Você está na página 1de 12

ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017

ME9520 / NMA520 – SISTEMAS DE VENTILAÇÃO E AR CONDICIONADO


Segundo Semestre de 2017
Lista de Apoio 1

CÁLCULO DA VAZÃO DE AR NECESSÁRIA EM UM AMBIENTE

EX 01) Exemplo de aplicação: Teatro

Dimensão: 20 x 70 x 10 (m)
Ocupação: 0,7 m²/pessoa
Anvisa: 27 m³/h por pessoa (para diminuir odores e garantir níveis de O2)
Elevação máxima de temperatura: 5 ºC
Temperatura do ar externo: 30 ºC
Calor sensível gerado por pessoa: 71,5 W
Sistema VGD por insuflamento e exaustão forçados com pressão positiva
Troca de ar por frestas: ¾ do volume do ambiente por hora
Dados: cpAr = 1004,5 J/(kg.K)
RAr = 287 J/(kg.K)
PATM = 98 kPa
Determinar as vazões de ar para VInsuflamento, VFrestas e Vexaustão
Resposta: VFrestas = 2,917 m³/s = 10500 m³/h; Vinsuflamento = 25,265 m³/s = 90953 m³/h;
Vexaustão = 22,348 m³/s = 80453 m³/h

EX 02) Ambientes Industriais. Dados:


• ηG = 0,9; ηMD = 0,3; ηV = 0,7; Te = 30 ºC; Ts = Te + 10°C; o ambiente trabalha com pressão positiva.
• 2% da potência que entra no motor é transferida ao ar em forma de calor sensível.
• cpAr = 1004,5 J/(kg.K)
• RAr = 287 J/(kg.K) 1000 kW
• PATM = 98 kPa
• ΔPDutos = 294 Pa G MD
Determinar a vazão de ar a ser insuflado e a potência no
eixo do ventilador. 1000 kW

G MD

Resposta: VInsuflamento = 32,7 m³/s = 117784,3 m³/h; NVent = 13741,5 W = 1402,2 kgf.m/s = 18,7 cv

EX 03) Uma indústria emprega acetona como solvente de resinas e preparo de vernizes. A experiência indicou que, por
vaporização, ocorre uma perda diária de 3 kg desse solvente numa jornada de 8 horas. A temperatura ambiente é de
30 °C. No local onde se situa a indústria, a pressão atmosférica é de 750 mmHg. Também há uma carga térmica de
100 W/pessoa e 500W devido ao Sol. Pretende-se realizar uma instalação geral diluidora. Calcular a vazão de renovação
de ar necessária para diluir o contaminante e retirar o calor sensível, sabendo que existem 5 pessoas no local.
Dados:
• cpAr = 1004,5 J/(kg.K)
• RAr = 287 J/(kg.K)
• ΔT = 5 °C
• M = Massa molar da acetona = 58,08 g/mol
• Peso específico do mercúrio: 13600 kgf/m³
• C= Concentração máxima admissível para a acetona: 450 ppm
• K = fator de segurança = 5
• Constante universal dos gases: R = 8,314462 J/mol.K
Resposta: R: 1837,9 m³/h

1/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 04) (Exemplo 8.2 do livro [1], pg. 111 - Modificado) Num setor de uma indústria, o chumbo é derretido em contato
com o ar, e por diferença de pesagens chegou-se à conclusão de que, em 25 dias úteis de trabalho de 8 hrs diárias houve
uma sublimação de 60 g de chumbo. Essa quantidade de chumbo reage com 4,633 g de oxigênio, se convertendo em
óxido de chumbo, venenoso. Qual deverá ser a vazão de renovação de ar, em uma instalação geral diluidora, para que
não haja danos à saúde dos operários daquela seção da fábrica?
Dados: CMÁX_PbO = 0,2 mg/m³; K = 5; MPbO = 223,2 kg/kmol; cte universal dos gases: R = 8,314462 J/mol.K
Resposta: 8079,125 m³/h

