Você está na página 1de 3

Tecnologias da Palavra

Programa

I. Apresentação
Ong considera serem três as grandes tecnologias da palavra: a escrita, a imprensa e o
computador. Nesta disciplina, pretende-se que o aluno adquira conhecimentos sobre estas três
invenções e as suas implicações no sistema de comunicação humano, de modo a que essa
informação sirva de ponto de partida para uma reflexão mais esclarecida e aprofundada acerca dos
desafios que hoje se colocam à Comunicação. Com efeito, a cultura do livro impresso formou o modo
de pensar ocidental e é esse modelo que sofre alterações radicais ao confrontar-se com uma nova
cultura, a do multimédia.

II. Conteúdos

1. Da escrita pictográfica à escrita alfabética: o arquitectar de uma civilização

1.1 As escritas não-alfabéticas


As funções da escrita
A evolução dos suportes e instrumentos de escrita
O papel dos escribas
1.2 As escritas alfabéticas.
Antiguidade Greco-latina
O alfabeto grego
Da leitura oral à leitura silenciosa
O alfabeto romano
As metamorfoses da escrita romana
A leitura no mundo romano – os novos leitores
A invenção do códice literário
Alta Idade Média
A escrita carolíngia
A leitura silenciosa e de reflexão
O uso da glosa
Baixa Idade Média
A escrita gótica
O modelo escolástico de leitura
As notas tironianas e as abreviações

2. O surgimento da imprensa e a democratização do saber

2.1 A imprensa
A escrita humanista e os primeiros caracteres da imprensa
A evolução dos dispositivos editoriais e a banalização do livro portátil
A profissão do autor e do editor
2.2 O século XVIII e a “raiva da leitura”
O surgimento de bibliotecas de empréstimo e sociedades de leitura
A passagem de uma leitura intensiva a uma leitura extensiva
2.3 O século XIX e o alargamento do público leitor
A alfabetização de massas
A produção em série de livros
A exaltação do génio do autor

3. Cultura do livro impresso vs. cultura multimédia: que futuro?

3.1 As funções da escrita na Sociedade de Informação


3.2 A Internet
Os fenómenos linguísticos
Os novos géneros: blogs, fóruns de discussão, sites, chats, facebooks
Consequências da Internet no sistema da enciclopédia humana
Ler no ecrã vs. ler no livro impresso
3.3 O hipertexto
A fragmentação da informação
A leitura do hipertexto
O hipertexto e a ciberliteratura
3.4 A edição electrónica
Os media online, offline e o ebook
O paratexto na edição em papel e na edição electrónica
Modificações do papel do autor, do editor e do leitor
A questão da “Morte do livro”
A biblioteca tradicional e a biblioteca digital
3.5 Um novo conceito de literacia para o século XXI: a “Nova literacia dos Media”.

III. Avaliação

A avaliação terá por base duas provas escritas, a realizar em aula. A avaliação final corresponderá à
média aritmética das classificações das provas escritas. Esta poderá, no entanto, aumentar até ao
máximo de 1 valor, segundo os resultados obtidos pelos alunos nos seguintes domínios:
Assiduidade e participação em aula;
Realização de pequenos trabalhos.

IV. Regime de frequência


Alunos inscritos no regime ordinário – a frequência de menos de 60% das aulas acarretará a
exclusão automática do aluno.

