Você está na página 1de 22

EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA ESCOLA DO CAMPO: REPRESENTAÇÕES

SOCIAIS DE PROFESSORES DA EMEF. GASPAR VIANA EM OEIRAS DO


PARÁ

Ajax Garcia da Silva1

Vilma Caldas Soares2

RESUMO: O objetivo deste artigo é compreender as representações sociais de


professores, no que versa a Educação Inclusiva escolar da EMEF Gaspar Viana, em
Oeiras do Pará, Nordeste Paraense da região Norte do Brasil. Os dados foram obtidos
através de pesquisa qualitativa. A mesma foi realizada com 03 professores da referida
escola. Fundamentada em estudos teóricos de Freire (1985), Caldart (2015), Arroyo
(2006), Pires (2012), Palma e Carneiro (2017), além das Leis e Decretos que amparam
os direitos sociais de sujeitos oprimidos. Os resultados sugerem que os educadores
compreendem a educação inclusiva a partir de uma perspectiva social. No entanto, a
falta de formação continuada e apoio pedagógico no município são as principais
dificuldades para o desenvolvimento de práticas educativas, de fato, inclusivas. No
entanto, é papel do Estado investir na capacitação dos professores. Portanto, a formação
continuada dos docentes torna-se fundamental para que eles possam utilizar estratégicas
pedagógicas ao contexto da Educação Inclusiva no Campo.

Palavras-chave: Educação Inclusiva. Educação do Campo. Direito Social.

INTRODUÇÃO

Estudar a educação Inclusiva do Campo, no contexto da educação escolar,


requer uma visão aprofundada no que se refere a inclusão propriamente dita, tanto ao
espaço social em que o indivíduo esteja inserido, como também ao ambiente familiar,
escolar e comunitário. Para a professora Figueiredo (2008) “a escola, para se tornar
1
Estudante do curso de Especialização em Educação inclusiva no Campo-UFPA/Campus Cametá-Pará.
Email: ajaxsilva.ufpa@gmail.com
2
Especialista em Língua Portuguesa: Uma abordagem textual e estudante do Curso de Especialização
em Educação inclusiva no Campo -UFPA/ Campus Cametá-Pará. Email: vilmacaldass1964@gmail.com
inclusiva, deve acolher todos seus alunos, independentemente de suas condições sociais,
emocionais, físicas, intelectuais, linguísticas, entre outras’’. Para tanto, não basta
somente esse acolhimento da escola, mas sim, a inclusão, a interação e integração das
pessoas que historicamente estiveram à margem de direitos sociais e humanos, tais
como, o direito a educação.

Nesse sentido, concordamos com Haddad (2012, p. 215) quando afirma que
entender a educação como um direito humano “significa incluí-la entre os direitos
necessários à realização da dignidade humana plena”. Ou seja, um direito que deve ser
garantido a todos os sujeitos, independente da condição social.

No entanto, conforme Chauí (2003, p. 334) nos ensina, “a mera afirmação do


direito a igualdade não faz existir os iguais, mas abre caminho para a criação da
igualdade através das exigências e demandas dos sujeitos sociais”. É diante desse
contexto que Caldart (2015) afirma que o movimento por uma Educação do Campo
surge com “o objetivo principal de associar lutas de diferentes sujeitos particulares com
interesses sociais comuns, no movimento entre luta por direitos feita diretamente por
quem se percebe excluído deles [...]’’.

É a partir da compreensão de diferentes sujeitos sociais destacado por Caldart,


entendemos que ao falarmos de sujeitos excluídos de diretos sociais, estamos nos
referindo a uma parcela significativa da população, que engloba desde pessoas com
deficiência (PcDs), as pessoas do campo das águas e das florestas, dos filhos e filhas das
classes trabalhadoras que, em algum momento, tiveram o direito à educação negado ou
negligenciado.

Neste sentido, o debate em torno da Educação Inclusiva e da Educação do


Campo nos conduziu para refletirmos sobre de que forma a educação na perspectiva da
inclusão está presente nas escolas do campo. Para isso, voltamos nosso olhar para as
representações sociais de professores no que diz respeito a inclusão escolar e de que
maneira estas representações permeiam os processos educativos na escola investigada.

Para tecermos as discussões teóricas acerca da educação inclusiva no campo,


utilizaremos nesse trabalho estudiosos de relevância para nossa área de estudo, tais
como, Freire (1985), Caldart (2015), Arroyo (2006), Figueiredo (2008), Molina (2004),
Palma e Carneiro (2017), bem como na Constituição Federativa do Brasil de 1988, em
Resolução, em Decreto e na Declaração de Salamanca de 1994.

Assim, a importância dessa pesquisa situa-se nas contribuições da tessitura


teórica, bem como, nas compreensões geradas a partir da realidade de nossas escolas do
campo. Dessa forma, pretendemos contribuir ao corpo docente da região do Baixo
Tocantins3, como também a todos que se interessarem ao contexto da Educação
Inclusiva do Campo, para que possam ter um novo olhar perante a inclusão social de
todos, como também os desafios enfrentados pelos educadores no que versa a inclusão
propriamente dita.

Diante de tal inquietação nos propusemos a investigar as representações sociais


de professores que ensinam nas escolas do campo e que compartilham acerca da
Educação Inclusiva, já que do ponto de vista específico, buscamos analisar se as
representações sociais refletem, de fato, para uma Educação Inclusiva do Campo e
identificar de que maneira o trabalho docente é caracterizado na Escola do Campo.

Neste trabalho, procura-se voltar ao passado para entender o presente, buscando


descobrir nas representações sociais de professores da EMEF. Gaspar Viana, o
posicionamento sobre a Educação Inclusiva e Educação do Campo. Faz-se necessário,
uma rede entrelaçada entre formação inicial e continuada, que segundo Freire (2003,
p.79) “ninguém nasce feito, vamos nos fazendo aos poucos, na prática social de que
fazemos parte”.

