1) de
configuração Ethernet
Modo transparente entre LAN-1
local e LAN-1 remoto para
tráfego tagged e não tagged
(untagged).

Se configurarmos as três portas


da mesma maneira feito neste P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

exemplo para a LAN1, o tráfego


transmitido por qualquer porta
do rádio local sairá nas três
portas do rádio remoto.

97
98

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

98
99

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

99
100

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

100
101

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

101
102

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

102
103

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

103
104

Exemplo (1) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

104
105

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

Neste exemplo as 3 portas locais


deverão comunicar-se com a s3
portas remotas correspondentes.
Todas as portas irão
compartilhar o mesmo canal de P
U

P
U
L

In
O

te
n
rfê
c
sa
e
D

cd
ai
e
r
te

a
l
p
o
e
m

O
L
In

ls
a
re
b
o
fe

n
g
A
n

to

ca
e
n
cm
a

u
a
i

rl

D
P
X
m
in

P
U

U
za

P
d
i o
l
e
p P
T
A C

rádio, porem o tráfego originado


na LAN-1 deverá ser mantido
separado do trafego da LAN2 e
LAN3 e vice-versa.

A conexão LAN1 para LAN1


deverá transferir pacotes tagged
e untagged de modo
transparente. O mesmo vale para
a LAN2 e LAN3.

105
106

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

106
107

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

107
108

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

108
109

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

109
110

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

110
111

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

111
112

Exemplo (2) de
configuração Ethernet

L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

112
113

PRINCÍPIOS BÁSICOS DE
RÁDIO ENLACES EM
MICROONDAS

113
114
115

P1
dB  10  log (Indica relação)
dB, dBm P2
Exemplo : Calcular o ganho de um amplificador cuja
O deciBel (dB) é um valor potência de entrada é 1W e a saída é 100W.
logaritmo muito utilizado
em rádio enlace por Po 100
Ganho  10  log  10  log  10  2  20dB
simplificar os cálculos. Pi 1
Considerando todas as
perdas e ganhos em valores P
dBm  10 log (Indica potência)
logaritmos, eles podem ser 1mW
simplesmente somados ou
subtraídos. Exemplo : A potência de saída de um rádio é 0,5W (500mW).
Calcular a potência em dBm.

Pout 500
Pout  10  log  10  log  10  2,7  27dBm
1mW 1
115
116

Exemplo : Sabendo-se que o limiar do rádio para TEB = 1x10-6


Conversão de dBm é -76 dBm, calcular a potência em watts:
para Watts
P
Definição do logaritmo: dBm  10 log
1mW
a  log 10 b
PRx
10  b
a
 76  10  log
----------------------------------
1mW
PTx   30 dBm  1W 76
 76 PRx PRx
P   27 dBm  0 , 5W
 log  10 10

Tx 10 1mW 1mW
P   24 dBm  0 , 25W
Tx 10 7 , 6  1mW  PRx
P
Tx   20 dBm  0 ,1W

P  0 dBm  1mW PRx  2,5  10 8 mW  0,000025 W


Tx
PRx   96 dBm  0 , 25 pW
116
117

dBi, dBd

0 dBi é o ganho de um
radiador isotrópico , isto é,
uma antena hipotética, cujo
diagrama de irradiação é uma
esfera com densidade de
potência uniforme.

Um dipolo de meia onda, na


sua direção de máxima
irradiação, tem um ganho de
2,15 dB em relação a antena
isotrópica (2,15 dBi) Especificação antena diâmetro 1,2m
- Largura do feixe, Horizontal e vertical: 2.2 °
dBi = dBd + 2,15 - Discriminação de Polarização Cruzada (XPD): 30 dB
- Relação Frente Costa : 63 dB
0 dBd = 2,15 dBi - Ganho: 37.2 dBi
- Faixa de frequencia de operação: 7.750 – 8.500 GHz
- Perda de retorno: 30.7 dB ( SWR 1.06 )
117
118

Fator K

K= constante de correção devido


a refração do sinal de RF na
atmosfera.

( k= raio corrigido da terra / raio


real da terra)

Critérios utilizados para


cálculo de enlaces:

Para K = 4/3, a primeira zona


de Fresnel deve estar 100% Rterra = 6370km
desobstruída.

