Você está na página 1de 45

ELEMENTOS DO BLOCO P

•Bloco p da Tabela Periódica é o conjunto de grupos cujos elementos


possuem o elétron de mais alta energia no orbital atômico p. O elétron de maior
energia de um elemento químico é denominado "elétron diferenciador" ou "elétron
de diferenciação".
•Os grupos de elementos que pertencem ao bloco "p" são:
•grupo 13: família do boro
•grupo 14: família do carbono
•grupo 15; família do nitrogênio
•Calcogênio: ( grupo 16 )
•Halogênio: ( grupo 17 )
•Gás nobre: ( grupo 18 ), exceto o hélio.

Características das famílias


•Os Semi-Metais
A diagonal de elementos, que se inicia no boro (grupo 13), passando pelo
silício (grupo 14), germânio (grupo 14), arsênio (grupo 15), antimônio (grupo 15),
telúrio (grupo 16) e polônio (grupo 16); separa os elementos a direita em não-
metais, e a esquerda em os metálicos.
•Os elementos pertencente a diagonal são os Semi-Metais, que apresentam
propriedades de metais e de não-metais.

•Grupo 13 - Família do Boro


(boro, alumínio, gálio, indio e tálio)
•O grupo 13 é o primeiro grupo do bloco p. Seus membros possuem a

configuração da camada de valência, ns 2 np1, podemos esperar um número de


oxidação +3 para seus elementos. Com exceção do boro, que é um metalóide,
todos os elementos do grupo são metais.

•Grupo 14 - Família do carbono


(carbono, silício, germânio, estanho e chumbo)
•Os elementos do grupo 14 são caracterizados pela configuração da

camada de valência ns2 np2. Tem como primeiro elemento, o carbono, o mais
importante elemento para os seres vivos, seguido pelo silício, que é um dos
elementos fundamentais para a tecnologia moderna.
•O carbono é o único elemento da tabela periódica que forma mais de
1.000.000 de compostos e tem seu próprio ramo da química, a chamada química
orgânica.
•O carbono é distintamente um não metal, silício e germânio são metalóides
e estanho e chumbo são metais.

•Grupo 15 - Família do Nitrogênio


(nitrogênio, fósforo, arsênio, antimônio e bismuto)

•Eles são caracterizados pela configuração eletrônica ns 2 np3 da sua


camada de valência. Esta configuração dá aos elementos, uma variação no
número de oxidação de -3 à +5.
•O nitrogênio e o fósforo são não-metais, o arsênio é um metalóide e o
antimônio e o bismuto são metais.

•Grupo 16 - Família do Oxigênio


(oxigênio, enxofre, selênio, telúrio e polônio)

•Eles são caracterizados pela configuração eletrônica ns 2 np4 da sua


camada de valência, e são todos não-metais. Formam compostos com metais e
com hidrogênio quando o número de oxidação é –2.
•Os números de oxidação +2, +4 e +6 ocorrem quando os elementos do
grupo formam compostos com outros elementos do seu próprio grupo, ou com os
elementos do grupo 17, os halogêneos.

•Grupo 17 – Halogênios
(Flúor, cloro, bromo, iodo e astato)
•Eles são caracterizados pela configuração eletrônica ns 2np5 da sua
camada de valência. Seus elementos são chamados de halogênios. Mostra uma
regularidade nas propriedades físicas, na eletronegatividade, e nos raios atômicos
e iônicos.
•O flúor possui algumas propriedades anômalas, tais como: a sua força
como agente oxidante e a baixa solubilidade da maioria dos fluoretos.

•Grupo 18 - Gases Nobres


(Hélio, neônio, argônio, criptônio, xenômio e radônio)

•Eles são caracterizados pela configuração eletrônica ns 2np6 da sua


camada mais externa. Têm a camada externa totalmente preenchida de elétrons.
Isso os torna elementos quimicamente inertes.
•Estes elementos são encontrados na natureza como gases monoatômicos,
não reativos. Entretanto, o primeiro composto do gás nobre, foi produzido a partir
de uma mistura de xenônio com flúor, em temperatura elevada. O radônio (Rn) é
um gás radioativo.

GRUPO IIIA - Família do Boro

Boro, Alumínio, Gálio, Índio, Tálio

Estados de oxidação e tipos de ligação

Os elementos desse grupo apresentam configuração eletrônica


terminada em ns2 np1, ou seja, com três elétrons na última camada eletrônica e,
com exceção do Tl, eles geralmente utilizam esses elétrons para fazer três
ligações, levando a um estado de oxidação +3. Três fatos sugerem a formação de
ligações covalentes:

· O tamanho reduzido e sua elevada carga favorecem a covalência.

· A soma das três primeiras energias de ionização é muito grande, o que


também favorece a covalência.
· Os valores das eletronegatividades são maiores que os dos grupos IA e IIA,
e quando os elementos do grupo IIIA se combinam com outros elementos, a
diferença de eletronegatividade não deverá ser muito grande.

Muitos compostos simples dos demais elementos, tais como AlCl 3 e


GaCl3 são covalentes quando anidros. Porém, Al, Ga, In e Tl formam íons quando
em solução. O tipo de ligação formada depende do que é mais favorável em
termos de energia essa mudança de covalente para iônico ocorre porque os íons
são hidratados e a quantidade energia de hidratação liberada excede a energia de
ionização

Descendo pelo grupo, verifica-se uma tendência crescente dos elementos


Ga, In e Tl para formar compostos monovalnetes, ou seja, nos quais o Nox desse
elemento é +1. A monovalência pode ser explicada se os elétrons s externa
permanecem emparelhados, não participando assim da ligação. É o chamado
efeito do par inerte. Se a energia necessária para desemparelhar os elétrons for
maior que a energia liberada na formação da ligação, então os elétrons
permanecerão emparelhados. Os íons monovalente são muito maiores do que os
trivalentes, e os compostos nos quais o elemento assume o estado de oxidação
+1 são iônicos, assemelhando-se em muitos aspectos aos compostos do grupo IA.

O efeito do par inerte ocorre também em outro elementos mais


pesados de outros grupos do bloco p, como Sn e Pb (grupo IV) e Sb e Bi (grupo
V). O estado de oxidação inferior se torna mais estável de cima para baixo no
grupo. O gálio é aparentemente bivalente em alguns poucos compostos. No
entanto, o Ga não é realmente divalente, pois demonstrou-se que a estrutura do
GaCl2 é Ga+[GaCl4] -, que contém Ga nos dois estados de oxidação (+1 e +3).

Tamanho dos átomos e íons

O boro é consideravelmente menor que os demais elementos. Os


raios dos átomos não podem ser comparados a rigor, pois existem muitas
diferenças entre os elementos. O boro não é um metal, o gálio tem uma estrutura
incomum e nos demais há estruturas metálicas de empacotamento denso. Já os
raios iônicos aumentam de cima para baixo dentro do grupo, embora não da
maneira regular observada nos grupos IA e IIA. Há duas razões para isto:

1- Não há evidências da existência do íon B 3+ em condições normais.


O valor apresentado é uma estimativa.

2- As estruturas eletrônicas dos elementos são diferentes. Ga, In e Tl


seguem imediatamente após uma série de dez elementos de transição. Eles
possuem, portanto, 10 elétrons d, que são menos eficientes na proteção
(blindagem) da carga nuclear que os elétrons s e p. A proteção fraca da carga
nuclear leva a elétrons externos mais firmemente ligados ao núcleo. Portanto,
átomos com um subnível interno d 10 são menores e possuem maior energia de
ionização do que seria esperado. Essa diminuição do raio atômico é chamada d
contração do bloco-d. De uma maneira análoga, o Tl segue imediatamente a uma
série de 14 elementos de transição interna (bloco f). O tamanho e a energia de
ionização do Tl são afetados ainda mais pela presença de 14 elétrons f, que dão
proteção ainda menor à carga nuclear. A contração de tamanho provocada por
esses elementos do bloco f é chamada contração lantanídica.

Energias de ionização

As energias de ionização aumentam da forma esperada (primeira >


segunda > terceira). A soma das três energias é muito elevada. O boro não
apresenta nenhuma tendência a formar íons. Os outros elementos normalmente
formam ligações covalentes, exceto em solução.

Estrutura cristalina

O boro apresenta uma estrutura cristalina fora do comum, da qual


resulta um ponto de fusão muito elevado. Existem pelo menos quatro formas
alotrópicas desse elemento, todas formadas por unidades icosaédricas (poliedro
de 20 faces) com átomos de boro nos 12 vértices. As diferenças alotrópicas
surgem da maneira pela qual os icosaedros estão ligados entre si. O gálio tem
uma estrutura também pouco comum, na qual os átomos tendem a formar
moléculas diatômicas discretas, e não uma estrutura metálica. Assim se explica o
baixíssimo ponto de fusão do gálio (30 o C). Além disso, o gálio também é incomum
porque o líquido se expande quando forma o sólido, isto é, o sólido é menos
denso que o líquido. Essa propriedade só é observada nos elementos Ga, Ge e Bi.
Tálio, índo e alumínio apresentam estruturas metálicas de empacotamento denso.

