Você está na página 1de 12

 

INSTITUTO TECNOLÓGICO DE EDUCAÇÃO (ITECNE)

PATRÍCIA MAIA GALVÃO

Regis Rubro - o Casamento Alquímico -


Perfume Botânico e Sabonete Natural com Acácia Amarela

Rio de Janeiro
2019
PATRÍCIA MAIA GALVÃO

Regis Rubro - o Casamento Alquímico -


Perfume Botânico e Sabonete Natural com Acácia Amarela

Projeto de pesquisa apresentado como requisito para aprovação no curso de extensão em


Gineterapia, realizado no Instituto Tecnológico de
Educação (ITECNE). Coordenação: Karenn Mirpa
Nhusta Manta.

Rio de Janeiro
2019
  
"Il n'y a ni mauvaises herbes ni mauvais hommes
Il n'y a que de mauvais cultivateurs"
Victor Hugo
1-INTRODUÇÃO
A gineterapia por meio dos mistérios, chaves, portais nos proporciona um mergulho
profundo no misticismo vivo feminino de antigas tradições matricêntricas da humanidade.
Aprendemos, que é sobretudo através do amor, da entrega e do trabalho na construção e
reconstrução do Ser íntimo que encontramos a harmonia e a habilidade para bem viver no
mundo. Atravessamos os mistérios da Roda da Vida, do Amor e da Sexualidade, da Concepção,
da Transformação e da Inteireza. Esta travessia se revelou um verdadeiro Caminho Iniciático.
Toda heroína ou herói que começa a trilhar a Senda da Iniciação, que é a busca da
integração entre seu verdadeiro Ser e a Divindade, necessita de armas e ferramentas apropriadas
para vencer os obstáculos da Jornada. Essas nos foram apresentadas na forma de Técnicas
Terapêuticas - Artes do Cuidado, onde está inserido meu trabalho. Uma dessas ferramentas são
as práticas de higiene e beleza diárias com o uso das plantas e de produtos feitos com elas, nas
atenções com o corpo. Assim são os sabonetes, cosméticos e perfumes botânicos, que
introduzidos na rotina diária, tratam, higienizam e embelezam, ao mesmo tempo que promovem
mudanças físicas, psíquicas e vibracionais pela interação com a energia das plantas e seus
componentes ativos.
Como estudante de Alquimia Clássica, busco trazer os aprendizados de minha jornada
mística para arte da saboaria natural em cold process (processo de saponificação de óleos e
manteigas à frio) e perfumaria botânica, seguindo as técnicas ancestrais de confecção destes. São
produtos feitos de maneira artesanal e artística desde a sua base, com ingredientes que vem da
natureza como: óleos e manteigas de origem vegetal, óleos essenciais, extratos e macerados de
plantas e até corantes e ativos cosméticos. Todos combinados por mim, num processo místico
inspirado, que respeita a prática do “​Ora et Labora​” da alquimia. Tudo que crio têm forte ligação
com o simbolismo místico da Alquimia Clássica e de seus mestres.
Esta Obra Prima, objetiva por meio da saboaria e perfumaria ancestrais, usando a acácia
amarela como elemento ativo e simbólico de união do masculino e do feminino em sua
manifestação luminosa, representados pela força arquetípica solar do Vermelho Real - desperta
durante o curso de Gineterapia - trazer a arte e os cuidados naturais com o corpo, como
ferramenta de auxílio na Jornada Iniciática de uma Gineterapeuta.

2-PROCESO MÍSTICO-CRIATIVO E METODOLOGIA


2.1-Conexão com a planta
Na Gineterapia, além dos Mistérios e Chaves terapêuticas, fomos apresentadas aos
Portais de conexão espirituais, e foi desse modo que ao ver florescer perto da minha casa a
Acácia (Figura 1), percebi a exuberância de suas flores e como ela parecia se destacar dentre as
outras plantas em flor. Toquei o seu caule forte rugoso e conversei mentalmente com a planta
agradecendo a entrega da sua energia na forma de flores e pedindo permissão para colhê-la,
mesmo sem saber ainda como iria usar. Entre a colheita e a chegada em casa fui percebendo os
preparados que faria com ela.
Figura 1.​ Acácia.

2.2-Colheita e preparo do floral e extratos


A planta foi colhida junto com meus dois filhos em uma noite de verão. Logo após a
colheita foi feito o floral (Figura 2), conforme aprendido na Gineterapia, pousando suas flores
em água pura (foi usada a água destilada em uma parte e mineral em outra) em recipientes de
vidro com um pequeno domo (Figura 2), colocados ao sol.

