Você está na página 1de 8

www.cers.com.

br 1
Questões práticas sobre o amparo assistencial do idoso e do deficiente carente.

Conceito de Assistência Social


LOAS, Art. 1º A assistência social, direito do cidadão e dever do Estado, é Política de Seguridade Social não
contributiva, que provê os mínimos sociais, realizada através de um conjunto integrado de ações de iniciativa
pública e da sociedade, para garantir o atendimento às necessidades básicas.

CURSO DE PRÁTICA FORENSE EM DIREITO PREVIDENCIÁRIO NO REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA


SOCIAL 2017 , Prof. Osvaldo Almeida Neto

Base Constitucional da Assistência Social

Art. 1º A República Federativa do Brasil, (...) tem como fundamentos: (...)


II - a cidadania
III - a dignidade da pessoa humana;

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:


I - construir uma sociedade livre, justa e solidária;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos (...).

Art. 6º São direitos sociais, (...) a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma
desta Constituição.

Art. 194. A seguridade social compreende um conjunto integrado de ações de iniciativa dos Poderes Públicos e da
sociedade, destinadas a assegurar os direitos relativos à saúde, à previdência e à assistência social.

Art. 203. A assistência social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguri-
dade social, e tem por objetivos:
I - a proteção à família, à maternidade, à infância, à adolescência e à velhice;
II - o amparo às crianças e adolescentes carentes; (...)
III - a promoção da integração ao mercado de trabalho;
IV - a habilitação e reabilitação das pessoas portadoras de deficiência e a promoção de sua integração à vida
comunitária; (...)
V - a garantia de um salário mínimo de benefício mensal à pessoa portadora de deficiência e ao idoso que com-
provem não possuir meios de prover à própria manutenção ou de tê-la provida por sua família, conforme dispuser
a lei.

Principal norma infraconstitucional da Assistência Social no âmbito Federal


Lei 8.742/93. LOAS – Lei Orgânica da Assistência Social. Dispõe sobre a organização da Assistência Social e dá
outras providências: conceito, objetivos, princípios, organização – SUAS, benefícios, programas da Assistência
Social.

Princípios e Objetivos da Assistência Social


CF/88 art. 203 e LOAS arts. 1º e 2º
I – necessidade/vulnerabilidade
II – tutela não condicionada à contribuição direta do(a) beneficiário (a)
III – caráter subsidiário
IV – garantia do mínimo existencial
V – reintegração social do(a) beneficiário (a)
VI – caráter não vitalício da prestação assistencial
VII –in dubio pro miserum
VIII - solidariedade

Benefício de Prestação Continuada - BPC


Referências normativas
Lei 8.742/93, arts. 20, 21, 21-A
Decreto n.º 6.214/07, modificado pelo Decreto n.º 8.805/16, de 7/7/16.
Portaria MDS/INSS n.º 01/17, de 3/1/17 (procedimento adm.).
Portaria MDS/INSS n.º 02/15, de 30/3/15 (perícia).

www.cers.com.br 2
Lei 8.742/93, art. 20: O benefício de prestação continuada é a garantia de um salário-mínimo mensal à pessoa
com deficiência e ao idoso com 65 (sessenta e cinco) anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover
a própria manutenção nem de tê-la provida por sua família. (Redação dada pela Lei nº 12.435, de 2011)

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência – Loas, art. 20, caput. Beneficiários
a) Idoso , maior de 65 anos (Lei 10741/03, art. 34)
b) Pessoa com deficiência com impedimento de longo prazo - Loas, art. 20, § 10. Considera-se impedimento de
longo prazo, (...) aquele que produza efeitos pelo prazo mínimo de 2 (dois) anos. (Incluído pela Lei nº 12.470, de
2011)

