Você está na página 1de 17

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

Universidade Federal de Alfenas . Unifal-MG


Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 – Alfenas/MG – CEP
37130-000
Fone: (35) 3299-1000 . Fax: (35) 3299-1063

Curso: Ciências Biológicas – Bacharelado

Disciplina: Política e Gestão Ambiental

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL:


CONSUMO DE ÁGUA

Discentes:

Bruna Lorencini da Silva; Jéssica Aparecida; Juliana B. Rodrigues; Karla Dias


Marques; Leticia P. Lippi; Maria Fernanda O. Sampaio; Marina Guidi;
VytóriaPiscitelli Cavalcanti e Vinicius de Toledo

Docente: Rogério Grasseto Teixeira

Alfenas

- 2013 -

1
SUMÁRIO

1. Diagnóstico Ambiental ............................................................3

2. Planejamento..........................................................................10

2.1 Aspecto e impacto ambiental...................................................................10

2.2 Legislação aplicável..................................................................................10

2.3 Objetivos e metas......................................................................................11

2.4 Plano de ação ............................................................................................11

3. Implementação e operação......................................................14

3.1 Autoridade e responsabilidade.................................................................14

3.2 Comunicação.............................................................................................14

3.3 Documentação e controle de documentos...............................................14

3.4 Atendimento à emergência.....................................................................14

4. Verificação ..............................................................................15

4.1 Monitoramento e medição.......................................................................15

4.2 Avaliação do atendimento a legislação.....................................................15

4.3 Não conformidade, ação corretiva e preventiva......................................15

4.4 Controle de registros.................................................................................16

4.5 Auditoria....................................................................................................16

4.6 Análise crítica............................................................................................16

5. Referências..............................................................................17

2
1. Diagnóstico ambiental

O diagnóstico ambiental realizado procurou identificar os principais dados


e elementos relacionados às atividades desenvolvidas na Universidade que
tivessem influência em seus aspectos e impactos ambientais.
Através deste, observou-se que de 2010 a 2012 houve um aumento no
consumo de água (Figura 02). Porém, é importante ressaltar que a partir de março
de 2011 iniciaram-se as atividades do Unidade I da Universidade Federal de
Alfenas em Santa Clara (Figura 01).

Figura 01. Gráfico comparando o consumo de água ao decorrer dos meses entre os
anos de 2010 a 2012. Em Março de 2011, apontado pela seta, houve início do
faturamento da Unidade I - Santa Clara.

3
Figura 02. Gráfico comparando o valor gasto pelo consumo de água entre os anos
de 2010 a 2012 (A) e gráfico comparando o volume consumido de água entre os
anos de 2010 a 2012 (B).

Nas tabelas abaixo, é possível verificar o consumo de água referente a três


anos consecutivos. Pelos resultados verificou-se que os meses de maior consumo
se remetem a outubro e novembro dos anos de 2010, 2011 e 2012.

Tabela 1. Consumo de água referente ao ano de 2010.


DEMONSTRATIVO DE CONSUMO DE ÁGUA DE 2010 –Copasa 00105781321

Mês Valor da água Vol. Medido água m²


jan R$6.541,54 1289
fev R$6.483,81 1123
mar R$10.075,19 1744
abr R$10.251,35 1838
mai R$10.326,25 1978
jun R$11.245,98 2015
jul R$11.365,21 2055
ago R$9.864,58 1647
set R$10.256,85 1828
out R$11.985,54 2147
nov R$11.652,24 2175
dez R$10.254,49 1731
TOTAIS R$120.303,03 21570

4
Tabela 2. Consumo de água referente ao ano de 2011.
DEMONSTRATIVO DE CONSUMO DE ÁGUA DE 2011 - Copasa 00105781321

Mês Valor da água Vol. Medido água m²


Jan R$4.803,72 781
Fev R$5.458,56 857
mar* R$8.604,73 1360
Abr R$10.515,09 1686
Mai R$11.552,12 1751
Jun R$12.139,34 1834
Jul R$12.491,33 1968
Ago R$10.845,46 1707
Set R$14.099,09 1984
Out R$15.217,17 2215
Nov R$13.696,25 2001
Dez R$12.326,07 1871
TOTAIS R$131.748,93 20015

Tabela 3. Consumo de água referente ao ano de 2012.


