Você está na página 1de 25

Mecânica dos Solos - CCE0255

Profa. Ma. Tamiris Capellaro Ferreira

AULA 9
Estado dos solos granulares
• Solos granulares: areia.
• O estado de sua ocorrência é mensurado pelo índice de vazios.
• Estado da areia ou sua compacidade:
- Areia fofa; Para comparação do estado de
- Areia compacta. uma areia ou de sua
compacidade, deve-se utilizar o
conceito de compacidade
relativa definido por Terzagui:
Estado dos solos granulares
• A forma e a variação granulométrica das partículas que compõem a
areia irão influenciar, sobretudo, o valor característico de seu índice
de vazios máximo e mínimo.
• Os valores são tão maiores quanto mais angulares forem os grãos e
quanto mais mal graduadas as areias.
• Quanto maior for o resultado da CR (compacidade relativa), mais
compacto estará o estado da areia.

• Terzagui: valores de CR abaixo de 0,33 indicam um estado fofo


enquanto valores acima de 0,66 indicam um estado compacto.

• A areia compacta apresenta, em geral, maior resistência e menor


deformabilidade.
Estado dos solos granulares
Estado dos solos finos
• Solos finos: argila.

• O estado das argilas é associado à sua resistência a compressão.

• Uma argila com resistência a compressão simples inferior a 25 kPa


encontra-se em estado ou consistência muito mole.

• Já uma argila que atinja valores de resistência acima de 100 kPa tem
consistência tida como rija.

• Nas argilas, dadas a característica e a complexidade dos argilominerais,


a simples observação da sua análise granulométrica não se mostra
suficiente para caracterização de seu comportamento mecânico.
Estado dos solos finos
• Caputo (1988, p.52), “A plasticidade é normalmente definida como
uma propriedade dos solos, que consiste na maior ou menor
capacidade de serem eles moldados, sob certas condições de
umidade. Trata-se de uma das mais importantes propriedades das
argilas”.

• O estado de consistência das argilas é determinado por seu teor de


umidade.
Estado dos solos finos
• Os teores de umidade que definem o estado ou consistência de uma
argila são definidos como limites de consistência.

• Para cada teor de umidade alcançado, em uma escala crescente de


umidade as argilas apresentarão determinada consistência.

• Para baixos teores de umidade, a consistência das argilas será solida.

• Com o aumento gradativo do teor de umidade, a mesma argila variara


entre consistências semissólidas, plásticas e liquidas (alto teor de
umidade).

• O teor de umidade que corresponde à mudança de uma consistência


para outra em uma argila é definido como limites de consistência.
Estado dos solos finos
• Sendo a umidade de um solo muito elevada, ele se apresenta como
um fluido denso e se diz no estado liquido.

• À medida que evapora a água, ele endurece e, para certo teor de


umidade (LL – limite de liquidez), perde sua capacidade de fluir,
porém pode ser moldado facilmente e conservar sua forma. O solo
encontra-se, agora, no estado plástico.

• Ao continuar a perda de umidade, o estado plástico desaparece até


que, para um teor de umidade (LP - limite de plasticidade), o solo se
desmancha ao ser trabalhado. Este é o estado semissólido.
Estado dos solos finos
• Continuando a secagem, ocorre a passagem gradual para o estado
sólido. O limite entre os dois estados é um teor de umidade
denominado limite de contração (LC).

• Em outras palavras, podemos dizer que a faixa de variação do teor de


umidade entre o limite de liquidez e o limite de plasticidade é aquela
que indica valores de umidade em que o solo apresenta
comportamento plástico.

• A diferença entre estes dois limites é chamada de índice de


plasticidade.
Estado dos solos finos
Estado dos solos finos
• Estado líquido – o solo apresenta as propriedades e a aparência de
uma suspensão, sem nenhuma resistência ao cisalhamento;

• Estado plástico – o solo apresenta o comportamento mecânico de


acordo com a propriedade de plasticidade;

• Estado semissólido – o solo tem a aparência de um sólido, entretanto


ainda passa por variações de volume ao secar;

• Estado sólido – não ocorrem mais variações de volume decorrentes da


secagem do solo.
Estado dos solos finos
• Terzagui propôs a utilização de um conceito denominado índice de
consistência para determinar o estado de uma argila, conforme os
teores de umidade-limite. O índice de consistência pode ser expresso
por:

• De acordo com os estudos de Terzagui e de outros pesquisadores,


argilas com valores de IC abaixo de 0,50 indicam estado mole
enquanto valores acima de 1,0 indicam argila em estado duro.
Identificação dos solos por meio de ensaios
Para a identificação dos solos a partir das partículas que os constituem, são
empregados dois tipos de ensaio:

• Análise granulométrica
• Índices de consistência
Identificação dos solos por meio de ensaios
ÍNDICES DE CONSISTÊNCIA:

• A fração fina dos solos tem uma importância muito grande no seu
comportamento;
• Partículas menores = superfície específica maior;
• O comportamento do solo na presença de água depende muito da
presença das partículas finas (argilosas);
• Diferenças no teor de umidade alteram o comportamento do solo:
- Muito úmido: se comporta como líquido;
- Perde água: fica plástico;
- Mais seco: fica quebradiço;
Identificação dos solos por meio de ensaios
ÍNDICES DE CONSISTÊNCIA:

• Limites de Atterberg dos solos:


