Você está na página 1de 27

Sumário

Introdução ............................................................................................................................... 2

Purificação ............................................................................................................................... 3
Elixir Divino

Honestidade

Conversão ................................................................................................................................ 11
Os Santos nos ensinam a fazer penitência

Frases para meditar ................................................................................................................. 16

Laetare .................................................................................................................................... 18

Tempo favorável ...................................................................................................................... 21

A Grande Quaresma
Paz e Bem, Leitor!

A Quaresma é tempo de limpar e enfeitar a casa por dentro. Convém que vivamos sempre de
modo sábio e santo, dirigindo a nossa vontade e as nossas ações para aquilo que sabemos
agradar a Deus (São Leão Magno).

Os tempos litúrgicos que a Igreja nos apresenta são portas para um novo caminho, são presentes
escolhidos com sabedoria para que anualmente possamos, de fato, viver com mais consciência e
amor o cristianismo.

No entanto, assim como eu, você deve também sentir a nítida realidade de que viveu com pouco
cuidado esse tempo, que deixou passar ano a ano essa oportunidade de uma mudança concreta.

Eu sei, caro leitor, que talvez tenha adentrado nesse caminho com um pouco mais de resolução a
pouco tempo e tudo ainda lhe parece novo e um tanto áspero, ou talvez já esteja nele a tempos,
mas por algum motivo, percebe que andou parte do tempo como que alienado, sem prestar
muita atenção ao que vivia... ou ainda, você poderá descobrir, ao menos parcialmente, em que
estado se encontra o seu interior, ao ler essa singela carta. Independente de qual seja a sua
situação, existem alguns pontos sobre esse período que poderão lhe servir como setas para viver
de forma mais profunda esta e todas as outras quaresmas da sua vida.

A Grande Quaresma
Purificação
Os pecados são escolhas que nos afastam de Deus, são ainda escolhas que nos levam a
desprezar a Deus e a considerar somente a nós mesmos, como diz Santo Agostinho. Ou seja, o
pecado é uma ruptura na relação que temos com Deus, uma ruptura feita por nós mesmos, uma
muralha construída por nós mesmos e que não permite que contemplemos a Deus e que a sua
graça chegue até nós.

Dado que somos seres pecadores, somos, portanto, especialistas em construir, com as nossas
próprias mãos, muralhas que nos afastam de Deus, necessitamos, então, purificar nossas mãos e
coração, desconstruir essa barreira que nós mesmos erigimos e mantemos. Mas para que essa
purificação seja feita de uma forma verdadeiramente eficaz é preciso algumas atitudes e as
primeiras são: auto responsabilidade e honestidade.

A auto responsabilidade é a capacidade de tomar para si a parcela de comprometimento que teve


em cada atitude que te afastou de Deus e de Seus Planos. Isso exige muita coragem e força de
caráter, pois é sempre mais fácil terceirizar a responsabilidade ou ainda responsabilizar a
Bondade Infinita de Deus. Deus é sempre Bom, nós é que fazemos más escolhas e muitas vezes
não arcamos com a responsabilidade inerente a cada uma delas. Portanto, o primeiro passo para

A Grande Quaresma
a conversão, para mudar o rumo da vida, é a auto responsabilidade pelas escolhas feitas durante
a vida.

No entanto, é comum que devido ao afastamento de Deus, causado pela muralha de más
escolhas, os olhos interiores estejam como que cegos ao que é ou não uma pedra dessa muralha,
ocorre uma espécie de adoecimento da consciência, que tende a ser muito condescendente e
entende como bom o veneno que a entorpece. Assim, fazer uso de um bom exame de
consciência é vital para que a percepção interior seja apurada e possa trilhar o caminho da auto
responsabilidade sem os parasitas da auto piedade.

Desejo lhe fornecer uma vela nessa jornada para além da muralha. Deus nos escreveu uma carta
com seu próprio dedo e nos entregou para que lêssemos com atenção, é uma carta clara e
simples, como Ele mesmo, escrita numa pedra que fará frente, caro leitor, as pedras que você
colocou nessa muralha que te separa Dele.

Assim, espero que a leia com atenção e acima de tudo a tome como o remédio que
verdadeiramente é, não se imagine como alguém torturado, mas como alguém que está sendo
remediado, que recebe um elixir valioso que muitos ouvem falar, mas que poucos encontram a
forma de tomá-lo todos os dias.

Elixir Divino
Para que possa viver bem este momento sugiro que pause a leitura e se coloque em oração e
silêncio, busque estar calmo, busque um lugar e horários tranquilos para que ninguém te
atrapalhe e inicie esse auto exame com espírito de oração, ou seja, quietude. Caso esteja se
sentindo um tanto ansioso e inquieto, sugiro que continue sua oração, com a ajuda das orações
disponibilizadas no fim desta carta, até que se aquiete. A perturbação é uma inimiga do bom
exame e da mudança de caminho, então deve ser medicada com silêncio e oração.

Feito este preparo você deverá ter em mãos umas quatro folhas de papel ou um caderno e uma
caneta ou lápis, isso é de extrema importância e não inicie o exame sem isso, faz parte da auto
responsabilidade escrever os atos com clareza no papel e colocá-los diante das atitudes pedidas
por Deus escritas na pedra.

Para que possa seguir uma linha de pensamento destinada a rememorar, é importante que pense
em sua vida toda, talvez seja necessário refazer esse auto exame algumas vezes antes do último
passo, pois a consciência tende a se tornar mais sadia e apta para lembrar-se de atitudes que
antes se esforçava em esquecer, para que também estas sejam remediadas.

