Você está na página 1de 6

OLIGOTERAPIA OU TERAPIA PELOS OLIGOELEMENTOS

Uma alimentação racional, apropriada, adequada, para cada indivíduo deve proporcionar-lhe todos os
micronutrientes de que necessita.

O ritmo da vida moderna, no entanto, nem sempre está de acordo com a importância da alimentação como um
dos mais importantes fatores de uma vida sadia. Industrialização da cadeia alimentar, adubação intensiva dos
solos, comida rápida substituindo refeição normal de pessoas apressadas e estressadas da sociedade atual,
dentre outros fatores, levam à carência de oligoelementos nos organismos.

Ao fim de algum tempo surgem as doenças funcionais. O indivíduo é assolado por períodos frequentes de
irritabilidade, transtornos do sono, indisposições, e inúmeros sinais e sintomas vagos e inespecíficos. Nesta
altura, o paciente procura remédio para os seus males e, perante um tão vasto e inespecífico quadro de
sintomas, é submetido a vários exames complementares sem chegar a um diagnóstico definitivo, porque se
tornou um “doente funcional” e com o tempo um doente crónico com fases agudas.

Os Oligoelementos atuam como catalisadores das inúmeras reações químicas que restabelecem por si
próprias o funcionamento normal do organismo humano. A deficiência ou falta deles, no entanto, altera o
curso ou a eficiência destas mesmas reações químicas levando a problemas funcionais, que evoluem para
patologias, que só se resolvem quando o equilíbrio é restabelecido.

É amplamente conhecida a importância que as enzimas têm nas reações químicas do nosso corpo. No entanto
muitas das vezes desconhecemos que elas precisam dos Oligoelementos para fazer o seu trabalho. São os
Oligoelementos que fornecem à enzima a energia para que a reação química ocorra. Desta forma são eles que
em última instância regulam e permitem as trocas metabólicas dentro e fora das células mantendo dessa forma
todo o equilíbrio bioquímico do corpo.

A Oligoterapia (reposição dos Oligoelementos) atua em profundidade corrigindo as reações bioquímicas do


corpo e dessa forma reequilibrá-lo levando-o de volta a um funcionamento mais normal e mais natural.

A eficácia da oligoterapia tem o máximo rendimento nesta fase funcional do doente, pois faculta ao organismo
as condições de restabelecer, por si próprio, o equilíbrio biológico, já que a oligoterapia é, por natureza e
especificidade, uma terapia preventiva e de manutenção.

De uma centena de elementos simples que compõem o universo que é o nosso organismo, apenas 11 del es
participam em 99,98% do substrato que é o nosso organismo, são eles o cálcio, carbono, cloro, hidrogénio,
magnésio, oxigénio, potássio, fósforo, silício, sódio, enxofre.

Os restantes elementos participam apenas em 0,02%, tendo até ao último século sido considerados primeiro,
como um erro de análise e, depois, como se tratasse de impurezas.

A bioquímica veio colocar no seu lugar a importância destes elementos pela observação e estudo dos seres
vivos vegetais e animais, incluindo o homem.

Hoje se sabe que a Oligoterapia associada a produtos naturais é um meio válido e eficaz para impedir e
reverter a osteoporose bem como muitas das patologias reumáticas, para além de inúmeras outras patologias
como sinusite, problemas do sistema imunológico etc.

A Oligoterapia como técnica credível remonta a 1932 quando Jacques Mènètrier estudou as catálises
biológicas. Mais recentemente o Dr. Picard completou estes dados com indicações específicas dos diversos
Oligoelementos.

Cada um desses Cinco Oligoelementos é um traço de um metal ou de dois ou três metais ligados na mesma
ampola sob forma de gluconato para formar um medicamento original que se receita aos pacientes para
corrigir o conjunto possível de perturbações que definem sua diátese.

Ao conjunto de características semiológicas que definem um terreno constitucional chamamos Diátese. Uma
Diátese exprime a transição entre o "estado de saúde" e o "estado lesional".

A Diátese relaciona o doente ligado a uma disfunção orgânica, de uma forma individualizada pelas suas
reações pessoais.

O comportamento diatésico é o reflexo móvel de um estado físico em evolução. Um estado patológico é


fisiologicamente a consequência de uma anomalia crescente das trocas metabólicas e um bloqueio
progressivo das funções reguladoras.

Uma lesão é patologicamente o resultado de uma perturbação metabólica. A terapêutica pelos catalizadores é
muito útil pelos seus poderes reguladores e despolarizantes.

