Você está na página 1de 17

UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ - UVA

Curso de Licenciatura em Química


Disciplina: Química Inorgânica Experimental I
Professor: Dráulio Sales da Silva

RELATÓRIO 01
REAÇÕES QUÍMICAS

Alan Gomes de Paula


José Cleiton Sousa Rodrigues
José Ataliba Vasconcelos

Sobral – CE
Julho de 2018

1
SUMÁRIO

1. RESUMO.................................................................................................... 03
2. INTRODUÇÃO............................................................................................ 04
3. OBJETIVOS................................................................................................ 08
4. PARTE EXPERIMENTAL........................................................................... 09
4.1 Materiais Utilizados.................................................................... 09
4.2 Reagentes Utilizados................................................................. 09
4.3 Procedimentos Experimentais................................................... 10
5. RESULTADOS E DISCUSSÕES............................................................... 12
6. CONCLUSÃO............................................................................................. 16
7. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICA.............................................................. 17

2
1. RESUMO

A aula prática de Química Inorgânica Experimental I teve como objetivo


observar as reações químicas entre diversas substâncias, realizar uma análise
dos resultados obtidos, identificando diferentes tipos de reações químicas,
formação de precipitado, mudança de cor e proporcionar maior conhecimento em
relação às reações químicas.
Antes da aula prática foi entregue um Pré – laboratório com questões
respondidas sobre o assunto.

3
2. INTRODUÇÃO

Reação química é uma transformação da matéria na qual ocorrem


mudanças qualitativas na composição química de uma ou mais substâncias
reagentes, resultando em um ou mais produtos. É o processo onde uma
substância é transformada em outra (ou outras).
Para se evidenciar que aconteceu uma reação química é preciso notar
aparecem diferenças perceptíveis e significativas entre o estado inicial e o estado
final, estados estes que correspondem respectivamente aos reagentes antes de
serem colocados em contato e o que resulta após. É possível utilizar critérios
quantitativos e qualitativos para detectar esta mudança. Critérios qualitativos são
baseados em observações macroscópicas utilizando os órgãos dos sentidos
(exceto pelo paladar), e podem ser: Formação de produtos gasosos, formação de
precipitado, mudança de cor, odor, transferência de energia, são os principais
critérios para se avaliar se ocorreu uma equação química.
As reações podem ser representadas através de equações, usando
símbolos e números para descrever, respectivamente, os nomes e proporções
das diferentes substâncias presentes. A reação química é escrita da seguinte
forma:

Essas equações são de uso universal, podendo ser usadas em qualquer


lugar do mundo da mesma forma, nelas os reagentes são mostrados no lado
esquerdo da equação, enquanto que os produtos são colocados à direita.
O acontecimento de reações deve-se a fatores termodinâmicos e
cinéticos. Termodinâmico, pois a reação é favorecida com o aumento da
entropia e a diminuição da energia. Cinética, pois para que a reação ocorra é
necessário que antes, os reagentes superem certa barreira de energia, e quanto
maior for essa barreira mais difícil será a reação ocorrer e mais lenta ela será.
Como já dito anteriormente para se evidenciar que ocorreu uma reação
química é preciso notar diferenças perceptíveis e significativas, entre eles está a
formação de precipitado. O precipitado varia de acordo com o tamanho e forma
das partículas produzidas e podem ser assim divididos:

