Você está na página 1de 35

22/6/2012

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ


INSTITUTO DE TECNOLOGIA
PPG EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

Utilização de enzimas de
interesse para a indústria de
alimentos.

Prof. Dr. Jesus Souza

Importância das enzimas na indústria de alimentos

• Enzimas Importantes na tecnologia de alimentos.

Novos produtos,
melhoria sensorial,
gastos operacionais reduzidos

1
22/6/2012

Importância das enzimas na indústria de alimentos


• As enzimas e os substratos estão normalmente
localizado em diferentes compartimentos celulares
• Nos vegetais S está nos vacúolos e a E está
associada com a parede celular ou em outras
organelas intra-celulares.

– Possuem uma transferência ativa regulada

• Quando cortada, danificada por choque,


extração da polpa, etc., possíveis reações
off-flavor, descoloração,… 3

Enzimas- Classificação
Classificação das enzimas segundo a Comissão de Enzimas.
• Oxirredutases Reações de óxido-redução

• Enzimas do grupo: oxidases, redutases, desidrogenases, hidrolases


e catalases

• Transferases Transferência de grupos

4
Aminoredutase

2
22/6/2012

• Hidrolases Reação de hidrólise

• Liases Transferência ou remoção de grupos dos


substratos

Isomerases
Transferência de grupos dentro da mesma molécula
para formar isômeros

Ligases
Formação de ligações do tipo C-C, C-S, C-O e C-N
por meio de reações de condensação acopladas à
quebra do ATP

Ligases
Hidrolases

3
22/6/2012

Enzima- classificação em alimentos

Enzimas
Enzimas-
aminolíticas
Aminolíticas
: o amido
Nos grânulos de amido vegetal, a amilose com ligações α (1,4) predomina
amplamente e os grânulos são grandes

Esquema tridimensional da amilopectina com ligações α (1,4) e ramificações


α (1,6)

4
22/6/2012

Enzimas aminolíticas

rompem as ligações
no interior do substrato hidrolisam unidades das
(endoamilases); extremidades não redutoras
do substrato
(exoamilases);
Hidrólise do amido

α-amilases β -amilases Glicoamilase

Dextrina maltose Maltose dextrina glicose

liberam unidades de glicose


do terminal não-redutor das
moléculas do substrato.
9

Enzimas- Aminolíticas
α-β-amilase
Alfa e beta – amilases Principais na tecnologia dos alimentos

Fontes vegetal ou produzidos por fungos e bactérias

Aspergillus orizae
Fungos Aspergillus niger
Principais
microrganismo Bacillus subtilis
produtores de alfa e Bacillus stearothermophillus
beta amilase Bactérias Rhyzopos delmer
Rhyzopos orizae

10

5
22/6/2012

Enzimas- Aminolíticas α-amilase

Características das α amilases, segundo suas origens

Produtos Menos resistente à altas temperaturas de cocção, do


malteados que as elaboradas pelo Aspergillus orizae

Termoestabilidade do que a fúngica e dos cereais.


Bacteriana Não é inativada pela temperatura de forno
Utilização inadequada pode gerar aumento residual de
dextrinas (consistência pegajosa)

Pode ser obtida com menor teor de protease e


Fúngica 11
maltase maior produção de gás

Enzimas- Aminolíticas
α-β-amilase

• Principais propriedades

α-amilase β-amilase
pH ideal 5,7-6,5 (pancreática e pH ótimo 4,5
bacteriana) é inativada a pH 3,3
Termo-resistente a temperatura Menor termo
até 70 ºC resistência, inativando-
se a 70ºC

12

6
22/6/2012

Enzimas Aminolíticas - Aplicações


Panificação

Proporcionam a formação de açúcares fermentáveis

amido + água + alfa-amilase → dextrinas

dextrinas + água + beta-amilase → maltose

maltose + água + maltase → glicose

Volume
Cor 13

Enzimas Aminolíticas - Aplicações


Panificação

Consistência

Grânulos amido danificado retém água (entumescimento)

Enzimas liberar água livre

amaciar a massa tornando-a mais móbil

Reatarda o ressecamento
cadeias intensidade da retrogradação do amido

14

7
22/6/2012

Enzimas Aminolíticas – Aplicações


Cerveja

malte
germina

Enzimas

Cozimento do malte enzima + amido forma gel as enzimas


quebram o gel até glicose

15

Enzimas Aminolíticas – Aplicações


sucos

Remoção da tubidez

16

8
22/6/2012

Enzimas hidrolizantes de dissacarídeos

Invertase Lactase Maltase

sacarose lactose maltose

Glicose Frutose Glicose Galactose Glicose

17

Invertase- Aplicações
Fabricação de açúcar invertido
invertase
sacarase
Sacarose Glicose + Frutose