“Três foram as tentações com que o demônio hoje acometeu a Cristo: na primeira ofereceu, na segunda
aconselhou, na terceira pediu. Na primeira ofereceu: Dic ut lapides isti panes fiant - que fizesse das
pedras pão; na segunda aconselhou: Mitte te deorsum) - que se deitasse daquela torre abaixo; na
terceira pediu: Si cadens adoraveris me - que caído o adorasse. Vede que ofertas, vede que conselhos,
vede que petições! Oferece pedras, aconselha precipícios, pede caídas. E com isto ser assim, estas são as
ofertas que nós aceitamos, estes os conselhos que seguimos, estas as petições que concedemos. De todas
estas tentações do demônio, escolhi só uma para tratar, porque para vencer três tentações é pouco tempo
uma hora. E quantas vezes para ser vencido delas basta um instante! A que escolhi das três, não foi a
primeira nem a segunda, senão a terceira e última, porque ela é a maior, porque ela é a mais universal,
ela é a mais poderosa, e ela é a mais própria desta terra em que estamos. Não debalde a reservou o

A Grande Quaresma
demônio para o último encontro, como a lança de que mais se fiava; mas hoje lha havemos de quebrar
nos olhos. De maneira, cristãos, que temos hoje a maior tentação: queira Deus que tenhamos também a
maior vitória. Bem sabeis que vitórias, e contra tentações, só as dá a graça divina; peçamo-la ao
Espírito Santo por intercessão da Senhora, e peço-vos que a peçais com grande afeto, porque nos há de
ser hoje mais necessária que nunca.

Ave Maria...”

Padre Antônio Viera, incansável missionário nessa sempre Terra de Santa Cruz, Sermão Da Primeira Dominga Da Quaresma, Na
cidade de S. Luís do Maranhão, ano de 1653. Edição de Referência: Sermões.Vol. X Erechim: EDELBRA, 1998.

Haec omnia tibi dabo, si cadens adoraveris me -Tudo isto te darei, se prostrado me adorares (Mt. 4, 9)

Auto Exame

Oração Inicial

Querido Espírito Santo, vinde sobre mim e iluminai-me com a Vossa luz para poder reconhecer
os meus pecados que são a causa da morte na cruz de Jesus Cristo a quem tanto amo. Ajudai-
me também a arrepender-me sinceramente e dai-me força para não os cometer nunca mais.
Amém.

Você deverá anotar as respostas e quantas vezes fez cada ato, se foram inúmeras e não se
lembra o número exato coloque “inúmeras” depois da resposta, se foram várias coloque
“várias”, se você se lembra quantas vezes exatamente coloque o número exato.

Exame inicial:

Há quanto tempo não me confesso? Escondi, conscientemente, algum pecado grave em alguma
confissão precedente? Confessei, o melhor que me lembro, o número de vezes que cometi cada
pecado grave? Confessei com clareza os meus pecados ou fui demasiado genérico? Fiz a
penitência que me foi imposta? Reparei as injustiças que cometi? Comunguei em pecado
mortal? Respeitei o jejum eucarístico de uma hora antes da comunhão? Estou verdadeiramente
arrependido dos meus pecados e luto para não pecar mais?

1º Mandamento: Adorar a Deus e amá-Lo sobre todas as coisas.

Duvidei voluntariamente da existência de Deus Pai, Filho e Espírito Santo? Acreditei apenas
num ser supremo? Revoltei-me contra Deus nos meus sofrimentos? Deixei-me levar pelo
desespero? Duvidei da bondade ou da omnipotência de Deus? Tive ódio a Deus? Esperei a vida
eterna sem abandonar o pecado? Esperei a vida eterna confiando apenas nos meus esforços?
Cometi pecados no intuito de confessá-los mais tarde? Tenho posto em dúvida ou negado,
deliberadamente, alguma verdade revelada por Deus e como tal ensinada pela Igreja? Tenho
rezado diariamente com atenção e devoção? Rezo e frequento os sacramentos de má vontade?
Leio e medito na Palavra de Deus? Procuro esclarecer e formar-me na fé com a ajuda do
Catecismo da Igreja Católica? Defendi, por exemplo, que nos podemos confessar diretamente a
Deus, ou que o “casamento” civil entre batizados é aceitável em certos casos, ou ainda que todas
as religiões são iguais? Li algum livro, revista, jornal, ouvi alguma música, vi algum programa
ou espetáculo contra Deus, contra a Igreja ou contra os bons costumes? Recebi indignamente

A Grande Quaresma
algum sacramento? Faltei ao respeito das coisas santas, por exemplo, conversando ou brincando
dentro da igreja, vindo indecentemente vestido para a igreja, ou omitindo a genuflexão sempre
que passo diante do Santíssimo Sacramento? Coloquei a minha vontade, as minhas ideias, o
dinheiro, o trabalho, os divertimentos, o prazer, a fama, o poder ou alguma coisa criada em
primeiro lugar na minha vida? Adorei a satanás? Invoquei satanás? Usei coisas, li textos, ou
ouvi músicas que invocam explicitamente o demônio? Sou supersticioso? Pratiquei a magia, o
espiritismo, fui à bruxa, a médiuns, ou a curandeiros? Pratiquei a adivinhação através da
astrologia, do jogo do copo, do pêndulo, das cartas do tarôt, da leitura da palma da mão ou
coisas semelhantes? Acreditei em horóscopos? Usei amuletos como a ferradura, o corno, os
cristais ou coisas semelhantes? Acreditei nas “energias”, nas ideias do New Age, na
reencarnação, no Reiki, ou em coisas semelhantes?

2º Mandamento: Não invocar o santo nome de Deus em vão.

Blasfemei ou falei sem respeito contra Deus, contra os Santos ou contra as coisas santas? Falei
mal da Igreja, do Papa, dos Bispos ou dos Padres? Pronunciei levianamente ou sem respeito
nome de Deus, por exemplo, em anedotas ou piadas? Ou achei graça a tais piadas? Jurei
sabendo que era falso o que prometia? Jurei fazer alguma coisa injusta ou ilícita? Roguei
pragas? Deixei de cumprir algum voto ou promessa que tenha feito a Deus ou a algum santo?

3º Mandamento: Santificar os domingos e festas de guarda.

Faltei à Missa ao domingo ou em algum dia santo? Cheguei tarde à Missa por culpa própria?
Trabalhei ou mandei trabalhar nesses dias sem grave necessidade? Dediquei nesses dias mais
tempo a Deus, à família, aos pobres, aos doentes e ao descanso?

4º Mandamento: Honrar pai e mãe e os outros legítimos superiores.