4
a) Cristalino - o precipitado é reconhecido pela presença de muitas partículas
pequenas de formato regular tendo superfície Iisa. Os cristais de um precipitado
cristalino assemelham-se aos cristais do sal de cozinha ou açúcar.
b) Granular - consiste em pequenos e discretos grãos que sedimentam-se com
facilidade. Um precipitado granular parece com café moído (não em pó).
c) Finamente Dividido - formado por partículas extremamente pequenas. As
partículas individuais são invisíveis a olho nu. A aparência de farinha de trigo é
descritiva deste exemplo. Este precipitado é difícil de trabalhar, pois devido ao
tamanho das partículas, estas levam um tempo muito longo para sedimentar.
d) Coloidal tipo Gelatinoso - é aquele que forma uma massa compacta com
aspecto de gelatina. É difícil de trabalhar, pois na manipulação enclausura
impurezas de forma a tornar a sua lavagem impossível.
e) Coloidal Finalmente dividido - é o exemplo extremo de precipitado finamente
dividido. As Partículas são tão pequenas que dificilmente sedimentam e
atravessam até os poros de um filtro.
As reações químicas são classificadas da seguinte forma:
a) Reação de síntese: são aquelas representadas genericamente por uma do
tipo A + B → AB, onde AB podem ser substâncias simples ou compostas,
formadas a partir da combinação dos seus reagentes. Porém quando os
reagentes são simples denominamos reação de síntese total, quando pelo menos
um dos reagentes é composto chamamos de síntese parcial;
b) Reação de análise ou decomposição: são aquelas em que uma única
substância é decomposta em duas ou mais substâncias distintas, sendo
representado genericamente por uma equação do tipo AB → A + B, onde AB
pode ser substância simples ou composta. Essas por sua vez são divididas em
três tipos: pirólise, eletrólise e fotólise que são provocadas por calor, eletricidade e
luz respectivamente;
c) Reação de deslocamento: ocorre uma substituição de átomo(s) entre as
substâncias, é também chamada de reação de substituição ou troca. São
divididas em:
 Simples troca: quando um elemento constituinte de um composto é
constituído por outro elemento.
A + BC → AC + B
5
 Dupla troca: quando duas substâncias permutam entre si dois elementos:
A+B- + C+D- → AD + BC

d) Reação de Precipitação: é aquela em que, mesmo realizado em presença de


reagente líquido ou em solução, ocorre a formação de um material sólido insolúvel
no meio.
AB(s) ⇌ A+(aq) + B-(aq)

e) Reação de neutralização: é aquela que ocorre entre um ácido e uma base,


formando sal e água e é também uma reação de dupla troca.

f) Reação de óxido – redução: quando ocorre uma variação no estado de


oxidação de alguns elementos que compõem os reagentes e produtos.
Entre tipos de reação química.

As reações químicas que ocorrem em nossa volta podem ser muito


variadas e têm velocidades diferentes. Algumas são extremamente rápidas, ou
seja, acontecem em frações de segundo, essa velocidade está relacionada com a
rapidez com que um reagente é consumido ou com a velocidade a que um
produto de reação se forma. E os fatores que influencia essa velocidade são:
a) Temperatura: um aumento na temperatura provoca um aumento na
velocidade das reações químicas, sejam elas endotérmicas ou exotérmicas, pois
isso faz com que se atinja mais rápido o complexo ativado;
b) Concentração: um aumento na concentração dos reagentes acelera a reação,
pois haverá um maior número de partículas dos reagentes por unidade de
volume, aumentando a probabilidade de ocorrerem colisões efetivas entre elas;
c) Pressão: Esse fator interfere unicamente em sistemas gasosos. O aumento da
pressão aumenta também a rapidez da reação, pois deixa as partículas dos
reagentes em maior contato;
d) Superfície de contato: Quanto maior a superfície de contato, maior a
velocidade com que a reação se processa, pois, conforme explicado nos dois
últimos itens, a reação depende do contato entre as substâncias reagentes;

6
e) Catalisador: O uso de catalisadores específicos para determinadas reações
pode acelerá-las. Essas substâncias não participam da reação em si, pois são
totalmente regeneradas ao final dela.
Além desses fatores principais, a natureza dos reagentes e fatores
externos como luz e eletricidade podem influenciar a velocidade de certas
reações químicas. A natureza do reagente interfere porque quanto maior for o
número de ligações dos reagentes que precisam ser rompidas para que a reação
ocorra e também quanto mais fortes elas forem, mais lenta será a reação.

7
3. OBJETIVOS

 Utilizar evidências experimentais para concluir sobre ocorrência de uma


reação química.
 Reconhecer tipos de precipitado.
 Classificar reações químicas.
 Representar uma reação através de uma equação química.