DEMONSTRATIVO DE CONSUMO DE ÁGUA DE 2012 -Copasa 00105781321

Mês Valor da água Vol. Medido água m²


Jan R$ 5.560,12 931
Fev R$ 8.370,13 1242
Mar R$ 18.336,58 2721
Abr R$ 17.001,23 2451
Mai R$ 16.227,87 2383
Jun R$ 14.102,73 2066
Jul R$ 12.326,84 1810
Ago R$ 15.236,25 1995
Set R$ 16.228,62 2373
Out R$ 20.810,65 3031
Nov R$ 20.895,78 2978
Dez R$ 20.078,49 2829
TOTAIS R$ 185.175,29 26810

De acordo com o plano de gestão da Universidade Federal de Alfenas


referente ao ano de 2010, propunha-se a implementação de torneiras automáticas
e caixas de descarga acopladas em todos os banheiros. Verificamos que tal
cumprimento não foi efetivo (Tabela 04).

5
Tabela 04. Relação de torneiras automáticas e manuais; descargas acopladas e não
acopladas; mictório automático e manual; bebedouros e lava-olhos dos prédios da
Universidade Federal de Alfenas, campus de Alfenas.
Prédio Torneira Torneira Descarga Descarga não Mictório Mictório Bebedouro Lava-
automática manual acoplada acoplada Automático manual olhos
V 14 35 20 8 8 7
PCA 7 9 2 4
R 13 9 5 4
O 29 2 36 7
S 9 18 2 12 9 3
K 4 3 6 1 2
Q 160 2 2 2
E 2 1 3 2
H 24 2 2 2
D 4 23 4 6 3 3
Limno 2 2
R.U. 4 20 1 2 3
Odonto. 38 48 4 11 1 1 7
Serv. 14 4 3 1
gerais

Além dos itens apresentados na Tabela 04, observamos o uso de cuspideiras


e mangueirinhas no prédio da Odontologia, sendo encontrados 62 exemplares de
cada; e o uso de torneiras para irrigação, sendo encontrada uma em cada jardim,
com 2 irrigadores.

O consumo de água foi avaliado nos seguintes compartimentos:

a. Banheiros

- Torneiras: algumas são automáticas outras não;

Figura 03. Torneira automática na esquerda e manual na direita, na Universidade


Federal de Alfenas (UNIFAL - MG).

6
- Vaso sanitário: algumas com caixa de descarga acoplada outras não;

Figura 04. Vaso sanitário com caixa de descarga acoplada (A) e sem caixa de
descarga acoplada (B) na Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL - MG).

- Mictório: alguns são automáticos e outros não;

Figura 05. Mictório automático (A) e mictório manual (B) na Universidade Federal
de Alfenas (UNIFAL - MG).

b. Laboratórios

- Autoclave: gasto excessivo de água (125 litros de água por autoclave);


- Cuspideira: saída de água da cuspideira que consome em média 700 litros por dia.

7
Figura 06. Cuspideira ligada.

- Destilação da água e água Mili Q: são desperdiçados 21 litros de água potável para
fazer 1 litro de água destilada.

c. Outros

- Bebedouros: falta de manutenção. Desperdício durante o consumo de água no


bebedouro. Em pesquisa feita em 10 bebedouros na Unicamp, com o consumo feito
em um tempo médio de 10 segundos, foram perdidos 1,024m³/ano de água. O que
dá uma porcentagem de perda da água de 34%.

8
Figura 07. Bebedouro com vazamento.

- Lavagem de carro: na universidade são lavados todos os carros após cada viagem
(média de 10 carros por dia).
- Limpeza: gasto excessivo de água na limpeza através do uso de mangueiras.

9
2. PLANEJAMENTO

2.1 Aspecto e impacto ambiental

a. Aspecto:

Consumo e desperdício de água nos bebedouros, descargas, torneiras,


cuspideira, autoclaves e sistemas de destilação de água, entre outras atividades.

b. Possível impacto:

Esgotamento de água.

