Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE POTIGUAR - UnP

PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CARLOS MARTINS DE OLIVEIRA


EDRWINS HANMSES NETO PEREIRA
EVERTON ANDRE RODRIGUES DE OLIVEIRA
CARLOS MARCEL PERGENTINO DE MOURA
RILDSON SEABRA DE FIGUEIREDO
ELISEU DE ANDRADE E SILVA

ENSAIO DE PERMEABILIDADE DO SOLO

NATAL
2012
CARLOS MARTINS DE OLIVEIRA
EDRWINS HANMSES NETO PEREIRA
EVERTON ANDRE RODRIGUES DE OLIVEIRA
RILDSON SEABRA DE FIGUEIREDO
ELISEU DE ANDRADE E SILVA

ENSAIO DE PERMEABILIDADE DO SOLO

Relatório de ensaios, submetido à disciplina


de mecânica dos solos como título de
obtenção da nota do trabalho realizado,
conforme título citado no escopo do trabalho.

PROFESSORA: ANA KATARINA


OLIVEIRA ARAGAO

NATAL
2012
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO....................................................................................... 3

2 REVISÃO DA LITERATURA................................................................. 3

3 ENSAIO DE PERMEABILIDADE – CARGA CONSTANTE................. 4

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS.................................................................. 7

REFERÊNCIAS..................................................................................... 8
3

1 INTRODUÇÃO

A água ocupa a maior parte dos vazios do solo. E quando é submetida a


diferenças de potenciais, ela se desloca no seu interior. As leis que regem os
fenômenos de fluxo de água em solos são aplicadas nas mais diversas situações da
engenharia como: no cálculo das vazões, na estimativa da quantidade de água que
se infiltra numa escavação ou a perda de água do reservatório da barragem; na
análise de recalques, porque, frequentemente, recalque está relacionado com
diminuição do índice de vazios, que ocorre pela expulsão de água destes vazios e;
nos estudos de estabilidade geral da massa de solo, porque a tensão efetiva (que
comanda a resistência do solo) depende da pressão neutra, que por sua vez,
depende das tensões provocadas pela percolação da água; e a possibilidades da
água de infiltração produzir erosão, e consequentemente, o araste de material sólido
no interior do maciço.
A permeabilidade é a propriedade que o solo apresenta de permitir o
escoamento de água através dele. Todos os solos são mais ou menos permeáveis.
Conhecer o seu valor é importante porque os problemas mais graves de construção
estão relacionados com a presença da água.
A determinação da permeabilidade é obtida através da mensuração dos
coeficientes de permeabilidade os quais são determinados através de ensaios de
laboratório com amostras indeformadas ou de ensaios “in situ” (de campo - onde
existe um lençol freático).
O objetivo do presente trabalho e a realização do ensaio de permeabilidade
com o Permeâmetro de Nível Constante para a determinação do coeficiente de
permeabilidade da amostra, como será visto a seguir.

2 REVISÃO DA LITERATURA

- Permeabilidade de um solo: é a propriedade do solo que indica a maior


ou menor facilidade que o mesmo oferece à passagem de água através de seus
vazios;
- Coeficiente de Permeabilidade: índice que expressa à facilidade ou a
dificuldade da água se deslocar por entre os vazios de um solo com certa
velocidade, geralmente expresso, em cm/s;
4

- Gradiente hidráulica: Queda de potencial hidráulico por distância de


percolação unitária.
Existem diversos tipos de equipamentos para investigação da condutividade
hidráulica de solos em laboratório. Esses equipamentos são denominados de
permeâmetros, e são classificados em permeâmetros de parede rígida e parede
flexível.
Os ensaios de laboratório são realizados em células chamadas de
permeâmetros, sendo que no seu interior é colocado o corpo de prova para
execução do ensaio. Existem duas categorias de permeâmetros usados em
laboratório, os permeâmetros de parede flexível e os permeâmetros de parede
rígida. Em função do método de execução os ensaios podem ser denominados:
ensaio de carga (ou vazão) constante e ensaio de carga variável.
- Permeâmetro de parede rígida do tipo molde de compactação (utilizado
em nosso ensaio) é constituído por tubo metálico, plástico ou vidro, onde é colocado
o corpo de prova compactado para o ensaio.

3 ENSAIO DE PERMEABILIDADE – CARGA CONSTANTE


Para a determinação da permeabilidade do solo, a carga constante, é
utilizado NBR-13292/95 – Solo determinação do coeficiente de permeabilidade de
solos granulares à carga constante.
a. Aparelhagem
- Pemeâmetro composto de um cilindro dotado de orifício de entrada e saída
(conforme foto 01);
- Corpo de prova já moldado e saturado;
- Cronômetro;
- Mangueira que possa ser conectada sem folgas aos orifícios do
permeâmetro;
- Tubos manométricos dotados de escalas graduadas em milímetros; e
- Uma régua metálica milimétrica (um metro).
b. Amostra
A amostra indeformada de solo já se encontrava no permeâmetro,
compactada e saturada pronta para o ensaio.
5

Foto 01 - Permeâmetro de carga constante

c. Procedimentos
- Com todas as válvulas abertas aguardou-se que as cargas se
estabilizem, sem apresentar variações nos níveis de água nos tubos manométricos;
- Com a vazão estabilizada na saída, cronometrou-se o tempo de
2minutos e coletou-se 23 ml de água, na saída do permeâmetro (conforme Foto 02).
- O ideal seria repetir esta ação por três vezes para a obtenção de uma
vazão média, entretanto por limitação de tempo só foi realizado uma vez.
- Na sequencia mediu-se a altura do nível de água, com uma régua
metálica de um metro, onde se obteve a altura h= 63 cm.
- Mediu-se o diâmetro de corpo de prova onde se obteve d = 16,6 cm.
- Mediu-se a altura do corpo de prova L = 17,5 cm.

Foto 02: Coleta de água do corpo de prova


6

d. Resultados
Os dados coletados foram aplicados na formula de Darcy para a obtenção
do coeficiente de permeabilidade, conforme se observa a seguir ( tabela 01):

Onde:
k = coeficiente de permeabilidade
L = comprimento (em cm)
A = área da amostra (do corpo de prova, em cm)
h = diferença de nível (em cm)
V = volume (coletada, em cm³)
T = tempo do ensaio ( em segundos)

Tabela 01 – Cálculo do coeficiente de permeabilidade

Discriminação Dados
Volume- coletado 23 ml = 0,23 cm³
Comprimento do corpo de
17,5 cm
prova (L)
Altura do nível (h) 63 cm
Área do corpo de prova (A)

Tempo do ensaio (T) T = 60s x(2min) = 120 s


Coeficiente de
permeabilidade (k)
7

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Como resultado do ensaio de permeabilidade da amostra de solo, obtivemos


o coeficiente (k) com valor de:

Onde podemos concluir que o solo, oriundo da amostra ensaiada, é de


Baixa Permeabilidade, podendo ser Silte ou Argila.
Não foi possível a realização do ensaio de permeabilidade com carga
varável pela indisponibilidade do permeâmetro.
8

REFERÂNCIAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 1392/95 − Solo


– determinação do coeficiente de permeabilidade de solos granulares à Carga
Constante . Rio de Janeiro, 1995.

ORTIGÃO, J. A.R. Introdução à mecânica dos solos: Estados críticos. 3. ed. São
Paulo: Terratek, 2007.