Você está na página 1de 4

Tema em Destaque Utilização da Folha de Cálculo APTA de Dimensionamento de Redes

de Segurança contra Incêndios por Extinção Automática com exemplo prático

1. Abrir o ficheiro "Excel": "APTA-RI Sprinklers-Dimensionamento de Instalações Aço". O ficheiro de cálculo "Excel" contém as
2. Seleccionar a folha com o título "Cálc. Sist. Extinção Automática". seguintes folhas:
3. Premir as teclas "Control" e "L" ou o botão "Limpar todos os dados", efectuando-se uma limpeza 1. "Cálc. Sist. Extinção Automática": Dimensionamento
global da folha de cálculo (eliminando dados provenientes de utilizações anteriores). de Instalações de Segurança Contra Incêndios do tipo:
Extinção Automática - Rede de Sprinklers Húmida.
4. (Opcional): Identificar o dimensionamento em causa, preenchendo os seguintes campos do cabeçalho: 2. "Quadro 1": Gama de Tubos de Aço para canalizações,
conformes as normas NP EN 10255 e NP EN 10240.
"Ref.ª", "Descrição" e "Data".
3. "Quadro 2": Gama de Acessórios Roscados em Ferro
5. No bloco "Características e Especificações": Apontar para o cursor e definir a Classe e Grupo de Risco Fundido Maleável, símbolo de projecto A, conformes a
norma NP EN 10242 e respectivos Comprimentos Equi-
aplicável à instalação. valentes (Leq).
4. "Quadros 3 a 6": Parâmetros de dimensionamento em
função da Classe de Risco.
6. No bloco "Características e Especificações": verificar valores adoptados por defeito na coluna “a cinzento” 5. "Gráficos 1 e 2": Curvas de densidade dos sprinklers em
ou introduzir decisões na coluna “a verde”, das seguintes características: função da Classe de Risco.
- Área máxima de protecção por sprinkler (consulta automática do Quadro 3). 6. "Instruções": Instruções de utilização desta aplicação
- Espaçamento máximo entre sprinklers (consulta automática do Quadro 3). de cálculo.
- Área de operação (consulta automática do Quadro 3). 7. "Procedimento": Procedimento informativo de
dimensionamento de Instalações de Segurança Contra
- Calcular o caudal unitário a dispersar por sprinkler (consulta automática dos Gráficos 1 ou 2). Incêndios do tipo:
- Factor de escoamento dos sprinklers (consulta automática do Quadro 4). Extinção Automática - Rede de Sprinklers Húmida.

As células de introdução de dados são identificadas


7. No bloco "Especificações calculadas": verificar os valores calculados na coluna “a amarelo”, das seguintes do seguinte modo:
características: Verde Claro:
- Afastamento máximo dos sub-ramais. Células de introdução de dados de entrada ou decisões.

- Número de sprinklers em funcionamento simultâneo. Azul Claro :


Células de introdução de dados obtidos no desenho.
- Número de sprinklers em funcionamento simultâneo por sub-ramal.
- Caudal mínimo necessário ao correcto desempenho de cada sprinkler. Quadro 1: Diâm. Int. Dim. Nominal Diâm. Exterior Espessura

- Pressão dinâmica mínima no sprinkler mais afastado da fonte de alimentação. Di (mm) (R) (DN)
Nom.
D (mm)
Máx. Mín.
T (mm)
Nominal
12,6 3/8 DN 10 17,2 17,5 16,7 2,3
16,1 1/2 DN 15 21,3 21,8 21,0 2,6

Série Média (M): EN 10255


21,7 3/4 DN 20 26,9 27,3 26,5 2,6
8. No bloco "Características e Especificações": impor se necessário, a % de afectação das perdas de carga 27,3
36,0
1
1 1/4
DN 25 33,7 34,2 33,3
DN 32 42,4 42,9 42,0
3,2
3,2
locais. 41,9
53,1
1 1/2
2
DN 40 48,3 48,8 47,9
DN 50 60,3 60,8 59,7
3,2
3,6
Caso não sejam introduzidos valores das perdas de carga localizadas, por defeito é efectuado um acréscimo 68,9
80,9
2 1/2
3
DN 65 76,1 76,6 75,3
DN 80 88,9 89,5 88,0
3,6
4,0
de 30% ao comprimento dos troços analisados, para compensação das perdas de carga localizadas. 105,3
129,7
4
5
DN 100 114,3 115,0 113,1
DN 125 139,7 140,8 138,5
4,5
5,0
155,1 6 DN 150 165,1 166,5 163,9 5,0
Quadro 3:
Área máxima
Classe Tipo de Edifício Valores S e D Área de

