Você está na página 1de 2

Aluno(a): _____________________________________________________________ Nº: ____

Série: 1ª Turma: ( ) 101 ( ) 102 ( ) 103 ( ) 104 Data: ___ / 10 / 17

Disciplina: Professora:

Ass. Resp.: ___________________ Visto Coord.(a): _________________ Nota: _________

INSTRUÇÕES PARA AVALIAÇÃO:

 Leia atentamente as questões antes de responder.  Organize bem suas ideias, observando as regras gramaticais
 QUESTÕES RASURADAS SERÃO CONSIDERADAS ERRA- (ERROS SERÃO DESCONTADOS).
DAS.  Caligrafia: letra legível e capricho.
 Não use corretivo.  A apresentação dos cálculos na prova é indispensável.
 Use somente caneta de tinta AZUL ou PRETA.  Organize seu tempo para aproveitá-lo bem durante toda a prova.
 Respostas completas (início – meio – fim).  Aparelhos eletrônicos devem estar desligados e colocados no
interior das pastas e/ou mochilas.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
AVALIAÇÃO DE LITERATURA (3ºT)
LIVRO: SENHORA
--------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
01 – A questão central, proposta no romance Senhora, de d) sente renascer nele a revolta por não dispor de meios econô-
José de Alencar, é a do casamento. micos para possuir objetos luxuosos.
Considerando a obra como um todo, indique a alternativa e) relembra infantilmente sua existência anterior, quando podia
que não condiz com o enredo do romance: usufruir do luxo que agora perdia, e lamenta sua situação atu-
al.
a) O casamento é apresentado como uma transação comercial e,
por isso, o romance estrutura-se em quatro partes: preço, qui- 03 – Com base na leitura e análise do livro Senhora, classifi-
tação, posse, resgate. que as afirmações seguintes de verdadeiras ou falsas:
b) Aurélia Camargo, preferida por Fernando Seixas, compra-o e
ele, contumaz caça-dote, sujeita-se ao constrangimento de ( F ) A obra conta a história de Fernando Seixas e Adelaide
uma união por interesse. Amaral, divididos entre o amor verdadeiro e o casamento
c) O casamento é só de fachada e a união não se consuma, por interesse financeiro.
visto que resulta de acordo no qual as aparências sociais de- ( V ) O romance é dividido em quatro partes: O Preço, Quita-
vem ser mantidas. ção, Posse e Resgate. Esta linguagem tipicamente comer-
d) A narrativa marca-se pelo choque entre o mundo do amor cial já evidencia a luta que se irá travar entre o amor puro
idealizado e o mundo da experiência degradante governado e o interesse financeiro.
pelo dinheiro. ( F ) Não há divisão em capítulos.
e) O romance gira em torno de intrigas amorosas, de desigual- ( F ) O final do livro é totalmente realista: Seixas e Aurélia sepa-
dade econômica, mas, com final feliz, porque, nele, o amor tu- ram-se, apesar da paixão que sentem um pelo outro.
do vence.
04 – Com base na leitura e análise do livro Senhora, classifi-
“Seixas aproximou-se do toucador, levado por indefinível que as afirmações seguintes de verdadeiras ou falsas:
