Você está na página 1de 85

CAINDO PARA A BABÁ

Disponibilização e Revisão: Mimi


Gênero: Hetero / Contemporâneo
Meu vizinho é um pai solteiro. Um pai muito, muito quente solteiro.

E ele quer que eu seja sua babá.

Eu poderia usar o dinheiro extra, essa parte é fácil. O que não é fácil é o fato de eu ter uma

paixão por Deacon por anos. Ele nunca soube, e isso nunca importou. Eu era muito jovem então.

Mas eu não sou agora.

Ele me olha como se quisesse rasgar minhas roupas. Seu irmão me odeia, porém - pensa que não

sou boa, apenas outra mulher tentando destruir a vida de Deacon. Se ele nos pegar juntos, ele

provavelmente vai jogá-lo e sua filha bonitinha na rua só para provar um ponto.

Eu não posso deixar isso acontecer.

Mas depois de ver Deacon sem camisa. Percebendo quão rígido todo o seu corpo fica ao meu

redor ...Não tenho certeza se posso continuar resistindo.

Ou se eu quero.

2
Comentários da Revisão

Mimi

Essa capa é tão cute-cute. Que vontade de apertar. Lindosssss.

Apesar de ser uma historia curta e rápida demais para o meu gosto, e essa historia de que quero te ver

gravida realmente me encheu, mesmo assim foi um lindo livro. Tão doce que me deixou em coma.kkkk

Falando serio este livro cai sob a premissa de homem mais velho / mulher mais jovem. Remy tem 18 e

Deacon 30. Admito que sempre fico um pouco apreensiva quando mergulho em um livro erótico com

uma heroína mais nova do que o mocinho. Preciso dizer que fico feliz, que isso não foi chato. Sim, ela é

doce e inocente, no entanto Remy era madura para a sua idade. Ela tinha amado Deacon desde que era

criança. As cenas de sexo são muito úmidas e às vezes doces, como ela se guardou na esperança de

Deacon ser seu primeiro. O pequeno epílogo bonito com um relance de seu futuro nos deixa querendo

saber mais sobre os personagens.

3
1

REMY

O lixo cheira repugnante. "Deus, alguma coisa rastejou lá dentro e morreu?" Minha

amiga Clara diz ao meu lado enquanto rolo o cesto de lixo para o meio-fio. Ela ficou para a

noite de filme de terror, uma tradição mensal que temos mantido desde que tínhamos doze

anos.

Eu prendo a minha respiração, o rosto arranhado para cima apertado. "Sim, qualquer

coisa que a minha mãe tentou nos alimentar ontem à noite."

"O que foi isso?" Clara diz.

"Tofu."

"É algum tipo de pássaro, porque se for, deve ser caçado até que esteja extinto."

Eu ri. Pobre Clara. Sua família é estritamente carne e batatas. Ela nunca viu uma couve

de Bruxelas até nós comermos. Ela pensou que era o mais fofo do bebê repolho até que ela

realmente tentou fazê-lo. Agora ela os chama de verrugas do diabo.

"É feito de grãos de soja, eu acho."

O sol acaba de ressuscitar. Há uma névoa enrolando o cimento enquanto o dia se

aquece. O céu, com suas camadas de laranja e amarelo vibrante, se parece com milho doce.

Um belo dia de outono.

Os sprinklers vêm com um assobio que me assusta primeiro antes que eu realize o que

fez aquele som. Nós temos que correr pelo gramado de pés descalços para chegar ao jornal

antes que ele esteja arruinado. Não importa quantas vezes minha mãe reclamasse, o cara que

entrega nosso jornal sempre joga no gramado em vez da varanda da frente.

Eu estou agitando as gotas de água quando ouço o estrondo profundo de uma

caminhonete. Vejo quando isso puxa em Sam-meu vizinho-dirigindo. Mas meu vizinho

dirige um Toyota Prius, então eu sei que não é ele, a menos que ele tenha um carro novo.

Com a aparência de seu escritório nerd, ele realmente não parece um tipo de caminhão de

cara, então eu duvido.


4
O motor desliga e leva um minuto para o motorista sair do veículo. Então Deacon sai

do lado do motorista e meu coração explode em meu peito.

"Oh meu Deus." Eu digo, parada ali, estupefata.

Clara se vira para a casa do meu vizinho. "Puta merda, isso é..."

"Sim. Não olhe fixamente!" Eu a agarro pelos ombros e torço seu corpo para me

enfrentar.

"Finja que estamos falando." Eu digo.

"Nós estamos falando."

"Apenas fique aí para que eu possa olhar sem ser óbvio, estou olhando." Digo

enquanto o observo por cima do ombro.

Ela resmunga. "Bem. Mas apresse-se. Está congelando aqui.”

Deacon é o irmão de Sam. Ele costumava possuir a casa, depois vendeu para Sam

depois que ele se casou. Lembro-me de sentar na minha velha casa na árvore, observando

como ele carregava suas caixas no U-Haul, meio tentada a ir ao lado e colocar cada caixa de

volta na casa para que ele não pudesse sair. Isso foi há alguns anos. Eu não o vi desde então.

Até agora.

Ele ainda parece tão incrível como fez naquela época. Um pouco mais maduro, talvez,

e mais grosso com músculo do que eu me lembro. Claramente, aquele arrojo confiante nunca

desapareceu. Isso é fácil de dizer, mesmo a essa distância quando ele foi para a porta traseira

do caminhão.

O que não é fácil de ver é o que está no banco de trás do caminhão. Eu aperto os olhos

para ver melhor. É esse o topo de um assento de carro eu vejo na janela de volta?

"Isso é..." Eu começo a dizer, mas distraio-me e não termino o pensamento.

"Isso é o quê?" Clara diz, começando a se virar, mas eu a paro.

"Não olhe." Eu digo. “Ele nos verá olhando para ele.”

“Então me diga o que está acontecendo!”

Eu continuo assistindo, segurando minha respiração. Ele tem um filho? Meu coração

está batendo tão forte que posso sentir isso em meus dentes. Eu estou nas pontas de meus

dedos do pé, olhando através da névoa do pulverizador do pulverizador. Quando dou um


5
passo mais perto, um fluxo de água bate-me morto no rosto. Eu grito, e Clara grita enquanto

tentamos sair do caminho. Deacon olha para nós, e eu finjo que não estava olhando.

Quando estamos fora do caminho do fluxo de sprinklers, olho para ele novamente.

Isso é quando Deacon puxa um bebê de um assento de carro.

"Oh meu Deus, ele tem um bebê agora." Eu digo.

Clara fica com esse olhar de irritada em seu rosto. "Posso olhar, por favor, agora."

"Ainda não."

Deacon tinha vinte e cinco anos quando eu comecei a percebê-lo como algo mais do

que apenas meu vizinho como todo o resto. Eu tinha treze anos. Eu tinha a maior paixão por

ele. Foi seu sorriso que primeiro me atraiu para ele. Algumas crianças vizinhas e eu

estávamos em skate na frente da minha casa. Um dos meninos com quem passei na época -

meu primeiro esmagamento - tinha construído um tubo de um quarto para andarmos de

skate, e nós o arrastamos para a rua durante o verão, enquanto a maioria das pessoas

estavam no trabalho e nós não tínhamos que nos preocupar sobre o tráfego. Eu estava muito

envergonhada de usar um capacete, porque eu, embora me fez parecer estúpido, queria

parecer boa para a minha paixão, então eu tinha tirado. Bem, como uma idiota, eu caí. Não

de uma forma grande, épica, enquanto fazia um truque. Eu estava patinando em uma

superfície plana quando minha roda pegou uma pedra e fui de cara primeiro no cimento.

Deacon tinha estado ao lado e tinha visto tudo. Ele correu e me ajudou a sair do chão.

A princípio, ele pareceu aterrorizado, seu rosto todo amontoado com preocupação até que

ele viu que eu estava bem. Nada machucou, realmente, exceto meu orgulho. Apenas uma

pequena erupção da estrada. Eu era uma criança dura e tinha experimentado piores. Quando

ele viu que eu estava bem, seu rosto estourou no sorriso mais eletrizante que eu já tinha visto.

“Você teve inferno fora de mim." Ele tinha dito. Tudo que eu poderia fazer era olhar

fixamente esse sorriso branco magnífico. Minha outra paixão era uma lembrança distante.

Deacon tinha consumido meus pensamentos depois disso. Todo dia eu me sentava no meu

quintal e o observava. Principalmente da minha casa na árvore porque eu gostei da vista de

olho de pássaro. Ele tinha um corpo incrível e estava sempre no quintal trabalhando sem

camisa ou lavando seu carro. Ele tinha um carro velho na época e estava apaixonado por ele.
6
Ele iria lavar e encerar várias vezes por semana. Eu encontrei todos os lugares diferentes na

minha casa para olha-lo. No verão, quando era muito chato ou quente demais para estar lá

fora, eu me sentava em minha casa com as janelas abertas, esperando ouvir o rangido de

dobradiças sempre que sua porta de tela se abria. Eu, então, encontrava qualquer desculpa

para ir para fora. Eu mesmo me ofereci para tirar ervas daninha do jardim da minha mãe,

apesar de todas as minhocas rastejando ao redor porque estava bem ao lado dos arbustos

onde ele estacionou o seu carro. Eu usaria os shorts que poderia encontrar e um top corte

baixo mesmo que eu não tinha qualquer peito para falar na época. Enquanto eu estava

molhando o jardim, fiz bem para obter a minha camisa molhada para que o meu sutiã fosse

mostrado. Eu era apenas uma garota assim Deacon nunca me notou apesar de minhas

tentativas desesperadas. Para tentar chamar sua atenção, cheguei mesmo a ir truque-ou-

travessura em sua casa vestida como uma enfermeira sexy na esperança de que ele

finalmente iria me notar. Eu era todos joelhos nodosos e linhas retas. Minha maquiagem

estava escura e grossa. Eu pensei que era tão madura, mas pensando de volta, eu

provavelmente parecia a Noiva de Chucky. Enquanto na porta da casa de Sam, ele de pé na

porta com sua tigela de doce, algum garoto idiota veio ao meu lado e apontou que

Enfermeiras usavam scrubs e meu traje estava todo errado. Deacon riu sem me olhar e

deixou cair uma barra de Snickers no meu balde de lanterna. Isso foi há cinco anos e eu ainda

tenho o invólucro daquele doce. Eu o tinha mantido como uma lembrança. É meio patético

quando penso nisso.

Depois, ele conheceu alguém. Não me lembro do nome dela, mas nunca vou esquecer

o quanto estava ciumenta quando a vi pela primeira vez. Foi em um fim de semana. Eu

passei um convite de meus amigos para ir ver um filme para que eu pudesse esperar até ver

Deacon . Ele estava fora até tarde, o que não era normal para ele. Era quase uma da manhã

quando seu carro finalmente entrou na entrada. Ele abriu a porta do lado do passageiro e

meu estômago apertou, e eu me senti doente. A mulher que saiu era linda e curvilínea. Duas

coisas que eu definitivamente não era então. Eles entraram em sua casa e eu chorei para

dormir naquela noite. Pouco tempo depois, eles se casaram e se afastaram. O resto é história.

Sinto o aguilhão daquela noite como se fosse ontem, todas aquelas velhas emoções correndo
7
de volta para mim. Eu assisti enquanto ele tirava seu filho do assento de carro. Quero dizer

olá, mas ele provavelmente não se lembra de mim. Iria apenas tornar as coisas estranhas e eu

teria que explicar quem eu era quando o olhar de confusão cruzasse seu rosto. Eu mudei

bastante desde a última vez que cruzamos nossos caminhos. Estou alguns centímetros mais

alta. Cresci meu cabelo loiro, que uma vez foi uma embolação. Agora chega até o meio das

minhas costas. Os óculos que uma vez usei foram trocados por lentes de contato. Meus

quadris e seios têm preenchido minha taça A são agora C. Foi-se o peito liso que eu uma vez

detestei. Eu estava preocupada lá por um tempo. Receava que meu corpo nunca se

desenvolvesse. Felizmente, quando eu tinha dezessete anos, era como se alguém me

esquivasse em Miracle Grow. Agora, aos dezoito, eu finalmente pareço com a mulher que eu

sempre quis ser. O tipo de mulher que faz os homens pararem em suas trilhas só para me ver

passear. Talvez Deacon me notasse agora. Eu rapidamente coloquei esse pensamento fora da

minha mente. Ele é um homem casado, um pai, e eu não sou um ladrão de casa. Com um

suspiro, eu o observo e seu filho desaparecerem na casa de seu irmão. "Você pode olhar

agora." Digo a Clara.

Encontrando um pátio vazio ao lado sem Deacon e sem bebê. "Você é uma idiota." Ela

diz. Eu sorrio e pego o jornal para minha mãe. Deixo o jornal molhado na mesa da cozinha

onde minha mãe está tendo seu café da manhã. Ela está fazendo o café da manhã, e o quarto

cheira a canela.

"Desculpe. Eu tentei salvá-lo antes que ele ficasse encharcado." Eu digo. Ela franziu o

cenho e pegou com dois dedos. Gotas de cinza caem do papel e da piscina em sua esteira.

"Talvez você deva se inscrever para o site de notícias em vez disso." Eu sugiro. Clara senta-se

na mesa e se derrama uma xícara de café.

"Acho que vou." Minha mãe o lança no lixo. "Há panquecas no balcão, se vocês dois

quiserem." Clara me faz um olhar interrogativo. Se for algo como a monstruosidade do jantar

da noite passada, ela está fora. Mas felizmente é apenas panquecas de trigo integral.

Saudável, mas comestível. Posso duas em cada um dos nossos pratos e sufoco-as com

manteiga e xarope. Então eu pego um copo de suco de laranja e uma xícara de café e sento ao

8
lado de Clara, em frente à mesa de minha mãe. Mas em vez de comer, minha mente começa a

vagar, e eu me encontro olhando pela janela.

Todos aqueles sentimentos que eu tinha abrigado para Deacon como uma adolescente

nova vêm correndo de volta. Estão todos consumindo apenas como tinham sido então. É

como se eles estivessem dormindo, esperando sua chegada. Quando Deacon ainda era dono

da casa ao lado, eu costumava chegar em casa muito antes de minha mãe. Eu deitava na

cama e imaginava-o batendo na porta da frente. Quando eu respondia, ele estava lá sem

camisa e um buquê de rosas vermelhas de haste longa embaladas na respiração do bebê. Ele

me dizia como eu era bonita e como ele não poderia viver sem mim mais um segundo. Nossa

diferença de idade de doze anos nunca importou para ele em minhas fantasias. Eu era tudo

que ele poderia querer ou precisar. Em meus devaneios ele era um romântico desesperado.

Eu costumava dizer às pessoas na escola que eu estava namorando um homem mais velho.

Porque no meu coração ele era meu. E embora soubesse que não era verdade e estar juntos

provavelmente nunca aconteceria, senti que se eu dissesse isso em voz alta, jogasse no

universo, que de alguma forma - como desejar a uma estrela - se tornaria realidade. Eu nunca

disse seu nome ou disse-lhes que ele era meu vizinho por medo de minhas mentiras fossem

voltar para ele, ou levá-lo a problemas. Mas tenho certeza como inferno que insinuei. Não

que alguém realmente acreditasse em mim. A maioria das pessoas pensou que eu estava

mentindo. Ou, por acaso, eu estava dizendo a verdade, que o "homem" mais velho do qual eu

sempre falei era algum calouro na escola secundária. Às vezes, à noite, eu olhava pela janela

do meu quarto e observava-o se vestir. Eu não pensei muito nisso naquela época, mas agora

eu percebo que eu era uma perseguidora total. Sua janela não era grande o suficiente para

mostrar todo o seu corpo quando ele mudava. Apenas da cintura para cima. Mas eu tinha

uma imaginação maravilhosamente vívida.

"Remy?" Assusto o som súbito do meu nome.

"O quê?"

"Você me ouviu?" Minha mãe diz.

9
"Você estava divagando." Clara sorri, e bate no meu ombro. Ela sabe exatamente o

que está me distraindo. Ela era a única a quem confessei sobre todas as minhas fantasias de

Deacon.

"Oh, desculpe. Eu estava sonhando acordada. O que você estava dizendo?"

Ela sopra o vapor saindo de sua xícara de café e diz: "Eu estava perguntando se você

se lembra Deacon que costumava morar ao lado." Eu tento limpar quaisquer sinais de

reconhecimento ou desmaio ao som de "Quem é Deacon?" Clara diz com a mesma perniciosa

inclinação de seus lábios. Eu a olho fixamente.

"Vagamente." Eu digo para minha mãe.

"Você não costumava ter uma queda por ele?" Minha mãe diz com um tom de

brincadeira em sua voz. Eu mantenho meu dedo para manter Clara de fazer mais

comentários. Como minha mãe sabe sobre minha paixão? Eu era tão óbvia? Ou talvez seja

porque todo mundo na vizinhança tinha uma queda por ele na época e ela está apenas

assumindo que eu era uma delas.

"Provavelmente. Eu tinha treze anos. Eu tinha uma queda por todo mundo." Digo,

esperando que soasse tão despreocupada como eu faço na minha cabeça.

"Eu conversei com ele ontem, quando ele chegou pela primeira vez na cidade." Ele

esteve aqui um dia inteiro e eu só o estou vendo agora.

"O que vocês falaram?" Eu pergunto, tentando tirar mais informações dela. Minha

mãe coloca os cotovelos na mesa, olhando pela janela para a casa que seu irmão agora possui.

"Pobre coisa se divorciou um tempo atrás. Sua esposa o deixou e o bebê a Fim de

festa." Meus olhos abriram largos. Felizmente ela não percebeu. Isso é tão horrível. Não

consigo imaginar alguém que queira deixar Deacon para ir a festas, ou por qualquer motivo,

na verdade. E quem deixa seu bebê? Deacon e seu filho estão melhores sem ela, tanto quanto

eu estou preocupada. Enquanto eu me sinto mal que Deacon teve que passar por tudo isso,

eu não posso dizer que estou muito chateada por ele ser solteiro agora. Talvez eu realmente

tenha uma chance com ele...Fechei aquele pensamento de novo. Melhor não despertar

minhas esperanças. "Ele tem um emprego aqui na cidade." Minha mãe continua. "Ele vai

10
precisar de uma babá em que possa confiar. Eu te ofereci para o trabalho. Espero que esteja

tudo bem."

Clara olha para mim, um brilho brincalhão em seus olhos. Não é difícil dizer o que

está em minha mente, tenho certeza. Meu coração pula em minha garganta. Eu babá para

Deacon? O homem responsável por todos os meus sonhos adolescente sexy, o único homem

que eu imaginava dar a minha virgindade. Eu não acho que haja um número alto o suficiente

para contar a quantidade de vezes que me imaginei em sua casa, em sua cama, aberta para

ele. Como sentiria beijá-lo, tê-lo dentro de mim. Como seus lençóis cheiram? Como sente sua

pele? Eu poderia realmente parar de agir sobre os sentimentos que eu tive por ele desde a

puberdade? Estou bombardeada por tantas perguntas que minha mente começa a girar.

Empurro meu prato para longe, meu apetite desapareceu. "Isso é bom." Eu digo. "Eu

poderia usar o dinheiro extra."

Clara se inclina e sussurra no meu ouvido para que minha mãe não possa ouvi-la. "E

uma boa mentira."

Naquela noite eu mal durmo. Eu queria que Clara ficasse mais uma noite para me

fazer companhia, mas ela tem que ir trabalhar de manhã. Meu estômago está em nós. Estou

acordada às quatro da manhã, bem acordada e animada. Tomo banho, faço minha

maquiagem, me certifico de que tudo está perfeito, e penso sobre todas as coisas que eu

poderia dizer para ele. Quando as sete horas finalmente rolam ao redor, vou ao encontro de

Deacon , mesmo que, na minha cabeça, eu já o conheça. Eu estou em sua varanda da frente,

na frente da porta, meu corpo todo tremendo. Embora seja outono, ainda é uma manhã

quente. O sol é brilhante, pássaros chilreando. Não exatamente a tempo, que normalmente eu

estaria chateada sobre. Eu amo o tempo mais frio. Os cachecóis, botas, chapéus. Mas pelo

menos, quando está quente, é mais fácil se vestir sexy. Sexy, mas não muito vagabunda

porque eu ainda queria que Deacon me desse o trabalho de babá. É uma linha tênue entre os

dois. Eu decido em uma camisa solta e um sutiã um tamanho pequeno demais para me dar

mais clivagem, e shorts. Quanto mais pele, melhor, mas ao mesmo tempo, é o que qualquer

outra menina da minha idade estaria usando. Eu bato na porta.

11
Sangue corre em meus ouvidos quando ouço o barulho de passos do outro lado.

Quando isso se abre, sou quase batido de volta pela pressa que vendo-o de perto me dá. Ele é

mais bonito do que eu me lembro. A idade tem sido gentil com ele. Quando eu era mais

jovem, ele me lembrou de alguém, mas eu nunca poderia colocar o rosto com um nome.

Então, um dia Clara disse que se parecia com Ian Somerhalder, e eu era como SIM, porque

era exatamente isso que eu estava pensando. "Remy, wow, você cresceu em uma linda

jovem." Diz Deacon, parecendo genuinamente surpreso ao ver-me em pé à porta da frente.

"Oh." Eu digo, surpresa. "Eu não pensei que você soubesse quem eu era."

"Claro que eu sei quem você é. Eu estava sempre admirando o seu jardim."

Eu mordo meu lábio inferior. Minha cabeça evoca um significado diferente para essa

afirmação, mas acho que ele está realmente falando sobre o jardim que eu sempre estava

mexendo cada vez que ele estava fora em seu quintal. "Obrigada. Se quiser, posso trazer

alguns legumes mais tarde. O jardim está cheio e não conseguimos nos livrar deles o

suficiente. Eles são melhores para o bebê, em vez dos comprados na loja, e mais baratos do

que comprar orgânicos." Estou divagando. Cale a boca, digo a mim mesma. Suas

sobrancelhas estão levantadas.

"Eu adoraria isso. É tão atencioso de você pensar no meu filho desse jeito." Meu rosto

ruboriza.

"Eu adoro crianças."