Figura 2.​ Preparo do floral.

O extrato glico-alcoólico (Figura 3), foi preparado conforme práticas já realizadas por
mim na saboaria e perfumaria botânicas, adicionando às flores algumas gotas de glicerina
bidestilada. Após vinte e quatro horas de repouso a planta libera seus líquidos perfumados,
quando então foi adicionado um pouco mais de glicerina, álcool e água destilada de maneira
empírica, sem medidas.
Figura 3.​ Extrato glico-alcoólico.

2.3-Simbolismo
Enquanto os preparados amadureciam e se desenvolviam, mergulhei nos mistérios dessa
planta, sua simbologia e sua potencialidade de cura, para descobrir o que ela ela tinha a me dizer,
ou seja, que tipo de energia essa planta emanava, e que tipos de combinações seriam mais
apropriadas para trazer à luz essas energias nos cuidados do corpo e da alma.
A acácia é uma árvore que tem uma forte ligação mística com os povos antigos, egípcios,
hebreus, judeus e a maçonaria. Os povos antigos tiveram um respeito extremado pela acácia
considerando-a um emblema solar, porque suas folhas se abrem com a luz do sol do amanhecer e
se fecham ao desaparecer do sol no fim do dia. Além disso sua flor se parece com o próprio disco
solar.
No Egito, a acácia é sagrada e relacionada com o mito de Ísis e Osíris, onde a deusa
encontra o corpo do deus numa balsa no Nilo, nela cresce uma acácia, um marco do sol e da
ressurreição. O dourado das suas flores também está relacionado a Hermes-Mercúrio, o “pai” da
alquimia, deus da comunicação.
Existem diversas referências bíblicas à acácia. Para os judeus, com a madeira da acácia
foram feitas a Arca de Noé, a Arca da Aliança, o Tabernáculo e a mesa dos pães propiciais.

“Também farão uma arca de madeira de acácia…” (Êxodo 25:10)


“Farás também de madeira de acácia as tábuas para o tabernáculo…” (Êxodo 26:15)
“Suspendê-lo-ás sobre quatro colunas de madeira de acácia…” (Êxodo 26:32)
“Farás também o altar de madeira de acácia...(Êxodo 27:1)
“Farás também varais para o altar, varais de madeira de acácia...(Êxodo 27:6)
“Também farás a mesa de madeira de acácia…” (Êxodo 25:23)

A escolha da madeira de acácia, que existia no deserto, para confeccionar objetos


sagrados, pode também estar relacionada ao fato de ser imputrescível, incorruptível e inatacável
pelos predadores naturais, o que também reforça a idéia simbólica de imortalidade associada à
ela associada.
Diz-se que a cruz em que Jesus Cristo foi crucificado foi feita da madeira da acácia, e sua
coroa de espinhos de seus galhos. A Bíblia é rica em alusões da madeira de acácia dando à ela
usos sagrados, que acabam por convertê-la em uma árvore sagrada.

“Plantarei no deserto o cedro, a acácia, a murta e a oliveira…( Isaías 41:19)

Para a maçonaria a acácia amarela é um símbolo do grau de Mestre, relacionada à história


do Mestre Hiram Abif. O Mestre maçom é um Rei, “Mestre” de si próprio e da natureza. A
acácia faz parte da simbologia deste grau, estando associada a morte das imperfeições e
ressurreição da alma purificada.
É possível também encontrar folhas de acácia em muitas pinturas renascentistas e da
antiguidade, reforçando sua importância na mítica da humanidade e a apreciação de sua beleza
desde tempos remotos.
Como um símbolo do Masculino Sagrado é importante considerar sua cor amarela solar,
e a relação entre força e pureza concomitantes. Essencialmente a acácia amarela representa a
energia luminosa do Sol, que renasce todos os dias, o conceito de ação e continuidade que dá
vida e transcende a morte.

