Você está na página 1de 45

Citoesqueleto

• Células eucariontes possuem um “sistema


esquelético” – citoesqueleto – composto por
três estruturas filamentosas bem definidas:
– Microfilamentos → estruturas sólidas, finíssimas,
compostas de proteína actina;

– Microtúbulos → tubos rígidos compostos de


subunidades da proteína tubulina;

– Filamentos intermediários → fibras resistentes,


semelhantes a uma corda, compostas de várias
proteínas relacionadas.
Filamentos de Actina

• Composição e
Estrutura:
Constituídos pela
polimerização da
proteína globular
actina G, dando
origem aos filamentos
de actina F que se
estruturam por duas
cadeias de actina F
enroladas
helicoidalmente.
• Filamentos de actina são estruturas polarizadas consistindo de
duas extremidades com crescimento diferenciado:
– uma extremidade positiva onde o crescimento é rápido
– uma extremidade negativa de crescimento mais lento.
• Localização
• Todas as células eucariontes possuem a proteína actina.
• Os filamentos de actina atuam no citoplasma na forma de redes ou
feixes.
• Os filamentos de actina que se distribuem logo abaixo da
membrana plasmática, estão ligados entre si por várias proteínas
que se ligam à actina formando uma rede chamada córtex celular.
• Eletromicrografia de músculo estriado

(Eletromicrografia de músculo estriado (Eletromicrografia de músculo estriado


em estado de distensão) em estado de contração)
Banda I Banda A
Banda H

Banda A – filamentos finos e grossos


Banda I – filamentos finos
Banda H – filamentos grossos
Processo de contração

1. O músculo é estimulado
• 2. O retículo endoplasmático libera Ca² para o citosol
• 3. Os íons agem sobre a troponina causando sua separação da
actina
Filamentos Intermediários

• Composição:
• são filamentos com diâmetro de 10nm;
• constituídos por polímeros de proteínas;
• são moléculas fibrosas e alongadas que
possuem uma cabeça amino-terminal, uma
cauda carboxiterminal e um domínio bastão.
• Estrutura
• Monômeros se agrupam em dímeros que por
sua vez se agrupam em tetrâmeros
antiparalelos.

• Os tetrâmeros vão constituir protofilamentos que


em grupos do quatro enrolados em hélice
formam as protofibrilas.

• Finalmente, quatro protofibrilas vão constituir 1


filamento intermediário.
• Proteínas que constituem o filamento
intermediário
• Localização
• Os filamentos intermediários
são muito importantes no
citoplasma de células que
estão sujeitas à estresse
mecânico.

• Presentes em grande número


de epitélios ligando as células
entre si por junções
especializadas, denominadas
de desmossomos.
• Estes filamentos também formam a trama da
lâmina nuclear.
Microtúbulos

• Função organizacional;
• São tubos longos, ocos, relativamente
rígidos, associados à proteínas;
• Crescem a partir do centrossomo;
• Sistema de trilhos no interior da célula;
• Formação do fuso mitótico;
• Formação dos cílios e flagelos.
Estrutura
• Os microtúbulos são formados por
subunidades de e -tubulina;
• A polaridade é extremamente importante
para a montagem e a função dos
microtúbulos.
Estrutura do Microtúbulo
Estrutura e -tubulina
Equilíbrio de Montagem e
Desmontagem
• A instabilidade relativa dos microtúbulos
dá a eles a possibilidade de sofrer um
remodelamento rápido e contínuo, crucial
para sua função.
• O efeito de drogas como a Colchicina e o
Taxol impedem a polimerização e a
despolimerização da tubulina.
Centrossomo

• Principal organizador de microtúbulos nas


células animais;
• A existência de centros organizadores
com sítios de nucleação e a manutenção
da concentração dos dímeros de -
tubulina em níveis baixos, permitem às
células controlar a formação dos
microtúbulos.
Polimerização de tubulina no centrossomo
Despolimerização Polimerização
Os microtúbulos organizam o interior de
célula

• Os microtúbulos tornam-se mais dinâmicos


durante a mitose.
• Isto lhes permite uma desagregação rápida e
uma reagregação para formar o fuso mitótico.
• A polaridade celular é um reflexo dos sistemas
de microtúbulos no interior das células.
• Os microtúbulos também influenciam na
distribuição de membranas numa célula
eucariótica.
A Reorganização dos Microtúbulos
(durante a mitose)

• Toda a rede microtubular presente na célula em


interfase é desmontada e as tubulinas livres são
reutilizadas para formar o fuso mitótico, que é
responsável pela separação das cromátides-irmãs.