"Entre." Ele diz e pede para eu entrar. A casa não parece como eu imaginei. Este é

definitivamente o estilo de seu irmão Sam. Chato, basicamente. É loucura pensar que esses

dois são mesmo relacionados. Deacon obteve claramente os olhares nesta família. Sam tem

um longo rosto de cavalo e queixo saliente. Ele usa o mesmo estilo de botão para baixo de

camisa dia-a-dia, mesmo quando ele não está trabalhando, mas em cores diferentes para

mudar as coisas, e todos os dias é caqui. Ele parte o cabelo para o lado, alisado com gel. E ele

dirige um Prius por causa da merda. Parece que ele realmente coloca tempo e esforço em ser

brando. A casa reflete seu estilo. Abotoada cores mudas. Básico. Há alguns brinquedos

espalhados aqui e ali, mas para a maior parte do lugar é arrumado e junto.

12
A desordem deve deixar Sam louco. Ele parece ser o tipo de cara que gosta de tudo em

seu lugar. "Você quer algo para beber?" Pergunta Deacon.

"Claro." Nós vamos para a cozinha. Eu observo suas costas enquanto ele anda. Sua

camisa está apertada o suficiente para ver os músculos se movendo através disso. Ele ficou

em forma. Todo pai que conheço tende a deixar-se deslizar depois de um pouco. Não que

haja algo de errado nisso. Muitas meninas cavam um corpo de pai, mas eu tendo a gostar de

meus homens mais torneados. Ele se curva para olhar no frigorífico.

“Parece que temos água e suco. Desculpe, eu não tive muito tempo para sair e ir às

compras."

"Não se preocupe." Eu digo. "O suco está bem." Ele pega a garrafa da geladeira e

derrama um pouco em um copo, entregando-o para mim.

"Vou mostrar a você para que possa ter uma ideia da casa, então vou te apresentar a

Bailey." A casa é de dois níveis. Começamos no primeiro nível, andando por um longo e

estreito corredor. "Se você está lá embaixo, este é o banheiro de visitas." Ele diz, me

mostrando um pequeno banheiro com apenas uma pia e vaso sanitário. "E logo atrás está a

lavanderia e a máquina de lavar roupa no caso de você precisar lavar qualquer coisa. Bailey

pode ser confuso e eu não tenho muito no caminho de roupas limpas para ela no momento.

Tudo o que tenho está armazenado até que eu possa encontrar um lugar meu. Eu não queria

bombardear meu irmão com todas as nossas coisas. Não planejo ficar muito tempo. Ele não é

grande em crianças."

"Eu sinto muito sobre o que aconteceu." Deixo escapar sem pensar. "Com sua esposa,

quero dizer." Ele se vira para me olhar, e mesmo que seu rosto ainda pareça amigável, eu

imediatamente me arrependo de dizer isso.

"Eu não deveria ter dito isso. Foi estúpido." Eu digo, tentando apagar o que quer que

eu tenha causado por abrir a minha grande boca. "Eu não deveria ter mencionado isso. Não

sei o que eu estava pensando. É só que a minha mãe me contou sobre sua conversa com ela

ontem, e ..." Eu deixei minhas palavras se afastarem, não querendo dizer mais nada só para o

caso de eu cavar o buraco mais fundo e piorar as coisas.

13
"Não, está tudo bem." Ele diz com um sorriso gentil. "Estou feliz por ter acontecido

quando aconteceu. Bailey é jovem o suficiente para que ela não se lembre de sua mãe e ela

será capaz de seguir em frente a partir disso. Se fosse para acontecer quando fosse mais

velha, poderia ter sido devastador. Estou realmente empolgado em seguir em frente. Meu

casamento foi horrível desde o primeiro dia. Eu vivia em uma casa que eu não amava, com

uma mulher que eu não amava, e eu estava preso em um trabalho que eu odiava. Esta

mudança é realmente uma coisa boa."

Soltei um suspiro de alívio. “Ótimo. Estou feliz. Você não precisa se preocupar com

Bailey enquanto está trabalhando. Eu amo crianças e estou muito animada por estar aqui."

Estou jorrando. Posso ouvir o desejo em minha voz. Ele tem que ouvir isso também. Pareço

desesperada. Talvez ele vá assumir que é só porque eu preciso do trabalho e não que eu

anseie por ele. Ele não pode saber disso.

"Estou feliz por tê-la aqui também." Diz ele. "Devemos ir encontrar Bailey agora?"

"Sim, por favor." Nós vamos para cima. Enquanto caminhamos, ele para abruptamente

e se vira para mim. "Oh, e mais uma coisa..." A rápida parada me faz bater nele e eu pego o

copo na minha mão antes que ele caia, mas não antes que ele salpique suco vermelho em

toda a sua roupa de trabalho e no chão.

“Eu sinto muito." Digo, praticamente em lágrimas. Estou tocando a frente dele,

tentando enxugar o suco, mas só piorando espalhando-o. Quantas vezes terei de pedir

desculpas a ele antes de sair de casa? Olha para frente da camisa, com os braços para fora. Ele

não parece louco como pensei que faria. Em vez disso, ele ri. "Isso não é culpa sua. De modo

nenhum. Vou jogar isso na lavagem antes que manche." Ele tira a camisa bem ali na minha

frente. Minha mandíbula cai aberta e eu não consigo evitar de olhar fixamente. Acho que ele

percebe, porque está me olhando diferente também. Tímido, quase. Talvez ele não esteja

acostumado a estar sem camisa e sozinho com as meninas. "Ainda há algum no seu peito."

Eu digo, lutando contra o desejo de estender a mão e tocar sua pele lisa. Seu corpo é

tão perfeito quanto eu imaginei que seria. Músculo grosso, amarrado, mas não todo sinuoso

como um construtor do corpo. Mais como um homem que fica ocupado e talvez vá para a

academia um dia ou dois por semana. Há um pequeno pedaço de pelo no peito dele, e aquele
14
estômago ...Eu tenho uma coisa sobre estômagos masculinos. O dele é uma linda tábua de

lavar. Eu quero lambe-lo da trilha de cabelo abaixo de seu umbigo até seus lábios sexy cheios.

Espere, quem eu estou brincando? Quero lamber tudo. Quero provar tudo sobre esse

homem.

"Está bem." Diz ele. "Eu estou sempre coberto em algum tipo de bagunça. É apenas

parte do território quando você é um pai." Eu gostaria de cobri-lo em meu próprio tipo de

bagunça. Já posso me sentir molhado com ele de pé aqui meio nu na minha frente. Eu

começo a falar, mas sou interrompida por Sam enquanto ele sobe as escadas atrás de mim.

"O que está acontecendo aqui?" Ele diz. Eu não o tinha ouvido até que ele falou. Ele é

um cara sorrateiro. Faz sentido porque ele parece meio sorrateiro. Ele só tem aquela

aparência de doninha que eu não gosto. Talvez seja porque ele comprou a casa de Deacon e

arruinou minhas mais queridas fantasias de infância. Eu o culpei secretamente por Deacon

sair, embora saiba que não foi culpa dele.

"Oh, ei, Sam." diz Deacon, imperturbável pela intrusão súbita de seu irmão como eu

estou. "Você conhece Remy?"

"Eu conheço Remy da porta ao lado. O que eu quero saber é por que ela está aqui e por

que você está praticamente nu na frente dela."

O rosto Deacon perde sua aparência de bom humor e se transforma em uma máscara

dura e esculpida de desgosto. "Ela está aqui porque eu preciso de uma babá para Bailey e eu

estive em torno dessa garota desde que ela era uma criança e conheço a mãe dela. Não vou

confiar minha filha com um estranho que nunca conheci. Um copo de suco foi derramado e

agora estou prestes a colocar minha camisa na lavadora. Então é por isso que estou

atualmente sem camisa. Mais acusações que você gostaria de fazer?" Ele diz, voz plana e

cortada. É bom dele não me jogar sob o ônibus, dizendo a Sam que fui a única que derramou

o suco, em primeiro lugar. O que eu gostaria de fazer é passar no tapete molhado e realmente

definir essa mancha.

Sam parece o tipo de cara que chorava por causa de uma mancha. Sam olha para mim,

depois para Deacon e diz: "Posso falar com você por um minuto?"

15
Deacon respira longo e lento, então se vira para mim, sua expressão se aclarando, mas

eu ainda posso ver a sombra de raiva assombrando seus olhos.

"Você poderia nos dar um minuto, Remy?" Ele diz.

Eu mastigo o interior da minha bochecha para evitar dizer algo estúpido para Sam.

"Certo. Vou pegar uma toalha para limpar essa bagunça." Eu digo.

"Você sabe onde estão as toalhas?" Pergunta Deacon, sua voz mais suave, mais

agradável quando ele fala comigo.

"Eu vi alguns na lavanderia." Eu também vi algumas das roupas de Sam na

lavanderia, bem como um par de botas enlameadas. Vamos ver se eu posso ser criativa. Isso

não parece bom. Ambos estão furiosos. Eu não sei o que fiz de errado ou porque Sam não

gosta de mim. Suspeito que ele está apenas sendo um pau porque não me lembro de ter uma

conversa real com ele, e não é como se já joguei uma festa furiosa em minha casa que o teria

chateado. Eu estou tão confusa. Eu corro para baixo enquanto eles discutem no topo da

escada. Quando eu estou na lavanderia, percebo que há um respiradouro acima da minha

cabeça e eu ainda posso ouvir tudo o que eles estão dizendo tão claro como se estivéssemos

de pé na mesma sala. Meu plano para arruinar suas roupas frescas e pressionadas está

reservado por agora.

"O que está acontecendo aqui?" Sam diz. Não há como negar a acusação em sua voz.

"Nada está acontecendo. É completamente inocente."

"De alguma forma eu duvido disso." Sam diz. "Você não viu o jeito que aquela garota

estava olhando para você? Ela estava tirando o resto de você com os olhos."

Deacon ri como se fosse a coisa mais ridícula que ele já ouviu. "Ela não estava."

Abro minha boca, chocada. Há quanto tempo Sam estava ali antes de se anunciar? Eu

realmente preciso descobrir como reorganizar meu rosto para não ser tão transparente sobre

meus sentimentos. Estou surpresa que Deacon não tenha entendido. "Você é cego, irmão.

Essa garota quer você." Sam diz.

"Não há como uma garota tão jovem e bonita querer um pai solteiro como eu. Ela

poderia ter qualquer homem que ela quiser."

16
Minha respiração para. Como ele não pode ver quão incrivelmente quente ele é?

Todas as mulheres do bairro o desejavam quando ele morava aqui. Ele ser um pai solteiro

não faz um pouco de diferença. Sempre que o clube do livro da minha mãe veio a casa para

seus encontros da noite de quinta-feira, era mais como o clube do fã Deacon. Dez minutos

foram gastos conversando sobre qualquer livro que estavam lendo na época e os outros

cinquenta minutos foram gastos conversando sobre sua bunda. Eu costumava me sentar no

topo da escada, revirando os olhos para todas as dona de casa tristes. Já faz alguns anos

desde então, mas ele não mudou muito em aparência. Se alguma coisa ele tem ficado melhor

com a idade. Ele ainda é incrivelmente sexy como sempre. E ele acha que sou linda. Eu temia

que ainda pensasse em mim como uma criança - se ele pensasse em mim. Os irmãos

continuaram a discutir. Sam implora para não me contratar. Ele acha que sou um problema e

que eu sou como a ex-mulher de Deacon.

Que burro! Como eu poderia não estar incrivelmente ofendida pelas coisas que ele

está dizendo? Ele não me conhece. Eu nunca tive uma conversa com ele. Nós nunca dissemos

"oi" uns aos outros de passagem, então onde ele saia dizendo que eu sou problema? Eu

nunca deixaria Deacon e minha filha para sair e festejar. Eu quase nunca saía mesmo que eu

tenha dezoito anos e é isso que a maioria dos dezoito anos de idade fazem. Eu nunca fui

assim. Eu sempre fui a responsável no meu grupo de amigos. Aquela que sempre recebe A,

que sempre chega em casa antes do toque de recolher, e eu sou sempre fiel à minha palavra.

A ex de Deacon é uma desgraça. Como ele ousa me comparar a ela. Eu tomo

respirações longas e lentas para me acalmar. Quero ir à tempestade e bater a porta atrás de

mim para que ele soubesse que eu ouvi o que disse, mas eu sei que Deacon realmente precisa

de uma babá e eu não estou prestes a fugir. Pego uma toalha do topo da pilha E volto para as

escadas, fazendo muito barulho para que eles possam me ouvir. Sam desce as escadas,

olhando para mim quando passa. Mantenho minha expressão neutra para não mostrar o meu

ódio por ele. Esta é sua casa, afinal, e eu não estou tentando fazer as coisas difíceis para

Deacon. Eu não quero dar a Sam uma razão real para me expulsar e não me deixar voltar.

Tento colocar um sorriso no meu rosto quando olho para Deacon, mas sei que parece falso

como o inferno. Deacon me dá um sorriso de desculpas.


17
"Sinto muito pelo meu irmão." Diz ele. "Ele está preocupado comigo."

"Está tudo bem?" Eu pergunto.

"Tudo ótimo." Eu me abro para limpar a bagunça de suco.

"Aqui, deixe-me fazer isso." Diz Deacon. Ele se inclina para ajudar.

Quando ele pega a toalha, nossos dedos tocam e ele se inclina para trás como se a

sensação de minha pele o tivesse chocado de alguma forma. Quando olho para ele, sua boca

está aberta e ele está olhando para o meu peito. Olhando para baixo em minha camisa, eu

realizo que está pendurando largo aberta, os topos de meus peitos que derramam fora de

meu sutiã, ficaram nu a ele. Meus mamilos estão apenas escondidos, mas o rosa das minhas

aréolas estão mostrando. Eu me apresso e me sento. Estou apenas contente que Sam não

estava aqui para vê-lo ou ele teria dito que eu fiz isso de propósito. Deacon fica e não faz

contato visual comigo. A protuberância em suas calças é inegável. Ele rapidamente cobre. Eu

finjo não notar. Mas não posso evitar a agitação que causa entre as minhas pernas.

Pelo que parece, ele está pendurado. Não que eu seja uma especialista em tamanho.

Nunca tive sexo com um homem antes. Fui para baixo em namorados no passado, mas eles

não eram quase tão grandes como Deacon parece.

"Você quer conhecer Bailey?" Ele diz, corado.

"Eu adoraria." Digo.

Vamos ao quarto de Bailey e tentando fingir que nada aconteceu. Ouço uma porta de

carro bater. Olhando pela janela, vejo o carro de Sam se apressando. Pelo menos eu não tenho

mais que lidar com ele.

Bailey está dormindo em um cercadinho. O quarto é um berçário improvisado. Deve

ter sido o escritório de Sam antes que Deacon chegasse. Há uma grande mesa e papéis por

toda parte, livros sobre pássaros raros e lei tributária.

Bailey é tão bonita quanto ela pode ser, cerca de um ano, cabelo loiro encaracolado e

bochechas rosadas do calor. Há uma chupeta na boca e um cobertor apertado em suas

pequenas mãos.

"Ela é adorável." Digo. Quando olho para Deacon, ele está me encarando de novo. É

um olhar diferente do que ele tinha me dado antes, como se ele fosse realmente percebendo-
18
me pela primeira vez. Quase como se está me estudando, tentando me descobrir como se eu

fosse algum enigma complicado que precisava ser reconstruído. Ele está me olhando da

maneira que eu sempre desejei que fosse quando eu era jovem.

Foi ver meus seios que lhe deram essa mudança de coração? Ou talvez tenha algo a

ver com o que Sam tinha dito. Talvez Deacon esteja tentando fazer comparações entre eu e

sua ex-mulher. Mas eu não penso assim. Se fosse esse o caso, não acho que seus olhos fossem

tão abertos e curiosos quanto agora. Ele provavelmente me olharia com ressentimento. Não,

é outra coisa. Pode ser que ele esteja verificando se eu realmente estou apaixonada por ele

como Sam tinha dito. Se for esse o caso, eu estou fazendo isso de forma óbvia. Quando

nossos olhos travam, não posso parecer desviar o olhar.

Ele é tudo. Lindo, doce, educado, e um grande pai para sua filha. Quero dizer, não é

de desmaiar? Finalmente, ele rompe o contato visual. Ele espalha os dedos, depois os

empurra para dentro dos punhos, uma e outra vez, um tique nervoso.

Quando fala, há um ligeiro tremor em sua voz. "Hum, quando Bailey acordar, ela

provavelmente precisará ser trocada, e estará com fome. Tenho sua comida rotulada na

geladeira."

"Ok." Eu digo. "Nós ficaremos bem. Passei todos os verões desde que eu tinha catorze

sendo babá para as amigas da minha mãe. Sou ótima com crianças. Não precisa se

preocupar."

Seus olhos se arregalam. "Eu não estou preocupado."

"Oh, eu pensei que você poderia estar. Você está realmente nervoso agora."

Ele balança a cabeça. "Não, é só que esse novo emprego tem meu estômago torcido.

Não sei o que esperar."

Eu aceno, embora eu tenha certeza que ele não está sendo inteiramente sincero. Acho

que ele está nervoso e tem algo a ver comigo. Ele está olhando para mim estranhamente

desde o seu argumento com Sam. Ouvir a conversa é muito chato. Bailey está dormindo

então eu li a maior parte do tempo. Eu não quero assistir TV lá embaixo por medo que ela vai

acordar e eu não vá ouvi-la.

19
Contemplo entrar no quarto de Deacon. Apenas para ver como parece. Meu palpite é

que é o mais perto do escritório para que ele possa estar perto de Bailey. É o mesmo quarto

que ele tinha quando esta era a sua casa.

Olho para ela e ela está me observando com um olhar sonolento em seu rosto. Ela é a

mais fofa que eu já vi e se parece muito com Deacon. Pelo que me lembro da ex de Deacon,

ela tinha cabelos escuros, quase negros e olhos igualmente escuros. O cabelo de Bailey é loiro

como o de seu pai e ela ainda tem aqueles mesmos olhos verdes claros também.

"Oi." Eu digo para ela, sorrindo. Seu queixo enruga e começa a bater. Eu sou uma

estranha. Ela está acostumada a ter seu pai com ela. Ela deve estar tão assustada.

"Oh, querida, venha aqui." Eu digo, e busco-a quando ela começa a chorar. Ela

continua a choramingar enquanto eu a mudo. Quando eu termino, descemos as escadas e

faço algo para ela comer. O choro para e ela me observa como um cachorro nervoso faria.

Ainda não tendo certeza se sou amiga ou inimiga. Jogamos com brinquedos e quando ela se

cansa desses, eu leio para ela.

Não parece importar quais são as palavras. Ela está mais interessada no som da minha

voz. Então, quando lemos todos os livros em sua pequena biblioteca de livros infantis, li para

ela do que eu trouxe. É um mistério acolhedor.

Nada com potencial de assustá-la. Apenas um bom. Ela puxa um jogo de chaves

plásticas em um anel, jogando contente enquanto eu lido com ela. Após algumas horas

começa a cochilar. De longe o bebê mais fácil que eu já cuidei de todas as crianças que eu já

fui babá. Eu a carrego para seu quarto. Com medo de acordá-la, fico sentada no chão e a

coloco no colo, em vez de colocá-la de volta no berço. Ainda estou lendo para ela, querendo

que ela se sinta confortada pela minha voz, mesmo que ela esteja dormindo. Ela está em uma

casa nova, cercada de coisas novas, então não quero que se sinta sozinha ou assustada.

Especialmente com seu pai fora. De repente tenho essa sensação estranha como se estou

sendo observada. Quando olho para cima, Deacon está parado ali, encostado na porta. Eu

não tenho ideia de quanto tempo ele está me assistindo.

20
Sorrio para ele. "Ela é uma grande fã da literatura. Precisa de mais livros. Eu tenho

uma tonelada deles sobrando da minha infância. Gostaria de dar a ela se está tudo bem com

você." Digo.

Ele tem o olhar mais estranho em seu rosto. Tão sério. Ele parece esmagado. Intenso.

Gostaria de saber se ele teve um dia ruim no trabalho. "Sim, isso é bom." Diz ele.

21
2

DEACON

Vendo Remy sentada lá, segurando minha filha com tanto amor, desperta algo dentro

de mim. Eu a quero...Não, eu preciso dela. Nunca me senti assim com minha ex, Karen.

Demorou semanas de namoro antes que eu estivesse mesmo atraído por ela, se eu estivesse

sendo honesto. Na época eu vivia sozinho em uma casa grande e eu só queria alguém para

compartilhá-la. De alguma forma, eu me convenci de que era ela, mesmo que eu suspeitasse

que ela não fosse a única. Quer dizer, quem se oferece para chupar o pau de um cara uma

hora depois que eles se encontram? Foi o que ela fez no nosso primeiro encontro. Nunca me

ocorreu até que era tarde demais que ela era assim com cada homem com quem estava.

Com Remy, houve uma conexão instantânea quando a vi na porta. Ela tem essa luz

interior que irradia. O tipo de sorriso que faz todos os outros à sua volta querer sorrir

também. Há algo tão inocente sobre ela, e ainda assim não há dúvida de que ela é toda

mulher. Ela faz surgir impulsos em mim que eu nunca tive antes. Eu a quero. Quero-a mais

do que jamais desejei antes. Preciso reivindicá-la. Ela tem que ser minha.

Eu não tinha notado antes, mas depois que Sam disse algo, estou começando a notar

como ela está olhando para mim. Pensei que talvez houvesse uma centelha mútua entre nós,

mas no começo pensei que era apenas uma ilusão. Agora vejo que é mais do que apenas um

olhar amigável entre vizinhos.

Quando ela era mais jovem, eu suspeitava que ela pudesse ter se apaixonado pela

maneira que ela estava sempre espreitando sobre as sebes para me ver lavar meu carro. Mas

ela era apenas uma criança. Eu era mais jovem então. Senti-me mais jovem. Depois do

divórcio, as coisas mudaram. As mulheres olham para mim ainda, mas quando as olho, vejo

o rosto de Karen.

