Você está na página 1de 16

Faculdade Pitágoras de Ipatinga - Campus Horto

Coordenação de Engenharias
Bacharelado em Engenharia Química

Mecânica dos Fluidos:


Medição de Massa Específica utilizando Tubo em "U"

Lucas Pires Ribeiro


Mariana Márcia de Melo Silva
Marismeire Moura
Rodrigo Machado Torres
Rubens Henrique Lana de Oliveira
Satiro Wesley Oliveira Duarte

Ipatinga
2017
Lucas Pires Ribeiro
Mariana Márcia de Melo Silva
Marismeire Moura
Rodrigo Machado Torres
Rubens Henrique Lana de Oliveira
Satiro Wesley Oliveira Duarte

Mecânica dos Fluidos:


Medição de Massa Específica utilizando Tubo em "U"

Relatório sobre pratica experimental feito


sobre massa especifica de um fluido em
laboratório, apresentado como exigência
para obtenção de parte da nota exigida
para aprovação na disciplina de Mecânica
dos Fluidos do curso de Bacharelado em
Engenharia Química da Faculdade
Pitágoras de Ipatinga, 50.
Orientador: Emanuel Augusto

Ipatinga
2017
RESUMO

O manômetro é um instrumento que serve para medir a pressão entre dois


pontos em um fluido incompressível estático através da medida da diferença de
elevação entre esses pontos. O presente trabalho exemplifica utilização de um
manômetro em U tipo mais simples de manômetro, aparelho utilizado para medir a
diferença de pressão, que é constituído por um tubo de vidro que dobrado tem a
forma de U. A diferença entre as pressões é proporcional à diferença do nível do
líquido, em que a constante de proporcionalidade é a massa específica do fluido.
Podemos deduzir matematicamente a massa especifica de um fluido, estudando
dois fluidos imiscíveis em equilíbrio (repouso) utilizando um tubo e U e, conhecendo
a massa especifica de um deles (água, por exemplo) podemos calcular a densidade
do outro em questão. No manômetro em tubo de U são utilizados líquidos
manométricos, como óleo, água, mercúrio, dentre outros, que permitam reduzir ou
ampliar as alturas da coluna líquida.

Palavras Chave: Manômetro, tudo em U, massa específica, óleo.

.
ABSTRACT

The pressure gauge is an instrument used to measure the pressure between two
points in a static incompressible fluid by measuring the difference in elevation
between these points. The present work exemplifies the use of a simpler U-type
manometer, an instrument used to measure the pressure difference, which consists
of a folded glass tube that is U-shaped. The difference between the pressures is
proportional to the difference Of the liquid level, where the proportionality constant is
the specific mass of the fluid. We can deduce the specific mass of a fluid
mathematically by studying two immiscible fluids in equilibrium (resting) using a tube
and U, and knowing the specific mass of one of them (water for example) we can
calculate the density of the other in question. Manometric liquids, such as oil, water,
mercury, among others, are used in the U-tube manometer to reduce or enlarge the
heights of the liquid column.

Keywords: Manometer, all U-shaped, specific mass, pressure.


