Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS- UNIFAL MG

DEPARTAMENTO DE FÍSICA

PRÁTICAS DE FÍSICA EXPERIMENTAL III

EXPERIMENTO III:

CARGA E DESCARGA DE UM CAPACITOR

Nome: Susana Maria da Silva

E-mail: susanasilva.027@gmail.com

Matrícula: 2017.2.07.005

Turma: Licenciatura em Química

Professor: Dr. Pérson P. Neves

Alfenas, 27 de novembro de 2017


INTRODUÇÃO

Capacitores são dispositivos compostos por dois condutores separados


por um isolante e utilizados para armazenar energia elétrica que tem diversas
aplicações na engenharia, como por exemplo, nas câmeras fotográficas onde
fornecem rapidamente a energia armazenada a partir das pilhas para produzir
o flash.

Este dispositivo, quando carregado, adquire uma diferença de potencial


que pode ser relacionada com a carga dos condutores, por meio de uma
constante de proporcionalidade chamada capacitância.

Neste experimento foi executada e estudada a carga e descarga de um


capacitor.
OBJETIVO

Compreender o processo de carga e descarga de um capacitor e o cálculo do


valor da energia transferida da fonte para o receptor.
FUNDAMENTOS TEÓRIOCOS

Os dispositivos capazes de armazenar energia potencial elétrica e carga


elétrica são chamados capacitores. Capacitores são construídos por dois
condutores separados por isolantes. Quando ambos os condutores do
capacitor estão com carga líquida nula e ocorre transferência de elétrons de um
condutor para outro, o dispositivo é carregado. Na situação de equilíbrio,
quanto o capacitor já está carregado, ambos os condutores têm a mesma
carga q, porém com sinais opostos. Uma observação importante é que a carga
referida a um capacitor é o módulo q da carga dos capacitores no equilíbrio. Os
capacitores são representados pelos símbolos . As linhas verticais
representam os condutores e as linhas horizontais representam os fios
conectados aos condutores.

FIGURA 1. CAPACITOR

Fonte: YOUNG, Hugh D.; FREEDMAN, Roger A., Física III - Eletromagnetismo, 12ª ed.
São Paulo, Addison Wesley, 2008. p.105.

Ao conectar os fios dos condutores a uma bateria até que o capacitor


esteja carregado e em seguida desconectá-los, gera-se uma diferença de
potencial V entre os dois condutores que é proporcional a carga q:
𝑞
𝑞 = 𝐶𝑉 ou 𝐶 = 𝑉.

A constante C é chamada de capacitância do capacitor e pode ser


descrita como a medida da capacidade de armazenar energia de um lado do
capacitor. A capacitância não depende da carga nem da diferença de potencial,
apenas da forma e tamanhos dos condutores e da natureza do isolante.
MATERIAIS E MÉTODOS

Para estudar o processo de carga e descarga foi montando um circuito como


mostrado abaixo, utilizando um capacitor eletrolítico de 470 µF, um resistor de
47 kΩ, uma bateria de 1,5 V, um cronômetro digital, um amperímetro, quatro
fios de ligação.

Após montado o circuito, a extremidade livre do fio foi ligada ao ponto B, e


simultaneamente o cronômetro foi disparado. Assim que o ponteiro do
amperímetro chegou ao zero, extremidade do foi, anteriormente ligada em B,
foi conectada no ponto A e simultaneamente o cronômetro foi novamente
disparado
RESULTADOS

A partir dos dados coletados durante o experimento foram construídos os


gráficos e tabelas abaixo:

TABELA 1- CARGA DO CAPACITOR EM FUNÇÃO DO TEMPO

i (mA) 25 20 16 15 12 10
t (s) 10 20 30 40 50 60

TABELA 2- DESCARGA DO CAPACITOR EM FUNÇÃO DO TEMPO

i (mA) 13 10 8 7 6 5
t (s) 10 20 30 40 50 60

GRÁFICO 1 – CORRENTE EM FUNÇÃO DO TEMPO PARA CARGA

30
y = 28.933e-0.018x
R² = 0.9863
25
Corrente(mA)

20

15

10

0
0 20 40 60 80
Tempo(s)

GRÁFICO 2 – CORRENTE EM FUNÇÃO DO TEMPO PARA DESCARGA

Tempo(s)
0
0 20 40 60 80
-5
Corrente(mA)

-10

-15

-20

-25 y = 5.0962ln(x) - 24.989


R² = 0.9945
CONCLUSÃO

Analisando os gráficos obtidos percebeu-se uma tendência exponencial


no processo de carga e descarga de capacitores. Se este processo fosse linear
o tempo gasto seria igual ao produto RC = (470x10-6 F) x (47000Ω) = 22,09. O
produto RC é chamado de constante de tempo capacitativa e pode ser
encontrado graficamente traçando-se a tangente à curva de decaimento da
corrente no ponto em que t = 0. No gráfico para descarga essa aproximação foi
bastante válida, o RC encontrado foi aproximadamente 26. Já para a carga
houve um desvio de mais de dez unidades de tempo e o RC encontrado foi
aproximadamente 36. Esta discrepância pode estar associada ao erro para
medir pontos de carga em função do tempo na situação em que a carga e o
tempo fluíam continuamente, ao número reduzido de pontos coletados e a
imprecisão dos equipamentos.
Ao estudar o circuito verificou-se que o resistor controla o tempo de
carga e descarga do circuito que depende diretamente do produto RC. O
capacitor enquanto é carregado ou descarregado gera um transferência de
elétrons(corrente) e se for acrescentado um resistor em serie no circuito,
tempo de carga e descarga aumentará o, pois a corrente teria uma maior
dificuldade para transitar (resistência), o que pode ser comprovado pela
equação: .
Pela definição de corrente elétrica a carga pode ser dada pela
expressão:

dq = idt

Assim, podemos calcular a carga:

𝑞 = ∫ 𝑖𝑑𝑡

A carga acumulada no capacitor até um certo instante t pode ser obtida pela
área sob a curva no gráfico corrente x tempo. Calcule a carga no gráfico da
carga temos:

𝑞 = ∫ 28,933𝑒 −0,018𝑡 𝑑𝑡

𝑞 = −1,607 × 103 𝑒 −0,018𝑡

Sendo a energia acumulada num tempo t dada pela expressão:


𝑄2
𝑈=
2𝐶
a energia transferida da fonte ao capacitor no experimento, dada em função do
tempo é :

(−1,607 × 103 × 𝑒 −0,018𝑡 )2


𝑈=
2𝐶
Uma das principais aplicações dos capacitores é sua utilização em
circuitos eletrônicos, onde em geral eles têm a função de acumular a energia
que será utilizada em um momento adequado, como por exemplo, para ligar o
flash de uma câmara fotográfica ou em circuitos de rádios como filtros de
corrente retificada. Outra aplicação é na engenharia de computadores onde
são usados como memória RAM (radom access memory), em um sistema
binário, mas além dos exemplos citados os capacitores estão presentes no
cotidiano em muitos outros sistemas eletrônicos.
BIBLIOGRAFIA E REFERÊNCIAS

YOUNG, Hugh D.; FREEDMAN, Roger A., Física III - Eletromagnetismo, 12ª
ed. São Paulo, Addison Wesley, 2008. p.104-107

HALLIDAY D.; RESNICK R. e WALKER J. Fundamentos de Física:


Eletromagnetismo. Volume 3. 8ª edição. Editora LTC, 2009. p.110-113

NEVES P.P, Práticas De Física Experimental III, Roteiro do experimento 3,


2017/2