Tendo em vista o objeto de estudo, esta pesquisa se encontra estruturada da


seguinte maneira: num primeiro momento, falará sobre a Educação Inclusiva e seus
avanços na Educação brasileira, além da Educação do Campo e seus desafios na
atualidade, como também a costura teórica entre as encruzilhadas Educação Inclusiva e
Educação do Campo e suas representações sociais dos sujeitos da pesquisa e, num
segundo momento, trará os resultados obtidos por meio da pesquisa em que constatamos
que ainda há muito a ser feito em prol da formação continuada dos profissionais na área
da Educação Inclusiva do Campo, além de Políticas Públicas direcionadas a atender as
características do contexto e vivência dos sujeitos do campo, considerando que suas
3
A região do Baixo Tocantins, Pará Brasil, engloba municípios como Baião, Cametá, Limoeiro do Ajuru,
Mocajuba, assim como Oeiras do Pará. Nessa pesquisa, nosso foco foi o município de Oeiras do Pará.
especificidades diferem das características urbanas, especificamente, na região do Baixo
Tocantins.

EDUCAÇÃO INCLUSIAVA, EDUCAÇÃO DO CAMPO E SUAS


ENCRUZILHADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO

A questão da Educação Especial no Brasil vinha sendo vista no século XX com


uma visão distorcida pela sociedade no que versa hoje as pessoas com deficiências.
Entretanto, por mais que houvesse sido aplicada outra etiqueta ao termo portador, para
pessoas com deficiências (PcDs), todavia, ainda estão carregados de rotulação,
discriminação, preconceito, injustiça, exclusão, dentre outros, perante aos nossos
semelhantes.

Por outro lado, a lei que define a Educação Especial é a Lei nº 9.394/96 – Lei
de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), que traz no art. 58:

Entende-se por educação especial, para os efeitos desta Lei, a


modalidade de educação escolar, oferecida preferencialmente na rede
regular de ensino, para educandos portadores de necessidades
especiais.

§ 1º Haverá, quando necessário, serviços de apoio especializado, na


escola regular, para atender às peculiaridades da clientela da educação
especial.

§ 2º O atendimento educacional será feito em classes, escolas ou


serviços especializados, sempre que, em função das condições
específicas dos alunos, não for possível a sua integração nas classes
comuns de ensino regular.

§ 3º A oferta da educação especial, dever constitucional do Estado,


tem início na faixa etária de zero a seis anos, durante a educação
infantil.

Na História da Educação Inclusiva, relata-se que os seres humanos com


deficiência presenciaram e viveram um modelo de ação de exclusão perante ao
posicionamento do imaginário social. Por outro lado, sabe-se que ainda existem as
calúnias, bem como os direitos sociais negados no que versa aos sujeitos do campo. É o
que relata Oliveira e Victor:

“[...] A segregação, que pode tomar a forma de uma verdadeira


discriminação, comporta prática de separação de lugares, conduzindo
a toda sorte de estigmas. Por exemplo, as pessoas com deficiência
foram denominadas de idiotas, anormais, atrasados, inadaptados,
débeis, entre outros nomes pejorativos. Sua educação se fazia em
estabelecimento fora da educação escolar comum [...]’’ (OLIVEIRA;
VICTOR 2006, p. 20).

É notório que apesar de se falar em inclusão no contexto escolar brasileiro,


todavia, tem-se prevalecido, ainda, a exclusão em ambiente familiar, escolar e
comunitário. Isso não somente aos PcDs, mas sim, aos negros, indígenas, ribeirinhos,
homossexuais, dentre outros. Essa balança baseada em estigma vem adicionar à
diferença e ajuda ao processo de segregação e exclusão.

Apesar de ressaltar no art. 6º da CFB (Constituição Federativa do Brasil) de


1988 que traz como “direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o transporte, o
trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdências social, a proteção, à
maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.’’
Todavia, a exclusão ainda persiste em ambiente social, a citar boa parte de alunos em
uma sala de aula não aceitam a inclusão de alunos PcDs, seja ele da cidade ou do
campo, da floresta, da água, dentre outros, para uma elaboração de trabalho em grupo.
Por outro lado, a Declaração de Salamanca (1994) apresenta o princípio de uma Escola
Inclusiva:

Princípio fundamental da Escola Inclusiva é o de que todas as crianças


devem aprender juntas, sempre que possível, independentemente de
quaisquer dificuldades ou diferença que elas possam ter. Escolas
inclusivas devem reconhecer e responder às necessidades diversas de
seus alunos, acomodando ambos os estilos e ritmos de aprendizagem
e assegurando uma educação de qualidade a todos, através de um
currículo apropriado, arranjos, organizacionais, estratégias e ensino,
uso de recurso e parceria com a comunidade. (DECLARAÇÃO DE
SALAMANCA, 1994)

Essa Declaração de Salamanca foi um documento elaborado no ano de 1994


pelo governo da Espanha em parceria com a Organização das Nações Unidas para a
Educação, a Ciência e Cultura (UNESCO), como forma de garantia do mesmo direito
de todos os alunos, inclusive da pessoa com deficiência.

Nessa perspectiva, a Lei n 9.394 de 1996 – LDBEN (Lei de Diretrizes e Bases


da Educação Nacional), priorizou essa nova visão educacional, principalmente, ao art.
59 que retrata aos educandos com necessidades especiais a adaptação curricular,
metodológica e organizacional da escola, como também ao art. 24, inciso V e o art.37,
parágrafo primeiro da LDB que evidenciam de que maneira a Educação Básica deve-se
organizar em “oportunidades educacionais apropriadas, considerando as características
do alunado, seus interesses, condições de vida e de trabalho, mediante cursos e exames’’
(BRASIL, 1996).

