Você está na página 1de 9

DO REINO PROTISTA AO REINO PROTOCTISTA.

O reino Protista foi proposto pela primeira vez pelo biólogo alemão Ernst Heinrich
Haeckel, devido a dificuldade de separar os organismos unicelulares entre animais e
vegetais.

O Reino Protista foi originalmente formado por organismos unicelulares eucariontes, isto
é, seres cujas células já apresentam organóides especializados e núcleo individualizado.
Esse reino era composto pela reunião de dois grandes grupos de organismo: os
protozoários, que vieram da antiga classificação do reino animal e as algas unicelulares
que vieram da antiga classificação do reino vegetal.

Hoje ,o reino Protista inclui os organismos eucariontes unicelulares, como a maioria das
algas e os protozoários, e seus descendentes mais imediatos, como são as algas
pluricelulares, que se inclui neste grupo por sua estrutura simples e as claras relações
com as formas unicelulares.

Mas os protistas estão representados por muitas linhas evolutivas cujos limites são difíceis
de definir. A maioria destes organismos é unicelular e microscópica, também existem os
que formam colônias, como os foraminíferos. Esta organização, mais complexa, está mais
próxima dos organismos pluricelulares superiores e indica que estes evoluíram a partir de
ancestrais protistas .

O Reino Protista pode ser considerado um reino intermediário, agrupando desde os


organismos unicelulares eucariontes e as colônias simples, até algumas algas superiores
e grupos de transição (de classificação duvidosa). Estes últimos são pluricelulares, mas
carecem de organização complexa em tecidos, típica das plantas, animais e fungos
superiores. Ainda assim, dentro dos grupos de transição existem formas que compartilham
as mesmas características que as plantas, como as algas pardas, verdes e vermelhas;
outras que estão mais próximas dos animais, como os mesozoários, placozoários e
esponjas, e as que são semelhantes aos fungos, como os mofos plasmodiais .

Os limites do reino Protista não estão estabelecidos de forma definitiva. Os grupos de


protistas se diferenciam entre si na forma de alimentar-se. Alguns se assemelham às
plantas porque são capazes de realizar a fotossíntese; outros ingerem o alimento como os
animais e outros absorvem nutrientes, como os fungos. Esta diversidade tão ampla torna
difícil a descrição de um protista típico. Talvez o membro mais representativo do reino seja
um flagelado, organismo unicelular com um ou mais flagelos complexos (para distingui-los
dos flagelos simples das bactérias) e em algumas ocasiões com um ou mais cloroplastos.

O Reino Protoctista foi proposto em substituição ao Reino Protista, que originalmente


continha apenas organismos exclusivamente eucariontes e unicelulares, como uma
alternativa didática para receber uma grande quantidade de táxons eucariontes
unicelulares e multicelulares que não se encaixavam na definição de animais, plantas ou
fungos. É, portanto, um Reino artificial, isto é merofilético,ou seja seus integrantes não
possuem um só ancestral comum.
Os Protoctista apresentam variações nos ciclos de vida assim como na organização e
nos padrões de divisão celular. Estudos recentes em microscopia eletrônica e biologia
molecular (DNA) têm mostrado que os Protoctista são tão diferentes entre si que
provavelmente serão classificados futuramente em vários Reinos. Alguns se assemelham
às plantas por realizarem fotossíntese, outros aos fungos por serem decompositores e
outros ainda aos animais por serem consumidores heterótrofos.
Os organismos colocados neste Reino são basicamente aquáticos - marinhos, estuarinos ,
límnicos, mas também vivem em solos onde há umidade e em associações com muitos
outros seres, inclusive com outros táxons de Protoctista. Grupos inteiros são
exclusivamente parasitas.
Todas as algas - verdes, marrons e vermelhas - são provisoriamente consideradas
Protoctista. Os grupos de algas verdes dentre as quais destacamos a alface-do-mar-
Ulva-, comum em praias rochosas do litoral brasileiro, são filogeneticamente relacionados
com as plantas terrestres.

As microscópicas Euglena, com ocorrência em diversos ambientes dulciaqüícolas,


também são exemplos de Protoctista.

Entre os organismos que apresentam afinidades com os fungos, destacamos certas


colônias marinhas transparentes de Labyrinthula, que vivem sobre algas macroscópicas.
Em muitos livros de Zoologia são classificados como um filo de protozoários.

São mais complexos que os moneras uma vez que apresentam núcleo individualizado por
cariomembrana e organelas altamente especializadas. Podem viver nos mais diversos
ambientes, como água doce, água salgada, terra úmida e em simbiose com outros
organismos como parasitas..
Podemos considerar três grupos principais de protistas:
os protistas semelhantes a plantas ou algas.
os protistas semelhantes a animais ou protozoários.
os fungos(mofos) mucilaginosos.