SUMÁRIO

1 - INTRODUÇÃO 5

2 - OBJETIVO 7
3 - MATERIAIS UTILIZADOS 7

4 - PROCEDIMENTO 8

4.1 - Parte I Determinação da massa específica do óleo utilizando um tubo em U 8

4.2 - Parte II Determinação da massa específica do óleo utilizando uma proveta e


uma balança 8

5 - RESULTADOS E DISCUSSÕES 9

6 - CONCLUSÃO 14

7 - REFERÊNCIAS 15
5

1 - INTRODUÇÃO

O que é um fluido?
O que é pressão de um fluido?
Quais são seus comportamentos em repouso? E em movimento?
Quais são as propriedades de um determinado fluido especifico?
Onde elas se aplicam na prática?
Essas e muitas outras perguntas podem ser respondidas, graças à ciência
conhecida como Mecânica dos Fluidos.
A Mecânica dos Fluidos é um ramo da Física Clássica que, se concentra em
estudar a transferência de quantidade de movimento ou quantidade de momento,
estudando em suma o comportamento dos fluidos em geral, tanto em estado
repouso (Hidrostática) quanto em estado de movimento (Hidrodinâmica), também no
que tange as propriedades de um determinado fluido, como seu escoamento,
viscosidade, massa especifica (densidade) entre outros.
Uma utilização muito importante de tais conhecimentos e a medição de pressão
de um fluido, usado em todo tipo de indústria de processos químicos. Além, é claro,
no projeto e construção de tubulações, manômetros e outros instrumentos
importantíssimos tanto de uso industrial ou não, projetos de navios e aeronaves por
exemplo.
Um conceito muito difundido e de grande grau de importância, e o de massa
especifica, ou densidade de um fluido, uma variável importantíssima no cálculo da
pressão de um fluido, em um manômetro, por exemplo.
Podemos deduzir matematicamente a massa especifica de um fluido, estudando
dois fluidos imiscíveis em equilíbrio (repouso) utilizando um tubo e "U" e,
conhecendo a massa especifica de um deles (água por exemplo) podemos calcular
a densidade do outro em questão.
A densidade absoluta ou massa específica (ρ) de um fluido é determinada
através das medidas de um volume (ΔV) e sua massa (Δm) conhecida equivalente a
ele. Seu cálculo é obtido através da equação 1 [1].

∆𝑚
𝜌= (1)
∆𝑉
6

Essa grandeza é uma propriedade específica, isto é, cada substância apresenta


a sua própria massa específica, que a identifica e a diferencia das outras. O principal
equipamento utilizado para a determinação da densidade é o densímetro. Além dele,
é possível utilizar um tudo em U aberto para essa medição [2]. Neste caso, é preciso
utilizar dois fluidos não miscíveis, um com a densidade conhecida e outro, a saber. A
pressão sobre ambas as aberturas é equivalente à pressão atmosférica. Ao
adicionar os líquidos no tubo, percebe-se que as alturas dos fluidos, em ambos os
lados são diferentes, devido à diferença de densidade Figura 1.

Figura 1: Representação de um tubo em U com dois fluídos, água e óleo e diferentes


alturas (Fonte: GARCIA, A, 2014 )

O tubo em U segue o princípio de Pascal, que enuncia que “uma variação da


pressão aplicada em um fluido incompressível, contido em um recipiente, é
transmitida integralmente a todas as partes dos fluidos e às paredes do recipiente”
[1]. Como mostrado na Equação 2.

∆𝑝1 = ∆𝑝2 (2)

Sendo assim, devem-se escolher dois pontos que estejam submetidos à mesma
pressão e que envolvam os dois fluidos, ou seja, o ponto de encontro dos dois
fluidos e o ponto equivalente do outro lado do tubo. Então dada a Equação (3):

𝑝 = 𝑝0 + 𝜌𝑔ℎ (3)

E substituindo na equação 2, obtém-se uma nova equação 4 na qual poderá ser


utilizada para o cálculo da densidade.
7

𝑝0 + 𝜌1 𝑔ℎ1 = 𝑝0 + 𝜌2 𝑔ℎ2
ℎ1
𝜌2 = 𝜌1 (4)
ℎ2

2 - OBJETIVOS

O objetivo desta prática foi determinar a massa específica do fluído manométrico


utilizado que foi o óleo, a partir de um tudo em U, e utilizando também outro
procedimento medindo seu volume em uma proveta e pesando sua massa em uma
balança e posteriormente comparar os resultados obtidos.

3 - MATERIAIS UTILIZADOS

 Tubo em "U"
 Água (fluido e massa especifica conhecida)
 Óleo (fluido de massa especifica desconhecida)
 Seringa
 2 Béqueres
 Balança
 Proveta de 100 mL .
8

4 - PROCEDIMENTO

4.1 - Parte I – Determinação da massa específica do óleo utilizando um tubo em


U

Colocou-se a água em um béquer, em seguida utilizando um termômetro mediu-


se a temperatura da água. Vagarosamente introduziu a água no interior do tubo em
U, logo após com o auxílio de uma seringa colocou-se o óleo em uma das
extremidades do tubo em U, tomando o cuidado para que não ocorresse a mistura
com água ou para que não contaminasse as paredes do tubo. Mediram-se as alturas
obtidas com a variação dos fluídos e os valores foram anotados. Este procedimento
foi realizado em triplicata, para que posteriormente fosse calculada a densidade do
óleo.

