Você está na página 1de 5

A Queda de Adão

Genesis 3

Talvez nenhuma outro conto bíblico tem sido mais debatido e menos
compreendido do que o relativo a Adão e Eva. Élder Mark E. Petersen
escreveu:

“Adão, o primeiro homem, é uma figura controversa na mente de


muitas pessoas. Assim é Eva, sua esposa. Juntos, eles provavelmente
são o casal mais mal (interpretado) que já viveu na Terra.

“Isto não é de admirar, apesar de tudo. Equívocos e teorias(antigas)


longe, foram bombardeando o público sobre os nossos primeiros pais
por séculos passados. Provavelmente mais para culpar os professores
de religião. Sem saber os fatos sobre Adão e Eva, eles têm impingido
suas próprias noções particulares e credos sem inspiração sobre o
povo, com o resultado de uma massa de confusão sendo montado ano
após ano. “(Adam: Quem é Ele? P. 1).

Uma das razões que os relatos da Criação e a queda serem incompreendidos e mal interpretados é a
remoção intencional de coisas claras e preciosas do Antigo Testamento (ver 1 Néfi 13:25-29). Os membros
da Igreja têm muito do que foi perdido, que foi restaurado nos livros de Moisés e de Abraão, mas o mundo
só tem o relato de Genesis no Antigo Testamento, que trata da queda como um evento, mas não discute a
doutrina da Queda. Em outras palavras, as razões do porque a Queda aconteceu, e o que significou para a
humanidade não é discutido no Antigo Testamento que o mundo tem hoje. São tecidas algumas
considerações sobre este assunto no Novo Testamento, mas é limitado. Na verdade, a doutrina da Queda é
ensinada mais claramente no Livro de Mórmon. Assim, não é de estranhar que o mundo deveria ter
equívocos sobre a Queda, quando eles não têm escritura dos últimos dias para ajudá-los. O objetivo dos
eventos discutidos em Gênesis 3 foi resumido por Leí, quando ele ensinou: “Adão caiu para que os homens
existissem, e os homens existem para que tenham alegria” (2 Néfi 2:25)..

Esta declaração deve causar grande confusão na mente de todos, mas não para um Santo dos Últimos Dias.
Isto exige uma explicação longa.

Nas escrituras, o Senhor disse que no final dos seis “dias” da criação, Ele santificou o sétimo dia e
descansou. Mas em Doutrina e Convênios, seção 77, também diz o seguinte:

“Devemos entender que, assim como Deus fez o mundo em seis dias e no sétimo dia ele terminou sua
obra, e o santificou, e também formou o homem do pó da terra, assim também, no princípio do sétimo
milênio, o Senhor Deus santificará a Terra, e completará a salvação do homem, e julgará todas as coisas, e
redimirá todas as coisas, exceto aquilo que ele não pôs sob o seu poder, quando terá selado todas as coisas,
até o fim de todas as coisas, e o toque das trombetas dos sete anjos é a preparação e a consumação de sua
obra, no início do sétimo milênio- a preparação do caminho antes do tempo de sua vinda.”

O Senhor não apenas santificou o sétimo dia, Ele santificou a terra. O Jardim do Éden estava em um estado
santificado, o mesmo estado que a terra irá desfrutar durante o milênio, exceto que tudo lá estava estático.
Não havia morte ou nascimento. Ninguém sabe quanto tempo Adão e Eva estavam no jardim antes deles
caírem, mas isso poderia ter sido um longo período de tempo. O Senhor tinha dado a Adão e Eva dois
mandamentos conflitantes. O primeiro foi o de multiplicar e encher a terra com a sua posteridade. O
segundo foi de se abster de comer o fruto proibido – o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal.
Comer do fruto proibido significava tornar-se mortal, sujeito à morte, mas também ser capaz de procriar.
Comer do fruto proibido significou ser expulsos do Jardim do Éden.