Os protistas semelhantes a plantas incluem : as diatomáceas (divisão Chrysophyta); os


dinoflagelados (divisão Pyrrophyta); e os euglenófitos (divisão Euglenophyta).

Os semelhantes a animais, chamados protozoários, que incluem a flagelados (filo


Zoomastigina); amebóides (filo Sarcodina); ciliados e suctórios (filo Ciliophora), e os
parasitas produtores de esporos (filo Sporozoa).

Por último, os que são similares aos fungos, como hifoquitrídios (filo ou divisão
Hyphochytridiomycota) e plasmodióforos (filo o divisão Plasmodiophoromycota). Os
mofos plasmodiais são um filo discutido e aqui são considerados pertencentes ao reino
Protista, com características comuns a fungos e protozoários.

As formas com afinidades animais, incluídas em Protozoa, são numerosas, mas podemos
citar entre os ciliados o Paramaecium, entre os "sarcodina", a Amoeba e entre os
flagelados, o Trypanosoma. Nesse grupo encontra-se o conhecido T. cruzi Chagas,
causador da doença de chagas, com ampla distribuição nas Américas.Procure nos
arquivos para estudo deste site Doença de Chagas.

Podemos subdividi-los em:


1-Protozoários de vida livre. São desprovidos de pigmentos fotossintetizantes, retiram
seus alimentos dos respectivos habitats.
2-Protozoários que se associam a outros organismos : existem aqueles que relacionam-se
por comensalismo, sem prejuízo ao hospedeiro, uma vez que os protozoários nutrem-se
de restos de alimentos, é o casos da Entamoeba coli em relação ao intestino humano.
Outra relação favorável é a de mutualismo, em que o protozoário ajuda ao hospedeiro
recebendo em troca de sua própria alimentação, é o caso da Trichonympha , que vivem
no intestino dos cupins realizando a digestão da celulose, pois eles não produzem a
celulase,indispensável para o desdobramento em glicose. Alguns protozoários atuam
como parasitas do homem e de outros seres vivos.

Como organismo unicelular, esta célula executa todas as funções essenciais à vida.
Podem apresentar estruturas ou organelas para a locomoção, nutrição, osmorregulação,
sustentação, nessecita ou não de O2 para a sobrevivência pois são aeróbios ou
anaeróbios.

Ou classificá-los sistematicamente, baseados na presença ,tipo ou ausência de


estruturas utilizadas para a locomoção, compreendendo 4 grupos:

1- Rizópodes ou Sarcodíneos :
São marinhos, de água doce ou parasitas. Têm um ou mais núcleos, vacúolos
digestivos e vacúolos contráteis (apenas nos de água doce).
São amebas (“nus”); radiolários e foraminíferos (têm carapaças com formas bastante
vistosas, feitas de calcário ou de sílica - importantes indicadores da existência de jazidas
de petróleo).
Possuem pseudópodos, que são expansões citoplasmáticas causadas por proteínas
contráteis, que servem para a locomoção e captura de alimento. Por isso, a forma das
células passa por modificações constantes, embora haja grupos com carapaças
resistentes, que funcionam como um esqueleto ou concha, dando proteção e sustentação
à célula. Nas amebas, exemplo clássico do grupo, a parte externa do citoplasma é mais
clara, sem organóides. Mas internamente, o citoplasma é mais fluido, com granulações e
organóides. A maioria é de é de vista livre podendo ser marinhas ou dulcícolas, poucos
tem vida associada como parasitas, simbiontes comensais. Todos os tipos de amebas
pertencem a esta classe, sendo a Entamoeba hystolitica o exemplo de maior interesse,
por ser a única parasita do homem. As amebas dulcícolas são hipertônicas necessitando
para equilibrar-se com o meio, ocorre osmose , e para eliminar o excesso de água, a
célula apresenta o vacúolo contrátil ou pulsátil. As amebas marinhas não apresentam esse
tipo de problema, pois a concentração do meio é semelhante a concentração do fluido
citoplasmático. Quando as condições do meio se tornam desfavoráveis, alguns
protozoários parasitas e de água doce pode adotar a forma de cisto. Na formação de
cisto, o animal diminui de volume e secreta uma casca resistente, de natureza glicídica,
protéica ou glicoprotéica. Quando as condições voltam a ser favoráveis, o animal se
desencista e passa á forma ativa, sob o qual se locomove, se alimenta, etc. Assim é
transmitida a Entamoeba.sob forma de cistos que contaminam a água ou a superfície de
alimentos que entraram em contato com resíduos fecais de pessoas doentes.