• Os solos são mais compressíveis (sujeitos a recalques) quanto maior for o
seu limite de liquidez.
Identificação dos solos por meio de ensaios
ÍNDICES DE CONSISTÊNCIA:

• Limite de Liquidez: teor de umidade do solo com o qual uma ranhura nele
feita requer 25 golpes para se fechar numa concha.
• Diversas tentativas são realizadas, com o solo em diferentes umidades:
anota-se o número de golpes para fechar a ranhura e obtém-se o limite
pela interpolação dos resultados (NBR 6459).

https://www.youtube.com/watch?v=M5TAW2vEjjI
Identificação dos solos por meio de ensaios
ÍNDICES DE CONSISTÊNCIA:

• Limite de Plasticidade: teor de umidade do solo com o qual se consegue


moldar um cilindro de 3 mm de diâmetro, rolando-se o solo (NBR 7180).
• A passagem de um limite para o outro ocorre de forma gradual, com a
variação da umidade.

https://www.youtube.com/watch?v=voyfCB9wsiU
Estrutura do solo
• Estrutura do solo é a forma como estão dispostas suas partículas.

• Esta estrutura constitui a propriedade que mantém a sustentação do


solo, ou seja, seu esqueleto. As principais características que
influenciam a estrutura do solo são:

• Tipo de mineral do solo (composição mineralógica);


• Tamanho das partículas do solo (granulometria);
• Arranjo físico das partículas;
• Estado do solo (proporção entre as três fases – sólida, líquida e
gasosa);
• Ligação química entre os elementos das três fases constituintes do
solo (com ênfase as forças existentes entre as partículas).
Estrutura do solo
• Estrutura alveolar (solos com partículas da ordem de 0,02 mm): a
força da gravidade e as forças de superfície quase se equivalem.
• Partículas menores que 0,02 mm não se sedimentam isoladamente
por causa do seu pequeno peso. Entretanto, estas partículas ainda em
suspensão podem vir a tocar-se e unir-se, formando grumos de peso
maior que podem vir a sedimentar. Completada a sedimentação, os
diversos grumos formam a chamada estrutura floculenta.
Amolgamento das argilas
• Nos solos finos, a mudança em sua estrutura original (conforme disposto na
natureza) pode provocar a redução de sua resistência mecânica.
• De acordo com esta afirmativa, definimos mais uma propriedade inerente
aos solos finos, denominada amolgamento.
• O amolgamento pode ser entendido como uma ação de amassamento da
argila em todas as direções, sem que para isso provoque alteração do teor
de umidade.
• Amolgar um solo fino é uma ação que remodela sua estrutura, eliminando
as ligações existentes desde sua formação, transformando-a em outra.
• Pode-se ter, a depender da nova estrutura formada, redução da resistência
mecânica deste solo.
• Para que você possa entender melhor, basta escavar um solo ou penetra-lo
com uma estrutura (estaca, bloco de fundação etc.) que será provocado o
amolgamento do solo do entorno.
Sensibilidade das argilas
• A sensibilidade da argila pode ser entendida como a mensuração da
redução da resistência mecânica sofrida em função da ação de
amolgamento, ou seja, o quanto este solo e perturbado pelo
amolgamento.

• Ainda como consequência do amoldamento, uma amostra amolgada


comprime mais que a amostra indeformada, embora o seu índice de
compressão seja menor. O que realmente ocorre é que o
amolgamento elimina o pré-adensamento do solo e este passa agora
a comprimir-se sob efeito de seu próprio peso. Outra alteração
importante é com referencia a permeabilidade, que se torna menor,
quando o solo é amolgado (Bueno e Vilar, 1979).
Tixotropia das argilas
• A propriedade tixotropia das argilas refere-se à recuperação da
resistência perdida pela argila pelo efeito do amolgamento.

• Quando a argila permanece em repouso, ela tende a recuperar a


resistência inicial que foi perdida pelo amolgamento.

• No amolgamento da argila, ocorre o desequilíbrio das forcas


interpartículas, contudo, quando a argila está em repouso, os
potenciais de atração e repulsão no interior da argila tendem ao
equilíbrio, de maneira a recuperar a resistência inicial.
Estrutura do solo
• Solos com maior participação granular em sua composição
apresentam em geral maior resistência quando utilizados em base-
suporte de fundações (edificações e pavimentos).

• É comum também esperar que materiais com elevada porcentagem


de areia apresentem maior densidade, quando comparados a
materiais de granulação mais fina, e ainda a materiais de granulação
mais grossa que apresentam baixa expansibilidade.

• Por outro lado, solos com predominância de granulometria fina


(argilas) apresentam em geral baixa capacidade de suporte, baixa
densidade, elevada plasticidade e são comumente associados a
elevado índice de expansão.
Estrutura do solo
• Um solo bem graduado apresenta uma distribuição proporcional do
tamanho de partículas, de forma que os espaços deixados pelas
partículas maiores sejam ocupados pelas menores.

• Tais solos, quando bem compactados, normalmente apresentam alta


resistência, o que é bastante interessante para aplicação na prática.

• A curva de distribuição granulométrica encontra aplicação prática na


classificação do solo quanto à textura, na estimativa do coeficiente de
permeabilidade e no dimensionamento de filtros de proteção.
a
Obrigado!

Profa. Ma. Tamiris Capellaro Ferreira


tamiris.capellaro@estacio.br

Você também pode gostar