Minha ex-esposa realmente fez um número em mim. Ela traiu. Dormiu com homens

que eu pensei que eram amigos. Ela saiu todas as noites e chegou em casa bêbada nas
22
primeiras horas da manhã. Mesmo quando Bailey estava com cólica. Eu estava em casa com

um bebê doente, às vezes até mesmo na sala de emergência com a nossa criança, enquanto

ela estava fora tendo um bom tempo, nem sequer se incomodando a responder aos meus

textos. Toda vez que ela voltava para casa, tinha uma nova desculpa. Muitas vezes dizendo

que seu telefone estava morto, ou ela tinha esquecido seu telefone em seu carro. Isso vinha de

uma mulher que nunca deixava-o fora de sua vista. Ela esqueceu que a conhecia melhor do

que isso. Eu sabia que ela não podia lidar com a pressão da maternidade, ou a monogamia do

casamento. Sabia disso antes de nos casarmos, mas de alguma forma tinha me convencido de

que ela poderia mudar.

Mesmo que eu tente não estar, estou cansado. É difícil deixar essas indiscrições

passarem, não importa o quanto eu tente ser maior do que isso. Após o divórcio, eu tinha

certeza de que não queria nada mais do que uma conexão casual de vez em quando, mas há

algo diferente sobre Remy. Preciso saber se há algo lá.

"Como foram as coisas hoje?" Pergunto a ela.

Ela coloca Bailey de volta em seu berço, então olha para mim com um sorriso que me

ilumina da cabeça aos pés. "Perfeito. Demorou um pouco, mas acho que ela se aqueceu

comigo.”

"Ótimo." Digo. "O trabalho é seu, se você quiser. De segunda a sexta."

"Eu adoraria." A maneira como ela disse isso, fazendo contato visual, e suavizando sua

voz, fez com que calafrios escorregassem pelos meus braços.

Ela começa a sair do quarto, deslizando em torno de mim na porta, mas eu não posso

deixá-la sair. Há essa atração em direção a ela que sufoca meu bom senso. Eu deveria deixá-

la ir. Deixar isso ser nada mais do que um trabalho de babá como era pretendido.

Coloquei minhas mãos sobre seus ombros. Ela não tenta escapar do meu aperto. Em

vez disso, olha para mim, aberta e curiosa. O corredor é escuro, lançando uma sombra sobre

seu rosto, mas posso ver cada um de seus cílios e o brilho em seus olhos. Eu me inclino e

cheiro seu cabelo. Alfazema e citros. Limpo, fresco. Não há nada contaminado com ela.

Não como tinha sido como minha ex que sempre cheirava fracamente a fumaça de

cigarro e colónia masculina; um perfume que pertence a bares e clubes. Remy não é nada
23
como ela. Eu não sei como posso dizer isso com certeza, mas é um sentimento que tenho que

não vou deixar ir.

Ela inala alto o suficiente para eu ouvir. O ar parece eletrificado. Eu não sei se ela pode

sentir isso também, mas parece crepitar entre nós. Há definitivamente algo aqui. Eu sei disso

com certeza agora.

Com as pontas dos meus dedos, empurrei seu longo cabelo do ombro, expondo a pele

leitosa de seu longo e delgado pescoço. Sua respiração estremece e ela se inclina em minha

mão.

"Eu deveria ir." Ela sussurra. Merda. Eu fiz algo errado. Fui longe demais. Mas ela não

tenta se afastar. Em vez disso, ela diz: "Antes que algo aconteça."

"O que poderia acontecer?" Eu pergunto, minha voz um sussurro rouco para combinar

com a dela.

Ela se aproxima de mim, seus lábios molhados e se separando. Eu me inclino para

beijá-la, mas antes que nossos lábios possam tocar, a porta da frente se fecha e a voz de Sam

sobe as escadas. “Deacon , você está em casa?”

Os avisos dos passos de Sam vêm correndo de volta para mim. Ele acha que Remy vai

me quebrar como Karen fez, mas ele está errado. Mas não há como dizer isso a Sam. Ele me

avisou sobre Karen também e eu também não tinha ouvido.

Quando ele soube que tínhamos nos separado, havia um ar presunçoso, assim eu te

disse, apesar de suas palavras serem consoladoras. Ele sempre foi a criança favorita. Aquele

que teve sua merda junta. O esperto. Todo mundo escutava Sam. Bem, desta vez não.

Não há tempo, realmente. Embora ele tente, não vou deixá-lo governar a minha vida,

se tornar um saco solitário e triste como ele é. Nem me lembro da última vez que ele saiu em

um encontro. Ele provavelmente tentou estar controlando, também. Eu aposto que ele

mesmo ordena para eles em um restaurante.

Isso soa como algo que ele faria. Estou cansado disso. Eu sou um homem crescido e

tomarei minhas próprias decisões. Eu quero segurar Remy em meus braços, mas ela salta

para longe de mim quando ouve sua voz. Ela parece esgotada, como se tivesse acabado de

sair de um sonho, seus olhos brilhantes, rosto corado. Quero dizer a ela que está tudo bem, e
24
não se preocupar com o que Sam pensa, mas ela se afastou de mim muito rápido. "Eu preciso

ir." Ela diz, um tremor em sua voz, claramente chateada. Eu agarro seu pulso, meu pau

endurecendo com a sensação de sua pele macia em minha mão.

"Seu cheque." Eu digo, estendendo a mão em meu bolso e entregando a ela. Ela olha

para o minha dureza. Não há como não vê-la. Eu não tento escondê-la desta vez. Não me

importo se ela saiba o quanto eu a quero.

Ela tira o cheque de mim, mas evita tocar minha mão novamente. "Obrigada. Mesma

hora amanhã?"

"Sim." Digo. Ela corre para Sam que está subindo as escadas. Sam a observa partir.

Quando a porta se fecha atrás dela, ele olha para mim e diz.

"Eu ainda não confio nela."

Eu balanço a cabeça. "Prometo a você que não tenho nenhuma intenção de entrar em

outro trem em naufrágio de um relacionamento como fiz com Karen." Digo, e quero dizer

isso. Mas eu ainda não acho que Remy é algo como Karen, então minhas palavras são na

maior parte verdadeiras.

Deito na cama, olhando para o teto, mas não consigo dormir. Então eu me levanto e

olho pela janela para a casa de Remy. Meu coração para quando a vejo através de uma

divisão em suas cortinas. A luz está acesa. Ela está usando apenas um sutiã. Mas não consigo

ver o resto dela. Prendendo a respiração, eu espero para ver se ela vai tirar isso. Por favor, tire

isso, eu imploro silenciosamente.

Ela puxa o cabelo para cima em um bolo desarrumado em cima de sua cabeça,

expondo aquele longo pescoço dela de novo. Fechando os olhos, ela passa as mãos sobre o

corpo dela.

"O que você está fazendo?" Eu sussurro para a janela. Suas mãos deslizam sobre seus

seios e meu pênis se endurece ao vê-la. Quando sua cabeça se inclina para trás, eu sei que ela

está gostando da sensação de sua própria pele, e eu me pergunto se ela está pensando em

mim. Ela olha pela janela, olhando para o meu quarto. Minha luz está apagada, então sei que

ela não pode me ver, mas ela está olhando.

25
Ela está esperando que eu esteja assistindo? Ela está querendo me ver também? Bem,

eu estou assistindo, garota sexy, então me dê um show. Ela sabe que suas cortinas estão abertas.

Sabe que alguém pode vê-la.

Felizmente, o quarto de Sam está do outro lado da casa. Ela deve saber disso, certo?

Ela entrou no meu quarto? Imagino-a aqui, olhando através das minhas coisas, esfregando-se

contra algo que ela acha que eu poderia cheirar.

Esmagando meu travesseiro. Provavelmente não, mas a fantasia traz meu corpo à

vida. Eu a vejo se tocando, esfregando-se e eu alcanço meus boxes, me segurando na mão e

começando a esfregar. Ela vira as costas para mim. Posso apenas ver o inchaço de seus

quadris, mas nada abaixo. Desse ângulo parece que ela não está usando calcinha. Ela alcança

atrás de suas costas, desatando seu sutiã. Ele cai para o chão. Eu estou totalmente ereto, meu

pau tão duro dói.

Empurro com mais força, apoiando minha outra mão no parapeito da janela para me

segurar. Ela está fazendo algo com a mão na frente dela. Ela escorregou entre as pernas dela?

Eu não sei, mas novamente, digo a mim mesmo que é o que ela está fazendo. Batendo

mais rápido, estou quase lá, minha respiração correndo de meus pulmões, bolas apertando.

Está vindo, essa pressão, o acúmulo antes da explosão. Acariciando, acariciando, até que

finalmente me soltei.

Eu me inclino contra a borda da janela, tentando recuperar o fôlego. Depois de limpar

a bagunça, eu a observo até que ela coloca em sua camisola e a luz apaga, então eu caio de

volta na cama e finalmente adormeço.

26
3

REMY

Ontem à noite, enquanto eu estava no meu quarto, senti como se estivesse sendo

observada. Eu não sei se foi Deacon, mas espero que seja. Eu me certifiquei de estar

exatamente onde sabia que ele seria capaz de me ver. Se eu soubesse com certeza, eu lhe

mostraria mais pele. Mas na chance que eu estivesse enfrentando o quarto de Sam, eu não

queria sair vulgar.

As cortinas estavam apenas abertas o suficiente para onde ele poderia ter parecido que

se separaram por engano, e eu não o fiz totalmente óbvio que eu estava me tocando. Apenas

sugeri.

A ideia de ser assistida era tão emocionante. Eu nunca fui tão imprudente antes. Foi

bom.

Incapaz de dormir bem desde que Deacon se moveu de volta na porta ao lado, eu

desço as escadas, sento-me na cozinha, rodando creme e açúcar em meu café. Eu não consigo

parar de pensar nele e quão perto chegamos a nos beijar. O que mais poderia ter acontecido

entre nós se Sam não tivesse entrado?

Muito mais, tenho certeza. Podemos ter ido para o ouro, tendo sexo selvagem,

apaixonado lá na casa de Sam. Ele teria perdido a cabeça se tivesse acontecido. Eu não posso

ajudar, além de rir ao imaginar seu rosto vermelho, a pressão arterial fervendo mais

enquanto ele andou em nós, o cheiro do nosso sexo enchendo o ar.

Eu ainda não consigo acreditar que Deacon está em mim. Todos aqueles anos

ansiando por ele, imaginando como seria estar com ele, fantasiando sobre ele se apaixonar

por mim. Então ele se afastou e eu perdi toda a esperança.

Depois que ele saiu eu fui em alguns encontros com meninos da minha idade. Eu até

gostei de um deles. Seu nome era Trevor. Ele era alto, com cabelo loiro sujo e olhos verdes

27
claros. Ele poderia ter sido Deacon em uma idade mais jovem, eles eram tão semelhantes em

aparência.

Ele gostava de mim também e o relacionamento estava indo a algum lugar. Ele iria

escalar o lado da minha casa e entrar no meu quarto quase todas as noites apenas para me

encontrar, nunca me empurrando para ir mais longe do que eu queria. Nós conversamos

sobre viajar para a Europa depois da formatura, e isso foi emocionante.

Jogou lacrosse e montou motos. Tão diferente de mim. Eu era uma do lar. Eu gostava

de lição de casa e lendo e fantasiando sobre coisas que a maioria das garotas da minha idade

nunca pensou realmente, como ter uma família e se estabelecer.

Eu pensei que talvez uma aventura fosse o que eu precisava. Como eu realmente

saberia o que eu queria do meu futuro a menos que eu saísse e experimentasse outras coisas?

Uma noite, em uma festa, Trevor e eu quase fomos todo o caminho. Estávamos nos

beijando, acariciando uns aos outros. Nossas roupas estavam fora. Ele deitou em cima de

mim, esfregando em mim e sentiu-se incrível. Eu estava mesmo animada para perder a

minha virgindade. Na época, eu achava que era isso que fazia de uma garota uma mulher, e

eu realmente queria ser mulher.

Mas quando estávamos prestes a levar nosso relacionamento para o próximo passo,

pensei em Deacon. Na minha cabeça, as mãos de Deacon estavam sobre mim, seus lábios me

beijando, seu corpo contra o meu. Eu me senti tão culpada porque nem uma vez eu alguma

vez pensei sobre Trevor durante esse tempo. Não era justo para ele, estar pensando em outro

homem enquanto estávamos prestes a fazer sexo pela primeira vez. Eu o parei de ir mais

longe e acabei por romper com ele no dia seguinte. Toda a razão pela qual o nosso

relacionamento até existia, em primeiro lugar, era porque ele parecia Deacon. Era errado. A

coisa toda era apenas desarrumada. Isso foi há um ano e eu tenho sido solteira desde então.

Minha mente vagueava para Deacon e ontem à noite. Penso na maneira como ele

cheirou meu cabelo e moveu-o dos meus ombros para expor meu pescoço. Pensando em

como ele se inclinou para me beijar, tem-me tonta.

Ignorando a realidade da intrusão de Sam, eu imagino o que poderia ter sido. Deacon

e meus lábios se tocando, nossas línguas enredadas apaixonadamente. Ele me levantando do


28
chão, minhas pernas envolvendo sua cintura enquanto ele me levava para seu quarto e me

deitava em sua cama.

Beijar, tocar, aprender sobre os corpos uns dos outros e as coisas que gostamos. Até

que finalmente, ele toma minha virgindade, entrando em mim, então caindo em seus braços.

Sem fôlego e fraca, mas satisfeita.

Há um baque alto como o garrafa de café bater na mesa. Isso me deixa fora do meu

devaneio.

"Creme?" Minha mãe diz.

Eu olho para ela com os olhos arregalados e um pouco com medo, como se estivesse

lendo meus pensamentos sobre Deacon deixando seu creme dentro de mim.

"O quê?" Eu pergunto.

"Você ainda está usando o creme?" Ela pergunta.

Sentindo corada, eu digo: "Oh. Não. Desculpe." E deslizei-o através da mesa.

Ela derrama o creme em seu café e se senta para trás. "Então, como foi o trabalho de

babá?"

Eu respiro para me acalmar. "Bem. Garota bonito e fácil de assistir."

Minha voz soa nervosa. Minhas palavras cortadas. Espero que ela não perceba ou faça

mais perguntas.

Ela bebe seu café, lendo o jornal molhado. “Ótimo. Ele pediu para você cuidar outra

vez?"

"Sim. Ele me ofereceu o emprego.”

"Excelente." Diz ela sem levantar os olhos do jornal. "Talvez agora você possa começar

a ajudar com a conta de telefone."

Eu respiro um suspiro de alívio. "Sem problemas."

Eu me dirijo outra vez a Deacon. Desta vez trago um saco cheio de livros infantis e

legumes do jardim.

"Oi." Diz Deacon, seu rosto se iluminando quando ele atende a porta.

29
Sinto meu próprio rosto espelhar o seu. Como é possível que ele esteja ainda melhor

hoje do que ontem?

"Ei, eu trouxe algumas coisas para Bailey." Digo a ele.

"Isso é tão gentil de você." Ele está definitivamente me olhando diferente hoje. Não há

dúvida disso. Em vez de desviar o olhar, seus olhos percorrem meu corpo. Posso dizer que

ele está tentando não ser óbvio sobre isso, mas ele não está fazendo um trabalho muito bom.

Agora tenho quase certeza de que ele me viu pela janela ontem à noite. Quero

perguntar a ele sobre isso, ver se ele gostou do que viu, mas se ele realmente não tivesse me

visto, eu soaria como uma louca.

Ele me deixou entrar na casa. Olhando para trás na entrada, vejo que o carro de Sam

não está aqui, e eu me sinto muito mais confortável indo para dentro. É uma coisa boa,

porque hoje eu me vesti um pouco mais sexy do que tinha antes. Na verdade, hoje estou

vestida semelhante ao que eu estava usando ontem, shorts e um top solto, mas hoje eu tirei o

sutiã. Meus mamilos são duros como pedras, o tecido sedoso do meu tanque esfregando

contra eles. Impossível não ver através da minha camisa. Ele definitivamente percebe porque

seus olhos vão direto para eles cada vez que ele se vira para olhar para mim e eu percebo que

ele se mantém ligeiramente virado para o lado em todos os momentos para que eu não

consiga ver a frente de suas calças.

Na cozinha eu lavo os vegetais. Sem perceber, estou segurando um pepino debaixo da

água, enxaguando o excesso de sujeira em movimentos acariciantes. Deacon observa com um

sorriso malicioso espalhado pelo rosto.

“Oh, meu Deus.” Digo, percebendo quando finalmente descobri o mistério por trás de

seu sorriso.

“Não, por favor, continue.” Diz ele com uma risada. "Estou curioso sobre sua técnica."

Eu não posso ajudar, além de rir também e dar umas pancadinhas na água para ele.

Ele foge e continua rindo. Ele vem atrás de mim para escapar de qualquer outro salpico de

água, e quando faz, ele toca meus ombros. Um arrepio envolve em todo o meu corpo. A

química entre nós é inconfundível.

30
A eletricidade estala no ar e faz os cabelos em meus braços na extremidade. Minha

boceta dói cada vez que sua pele toca a minha, mesmo que ele não esteja me tocando de

qualquer maneira sexual. Isso nunca aconteceu comigo com os meninos que eu namorei.

Seus dedos fazem cócegas em meus braços. Inspiro uma respiração aguda e ouço-o

soltar um som profundo em sua garganta antes de pressionar seu corpo contra o meu,

prendendo-me ao balcão. Posso sentir sua dureza contra a fenda da minha bunda. Eu me

inclino para trás e pressiono contra ele. Ele geme e pressiona mais forte. Antes que as coisas

possam ir longe demais - eu quero que as coisas vão longe demais - Bailey começa a chorar.

Deacon suspira e se afasta. Eu sinto sua presença ainda comigo, ainda tocando em

mim mesmo depois que ele se afasta, como se o fantasma dele ainda permanecesse. Ele limpa

sua garganta. "Eu não sei o que aconteceu comigo. Sinto muito. Isso foi totalmente

inapropriado. Espero não ter feito você se sentir desconfortável." Diz ele. Volto-me para ele.

"Não." Eu digo desesperadamente. "Nada que você pudesse fazer me faria sentir

desconfortável."

Suas bochechas coram, e um sorriso peculiar desliza o lado de sua boca. "Eu deveria ir

ver Bailey."

Ela está realmente chorando agora, um som irritado, exigente. Engulo e me livro

desse sentimento pesado e cheio de luxúria. Talvez seja para o melhor que fomos

interrompidos. Não é como se pudéssemos simplesmente nos despir aqui e fazê-lo no balcão

do seu irmão. Olhe ao redor. Ou podemos? Definitivamente não.

Sam poderia voltar para casa a qualquer momento e seríamos apanhados. Eu não

quero dar a Sam uma razão para me odiar mais do que ele já faz.

Subimos as escadas para o escritório berçário de Bailey. Ela está de pé, alcançando seu

pai quando o vê. É a coisa mais adorável do mundo. Definitivamente a menina do papai. E

ele é tão bom com ela. Há apenas algo tão sexy sobre um homem segurando sua filha. Ele a

pega e eles sentam no chão. As lágrimas de Bailey param. Ela deve se lembrar de mim de

ontem, porque ela alcança sua pequena mão em minha direção. Eu pego e me sento ao lado

deles.

31
"Uau, ela é realmente exigente com as pessoas que deixa perto de mim." Diz Deacon.

"Ela é meio territorial. Deve realmente gostar de você."

Eu cruzo meus olhos, fazendo caretas engraçadas para ela, fazendo-a rir.

"Eu gosto dela também." Ele começa a zumbir uma melodia, uma canção de ninar que

eu me lembro de minha própria infância. Eu cantarolava. Não posso me ajudar. Ele sorri,

encorajadoramente, então começo a cantar as palavras e ele canta também. Ele tem uma

grande voz, e sempre me foi dado solos quando estava no coro da escola, então sei que eu

canto bem também.

Bailey parece gostar. Seu sorriso estica suas bochechas rechonchudas e deixa para fora

sons felizes. Depois de alguns minutos ela está cochilando. No final da música, ela está

desmaiada. Deacon a coloca no corredor e eu saio do quarto para o corredor escuro. Isto é

onde nós estávamos ontem quando moveu o cabelo de meu ombro e nós quase beijamos. Ele

vem em minha direção, mas para antes de chegar muito perto. Seus olhos são intensos,

focados nos meus. A necessidade neles é inegável. Eles brilham na luz baixa, implorando por

algo mais.

Eu ando até ele, deixando-o saber que estou pronta e disposta. Eu quero este beijo

mais do que eu alguma vez quis algo.

Apenas, em vez de fechar a brecha entre nós, ele dá um passo para trás. Ele está

relutante sobre isso. Eu li errado? Na cozinha parecia que ele realmente me queria.

Eu me sinto tão confusa agora, e rasgada. Sei que se nos beijarmos, ou se as coisas

forem mais longe, isso pode mudar a dinâmica entre nós. Poderia estragar todo esse arranjo.

Talvez ele tenha medo se dormirmos juntos e as coisas mudarem entre nós, ele não terá

alguém para cuidar de Bailey enquanto vai trabalhar. Não posso culpá-lo. Sei o quão difícil

seria para ele encontrar alguém que confia para olhar sua filha.

"Eu deveria começar a trabalhar." Diz ele, sua voz hesitante, como se realmente não

quisesse sair. Eu quero dizer a ele para ficar, para estar comigo, mas não quero que ele tenha

problemas no trabalho. Não quero ser egoísta.

"Claro. Não se preocupe com nada."

32
"Surpreendentemente, eu não me preocupo com nada sabendo que você está

assistindo minha filha. Estou sempre preocupado com ela de outra forma, mas posso ver que

ela está em mãos capazes."

Essas mãos são capazes de outras coisas também, não apenas assistindo crianças. Elas são

capazes de fazê-lo muito feliz. Quero mostrar-lhe isso. Quero dizer-lhe isso, mas não posso. Não

sem mudar as coisas entre nós que não podem ser para o bem. Ele sai para o trabalho.

Eu o observo da janela enquanto ele sai da entrada e desce a estrada. Uma vez que ele

está fora de vista, vou para o seu quarto. Todos esses anos perguntando como era lá dentro.

Eu preciso vê-lo por mim mesma.