impulso; e entrou a contemplar minuciosamente os objetos colo-
cados em cima da mesa de mármore; lavores de marfim, vasos e ( V ) Aurélia, apesar de rica, detestava o dinheiro. Julgava-o
grupos de porcelana fosca, taças de cristal lapidado, joias do mais causador de infortúnios, quando mal empregado.
apurado gosto. À proporção que se absorvia nesse exame, ia ( V) A linguagem é romântica, com descrições exageradas do
como ressurgindo à sua existência anterior, a que vivera até o cenário e dos personagens. Pode-se falar abertamente em
momento do cataclismo que o submergira. Sentia-se renascer prolixidade, sobressaindo o excesso de adjetivos.
para esse fino e delicado materialismo, que tinha para seu espírito ( F ) O romance é narrado na primeira pessoa. O narrador tem,
aristocrático tão poderoso sedução e tão meiga voluptuosidade. pois, visão limitada dos fatos que conta.
Todos esses mimos da arte pareciam-lhe estranhos e desperta- ( V ) A história começa pelo meio, ou seja, o autor faz uso de
vam nele ignotas emoções; tal era o abismo que o separava do um recurso chamado analepse.
recente passado. Era com uma sofreguidão pueril que os exami- ( F ) No livro, Alencar faz uso de uma linguagem sóbria, com
nava um por um, não sabendo em qual se fixar. Fazia cintilar os pouca adjetivação, numa atitude clara de economia voca-
brilhantes aos raios de luz; e aspirava a fragrância que se exalava bular.
dos frascos de perfume com um inefável prazer. Nessa fútil ocu- ( F ) O suicídio de Abreu, no final da história, constitui a parte
pação demorou-se tempo esquecido. Porventura sua memória trágica do livro.
atraída pelas reminiscências que suscitavam objetos idênticos a
esses, remontava o curso de sua existência, e descendo-o, depois 05 – Com base na leitura e análise do livro Senhora, classifi-
o trazia àquela noite fatal em que se achava e à pungente realida- que as afirmações seguintes de verdadeiras ou falsas:
de desse momento. Recuou com um gesto de repulsão.” (José de
Alencar, Senhora). ( F ) Há, no romance, pequena referência sobre a Guerra do
Paraguai.
02 – Considerando este trecho no contexto da obra a que ( F ) Em Senhora, Alencar ocupa-se com um drama de cenário
pertence, é correto afirmar que, nele, a personagem Fer- misto: parte da história passa-se no campo, outra na cida-
nando Seixas: de do Rio de Janeiro.
(V ) Dois bairros aparecem no livro: o de Santa Teresa, onde
a) rejeita os objetos que o cercam, porque deseja conquistar Aurélia morava quando era pobre, e o de Laranjeiras, onde
posição elevada em ambientes. passou a morar depois de rica.
b) dá-se conta de que aqueles objetos, que tanto valorizara, ( V ) A descrição que o autor faz de Aurélia remete-nos ao
nesse momento eram a comprovação dos erros que praticara. modelo de perfeição, à mulher idealizada, figura vinculada
c) experimenta o fascínio por objetos luxuosos que não são seus ao Romantismo.
e decide lutar para conseguir possuí-los.