2.4- A criação da sinergia


Combinar óleos essenciais e macerados em uma sinergia é uma forma de potencializar
suas ações fisiológicas e de acrescentar uma dimensão “mágica” à mistura. Durante a
composição dos aromas eles se transformam e integram uns aos outros, o que gera um resultado
único, que modifica e é modificado pelo artista, conduzindo verdadeiras transformações do Ser
que a cria e também de quem entra em contato com a obra.
Para que a sinergia fique harmônica é preciso sentir com a planta, sua história, as
mensagens que ela pode trazer, e quais outras plantas companheiras que podem ajudar a
comunicar essas mensagens da natureza.
No primeiro momento, senti a acácia como um símbolo feminino ativo, sua exuberante
inflorescência amarelo-ouro remeteu a Unidade, a comunhão de meu próprio caminho na Senda
Mística com a Jornada feita entre mulheres na Gineterapia, transbordando em expressão no
mundo! Mas logo notei a força masculina, sua cor amarela-ouro que remete ao sol, a vida e a
ação. Peculiarmente, o encontro com ela se deu em um dia de harmonia especial com os homens
importantes da minha vida. Com essas referências, decidi fazer um perfume representativo do
Rei Vermelho da Alquimia, a força solar masculina, vibrante, de centelha divina perfeita.
Desse modo, foi criada uma sinergia combinando óleos essenciais com o extrato
glico-alcoólico da acácia, para fazer um perfume botânico e um sabonete natural que trouxessem
a energia do Sol e da realeza vermelha da alquimia.

2.4.1-Perfume botânico
Componentes:
● Água floral de acácia
● Extrato glico-alcoólico de acácia
● Resina de olíbano macerado em álcool de cereais
● “Bayrun” - louro, cravo, canela e cardamomo, macerados em rum, preparado inspirado
em pós-barba ancestral usado por piratas.
● Óleos essenciais de: laranja, canela, sândalo, palmarosa, patchouli, pau-rosa, cardamomo.

Figura 4.​ Perfume em cama de flores de Acácia.


2.4.2 - O sabonete natural
O processo usado para a fabricação do sabão natural Regis Rubro (Figura 5) foi o de
saponificação de óleos e manteigas vegetais à frio, chamado ​cold process.​

Componentes:
● Óleos da base, saponificados: oliva extra-virgem, girassol, mamona, palma, coco babaçu
e manteiga de manga.
● Sobregordura: vitamina E, óleo de gergelim e manteiga de manga.
● Aditivos: Extrato glico-alcoólico de acácia, argila vermelha, água floral de acácia.
● Corantes naturais: óxido de ferro vermelho e amarelo, mica dourada.
● Óleos essenciais: laranja doce, palmarosa, canela, sândalo, patchouli, pau-rosa,
cardamomo, mirra.

Figura 5.​ Sabão natural Regis Rubro.


2.4.3- Regis Rubro, a escolha do nome
A sinergia de óleos essenciais, macerados e extrato de acácia foi pensada (ou intuída)
para ressaltar características conhecidas como masculinas e solares de ação. Porém, seu aroma
ficou quase um doce da vovó, fazendo alusão à infância. Algo que a princípio causou estranheza,
mas pode ser relacionado a pureza e energia vital do arquétipo ligado ao Fogo Criador Divino.
Cada vez mais símbolos dançam em torno da composição aromática e o nome deve reunir
todos eles, para refletir a Unidade percebida no contato com a acácia, evidenciada durante
processo de elaboração da sinergia e na expressão material da obra realizada. Para tanto, busquei
os conhecimentos obtidos no Módulo de Reiki da Gineterapia, onde ficou claro que os conceitos
de masculino e feminino, yin e yang, se sobrepõe e interpenetram, devendo ser considerada
principalmente a relação entre o que está sendo comparado, existindo entre eles uma dança
perfeita. Com isso em mente, batizei com um nome neutro a composição que antes seria
nomeada de “Rei Vermelho”. Ela passa então a se chamar “Regis Rubro”, ou, vermelho real,
trazendo a luz divina ao campo das realizações materiais.