O Plano de Salvação é simplesmente isto: O objetivo do Senhor é fazer os homens e as mulheres a imagem
dele próprio e trazê-los para casa para morar com Ele para sempre. Ele é o pai literal de nossos espíritos, e
habitamos com ele no reino celestial, que os mórmons chamam de pré-existência, vida pré-mortal, ou vida
pré-terrena. Através do Seu Filho, Jesus Cristo (o Verbo), Ele criou para nós uma terra, onde poderíamos
obter um corpo mortal e sermos provados e

“… E faremos uma terra onde estes possam habitar; E nós os provaremos para ver se farão todas as coisas
que o Senhor seu Deus lhes ordenar; E os que guardarem seu primeiro estado [Pré-mortal] serão
adicionados, e os que não guardarem seu primeiro estado não terão glória no mesmo reino que aqueles
que guardarem seu primeiro estado, e os que guardarem seu segundo estado [vida Terrena] terão um
acréscimo de glória sobre sua cabeça para todo o sempre “(Abraão 3:24-26).

O Senhor sabia que poderíamos pecar e cair, por isso, Ele ordenou a Cristo como Salvador para nós. A
expiação é a parte central do Plano de Salvação… Como também é a queda

O Senhor nos garantiu a nossa liberdade de escolha entre o bem e o mal. A única maneira de exercer a
escolha é se há coisas opostas para seduzir-nos de uma forma ou de outra. No Livro de Mórmon diz:

“Porque é necessário, que haja uma oposição em todas as coisas. Se assim não fosse, … não haveria
retidão, nem iniqüidade nem santidade nem miséria nem bem nem mal. Portanto, é preciso que todas as
coisas sejam compostas em uma; pois se fossem um só corpo deveriam permanecer como mortas, não
tendo vida nem morte, nem corrupção nem incorrupção, nem felicidade nem miséria, nem sensibilidade,
nem insensibilidade.

“E para conseguir seus eternos propósitos, com relação ao homem,, depois de haver criado nossos
primeiros pais e os animais do campo e as aves do ar, enfim, todas as coisas criadas, era necessária que
uma oposição; até mesmo o fruto proibido, em oposição à árvore da vida, sendo um doce e outro amargo
“(2 Néfi 2:11, 15).

Foi para proteger a liberdade de Adão que o Senhor lhe deu dois mandamentos conflitantes. Só por comer
o fruto proibido ele e Eva poderiam multiplicar e encher a terra. Eva comeu primeiro e, ao fazê-lo, seria
expulsa do jardim. Adão teria permanecido um homem solitário no Jardim do Éden. Mas ele participou, de
modo que o homem poderia existir. Isso nos leva ao longo do trajeto do Plano de Salvação. Obtemos
corpos mortais e experiência, e então nós somos ressuscitados e ganhamos corpos perfeitos e imortais, e
exaltação em um reino de glória onde podemos obter a plenitude de alegria.
O Presidente Joseph Fielding Smith disse: “Vamos agradecer ao Senhor, quando oramos, por Adão. Se não
fosse por Adão, eu não estaria aqui, você não estaria aqui, nós estaríamos esperando nos céus como
espíritos… Então não nos deixem irmãos e irmãs, queixarmos de Adão e desejar que ele não tivesse feito
algo que ele fez. Eu quero agradecer a ele. Estou feliz por ter o privilégio de estar aqui e passar a
mortalidade, e se eu serei verdadeiro e fiel aos convênios e obrigações que estão sobre mim como um
membro da Igreja e no reino de Deus, eu posso ter o privilégio de voltar à presença do Pai Eterno, e isto
acontecerá para você assim como acontecerá para mim, filhos e filhas de Deus, com direito à plenitude da
glória celestial. “(Conference Report, outubro de 1967, p. 122 .)

Eva Foi a Primeira a Partilhar do Fruto

Os relatos, tanto em Moisés e em Gênesis declaram que Satanás só se aproximou de Eva, mas as revelações
dos últimos dias registram que ele primeiro se aproximou de Adão e foi recusado. Eva, porém, foi enganada
por Satanás, e comeu do fruto. Sabendo-se que ela seria expulsa do jardim e sepada dele, Adão então
comeu. O apóstolo Paulo escreveu sobre a Queda, “E Adão não foi enganado, mas a mulher sendo
enganada caiu em transgressão” (1 Timóteo 2:14).