Ponto de fusão e Ponto de ebulição

Os pontos de fusão dos elementos do grupo IIIA não mostram uma


tendência regular de variação, como no caso dos grupos IA e IIA. Os valores não
podem ser comparados entre si com muito rigor, porque B e Ga apresentam
estruturas cristalinas incomuns. Embora os pontos de fusão decresçam do Al para
o In, ele aumenta novamente para o Tl. O ponto de ebulição do boro é
incrivelmente elevado, mas os valores para Ga, In e Tl diminuem de cima para
baixo, como o esperado.

Caráter eletropositivo

A natureza eletropositiva desses elementos cresce do B para o Al e


decresce do a seguir até o Tl. Isso ocorre devido variação do raio atômico, que
cresce do B para o Al, facilitando a saída dos elétrons de valência, e decresce a
seguir devido à contração lantanídica.

Entalpias de formação dos compostos iônicos

Com os halogênios menores, o lítio é o mais reativo, pois é um


átomo que forma um cátion pequeno e, ao se ligar a um ânion, também pequeno,
gasta pouca energia, devida à relativa facilidade de unir esses íons pequenos.
Assim, maior quantidade de energia é liberada. Por outro lado, os compostos
formados têm baixos calores de formação, pois há uma maior dificuldade de
polarização de um ânion pequeno (com uma nuvem eletrônica pequena), para
efetuar a ligação. Assim, a energia gasta nesse processo é maior.

BORO ( B )

HISTÓRICO:

O boro foi descoberto em 1808, por Gay-Lussac e Thénard.

OCORRÊNCIA NATURAL:

O boro é encontrado na natureza sob a forma de ácido bórico ou de boratos


de cálcio, sódio e magnésio. Cerca de 90% da produção mundial de boratos
provém das jazidas existentes na Califórnia, EUA. Os principais minérios de boro
são:

· Bórax ou Tincal: Na2B4O7 . 10 H2O

· Colemanita: Ca2B6O11 . 5 H2O

· Boracita: Mg3B7O13Cl

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

O boro tem grande afinidade pelos halogênios e forma espontaneamente


com eles vários compostos importantes: os trihaletos de boro - compostos
covalentes que se formam liberando grande quantidade de energia: BF 3, BCl3,
BBr3 e BI3. Entre eles destaca-se o fluoreto de boro, um composto gasoso usado
como catalisador de várias reações orgânicas. Como receptores de elétrons, a
ordem crescente segue do BI 3 para o BF3. O boro faz três ligações covalentes e se
estabiliza com seis elétrons na última camada. A configuração eletrônica da
camada de valência do boro é 2s 2 2p1. Para efetuar as ligações ocorre a promoção
de um elétron s para um orbital p vazio (hibridação).
O orbital híbrido sp3 emparelha os elétrons fazendo três ligações
com o halogênio. No entanto, há ainda um orbital vazio que pode ser preenchido
por uma ligação coordenada pelo halogênio. Isso ocorre apenas no BF 3, devido ao
seu pequeno tamanho. Os demais halogênios são átomos grandes e a distância
de ligação impede o surgimento da ligação coordenada. Assim, no BF3 os átomos
de flúor alternam a ocupação do orbital vazio do boro com um par eletrônico. Isso
gera uma ressonância na molécula, que faz com que sua capacidade de aceitar
elétrons seja reduzida, pois como há elétrons em constante movimento, originando
formas canônicas, a repulsão à cargas negativas é maior.

A temperaturas elevadas, o boro decompõe a água e liga-se ao


oxigênio, formando o óxido (B 2O3), substância higroscópica e de aspecto vítreo.
Pela dissolução do óxido em água surge o ácido bórico (H 3BO3), que é
extremamente fraco e, por isso, pode-se utilizar as propriedades anti-sépticas da
acidez, usando-o sob a forma de solução aquosa, como colírio (água boricada).

Combinando-se diretamente com o nitrogênio, origina o nitreto (BN),


que é ótimo isolante térmico e elétrico. O boro também forma diversos compostos
binários com o hidrogênio - os boranos. Nestes compostos ocorre um tipo especial
de ligação dita policêntrica. Outro composto interessante do boro é o chamado
borazol ou borazina, semelhante à estrutura do benzeno, constituído por um anel
de seis átomos, alternando boro e nitrogênio. Esse composto possui, como o
benzeno, propriedades de dissolver com muita facilidade as gorduras.

UTILIZAÇÃO:

Dentre os diversos usos do boro, os boranos são substâncias altamente


energéticas, muito utilizadas na indústria como combustível. O ácido bórico é
empregado como colírio e o tetraborato de sódio (bórax) é usado na indústria do
vidro e no método de análise denominado pérola de bórax (teste da chama).

ALUMÍNIO ( Al )
HISTÓRICO:
O alumínio foi obtido no estado elementar em 1825, por Oersted.

OCORRÊNCIA NATURAL:

De grande reatividade, o alumínio não se encontra puro, aparecendo


geralmente em substâncias oxigenadas, na forma de óxidos, em fluoretos ou
silicatos de constituição complexa. Os minerais de alumínio mais comuns são:

· Bauxita: Al2O3 . n H2O

· Criolita: Na3AlF3

· Alumina: Al2O3

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

As soluções aquosas de quase todos os sais de alumínio são ácidas.


Quando se adiciona uma base a essas soluções, forma-se um precipitado branco
gelatinoso - o hidróxido de alumínio - Al(OH)3. Com ácido clorídrico, o alumínio
reage violentamente, numa reação extremamente exotérmica. O alumínio,
portanto, tem um caráter anfótero, por reagir tanto com bases quanto com ácidos.

UTILIZAÇÃO:

Além de ser utilizado em diversas ligas, é empregado largamente na


indústria por ser um metal extremamente leve, servindo como material de
estrutura. Quando se apresenta coberto por uma camada protetora de óxido,
oferece, como o ouro e a prata, excepcional resistência aos efeitos corrosivos da
atmosfera, da água e de vários agentes químicos. Por isso é utilizado na
fabricação de embalagens de alimentos e na manipulação de ácidos e solventes.

O alúmen - Al2(SO4)3 . K2SO4 . 24 H2O (sulfato de alumínio e


potássio) - é usado em tinturaria, para fixação do corante ao tecido. A alumina
(óxido de alumínio) é utilizada como material refratário e como material de
preenchimento nas colunas cromatográficas. Com o óxido de ferro e areia silicosa
o alumínio forma a termite, mistura que encontra aplicação direta em operações
de solda.

GÁLIO ( Ga )

HISTÓRICO:

O gálio foi descoberto em 1875, por Lecoq de Boisbaudran.

OCORRÊNCIA NATURAL:

Embora não seja tão raro, o gálio encontra-se em baixo teor nos minerais
e, por isso, não pode ser extraído diretamente. O gálio quase sempre acompanha
a bauxita. É no beneficiamento desse mineral que os compostos do gálio
aparecem como subprodutos. Para obtê-lo puro faz-se a eletrólise das soluções
aquosas de tais compostos.

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

O gálio é um metal muito mole, que funde a 30 o C, reduzindo seu volume.


Muito estável, não reage com o oxigênio do ar, permanecendo inalterado. Embora
o ataque ácido seja muito lento, as bases o atacam sem nenhuma dificuldade,
formando o ânion hidroxigalato - Ga(OH)4-. O estado de oxidação III é o mais
estável.

UTILIZAÇÃO:

É empregado na fabricação de termômetros especiais, de tubos de


quartzo, que podem ser usados mesmo acima de 1200 o C. Isso porque, apesar do
baixo ponto de fusão (30o C), seu ponto de ebulição é bastante elevado: 1700 o C.

ÍNDIO ( In )
HISTÓRICO:

O índio foi descoberto em 1863, por F. Reich e T. Reichter.

OCORRÊNCIA NATURAL:

O índio é muito raro, e acompanha sempre o zinco, o alumínio e o chumbo.


É obtido pela eletrólise de seu óxido com carvão: In2O3 + 3 C ------- 2 In + 3 CO.

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

Seu estado de oxidação mais estável é +3. O óxido - In 2O3 - e o hidróxido -


In2(OH)3 - são obtidos tratando os sais solúveis com bases. O sulfeto pode ser
obtido tratando-se um sal solúvel de índio com gás sulfídrico: 2 InCl3 + 3 H2S
------ In2S3 + 6 HCl.