Obedeci aos meus pais enquanto estive sob a sua tutela? Manifestei-lhes o devido amor,
gratidão e respeito? Ajudo-os espiritual e materialmente? Entristeci-os? Abandonei-os na
velhice, ou na doença? Tenho rezado por eles? Zanguei-me com os meus irmãos? Maltratei-os?
Tenho transmitido a fé aos meus filhos? Atrasei o seu batismo, ou a sua primeira comunhão?
Tenho-me empenhado na sua educação? Defendo-os do pecado? Dei-lhes maus exemplos?
Corrigi com firmeza e paciência os seus defeitos? Fui amável com os estranhos e, ao contrário,
pouco amável na vida de família? Discuti com o meu marido (a minha mulher)? Evitei
repreendê-lo(a) ou discutir diante dos filhos? Tenho-lhe faltado ao respeito? Deixei de ajudar,
dentro das minhas possibilidades, os meus familiares nas suas necessidades espirituais ou
materiais? Obedeço à Igreja, ou discuti os seus mandamentos? Guardei a abstinência de carne
nas sextas-feiras? Jejuei quarta-feira de cinzas e sexta-feira santa? Confessei-me pelo menos
uma vez por ano? Comunguei pelo menos uma vez por ano pela Páscoa? Tenho contribuído
para as necessidades da Igreja segundo as minhas possibilidades? Obedeci ao Papa e ao meu
Bispo? Obedeci às justas determinações das autoridades civis?

5º Mandamento: Não matar nem causar outro dano no corpo ou na alma a si mesmo ou ao
próximo.

Causei prejuízos ao próximo com palavras ou com obras? Desejei-lhe mal? Agredi alguém?
Insultei alguém? Sou violento? Alimentei pensamentos de vingança? Manifestei ódio ou rancor
a alguém? Perdoei de todo o coração as ofensas que recebi? Deixei de falar ou nego a saudação

A Grande Quaresma
a alguém? Cheguei a ferir ou a tirar a vida ao próximo? Colaborei, de algum modo, em atos que
ocasionassem a morte de um inocente? Pratiquei, aconselhei ou facilitei o crime gravíssimo do
aborto? Defendi o aborto em certos casos? Fui gravemente imprudente na condução de veículos
motorizados pondo em risco a minha vida e a dos outros? Deixei-me vencer pela ira? Cometi
algum atentado contra a minha vida? Embriaguei-me ou, levado pela gula, comi mais do que
devia? Tomei drogas? Preocupei-me eficazmente pelo bem do próximo, advertindo-o de algum
grave perigo material ou espiritual, em que se encontrava ou corrigindo-o como exige a caridade
cristã? Escandalizei o próximo, incitando-o a pecar, com as minhas conversas, o meu modo de
vestir, convidando-o para assistir a algum espetáculo mau ou emprestando-lhe algum livro ou
revista maus? Visto-me com decência ou sou sensual pondo em evidência aquelas partes do meu
corpo que mais chamam a atenção do sexo oposto? Procurei reparar o mal causado pelo
escândalo?

6º e 9º Mandamentos: Guardar castidade nas palavras e nas obras. Guardar castidade nos
pensamentos e nos desejos.

Consenti em pensamentos ou desejos contra a castidade? Fixei o olhar, falei ou li coisas


sensuais ou obscenas? Vi pornografia? Procurei o prazer sexual por si mesmo, fora do ato
conjugal? Tive liberdades no namoro? Respeitei o corpo da minha namorada (do meu
namorado)? Pequei contra a castidade por atos? Sozinho (masturbação) ou acompanhado
(adultério, fornicação, com pessoas do mesmo sexo)? Havia alguma circunstância - de
parentesco, matrimonio, consagração a Deus, ou menoridade - que tornassem mais grave aquela
ação? Vivo maritalmente com alguém com a qual não estou casado pela Igreja? Assisti a
espetáculos ou conversas que me colocaram numa situação próxima do pecado? Tenho em
conta que expor-me a essa ocasião já é um pecado? Antes de assistir a um espetáculo ou de ler
um livro ou uma revista, procuro informar-me sobre a sua classificação moral para evitar a
ocasião de pecado ou o perigo de deformação da consciência que pode ocasionar-me? Usei do
matrimonio indevidamente procurando o prazer sexual fora do ato conjugal? Neguei ao meu
cônjuge os seus direitos? Tive intenção de tornar o ato conjugal voluntariamente infecundo
praticando assim a contracepção? Tomei a pílula, usei o preservativo, ou o dispositivo
intrauterino, laqueei as trompas, ou interrompi o ato conjugal para evitar ter filhos? Aconselhei
ou defendi a contracepção? Uso do matrimónio somente naqueles dias em que julgo não poder
haver descendência? E atuo deste modo sem razões graves? Faltei à fidelidade conjugal por
pensamentos ou por ações? Mantenho amizades que são ocasião habitual deste pecado de
infidelidade? Estou disposto(a) a abandoná-las?

7º e 10º Mandamentos: Não furtar nem injustamente reter ou danificar os bens do próximo.
Não cobiçar as coisas alheias.

Roubei algum objeto ou alguma quantia em dinheiro? Reparei os danos causados? Tive inveja
dos outros? Cobicei as coisas alheias? Paguei aos outros os salários devidos pelo seu trabalho?
Paguei os impostos? Trabalhei com empenho as horas que devia, ou desperdicei tempo no meu
trabalho? Abusei da confiança dos meus superiores? Prejudiquei o Estado, por exemplo,
abusando do fundo de desemprego ou da baixa médica? Desrespeitei os direitos de autor,
copiando livros, software, filmes ou músicas, contra a vontade do autor? Devolvi ao dono as
coisas emprestadas ou encontradas? Aproveitei-me injustamente da desgraça alheia?
Prejudiquei, de algum modo, o próximo nos seus bens? Enganei o próximo cobrando mais do
que o valor justo combinado, ou alterando a quantidade ou qualidade dos bens ou dos serviços
prestados? Reparei o prejuízo causado? Tolerei abusos ou injustiças que tinha obrigação de
impedir? Fiz acepção de pessoas ou manifestei favoritismos? Gastei mais do que permitem as
minhas possibilidades? Desperdicei dinheiro no jogo ou noutras coisas fúteis? Tratei com
cuidado das minhas coisas ou, por descuido, estraguei-as? Sei aceitar, com espírito cristão, a
carência de coisas necessárias ou deixo-me vencer pela ira ou pela revolta?