8
4 – PARTE EXPERIMENTAL

4.1 – Materiais Utilizados

 13 tubos de ensaio;
 Galeria (estante para tubos de ensaio);
 Espátula de metal;
 Pera;
 Pipeta graduada de 10 mL (1/10);
 Pipeta graduada de 5 mL (1/10);

4.2 Reagentes Utilizados

 Sulfato de Cobre (CuSO4) 0,1 mol/l;


 Cloreto de Ferro (FeCl3);
 Iodeto de Potássio (KI);
 Nitrato Chumbo (Pb(NO3)2 0,1 mol/l;
 Hidróxido de Amônia (NH4OH) 3 mol/L;
 Ácido Clorídrico (HCl) 0,1 mol/L;
 Nitrato de Prata (AgNO3) 0,1 mol/
 Cloreto de bário (BaCl2) 0,1 mol/L;
 Ácido Sulfúrico (H2SO4) 0,1 mol/L;
 Cloreto de cálcio (CaCl2) 0,1 mol/L;
 Hidróxido de Sódio (NaOH) 0,3 mol/L;
 Dicromato de potássio (K2Cr2O7) 0,1 mol/L;
 Cloreto de alumínio, (AlCl3) 0,1 mol/L;
 Sulfito de Sódio (Na2SO3) 5%;
 Cloreto de Sódio (NaCl) sólido;
 Bicarbonato de sódio (NaHCO3) sólido;
 Ácido Sulfúrico (H2SO4) concentrado;

9
4.3 Procedimentos Experimentais

Experimento 1 - Mudança de cor

1. No primeiro tubo de ensaio, com uma pipeta graduada, foram adicionados 2 mL


de CuSO4 (Sulfato de Cobre), em seguida, com outra pipeta graduada, foram
adicionados mais 2 mL Cloreto de Ferro (FeCl3) no mesmo tudo de ensaio.
Observou-se e anotou-se o resultado.

2. Em um segundo tubo de ensaio, com uma pipeta graduada, foram adicionados


2 mL de Iodeto de Potássio (KI) 0,1 mol/L em seguida, com auxilio de outra
pipeta graduada, foram adicionados mais 2 mL Nitrato Chumbo (Pb(NO3)2 0,1
mol/L no mesmo tudo de ensaio. Observou-se e anotou-se o resultado

3. Em um terceiro tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Sulfato de Cobre (CuSO4) 0,2 mol/L, em seguida com auxilio
de outra pipeta graduada, no mesmo tubo de ensaio foram adicionados mais 2 mL
de Hidróxido de Amônia (NH4OH) 3 mol/L. Observou-se e anotou-se o resultado.

Experimento 2 – Tipos de precipitado

1. Em um quarto tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Ácido Clorídrico (HCl) 1 mol/L, utilizando outra pipeta
graduada, adicionou-se mais 2 mL de Nitrato de Prata (AgNO3) 0,1 mol/L.
Observou-se e anotou-se o resultado.

2. Em um quinto tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Cloreto de Bário (BaCl2) 0,1 mol/L, utilizando outra pipeta
graduada , adicionou-se mais 2 mL Ácido Sulfúrico (H2SO4) 1 mol/L. Observou-se
e anotou-se o resultado.

3. Em um sexto tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Cloreto de cálcio (CaCl2) 1 mol/L, utilizando outra pipeta

10
graduada, adicionou-se mais 2 mL de Hidróxido de Sódio (NaOH) 0,3 mol/L.
Observou-se e anotou-se o resultado.

4. Em um sétimo tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Dicromato de potássio (K2Cr2O7) 0,1 mol/L, utilizando outra
pipeta graduada, adicionou-se mais 2 mL de Cloreto de bário (BaCl2) 1 mol/L.
Observou-se e anotou-se o resultado.

5. Em um oitavo tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Cloreto de alumínio, (AlCl3) 0,1 mol/L, utilizando outra pipeta
graduada, adicionou-se mais 2 mL de Hidróxido de Sódio (NaOH) 3 mol/L.
Observou-se e anotou-se o resultado.

6. Em um nono tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma pipeta


graduada 2 mL de Sulfito de Sódio (Na2SO3) 5%, utilizando outra pipeta
graduada, adicionou-se mais 2 mL de Ácido Sulfúrico (H2SO4) 1 mol/L. Observou-
se e anotou-se o resultado.

Experimento 3 – Tipos de reações químicas

1. Em um decimo tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma espátula


o Bicarbonato de sódio (NaHCO3(s)), com auxilio de uma pipeta graduada 2 mL
de Ácido Clorídrico (HCl) 1 mol/L. Observou-se e anotou-se o resultado.