9. No bloco "Características e Especificações":


a proteger operação
de Risco por sprinkler Tipo de S D SxD Ao (m²)
As (m²) espaçamento (m) (m) (m²)
Apartamentos, igrejas, clubes, escolas, hospitais,
- Impor se pretendido, o dimensionamento efectuado com base na Fórmula de Hazen & Williams. Por
Ligeiros 20 Normal 4,0 4,6 20 139
escritórios, museus, etc.
Grupo Garagens, padarias, casas de caldeiras, fábricas de

defeito, assume o dimensionamento efectuado com base na Fórmula de Flamant. Ordin. 1 componentes eléctricos, parques de estacionamento, Normal 139
(opcional) 4,0 4,6 12
lavandarias, teatros, áreas de serviços em restaurantes.
Fábricas de: produtos químicos de baixo risco, máquinas,
- Impor se necessário, a constante de rugosidade aplicável a tubagens em aço galvanizado na condução
Grupo 12 279
2 têxteis, cigarros, tintas.
Intercalado
4,0 12
Grupo Fábricas de papel, refinarias, fábricas de pneus, armazéns (opcional) 4,6 372
de água fria. Por defeito, assume os seguintes valores da constante de rugosidade recomendados de produtos inflamáveis, etc.
3

Grupo Áreas com combustíveis, fábricas de tintas e diluentes, 372

para tubagens em aço na condução de água:


Graves 1 vulcanizações, etc. 9 Normal 3,7 3,7 9
Grupo Fábricas de embalagens de gás, de sprays, de 465
2 poliuretanos, etc.
1) b = 0,00023, caso seja utilizada a fórmula de Flamant, S – Espaçamento máximo entre sprinklers · D – Afastamento máximo dos sub-ramais

2) C = 120, caso seja utilizada a fórmula de Hazen & Williams. Quadro 4: Quadro 5:
Classe Dimensão Factor de Dimensão Classe Dimensão Nº Máximo de
de Risco Nominal escoamento da rosca de Risco Nominal sprinklers
(DN) (K) (R) (DN) (NS)
Ligeiros 10 57 ± 5% 3/8 Ligeiros 25 2
10. No desenho da Instalação a dimensionar, codificar ou numerar sequencialmente, a partir do sprinkler mais Ordinários/
/Graves 15 80 ± 5% 1/2
32
40
3
5
afastado da fonte de alimentação, designado por S1, todos os sprinklers em funcionamento simultâneo S1+i Graves 20 115 ± 5% 3/4
50
65
10
30
e nós até à fonte de alimentação da instalação (por ex. S1, S2, S3,.......,A, B, C, etc.). Ordinários
80
25
60
2
32 3
40 5
50 10
65 20
11. No bloco de Cálculos, introduzir por cada linha (unicamente nas células a “azul claro” e a “verde”) as 80
100
40
100
características referentes a cada troço da instalação a dimensionar, de forma sequêncial e do fim para o Graves 25 1
32 2
início, sendo que, o 1º troço finaliza no sprinkler mais afastado da fonte de alimentação, designado por S1: 40
50
5
8
- Colunas (2): Códigos identificativos (letras ou números) atribuídos ao início e fim de cada troço (por ex. 65
80
15
27
S1, S2, S3,.......,A, B, C, etc.). 100 55

Quadro 6:
- Coluna (3): Número de sprinklers em funcionamento simultâneo abastecidos pelo troço. Classe Caudal Pressão mín. Duração mínima
- Coluna (4): Número total de sprinklers abastecidos pelo troço. Caso não preencha esta coluna, é de Risco (l/min) (kPa) (min.)

automaticamente assumido que o número total de sprinklers abastecidos pelo troço é igual ao número de Ligeiros 225 220+h 30
375 100+h
sprinklers em fuincionamento simultâneo (para consulta automática do Quadro 5). Ordin. Grupo
1 540 70+h
- Coluna (5): Comprimento do troço (em metros). Grupo 725 140+h
60
2
- Coluna (6): Altura ou desnível do troço (em metros). O valor da altura ou desnível deve ser positivo se o 1000
1100
100+h
170+h
troço for ascendente e negativo se o troço for descendente. Grupo
3 1350 140+h

- Coluna (7): As perdas de carga referentes aos acessórios utilizados, por consulta do Quadro 2 (opção). Graves Obtidos através de
cálculo hidráulico
140+h 90

h – pressão equivalente à diferença de altura entre a válvula de controlo


e o sprinkler colocado na posição mais desfavorável.