Para k=2/3, a primeira zona de


Fresnel deve estar pelo menos
60% desobstruída.

118
119
Propagação - Zona de Fresnel

Zona de Fresnel

Zona de Fresnel é uma elipsóide d2


d1
formada entre as antenas de
transmissão e recepção.

O tamanho da elipsóide é
a
1. Zona de Fresnel

determinada pela freq. de r


operação e distância entre os
dois sítios

d1  d 2
F1  547,72
f  d total d

Exemplos da dimensão do raio da primeira zona de Fresnel:


d1,d2 e dtotal em km
Freq. = 8 GHz, distância 50Km F1 = 21,6m (dist=25km)
F1 em m
Freq. = 18GHz, distância 10 Km F1 = 6,5m (dist=5km)
f em MHz

119
120

Cálculo de atenuação no
AS  92 , 4  20  log d ( km )  20  log f (GHz )
espaço livre
Para frequência acima de
10GHz, além da atenuação no Exemplo: Calcular a atenuação no espaço livre para um
espaço livre, considerar também enlace de 50km operando na frequência de 8 GHz
as atenuações adicionais por
absorção atmosférica (vapor de
água, neblina, Oxigênio e outros
gases) e chuva. AS  92 , 4  20  log 50  20  log 8  144 , 44

As (8GHz) = 144,44 dB para 50 Km

120
121

TX
TX TX
Cálculo do nível Rx
f1, f1'

As
Calcular o nível de recepção RX RX
para o seguinte enlace:

Distância do enlace: 50 Km

Freq. de operação : 8 GHz Atenuação no espaço As = 144,44 dB (50 Km , 8 GHz)

Potência Tx : +25 dBm

Perda na conexão entre o Tx e a


Antena (Ltx) = 0,5 dB
PRx  PTx  LTx  GAntenaTx  AS  GAntenaRx LRx
Perda na conexão entre a Antena
e a entrada Rx (Lrx) = 0,5 dB

Ganho das antenas (1,2m): 37


dBi PRx  25  0,5  37  144 ,44  37  0,5  46,44 dBm

121
Propagação
refração/reflexão

inversão devido
a alta pressão

a
1. Zona de Fresnel

inversão de temperatura
com umidade relativa alta

refração/reflexão reflexão fixo

122
123

Fading

Existem dois tipos de


fading (desvanecimento):
Fading plano, toda a
banda do sinal é atenuada
por igual
Fading seletivo: soma de
dois sinais com fases
diferentes, originados na
propagação multi-
percurso devido a
reflexões do sinal de RF.

123
Diversidade de Frequência

Princ Prot

f1 f2

feixe direto f1 + f2
feixe refletido f1 + f2

refração/reflexão
124
Diversidade de Espaço

Espaçamento entre as antenas :  > 100 

feixe direto

feixe refletido

refração/reflexão

125
126
D ive rsida d e d e F re q u ên c ia
T X f1 T X f2 T X f1 ' T X f2 '

Proteção &
Op P ro t f1 Op P ro t

f2
R X f1 ' R X f2 ' R X f1 R X f2

Diversidade Op P ro t Op P ro t

D ive rsid a d e d e E sp a ço
T X f1 T X f1 '
Op Op
f1
R X f1 ' R X f1
Op Op

>100
f1
R X f1
D iv .

H ot S ta n d by
T X f1 T X f1 '
Op Op
f1

T X f1 T X f1 '
P ro t P ro t

R X f1 ' 10 dB 10 dB R X f1
Op Op

R X f1 ' R X f1
P ro t P ro t

126
127

Configuração 2 x (1+0) com XPIC


XPIC

XPIC – Cross Polarization


Interference Canceller:

É uma solução utilizada em D ƒn


rádio-enlace quando a P
disponibilidade de freqüência é
limitada. Com o XPIC é possível
V
transmitir a mesma frequência ƒ
duas vezes em um mesmo
enlace, sendo uma na
polarização vertical e a outra na
horizontal. H
Nesses equipamentos, além do B
circuito XPIC, deve-se utilizar W
antenas com alta discriminação
de polarização cruzada (XPD em
torno de 40dB)