2. Em um decimo primeiro tubo de ensaio, foram adicionados, pregos de ferro,


com auxilio de uma pipeta graduada foi adicionado 2 mL de Sulfato de Cobre
(CuSO4) 1 mol/L

3. Em um decimo segundo tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de um


pipeta graduada 2mL de Ácido Sulfúrico (H2SO4) 2 mol/L, utilizando outra pipeta
graduada, adicionou-se mais 2 mL de Hidróxido de Sódio (NaOH) 3 mol/L.
Observou-se e anotou-se o resultado.

11
4. Em um decimo terceiro tubo de ensaio, foram adicionados, com auxilio de uma
espátula o Cloreto de Sódio (NaCl(s)), utilizando outra pipeta graduada, adicionou-
se mais 2 mL de Ácido Sulfúrico (H2SO4) (concentrado)

5 – RESULTADOS E DISCUSSÃO

Experimento 1 - Mudança de cor

1. Ao misturar CuSO4 (Sulfato de Cobre) com Cloreto de Ferro (FeCl3). Ocorreu


uma reação química evidenciada pela mudança de cor da solução após a mistura,
como mostra a reação abaixo:
FeCl3 + CuSO4 FeSO4 + CuCl3

2. Ao misturar Iodeto de Potássio (KI) 0,1 mol/L com Nitrato Chumbo (Pb(NO3)2,
ocorreu uma reação química evidenciada pela mudança de cor da solução após a
mistura, notou-se a formação de um precipitado amarelo, o PbI2 (Iodeto de
Chumbo III) e o outro produto resultante foi o KNO 3 (Nitrato de Potássio) que fica
em solução, como mostra a reação abaixo:
Pb(NO3)2(aq) + 2KI(aq) PbI2(aq) + 2KNO3(aq)

3. Ao misturar Sulfato de Cobre (CuSO4) 0,2 mol/L com Hidróxido de Amônia


(NH4OH) 3 mol/L, ocorreu uma reação química evidenciada pela mudança de cor
da solução após a mistura do Sulfato de Cobre (CuSO4) de coloração azul e do
Hidróxido de Amônia (NH4OH) 3 mol/L incolor. Obtendo-se como resultado uma
solução de cor lilás.

Equação química da reação.

CuSO4 + NH4OH CuOH + NH4SO4

12
Experimento 2 – Tipos de precipitado

1. Ao misturar Ácido Clorídrico (HCl) 1 mol/L e Nitrato de Prata (AgNO3) 0,1 mol/L
formou- se o precipitado granular, pequenos e discretos grãos que se
sedimentam com facilidade, além de formar o ácido nítrico. A solução
apresentou-se na coloração branca.
Equação química da reação.
HCl(aq) + AgNO3(aq) AgCl(s) + HNO3(aq)

2. Ao misturar Cloreto de Bário (BaCl2) 0,1mol/L (incolor) e Ácido Sulfúrico


(H2SO4) 1 mol/L (incolor), houve formação de um precipitado do tipo finamente
dividido (sulfato de bário). Pode se afirmar que o precipitado é desse tipo por
serem partículas extremamente pequenas, que quando vistas individualmente são
invisíveis a olho nu.
Equação química da reação.
BaCl2(aq) + H2SO4(aq) → BaSO4(s) + 2HCl(aq)

3. Ao misturar Cloreto de cálcio (CaCl2) 1 mol/L + Hidróxido de Sódio (NaOH) 0,3


mol/L para formar Hidróxido de Cálcio (Ca(OH)2) e Cloreto de Sódio (NaCl),
Verificou-se a formação de um precipitado do tipo Cristal.
Equação química da reação.
CaCl2 + 2NaOH → Ca(OH)2 + 2NaCl

4. Ao misturar Dicromato de potássio (K2Cr2O7) com Cloreto de bário (BaCl2) 1


mol/L. Verificou-se a formação de um precipitado do tipo Cristal, o Cromato de
bário, insolúvel, em meio a uma solução alaranjada.
Equação química da reação.
2K2CrO7 + 2BaCl2 → 2BaCrO4 + 4KCl + 3O2

5. Ao misturar Cloreto de alumínio, (AlCl3) com Hidróxido de Sódio (NaOH).


Verificou-se a formação de um precipitado do tipo colidal finamente dividido.

Equação química da reação.