UTILIZAÇÃO:

É empregado na fabricação de lâmpadas de mercúrio, nas quais é


misturado ao vapor de mercúrio, melhorando a iluminação. Também o índio é
utilizado em reatores atômicos, sob a forma de discos usados para medir o fluxo
de nêutrons produzidos e ainda na fabricação de rolamentos para motores de
avião, combinado com o chumbo.

TÁLIO ( Tl )

HISTÓRICO:

O tálio foi descoberto em 1861, por William Crookes.

OCORRÊNCIA NATURAL:

Não é encontrado livre na natureza e ocorre como componentes de


minerais ou impurezas nos compostos de alumínio, chumbo, zinco, selênio e
enxofre. O tálio forma alguns minerais, sendo os mais importantes a crokesita, a
corandita e a hutchinsonita. Também é encontrado acompanhando piritas e
blendas.

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

O estado de oxidação mais comum no tálio é +1, sendo os compostos


monovalentes mais estáveis. Queimando-se o elemento no ar, obtém-se o óxido
taloso (Ta2O), que apresenta-se como um pó preto, ávido por água, com a qual
reage, dando o hidróxido TlOH, muito forte, como os hidróxidos de metais
alcalinos. O cloreto, TlCl, de coloração amarelada, assemelha-se ao cloreto de
prata: é decomposto pela luz, tornando-se negro, porque se reduz a metal.

UTILIZAÇÃO:

É empregado na fabricação de lâmpadas de mercúrio, nas quais é


misturado ao vapor de mercúrio, melhorando a iluminação. Por ser altamente
venenoso é usado na fabricação de raticidas (Ta 2S) e desinfetantes.

Grupo 14
Ocorrência dos Elementos
•Carbono:
•ocorre em grande quantidades, combinado com outros elementos e
compostos, principalmente como carvão, petróleo, minerais e em fase gasosa
como o dióxido de carbono
•17º em abundância relativa

•Silício:
•Ocorre como sílica SiO2 (areia e quartzo)

•2º em abundância relativa


•Germânio:
•Só é encontrado em quantidades traços em alguns minérios de prata e
zinco
•54º em abundância relativa

•Estanho:
•O estanho é obtido como minério cassiterita SnO 2

•49º em abundância relativa


•Chumbo:
•É encontrado no minério galena PbS
•36º em abundância relativa
Abundância dos elementos na crosta terrestre em peso

Propriedades Físicas
Raios covalentes, Energias de Ionização, Pontos de fusão,
Caráter metálico e não-metálico e compostos Tetra covalentes

Raios Covalentes
•Aumentam de cima para baixo dentro do grupo
• A diferença entre Si e Ge é menor do que seria de se esperar devido a
camada 3d preenchida
•Pequena diferença entre Sn e Pb preenchimento do subnível 4f

Energias de Ionização
•Decrescem do C para o Si e a seguir varia de forma irregular devido ao
preenchimento dos subníveis d e f

•O Íon M+4 necessita de uma quantidade muito grande de energia dessa


forma compostos iônicos são raros
•Os únicos elementos com E.N. suficiente para formação de ligações
iônicas foram o Flúor e o Oxigênio
•Os compostos Snf2, PbF2, SnF4, PbF4, SnO2 e PbO2 são bastante
iônicos

•O único íon metálico significativo é o Pb2+


Pontos de Fusão
•Os pontos de fusão decrescem de cima para baixo
•Estanho e chumbo são metálicos e os pontos de fusão são
consideravelmente baixos
Caráter metálico e não metálico
•Caráter metálico aumenta com o aumento do nº. Atômico, ou seja, de cima
para baixo
•C e Si são não metais
•Ge tem caráter de semi-metal
•Sn e Pb são metais e tem propriedades físicas diferentes e tendem a

formar íons m2+

Compostos Tetracovalentes
•Os 4 elétrons participam da ligação
•Pela TVL a excitação é favorável
•Ex: Carbono estado Fundamental
Carbono estado excitado

•Ocasiona estrutura sp3

Reatividade Química
•Pouco reativos aumentando de cima para baixo
•C, Si, Ge não são afetados pela água
•Sn reage com vapor de água formando SnO2 e H2

•Pb não é afetado pela água pois forma película protetora


•C, Si e Ge não são afetados por acido diluídos mas se em contato com
ácidos concentrados como HNO3 e HF sofrem oxidação

• •Sn se dissolve em HNO3 diluído e concentrado e em outros ácidos


concentrados
•Pb se dissolve lentamente em HCl e com mais eficiência em HNO 3,

também se dissolve em ácidos orgânicos e não se dissolve em H 2SO4


Efeito do Par Inerte
•È mais evidente com o aumento do nº atômico
•Ge (+II) é bom agente redutor e o Ge (+IV) é estável
•Sn (+II) redutor e Sn (+IV) é covalente e mais estável
•Pb (+II) é iônico e Pb (+IV) é instável e mais raro

Estrutura e Alotropia dos Elementos


•Carbono:
•α e β grafite
•Diamante
•Fulerenos
•Si, Ge, e Sn adotam uma estrutura semelhante a do diamante
•Sn também se encontra na forma metálica
•Pb só existe na forma metálica

Diamantes
•O diamante é extremamente inerte ao contrário da grafita que é bastante
reativa
•Diamantes são incolores
•Apresentam certa quantidade de Nitrogênio (impureza) e são azuis quando
o N é substituído pelo Al
•Cada átomo de C está ligado tetraedricamente com outros de Carbono
formando uma molécula gigante
•As Ligações covalentes entre eles e as direções tetraédricas dão uma
estabilidade extra no composto elevando muito o ponto de fusão

•Formam híbridos sp3

Estrutura do Diamante
Grafite
•O grafite é constituído por camadas planas de átomos de carbono
•Cada camada é constituída como se fossem benzenos interligados
formando uma molécula gigante
•Dureza é bem menor que a do diamante

•Formam híbridos sp2


•Estrutura do Grafite
•Planos paralelos

•O Grafite é termodinamicamente mais estável


•A transformação grafite è diamante é favorável mas o inverso não
•Essa transformação não ocorre espontaneamente pois necessita de alta
energia de ativação

Fulerenos
•Se difere do Grafite e do Diamante pois ele forma moléculas
•A molécula C60 tem formato semelhante a uma bola de futebol

•Consiste em anéis de 5 e 6 carbonos interligados


•Estrutura do fulereno
Diferença entre C e SI e os demais elementos
•São mais covalentes e menos metálicos
•A maioria dos compostos decarbono apresentam 3 ou 4 como nº de
coordenação, porém existem compostos com nº de coordenação diferentes
•O Carbono difere também pela capacidade de fazer ligações pπèpπ como
C=C, C C, C=O entre outras
•Porém o Si pode formar ligações dπèpπ principalmente com Nitrogênio e
Oxigênio
•O carbono se difere no grupo por sua acentuada capacidade de formar
cadeias

Ligação Energia de Observações


C-C Ligação KJ/mol
348 Forma muitas cadeias de grande
comprimento
Si-Si 297 Forma poucas cadeias como Si8H18, Si16F34,
Si6Cl14 e Si4Br10
Ge-Ge 260 Forma poucas cadeias até Ge6h14, Ge2Cl16

Sn-Sn 240 Forma o dímero Sn2H6

Energias de Ligação
Carbono
•O negro de fumo é obtido pela combustão incompleta de hidrocarbonetos
provenientes do gás natural ou do petróleo e é utilizado na fabricação de borracha
para pneus
•O Coque é obtido pela carbonização do carvão em altas temperaturas, tem
grande importância na metalurgia do ferro
•É conhecido em várias formas alotrópicas

Carbetos
•São compostos de carbono com um elemento menos eletronegativo são
chamados de carbetos (excluindo halogênios, N, P, O e S)
•Podem ser iônicos ou Salinos, Intersticiais ou metálicos e covalentes

Compostos contendo Oxigênio


•O carbono forma mais óxidos que os demais elementos do grupo.
•Diferem por ter ligações múltiplas pπèpπ
•Carbonatos íons mais comum e forma vários sais

Ciclo do Carbono
•Fotossíntese
•Formação de matéria organica
•Decomposição
•Formação de CO2

Sulfetos
•CS2 principal sulfetos de carbono é uma molécula linear é muito inflamável

e é um ligante bidentado por isso é mais forte que o CO 2

Hidretos
•Todos os elementos do grupo formam hidretos covalentes mas essa
propriedade é muito mais comum no carbono assim como a formação de cadeias
Tetra-Haletos
•Todos os elementos do grupo formam tetra-haletos o único não conhecido
é o PbI4, são compostos covalentes, tetraédricos e tipicamente muito voláteis
Estanho
•O único minério importante de estanho é a cassiterita
•O Sn02 é reduzido a Sn sob aquecimento na presença de Carbono