A Grande Quaresma
8º Mandamento: Não levantar falsos testemunhos nem de qualquer outro modo faltar à
verdade ou difamar o próximo.

Disse mentiras? Reparei os prejuízos causados? Minto habitualmente com a desculpa de que se
tratar de mentiras que não prejudicam ninguém? Fiz juízos falsos ou temerários? Copiei nos
exames? Utilizei cábulas? Revelei, sem motivo justo, defeitos graves alheios que, embora reais,
não são conhecidos? Reparei de algum modo os prejuízos causados, por exemplo, falando dos
aspetos positivos dessa pessoa? Caluniei, atribuindo ao próximo defeitos que não eram
verdadeiros? Já reparei os males causados ou estou disposto a fazê-lo? Disse mal dos outros
baseando-me apenas nos boatos que ouço? Colaborei, nas minhas conversas, na calúnia, na
difamação ou na murmuração? Semeei discórdias e inimizades com as minhas palavras?
Exagerei os defeitos do próximo? Gostei de ouvir falar mal do próximo? Estou sempre a
criticar?

Ato de contrição:
Meu Deus, porque sois infinitamente bom, eu Vos amo de todo o meu coração, pesa-me de Vos
ter ofendido, e, com o auxílio da vossa divina graça, proponho firmemente emendar-me e nunca
mais Vos tornar a ofender; peço e espero o perdão das minhas culpas, pela vossa infinita
misericórdia. Amém.

Um pecado é mortal quando: é matéria grave (Dez mandamentos), foi feito com plena consciência e pleno
consentimento. Para ser mortal o pecado deve cumprir esses três requisitos, caso contrário podem ser graves ou
veniais, que devem ser anotados e confessados da mesma forma. Uma pessoa em pecado mortal não pode comungar
o Corpo e o Sangue do Nosso Senhor Jesus, pois dessa forma comete sacrilégio e toma a sua própria condenação.

Esse exame de consciência é orientado pelo padre exorcista o senhor Padre Duarte Lara.

Honestidade
O segundo passo no caminho da purificação é a honestidade. Não é difícil atestar que nos é
muito difícil sermos honestos conosco e com Deus, e após o exame de consciência proposto e
acredito que realizado anteriormente, essa realidade deve lhe ser mais clara, temos dificuldade
de nos vermos como realmente somos e isso se torna ainda mais difícil por conta da muralha
que impede a luz da Vontade de Deus que devia iluminar a nossa percepção de nós mesmos e
nos permitir uma auto imagem compatível com realidade, pois muitas vezes temos uma auto
imagem deturbada devido a nossa consciência adoentada pelas nossas más atitudes.

Mas quando adentramos no caminho da purificação e nos dispomos a assumir a


responsabilidade pelo que fizemos, as pedras dessa muralha começam a esmorecer, no entanto,
ela não é completamente desconstruída, pois que se cada pedra é um ato concreto feito pelas
mãos, pés, sentidos, mente e coração, deve ser também remediado de forma que todos esses
dons de Deus passem a ser usados em prol da purificação, assim é preciso, falar, agir, pensar e
sentir em prol dessa nova direção tomada. E é claro que se é difícil ser honesto conosco e com
Deus, sem auto piedade e sem auto justificação, nos é ainda mais difícil a honestidade diante
dos homens, pois que somos tendenciosos a sempre buscar fazer uma boa imagem e impressão,
não gostamos que vejam as nossas falhas, defeitos e mazelas, somos na maior parte do tempo
caricaturas de nós mesmos, assim é de grande remédio se expor, ainda que com alto nível de
sigilo, a outro ser humano, no entanto, não qualquer ser humano, mas alguém que de fato foi
formado, chamado e escolhido para ser o sinal do invisível no visível, que empresta seus
ouvidos para essa tarefa sublime de escutar as mazelas e pecados daqueles que desejam trilhar
novos caminhos rumo a novos horizontes. É preciso, portanto, coragem para se deparar consigo
no exame de consciência e se deparar com a humanidade e a Igreja, expressa na figura do

A Grande Quaresma
sacerdote, na confissão. Pois que se você leitor esteve por muito tempo a sombra dessa muralha
saiba que toda a Igreja sentiu a sua falta e se adoeceu um tanto contigo enquanto esteve doente,
assim é honesto e justo que vá até ela expressar a sua nova decisão.

É assim que, depois de fazer o exame, rezar por si e pelo sacerdote, deverá ir a confissão com o
papel do exame em mãos, parte da sua auto biografia, aquela que poucos sabem, e que receberá
o remédio do qual necessita. A confissão é a oportunidade de remediar as más escolhas com um
ato de honestidade diante de Deus, da Igreja e de si mesmo; é remediar todo um tempo de
entorpecimento com um ato lúcido e por isso eficaz.

Em suma para se fazer uma boa confissão é preciso:

1. Fazer bem o exame de consciência.


2. Estar sinceramente arrependido dos pecados cometidos que tanto ofenderam a Deus.
3. Ter o firme propósito de não mais pecar.
4. Confessar os próprios pecados junto do confessor dizendo-os com toda a sinceridade, clareza
e brevidade.
5. Reparar o mal que se fez cumprindo a penitência que o confessor indicar.

Uma confissão não tem valor se:


1. Se omite voluntariamente algum pecado grave e o número de vezes que se cometeu.
2. Se não se estiver arrependido do pecado cometido.
3. Se não existir o propósito de emenda de vida.
4. Se não se quiser cumprir a penitência imposta.

Esses são pontos simples e com os passos anteriores é fácil realizá-los, no entanto, é possível
que você leitor se veja sem o arrependimento ou sem o propósito de corrigir-se naquilo que
atestou ser parte dessa muralha que te afasta de Deus, se isso acontece é preciso que empreenda
um propósito de penitência para que alcance a graça de arrepender-se, pois que a auto
responsabilidade traz consigo a clareza daquilo que precisa ser melhorado e que por isso exige
mais dedicação, mais atenção e um maior comprometimento, se o arrependimento não foi
alcançado, não se tomou a decisão de ir para além da muralha com verdadeira convicção, aliás
expressa um certo apego a esse amontoado de atitudes que impedem uma intimidade com Deus.
E para um coração duro é preciso o remédio de penitência e oração, só após se arrepender será
possível seguir em frente nesse caminho de purificação que conduz a conversão e a mudança de
caminho.

