Você está na página 1de 5

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz da ____Vara do Trabalho de Natal/RN

Suzana, brasileira, estado civil XXX, Empregada doméstica, data de


nascimento XXX, inscrito no RG nº XXX e no CPF nº ..., portador da CTPS nº...,
inscrito no PIS sob o nº ..., filha de XXXXXX, endereço eletrônico, residente e
domiciliado na rua...., vem, por seu advogado, infra-assinado, conforme procuração
anexa, possuidor do e-mail XXXX, com endereço profissional situado à rua XXX,
onde recebe intimações, com fulcro no Art. 840, § 1º, CLT, c/c Art. 319 do CPC,
propor a presente,

RECLAMAÇÃO TRABALHISTA

Pelo rito ordinário, em face de Família Moraes, pessoa física de direito


privado, inscrita no CPF nº XXXX, endereço eletrônico XXX, situada na Rua
XXXX, Natal, pelos motivos de fato e de direito que passa a dispor:

DA GRATUIDADE DE JUSTIÇA:

Requer a Vossa Excelência a concessão do benefício da gratuidade de justiça, uma


vez que o Reclamante percebia remuneração mensal inferior ao dobro do salário
mínimo legal, e hoje se encontra desempregado. Desta forma, o pagamento de custas
e despesas processuais prejudica o seu sustento, bem como o de sua família, com base
no Art. 790, §3º da CLT e Art. 98, CPC.

DA COMISSÃO DE CONCILIAÇÃO PRÉVIA:

O reclamante deixou de se submeter à Comissão de Conciliação Prévia por lhe ser


facultativa, conforme prevê o Art. 625-A, da CLT.

DOS FATOS

A reclamante trabalhou na residência da família Moraes de 15/06/2016 a


15/09/2016, data na qual teve baixa em sua CTPS.
A reclamante foi contratada a título de experiência por 45 dias, findos os quais
nada foi contratado e a reclamante continuou trabalhando normalmente, exercendo as
atividades do lar, no período das 7h às 16h, de segunda à sexta-feira, com trinta
minutos de intervalo.
A reclamante foi descontada em 10% de seu salário referente ao
vale-transporte, além de sua cota parte do INSS e 25% no valor da alimentação
consumida no emprego.
A reclamante fazia limpeza dos 3 banheiros existentes na residência, sem
receber qualquer adicional.
A reclamante viajou com a família por 4 dias úteis para o munic[ipio de
Gramado/RS, ocasião em trabalhou como babá das 8h às 17h, desfrutando de uma de
almoço.
Na data da dispensa, a reclamante recebeu férias proporcionais de 3/12 avos
acrescidos de 1/3 e 13º salário proporcional de 3/12 avos.
DOS FUNDAMENTOS

Conforme prevê o Art. 5º, § 2º, da Lei Complementar nº 150, de 1º de junho de


2015, por não ter havido prorrogação expressa do contrato de experiência, o contrato
de trabalho da reclamante se transmudou em contrato de trabalho por prazo
indeterminado.
Em decorrência disso, a reclamante tem direito ao pagamento de aviso prévio
de 30 dias, refletindo nas férias proporcionais, além do 13º, conforme Art. 23, § 1º, da
Lei nº 150, de 01 JUN 15.
A reclamada descontou excessivamente a cota referente à alimentação,
contrariando o Art. 18, da LC nº 150/15, bem como o excesso no desconto do
vale-transporte, que é de 6$ do salário-base, de acordo com o Art. 4, da Lei 7.418/85.
A reclamada suprimiu uma hora do intervalo de uma hora de descanso, nos
termos do Art. 13, da LC nº 150/15 e Súmula 437, TST.
A reclamada contrariou o Art. 2º, da Lei, uma vez que a jornada diária da
reclamante era de 8:30 hs, sem qualquer referência a acordo para compensação.
A reclamada incorreu no Art. 11, § 2º, da Lei, no que se refere ao pagamento
das horas trabalhadas em viagem.

DO PEDIDO:

Diante do exposto, requer:


1. seja deferido o pedido de Gratuidade de Justiça;
2. Que a reclamada seja condenada a pagar todas as verbas indenizatórias a que a
reclamante faz jus, conforme abaixo:
- Aviso Prévio Indenizável;
- 13º proporcional (4/12 avos)
- Férias proporcionais (4/12 + 1/3);
- Indenização de 40% FGTS;
- Emissão das guias do FGTS e seguro-desemprego;
- Multas do Art. 467, da CLT;
- Multa do Art. 477, §§ 6º e 8º, da CLT,
- Devolução de 4% referente ao vale-transporte;
- Devolução do desconto de 25% referente à alimentação;

3.Determinar a notificação da reclamada, para comparecer a audiência a ser


designada por este Juízo, oportunidade em que deverá oferecer contestação a
presente, sob pena de revelia e confissão da matéria de fato, esperando ao final ver
julgados procedentes os pedidos formulados nesta ação .

DAS PROVAS

Indica como provas a serem produzidas as de caráter documental, testemunhal


e depoimento pessoal do representante legal da Reclamada, sob pena de confissão, na
amplitude do Artigo 369 do Código de Processo Civil.

DO VALOR DA CAUSA:

Dá-se à presente o valor acima de 40 salários-mínimos

Nestes Termos,

P. deferimento.

Local e data.
Nome do Advogado

OAB nº