2-Mastigóforos ou Flagelados , portadores de flagelos, com os quais realizam


movimentos muito ativos empregados na captura de alimentos e locomoção. Neste grupo
estudamos os protozoários portadores de flagelos, que são filamentos que aparecem em
número variável, geralmente de um a quatro, embora alguns parasitas apresentem um
número maior. O flagelo funciona tanto na locomoção como na captura de alimento. Os
mastigóforos são considerados os protozoários mais primitivos e é provável que tenham
surgido de algas unicelulares que perderam os cloroplastos. Um exemplo importante
deste caso são os protozoários do gênero Myxotricha. Eles vivem no intestino dos cupins
e fazem a digestão da celulose ingerida pelo inseto. Essa associação é tão forte que
inseto e protozoário não sobrevivem isoladamente. Podem ser encontrados isolados e
formando colônias, em água doce, água salgada e na terra. Destacam-se como flagelados
que parasitam o homem os gêneros Trichomonas, Giardia, Leishmania e Trypanossoma
por serem muito comuns.O Trypanosoma cruzi é o agente da Doença de
Chagas,transmitido com as fezes do Triatoma("Barbeiro")depositadas ao lado da picada e
que penetra por um poro dilatado como consequência do ato de coçar.
3. -Cilióforos ou Ciliados. Neste filo, encontramos os protistas de estrutura mais
complexas, com organelas bastantes especializadas, semelhantes aos órgãos dos seres
pluricelulares. Quase todos têm vida livre; uma minoria é parasita. Sua principal
característica é a presença de cílios para locomoção e captura de alimento. Os cílios são
filamentos de estrutura idêntica á dos flagelados; apenas são menores e mais numerosos,
podendo vir espalhados por todos o organismo ou agrupados em placas ou soldados em
tufos. As bases dos cílios, onde está o centríolo que lhes deu origem, estão ligadas por
filamentos protéicos (fibrilas) que podem ter a função de coordenar os movimentos
rítmicos dos cílios. A forma desses organismos é mantida pela película, a camada mais
externa e densa de citoplasma, onde se prendem os cílios e outras organelas. A maioria
dos ciliados tem vida livre. Entre as pouquíssimas espécies parasita destacam-se
Balantidium coli, que parasita o intestino do porco e eventualmente pode infectar o
homem. O Paramecium caudatum (paramécio) é um dos exemplo mais comum de
protozoários, sendo de vida livre, muito comum em lagoas, tanques e poças de água
doce. Por ser hipertônico apresentam vacúolos pulsáteis para que ocorra a regulação
osmótica da célula . Nele ocorre uma forma peculiar de alimentação que é por ingestão
através de uma depressão na superfície denominada sulco oral ; com o movimento
realizado intensamente pelos cílios o alimento do sulco para o citóstomo(boca da célula) e
daí penetra na citofaringe, no interior do endoplasma. Dessa região forma-se o vacúolo
digestivo e após a digestão e absorção dos nutrientes, os resíduos são eliminados para o
ambiente através de um poro denominado citopígio ou citoprocto. Terminada a digestão,
os resíduos se unem no vacúolo residual e funde-se a membrana plasmática e elimina
seu conteúdo para fora da célula, e esse processo é chamado de clasmocitose ou
defecação celular.
4-Esporozoários: Além de não possuírem organóides de locomoção, os representantes
deste filo são todos parasitas intracelulares. Sua nutrição se dá por absorção de
moléculas orgânicas simples retiradas da célula parasitada. A reprodução é assexuada,
por divisão múltipla ou esporulação. Entretanto, em muitos deles, encontramos uma
alternância dessa reprodução com a reprodução sexuada, como ocorre, por exemplo, no
ciclo do Plasmodium. Dependendo da espécie, estes protozoários habitam diferentes
locais do corpo do hospedeiro, seja interior de células, sangue ou cavidades de diversos
órgãos. O exemplo mais conhecido é o Plasmodium ,causador da malária,que parasita o
homem a partir da picada das fêmeas do mosquito do gênero Anopheles, infectadas.

O ciclo reprodutivo do Plasmodium corresponde a duas fases:


Assexuada: quando o inseto pica o homem os esporozoitos infestantes alcançam a
corrente sangüínea e vão para órgãos como fígado e baço onde ficam incubados por
vários dias. Depois do período de incubação os esporos retornam a corrente sangüínea,
penetram nas hemácias onde se reproduzem assexuadamente por divisão múltipla ou
esquizogonia,inicialmente aumentando o seu número de núcleos e depois dividindo o
citoplasma em tantos novos indivíduos quantos eram os núcleos . As hemácias se
rompem liberando novos plasmódios que buscam novas hemácias , recomeçando o ciclo.
Sexuada: depois de várias gerações, certos plasmócitos se transformem em formas
sexuada, os gametócitos.. Essas formas são adquiridas pela mosquita Anopheles quando
pica o indivíduo contaminado . No interior do tubo digestivo do inseto os gametócitos
completam seu desenvolvimento e se transformam em gametas, daí originam zigotos e
estes formam os esporozoitos infestantes que serão encontrados nas glândulas salivares
da Anopheles.