EX 05) (Exemplo 6.4 do livro [1], pg. 82) Deseja-se realizar uma instalação de ventilação com exaustão mecânica
(ventilação induzida) em uma sala de uma indústria onde trabalham 22 funcionários (escritório, sala de contabilidade,
por exemplo). A sala mede 20 x 8 x 3,5 m. A entrada do ar se faz por janelas amplas em uma das extremidades. A
remoção do ar se fará com dois ventiladores axiais na parede oposta. Determinar a vazão mínima necessária à obtenção
de uma razoável nível de conforto, atendendo os critérios a seguir. Considerando uma vazão mínima dada pelas normas
de 10 renovações de ar por hora. Para conforto térmico, considerar velocidades médias na zona ocupada entre 1,5 e
10 m/min.
Segundo a ASHRAE, a vazão mínima para não fumantes é de 8 m³/(h.pessoa)
Resposta: 5600 m³/h

CONCENTRAÇÃO TRANSIENTE DE CONTAMINANTES

EX 06) Uma empresa possui motores Diesel antigos, desregulados, que são utilizados como geradores. Embora os
motores fiquem na parte externa da empresa, seu escape passa por dentro da fábrica para que se aproveite as altas
temperaturas em um processo. Em certo instante, o duto de escape se rompe e os gases de escapamento são liberados
no ambiente. Eles carregam um fluxo de monóxido de carbono para o ambiente de 10 m³/h. Sabendo que a concentração
máxima admissível para o CO é de 50 ppm, determine:
a) A concentração de CO irá ultrapassar o limite máximo?
b) Se sim, quanto tempo isso levará?
Dados:
A empresa possui um sistema de VGD com um fluxo de 105 m³/h.
O volume da empresa é de 6000 m³.
Resposta: (a) Ceq = 100 ppm, sim; (b) 149,7 s

EX 07) (Exemplo 8.4 do livro [1], pg. 112) Em uma sala de 6 x 4 x 3 m opera um equipamento no qual escapa
considerável quantidade de amônia. Pelo consumo de amônia, chegou-se à conclusão de que a vaporização da mesma
no ambiente é da ordem de 0,25 m³/h. O sistema de ventilação da sala insufla (e retira) 800 m³/h de ar. Após que tempo
as condições do ambiente se tornariam insalubres?
Considere que no início da operação do equipamento, o ar do ambiente estava puro.A concentração máxima para
exposição prolongada é de 50 ppm, e a concentração máxima para 1 hr de exposição é de 150 ppm.
Resposta: 56,5 s para 50 ppm e 211,9 s para 150 ppm

EX 08) (Exemplo 8.5 do livro [1], pg. 112) Num recinto de 600 m³ existe uma concentração de benzeno igual a 4 partes
por 10000 partes de ar e são vaporizados 0,18 m³/h. Se ligarmos o equipamento de exaustão, que fornece 1000 m³/h de
ar, após quanto tempo a concentração atingirá o índice aceitável de 2 partes por 10000 partes?
Resposta: 5179,45 s = 86’ 19’,45’

EX 09) (Exercício 1 do livro [2], pg. 184) 39,75 litros de cloreto de metileno líquido são evaporados numa sala de
3540 m³. Calcular a concentração de equilíbrio, em ppm. Dados: Massa molar: 84,93 g/mol; Constante universal dos
gases: R = 8,314462 J/mol.K
PAMB = 700 mmHg; TAMB = 25 °C;
ρ(LÍQ) = 1,3266 g/cm³
Resposta: 4658 ppm

2/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 10) (Exercício 2 do livro [2], pg. 184) Num salão medindo 46 x 55 x 6 m, um solvente é evaporado à razão de
21,7 m³/h durante 8 h. Sua massa molar é de 85 g/mol, sua concentração máxima é de 500 ppm, e usar um fator de
segurança de 3. Calcular:
a) A vazão de ar requerida para diluir esse solvente.
b) Se existir uma vazão de exaustão de 41600 m³/h, qual a máxima concentração atingida?
c) Qual o efeito se dobrar a vazão?
Resposta: (a) 130200 m³/h; (b) 521,6 ppm; (c) a concentração máxima cai para a metade, 260,8 ppm

EX 11) (Exercício 2 do livro [3], pg. 485) Um sala de aula tendo um volume de 283 m³ é ventilada naturalmente à razão
de 1,5 trocas por hora. A concentração de CO2 do ar externo é 0,03% e a produção de CO2 por pessoa é 4,72.10-3 L/s.
a) Qual a máxima ocupação, se a concentração de CO2 for menor do que 0,1 % no final da primeira hora, supondo
que a concentração inicial é de 0,03%?
b) Qual a máxima ocupação se a sala de aula estiver continuamente ocupada e a concentração nunca exceder 0,1%?
Resposta: (a) 22 pessoas; (b) 17 pessoas