• Quando a célula entra em mitose, a taxa de


desmontagem dos microtúbulos aumenta em torno de
10 vezes, resultando em uma despolimerização geral
dos microtúbulos.

• Ao mesmo tempo, o número de microtúbulos que se


organiza a partir dos 2 novos centrossomos aumenta de
5 a 10 vezes.
Os microtúbulos
prendem-se aos
cromossomos →
cinetócoros.
• A formação do fuso mitótico envolve a
estabilização seletiva de alguns
microtúbulos que irradiam dos
centrossomos.
• Esses microtúbulos são de três tipos:
 Microtúbulos do cinetócoros;
 Microtúbulos polares;
 Microtúbulos astrais.

• O movimento dos cromossomos é


mediado por proteínas motoras
associadas aos microtúbulos do fuso.
As proteínas motoras conduzem o
transporte intracelular

• Os microtúbulos estão envolvidos nos movimentos


saltatórios e orientados.
• Em ambos os casos eles são gerados por proteínas
motoras.
• Elas se deslocam ao longo dos microtúbulos
citoplasmáticos.
• No axônio das células nervosas elas pertencem à
família das cinesinas e dineínas.
• Cinesinas se deslocam em direção da extremidade
“mais” do microtúbulo, enquanto as dineínas se
movem em direção a extremidade “menos”.
Proteínas motoras dos microtúbulos
As proteínas motoras transportam cargas ao longo dos
microtúbulos
Cílios e Flagelos

• Flagelos : são mais longos do que os


cílios e são encontrados isolados ou em
pares.

• Cílios : são mais curtos do que os flagelos


e estão presentes em grande número.
A disposição dos microtúbulos em um cílio ou flagelo

Micrografia Eletrônica
de um cílio
Aplicação médica

• A síndrome dos cílios imóveis( Síndrome


de Kartagener) é conseqüência de uma ou
mais mutações dos genes que codificam a
dineína ciliar ou outras proteínas
acessórias do axonema.

• Em conseqüência, os cílios e os flagelos


são imóveis, o que provoca quadros de
bronquites crônicas e esterilidade no
homem.
Câncer
• O tratamento varia de acordo com
gravidade da doença, pode ser por meio
de cirurgias, radioterapia e quimioterapia
(atualmente os alvos quimioterápicos são
os microtúbulos).
Paclitaxel

• É um medicamento usado no tratamento do


câncer;
• Descoberto em 1967, quando o Dr. Monroe E.
Wall e o Dr. Mansukh C. Wani isolaram o
componente da casca de Teixo do Pacífico e
notaram sua atividade antitumor em roedores;
• Interfere na função normal de crescimento do
microtúbulo;
• Liga-se á proteína tubulina dos microtúbulos e
os fixa no lugar.
Com o sucesso do Paclitaxel, a busca por novos
produtos naturais recebeu especial atenção de
diferentes grupos de pesquisas

•Docetaxel: descoberto em
1986, é em alguns casos
1,6 vezes mais ativo do
que o Taxol.

•Epotilonas
Eleuterobina: isolada a partir
de corais Eleutherobia sp.
Cerca de 100vezes mais
ativo do que o paclitaxel em
tumores de mama, rim,
ovário e pulmão.

Discodermolida: isolada de
esponjas marinhas da espécie
Discodermia dissoluta, em 1987.
Causa uma desorganização
irreversível dos microtúbulos,
impedindo a divisão celular,
resultando na morte da célula.