Não se iluda, tudo que possua o nome de “mudança” mas desconsidera essa premissa é ilusão e
mentira.

A Grande Quaresma
Conversão

A conversão é uma mudança de direção rumo a um novo horizonte. É uma jornada feita a todo
tempo e a cada dia, mas que nesse tempo ganha um novo impulso. Nós estamos sempre em
conversão. Se acaso você se considera totalmente convertido, provavelmente perdeu o
entendimento real dessa palavra, converter-se é virar, virar e virar para Deus cada vez mais,
mais e mais, dar a cada momento o máximo que é possível para isso, buscar fazer cada vez mais
e mais e mais para virar mais e mais e mais. Isso é o que eu chamo de o “mais perfeito”.
Perfeição no cristianismo não é uma ausência de defeitos, mas sim fazer a vontade de Deus, é
buscar cada dia mais desconstruir essa grande muralha, que insistimos em continuar a erigir, é
buscar mudar mais e mais a cada dia, é fazer o máximo possível a cada dia.

Conversão é se perguntar a cada dia “eu estou mesmo fazendo o meu melhor, o máximo que
posso agora”?

A Grande Quaresma
Pois que essa visão muda toda a vivência do cristianismo, já que torna toda a vida uma Grande
Quaresma, ou seja, a vida é uma sucessão de purificações e conversões, e esse tempo é
favorável para treinar essa realidade da vida cristã, nós estamos em constante preparo para a
Grande Páscoa das nossas vidas, para o dia da ressurreição. Assim não deixe essa oportunidade
passar, a mudança não virá de nenhum outro lugar fora do caminho de purificação e conversão.

E para que a purificação resulte em conversões é preciso fazer uso do remédio da Penitência.
Afinal se as escolhas más foram tomadas, agora estão confessadas, mas é preciso ainda
equilibrar a desordem que os atos maus provocam, em você e na Igreja, com boas atitudes e atos
que geram mortificação.

A palavra mortificação vem da palavra morte, mortificar-se é deixar-se morrer. A morte e a


ressurreição são uma realidade cristã que pode ser vivenciada com alguma frequência durante
essa jornada da Grande Quaresma rumo à Grande Páscoa. Quando nos propomos,
voluntariamente, a nos mortificarmos realizamos uma atitude de auto domínio naquela área
desequilibrada e que impulsionou atos destruidores da relação com Deus.

Toda penitência gera mortificação e por isso nos purifica dos pecados e ainda nos fortalece para
mudar a direção cada vez mais para Deus.

Esse fortalecimento é de uma importância radical, já que é preciso direcionar a vontade para um
novo caminho. A alma humana possuí duas faculdades básicas: a inteligência e a vontade. A
inteligência é alimentada pelo conhecimento das leis divinas, mas quem a coloca em prática é a
vontade, que, quase sempre, se vê entorpecida pela consciência adoentada pelos pecados e
portanto é fraca, não se determina em ser determinada, portanto, a penitência é usada também
para a mortificação dessa ferida terrível dos tempos em que a alma estava adoentada.

Os santos nos ensinam a fazer penitência

O entendimento sobre penitência, assim como tantos outros, é equivocado. Muitas pessoas já
imaginam caveiras ambulantes quando pensam em penitência, flagelações e outras tantas coisas
que podem ou não envolver jatos de sangue. Mas a realidade é que a maioria das obras de
penitência são simples e corriqueiras, mas que se transformam em obras em prol da purificação,
conversão e mortificação em reparação pelos pecados, quando as fazemos em espírito de
contrição. Por exemplo:

1. Renúncia à própria vontade;

2. Abstinência de comida e bebida;

3. Rigor do silêncio;

4. Vigílias de oração durante a noite;

5. Derramamento de lágrimas;

6. Dedicação de tempo à leitura;

A Grande Quaresma
7. Trabalho físico exigente;

8. Ajudar generosamente os outros;

9. Vestir-se modestamente;

10. Desprezar a própria vaidade.

Essas orientações são de Santo Antônio de Pádua, um franciscano, no Sermão do Domingo de


Pentecostes, 17.

Vês? E sinda São Josemaria Escrivá em seu livro Amigo de Deus (138-140), nos diz:

"Penitência é o cumprimento exato do horário que marcaste, ainda que o corpo resista ou a
mente pretenda evadir-se em sonhos quiméricos. Penitência é levantar-se na hora. E também
não deixar para mais tarde, sem um motivo justificado, essa tarefa que te é mais difícil ou
trabalhosa.

A penitência está em saberes compaginar todas as tuas obrigações - com Deus, com os
outros e contigo próprio -, sendo exigente contigo de modo que consigas encontrar o tempo de
que cada coisa necessita. És penitente quando te submetes amorosamente ao teu plano de
oração, apesar de estares esgotado, sem vontade ou frio.

Penitência é tratar sempre com a máxima caridade os outros, começando pelos da tua
própria casa. É atender com a maior delicadeza os que sofrem, os doentes, os que padecem. É
responder com paciência aos maçantes e inoportunos. É interromper ou modificar os programas
pessoais, quando as circunstâncias - sobretudo os interesses bons e justos dos outros - assim o
requerem.

A penitência consiste em suportar com bom humor as mil pequenas contrariedades da


jornada; em não abandonares a tua ocupação, ainda que de momento te tenha passado o gosto
com que a começaste; em comer com agradecimento o que nos servem, sem importunar
ninguém com caprichos. (...)

Poderia continuar a apontar-te uma multidão de detalhes - citei-te apenas os que me vinham à
cabeça - que podes aproveitar ao longo do dia para te aproximares mais e mais de Deus, mais e
mais do teu próximo. Se te mencionei esses exemplos, insisto, não é porque eu despreze as
grandes penitências (...). Mas já te aviso que as grandes penitências são compatíveis com as
quedas aparatosas, provocadas pela soberba.