EX 12) (Exemplo 17.1 do livro [3], pg. 477) Se o ar numa sala tiver uma concentração inicial de 1000 ppm de hidrogênio,
quantas trocas de ar são necessárias para reduzir este valor para 50 ppm?
Resposta: 2,996 trocas

EX 13) (Exemplo 17.2 do livro [3], pg. 480) Sabendo-se que regulamentos governamentais locais estipulam que a
mínima quantidade de ar fresco que deve ser insuflada a um lugar de divertimento público é 8 L/(s.pessoa) e que a
quantidade mínima de espaço disponível na sala seja 12 m³/pessoa, calcule a concentração de dióxido de carbono depois
de uma hora, expressa em porcentagem. Suponha que o ar fresco contenha 0,03% de dióxido de carbono e que a
respiração humana produza 4,72.10-3 L/(s.pessoa) de CO2.
Resposta: C = 0,08364% = 836,4 ppm

DIMENSIONAMENTO E BALANCEAMENTO DE DUTOS

EX 14) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 7 m/s; ηV = 70% e ρ = 1,2 kg/m³

1000 L/s 8000 L/s

D 10 m 15 m B 5m E
C 15 m F 15 m G
10 m

5000 L/s
A
4000 L/s 8000 L/s
V

Resposta: 292,5 W

EX 15) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 8 m/s; ηV = 80% e ρ = 1,2 kg/m³

300 L/s
C
D 5m
300 L/s
2m

2m

V 10 m B5 m
A
Resposta: 39,6 W

3/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 16) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 8 m/s; ηV = 80% e ρ = 1,2 kg/m³
840 m³/h 840 m³/h
1020 m³/h 3 1020 m³/h
5
7 1
Vent. de Exaustão 5m 5,5 m 6m
5m
6m 5m 8,1 m 7,1 m
H G F E D C B A
5m 4m
4,5 m
6m
8 2
4
840 m³/h 6 690 m³/h
840 m³/h
840 m³/h
Resposta: 90,09 W

EX 17) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 10 m/s; ηV = 60% e ρ = 1,2 kg/m³
1200 m³/h 1200 m³/h
2 6

6m 1200 m³/h
5m 9
1100 m³/h
1 1100 m³/h 4 7 510 m³/h 5m
5m 6m 3m
5,6 m 7,1 m 9,1 m 6m
A B C D E F G H
4m 5m
4m
6m
3 8 10
1060 m³/h 1200 m³/h 1200 m³/h
5
Resposta: 258,2 W 1200 m³/h

EX 18) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 6 m/s; ηV = 80% e ρ = 1,2 kg/m³
1800 m³/h 1800 m³/h

C E
7,1 m

A 10 m B D 9,1 m

Resposta: 20,3 W

EX 19) Dimensionar, balancear os dutos pelo método da igual perda e determinar a potência do ventilador.
Adotar: vmáx = 14 m/s; ηV = 70% e ρ = 1,2 kg/m³
680 m³/h 680 m³/h 680 m³/h 680 m³/h 680 m³/h
1 2 3 4 5

10 m 10 m 10 m 10 m 10 m

7,6 m 7,6 m 7,6 m 7,6 m 7,6 m


A B C D E F G H I J
Resposta: 485,7 W

4/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 20) Estimar a potência requerida no ventilador, considerando apenas as perdas de carga do sistema e desprezando
as singularidades. Onde for possível, fazer o balanceamento pela redução de diâmetro, e onde não for possível, indicar
a perda de carga a ser introduzida. A velocidade no duto tronco é de 10 m/s e considerar o rendimento do ventilador de
60%. 800 m³/h 1100 m³/h
D F

30 m 25 m
B 17 m C 10 m
20 m E
750 m³/h 15 m
A G
Resposta: 339,625 W 1000 m³/h 1300 m³/h

EX 21) Uma instalação VGD está funcionando de acordo com o esquema dado. Determine a potência necessária no
ventilador. As perdas de carga em cada trecho estão informadas no desenho, sendo dados:
ΔPFILTRO = 5 mmH2O ; V̇K = V̇J = 2750 m3 /h ; ηV = 60%; 1CV = 75 kgf.m/s
3 mmH2O .
J V = 2750 m³/h
5 mmH2O 2 mmH2O 2 mmH2O
A D G I
2 mmH2O H K .
3 mmH2O 3 mmH2O V = 2750 m³/h
B E
1 mmH2O
2 mmH2O
C F