3- RESULTADOS E DISCUSSÃO
O curso de Gineterapia interferiu de forma teórica e prática, na maneira como crio
perfumes e sabonetes naturais, e na maneira como compreendo essa criação.
Minha Obra Prima deste curso é composta por duas composições artísticas aromáticas,
na forma de um perfume botânico e um sabonete natural que foram compartilhados com as
colegas de curso e as facilitadoras presentes na apresentação, bem como as experiências e
sensações que tive no processo criativo e no uso destas criações.
Eles foram e ainda estão sendo usados para que possam ser identificadas suas ações
vibracionais, no entanto, já puderam ser percebidos algo mais digno de nota no próprio processo
de produção: o olíbano do perfume foi acrescentado dias antes do último módulo do curso, num
momento intuitivo, percebi que faltava algo, e com ele o perfume ganhou profundidade e
sacralidade. Já o sabonete não tem olíbano e sim mirra que tem efeito semelhante de contato com
o divino. No entanto, a mirra abre os canais e nos deixa expostos, receptivos, já o olíbano fecha e
trás uma proteção espiritual. É interessante observar que a adição desses elementos se deu de
maneira totalmente intuitiva e eles acabaram se revelando complementares, ressaltando em seus
dois produtos a idéia de Unidade que esta Obra Prima revela.
As características das ações dessa composição puderam ser sentidas durante a
experimentação do perfume e do sabonete e seu uso constante, mas necessitam de mais tempo
para serem entendidas, integradas e reveladas.

5-CONCLUSÃO
A acácia representa, para mim força de ação, renascimento e transcendência. Essas forças
facilitaram a construção artística das composições elaboradas com ela e foram perceptivelmente
transmitidas para o sabonete e perfume que contém seu extrato, representando o natural florescer
de meu trabalho como artesã de saboaria e perfumaria em harmonia com os saberes e
experiências do curso de Gineterapia e o estudo da Alquimia.

6-PROPOSTAS DE VIVÊNCIA NA GINETERAPIA


6.1- Encontro metafísico com o Rei
Proposta de meditação guiada (adaptação do Casamento alquímico) com a música “If I
could be where you are” (Enya).

6.2 -Confecção do extrato de acácia


Proponho que seja realizada a confecção do extrato após a experiência meditativa ao som
da música “Acácia Amarela” de Luiz Gonzaga.
Material: Flores de acácia recém colhidas ou secas, água destilada ou floral de acácia, álcool de
cereais, glicerina líquida bi-destilada.
Modo de fazer: Acrescente as flores em um pote de fechamento hermético, adicione algumas
gotas de glicerina, feche o pote e deixe em repouso soltando os líquidos até o dia seguinte.
Acrescente mais glicerina, álcool de cereais e água destilada em igual proporção ou de modo
intuitivo até cobrir completamente as floras. Feche o pote e guarde em local longe da luz e calor
por cerca de 15-30 dias. Use na composição de perfumes, cremes e sabonetes.

6.3- Oração da materialização do Casamento Alquímico


Pode ser usada antes ou depois da experiência mística e para energizar o extrato de
acácia;

Querida Deusa, querido Deus do meu Coração, 


Que eu seja digna! 
Que meu consorte seja digno! 
Que deixe ir o que não faz parte de mim. 
Que acolha com amor e cuidado tudo o que sou. 
Que transborde para o mundo meu verdadeiro Ser. 
Que receba de fora conforme o que está dentro. 
Que meu amor se materialize e se divinise ao mesmo tempo. 
Que a Deusa e o Deus sejam honrados no Casamento Alquímico dentro e fora de mim. 
Que nada nos afaste do que é real em nós e entre nós. 
Que o amor seja o grande poder. 
Que seja suficiente. 
Que frutifique. 
Assim seja! 
7 - BIBLIOGRAFIA

A Biblia Sagrada, Antigo e Novo Testamento. Traduzida em português por João Ferreira de
Almeida. Edição revista e atualizada no Brasil. Sociedade Bíblica do Brasil. 1969. Brasília - DF.

Material escrito do curso de Gineterapia. 

Andreae, Johann Valentin. As Bodas Alquímicas de Christian Rosenkreutz. 1616. 135 p.

Boucher, Jules. A Simbólica Maçônica ou a arte real reeditada e corrigida de acordo com as
regras da simbólica esotérica e tradicional. Editora Pensamento, São Paulo. 400 p.

Disher, Joel. Antigos Manifestos Rosacruzes. Grande Loja do Brasil, Curitiba. 114 p.

Margarida, Palmira. A Perfumaria Ancestral, aromas naturais no universo feminino. Coleção


Reflete o Feminino, Editora Camila Perlingeiro, Rio de Janeiro. 2018. 96 p.

Price, Shirley. Aromaterapia e as Emoções. Editora Bertrand Brasil LTDA, Rio de Janeiro.
2014. 318 p

Acácia Amarela - Luíz Gonzaga e Orlando Silveira:


https://www.youtube.com/watch?v=CvJDBanI2bE​ ​Acesso 07 de fevereiro de 2019.