V. Bibliografia
AA.VV., Aux sources de l'écriture, Paris, Unesco, 1995.
AA.VV., La rivoluzione tipográfica, Milano, Edizioni Silvestre Bonnard, 2001.
ABREU, Márcia (org.), Leitura, história e história da leitura, Campinas (S. Paulo), ALB/ Mercado de Letras,
FAPESP, 2000.
ANSELMO, Artur, Estudos de História do Livro, Lisboa, Guimarães, 1997.
ANSELMO, Artur, História da Edição em Portugal, Porto, Lello & Irmão-Ed., 1991.
ARAGÃO, Maria José, História da Escrita, Viseu, Palimage, 2003.
BARON, Naomi S., “Rethinking written culture”, Language Sciences 26, 2004, 57-96.
CALVET, Louis-Jean, Histoire de l’écriture, Paris : Hachette Littératures, 1996.
CASTILLO GOMEZ, Antonio, Das tabuinhas ao hipertexto: uma viagem na história da cultura escrita, Lisboa,
Biblioteca Nacional, 2004.
CAVALIERE, Alessandro, El libro impreso y el libro digital, Alicante, Universidad de Alicante, 2005.
CAVALLO, Guglielmo (dir.), Libros, Editores y Publico en el Mundo Antiguo – Guia Historia y Critica, Madrid,
Alianza, 1995.
CHARTIER, Roger, CAVALLO, Guglielmo, Histoire de la lecture dans le monde occidental, Paris, Seuil, 1997.
CHARTIER, Roger, LEBRUN, Jean, Le livre en révolutions, Paris, Textuel, 1997.
CHARTIER, Roger, Libros, Lecturas y Lectores en la Edad Moderna, Madrid, Alianza, 1994.
Las revoluciones de la cultura escrita : diálogo e intervenciones, Barcelona : Gedisa Editorial, 2000.
Práticas da leitura, São Paulo, Estação Liberdade, 2001.
Os Desafios da Escrita, UNESP, 2002.
Formas e sentido. Cultura escrita: entre distinção e apropriação, Campinas, Mercado de Letras, 2003.
CHRISTIN, Anne-Marie (ed.), A History of Writing: from Hieroglyph to Multimedia, Paris, Flammarion, 2002.
COSENZA, Giovanna, Semiotica dei nuovi media, Bari, Laterza, 2004.
DAKERS, J. R., Defining technological literacy: towards an epistemological framework, Gordonsville, VA,
Palgrave Macmillan, 2006.
DEMARIA, C., FEDRIGA, R., Il paratesto, Milano, Edizioni Silvestre Bonnard, 2001.
DIRINGER, David, A escrita, Lisboa, Verbo, 1971.
EISENSTEIN, Elizabeth, La revolución de la Imprenta en la Edad Moderna Europea, Madrid, Ediciones Akal,
1994.
FEBVRE, Lucien, MARTIN, Henri-Jean, O Aparecimento do Livro, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 2000.
FERNANDES, Noélia da Mata, A autoria e o hipertexto, Coimbra, Minerva Coimbra, 2003.
FURTADO, José Afonso, Os livros e as leituras: novas ecologias da informação, Lisboa, Livros e Leituras, 2000.
GUEDES, Fernando, O livro e a leitura em Portugal. Subsídios para a sua história, Lisboa, Verbo, 1987.
HAVELOCK, Eric, A musa aprende a escrever : reflexões sobre a oralidade e a literacia da antiguidade ao
presente, Lisboa, Gradiva, 1996.
HEISE, Ursula K., “Unnatural Ecologies: The Metaphor of the Environment in Media Theory”, Configurations 10,
2002, 149-168.
HIGOUNET,Charles, L’écriture, (“Que sais-je?”), Paris : Presses Universitaires de France, 2003.
JEAN, Georges, L'écriture, mémoire des hommes, Paris, Gallimard, 1998.
KRESS, Gunther, Before writing: rethinking the paths to literacy, London, Routledge, 1997.
LANKSHEAR, C., New literacies: Everyday practices and classroom learning, Buckingham, Open University Press,
2006.
MANGUEL, Alberto, Uma história da leitura, trad. de Ana Saldanha, Lisboa, Presença, 1999.
MARTINS, Wilson, A palavra escrita: história do livro, da imprensa e da biblioteca, ed,. de Nelson dos Reis, São
Paulo, Ática, 2001.
MACLUHAN, Marshal, A galáxia de Gutenberg : a formação do homem tipográfico, São Paulo, Companhia
Editora Nacional, 1977.
MONET, Dominique, O multimédia, Lisboa, Instituto Piaget, 1996.
ONG, Walter, Orality and literacy: the technologizing of the word, London, New York, Methuen, 1987.
PAHL, K., (ed.), Travel notes from the new literacy studies: instances of practice, Clevedon, Multilingual Matters
Limited, 2006.
REINKING, David (ed.), Handbook of literacy and technology: transformations in a post-typographic world,
Mahwah, N.J., Lawrence Erlbaum Associates, Publ, 1998.
WOLTON, Dominique, E depois da Internet?: para uma teoria crítica dos novos médias, Miraflores, Difel, 2000.

Docente: Dominique Faria (dominiquefaria@uac.pt)