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência – Loas, art. 20, caput. Deficiência?
o
Decreto 6.214/07, Art. 4 Para os fins do reconhecimento do direito ao benefício, considera-se:
II - pessoa com deficiência: aquela cuja deficiência a incapacita para a vida independente e para o trabalho;
II - pessoa com deficiência: aquela que tem impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou
sensorial, os quais, em interação com diversas barreiras, podem obstruir sua participação plena e efetiva na soci-
edade em igualdade de condições com as demais pessoas; (Redação dada pelo Decreto nº 7.617, de 2011)

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, Pessoa com deficiência
- Obrigatoriedade de comprovação mediante perícia multiprofissional, Loas, art. 20§ 2º
o
- § 2 Para efeito de concessão do benefício de prestação continuada, considera-se pessoa com deficiência
aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em intera-
ção com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de
condições com as demais pessoas. (Redação dada pela Lei nº 13.146, de 2015) (Vigência)
- Redação dada pelo Estatuto da Pessoa c/ deficiência, Lei 13.146/15.
- Decreto n.º 6.214/07 , art. 16
- Art. 16. A concessão do benefício à pessoa com deficiência ficará sujeita à avaliação da deficiência e do grau
de impedimento, com base nos princípios da Classificação Internacional de Funcionalidades, Incapacidade e Saú-
o a
de - CIF, estabelecida pela Resolução da Organização Mundial da Saúde n 54.21, aprovada pela 54 Assembleia
Mundial da Saúde, em 22 de maio de 2001. (Redação dada pelo Decreto nº 7.617, de 2011)

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, Pessoa com deficiência, até a Lei
12470/11
- Classificação Internacional das Deficiências, Incapacidades e Desvantagens CID (1976)
Doença –> Deficiência -> Incapacidade

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, Pessoa com deficiência, disciplina
atual
- Classificação Internacional de Funcionalidades, Incapacidade e Saúde - CIF (2001)
- Avaliação global: doença <-> funções do corpo <-> relações interpessoais <-> atividades de participação na
sociedade <-> fatores ambientais.

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, perícia da pessoa com deficiência
Perícia de avaliação da Incapacidade da Pessoa com deficiência. Loas, art. 20§ 6º. Portaria MDS/INSS n.º 02/15.
Perícia Multiprofissional médica e social.

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, perícia da pessoa com deficiência
– Decreto n.º 6.214/07
Art. 16. A concessão do benefício à pessoa com deficiência ficará sujeita à avaliação da deficiência e do grau de
impedimento, com base nos princípios da Classificação Internacional de Funcionalidades, Incapacidade e Saúde -
o a
CIF, estabelecida pela Resolução da Organização Mundial da Saúde n 54.21, aprovada pela 54 Assembleia
Mundial da Saúde, em 22 de maio de 2001. (Redação dada pelo Decreto nº 7.617, de 2011)
o
§ 1 A avaliação da deficiência e do grau de impedimento será realizada por meio de avaliação social e avaliação
médica. (Redação dada pelo Decreto nº 7.617, de 2011)
o
§ 2 A avaliação social considerará os fatores ambientais, sociais e pessoais, a avaliação médica considerará as
deficiências nas funções e nas estruturas do corpo, e ambas considerarão a limitação do desempenho de ativida-
des e a restrição da participação social, segundo suas especificidades. (Redação dada pelo Decreto nº 7.617, de
2011)

www.cers.com.br 3
Conclusão da perícia médico-social:
 Classificação da deficiência em: Nenhuma, Leve, Moderada, Grave ou Completa, em face da combinação dos
fatores ambientais, atividades e participação, e funções do corpo, cf. Anexo IV da Portaria MDS/INSS n.º 02/15,
caracterizando ou não a incapacidade para fins de concessão do BPC.