4.2 - Parte II - Determinação da massa específica do óleo utilizando uma


proveta e uma balança

Para este procedimento utilizou uma proveta garantindo previamente que ela
estava seca e limpa. Em seguida introduziu certa quantidade de óleo na proveta e
mediu seu volume. Em uma balança previamente tarada, pesou-se o óleo que
estava na proveta e anotou os resultados obtidos. Este procedimento foi realizado
em triplicata para que posteriormente fosse calculada a massa específica do óleo.
9

5 - RESULTADOS E DISCUSSÕES

Conhecendo a densidade da água, pode-se determinar a densidade do óleo


através do tubo em U. Os valores de massa específica do óleo das partes I e II
foram calculados, e comparados entre si, e em seguida comparados com valores
obtidos na literatura.

 Valores de massa específica obtidos no experimento feito em tubo em


“U”

1a Medição:

Na primeira medição foram obtidos os valores das alturas da coluna da água e do


óleo respectivamente de acordo com a Tabela 1:

Tabela 1: Medida da altura da coluna

Fluído Altura da coluna (m)


Água 2,5. 10-5
Óleo 3,0. 10-5

Utilizando a equação 4 para relação de pressão absoluta em ambas as


extremidades do tubo em “U” têm:

𝑷𝟎 + 𝝆𝑯𝟐 𝑶 . 𝒈. 𝒉𝑯𝟐 𝑶 = 𝑷𝟎 + 𝝆ó𝒍𝒆𝒐 . 𝒈. 𝒉ó𝒍𝒆𝒐

A pressão atmosférica e gravidade são as mesmas para ambos os lados, logo se


cancelam então temos:

𝝆𝑯𝟐 𝑶 . 𝒉𝑯𝟐 𝑶 = 𝝆ó𝒍𝒆𝒐 . 𝒉ó𝒍𝒆𝒐

Isolando a 𝜌ó𝑙𝑒𝑜 temos:

𝝆𝑯𝟐 𝑶 . 𝒉𝑯𝟐 𝑶
𝝆ó𝒍𝒆𝒐 =
𝒉ó𝒍𝒆𝒐

Substituindo na formula temos:


10

𝑘𝑔
1000 . 2,5 . 10−4 𝑚 𝑘𝑔
𝜌ó𝑙𝑒𝑜 = 𝑚3 = 833,333 3
−4
3,0 . 10 𝑚 𝑚

2a Medição:

Na segunda medição foram obtidos os valores das alturas da coluna da água e do


óleo respectivamente de acordo com a Tabela 2:

Tabela 2: Medida da altura da coluna

Fluído Altura da coluna (metros)


Água 3,5. 10-5
Óleo 4,0. 10-5

Da mesma forma como foi feito na primeira medição, utilizando a equação 4 têm-se:

𝑘𝑔
1000 . 3,5𝑥10−4 𝑚 𝑘𝑔
𝜌ó𝑙𝑒𝑜 = 𝑚3 = 875,000 3
−4
4,0𝑥10 𝑚 𝑚

3a Medição:

Na terceira medição foram obtidos os valores das alturas da coluna da água e do


óleo respectivamente de acordo com a Tabela 3:

Tabela 3: Medida da altura da coluna

Fluído Altura da coluna (metros)


Água 2,0. 10-4
Óleo 2,5. 10-4

Substituindo na equação 4:

𝑘𝑔
1000 . 2 . 10−4 𝑚 𝑘𝑔
𝜌ó𝑙𝑒𝑜 = 𝑚3 = 800,000
2,5 . 10−4 𝑚 𝑚3
11

Foram realizados os cálculos de Média e Desvio Padrão para minimizar erros, de


acordo com a Tabela 4:

Tabela 4: Valores de média e desvio padrão

Medição Valores obtidos


1a Medição: 𝑘𝑔
833,333 3
𝑚
2a Medição: 𝑘𝑔
875,000 3
𝑚
3a Medição: 𝑘𝑔
800,000 3
𝑚
Média Desvio Padrão
𝑘𝑔
836,111 37,5771
𝑚3

 Valores de massa específica obtidos no experimento feito balança e


proveta

Utilizando o conceito de massa especifica, que e estabelecido pela razão entre


massa e volume de um determinado fluido de acordo com a equação 1, podemos
calcular a densidade a partir do experimento que foi utilizado a proveta e a balança.