A primeira coisa que eu faço é ir à janela onde há uma vista direta a meu quarto. Então

é possível que ele estivesse me olhando ontem à noite. Existem manchas de impressões

digitais lá. Ele tinha me olhado e tocado a janela? Eu olho ao redor do resto do quarto. Ele

tem uma cama queen size com um conjunto de lençóis azuis e console correspondente. Um

quarto de solteiro. É muito esparso na decoração, e tudo é suave, cores escuras. Deslizando

meus sapatos, pulei de volta em sua cama, esparramada para fora, movendo minhas mãos

como eu faria se estivesse fazendo um anjo de neve no tecido fresco de seu conjunto. Eu

posso cheirá-lo nos lençóis, o almíscar de sua colônia, o sabão que ele usa, e o gel que usa em

seu cabelo. Colocando seu travesseiro sobre meu rosto, eu o abraço apertado e respiro

profundamente.

Estou tão excitada agora, que mal posso suportar isso. Eu costumava me masturbar

com o travesseiro quando pensava nele. Isso foi antes de eu ter idade suficiente para ir às

lojas de sexo e me comprar brinquedos. Eu pegava meu travesseiro de corpo e fingia que era

ele, ficava nua e depois esfregava contra ele até, bem, você sabe. Estou meio tentada a usar

seu travesseiro como minha nova peça de teatro, talvez trocá-lo por um dos meus. Eu

poderia levar Bailey quando ela acordar e correr para minha casa. Tudo o que tenho que

fazer é colocar sua fronha de almofada nele. Sorrindo, tiro o travesseiro do meu rosto quando

fica muito quente. Quando eu faço, vejo uma figura escura na porta e grito, meu coração

correndo um milhão de milhas por hora. Deacon está lá, um sorriso torto em seu rosto. "Oi."

Ele diz.
33
"O que você está fazendo aqui?" Pergunto. “Por que você não está no trabalho?" Eu

me sento e começo a ficar de pé, mas ele diz.

"Não, fique aí." Parece um pouco como se estou em apuros. Como quando fiz algo

errado quando criança e fui obrigada a ficar na minha cama e não me mover. "Eu chamei

doente." Ele diz, se movendo em direção à cama. Para mim. Minha respiração vem mais

rápida. "Eu não conseguia parar de pensar em você. Há uma conexão aqui. Eu sei que você

sente."

Eu me inclino para trás até que estou deitada em sua cama, meu fôlego agora vindo

em rajadas pesadas enquanto ele se inclina sobre mim. Aceno com a cabeça porque minha

voz está presa na minha garganta. Ele agarra meus braços e os levanta acima da minha

cabeça. Deixando sair um gemido baixo, dou as boas-vindas a este lado agressivo dele. Ele

faz a ponte entre nós até que nossos lábios se toquem. É um beijo gentil no início. Uma

introdução, seus lábios conhecendo os meus. Ele é suave, mas ansioso.

Seu peso se acalma em mim, os dedos se enrolando em meu cabelo. Eu amo como seu

corpo se encaixa perfeitamente com o meu. Nossos quadris e peitos mesclando juntos como

se fôssemos feitos um para o outro. Posso sentir seus batimentos cardíacos contra mim,

movendo-se tão rápido quanto o meu.

Ele parece tão confiante, mas seu batimento cardíaco sugere que está nervoso também.

Ou talvez ele esteja tão excitado para estar comigo quanto eu estou finalmente para estar com

ele. Eu não posso acreditar que isso está finalmente acontecendo. Todos os meus sonhos

adolescentes estão se tornando realidade e eu tento memorizar o sentimento dele contra

mim, o som de sua respiração, o cheiro dele, a fim de manter esta memória comigo sempre.

Nossas línguas se encontram, torcendo e contorcendo-se. Membros se entrelaçam.

Passei a camisa por cima da cabeça, bagunçando seu cabelo. Sua pele é quente ao

toque, esticada sobre seus músculos. Eu amo a suavidade dele contra meus dedos. Olhando

para baixo entre nós, vejo sua dureza duro em forçar a sair de sua calça jeans. Estou ansiosa

para ajudá-lo com isso. Ele se levanta para me dar muito espaço para trabalhar quando

descompacto seu jeans e deslizo minha mão em seus boxes, ofegando quando sinto o quão

grande ele é.
34
Como isso vai caber? Uma gavinha de medo arrepia através de mim quando penso

sobre a dor de ter relações sexuais pela primeira vez. Especialmente com alguém tão grande.

Sei que não é provável, mas não posso ajudar, além de me preocupe que não vai caber.

De alguma forma ele consegue tirar suas calças jeans com uma mão. Seus boxes

deslizam para baixo sobre sua cintura estreita, e vejo quão intimidador ele realmente é.

Estou nervosa, mas ao mesmo tempo estou mais excitada do que nunca. Sua pele

ardente e sedosa. Envolvo minha mão em torno de sua virilidade maciça, acariciando

lentamente. Ele solta um grunhido profundo, masculino, que envolve arrepios em meus

braços. É como se eu tivesse acordado uma besta. De repente ele está arrancando minhas

roupas, seus olhos feral com luxúria. Eu sou uma boneca de pano, sendo dobrada e

posicionada aproximadamente. Esse lado selvagem dele é tão excitante, e eu percebo que a

diferença entre um menino e um homem são mundos separados. Meu ex, Trevor, foi um

substituto terrível para a coisa real. Minhas roupas estão fora em segundos. Ele se senta para

trás, apenas olhando para mim. Faz-me um pouco autoconsciente sendo exposta assim, mas

o olhar intenso em seu rosto me faz saber que ele gosta do que vê e tudo o que eu quero fazer

é agradá-lo, então eu tenho certeza de não me curvar como eu quero. Eu permaneço aberta

para ele, deixo que ele veja cada parte de mim, cada falha, cada sarda. "Você é a mulher mais

sexy que eu já vi." Diz ele em uma voz profunda, sensual. Ele está me beijando de novo,

lambendo, mordendo no meus lábios inferiores, enquanto suas mãos exploram meus seios.

Eu nunca soube realmente quão sensível meus mamilos eram até agora. Cada vez que

ele beliscava um, enviava uma onda de relâmpago para o meu clitóris que se sente inchado e

negligenciado, enquanto o resto do meu corpo recebe toda a atenção. Mas isso é bom, porque

sei quando ele finalmente chegar a me tocar lá, vai valer a pena a espera. Ele pega um dos

meus seios em sua boca, rosnando como um cão com um brinquedo que não quer

compartilhar com mais alguém. Ele é tão possessivo sobre meu corpo. Eu nunca senti

querida, ou desejada antes. Então ele troca de peito, certificando-se de que cada um tem sua

parte justa de atenção. Quando ele vem para o ar, ele diz: "Você tem os melhores perfeitas

peitos." Ele aperta um e lambe seu caminho em torno da aréola. "E os mamilos mais bonitos."

35
Ele pega os dois, segurando-os. "Estes pertencem a mim agora." Diz possessivamente.

"Ninguém mais pode tocá-los."

"Meu corpo inteiro é seu." Eu digo desesperadamente. "Eu quero apenas você. Eu

sempre quis apenas você."

Ele se senta para trás, olhando curiosamente para mim, enquanto ainda segurava

meus seios em suas mãos. “Sempre?"

“Desde que eu tinha 13 anos.” Digo. "Eu tive a maior paixão por você. Você deve ter

notado. Eu não era muito boa em escondê-lo."

Ele ri. "Eu tive um sentimento quando você começou a sair de sua casa cada vez que

eu fiz. Eu te vi uma vez olhando para mim também." Sinto-me corar, mas eu não me importo.

Quero que ele saiba.

"Eu estava um pouco obcecada com você."

"Ah, sim?" Ele diz e beija um dos meus mamilos. "Você fantasiou sobre nós estarmos

juntos?"

"O tempo todo." Ele chupa quase todo o meu peito em sua boca e começa a chupar e

mordiscar. A pressão entre minhas pernas se constrói até que eu sinto como se eu pudesse

explodir. Quando ele deixa ir, pergunta: "Que tipo de coisas você me imaginou fazendo para

você?" Ele pergunta.

Sua mão corre pela pele de minha coxa interna, chegando muito perto do mergulho

entre minhas pernas, mas ele nunca vai longe. É como se soubesse a agonia em que estou e

quisesse me torturar. Minhas mãos vão para os globos apertados de suas bochechas do

traseiro. Empurro seus boxers até os joelhos, tanto quanto eu posso alcançar. Ele os empurra

para baixo o resto do caminho até que estão em seus tornozelos e os chuta. Estamos ambos

inteiramente nus. É terrível e emocionante tudo ao mesmo tempo. E embora não haja nada

no caminho agora, ele tem uma contenção incrível. Eu arqueio em direção a ele, mas ele

consegue manter nossos quadris de tocar.

"Imaginei você me tocando," eu aceno, "lá embaixo.” Ele sorri e ri.

"Você quer dizer sua boceta?" Ele diz. Eu coro. Não sei por que é uma palavra tão

embaraçosa para eu dizer. Sou adulta, afinal. Tenho dezoito anos. Mas, por alguma razão,
36
ainda é uma palavra ruim para dizer. "Sim." Digo. "Minha boceta." Tento a palavra para fora.

É estranho. Um pouco impertinente, um pouco embaraçoso, mas eu gosto. Sente-se sexy. E

posso dizer pela forma como Deacon começa a perder o seu sorriso, seus traços tornando-se

mais nítidos, intensos, que gira sobre ele também.

"Eu costumava imaginar você entrando furtivamente no meu quarto quando minha

janela estava aberta nas noites de verão. Você me tiraria e me acordaria lambendo minha

boceta." Ele faz som baixo em sua garganta. Suas mãos apertando meus seios mais duro,

dolorosamente apertando meus mamilos até que minha boceta começa a vazar em toda

parte. Eu posso sentir a poça crescendo nos lençóis sob minha bunda.

"O que mais?" Ele diz, sua voz apenas um sussurro enquanto ele separa minhas pernas

separadas e aperta a pele de minha coxa interna como se estivesse levando toda a sua

contenção para não rasgar.

"E então você me fode." De repente, essas palavras impertinentes se sentem bem e elas

vêm derramando-se de mim como se estivessem sempre lá, presas, esperando o momento

certo para escapar. "Você iria bater o seu pênis tão profundamente em mim que eu tinha de

morder meu travesseiro para manter de gritar. Quando fiquei muito alta, você me viraria de

barriga para baixo e empurraria meu rosto para dentro do travesseiro enquanto me fodeu

por trás."

Suas mãos ainda estão segurando minhas coxas internas, mas seu rosto parece um

pouco surpreso. Ele fica assim por vários segundos e eu começo a me perguntar se fui longe

demais. Em seguida, um sorriso se forma em seus lábios e mantém esticado até preencher

todo o seu rosto.

"Uau. E aqui eu pensei que quando as garotas jovens se esmagavam com homens

mais velhos, é tudo sobre jantares agradáveis e gestos românticos."

Sorrio para ele. "Esses são bons também." Digo.

Ele ri e me beija nos lábios, uma bicada rápida que se torna um beijo lento até se

desenvolver em uma sessão quente, sensual fazendo fora. Seus lábios sabem tão bem.

Enquanto seus lábios se deslocam até meu pescoço, suas mãos se movem pelas minhas coxas,

37
estendendo minhas pernas ainda mais. Ele está massageando a pele inchada de meus lábios

externos, beliscando e puxando.

Envolvo meus braços ao redor de seu pescoço, empurrando meus quadris para ele,

gemendo e sussurrando, "oh porra", quando o sentimento ingurgitado em minha boceta se

torna mais proeminente.

“Eu preciso de você dentro de mim." Digo a ele. Embora nunca tenha feito sexo, algo

instintivo me diz que esse é o único alívio para a pressão que sinto crescendo. A ponta de seu

dedo encontra o topo do meu clitóris e ele começa a esfregar em círculos lentos, e eu estou

gritando seu nome, sentindo como se vou lançar fora desta cama, direito através do teto.

Eu me masturbei mil vezes, mas nunca me senti assim. É uma experiência

completamente diferente quando está tão excitada que não há oxigênio indo para o seu

cérebro e você se sente meio louca com luxúria, e outra pessoa está fazendo todo o toque para

você. É soprando mente. É mais que eu posso tomar. O orgasmo está em cima de mim antes

mesmo de perceber que está chegando. Estou fazendo sons sufocantes e meu corpo está

cambaleando, espasmando. No começo acho que nós terminamos, porque quando eu me

toco, isso é tudo que existe.

A construção, o lançamento, e fim. Mas Deacon continua esfregando e eu percebo,

não, não terminou. Esse sentimento poderoso continua mantendo a construção e a

construção, até que é quase doloroso, e acho que provavelmente deveríamos parar antes que

a dor piore, mas ele continua esfregando e em vez da dor ficar pior, algo dentro de mim

quebra e o prazer explode em rajadas e eu estou gozando e gozando, e ainda está vindo.

Minha boca se abre e um grito sai sem eu mesmo perceber o que está acontecendo. Ele

continua esfregando e eu continuo gozando por um minuto inteiro até que finalmente o

refluxo começa a me levar de volta para baixo. Deacon está beijando o lado do meu peito,

observando meu rosto com um sorriso provocante.

"Como foi isso?" Ele pergunta.

"O que diabos aconteceu?" Eu digo, sem fôlego e um pouco confusa. Como eu estava

me masturbando há anos e nunca soube que poderia ser assim? É quase como uma traição,

38
como se meu corpo tem mentido para mim durante todo este tempo. Ele enterra o rosto entre

os meus seios e começa a rir. Tipo, rir.

Eu me sinto meio estúpida, como uma garotinha ignorante em vez da mulher sexual

que tentei retratar. "Você nunca teve um orgasmo antes?"

Ele diz quando finalmente para de rir. Eu ainda estou sem fôlego, meu Coração

batendo na parte de trás do meu pescoço. "Não assim. Nada perto de ser assim."

Ele olha para mim, presunçoso agora quando sorri. "Oh, querida, isso não é nada

comparado com as coisas que eu planejo fazer com você." Um arrepio rola através de mim e

parece um pouco como o Natal agora.

Estou tão excitada que eu mal posso sentar-me ainda. Ele beija seu caminho até meu

corpo até que sua cabeça está entre minhas pernas espalhadas. A princípio, ele só me

provoca. Uma mordida aqui, uma mordida lá. Meu corpo reage. Só de saber que ele está lá

embaixo é o suficiente para me excitar. Então sua língua estende, tocando naquele ponto

mais delicado e é como se o resto do mundo acabasse de escapar para o abismo. Fecho meus

olhos, maravilhada com os sentimentos que ele me está dando. Ele chupa a pele dos meus

lábios, cuidando de meu clitóris. A língua conduzindo profunda. Bebendo em minha

excitação. Ele está tão concentrado. A pele em sua testa se aperta enquanto ele se concentra

em me trazer prazer. Quando ele vem para o ar, ele diz: "Sua boceta tem o gosto tão bom."

Então ele está mergulhando de volta e seguro a parte de trás da cabeça, correndo meus

dedos através seu cabelo grosso. Ele encaixa sua boca inteira em torno de minha boceta, com

fome para isso. Chupando e lambendo como se tem medo de perder uma única gota. Um

calor maravilhoso se espalha pelo meu corpo, estendendo os meus membros e eu deito aqui

sentindo como se estivesse brilhando de dentro para fora. Eu nunca me senti assim. Sempre

foi difícil e confuso com outros namorados quando fomos tolos e foi óbvio que nenhum de

nós teve a experiência como devemos. Talvez seja porque Deacon é mais velho e mais

experiente. Ele parece saber exatamente o que meu corpo precisa exatamente quando ele

precisa. Ele desliza o dedo e, embora eu tenha sido tocada antes - inclusive por mim mesma -

é como se ele tivesse encontrado algum tipo de passagem secreta, um centro de prazer que

foi escondido toda a minha vida e só ele tem a chave para desbloquear isso. Solto um gemido
39
alto apesar de tentar ser dolorosamente quieta como para não acordar o bebê. Provavelmente

é tarde demais para isso agora. Eu já chorei mais de uma vez.

Ele tenta um segundo dedo. É um ajuste desconfortavelmente estreito.

"Jesus, você é apertada." Ele diz. Eu quase digo a ele que é porque eu nunca tive nada

mais do que um dedo lá antes. Tenho medo de lhe dizer que sou virgem, temendo que isso o

assuste. Eu não quero que isso pare. Não quero que ele pense em mim como a garotinha ao

lado. Sou uma mulher agora, e eu não quero sair como qualquer outra coisa. Pego sua mão e

movo-a antes que ele perceba que eu sou virgem. "Eu preciso de você." Digo a ele. "Quero

você dentro de mim."

Ele sobe pelo meu corpo, me beijando o tempo todo. Enquanto está no topo, ele olha

para os meus olhos e é tão insanamente bonito. Eu não posso acreditar que isso realmente vai

acontecer com ele. Todas essas fantasias adolescentes finalmente chegam à vida. Eu mal

posso aguentar a antecipação. A cabeça de seu pênis esfrega contra meu clitóris, ambos

molhados e lisos, me deixando louca. Ele começa a empurrar para dentro de mim e quando

faz, há um leve tom de dor. Ele para, batendo na minha barreira. Sua testa sulca. Há uma

longa pausa, ele estuda meu rosto antes que ele finalmente diga: "Você é virgem?"

Eu respiro fundo. Não há sentido em mentir. É muito óbvio. "Eu sou." Ele solta um

suspiro desapontado, e meu coração se aperta.

"Remy, sua primeira vez deve ser com alguém que você gosta." Ele começa a puxar

para fora, mas eu agarro seus quadris, segurando-o no lugar.

"Não há ninguém mais que eu preferiria perder minha virgindade. Estou apaixonada

por você desde os treze anos. Ninguém nunca me fez sentir do jeito que você tem. Eu sempre

estive esperando por você." Digo. "Quero fazer isso com você e só você."

A fome em seu olhar se intensifica. Seus lábios devoram os meus, nossas línguas se

aglomeram, torcendo-se e contorcendo-se umas às outras.

"Você tem certeza que quer isso?" Ele diz, sem fôlego, quando nossos lábios se

separam. Seu polegar traça a curva do meu lábio inferior.

"Claro que tenho certeza. Eu nunca estive mais segura sobre qualquer coisa na minha

vida." Digo. Ele move o cabelo para fora dos meus olhos e beija minha testa.
40
“Isso pode doer.”

“Eu sei. Está tudo bem." Asseguro-lhe. "Eu quero isso."

Ele abaixa entre minhas pernas e começa a esfregar meu clitóris quando move a cabeça

de seu pênis dentro e fora de mim, pressionando ligeiramente contra a minha parede virgem.

Soltei um gemido, meus olhos rolando para trás em minha cabeça. Parece incrível. Então ele

empurra dentro de mim. Há uma facada afiada, quando a barreira rompe, uma dor irregular,

cortante quando ele dirige todo o caminho em mim. Minha respiração pega, muito assustada

para fazer um som. Ele não se move, permitindo que meu corpo se adapte a esse novo

sentimento. De repente eu suspiro depois de segurar minha respiração por tanto tempo.

"Hey, você está bem?" Ele pergunta, olhando para mim com preocupação.

A dor não dura muito tempo. É principalmente choque que mantém minha boca e

olhos abertos. Eu aceno a cabeça.

"Sim, estou bem." Ele beija meus lábios e é o beijo mais gentil e terno que alguém já me

deu. Ele começa a se mover, deslizando para dentro de mim. Desta vez, é bom.

"Está tudo bem?" Ele pergunta. Quanto mais se move, melhor se sente. Fecho meus

olhos e sorrio.

"É perfeito." Seus olhos se fecham, e seu rosto é uma combinação de prazer e dor.

"Jesus, sua boceta é tão fodidamente apertada. Você se sente incrível." Ele vai devagar

no início, e é maravilhoso. Se alguém tivesse me dito como isso é incrível, eu poderia ter

perdido minha virgindade anos atrás. Mas tudo o que alguém falou foi a dor horrível que

causou. Ninguém nunca disse que só dura um segundo e uma vez que se foi, o sexo é

fodidamente mente soprando. Ou tenho amigos de merda, ou tiveram experiências sexuais

de merda. Ou talvez seja só porque Deacon sabe o que diabos ele está fazendo.

Ir lento é bom por um tempo, mas há essa necessidade para ele, esta dor baixa na

minha virilha. Eu levanto meus quadris para encontrar seus impulsos até que eu estou

batendo nele, nossos ossos de quadril colidindo. Ele sorri.

"Então você quer mais, hein?" Agarro seu traseiro, apertando.

"Sim, eu quero que você me foda." Exijo. Ele se senta de joelhos, agarrando minhas

pernas e descansando meus tornozelos em seus ombros. Ele levanta a minha bunda para o ar.
41
A próxima vez que bate em mim, ele termina e eu grito. É tão profundo, essa nova sensação.

Surpreendente, e confuso, e maravilhoso. Quase doloroso, mas não exatamente. Ele ainda

está empurrando forte quando diz. "Puta merda, eu nunca senti uma boceta tão apertada.

Você está me matando, garota. Acho que não aguento mais tempo. Vou foder minha semente

diretamente em seu ventre."

Suas palavras me chocam no início. Ele não usa camisinha. Acho que eu realmente não

pensei nisso quando começamos. Uma vez que fiz, eu só percebi que ele iria puxar para fora.

Nunca pensei que ele realmente quisesse gozar dentro de mim. Mas agora que ele disse isso,

imagino minha barriga grande e redonda com seu filho, e eu não consigo pensar em nada

que eu queira mais.

"Faça." Eu digo.

"Você tem certeza?" Ele pergunta.

“Faça-o." O segundo que as palavras saem de minha boca, ele solta um grunhido

trovejante e eu sinto seu pênis espasmar dentro de mim enquanto ele atira sua carga. Posso

sentir isso quente e cremoso, cobrindo minhas paredes. Quando ele está drenado, nós dois

desmoronamos na cama juntos, ofegantes e felizes.