127
128

Configuração 2 x (1+1) com XPIC


XPIC

D
P
ƒn

V
ƒ

H
B
W

SIAE
Curso de Treinamento Radio ALS Plus 2-

128
Link ID (identificação de canal de RF)

f1
Link ID =1

LO UP LO UP
f1 f1' f1

Link ID = 1 Link ID = 1 Link ID = 2 Link ID = 2 Link ID =3 Link ID =3

129
130

Exemplo:
Interferência
Para um determinado rádio enlace, considerando que o KTBF
Na presença de interferência, o é -90 dBm, calcular a degradação do limiar se tivermos uma
limiar de recepção será interferência com nível de -100 dBm.
degradado segundo a expressão:
100  90
I  KTBF
M  10  log(1  10 10
)
 M  10  log(1  10 10
)
L O r
te
In fe
n
rê cm
ai m
in za
d
i o
l
e
p P
T
A C

P
U P
U

c
sa
e
D a
l
p
o
e
m n
g
A
to u
a
rl

O
L D
P
X

P
U

U P

In te
n
rfê cd
ai
e ls
a
re
b
o ca
e
n

∆M = Degradação do limiar em  10  log(1  10 1 )


dB

I = Nível do sinal interferente  M  0, 41dB


em dBm

KTBF = Ruído térmico em dBm

KTBF = -174dBm + 10logB Se a interferência for igual ao KTBF (-90 dBm), a degradação
(Hz) + Figura de Ruído do Rx do limiar será de 3 dB
(dB)

130
131
Coeficiente de  Relacão de Onda  Perda de  Relação de Potência  Perda por 
Reflexão Estacionária Retorno refletida descasamento

Perda de Retorno r vswr PR (dB) Pr/P (%) am (dB)


0,00 1 infinito 0,00 0,00
0,05 1,1 26,44 0,23 0,01
Perda de retorno é uma figura de 0,09 1,2 20,83 0,83 0,04
mérito que indica o quanto uma 0,13 1,3 17,69 1,70 0,07
impedância medida (Zx) é próxima 0,17 1,4 15,56 2,78 0,12
do valor de uma impedância padrão 0,20 1,5 13,98 4,00 0,18
(Zs). 0,23 1,6 12,74 5,33 0,24
0,26 1,7 11,73 6,72 0,30
Z  ZX
PR ( dB )  20 log S 0,29 1,8 10,88 8,16 0,37
ZS  ZX
0,31 1,9 10,16 9,63 0,44
0,33 2 9,54 11,11 0,51
Para um perfeito casamento, o valor 0,38 2,2 8,52 14,06 0,66
da perda de retorno é infinito. 0,41 2,4 7,71 16,96 0,81
0,44 2,6 7,04 19,75 0,96
Quanto maior o descasamento, 0,47 2,8 6,49 22,44 1,10
maior será a reflexão. 0,50 3 6,02 25,00 1,25
0,60 4 4,44 36,00 1,94
VSWR = (1+r) / (1-r)
0,67 5 3,52 44,44 2,55

PR = - 20 log r (dB) 0,71 6 2,92 51,02 3,10


0,75 7 2,50 56,25 3,59
Pr /P = 100 . r2 (%) 0,78 8 2,18 60,49 4,03
0,80 9 1,94 64,00 4,44
am = - 10 log (1-r2) dB 0,82 10 1,74 66,94 4,81

131
132

Clock
HDB-3
High Density Bipolar
0 1 0 0 0 0 1 1 0 0 0 0 0 1 0

Código utilizado para o E1 Dados


(2,048 Mbit/s)

É um código AMI modificado Dados


para resolver o problema de HBD3 1 V 1 1
sinais com sequência longa de 0V
zeros que dificulta a recuperação 1 B V
do relógio.