•O Sn é utilizado em varias ligas e em folhas de flandres


•Na forma de oxido pode ser usado como semi-condutores

Óxidos
•Os dióxido de estanho normalmente adotam estrutura com coordenação
6:3
•Tem caráter mais anfôtero no grupo
•O monóxido de carbono apresenta estruturas lamelares são mais basicos
e iônicos
Chumbo
•O principal minério para extração do chumbo é a galena PbS
•O chumbo é obtido pelo aquecimento da galena em ar formando PbO em
seguida é reduzido a Pb pela ação do coque CO em fornos
•É utilizado principalmente na fabricção de baterias, também é utilizado em
tintas e proteção contra ferrugem
Oxidos
•O dióxido de chumbo normalmente adota estrutura de coordenação de 6:3
•O Monóxido de Chumbo apresenta estruturas lamelares tem carater
anfotero assim como o SnO
•PbO é importante comercialmente pois esta presente na formação do vidro
cristal e na vitrificação de cerâmicas
•O PbO2 também é usado como um forte agente oxidante

GRUPO 15
•Nitrogênio Fósforo Arsênio Antimônio Bismuto

Nitrogênio
•O N difere dos demais da família
•Gás inodoro e diamagnético quando N2

•Pode realizar Pontes de Hidrogênio


•Importância Biológica
•78% da atmosfera
Fósforo
•Sólido à temperatura ambiente
•Possui formas alotrópicas
•Branco – Mole, ceroso e muito reativo
•Vermelho – Mais estável que o branco
•Preto – Aquecendo-se o branco sob altas pressões
Arsênio, Antimônio e Bismuto
•Ambos são sólidos Metálicos
•Possuem várias formas alotrópicas
•O Bismuto apresenta comportamento incomum, semelhante ao Gálio e

Germânio
Configuração Eletrônica
•Nitrogênio [He]2s²2p3

•Fósforo [Ne]3s23p3

•Arsênio [Ar]3d4s24p3

•Antimônio [Kr]4d105s25p3

•Bismuto [Xe]4f145d106s26p3

Obtenção

•N: NH4Cl + NaNO2 → NaCl + NH4NO2 →∆ N2 + 2H2O

•Air Bags: NaN3 →∆ 3N2 + 2Na

•P: P4O10 + 10C → P4 + 10CO

•As: 4FeAsS → As4(g) + 4FeS

•Sb: Sb2S3 + 3Fe → 2Sb + 3FeS

•Bismuto: a partir do mineral BiS (Bismutina)

Reatividade
•O nitrogênio é muito inerte, por isso está na atmosfera em altas
concentrações.
•O fósforo branco se inflama rapidamente ao ar, originado um óxido
( P4O10 ).

•O arsênio metálico é estável ao ar, porém oxida-se em ar úmido.


•O antimônio é pouco reativo, não sendo oxidado ao ar e umidade.
Caráter da Ligação
•Os elementos deste grupo podem ser divididos em não-metais, metalóides
e metais.

•N > 1x 1017 µ ohm cm-1

•P 1 x 1017µ ohm cm-1

•As 3 µ ohm cm-1


•Sb 39 µ ohm cm-1

•Bi 106 µ ohm cm-1

•Cu 1,67 µ ohm cm-1


Ciclo do Nitrogênio
•Solo - Plantas – Animais – Solo
•Nitrato – N2 ou NH3 – Nitrato

•Aumento progressivo na quantidade de nitrogênio no solo.


•Fixação de Nitrogênio Molecular (Nitrogenase)
•Fe o Mo → 220.000u.m.a 24 a 32 Fe 2Mo
•Ferro-Proteína →60.000u.m.a. 4 Fe

•Fixação via NH4NO3 (Fertilizantes)

•Depósitos Minerais (NaNO3)

•Processo Haber-Bosch
2N2 + 3H2 → 2NH3

•Fixação via relâmpagos


2O2 + N2 → 2NO2

Origina ácido nítrico muito diluído.


Hidretos do Grupo 15
•Redução da estabilidade do nitrogênio Bismuto
•Aumento do poder redutor
•Descendo pela família torna-se mais difícil a substituição do hidrogênio
•Maio potencial de formar ligações coordenadas
Amônia
•Gás incolor de odor pungente
•Dissolve-se em água (libera calor)

NH3 + HO- → NHOH

•Queima: 4NH3 + 3O2 → 2N2 + H2O

•Identificação:
NH4Cl + NaOH → NaCl + NH3 + H2O

•O processo Haber-Bosch
N2 + 3H2 → 2NH3

Explosivos e Fertilizantes
•O nitrogênio é muito utilizado em explosivos e fertilizantes de modo geral.
•NH4NO3 → 2N2 + O2 + 4H2O

•Fertilizante: (NH4)2SO4

•Pólvora: Salitre 74,64%


Enxofre 11,64%
Carvão vegetal 13,51%
Ciclo do Nitrogênio
•Raízes de plantas capturam o nitrogênio no ar
•Proteínas então são formadas pelas plantas
•Animais se alimentam das proteínas formadas
•Bactérias convertem tecidos mortos em amônia
•Bactérias criam nitratos são criados pela conversão da amônia
•Fertilizantes são utilizados pelo homem
•Plantas absorvem os nitratos contidos nos fertilizantes.
Fosfina
•Arranjo eletrônico Tetragonal
•Gás incolor, extremamente tóxico
•Solubilidade baixa em água
•Reativo
•Fogo-fátuo, P2H6

Propriedades Doadoras
•A amônia forma complexos estáveis
•A fosfina também forma complexos
•O arsênio, antimônio e bismuto possuem pouca ou nenhuma tendência
formar tais ligações
Amônia como Solvente
•Ponto de ebulição: -33ºC
•Solvente não aquoso mais estudado
•Sofre reação de auto ionização:

2NH3 → NH+4 + NH-2

NH4Cl + NaNH2 → NaCl + 2NH3

Calcogênios
Grupo 16
Características numéricas do oxigênio, enxofre e selênio
Isótopos naturais e abundancias relativas
•Oxigênio: O16; 99,759% O17; 0,0374% e O18; 0,2036% . O 1ºem
abundância
•Enxofre: S32; 95,018% S33; 0,750% S34; 4,215% S36; 0,017. O 16º em
abundância
•Selênio: Se74; 0,87% Se76; 9,02% Se77; 7,58% Se78; 23,52% Se80;
49,82% Se82; 9,19%. O 68º em abundância.

Dados econômicos
H2SO4: é o mais importante da indústria química
1992: 54 milhões de toneladas de S
146 milhões de toneladas de H2SO4
1 milhão de Na2SO3
O2: 100 milhões de toneladas/ ano
1991: 1.018.200 toneladas de H2O2
Se: 1670 toneladas em 1992

Características
Caráter metálico : aumenta ao descer pelo Grupo.
Reatividade: O- reage com quase todos os elementos.
S e Se- moderadamente reativos.
Configuração eletrônica: ns², np⁴.
Estado de oxidação: O- - II, ( - I)
S- -II, (II), IV, VI
Se- (-II), II, IV, VI

Raios iônicos e atômicos:


Aumentam ao descer no grupo.
Obtenção dos elementos
•Oxigênio: é obtido industrialmente pela destilação fracionada do ar líquido.
É preparado em pequena escala pela decomposição do KClO3:
2KClO3 →2 KCl + 3O2
Pequenas quantidades de O2 são produzidas pelo aquecimento de
NaClO3. Também pode ser obtido pela decomposição catalítica de hipocloritos, ou
pela eletrolise da água contendo pequenas quantidades de H2O2, ou pequenas
quantidades de hidróxido de bário.
•Enxofre: há diversos métodos para a obtenção do enxofre:
recuperação a partir do gás natural e do petróleo: 48%
Mineração pelo processo Frasch: 19%
A partir de piritas: 17%
Recuperação dos gases de ustulação de sulfetos: 12%
Mineração como enxofre mineral: 4%
Obtido a partir de CaSO4: 0,03%
Grandes depósitos de S são encontrados nos EUA e na região do Vístula
superior. Esses depósitos foram formados por bactérias anaeróbias que
metabolizam CaSO4 e excretam H2S e S. o enxofre é extraído desses depósitos
pelo processo de Frasch.
O SO2 é obtido como um subproduto da extração de metais a partir dos
minérios do grupo dos sulfetos.