42
4

DEACON

Eu não quero ir para o trabalho. Não há outro lugar em que eu queira ficar além desta

cama com Remy. É quase assustador o quão rápido eu me apaixonei por ela. A conexão entre

nós apenas nestes dois últimos dias supera tudo o que Karen e eu já tivemos. Remy é muito

mais. O fato de ela me deixar gozar dentro dela, e o olhar de maravilha em seu rosto quando

lhe disse que eu queria engravida-la, apenas define tudo em pedra. Quero que ela fique

grávida do meu filho. Quero ver parte de mim crescendo dentro dela, prova do nosso amor.

Beijo a parte plana de seu estômago abaixo de seu umbigo, imaginando-a redonda e

grávida. Estou começando a ficar duro novamente.

"Você sabe que pode ficar grávida comigo gozando dentro de você?" Eu pergunto.

Ela me dá um olhar de brincadeira. “Oh, é assim que funciona?”

"Espertinha. O que eu quis dizer foi que ...Poderia acontecer e eu não ficaria chateado

com isso."

Ela se inclina e me beija, o sorriso mais bonito em seu rosto. "Nem eu."

Ela se senta e fica de pé. Uma gota de meu sêmen rola para baixo do interior de sua

perna. Ela caminha até a janela e fica em frente a ela, seu perfeito anus nu voltado para mim.

Ela tem um corpo incrível. Tão apertado. Vê-la ali de pé assim tem meu pênis doendo.

"Você me observou ontem à noite?" Ela pergunta. Ela respira na janela, enevoando-a

para mostrar minhas impressões digitais onde eu tinha encostado na janela para me segurar

enquanto sacudindo fora para ela tocando-me.

"Você fez isso de propósito para eu assistir, não é?" Eu digo, caminhando para trás

dela. Envolvo meus braços em volta dela.

"Eu esperava que você fizesse." Diz ela, esfregando seu traseiro contra meu pau duro.

Eu deslizo meu pau em sua vagina pingando. Ela ofegou.

"Bem eu fiz e me acariciei enquanto assistia."


43
Segurando em sua barriga, eu empurro meu pau profundamente dentro dela com

empurrões duros. Seus peitos e o lado de seu rosto são pressionados contra a janela. Ela grita

meu nome. Há um homem andando com seu cachorro na calçada abaixo de nós. Se ele olhar

para cima vai ter bastante do show. Parte de mim espera que ele olhe para cima e testemunhe

fodendo essa deusa.

"Eu vou foder minha carga em você novamente." Eu digo a ela, batendo, perfurando

meu caminho em sua boceta apertada. "Vou enchê-la com meu sêmen e ver sua barriga

grávida crescer."

Mais uma vez, para minha surpresa, ela diz. "Porra sim, eu quero. Eu quero estar

grande e redonda com seu filho."

Imaginando-a nua e grávida, uma barriga inchada grande, ajustando-me fora despejo

outra carga de sêmen dentro dela. Mantenho meu pau enterrado nela por vários minutos.

Uma vez que eu estou desinflado, eu finalmente saio. Sua vagina é tão apertada, mesmo

depois de todo esse sexo, ela quase não goteja.

Eu a viro para me encarar. Seus seios são frios ao toque de ser pressionado contra a

janela. Por mais que eu queira ficar aqui e aproveitar o resplendor, se eu não começar a

trabalhar, vou ser demitido, e isso vai fazer com que esta nova família seja muito mais difícil

do que deveria ser.

Ela vai até a cama e se estabelece, seu corpo gasto após o treino que foi dado. Ela

envolve os lençóis ao redor de sua cintura, deixando seus lindos peitos leitosos expostos. Eu

me inclino e beijo um. Não posso me ajudar. Eles são tão perfeitos e sedosos e suaves. Ela

passa os dedos pelo meu cabelo e solta o gemido mais sexy. Eu já estou ficando excitado

novamente. Mas não há nada que eu possa fazer sobre isso. Um, vou estar ainda mais

atrasado do que já sou, e dois, eu não quero que ela esteja muito dolorida após os dois golpes

que acabou de tomar.

"Isso foi incrível." Diz ela.

Foi melhor do que incrível. Levou o sexo para outro nível. "Sim, foi."

Eu ainda não consigo acreditar que ela era virgem. Tenho que admitir, estar com

alguém tão puro e intocado é a fantasia de cada homem; eu não sou exceção. É uma coisa de
44
homem das cavernas, acho. Conquistando uma montanha. Sendo o primeiro homem a

plantar sua bandeira. Eu fui o primeiro a plantar minha semente, para esperá-la crescer. Ela

será minha e só minha para sempre se tudo correr bem.

Eu resmungo. "Tenho que começar a trabalhar." Digo relutantemente.

"Não há tempo para outra rapidinha?" Ela diz, curvando contra mim.

Soltei um riso torturado. "Você não tem ideia de como eu estou tentado a fazer

exatamente isso, mas não posso estar mais atrasado do que eu já estou. Tal como está, Sam

vai ficar chateado. Ele é a razão de eu ter o trabalho em primeiro lugar."

Ela beija meu braço. "Eu entendo. Não há necessidade de fazer Sam me odiar mais do

que ele já faz."

"Ele não odeia você." Digo.

"Sim ele faz."

"Ok, talvez um pouco."

Ela ri e é um som que aquece meu peito e me faz sentir cheio por dentro. Isso me deixa

saber ainda mais do que eu já faço que essa coisa entre nós é para ser. Com Remy eu sinto

novamente.

Estou indo bem acima do limite de velocidade para começar a trabalhar. Já estou

atrasado, mas quanto mais tarde eu estiver, pior será. Puxando para o espaço ao lado do

carro de Sam, saio da minha camionete e enfio minha camisa dentro. Eu estava esperando

para entrar no prédio sem ser detectado, mas estou a meio caminho quando Sam sai. Ele me

vê antes que eu possa me esconder atrás de um desses carros.

Ele faz uma linha em minha direção, seu cabelo gelado e crocante fica rígido no lugar,

apesar da brisa.

"Já está começando." Ele diz, colocando em mim sem sequer um "olá" primeiro.

45
"O que você está falando, Sam?" Normalmente, um confronto com o meu irmão

instantaneamente me colocou de mau humor, mas depois do que apenas aconteceu entre

mim e Remy, nada pode me derrubar. Nem mesmo Sam e sua desgraça e tristeza.

Ele diz: "Você está cometendo os mesmos erros que cometeu com Karen."

Abro a boca para falar, mas Sam fala diretamente sobre mim. "Não aja como se não

soubesse do que estou falando."

Ele me olha de cima a baixo, balançando a cabeça desagradável. Ainda era a grande e

poderosa merda que sempre foi. "Antes de tentar negar isso, dê uma boa olhada em si

mesmo. Você só começou o trabalho que eu ajudei a conseguir, e já está atrasado." Ele joga as

mãos para cima em frustração. "E, pelo amor de Deus, puxe o zíper." Eu lutei com um

sorriso. Quando arranco meu zíper, ele faz um som curto. Eu percebo agora que Sam nunca

vai mudar.

Mesmo como crianças, ele tentou manipular minha vida. Ele se preocupava com tudo,

sempre mais como uma mãe do que com um irmão.

"Remy vai estragar a sua vida." Diz ele. "Já começou."

Não há sentido em negar meus sentimentos por Remy por mais tempo. Eu,

obviamente, não estou escondendo muito bem.

"Remy não é nada como Karen. Você não a conhece. Você nunca se incomodou em

tentar." Eu digo. Ele olha para mim.

“Tampouco você tem até recentemente.” Sua voz é aquecida, aumentando o suficiente

para chamar a atenção para o nosso argumento. Quanto mais tempo eu ficar aqui fora, mais

atrasado vou estar para o trabalho e mais problemas vou estar com meu chefe. Eu estou em

um período de liberdade condicional para os próximos dois meses. Apesar de estar atrasado

para estar com Remy valia a pena, eu não posso me dar ao luxo de perder esse emprego.

Mesmo que isso signifique ficar preso a maior parte do dia com Sam.

"Mantenha sua voz baixa." Eu sussurro. "Nem todo mundo precisa conhecer o nosso

negócio."

"Bem, é verdade." Diz ele, mais silencioso dessa vez. Talvez seja verdade. Eu nunca

tentei realmente conhecer Remy quando eu morava ao lado dela. Ela era apenas uma criança
46
naquela época. Teria sido inapropriado. Mas eu sei que ela não é nada como Karen. Eu a vi

crescer. Ela era a amiga do bairro. Todos os vizinhos costumavam dizer o quão boa ela era.

Como ela costumava cortar o gramado da Sra. Holister sem ser perguntada e sem esperar

que lhe pagassem. Ela fez isso porque viu uma mulher velha que estava em necessidade.

Karen nunca faria algo assim. Ela não sabia o que a palavra caridade significava mesmo.

Eu me lembro de uma vez que a mãe de Remy me contou como Remy costumava

encontrar animais machucados e quebrados e trazê-los de volta para casa, amamentando-os

de volta à saúde. Pássaros, doninhas, e até mesmo um bebê gambá. Ela era maternal e os

nutria. Duas coisas que nunca foram incorporadas no DNA de Karen. Eu vi isso desde o

início de nosso casamento, mas não queria que fosse verdade, então ignorei os sinais. Meus

olhos estão bem abertos agora, e vejo Remy por quem ela realmente é, e ela é exatamente o

que eu quero. Eu nunca deveria ter estado com Karen.

Estou feliz por ter estado por causa de Bailey, mas se eu pudesse ter tido Bailey com

Remy em vez disso, teria sido melhor. Karen era rude, temperada, e não era uma boa pessoa

em geral.

"Eu a conheço melhor do que você pensa que faço." Digo. Sam toca meu ombro, mas

eu o empurro para longe. "Preciso entrar antes de ser demitido." Eu digo e passei por ele. São

oito horas esgotantes, mas pelo menos não fui dado por estar atrasado. Ninguém parecia

notar. Durante todo o dia, a única coisa em que posso pensar é em voltar para Remy. O que

quer que essa coisa entre nós parece é mais real do que qualquer outro relacionamento que

eu já estive antes.

Puxo para a entrada de automóveis e vejo um carro estacionado na frente que nunca vi

antes. Vou para dentro e Sam está ao lado de uma mulher mais velha que eu também nunca

vi antes.

"Onde está Bailey?" Eu pergunto, assumindo que Remy deve estar lá em cima com ela.

"Em seu berçário." Sam diz. Ele tem um olhar em seu rosto que eu não confio muito. Como se

ele estivesse escondendo alguma coisa. Vou lá em cima, dando dois passos de cada vez

correndo para ver minha filha e Remy. Mas quando entro no escritório, Remy não está lá.

Apenas Bailey, de pé, chorando. Eu a pego e volto lá embaixo.


47
"O que diabos está acontecendo?" Eu pergunto, tentando não levantar minha voz para

não aborrecer Bailey mais do que ela já está. "Onde está Remy e por que diabos minha filha

estava sozinha lá em cima chorando seus olhos?"

Estou chateado, e não estou fazendo um trabalho muito bom em segurar o

temperamento na frente desta estranha. Eu sei que Remy não deixaria Bailey sozinha assim.

Sam fez alguma coisa. Eu o sinto em meus ossos.

"Enviei Remy para casa." Sam diz, erguendo o queixo e puxando os ombros. Se eu não

estivesse com minha filha e com aquela velha, eu estaria com aquele olhar presunçoso do

rosto dele. "O que você quer dizer com que você a mandou para casa?" Eu exijo.

"Eu não achava apropriado tê-la aqui mais, e então tive um serviço de babá enviando

alguém. Esta é Deloris." Eu olho para a estranha, meu sangue ferve. Ela tem uma boca severa,

nenhum vestígio da paciência ou ternura que leva para assistir a uma criança. Tenho certeza

que ela é perfeitamente boa, e sem dúvida um serviço de babá executa verificações de

antecedentes, mas este não é o rosto que eu quero que minha filha veja dia e dia enquanto eu

estou trabalhando. Quero que Bailey se sinta segura. Remy tem um jeito com seus sorrisos

quentes e voz gentil de colocar as pessoas à vontade. Esse é o rosto que eu quero que minha

filha veja todos os dias. Esse é o rosto que eu quero ver todos os dias.

"Você não tinha o direito." Digo, a voz mergulhando perigosamente baixa. Espero que

ele ouça a ameaça nela e não seja tão estúpido como parece.

"Na verdade, eu faço. Tenho todo o direito. Esta é a minha casa agora, e eu digo quem

consegue estar nela. E eu não quero Remy aqui." Ele diz desafiadoramente.

"Você não consegue dizer quem assiste minha filha. Cruzou uma linha desta vez." Eu

olho para Deloris e pergunto. "Existe alguma maneira que eu poderia fazer você ficar um

pouco mais?" Ela parece confusa. Sam também.

"Eu suponho que posso." Diz ela.

"Obrigado." Eu aperto meus lábios contra a bochecha de Bailey e sopro "bolhas

beijadas" contra sua bochecha. Ela adora o som e cócegas disso, e é sempre bom para um riso

garantido. Quando tenho certeza que ela está feliz e não vai chorar, eu a dou para a babá.

Enquanto ando em direção à porta, Sam chama.


48
"Aonde você vai?" Eu bati a porta sem responder. Estou no telefone, discando o

número de Remy. Ela não pega. Medo e raiva surgem através de mim. E se Sam disse alguma

coisa para arruinar as coisas entre mim e Remy permanentemente. Esta relação é nova e já

cheia de drama. Remy é inteligente e bonita e poderia ter qualquer cara que ela quisesse. Não

é como se precisa ficar e tomar esse tipo de abuso. Ela poderia pensar que está apaixonada

por mim depois de ter esta paixão por anos, mas quanto tempo levará para ver que essa

minha vida quebrada não é para o que ela se inscreveu? Eu disco o número novamente, e

novamente ela não pega.

Eu quero jogar meu telefone na rua e vê-lo quebrar. Vou do outro lado da rua. O carro

de sua mãe está na frente e uma vez que eu vá para sua casa e a mãe de Remy vir como estou

chateado, ela vai saber que há algo acontecendo entre mim e sua filha. Eu duvido que ela

aprove. Sua filha mal saiu do colégio e eu tenho doze anos mais, com um bebê e uma ex-

mulher. Não tenho exatamente um grande histórico com mulheres, mas que teria sido

diferente se eu conhecesse alguém como Remy. Remy provavelmente não vai querer sua mãe

sabendo sobre nós tão cedo no jogo, mas eu tenho de vê-la. Preciso saber que ela está bem.

Bato na porta. Cada segundo de tique-taque sem a abertura pareça uma eternidade. Estou

prestes a bater mais forte quando isso se abre.

Remy fica na porta vestindo um vestido de verão sem sutiã. Seus mamilos estão duros

sob ele. É preciso todo o meu autocontrole para não pegá-la e levá-la embora comigo. Seu

cabelo loiro largo em cascata sobre seus ombros beijados pelo sol. A pele ao redor de seus

olhos está inchada e vermelha, como se ela estivesse limpando-os. Ela estava chorando?

"Sam te machucou?" Eu insisto. Ela não olha para mim. Pego o queixo dela na minha

mão e viro a cabeça para que nossos olhos se encontrem. "Diga-me." Uma lágrima escorrega

pelo seu rosto. Eu juro por Deus que há um touro dentro de mim prestes a sair da minha pele

e ir ao lado bater meu irmão no chão. Eu devia ter sabido melhor do que ir morar com ele.

Ele sempre foi um fodido por controle e sempre será. Mas, novamente, se eu não tivesse me

mudado com ele, nunca teria conectado com Remy. Isso fez com que lidar com todas as

merdas de Sam valesse a pena. Ainda assim, eu adoraria bater o cara agora.

49
"Sam acha que vou arruinar sua vida." Ela diz na voz mais frágil que eu já ouvi. Isso

traz os instintos protetores em mim, querendo proteger o que é meu.

Quero envolver meus braços ao redor dela e certificar-me de que ninguém nunca a

machuque novamente. Ela continua: "Ele contratou outra pessoa para assistir Bailey e me

disse para sair. Ele quer que eu fique e pense em todas as razões pelas quais sou errada para

você." Seu queixo treme e mais lágrimas caem de seus olhos. "Mas eu não consigo pensar em

uma única. Eu me importo com você e Bailey. Nunca faria nada para machucar qualquer um

de vocês." Ela faz uma pausa, então sacode a cabeça. "Mas talvez ele esteja certo. Como isso

vai funcionar entre nós quando seu irmão já me odeia?" Eu a tomo pelos ombros, segurando-

a firmemente em minhas mãos.

"Foda-se Sam. Ele não importa. Ele não sabe o que eu quero ou o que eu preciso na

minha vida." Eu me inclino para frente, beijando-a nos lábios. Ela hesita, então se afasta.

"Eu não posso. Minha mãe está lá em cima." Eu a tomo pela mão.

"O que você está fazendo?" Ela pergunta. "Você verá." Eu a puxo para o quintal dela.

Há uma fileira de arbustos perto da cerca que separa nossas duas casas. Sei que entre os

arbustos está uma pequena clareira onde ela costumava se esconder. Uma vez, anos atrás,

quando eu me abaixei para esfregar os pneus enquanto lavava meu carro, eu a vi lá, me

observando. Essa foi a primeira vez que suspeitei que ela tinha uma queda por mim. Eu a

observei todo o tempo através do reflexo do carro enquanto eu lavava. Ela nunca teve um

indício que eu notei. “Os arbustos são cobertos comparados a como eram então. Ninguém

será capaz de nos ver.”

“Não."

“Lembra-se de como você costumava me ver lavar meu carro daqui?" Eu digo,

provocando ela. Ela cora.

"Se você me viu te observando, por que nunca disse nada?"

"Eu não queria te envergonhar." Eu sorrio. "E eu gostei da atenção."

Nós apertamos o espaço entre os arbustos. A pequena clareira é apenas grande o

suficiente para caber nossos corpos. Assim que estamos escondidos, eu a beijo. Seus braços

envolvem meu pescoço, nossas línguas em guerra.


50
Deslizo minhas mãos sob seu vestido, incapaz de me conter por mais tempo. Suas

bochechas cobertas de calcinha se encaixavam perfeitamente em minhas mãos. Mas eu quero

sentir sua pele contra a minha, então deslizo minhas mãos sob o tecido e massageio. Aqueles

peitos bonitos pressionam acima de encontro a mim. O tecido de seu vestido é tão fino que

posso sentir seus mamilos duros debaixo deles. Eu não aguento mais. Preciso dela nua.

Em um movimento rápido, estou deslizando o vestido acima de sua cabeça. Eu então

deslizo sua calcinha fora. Seus seios são magníficos. Tão alegres que desafiam a gravidade,

aréolas pequenas e mamilos rosados brilhantes. Deslizo um em minha boca enquanto

provoco o outro com meus dedos. Seus sons de gemidos me deixam louco. Eu luto contra o

animal dentro de mim que quer separá-la e esmagar seu caminho dentro dela. Tenho que

lembrar-me que até ontem ela ainda era virgem e seu corpo pode não estar pronto para esse

tipo arrebatador ainda. Em vez disso, eu levo o meu tempo, certificando-me de que ela se

sinta bem. Deslizo meus dedos entre as dobras dela. "Droga, você está tão molhada." Digo.

“Isso é porque ela gosta de você." Ela diz como se sua boceta fosse um gatinho com o

qual eu me aconcheguei.

“Assim como o meu pau." Quando ela ri, seus músculos se flexionam contra meus

dedos. Eu gemi, sabendo o quão fantástico seria sentir contra o meu pau. No devido tempo,

eu me lembro. Esses músculos vão se flexionar ainda mais quando eu a fizer gozar, e para

fazê-la gozar eu não preciso apressar as coisas.

Eu encontro as cristas de seu ponto g e começo a massagem com as pontas dos meus

dedos, prendendo-os, empurrando-os. Olhando o rosto de Remy enquanto faço isso, seus

olhos se arregalam, a boca abre, os olhos vidrados enquanto ela olha para o céu. Sua

umidade se acumula dentro, juntando-se ao redor dos meus dedos. Eu os movo mais

rapidamente. Os gemidos pequenos que está fazendo estão se transformando em gritos

cheios. Fecho meus lábios nos dela para que ela não avise ninguém que possa estar por perto.

A última coisa que preciso é que Sam esteja andando por aí. É muito possível que ele esteja

andando pelo bairro procurando por mim. Parto do nosso beijo quando seus gritos morrem.

"Foda-se você está apertada." Eu digo quando tento entrar em um terceiro dedo, mas

não vai caber muito.


51
"Parece tão bom." Diz ela, sem fôlego. De repente seu corpo se torna rígido e ela

começa a espasmar. Isso é quando eu realmente começo a bater meus dedos nela.

Novamente, minha boca se prende à dela quando ela começa a gritar. Ela se torna uma poça

em meus braços, seus músculos gastos e enfraquecendo do orgasmo. Coloco-a sobre o

vestido de verão sob ela. Quando ela finalmente desce do alto, ela olha para mim, piscando

como se eu estivesse enfocando. "Bem-vinda de volta." Eu digo, sorrindo para ela.

Ela tem folhas em seu cabelo. Eu escolho-as para fora. Parece sonolenta, seus olhos

encapuçados. Depois do confronto que teve com Sam, ela provavelmente está mentalmente

esgotada.

"Isso foi incrível." Diz ela. "Por que os orgasmos nunca se sentem assim quando eu os

dou a mim mesma?"

Eu começo a pensar sobre ela sozinha em seu quarto, em sua cama, seus dedos dentro

dela, esfregando freneticamente, tentando alcançar esse breve momento de liberação. O olhar

em seu rosto quando finalmente acontece. Meu pau é tão duro que parece que pode explodir.

Ainda quero fazer com que ela se sinta bem.

"Ainda não terminei com você." Digo, acariciando-a na coxa.

"É melhor você não ter." Ela diz com um sorriso lento. Em sua mão e joelhos. Um olhar

de nervosismo atravessa brevemente seu rosto. "Oh, é meio brilhante aqui e..." Suas

bochechas coram. A vermelhidão desce pelo pescoço e peito. "Estou envergonhada por você

ver tudo."

Eu não estou acostumado com as mulheres que conheço estarem envergonhadas sobre

qualquer coisa quando se trata de seus corpos.

