Você está na página 1de 35

Câmpus Ponta Grossa

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Equipamentos Elétricos

Aula 3 - Disjuntores
Prof. Dr. Hugo Valadares Siqueira
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntores
• Dispositivo mecânico com a função de um interruptor
com desarme automático;
• Componentes comumente utilizados nos quadros de
distribuição como elemento de proteção e
seccionamento de circuitos;
• Acionado quando o mesmo recebe uma corrente de
sobrecarga ou curto-circuito;
• Desenvolvido para
proteger os elementos
do circuito contra uma
corrente de pico maior
que o limite suportado
pelo mesmo.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntores
• Comumente utilizado como substituto do fusível;

• Uma das vantagens do disjuntor sobre o fusível é que ele não é


descartável, podendo ser rearmado várias vezes;

• O seccionamento é o ato de promover a descontinuidade elétrica


total, obtida mediante o acionamento de dispositivo apropriado
(chave seccionadora, interruptor, disjuntor), acionado por meios
manuais ou automáticos;

• Tipos: térmico, magnético e


termomagnéticos.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Função dos Disjuntores


• Proteger os cabos contra
sobrecargas e curto-
circuitos;
• Permitir o fluxo normal da
corrente sem
interrupções;
• Abrir e fechar um circuito
à intensidade nominal;
• Garantir a segurança da
instalação e dos
utilizadores.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Dois Pontos Importantes


• Dimensionar um disjuntor é
mais que saber a corrente do
circuito;
• É necessário saber qual a
carga que vai ser instalada;

 OBS1: Correntes de
sobrecarga ocorrem como uma
subida lenta de correntes
acima da nominal;
 OBS2: Correntes de curto-
circuito são de subida brusca
ou instantânea num circuito
elétrico.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Normatização
5361 NBR 5361 - Disjuntores
NBR 60947- Disjuntores Industriais
NBR IEC 60898 - Disjuntores residenciais

• Transcrição da Norma NBR 5410/97 pagina 31:

“5.3.4.2 Determinação das correntes de curto-circuito


presumidas: as correntes de curto-circuito presumidas devem
ser determinada em todos os pontos da instalação julgados
necessários. Essa determinação pode ser efetuada por
cálculo ou por medida.”
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor Térmico
• Funciona pelo princípio da
deformação de uma lâmina
bimetálica;
• Quando a lâmina sofre uma
sobrecarga de corrente, a mesma
se deforma diferentemente nos
dois metais e então ocorre a
deformação;
• Isto faz com que o contato
mecânico abra o circuito elétrico
sequente ao disjuntor térmico.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor Térmico
• Uma das principais vantagens é
que o disjuntor térmico é um
dispositivo mecanicamente
simples, robusto e barato;
• Entrentanto não é muito preciso e
necessita de um tempo de ação
relativamente lento;
• Isto o torna inutilizável para
proteção de curto circuitos;
• Onde usar: Na proteção do
sistema elétrico contra
sobreaquecimentos provocados
por sobrecarga prolongadas.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor Magnético
• Funciona baseado nos princípios do eletromagnetismo;
• A variação de corrente elétrica que passa pelas espiras da
bobina produz um campo magnético na mesma;
• Isto faz com que a lâmina metálica do contato seja
atraída, e o contato se abra, ocorrendo então a proteção
do circuito elétrico.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor Magnético

• Este efeito é instantâneo garantindo


uma alta precisão;
• A velocidade de interrupção
instantânea é o que possibilita a
proteção contra curto-circuito, que
permite, neste caso, substituir um
fusível;
• Tem um custo elevado;
• Onde usar: Na proteção do sistema
elétrico contra curtos-circuitos.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor Termomagnético

• Conhecido também como


magnetotérmico;

• Trata-se de uma junção do


disjuntor térmico e magnético;

• Este tipo de dispositivo é


muito utilizado em instalações
comerciais e residenciais.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor termomagnético

- Principais funções:

• Manobra: Abertura e fechamento voluntário do circuito;

• Proteção contra sobrecarga: atua como disjuntor


térmico;

• Proteção contra curto-circuito: atua como disjuntor


magnético;

• Onde usar: Na proteção do sistema elétrico contra


curto-circuito e sobreaquecimento gerados por
sobrecarga.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor de baixa tensão padrão IEC


1. Manopla - utilizada para fazer o fecho ou a
abertura manual do disjuntor. Também indica o
estado do disjuntor (Ligado/Desligado ou
desarmado);
2. Mecanismo atuador - Junta ou separa o
sistema da rede elétrica;
3. Contatos - Permitem que a corrente flua
quando o disjuntor está ligado e seja
interrompida quando desligado;
4. Terminais;
5. Trip bimetálico;
6. Parafuso calibrador - permite que
o fabricante ajuste precisamente a corrente de
trip do dispositivo após montagem;
7. Solenoide ou bobina;
8. Câmara de extinção de arco.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Disjuntor
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Padrão NEMA x DIN


• Padrões para disjuntores de baixa tensão:
• NEMA – norte-americanos (preto);
• Normatizado pela RTQ da portaria INMETRO 243;
• DIN – Europeu (branco);
• Normatizado pela ABNT NBR NM 60898;
• Apresentam características distintas de padrão e atuação;
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

