Você está na página 1de 3

Disc.

: DIREITO ADMINISTRATIVO II

Aluno(a): ALAIDE FERREIRA PAIVA BRAGA Matrícula: 201403338205

Acertos: 1,8 de 2,0 Início: 07/03/2019 (Finaliz.)

1a Questão (Ref.:201403455400) Acerto: 0,2 / 0,2

(OAB) A respeito do instituto da servidão administrativa, assinale a opção correta.

Somente mediante lei pode ser extinta uma servidão administrativa


As servidões administrativas podem decorrer diretamente da lei, de acordo ou de sentença judicial.
A servidão administrativa dispensa, em sua instituição, autorização legal.
Cabe direito a indenização em qualquer das hipóteses de servidão administrativa.

2a Questão (Ref.:201403475356) Acerto: 0,2 / 0,2

ENADE 2006

O terrorismo, em virtude de sua gravidade e de sua alta lesividade, é considerado pela Constituição como crime
inafiançável e insuscetível de graça ou anistia (art. 5 , XLIII). De outro lado, o artigo 37, § 6 , da Constituição
estabelece a responsabilidade do Estado por atos de seus agentes. Em determinado caso, um servidor público é
investigado por ter, em contato com outros indivíduos, cometido ato de terrorismo, detonando explosivo em imóvel
particular de grande circulação, e, por isso, causado lesão a pessoas e danificado bens. A alegada ação ilícita teria
sido praticada no horário de expediente do servidor, que teria utilizado, como meio de facilitação do seu acesso ao
local alvo do atentado, sua identidade funcional. Nessa hipótese,

as vítimas dos danos não terão direito a ser indenizadas pelo Estado, porque o Estado não responde
criminalmente, mas apenas civilmente, pelos atos de seus servidores.
não há que se cogitar de responsabilidade do Estado, pois, por definição, o Estado é que é a vítima do crime
de terrorismo.
as vítimas dos danos terão direito a ser indenizadas pelo Estado, o qual, nesse caso, não poderá alegar
nenhuma excludente de responsabilidade, dado o caráter inafiançável do ilícito.
a eventual absolvição penal do servidor público por insuficiência de provas implicará a isenção da
responsabilidade do Estado.
o fato de o agente do suposto crime ser servidor público, agindo em horário do expediente, não é elemento
suficiente por si para gerar a responsabilidade do Estado.

3a Questão (Ref.:201403455402) Acerto: 0,0 / 0,2

(OAB) Quanto às características da intervenção do Estado na propriedade privada, podemos afirmar que:

A servidão administrativa corresponde a um direito de natureza pessoal.


Além do poder de policia, as modalidades restritivas de intervenção do Estado na propriedade privada são
consideradas impositivas, cabendo ao particular apenas o dever de tolerância.
A servidão administrativa é uma forma de expressão do poder de policia do Estado.
A função social da propriedade, a supremacia do interesse público e o direito incondicional à propriedade,
fundamentam as diversas formas de intervenção do Estado.
A propriedade é um direito fundamental consagrado na Constituição. Neste sentido, as modalidades de
intervenção do Estado que objetivem restringir este direito são consideradas inconstitucionais, admitindo-se,
apenas, caso haja acordo entre os Estado e o particular.

4a Questão (Ref.:201403455269) Acerto: 0,2 / 0,2

(Técnico Administrativo - Área: Administrativa - TSE/2009) Um jornal noticiou que ¿a Constituição da República
determina que é objetiva a responsabilidade civil tanto do Estado quanto dos seus agentes, no exercício de funções
públicas¿. Essa afirmação é:

falsa, pois a responsabilidade dos agentes públicos é subjetiva;


verdadeira;
falsa, porque a caracterização da responsabilidade civil do Estado depende da existência de culpa
administrativa.
falsa, porque, entre os agentes do Estado, somente respondem objetivamente os servidores públicos
5a Questão (Ref.:201403455255) Acerto: 0,2 / 0,2

(OAB /CESPE)- Quanto à responsabilidade extracontratual do Estado, assinale a opção correta.

A vítima de dano causado por ato comissivo deve ingressar com ação de indenização por responsabilidade
objetiva contra o servidor público que praticou o ato.
Não há responsabilidade civil do Estado por dano causado pelo rompimento de uma adutora ou de um cabo
elétrico, mantidos pelo Estado em péssimas condições, já que essa situação se insere no conceito de caso
fortuito.
Proposta a ação de indenização por danos materiais e morais contra o Estado, sob o fundamento de sua
responsabilidade objetiva, é imperioso que este, conforme entendimento prevalecente, denuncie à lide o
respectivo servidor alegadamente causador do dano.
Prevalece o entendimento de que, nos casos de omissão, a responsabilidade extracontratual do Estado é
subjetiva, sendo necessário, por isso, perquirir acerca da culpa e do dolo.