18

9
22/6/2012

Invertase- Aplicações

Invertase produtos açucarados

Melhores condições:
umectantes
solubilidade (menor cristalização e endurecimento)
Capacidade adoçante

Obtenção de xarope de frutose


Fabricação de licores
19

Lactase

– Sorvete: prevenção da cristalização da lactose.


– Leite desnatado 12% de lactose MS cristalização
estabilizante
Diminui o índice crioscópico
– Leite: Permite o uso por pessoas deficientes em lactase.
Maior poder edulcorante

20

10
22/6/2012

Enzimas Proteolíticas

• Hidrolisam proteínas Polipeptídios, aminoácidos, amidas


e ésteres de aminoácidos

• Origem Origem vegetal, animal e microbiana

Papaína

Proteases vegetais
Bromelina

Ficina

21

Enzimas Proteolíticas
Enzimas Procedência Ação

Papaína Látex que flui por


incisão no fruto Atua sobre
não-maduro do fibras
Carica Papaya musculares, o
Bromelina Do caule, folhas e colágeno e a
frutos da família elastina (tecido
Bromaliceae conjuntivo)

Ficina Látex da planta


do gênero Ficus

22

11
22/6/2012

Enzimas Proteolíticas

Extraída de
Pepsina células de
estômago

Proteases animais Extratos


Tripsina purificados
do pâncreas
de boi e
porco
Coalho Quarto
ou quimosina estômago
de vitela
23

Enzimas Proteolíticas
Proteases Atividade
microrgânicas coagulante ideal
pH 3,5

Mucor pusillus Lindt Maior


sensibilidade à
adição de cloreto
de sódio
Renina Coagulação
máxima a 50ºC

Coagulação
Mucor mihei máxima a
65ºC
24

12
22/6/2012

Enzimas Proteolíticas - Aplicações


Queijo
Coagulação da caseína.

Flavor

25

Enzimas Proteolíticas - Aplicações

• Fermentados
• aa Desenvolvimento de aroma durante a fermentação

• Chocolate/cacau
• Ação nos grãos durante a fermentação aminoácidos

Bactérias produzem aminas, álcoois, aldeídos e os ácidos


capróico e 3-metilbutírico a partir de aminoácidos 26

13
22/6/2012

Enzimas Proteolíticas - Aplicações

• Panificação Atuam sobre as ligações peptídicas do glúten,


rompendo-as
• Melhorar a extensibilidade e a textura da massa

• Carnes e Peixes
• Abrandamento de carnes
• Liberação de óleos.
• Carcaças correspondem em cerca de 5% do peso total
Recuperação de proteínas do osso ou espinha

27

Enzimas Proteolíticas - Aplicações

Clarificação de vinho e cerveja

Turbidez é devido a coagulação das proteínas dos cereais ou


autólise das leveduras

Hidrólise preliminar das proteínas Papaína ou bromelina

A utilização de proteases Espuma da cerveja


28

14
22/6/2012

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso

Celulose (C6H1005)n é um polímero de cadeia longa composto de um


só monômero (glicose)

Celulases Desdobram a celulose em dextrina e glicose


pH ótimo 2,7

Na celulose, as unidades de glicose são ligadas através de β (1,4) 29

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso


A celulose só é digestível mediante atuação da celulase encontrada
no cupim e no rúmen dos ruminantes (bactérias do rúmen)

30

15
22/6/2012

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso

• As hemiceluloses referem-se a uma mistura de


polímeros de hexoses, pentoses e ácidos urônicos,
que podem ser lineares ou ramificados, são amorfo
e possuem peso molecular relativamente baixo

• As pentosanas por hidrólise produzem pentoses


(xilose e arabinose).