É no tocante dessa nova visão educacional, que o corpo docente além de


descobrir as habilidades e competências de seus alunos, vai organizar um método
diferente de trabalhar com todos em sala de aula. No dizer de Victor e Oliveira:

“[...] é o docente quem acolhe os alunos recém-chegados, é ele quem


está em contato cotidiano com eles, é quem descobre
progressivamente sua singularidade e acompanha seus avanços. Eis
que aí se situa o papel e a importância da formação inicial de docente,
formação geral e específica, a qual se prolonga na formação
continuada. (VICTOR E OLIVEIRA, 2006, p. 21)

Assim, não é suficiente a elaboração de uma política pública educacional bem


definida, com conteúdo adequado ao alunado, o relevante é trabalhar para que a política
social aconteça, de fato, contemplando de forma efetiva o processo de ensino e
aprendizagem do principal sujeito, o estudante do campo com sua particularidade e
singularidade no que tange ao contexto do campo.

EDUCAÇÃO DO CAMPO COMO ESPAÇO DE LUTAS

Um dos grandes pensadores que influenciou na organização da Educação do


Campo, chama-se Paulo Freire. Ele desenvolveu uma teoria de “educação libertadora”
na qual o conhecimento não advém de um ato de doação feito pelo professor ao aluno,
mas sim na interação e construção coletiva entre ambos. Neste sentido, a educação
libertadora apresentada por Freire nos faz refletir sobre a importância da participação
coletiva no processo educativo, pois só assim será possível romper com a ideologia
dominante e alterar com a estrutura do Estado.

Consoante Fernandes e Molina (2004) “a ideia de Educação do Campo nasceu


em julho de 1997, através do Encontro Nacional de Educadores e Educadoras da
Reforma Agrária,” encontro esse promovido pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais
Sem Terra-MST, em parceria com o Fundo das Nações Unidas para a Infância-
UNICEF, como também a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e
Cultura-UNESCO e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB.
O reconhecimento de que as pessoas que vivem no campo têm direito a uma
educação diferenciada daquela oferecida a quem vive no espaço urbano. É um debate
que ganhou força em 1998, a partir das lutas dos Movimentos Sociais4 em busca de uma
educação do campo e no campo. Para Caldart (2002, p.26), a expressão “no campo, o
povo tem direito a ser educado onde vive; do campo, o povo tem direito a uma
educação pensada desde o seu lugar e com sua participação, vinculada a sua cultura e as
suas necessidades humanas e sociais.’’

Essa ideia reflexiva da autora Caldart tem como lastro uma ação de coletividade
dos sujeitos sociais que vivem no campo em busca de direito à educação, mas no dizer
de Arroyo “uma das tensões que hoje vivemos na defesa dos direitos é serem
defendidos apenas como direitos abstratos e negados como direitos concretos”.
Consoante o autor:

Temos que defender o direito à educação como direito universal, mas


como direito concreto, histórico, datado, situado num lugar, numa
forma de produção, neste caso da produção familiar, da produção
agrícola do campo; seus sujeitos têm trajetórias humanas, de classe, de
gênero, de etnia, de raça, em que vão se construindo como mulheres,
indígenas, negros, negras, como trabalhadores, produtores do campo.
Os sujeitos sociais nomeiam os sujeitos do campo. Esses sujeitos têm
rosto, têm gênero, têm classe, têm identidade, têm trajetórias de
exploração, de opressão. Os movimentos sociais têm cumprido uma
função histórica do avanço dos direitos: mostrar seus sujeitos, com
seus rostos de camponês, trabalhador, mulher, criança. Sujeitos
coletivos, concretos e históricos (ARROYO, 2006, p. 128).

Esse reconhecimento extrapola a noção de espaço geográfico e compreende as


necessidades culturais, os direitos sociais e a formação integral desses indivíduos no
lugar em que vive. Segundo Pires (2012), ao colocar em seu artigo 208 que o acesso ao
ensino obrigatório e gratuito é direito público subjetivo, desse modo a Constituição de
1988, ergueu os pilares jurídicos capaz de sustentar esse direito pelo estado brasileiro.
Consoante a autora, neste contexto, a educação rural5 foi considerada como direito, mas
um direito, ainda, inspirado no paradigma urbano.

4
São ações coletivas que se desenvolvem numa esfera sociocultural, onde sujeitos coletivos interagem,
criam espaços de solidariedade, praticam uma cidadania em processo, vivenciam práticas educativas
que propiciam múltiplas aprendizagem, reivindicam direitos e buscam mudar a sociedade em que vivem
(BATISTA, 2005, p. 02).
5
De acordo com a Lei nº 5.692/71, A referida Lei na medida que se colocou distante da realidade
sociocultural rural, não incorporou as exigências do processo escolar rural em suas orientações
Entretanto, a Constituição de 88 foi um instrumento balizador para a Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB (Lei n 9.394/96), enfocasse a educação
rural no âmbito do direito à igualdade e do respeito às diferenças, possibilitando discutir
como seria a oferta dessa educação para os povos do campo, buscando adequar a
Educação Básica as especificidades locais. Preconiza uma proposta que adeque as
peculiaridades e singularidades construídas a partir da realidade do campo (PIRES,
2012).

Além dos Movimentos Sociais, compunham o Movimento por uma Educação do


Campo, organizações não governamentais e representações das universidades e de
órgãos públicos. Esses movimentos destacam a importância da educação como parte de
um projeto de emancipação social e política que fortaleça a cultura e os valores das
comunidades campesinas, vinculada ao seu projeto de desenvolvimento
autossustentável.

A partir da criação desses movimentos, foi realizado no ano de 1997 o I


Encontro de Educadores e Educadoras da Reforma Agrária (ENERA), que contou com
apoio do Movimento Sem Terra. Desse encontro, aconteceu a I Conferência Nacional
por uma Educação Básica do Campo, que consoante Caldart (2015), essa Conferência
de 1988, foi o “momento do batismo coletivo de um novo jeito de lutar e de pensar a
educação para o povo brasileiro que trabalha e vive no e do campo.’’