12. Análise e avaliação (dos valores obtidos mediante cálculo hidráulico e consulta automática dos Quadros 1, 5 e 6):
- Nas Colunas (14), (15) e (16), são apresentados os diâmetros interior e exterior (em mm), a dimensão da rosca e a dimensão nominal de cada troço.
- Nas Colunas (23) e (24), são apresentadas a perda de carga dinâmica acumulada nos ramais principais (em kPa) e a respectiva avaliação da conformidade
do troço em questão.
- Nas Colunas (25) e (26), são apresentadas a velocidade de escoamento (em m/s) em cada troço e a avaliação da conformidade nos ramais principais.
Nos troços onde se verificarem casos de não conformidade (automaticamente assinalados pela cor “Vermelha” e com a mensagem "Redimensionar"),
deve-se subir um escalão no valor do diâmetro interior normalizado do troço em questão por consulta do Quadro 1, introduzindo esse novo valor (em
mm) na Coluna (13) correspondente ao novo Diâmetro Imposto.
Em cima à direita da folha de resultados, são apresentadas:
- A perda de carga dinâmica total (em kPa) e a perda de carga dinâmica nos ramais principais (em kPa).
- As necessidades de pressão e caudal da instalação.
- A avaliação global do dimensionamento. Em caso de não conformidade (automaticamente assinalada pela cor Vermelha e com a mensagem "ATENÇÃO:
Valor Não Conforme"), deve-se subir um escalão no valor do diâmetro interior normalizado nos ramais com maiores perdas de carga.
13. Em baixo à direita da folha de resultados, existe a possibilidade de se fixarem critérios de dimensionamento personalizados, das seguintes características:
- Perda de carga dinâmica admissível nos ramais principais (em kPa) e velocidade de escoamento admissível nos ramais principais (em m/s).
- Níveis mínimos de pressão (em kPa) e caudal (em l/min) exigidos para a instalação.

Associação de Produtores de Tubos e Acessórios info@apta.pt Autor: Paulo Gomes, Eng.º 1- 4


Sustentado no Sistema de Tubagem:

Tubos de Aço NP EN 10255 Acessórios Roscados


Série Média EN 10242 - Proj. A

Fases Descrição da Fase Nº Característica Símb. Unid. Valor / Fórmula / Observações

0 Organizar Desenho da Instalação: Exemplos: Estruturar o desenho da instalação, definindo os troços a dimensionar:
Codificar ou numerar sequencialmente, a partir do sprinkler 0.2 Sprinkler mais afastado da F.A. S1 Troços de tubagem situados entre:
mais afastado da fonte de alimentação (F.A.), designado Sprinkler em funcion. simultâneo S1, S2, S3.. - Dois sprinklers em funcionamento simultâneo.
por S1, todos os sprinklers em funcionamento simultâneo - Um sprinkler em funcionamento simultâneo e um nó.
S1+i e nós até à fonte de alimentação da instalação. Nó de uma tubagem A, B, C, etc. - Dois nós.
(Deste modo definem-se os diversos "N" troços de tubagem - Um nó e a saída da fonte de alimentação (Sistema de Bombagem).
a dimensionar) 0.1 Nº de troços de uma instalação N nº Nó - Ponto de derivação de uma tubagem.

1 Dados de Entrada:
Definir a Classe e Grupo de Risco aplicável à instalação. 1.1 Classe e Grupo de Risco Consultar Quadro 3.
Fixar a área máxima de protecção por sprinkler. 1.2 Área máx. de protecção / sprinkler AS m2
Fixar o espaçamento máximo entre sprinklers. 1.3 Espaçamento máx. entre sprinklers S m
Calcular o afastamento máximo dos sub-ramais. 1.4 Afastamento máx. dos sub-ramais D m D = As / S
Fixar a área de operação. 1.5 Fixar a área de operação AO m2 Consultar Quadro 3.
Calcular o número de sprinklers em funcionamento 1.6 Nº de sprinklers em funcionamento NSsim. nº NSsim. = Ao / As
simultâneo. simultâneo
Calcular o número de sprinklers em funcionamento 1.7 Nº de sprinklers em funcionamento
simultâneo por sub-ramal. NSsim./s.r. nº NSsim./s.r. = 1,2 Ao S
simultâneo por sub-ramal
Calcular o caudal unitário a dispersar por sprinkler. 1.8 Densidade qunit. l/min.m2 Consultar Gráficos 1 ou 2.
Calcular o caudal mínimo necessário ao correcto 1.9 Caudal mínimo por sprinkler Qmín.S. l/min Qmín.S. = As.qunit.
desempenho de cada sprinkler.
Fixar o factor de escoamento dos sprinklers. 1.10 Constante do sprinkler K l/min.bar1/2 Consultar Quadro 4.
Calcular a pressão dinâmica mínima no sprinkler mais
afastado da fonte de alimentação.
1.11 Pressão mínima por sprinkler Pmín.S. kPa Pmín.S. = 98,1.(Qmín.S. / K)2
Fixar a % de afectação das perdas de carga locais. 1.12 % afectação das perd. carga local J% % Por defeito, é efectuado um acréscimo de 30 % ao comprimento dos troços
analisados, para compensação das perdas de carga localizadas (ou Quadro 2).
Decidir qual a fórmula de dimensionamento a utilizar. 1.13 Cálculo da perda de carga DP kPa Cálculo das perdas de carga pelas Fórmulas de Flamant ou Hazen & Williams.
Fixar o factor de rugosidade aplicável a tubagens em 1.14 Constante de Rugosidade Por defeito, no cálculo das perdas de carga, adopta-se b = 0,00023 se usada
b ou C a Fórmula de Flamant, ou C = 120 se usada a Fórmula de Hazen & Williams.
aço para condução de água fria.