Hemicelulases são abrandadas pela ação do calor e


sucos gástricos 31

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso

Atua na celulase
Celulase Tipo C natural resultando
em cadeias
insolúveis de
glicose
Celulases
Atua na Celulase
moída ou hidratada
Celulase Tipo Cx
resultando
substâncias de baixo
peso molecular e
solúveis

32

16
22/6/2012

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso


Aplicações
• Aumenta digestibilidade de produtos a base de grãos e vegetais
• Clarificação de sucos em conjunto com pectinases eliminando a
turbidez e aumentando a produtividade de extração
• Extração de pigmentos

33

Enzimas Hidrolisantes de tecido vegetal fibroso


Aplicações

• Auxilia na fermentação de açúcares em massas e bebidas

• Remoção da casca de frutas e vegetais para preparação de


purê

• Cerveja: empregada em conjunto com as amilases e


pectinases para melhor aproveitamento do cereal

34

17
22/6/2012

Enzimas Pécticas
A Sociedade Americana de Química classificou as substâncias
pécticas em

Protopectina: insolúvel em água

ácido pectínico,
ácido péctico total ou parcialmente solúveis em água.
pectina

• Provenientes frutas cítricas, cebola, tomate ou de


microrganismos como fungos, leveduras e bactérias.

35

Enzimas Pécticas
Substâncias pécticas

Consistência, turbidez e aparência dos sucos das frutas

viscosidade do suco, dificultando a filtração e a concentração

degradação da pectina e
outros componentes de alto
peso molecular
viscosidade rendimento
50% o tempo de
filtração
Abrandamento de vegetais 36

18
22/6/2012

Enzimas Pécticas
Principais enzimas pécticas

Hidrólise dos grupos metil ester da


Pectinesterase pectina e do ácido péctico

São gerados grupos carboxílicos livres e


metanol

37

Enzimas Pécticas

Pectina-transeliminase Clivagem da ligação α 1,4 entre


ou liases ácido galacturônico esterificado

As pectinoliases são preferíveis no processamento de sucos e vinhos,


pois evitam a produção de metanol e com isso os ésteres voláteis responsáveis pelo
aroma específico das frutas não são afetados

38

19
22/6/2012

Enzimas Pécticas
Rompimento entre ácido galacturônico
não esterificado
Poligalactorunase

39

Enzimas Pécticas –Aplicações

Pécticas + celulases + hemicelulases enzimas de maceração

Sucos
Hidrólise das pectinas

Clarificação
Precipitação

40

20
22/6/2012

Enzimas Pécticas –Aplicações

VINHO

Enzimas maceração

Clarificação e filtração

Qualidade e estabilidade

Minimizarem a liberação de metanol dos ácidos


poligalacturônicos metilados
41

Enzimas Pécticas –Aplicações

Pectinases são inativadas Suco de laranja

42

21
22/6/2012

Enzimas Pécticas- Aplicações


Os óleos essenciais especialmente nas células do albedo de frutas
cítricas e contêm hidrocarbonetos (terpenos e sesquiterpenos),
compostos oxigenados (aldeídos, ésteres, álcoois, cetonas e fenóis) e
resíduos não voláteis (ceras, flavonóides e ácidos graxos)

A aplicação de pectinases hidrolisa liberando o óleo, aumentando o


rendimento, diminuindo o tempo de processo e melhorando a
qualidade do produto final 43

Enzimas Pécticas –Aplicações


Extração de Óleo

Óleos de canola, coco, semente de girassol, palma e oliva são


tradicionalmente produzidos por extração com solventes
orgânicos, mais comumente o hexano. A degradação da parede
celular por enzimas pectinolíticas permite seu uso para extração
de óleo vegetal em processo aquoso, pela liquefação dos
componentes estruturais das paredes celulares das sementes que
contêm óleo

Oliva extra virgem Aumenta a quantidade de agentes


antioxidantes (vit E) Reduz a indução ao ranço
44

22
22/6/2012

Enzimas Lipolíticas

Lipases e fosfolipases

Lipases

hidrolisam TG
Rancidez
indesejável

Ácidos graxos e glicerol

Fosfolipases Catalisam reações de hidrólise de ésteres, ligados


45
a glicerofosfolipídeos.