Em contrapartida, se alimentamos um desejo contínuo de agradar a Deus nas pequenas batalhas


pessoais - como sorrir quando não se tem vontade; eu vos garanto, além disso, que em certas
ocasiões custa mais um sorriso do que uma hora de cilício -, é difícil dar pasto ao orgulho, à
ridícula ingenuidade de nos considerarmos heróis notáveis; ver-nos-emos como um
menino que mal consegue oferecer a seu pai ninharias - ninharias que, no entanto, são
recebidas com imenso júbilo.

Portanto, um cristão tem que ser sempre mortificado? Sim, mas por amor. Porque este tesouro
da nossa vocação nós o trazemos em vasos de barro, para que se reconheça que a grandeza do

A Grande Quaresma
poder é de Deus e não nossa. (...) Trazemos sempre no nosso corpo por toda a parte a
mortificação de Jesus, a fim de que a vida de Jesus se manifeste também em nossos corpos.

Como é que nos atrevemos a clamar sem hipocrisia: 'Senhor, doem-me as ofensas que ferem o
teu Coração amabilíssimo', se não nos decidimos a privar-nos de uma insignificância ou a
oferecer um sacrifício minúsculo em louvor do seu Amor? A penitência - verdadeiro
desagravo - lança-nos pelo caminho da entrega de nós mesmos, da caridade. Entrega para
reparar, e caridade para ajudar os outros, como Cristo nos ajudou."

Também lhe apresento outras formas que podem lhe auxiliar a entender a variedade de
penitências possíveis, no entanto não se ponha fazer todas, sim? É preciso simplicidade e
coragem, escolha alguma que lhe seja difícil e se determine a vivenciá-la custe o que custar.

Penitências gastronômicas:

– Trocar a carne por peixe, ovos ou queijo (ou mesmo comer puro);

– Comer menos arroz, feijão, pão, macarrão, para sair da mesa com um pouco de apetite;

– Eliminar todos os doces, refrigerantes, chocolate e demais guloseimas;

– Nas refeições, acrescentar algo que seja desagradável, como diminuir a quantidade de sal ou
colocar um condimento que quebre um pouco o sabor;

– Comer algum legume ou verdura que não se goste muito;

– Diminuir ou mesmo tirar as refeições intermediárias (como o lanche da tarde);

– Tomar café sem açúcar, ou água numa temperatura menos agradável;

– Reservar algum dia para o jejum total ou parcial.

Penitências corporais:

(Apenas para ajudarem a não perdermos o sentido do sacrifício ao longo do dia, a não sermos
relaxados, devendo ser pequenas e discretas).

– Dormir sem travesseiro;

– Sentar-se apenas em cadeiras duras;

– Rezar alguma oração mais prolongada de joelhos (Santa Gema rezava três Ave Marias com as
de joelhos com as mãos embaixo dos joelhos pedindo a virtude da pureza, isso mesmo quando
estava doente);

– Não usar elevadores ou escadas rolantes;

– Trabalhar sem se encostar na cadeira;

A Grande Quaresma
– Cuidar da postura corporal (São Josemaria Escriva fazia muito essa);

– Descer um ponto antes do ônibus e fazer uma parte do caminho à pé;

– Deixar de usar o carro e pegar um transporte coletivo.

Penitências Morais:

(São as mais importantes)

– Não reclamar das contrariedades do dia, mas agradecer e louvar a Deus;

– Sorrir sempre, mesmo quando haja um stress;

– Moderar a frequência às redes sociais, celular e computador (reduzir a poucas vezes ao dia);

– Desligar as notificações do celular;

– Fazer os serviços mais incômodos na casa e no trabalho antes do restante das tarefas, ajudando
os outros;

– Acordar mais cedo para fazer oração;

– Não ouvir música no carro;

– Não assistir TV, mas dedicar este tempo à leitura (aliás você poderia deixar de assistir TV
para sempre);

– Não usar jogos eletrônicos, caso seja viciado;

– Fazer algum trabalho voluntário;

– Rezar mais pelos outros, do que por si mesmo;

– Reservar dinheiro para dar esmolas, mas sobretudo, atenção aos mendigos;

– Não se defender quando alguém lhe acusa;

– Falar bem das pessoas que gostaria de criticar;

– Ouvir as pessoas incômodas sem as interromper;

– Dormir e acordar no horário, mesmo sem vontade.

A Grande Quaresma
Frases para meditar

Deves dar a esmola ao pobre não só com a mão mas com o afeto do coração, para que a avareza
não fique a chorar a esmola (Santo António).

Os tempos e os dias de penitência no decorrer do Ano Litúrgico (tempo da Quaresma, cada


sexta-feira em memória da morte do Senhor) são momentos fortes da prática penitencial da
Igreja (O Catecismo §.1438).

A Quaresma é um tempo propício para o despojamento; e far-nos-á bem questionar-nos acerca


do que nos podemos privar a fim de ajudar e enriquecer a outros com a nossa pobreza (Papa
Francisco).

Sede sóbrios e estai vigilantes. O vosso adversário, o demônio, anda à vossa volta, como leão
que ruge, procurando a quem devorar. Resisti-lhe, firmes na fé (1 Pe 5, 8-9a).

A Grande Quaresma
Através das práticas tradicionais do jejum, da esmola e da oração, expressões do empenho de
conversão, a Quaresma educa para viver de modo cada vez mais radical o amor de Cristo (Papa
Bento XVI).

A oração é a água viva que murmura dentro de nós e diz: vem para o Pai (Santo Inácio de
Antioquia).

A Quaresma proporciona a arma prática e eficaz do jejum e da esmola para lutar contra o
desmedido apego ao dinheiro (São João Paulo II).

O percurso quaresmal encontra o seu cumprimento no Tríduo Pascal, particularmente na Grande


Vigília na Noite Santa: renovando as promessas batismais, reafirmamos que Cristo é o Senhor
da nossa vida, daquela vida que Deus nos comunicou quando renascemos “da água e do Espírito
Santo…” (Bento XVI).

O jejum é a alma da oração e a misericórdia é a vida do jejum, portanto quem reza jejue. Quem
jejua tenha misericórdia. Quem, ao pedir, deseja ser atendido, atenda quem a ele se dirige.
Quem quer encontrar aberto em seu benefício o coração de Deus não feche o seu a quem o
suplica (São Pedro Crisólogo).