13
AlCl3 + NaOH = NaCl3 + Al(OH)

6. Ao misturar Sulfito de Sódio (Na2SO3) 0,1 mol/L (incolor) e Ácido Sulfúrico


(H2SO4) 1 mol/L (incolor), houve formação de precipitado do tipo coloidal
finamente dividido, de cor esverdeada. Pode se afirmar que o precipitado é desse
tipo porque as partículas eram extremamente pequenas.

Equação química da reação.

3H2SO4(aq) + Na2S2O3(aq) → Na2S2O3(aq) + 4SO2(g) + 3H2O(l)

Experimento 3 – Tipos de reações químicas

1. Ao misturar Bicarbonato de sódio (NaHCO3(s)), 0,2 mol/L e Ácido Clorídrico


(HCl) 1 mol/L. Foi possível perceber a liberação de gás, devido à formação de
bolhas no tubo de ensaio. Isso ocorreu porque o ácido carbônico (H2CO3) se
decompõe rapidamente em gás carbônico.
Equação química da reação.

NaHCO3(s) + HCl(aq) → NaCl(aq) +H2O(l) + CO2(g)


Portanto ocorreu uma reação do tipo: exotérmica evidenciada pela
liberação de gás carbônico.

2. Em um tubo de ensaio, colocamos um pouco de solução de sulfato de cobre,


CuSO4, com a sua cor azul característica. A seguir, pregos comuns de ferro,
LIMPOS (isto é sem a camada superficial de oxidação), são imersos na solução
azul. Em pouco tempo a cor da solução desvanece ao mesmo tempo em que
forma-se um depósito vermelho na superfície dos pregos. Trata-se do cobre
reduzido (ou deslocado) pelo ferro segundo a reação:

CuSO4 + Fe → Cu + FeSO4
Portanto ocorreu uma reação é do tipo: Reação de simples troca

14
3. Ao mistura as soluções Ácido Sulfúrico (H2SO4) e Hidróxido de Sódio (NaOH)
resumida pela seguinte equação:

H2SO4 + NaOH → NaHSO4 + H2O

A reação acima pode ser considerada uma reação de Dupla-Troca. Pode


ser também uma reação de neutralização parcial do ácido, uma vez que a
proporção entre os íons H+ e OH- são diferentes, obtendo-se assim um sal de
caráter ácido, já que a proporção de íons foram de 2 H +: 1 OH- .

4. Ao misturar Cloreto de Sódio (NaCl(s)) com Ácido Sulfúrico (H2SO4)


(concentrado), observa-se o desprendimento de gás, que indica a formação do
ácido volátil (HCl), o que é uma evidência da ocorrência dessa reação. Descrita
pela equação:
2NaCl + H2SO4 → Na2SO4 + 2HCl

Portanto ocorreu uma reação do tipo: dupla troca.

15
6 – CONCLUSÃO

Conclui-se que as reações químicas podem ser evidenciadas por diversos


fatores, tais como: mudança de cor, liberação de gás e formação de diferentes tipos
de precipitado sendo a mais evidente a formação de precipitado devido à fácil
visualização após alguns minutos e a mudança de cor. Quanto à liberação de
produtos gasosos, esta não é tão facilmente identificada pelo observador devido à
rapidez.
Adquiriu-se assim um treino valioso para análise qualitativa de uma reação,
buscando os indícios que ilustram as reações envolvidas e fixou-se com a
observação prática dos vários conceitos sobre reação.

16
6– BIBLIOGRAFIA

https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/quimica/velocidade-das-reacoes-quimicas.htm.
Acessado em 16/07/2018 Às 10h30min

https://quimicaensinada.blogspot.com/2014/03/reacao-de-simples-troca-ou-
de.html. Acessado em 13/07/2018 às 14h10min

SILVA, D. S. Manual de Práticas de Química Inorgânica Experimental I. Sobral –


CE.

XAVIER, Juverlândia Pereira. Prática Nº 2 Evidências de reação. Universidade


Federal do Ceará. Fortaleza, CE.

SILVA, Antonio Alex de Lima. DE OLIVEIR, Alexandra Boa Ventura. OLIVEIRA,


Daniele Da Silva, DE MEDONÇA. Francisco Damião. FREIRE JUNIOR, Gilberto
Gomes. Relatório da Aula Pratica Nº 10 - Reações Químicas. UNIVERSIDADE
DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE – UERN. Mossoró-RN

17