Elder James E. Talmage explicou como, mesmo ela sendo enganada, Eva ainda trouxe os propósitos do
Senhor:

“Eva estava cumprindo os propósitos previstos de Deus, o papel que ela teve no grande drama da queda;
ainda assim ela não comeu do fruto proibido com esse objetivo em vista, mas com a intenção de agir
contra a ordem divina, sendo enganada pelos sofismas de Satanás, que também, por essa razão, promoveu
efeitos do Criador tentando Eva; mas sua intenção foi de frustrar o plano do Senhor. Foi nos dito
definitivamente que “ele não conhecia a inteligência de Deus, por isso ele tentou destruir o mundo”
[Moisés 4:06]. No entanto, seu esforço diabólico, longe de ser o passo inicial para a destruição, contribuiu
para o plano de progressão eterna do homem. A parte de Adão no grande acontecimento era
essencialmente diferente da sua esposa, ele não foi enganado, pelo contrário, ele deliberadamente decidiu
fazer como Eva desejava, que ele pudesse realizar os propósitos do Criador com respeito à raça humana,
cujo primeiro patriarca ele foi ordenado a ser. “(Articles of Faith, pp. 69-70).

Brigham Young disse que “nunca devemos culpar a Mãe Eva”, porque através de sua transgressão, e Adão
juntou-se a ela nisso, a humanidade foi capaz de vir a conhecer o bem e o mal (Discursos de Brigham
Young, p. 103, ver também Reading 3 – 12 para uma discussão sobre a grandeza de Eva).

A Queda de Adão Trouxe a Morte ao Mundo

Quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, eles trouxeram a morte para o mundo. Os profetas
tem nos revelado que toda a terra caiu neste momento. Quando o mundo foi santificado, ele tinha sido
levado para um lugar na galáxia mais próxima do trono de Deus, mas, ao cair, caiu até os confins da galáxia
onde a terra é agora encontrada. Durante o milênio, ela irá recuperar a sua posição mais próxima do trono
de Deus. É por isso que, em Mateus 24:27 diz: “Logo depois da tribulação daqueles dias, o sol escurecerá, e
a lua não dará a sua luz, e as estrelas cairão do céu e as potências dos céus serão abaladas. “(Ver também
Marcos 13:25; Doutrina e Convênios 29: 14; Doutrina e Convênios 34:9; Doutrina e Convênios 45:42.) Isto
irá literalmente parecer que as estrelas estarão caindo.

Muitos santos dos últimos dias se perguntam como a queda de Adão e Eva pode ter trazido a morte ao
mundo, quando os dinossauros pré-existiam a eles e experimentaram a morte. Plantas e criaturas
primitivas existiram, viveram e morreram antes que Adão e Eva fossem colocados no jardim. Quando Adão
e Eva foram colocados sobre a terra ela foi santificada e a morte cessou. Este é o começo da vida moderna
e a história humana. Em seu novo estado santificado, a terra foi posicionada nos céus perto do trono de
Deus. Quando Adão e Eva caíram, a terra se afastou de sua posição celestial e se tornou corruptível. A
morte foi reintroduzida, como também o nascimento.

A queda de Adão trouxe dois tipos de mortes no mundo. A primeira é a morte física. A segunda é a morte
espiritual ou separação de Deus. Ambas as mortes foram superadas pela expiação de Jesus Cristo. A
ressurreição supera a morte física, e a exaltação vence a morte espiritual. Ao longo do caminho, a expiação
proporciona conforto para nós e nos capacita a receber o dom do Espírito Santo. Oração e leitura das
escrituras nos ajudam a sentir o espírito do Senhor. Arrependimento nos reconcilia com Ele para que
possamos nos aproximar Dele espiritualmente.

A Queda de Adão e Eva não foi uma Transgressão da Lei da Castidade

Genesis 3:6-7:

Falando da transgressão de Adão e Eva, o Élder James E. Talmage disse:


“Aproveito esta ocasião para levantar a voz contra a falsa interpretação das escrituras, que tem sido
adotado por certas pessoas, e é atual em suas mentes, e é referido de forma silenciosa e semi-secreta, que
a queda do homem consistiu em alguma ofensa contra as leis da castidade e da virtude. Esta doutrina é
uma abominação…. A raça humana não nasceu de fornicação. Estes corpos que nos têm sido dados são
dados da forma que Deus providenciou….