Código de linha: HDB-3 Regra de codificação:


Impedância : 75/120 bal 1. Na ocorrência de seqüência de mais de três zeros, o quarto zero é
Ampl sinal: 2,37/3Vpico substituído por bit “1” com violação de polaridade.
2. É gerado o código “000V” quando o numero de bit “1” entre duas
Aten. máx. sinal de entrada: 6dB violações sucessivas for impar.
(1,024 MHz) 3. É gerado o código “B00V” quando o numero de bit “1” entre duas
violações sucessivas for par.
Utilizado em 2, 8 e 34 MBit/s
132
133

CMI Clock
Code Mark Inversion

1 1 1 0 0 1 0 1 0 1 0
STM1 – 155 Mbit/s
Dados
Sem componente DC, realizado
pela alternância de polaridade.

Código de linha: CMI Dados


0V
CMI
Impedância: 75 ohm

Amplitude sinal: 0,5 Vpico


Binário 0
Aten máx sinal de entrada: 12,7 A primeira metade do período do clock é sempre negativa
dB ( 78 MHz). e a segunda metade é sempre positiva. No centro do
período do clock sempre teremos uma transição positiva.
Utilizado em 140 e 155 Mbit/s

Binário 1
O período completo do clock é transformado em pulsos
positivos e negativos alternados.
133
134
135

ALS Plus2

ETHERNET

135
136
Endereço MAC = endereço físico (gravado
Numeração binária, decimal e hexadecimal em memória ROM da placa de rede)

Binario Decimal Hexa Byte Decimal Hexa Endereço MAC (Media Access
0000 0 0 00000000 0 00 Control) : 6 bytes
0001 1 1 00000001 1 01
0010 2 2 Ex: 00-1A-4D-78-42-27
00000010 2 02
00-B0-AC-03-8E-B2
0011 3 3
0100 4 4 00-1A-4D : Giga Byte
00110010 50 32
0101 5 5 00-B0-AC : Siae Mic
0110 6 6
ORGANIZATIONALLY
0111 7 7 UNIQUE IDENTIFIER (OUI)
10101011 171 AB
1000 8 8 OR 'COMPANY_ID'

1001 9 9
1010 10 A
1011 11 B
1100 12 C 11110000 240 F0
1101 13 D
1110 14 E
1111 15 F 11111111 255 FF
10000 16 10
http://standards.ieee.org/develop/regauth/oui/public.html

Curso de Operação e Manutenção Rádio ALC plus2e - SIAE 137


Classe de endereço IP (endereço lógico):
Bit inicial
Classe de Tamanho Tamanho Mascara de Rede do Num. Num.
Faixa
Endereço Rede (bit) Host (bit) (decimal) primeiro Redes Host/Rede
octeto
A 8 24 255.0.0.0 1‐126, 127* 0xxxxxxx 126 16.777.214
B 16 16 255.255.0.0 128‐191 10xxxxxx 16.384 65.534
C 24 8 255.255.255.0 192‐223 110xxxxx 2.097.152 254
D multicast address 255.255.255.240 224-239 1110xxxx

E reservado rede experimental 240-255 1111xxxx


127.0.0.0. : reservado para loopback, e 255.255.255.255 reservado para endereço broadcast

Endereços reservados para uso privado (RFC 1918): não roteavel na internet

Redes IP Privadas Classe de Redes Numero de Redes

10.0.0.0 a 10.255.255.255 A 1

172.16.0.0 a 172.31.255.255 B 16

192.168.0.0 a 192.168.255.255 C 256

Curso de Operação e Manutenção Rádio ALC plus2e - SIAE 138


Camada de Rede – Sub-rede IP
IP Address in decimal 192 5 34 139
Sub-Network mask in decimal 255 255 255 224
IP Address in binary 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 0 1 0 1 1
Sub-Network mask in binary 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 1 0 0 0 0 0
Logical AND result 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0
Sub-Network Address in binary 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 0
Sub-Network Address in decimal 192 5 34 128
First host address in binary 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 0 0 0 0 1
First host address in decimal 192 5 34 129
Last host address in binary 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 1 0
Last host address in decimal 192 5 34 158
Broadcast address in binary 1 1 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 1 0 1 0 0 1 0 0 0 1 0 1 0 0 1 1 1 1 1
Broadcast address in decimal 192 5 34 159