A Medicina Funcional de Mènètrier descreve cinco diáteses, ou terrenos, que estão respectivamente
agrupadas em torno de um oligoelemento.
AS CINCO DIÁTESES DOS OLIGOELEMENTOS DE MENETRIER
E AS CINCO CONSTITUIÇÕES DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
DIÁTESES OLIGOELEMENTOS CONSTITUIÇÃO FUNÇÕES E
CHINESA MEREDIANOS
I alérgica ou manganês e enxofre vesícula biliar fígado
artrítica 1ª. MADEIRA
intestino grosso pulmão
II hipostência manganês-cobre 2ª. METAL
intestino delgado
III distônica coração triplo
manganês-cobalto 3ª. FOGO aquecedor circulação
sexualidade
IV anérgica cobre-ouro-prata 4ª. ÁGUA bexiga rim
V zinco-cobre ou zinco- estômago baçopâncreas
desataptação níquel-cobalto 5ª. TERRA

DIÁTESE I, ALÉRGICA ou ARTRÍTICA, corresponde à primeira constituição chinesa, a constituição MADEIRA.


Ela é tratada pela receita do MANGANÊS em oligoelemento, isolado ou associado ao ENXOFRE.

DIÁTESE II, HIPOSTÊNICA, corresponde à segunda constituição chinesa, a constituição METAL. Ela é tratada
pela receita de doses de MANGANÊS E COBRE, associados.

DIÁTESE III, DISTÔNICA, corresponde à terceira constituição chinesa, a constituição FOGO. Ela é tratada pela
receita de doses de MANGANÊS E COBALTO, associados.

DIÁTESE IV, ANÉRGICA, corresponde à quarta constituição chinesa, a constituição ÁGUA. Ela é tratada pela
receita de doses de COBRE-OURO-PRATA.

DIÁTESE V, DESAPTAÇÃO HIPOFISOGONÁDICA OU HIPOFISOPANCREATICA corresponde à quinta


constituição chinesa, a constituição TERRA. Ela é tratada pela receita de doses de ZINCO E COBRE
associados; e em caso de desadaptação hipófise-gonádica pelo ZINCO-NÍQUEL--COBALTO associados em
caso de desadaptação hipófise-pancreática.

Predomina nos jovens Semiologia: Riscos de


e adolescentes. alergia, evolução
Os fenômenos eczema, patológica:
patológicos são urticária de hipotensão
agudos, mas raramente repetição, arterial
graves. Costuma asma (acima dos
evoluir com mais alérgica, cinquenta
frequência para a sinusite anos),
diátese III (distónica). alérgica, artrites
Há um excesso de doenças crónicas,
reações tanto cardiovascula litíase da
comportamentais res, vesícula
quanto sintomáticas. Sintomas: precordialgia biliar,
Cansaço s, taquicardia litíase
Constituição madeira; matinal, emocional, renal, asma
meio mais ácido e hiperatividade hipotensão crônica, Terapia:
reduzido; manganês; o no fim do dia, arterial, eczemas, manganês
Diátese I catalisador manganês fadiga que náuseas, doença de (corretor de
influencia a atividade desaparece com digestões Basedow, base); enxofre
Alérgica ou do fígado em sua o esforço, má lentas, Fibromiom (disfunção
artrítica verdadeira significação memória vômitos, a tumoral hepática
hepática, corrigindo os episódica, muito colite, ou dominante);
sintomas de discinesia enérgico, disfunção hemorrágic iodo (disfunção
biliar, perturbações otimista, tireoidiana, o. tireoidiana
dispépticas, de nervoso, dismenorreia, dominante).
perturbações alérgicas. colérico, urina ácida,
impulsivo. unhas
quebradiças,
queda de
cabelo,
artrite, dores
reflexas,
artrites
agudas não
deformantes,
ciática,
lombalgia.

Caracteriza-se Sintomas: Semiologia: Riscos: Terapia:


por hipotonia. fadiga rinites, tuberculose em manganês-
Este terreno progressiva por faringites, todas as suas cobre (corretor
aproxima-se do falta de laringites, formas, de base);
Tuberculinismo resistência, traqueítes, reumatismos enxofre (nos
da Homeopatia. fatigável com o bronquites, crónicos sintomas
Encontra-se esforço, má sinusites, deformantes, antigos);
com frequência memória por adenites, asma crónica, fósforo (nos
nas famílias falta de perturbações bronquite sintomas
cujos parentes resistência, duodenais, crónica, colite recentes)
Diátese II (pais ou avós) medianamente enterocolite, crónica
sofrem ou enérgico, moral alternância de esquerda,
Hipostênica ou sofreram de irregular com diarreia e úlcera
Artro- problemas indiferença, obstipação, duodenal.
tuberculosa respiratórios e tendência à cistites ligeiras
de estados reflexão, calmo, reincidentes,
hiposténicos. cauteloso, sono dismenorreia,
constituição muito bom. hipotireoidismo,
metal; meio anemia com
mais ácido e leucopenia,
oxidado; ); atraso na
ossificação,
afrouxamento
ligamentar,
prurido,
eritemas
polimorfos,
acne, psoríase.