Resposta: 0,577 CV

SISTEMAS DE VENTILAÇÃO LOCAL EXAUSTORA (VLE)

EX/Exemplo 22) Num captor para esmeril, pretende-se uma vazão de captura de 283 L/s. A velocidade no duto deverá
ser de 1500 m/min para arrastar a poeira do esmeril e do metal. Adotar o peso específico de γ = 1,4 kgf/m³ devido ao
material pulverizado que será conduzido no tubo. Pressão atmosférica local de 760 mmHg.
Pede-se:
a) A perda de carga ΔP na entrada.
b) A pressão estática na entrada do duto, na escala absoluta.
c) A depressão a ser criada pelo ventilador.
Resposta: (a) 284,4 Pa; (b) 100571 Pa (abs); (c) 721,9 Pa

EX/Exemplo 23) Um captor cilíndrico circular sem flange colocado a 15 cm de uma fonte de contaminante deve atender
a uma velocidade de captura de 60 m/min e uma vazão de 15 m³/min. A temperatura ambiente é de 28°C e a pressão
atmosférica local é de 730 mmHg. Qual a depressão a ser criada pelo ventilador ligado ao sistema, desprezando-se a
perda de carga no duto? Dado: RAR = 287 J/(kg.K)
Resposta: 108,7 Pa

EX/Exemplo 24) Suponha a instalação de um captor para funcionar sob as seguintes condições de operação:
- Duto de 0,225 m de diâmetro
- TAMB = 25°C
- PATM = 700 mmHg
- 𝑉̇ = 0,21 m³/s
- F = 0,93 (fator de perda de carga)
- RAR = 287 J/(kg.K)
Determinar a depressão que deverá ser conseguida com o ventilador desprezando a perda de carga no duto.
Resposta: 29,4 Pa
5/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 25) Deseja-se manter a pressão negativa em um ambiente que trabalha com sistema VGD por insuflamento e
exaustão forçados, onde também existe uma VLE. A VLE utiliza um captor tipo coifa, com perímetro de 6 m, e distância
até a fonte de contaminante de 1,5 m. A carga térmica total (solar, equipamentos, pessoas, etc) é de 90 kW.
Sabendo que a velocidade de captura do contaminante é de 1m/s, determinar a vazão de ar de insuflamento e na exaustão
do sistema VGD de maneira que a temperatura interna seja 5ºC acima da externa. No ambiente não há outros
contaminantes além daquele captado pela VLE.
Dados: Vazão frestas = 3000 m³/h; RAR = 287 J/(kg.K);
cpAR = 1004,5 J/(kg.K); PATM = 700 mmHg;
γHg = 13600 kgf/m³; TATM = 25 ºC; V̇ = 1,4 ∙ P ∙ D ∙ vc
. C;V q
VFrestas

Resposta:(V̇𝐼𝑁𝑆 = 56137m3 /h; V̇𝐸𝑋𝐴𝑈𝑆 = 13777 m3 /h)

EX 26) Um sistema VGD que funciona com insuflamento e exaustão forçados, deve diluir um contaminante cuja
concentração máxima é 20 ppm. A geração de contaminantes é de 0,235 m³/h. O ambiente deve ser mantido com pressão
positiva e a troca de ar por frestas é de 1200 m³/h. No ambiente também está um captor tipo coifa com manômetro
indicando 10 mmH2O. A velocidade máxima no duto de exaustão da VGD é de 10 m/s. Determinar a potência no
ventilador de exaustão da VGD sabendo que o seu rendimento é 0,5 :
Dados: Ce = 0,8; Sd = 0,06 m²; PATM = 100 kPa; TATM = 21 °C; RAR = 287 J/(kg.K); Desprezar a energia cinética na saída
do duto. Captor S = 0,06 m²

Ventilador de exaustão
10 mm
20 m

Ventilador de insuflamento

Resposta: NV = 166,6 W

EX/Exemplo 27) Determinar a pressão total do ventilador e a sua potência. Dados: V̇ = 1,4 ∙ P ∙ D ∙ vc
Onde: P = Perímetro da coifa quadrada, D = distância da coifa até a emissão de contaminantes, vc = 0,5 m/s.
PATM = 96380 Pa, TATM = 25 °C, (3)
RAR = 287 J/(kg.K)
Perda0-1 = 400 Pa; Perda2-3 = 1100 Pa; ηV = 85%