6a Questão (Ref.:201403592396) Acerto: 0,2 / 0,2

(OAB/Exame Unificado-2010.3) Um policial militar, de nome Norberto, no dia de folga, quando estava na frente da
sua casa, de bermuda e sem camisa, discute com um transeunte e acaba desferindo tiros de uma arma antiga, que
seu avô lhe dera. Com base no relatado acima, é correto afirmar que o Estado

será responsabilizado, pois Norberto é agente público pertencente a seus quadros.


não será responsabilizado, pois Norberto, apesar de ser agente público, não atuou nessa qualidade; sua
conduta não pode, pois, ser imputada ao ente público
será responsabilizado, com base na teoria do risco integral.
somente será responsabilizado de forma subsidiária, ou seja, caso Norberto não tenha condições financeiras.

7a Questão (Ref.:201403455261) Acerto: 0,2 / 0,2

(Técnico judiciário - Área: Administrativa TRE/MA/2009) Em relação à responsabilidade civil do Estado, assinale a
opção correta.

A responsabilidade do Estado evoluiu de uma responsabilidade subjetiva, baseada na culpa, para uma
responsabilidade objetiva, ancorada na simples relação de causa e efeito entre o comportamento
administrativo e o evento danoso.
A absolvição criminal do agente causador do dano pela negativa de autoria não interfere nas esferas
administrativa e civil.
A condenação criminal do servidor, após o trânsito em julgado, não interfere nas esferas civil e administrativa,
acarretando o reconhecimento automático da responsabilidade do servidor nessas duas esferas. As
responsabilidades civil, administrativa e penal não são cumulativas e independentes entre si.
Conforme a Constituição Federal, tanto as pessoas jurídicas de direito público como as de direito privado,
prestadoras de serviços públicos, não respondem por danos que seus agentes, nessa qualidade, causem a
terceiros, sendo assegurado o direito de regresso contra o responsável nos casos de dolo ou culpa.
A condenação criminal do servidor, após o trânsito em julgado, não interfere nas esferas civil e administrativa,
acarretando o reconhecimento automático da responsabilidade do servidor nessas duas esferas.

8a Questão (Ref.:201403592400) Acerto: 0,2 / 0,2

(OAB/FGV) No que concerne à intervenção do Estado sobre a propriedade privada, é correto afirmar que

a servidão administrativa afeta o caráter absoluto do direito de propriedade, implicando limitação perpétua do
mesmo ern benefício do interesse coletivo.
as limitações administrativas constituem medidas previstas em lei com fundamento no poder de polícia do
Estado, gerando para os proprietários obrigações positivas ou negativas, com o fim de condicionar o exercício
do direito de propriedade ao bem-estar social.
o tombamento implica a instituição de direito real de natureza pública, impondo ao proprietário a obrigação
de suportar um ônus parcial sobre o imóvel de sua propriedade, em beneficio de serviços de interesse
coletivo.
a requisição de bens móveis e fungíveis impõe obrigações de caráter geral a proprietários indeterminados, em
benefício do interesse geral, não afetando o caráter perpétuo e irrevogável do direito de propriedade.

9a Questão (Ref.:201403562244) Acerto: 0,2 / 0,2

V Exame de Ordem Unificado


Tendo o agente público atuado nesta qualidade e dado causa a dano a terceiro, por dolo ou culpa, vindo a
administração a ser condenada, terá esta o direito de regresso. A respeito da ação regressiva, é correto afirmar que

o prazo prescricional será o mesmo constante da esfera penal para o tipo criminal correspondente.
o prazo prescricional tem início a contar do fato que gerou a ação indenizatória contra a Administração.
em regra deve ser exercida, sob pena de afronta ao princípio da indisponibilidade.
a prescrição será decenal, com base na regra geral da legislação civil.

10a Questão (Ref.:201403971944) Acerto: 0,2 / 0,2

Sobre a responsabilidade civil do Estado, segundo entendimento dos Tribunais Superiores, assinale a alternativa
correta:

O suicídio do preso sob custódia do Estado não caracteriza obrigação do Estado indenizar a não ser que fique
provada a desídia da vigilância dos presos.
O preso fugitivo que volta a cometer crime, a qualquer tempo após a sua fuga, caracteriza obrigação do
Estado indenizar na modalidade de responsabilidade objetiva.
O oficial da polícia à paisana que se envolve em tiroteio em transporte público, com resultado morte de
passageiro, obriga o Estado a indenizar a vítima ou sua família no caso de morte.
As prestadoras de Serviço Público responderão de forma subjetiva caso a vítima seja usuária do serviço e
objetiva caso a vítima não seja usuária do serviço.