aparece Sintomas: Semiologia: Sinais: Tratamento:


normalmente no fadiga de manhã, espasmos aumento da manganês-
adulto, voltando ao fim da epigástricos, taxa de ureia, cobalto
raramente é tarde, má memória inchaço das aumento da (corretor de
constitucional. que se acentua extremidades, constante de base); enxofre
Geralmente é a progressivamente, hemicranianas Ambard, (disfunção
evolução da ligeiro difusas, alcalose, artrodigestiva);
Diátese I pessimismo com hemorroidas, anemia em iodo (disfunção
Diátese III (Diatese Alérgica ansiedade, sono pernas alguns casos. hipofisogenital);
não tratada). É mau com pesadas, cobalto
Distônica ou um sinal de ansiedade. edemas dos (disfunção
Neuro-artrítica alarme para o membros circulatória);
terapeuta, pois a inferiores, magnésio (de
instalação de varizes, origem
disfunções precordialgias, recente);
orgânicas de aerofagia, minero-C (dor
degenerescência dispepsia, recente);
não estão longe. gastrite, colite minero-Vita (de
espasmódica origem antiga).
direita, algo-
Constituição neuro-
fogo, meio mais distrofias,
alcalino e artrose,
reduzido; estados
gotosos,
urticária
crónica,
eczema
crónico,
líquen,
oliguria,
uremia,
menopausa.

nunca é Sinais: Semiologia: Riscos: Tratamento:


constitucional. fadiga infecções de anergia total; cobre-ouro-prata
Geralmente é permanente, má repetição, sistema (corretor de base);
uma evolução memória; otites, imunológico manganês (terreno
das diáteses desconcentração, anginas, em disfunção; alérgico);
precedentes e, falta de energia, cistites, febre tuberculose manganês-cobre
normalmente pessimismo com inexplicável, local ou geral; (hipostenia);
muito grave. Depressão- reumatismo reumatismos manganês-cobalto
Aparece Doença, apático e evolutivo, crónicos (se existir
brutalmente confuso, sono osteomielites, graves; distonia); lítio
Diátese IV após mau com furúnculos de poliartrite (Depressão-
medicação pesadelos. repetição, evolutiva; Doença); enxofre
Anérgica prolongada e acne, antraz. retocolite (se existir
mal tolerada, hemorrágica; disfunção
principalmente Sinais leucemia; hepática); iodo
nos biológicos: estados (disfunção
tratamentos VHS pode cancerosos; tireoidiana); flúor
com estar senescência (desmineralização);
antibióticos e aumentada; precoce e minero-Vita
em acidentes alterações no irreversível. (suporte
ou choques hemograma; imunológico).
morais alcalinidade
repetidos. aumentada.

ANÉRGICA;
Constituição
água; meio
mais alcalino e
oxidado;
etapas
extremas do
envelhecimento
celular; meio
mais alcalino e
oxidado;

Não é Sinais: Semiologia: Riscos: Tratamento:


propriamente uma quebra transtornos não são zinco-níquel-cobalto
diátese, mas sim súbita de menstruais, específicos, (hipofisepancreática);
uma modalidade energia; menopausa, pois dependem zinco-cobre
"reacional" ao moral impotência, de diáteses (suprarrenal e
agravamento dos irregular frigidez, anteriores, genitais); iodo
sintomas de uma com hipoglicemia, podem no (tireoide).
das diáteses indiferença; transtornos entanto incluir-
Diátese V anteriores, alternância digestivos, se nesta
afetando de carácter; transtornos categoria os
prioritariamente o sonolência; prostático. síndromes
Síndrome de sistema endócrino transtornos adiposogenitais,
desaptação e em particular genitais e as prostatites
com o endócrinos. crônicas,
hipofisosuprarenal. Transtornos mongolismo.
genitais e
Constituição terra; endócrinos
meio neutro;
estado de
transição entre os
quatro estados.

Os Oligoelementos atuam liberando os da mesma natureza, presentes nos corpos, mas incapazes de agir
porque eles são quelados, ou seja, encerrados por grandes moléculas. A inibição da atividade para um dado
oligoelemento depende por sua vez da tendência natural para esse estado de coisa proveniente do terreno em
relação com a constituição, mas também as condições do meio ligadas à poluição do ar respirado, alimentação
cheia de produtos químicos (pesticidas, antibióticos, resíduos químicos etc.), absorção de medicamentos
químicos diversos, dos quais muitos são queladores, enfim à vida sedentária, e ainda ao estresse e aos fatores
emocionais e psíquicos do indivíduo.

Verifica-se então que cada conjunto coerente de reações químicas, embora diferentes e aparentemente
estranhas, afastadas entre si nos diversos tecidos, obedece em terapêutica a um único oligoelemento, ou a
uma associação exata dada. E que esse oligoelemento na correspondência que estabelecemos, se coordene
com os meridianos da acupuntura e suas respectivas funções.