Exemplo, Anexo IV da Portaria MDS/INSS n.º 02/15

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência


É possível a concessão se há incapacidade/impedimento por prazo inferior a 2 anos?
“Comprovada a divergência jurisprudencial, passo à análise do mérito. Quanto ao mérito, o Colegiado desta Tur-
ma Nacional de Uniformização, quando do julgamento do PEDILEF 0517034-49.2012.4.05.8013 (Relatora Juíza
Federal KYU SOON LEE, sessão de julgamento realizada em 11/09/2014), firmou a tese no sentido de que "a
temporariedade da incapacidade não constitui óbice para a concessão do benefício assistencial, inexistindo um
parâmetro quanto ao prazo de duração dessa incapacidade. A desnecessidade de incapacidade permanente é,
inclusive, objeto da Súmula nº 48 desta Corte ("A incapacidade não precisa ser permanente para fins de conces-
são do benefício assistencial de prestação continuada").” - PROCESSO: 0513151-60.2013.4.05.8013

É possível a concessão se há incapacidade/impedimento, condições pessoais do requerente.


Ementa: -VOTOPREVIDENCIÁRIO. LOAS. INCAPACIDADE PARCIAL E TEMPORÁRIA. AVALIAÇÃO DAS-
CONDIÇÕES PESSOAIS. PRECEDENTES DA TNU.
(...) 3. Resta assente que este conceito de capacidade para a vida independente não está adstrito apenas às ativi-
dades do dia a dia, vez que não se exige que o (a) interessado (a) esteja em estado vegetativo para obter o Bene-
fício Assistencial. Dele resulta uma exigência de se fazer uma análise mais ampla das suas condições pessoais,
familiares, profissionais e culturais do meio em que vive para melhor avaliar a existência ou não dessa capacida-
de”. (PEDILEF200932007033423, Rel. JUIZ FEDERAL PAULO RICARDO ARENA FILHO, Data da Deci-
são05/05/2011, Fonte/Data da Publicação DOU 30/08/2011). 4. Pedido conhecido e improvido. (TNU - PEDILEF
138265320084013200 (TNU), Data de publicação: 09/03/2012)

BPC, 1º Requisito – Incapacidade de prover a sua própria subsistência, perícia da pessoa com deficiência
Súmulas da TNU sobre perícia
SÚMULA 48, DOU 18/04/2012
A incapacidade não precisa ser permanente para fins de concessão do benefício assistencial de prestação conti-
nuada.

SÚMULA 78, DOU 17/09/2014


Comprovado que o requerente de benefício é portador do vírus HIV, cabe ao julgador verificar as condições pes-
soais, sociais, econômicas e culturais, de forma a analisar a incapacidade em sentido amplo, em face da elevada
estigmatização social da doença.

SÚMULA 79, DOU 24/04/2015


Nas ações em que se postula benefício assistencial, é necessária a comprovação das condições socioeconômicas
do autor por laudo de assistente social, por auto de constatação lavrado por oficial de justiça ou, sendo inviabiliza-
dos os referidos meios, por prova testemunhal.

SÚMULA 80, DOU 24/04/2015


Nos pedidos de benefício de prestação continuada (LOAS), tendo em vista o advento da Lei 12.470/11, para ade-
quada valoração dos fatores ambientais, sociais, econômicos e pessoais que impactam na participação da pessoa
com deficiência na sociedade, é necessária a realização de avaliação social por assistente social ou outras provi-
dências aptas a revelar a efetiva condição vivida no meio social pelo requerente.

www.cers.com.br 4
BPC, 2º Requisito – necessidade/miserabilidade, Critério legal (objetivo)
Renda per capta familiar inferior à ¼ do Salário mínimo, atualmente R$ 937,00/4= 234,25.
Exemplo: Família com 5 pessoas: 1 idoso (65 anos) + 2 adultos + 2 crianças. Renda mensal familiar de R$
1.000,00/5= 200,00. Idoso terá direito ao BPC.