2 Introduzir a codificação dos diferentes troços estabelecida 0.1 N.º de troços de uma instalação N nº Consultar desenho da instalação com os troços de tubagem devidamente
no desenho da instalação (Fase 0), definindo automatica- codificados e situados entre:
mente os diversos "N" troços de tubagem. Com início a - Dois sprinklers em funcionamento simultâneo.
partir do sprinkler mais afastado da fonte de alimentação, - Um sprinkler em funcionamento simultâneo e um nó.
designado por S1. - Dois nós.
- Um nó e a saída da fonte de alimentação (Sistema de Bombagem).
Imputar a cada troço em análise o nº de sprinklers abastecidos 2.1 Nº de sprinklers em funcionamento NSsim.troço nº
em simultâneo, na coluna correspondente. simultâneo por troço
Consultar desenho da instalação com os troços devidamente codificados.
Imputar a cada troço em análise o nº total de sprinklers 2.2 Nº total de sprinklers abastecidos NStroço nº
abastecidos pelo troço, na coluna correspondente. por troço
Imputar a cada troço da instalação o respectivo compri- 3.1 Comprimento do troço Lreal m Consultar desenho da instalação com os troços devidamente codificados.
3 O desnível "h" deverá ser considerado positivo se o troço for ascen-
mento e desnível. Por opção, adicionar ao comprimento 3.2
do troço de tubo em análise, as perdas de carga referentes Desnível do troço h m dente e negativo se o troço for descendente.
aos acessórios utilizados, por consulta do Quadro 2. 3.3 Comprimento equivalente local Leq. local m Leq.total = J% x Lreal Por defeito, é efectuado um acréscimo de 30%
Leq. total ao comprimento dos troços analisados, para
Determinar o comprimento equivalente de cada troço. 3.4 Comprimento equivalente total m Leq.total = Lreal+Leq.local compensação das perdas de carga localizadas.

4 Dimensionar o troço que contém o sprinkler mais afastado PMín.S. = Pfc do 1º troço a dimensionar, o qual finaliza no sprinkler (S1)
da fonte de alimentação, designado por S1: mais afastado da fonte de alimentação.
Atribuir ao sprinkler S1 o caudal e pressão mínimos já 1.9 Caudal mínimo por sprinkler Qmín.S. l/min A Pressão Final Corrigida de um troço (Pfc), acrescenta à (Pf) a perda
calculados, necessários ao correcto desempenho do mesmo. 1.11 Pressão mínima por sprinkler Pmín.S. kPa de carga estática nesse troço, devida ao desnível do mesmo (caso exista).
Impor a dimensão nominal mínima (DN 25), aplicável a
uma instalação do tipo extinção automática (ver Quadro 5). 5.5 Dimensão nominal DN Consultar Quadro 5.
Fixar o correspondente diâmetro interior normalizado Diâmetro interior normalizado do Di cálculo Consultar Quadro 1.
da tubagem de aço, em conformidade com a norma 5.2 mm
tubo de aço
europeia EN 10255 (Série Média) ou equivalente. Fórmula de Flamant Fórmula de Hazen & Williams
Referências Bibliográficas: Regras Técnicas do I.S.P., norma NFPA 13, Manual dos Sistemas Prediais de Distribuição e Drenagem de Águas do L.N.E.C. (2ª edição 2004) e Manual do Instalador da APTA.

Calcular a perda de carga unitária (J) deste troço. 7.1 Perda de carga unitária J m/m
Perda de carga dinâmica no troço P
DP = 9,81.J.Leq.total V 1,75 Q 1,85
Calcular a perda de carga dinâmica ( P) deste troço. 7.2 kPa J = 22494.b. ou J = 61,7.105. troço
Pi = Pmín.S. + DP Di1,25 C1,85.Di 4,87
Calcular a pressão inicial (Pi) deste troço. 6.1 Pressão inicial no troço Pi kPa

5 Para cada troço em análise: Nº total de sprinklers abastecidos NStroço nº Consultar desenho da instalação com os troços devidamente codificados.
2.2 por troço
Impor a dimensão nominal mínima aplicável a uma instalação
do tipo extinção automática, em função do nº total de sprinklers
abastecidos (ver Quadro 5). 5.5 Dimensão nominal DN Consultar Quadro 5.
Fixar o correspondente diâmetro interior normalizado Diâmetro interior normalizado do mm Consultar Quadro 1.
da tubagem de aço, em conformidade com a norma 5.2 Di
tubo de aço
europeia EN 10255 (Série Média) ou equivalente.
E correspondentes designações normalizadas do tubo de aço. 5.3 Diâmetro exterior D mm Adicionalmente, as correspondentes dimensões da Rosca (R).