•Selênio: o Se ocorre associado aos minérios do grupo dos sulfetos e são


obtidos na forma concentrada a partir dos depósitos ou sedimentos anódicos do
processo eletrolítico do cobre. O Se também é obtido das poeiras formadas
durante a calcinação de minérios como PbS, CuS ou FeS2. A poeira é coletada
com o auxilio de um precipitador eletrostático. O Se também ocorre na forma
nativa associado ao S.
Usos dos elementos
•Oxigênio: o oxigênio é essencial na respiração (para a liberação de energia
no organismo), forma o complexo hemoglobina.
É usado na fabricação de ferro e aço, usado na solda e no corte de
metais com o maçarico oxiacetilênico . Usado como agente oxidante (comburente)
em foguetes
•Enxofre: o S é um constituinte essencial, embora menos freqüente, de
certas proteínas.
Cerca de 60% do H2SO4 produzido é empregado na fabricação de
fertilizantes.
utilizado na fabricação da pólvora que é uma mistura de salitre NaNO3
(75%), carvão (15%) e enxofre (10%).
Sulfitos, hidrogenossulfitos e SO2 são importantes como alvejantes.
•Selênio: a maior parte do selênio é usado para descolorir vidro, embora o
Cd(Se) seja empregado para obter vidros de coloração rosa ou vermelha.
O Se é usado em fotocopiadoras do tipo xerox, no fotorreceptor destinado
a receber a imagem.
É um elemento essencial no organismo (glutationa peroxidase). Em
quantidades grandes é tóxico.
Ununhexio e ununoctio
•História
•Em 1999, pesquisadores do "Lawrence Berkeley National Laboratory" ,
USA , publicaram um relatório anunciando a descoberta dos elementos 116 e 118 (
ununoctio ). Um ano após publicararam uma retratação , depois que outros
pesquisadores não foram capazes de duplicar os resultados. Em junho de 2002, o
diretor do laboratório anunciou que a reinvindicação inicial da descoberta destes
dois elementos foram baseados nos trabalhos realizados pelo autor principal
Victor Ninov.
•Em janeiro de 2001 , os pesquisadores do "Joint Institute for Nuclear
Research", em Dubna, na Rússia , publicaram resultados que descreveram a

deterioração do isótopo 292Uuh, produzido na reação de 248Cm com 48Ca. Ele


apresenta uma meia-vida de 0,6 milisegundos ( 0.0006 segundos ) ,

transformando-se no 288Uuq. Em 11 de maio de 2001, o instituto relatou a sintese


de um segundo átomo. A confirmação destes resultados ainda continuam
pendentes.
•O ununhexio ( nome provisório , do latim um, um, seis ) ou eka-polônio
( semelhante ao polônio ) é um elemento químico sintético, símbolo provisório Uuh
, número atômico 116 ( 116 prótons e 116 elétrons ), com massa atómica [292] u,
pertencente ao grupo 16 da tabela periódica.
•É um elemento transurânico, radioativo, superpesado , provavelmente
metálico, sólido, de aspecto prateado. A descoberta foi relatada pelos norte-
americanos em 1999 e pelos russos em 2001, porém a confirmação dos
resultados ainda continua pendente.
•Nome, símbolo, número Ununhexio, Uuh, 116
• Série química Presumivelmente um metal do bloco p
•Grupo, periodo, bloco 16, 7 , p
•Cor e aparência
Desconhecido, provavelmente metalico prateado branco ou cinza
•Massa atómica [292] u

• Configuração electrónica [Rn] 5f14 6d10 7s27p4


( previsão baseada no polônio )
• Estado da matéria Presumivelmente sólido
•Ununoctio ( do latim um, um, oito ) será o nome do elemento químico de
número atômico 118 ( 118 prótons e 118 elétrons ) , cuja descoberta foi relatada ,
porém não confirmada. Receberá o símbolo químico provisório de Uuo. Quando
descoberto, ocupará o grupo 18 da tabela periódica juntamente com os gases
nobres. Portanto, a previsão é que apresente propriedades químicas similares ao
radônio . Por isso, também é conhecido pelo nome de eka-radônio. Se
descoberto, provavelmente será o segundo elemento gasoso radioativo , e o
primeiro gás com semicondutividade.
•Nome, símbolo, número Ununoctio, Uuo, 118
• Série química Presumivelmente um gás nobre
• Grupo, periodo, bloco 18,7 p
Cor e aparência
Desconhecido, provavelmente incolor
• Massa atómica supostamente [293] u

• Configuração electrónica [Rn] 5f14 6d10 7s27p6


( previsão baseada no radônio )
• Estado da matéria Provavelmente gasoso

Combustível de UFOs

Nas decadas de 80 e 90 , Bob Lazar afirmava que o "ununhexio"


funcionava como combustível de objetos voadores não-identificados ( OVNIs ) ,
pois sua deterioração produziria antimatéria. Este processo é considerado
implausível em termos de física nuclear.
•Ficção
•No universo ficcional de “Star Trek: The Next Generation” , o episódio
"Rascals" descreveu uma tabela trans-periódica contendo o elemento de número
118 , denominado “Accurentum”.

HALOGÊNIOS
Os elementos constituintes do grupo, flúor, cloro, bromo, iodo e astato, são
coletivamente chamados halogênios (do grego halos, sal e genes, gerador) ou
geradores de sais.

Possuem sete elétrons de valencia. A estrutura s2p5 tem um eletron


p a menos que o gás nobre mais próximo.
Todos os elementos possuem sete elétrons no nível mais externo de
energia, podendo o octeto ser completado:
•pelo ganho completo de um elétron, o que forma um íon -1 ou
•pelo compartilhamento de um elétron, o que dá uma ligação covalente
simples.
PROPRIEDADES
Apresentam eletronegatividade acentuada, formando com grande facilidade
íons negativos haletos.
Todos eles, com exceção do flúor, apresentam também estados de
oxidação positivos, e sua química é relativamente complexa.
As propriedades do cloro e do bromo se aproximam mais entre si do que
dos outros pares de elementos, porque seus tamanhos são mais próximos.

O raio iônico do Cl- é 38% maior que o do F- mas o raio do Br- é apenas

6,5% maior que o do Cl-.


Por isso as eletronegatividades desses elementos são
semelhantes.
Os halogênios praticamente não apresentam propriedades metálicas,
devido à sua elevada eletronegatividade, embora o iodo sólido tenha certa
aparência de metal.
O iodo é o menos eletronegativo de todos os halogênios, sua
eletronegatividade já se acha bastante reduzida para permitir um caráter catiônico.
Tal como no caso de um metal, a condutância do iodo diminui
com a elevação da temperatura. O iodo possui, pois algo de caráter metálico.
Embora o sólido consista em moléculas discretas de I2, como se pode
provar por analise de raio X, suas propriedades são diferentes das dos sólidos
moleculares comuns. Assim, sua condutividade elétrica, embora pequena,
aumenta com a temperatura, como a dos semicondutores. Ainda mais, o iodo
liquido também apresenta uma condutividade perceptível, que diminui com o
aumento da temperatura, como a dos metais. Portanto, embora muito fracas, as
propriedades metálicas aparecem mesmo na família dos halogênios.
Ligação entre os átomos de halogênios é bastante forte
Atração entre moléculas de X2 é bastante fraca

Forças de Van der Waals


Descendo no grupo, há um aumento do numero de elétrons por
molécula de X2, e essas forças de Van der Waals devem aumentar, não sendo

pois de surpreender o fato de os pontos de ebulição crescerem do F2 ao I2:

A temperatura ambiente:
•flúor e cloro são gases,

•bromo é liquido e
•iodo é sólido.
É bastante difícil remover um eletron de um átomo de halogênio, o que esta
de acordo com os valores relativamente altos do potencial de ionização;
Dentro do próprio grupo, há naturalmente um decréscimo do
potencial de ionização:
Quanto maior o átomo de halogênio, menor a energia
necessária para remover um elétron do átomo neutro, pois menos fortemente
ligados estão os elétrons externos.
O flúor é um agente oxidante tão forte que pode oxidar qualquer um dos
íons haletos
PORQUE?
O que é poder oxidante?
Oxidação é a remoção de elétrons de modo que o agente oxidante
recebe esses elétrons.
Halogênios atuam como agentes oxidantes.
A maior energia de hidratação do F- é a principal responsável pelo maior
poder oxidante do F2 em solução aquosa.
O fato de a energia de hidratação do F- ser maior do que a do Cl- é
compreensível, pois o íon fluoreto é consideravelmente menor do que o íon
cloreto. Quanto menor for o íon haleto, mais fortemente poderá interagir com
moléculas de água.