Assim, os Movimentos Sociais inauguraram uma alusão para o debate e


mobilização popular, a citar a educação do campo e não mais a educação rural ou a
educação para o meio rural. De acordo com Pires (2012) “o campo é espaço de vida
digna e que é legítima a vida por políticas públicas específicas e por um projeto
educativo próprio para seus sujeitos.’’ Para além disso, vem reforçar a concepção da
autora Caldart, que parte da perspectiva de que a Educação do Campo deve ser pensada
na tríade: Campo, Política Pública e Educação:

É importante ter presente o que está em questão na Educação do


Campo, pensada na tríade Campo, Política Pública e Educação e desde
seus vínculos sociais de origem, uma política de educação da classe
trabalhadora do campo, para a construção de um outro projeto de

fundamentais, nem mesmo sinalizou elementos para uma política educacional para os povos do campo,
que partisse dos diferentes sujeitos que vivem no campo (PIRES, 2012, p. 88).
campo, de país e que pelas circunstâncias sociais objetivas de hoje,
implica na formação dos trabalhadores para lutas anticapitalistas,
necessárias a sua própria sobrevivência: como classe, mas também
como humanidade. Formação que inclui a afirmação de novos
protagonistas para pensar/construir está política: os próprios
trabalhadores do campo como sujeitos construtores de seu projeto de
formação (CALDART, 2008, p. 72).

A amplitude do debate sobre Educação do Campo, culmina com conquista


importante como as Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do
Campo (Parecer nº 36/2001 e Resolução 1/2002 do Conselho Nacional de Educação).
Essas diretrizes consideram o campo “um campo de possibilidades que dinamizam a
ligação dos seres humanos com a própria produção das condições da existência social e
com as realizações da sociedade humana” (PIRES, 2012, p. 97).

Essas diretrizes estabelecem no seu artigo 2º, uma proposta de educação com
base na realidade do campo, em que a identidade da escola é definida por essa realidade,
no sentido de que seja construída uma educação através dos saberes próprios dos
estudantes e da cultura da sociedade “em defesa de projetos que associem as soluções
exigidas por essas questões à qualidade social da vida coletiva no país’’ (BRASIL,
2001, p. 37).

Porém, de acordo com (PIRES, 2012 p. 99), “a educação do campo tem uma
visão ampliada, legalmente através da Resolução do Conselho Nacional de Educação
(CNE) e Conselho da Educação Básica (CEB) Nº 2/2008 (BRASIL/ MEC/ CNE,
2008)” a qual estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o
desenvolvimento de política pública de atendimento a educação básica do campo,
conforme o que é colocado no artigo 1º:

A Educação do Campo compreende a Educação Básica e suas etapas


da Educação Infantil, Ensino fundamental, Ensino Médio e Educação
Profissional Técnica de nível médio integrada com o ensino médio e
destina–se ao atendimento às populações rurais em suas mais variadas
formas de produção da vida, agricultores familiares extrativistas,
pescadores artesanais, ribeirinhos, assentados e acampados da reforma
agrária, quilombolas, caiçaras indígenas e outros (BRASIL, 2008).

Denota-se que a educação do campo é garantida por leis de direito específicas


que determinem que as práticas educacionais devam atender as necessidades e interesse
da população camponesa, possibilitando a essa parcela da população uma educação com
uma maior qualidade educacional, bem como conteúdos e metodologias que estejam
apropriadas às reais necessidades e interesses dos educandos do campo. Para tanto, o
Decreto 7.352 de 2010 no inciso 4º versa que:

A educação do Campo concretizar-se á mediante a oferta de formação


inicial e continuada de profissionais da educação, a garantia de
condições de infraestrutura e transporte escolar, bem como de
materiais e livros didáticos, equipamentos, laboratórios, biblioteca e
áreas de lazer e desporto adequado ao projeto político pedagógico e
em conformidade com a realidade local e a diversidade das
populações do Campo.

Portanto, a Educação do campo é uma modalidade de ensino que tem como


objetivo a educação de crianças, jovens e adultos que estão no campo, tratando-se de
uma política pública que possibilita o acesso ao direito à educação de milhares de
pessoas que vivem fora do meio urbano e que precisam ter esse direito garantido nas
mesmas proporções em que é garantido para a população urbana.

ENCRUZILHADAS PERANTE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA E EDUCAÇÃO DO


CAMPO

A concepção de inclusão escolar é muito ampla e complexa no que versa a


Educação Inclusiva do Campo. Em sua plenitude a inclusão não se restringe apenas à
inclusão dos alunos PcDs, mas sim, se estende a todos os seres humanos ao processo
educacional. A Constituição Federal do Brasil de 1988 em seu artigo 3º define que a
União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios têm como objetivo fundamental,
“promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e
quaisquer outras formas de discriminação”. Assim, asseguram a frequência de todas as
escolas regulares do sistema de ensino. Dessa forma, o artigo 205 estabelece que:

A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será


promovida e incentivada com a colaboração da sociedade, visando ao
pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da
cidadania e sua qualificação para o trabalho (BRASIL, 1988, p. 56).

Para as autoras Palmas e Carneiro (2017) ressaltam que “a educação do campo


possui a mesma vertente da educação inclusiva que considera o acesso ao conhecimento
para todos” seja esse indivíduo considerado uma pessoa dita “normal” ou uma pessoa
com deficiência, dentre outras características que formam a identidade peculiar do
sujeito.

A Educação Inclusiva possui muitas particularidades que a escola precisa levar


em consideração para que o processo inclusivo no contexto escolar, de fato, aconteça.
Sabe-se que o marco legal dos documentos sobre a pessoa com deficiência vem através
de aprimoramentos legislativos e reivindicatórios dos grupos sociais organizados em
prol da educação, manifestando a inserção social sempre de forma mais ampla,
principalmente para combater todas as formas de exclusão social, preconceitos e
discriminações, tanto para as pessoas com deficiência, como também aos sujeitos que
vivem no campo.

Neste sentido, Palmas e Carneiro (2017, p.16), expõem: “imaginemos um


indivíduo que tem uma deficiência e vive no campo, ele é duplamente alvo da diferença
negativa criada pela sociedade e precisa intensificar sua luta para ter seus direitos de
cidadão garantidos.” Desse modo, além de sofrer com a deficiência no corpo e no
psicológico, sofrem com as deficiências dos órgãos dos sentidos da sociedade que na
visão da mesma, os PcDs e as pessoas do campo são vistas com olhar de desdém.