6 Tendo-se iniciado a análise pelo troço da instalação que 6.1 Pressão inicial no troço Pi kPa A relação entre as pressões inicial (Pi) e final (Pf) de um determinado
contém o sprinkler S 1 considerado na posição mais troço, são estabelecidas através do cálculo da perda de carga linear unitária
desfavorável, percorrer a instalação de forma sequêncial pelas Fórmulas de Flamant ou Hazen & Williams.
e do fim para o início, para o cálculo das pressões
instaladas em cada troço, com base no seguinte raciocínio: P i = P f + DP DP = 9,81.J.Leq Pf = Pfc + 9,81.h
6.2 Pressão final no troço Pf kPa
a) A pressão final corrigida (Pfc) de um qualquer
A relação entre as pressões Final (Pf) e final corrigida (Pfc) de um
troço, deverá ser a Pressão Inicial (Pi) do(s) troço(s) determinado troço, são estabeleciadas através do cálculo da perda de
situado(s) imediatamente a jusante. carga correspondente à diferença de cota piezométrica.
6.3 Pressão final corrigida no troço Pfc kPa
b) A pressão inicial (Pi) de um qualquer troço, deverá
ser a pressão final corrigida (Pfc) de um troço situado A pressão final de um troço (Pf), traduz a perda de carga dinâmica
imediatamente a montante. nesse troço.
c) Relacionar Pi com Pf através das Fórmulas de Flamant A pressão final corrigida de um troço (Pfc), acrescenta à (Pf) a perda
ou Hazen & Williams, ao critério do projectista. de carga estática nesse troço, devida ao desnível do mesmo (caso exista).
d) Relacionar Pf com Pfc através da perda de carga estática.

7 Para cada troço em análise, determinar o respectivo caudal PMín.S. = Pfc do 1º troço a dimensionar, o qual finaliza no sprinkler (S1)
de cálculo do seguinte modo: 1.9 Caudal mínimo por sprinkler Qmín.S. l/min mais afastado da fonte de alimentação.
a) Se o troço em análise finaliza num sprinkler e: 1.11 Pressão mínima por sprinkler Pmín.S. kPa Designa-se por sub-ramal 1, o sub-ramal em funcionamento simultâneo
a1) a jusante não existe qualquer outro sprinkler de que contém o sprinkler (S1) mais afastado da fonte de alimentação.
funcionamento simultãneo, adoptar para efeitos de 1.10 Constante do sprinkler K l/min.bar1/2
cálculo: Qtroço = Qmín.S.. 4.1 Constante do sub-ramal 1 Ksub-ramal1 l/min.bar1/2 Ksub-ramal1 = Qsub-ramal1 / Pi sub-ramal1 / 98,1
a2) a jusante existe outro sprinkler de funcionamento 4.2 Caudal de serviço do sprinkler QS l/min QS = K. Pfc / 98,1
simultãneo, adoptar para efeitos de cálculo: Qtroço =
Caudal de serviço do sub-ramal Qsub-ramal l/min Qsub-ramal = Ksub-ramal1 . Pfc / 98,1
QS + Qacumul. a jusante , onde QS =K.(Pfc / 98,1)1/2.
Caudal de serviço do sub-ramal 1 Qsub-ramal1 l/min Qsub-ramal1 = S QS situados a jusante
b) Se o troço em análise finaliza num sub-ramal de
funcionamento simultãneo, adoptar para efeitos de 4.3 Caudal de cálculo Qtroço l/min
cálculo: Qtroço = Qsub-ramal + Qacumul. a jusante , Caudal acumulado a jusante Qacum. a jusante l/min Caudal a ser incorporado na determinação do caudal de cálculo.
onde Qsub-ramal = Ksub-ramal1.(Pfc / 98,1)1/2
e Ksub-ramal1 = Qsub-ramal1/(Pi sub-ramal1 / 98,1)1/2. P i = P f + DP
c) Ou então: Qtroço = Qacumul. a jusante. Pf = Pfc + 9,81.h Fórmula de Flamant Fórmula de Hazen & Williams

Calcular a perda de carga unitária (J) de cada troço. 7.1 Perda de Carga unitária J m/m
DP = 9,81.J.Leq.total V 1,75 Q 1,85
7.2 Perda de Carga dinâmica no troço P kPa J = 22494.b. ou J = 61,7.105. troço
Calcular a perda de carga dinâmica ( P) de cada troço. Di1,25
DPc = DP + 9,81.h C1,85.Di 4,87
Calcular a perda de carga total ( Pc) de cada troço. 7.3 Perda de Carga total no troço Pc kPa

