Você está na página 1de 3

Sı́ntese 1

Efeito fotoelétrico
Fı́sica experimental V

Grupo 23
Prof. Dr. Leandro Barbosa

Instituto de Fı́sica da Universidade de São Paulo

São Paulo
2019
1 Introdução
Um dos objetivos desse experimento foi observar o efeito corpuscular da luz para assim
podermos determinar empiricamente a constante de Planck. Para isso utilizamos um
arranjo a fim estimular e detectar elétrons emitidos para quaisquer frequências de luz.

Figura 1: Arranjo experimental

2 Dados e Análises
Foram obtidos dados de corrente fotoeletrônica para diversos valores de comprimen-
tos de onda da luz incidente. A saber, utilizou-se faixas de luz no comprimento do
ultra-violeta, violeta, azul, verde, amarelo e vermelho, e para cada uma das frequências
medidas filtramos a intensidade com que o feixe incidia no cátodo. Pudemos observar
que a quantidade de elétrons ejetados (corrente fotoeletrônica) da placa estão relacio-
nados com a intensidade da luz incidente.

2
3e+07 6e+07
(a) Vermelho 3e+07 (b) Amarelo (c) Verde

2e+07 4e+07
2e+07

1e+07 1e+07 2e+07


Corrente (nA)

0 0 0
-10 -5 0 5 10 -5 0 5 10 -10 -5 0 5 10

2.5e+07
(d) Azul 3e+07 (e) Violeta (f) Ultra-violeta
6e+07
2e+07

4e+07 2e+07 1.5e+07

1e+07
2e+07 1e+07
5e+06

0 0 0
-5 0 5 -5 0 5 10 -5 0 5

Tensão (V)
Figura 2: Gráficos de corrente fotoeletrônica, em nA, por tensão, em V, obtidos para
a as frequências utilizadas no experimento com o uso de diferentes filtros. As cores
pretas, vermelhas, verdes e amarelas representam os filtros de 20%, 40%, 60% e 80%,
respectivamente.

1e+05
UV - 20%
UV - 40%
UV - 60%
50000 UV - 80%
Corrente (pA)

-50000

-1e+05

-2.4 -2.2 -2 -1.8 -1.6


Tensão (V)

Figura 3: Estimativa encontrada para V0