Essa correspondência é surpreendente. Ela cria o problema de saber como os chineses puderam conhecer
antes da descoberta da bioquímica pela Ciência, que o meridiano do fígado e esse órgão estão ligados à
alergia e ao papel imunológico do fígado nas imunoglobulinas, artritismo, metabolismo do ácido úrico,
patologia muscular, metabolismo do glicogênio, hormônios tireoidianos, paratireoidianos, digestão dos
lipídios, absorção das vitaminas lipossolúveis como a vitamina A que influi na visão (os olhos estando em
correspondência com o fígado no elemento Madeira), enxaquecas pelos fenômenos vasomotores, regras
dolorosas com inchação dos seios (ligadas ao catabolismo da foliculina pelo fígado) etc.

Os Oligoelementos como meio terapêutico é uma unanimidade na Medicina da Europa, principalmente na


França, principalmente pelos reumatologistas, otorrinolaringologistas, homeopatas, acupuntores,
fitoterapeutas.

A vantagem dos Oligoelementos reside na facilidade de prescrição de uma ampola , uma a três vezes por
semana, por via oral, para um dado oligoelemento, tendo em vista corrigir as perturbações diatésicas
correspondentes.

Outra vantagem consiste em sua sensibilidade para corrigir os transtornos às vezes mínimos, imperceptíveis,
mas, no entanto, incômodos.

Os Oligoelementos são uteis na prevenção, no curso, nas recaídas, das doenças, desde o aparecimento dos
sintomas de alarme, solução que tem, além disso, a vantagem de ser menos dispendiosa.

Um médico que domine a Terapia pelos Oligoelemento além de ser competente para escolher o melhor
oligoelemento básico da diátese de seu cliente como pode também beneficiá-lo com oligoelementos
secundários complementares, tais como o magnésio, fósforo, iodo, potássio, cobalto, alumínio etc.

Eles são essencialmente preventivos das doenças crônicas e graves (Diabete Melito, Hipertensão Arterial,
Estresse, Obesidade, Artrite etc.) que tratadas desde os seus primeiros sintomas poderão ser amenizadas ou
retardadas na sua evolução.

Ainda que a doença esteja num estágio mais avançado, os Oligoelementos poderão ser associados a outros
medicamentos alopáticos ou homeopáticos, melhorando a sensibilidade ao tratamento específico.

Muitos medicamentos são elaborados com traços de elementos até altas doses como, por exemplo:

 Iodo para bloquear o metabolismo tireoidiano;


 Flúor para frear a destruição óssea;
 Ferro para tratar determinadas anemias;
 Cobre para tratar a Depressão-Doença bipolar;
 Zinco para tratar inúmeras doenças da pele e muitas doenças genéticas.

 O Laboratório LABCATAL produz:

 ALUMÍNIO (Al): problemas de adaptação escolar, transtornos leves do sono, tanto em adultos como em
crianças maiores de 6 anos;
 BISMUTO (Bi): problemas infecciosos virais na Otorrinolaringologia, e nos estados gripais;
 COBALTO (Co): enxaquecas dos adultos;
 COBRE (Cu): processos infecciosos ou virais, estados gripais, infecções inflamatórias reumáticas;
 COBRE-OURO-PRATA (Cu-Au-Ag): períodos de convalescência de períodos infecciosos e de estados
astênicos;
 FLÚOR (Fu): problemas dos ligamentos;
 LITIO (LI): afecções psíquicas ou psicossomáticas tanto nos adultos como em crianças maiores de 6 anos,
transtornos do sono, irritabilidade;
 MAGNÉSIO (Mg): distonia neurovegetativa, espasmofilia;
 MANGANÊS (Mn): alergias;
 MANGANÊS-COBALTO (Mn-Co): atonia neurovegetativa;
 MANGANÊS-COBRE (Mn-Cu): infecções, alergias, doenças otorrinolaringológicas;
 MANGANÊS-COBRE-COBALTO (Mn-Cu-Co): astenia dos adultos;
 NÍQUEL-COBALTO (Ni-Co): estados dispépticos do adulto;
 FÓSFORO (P): atonia neurovegetativa, espasmofilia;
 POTÁSSIO (K): nas manifestações musculares; câimbras;
 SELÊNIO (Se): afecções musculares e dermatológicas;
 ENXOFRE (S): afecções recidivantes cutâneas, reumatológicas, doenças otorrinolaringológicas;
 ZINCO (Zn): doenças da pele;
 ZINCO-COBRE (Zn-Cu): problemas da puberdade nas crianças de mais de 12 anos, menopausa,
síndrome pré-menstrual;
 ZINCO-NÍQUEL-COBALTO (Zn-Ni-Co): dietas de emagrecimento.