8 Calcular a perda de carga dinâmica acumulada nos ramais 8.1 Perda de carga acumulada nos DPAcum. R.P. = DPAlimentação+DPColuna+DPTronco+DPRamal
ramais principais PAcumul. R.P. kPa
principais.
Fixar a perda de carga acumulada admissível ( PAdm. R.P.). 8.3 Perda de carga admissível PAdm. R.P. kPa Usualmente limitada a 50 kPa.
9 Calcular a velocidade de escoamento em cada troço. 9.1 Veloc. de escoamento no troço V m/s
V = 66,7.Qtroço / (p.Di²) Usualmente limitada a 2,5 m/s.
Fixar a velocidade admissível nos ramais principais. 9.3 Veloc. adm. nos ramais principais VAdm. m/s
Calcular a Necessidade de Pressão-Abastecimento (Pi máx.). 10.1 Necessidade de pressão Pi máx. kPa
10 Consultar Quadro 6.
Calcular a Necessidade de Caudal-Abastecimento (Q máx.). 10.2 Necessidade de caudal Qmáx. l/min
11 O dimensionamento está concluído se:
1. Os ramais principais cumprirem com os limites de perda de carga dinâmica e velocidade de escoamento aplicáveis.
2. A instalação cumprir com as necessidades de pressão e caudal aplicáveis (ver Quadro 6). Consultar Quadro 6.
Se tal não suceder, subir um escalão no valor do diâmetro interior normalizado desse troço e regressar à fase 6.
12 Subir um escalão no valor do diâmetro interior do tubo. 5.1 Diâmetro interior imposto Di imposto mm Consultar Quadro 1, caso seja necessário redimensionar.

Associação de Produtores de Tubos e Acessórios info@apta.pt Autor: Paulo Gomes, Eng.º 2- 4


Tema em Destaque Exemplo de Dimensionamento
com recurso à folha de cálculo APTA

Projecto da instalação de sprinklers Boca de alimentação Fase 0 (codificação)


do tipo húmida
Representação isométrica sem escala
Válvulas de corte
Válvulas de retenção
S.I. (com união siamesa)
O desenho da instalação já está
apresentado de forma organiza-
Aplicação: da, tendo sido codificados sequên-
Parque automóvel subterrâneo (piso -3) de cialmente (com letras ou números),
Indicador de a partir do sprinkler mais afastado
um edifício caudal e alarme E
Referência: Curso Sistemas Prediais - LNEC 2007 da fonte de alimentação (F.A.),
designado por S1, todos os sprin-
Manómetro klers em funcionamento simultâneo
Especificações gerais da instalação: S1+i e nós até à fonte de alimen-
- Classe de riscos: Ordinários do Grupo 1 - m tação da instalação.
ção ,50
Área máx. de protecção por sprinkler = 12 m² ta 10
(ver Quadro 3)
m en 10
0
- Diposição dos sprinklers: Normal -
Ali DN Fonte de alimentação
Espaçamento adoptado
optado entre sprinklers (S) =
3,7
3,0 m (ver Quadro
dro 3)
m 1,5
0m
- Área de operaçãoo = 139 m² (ver Quadro 3) DN
10
0 3,0
- Tipo de sprinklers:: Ascendente com dispositivo 0m
de detecção por ampola;
mpola; constante (K) = 80
(ver Quadro 4) 2,0
7,5 0m
0m DN 1,0
Co 25 0m
l
DN una
10 DN 3,0
0 DN 32 0 m 0m
25 l DN 2,0
ma 40 2,0
Ramais principais:s:
DN
Ra 5 0m
6
- Alimentação 32 DN 0m 1,5
- Coluna (riser) 3,3
0m DN 4,0 DN 32 0m
n)
- Tronco (feed-main) 0m 0 32
- Ramal (cross-main)
n) Tro 2,0 N8 DN
nco D
0m
DN 25
2 D N1 4,0 25
Sub-ramais (branch-lines):
- Sub-ramal 1
ch-lines):
S1 00 D 80
DN DN
- Sub-ramal 2 C 8 0
25
DN 1 0m
- Sub-ramal 3 S8 DN S1 4,0
- etc. 80 40
B DN 0 lvu
la
0m S4 al 0 mDN S1 Vá nsaio
Pa
1,5 DN m
Ra 65 S7 4,0 32 S9 d e e

au rque 25
DN 2 5
subtomó 1,6 A S6 DN Su
te ve 0 0m b-r
(p rrân l
m
DN S3 4,0 S5 a ma
is eo
o- 0,4 40 m
l3
Decisões de dimensionamento:
3) 0m DN 0m 0 Área
1,7 Su
32 2,0 S2 de
func 12 s operaç
b-r
am Imposição de uma perda de carga
S1 iona prink ão ( al 2 dinâmica adimissível nos ramais prin-
men lers 139
1,3 25 to s e m m 0m cipais de 50 kPa.
0m DN S ub
i m ultâne
²) 4,0
-ra o Imposição de uma velocidade adimis-
Sustentada 0,7 ma
l1 sível nos ramais principais de 3,5 m/s.
0m
Tubos de aço 0m
no Sistema
4,0
NP EN 10255
55
de Tubagem: Cálculo das perdas de carga realizado
lvu
la 0m
Acessórioss roscados
Vá nsaio 1,0 com as duas fórmulas: Flamant e
NP EN 1024242 - Proj.A e
Ligação Roscada NPP EN 10226-1 d e Hazen & Williams.

