Você está na página 1de 1

O engenheiro Tomás

Engenheiro de profissão, Tomás, logo depois de se formar, foi trabalhar em uma das divisões de uma em- presa estatal de
distribuição de energia elétrica, onde ficou por quase dez anos. Entretanto, sem grandes perspectivas de progresso em curto
prazo, ele aceitou um novo desafio na carreira e foi ser gerente da hidrelétrica de uma pequena companhia de energia de
capital privado em uma cidadezinha do interior de seu estado.
Acostumado à cidade grande e sem qualquer experiência no interior, ainda mais em um ambiente provinciano e rígido como
aquele, Tomás surpreendeu-se logo de início com a receptividade que os moradores locais tiveram com ele. Logo, começou a
perceber óbvios sinais disso conclui, e que, por alguma razaõ , era visto como uma pessoa importante pela sociedade local.
Na primeira semana após sua chegada, foi apresentado ao padre e este, em naõ mais que alguns minutos de conversa, lhe disse
esperar que fosse à missa aos domingos, onde seria muito bem-vindo. Católico naõ praticante, Tomás naõ soube o que
responder ao padre nessa ocasiaõ .
Poucos dias depois, ele teve mais uma demonstraçaõ de quanto era considerado importante o seu papel como representante
local da companhia em que trabalhava: Tomás foi visitado pela diretora do colégio estadual local, que o convidou a fazer uma
pequena palestra aos alunos de segundo grau sobre o trabalho de um engenheiro.
Outras coisas começaram a acontecer: solteiro, Tomás imediatamente passou a ser olhado como um “bom partido” pelas
jovens casadouras locais, as filhas solteiras das melhores famílias. Em pouco mais de um mês na cidade, ele já havia conhecido
pelo menos uma dúzia dessas jovens, em geral filhas de abasta- dos fazendeiros locais – muito mais por iniciativa delas do
que dele.
Tomás sentia-se, ao mesmo tempo, surpreso e contente com sua súbita “celebridade”: morador de cidade grande durante toda
sua vida, ele se acostumara a ser praticamente um anônimo, exceto pelo contato com os parentes e alguns poucos amigos que
cultivava. Ali era diferente: ele era visto como um morador local destacado, quase um ilustre. Naõ foi difícil perceber que
essa imagem que tinham dele, de um “doutor” vindo da cidade grande para prestigiar a sociedade local, era substancialmente
por causa do cargo que ocupava naquela que era praticamente a mais importante empresa local: a hidrelétrica. Logo, Tomás
constatou que estava em vias de se tornar uma das cinco pessoas mais importantes dessa cidadezinha, ao lado do prefeito, o
juiz de direito, o padre, o delegado e o gerente do Banco do Brasil!
Mas, as coisas começaram a se complicar a partir do dia em que se apaixonou por Júlia, uma jovem médica de Saõ Paulo. Ao
viajar para a capital paulista, Tomás conheceu essa jovem e a paixaõ entre ambos foi fulminante: naõ quiseram mais se largar.
Seguiram-se, entaõ , sucessivas viagens dele para lá e dela para a cidadezinha, até que, em naõ mais que seis meses, casaram-
se.
Todavia, em vez de lhe conferir uma aura de maior responsabilidade e status, o casamento trouxe inú meros dissabores para
Tomás, cuja imagem no seio da sociedade local deteriorou-se instantaneamente. Júlia, é claro, transferiu-se para ali e montou
seu consultório com o intuito de clinicar – sem sucesso, pois naõ lhe aparecia um paciente sequer.
Acontece que Júlia era negra e, por causa disso, sofreu grande discriminaçaõ da sociedade local, assim como Tomás, que
perdeu totalmente, após o casamento, o ambiente que ali conquistara.
Impossibilitado de transferir-se para outra localidade, Tomás naõ teve alternativa se naõ “aguentar” a situaçaõ . Tomás e Júlia
casaram-se há dois anos e meio e somente agora a jovem médica, esposa do gerente da hidrelétrica local, começa a fazer
alguma clientela. A vida do casal nessa cidade naõ tem sido nada fácil!
Após a leitura do caso, responda as questões a seguir:

1. Discuta em que momentos ou situações Tomás aparece na história com sua identidade pessoal e em que momentos
aparece como um representante da empresa em que trabalha.
2. Qual “regra” implícita na vida social local Tomás infringiu, ao se casar com uma mulher negra e levá-la para a
cidadezinha em que trabalhava?
3. Que responsabilidades Tomás tinha (e naõ percebeu que tinha) perante a sociedade local, como gerente e
representante da hidrelétrica?

Fonte: OLIVEIRA, Marco a. Comportamento organizacional para gestão de pessoas. São Paulo:Saraiva, 2010. p. 7