“Nossos primeiros pais foram puros e nobres, e quando passarmos por trás do véu nós possivelmente,
aprendamos algo de sua estatura maior.” (Jesus o Cristo, p. 30).

A Ruína de Satanás

Gênesis 3:15 – A promessa relativa à ferida do calcanhar e cabeça significa que, embora Satanás (como a
serpente) ferirá o calcanhar do Salvador, levando os homens a crucificá-lo e aparentemente destruí-lo, na
realidade o ato de Expiação dará a Cristo o poder de superar o poder que Satanás tem sobre os homens e
desfazer os efeitos da queda. Assim, a semente da mulher (Cristo) deve esmagar a cabeça da serpente
(Satanás e seu reino), com o calcanhar que foi muito machucado (o sacrifício expiatório).

Adão e Eva foram Amaldiçoados?

Genesis 3:16-19

Os pronunciamentos de Deus sobre a queda de Adão e Eva foram apenas declarações sobre como a vida
mortal fora do estado santificado seria. Eva daria luz a crianças e isto causaria dificuldades, não só devido à
natureza do parto, mas também a natureza de educar os seres humanos independentes. Adão seria
obrigado a lavrar a terra e viver com o suor de seu rosto. Eva procuraria por conselhos de Adão. Há uma
ressalva nisso, uma vez que homens e mulheres são de igual valor para o Senhor, e que homens e mulheres
foram feitos para serem co-iguais na instituição divina do casamento. Eva confiava em seu marido, assim
como ele confiava no Senhor. Nenhuma mulher está obrigada com um marido que pratica o “domínio
injusto” ou que orienta de uma maneira que é ímpia.

“Podemos imaginar o sofrimento de Adão e Eva. Eles haviam sido condenados a sofrimentos, angústias,
problemas e trabalho e eles foram expulsos da presença de Deus, e a morte foi declarada como seu
destino. Um retrato patético, na verdade. Mas agora a coisa mais importante aconteceu. Foi ensinado a
Adão e Eva o evangelho de Jesus Cristo. Qual seria a reação deles? Quando o Senhor explicou-lhes que o
resgate deveria vir através de Jesus Cristo, o Unigênito do Pai, Adão exclamou: “Bendito seja o nome de
Deus, por causa da minha transgressão, meus olhos estão abertos e nesta vida eu terei alegria, e
novamente na carne verei a Deus. “(Moisés 5:10.)

“E qual foi a resposta de Eva, sua mulher? Ela ouviu todas estas coisas, e ficou feliz, dizendo: Se não fosse
por nossa transgressão, jamais teríamos tido semente e jamais teríamos conhecido o bem e o mal, e a
alegria de nossa redenção, e. . . a vida eterna. “(Ibid., 05:11).

“Lá está a chave para a questão do mal. Se não podemos ser bom, exceto quando resistimos e vencemos o
mal, então o mal deve estar presente para ser resistido.

Vá para o Deus do Velho Testamento

“Portanto, esta vida terrena é definida de acordo com princípios verdadeiros, e estas condições que se
seguiram à transgressão não eram, no sentido usual, sanções que foram infligidas sobre nós. Todas essas
que eu tenho lhes mostrado parece ser aflições tristes da punição, a tristeza e a dificuldade não está no
final. Elas são bênçãos. Nós alcançamos um conhecimento do bem e do mal, o poder de premiar o doce,
para se tornarem agentes de nós mesmos, o poder de obter a redenção e a vida eterna. Estas coisas tinham
suas origens nesta transgressão. O Senhor criou a terra de modo que temos que trabalhar se vamos viver, o
que preserva-nos da maldição da preguiça e indolência, e que embora o Senhor tenha nos condenado à
morte – morte física – é uma das maiores bênçãos que veio a nós aqui porque é a porta para a
imortalidade, e nunca podemos alcançar a imortalidade sem morrer. “(George P. Morris, em Conference
Report, abril 1958, p. 39).

http://bibliamormon.org/biblia-sagrada/antigo-testamento/a-queda-de-adao-e-eva

Você também pode gostar