Associação de Produtores de Tubos e Acessórios info@apta.pt Autor: Paulo Gomes, Eng.º 3- 4


Resultados do dimensionamento da instalação de Sprinklers do tipo húmida:
obtidos com a folha de cálculo APTA

Dimensionamento de Sistema de Extinção Automática (Rede de Sprinklers Tipo Húmida) Ref.ª APTitude nº 27 Descrição: Dimensionamento de Sistema de Extinção Automática Data: 2007.09.27
Características e Especificações: Decisões Adoptado Observações Especificações calculadas
1.1 Quadro 3 Classe e Grupo de Risco: Ordinár ios - Grup o 1 2 Riscos Ordinários - Grupo 1
2
1.2 Quadro 3 Área de cobertura por sprinkler As m 12,0 Função da Classe de Risco 1.4 Afastamento máximo dos sub-ramais D m 4,0
1.3 Quadro 3 Espaçamento máx. entre sprinkers S m 3,0 3,0 Disposição normal dos sprinklers 1.6 Nº total de sprinklers em funcionamento simultâneo NSsim. nº 12
2
1.5 Quadro 3 Área de operação Ao m 139 Função da Classe de Risco 1.7 Nº de sprinklers em funcionamento simultâneo por sub-ramal NSsim./s.r. nº 4
1.8 Gráficos 1,2 Caudal unitário a dispersar por sprinkler qunit. l/min.m
2
6,52 Densidade 1.9 Caudal necessário ao correcto desempenho de cada sprinkler Qmín.S. l/min 78,2
1.10 Quadro 4 Sprinkler DN 10 (x) ou especificar o valor de: K l/min.bar 1/2 1.11 Pressão dinâmica no sprinkler mais afastado da alimentação Pmín.S. kPa 95,6
Sprinklers: Sprinkler DN 15 (x) ou especificar o valor de: K l/min.bar 1/2 K = 80 Assumido por defeito 8.4 Perda de carga dinâmica total PAcum.Total kPa 110,1
1/2
K=80 Sprinkler DN 20 (x) ou especificar o valor de: K l/min.bar 8.1 Perda de carga dinâmica nos ramais principais P Acum.R.P. kPa 45,5
1.12 % de afectação das perdas de carga locais J% % Para cálculo do comprimento equivalente 10.1 Necessidade de Pressão - Abastecimento Pi máx. kPa 133,0
1.13 Dimensionar pela fórmula de Hazen & Williams (x) Dimensionamento efectuado com base na Fórmula de Flamant 10.2 Necessidade de Caudal - Abastecimento Q máx. l/min 1045
1.14 Constante de rugosidade - Água Fria b 0,00023 Valor típico para tubagens em aço galvanizado. Avaliação Global: Dimensionamento Conforme
Limpar todos os dados Atenção: Ao premir este bo tão realiza uma limpeza ge ral dos d ados introduzidos.
(1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) (17) (18) (19) (20) (21) (22) (23) (24) (25) (26)
0.1 0.2 2.1 2.2 3.1 3.2 Quadro 2 3.4 4.1 4.2 4.3 5.0 5.1 5.2 Quadros 1 e 5 5.5 6.1 6.2 6.3 7.1 7.2 7.3 8.1 8.2 9.1 9.2
Codificação Nº de Sprinklers Com primentos Factor de Caudais Tubo Dimensões Normalizadas Pressões Instaladas Perdas de Carga ( P) Velocidade
dos Troços Simultâneo Total Real Altura Locais Equiv. Caudal Intemédio Cálculo Material Imposto Interior Exterior Comercial Inicial Final Fin.Corr. unitária troço acumul. avaliação troço avaliação
N Início Fim NS sim.tro ço NStroço Lreal h
1)
Leq. local Le q. total K QS/sub-ramal Qtroço Tipo Di imposto Di D Série Média Pi Pf Pfc J DP DPc DPAcu m.R. P. DPAcu m.R. P. < 50 V 0,5 < V < 3,5