Grupo familiar, composição


o
Lei 8742/93, Art. 20. § 1 Para os efeitos do disposto no caput, a família é composta pelo requerente, o cônjuge
ou companheiro, os pais e, na ausência de um deles, a madrasta ou o padrasto, os irmãos solteiros, os filhos e
enteados solteiros e os menores tutelados, desde que vivam sob o mesmo teto. (Redação dada pela Lei nº
12.435, de 2011)

Grupo familiar, Flexibilização


EMENTA PROCESSO CIVIL - ASSISTÊNCIA SOCIAL. BENEFÍCIO DA PRESTAÇÃO CONTINUADA. REQUISI-
TOS LEGAIS. CONCEITO DE FAMÍLIA. 1. Ao apurar o grupo familiar do requerente, o juiz não está adstrito ao rol
do art. 16 da Lei n. 8.213/91, que, neste caso, é meramente exemplificativo, podendo, diante do caso concreto,
ser alargado ou diminuído, de acordo com a sua equitativa apreciação, e tendo em visto o art. 5º da Lei n.
11.340/2006. 2. Caso de retorno dos autos ao juízo de origem para, diante do caso concreto, fazer a adequação
do julgado. 3. Recurso conhecido e provido em parte. TNU, PEDILEF 200770950064928, 26/9/2008.

TRF-3 - APELAÇÃO/REMESSA NECESSÁRIA APELREEX 00013244420114036103 SP (TRF-3)


Data de publicação: 29/09/2016
Ementa: BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. PRESENÇA DOS REQUISITOS LEGAIS NECESSÁRIOS PARA A CON-
CESSÃO DO BENEFÍCIO. – (...) A Lei 12.435/11 alterou o conceito de família, dando nova redação ao art. 20, §
1º, da Lei nº 8.742/93, não mais remetendo ao art. 16 da Lei nº 8.213/91 para identificação dos componentes do
grupo familiar.

Parcelas incluídas no cálculo da Renda per capta familiar:


Decreto n.º 6.214/07, art. 4º, VI - renda mensal bruta familiar: a soma dos rendimentos brutos auferidos mensal-
mente pelos membros da família composta por salários, proventos, pensões, pensões alimentícias, benefícios de
previdência pública ou privada, seguro-desemprego, comissões, pro-labore, outros rendimentos do trabalho não
assalariado, rendimentos do mercado informal ou autônomo, rendimentos auferidos do patrimônio, Renda Mensal
Vitalícia e Benefício de Prestação Continuada, ressalvado o disposto no parágrafo único do art. 19. (Redação
dada pelo Decreto nº 7.617, de 2011)

Parcelas excluídas no cálculo da Renda per capta familiar, Decreto n.º 6.214/07, art. 4º, § 2º
Para fins do disposto no inciso VI do caput, não serão computados como renda mensal bruta familiar: I -
benefícios e auxílios assistenciais de natureza eventual e temporária; (Incluído pelo Decreto nº 7.617, de 2011)
II - valores oriundos de programas sociais de transferência de renda; (Incluído pelo Decreto nº 7.617, de 2011)
III- bolsas de estágio supervisionado; (Redação dada pelo Decreto nº 8.805, de 2016) (Vigência) IV -
pensão especial de natureza indenizatória e benefícios de assistência médica, conforme disposto no art.
o
5 ; (Incluído pelo Decreto nº 7.617, de 2011) V - rendas de natureza eventual ou sazonal, a serem regulamenta-
das em ato conjunto do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome e do INSS; e (Incluído pelo
Decreto nº 7.617, de 2011) VI - rendimentos decorrentes de contrato de aprendizagem. (Redação dada pelo
Decreto nº 8.805, de 2016) (Vigência)

Estatuto do idoso, § único, art. 34


Parágrafo único. O benefício já concedido a qualquer membro da família nos termos do caput não será computa-
do para os fins do cálculo da renda familiar per capita a que se refere a Loas.
Extensão analógica (deficiente e benefícios previdenciários no valor de 1 salário mínimo)