Para que esta oferta seja aceita a Deus, deve acompanhá-la a misericórdia; o jejum só dá frutos
se for regado pela misericórdia, pois a aridez da misericórdia faz secar o jejum (São Pedro
Crisólogo).

Sabeis qual é o jejum que eu aprecio? – diz o Senhor Deus: É romper as cadeias injustas, desatar
as cordas do jugo, mandar embora livres os oprimidos, e quebrar toda a espécie de jugo. É
repartir o seu alimento com o esfaimado, dar abrigo aos infelizes sem asilo, vestir os
maltrapilhos, em lugar de desviar-se do seu semelhante (Is 58, 6-7).

A quaresma é período de penitência, de conversão, de mudança do coração (metanóia), que se


inspira em diversos motivos, mas sobretudo nasce da meditação da Paixão e da Morte de Jesus
Cristo (São João Paulo II).

A esmola e os gestos de caridade que somos convidados a fazer particularmente neste tempo
penitencial, não constituem, porventura, uma resposta à gratuidade da graça divina? Se
recebemos gratuitamente, é gratuitamente que devemos dar (Mt 10, 8) (São João Paulo II).

A Grande Quaresma
Laetare!

Laetare não é a euforia, é a alegria da conversão, da mudança de vida, é o sorriso na alma de


quem sente a brisa de novos ares. Alegria daquele que sabe que Cristo de fato nos livra de todo
jugo, nos dá uma salvação integral, total.

Ora, nós sabemos que Jesus veio trazer a salvação integral. É precisamente a esta salvação
integral que a Quaresma nos quer guiar, tendo em vista a vitória de Cristo sobre todo o mal
que oprime o homem (Bento XVI).

Assim como nos vem um tempo de alegria na austeridade da Quaresma, no IV Domingo da


Quaresma, temos também a alegria da Santa Eucaristia durante esta quaresma e durante toda a
Grande Quaresma, um tesouro encontrado além da muralha que nos permite experimentar uma
antecipação da vida com Deus.

A Eucaristia é a nossa maior arma nessa jornada, esse Pão dos Anjos é o nosso alimento
principal. Que tudo façamos para que nada nos aparte Dele.

A Grande Quaresma
O domingo da alegria

Este Domingo chamado Laetare, da primeira palavra do Intróito da Missa, é um dos mais
célebres do ano. Neste dia a Igreja suspende as tristezas da Quaresma; os cantos da Missa não
falam senão de alegria e de consolação; se faz ouvir novamente o órgão, que permaneceu mudo
nos três Domingos precedentes; [... ] é consentido substituir os paramentos roxos com
paramentos rosa. Os mesmos ritos já os havíamos visto praticarem durante o Advento, no
Terceiro Domingo chamado Gaudete. Manifestando hoje a Igreja a sua alegria na Liturgia,
quer felicitar-se do zelo de seus filhos; havendo eles já percorrido a metade da Santa
Quaresma, quer estimular o seu ardor a prosseguirem até o fim.

A Rosa de Ouro

A bênção da Rosa é ainda hoje um dos particulares ritos do Quarto Domingo da Quaresma,
por qual razão vem chamado também de Domingo da Rosa. Os graciosos pensamentos que
inspira esta flor são em harmonia com os sentimentos que hoje a Igreja quer infundir nos seus
filhos, aos quais a alegre Páscoa logo abrirá uma primavera espiritual, em confronto da qual a
primavera da natureza não é senão uma pálida idéia. Também esta instituição remonta aos
séculos mais distantes. A instituiu São Leão IX, em 1049, na Abadia da Santa Cruz de
Woffenheim; e nos resta um sermão sobre a Rosa de Outro, que Inocêncio III pronunciou
aquele dia na Basílica da Santa Cruz em Jerusalém (PL 217,393). Na Idade Média, quando o
Papa morava ainda no Latrão, depois de haver abençoado a Rosa, seguia em cortejo todo o
Sacro Colégio, rumo à igreja da Estação, levando na cabeça a Mitra e na mão esta flor
simbólica. Chegado à Basílica, pronunciava um discurso sobre os mistérios representados pela
Rosa por causa de sua beleza, a sua cor e o seu perfume. Então se celebrava a Missa;
terminada a qual, o Pontífice retornava ao Palácio Laterantense, atravessando a esplanada
que separa as duas Basílicas, sempre com a Rosa na mão. Chegado à porta do palácio, se no
cortejo era presente um príncipe, cabia a ele conduzir as rédeas e ajudar o pontífice a
desmontar do cavalo; em recompensa da sua cortesia recebia a Rosa, objeto de tanta honra.

Aos nossos dias a função não é mais tão imponente; mas lhes há conservado todos os principais
ritos. O Papa abençoa a Rosa de Ouro na Sala dos Paramentos, a unge com o Santo Crisma e
sobre ela espalha um pó perfumado, conforme o rito de um tempo; e quando chega o momento
da Missa Solene, entra na Capela do Palácio, tendo entre as mãos a flor. Durante o Santo
Sacrifício a rosa é colocada sobre o altar e fixada sobre um rosário de ouro feito para este fim;
finalmente, terminada a Missa, ela é levada ao Pontífice, o qual ao sair da Capela a tem
sempre entre as mãos até a Sala dos Paramentos. Muitas vezes o Papa costuma enviar a Rosa a
qualquer príncipe ou princesa que deseja honrar; outros vezes é uma cidade ou então uma
Igreja que é feita objeto de tal distinção.