Provavelmente porque a maioria delas o usou para conseguir o que querem. Piscando

suas bundas nuas era um pedaço de barganha. E sempre funcionou. Remy não é assim. Ela

não é o tipo de garota para manipular um homem para conseguir o que ela quer.

"Está tudo bem." Digo, colocando delicados beijos em seus lábios, nariz e queixo.

"Você não tem que ficar envergonhada na minha frente." Eu esfreguei minha mão sobre a

pele macia de sua barriga lisa, imaginando como ela ficaria quando crescesse com meu filho

52
lá dentro. "Eu quero ver todas as suas partes, aprender tudo sobre você, conhecê-la de dentro

para fora."

Ela se senta, me beija profundamente antes de virar para cima em suas mãos e joelhos.

Minhas bolas rebitam quando vejo esta nova visão deslumbrante dela com sua linda bunda

redonda de veludo e sua pequena boceta reluzente e molhada. "Você é perfeita." Digo a ela,

não querendo que ela fique confusa com o meu silêncio. Quero-a na minha boca. Quero

prová-la, então mergulho direto.

Sedosa molhada dobra com minha língua, chupando seu clitóris em minha boca. Eu

lambo meu caminho de seu clitóris para o seu traseiro e de volta novamente, certificando-me

de cada parte dela recebe bastante atenção.

Ela saboreia tão doce como frutas e cheira tão bom. Não muito forte. Apenas uma

sugestão do almíscar feminino dela para saber que ela está excitada. Quando minhas bolas

começam a doer até o ponto de ficar desconfortável, eu me levanto e me alinho atrás dela.

Segurando seus quadris, alivio meu caminho. Seu túnel é como um punho úmido quente em

torno do meu pau, tão apertada. Parece notável. O som satisfeito que ela faz é música para os

meus ouvidos. Ela está molhada o suficiente para onde eu escorregar direto nela, e nesta

posição, sou capaz de chegar até o fim até a sua parede. Ela deixa para fora um fôlego de

surpresa quando afundo. Eu me asseguro de não pressionar muito, apenas facilitando dentro

e fora dela lentamente no início.

Fecho meus olhos, tentando tanto concentrar-me em não gozar muito cedo, mas isso

vai ser difícil. Eu nunca fui um idiota de duas bombas. Nem mesmo quando era mais jovem,

mas Remy me excita tanto que é difícil não ser. Encontro meu ritmo e ela começa a balançar

para frente e para trás comigo, como se fosse uma dança que fizemos um milhão de vezes

antes. Aperto suas bochechas da bunda, puxando-as separadas. Jesus, isso é um inferno de vista.

Eu me movo mais rápido. Seu gemido ficando mais alto. Essa fome dentro de mim

toma conta e eu começo a perfurar nela. "Porra, querida, você se sente tão bem. Vou te foder

até ficar grávida. Furar minha semente diretamente em seu ventre."

Eu a tomo pelos ombros e empurro mais forte. Ela morde o lábio para não gritar e

alertar sua mãe que está bem dentro da casa.


53
"Sim." Ela exige. "Quero isso. Sopre sua carga na minha boceta. Eu quero o seu bebê."

Suas palavras são suficientes para me mandar para o limite. Eu bombeio nela duas vezes

mais, batendo em sua parede, meu sêmen enchendo seu canal quente. Quando eu termino,

ela cai no chão, e me deito contra ela, encoleirando-a. Há um frio no ar, mas depois de tudo

isso, nenhum de nós está frio. Envolvo meu braço em torno de sua cintura, esfregando sua

barriga, e beijando seu ombro.

"Você sabe que eu me importo com você, certo?" Eu digo.

Ela se vira para me encarar.

"Eu estava esperando que você fizesse. Não quero ser apenas sexo conveniente."

Eu escovo meu polegar sobre sua bochecha, hipnotizado por aquele rosto bonito.

"Nunca. Eu...Eu acho que me apaixonei por você."

"Você finalmente alcançou." Seu sorriso mostra cada um de seus dentes brancos

perfeitos. "Eu me apaixonei por você há muito tempo." Levanto e coço a parte de trás da

minha cabeça, sentindo como uma criança pedindo a uma garota para ser sua namorada.

"Então, hum, isso nos faz um casal?"

"Acho que sim." O alívio rola sobre mim. Posso finalmente chamá-la de minha. Eu

começo a beijá-la, e pressionar seu corpo nu contra o meu. Eu nunca quero deixá-la ir.

54
5

REMY

Dois meses depois

Sam ainda está sendo um burro depois de todo esse tempo. Eu pensei que ele iria se

acostumar com meu relacionamento com Deacon até agora. Ele mudou seu horário de

trabalho para que ele e Deacon estivessem no mesmo turno; dessa maneira ele estava em casa

quando Deacon estivesse e não tivéssemos tempo para passar uns com os outros na casa. Se

Deacon e eu quisermos passar o tempo juntos, temos que sair. Isso não é necessariamente

uma coisa ruim, mas seria bom de vez em quando sentar no sofá com o homem que eu amo e

sua filha que eu adoro, e apenas assistir TV sem a voz irritante de Sam nos nossos ouvidos.

Eu quero adormecer nos braços de Deacon sem Sam nos acordar e me dizer que eu não posso

ficar a noite. É como ter um pai sempre ao redor.

Eu acordei cedo. Não estou me sentindo tão bem. Tinha sido uma noite agitada de

sono - se você pode mesmo chamá-lo de sono. Principalmente apenas um monte de atirar e

virar. Eu tenho calafrios e não importa quantos cobertores enrolo em torno de mim mesma,

não posso aquecer. O sol entra pelo espaço entre as minhas cortinas, perfurando minhas

pupilas. Esta dor de cabeça não vai embora e eu sempre sinto que vou vomitar, o que, por

alguma razão, me faz bocejar constantemente. Está ficando muito chato.

Durante toda a noite, meu estômago sentia-se enjoado. Eu não acho que é uma dor de

estômago porque logo depois que vomito, estou com fome. Geralmente com uma do de

estômago, apenas o pensamento de comida me faz querer atirar. Talvez seja uma intoxicação

alimentar - tenho estado comendo algumas coisas questionáveis ultimamente. É estranho

porque toda a minha vida eu odiei azeitonas. Somente os loucos sem línguas comeriam tais

coisas vil, e contudo agora, mesmo que o cheiro delas seja ainda bruto, eu não posso

conseguir o bastante delas.


55
Perfumes são complicados também. Digamos, bolo por exemplo, que a maioria das

pessoas adoram o cheiro, tornou-se completamente repulsivo. Tanto que eu preferiria passar

meu tempo em uma roda gigante do que passo perto de uma padaria. Normalmente o

shampoo de morango da minha mãe é um cheiro agradável, mas agora tenho que segurar

minha respiração quando passo por ela. É como se eu tivesse de repente o nariz de um cão de

caça.

O cheiro de bacon sai da cozinha. O cheiro gorduroso instantaneamente transforma

meu estômago. Saltando acima do colchão, saio da cama e eu tropeço sobre alguma roupa no

assoalho, batendo tudo fora meu armário em minha pressa ao banheiro. Felizmente eu me

pego antes de cair, mas não sou capaz de pegar as garrafas de perfume antes de quebrar.

Ótimo. Mais aromas novos para fazer minha cabeça nadar. Eu apenas chego ao banheiro no

horário.

"Você está bem, Remy?" Minha mãe chama de baixo, quando ela ouve todo o barulho

que estou fazendo.

Eu vomito de novo e de novo. Meu estômago deve ser do tamanho de um barril

porque continua chegando. Estou sufocando, tentando recuperar o fôlego. Levo um minuto

para responder.

"Sim, eu estou bem." Digo, mesmo que eu sinta o oposto. Isto é o que morrer na

estrada sentiria como se pudesse sentir qualquer coisa. Isso sou eu. Mota na estrada. Não só

isso, mas eu também pareço uma merda. Posso ver meu reflexo em um espelho compacto

aberto na bancada. Minha pele é pastosa, círculos escuros ao redor de meus olhos que quase

parecem verdes.

Eu estou encostada na porcelana fresca, abraçando o banheiro, quando minha mãe

entra no quarto para me verificar. Ela a põe contra a porta, os braços cruzando o peito.

"O quê?" Eu digo, quando ela me dá aquele olhar de mãe observadora.

"Você está grávida."

Meu estômago ronca e novamente eu vomito. Eu cuspo no banheiro e tenho um

gemido. "O que? Não." Eu digo, enxugando minha boca com um pedaço de papel higiênico.

Como diabos estou tão fria, e ainda desconfortavelmente quente ao mesmo tempo?
56
Na minha cabeça eu estou tentando lembrar meu último período. É difícil porque eu

não sou uma daquelas garotas que mantém o controle. Eu nunca precisei antes, então não fiz

um hábito disso. Agora que eu penso sobre isso, percebo que tem sido um tempo desde a

última vez que comprei produtos de higiene feminina.

"Oh meu Deus." Eu digo. Por alguma razão, mesmo sabendo que é fisicamente

possível, pensei que levaria mais tempo do que engravidar. Mas faz sentido. Deacon e eu

fodemos como loucos sempre que temos a chance - o que não é quase o suficiente em minha

opinião - e ele sempre goza dentro de mim. Alguns dos nossos melhores sexo giraram em

torno dele dizendo-me que ele vai me engravidar. Isso realmente o excita, o pensamento de

eu carregar seu filho, e ter uma barriga grande e redonda como prova de nosso amor.

"Vamos." Minha mãe diz com um suspiro.

"Para onde estamos indo?" Agora eu não tenho vontade de ir a lugar algum. Eu só

quero rastejar de volta na cama e me esconder sob meus lençóis até que essa terrível náusea

desapareça. Se isso acontecer.

"A farmácia para te comprar um teste de gravidez."

Depois de trocar de pijama, descemos as escadas. Eu tenho que manter minha camisa

sobre meu nariz para evitar os cheiros do café. Entramos no carro. Deacon e Sam estão de pé

na varanda da frente, discutindo sobre algo. Eles olham para nós enquanto passamos. Ondas

saem de Deacon e Sam olha para mim.

"Eu realmente não gosto desse cara Sam." Diz minha mãe, acenando para trás.

"Ninguém faz."

Eu quero virar em meu assento e olhar para Deacon. Se ele soubesse onde nós

estávamos indo. Eu poderia escrever para ele, eu acho. Mas não quero mencionar testes de

gravidez até que eu saiba ao certo. A estrada é muito acidentada. Estou começando a pensar

que minha mãe está procurando intencionalmente todos os buracos. Ela gira a estação para

ouvir facilmente. É como se ela estivesse tentando me torturar ou algo assim. Talvez ela

esteja chateada com essa coisa de gravidez. Há um silêncio constrangedor entre nós. É como

se eu pudesse ouvir as engrenagens girando em sua cabeça. Eu quero dizer algo também,

mas não sei o que. Este é um assunto complicado. Ela sempre teve essas imagens em sua
57
cabeça de todas as grandes coisas que eu faria com a minha vida, embora tudo o que eu

realmente queria para mim era me estabelecer e ter uma família. Quando tinha a minha

idade, queria viajar pelo mundo, viver no estrangeiro. Estudar outras culturas e ver coisas

surpreendentes. Ela nunca teve a oportunidade porque conheceu meu pai e, acidentalmente,

ficou grávida. Sua família era religiosa então terminar uma gravidez estava fora. Sua mãe

ameaçou rejeitá-la se ela decidisse me entregar para adoção. Estou feliz que ela não fez e sei

que ela está contente por isso também agora. Mas sempre houve esse vazio em sua vida, esse

desejo de escapar. Ela quer coisas para mim que nunca teve experiência em sua própria vida.

Ela não consegue entender porque eu não quero essas coisas para mim também. Eu quebrei a

janela. Está muito abafado aqui conosco respirando o mesmo ar.

"Eu odeio esta música." Diz ela e desliga o rádio, deixando-nos em silêncio

constrangedor. Sua mão é drapejava sobre o volante, sua boca um conjunto duro. “Quem é o

pai?" Exclama ela. Inclino a cabeça contra a janela, tentando não ficar doente. A última coisa

que quero lhe dizer é quem é o pai. Não vai demorar muito para descobrir, porque não tenho

amigos e o único lugar que eu quero estar é ao lado.

"É Deacon?" Ela finalmente pergunta. Tanto quanto eu quero, é tarde demais para

negar ela descobrirá eventualmente. Eu só queria que ele fosse o primeiro a saber. Eu aceno.

"Jesus, Remy. Você deveria assistir a filha dele. Não fazer um novo."

"Eu sei." Eu digo. "Eu sinto muito." Mas realmente não sinto muito. Eu sabia o que

estava me metendo quando Deacon e eu não usamos proteção, e ele sabia também. Isso não

foi um acidente como quando minha mãe ficou grávida de mim. Eu quero isso. O mesmo

acontece com Deacon. Pelo menos eu espero que ele ainda faça. É um pouco tarde demais

para recuar agora.

Ela continua: "Eu tinha medo que sua paixão na infância voltasse para me assombrar.

Eu esperava que esses sentimentos tivessem desaparecido ao longo do tempo."

"Como você sabia sobre minha paixão por Deacon?" Eu pergunto.

"Você não era muito sutil, sempre indo lá fora para vê-lo sempre que ele estava por

perto - não que você fosse diferente das outras mulheres do bairro. Somos todos culpadas de

espiá-lo. Eu incluído. Foi um dia feliz para os maridos quando Deacon deixou a cidade."
58
Eca. Isso é meio grosseiro. Minha mãe esmagando o homem que agora é

potencialmente o pai do meu filho. Eu não sei do quanto mais eu posso tomar isso. Meu

estômago está em nós. Não só por causa da doença da manhã e minha mãe e julgamento de

Sam, mas também porque eu preciso dizer a Deacon. Eu só espero que ele quis dizer o que

disse sobre me encher com sua semente e observando meu estômago crescer. Se ele estivesse

apenas dizendo isso no calor do momento, estarei devastada.

"Você está brava?" Eu pergunto.

Odeio quando minha mãe está desapontada comigo. "Não. Eu só não quero que você

acabe com uma mãe solteira como eu. É difícil criar uma criança por conta própria e em uma

idade tão jovem."

"Deacon não é nada como papai. Ele vai me ajudar a criar essa criança." Disso eu tenho

certeza. Ele é um pai incrível. Bailey é seu orgulho e alegria - oh meu Deus, isso só me bateu;

se estou grávida, Bailey e essa criança vão ser irmãos. O pensamento me deixa

irracionalmente feliz, embora eu saiba que eu não deveria ter minhas esperanças. Poderia

haver uma centena de razões para os meus sintomas de gravidez. O estresse é um deles, e eu

definitivamente tenho passado por muita coisa ultimamente.

"Como você pode ter tanta certeza de que ele vai ajudar?" Minha mãe pergunta. "Ele já

tem um bebê para cuidar."

Olho para baixo em minhas mãos, tranço meus dedos juntos. "Espere.", diz ela. "Vocês

sabiam que isso poderia acontecer? Você não foi cuidadosa de propósito?" A dor em sua voz

me deixa me sentindo horrivelmente culpada.

"Eu sou adulta, mãe. O que Deacon e eu decidimos não é do negócio de ninguém,

além do nosso próprio." Ela solta um longo suspiro.

"Eu sei. Sinto muito. Eu não quero lhe dar um tempo duro. Só quero saber que você e

seu bebê serão atendidos."

"Nós seremos, mãe. Deacon é um grande cara. Você vai amá-lo assim que o conhecer

melhor."

"Eu confio em você. Só pode levar pouco tempo para confiar nele." Chegamos à

farmácia. Eu tenho um repentino desejo e pego um punhado de doces azedo. Ela compra três
59
testes diferentes para ter certeza de que os resultados são confiáveis. Acho que ela está mais

nervosa com isso do que eu.

Há mais silêncio durante a unidade de volta. Uma vez que estamos em casa, ela me dá

os testes e eu vou para o banheiro. Eu tomo-os todos de uma vez e espero. Depois de cinco

minutos os resultados estão prontos, mas estou com medo de olhar. Quero isso com Deacon.

Eu realmente faço, mas não quero que minha mãe também esteja chateada comigo. Eu só

quero que todos sejam tão felizes quanto eu. Tomando uma respiração profunda, pego as três

varas e olho ao mesmo tempo. Meus músculos estão tensos, pescoço e ombros doloridos. Eu

fico olhando para as varas em descrença. Duas linhas cor-de-rosa em um, um sinal de adição

no segundo, e "grávida" corajosamente redigido no terceiro. Não há dúvida agora. Estou

grávida. Mal consigo respirar. Parece que alguém está sentado no meu peito. Estou

aterrorizada e, no entanto, nunca quis nada mais na minha vida. De repente eu me pergunto

como uma criança feita por mim e Deacon se pareceria. Linda, eu imagino. Como Deacon.

Como Bailey. Cabelo loiro, olhos verdes. Uma covinha em seu queixo como eu talvez, ou

maçãs do rosto altas como seu pai. Será um menino ou uma menina? Qual será o nome dele

ou dela? Todos esses pensamentos correm pela minha cabeça de uma vez até que eu sinto

que eu poderia desmaiar. Agora para dizer a minha mãe... Ela está esperando na porta do

banheiro, andando de um lado para o outro. Ela pega suas sobrancelhas, algo que sempre fez

quando está nervosa. Ela mal tem qualquer deixada e tem que desenhá-las. Ela me vê com os

olhos bem abertos.

"Bem?" Ela diz. Eu levanto as varas e estouro em lágrimas felizes. "Eu vou ter um

bebê!" Ela começa a chorar também.

"Oh meu deus." Diz ela. Mas em vez de amaldiçoar ou dizendo algo que pode quebrar

meu coração, ela sorri e diz. "Eu vou ser uma avó." Nós nos abraçamos, ambas derretendo em

lágrimas.

"O que você acha que Deacon vai dizer?" Ela diz quando nos separamos.

Limpo o rímel rodando por minhas bochechas. "Ele vai ficar muito feliz, mãe. Eu

prometo. Você não tem nada com que se preocupar."

60
Ela sorri, seus olhos vermelhos e molhados. "Eu confio em você. Sei que você é uma

garota esperta e não se apressaria em nada a menos que você estivesse absolutamente certa

de que sabia o que estava fazendo."

"Obrigada mãe." Eu digo e a abraço novamente. Agora para dizer a Deacon. Estou

torcendo minhas mãos. Estão suando. Sinto que vou desmaiar.

Deacon ficará feliz. Eu sei disso. Mas ainda tenho medo. Isso vai levar uma cunha tão

longe entre ele e Sam que eu não sei se esse relacionamento vai se recuperar. Eu não quero

ser a única responsável por arruinar uma família. Mas ele tem que saber. E assim por diante.

Isso não é algo que eu possa manter dele. Vou ao lado e toco o sino. Sam responde. Ele rola

os olhos quando me vê, mas fica de lado para me deixar entrar. Há caixas empilhadas por

toda a sala.

Bailey está em seu cercadinho ao lado do sofá. "O que está acontecendo?" Eu pergunto,

um tom de medo tocando em mim. Alguém tem obviamente embalado seus pertences para

mover e eu duvido que seja Sam. Deacon desce as escadas. Ele parece louco primeiro até que

me vê. Seu rosto relaxa em um sorriso gentil: "O que você está fazendo aqui?"

Ele pergunta de uma maneira que me deixa saber que ele está feliz pela surpresa. "Eu

preciso falar com você." Aceno minhas mãos ao redor, apontando para todos os Caixas. "O

que é tudo isso?"

"Eu encontrei um lugar meu." Ele diz. Eu nem sabia que ele estava procurando. Se ele

tem um lugar próprio que significa que podemos finalmente passar tanto tempo juntos como

queremos, fazer tanto barulho quanto quisermos enquanto fazemos sexo. Inferno, podemos

andar nus se quisermos.

Não haverá ninguém em torno a nos julgar ou nos dizer o que podemos e não

podemos fazer. "Isso é tudo culpa sua." Diz Sam, olhando para mim.

"Como é que isso é culpa minha? Eu nem sei o que está acontecendo." Digo.

“Sam está apenas sendo um idiota." Diz Deacon, jogando um saco de ginástica no topo

da pilha de malas empilhadas junto à porta.

"Nós não começamos a brigar até que ela entrou na foto." Sam diz.

61
Deacon atirou de volta. "Nós não teríamos começado a brigar se você se importasse

com seu próprio negócio. O que eu faço com a minha vida não tem nada a ver com você.

Você é uma aberração de controle. Você sabe."

"Não. Eu me importo com o que acontece com meu irmão.

Deacon sacode a cabeça.

"Você se importa com o seu jeito. Se você se importasse com o que era melhor para

mim, veria que eu estava feliz pela primeira vez em muito tempo e Remy é o que é melhor

para mim."

"Você está errado sobre mim, Sam." Eu digo, incapaz de ficar quieta por mais tempo.

"Eu amo Deacon. Nunca faria nada para machucá-lo ou nossos filhos."

Ambos se viraram para olhar para mim, suas sobrancelhas franzidas similarmente. É a

única vez que eu já vi qualquer tipo de semelhança familiar entre os dois.

"Filhos?" Diz Deacon. "Como em mais de um?" Eu berro minha barriga

protetoramente quando vejo o olhar irritado no rosto de Sam.

"Eu descobri esta manhã." Digo.

"Você tem certeza?" Responde Deacon. Sam abre sua boca grande e diz: "Veja, eu lhe

disse que ela era um problema. Ela foi e conseguiu-se batida acima assim que você será

forçado a permanecerem juntos. Você está preso agora, homem." Ele tem esse olhar

presunçoso em seu rosto como se está esperando que seu irmão perdesse sua merda, mas em

vez disso, o sorriso de Deacon se estende em seu rosto e ele me dá um abraço, seu riso

enchendo a casa. Bailey responde com um grito feliz: "Vamos ter um bebê?" Ele diz. Lágrimas

enchem seus olhos.

Ver suas lágrimas traz lágrimas aos meus. Eu aceno com a cabeça, incapaz de obter

palavras em torno da emoção em minha voz. Ele se vira para Sam. O chateado, carrancudo

Deacon foi substituído por alguém jovial. Alguém que parece prestes a explodir com

felicidade.