No sentido da fala, pronunciam o que não é verdade dos nossos semelhantes, tal
como que o sujeito do campo é um sujeito atrasado e incapaz de chegar em uma
Universidade, seja ela pública ou particular. Já no que tange ao ouvir, ouve que todos os
seres humanos têm os mesmos direitos em que estão prescritos na Constituição Federal
do Brasil de 88, ou seja, a sociedade até ouve, mas não aceita esse mesmo direito
concreto aos campesinatos, PcDs, ribeirinhos, negros, indígenas, quilombolas, LGBTs
(Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transexuais) dentre diversos. E por fim, o
comportamento mental da sociedade que deveria ter consciência de que o povo do
campo e os PcDs, são seres humanos que residem noutro espaço social, diferente do
urbano, mas que esse ser paga seus impostos, é eleitor e cidadão, que merece respeito e
o mesmo direito de qualquer pessoa.

A priori, a escola do campo não pode somente está de portas abertas para as
pessoas com deficiência, neste caso, promovendo a integração, interação e inclusão, isto
é, em busca da qualidade de estruturas que atendam apenas os PcDs considerado
“aptos”, mas sim, está adequada a todos, sem distinção, com recursos humanos,
didáticos e infraestrutura que permeie a acessibilidade, para que esse indivíduo desfrute
das possibilidades de conhecimentos, bem como potencializar seu desenvolvimento
educacional e cognitivo, uma vez que venha lutar pelo próprio direito social que nos
convêm como cidadão.

REPRESENTAÇÃO SOCIAL PERANTE O SUJEITO DO CAMPO

Consoante Osti, et al. (2013), “quando a criança começa com suas primeiras
evocações verbais, tais como falar sozinha, enumerar os alimentos que acabou de
ingerir, [...] dentre outros.’’ Para tanto, esses comportamentos desses indivíduos são o
início de uma representação social familiar.

Já ao nosso ver sobre a representação social de professores da EMEF Gaspar


Viana em Oeiras do Pará, é que diante da Educação Inclusiva só se materializam nas
metodologias, enquanto práticas docentes. Pois, ao ter essa compreensão da organização
das práticas pedagógicas, os professores a mobilizam quanto uma consciência social,
voltada a atender a educação plena, pautada na inclusão de sujeitos nas instituições
educacionais. Desse modo, sem essas representações de professores, tornaria - se
inoperante trabalhar com a Educação Inclusiva, mesmo sabendo que todos têm um
conceito sobre a inclusão e que apesar de, ainda, não se ter uma formação continuada
na área da educação inclusiva, que contemple a totalidade dos educadores do campo,
mesmo assim, buscam trabalhar em parceria: escola, família e comunidade, como forma
de melhorar a prática educativa em sala de aula.

Assim, a educação do campo ganhou força através dos Movimentos sociais


camponeses que são os porta vozes do povo do campo. Que consoante Osti et al. (2013)
“a representação social compreende a concepção que um sujeito, um grupo ou uma
sociedade tem sobre determinado tema ou assunto, estando presente tanto nas relações
sociais como no conjunto de opiniões e comportamento dos indivíduos, refletindo em
sua conduta e valores.” (OSTI; SILVEIRA; BRENELLI, 2013, p.35)
Dessa forma, a população do campo necessita de representantes sociais
camponeses no que alude aos direitos à educação, moradia, dentre outros que estão
prescritos no artigo 6º da Constituição do Brasil de 88. É através dos Movimentos
Sociais, das Instituições Universitárias e de outros segmentos da sociedade que
defendem e lutam por uma melhoria aos povos do campo, que consoante Palma e
Carneiro (2017, p. 35), relatam que “as populações do campo como também as pessoas
com deficiência, são sujeitos que não podem mais viver isolados da sociedade e
invisíveis para as políticas públicas”.

A ancoragem dessa reflexão das autoras Palmas e Carneiro, referem-se tanto aos
sujeitos do campo, quanto aos PcDs que, ainda, sofrem pela escória de representação da
sociedade em termo de construção de estereótipo, de acusação, sobre as pessoas do
campo. Assim como essa sociedade preconceituosa constrói conceito negativo de que o
povo do campo, é uma gente sem cultura, ela poderá também desconstruir tal definição
que as têm, perante aos nossos semelhantes. Mas por outro lado, acrescentamos, ainda,
que das diversas representações sociais existentes na esfera maior dos Movimentos
Sociais, uma das mais relevantes no contexto educacional se chama de corpo docente. É
o/a educador/a que recebe nosso povo do campo ou PcDs em sala de aula, seja para o
Atendimento Educacional Especializado ou em espaço regular de ensino. É ele/a que
conforme o tempo, conhece a vida cotidiana de cada sujeito, nesse caso, possibilitando
assim desenvolver estratégias específicas para cada caso de um PcD, mas que precisa da
coletividade ao trabalho, a citar a família, a escola e os segmentos públicos da
sociedade.

PROCEDIMENTO METODOLÓGICO

Esta atividade foi realizada no setor campo do município de Oeiras do Pará,


mais precisamente na EMEF. Gaspar Viana. A mesma fica localizada na BR 422, km 43
que liga a cidade de Cametá a Tucuruí, ambas no estado do Pará. Tendo como único
meio de acesso ao estabelecimento de ensino o transporte rodoviário, com duração de
aproximadamente 50 minutos.

O presente estudo segue o pressuposto teórico de Ludke e André (1996), em que


ressalta a importância da pesquisa qualitativa, pressupondo uma aproximação
significativa do pesquisador com o local e a situação onde ocorreu o estudo. Em termos
de procedimentos metodológicos foi realizada pesquisa de campo e entrevista
semiestruturada com três professores da EMEF. Gaspar Viana em Oeiras do Pará, vista
a partir de análise de conteúdo dos dados coletados. Para as entrevistas foram feitas
quatro perguntas aos participantes, a citar: O que você entende por inclusão? Deque
forma você percebe a inclusão em sua escola? Você considera sua prática pedagógica
inclusiva? De que forma? Cite três palavras que defina o processo de inclusão.