 Os bits 1 da máscara identificam o campo do ID da rede do endereço IP enquanto os bits 0


identificam o campo do ID do Host. Exemplo: IP: 192.5.34.139 Mask: 255.255.255.224
Os primeiros 27 bits pertencem ao ID da rede e os 5 restantes pertencem ao ID do Host
 Uma notação alternativa é :192.5.34.139/27
 O endereço do Host é obtido mudando o ID do Host de 1 até o (máximo – 1), e adicionando-o no
endereço da sub-rede.
 Host ID=0 e Host ID=MAX são endereços reservados (respectivamente, endereço da sub-rede e endereço
Broadcast).
 O endereço broadcast acima é chamado de Network Broadcast ou Directed Broadcast . Existe também o
Limited Broadcast 255.255.255.255 que não é roteavel (fica limitado dentro da LAN).

139
Modelo OSI e TCP/IP OSI = Open System Interconnection reference model for communications

ISO-OSI TCP/IP

7 Application Consiste de programa de aplicãções


que utiliza a rede

Telnet, FTP
HTTP
6 Presentation Define como os dados serão apresentados Application SNMP, SMTP,POP3,
VoIP, .....
Gerencia sessões entre os aplicativos. Define
5 Session como começar, controlar e terminar uma
conversação (Sessão)

4 Transport Prove deteção de erros, recuperação de Transport TCP, UDP,………


erro, controle de fluxo, segmentação,

3 Network
Gerencia conexão na rede para camada Network IP, ICMP, ARP, OSPF,
superior , endereço lógico, roteamento, etc. (Internet) RIP, …
(Roteadores)

Prove entrega confiavel dos dados sobre a


2 Data Link linha fisica(Switches)
Data Link Ethernet, Frame Relay,
(Network Interface)
Define as caracteristicas fisicas do meio de HDLC, PPP, WiFi, ……
1 Physical transmissão (Hubs)

140
Encapsulamento TCP/IP

TCP = Transmission Control Protocol

UDP = User Datagram Protocol

Host A Switch Router Router Switch Host B


Application Application
peer-to-peer
Transport Transport

Network Network Network Network

Data Link Data Link Data Link Data Link Data Link Data Link

141
Data Link (Layer 2) – The MAC Sub Layer
64 to 1518 bytes

IEEE 802.3 Destination Source


Address Address Length DATA FCS
MAC Frame Format

6 bytes 6 bytes 2 bytes 4 bytes

 Cada dispositivo na rede Ethernet tem um único Media Access Control ID (MAC Address).
 O endereço MAC é formado por 6 bytes (48-bit) – Exemplo: 00.AF.CD.33.56.B8
 O frame MAC contém o MAC address de destino e origem.
 Cada Host em um seguimento Ethernet examina o endereço de destino e decide se deve
ignorar ou ler todo o pacote.
 Switch camada 2 roteia o tráfego baseado no endereço MAC usando uma tabela de endereço.
 Switch camada 2 usualmente possui um endereço MAC para o seu gerenciamento.

142
FORMATO DO QUADRO (FRAME) ETHERNET 802.3

MAC (Media Access Control) address de destino

MAC address de origem


Octet (byte)
da 0 da 0
7 1 6 6 2 4 12
a 1500 a 46
Inter-frame
Pre. SFD DA SA Len/Etype Dados pad FCS
Gap

de 64 (mínimo) até 1518 Byte sem tag

Frame Check Sequence


(Verificador de erros)
Start Frame Delimiter (Delimitador de início de quadro =10101011)

Preâmbulo: permite a sincronização do receptor ( 7 x 10101010 )

143
IEEE 802.1Q – Virtual LAN (pacotes tagged)

Frame Ethernet original

DA SA Len/Etype Dados FCS

Frame 802.1Q – VLAN da rede do cliente (C-VLAN)

DA SA Tag Len/Etype Dados FCS

4 bytes

Frame Double Tagged VLAN do provedor de serviço (SVLAN) – QinQ (802.1ad)

DA SA Tag Tag Len/Etype Dados FCS

4 bytes 4 bytes

144
COMPOSIÇÃO DA TAG

A Tag da VLAN é formada por 4 bytes inseridos no frame Ethernet. Na figura abaixo é representado
o frame Ethernet com a tag da VLAN:
Ether-Type CRC/
Preamble DA SA 802.1Q Payload
Size FCS