RE 580963 / PR – PARANÁ. Relator(a): Min. GILMAR MENDES Julgamento: 18/04/2013 Órgão Julga-
dor: Tribunal Pleno

Ementa (...) 4. A inconstitucionalidade por omissão parcial do art. 34, parágrafo único, da Lei 10.741/2003. O Esta-
tuto do Idoso dispõe, no art. 34, parágrafo único, que o benefício assistencial já concedido a qualquer membro da
família não será computado para fins do cálculo da renda familiar per capita a que se refere a LOAS. Não exclu-
são dos benefícios assistenciais recebidos por deficientes e de previdenciários, no valor de até um salário mínimo,
percebido por idosos. Inexistência de justificativa plausível para discriminação dos portadores de deficiência em
relação aos idosos, bem como dos idosos beneficiários da assistência social em relação aos idosos titulares de
benefícios previdenciários no valor de até um salário mínimo. Omissão parcial inconstitucional. 5. Declaração de

www.cers.com.br 5
inconstitucionalidade parcial, sem pronúncia de nulidade, do art. 34, parágrafo único, da Lei 10.741/2003. 6. Re-
curso extraordinário a que se nega provimento.
IN AGU 02/14.

Se exclui a renda, excluir a pessoa do cálculo!


“Isso porque o entendimento jurisprudencial consolidado é no sentido de que a percepção de benefício assisten-
cial ou previdenciário, de até um salário mínimo, pago a idoso, ou aposentadoria por invalidez de valor mínimo
paga à pessoa de qualquer idade, não devem ser considerados para fins de renda per capita. Deve-se excluir
tanto a renda quanto a pessoa do cômputo para aferição da vulnerabilidade. Precedentes: PEDILEF
200870950021545, JUIZ FEDERAL SEBASTIÃO OGÊ MUNIZ, TNU - Turma Nacional de Uniformização, DJ
15/09/2009; TRF 1ª Região, AC 2006.38.12.008969-5 / MG, Relator, Des. Fed. Francisco de Assis Betti, Segunda
Turma, Publicação 26/01/2016 e-DJF1.” (JEF de Teófilo Otoni/MG, Processo nº 4960-41.2014.4.01.3816, Juiz
Federal Daniel Castelo Branco Ramos, sentença prolatada em 01.03.2016)

BPC, 2º Requisito – necessidade/miserabilidade, Critério legal (objetivo), sinais exteriores de não misera-
bilidade
PREVIDENCIÁRIO. APELAÇÃO CÍVEL. BENEFÍCIO ASSISTENCIAL. PESSOA COM DEFICIÊNCIA. HIPOSSU-
FICIÊNCIA ECONÔMICA NÃO COMPROVADA. APELAÇÃO PROVIDA. RECURSO ADESIVO PREJUDICADO.
(...) 3. O critério da renda per capita do núcleo familiar não é o único a ser utilizado para se comprovar a condição
de miserabilidade daquele que pleiteia o benefício. 4. Conjunto probatório demonstra que a família é proprie-
tária de veículo e as despesas havidas com financiamento de moto e combustível, dentre outras, não são
compatíveis com a alegada condição de miserabilidade. 5. Ausente um dos requisitos indispensáveis, a auto-
ria não faz jus ao benefício assistencial. (...)8. Apelação provida e recurso adesivo prejudicado. (TRF3; 10ª Turma;
Relator Desembargador Federal Baptista Pereira, AC - APELAÇÃO CÍVEL – 2134165; e-DJF3 Judicial 1 DA-
TA:01/06/2016)

BPC, 2º Requisito – necessidade/miserabilidade, Flexibilização do parâmetro legal (1/4SM, R$ 234,25)


Exemplo 1: Família com 5 pessoas (1 idoso + 2 adultos + 2 crianças). Renda mensal familiar de R$ 1.000,00/5=
200,00. Idoso terá direito ao BPC.
Exemplo 2: Família com 4 pessoas (1 idoso + 1 adulto + 2 crianças). Renda mensal familiar de R$ 1.000,00/4=
250,00. Idoso não terá direito ao BPC.
Mas e se a segunda família tiver despesas que, na prática, tornem a sua renda per capta menor? Ex.: cuidador
para o idoso, que receba R$ 400,00 por mês?
Exemplo 2: Família com 4 pessoas (1 idoso + 1 adulto + 2 crianças). Renda mensal familiar de R$ (1.000,00-
400,00)/4= 150,00.