A realização da atividade de pesquisa requer de métodos para sua execução. Um


desses, é a entrevista semiestruturada, isto é, busca-se obter a opinião de cada
informante à respeito das perguntas sobre o processo inclusivo na referida escola. Os
dados coletados se deram através de entrevista semiestruturada que foram gravadas,
com a permissão do sujeito da pesquisa, possibilitando a organização do perfil dos
entrevistados. Conforme o quadro a seguir:

Quadro 1- sujeitos da pesquisa

Sujeitos da Pesquisa Tempo de Atuação Formação Pós Graduação


A 10 anos Pedagogia Gestão no Trabalho
Pedagógico
B 10 anos Geografia X
Professores
C 19 anos Pedagogia A importância do
brincar na educação
Infantil
Fonte: elaboração dos autores

RESULTADOS E DISCUSSÃO

No Brasil, mais precisamente no município de Oeiras do Pará, na região do


Baixo Tocantins, no Nordeste Paraense, a Educação Inclusiva no Campo é um grande
desafio para o corpo docente, aos pais, ao estabelecimento de ensino e aos Movimentos
Sociais, em que ambos lutam por uma melhoria não só para a educação, mas sim aos
direitos sociais em forma da Lei maior de 1988.

O posicionamento dos professores entrevistados perante a primeira pergunta


sobre a inclusão é que ambos relataram que a inclusão “é acolher todas as pessoas, sem
exceção ao processo de ensino, em que todos sejam vistos em suas singularidades, nas
suas diferenças, na sua maneira de aprender diferente de serem contemplados nas suas
especificidades”.

Ao analisarmos a questão sobre a inclusão, observamos que os três professores


têm um conceito similar no que alude a inclusão, que segundo a Constituição do Brasil
de 1988 em seu art. 3º, relata que deve-se “promover o bem a todos, sem preconceitos
de origem, raça, cor, sexo, idade e qualquer outras formas de discriminações”. Mas,
também percebe - se na fala do professor A, que a escola foi criada para trabalhar com
aquilo que é “homogêneo, padrão, foi pensada neste sentido e as diferenças, não cabiam
nesse espaço”. Por outro lado, é neste contexto das diferenças de um aluno para outro, é
que entra o educador com o propósito de fomentar em suas habilidades, competências e
dificuldades desses alunados em sala de aula.

Desse modo, Freire (1983, p. 67) afirma que a educação deve ser crítica e
“corajosa, propor ao povo a reflexão sobre si mesmo, sobre seu tempo, sobre sua
responsabilidade, sobre seu papel no clima da sociedade em transição”. No dizer do
autor a educação é desafiadora, que consoante a fala da professora C, não tem um
aparato de como trabalhar em sala de aula, “principalmente quando a pessoa se depara
com alunos com deficiência física e mental, mas a gente sabe que esses alunos têm o
direito de serem recebidos em qualquer ambiente escolar”. Acrescenta-se a isso,
também a deficiência intelectual ou sensorial que não foi lembrada pela docente C.

Destarte, no que alude ao segundo questionamento feito aos entrevistados,


referente a pergunta: de que forma sua escola é inclusiva? Verificamos também que os
professores têm pontos divergentes a essa questão. O professor A comenta que a escola
Gaspar Viana já contempla a inclusão de uma forma pequena:

Porque o fato da escola está organizada em ciclos já ajuda, pois o


professor já pega da série inicial, ele já segue com esse aluno para
outra série...já ajuda porque ele vai estar concentrado nesse aluno, ele
vai observar o aluno na sala de aula com dificuldade, ele vai traçar um
planejamento, uma atividade que contemple aqueles alunos (Professor
A- pedagogo).

Assim, não somente observar as dificuldades desse aluno, mas sim as


habilidades e competências desse sujeito, aproveitando esse saber, para que o professor
trace uma metodologia diversificada ao processo de ensino e aprendizagem, envolvendo
a todos em sala de aula.

Por outro lado, esse mesmo professor relata que para que a escola se torne
inclusiva é preciso ter formação continuada ao corpo docente e que não há materiais,
nem espaço adequado para atender essa clientela. A questão colocada pelo professor é
debatida por Candau que:

[...] sintetiza o repensar da formação continuada: o lócus da formação


a ser privilegiado é a própria escola; todo processo de formação
continuada tem que ter como referência o saber docente, o
reconhecimento e a valorização do saber docente; é necessário ter
presente as diferentes etapas do desenvolvimento profissional do
magistério; não se pode tratar do mesmo modo o professor em fase
inicial do exercício profissional, o que já possui um certa experiência,
e o que se encaminha à aposentadoria. A autora destaca que os
problemas, as necessidades e os desafios são diferentes e o processo
de formação não pode ignorar estas diferentes etapas da profissão
(CANDAU, 1996, p.143).

Assim sendo, a formação continuada deveria acontecer na própria escola, como


forma de fortalecer a identidade do povo do campo, bem como a uma reflexão em torno
da Educação Inclusiva do Campo, possibilitando assim, em trabalhar diferente com uma
metodologia que contemple as especificidades dos sujeitos sociais do campo.

Já ao ver da professora B, enfatiza que a escola Gaspar Viana é ainda quase


imperceptível na questão da inclusão, pois segundo a mesma, a escola precisa de uma
estrutura física adequada e um corpo docente preparado para lidar com as pessoas com
deficiência, além da participação da família e de representante municipal na escola, para
que eles possam debater a respeito da inclusão.