TPID PCP CFI VID

16 bits 3 bits 1 bit 12 bits

• Tag Protocol Identifier (TPID): campo com 2 Bytes com valor 0x8100 (1000 0000 – 0000 0000)
que identifica frame com Tag conforme IEEE 802.1Q ou valor 0x9100 (1001 0000 – 0000 0000)
que identifica frame com Double Tag (IEEE 802.1ad) .
• Priority Code Point (PCP): campo com 3 bits que se refere a Prioridade conforme IEEE802.1p.
• Canonical Format Indicator (CFI): campo com 1 bit. Se o valor for 1, o endereço MAC está no
formato não canonical. Se o valor for 0, o endereço MAC está no formato canonical. Para Switch
Ethernet o valor é ajustado sempre em 0.
• VLAN Identifier (VID): campo com 12 bits que especifica a VLAN ao qual o pacote pertence. São
permitidos até 4095 VLANs diferentes no ALplus2.
145
Network Layer – The IP Packet

 Cada dispositivo na rede IP deve ter um único endereço IP


 O endereço IP é formado por 4 bytes (32-bit) Exemplo: 192.168.34.23
 Um pacote IP contém o endereço IP de destino e de origem.
 Roteadores de Camada 3 roteiam o tráfego baseado no endereço IP utilizando uma tabela de
roteamento.
 Usualmente os Hosts tem um endereço IP.
 Usualmente os roteadores possuem mais de um endereço IP (pelo menos um por cada porta).
 Um endereço IP é formado por dois campos: ID da rede e ID do Host. O comprimento do ID da rede
é determinado pela máscara de sub-rede.

146
Data Link – Layer 2 Switch SA: 00.AA.00.00.AA.00 Mac learning
DA: 00.BB.00.00.BB.00
MAC: 00.AA.00.00.AA.00

Host A Flooding (inundar)

e0
e2

e1

MAC: 00.BB.00.00.BB.00
MAC Table
MAC Learning
e0: 00.AA.00.00.AA.00
Host B

 A Switch envia o pacote através de todas as suas portas se não souber onde está localizado o DA:
00.BB.00.00.BB.00 (Flooding).
 Flooding ocorre também para todos os pacotes broacast e multicast.
 Quando a switch recebe um pacote aprende onde o Host A está localizado (MAC:
00.AA.00.00.AA.00) e armazena essa informação na sua tabela MAC.

147
Data Link – Layer 2 Switch

MAC: 00.AA.00.00.AA.00

Host A MAC Switching

e0
e2

e1

MAC: 00.BB.00.00.BB.00

MAC Table

e0: 00.AA.00.00.AA.00
Host B e1: 00.BB.00.00.BB.00 MAC Learning
SA: 00.BB.00.00.BB.00
DA: 00.AA.00.00.AA.00

 A switch , através da sua tabela MAC, sabe que o DA: 00.AA.00.00.AA.00 (HostA) está
localizado na porta e0. Então ele envia o pacote somente para a porta e0.

 Quando a Switch recebe o pacote aprende onde está localizado o Host B (MAC:
00.BB.00.00.BB.00) e adiciona esse dado na sua tabela MAC.

148
Camada de rede – IP de sub-rede e Roteadores Camada 3

Sub-rede
Sub-rede 10.0.2.0/24
10.0.1.0/24
Sub-rede
10.0.3.0/24

Sub-rede
10.0.4.0/24

Uma rede IP normalmente é dividida em várias sub-redes

 Os Hosts que pertencem a uma mesma sub-rede tem o mesmo ID de sub-rede, mas diferentes Host
IDs
 A comunicação entre diferentes sub-redes são realizadas através de roteadores.
 Cada roteador pode ter interfaces para duas ou mais sub-redes
 Quando um roteador recebe um pacote, ele examina os campos do ID da rede no endereço IP do
destinatario e usa sua tabela de roteamento para decidir onde encaminhar esse pacote. Existem
duas possibilidades:
 O pacote pertence a mesma sub-rede diretamente conectada ao roteador. Neste caso o pacote é
enviado diretamente para o Host de destino.
 O pacote não pertence a sub-rede diretamente conectada ao roteador. Nesse caso o pacote é
enviado para outro roteador para posterior roteamento.
 Um roteador pode ser conectado a outro roteador usando conexões ethernet ou serial.