(2)
(1)

d= 300 mm

d= 600 mm

COLETOR
(0)
10 mmH2O

D =1,0 m
0,2 m 0,2 m

Resposta: 5082 W
0,60 m
6/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 28) (Exemplo 4.7 do livro [4], pg. 205) Projetar um sistema de exaustão para um fogão de 2 x 1,2 m, localizado no
centro de uma cozinha de 8 x 8 x 5 m. Considerar uma velocidade de captura de 0,25 m/s, e velocidade de transporte
nos dutos de 10 m/s. O coef. de perda de carga das singularidades são: Coifa: F= 0,25;
Curva: F= 0,15; Saída: F= 1. Considerar trecho reto de 5 m.
Para a coifa, adotar: V̇ = 1,4 ∙ P ∙ D ∙ vc Onde: P = Perímetro da Coifa quadrada, D = distância da coifa até a emissão
de contaminantes, vc = velocidade de captura. Escolher um
diâmetro comercial, de 10 em 10 cm. Para esse ambiente,
deve haver 5 renovações do ar ambiente em cada hora.
ρAR= 1,16 kg/m³ e ηV = 70%. O ambiente trabalha com
pressão negativa e a única exaustão forçada existente será a 2,5 m
coifa.
Motor
8m 1,70 m
0,25 m
Ventilador
0,25 m

8m

Motor

5m Ventilador

2,5 m
1m 2m 0,25 m

Resposta: 402,3 W; D = 0,6 m 8m

EX 29) (Exemplo 4.5 do livro [4], pg. 196) Numa esteira transportadora de cereal (arroz) estão instaladas três
campânulas, num total de aberturas de 0,1 m² em cada uma, de acordo com o esquema da figura abaixo. Dimensionar o
sistema de ventilação local exaustora correspondente, com separação dos pós por ciclone. Considerar que a velocidade
na saída é igual à velocidade no duto. Para o trecho com contaminantes, adotar vT = 15 m/s, e para o trecho de ar limpo,
adotar v = 10 m/s. I
ΔPCICLONE = 88 kgf/m²;vc= 2,5 m/s; 𝑉̇ = 𝑣𝑐∙ 𝐴𝑐𝑎𝑝𝑡𝑜𝑟 4m
Os fatores de perda de carga das singularidades são: H 6m
FCaptor = 0,25; F90° = 0,15; F45°= 0,075; F(D) = 0,115; F(E) = 0,05; FSaída = 1;
ρAR= 1,15 kg/m³ e ηV = 80%; Motor
Ventilador

6m D 10 m E 1m
F Ciclone

3m 3m 4m

A B
Ω0 Ω0 C
0,1 m² 0,1 m² Ω0

0,1 m²
Resposta: NV = 1349,3 W

7/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 30) (Exemplo 11.5 do livro [1], pg. 222) Em um processo industrial tem-se um banho de chumbo e antimônio para
reparo de linotipos. O tanque mede 91 x 61 cm. A temperatura dos metais em fusão é de 527°C e a temperatura ambiente
é de 24 °C. O fluxo de ar quente que sobe devido à diferença de temperatura pode ser calculado como
3 𝐷 𝛥𝑇∙9 1,25
𝑉̇ = 5,4 ∙ 60 ∙ 0,3048 ∙ 𝑆𝑡𝑎𝑛𝑞𝑢𝑒 ∙ √0,3048 ∙ ( 5 ) , onde Stanque é a área de abertura do tanque, D é a distância da coifa
até o tanque e ΔT é a diferença de temperatura entre o tanque a o ambiente. Determine a vazão do captor, considerando
que ele deve arrastar um excedente de ar equivalente a 20% do fluxo quente, para garantir a captura. O captor está
posicionado a 1,22 m acima do tanque.
Resposta: 1782 m³/h

EX 31) (Exemplo 11.6 do livro [1], pg. 223) Um tanque de 1,22 x 0,91 m contém um produto químico líquido e verifica-
se uma vaporização de aproximadamente qm” = 1 kg/(m².h). Pretende-se instalar uma coifa baixa onde a distância até a
fonte geradora de contaminante é de 1,22 m. Qual a vazão requerida?
Considere que para tanques com evaporação, o cálculo da vazão que sai do tanque é
3 𝐷
𝑉̇ = 290 ∙ 60 ∙ 0,3048 ∙ 𝑆 ∙ √0,3048 ∙ 𝑞𝑚
" ∙ 0,0034. No captor, a vazão deve ser 20% maior.