Sobre o assunto exposto pela professora B é visto pelo Decreto 7.352/10 como
forma “à garantia de condições de infraestrutura e transporte escolar”, todavia, o que se
observa é a precariedade da estrutura física da escola, sem falar do transporte escolar,
que até existe, mas não atende as necessidades especiais perante as pessoas com
deficiência, como forma de direito aos estudantes daquela região do Baixo Tocantins.
No que alude a professora C, a respeito da inclusão ela acredita que sim, pois
“no nosso ambiente escolar a gente recebe alunos com diferentes particularidades, onde
a gente deve está com esse conhecimento deles serem aceito na escola e que a gente
possa respeitar a necessidade de cada um”. Destaca-se a esse assunto a professora
Figueiredo (2008), que a escola deve receber todos os alunados, sem distinção de
qualquer obstáculo que possa impedir esse aluno ser matriculado, que consoante
Oliveira e Victor (2006) é o corpo docente quem hospitaliza seus alunos na escola, é no
decorrer do cotidiano escolar que vai descobrindo sua singularidade e acompanha seu
avanço, como também sua dificuldade e potencialidade, para que possa ser trabalhada
no fruir das aulas.

No que tange a prática pedagógica inclusiva, o professor A relata que para haver
uma prática pedagógica inclusiva, precisa de apoio da família e da coordenação para
trabalhar em conjunto em prol desse sujeito social. Segundo o mesmo, “é uma tarefa
difícil, em que a gente precisa reunir e discutir sobre esse aluno, pois só matricular essa
pessoa não vai adiantar de nada, temos que ter em nossa escola um profissional que
atenda a essa clientela” (Professor A-pedagogo).

Essa concepção do professor, nos fez refletir no que diz a professora Batista
(2013), que “uma das marcas distintivas das ideias de Paulo Freire é o diálogo com
elemento da gênese do ser humano, das relações sociais, dos processos de educação e
formação, de identidade”.

No que se refere a prática pedagógica inclusiva da professora B, a mesma nos


trouxe que o professor não tem um suporte de material didático para trabalhar com a
inclusão, que de acordo com a fala da mesma:

Às vezes nós educadores temos vontade de avançar, mas nós não temos
suporte para esse avanço. Isso acaba dificultando o nosso trabalho,
impedindo, às vezes, de realizar um bom trabalho. Eu preciso
melhorar muito e nós só vamos ter a concretização a partir do
momento em que os três âmbitos caminharem juntos: família, escola e
Estado (Professora B-geografia)

Tanto a Declaração de Salamanca, quanto Freire asseguram uma educação


pautada em parceria com a comunidade, em que o conhecimento não só vem do
professor, mas sim em uma construção coletiva aluno e professor, possibilitando, assim,
o processo de ensino e aprendizagem, isto é, o corpo docente deveria aproveitar do
alunado tal habilidades e competências para trabalhar com os demais em sala de aula.

Já ao ver da prática pedagógica inclusiva da educadora C, ela nos trouxe que


“nossa função é renovar e aprimorar a prática pedagógica, oferecendo uma qualidade de
ensino variado para nossos alunos”, que segundo a professora a escola não é adequada
para receber a pessoa com deficiência porque a mesma, não dispõem de profissionais
qualificados para o atendimento que contempla as necessidades específicas dos aluno
(PcDs). Nesse sentido, observa-se uma constante preocupação da professora ao reportar-
se as tentativas de práticas pedagógicas variadas, dando-nos a impressão de que ela,
enquanto docente, tenta constantemente, aprimorar sua prática. Com base no que
discorre a referida professora acerca da inovação, subentende-se que as inovações
citadas por ela, trata-se de novas práticas pedagógicas que abarquem metodologias
adequadas para atender o público alvo da Educação Especial. Essas inovações
possibilitarão um novo horizonte no processo de ensino e aprendizagem dos educandos.

Para finalizar a discussão da pesquisa, perguntamos aos três docentes


entrevistados que nos definissem em três palavras, o que seria a Educação Inclusiva,
desse modo, correspondendo assim em nove palavras. Consoante o quadro a seguir:

Quadro 2 - palavras sobre a Educação Inclusiva

PROFESSOR-(A) PROFESSORA- (B) PROFESSSORA-(C)


PALAVRAS Diagnóstico Família Direito
Compromisso Escola Respeito
Recurso Recurso Valorização
Fonte: elaboração dos autores

As definições acerca da Educação Inclusiva estabelecidas pelos professores


diante da compreensão do que seja esse modelo de educação, os mesmos nos definiram
em poucas palavras, as quais nos levaram a entender o caminho que essa educação
tende a traçar para se ter estabelecida, de fato, uma Educação Inclusiva para todos.
Portanto, para alcançar o entendimento dessas palavras, traçamos nossas finalizações,
mas sem concluirmos à respeito da Educação Inclusiva do Campo, por se tratar de um
debate constante que deslumbra para que os sujeitos sociais do campo tenham escolas
dignas, que atendam as especificidades do alunado, da família e da comunidade que
vivem no contexto campesino. É notório que, ainda há muito o que se almejar em
termo de compromisso das esferas governamentais, por meio de Políticas Públicas
Sociais de direitos aos sujeitos que sofrem com ausência de recursos para construção e
infraestrutura de instituições de ensino, como forma de valorização do saber popular
das pessoas do campo, que reivindicam seus direitos prescritos nas Legislações
brasileiras, visto que o diagnóstico da realidade da educação da qual tem acesso o povo
campesino não é mais abstrato, pois já é possível visualizar, pensar e discutir por meio
da compreensão das representações sociais, uma educação de qualidade que atenda os
anseios dos sujeitos do campo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com base no que foi exposto sobre a Educação Inclusiva no Campo e as


representações sociais de professores da EMEF Gaspar Viana, em Oeiras do Pará,
consideramos que mesmo com diversas políticas públicas educacional brasileira no que
versa a Educação do Campo, a presente realidade do povo do campo e das pessoas com
deficiência, ainda, continuam sendo vistas pelas Legislações, Decretos, Resoluções e
Pareceres, no sentido abstrato de direitos e negada o direito real a terra, a escola e
demais princípios de direitos que estão prescritos no papel.