A Grande Quaresma
Bênção da Rosa de Ouro

Damos aqui a tradução da bela oração com a qual o Soberano Pontífice abençoa a Rosa de
Ouro: essa ajudará os nossos leitores a melhor penetrarem o mistério desta cerimônia, que
acrescenta tanto esplendor ao quarto Domingo da Quaresma:

“Ó Deus, que tudo criastes com a vossa palavra e poder, e que governais com a vossa vontade;
Vós que sois o gozo e a alegria de todos os fiéis; suplicamos a vossa majestade que vos digneis
abençoar e santificar esta Rosa de aspecto e perfume tão agradáveis, que nós devemos hoje em
trazer entre as mãos, em sinal de alegria espiritual: para que o povo a vós consagrado,
arrancado do jugo da escravidão da Babilônia com a graça do vosso Filho Unigênito, glória e
alegria de Israel, exprima com coração sincero as alegrias da Jerusalém do alto, nossa mãe. E
como a vossa Igreja, à vista deste símbolo, exulta de felicidade pela glória do vosso Nome,
concede-lhe, ó Senhor, um contentamento verdadeiro e perfeito. Agrade-vos a sua devoção,
absolve os seus pecados, aumenta-lhe a fé; abate os seus obstáculos e concede-lhe todo bem:
para que a mesma Igreja vos ofereça o fruto de suas boas obras, caminhando atrás dos
perfumes desta flor, a qual, surgida da planta de Jessé, é misticamente chamada a flor dos
campos e o lírio dos vales; e que ela mereça gozar um dia a alegria sem fim na glória celeste,
em companhia de todos os Santos, com a Flor Divina que vive e reina contigo, na unidade do
Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. Amém”.

GUÉRANGER, D. Prósper, OSB. L’anno liturgico: I. Avvento - Natale - Quaresima – Passione. Trad. it. P. Graziani.
Alba, 1959. Disponível em: http://www.unavoce-ve.it/gueranger.htm. Acesso em: 13 mar. 2010.

A Grande Quaresma
Tempo favorável
Doces belezas nos reserva esse tempo, pois essas atitudes tomadas nesses quarenta dias e
exercitadas em todos os outros dias da nossa Grande Quaresma te promoverão mais benefícios
do imagina.

Desejo que você tenha uma Santa Quaresma. Santa por ser simples, pelo caminho da
purificação, da honestidade e da conversão, isso é que verdadeiramente gera mudança de vida.

A Grande Quaresma
"Nunca há de um fracasso anular nosso ardor,

Nem sucesso trivial diminuir o labor,

Dum passado infecundo herdamos a desventura

Melhoremos, por Deus, nossa vida futura "

(Jekai)

Singelamente,

Ana Paula Barros

A Grande Quaresma
Orações
Oração de Santa Teresinha

Ó Jesus, estando Vós sobre a terra, dissestes:

"Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração,

e achareis descanso para a vossa alma".

Ó poderoso Monarca dos Céus,

a minha alma acha o seu repouso contemplando-vos

revestido das aparências e da natureza de escravo,

abaixando-vos até lavar os pés aos vossos discípulos.

Recordo, ó Jesus, as palavras que,

para me ensinardes a humildade,

pronunciastes nessa ocasião:

"Eu vos dei o exemplo, para que, assim como

eu vos fiz, assim vós também façais.

Não é o discípulo maior do que o seu mestre…

Se sabeis estas coisas, bem-aventurados se as praticardes".

Senhor, eu compreendo estas palavras saídas do vosso coração,

manso e humilde, e quero praticá-las, ajudada pela vossa divina graça.

Quero humilhar-me e sujeitar a minha vontade à de minhas irmãzinhas,

sem nunca contradizê-las, sem investigar se têm ou não sobre mim direito de mandar.

Ninguém, meu Deus, tinha este direito sobre Vós,

e todavia obedecestes, não só à Santíssima Virgem e a São José,

mas até aos Vossos algozes!

E na Santa Eucaristia, pondes o cúmulo ao Vosso aniquilamento.

A Grande Quaresma
Com que humildade, ó Divino Rei da glória, obedeceis a todos os sacerdotes,

fervorosos ou tíbios no Vosso divino serviço!

Eles podem apressar ou retardar a hora do sacrifício,

e Vós estais sempre pronto a descer do Céu.

Ó meu bom Jesus, como Vos mostrais

manso e humilde debaixo do véu da hóstia imaculada!

Ah! não poderíeis vos humilhar demais para me ensinar a humildade!

Para corresponder, pois, ao vosso amor,

quero colocar-me no último lugar e partilhar Convosco as humilhações,

a fim de ter parte convosco no reino dos Céus.

Suplico-vos, Divino Jesus, me mandeis uma humilhação

toda vez que ousar elevar-me sobre os outros.

Mas oh! como sou fraca; de manhã proponho ser humilde,

e à noite reconheço ter pecado por orgulho.

Vendo-me tal, sou tentada a desanimar,

mas sei que também o desânimo é orgulho.

Portanto, quero fundar a minha esperança somente em Vós, meu Deus.

E já que Vós sois todo poderoso,

concedei-me esta virtude, muito desejada.

E para que eu seja atendida, repetirei:

"Jesus, manso e humilde de coração,

fazei o meu coração semelhante ao vosso!"

A Grande Quaresma
Ladainha da Humildade

Senhor, tende piedade de mim.

Jesus, doce e humilde de coração, ouvi-me.

Jesus, doce e humilde de coração, atendei-me.

Do desejo de ser estimado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser amado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser louvado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser procurado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser honrado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser preferido, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser consultado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser aprovado, livrai-me, Jesus.

Do desejo de ser tido em conta, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser humilhado, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser desprezado, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser rejeitado, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser caluniado, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser esquecido, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser repreendido, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser escarnecido, livrai-me, Jesus.

Do temor de ser injuriado, livrai-me, Jesus.

Ó Maria, Mãe dos humildes, rogai por mim.

S. José, protetor das almas humildes, rogai por mim.

S. Miguel Arcanjo, que fostes o primeiro a reprimir o orgulho, rogai por mim.

A Grande Quaresma
Ó Justos todos, santificados especialmente pelo espírito de humildade, rogai por mim.

Oremos

Ó Jesus, cuja principal lição foi esta: “Aprendei de mim que sou doce e humilde de
coração”, ensinai-me a ser humilde de coração, como Vós. Amém.

Ó Deus, Vós que resistis aos soberbos e concedeis a graça aos humildes, concedei-nos a
virtude da verdadeira humildade, de que a vosso Filho Unigênito foi tão perfeito
modelo, a fim de que nunca provoquemos com o nosso orgulho a vossa indignação, mas
consigamos pela humildade os dons da vossa graça, por Nosso Senhor Jesus Cristo.
Amém.

A Grande Quaresma