149
Exemplo de Tabela de Roteamento

10.0.2.1/24 10.0.2.100/24
10.0.1.1/24 Números em azul
10.0.1.154/24 R4 representam os
R2 endereços das sub-
redes
R1
e0 e1 10.0.5.0/24
s0 10.0.4.0/24
10.0.254.2/30
R3 Números em vermelho
10.0.1.0/24 10.0.2.0/24 representam os
10.0.254.1/30 endereços IP das
portas

10.0.3.0/24
Tabela de roteamento - Roteador R1

Destination Mask Hop Port


10.0.1.0 255.255.255.0 10.0.1.1 e0 Linhas adicionadas automaticamente pelo roteador para
10.0.2.0 255.255.255.0 10.0.2.1 e1 endereçar a sub-rede conectada diretamente a ele.

10.0.254.2 255.255.255.255 10.0.254.1 s0 Linhas adicionadas automaticamente para endereçar a


conexão serial
10.0.4.0 255.255.255.0 10.0.2.100 e1
10.0.5.0 255.255.255.0 10.0.2.100 e1 Linhas estáticas a serem adicionadas pelo projetista
10.0.3.0 255.255.255.0 10.0.254.2 s0 de rede para endereçar sub-redes remotas
Default Gateway: 10.0.1.154 e0 Rota Default a ser utilizada se não for encontrado um
roteamento na tabela

150
Qualidade de Serviço (QoS):

Qualidade de serviço (QoS) é uma característica essencial quando a rede ethernet deve
transportar além de simples dados também aplicações interativas e em tempo real.
Aplicativos de tempo real (por exemplo, VoIP) tem estrito requerimento em termos de banda,
latência e jitter. Desta forma, quando a banda da rede começa a ficar insuficiente para garantir
o transporte de todo o tráfego Ethernet, os mecanismos de QoS são utilizados para diferenciar
tipos de tráfego, dando maior prioridade para os pacotes críticos (tempo real) e reduzindo a
banda para pacotes dedicados de dados.

Mecanismo de QoS:
• IEEE 802.1p QoS (Layer 2 Quality of Service), onde o tráfego é priorizado conforme os 3 bits
da TAG 802.1Q.
• IPv4 ToS (Layer 3 Type of Service of the IP v4 header), onde o tráfego é priorizado conforme
os 6 bits do ToS (DSCP – Differentiated Services Code Point).
• IPv6 ToS (Layer 3 Type of Service of the IP v6 header), onde o tráfego é priorizado conforme
os 6 bits do ToS (DSCP).
Quando os dois mecanismos de QoS (802.1p and IPToS) são ativados, o projetista pode
escolher a prioridade de cada mecanismo de QoS (802.1p – IPToS ou IPToS – 802.1p).

151
Tipos de Prioridade:
A Switch integrada possui 4 filas onde os pacotes são armazenados em caso de congestionamento
de tráfego. O gerenciamento de prioridade é realizado enviando os pacotes para estas filas de saída
baseados nos valores 802.1p ou ToS (DSCP). A correspondência entre 802.1p ou ToS e cada fila
de saída pode ser ajustada via software.
Filas de saída:
Os pacotes nas filas podem ser enviados baseados em dois diferentes critérios (selecionados via
software):
• Strict Priority (SP): primeiro, todos os pacotes da mais alta prioridade são transmitidos (Queue
3), depois todos os pacotes da segunda fila (Queue 2) e assim por diante (Caso 1 da figura abaixo).
• Weighted Round Robin (W.R.R.): Os pacortes são enviados seguindo a regra 8-4-2-1, isto é,
primeiro são transmitidos 8 pacotes da mais alta prioridade, depois 4 pacotes da segunda fila,
depois 2 pacotes da terceira fila e finalmente 1 pacote da última fila (Caso 2)
• Tambem é possivel utilizar regras de prioridade mista, definindo fila 3 (ou fila 3 e fila 2) como SP e
o restante das filas como WRR (Caso 3 e 4).
High Low