BPC, 2º Requisito – necessidade/miserabilidade, Flexibilização do parâmetro legal, Critério Subjetivo


1º marco, ADI 1232/DF (1998)
CONSTITUCIONAL. IMPUGNA DISPOSITIVO DE LEI FEDERAL QUE ESTABELECE O CRITÉRIO PARA RE-
CEBER O BENEFÍCIO DO INCISO V DO ART. 203, DA CF. INEXISTE A RESTRIÇÃO ALEGADA EM FACE AO
PRÓPRIO DISPOSITIVO CONSTITUCIONAL QUE REPORTA À LEI PARA FIXAR OS CRITÉRIOS DE GARAN-
TIA DO BENEFÍCIO DE SALÁRIO MÍNIMO À PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA FÍSICA E AO IDOSO.
ESTA LEI TRAZ HIPÓTESE OBJETIVA DE PRESTAÇÃO ASSISTENCIAL DO ESTADO. AÇÃO JULGADA IM-
PROCEDENTE.

Precedentes judiciais após a ADI 1232/DF, em todas as instâncias.


RECURSO ESPECIAL REPETITIVO. ART. 105, III, ALÍNEA C DA CF. DIREITO PREVIDENCIÁRIO. BENEFÍCIO
ASSISTENCIAL. POSSIBILIDADE DE DEMONSTRAÇAO DA CONDIÇAO DE MISERABILIDADE DO BENEFICI-
ÁRIO POR OUTROS MEIOS DE PROVA, QUANDO A RENDA PER CAPITA DO NÚCLEO FAMILIAR FOR SU-
PERIOR A 1/4 DO SALÁRIO MÍNIMO. RECURSO ESPECIAL PROVIDO. RESP 1.112.557/MG (2009)

BPC, 2º Requisito – necessidade/miserabilidade, Critério doutrinário/jurisprudencial (subjetivo)


Precedentes judiciais, STF, STF, RE´s 580.963, 567.985 e Reclamação 4.374(2013)
Inconstitucionalidade superveniente, Leis posteriores com “critérios mais elásticos para a concessão de benefícios
assistenciais”.

 Lei 9.533/97, Apoio financeiro a Municípios, ações socioeducativas


 Lei 10.219/01, Bolsa Escola
 Lei 10.682/03, PNAA
 Bolsa família, Lei 10.836/04

www.cers.com.br 6
Conclusão: inconstitucionalidade parcial, sem pronúncia de nulidade.

Conclusão: critério objetivo ou subjetivo?


LOAS, art. 20, § 11 - Para concessão do benefício de que trata o caput deste artigo, poderão ser utilizados outros
elementos probatórios da condição de miserabilidade do grupo familiar e da situação de vulnerabilidade, conforme
regulamento. (redação dada pelo Estatuto da Pessoa com deficiência, Lei 13.146/15)

Que fatos/despesas autorizam a flexibilização do critério legal?


Moradia, saúde, cuidados permanentes de terceiros, transportes, pensão alimentícia, água, luz...

Proposta: exclusão de despesas ordinárias (água, luz, aluguel, já mensuradas no parâmetro objetivo) e avaliação
de despesas extraordinárias (pensão, cuidador, remédios especiais, cuja excepcionalidade justifica o afastamento
do parâmetro objetivo).