NEMA
• Material de fabricação da caixa: uma resina
sintética resistente ao calor e quimicamente
estável, a baquelite;
• Capacidade de interrupção de curto circuito:
um disjuntor comum de 25 A tipo NEMA
possui uma capacidade de interrupção
aproximadamente de 3kA, 66% da
capacidade de um disjuntor do tipo DIN;
• Elemento de extinção: os modelos tipo NEMA
possui apenas uma chapa dobrada;
• Características dos contatos: possui apenas
material sintetizado.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

NEMA
Característica construtiva do
disparo magnético:

• O disparo magnético e o limiar de


atuação são pouco sensíveis;
• Disparador magnético vinculado à
parte construtiva;
• A destrava do mecanismo depende
da grandeza da corrente de curto-
circuito;
• Bobina mais simples, as vezes com
uma espira.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

NEMA
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

DIN
• Material de fabricação de caixa: poliéster ou
ureia formaldeído;
• Capacidade de interrupção de curto circuito: um
disjuntor de 25 A tem a capacidade de
interrupção na ordem de 4,5 KVA;
• Elemento de extinção: câmara de extinção
equipada com alertas múltiplas;
• Características de contato: Contatos revestidos
de prata, tendo maior resistência térmica e
elétrica;
• Apresentam uma resposta mais rápida e
eficiente em comparação aos disjuntores de
padrão norte-americano tipo NEMA.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

DIN
Característica construtiva do disparador
magnético:

• Possui disparo independente;


• O seu limiar ocorre com um múltiplo de corrente
nominal, de modo que, independentemente do
valor da corrente ele vai possuir sempre dois
tipos de atuação:
 um contra curto circuito (bobina)
 outro contra sobrecarga (bimetal), atuando
independente um do outro;
• Possui resposta de atuação mais rápida em
comparação ao NEMA.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

DIN
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Categorias de Disjuntores
• O dimensionamento do disjuntor é uma questão de
SEGURANÇA;
• Deve-se observar para cada tipo de carga:
1. faixa de corrente de ruptura
2. tempo de ruptura
• Existente uma categoria adequada de disjuntor a ser
usado;
• Estas ditam a curva de ruptura específica de cada
uma.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Categorias de Disjuntores
• Quando se tem um equipamento sensível a picos de corrente é
preciso que o disjuntor tenha um tempo de resposta de ruptura
muito rápida;
• Nesse caso, a curva de corrente usada pertence a uma categoria;
• Em outros casos como na partida de motores, o tempo necessário
para a partida do mesmo é relativamente grande, por isso a
resposta de ruptura deve ser mais lenta;
• Assim, é necessário outro tipo de curva de corrente;
• As curvas de ruptura determinam o período de tempo e a faixa
dos limites de corrente que o dispositivo suporta;
• Tipos: B, C e D.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Curvas Características
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Curva Característica
• A curva mostra a atuação em uma
faixa;
• O fabricante garante que o desarme
do disjuntor deve ocorrer dentro
deste intervalo;
• Para grandes correntes a atuação é
mais rápida;
• Correntes pouco acima da nominal
as vezes nem disparam o
dispositivo;
• Veja que para correntes menores
que a nominal ele não atua! A curva
começa em “1” no eixo das
abscissas.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Zonas de atuação no dispositivo


• Indica se a atuação será magnética ou térmica;
• In é a corrente estipulada da proteção.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Zonas de atuação no dispositivo


• A atuação do disjuntor depende da
temperatura em que se encontra;
• A parte inferior das curvas são as
curvas a quente e a superior são as
curvas a frio;
• O disjuntor tem tempos de abertura
diferentes com o tempo de utilização
em carga, pois todos os metais
percorridos por correntes a uma
temperatura normal de utilização
sofrem perdas por calor (efeito Joule);
• Quanto maior for o tempo de
utilização do produto, maior será a
temperatura interna dos materiais.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

• Zona 1: Curva lenta, zona de


atuação do disjuntor térmico.
Disjuntor atua com o bimetálico, que
em caso de uma sobrecarga de
corrente, a placa de metal ativa a
abertura do mesmo;
• Zona 2: Nesta zona não é garantida
qual a parte do produto, o térmico ou
magnético será responsável pela
atuação do disjuntor;
• Zona 3: Curva rápida, zona de
atuação do material magnético. Na
presença de correntes múltiplas da
corrente nominal, esta é a parte do
disjuntor que está na origem da sua
atuação instantânea.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características curva B
• Disparo magnético de 3 a
 5 vezes a corrente
nominal do circuito;

• Exemplo: Chuveiro (cargas


resistivas)

• Ex: Se IN = 10A, curva de


atuação está entre 30 e
50A.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características curva C

• Disparo magnético de 5 a  10
vezes a corrente nominal do
circuito;

• Exemplo: Iluminação (cargas


indutivas), ar condicionado,
bombas, sistemas de comando e
controle;

• Ex: Se IN = 10A, curva de atuação


está entre 50 e 100A.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Características curva D
• Disparo magnético de 10 a  20
vezes a corrente nominal do
circuito (Icc);

• Usado em circuitos industriais;

• Exemplo: Grandes Motores


(cargas indutivas) grandes
transformadores, máquinas de
solda;

• Ex: Se IN = 10A, curva de atuação


está entre 100 e 200A.
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Curvas e Atuação
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Exemplos de Dimensionamento
• Dimensionamento de disjuntor residencial:
Câmpus Ponta Grossa
UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ

Fusível x Disjuntor