Queue 3 Queue 2 Queue 1 Queue 0


CASE 1 Strict Priority
CASE 2 8 4 2 1 WRR
CASE 3 4 2 1
CASE 4 2 1
152
153

ALS Plus2

EXERCÍCIO

153
EXERCICIO
Radio A Radio B Radio C Radio D

Eth Eth
Eth Eth

2E1
Trib E1 Trib E1 Trib E1 Trib E1

MNGT(Q3) CAT5 MNGT(Q3)

192.168.2.1/24
192.168.0.1/24 192.168.1.1/24 192.168.1.3/24

Parâmetros SCT/WebLCT TURMA A TURMA B TURMA C TURMA D

Tools/Equip config wizard/Download
Download Config Arquivo default (CD) Arquivo default (CD) Arquivo default (CD) Arquivo default (CD)
(SCT)

Nome do equipamento Equip/Properties   (SCT) Radio  A Radio B Radio C Radio D

Agent IP Address Equip/Properties    (SCT) 192.168.0.1 192.168.1.1 192.168.1.3 192.168.2.1

Equip/Commun Setup/Port Config/ 192.168.0.1 192.168.1.1 192.168.1.3 192.168.2.1


Endereço IP Ethernet
IP Ethernet    (SCT) 255.255.255.0 255.255.255.0 255.255.255.0 255.255.255.0

Equip/Communic Setup/Port Config/ IP Unnumbered IP Unnumbered IP Unnumbered IP Unnumbered


Endereço  LCT PPP
LCT PPP  (SCT) Port Ip Address+1 Port Ip Address+1 Port Ip Address+1 Port Ip Address+1

Endereço PPP Radio Equip/Communic Setup/Port Config/ IP Unnumbered IP Unnumbered IP Unnumbered IP Unnumbered


(Redes diferentes = Client) PPP Radio (SCT) Client Client Client Client

Considerar os 4  Considerar os 4  Considerar os 4  Considerar os 4 


Tools/Subnetwork config wizard
Lista de  Elementos Remotos elementos na mesma  elementos na mesma  elementos na mesma  elementos na mesma 
(SCT). Vide Apostila pagina 32
Estação Estação Estação Estação

154
Parâmetros SCT/WebLCT TURMA A TURMA B TURMA C TURMA D

Sistema Configurator (WebLCT) (1+0) (1+0) (1+0) (1+0)

Banda/Mod General (LCT) 32 Mbps/16QAM 32 Mbps/16QAM 32 Mbps/16QAM 32 Mbps/16QAM

E1 Bas Band Tributary(LCT) 4E1 (Trib 1 até 4) 4E1 (Trib 1 até 4) 4E1 (Trib 1 até 4) 4E1 (Trib 1 até 4)

Alarme Rx General Preset (CT) ‐75 dBm ‐75 dBm ‐75 dBm ‐75 dBm

Canal Radio Branch   (LCT) 100 100 400 400

Potência Tx Radio Branch   (LCT) +20 dBm +20 dBm +20 dBm +20 dBm

Auto Auto
Auto Auto
ATPC Enable (Auto) Radio Branch (LCT) Rx =‐50/‐53dBm Rx =‐50/‐53dBm
Rx =‐50/‐53dBm Rx =‐50/‐53dBm

Teste 1 Tools/Equip config wizard/Upload (SCT) Fazer backup da configuração do rádio

Main menu>  Active Manual Oper/Radio 
Teste 2 Cortar a potência Tx do Rádio Remoto durante 30 segundos (man op time out)
Branch  (LCT e SCT)

Teste 3 Main menu > Reports  (SCT) Gerar e salvar Relatório de Inventário e alarmes 

Teste 4 PRBS     (LCT) Fazer teste PRBS com o E1‐1

Teste 5 E1 / Radio Loop  (LCT) Fazer testes de loop E1 (local, remoto, FI)

Teste 6 Performance Monitoring (SCT) Ativar medidas de performance e analisar resultados

155
156
157
158
159
160
161
162
163
164
165
166
167
168
169
170
171
172
173
174
175
176
177
178
179
180
181
182
183
184
185
186
187
188