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações

Queijo
• Melhora o flavor
P. roqueforti produz uma lipase solúvel, a qual é responsável pela
liberação dos ácidos capróico, caprílico e cáprico em queijo Roquefort

A adição de enzimas lipolíticas em queijos italianos dos tipos Romano e


Provolone tem produzido bons resultados, já que o flavor desses queijos é
dependente da elevada concentração de ácido graxos livres

46

23
22/6/2012

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações


Panificação
• Têm sido raramente empregadas em panificação, devido ao efeito
prejudicial observado pela ação das lipases endógenas, que liberam
ácidos graxos insaturados

• Substituição do emulsificante monoglicerídeo pela enzima lipase

• Produzir mono e diglicerídeos provenientes da adição de lipídeos


melhora o volume específico, maciez do miolo e, conseqüentemente,
retardando o envelhecimento dos pães. Além disso, as enzimas
lipases proporcionam aumento da elasticidade e fortalecimento da
massa

• A adição de lipases pode produzir pequenas quantidades de ácidos


graxos livres de cadeia curta, que influenciam o aroma do pão.

47

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações

Modificação de óleos e gorduras

OR ác. esteárico
Ác. Oléico + ác. Esteárico Ác. Oléico
OR OR

Óleo de palma Análogo a manteiga cacau

Vários processos enzimáticos têm sido estudados visando a obtenção de


equivalentes da manteiga de cacau a partir de óleos e gorduras de baixo
valor comercial

Recentemente têm se utilizado as lipases como catalisadores de reações


de interesterificação 48

24
22/6/2012

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações


Biodiesel
• Produção destes compostos é realizada pela transesterificação
química dos óleos com álcool em condições drásticas de
temperatura e pressão com utilização de álcali ou ácidos.

• As lipases têm sido estudadas como alternativa "limpa" para a


transesterificação destes óleos com a vantagem de trabalharem
com menor gasto de energia e sem produzir resíduos como o
glicerol.

49

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações

A lipase presente nos grãos de aveia hidrolisa os


ésteres de ácidos graxos presentes que contém
insaturação no carbono 9 ou 10. A liberação deste
ácidos graxos provoca sabor e odor de ranço em
misturas de cereais matinais. Ocorre também a
formação de sabor amargo.

50

25
22/6/2012

Enzimas Lipolíticas – Lipases -Aplicações

• TG no leite cru São protegidos da degradação enzimática por


uma membrana. O leite se torna suscetível à lipólise quando esta
membrana é enfraquecida ou rompida, por excesso de agitação,
bombeamento, congelamento, dieta da vaca etc.

• Degradam a gordura ácido butírico e outros ácidos graxos de


cadeia curta responsáveis pelos sabores e odores indesejáveis,
típicos do ranço.

51

Enzimas Lipolíticas – Fosfolipases

Farinha de trigo Produção de estruturas funcionalmente


similares às dos emulsificantes químicos

Proporcionam à massa um balanço adequado de elasticidade e


extensibilidade e uma redução da pegajosidade,
proporcionando um produto final com maior volume e maciez
Enzima Reação Produto/Propriedades
Fosfolipase A2 Hidrólise Lisofosfolipídeos /
aumento da capacidade
emulsificante
Fosfolipase D Hidrólise Ácido fosfatídico/oculta
o sabor amargo de
alimentos
Transesterificação Produtos tais como o
fosfatidilglicerol /
fosfatidilserina
aumentam a
capacidade de emulsão
e a estabilidade a 52
temperatura

26
22/6/2012

Enzimas Oxidativas
Catalase Catalisam a separação do peróxido de hidrogênio em
água e oxigênio

São obtidas de fontes naturais e de microrganismo

53

Enzimas Oxidativas- Catalase


Aplicações
• Leite Pasteuzirado

Adiciona-se H2O2 para reduzir a ação de microrganismos


catalase para a decomposição do peróxido

54

27
22/6/2012

Enzimas Oxidativas- Glicose-oxidase

• Catalisa a oxidação da glicose a ácido glicônico e peróxido


de hidrogênio
• Origem microbiana
• Atua conjuntamente com a catalase

55

Enzimas Oxidativas- Glicose-oxidase


Aplicações

Eliminação de oxigênio e glicose

Dessecação do ovo Eliminação da glicose

Oxigênio cerveja, vinho e manteiga

Escurecimento

56

28
22/6/2012

Enzimas Oxidativas- Peroxidase


Peroxidase Grupo
As peroxidases que apresentam grupo prostético hemo estão
presentes em leucócitos, nos vegetais superiores e no leite.