(1686,9 m³/h)

VENTILADORES

EX 32) Um sistema de ventilação foi projetado para insuflar ar em três salas, que estão à pressão atmosférica. Os dutos
são constituídos de um duto tronco e derivações, conforme mostra o esquema abaixo. As perdas de carga no ramal e
derivações podem ser calculadas, com os "dampers" totalmente abertos, por
Duto tronco: ∆𝑃𝑖 = 1,0 ∙ 𝑉̇𝑖2 mmca (milímetro de H2O)
derivação 1: ∆𝑃1 = 2,5 ∙ 𝑉1̇ 2 mmca
derivação 2: ∆𝑃2 = 4,5 ∙ 𝑉̇22 mmca
derivação 3: ∆𝑃3 = 2,5 ∙ 𝑉̇32 mmca quando 𝑉̇= (m³/s).

As vazões para as salas 1, 2 e 3 devem ser fixadas, respectivamente, em 1,5 m³/s, 2,0 m³/s e 4,0 m³/s. O local de instalação
do sistema de ventilação tem uma densidade média do ar de 1,2 kg/m³ (ar padrão!) e a curva característica do ventilador
que deve ser instalado (Bernauer VBR 100-800), fornecida para a condição padrão de 1,2 kg/m³, está dada abaixo. A
rotação de trabalho pode ser escolhida devido à disponibilidade de diversas combinações de polias na empresa.
Determinar:

a) o ponto de operação do ventilador na condição de trabalho (pressão total, vazão e potência);


b) a perda de carga que se deve impor a cada "damper", após o balanceamento do sistema;
c) a rotação de trabalho do ventilador.
Curva do Ventilador Bernauer VBR 100/800
100 ρ=1,2 kg/m³ 76 % 100
81 %
83 %
81 %
Damper 70 %
1
Damper
PTotal (mmH2O)

V N 2
900 RPM

3
Damper

((a) PT= 96,25 mmH2O; 𝑽̇= 7,5 m³/s; NV= 8843 W; (b) 560 RPM

ΔP1= 34,375 mmH2O; ΔP2= 22 mmH2O;


10 10
(c) n= 1360 rpm )
1,00 10,00
Vazão (m³/s)
8/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017

EX 33) O sistema de exaustão de ar de duas capelas opera com ar aquecido, de densidade 1,00 kg/m³. As perdas de
carga nos dutos de aspiração e insuflamento são dadas, respectivamente, por

∆𝑃𝐴−𝑁 = 1,0 ∙ 𝑉̇ 2 ; ∆𝑃𝐵−𝑁 = 1,4 ∙ 𝑉̇ 2 ; ∆𝑃𝑁−1 = 0,85 ∙ 𝑉̇ 2; ∆𝑃2−𝑆 = 1,0 ∙ 𝑉̇ 2 [mmca] para 𝑉̇ = [m³/s],

e quando o "dampers" estão totalmente abertos. Considerando que o ventilador vai trabalhar com a rotação de 2800 rpm,
qual é o ponto de operação do sistema (PT, vazão, potência)? Desejando-se ajustar a vazão de cada capela para 2,0 m³/s,
qual é o valor da perda de carga localizada que se deve Curva do Ventilador 60 %
impor em cada "damper? Qual a potência do ventilador ρ=1,2 kg/m³
100 65 % 100
nessa condição? A curva do ventilador está representada 70 %
no gráfico abaixo, para uma rotação fixa de 2800 RPM. 65 %
s
60 %

PTotal (mmH2O)
N 1

ventilador

"damper"
2800 RPM
"damper"

Capela "A" Capela "B"

(Ponto de operação: PT= 57,25 mmH2O; 𝑽̇= 5,1 m³/s;