Sendo o flúor o mais eletronegativo de todos os elementos, pode


apresentar apenas um estado de oxidação negativo. Os outros halogênios,
entretanto, também podem apresentar números de oxidação positivos, quando
formam compostos com elementos mais eletronegativos.
O cloro e o iodo apresentam em seus oxicompostos o numero de oxidação
7+. Cloro,bromo e iodo também formam compostos onde o halogênio pode
funcionar com os números de oxidação 1+ e 5+.
REATIVIDADE
O flúor é o mais reativo de todos os elementos da tabela periódica.
Ele reage com todos os outros elementos, exceto com os gases
nobres mais leves.
A reatividade dos outros halogênios diminui na ordem Cl>Br>I.

A grande reatividade do flúor se deve a dois fatores:


•A pequena energia de dissociação para a ligação F-F.
Do que decorre uma pequena energia de ativação para a reação.
•As ligações muito fortes que se formam.
HALOGÊNIOS

Todos os HALOGÊNIOS são muito reativos e não existem no estado livre.


Porém, todos, com exceção do astato, são encontrados na forma de compostos
na crosta terrestre.
FLÚOR
O flúor é o 13º elemento mais abundante em peso na crosta terrestre.
A principal fonte de flúor é o mineral CaF2 , chamado de fluorita.
Os principais produtores são a China 22,5%, México e Mongólia 16%, URSS 11%
e a África 6%.
O Flúor é extremamente reativo _ difícil de ser preparado e manuseio do
elemento.
A primeira obtenção de flúor se deve a Moissan, em 1886.
O flúor é obtido tratando o CaF2 com H2SO4 conc., forma solução aquosa de HF;
que é destilado obtendo-se HF anidro líquido.
Em seguida eletroliza-se solução resfriada de KHF2 em HF anidro, com formação

de F2 e H2.

Dificuldades obtenção flúor:


1. O HF é corrosivo, corroendo o vidro e provoca queimaduras muito
doloridas quando em contato com a pele.
2. O HF também é muito tóxico (3 ppm), mais que HCN (10 ppm).
3. O HF anidro só se ioniza parcialmente, sendo assim um mau condutor de
eletricidade.
4.Àgua deve ser rigorosamente ausente,
5.O Hidrogênio liberado no cátodo deve ser separado do flúor liberado no
ânodo,com a ajuda de um diafragma,
6. O flúor é extremamente reativo, e inflama-se por exemplo com graxa ou
com silício.
Moissan utilizou um tubo em U de platina, metal inerte porem muito caro.
Hoje em dia usam-se o cobre ou o metal-monel por causa do seu menor preço.
O fluor é um gás amarelo pálido à temperatura ambiente, extremamente corrosivo
e reativo, que forma misturas violentamente explosivas com hidrogênio, devido à
reação:
H2(g) + F2(g) 2 HF(g) + 128kcal

Causa na pele serias queimaduras, que cicatrizam muito lentamente.

CLORO
o Cloro é o 20º elemento mais abundante em peso na crosta terrestre.
O composto mais abundante do cloro é o NaCl, do qual provem praticamente todo
o HCl e o Cl2 fabricados.

O NaCl é extraído como sal-gema, e em parte é obtido por evaporação


solar da água do mar.
A agua do mar contém em média cerca de 15000 ppm (1,5%) de NaCl.
O cloro foi preparado pela primeira vez por Scheele
Em escala de laboratório, o cloro pode ser obtido mediante aquecimento de
acido clorídrico com dióxido de manganês.
4 HCl + MnO2 MnCl2 + 2H2O + Cl2
O cloro é um gás verde-amarelado (o seu nome provem da palavra grega chloros,
verde), que possui um odor sufocante.
Embora não seja tão reativo quanto o flúor, é um agente oxidante e reage
explosivamente com hidrogênio, quando misturas dos dois gases são expostos à
luz ultravioleta.
A produção mundial de cloro é cerca de 23 milhões de toneladas por ano.
40% EUA, 15% Alemanha, 6% Canadá, 6% França, 6% Reino Unido, Japão e
Itália 4% cada.
Cerca de dois terços da produção são usados na fabricação de compostos
organoclorados, um quinto como alvejante, e o restante na fabricação de uma
variedade de compostos inorgânicos.
Por ser um gás tóxico o gás cloro foi usado com gás de combate na 1º
Guerra Mundial. O gás é detectavel pelo cheiro com concentrações de 3 ppm, e
concentrações de 15 ppm provocam irritação na garganta e lacrimejamento.
Concentrações maiores provocam tosse, danos nos pulmões e até a morte.

Grandes quantidades de cloro são empregados no alvejamento de tecidos,


madeira, polpa e papel.
Cloro também é empregado em todo o mundo desenvolvido na purificação
da água potável.
Também encontra emprego na fabricação de uma grande variedade de
produtos quimicos inorganicos:
alvejantes, hipoclorito de sódio (NaOCl), dióxido de cloro (ClO2), clorato de

sódio (NaClO3) e muitos cloretos de metais e não-metais.


BROMO
O Bromo é obtido a partir da água do mar e de salmouras naturais.
A prodção mundial de bromo foi de 398.500 toneladas por ano em 1988. EUA
41%, Israel 26%, URSS 16%, Reino Unido 7% e França 5%.
Cerca de 20% de bromo produzido são empregados na fabricação de derivados
orgânicos, como brometo de metila, brometo de etila e dibromocloropropano, eles
são usados na agricultura.
Cerca de 10% encontram emprego na fabricação de “retardantes” de
chamas. Tratamento com tris(dibromopropil)fosfato.
Fabricação de emulsões fotográficas e de produtos farmacêuticos.
AgBr e Kbr

IODO
Quantidades apreciáveis de iodo são obtidas a partir de iodetos presentes
nas cinzas de algas marinhas, por eletrolise ou aquecimento com dióxido de
manganês e acido sulfúrico:
2NaI + 3H2SO4 + MnO2 2NaHSO 4 + MnSO4 + 2H2O + I2

O iodo sublima facilmente por aquecimento, dando um vapor violeta, que


consiste moléculas de I2. Essa cor violeta também aparece em muitas soluções

de iodo, como por exemplo em CCl 4 e em hidrocarbonetos; entretanto, em água e


álcool, as soluções são castanhas, provavelmente devido a interações pouco
usuais entre I2 e o solvente.

A produção mundial de iodo foi de 15.300 toneladas por ano em 1988.


( Japão 49%, Chile 25%, URSS 13%, EUA 9%)
Pequenas quantidades de iodo são necessárias para dieta humana.
A glândula tireóide produz um hormonio de crescimento, chamado tiroxina, qu e
contém iodo.
A deficiência de iodo provoca a doença chamada bócio.
ASTATO
O Astato não ocorre na natureza, mas foram obtidos artificialmente mais de
vinte isótopos.
Todos são radioativos.
CURIOSIDADE SOBRE A CAMADA DE OZÔNIO
O cloro reage com o ozônio formando ClO e liberando O2. depois o ClO

volta a ser Cl2 que é um elemento catalisador, participa da reação mas não é
consumido.
Uma molécula de cloro pode reagir com milhares de moléculas de ozônio,
principalmente, porque o cloro tem um tempo de vida muito alto, justamente por
causa desse ciclo catalítico.
Existem muitas substâncias que são poluentes e ainda estão sendo muito
usadas… Este é o caso do brometo de metila, que é um pesticida usado em
plantações de morangos e tomates.
As algas são grandes produtoras de cloro, bromo e iodo também, na forma
metilada. Cerca de 25% do cloro existente, que destrói a camada de ozônio, é de
fonte natural.
Mas os outros 75% de cloro na atmosfera é devido aos CFCs.
Outra curiosidade é que o bromo tem um poder de destruição muito maior. Veja, o
CF3Br tem um potencial de destruição dez vezes maior que um CFC comum.

Gases Nobres
•Os elementos do grupo 18 tem sido denominados “gases nobres” e “gases
raros” inadequadamente uma vez que em 1962 descobriu-se os fluoretos de
xenônio, e o argônio constitui 0,9% em volume da atmosfera terrestre.
•Todos os gases nobres não radioativos são produzidos em escala
industrial, pela destilação fracionada do ar liquido. Esse processo fornece grandes
quantidades de nitrogênio e oxigênio, e somente uma pequena quantidade de
gases nobres. O argônio é o gás nobre produzindo em maior quantidade e o mais
barato.
•O radônio (Rn) é radioativo, e é formado no descaimento radioativo de

minerais de radio e de tório. Uma fonte conveniente é o isótopo 226Ra:100g de


radio fornece cerca de20mL de radônio por dia:

•226Ra 222Rn 4
86 + He2

•O estado mais estável do radônio, 222Rn, é um emissor  e seu tempo de


meia vida é de somente 3,8 dias. Por isso, apenas estudos utilizando traçadores
de radiação foram possíveis.
Propriedades físicas
•Todos os elementos são gases monoatômicos, incolores e inodoros.
•A entalpia de vaporização é uma medida das forças que mantem os
átomos unidos. São valores baixos devido as únicas forças entre os átomos serem
de Van der Waals – muito fracas. A entalpia de vaporização aumenta de cima para
baixo, a’ medida que aumenta a polarizabilidade dos átomos.
•Devido as pequeníssimas forças interatomicas, os pontos de fusão e de
ebulição também são muito baixos.
•Os raios atômicos desses elementos são todos muito pequenos e
aumentam quando se decresce pelo grupo. (estes raios são atômicos, ou seja,
não ligados, e devem ser comparados com os raios atômicos de van der Waals de
outros elementos na forma de átomo e não com os raios covalentes – raios dos
elementos na forma combinada).