"É melhor você se comportar no nosso casamento, irmão." Diz Deacon.

"Casamento?" Sam diz.

62
“Eu acho que sim. Ele ainda nem sequer propôs oficialmente, mas é emocionante, no

entanto.”

"Você pode pegar Bailey enquanto eu acabo de carregar minhas malas no caminhão?"

Diz Deacon.

"É claro." Bailey segura os braços quando me vê caminhando em sua direção. Eu a

levanto e a coloco no meu quadril. Quando Deacon sai, estou presa sozinha com Sam. A sala

enche-se com um silêncio constrangedor tão grosso que você poderia cortá-lo com uma faca.

Não aguento mais.

"Eu queria que você me desse uma chance antes de começar a me comparar com a ex

de Deacon. Isso não é justo. Eu realmente quero que meu filho conheça seu tio. Quero que

sejamos uma família feliz."

Ele olha para mim por tanto tempo que é como se seu rosto congelasse assim. Assim

que estou prestes a perguntar se alguém tinha desligado as luzes em sua cabeça, ele olha para

o tapete.

"Você quer dizer isso? Porque Karen estava sempre tentando ficar entre mim e meu

irmão desde o início. Quando eu comprei esta casa de Deacon , ela tentou fazê-lo vender para

mim por muito mais do que eles pagaram por isso. Ela era uma cobra. Eu sempre quis um

relacionamento com meu irmão. Quando ele se mudou comigo, pensei que era o que eu ia ter

com ele. Até agora..."

"Eu nunca tentaria ficar entre irmãos. Sou filho única. Eu sempre quis irmãos. Karen

era uma pessoa horrível, mas eu não sou. Eu adoraria ter um cunhado."

Ele suspira. “Eu também quero.”

Deacon volta para casa. "Você está pronta?" Ele me pergunta.

"Um segundo." Sam diz.

"Não, eu não vou sentar aqui e ouvir você repreender a mãe do meu..." Em vez de

deixar que Deacon terminasse o que ele estava prestes a dizer , Sam aproxima-se de Deacon

e dá-lhe um abraço. Quando Sam recua, Deacon parece como se Sam o golpeou, com os

braços abertos e a boca aberta. "O que..."

63
"Estou feliz por você." Diz Sam. Ele olha para mim. "Por ambos. Se precisar de ajuda

para mudar-se para o seu novo local, me avise.”

Deacon franziu a testa, novamente parecido com Sam. "Hum, sim, na verdade eu

poderia usar a ajuda."

"Eu vou ajudar também." Digo.

"De jeito nenhum." Diz Sam. "Você não está levantando um dedo. Não enquanto

estiver crescendo minha sobrinha ou sobrinha dentro de você."

Deacon olha para mim em estado de choque e sacode a cabeça. "Obrigado, irmão." Ele

diz.

Quando estamos no caminhão, Deacon sacode a cabeça. "Você é algum tipo de

feiticeira ou algo assim?" Ele pergunta.

"O que você quer dizer?"

"Ou talvez uma cirurgiã." Eu rio.

"O que você está falando?" Ele puxa em um bairro agradável mais velho forrado com

salgueiros chorando. É o tipo de bairro que se sentiria seguro criando uma família. Lotes de

calçadas para as crianças a correr e jogar. Para passear junto com um casal de bebês. Há um

pequeno parque na esquina e trilha de bicicleta. Eu sempre sonhei em viver em um bairro

como este. "Como você tirou aquele pau do rabo de Sam quando eu tenho tentado minha

vida inteira?" Diz Deacon.

Eu sorrio. "Sam é um bom sujeito. Ele só quer um relacionamento com seu irmão e eu

disse a ele que vou ter certeza de que ele encontre."

"Você realmente é a melhor." Ele puxa o caminhão para a calçada de uma casa grande

pintada de cinza claro com guarnição cinza mais escura e uma porta vermelha.

"Uau, é isso?" Eu digo, animada. É uma bela casa com um gramado bem cuidado, um

enorme jardim de flores, um imponente carvalho com um balanço de pneu na frente e

árvores de fruto no lado ao lado da entrada. Posso imaginar-nos sentados na varanda com

chá gelado no verão, assistindo Bailey jogar no quintal, enquanto eu cuido do nosso recém-

nascido. Este é o meu sonho.

"É isso. Eu acho que você vai adorar." Diz Deacon."


64
É bonito," eu digo, "mas não importa o que eu penso. É a sua casa." Ele me dá um

olhar estranho.

"É a sua casa também. Você vai morar comigo." Eu não sei por que isso me choca.

Claro que vamos viver juntos, eu simplesmente não sabia que ele queria que nós vivêssemos

juntos tão cedo. Deixar minha mãe sozinha naquela casa grande me deixa triste, mas ao

mesmo tempo estou pronta para começar minha própria família, ter minha própria casa e

fazer minhas próprias memórias. Acho que a razão pela qual ela nunca teve os homens que

ela namorou para a casa foi porque ela estava com medo deles invadindo a nossa pequena

família.

Mas agora que eu não estou lá, ela pode começar a se divertir um pouco. Ela não terá

mais que se preocupar comigo. Talvez isso seja melhor para nós duas no final.

"Eu te amo." Digo. Ele me entrega uma chave com um anel chave que diz "Dela." Ele

levanta seu próprio chaveiro que diz "Seu". Eu me atiro em seus braços e aperto o ar fora

dele. Esta é a nossa casa. Nossa bela, perfeita casa. Isso levaria um par de semanas antes que

estejamos completamente resolvidos na nova casa. Eu queria dar a minha mãe algum tempo

para ajustar antes de apenas me enviar para fora. Agora que ela está acostumada com a ideia

de eu ter ido, e encoraja isso, estou animada para começar a ficar com Deacon e Bailey.

Na semana passada nós tínhamos pintado o berçário. Nós fomos com uma hortelã

para uma cor neutra desde que não sabemos ainda se nosso bebê novo será um menino ou

uma menina. Nós não decidimos se queríamos saber o sexo em tudo até o parto. Eu sempre

achei que era divertido quando as pessoas não sabiam. A maior surpresa da vida. Só não sei

por quanto tempo aguentarei.

Eu já quero ir às compras para roupas pequenas e não há material bebê bonito

suficiente em cores neutras para eu ficar animada. Essa é a minha primeira noite dormindo

na nova casa. Depois de todo o trabalho e decoração que fizemos, isso parece minha

recompensa. Minha mãe se ofereceu para manter Bailey durante a noite para que Deacon e

eu pudéssemos ter muito tempo sozinhos juntos. Uma vez que este bebê vier, e desde que eu

estarei amamentando, será impossível esgueirar-se a tempo para apenas nós.

Após deixar cair Bailey fora, nós entramos na casa. Ainda estava cheia de tinta fresca.
65
"É muito calmo aqui." Diz Deacon. Ele caminha até mim, esfrega minha barriga. É uma

espécie de nova obsessão para ele, sempre tocá-la, esfregando-a como uma bola de cristal que

pode revelar seu futuro, se ele olhasse bastante duro. Suas mãos deslizam acima e sobre

meus peitos sensíveis. "Devemos enchê-lo com seus gritos de prazer?" Ele diz.

Fecho meus olhos e me inclino contra ele, maravilhada com a sensação de seu toque.

"Eu pensei que você nunca perguntaria." Tudo sobre o meu corpo é sensível agora. Hyper-

consciente do toque de Deacon . Na verdade, no outro dia, ele me deu um orgasmo apenas

por respirar em meu clitóris. Foi incrível.

Ouvi dizer que isso pode acontecer durante a gravidez, e também ouvi dizer que pode

haver um período de tempo em que não me sinta como se estivesse sendo tocada. Então,

agora, enquanto meu corpo se sente como se estivesse tropeçando em êxtase, eu vou apreciá-

lo o quanto puder. Levanto meus braços para ele deslizar meu vestido. Está ficando mais frio,

então eu estou usando botas. Aqueles são difíceis de descompactar assim que eu as retiro

sozinha quando descasco fora de suas roupas. Nós dois estamos muito excitados para nos

preocupar com a cerimônia do strip-tease lento. Nós só queremos ver um ao outro nu. Ele já

está totalmente ereto. Não houve um tempo ainda onde ele não foi depois de falar de sexo.

Eu sempre ouvi que homens mais velhos - mesmo homens em seus trinta - precisavam de

um pouco de encorajamento lá de vez em quando, mas não Deacon. Ele é um garanhão e

sempre pronto para ir. Ajoelho no chão diante dele, tomando seu enorme pau na minha mão

e chupo a cabeça na minha boca. Eu amo o gosto de seu pré-sêmen. Eu estava com medo que

era uma das coisas que iria mudar quando tudo o mais sobre o meu corpo mudasse, mas não

em tudo. Se qualquer coisa, saboreasse melhor. Às vezes eu mesmo desejo o gosto de sêmen,

e chupo-lhe todas as chances que eu consigo. Ele mal se encaixava na minha boca. Ainda bem

que tenho uma boca grande e sei como respirar pelo nariz enquanto ele mete-o dentro.

"Olhe para mim, querida." Ele diz, enquanto segura os lados da minha cabeça,

lançando-se na minha garganta esticada. Ele gosta que eu olhe nos olhos enquanto fode

minha boca. Nossos olhos se fecham, as lágrimas escorrendo pelo meu rosto enquanto minha

boca se espalha para acomodar sua massa.

66
Quanto mais rápido ele empurra, mais eu rasgo. Baba derrama dos cantos da minha

boca. Com ele até a minha garganta, é impossível usar esses músculos para engolir. Ele sai de

repente e eu limpo meu rosto molhado com as costas da minha mão. Ele então me levanta

pelas axilas e me puxa para os pés.

"Em suas mãos e joelhos." Ele diz. Ele é tão exigente quando está excitado, o oposto,

ele age comigo em nossa vida regular. Eu amo quando ele se encarrega, flexionando a

autoridade. Nunca questiono quando ele exige algo de mim durante o sexo, porque eu cresci

para perceber que gosto de tudo.

Algumas coisas mais do que outras, mas não houve uma única coisa que ele tenha

feito que não me desse os melhores orgasmos da minha vida. Quando eu estou de quatro, ele

fica atrás de mim, levantando minhas costas no ar até eu estar de pé em minhas mãos em

uma posição vertical 69. Eu não posso alcançar seu pau desse ângulo com minha boca, mas

ele tem acesso perfeito a minha boceta. Minhas pernas estão no ar, espalhadas. Eu sou

flexível e posso fazer as divisões, então sou capaz de espalhá-las longe. Ele faz os sons mais

sexy quando está excitado. Profundos, masculinos sons de aprovação quando ele vê a minha

vagina aberta que só me excita mais. Ele segura minha cintura enquanto enterra o rosto em

minha boceta molhada, não deixando qualquer de minha pele inexplorada. Sangue corre

para minha cabeça quando ele escava em minhas profundezas molhadas com sua língua,

bebendo do meu poço. Quando ele suga meu clitóris, não é apenas sugação, mas uma

combinação de lambida, chupadas e mordidas. É uma espécie de receita secreta de lábios

que, se ele fosse compartilhá-la com o resto da humanidade, provavelmente poderia mudar o

mundo em um lugar melhor.

Tanto quanto eu gostaria de ficar assim para sempre, meus braços ficam fracos e

começar a afivelar. Ele percebe e deixa ir para que eu seja capaz de fazer uma espécie de

carrinho de volta em uma posição de pé. Quando o sangue sai da minha cabeça, estou tonto e

me sentindo um pouco eufórica. Ele me levanta em seus braços, fazendo todo o trabalho

quando ele me vê começar a balançar.

67
Eu amo que ele conhece meu corpo tão bem. Enrolo minhas pernas em torno de sua

cintura como em minhas fantasias adolescentes de ele me levando embora, e nós vamos para

o quarto. Ele me deita na cama e me deixa de lado.

Ele entra em mim de um ângulo. O armário das portas do nosso quarto são espelhados

para que possa ver cada parte do que está acontecendo. Se fosse com ele, teríamos espelhos

no teto também. Não posso dizer que eu seria terrivelmente oposto a essa ideia, mas você

sabe, com ter filhos na casa e família chegando em uma base regular, provavelmente não

teria sido uma boa ideia.

Sam teria sofrido um ataque cardíaco se alguma vez testemunhasse algo assim. Ele é

um puritano. Eu tenho um sentimento que missionário é o único truque até sua manga no

quarto. Pelo menos se alguém decide vir e ir para o nosso quarto, as portas do armário

podem ser explicadas com vaidade. A caixa de esperança de brinquedos sexuais que

começamos a adquirir provavelmente precisaria de mais explicações se alguém tivesse

espreitado por dentro.

Nós mantemos um cadeado nela apenas no caso. Assistindo a broca de Deacon em

minha boceta do espelho é como prestar atenção a um pornô. É um lado de mim que não

estou acostumada a ver. Não para se gabar ou qualquer coisa, mas eu realmente tenho uma

boceta de aparência agradável. Com seu pau perfeito é uma visão encantadora, a maneira

como ele me abre.

E é uma grande excitação assistir. No começo eu não gostei tanto da vaqueira reversa,

porque não podia olhar para o rosto de Deacon, mas agora que temos os espelhos, eu vejo

tudo. É quando eu realmente comecei a notar quão grande o pênis de Deacon realmente era.

Sempre que ele está todo o caminho dentro de mim, e então eu levanto lentamente para cima,

parece que seu pau nunca termina. Enquanto ele me deixa de lado, levanto minha perna para

uma visão melhor. Deacon sorri e fala em meu ouvido, sua voz agitada e sem fôlego com

seus esforços.

"Você gosta de olhar para essa boceta sexy, não é." Ele diz.

"Eu gosto de assistir você foder isso." Ele solta um longo gemido de desejo cheio.

68
"Eu adoro quando você fala sujo na sua vozinha." Eu ri e giro o suficiente para que eu

possa beijá-lo. Ele sai de mim e eu me sinto de repente vazia por dentro. Ele se vira, de

costas.

"Monte-me." Ele diz. Subo nele e afundo, sentindo que a pressão da cabeça de seu pau

apertou firmemente contra o meu colo. Então eu começo a saltar. Estou montando-o.

Martelando-o. O tapa de nossa pele enquanto ela se conecta, meu gemido, seu grunhido, o

cheiro inebriante do nosso amor, enche o quarto e faz minha cabeça nadar de prazer. Deus,

sexo na gravidez é incrível.

Todos esses hormônios passam por mim, essas novas sensações que eu nunca senti

antes. É como descobrir sexo pela primeira vez de novo. Estou quase lá. Tão perto. Arqueio

minha espinha, jogando minha cabeça para trás.

Deacon agarra meus quadris, batendo com força maravilhosa. Quase. Oh Deus. Ah

sim. Tão perto. Eu posso sentir o orgasmo correndo em minha direção. Só mais um segundo

e...Alguém bate na porta da frente e minha concentração se balança, o orgasmo dando um

passo para trás. Eu paro de me mexer para ouvir.

"Não, continue indo." Diz Deacon, ainda triturando seus quadris em mim. "Eles vão

voltar mais tarde." Ele está certo. Eu continuo a mover, girando minha pélvis, tentando

novamente encontrar esse ponto mágico. Encontramos nosso ritmo novamente.

Deacon alcança, tomando meus seios inchados em suas mãos e movendo meus

mamilos sensíveis da maneira que eu gosto.

"Seu pau é tão grande, isso me enche-" Eu digo. Eu amo esse sentimento. Recheado ao

meu limite. Sempre que eu falo sujo com ele, ele o pega e acaba cada vez. Ele se move mais

rápido. A batida vem novamente. Várias vezes.

Então as batidas mudam para bater. Deacon faz um gemido de decepção: "E se for

sobre Bailey." Eu digo.

"Sua mãe teria chamado primeiro." Diz Deacon. Isso é verdade. Meu telefone está na

mesa de cabeceira, totalmente carregado. Eu me inclino para agarrá-lo. Sem chamadas

perdidas ou textos. Quem está batendo na porta se recusa a deixar. No início acho que talvez

69
seja uma entrega, ou uma pessoa de vendas, mas eles já teriam deixado por agora. Está

ficando realmente irritante.

"Talvez o bairro esteja pegando fogo e é uma evacuação." Digo. Cada coisa ruim

imaginável atravessa minha mente e não há nenhuma maneira que eu posso ignorá-la por

mais tempo.

"Provavelmente é apenas Sam vindo para verificar e ver se nossas cortinas combinam

com o sofá." Diz Deacon.

"Nunca mencione seu irmão quando nós estamos tendo sexo." Eu digo. "Eu não pensei

que houvesse algo que você poderia fazer para me desligar, mas você pode ter encontrado a

única coisa." Ele ri e me bate na bunda.

"Por favor, eu preciso ir verificar." Digo. "Eu não posso me concentrar em nós até que

eu faça." Deacon suspira.

"Tudo bem. Eu vou verificar."

"Não." Eu digo, saindo dele e embrulhando minha túnica em volta de mim. "Você fica

e mantém essa coisa dura para quando eu voltar." Ele sorri para mim e segura seu enorme

pau, acariciando-o. Eu olho para ele e sorrio.

"Bom rapaz." Eu enrolei minha túnica apertada ao meu redor e amarrei o cinto em um

nó. Corro para a sala de estar. Quando abro a porta, não tenho certeza do que esperar, mas

definitivamente não é a pessoa que está na minha frente. A mulher não diz nada para mim

no início, apenas me escrutina, olhando para cima e para baixo da minha bagunça até os

meus pés descalços.

Ela é um pouco mais velha do que eu. Em trinta anos. Mais perto da idade de Deacon.

Tem o cabelo descorado com raízes longas e escuras. Não é o tipo que está na moda agora,

mas o tipo de mulher fica quando ela negligencia a manter suas nomeações de salão. Ela usa

uma camisa com capuz de grandes dimensões e jeans com botas, e muita maquiagem. Seus

lábios finos e sua dura boca lhe fazem parecer severa: “Posso ajudá-la?” Pergunto.

“Onde está Deacon ?” Ela diz sem rodeios. Ouço passos atrás de mim. Eu viro. Deacon

está parado lá com somente um par de calças de moletom.

70
"Quem é?" Ele pergunta. Eu abro a porta mais larga para ele ver. Sua boca cai aberta

em surpresa, então fecha, suas sobrancelhas se juntando em um olhar irritado. "O que diabos

você está fazendo aqui, Karen?"

Karen? Esta mulher é a sua ex-mulher? Eu me lembro dela sendo mais bonita do que é

agora. Eu estava com tanto ciúmes quando ela entrou na foto.

Ela não é feia, realmente, apenas ...Dura. Como alguém que está raspando a vida pela

pele de seus dentes. Deacon diz que é uma bêbeda e uma menina de festa. Eu me pergunto

se isso inclui drogas também, porque essa é a vibração que estou recebendo dela.

71
6

DEACON

Eu não vi minha ex desde que ela saiu de mim e nossa filha quase seis meses atrás.

Nenhum telefonema. Nenhum texto. Certa noite, ela drenou nossas contas bancárias, reuniu

todas as suas posses - e algumas das minhas - e desapareceu com uma nota simplesmente

que dizia: "Não posso mais fazer isso."

Agora ela está aqui.

Na minha nova casa onde estou construindo uma nova vida. Uma que era suposta ser

livre de Karen.

Ela parece muito mais velha do que a última vez que a vi. Sua pele é fina como

pergaminho, cabelos secos como palha. Ela parece cavalgar duro e guardar molhado, como

dizem as pessoas. Uma mosca de bar típica. Toda aquela festa foi alcançada para ela. Não

que ela fosse impressionante para começar. Não era sua aparência que me atraíra para ela,

era sua confiança. A forma como ela andou até mim e disse: "Você está me levando em um

encontro."

Eu quase disse que não naquele dia. Eu deveria ter. Mas não tinha tido um encontro

em um longo tempo e pensei, que diabos. Nunca tinha sido atraído por mulheres tão francas

e tão confiante antes. Pensei que seria uma mudança agradável das meninas que eu

costumava namorar. Aprendi rapidamente que apenas porque algo é diferente não significa

que é melhor.

Mas eu tinha minhas viseiras. Honestamente, não sei o que eu estava pensando.

Olhando para ela agora, não consigo me lembrar de uma única coisa que me atraiu a ela em

tudo.

"Como diabos você me encontrou?" Eu exijo.

Remy começa a se afastar da porta. Ela não se inscreveu para isso. Eu não a culpo por

não querer fazer parte do meu drama. Karen não é o tipo de mulher que alguém tão doce e
72
inocente como Remy gostaria de enfrentar - e ela não deveria ter que fazê-lo. Karen é o tipo

que sorriria para seu rosto e assim que ela caísse a guarda, puxaria-a pelas costas pelos

cabelos. Eu realmente a vi fazer isso uma vez antes, quando ela estava bêbada em um clube.

Ela fez isso com uma das garotas de garrafa que ela achava que me olhava mal. Isso nos

expulsou e permanentemente banidos do clube.

Ela estava sempre louca, com ciúmes. Não era como se ela realmente se importasse

comigo. Mas ela com certeza não iria permitir que mais ninguém flertasse.

"Sam me deu o endereço." Diz Karen.

Remy parece completamente chocada. Ela provavelmente acha que Sam a traiu depois

que eles estavam se tornando tão próximos. Mas eu sei que não é o caso.

"Besteira. Sam nunca faria isso.” Digo. Se havia uma pessoa que eu conheço que Sam

odeia mais do que qualquer outra pessoa, é Karen. Ela foi horrível para ele desde o primeiro

dia.

Ela sorri satisfeita. "Eu fingi que era uma provedora de seguros no telefone e ele

derramou toda a sua informação pessoal para mim. Alguém deve dizer a esse cara que ele

tem uma boca grande."

Acredite em mim, eu tenho. Ele nunca aprende. Eu pretendo dar-lhe um pensamento

sobre isso na próxima vez que falarmos.

Faz todo o sentido. Karen e seus esquemas. Algumas coisas nunca mudam. Eu

realmente adoraria bater a porta em seu rosto agora e voltar a fazer amor com minha linda

namorada que não merece ser posto em qualquer um desses. Eu posso dizer que Remy não

queria ficar, mas ela faz porque quer estar aqui para mim. Eu não quero passar mais por isso.