Fe 3+

Fe 4+ ou 5+
peróxido de hidrogênio ou
um peróxido orgânico,como o
metil ou etil peróxido de
Peróxido é reduzido hidrogênio

Doador de elétrons é O doador de elétrons pode ser


ascorbato, fenóis, aminas ou outros
oxidado componentes orgânicos.
57

Enzimas Oxidativas- Peroxidase


Aplicações
Deterioração - Frutas: contribui na reação de escurecimento
Enzima termo-resistente

Controle da
pasteurização

58

29
22/6/2012

Enzimas Oxidativas- Polifenoloxidase

Cobre como grupo prostético

Pode ser denominada fenolase, tirosinase ou catecolase o-


difenol

Atividade é ótima pH 5-7

Desnatura a pH < 3

Encontrada em praticamente todos os vegetais

59

Enzimas Oxidativas- Polifenoloxidase

Substratos endógenos para PPO em vegetais


Produto Substrato
Banana 3,4-diidroxifenilamina (dopamina)
Maça Acido clorogênico, O-catequina
Cacau Catequinas
Café Acido clorogênico, acido caféico
Berinjela Acido caféico, acido cinâmicos
Alface Tirosina
Cogumelo Tirosina
Batata Tirosina, Acido clorogênico, flavonóides
Chá Flavonóides, catequinas, taninos
Pêssego Taninos
Pêra Acido clorogênico 60

30
22/6/2012

Enzimas Oxidativas- Polifenoloxidase


Escurecimento de
vegetais

Perda
qualidade
nutricional
Vitaminas e
aa

Condensa, formando pigmentos escuros insolúveis,


denominados melanoidinas
Quinona
Reage não-enzimaticamente com outros compostos
fenólicos, aminoácidos e proteínas, formando também
melanoidinas 61

Enzimas Oxidativas- Polifenoloxidase


Aplicações
Chá/Café: desenvolvimento do escurecimento
Sabor

Presença e a atividade da enzima polifenoloxidase (PPO), durante a


fermentação e a secagem das amêndoas de cacau, são um dos
fatores responsáveis pelo desenvolvimento dos precursores do sabor

Antocianidinas e taninos adstringência característica


de amêndoas pouco fermentadas

Escurecimento de frutas e vegetais


e seus produtos 62

31
22/6/2012

Bioprocessos aplicados a
Produtos alimentícios alimentos
Fermentados
Fermentação do chá
Não é fermentação microbiana !!
Enzima polifenoloxidase
Oxida as catechinas
Tipos de chá
Chá verde
Chá Oolong e Pouchong
Chá preto
outras plantas.... Chá de ????

63

Enzimas Oxidativas- Lipoxidases ou


lipoxigenase

Lipoxigenases são enzimas que catalisam a adição de oxigênio


molecular aos ácidos graxos polinsaturados principalmente ácido
linoléico (ω6) e ácido linolênico (ω3)

64

32
22/6/2012

65

Enzimas Oxidativas- Lipoxidases ou


lipoxigenase – Aplicações
• Lipases Gerar ácidos graxos livres

• Lipoxigenases atuar sobre o ácido graxo livre formando


peróxidos, os quais irão quebrar ligações dissulfeto do
glúten favorecendo a elasticidade

66

33
22/6/2012

Enzimas Oxidativas- Ácido ascórbico -


Oxidase

• Catalisa a oxidação do ácido ascórbico

67

68

34
22/6/2012

Algumas enzimas obtidos por microrganismos


Enzima Microrganismos Aplicação Reações
Amilase, Aspergillus, Amilase: hidrolise do amido Baseada na hidrolise
invertase, Penicillium, Mucor Invertase: hidrolise da sacarose de compostos
protease e e Rhizopus Protease: degrada proteínas poliméricos
pectinase
Pectinase: hidrolisa pectinas
Estreptoquinase Streptococcus sp. Tratamento de pacientes que Ativa o plasminogênio
sofreram ataques cardíacos sanguíneo a plasmina,
uma enzima que
dissolve a fibrina de
coágulos sanguíneos
Glicose Streptomyces sp. Produção de xaropes com alto Converte glicose em
isomerase Bacillus sp. teor de frutose frutose

Lipase Rhizopus sp. Aromatizante utilizado no Hidrolisa a glicerol e


processamento de alimentos; ácidos graxos
melhoramento da ação dos
detergentes
celulase Trichoderma reesii Disgestivo Hidrolisa celulose a
celobiose

Glicose oxidase Aspergullus sp. Remove glicose dos ovos antes Oxida glicose a acido
Penicillium sp. do ressecamento; remove o glucônico
oxigênio de alimentos enlatados, 69
refrigerantes e cerveja

35