nº nº nº m m m m l/min.bar 1/2 l/min l/min mm mm mm R (rosc a) DN kPa kPa kPa m/m kPa kPa kPa kPa m/s m/s
s 1 S2 S1 1 1 3,70 5,33 9,03 80,0 78,24 78,24 Aço 27,3 33,7 1 DN 25 125,51 95,65 95,65 0,337 29,86 29,86 Não aplicável 2,23 Não aplicável
s 2 S3 S2 2 2 3,00 2,50 5,50 80,0 89,62 167,86 Aço 36,0 36,0 42,4 1 1/4 DN 32 144,10 125,51 125,51 0,345 18,59 18,59 Não aplicável 2,75 Não aplicável
s 3 A S3 3 3 1,00 3,43 4,43 80,0 96,03 263,90 Aço 41,9 41,9 48,3 1 1/2 DN 40 160,17 144,10 144,10 0,370 16,07 16,07 Não aplicável 3,19 Não aplicável
s 4 A S4 1 1 3,50 6,25 9,75 80,0 78,24 78,24 Aço 27,3 33,7 1 DN 25 160,17 127,93 127,93 0,337 32,24 32,24 Não aplicável 2,23 Não aplicável
5 B A 4 4 4,00 4,99 8,99 270,3 342,14 Aço 68,9 68,9 76,1 2 1/2 DN 65 165,01 160,17 160,17 0,055 4,84 4,84 45,53 Conforme 1,53 Conforme
6 C B 8 8 4,00 4,99 8,99 270,3 347,27 689,40 Aço 80,9 80,9 88,9 3 DN 80 172,70 165,01 165,01 0,087 7,69 7,69 40,70 Conforme 2,24 Conforme
7 D C 12 12 2,00 5,49 7,49 270,3 355,27 1044,67 Aço 80,9 80,9 88,9 3 DN 80 185,96 172,70 172,70 0,180 13,26 13,26 33,00 Conforme 3,39 Conforme
8 E D 12 25 25,00 -7,50 14,00 39,00 270,3 1044,67 Aço 105,3 105,3 114,3 4 DN 100 132,13 112,39 185,96 0,052 19,74 -53,83 19,74 Conforme 2,00 Conforme

ros,
s s to dos iddiâadmeetcom o
Dadosenobhtiodo
efectuad
Dadosaodbrtio d2o o de increm en rm
Decisã egurar a concaforga. Dimensio
com rec ur
namentomul
so à fór a de Flamant
do des no Qu para itass
o lim e de per
da de Dimencusirsonoam
à
ento efaecdetuHadazoen & Williams
fórmul
com re
1 S2 S1 1 1 3,70 5,33 9,03 80,0 78,24 78,24 Aço 27,3 33,7 1 DN 25 120,76 95,65 95,65 0,283 25,11 25,11 Não aplicável 2,23 Não aplicável
2 S3 S2 2 2 3,00 2,50 5,50 80,0 87,91 166,15 Aço 36,0 36,0 42,4 1 1/4 DN 32 136,78 120,76 120,76 0,297 16,02 16,02 Não aplicável 2,72 Não aplicável
3 A S3 3 3 1,00 3,43 4,43 80,0 93,56 259,71 Aço 41,9 41,9 48,3 1 1/2 DN 40 150,85 136,78 136,78 0,324 14,08 14,08 Não aplicável 3,14 Não aplicável
4 A S4 1 1 3,50 6,25 9,75 80,0 78,24 78,24 Aço 27,3 33,7 1 DN 25 150,85 123,74 123,74 0,283 27,11 27,11 Não aplicável 2,23 Não aplicável
5 B A 4 4 4,00 4,99 8,99 275,2 337,95 Aço 68,9 68,9 76,1 2 1/2 DN 65 154,98 150,85 150,85 0,047 4,13 4,13 41,23 Conforme 1,51 Conforme
6 C B 8 8 4,00 4,99 8,99 275,2 342,54 680,50 Aço 80,9 80,9 88,9 3 DN 80 161,87 154,98 154,98 0,078 6,89 6,89 37,11 Conforme 2,21 Conforme
7 D C 12 12 2,00 5,49 7,49 275,2 350,08 1030,58 Aço 80,9 80,9 88,9 3 DN 80 174,24 161,87 161,87 0,168 12,37 12,37 30,22 Conforme 3,34 Conforme
8 E D 12 25 25,00 -7,50 14,00 39,00 275,2 1030,58 Aço 105,3 105,3 114,3 4 DN 100 118,51 100,67 174,24 0,047 17,84 -55,73 17,84 Conforme 1,97 Conforme

Legenda e nota(s):
Critérios de Dimensiona mento: PAcu m.R.P < PAcum. Ad m. V < VAd missível
Obtido no desenho da instalação

Dados de entra da / decisões 8.3 Perda de Carga Dinâmica Admissível-Ramais Principais: PAcum.Adm. kPa 50

Calculado co m recurso a fór mulas 9.3 0,5 Velocidade Admissível-Ramais Principais: VAdm. m/s 3,5 3,5
10.3 Quadro 6 Pressão mínima exigida: Riscos Ordinários - Grupo 1 Pi mín. kPa 70
Retirado de quadros de especificações
10.4 Quadro 6 Caudal mínimo exigido: Riscos Ordinários - Grupo 1 Q mín. l/min 540
Restrições / Alertas

Conclusões 1 m.c.a. = 9,81 kPa


1)
Desníve l h, inserir valor positivo ( + ) se o troço é ascendente e negativo ( - ) se o troço é descendente.

Associação de Produtores de Tubos e Acessórios info@apta.pt Autor: Paulo Gomes, Eng.º 4- 4