Ao pensar na representação social de professores da referida escola, foi


possível perceber nas entrevistas que os informantes até sabem sobre a Educação
Inclusiva do Campo, mas que segundo eles, uma das dificuldades encontradas na prática
educativa inclusiva na escola, está relacionada, ainda, à ausência de profissionais na
área da Educação Inclusiva no Campo, sendo assim, não têm, no momento, uma
metodologia diferenciada de como trabalhar com a inclusão em sala de aula.

Assim, deve-se considerar que a luta não só se dá através dos Movimentos


Sociais por uma Educação Inclusiva do Campo, mas sim por todos os pesquisadores,
simpatizantes, professores, estudantes, dentre outros segmentos da sociedade que
compreendem, defendem, pensam, refletem e se colocam no lugar do povo do campo,
como forma de conquistas dos direitos sociais camponeses. A escola que o povo do
campo almeja é que venha assegurar a TODOS uma formação cultural e científica,
possibilitando formar pessoas críticas, de ideias e criativas desta imensa riqueza cultural
que há nos saberes do povo do campo. Além disso, para que a inclusão seja atendida, é
preciso eliminar diversas barreiras, tais como as atitudinais, as arquitetônicas, a de
comunicação e informação, além das metodológicas, e por fim, derrubar ideias errôneas
baseadas em preconceitos, discriminações e exclusão perante os sujeitos sociais do
campo.

Em suma, pretendemos levar a comunidade de Oeiras do Pará, região do Baixo


Tocantins o retorno dessa pesquisa, a partir da educação relacionada ao processo ensino
e aprendizagem em sala de aula, como também divulgar em outras Instituições de
ensino e Movimentos Sociais o resultado desse trabalho, bem como trabalhar em
parceria com a UFPA e Secretaria de Educação do referido município para elaboração e
socialização de oficinas, minicursos, palestras, dentre outros. É um desafio não apenas
dos pesquisadores, mas de toda a sociedade, seja de nível local, distrital e até regional. E
por fim, com esse trabalho, não buscamos somente um conceito final do Curso de
Especialização na área da Educação Inclusiva do Campo, Campus Cametá-Pará.
Outrossim, sugerimos que futuras pesquisas possam contribuir na formação dos sujeitos
oprimidos do campo, pois é uma área de amplo estudo, mas pouco divulgado e
explorado cientificamente no campo acadêmico.

REFERÊNCIAS

ARROYO, Miguel Gonzáles. Que Educação Básica para os povos do campo? In


Educação Básica de nível Médio nas áreas da Reforma Agrária. Textos de Estudos.
Boletim da Educação n. 11- MST-ITERRA. RS, 2006.
BATISTA, Maria do Socorro Xavier. Educação Popular em Movimentos Sociais:
Construção Coletiva de Concepções e Práticas Educativas Emancipatórias. GT:
Educação Popular. nº 06, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em


<http://www.mec.gov.br.>. Acesso em 12/02/2019.

_________. Resolução CNE/CEB nº 2, de 2001.

_________. Decreto nº 7.352 de 2010. Disponível em < http://www.planalto.gov.br>.


Acesso em 12/02/2019.

_________. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional-LDB- Lei nº 9.394, de 20


de dezembro de 1996. Disponível em http://www.mec.gov.br. Acesso em 12/02/2019.

CALDART, Roseli Salete. Sobre as especificidades da Educação do Campo e os


desafios do momento atual. Artigo científico, Porto Alegre, 2015.

CANDAU, Vera Maria Ferrão. Formação Continuada de Professores: tendências


atuais. In: REALI, A.M.M.R; MIZUKAMI, Maria da Graça. Formação de professores:
tendências atuais. São Carlos: EDUFSCAR, 1996.

CHAUI, Marilena. A sociedade democrática. In: Molina, M. C.; Souza Júnior; J. G.;
Tourinho, F. (org.). Introdução crítica ao direito agrário. Brasília: Editora UnB, 2003. p.
332-340.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Salamanca/Espanha: UNESCO, 1994. Disponível


em http://www.mec.gov. br. Acesso em 12/022019.

FERNANDES, Bernardo Mançano; MOLINA, Mônica Castagna. O Campo da


educação do campo. Ação Educativa. Relatório Preliminar da Pesquisa de Avaliação
do PRONERA. São Paulo, 2004.

FIGUEIREDO, Rita Vieira. A Formação de Professores para a Inclusão dos alunos


no espaço pedagógico da diversidade. In: Maria Tereza Eglér Mantoam. (org.). O
desafio das diferenças nas escolas. 1ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 15 ed. RJ: Paz e Terra, 1996.


_________. Paulo. Política e educação. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.

HADDAD, Sérgio. Direito à Educação. In: CALDART, R. S; PEREIRA, I. B.;


ALENTEJANO, P.; FRIGOTO, G. (org.). Dicionário da Educação do Campo. 2. Ed.
Rio de Janeiro, São Paulo: Expressão popular, 2012. p.215-222.

LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas.


São Paulo: EPU, 1986.

OSTI, Andreia; SILVEIRA, Cristina A. F. e BRENELLI, Rosely Palermo. Revista


Eletrônica de Psicologia e Epistemologia Genética: Representações Sociais-
Aproximando Piaget e Moscovici. Vol.5 nº 01- jan-jul/3013. Disponível em
www.marilia.unesp. br/scheme

PALMA, Débora Teresa e CARNEIRO, Relma Urel Carbone. Atendimento


Educacional Especializado em escola do Campo: desafios e perspectivas. In:
Caiado, Kátia Regina Moreno (org.). Educação Especial no Campo-Uberlãndia:
Navegando Publicações, 2017, p.15 a 50. Disponível em
http://docs.wixstatic.com/ugd/35e7c6

PIRES, Ângela Monteiro. Educação do Campo como direito humano. São Paulo:
Cortez, 2012.

VICTOR, Sonia Lopes; OLIVEIRA, Ivone Martins de (orgs). Educação Especial:


Políticas e formação de professores. Marília: ABPEE, 2016.