2.2 Legislação aplicável

Primeiramente, a legislação aplicável deve referir-se ao uso racional da


água tendo em vista a preservação do meio ambiente. A Lei Nº 6.938, de 31 de
agosto de 1981, dispõe sobre a Politica Nacional do Meio Ambiente que, como
exposto no Art 2º:

“A Política Nacional do Meio Ambiente tem por objetivo a preservação,


melhoria e recuperação da qualidade ambiental propícia à vida, visando assegurar,
no País, condições ao desenvolvimento sócio-econômico, aos interesses da
segurança nacional e à proteção da dignidade da vida humana, atendidos os
seguintes princípios:
I - ação governamental na manutenção do equilíbrio ecológico,
considerando o meio ambiente como um patrimônio público a ser necessariamente
assegurado e protegido, tendo em vista o uso coletivo;
II - racionalização do uso do solo, do subsolo, da água e do ar;
III - planejamento e fiscalização do uso dos recursos ambientais;”
Referente à Lei nº 9.433, de 08/01/1997 que instituiu a Política Nacional de
Recursos Hídricos e criou o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos

10
Hídricos, a Politica Nacional dos recursos hídricos baseia-se em alguns
fundamentos que são aplicados ao caso:

Art.1º:
“ II - a água é um recurso natural limitado, dotado de valor econômico;”
“VI - a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada e contar com
a participação do Poder Público, dos usuários e das comunidades.”
Dessa forma, a UNIFAL-MG sendo um órgão público federal deve atender
primeiramente à legislação proposta pelas leis nacionais, ou seja, visar o uso
racional de recursos ambientais respeitando a preservação do meio ambiente.

2.2 Objetivo e Metas

a. Objetivo:

- Reduzir o consumo de água;


- Desenvolver uma metodologia que possa ser aplicada futuramente nos
outroscampus da universidade.

b. Metas:

- Reduzir em 30% o consumo de água em dois anos;


- Implantar o sistema nos demais campus da UNIFAL em dois anos;

2.4 Plano de ação

a. Banheiros

- Torneiras: implantação de torneiras automáticas em todos os prédios;


manutenção das torneiras com defeitos;
- Vaso sanitário: implantação de caixas de descargas acopladas ao vaso sanitário,
preferencialmente caixa de descarga de 6 litros, pois são as mais econômicas do

11
mercado; utilização de garrafas PETs cheias dentro das caixas de descargas para
reduzir a quantidade de água gasta durante as descargas mantendo a pressão.

Figura 08. Uso de garrafas PETs na caixa de descarga para reduzir a quantidade de
água gasta para a manutenção da pressão da descarga.

- Mictório: implantação de mictórios automáticos em todos os prédios;

b. Laboratórios

- Autoclave: juntar materiais dos laboratórios até atingir a capacidade máxima


para autoclavar.
- Cuspideira: ligar apenas quando necessário e se possível instalar recicladores de
água para cuspideira.
- Destilação da água e água Mili Q: reutilizar a água usada para fazer água destilada.

c. Outros:

- Bebedouros: Manutenção; incentivo a uso de canecas e garrafas para evitar o


desperdício;
- Lavagem de carro: Uso de baldes ou mangueiras com pressão;
- Limpeza: Uso de mangueiras com pressão;
- Implantar Sistema de Captação de água da chuva;

12
Figura 09. Esquema de funcionamento de um sistema de aproveitamento da água
da chuva (Marinoski, 2007).

- Implantação de reutilização da água. (Por exemplo: implantar sistema de


reutilização de água da torneira da pia para o vaso sanitário, sistema de captação
de água desperdiçada em laboratório para limpeza);
- Sistema de gotejamento para irrigação dos jardins;
-Programas de conscientização dos funcionários, discentes e docentes quanto uso
racional de água;

d. Indicadores:

O indicador que poderia ser utilizado para observar os resultados das


medidas propostas por este Plano de Ação poderia ser o volume consumido de
água pela Universidade fornecido pela conta de água.

13
3. IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO

3.1 Autoridade e responsabilidade

Comprometimento da Alta Administração e responsabilidade de todos.

3.2 Comunicação

A comunicação deverá abranger palestras, campanhas e cartazes que visam


à conscientização da administração, alunos, funcionários, professores e demais
envolvidos com a Universidade. Somado a isso, os resultados obtidos com essas
atividades deverão ser divulgados, também como uma forma de incentivo à
continuidade das mesmas.