NV= 4088 W; Para 𝑽̇= 4m³/s: ΔPA= 46,4 mmH2O; 10 10
ΔPB= 44,8 mmH2O; NV= 5141 rpm) 1,00 10,00
Vazão (m³/s)
EX 34) A ventilação de um sistema central de condicionamento opera com ar de densidade 1,1 kg/m³. A configuração
Curva do Ventilador Bernauer VBR 100/800 do sistema está representada pelo esquema abaixo, com
100 ρ=1,2 kg/m³ 76 % 100
as perdas de carga em cada um dos trechos obtida em
81 % [mmcH2O] quando a vazão é dada em [m³/s] pela
83 % expressão: ∆𝑃 = 𝐾 ∙ 𝑉̇ 2 . As perdas de carga se aplicam
81 %
quando os "dampers" estão totalmente abertos. A curva
70 % do ventilador está dada na página seguinte (VBR
100/800 da Bernauer), e as vazões para cada ambiente
PTotal (mmH2O)

especificadas no esquema. Determinar a condição


operacional do ventilador (pressão total, vazão, rotação
900 RPM
e eficiência) e a perda de carga que se deve impor em
cada um dos "dampers" do sistema para que se cumpra
a distribuição de ar pretendida. Um inversor de
frequência é utilizado para que o ventilador opere na
rotação ideal.
560 RPM
Sala 1 Sala 1
1,2 m³/s 1,4 m³/s
10 10
K = 1,6 K = 2,8
1,00 10,00
Vazão (m³/s)
Filtro Serpentina
K = 0,4
Amb.
Externo V
K = 0,2
(Ponto de oper.: PT= 41,8 mmH2O; K = 1,2
K = 0,8
𝑽̇= 4,1 m³/s; NV= 2049 W; K = 0,2
n= 840 rpm; ΔP1= 3,2 mmH2O;
ΔP3= 7,7 mmH2O; ΔP4= 7,5 mmH2O; K = 0,2 K = 0,2 K = 0,4
ΔP5= 7,4 mmH2O)
Sala 3 Sala 4 Sala 5
0,5 m³/s 0,5 m³/s 0,5 m³/s

9/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
EX 35) O sistema de exaustão de ar de uma capela opera com ar aquecido, de densidade 1,05 kg/m³. As perdas de carga
nos dutos de antes e depois do ventilador são dadas, respectivamente, por

∆𝑃𝐴.𝑉. = 1,0 ∙ 𝑉̇ 2 e ∆𝑃𝐷.𝑉. = 1,4 ∙ 𝑉̇ 2 [mmca], para 𝑉̇ = [m³/s]

e quando o "damper" está totalmente aberto. Considerando que o ventilador irá trabalhar com a rotação fixa de 1800
rpm, qual é o ponto de operação do sistema? Desejando-se ajustar a vazão para 3,5 m3/s, qual é o valor da perda de
carga localizada que se deve impor no damper? Qual a potência do ventilador? A curva do ventilador está representada
no gráfico abaixo.
Ao se utilizar um inversor de freqüência, qual a rotação que o ventilador deve trabalhar para que o damper fique aberto?
Qual a economia de potência conseguida ao utilizar um inversor de freqüência, em relação ao funcionamento em 1800
rpm e vazão de 3,5 m³/s?
Curva do Ventilador
100 ρ=1,2 kg/m³ 60 % 64 %
100

57 %

50 %

"damper" PTotal (mmH2O)


40 %

ventilador
Produtos Químicos

1800 RPM

10 10
1 10
Vazão (m³/s)
(Dampers abertos: PT= 37,7 mmH2O; 𝑽̇= 4 m³/s; NV= 2884 W;
Vazão de 3,5 m³/s e 1800 rpm: ΔPDamper= 20 mmH2O; NV= 2898 W;
Vazão de 3,5 m³/s e rotação ajustada: n= 1585 rpm; NV= 1977 W; ΔNV= 921 W )

EX 36) Um ventilador sopra ar frio em uma câmara frigorífica. A densidade do ar na entrada do ventilador é 1,4 kg/m³
(ar frio, pós serpentina), e as perdas de carga nos trechos do sistema são:

∆𝑃𝐹𝑖𝑙𝑡𝑟𝑜 = 2,0 ∙ 𝑉̇ 2 ; ∆𝑃1,2 = 0,5 ∙ 𝑉̇ 2 ; ∆𝑃𝑆𝑒𝑟𝑝 = 2,0 ∙ 𝑉̇ 2 ; ∆𝑃3,4 = 0,5 ∙ 𝑉̇ 2 [mmca], para 𝑉̇ = [m³/s]
Curva do Ventilador 60 %