Digitação: Professora Ariane 1


06 – Leia o trecho a seguir, de José de Alencar. 08 – Nas seguintes afirmativas, a propósito de Senhora, de
José de Alencar, há um dado incoerente. Identifique-o:
Convencida de que todos os seus inúmeros apaixonados, sem
exceção de um, a pretendiam unicamente pela riqueza, Auré- a) Há um triângulo amoroso entre Aurélia, Seixas e Adelaide,
lia reagia contra essa afronta, aplicando a esses indivíduos o que é desfeito graças à inteligência da primeira.
mesmo estalão. Assim costumava ela indicar o merecimento b) Pedro Camargo, quando o pai quis obrigá-lo a casar-se com a
relativo de cada um dos pretendentes, dando-lhes certo valor filha de um fazendeiro rico, chegou a pensar em suicídio. Uma
monetário. Em linguagem financeira, Aurélia contava os seus febre cerebral matou-o.
adoradores pelo preço que razoavelmente poderiam obter no c) A relação de Aurélia com Adelaide não chega a ser hostil,
mercado matrimonial. embora a segunda tenha representado, em certo momento da
história, ameaça ao amor da primeira.
O romance Senhora, ilustrado pelo trecho: d) Eduardo Abreu pode ser considerado o vilão da história: tenta
tirar Aurélia de Seixas, chegando ao ridículo de ameaçar sui-
a) representa o romance urbano de Alencar. A reação de ironia e cidar-se se o seu amor não fosse correspondido.
desprezo com que Aurélia trata seus pretendentes, vistos sob e) O dinheiro pode ser considerado personagem da história.
a ótica do mercado matrimonial, tematiza o casamento como Graças a ele, a união entre Seixas e Aurélia pôde concretizar-
forma de ascensão social. se.
b) mescla o regionalismo e o indianismo, temas recorrentes na
obra de Alencar. Nele, o escritor tematiza, com escárnio, as 09 – Relacione as personagens às suas características ou aos
relações sentimentais entre pessoas de classes sociais distin- fatos a elas relacionados.
tas, em que o pretendente é considerado pelo seu valor mone-
tário. ( a ) Lemos
c) é obra ilustrativa do regionalismo romântico brasileiro. A histó- ( b ) Eduardo Abreu
ria de Aurélia e de seus pretendentes mostra a concepção do ( c ) Dona Firmina
amor, em linguagem financeira, como forma de privilégio mo- ( d ) Aurélia Camargo
netário, além de explorar as relações extraconjugais. ( e ) Fernando Seixas
d) denuncia as relações humanas, em especial as conjugais, ( f ) Adelaide Amaral
como responsáveis por levar às pessoas à tristeza e à solidão
dada a superficialidade e ao interesse com que elas se esta- ( F ) Mesmo apaixonada por Torquato Ribeiro, assumiu com-
belecem. Trata-se de um romance urbano de Alencar. promisso com Fernando Seixas.
e) tematiza o adultério e a prostituição feminina, representados ( E ) Amava Aurélia, mas só abandonaria sua elegante vida de
pelo interesse financeiro como forma de se ascender social- solteiro por um casamento financeiramente vantajoso.
mente. Essa obra explora tanto aspectos do regionalismo na- ( A ) Interesseiro e inescrupuloso, era irmão de dona Emília e
cional como os valores da vida urbana. tutor de Aurélia.
( C ) Parenta afastada de Aurélia, fazia as vezes de governanta
07 – Considere as seguintes afirmativas a respeito de Senho- e dama de companhia da moça.
ra, de José de Alencar: ( B ) Pediu Aurélia em casamento duas vezes e foi recusado.
Apesar disso, continuou seu amigo.
I. O conflito entre amor e dinheiro, tema frequente nos romances ( D ) Recebeu uma herança inesperada e se tornou a rainha
urbanos de Alencar, é central em Senhora. O dinheiro, para dos salões do Rio de Janeiro do século XVIII.
Aurélia, funciona como instrumento de combate à torpeza de
um meio social sem valores éticos. Quando pobre, a protago- GABARITO
nista foi vítima de rejeição (principalmente amorosa).O seu en-
riquecimento permite demonstrar, pela “compra” do respeito e
do amor dos outros, que a moral da alta sociedade é da caída. 01 02 03 04 05 06 07 08 09
II. Apesar de ter comprado o marido Seixas, numa atitude vingati-
va, Aurélia não deixa de cultivar uma visão idealizada do
amor, razão pela qual o seu perfil moral, ao fim de tudo (com a
reconciliação acertada e o perdão consentido ao amado) se
afina com o das heroínas românticas.
III. Aurélia mostra-se excessivamente apegada aos condiciona-
mentos sociais e dependentes da figura masculina, encarnada
no romance pelo seu marido. Seixas. Sua submissão decorre
da posição financeiramente inferior que ocupava quando do
casamento, que serviu para o pagamento de dívidas de seu
pai junto a Seixas.
IV. A moral de Seixas é posta à prova quando Aurélia, enriqueci-
da, o assedia, propondo-lhe um casamento vantajoso financei-
ramente, propício a que ascenda socialmente. A atitude de
Seixas, de rejeição total da oferta e de recolhimento altivo em
nome de seus valores morais inflexíveis, é o que mais encanta
a protagonista. Seixas abre mão do casamento para se pre-
servar moralmente, embora ame Aurélia. O texto de Alencar,
carregado do espírito romântico, nos mostra que o amor,
mesmo quando não realizado, é sempre maior que o dinheiro.

Assinale a alternativa CORRETA.

a) Somente a afirmativa IV é verdadeira.


b) Somente as afirmativas I e II são verdadeiras.
c) Somente as afirmativas I, III e IV são verdadeiras.
d) Somente as afirmativas II, III e IV são verdadeiras.
e) Somente a afirmativa I é verdadeira.

Digitação: Professora Ariane 2

Você também pode gostar