3.3 Documentação e controle de documentos

-Documentação:
Escopo e principais elementos do SGA; objetivos e metas para o consumo de
água na universidade; documentos requeridos pela ISO 14001; documentos para o
planejamento, operação e controle dos processos relacionados aos aspectos
ambientais significativos.

-Controle dos documentos:


Estes depois de revisados, analisados e aprovados, devem ser organizados
de maneira que possam ser facilmente encontrados, ou seja, de fácil
disponibilidade ao SGA. Com o tempo esses documentos devem ser identificados e
removidos quando possível (documentos obsoletos).

3.4 Atendimento a Emergência

A Universidade deve estar preparada para eventuais emergências como:


1. Procedimentos para identificar problemas e emergências relacionadas ao
desperdício de água.

14
2. Preparação e disponibilização de um corpo técnico responsável para resolver
problemas relacionados à tubulação (ex: vazamentos).
3. Protocolos de prevenção e mitigação dos impactos vinculados ao desperdício de
água.
4. Revisão dos protocolos após ocorrências.
5. Realização de simulações e ensaios a fim de testar os procedimentos
implementados.

4. VERIFICAÇÃO

4.1 Monitoramento e Medição

Monitoramento do atendimento aos compromissos da política de Gestão


Ambiental, do alcance dos objetivos, metas e melhoria contínua. Identificação de
novos aspectos ambientais significativos e avaliação da ocorrência de impactos.
Avaliação dos controles operacionais para posterior avaliação do desempenho
ambiental da universidade e da eficiência do SGA.

4.2 Avaliação do atendimento à Legislação

A universidade deve avaliar periodicamente através de auditorias internas


o atendimento aos requisitos legais aplicáveis. O resultado desta avaliação deve ser
registrado.

4.3 Não Conformidade,ação corretiva e preventiva

Verificar através do monitoramento a presença de não conformidades e,


caso essas estejam presentes, propor ações corretivas e preventivas,
implementando ou modificando medidas de controle para evitar a repetição destas
incoerências. Tais ações devem ser registradas.
As não conformidades deveram ser avaliadas entre reais ou potenciais para
que sejam realizadas ações preventivas e/ou corretivas.

15
4.4 Controle de Registros

Os registros devem conter os fatos observados para efeito de controle,


devendo apresentar os resultados obtidos ou fornecer evidencias das atividades
realizadas. A instituição deve manter e estabelecer os seus registros de modo a
demonstrar conformidade com os requisitos do seu SGA.

4.5 Auditoria

Esta é a ultima etapa da fase de verificação, a qual deve assegurar que sejam
conduzidas em intervalos planejados para:
- Determinar se o SGA (I) está em conformidade com os arranjos planejados para
gestão, incluindo os requisitos da ISO 14001 e (II) se foi adequadamente
implementado e mantido;
- Fornecer à administração informações sobre os resultados da auditoria;

4.6 Análise Crítica

A análise crítica é recomendada pelas normas da ISO 14001 e, por meio da


verificação completa de todas as questões e controles ambientais, permitirá que a
organização avalie o seu desempenho ambiental. Dessa forma, através desta serão
identificadas as áreas para a atuação do Sistema de Gestão Ambiental, assegurando
sua continuada adequação, pertinência e eficácia.
A análise deve avaliar as oportunidades de melhoria e as necessidades de
alteração do SGA em qualquer dos seus elementos constitutivos, além de conter a
documentação, resultados de auditorias internas, comunicação das partes
interessadas, situações das ações corretivas e preventivas, situações de
emergência e acidentes, mudanças nos requisitos legais entre outros.

16
5. Referências

http://www.patentesonline.com.br/reciclador-de-gua-para-cuspideira-
264109.html (acessado em : 06 de abril de 2013).

http://www.abrh.org.br/novo/i_simp_rec_hidric_norte_centro_oeste46.pdf
(acessado em: 06 de abril de 2013).

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm (acessado em 09 de abril


de 2013).

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9433.htm (acessado em 09 de abril


de 2013).

Barbieri, J. C. Gestão Ambiental Empresarial: Conceitos, Modelos e


Instrumentos / José Carlos Barbieri. – 2.Ed. atual e ampliada. – São Paulo :
Saraiva, 2007.

MARINOSKI, A. K.Aproveitamento de água pluvial para fins não potáveis em


instituição de ensino: estudo de caso em Florianópolis – SC, Universidade
Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007.

17