"Querida, você poderia ter certeza de que eu apaguei aquela vela no quarto?" Eu digo

a ela.

Ela solta um longo suspiro de alívio e me dá um sorriso simpático. "Certo."

Quando ela se foi, volto para Karen que vê Remy ir embora. "Jesus, Deacon, o que ela

tem, doze?"

“Ela tem dezoito anos e é muito mais madura do que você já foi. Por que você está

aqui?"
73
Eu nunca costumava me levantar para ela. Ela não está acostumada a ser falada assim.

Aquele sarcasmo que ela me dá, diz tudo. Ela acha que pode voltar aqui e me mandar como

antes. Bem, foda-se. Não vai acontecer. Estar com Remy me mostrou como eu mereço ser

tratado.

O olhar em seu rosto é uma mistura entre choque e raiva. "Estou aqui para pegar

minha filha." Ela cuspiu as palavras como se fossem veneno em sua língua.

Elas me bateram como um soco no estômago.

"Não." Remy diz. Eu olho atrás de mim, onde ela está parada na entrada do corredor.

Ela deve estar ouvindo. Ela parece aterrorizada. "Você não pode voltar aqui depois de ficar

fora por meses e apenas levá-la. Você não tem direito." Sua voz é aguda, assustada. Ela está

praticamente em lágrimas. Ela e Bailey haviam formado um vínculo instantâneo. Remy é a

única mãe que Bailey realmente conheceu.

‘Tenho todo o direito. Eu sou a mãe dela." Diz Karen, seus lábios curvando-se em um

sorriso maldoso.

"Não há nenhuma maneira no inferno que estou deixando você em qualquer lugar

perto de minha filha. Não.” Porra. Eu disse a ela.

Seu sorriso é horrível. Mal. Ela quer arrancar minha nova família. Destruir tudo o que

eu construí. Tudo para o qual vou lutar até a morte. Eu nunca levantei minha mão para uma

mulher. Nunca até mesmo entretive a ideia. Mas vendo aquele olhar em seu rosto e sabendo

que ela planeja tirar minha filha de mim...

"Você vai ter que me levar ao tribunal para custódia." Eu digo. "Nenhum juiz jamais

entregará Bailey para você. Você é uma bêbada e não tem estabilidade. Você é praticamente

uma estranha para ela.”

"Vamos ver sobre isso. Eu sou a mãe dela. As crianças pertencem a suas mães e

qualquer juiz verá isso. Tenho um trabalho de tempo integral e um apartamento meu. Não

há nada que você possa fazer para me impedir." Eu não posso acreditar que ela está fazendo

isso. Ela não quer ser mãe. Eu a conheço melhor do que isso. Qual é o ângulo dela? Com o

jeito que ela continua olhando para Remy, acho que posso adivinhar. Ela provavelmente

explodiu através de todos os caras que ela estava namorando – literal e figurativamente - e
74
uma vez que eles viram através de sua merda, muito provavelmente, eles a abandonaram.

Então, como de costume, ela vem correndo de volta para mim.

Isso aconteceu muitas vezes no passado. Como um tolo, eu sempre a levava de volta

por causa dos meus sonhos de ter a família perfeita. As coisas seriam boas entre nós por um

tempo. Ela fazia coisas maravilhosas: fazia jantares, lavava roupa, fazia compras. Mas então

ela sempre conseguia aquela coceira para ir a festa. Uma noite de sair com as meninas levou a

outra noite, e outra, até que eram todas as noites. Então ela não voltaria pra casa. Agora que

ela sabe que me mudei, ela quer me machucar. A única maneira de fazer isso é ir atrás de

Bailey. Ela é vingativa o suficiente para fazer isso também. Eu acredito. Ela vai lutar por

custódia apenas para me ofender. Não há nenhuma maneira que estou dando a minha filha

acima sem uma luta. Ela dá de ombros.

"Acho que vou te ver no tribunal." Diz ela e se afasta. Fecho a porta, sentindo-me

doente no estômago. Remy se aproxima e envolve seus braços ao redor de mim.

"Por favor, me diga que isso não aconteceu. É apenas um horrível pesadelo e nós dois

acordaremos dele a qualquer momento." Eu esfreguei suas costas e a segurei apertada.

“Gostaria de poder lhe dizer que esse é o caso, mas não é. Bailey é como uma filha

para mim. Eu a amo tanto. Essa mulher vai estragar a vida dela." Diz Remy.

Suspiro. "Eu sei. Mas Karen está certa. Ela é a mãe de Bailey. Isso parece ser

importante para os juízes, embora ela seja como um molde tóxico."

"Mas essa mulher tem sumido por meses. Temos uma casa. Bailey tem seu próprio

quarto e suas coisas estão aqui. Ela ficaria tão assustada e morando com uma estranha." O

aperto no meu estômago fica pior, imaginando como minha filha ficaria assustada com uma

mulher que ela mal conhece. Já passou bastante tempo que eu não acho que Bailey

reconheceria sua própria mãe.

"Eu sei, mas Karen e eu somos ambos pais solteiros. Todos estão sempre do lado com a

mãe. A menos que você possa providenciar que tenha uma casa mais estável.” Remy diz

ansiosamente. "Dois pais em uma casa amorosa é melhor que um, certo?"

"O que você está dizendo?"

"Case comigo." Ela diz.


75
A surpresa corta minhas palavras. Eu não sei o que dizer a não ser: "Casar com você?"

"Sim, casar comigo. Podemos nos casar e assim quando você for ao tribunal, um juiz

verá que Bailey tem dois pais amorosos e devotados, uma renda confiável e um irmão no

caminho. Karen pode ter um emprego e um apartamento, mas ela não tem um lar."

"Remy, eu te amo. Você é a melhor coisa que já aconteceu comigo, e eu quero me casar

com você mais do que tudo, mas eu não quero que seja porque você sente que tem que

apaziguar um juiz." Digo a ela. Não em tudo.

“Eu também te amo. Eu amo Bailey. Você e eu vamos ter um filho. Não há nada que

nos impeça de nos casarmos.”

O medo que eu estava abrigando começa a desaparecer.

"Segure esse pensamento."

"O quê?”

Entro no quarto e dentro do armário onde encontro uma jaqueta velha que não me

cabe mais na parte de trás do armário. No bolso é onde eu escondi o anel que comprei para

Remy. Eu tive isso por um mês agora. Queria planejar uma proposta enorme e elaborada,

fazer com que todos os nossos amigos e família parassem, mas acho que é tarde demais para

isso agora. Pego o anel e o escondo nas minhas costas. Então eu fico na frente dela. Beijo seus

lábios, em seguida, desço sobre um joelho. Tiro a caixa por trás das minhas costas. Remy

coloca suas mãos em sua boca e eu abro a caixa de veludo, revelando o solitário princesa

cortado dentro.

"Remy, eu te amo com todo o meu coração. Você é minha alma gêmea e eu quero

passar o resto da minha vida com você e nossos filhos. Quero construir uma vida e uma casa

com você e envelhecer juntos. Você quer casar comigo?"

Ela está rindo e chorando ao mesmo tempo. Segurando sua mão, eu deslizo o anel em

seu dedo. Ele se encaixa perfeitamente como eu sabia que iria. Eu tinha levado sua mãe

comigo para ir às compras. Tínhamos levado o anel de formatura de Remy para certificar-nos

de que tinha o tamanho certo.

76
"É claro que vou me casar com você." Diz ela e envolve seus braços em volta do meu

pescoço. Eu sei que ela está olhando por cima do meu ombro, porque ela continua dizendo:

"É tão bonito."

Eu a puxo para trás e beijo seus lábios. O beijo se aprofunda. Suas mãos escorregam

sob a cintura da minha calça de moletom, encontrando minha bunda. Ela se afasta por um

breve momento e diz, "Temos alguns assuntos inacabados para atender."

Então seus lábios se esmagam contra os meus mais uma vez. Eu a levanto em meus

braços e a carrego de volta para a cama. O roupão que ela usa está aberto quando ela se deita

na cama, estendendo as pernas para mim. Sua bela boceta ainda está um pouco vermelha

com a fricção da batida anterior que eu tinha dado a ela que foi tão rudemente interrompida.

Eu ajoelho na frente dela e lambendo sua carne trabalhada com a minha língua para acalmá-

la. Ela murmura quando eu gentilmente volto em suas dobras. Não demora muito para ela se

molhar.

"Eu preciso de você dentro de mim." Ela exige. Dou a seu clitóris um beijo e movo meu

caminho até chegar a sua barriga que está mostrando o menor inchaço. Eu não chamaria isso

de colisão de bebê. Ainda não. É ainda tão plana como sempre, apenas parecendo um pouco

inchada- comparado ao usual. Acaricio a pele lisa. Meu filho está lá. Fizemos isso. Nós,

juntos. Nosso amor fez isso. Eu continuo a beijar meu caminho até seu corpo até que eu tenha

alcançado seus lábios.

Agora, não é sobre foder e ter fora uns os outros - mesmo que isso está definitivamente

prestes a acontecer. Mas, em vez disso, trata-se de fazer amor com ela. Estar com ela. Estar

dentro dela. Mostrando a ela, fisicamente, o quanto a amo.

Ela engasga quando eu entro nela. Ela se sente inchada e apertada, e escorregadia e

molhada. Sua bainha segura meu pau da melhor maneira possível. Empurrei meus quadris,

movendo-me dentro e fora dela. Ela choraminga, me implora para não parar. Eu não paro.

Eu me movo mais rápido, mais duro.

Sua vagina começa a apertar em torno de mim. Agarrando-me. Segurando-me até que

leva algum esforço sério para manter em movimento.

77
Seus músculos pegam meu pau até que eu não posso levá-lo por mais tempo. Com um

rosnado, solto minha carga dentro da mulher mais perfeita que já vi. O amor da minha vida.

78
7

REMY

Nosso casamento é uma semana depois. Eu não sei como ela fez isso, mas minha mãe

conseguiu puxar tudo junto nesse curto período de tempo. Nós o temos na casa de Sam em

seu quintal grande, a primavera deixa a cor do fogo, caindo ao redor de Deacon e de mim

enquanto nós estamos com o pregador debaixo de um arco de rosas alaranjadas. É um tema

do primavera, com ramalhetes das flores secas e folhas de bordo. Os convidados sentam-se

em fardos de feno. Eu uso um vestido branco até o joelho com um véu longo e botas de

cowgirl. Frascos de pedreiro com velas penduram de galhos de árvores e há luzes em todos os

lugares. É pitoresco e bonito e absolutamente perfeito. O bairro inteiro apareceu. Há uma

barraca atrás e uma pista de dança com uma banda acústica ao vivo. Quando o sol se põe,

começa a ficar frio, então aquecedores de propano são trazidos para fora e o poço de fogo é

empilhado e iluminado.

O serviço em si foi maravilhoso. Deacon e eu seguramos Bailey em nossos braços

durante isso. Eu prometi não só ser uma esposa devotada, mas uma mãe para Bailey

também.

Ainda é difícil acreditar que sou a esposa de Deacon. Há apenas alguns meses eu

estava pensando sobre o que ia fazer com a minha vida agora que o ensino médio acabou.

Não havia planos reais, mas eu estava lançando a ideia de viajar para a Europa em minha

cabeça porque era isso que minha mãe queria que eu fizesse na época. Eu realmente nunca

quis isso, mas queria fazê-la feliz. Talvez ainda tenhamos a chance de fazer isso. É onde

Deacon quer me levar para nossa lua de mel. De alguma forma acho que minha mãe ficou em

seu ouvido porque ele me disse uma vez que ele estava com medo de voar.

Eu sou casada. Eu sou uma mulher casada. Isso é louco. Especialmente porque o

homem com quem estou é o homem dos meus sonhos, e vou ter o filho dele. A vida seria
79
perfeita agora se eu não tivesse Karen assombrando meus pensamentos. Eu ainda não

consigo tirar esse olhar presunçoso da minha cabeça. As ameaças que ela fez a Deacon sobre

tomar Bailey.

Como ela vive com ela mesma? Como uma mulher pode se casar e ter uma filha e, em

seguida, apenas abandonar a sua família, apenas para retornar meses mais tarde e ameaçá-

los?

Eu tenho um sentimento que é por minha causa. Acho que se ela não tivesse me visto

em minha túnica - claramente nada embaixo - e Deacon com calças de moletom e sem camisa,

as coisas teriam acontecido de forma muito diferente. Posso ser jovem, mas conheço o ciúme

quando o vejo. Ela devia ter pensado que Deacon tinha ficado sentado em torno definhando

por ela enquanto ela foi para a festa.

"Hey." Meus pensamentos são interrompidos quando Deacon vem até mim. Ele estava

na dança na pista de dança dançando com minha mãe enquanto eu me sentava para

descansar meus pés. Meus tornozelos estão inchados. Estou mostrando mais e mais sinais de

estar grávida agora, embora minha barriga ainda não crescesse o suficiente para onde é

perceptível. É óbvio quando estou nua.

Meus pensamentos tinham acabado comigo. Estou com raiva que eu estava pensando

em Karen em uma noite que deveria ser apenas sobre mim e Deacon. "Tudo bem?" Ele

pergunta.

Levanto-me e abraço-o. "Tudo está perfeito."

Uma música lenta se acende. Os convidados se reúnem a pista com seus parceiros.

Coloco a cabeça no ombro de Deacon e começamos a dançar.

"Algo está em sua mente." Diz ele.

"Apenas nervosa sobre a data do tribunal."

Tínhamos recebido uma convocação para o tribunal no início desta semana. Pensei

que Karen estivesse blefando, mas parece que ela estava mais zangada do que eu pensava.

"Eu também," diz Deacon, "mas esta é a nossa noite especial, e eu não vou deixar essa

cadela arruinar isso para nós."

Eu sorrio para ele. "Nem eu."


80
Passamos o resto da noite dançando com nossos amigos e família. Era uma explosão.

Eu nunca quero que isso termine. Quando todo mundo começa a sair, meus pés estão

doendo. É hora de ir para casa.

Minha mãe leva Bailey para a noite. Essas duas chegaram perto e Bailey até a chama

de "vó". É tão doce.

Deacon e eu vamos para casa. Seus amigos amarraram latas na parte traseira de seu

caminhão e assim nós chocalhamos abaixo da estrada ocupada, pessoas buzinavam quando

nós passamos. Quando finalmente chegamos em casa, ele me ajuda a tirar o vestido e as

botas e tira seu smoking, então nós desmoronamos na cama.

Ele teve um pouco de bebida, mas não a ponto de ficar bêbado. Apenas um zumbido

agradável, maduro. Ele fica com tesão quando bebe. Na verdade, ele fica excitado sempre

que estamos sozinhos juntos, e isso é bom para mim.

Ele rola de lado para me encarar, traçando círculos ao redor do meu umbigo com a

ponta do dedo. "O que você quer fazer?" Ele pergunta brincalhão.

Eu encolho os ombros. "Eu não sei." Olho para baixo na protuberância gigante em seus

boxes. "Ir dormir?"

O olhar abatido em seu rosto me faz rir em voz alta. "Você é uma mulher cruel." Diz

ele.

Eu rolo em meu lado para enfrentá-lo. Deus, ele é lindo. Aquela mandíbula esculpida,

grandes olhos verdes. Nunca conheci um homem mais bonito. E agora ele é todo meu. Meu

marido. Ele quer passar o resto da vida só comigo. Ainda é difícil para eu pensar nisso. Como

eu tive tanta sorte?

"Ou..." Eu digo, acariciando a haste vestida de seu pênis com as costas da minha mão.

"Eu gosto de ‘ou’." Ele diz, e me beija.

Sua mão faz cócegas na pele de minha parte inferior das costas, deslizando um dedo

pela fenda da minha bunda. Seus lábios se tornam mais ansiosos até beijando-me como se

sua vida dependesse disso. Ele me põe sobre as costas e praticamente rasga meu sutiã e

calcinha. Então vai ser assim, penso com emoção súbita. Fazer amor lento e apaixonado é

maravilhoso. Os orgasmos são explosivos. Mas há algo sobre quando ele me fode como uma
81
pessoa louca que me deixa louca. Eu freneticamente descasco seus boxes fora dele, soltando

livre seu pênis lindo. Ele alcança entre nós, rolando meu clitóris em seus dedos.

Gemendo em sua boca aberta, encorajando-o. Seus dedos mergulham em meu buraco

molhado esperando. O som pegajoso de seus dedos escorregando dentro e fora de mim só

parece torná-lo mais frenético, até que sua mão está batendo contra mim rápida e furiosa, os

músculos em seu braço tencionam e flexionam.

Eu estou uivando quando meu primeiro orgasmo me apressa. O som da minha voz

provavelmente pode ser ouvido por todo o bairro, mas nenhum de nós se importa. Uma vez

que virem todas aquelas latas amarradas ao caminhão na frente, elas entenderão. Ele não me

dá tempo para descer do primeiro orgasmo. Em vez disso, mergulha o rosto primeiro entre

as minhas pernas. Está tão molhado lá embaixo, mas isso não o impede de devorar cada gota

dos meus sucos.

Ele é um demônio para isso, mergulhando sua língua dentro e fora, esforçando-se para

alcançar mais. Ele me lambe toda também. Isso é sempre um sentimento surpreendente e eu

ainda não estou acostumada a isso.

Uma vez que o choque inicial dele se desgasta, eu me deixo cair no prazer dos

sentimentos que ele está me dando. Ele é tão cheio, gastando tanto tempo lá em baixo quanto

necessário para me levar ao auge da minha excitação. Nunca em uma pressa.

Finalmente, quando eu não posso tomar mais, eu digo, "Foda-me."

"Como você desejar." Diz. Ele empurra ansiosamente seu pênis para dentro de mim.

Nenhuma hesitação, nenhuma provocação com apenas a cabeça como às vezes ele faz. É

apenas penetração de força total. Eu ofego enquanto ele bate em mim. Com toda sua força,

ele perfura dentro de mim, a cabeceira batendo na parede tão forte que soa como se pudesse

socar direito através da parede. Nenhum de nós se importa, no entanto. Talvez vamos na

parte da manhã, mas agora ele só se sente tão fodidamente incrível, nenhum de nós está

disposto a abrandar. Encolhendo suas bochechas da bunda, elas flexionam sob a minha mão.

Minhas pernas estão no ar, braços cruzados atrás dos meus joelhos para levantar minha

bunda mais alta, me colocando na melhor posição possível para que ele possa empurrar mais

para dentro de mim. O sexo duro com Deacon é sempre um ato de equilíbrio entre dor e
82
prazer. No começo, quando ele me fodia com força como ele está fazendo agora, sempre

houve um medo nos recessos da minha mente de danos corporais. Ele é tão grande que eu

temia que pudesse causar algum dano interno. Mas agora meu corpo está acostumado com

isso e sei que posso tomá-lo, e então esses pequenos tentáculos de dor só aumentam a

excitação.

"Eu amo te foder." Diz ele. Cada palavra aterrada em um impulso de modo que há

uma pausa entre cada uma. "Goze para mim bebê, eu quero fazer você se sentir bem."

Normalmente, eu participo na brincadeira suja, mas estou bem na cúspide de um

orgasmo. Minhas palavras não funcionam. Ao invés disso, eu grito: "Oh, porra!"

Nós devemos ter chegado ao nosso pico ao mesmo tempo, porque ele solta um rugido

e começa a me foder tão forte que todo o quarto fica borrado. E então ele para, seu pau se

contorcendo dentro de mim enquanto ele libera sua carga.

Quando ele puxa para fora de mim, nossos sucos combinados correm pela minha

bunda, deixando um local molhado na cama. Ambos estamos muito sem fôlego para falar.

Em vez disso, enrolamo-nos juntos e logo adormecemos.

Estou nervosa quando entramos no tribunal. Meu corpo inteiro está tremendo

enquanto passamos pelo detector de metais. Sam contratou o melhor advogado que a classe

média poderia comprar. Era seu presente de casamento para nós. Deacon mastigou as unhas

até que quase não restava nada delas.

Nenhum de nós diz nada quando entramos na sala de audiências. Apenas apertamos

as mãos um do outro e agarramo-nos à nossa querida vida. Minha mãe entra conosco,

segurando Bailey. Estamos prontos para a luta de nossas vidas. Advogado de Karen está

sentado no banco, segurando seu celular e mensagens de texto. Ele continua a olhar para nós

e para o nosso advogado. Ele parece desprezível. Apenas o tipo de pessoa que alguém como

Karen iria contratar.

O juiz entra na sala. Todos nós nos levantamos. Então eventualmente nós temos

permissão para sentar. Karen ainda não veio. Todo o temor que eu tenho sentido por isso a

83
semanas, mudou em outra coisa. Não muito alívio ainda, porque isso não terminou. Ainda

não. Mas Karen não vir tem de ser um bom sinal, certo?

"Onde está sua cliente, Sr. Montgomery?" Diz o juiz ao advogado de Karen.

"Receio que ela não esteja aqui."

"Você gostaria de mudar a data?"

Deacon e eu olhamos um para o outro. Não queremos uma data diferente.

Queremos acabar com isso.

"Receio que não. Minha cliente não aparecerá. Ela deixou o estado."

Deacon aperta minha mão, lutando com um sorriso. É tudo que qualquer um de nós

pode fazer para parar de saltar para cima e para baixo com alegria.

"Muito bem então." Diz o juiz. Ele é um homem mais velho, desgastado, e parece que

não tem muita paciência para ninguém. Eu imagino que é o que acontece quando você tem

que sentar-se através do dia na corte e para fora para uma vida. "Sr. E Sra. McCarthy-" (Isso

somos nós. Soa estranho ser chamada de Sra. Qualquer coisa, muito menos pelo sobrenome

de Deacon. Eu amo isso, no entanto. Quando mudei pela primeira vez, passei horas

praticando minha nova assinatura).

"Estou concedendo a vocês a custódia completa de Bailey McCarthy. Parabéns."

Deacon e eu estamos chorando enquanto nos apegamos um ao outro. Nós finalmente

temos nossa família feliz junto e não há nada que alguém possa fazer para chegar entre nós

novamente.

84
85

Você também pode gostar