•Todos os gases nobres são capazes de de difundir através do vidro, da
borracha, de materiais plásticos e de alguns metais – difícil manuseio.
Propriedades químicas dos gases nobres
•Os gases nobres foram isolados e descobertos graças ‘a sua falta de
reatividade. Durante muito tempo supôs-se que eram quimicamente inertes. Ates
de 62, a única evidencia a favor da formação de compostos de gases nobres era a
formação de alguns íons moleculares em tubos de descarga de gases rarefeitos
em alguns compostos do tipo clatratos
Íons moleculares formados no estado excitado
•-He2+, HeH+, HeH2+ , e Ar2+ , são formados em condições de alta
energia em tubos de descarga de gases rarefeitos. Eles subsistem
momentaneamente e podem se detectados por métodos espectroscópicos.
Moléculas neutras como He2 ao instáveis.

Clatratos
•Os compostos químicos normais possuem ligações iônicas ou covalentes.
Contudo, nos clatratos, átomos ou moléculas de tamanho adequado estão presos
nas cavidades existentes no reticulo cristalino de outros compostos. Embora os
gases estejam retidos, eles não formam ligações.

HÉLIO ( He )

HISTÓRICO:

Somente por volta do fim do século XIX conseguiu-se isolar uma apreciável do
elemento, extraindo-o de um mineral de urânio.

OCORRÊNCIA NATURAL:

O hélio é formado no interior da crosta terrestre, a partir de átomos mais


pesados, como o urânio e o tório, elementos radioativos, que produzem hélio pelo
processo de desintegração nuclear. O átomo de hélio é formado por uma partícula
alfa (dois prótons e dois nêutrons) envolta por dois elétrons. Os átomos de hélio
são muito leves e atingem facilmente a atmosfera, terrestre, tendendo a se perder
no espaço. Esse gás está presente em mínimas quantidades no ar atmosférico,
mas é o principal componente de estrelas como o Sol, onde é produzido pela
fusão nuclear de átomos de hidrogênio.

PROPRIEDADES FÍSICO-QUÍMICAS:

O hélio líquido, abaixo de 4,2 K, tem propriedades similares às de um líquido


comum, com uma densidade muito baixa (0,13 g/cm 3). Somente a altas pressões
(cerca de 25 atmosferas) o hélio forma o sólido. No intervalo de temperatura entre
4,2 K e 2,19 K recebe o nome de hélio I. Abaixo de 2,19 K recebe o nome de hélio
II e mostra estranhas propriedades. Por exemplo, seu calor específico aumenta
100 vezes e, sob um resfriamento ainda maior, o hélio II dilata-se ao invés de
contrair-se. Se colocado em um recipiente, o hélio II sobe pelas paredes, mesmo
não-capilares. Além disso, possui condutividade térmica cerca de 800 vezes maior
que a do cobre.

UTILIZAÇÃO:

O hélio é utilizado sob a forma gasosa, por ser um gás mais leve que o ar e não
inflamável, para encher aeróstatos e dirigíveis. Também é utilizado em mistura
com o O2 nos balões de oxigênio de mergulhadores. Sob a forma anômala (hélio
II) é usado para detecção de escapamentos em instalações de vácuo, para manter
constante a pressão em reservatórios de foguetes que vão-se esvaziando do
comburente e do combustível, e também para manter em atmosfera inerte
superfícies metálicas aquecidas.

NEÔNIO
•O elemento é nobre, inerte. Há dúvidas se pode formar algum composto
instável com o flúor.
•O neônio é o quarto elemento mais abundante no Universo e o quinto na
atmosfera terrestre. Pode ser obtido do resíduo da separação do oxigênio
•Do grego neos (novo), foi descoberto por Ramsay e Travers em 1898.
•Está presente na atmosfera, na proporção de aproximadamente 1 parte
para 65000 partes de ar.
•Produzido por Destilação fracionada do ar líquido
•O neônio é o quarto elemento mais abundante no Universo e o quinto na
atmosfera terrestre. Pode ser obtido do resíduo da separação do oxigênio
utilização
•- Agente de refrigeração no estado líquido - possui 40 vezes mais
capacidade refrigerante por unidade de volume do que o hélio líquido e mais do
que o triplo da capacidade do hidrogênio líquido;
•- Produção de laser
•- Lâmpadas de néon;
•- Sinalizadores luminosos de advertência
;
•- Tubos de imagem de televisores
•Em pequenas lâmpadas de sinalização usadas em aparelhos elétricos e
eletrônicos. Em lâmpadas para anúncios luminosos (misturado com argônio). Em
válvulas para raios-X (misturado com argônio). Em lasers de hélio e néon. Como
gás de enchimento em alguns lasers de vapores metálicos. Detectores de íons
para laboratórios. Líquido criogênico para sensores ultra-sensíveis de
infravermelho, etc.
•Em pequenas lâmpadas de sinalização usadas em aparelhos elétricos e
eletrônicos. Em lâmpadas para anúncios luminosos (misturado com argônio). Em
válvulas para raios-X (misturado com argônio). Em lasers de hélio e néon. Como
gás de enchimento em alguns lasers de vapores metálicos. Detectores de íons
para laboratórios. Líquido criogênico para sensores ultra-sensíveis de
infravermelho, etc.

Argonio-Ar
•Argônio é o mais comum dos gases nobres, foi descoberto em1894.
•O nome originou-se da palavra Grega argos, que significa inativo. É um
gás nobre incolor, quimicamente inerte, o terceiro elemento mais abundante na
atmosfera terrestre.
Propriedades
Propriedades termicas
USOS INDUSTRIAIS:
-Solda de alumínio e titânio pelo processo MIG e TIG.
-Solda e corte por arco de plasma.
-Solda e corte em ambiente inerte.
Solda elétrica, com proteção gasosa.
-Fabricação de lâmpadas incandescentes e fluorescentes.
-Tranquilizador no aço em fornos siderúrgicos.
-Em sistemas que necessitam de atmosfera inerte
-Fabricação de aparelhos eletrônicos
CRIPTÔNIO – Kr
•Do grego kryptos (escondido). Descoberto em 1898 por Ramsay e
Travers.
•Encontrado na atmosfera, na proporção de aproximadamente 1 ppm. A
atmosfera de Marte contém cerca de 0,3 ppm de criptônio.
Produção
•O criptônio tem ponto de ebulição cerca de 30ºC acima dos pontos de
ebulição da maioria dos outros componentes do ar. Assim, ele é prontamente
separado por destilação fracionada, acumulando-se junto do xenônio na parcela
menos volátil. Ambos os gases são purificados por absorção em sílica-gel,
separados por nova destilação e tratados com titânio aquecido para remover
demais impurezas.

Propriedades
•É um dos gases nobres. Seu espectro é caracterizado por brilhantes
linhas, verdes e laranjas. No estado sólido, é uma substância cristalina de
estrutura cúbica.
Propriedades
Compostos e/ou reações
•Embora o criptônio pertença ao grupo dos gases nobres, isto é,
teoricamente não forma compostos, uma mistura dele com o flúor, a -196°C e sob
ação de uma descarga elétrica ou raios X, forma o fluoreto, que se decompõe na
temperatura ambiente:
Kr + F2 ® KrF2.