BPC, Procedimento administrativo, Portaria MDS/INSS n.º 01/17, de 3/1/17 (procedimento adm.).
Etapas: Requerimento, Concessão, Manutenção, Revisão
Obrigatoriedade de inscrição no CADÚNICO (Dec. 6.135/07)
Decreto 6.214/07, Art. 12. São requisitos para a concessão, a manutenção e a revisão do benefício as inscrições
no Cadastro de Pessoas Físicas - CPF e no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal - CadÚ-
nico. (Redação dada pelo Decreto nº 8.805, de 2016) (Vigência)

Etapas: Requerimento, Concessão, Manutenção, Revisão


Comprovação de rendimentos, Decreto n.º 6.214/07, art. 13
Art. 13. A comprovação da renda familiar mensal per capita será feita mediante Declaração da Composição e
Renda Familiar, em formulário instituído para este fim, assinada pelo requerente ou seu representante legal, con-
frontada com os documentos pertinentes, ficando o declarante sujeito às penas previstas em lei no caso de omis-
são de informação ou declaração falsa.

BPC, Avulso, Lei 12.815/13, Portaria Interministerial 1/2014, de 4/8/14, art. 2º


Art. 2º Para fazer jus ao benefício assistencial o interessado deverá comprovar junto ao INSS - Instituto Nacional
do Seguro Social:
I - idade de sessenta anos ou mais;
II - renda média mensal individual inferior ao valor de um salário mínimo mensal, calculada com base na
média aritmética simples dos últimos doze meses anteriores ao requerimento, incluindo-se no cômputo a renda
proveniente de décimo terceiro salário, se houver;
III - domicílio no Brasil;
IV - quinze anos, no mínimo, de cadastro ou registro ativo como trabalhador portuário avulso;
V - comparecimento, no mínimo, a oitenta por cento das chamadas realizadas pelo respectivo órgão de gestão de
mão de obra; e
VI - comparecimento, no mínimo, a oitenta por cento dos turnos de trabalho para os quais tenha sido escalado no
período.

BPC, outros aspectos


 Morador de rua (Decreto 6.214/07, art. 13, §§ 6º e 7º)
 Estrangeiro (RE 587.970, pendente de julgamento em 08/03/16); Portugueses, Decreto 8805/16
 Data de início do benefício
 Abono anual e Pensão a dependente (Decreto 6.214/07, arts. 22 e 23)
 Interdição do beneficiário
 Representação/Procuração (Decreto 6.214/07, arts. 28e 35)
 Legitimidade passiva em Juízo (LOAS, art. 29, § único)
 Extinção do benefício
 Pensão por morte após BPC

Prioridade de tramitação dos processos

Estatuto da pessoa com deficiência


o
Art. 9 A pessoa com deficiência tem direito a receber atendimento prioritário, sobretudo com a finalidade de:
(...)
VII - tramitação processual e procedimentos judiciais e administrativos em que for parte ou interessada, em todos
os atos e diligências.

www.cers.com.br 7
Atendimento domiciliar

Art. 95. É vedado exigir o comparecimento de pessoa com deficiência perante os órgãos públicos quando seu
deslocamento, em razão de sua limitação funcional e de condições de acessibilidade, imponha-lhe ônus despro-
porcional e indevido, hipótese na qual serão observados os seguintes procedimentos:
(...)
II - quando for de interesse da pessoa com deficiência, ela apresentará solicitação de atendimento domiciliar ou
fará representar-se por procurador constituído para essa finalidade.

Referências
 Manual de Direito Previdenciário. Lazzari e Castro. Forense, 19ª ed, 2016.
 Curso de Direito e Processo Previdenciário. Frederico Amado. Juspodivm, 9ª ed, 2017.
 Curso Prático de Direito Previdenciário. Ivan Kertzman. Juspodivm, 14ª ed, 2016.
 O direito à assistência social no Brasil. Vitor Pinto Chaves. Elsevier, 2013

Contato
professor.osvaldoneto@gmail.com

www.cers.com.br 8

Você também pode gostar