𝑚
𝜌=
𝑣
1a Medição:

Na primeira medição foram obtidos os valores de massa e volume a temperatura


ambiente do óleo de acordo com a Tabela 5:

Tabela 5: Valores de massa, volume e temperatura.

Massa (Kg) Volume (m3) Temperatura (oC)


0,02442 3,5. 10-5 22
12

Substituindo na equação 1 obteve-se o seguinte resultado:

0,02442 Kg 𝐾𝑔
𝜌= −5 3
= 697,714 3
3,5 . 10 𝑚 𝑚

2a Medição:

Na segunda medição foram obtidos os valores de massa e volume a temperatura


ambiente do óleo de acordo com a Tabela 6:

Tabela 6: Valores de massa, volume e temperatura.

Massa (Kg) Volume (m3) Temperatura (oC)


0,01723 1,9. 10-5 22

Novamente substituindo na equação 1 obteve-se o seguinte resultado:

0,01723 Kg 𝐾𝑔
𝜌= −5 3
= 906,842 3
1,9 . 10 𝑚 𝑚

3a Medição:

Na terceira medição foram obtidos os valores de massa e volume a temperatura


ambiente do óleo de acordo com a Tabela 7:

Tabela 7: Valores de massa, volume e temperatura.

Massa (Kg) Volume (m3) Temperatura (oC)


0,01554 1,1. 10-6 22

Substituindo na relação anterior:

0,01554 Kg 𝐾𝑔
𝜌= = 863,333
1,8 . 10−5 𝑚3 𝑚3
13

Foram realizados os cálculos de Média e Desvio Padrão para minimizar erros, de


acordo com a Tabela 8:

Tabela 8: Valores de média e desvio padrão

Medição Valores obtidos


1a Medição: 𝑘𝑔
697,714 3
𝑚
2a Medição: 𝑘𝑔
906,842 3
𝑚
3a Medição: 𝑘𝑔
863,333 3
𝑚
Média Desvio Padrão
𝑘𝑔
822,629 3 110,354
𝑚

A tabela 9 mostra a comparação dos valores médios encontrados de massa


específica do óleo nos dois procedimentos, com valores encontrados na literatura de
acordo com a Figura 2 tomando como base o óleo de soja [3].

Tabela 8: Comparação dos valores de massa específica encontrados

𝑘𝑔 𝑘𝑔 𝑘𝑔
Parte I 𝜌 (𝑚3 ) Parte II 𝜌 (𝑚3 ) Literatura 𝜌 (𝑚3 )
836,111 822,629 883

Figura 2: Valores encontrados na literatura de massa específica para óleo à temperatura


ambiente. (Fonte: BROCK, J, 2017)
14

6 – CONCLUSÃO

Foi possível constatar que o experimento pode ser utilizado para determinação da
densidade desconhecida de um líquido por meio de uma densidade conhecida,
comprovando o princípio de Pascal. Em nosso primeiro experimento pudemos notar
uma ligeira alteração nos valores encontrados para densidade do óleo. Já no
segundo experimento a variação foi um pouco maior. Os possíveis erros
apresentados podem ser atribuídos à má leitura da variação da altura no tubo em U,
como também no volume na proveta, ou a má calibração dos instrumentos
utilizados. Ainda assim percebe-se que as densidades obtidas experimentalmente,
dentro dos possíveis erros, são próximas das densidades da literatura. Dessa forma,
pode-se concluir que o procedimento é válido e que atingiu os objetivos propostos.
15

7 – REFERÊNCIAS

[1] HALLIDAY, D.; RESNICK, R.; WALKER, J. Fundamentos de física. Ed 8. Rio de


Janeiro: LTC, 2009. Volume 2, pag. 58, 64, 65.

[2]GARCIA, A., GONÇALVES, D., PERRI, I., CAMPANARI, M. L., & PEGORARO, M.
(2014). Estudo da densidade de fluidos incompressíveis através de um tubo em U.
Sorocaba.

[3]BROCK, J., NOGUEIRA, M. R., ZAKRZEVSKI, C., CORAZZA, F. D., CORAZZA,


M. L., & OLIVEIRA, J. V. (2007). Determinação experimental da viscosidade e
condutividade térmica de óleos vegetais. Ciência e Tecnologia de Alimentos .

ÇENGEL, Yunus A; C., John M; R.. Mecânica dos fluidos: fundamentos e


aplicações. 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, c2007.

Você também pode gostar