100 ρ=1,2 kg/m³ 65 % 100


A curva característica do ventilador está dada abaixo,
70 % para o ar padrão de 1,2 kg/m³. Determinar o ponto de
65 % operação previsto para o ventilador (PT, eficiência,
60 % potência e rotação de operação), considerando que a
rotação deve ser escolhida para que o damper fique
aberto.
PTotal (mmH2O)

1 2 3 4
2800 RPM AMB. V Câmara
Filtro Damper
Evaporador Ventilador

2200 RPM

(PT= 80 mmH2O; 𝑽̇= 4 m³/s; NV= 4900 W; W;


n= 2460 rpm)

10 10
1 10
Vazão (m³/s)
10/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017

EX 37) Na empresa que você trabalha, haverá a construção de um novo sistema de VLE para 3 novos tanques. Seu chefe
pediu para que você verifique se é possível utilizar um ventilador centrífugo já existente na empresa para construir esse
sistema, que contará com 3 captores do tipo fenda lateral. O esquema da instalação está na figura abaixo. Como uma
condição preliminar de projeto, as perdas de carga para as singularidades são consideradas para velocidades médias nos
dutos, chegando aos seguintes valores: ΔP90° = 1 mmH2O; ΔPT = 2 mmH2O; ΔPCAPTOR = 7 mmH2O; ΔPFILTRO = 15
mmH2O. O galpão onde serão instalados os captores conta um sistema de VGD que também será modificado para
atender as novas vazões. Considere que a temperatura interna do galpão deve ser de no máximo 30 °C para dias que o
ambiente externo está a 25°C, com pressão de 700 mmHg.
A empresa trabalha com elementos químicos voláteis que acabam por vaporizar no ambiente a uma taxa de 0,3 m³/h.
Existem 23 pessoas trabalhando no galpão, cada pessoa libera um fluxo de calor total de 235 W. Os equipamentos e
reações química que ocorrem no galpão liberam um fluxo de calor na ordem de 15 kW. Devido à toxidade dos
componentes químicos, o galpão trabalha com pressão negativa, a concentração máxima dos contaminantes é de 100
ppm e utiliza-se um fator de segurança de 5.
A vazão necessária para a captação dos contaminantes da VLE é dada por: V  2,8  L  w  vC , onde L e w são as
dimensões dos tanques (L= w = 0,8 m) e a velocidade de captura necessária para esse contaminante será de 1,0 m/s. A
vazão das frestas corresponde a 10% da vazão de insuflamento.
Ao verificar o ventilador em questão no catálogo do fabricante, você encontrou a curva característica abaixo, que foi
obtida para a densidade do ar de 1,2 kg/m³.
SA-MU 25/13

5m D 5m E 2m

6m
3m

3m

3m

F
A B C

a) Determinar a vazão que passa em cada captor, a vazão de insuflamento e a vazão nas frestas
b) Determinar o diâmetro dos dutos pelo método da igual perda, sabendo que o ventilador irá trabalhar com uma
rotação de 600 rpm
c) Balancear os dutos pela redução de diâmetros e verificar se a velocidade de transporte de 10 m/s é obedecida

Vazão Velocidade Diâmetro Comprimento Perda/L Perda


Trecho
(L/s) (m/s) (mm) (m) (Pa/m) (Pa)

((a) 𝑽̇𝑰𝑵𝑺 = 17594,2 m³/h; 𝑽̇𝑭 = 1759,4 m³/h; 𝑽̇𝑪𝒂𝒑𝒕𝒐𝒓 = 6451,2 m³/h (b) DAB= DBC = DCE= 475 mm; DDE= 610 mm;
DEF= 720 mm (c)) D’BD= 390,4 mm; D’CE= 354,3 mm

11/12
ME9520/NMA520 – Sistemas de Ventilação e Ar Condicionado – 2º Sem 2017
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

[1] MACINTYRE, Archibald Joseph – Ventilação Industrial e Controle da Poluição – 2° Edição – LTC Editora

[2] MESQUITA, A. L. S.; Guimarães, F. A.; Nefussi, N. – Engenhara de Ventilação Industrial – 2ª Reimpressão -
CETESB – São Paulo – 1988

[3] JONES, W. P. – Engenharia de Ar Condicionado – 2ª Edição – Editora Campus Ltda. – Rio de Janeiro, RJ – 1973

[4] COSTA, Ennio Cruz da, – Ventilação – Editora Edgard Blücher – São Paulo – 2005

12/12