Aplicações
•Na prática são poucas devido provavelmente ao alto custo de produção.
Foi usado em algumas lâmpadas de flash para fotografias em altas velocidades.
•O isótopo 85Kr pode ser usado para detectar vazamentos em recipientes
selados, através da radiação emitida pelos átomos que escapam.
•Em lasers tipo "Excimer" (com halogênios como cloro e flúor). Esses lasers
apresentam a propriedade de emitir radiações em comprimentos de onda que
variam de acordo com as condições de operação.
•Em pesquisas avançadas de propulsão de artefatos espaciais (motores
iônicos).
•A unidade fundamental de comprimento no Sistema Internacional, o metro,
foi originalmente definida como a décima milionésima parte do comprimento de um
quadrante da circunferência polar da Terra e, posteriormente, como o comprimento
de uma barra padrão de liga de platina e irídio. Em 1960, o metro foi definido em

termos do comprimento de onda da radiação espectral do isótopo 86Kr. Em 1983,


foi redefinido para o comprimento percorrido pela luz no vácuo em (1/299 792 458)
segundos.
Xenônio - Xe
•Do grego xenon (estranho). Descoberto por Ramsay e Travers em 1898,
no resíduo da destilação do ar líquido.
• O xenônio é o gás mais escasso na atmosfera terrestre
•Na atmosfera terrestre, está presente na proporção de aproximadamente
uma parte em vinte milhões. Na de Marte, 0,08 ppm.
•Produzido por Destilação fracionada do ar líquido.
•O criptônio tem ponto de ebulição cerca de 30ºC acima dos pontos de
ebulição da maioria dos outros componentes do ar. Assim, ele é prontamente
separado por destilação fracionada, acumulando-se junto do xenônio na parcela
menos volátil. Ambos os gases são purificados por absorção em sílica-gel,
separados por nova destilação e tratados com titânio aquecido para remover
demais impurezas.
Propriedades
•É um dos gases nobres. Seu espectro é caracterizado por brilhantes
linhas, verdes e laranjas. No estado sólido, é uma substância cristalina de
estrutura cúbica.
Propriedades
Propriedades termicas
Compostos e/ou reações
•Embora o criptônio pertença ao grupo dos gases nobres, isto é,
teoricamente não forma compostos, uma mistura dele com o flúor, a -196°C e sob
ação de uma descarga elétrica ou raios X, forma o fluoreto, que se decompõe na
temperatura ambiente:
Kr + F2 ® KrF2.

Aplicações
•Na prática são poucas devido provavelmente ao alto custo de produção.
Foi usado em algumas lâmpadas de flash para fotografias em altas velocidades.

•O isótopo 85Kr pode ser usado para detectar vazamentos em recipientes


selados, através da radiação emitida pelos átomos que escapam.
•Em lasers tipo "Excimer" (com halogênios como cloro e flúor). Esses lasers
apresentam a propriedade de emitir radiações em comprimentos de onda que
variam de acordo com as condições de operação.
•Em pesquisas avançadas de propulsão de artefatos espaciais (motores
iônicos).
•A unidade fundamental de comprimento no Sistema Internacional, o metro,
foi originalmente definida como a décima milionésima parte do comprimento de um
quadrante da circunferência polar da Terra e, posteriormente, como o comprimento
de uma barra padrão de liga de platina e irídio. Em 1960, o metro foi definido em

termos do comprimento de onda da radiação espectral do isótopo 86Kr. Em 1983,


foi redefinido para o comprimento percorrido pela luz no vácuo em (1/299 792 458)
segundos.

Xenônio - Xe
Propriedades
•É um gás considerado inerte. Isolado em uma ampola, produz um arco
azul se excitado por uma corrente elétrica.
Xenônio metálico foi obtido em laboratório, mediante altíssimas pressões.
Propriedades
Propriedades térmicas
Compostos e/ou reações
•Até 1962 acreditava-se que os gases nobres não formavam compostos.
Entretanto, experimentos mostraram que o xenônio e outros de valência nula
podem formar compostos.
•Mais de oitenta compostos de xenônio foram obtidos, com o xenônio ligado
quimicamente ao flúor ou ao oxigênio. Alguns deles são: perxenato de sódio,
hidrato de xenônio, difluoreto de xenônio, tetra e hexafluoreto e trióxido (este
último, explosivo).
•O xenônio não é tóxico mas os compostos são.

Reação com halogênios (somente com flúor):


Xe + F2 ® XeF2.

Xe + 2F2 ® XeF4.

Xe + 3F2 ® XeF6.

As três reações ocorrem no contato com o flúor sob pressão, com predominância
quantitativa do tetrafluoreto.

Aplicações
•Em lâmpadas para estroboscópios, para fins bactericidas e outros.
•Em reatores nucleares, na pesquisa de partículas de alta energia.

•133Xe é usado em radioterapia.


•Lâmpadas de alta energia de luz ultravioleta.
•Lâmpadas especiais usadas em aviação
•De forma similar ao criptônio, em lasers tipo "Excimer" (com halogênios
como cloro e flúor). Esses lasers apresentam a propriedade de emitir radiações
em comprimentos de onda que variam de acordo com as condições de operação.
•Por apresentar elevada massa específica e por ser facilmente ionizável, é
usado em motores iônicos para artefatos espaciais.
•Displays de plasma para televisores.
•Perxenatos são usados em análises químicas, como oxidantes
Radônio
•Radônio é formado pelo decaimento do rádio na crosta terrestre. É
extraído das soluções de sais de rádio e, comprimido e selado em pequenos tubos
de vidro em forma de agulha; era usado em medicina para a terapia de tumores,
mas apresentava graves riscos de contaminação radioativa ambiental, pela
ruptura dos frascos.
•O Radônio é um elemento gasoso radioativo, é um gás nobre, incolor e
inodoro
•De rádio. Descoberto em 1900 por Dorn que o chamou de emanação do
rádio. Isolado em 1908 por Ramsay e Gray.

• Encontrado na atmosfera terrestre na proporção de uma parte em 1021.


Também em algumas águas minerais.
•Desde que é um produto do decaimento do elemento rádio na tabela de
isótopos, não é considerado de existência natural.
•produzido pelo decaimento radioativo do elemento rádio (Ra), e do
elemento urânio (U). Ocorre em alguns tipos de solo na crosta terrestre.
• Teoricamente, pode ser obtido pela destilação fracionada do ar líquido.
Entretanto, é mais fácil obtê-lo a partir do decaimento de um isótopo de rádio.

Exemplo: 226Ra 222Rn + a.

Propriedades

•É essencialmente inerte e ocupa o último lugar do grupo de gases nobres


na tabela periódica.
Em temperaturas comuns, é um gás incolor. Resfriado abaixo do ponto de
solidificação, exibe uma fosforescência brilhante, que se torna amarela com a
redução da temperatura e vermelha alaranjada na temperatura do ar líquido.
Experiências demonstraram que flúor reage com o radônio, formando o fluoreto.

Propriedades
Propriedades térmicas
Compostos e/ou reações
•Reação com oxigênio: não ocorre.
•Reação com nitrogênio: não ocorre.
•Reação com água: não ocorre.
•Reação com halogênios: parece reagir com flúor, formando o fluoreto,
RnF2. Mas há dúvida se é um verdadeiro composto.

•Reação com ácido: não ocorre.


•Reação com base: não ocorre.

Usos
•Radônio é formado pelo decaimento do rádio na crosta terrestre. É
extraído das soluções de sais de rádio e, comprimido e selado em pequenos tubos
de vidro em forma de agulha; era usado em medicina para a terapia de tumores,
mas apresentava graves riscos de contaminação radioativa ambiental, pela
ruptura dos frascos.
Utilização
•- Sismógrafos;
- Combinado com berílio ou outros metais leves, é fonte de nêutrons.

•LÂMPADA FLUORESCENTE :
tem seu funcionamento baseado na descarga elétrica em gases a baixa
pressão. Como a tensão é alternada e apesar da variação da intensidade
luminosa não ser diretamente perceptível, poderia causar problemas visuais: para
evitar isto é aplicado um revestimento fluorescente na superfície interna do tubo
que torna a intensidade luminosa constante. O ar é evacuado dos tubos e enche-
se este com Argônio (Ar) a baixa pressão (4% da pressão atmosférica),
acrescentando-se uma gota de mercúrio cuja emissão ultravioleta estimula
adequadamente o revestimento fluorescente. Os eletrodos laterais do tubo tem um
outro revestimento, geralmente uma camada de óxido de bário ou de cálcio, que
favorece a emissão dos elétrons durante a descarga.
•Laser de Argônio e Criptônio
•Segundo MATZNER, "são dois lasers iônicos, que apresentam diferença
apenas na emissão de freqüências em que eles podem gerar. A corrente de
ionização desses lasers varia entre 10 e 60 A. … É uma corrente de elevada

densidade, pois é extremamente concentrada no interior do tubo, (cerca de 10 3

A/cm2).
•O laser de Argônio atua em duas freqüências principais: 488nm (azul) e
514,5nm (verde). O de criptônio trabalha em 4 freqüências fundamentais: 476,2nm
(azul), 520,8nm (verde), 647,1nm (vermelho) e 568,2nm (amarelo). Além disso
ambos podem atuar na faixa de ultravioleta, onde são utilizados para dar "partida"
em lasers de corantes sintonizáveis." (MATZNER, 1983, p. 24)